Aplicação da Busca por Informação via Texto em um Sistema de Recuperação de Imagens por Conteúdo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aplicação da Busca por Informação via Texto em um Sistema de Recuperação de Imagens por Conteúdo"

Transcrição

1 Departamento de Computação Trabalho de Conclusão de Curso EDUARDO ZANONI MARQUES Aplicação da Busca por Informação via Texto em um Sistema de Recuperação de Imagens por Conteúdo Londrina 2006

2 EDUARDO ZANONI MARQUES Aplicação da Busca por Informação via Texto em um Sistema de Recuperação de Imagens por Conteúdo Trabalho de conclusão de curso apresentado à Universidade Estadual de Londrina, como parte dos requisitos para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação. Orientador: Prof. Ms. Daniel dos Santos Kaster. 2006

3 EDUARDO ZANONI MARQUES Aplicação da Busca por Informação via Texto em um Sistema de Recuperação de Imagens por Conteúdo COMISSÃO EXAMINADORA Prof. Ms. Daniel dos Santos Kaster Universidade Estadual de Londrina Prof. Esp. Ésio Dolci Universidade Estadual de Londrina Prof. Dr. Vitor Valério de S. Campos Universidade Estadual de Londrina Londrina, de de 2006.

4 DEDICATÓRIA À galera de casa que me deu aquele apoio pra que esta meta fosse alcançada.

5 AGRADECIMENTO Antes de qualquer coisa, agradeço ao Homem lá de cima por ter me dado capacidade física e mental para que pudesse concretizar este trabalho. Agradeço também à galera da sala pelos momentos de bobeira compartilhados que, diga-se de passagem, foram inúmeros. Agradeço ainda ao professor Daniel, por ter me ajudado durante este ano na construção desse tal de TCC, e, principalmente, por ter me aceito como orientado. Eu te devo uma, professor! E por fim, agradeço ao meu pai e à minha mãe por terem me dado condições, apoio, carinho e compreensão durante todos esses anos que estou na área, e, em especial, a minha maninha que, além de sempre me trazer um chaveiro de todos os lugares que vai, ainda me ajudou demais na construção deste trabalho. Valeu, maleta!

6 Shhhiii, I m trying to think here Jaina Proudmore, Warcraft III

7 RESUMO Com o avanço da tecnologia, vem ocorrendo uma explosão na quantidade de informações em formato multimídia, e isso está gerando a necessidade de sistemas que possam controlar estas informações. Neste contexto, surgiram os bancos de dados multimídia e, entre eles, os bancos de dados de imagens, os quais trabalham exclusivamente com imagens. Nestes, a imagem é normalmente indexada automaticamente com base em suas características como, por exemplo, a coloração. Isto faz com que não haja uma descrição textual desta imagem, o que impede uma busca textual nesta base de dados. Este trabalho busca a validação de uma nova estratégia para a implementação de sistemas de controle de imagens, na qual será acrescentada uma camada extra em um sistema de armazenamento e recuperação de imagens, para que a busca textual por informação possa ser efetuada, mesmo havendo a indexação automática por característica das imagens. Para isso, será usado como base o sistema de armazenamento e recuperação de imagens geográficas MapView, no qual será construída tal camada. Assim, esperase que esta técnica seja comprovada como uma estratégia viável e que sirva como base para novas pesquisas na área. Palavras-chave: sistemas de recuperação de informação, banco de dados de imagens, processamento de linguagem natural.

8 ABSTRACT With the advance of technology an explosion in the quantity of multimedia information has been occurring, and it s creating the need of systems which can control this information. In this context the multimedia databases appeared and, among them, the image databases, which work with images exclusively. In those, the image is normally indexed automatically based in its characteristics, like, per example, the coloration. Because of this, there's no textual description of an image, what impede a textual search in this database. This paper intends the validation of a new strategy to implement an image control system, where will be added an extra layer in an image storage and retrieval system, so the textual search for information can be done, even with the automatic indexing of the images in this system. For that, the system of storage and retrieval of geoprocessed images MapView will be used, in which this layer will be implemented. With this, is expected that a new technique will be proved as a feasible one and serve as base to new researches in this area. Key-words: information retrieval systems, images database, natural language processing.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Formatos de armazenamento de imagens...21 Figura 2 - Sobreposição de camadas em uma imagem...22 Figura 3 - Casos de uso do usuário no sistema MapView...28 Figura 4 - Representação de um documento no 2D...33 Figura 5 - Erros de Digitação...45 Figura 6 - Variação da complexidade dos dicionários controlados...48 Figura 7 - Exemplo de lista...49 Figura 8 - Exemplo de um anel de sinônimos...49 Figura 9 - Exemplo de taxonomia...50 Figura 10 - Exemplo de thesaurus...52 Figura 11 - Hierarquia de Chomsky...55 Figura 12 - Mecanismo você quis dizer do sistema...60 Figura 13 - Inserção de um Padrão de Busca no MapView...63 Figura 14 - Busca Textual no MapView...63

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Diferenças entre as estruturas de armazenamento...21

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS BDI SRI SGBD PLN FAO JSP HTTP URL Banco de Dados de Imagens Sistema de Recuperação de Informação Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados Processamento de Linguagem Natural Food and Agriculture Organization of the United Nations JavaServer Pages HyperText Transfer Protocol Universal Resource Locator

12 SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO SISTEMAS DE RECUPERAÇÃO DE DADOS MULTIMÍDIA SISTEMAS DE RECUPERAÇÃO DE IMAGENS Imagem Digital Funcionamento de um Sistema de Recuperação de Imagens Sistema MapView SISTEMAS DE RECUPERAÇÃO DE INFORMAÇÃO MODELOS DE SISTEMAS DE RECUPERAÇÃO DE INFORMAÇÃO Modelo booleano estendido CIÊNCIAS ENVOLVIDAS NA RECUPERAÇÃO DE INFORMAÇÃO PROCESSAMENTO DE LINGUAGEM NATURAL Normalização de Variações Lingüísticas Expansão de Consultas Correção Ortográfica DICIONÁRIOS CONTROLADOS Lista Anel de Sinônimos Taxonomia Thesaurus LINGUAGENS FORMAIS Processamento de Linguagens Formais IMPLEMENTAÇÃO DO MECANISMO DE BUSCA POR INFORMAÇÃO NO SISTEMA MAPVIEW FRAGILIDADES DO SISTEMA RESOLUÇÃO DAS FRAGILIDADES DO SISTEMA CONCLUSÃO TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A LINGUAGEM FORMAL DAS SENTENÇAS DE BUSCA... 70

13 INTRODUÇÃO O desenvolvimento tecnológico possibilitou que o armazenamento e a manipulação de dados multimídia pudessem ser feitos nas mais diversas aplicações, sendo estes dados compreendidos por documentos de texto, imagens, sons, vídeos e outros. O advento e a disseminação da internet vêm fazendo com que a disponibilidade destes dados cresça vertiginosamente, o que implica a necessidade da criação de soluções e sistemas que permitam a organização e manipulação destes dados, considerando todas as suas características. Estes sistemas são conhecidos como sistemas de recuperação de dados multimídia, ou banco de dados multimídia, que provêem a tecnologia necessária para que várias aplicações nas mais diversas áreas da ciência fossem criadas. Nesse contexto, uma área que se desenvolveu foi a do geoprocessamento. No geoprocessamento, o tipo de dado usado como base é o mapa, que, quando armazenado dentro do computador se transforma em uma imagem digital. Com o intuito de prover mecanismos de compartilhamento destas imagens, foram criados os BDI geo, como o MapView. O MapView é um fruto dos trabalhos (SHIGUEKI, 2005; MONTANARY, 2005; JUNIOR, 2005), sendo este um sistema web de recuperação de mapas. Neste sistema, a busca por imagens é feita através de imagens de exemplo, que devem ser inseridas pelo usuário do sistema ou através de um único termo, que está relacionado a um padrão pré-armazenado no sistema. O principal problema, por

14 15 detrás desta busca textual, está no fato de não haver nenhum tipo de tratamento nesta entrada, como a verificação da ortografia da mesma, entre outros tipos de tratamento que podem ser feitos sobre esta, a fim de aumentar a qualidade das buscas no sistema. Além disto, nenhum tipo de operador é disponibilizado ao usuário. Tendo esses problemas em vista, este trabalho busca modificar o MapView a fim de aprimorar a busca textual por imagens no sistema. Para isso, será construída uma camada intermediária entre o front-end da aplicação e a base de dados de imagens, onde será feita uma série de tratamentos sobre as sentenças de entrada do usuário, com o intuito de aprimorar o mecanismo de busca deste sistema. Para aumentar o poder das buscas textuais serão elaborados operadores lógicos, como os operadores AND e OR, e, posteriormente, técnicas de expansão de consultas serão adicionadas ao sistema. Para tanto, serão abordados no capítulo dois do trabalho, os sistemas de recuperação de dados multimídia, dando ênfase aos sistemas de recuperação de imagens, mostrando seu funcionamento básico, a estrutura dos dados que este tipo de sistema gerencia, alguns problemas relacionados a sistemas desta natureza e, fechando o capítulo, será apresentado o sistema MapView, que foi o sistema onde foram implementadas as técnicas estudadas neste trabalho. Posteriormente será feito um estudo de sistemas de recuperação de informação, demonstrando a diferença entre a busca de dados e a busca de informação.

15 16 Feito estes estudos, serão então analisadas algumas das ciências que estão envolvidas na recuperação de informação, destacando várias técnicas que podem ser aplicadas em um sistema deste tipo. Ao término de todos estes estudos, serão apontadas as alterações e a maneira como estas foram implementadas no sistema MapView.

16 SISTEMAS DE RECUPERAÇÃO DE DADOS MULTIMÍDIA Com o desenvolvimento tecnológico se tornaram possíveis o armazenamento e a manipulação de dados multimídia nas mais diversas aplicações, sendo estes dados compreendidos por documentos de texto, imagens, sons, vídeos e outros. O advento e a disseminação da internet vêm fazendo com que a disponibilidade destes dados cresça vertiginosamente, demandando soluções e sistemas que permitam a organização e manipulação destes dados, considerando todas as suas características. Estes sistemas são conhecidos como sistemas de recuperação de dados multimídia, ou banco de dados multimídia e, entre eles daremos destaque aos Sistemas de Recuperação de Imagens (ELMASRI, NAVATHE; 2004) SISTEMAS DE RECUPERAÇÃO DE IMAGENS Os Sistemas de Recuperação de Imagens têm por objetivo solucionar os problemas acima descritos, porém trabalhando apenas com imagens. Ao se fazer essa limitação no escopo de trabalho do sistema, alguns problemas podem ser desconsiderados, tanto na indexação dos arquivos como na elaboração das consultas (GUPTA; JAIN, 1997). Com o desenvolvimento destes sistemas, vários sistemas puderam ser gerados, com aplicações nas áreas de: biodiversidade (TORRES, 2002), médica (SIADAT, 2005), reconhecimento facial (GUPTA; JAIN, 1997), impressão digital (COSTA, 2001), entre outros.

17 18 Para que haja um melhor entendimento de como este sistema funciona será descrita a estrutura da imagem digital, dando um enfoque especial na imagem digital, e posteriormente será descrito o funcionamento deste tipo de sistema, e, ao fim deste tópico, será abordado o sistema MapView, que foi o sistema usado para os testes de implementação deste trabalho IMAGEM DIGITAL O termo imagem se refere a uma função bidimensional de intensidade de luz f(x,y), onde o valor desta função na coordenada espacial (x,y) indica a quantidade de luz na imagem no dado ponto, i.e. a cor. Sendo assim, a imagem digital nada mais é do que a esta função f(x,y), entretanto havendo a discretização desta função, tanto na aspecto do espaço quanto no nível de iluminação no ponto. Portanto, a imagem digital pode ser considerada uma matriz bidimensional, onde cada posição da matriz indica a localização de cada ponto na imagem, e o valor desta posição indica o nível de luz correspondente ao ponto. A cada elemento desta matriz é atribuído o nome de pixel, que é o diminutivo de picture element (elemento da imagem) (GONZALES; WOODS, 2001). Existem vários padrões para a definição das cores de um pixel. O mais comum a ser utilizado é o padrão RGB. Neste padrão, cada pixel possui três valores, que indicam a quantidade de vermelho, verde e azul que aquele ponto possui (KOLAS, 2006).

18 Imagens Digitais Geográficas As imagens digitais geográficas são imagens nas quais estão armazenados basicamente mapas de diversos tipos, sendo estas bastante utilizadas no geoprocessamento (INPE, 2006). Numa definição básica, o mapa é uma representação da superfície terrestre, vista de cima, na qual são inseridas marcações para a identificação de objetos (RAISZ, 1969). Segundo Joly (1990), o mapa é definido como uma representação geométrica plana, simplificada e convencional, do todo ou parte da superfície terrestre, numa relação de similitude conveniente denominada escala. Uma outra definição de mapa é dada por Petchenik (1995), onde o mapa é definido como um contrato que é um documento de concordância a respeito da natureza e da distribuição dos fenômenos do espaço. No caso do Brasil, a ABNT define o mapa como uma representação gráfica, em geral uma superfície e numa determinada escala, com a representação de acidentes físicos e culturais da superfície da Terra, ou de um planeta ou satélite (FITZ apud ABNT, p. 25; 2000). Levando em conta estas definições, é correto afirmar que a tarefa primária do mapa é transmitir ao leitor uma imagem, total ou parcial, da superfície terrestre.

19 20 Atualmente, as imagens geográficas digitais são basicamente armazenadas em dois tipos de estruturas de dados: a estrutura de varredura (raster) e a vetorial (MORETTI, 2006). A estrutura de armazenamento raster (ver Figura 1) é composta por uma matriz bidimensional, onde cada posição da matriz representa um pixel da imagem, sendo que a posição do pixel na matriz é equivalente à posição deste na imagem (PIMENTEL; CRISTINA, 2006). A estrutura de armazenamento vetorial (ver Figura 1), segundo INPE (2006), é composta de três elementos básicos: ponto: é definido por como qualquer entidade que pode ser localizada por um par de coordenadas xy, sendo utilizado para representar a localização de um fenômeno geográfico ou alguma característica do mapa que é muito pequena para ser mostrada por uma linha ou área; linha: é composta por no mínimo dois pares de pontos e tem como utilidade representar feições que são muito estreitas para serem representadas por uma área; área: é representada por um conjunto de pontos, formando linhas que fechem uma região da imagem.

20 21 Figura 1 - Formatos de armazenamento de imagens O uso de ambas as estruturas proporciona certas vantagens e desvantagens. Na tabela 1 são apontadas algumas destas diferenças entre as estruturas de armazenamento. Tabela 1 - Diferenças entre as estruturas de armazenamento Vantagens Estrutura Vetorial Mapa representado na resolução original Associa atributos a elementos gráficos Relacionamento topológico Adequado para grandes escalas (1:25000 e maiores) Estrutura Raster Representa fenômenos variantes no espaço Simulação e modelagem mais fáceis Análise geográfica rápida Adequado para pequenas escalas (1:50000 e menores) Problemas Fonte: INPE, 2006 Não representa fenômenos com variação contínua no espaço Simulação e modelagem mais difícil Difícil associar atributos Espaço de armazenamento utilizado Possível perda de resolução O mapeamento de uma área é composto de vários níveis, planos ou camadas de informação, habitualmente denominados layers (ver Figura 2). Este mapeamento em camadas independe do tipo de estrutura de dados escolhida para o armazenamento, a tal ponto que é possível que diferentes níveis possuam diferentes estruturas de armazenamento. A utilização desta técnica permite que o usuário utilize apenas os dados que lhe interessam (FITZ; 2000).

21 22 Figura 2 - Sobreposição de camadas em uma imagem Para a aquisição de imagens geográficas, são basicamente utilizadas: fotografias, através da técnica da aerofotometria, na qual são tiradas fotos da superfície terrestre por um avião, e essas imagens são cruzadas para construir-se a imagem final; sensores, que tem a capacidade de captar a energia absorvida ou refletida de uma superfície qualquer, registrando-a através de imagens; e a técnica denominada Sensoriamento Remoto, na qual são utilizados sensores que captam e registram a energia refletida e absorvida das superfícies à distância (FITZ 2000) FUNCIONAMENTO DE UM SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE IMAGENS Como em qualquer outro tipo de sistema de recuperação de dados, o funcionamento deste tipo de sistema pode ser descrito por duas tarefas básicas: a inserção de novos dados na base de dados e a recuperação destes dados.

22 23 Tipicamente, durante a inserção de uma imagem dentro do sistema, é necessário que sejam gerados descritores para a imagem inserida, a fim de que esta possa ser posteriormente recuperada. Estes descritores têm por objetivo tornar a recuperação das imagens mais eficientes, fazendo assim, a função de index das imagens (OLIVEIRA, 2001). Inicialmente, estes descritores eram gerados de maneira manual em forma de texto. Estes descritores eram então armazenados em sistemas de gerenciamento de banco de dados baseados em texto, os quais eram consultados no momento da recuperação da imagem, sendo que a consulta às imagens nesse tipo de ambiente se dava de forma textual (ARAUJO, 2001). Esta abordagem foi logo abandonada, devido, principalmente, a dois problemas apontados por Araújo (2001). O primeiro se dá pelo fato de que em função da grande massa de imagens a serem indexadas, este processo se torna praticamente inviável. O segundo problema está relacionado a subjetividade da percepção humana, que é ferramenta primordial nesta técnica, sendo que isto, associado às possíveis anotações errôneas, pode gerar perdas irreversíveis no processo de recuperação. Tendo em vista estes problemas, uma nova linha de aplicação foi tomada para a criação dos descritores. Nesta nova proposta, os descritores são extraídos automaticamente das figuras, levando em conta características visuais da imagem. Estas características podem ser divididas em: características gerais e características específicas do domínio da aplicação.

23 24 As características gerais dizem respeito a atributos comuns de todas as imagens, como cor, textura e forma. Já as características específicas do domínio da aplicação estão relacionadas aos atributos específicos das imagens que o sistema trabalha, por exemplo, a impressão digital (RUI; HUANG; CHANG, 1999). A cor é um dos atributos mais utilizados nos Sistemas de Recuperação de Imagens. Isto ocorre, em parte, devido a este não sofrer alteração durante o redimensionamento da imagem. Entretanto a extração automática de cores de imagens pelo computador enfrenta o problema de que a cor dos objetos tende a sofrer alterações de acordo com variações no ambiente em que são adquiridas, como, por exemplo, a variação de luminosidade (OLIVEIRA, 2001). A representação mais comum da cor de imagens é o Histograma de Cor, que torna possível obter informações sobre a distribuição das cores na imagem (RUI; HUANG; CHANG, 1999). Um dos problemas do uso de Histogramas de Cor é que este tipo de representação não possui nenhum tipo de informação espacial sobre a imagem. Uma solução proposta para esse problema é fatiar a imagem em vários pedaços e extrair os histogramas destes pedaços. Desta maneira, é possível ter informações sobre a distribuição das cores em uma determinada parte da imagem (RUDEK, 2001). A textura diz respeito à um padrão visual que tem algumas propriedades de homogeneidade que não resultam simplesmente de uma cor ou intensidade (OLIVEIRA, 2001), de tal forma que esta propriedade contém

24 25 informações sobre a estrutura da superfície de objetos e o relacionamento desta estrutura com o ambiente que lhe circunda (RUI; HUANG; CHANG, 1999). Existem vários estudos sobre maneiras de representar a texturas de imagens, uma vez que esta propriedade é bastante utilizada em diversas aplicações científicas, como a visão computacional (RUI; HUANG; CHANG, 1999). Informações sobre a textura de uma imagem podem ser extraídas por métodos estatísticos, que levam em conta variações de intensidade em partes discretas das imagens. Entre as características que tem suas variações de intensidade analisadas estão o contraste (por exemplo, o contraste alto equivale à pele de zebra, enquanto contraste baixo equivale à pele de elefante) e a direcionalidade (por exemplo, direto equivale a tecido, enquanto indireto equivale a gramado) (ASLANDOGAN; YU, 1999). O uso de formas é um dos problemas mais complexos em Sistemas de Recuperação de Imagens. Este fato se da devido à dificuldade de extrair os objetos de interesse da imagem, sendo que esta técnica é limitada a objetos de grande destaque na mesma (ASLANDOGAN; YU, 1999). Para que as bordas de um objeto sejam detectadas, comumente é necessário que haja um pré-processamento desta imagem, sendo que este tende a variar conforme o tipo de objeto alvo da extração. Caso o objeto seja mais escuro que o fundo da imagem, o simples uso de um algoritmo de nivelamento da intensidade deve ser suficiente para isolar o objeto. Já, se a imagem for mais complexa, o emprego da remoção de ruídos pode ser necessário para o isolamento

25 26 do objeto. A partir do momento em que o objeto se encontra isolado, a extração deste pode ser feita com o auxílio de detecção de bordas. O uso de algoritmos de detecção de bordas torna-se mais complexo à medida que objetos da imagem se sobrepõem (ASLANDOGAN; YU, 1999). Tendo os limites de um objeto estabelecido, a forma deste objeto pode ser descrita por características como a área do objeto, seu alongamento em relação a um eixo, a orientação deste em relação a um eixo, entre outros (OLIVEIRA, 2001). Em Sistemas de Recuperação de Imagens que utilizam a extração de descritores visuais das imagens é comum que a consulta seja efetuada utilizando a técnica da busca por exemplo. Nesta técnica, o usuário fornece uma imagem ao sistema, para que esta sirva como chave da busca. Então, são extraídos os descritores visuais da imagem, utilizando as mesmas técnicas que foram usadas durante a extração dos descritores das imagens na inserção das mesmas no sistema. É feita então uma busca por imagens que possuam os descritores visuais que mais se aproximam aos descritores da imagem da chave de busca. Esta similaridade entre os descritores é calculada através do uso de uma função de distância (por exemplo, a distância euclidiana), sendo esta função escolhida de acordo com as características que são extraídas da imagem (JUNIOR, 2005). Com respeito à busca por exemplo, Roy e Lyu (2004) afirma que esta técnica se mostra muito restrita, uma vez que o usuário tem dificuldade em

26 27 descrever o conceito da sua pesquisa através do simples uso de imagens, já que não há semântica neste tipo de busca, fato que não ocorre na busca textual. Tendo em vista estas limitações novas pesquisas vêm sendo desenvolvidas, como a de (CARNEIRO; VASCONCELOS, 2005) que visa um método de extração automática de descritores textuais de imagens SISTEMA MAPVIEW O propósito do sistema MapView é servir como um mecanismo para o armazenamento e busca de imagens geoprocessadas. Para atender a tal objetivo, o sistema foi construído como uma página web, fazendo uso da linguagem JSP para tornar suas páginas dinâmicas. As principais ações que o usuário pode fazer dentro deste sistema são descritas no diagrama de casos de uso do sistema, que pode ser visto na Figura 3.

27 28 Figura 3 - Casos de uso do usuário no sistema MapView O caso de uso cadastrar imagem tem por finalidade prover uma maneira do usuário armazenar imagens dentro deste sistema. O caso de uso cadastrar padrão de busca visa criar uma maneira do usuário cadastrar um padrão de busca que ele poderá usar para a busca textual de uma imagem. O caso de uso buscar imagem por texto e buscar imagem por exemplo tem por objetivo criar meios para que os usuários possam recuperar imagens dentro do sistema.

28 SISTEMAS DE RECUPERAÇÃO DE INFORMAÇÃO Os Sistemas de Recuperação de Informação (SRI) podem ser definidos como sistemas cuja tarefa principal é a busca por documentos relevantes que atendam à necessidade de informação do usuário (RAMALHO; ROBIN, 2004). Porém, antes que qualquer coisa seja dita sobre os SRI, é necessário que fique clara a diferença entre a recuperação de dados e a recuperação de informação. A recuperação de informação é definida como um processo no qual é preciso que se faça a identificação dos dados que contêm informações referentes às necessidades do usuário. Na recuperação de dados, é necessário que seja efetuada a recuperação de todos os dados que satisfazem precisamente as condições formuladas através de uma expressão de busca. Um exemplo de sistemas de recuperação de dados são os Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) (FERNEDA, 2003). O significado dos termos dado e informação é amplamente estudado no campo da Ciência da Informação, sendo que não existe um consenso sobre o real significado destas palavras, uma vez que estes termos podem assumir significados diferentes dentro do contexto no qual eles são aplicados. Devido a isso, Heinz von Foerster rotula o termo informação como o camaleão intelectual (PINHEIRO, 2004). A definição que esse trabalho se baseia foi dada em 1969 por Hoshovsky e Massey (1968), na qual estes termos são definidos como:

29 30 dados: fatos não avaliados para qualquer uso específico. São passíveis de ser avaliados para validação ; informação: o dado mais a avaliação para uso futuro antecipado. A priori, existem duas atividades que um usuário pode fazer em um SRI: a de inserir um novo dado na base de dados, que pode ser documentos de texto, imagens, sons, etc; e a de buscar informações. Durante a inserção de um novo dado é necessário que o SRI atribua descritores a esse novo dado, sendo que estes descritores podem ser providos pelo usuário durante a ação de inserção do dado, ou podem ser extraídos automaticamente pelo sistema (FERNEDA, 2003). Na busca por informações, é papel do usuário somente inserir uma expressão de busca, com o objetivo de que esta sirva como base para que o sistema efetue a recuperação dos dados referentes à mesma. Esta recuperação é feita com o auxílio de alguma função de busca, que usa esta expressão de busca e os descritores dos dados para analisar quais dados devem ser retornados ao usuário (FERNEDA, 2003). Entretanto, existem técnicas que visam à melhoria no processo de recuperação de informação que necessitam de uma iteração maior entre o usuário e o sistema de busca. Uma destas técnicas é a expansão de consultas através da realimentação por relevância (relevance feedback), que será discutida no decorrer deste trabalho.

30 31 O maior problema enfrentado pelos SRI é o de que estes sistemas trabalham com objetos lingüísticos, e, portanto, precisam lidar com todos os problemas inerentes ao tratamento de linguagem natural, problemas estes inexistentes nos SGBD, uma vez que os dados possuem uma estrutura e uma semântica bem definidas, sendo possível que os SRI se aproximem aos padrões dos SGBD caso sejam submetidos a rígidos controles, tais como vocabulários controlados (FERNEDA, 2003). Com isso é necessário que as expressões de busca, uma vez que estas sejam através da linguagem natural em forma de texto, sofram algum tratamento para que essa aproximação possa ser efetuada. As técnicas para efetuar esse tratamento são objetos de estudo do Processamento da Linguagem Natural, que será discutido posteriormente neste trabalho MODELOS DE SISTEMAS DE RECUPERAÇÃO DE INFORMAÇÃO Existem uma série de modelos que podem ser aplicados a um sistema a fim de promover a recuperação da informação no mesmo. Estes modelos são agrupados em duas principais categorias: os quantitativos, que são baseadas em disciplinas como a lógica e teoria de conjuntos; e os dinâmicos, onde existe uma forte interação entre o usuário e o sistema e fazem uso de técnicas como Redes Neurais e Algoritmos Genéticos (FERNEDA, 2003). Neste trabalho daremos um enfoque especial ao modelo quantitativo chamado de modelo booleano estendido MODELO BOOLEANO ESTENDIDO O modelo booleano estendido foi proposto em Salton, Fox e Wu (1983), com a finalidade de resolver problemas inerentes ao uso da lógica booleana em Sistemas de Recuperação de Informação.

31 32 Quando é utilizado um predicado de busca composto de operadores OR (t1 OR t2 OR t3) e é utilizada a lógica booleana no mecanismo de recuperação de informações que atua sobre a base de dados (documentos) do sistema, os documentos que contêm apenas um dos termos da busca estarão no mesmo nível dos documentos que possuem dois ou mais termos. Para o sistema a quantidade de termos existentes é indiferente. Entretanto, quando se trabalha com a recuperação de informação, é sensato pensar que um documento que possui maior ocorrência de termos tem mais chance de estar relacionado a informação buscada pelo usuário do que um documento que possui menos quantidade de termos (FERNEDA, 2003). Um problema similar ocorre quando a chave de busca é composta por operadores AND (t1 And t2 AND t3). Neste caso os documentos que possuem alguns dos termos requeridos na busca estarão no mesmo dos que não possuem nenhum dos termos (FERNEDA, 2003). Pode-se notar que o uso da lógica booleana no mecanismo de busca não se encaixa bem nos SRI, devido ao fato deste tipo de lógica separar todos os objetos analisados em apenas duas classes: os que atendem aos requisitos da busca e aos que não atendem. Em SRI é necessário que seja criado um ranking para os documentos, indicando quais atenderam com maior precisão à chave de busca do usuário. Além disto, na lógica booleana, um termo ou está relacionado ou não a um documento. Neste modelo, um termo possui um nível de relevância dentro do documento, ou seja, um termo pode estar parcialmente relacionado a um documento. Isto gera um resultado mais refinado quando estes documentos são

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS VINICIUS DA SILVEIRA SEGALIN FLORIANÓPOLIS OUTUBRO/2013 Sumário

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS Marcello Erick Bonfim 1

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu

Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu Alessandro Mueller alessandro@univali.br UNIVALI Luiz Gonzaga Ferreira

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS APLICADO AOS DADOS DO GRUPO DE PESQUISA BIODIVERSIDADE E SUSTENTABILIDADE DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS DE IRATI PR. Deise Regina Lazzarotto Departamento de Engenharia Florestal

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens

Introdução ao Processamento de Imagens Introdução ao PID Processamento de Imagens Digitais Introdução ao Processamento de Imagens Glaucius Décio Duarte Instituto Federal Sul-rio-grandense Engenharia Elétrica 2013 1 de 7 1. Introdução ao Processamento

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

2.1.2 Definição Matemática de Imagem

2.1.2 Definição Matemática de Imagem Capítulo 2 Fundamentação Teórica Este capítulo descreve os fundamentos e as etapas do processamento digital de imagens. 2.1 Fundamentos para Processamento Digital de Imagens Esta seção apresenta as propriedades

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Processamento de Imagem Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Visão Computacional Não existe um consenso entre os autores sobre o correto escopo do processamento de imagens, a

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

Sistema de Informação Integrado

Sistema de Informação Integrado Sistema de Informação Integrado Relatório de Atividades Centro de Referência em Informação Ambiental, CRIA Novembro, 2005 Trabalho Realizado As atividades básicas previstas para o primeiro trimestre do

Leia mais

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Introdução Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Tópicos Recuperação de informação (RI); Breve histórico; O

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Nathalie Portugal Vargas

Nathalie Portugal Vargas Nathalie Portugal Vargas 1 Introdução Trabalhos Relacionados Recuperação da Informação com redes ART1 Mineração de Dados com Redes SOM RNA na extração da Informação Filtragem de Informação com Redes Hopfield

Leia mais

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR MANUAL E DICAS DO ASSISTENTE VIRTUAL (AV) POR ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 ÍNDICE Introdução...3 Requisitos e Restrições do Assistente...3 Diferenças da Versão

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS André Zuconelli 1 ; Manassés Ribeiro 2 1. Aluno do Curso Técnico em Informática, turma 2010, Instituto Federal Catarinense, Câmpus Videira, andre_zuconelli@hotmail.com

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS Obter uma imagem temática a partir de métodos de classificação de imagens multi- espectrais 1. CLASSIFICAÇÃO POR PIXEL é o processo de extração

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

Processamento Digital de Imagens

Processamento Digital de Imagens Processamento Digital de Imagens Israel Andrade Esquef a Márcio Portes de Albuquerque b Marcelo Portes de Albuquerque b a Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF b Centro Brasileiro de Pesquisas

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS Motivado por duas principais aplicações: Melhorar a informação da imagem para interpretação humana Processamento de cenas para percepção de máquinas (Visão Computacional)

Leia mais

Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais

Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais André Ribeiro da Silva Mário Celso Candian Lobato Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação {arsilva,mlobato}@dcc.ufmg.br

Leia mais

Modelo de dados do Data Warehouse

Modelo de dados do Data Warehouse Modelo de dados do Data Warehouse Ricardo Andreatto O modelo de dados tem um papel fundamental para o desenvolvimento interativo do data warehouse. Quando os esforços de desenvolvimentos são baseados em

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela Aula 01 - Formatações prontas e Sumário Formatar como Tabela Formatar como Tabela (cont.) Alterando as formatações aplicadas e adicionando novos itens Removendo a formatação de tabela aplicada Formatação

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A atuação do homem no meio ambiente, ao longo da história, fornece provas de suas ações em nome do progresso. Esta evolução tem seu lado positivo, pois abre novos horizontes, novas

Leia mais

25/05/2015. Relevance Feedback. Expansão de Consulta. Relevance Feedback

25/05/2015. Relevance Feedback. Expansão de Consulta. Relevance Feedback Relevance Feedback Expansão de Consulta Relevance Feedback 1 Relevance Feedback Baeza-Yates; Ribeiro-Neto, (2011, cap 5) distinguem dois métodos: Explicit Relevance Feedback a informação para a reformulação

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS Alexia Guilherme Bianque (PIBIC/CNPq), Ederson Marco Sgarbi (Orientador), a.g.bianque10@gmail.com.br Universidade

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ISSN - 0103-2569 MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP André Pimenta Freire Renata Pontin de M. Fortes N 0 213 RELATÓRIOS TÉCNICOS

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL 1. INTRODUÇÃO E REFERENCIAL TEÓRICO A área de geoprocessamento

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Prof. Pablo Santos 4 a Aula SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA - SIG Introdução Definições Necessárias

Leia mais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais Processamento Estatístico da Linguagem Natural Aula 5 Professora Bianca (Sala 302 Bloco E) bianca@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~bianca/peln/ O que queremos Algo que faça automaticamente um mapeamento

Leia mais

Organização e Recuperação da Informação

Organização e Recuperação da Informação GSI024 Organização e Recuperação da Informação Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/ori UFU/FACOM - 2011/1 Arquivo 1a Introdução Porque RI? Problemas da solução

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Aula 02 Componentes de um GIS (SIE, ou SIG) Ideias dependem de pessoas. Pessoas trazem o conhecimento para uma equipe, que engendra ideias.

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS

O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS Hélio Pereira da Rosa Neto Universidade Anhanguera-Uniderp Fernando Conter Universidade Anhanguera-Uniderp O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS RESUMO Este artigo científico tem como

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008)

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008) Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Curso de Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Dr. Luís Fernando Garcia - TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional Introdução à Linguagem JAVA Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação Laboratório de Visão Computacional Vantagens do Java Independência de plataforma; Sintaxe semelhante às linguagens

Leia mais

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base Introdução a Informática - 1º semestre AULA 14 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Explorar as propriedades na criação de bancos de dados no LibreOffice Base; Criar e explorar tabelas; Criar e explorar

Leia mais

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília.

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília. 1 Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento UNESP de Marília. Pontos principais do texto: HJØRLAND, B. Towards a Theory of Aboutness, Subject, Topicality, Theme, Domain, Field,

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião BVS Site Aplicativo para geração de portais BVS Cláudia Guzzo Patrícia Gaião Gerência de Produção de Fontes de Informação / Projetos e Instâncias da BVS BIREME/OPAS/OMS Biblioteca Virtual em Saúde (BVS)

Leia mais

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho Computação Gráfica Introdução Profª Alessandra Martins Coelho março/2013 Introdução Computação gráfica (CG) é a utilização de computadores para gerar imagens (GUHA, 2013). Nos dias atuais, para não se

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Ajuda. Nas abas superiores é possível visualizar os itens em uma ordem específica:

Ajuda. Nas abas superiores é possível visualizar os itens em uma ordem específica: Ajuda A Biblioteca Digital de Monografias (BDM) disponibiliza e preserva documentos digitais implementando a tecnologia de arquivos abertos. Aqui, podem-se encontrar trabalhos de conclusão dos cursos de

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É?

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA SUMÁRIO O que é COMPUTAÇÃO GRÁFICA Áreas relacionadas

Leia mais

Conheça o Projeto. Apresentação. Finalidade. Objetivo

Conheça o Projeto. Apresentação. Finalidade. Objetivo Manual do Usuário Índice Conheça o Projeto...3 Apresentação...3 Finalidade...3 Objetivo...3 Histórico...4 Usando o Portal...5 Efetuando o cadastro na biblioteca digital...5 Logando na Biblioteca Digital...6

Leia mais

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software 2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software A uso da abordagem de agentes de software 1 pode trazer benefícios a áreas de aplicação em que é necessário construir sistemas autônomos, ou seja,

Leia mais

Opala: uma biblioteca de indexação e busca de textos e imagens por conteúdo

Opala: uma biblioteca de indexação e busca de textos e imagens por conteúdo Opala: uma biblioteca de indexação e busca de textos e imagens por conteúdo Lidijanne de Miranda Santos (1); Aécio Solano Rodrigues Santos (2); Ricardo Martins Ramos (3); Valéria Oliveira Costa (4) Instituto

Leia mais

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Jump Qgis Thuban MapServer

Leia mais

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá:

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: Tópico 3 Relatórios Técnico-científicos n. O que você deverá saber Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: - saber identificar os elementos que compõem a estrutura de um relatório técnico-científico;

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS Orientando: Oliver Mário

Leia mais

Plano de Gerência de Configuração

Plano de Gerência de Configuração Plano de Gerência de Configuração Objetivo do Documento Introdução A aplicação deste plano garante a integridade de códigos-fonte e demais produtos dos sistemas do, permitindo o acompanhamento destes itens

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Nota Técnica Aplicação de Física Médica em imagens de Tomografia de Crânio e Tórax Autores: Dário Oliveira - dario@cbpf.br Marcelo Albuquerque - marcelo@cbpf.br

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos POR QUE ESTUDAR COMPUTAÇÃO GRÁFICA? Quem quiser trabalhar em áreas afins: Entretenimento Jogos e filmes Visualização Simulação de fenômenos físicos Arte computadorizada Educação e treinamento Processamento

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos

Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos Caroline Julliê de Freitas RIBEIRO¹, Vantuil José de OLIVEIRA NETO¹, Gabriel

Leia mais

Extensão do SGBD PostgreSQL para suportar recuperação de imagens por conteúdo

Extensão do SGBD PostgreSQL para suportar recuperação de imagens por conteúdo Extensão do SGBD PostgreSQL para suportar recuperação de imagens por conteúdo Ernani Viriato de Melo V Jornada Científica 24/10/2006 Tópicos Abordados Motivação Imagens e Características PostgreSQL-IE:

Leia mais

Paginas em Branco: O sistema possui a possibilidade de configuração, que remove automaticamente as páginas em branco.

Paginas em Branco: O sistema possui a possibilidade de configuração, que remove automaticamente as páginas em branco. GERENCIAMENTO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS. Disponibiliza rotinas para armazenar e gerenciar (incluindo, alterando, excluindo e pesquisando) a documentação física e eletrônica (digitalizada, importada de

Leia mais

ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS. Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms.

ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS. Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms. ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms. Mauricio Duarte 2 Centro Universitário Euripides de Marilia UNIVEM FATEC Faculdade de

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

Arquitetura de Informação - 6

Arquitetura de Informação - 6 Arquitetura de Informação - 6 Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Objetivo do Sistema de Rotulação O sistema de rotulação é o componente da Arquitetura de Informação

Leia mais

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 13 2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 2.1. Páginas, Sites e Outras Terminologias É importante distinguir uma página de um site.

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

XXXVIII Reunião Anual da SBNeC

XXXVIII Reunião Anual da SBNeC XXXVIII Reunião Anual da SBNeC Introdução ao Armazenamento de Dados de Experimentos em Neurociência Parte 3: Uso de questionários digitais (continuação) + Ferramentas para Gerenciamento de Arquivos Amanda

Leia mais

TWITKNOWLEDGE - OBTENDO CONHECIMENTO A PARTIR DOS TWITTES PESSOAIS

TWITKNOWLEDGE - OBTENDO CONHECIMENTO A PARTIR DOS TWITTES PESSOAIS TWITKNOWLEDGE - OBTENDO CONHECIMENTO A PARTIR DOS TWITTES PESSOAIS Miguel Airton Frantz 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO A proposta básica desse projeto consiste em criar uma base de conhecimento a partir

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais