ANÁLISE PARA RECUPERAÇÃO DE UMA AREA DEGRADADA, NA MICRO BACIA DO RIBEIRÃO TAQUARUÇU PALMAS - TO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE PARA RECUPERAÇÃO DE UMA AREA DEGRADADA, NA MICRO BACIA DO RIBEIRÃO TAQUARUÇU PALMAS - TO"

Transcrição

1 1 ANÁLISE PARA RECUPERAÇÃO DE UMA AREA DEGRADADA, NA MICRO BACIA DO RIBEIRÃO TAQUARUÇU PALMAS - TO AUTORES: AMANDA EMILY NEGRE GUIMARÃES; EDUARDO VINICIUS; PRISCILA GUILHEM BATISTA; ZACARIAS SOUZA. FACUDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CURSO: TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL ORIENTADOR: CID TACAOCA MURAISHI NOVEMBRO 2009 RESUMO Esta pesquisa objetivou a análise para recuperação da área degradada no Loteamento Santa Fé, próximo à zona urbana de Palmas, situada na micro bacia do ribeirão Taquaruçu, TO-030, com base no Método de Regeneração Natural e reflorestamento, como forma de compensação aos danos anteriormente causados, além da reconstituição da paisagem local. A Metodologia utilizada implica na caracterização da área. Para isso foram desenvolvidas análises do solo com parâmetros que indicam fertilidade e principais características, também foram realizados levantamentos fitossociológicos das espécies vegetais, disponibilizando banco de dados em formato de tabela para análise das espécies florestais predominantes. A área está devidamente representada através de dados georeferenciados. As informações obtidas propiciam uma ampla reflexão para implantação das técnicas precisas de recuperação da área. PALAVRAS-CHAVE: DEGRADAÇÃO, RECUPERAÇÃO, REGENERAÇÃO NATURAL, BANCO DE SEMENTES. ABSTRACT This research aims at the analysis for the recovery of degraded areas in Santa Fé Subdivision, near the urban area of Palmas, located in the micro basin stream Taquaruçu, TO-030, based on the method of natural regeneration and reforestation, as compensation for damage previously caused, in addition to reconstitution of the local landscape. The methodology used involves the characterization of the area. That were developed for soil analysis with parameters that indicate fertility and main features, were also conducted phytosociological plant species, making the database in table format for analysis of forest species dominate. The area in adequately represented by data referenced. The information obtained provide a broader deployment of techniques for accurate recovery of the area. KEYWORDS:.DEGRADATION, RECOVERY, NATURAL REGENERATION, SEED BANK.

2 2 1. INTRODUÇÃO A degradação ambiental implica na redução dos recursos renováveis, por uma combinação de ações impactantes agindo sobre o meio ambiente. Existem diferentes formas de degradação relacionada aos vários componentes verticais de uma unidade de terra: atmosfera, vegetação, solo, geologia, hidrologia. Desta forma, a degradação ambiental pode ser proveniente, por exemplo, das condições atmosféricas adversas que vêm sendo introduzidas pelo homem, provocando alterações climáticas. Ou pode ser da própria biota, por meio da ação direta do homem e agravada por efeitos naturais. Entende-se que as atividades de planejamento ambiental dizem respeito aos estudos prévios, à análise de alternativas. Todavia a avaliação de impacto ambiental (AIA) deve ser prioridade a qualquer alteração ao meio ambiente, imposta pela ação do homem, embora seja muitas vezes vista e entendida como uma formalidade burocráticolegal, necessária apenas para obtenção de licença ambiental. Recuperar uma área indevidamente impactada requer a identificação das questões relevantes. Normalmente parte-se da descrição e de um reconhecimento das condições ambientais da área afetada. É necessário, no mínimo, o levantamento fitossociológico das espécies florestais. Este processo envolve os indivíduos com diâmetro à altura do peito (DAP) medido a 1,3m de altura do nível do solo, com espessura igual ou superior a 5cm. A identificação da biodiversidade, as características principais fornecem uma lista preliminar das técnicas precisas para a recuperação da área. Das técnicas de recuperação de áreas degradadas, é importante o conhecimento do potencial de regeneração natural que permite manejar áreas naturais de modo sustentável. Esta técnica compreende o conjunto de indivíduos de espécies arbóreas em estágio inicial de desenvolvimento, envolvendo indivíduos em estágio de plântulas até árvores juvenis. O estudo do banco de sementes indica a biodiversidade e a potencialidade de regeneração natural de uma vegetação. Especificamente prevê o tamanho futuro da população de plantas, indica como agem os fatores ambientais e ajuda nos seguintes estudos: a) evolução das espécies; b) dinâmica da população nativa

3 3 em florestas; e c) acompanhamento dos efeitos de interferência humana, animais, ou climáticas no equilíbrio dos ecossistemas naturais O Presente trabalho teve por objetivo: 1) caracterizar a área utilizando métodos de banco de dados para identificação das espécies florísticas. 2) análise do solo para o processo de germinação natural das sementes e o processo de reflorestamento a partir do Plantio de mudas nativas; e 3) Análise para recuperação da área degradada.

4 4 2. REFERENCIAL TEÓRICO Área degradada é aquela que sofreu, em algum grau, perturbações em sua integridade, sejam elas de natureza física, química ou biológica. Recuperação, por sua vez, é a reversão de uma condição degradada para uma condição não degradada (Majoer, 1989), independentemente de seu estado original e de sua destinação futura (RODRIGUES & GANDOLFI, 2001) Quando ocorre alguma alteração, proveniente de fatores naturais ou antrópicos, a condição natural é modificada, alterando o meio ambiente. Essa alteração pode trazer as mais diversas consequências, e cada tipo de uso do solo exercerá influência diferente no processo (EMMERICH FARIAS1978). A recuperação de uma dada área degradada deve ter como objetivos recuperar sua integridade física, química e biológica (estrutura), e, ao mesmo tempo, recuperar sua capacidade produtiva (função), seja na produção de alimentos e matériasprimas ou na prestação de serviços ambientais (RODRIGUES & GANDOLFI, 2001). De acordo com Poggiani e colaboradores (1996) o estudo do habitat onde se desenvolve uma espécie ou uma comunidade vegetal é fundamental para o profissional que atua sobre os ecossistemas florestais. As informações obtidas são subsidio para planejar diversas atividades tais como: preparo de laudos técnicos, manejo florestal, plantio de enriquecimento de florestas secundárias, e recuperação de áreas degradadas. Impacto ambiental pode ser definido como qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente resultantes de atividades humanas que, direta ou indiretamente, afetem a saúde, a segurança e o bem-estar da população; as atividades sociais e econômicas; a biota; as condições estéticas e sanitárias do meio ambiente e a qualidade dos recursos ambientais. (Resolução CONAMA n.º 01 de 23/01/86). No artigo 16 e 44, o Código florestal ( modificado pela Medida Próvisória nº /01) prevê o instituto da Reserva Florestal Legal. De acordo com a lei, todas as propriedades devem possuir uma área de reserva florestal nativa, no percentual de 80% (oitenta por cento) para as áreas de floresta da Amazônia, 35% (trinta e cinco por cento) para as áreas de cerrado da Amazônia, e no percentual de 20% (vinte por cento)

5 5 para as demais regiões do Brasil, conforme o artigo 16 do código Florestal com a redação da medida provisória. Simões (1997) relatou que o estudo das comunidades vegetais, solo, relevo e rede hidrográfica, com os consequentes processos, normalmente multivareados, vêm sendo cada vez mais modificados para formular novas abordagens que apontem melhor as alternativas para a intervenção do homem quanto ao uso do solo em bacias hidrográficas.

6 6 3. MATERIAIS E MÉTODOS 3.1. Localização e caracterização da área de estudo A área em estudo situa-se no Loteamento Santa Fé, na rodovia TO-030, no Km 10 de Taquaralto, sentido distrito de Taquaruçu ao sul de Palmas - TO, micro bacia ribeirão Taquaruçu, com área de ,96m². Entre as principais características predominam o bioma cerrado, possuem condições fisiográficas uniformes, mantêm tipologia de vegetação nativa, com mesma altitude e o mesmo tipo climático, tipologias de solo similares em todas as áreas, topografia plana. As coordenadas geográficas em quatro pontos são: Pt 32 S 10º18 55,8 e wo 48º12 42,5 elevação 272m Pt 33 S 10º18 58,5 e wo 48º12 39,4 elevação 276m Pt 34 S 10º18 56,7 e wo 48º12 37,2 elevação 280m Pt 35 S 10º18 53,8 e wo 48º12 40,0 elevação 276m Os dados da real situação da propriedade indicam que parte da área de preservação permanente encontra-se antropizada com alteração no solo por introdução de areia, corte seletivo da vegetação e conseqüente assoreamento, edificações à margem do ribeirão Taquaruçu e início de contrução civil ilegal, desde maio de O Artigo 2º do Código Florestal determina o recuo mínimo de 30 metros para os cursos de água de menos de 10 metros de largura a partir das margens, sem distinção entre pequenas e grandes propriedades.

7 7 APP Figura 1. Localização da área da pesquisa e identificação da APP chácara Loteamento Santa fé 3.2 Metodologia Para a realização dessa pesquisa foram obtidas informações diretas da área de estudo. Nesta avaliação foram empregados métodos de inventário que fornecem dados qualitativos e quantitativos dos remanescentes de vegetação natural, associados ao levantamento fitossociologico de regeneração de banco de sementes relacionadas às espécies vegetais que ocorrem na comunidade. A avaliação foi realizada em parcelas de amostragem de 50x50m em um gradiente próximo ao ribeirão Taquaruçu. As informações foram tabuladas em ordem seqüencial da coleta podendo ocasionar repetições. Considerou-se os indivíduos com altura superior a 3m e DAP (diâmetro a altura do peito) superior a 5cm. O levantamento foi realizado em outubro de Os

8 8 indivíduos foram identificados quanto à espécie, família, e medidos o (diâmetro ao nível do solo).

9 9 4. RESULTADOS E DISCUSSÕES TABELA 1. Listagem das espécies florestais ocorrentes na área de estudo. Nome popular = nome comum; nome científico= identificação cientifica da espécie; Altura = altura relativa da espécie DAP= diâmetro a altura do peito. Nomes populares Nomes científicos Família Altura DAP Amescla chumbinho Protium cf. Claziovii swart Burseraceae 5m 27,71cm Angelim Andira Anthelmia Leguminosae papilionoideae 3,5m 9,87cm Pau pombo Tapiriraguianenses Chrysobalanaceae 4,5m 9,87cm Bananeira do mato Salvetia Canvallariadora Sapotaceae 5m 12,42cm Pau pombo Tapiriraguianenses Chrysobalanaceae 3,5 21,02cm Pau pombo Tapiriraguianenses Chrysobalanaceae 6m 8,60cm Mungulu Hirtella Ciliata Leguminosae papilionoideae Fabaceae 6,5 29,30cm Lixeira Curatella Americana Dilleniaceae 2,5m 7,01cm Pau-terra folha larga Qualia Grandiflora Vochysiceae 4m 13,06cm Pequi Carioca Brasilienses Carioca brasiliense 4,5m 21,66cm Pau pombo Tapiriraguianenses Chrysobalanaceae 5m 15,29cm Barbatimão Slryphnodendron Adstringens Leguminosas mimosáceas 5m 14,97cm Cega machado Physocalymma Scaberremem Lythraceae 8m 11,46cm Escorrega macaco Calycophyllum Spruceanum Rubiaceae 10m 23,57cm Jequitibá CarineanaEstrellensis Lecythidaceae 8m 17,52cm Landim Colophyllum Brsilienses Guttiferae (clusiaceae) 5m 12,10cm Lixeira Curatella Americana Dilleniaceae 4,5m 7,96cm Mungulu Hirtella Ciliata Leguminosae papilionoideae Fabaceae 8,5m 38,54cm Pau pombo Tapiriraguianenses Chrysobalanaceae 5m 19,11cm pau-terra folha larga Qualia Grandiflora Vochysiceae 5,5m 17,52cm Pequi Carioca Brasilienses Carioca brasiliense 6,5m 17,20cm Pimenta de macaco Xylopia aromática Annonaceae 8,5m 17,83cm Tingui Magonia Pubescens Sapindaceae 6,5m 19,11cm Amescla chubinho protium cf. Claziovii swart Burseraceae 5m 23,89cm Escorrega macaco Calycophyllum Spruceanum Rubiaceae 4,5m 7,64cm Pau pombo Tapiriraguianenses Chrysobalanaceae 8m 17,52cm Pau pombo Tapiriraguianenses Chrysobalanaceae 5m 9,87cm Angelim Andira Anthelmia Leguminosae papilionoideae 8m 19,79cm Pau pombo Tapiriraguianenses Chrysobalanaceae 3m 13,38cm Verifica-se que a área apresenta vegetação natural com espécies nativas, porém com baixo índice de diversidade. O grupo ecológico na sua maioria é composto de espécies pioneiras. O (DAP) é proporcional à altura dos indivíduos, com área de copa suficiente para o fechamento do dossel, de maneira a proteger e estimular o crescimento

10 10 em altura das espécies secundárias e climáticas, favorecendo a regeneração natural que ocorre em crescimento rápido. A área apresenta pequenos fragmentos florestais que necessitam de manejo e enriquecimento natural que visa preservar a diversidade da flora e da fauna local. Tabela 2 Composição Florestal Nomes populares Nomes científicos Família Qut Amescla chumbinho Protium cf. Claziovii swart Burseraceae 02 Angelim Andira Anthelmia Leguminosae papilionoideae 02 Bananeira do mato Salvetia Canvallariadora Sapotaceae 01 Barbatimão Cega machado Slryphnodendron Adstringens Leguminosas mimosáceas 01 Physocalymma Scaberremem Lythraceae 01 Escorrega macaco Calycophyllum Spruceanum Rubiaceae 02 Jequitibá CarineanaEstrellensis Lecythidaceae 01 Landim Colophyllum Brsilienses Guttiferae (clusiaceae) 01 Lixeira Curatella Americana Dilleniaceae 02 Mungulu Hirtella Ciliata Leguminosae papilionoideae Fabaceae 02 Pau pombo Tapiriraguianenses Chrysobalanaceae 08 pau-terra folha larga Qualia Grandiflora Vochysiceae 02 Pequi Carioca Brasilienses Carioca brasiliense 02 Pimenta de macaco Xylopia aromática Annonaceae 01 Tingui Magonia Pubescens Sapindaceae 01 No levantamento florestal da primeira amostra de 50 x 50m foram encontrados um total de 29 indivíduos pertencentes a 15 espécies e 14 famílias. Apenas 01 família possui espécie diferente. São os (leguminosae papilionoideae) do Mungulu e Angelim, cada espécie caracterizada com dois indivíduos que representam 2,6% da área. De acordo com a Tabela 2 predomina a família (chrysobalanaceae) do Pau Pombo com oito indivíduos e representam 24% da diversidade vegetal da área. As demais famílias variam entre um e dois indivíduos que juntos totalizam 73,4% da área. O estudo indica a potencialidade da regeneração natural especificamente prevê aumento na população, pois os fatores ambientais são propícios ao banco de sementes. A Regeneração natural ocorre por processos naturais, por meio de germinação de sementes e brotação de touças e raízes, sendo responsável pelo processo de sucessão florestal (BOTELHO e colaboradores,2001). Tendo em vista que a área apresenta árvores fornecedoras de semente em número significativo, são propícias para

11 11 serem enriquecidas naturalmente. Neste caso é preciso isolar e efetuar limpeza das plantas invasoras agressivas através de roçada e capina e implantar poleiros artificiais para pássaros. Essas técnicas influenciam diretamente no enriquecimento do banco de sementes do solo, e este, quando livre de plantas agressivas, dá condições para germinação e regeneração das espécies. A estação da chuva é propicia para esse tipo de regeneração natural induzida. O Plantio de mudas, também conhecido como regeneração artificial, é um processo que acelera a recuperação do ecossistema. Essa prática é indicada, pois favorece o estabelecimento das espécies regionais, que são traduzidas para a área sem depender inicialmente de dispersores e de fontes de sementes (VALERI,S.V; NÓBREGA, A.M.F, E BARRETO,VCM.-2004). O plantio de mudas envolve, em primeiro lugar, a escavação de uma cova, com espaçamento médio de aproximadamente 4 x 4 metros. O espaçamento depende das espécies selecionadas e do uso futuro escolhido do solo. As plantações de eucalipto têm espaçamento mais fechado, enquanto as árvores nativas têm espaçamento mais amplo. A prática do plantio de árvores juntamente com gramíneas é recomendada, uma vez que as gramíneas asseguram uma boa proteção do solo, enquanto as árvores estão crescendo. O ideal seria uma forma de plantio na qual se combinassem espécies arbóreas lenhosas (frutíferas e/ou madeireiras) com cultivos agrícolas e/ou animais, de forma simultânea ou em seqüência temporal e que fosse economicamente viável e ecologicamente correta. Neste caso, sugere-se uma nova solução para a recuperação da área degradada o sistema agroflorestal que tem sido divulgado como uma alternativa para o melhoramento da produtividade de áreas pobres ou degradadas, melhorando sua função social e ecológica, uma vez que são inúmeras as vantagens adquiridas através deste sistema, que vem desde diversidade das espécies até o cultivo econômico convencional. RESULTADOS ANALÍTICOS REGISTRO AM. ph P K Na Ca 2+ Mg 2+ Al 3+ H+Al MO Areia Silte Argila H 2 O KCl mg/dm 3 cmol c /dm3 g/kg % Amostra 1 5,8 * 2,1 65,0 * 0,7 0,6 0,9 5,3 11,4 * * * AM. - número da amostra Ca, Mg, Al - Extrator KCl 1 mol/l ph em H 2 O, KCl, CaCl 2 - Relação 1:2,5 H + Al - Extrator Acetato de Cálcio 0,5 mol/l, ph 7,0 P, Na, K, Fe, Zn, Mn, Cu - Extrator Mehlich 1 MO: Matéria Orgânica C.Org x 1,724 - Walkley - Blanck

12 12 Os teores de matéria orgânica encontram-se bons, haja vista que é uma área próxima ao Ribeirão Taquaruçu e encontra-se preservada, uma vez que foi feito previamente um corte seletivo, onde se preservou as maiores árvores. O teor de ph encontra-se adequado para o desenvolvimento da maioria das culturas mesmo havendo uma quantidade considerável de alumínio no solo. Encontra-se propicio pra plantio e reflorestamento com objetivo de recuperar a área impactada. Nos solos mais pobres em fertilidade, a adubação de manutenção geralmente é feita cerca de um ano após o plantio e no início da próxima estação chuvosa, quando as plantas apresentam algum sintoma de deficiência nutricional. O Preparo do terreno tem a finalidade de melhorar a estrutura e a permeabilidade do solo, reduzir as plantas invasoras e facilitar o plantio.

13 13 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Pelos registros da diversidade biológica na coleta de dados, observa-se que o impacto na área de proteção permanente leva à fragilidade da área frente aos ecossistemas. Esse aspecto merece atenção especial, tendo em vista que a área caracteriza-se impactada em função dos fatores antrópicos, especialmente o corte seletivo da vegetação e implantação de edificações irregulares. O manejo é recomendado para proteger a área desses fatores e empregar técnicas de enriquecimento. Desta forma, o objetivo é ir de encontro ao processo de degradação até que a vegetação retorne ao seu estado de equilíbrio de maneira mais rápida. Nesse processo de enriquecimento podem ser implantados os métodos: a) Regeneração natural, isolando a área e permitindo a rebrota do banco de sementes (considera-se esse método suficiente para a restauração florestal); b) Plantio de mudas com o objetivo de acelerar o processo de recuperação da área; e c) Sistemas agroflorestais, na tentativa de garantir o desenvolvimento sustentável. O Sistema agroflorestal é uma alternativa que vem dando ótimo resultados em áreas de preservação permanente e outros ecossistemas florestais degradados, devendo ser aplicado de maneira racional sem que se perca sua função ecológica. Em todo caso combinação de espécies de diferentes grupos ecológicos ou categorias sucessionais é extremamente importante nos projetos de recuperação. As florestas são formadas através do processo denominado de sucessão secundária prevalecendo a recuperação de área degradada.

14 14 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMADOR, D. B.; VIANA, V.M. Sistema agroflorestais para recuperação de fragmentos florestais. Série Técnica. IPEF, Piracicaba, v.12 n.32,1998 MACEDO, R.L.G Sustemtabilidade dos sistema agroflorstais. Recuperação de área degradada e conservadores da biodiversidade tropical. In: MACEDO, R.L.G Princípios básico para o manejo sustentável de sistemas agroflorestais. Lavras: UFLA/ FAEP,200ª p VALERI, S.V.E ; SENÔ, K.C.A; Manejo e recuperação Florestal. Legislação, uso da água e sistema agroflorestais.funep Jaboticabal SP RODRIGUES, Ricardo Ribeiro ; GANDOLFI, S.. Recomposição de Florestas Nativas: Princípios Gerais e Subsídios para uma Definição Metodológica.. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental, Campinas, SP., v. 2, n. 1, p. 4-15, 2001.

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Conceitos /

Leia mais

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê.

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Fundação SOS Mata Atlântica Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Itu SP / novembro de 2014 1. Introdução. O aumento da preocupação social com o destino dos fragmentos florestais

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A FLORESTAIS: BIOMA CERRADO

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A FLORESTAIS: BIOMA CERRADO METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A RESTAURAÇÃO DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS: BIOMA CERRADO Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 ESTIMATIVA DE CUSTOS PARA RECUPERAÇÃO DA VEGETAÇÃO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E RESERVA LEGAL NO ESTADO DE SANTA

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS LEGISLAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA COMPENSAÇÃO DE RESERVA LEGAL. De acordo com o Art. 1.º da Lei 4.771/1965, As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

REDE CTPETRO AMAZÔNIA PROJETO PI2 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DA DINÂMICA DO SOLO

REDE CTPETRO AMAZÔNIA PROJETO PI2 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DA DINÂMICA DO SOLO REDE CTPETRO AMAZÔNIA PROJETO PI2 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DA DINÂMICA DO SOLO Coordenadora: Maria do Rosário Rodrigues B R OBJETIVO GERAL Por meio de uma avaliação integrada dos atributos do meio físico

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA Londrina, 19 de janeiro de 2012 INTRODUÇÃO A proposta de trabalho desenvolvida em 2011 voltada a realização de compensação de emissões de CO 2 por meio do plantio

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE RESTAURAÇÃO DE APPs: MATA CILIAR DA MATA ATLÂNTICA

SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE RESTAURAÇÃO DE APPs: MATA CILIAR DA MATA ATLÂNTICA SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE RESTAURAÇÃO DE APPs: MATA CILIAR DA MATA ATLÂNTICA CONAMA/MMA PAULO KAGEYAMA. SBF. MMA. RESTAURAÇÃO DE APPs: BIODIVERSIDADE; GRUPOS SUCESSIONAIS INTRODUÇÃO HISTÓRICO: EVOLUÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Métodos de restauração de APP e RL

Métodos de restauração de APP e RL Métodos de restauração de APP e RL Diagnóstico ambiental: exame minucioso da área a ser recuperada e de seu entorno imediato, bem como de seu histórico e de todos os outros fatores que possam interferir

Leia mais

Na definição de área de preservação permanente, na mesma lei, colhemos:

Na definição de área de preservação permanente, na mesma lei, colhemos: Restauração ambiental e o sistema jurídico brasileiro Julis Orácio Felipe Advogado em Santa Catarina Segundo Deisy Trés e Ademir Reis, no livro Perspectivas sistêmicas para a conservação e restauração

Leia mais

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL VIA T.C.R.A

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL VIA T.C.R.A RECUPERAÇÃO AMBIENTAL VIA T.C.R.A Termo de Compromisso de Recuperação Ambiental Téc Agr Ramiéri Moraes CREA/SP: 50622361-39 TD PRINCIPAIS AUTUAÇÕES NA REGIÃO DE IBIÚNA E SÃO ROQUE Intervenção em APP(Áreas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Decreto nº 53.939, de 6 de janeiro de 2009 Dispõe sobre a manutenção, recomposição, condução da regeneração natural, compensação e composição da área de Reserva Legal de

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO PRAD Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PRAD O Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD), deverá

Leia mais

Relatório mensal JULHO/2014. Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo.

Relatório mensal JULHO/2014. Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo. Relatório mensal JULHO/2014 Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo. Atividades desenvolvidas no mês: Estudo das espécies

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Novo Código Florestal (Lei 12651) Eng Agrônomo Ricardo Moraes Witzel, Msc Concepção de Propriedade Sustentável A discussão do novo código florestal

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Entendendo o Código Florestal II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Tópicos abordados hoje: * Florestas no Planejamento Federal; * Lei 12.651/12 Estrutura

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Amarindo Fausto Soares Embrapa Informática Agropecuária, Campinas São Paulo - Brasil

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA APLICADA AO MANEJO E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 Sílvia Maria Pereira Soares

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape Diagnós(co Ambiental e Plano de Coordenação geral: Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Rodrigues Prof. Dr. Felipe Melo Eng. Agr. Dr. André Gustavo Nave Biólogo Michel Metran da Silva Restauração Florestal da ZPEC

Leia mais

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Domínio do Cerrado em Minas Gerais José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Cerrado Brasileiro INTRODUÇÃO - Extensão de 204,7 milhões de ha, - Flora com mais de 10.000 espécies de plantas,

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 1 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 2 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS SUMÁRIO 1. OBJETO... 2 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

Edição: Agosto de 2014. Coordenação: Lucas Carvalho Pereira. Redação: Roberto Ulisses Resende

Edição: Agosto de 2014. Coordenação: Lucas Carvalho Pereira. Redação: Roberto Ulisses Resende protocolo CARBON FREE Critérios para recomposição florestal Reserva Ecológica do Guapiaçu (REGUA), em Cachoeiras de Macacu (RJ), onde existem projetos de reflorestamento com o Carbon Free Roberto Resende

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

D1.3. Uso agrícola ------- vai para o item A1.3. Uso da área a ser restaurada para o cultivo de espécies agrícolas anuais ou perenes.

D1.3. Uso agrícola ------- vai para o item A1.3. Uso da área a ser restaurada para o cultivo de espécies agrícolas anuais ou perenes. 1 Chave para escolha de métodos de restauração florestal Uma forma de fazer essa associação entre o diagnóstico e as ações de restauração é por meio de um modelo semelhante a chaves dicotômicas usadas

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes POLÍTICAS PÚBLICAS ATRAVÉS DA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARANÁ / MATA CILIAR Juiz de Fora 2008 3 Érika

Leia mais

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Sarah Rachel Oliveira do Amparo Furtado*, Alexandra Helena Lisboa Boldrin** * Acadêmica da Faculdade

Leia mais

Metodologias para recomposição de florestas nativas

Metodologias para recomposição de florestas nativas Metodologias para recomposição de florestas nativas Resumo do texto de autoria de S. Gandolfi & R. R. Rodrigues intitulado Recomposição de florestas nativas: algumas perspectivas metodológicas para o Estado

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras. Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG

Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras. Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG OBJETIVOS: Conceitos e definições gerais; Principais indicadores para monitoramento; Amostragem

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

The Congresso is an annual or bi-annual convention and trade fair sponsored by the Association of Timber Exporting Industries of Pará (AIMEX).

The Congresso is an annual or bi-annual convention and trade fair sponsored by the Association of Timber Exporting Industries of Pará (AIMEX). Text of James Grogan s presentation at the 5 th Plywood & Tropical Timber International Congress (V Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical) in Belém, Pará, Brazil, 22 November 2001 The

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content Lei nº 12.651, de 25.5.2012 - Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis n os 6.938, de 31 de agosto

Leia mais

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO (Lei Federal n. 12.651/12) PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Fundamentos e Temas de Trabalho na Questão Florestal

Leia mais

BACIAS HIDROGRÁFICAS E O MEIO AMBIENTE Profa Dra Lilza Mara Boschesi Mazuqui

BACIAS HIDROGRÁFICAS E O MEIO AMBIENTE Profa Dra Lilza Mara Boschesi Mazuqui BACIAS HIDROGRÁFICAS E O MEIO AMBIENTE Profa Dra Lilza Mara Boschesi Mazuqui OQUE É IMPACTO AMBIENTAL???? IMPACTO AMBIENTAL Qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 10º GT Restauração e Recuperação de Áreas de Preservação Permanente-APPs Processo n Nº 02000.002082/2005-75 Assunto: Definir

Leia mais

Estudo de Caso do Córrego Água Fria: Proposta Para o Plano de Recuperação da Área Degradada de Sua Nascente.

Estudo de Caso do Córrego Água Fria: Proposta Para o Plano de Recuperação da Área Degradada de Sua Nascente. Estudo de Caso do Córrego Água Fria: Proposta Para o Plano de Recuperação da Área Degradada de Sua Nascente. LIMA, Cíntia dos Santos MONTEIRO, Katianey Mª Barros SOUSA, Maria José Janaína Ferreira SILVA,

Leia mais

Tecnologia, Manejo e SAFs para

Tecnologia, Manejo e SAFs para Tecnologia, Manejo e SAFs para Implantação de APPs e RL Avanços da pesquisa com espécies nativas Profa. Dra. Vera Lex Engel UNESP-FCA, Campus de Botucatu Departamento de Recursos Naturais veralex@fca.unesp.br

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

Proposta de Adequação Ambiental e Paisagística do Trecho Urbano do Rio Piracicaba e Entorno.

Proposta de Adequação Ambiental e Paisagística do Trecho Urbano do Rio Piracicaba e Entorno. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LABORATÓRIO DE ECOLOGIA E RESTAURAÇÃO FLORESTAL Proposta de Adequação Ambiental e Paisagística

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

Resolução SMA Nº 32 DE 03/04/2014

Resolução SMA Nº 32 DE 03/04/2014 Resolução SMA Nº 32 DE 03/04/2014 Estabelece as orientações, diretrizes e critérios sobre restauração ecológica no Estado de São Paulo, e dá providências correlatas. O Secretário do Meio Ambiente, Considerando

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS O que é Módulo Fiscal / agricultura familiar Classificação dos imóveis até 4 módulos fiscais Como e onde consultar os módulos fiscais

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06

PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06 PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06 Material desenvolvido pelo Núcleo de Defesa da Mata Atlântica (NUMA) do Ministério Público do Estado da Bahia Redação Fábio Fernandes Corrêa Titular da Promotoria de

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

Inventário Florestal Nacional IFN-BR

Inventário Florestal Nacional IFN-BR Seminário de Informação em Biodiversidade no Âmbito do MMA Inventário Florestal Nacional IFN-BR Dr. Joberto Veloso de Freitas SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO Gerente Executivo Informações Florestais Brasília,

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

TEXTO EM VIGOR EM VERDE

TEXTO EM VIGOR EM VERDE BUREAUX JURÍDICOS ASSOCIADOS Porto Alegre-RS Brasília-DF São Paulo-SP Belo Horizonte-MG Ricardo Alfonsin Advogados Ricardo Barbosa Alfonsin OAB/RS 9.275 Breno Moreira Mussi OAB/RS 5.791 Arilei Ribeiro

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PELA RODOVIA TO-030 DE PALMAS-TO. RECOVERY OF DEGRADED AREAS FOR HIGHWAY TO-030 PALMAS-TO

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PELA RODOVIA TO-030 DE PALMAS-TO. RECOVERY OF DEGRADED AREAS FOR HIGHWAY TO-030 PALMAS-TO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PELA RODOVIA TO-030 DE PALMAS-TO. RECOVERY OF DEGRADED AREAS FOR HIGHWAY TO-030 PALMAS-TO Suyane Saraiva Lima Silva Graduando em Tecnologia Ambiental na Faculdade Católica

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE INDIVÍDUOS DA FLORESTA SEMIDECÍDUA EM CLASSES DE DIÂMETRO E ALTURA, PRÓXIMA A ENCOSTA DA SERRA DE MARACAJU, AQUIDAUANA - MS

CLASSIFICAÇÃO DE INDIVÍDUOS DA FLORESTA SEMIDECÍDUA EM CLASSES DE DIÂMETRO E ALTURA, PRÓXIMA A ENCOSTA DA SERRA DE MARACAJU, AQUIDAUANA - MS Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 CLASSIFICAÇÃO DE INDIVÍDUOS DA FLORESTA SEMIDECÍDUA EM CLASSES DE DIÂMETRO E ALTURA, PRÓXIMA A ENCOSTA DA SERRA DE MARACAJU, AQUIDAUANA - MS Kelvin Rosalvo Melgar Brito

Leia mais

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores:

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores: Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Desafios Uma cidade com a natureza exuberante e diferenciada merece um levantamento a sua altura: Inédito Único no Brasil Multidisciplinar

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas;

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas; RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993 Legislação O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, com as alterações

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados nos casos de Autorização para remoção de vegetação e dá outras providências.

Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados nos casos de Autorização para remoção de vegetação e dá outras providências. RESOLUÇÃO SMAC Nº 497 DE 6 DE SETEMBRO DE 2011. Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados nos casos de Autorização para remoção de vegetação e dá outras providências. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE MEIO

Leia mais

Conhecendo as Leis. Sistema Jurídico Ambiental 1988 - O novo código florestal passa por 82 modificações sendo 67 por MP(1996-2001)

Conhecendo as Leis. Sistema Jurídico Ambiental 1988 - O novo código florestal passa por 82 modificações sendo 67 por MP(1996-2001) Conhecendo as Leis 1972 1988 1992 193-- 1965 1981 1986 1989 1996 1997 1998 2000/1 1964 1991 2005 O novo código florestal passa por 82 modificações sendo 67 por MP(1996-2001) Sistema Jurídico Ambiental

Leia mais

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Outubro/ 2009 Índice 1. Apresentação Institucional 2. Manejo Florestal da International Paper 3. Ecologia

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELA ATIVIDADE MINERADORA (extração de areia) EM PORTO SEGURO-BA.

IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELA ATIVIDADE MINERADORA (extração de areia) EM PORTO SEGURO-BA. IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELA ATIVIDADE MINERADORA (extração de areia) EM PORTO SEGURO-BA. Antônio Ribeiro Bomfim¹ Paula Pinheiro de Souza² Thaise Nayana Dantas de Oliveira³ ¹Pós-graduando em Meio

Leia mais

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS ESTUDO ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS Roseli Senna Ganem Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

Funções Ecológicas das APPs e RL: O papel da restauração. Flávio Bertin Gandara Renata Evangelista de Oliveira

Funções Ecológicas das APPs e RL: O papel da restauração. Flávio Bertin Gandara Renata Evangelista de Oliveira Funções Ecológicas das APPs e RL: O papel da restauração Flávio Bertin Gandara Renata Evangelista de Oliveira Silvicultura de Nativas (além da Restauração...) Silvicultura de Nativas Restauração Ecológica

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES Franciane L. R. O. Louzada 1, Alexandre R. Santos 2 1 UFES/Departamento Engenharia Florestal, Programa

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Educação Ambiental nas Escolas junho/2013

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Educação Ambiental nas Escolas junho/2013 P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Educação Ambiental nas Escolas junho/2013 RECUPERAÇÃO FLORESTAL Recuperação Florestal e Restauração Florestal RESTAURAÇÃO: é a restituição de um ecossistema ou

Leia mais

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD Departamento de Engenharia Florestal/DEFl/DEF Lab. de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Prof. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade Valmor dos Santos INOVAÇÃO AGRÍCOLA E INSTITUTO PAS 77-9971-2234 (Vivo / WhatsApp) TEMAS QUE SERÃO ABORDADOS - Objetivos;

Leia mais

Reflorestamento de Uso Múltiplo: Modelos de reflorestamento com funções ecológicas e aproveitamento

Reflorestamento de Uso Múltiplo: Modelos de reflorestamento com funções ecológicas e aproveitamento Dr. Sergius Gandolfi Reflorestamento de Uso Múltiplo: Modelos de reflorestamento com funções ecológicas e aproveitamento econômico Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro

Leia mais