Aula 00 Operações Bancárias

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 00 Operações Bancárias"

Transcrição

1 Olá pessoal, Primeiramente, irei fazer uma breve apresentação. Meu nome é César de Oliveira Frade, sou funcionário de carreira do Banco Central do Brasil BACEN aprovado no concurso de Sou formado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Minas Gerais UFMG. Possuo uma Pós-graduação em Finanças e Mercado de Capitais pelo IBMEC, outra em Derivativos para Reguladores na Bolsa de Mercadorias e Futuros BM&F e uma especialização em Derivativos Agrícolas pela Chicago Board of Trade CBOT 1. Sou Mestre em Economia 2 com ênfase em Finanças na Universidade de Brasília e o Doutorado, pela mesma Universidade, está faltando apenas a defesa da Tese 3, sendo que os créditos já foram concluídos. Comecei no Banco Central trabalhando com a emissão de títulos da dívida pública externa. De 2005 a 2008 fui Coordenador-Geral de Mercado de Capitais na Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, auxiliando em todas as mudanças legais e infralegais, principalmente aquelas que tinham ligação direta com o Conselho Monetário Nacional CMN. Voltei ao BACEN para trabalhar na área de risco com derivativos em um Departamento da área de Fiscalização. No início de 2012 fui cedido para a Presidência da República e trabalho no Departamento de Regulação e Concorrência na Secretaria de Aviação Civil. Sou professor de Finanças, Microeconomia, Macroeconomia, Matemática, Sistema Financeiro Nacional, Mercado de Valores Mobiliários, Estatística e Econometria. Leciono na área de concursos públicos desde 2001, tendo dado aula em mais de uma dezena de cursinhos em várias cidades do país, desde presenciais até via satélite. Esse é um curso novo, diferente para os alunos que farão o concurso do BANCO CENTRAL. Essa matéria tem muita semelhança com matérias que são cobradas nas provas de Bancos Comerciais. Importante dizer que é fundamental que vocês tenham um conhecimento prévio do funcionamento do Sistema Financeiro Nacional para que possam começar a adentrar nesses produtos. 1 A Chicago Board of Trade - CBOT é a maior bolsa de derivativos agrícolas do mundo. 2 A dissertação Contágio Cambial no Interbancário Brasileiro: Uma Análise Empírica defendida em 2003 foi publicada na Revista da BM&F, o paper aceito na Revista Estudos Econômicos e em alguns dos mais importantes Congressos de Economia da América Latina LAMES. Versava sobre o risco sistêmico a ser propagado via mercado de câmbio e as contribuições da Câmara de Compensação de Câmbio da BM&F para a mitigação desse risco. 3 Tese de Doutorado é um parto e a gestação já está durando alguns anos. Acho que pode ser que ela não saia. 1

2 Nessa primeira aula, é exatamente isso que irei mostrar a todos vocês. Vou situar vocês dentro do SFN e depois falar um pouco de algumas das instituições financeiras para, em seguida, começarmos a falar das operações. Sendo assim, não há a necessidade de nenhum conhecimento prévio de SFN para que essa matéria seja estudada. Possuo um estilo peculiar de dar aulas. Prefiro tanto em sala quanto em aulas escritas que elas transcorram como conversas informais. Entretanto, quando tenho que dar aulas de Teoria gosto de explicar não apenas a matéria mas também a forma como vocês devem raciocinar para acertar a questão. Desta forma, estarei fazendo uma mescla entre um papo informal (papo que ocorrerá sempre que for possível) e a teoria formal. Mas nunca deixarei de ensinar qual o raciocínio que vocês devem utilizar para acertar as questões. Acredito que a matéria sendo exposta de forma informal torna a leitura mais tranqüila e isso pode auxiliar no aprendizado de uma forma geral. Exatamente por isso, utilizo com freqüência o Português de uma forma coloquial. Conteúdo Programático: Aula 00 (Aula Demonstrativa): Operações de captação: características e finalidades. Depósitos à vista. Depósitos de poupança. Certificado de Depósito Bancário. Depósitos a prazo com garantia especial do Fundo Garantidor de Créditos. Letras financeiras. Letra de crédito imobiliário. Letra de crédito do agronegócio. Cessão de créditos. Parte 1 Aula 01: Operações de captação: características e finalidades. Depósitos à vista. Depósitos de poupança. Certificado de Depósito Bancário. Depósitos a prazo com garantia especial do Fundo Garantidor de Créditos. Letras financeiras. Letra de crédito imobiliário. Letra de crédito do agronegócio. Cessão de créditos. Parte 2 Aula 02: Operações de captação: características e finalidades. Depósitos à vista. Depósitos de poupança. Certificado de Depósito Bancário. Depósitos a prazo com garantia especial do Fundo Garantidor de Créditos. Letras financeiras. Letra de crédito imobiliário. Letra de crédito do agronegócio. Cessão de créditos. Parte 3 2

3 Aula 03: Operações ativas: características e finalidades. Contratos de mútuo. Financiamentos imobiliários. Crédito consignado. Operações de microcrédito. Arrendamento mercantil. Cédula de crédito bancário. Aula 04: Mercado monetário. Fatores condicionantes da base monetária. Operações de mercado aberto. Recolhimentos compulsórios sobre recursos à vista, a prazo e encaixe de poupança: finalidades. Redesconto do Banco Central: modalidades, prazos e finalidades. Operações de liquidez no mercado interbancário. Taxas de juros no mercado interbancário. Parte 1 Aula 05: Mercado monetário. Fatores condicionantes da base monetária. Operações de mercado aberto. Recolhimentos compulsórios sobre recursos à vista, a prazo e encaixe de poupança: finalidades. Redesconto do Banco Central: modalidades, prazos e finalidades. Operações de liquidez no mercado interbancário. Taxas de juros no mercado interbancário. Parte 2 Espero que este curso seja bastante útil a você e que possa, efetivamente, auxiliá-lo na preparação para o concurso do BACEN. Sumário 1. Organograma Resumido do Sistema Financeiro Nacional Subsistema de Operação Bancos Comerciais Bancos de Investimento Bancos de Desenvolvimento Sociedade de Crédito, Financiamento e Investimento Sociedade de Crédito Imobiliário Sociedade de Arrendamento Mercantil Bancos Múltiplos QUESTÕES PROPOSTAS QUESTÕES RESOLVIDAS As dúvidas serão sanadas por meio do fórum do curso, a que todos os matriculados terão acesso. Se você tiver algum exercício de prova anterior e quiser que ele seja resolvido na aula, envie-o para o meu que farei o possível para incluí-lo no texto. 3

4 As críticas ou sugestões poderão ser enviadas para: Prof. César Frade FEVEREIRO/

5 1. Organograma Resumido do Sistema Financeiro Nacional 4 OPERAÇÕES BANCÁRIAS PARA O BANCO CETRAL Ministério da Fazenda Ministério da Previdência Social Conselho Monetário Nacional - CMN Conselho Nacional de Seguros Privados - CNSP Conselho Nacional de Previdência Complementar - CNPC Conselho de Recursos do SFN - CRSFN Conselho de Recursos do SNSP Câmara de Recursos da Previdência Complementar - CRPC Banco Central do Brasil - BACEN Comissão de Valores Mobiliários - CVM Superintendência de Seguros Privados - SUSEP Superintendência de Previdência Complementar - PREVIC 4 Esse é um Organograma parcial. Na próxima aula será mostrado o Organograma Completo do SFN.

6 Entende-se como órgãos reguladores os Conselhos, ou seja, o Conselho Monetário Nacional, o Conselho Nacional de Seguros Privados e o Conselho Nacional de Previdência Complementar. Entende-se como entidades supervisoras o Banco Central do Brasil, Comissão de Valores Mobiliários, Superintendência de Seguros Privados e Superintendência de Previdência Complementar. Por sua vez, os Conselhos ou Câmaras de Recursos são os órgãos recursais de última instância da esfera administrativa. 2. Subsistema de Operação Já vimos que o SFN é dividido em dois grandes subsistemas: normativo e operação. No subsistema de operação falaremos das carteiras que as instituições podem construir e nessas carteiras estarão os seus produtos. É muito importante entendermos como funciona o arcabouço legal do nosso sistema. Em geral, há a definição das carteiras e quais produtos cada carteira pode ter automaticamente e quais os agentes detentores das carteiras possuem o direito de solicitar autorização específica. No entanto, existem regras específicas para cada tipo de produto, independentemente de qual carteira esteja. Vou dar um exemplo, sem explicar que produto é esse nem que carteiras são essas, ok? Veremos isso mais à frente. A intenção é que seja possível compreender o que estou falando. Agentes que possuem a carteira comercial têm o direito de captar recursos por meio de depósitos a prazo. De forma análoga, agentes com carteira de investimento possuem os mesmos direitos. No entanto, o depósito a prazo tem sua regulamentação própria que serve tanto para agentes detentores de carteira comercial quanto para os detentores de carteira de investimento. É como se tivessem cestas básicas prontas e elas representassem as carteiras das instituições. Entretanto, dentro dessas cestas, quando adquiridas os agentes levam os produtos com as suas características. 6

7 3. Bancos Comerciais Os bancos comerciais são instituições financeiras privadas ou públicas que têm como objetivo principal proporcionar suprimento de recursos necessários para financiar, a CURTO e MÉDIO prazos, o comércio, a indústria, as empresas prestadoras de serviços, as pessoas físicas e terceiros em geral. É importante ressaltarmos que o financiamento gerado pelos bancos comerciais é para operações de curto e médio prazos. Não há um definição do que seja curto, médio e longo prazo, entretanto, tal fato é bastante explorado nas provas pois faz parte do texto da regulamentação dos bancos comerciais. Os bancos comerciais podem captar depósitos à vista e depósitos a prazo. Já sei que vocês devem estar com dúvida do que seja um depósito à vista. O depósito à vista é aquele que você coloca em uma instituição e pode sacá-lo a qualquer momento. Ou seja, aquele recurso colocado em uma conta-corrente de um banco pode ser livremente movimentável, podendo ser retirado a qualquer momento. Esse é um depósito à vista. Por outro lado, os depósitos a prazo são aqueles que precisam de certa carência para serem retirados. Você efetua o depósito mas não pode efetuar a retirada a qualquer momento. Existem dois depósitos a prazo que são os Certificados de Depósitos Bancários CDB e os Recibos de Depósitos Bancários RDB. Essas duas modalidades são utilizadas pelos Bancos para captar recursos no mercado para aplicar ou emprestar a seus clientes. Logo, quando você opta por aplicar seu recurso em um CDB, você está emprestando dinheiro para o Banco emissor do CDB. Deve ser constituído, OBRIGATORIAMENTE, sob a forma de sociedade anônima e na sua denominação social deve constar a expressão "Banco". Em geral, diferenciamos os Bancos Comerciais das outras instituições porque são essas as instituições que oferecem contas que podem ser movimentáveis por cheques. São essas as instituições que o público conhece de uma forma geral. 7

8 4. Bancos de Investimento OPERAÇÕES BANCÁRIAS PARA O BANCO CETRAL Os Bancos de investimento são instituições financeiras não monetárias uma vez que não captam depósitos à vista e, portanto, não multiplicam os recursos, não multiplicam os meios de pagamentos. É uma sociedade, essencialmente, PRIVADA especializada em operações de participação societária de caráter temporário, de financiamento da atividade produtiva para suprimento de capital fixo e de giro e de administração de recursos de terceiros. São instituições que efetuam financiamento de MÉDIO e LONGO prazo. Aos bancos de investimento é facultado, além da realização das atividades inerentes à consecução de seus objetivos: I praticar operações de compra e venda, por conta própria ou de terceiros, de metais preciosos, no mercado físico, e de quaisquer títulos e valores mobiliários, nos mercados financeiros e de capitais; II - operar em bolsas de mercadorias e de futuros, bem como em mercados de balcão organizados, por conta própria e de terceiros III - operar em todas as modalidades de concessão de crédito para financiamento de capital fixo e de giro; IV - participar do processo de emissão, subscrição para revenda e distribuição de títulos e valores mobiliários V - operar em câmbio, mediante autorização específica do Banco Central do Brasil; VI - coordenar processos de reorganização e reestruturação de sociedades e conglomerados, financeiros ou não, mediante prestação de serviços de consultoria, participação societária e/ou concessão de financiamentos ou empréstimos; VII - realizar outras operações autorizadas pelo Banco Central do Brasil. Essas instituições podem manter contas que não são movimentáveis por cheque, não serão cobrados juros. Esses recursos recebidos serão aplicados em títulos e valores mobiliários e outros ativos financeiros disponíveis no mercado financeiro e de capitais. 8

9 5. Bancos de Desenvolvimento OPERAÇÕES BANCÁRIAS PARA O BANCO CETRAL Os Bancos de Desenvolvimento são instituições financeiras PÚBLICAS NÃO FEDERAIS, constituídas sob a forma de sociedade anônima, com sede na Capital do Estado da Federação que detiver seu controle acionário. Observe que esse tipo de instituição deve ser, necessariamente, pública e não terá controle nem participação da União. Serão instituições estaduais e controladas pelos Governos dos Estados, obrigatoriamente. Tal fato já nos indica que o BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social NÃO pode ser classificado como uma instituição deste tipo. Os Bancos de Desenvolvimento devem ter em sua denominação, obrigatória e privativamente, a expressão Banco de Desenvolvimento, seguida do nome do Estado em que tenha sede. Essas instituições têm como objetivo precípuo proporcionar o suprimento oportuno e adequado dos recursos necessários ao financiamento, a MÉDIO e a LONGO prazos, de programas e projetos que visem a promover o desenvolvimento econômico e social do respectivo Estado. Quando determinado empreendimento visar benefício de interesse comum entre Estados, essas instituições podem assistir a programas e projetos desenvolvidos fora dos respectivos estados, desde que seja feito através de consórcio com o Banco de Desenvolvimento do outro Estado. Isso significa que um Banco de Desenvolvimento pode auxiliar no desenvolvimento de projeto em outro Estado, mas desde que o Estado do Banco de Desenvolvimento tenha interesse no mesmo e que seja feito por meio de consórcio. Os Bancos de Desenvolvimento não podem manter agências e como as demais instituições, dependem de autorização prévia do Banco Central para o seu funcionamento. No entanto, é permitido o convênio com outras instituições para que sejam utilizadas as redes de agências destas com o objetivo de facilitar o acesso do público, de forma geral, a suas linhas de crédito. É vedado aos Bancos de Desenvolvimento: I - prestar garantias interbancárias, salvo se perante outra instituição financeira de fomento; 9

10 II - operar em aceites de títulos cambiários para colocação no mercado de capitais; III - instituir e administrar fundos de investimentos; IV - realizar operações de redescontos; V - adquirir imóveis não destinados a uso próprio; VI - financiar loteamento de terrenos e construção de imóveis para revenda ou incorporação, salvo as operações relativas à implantação de distritos industriais. Os normativos indicam que os Bancos de Desenvolvimento podem praticar operações ativas de empréstimos e financiamento, investimentos, arrendamento mercantil e prestação de garantias. Elas são dirigidas, prioritariamente, ao setor privado. Como investimentos, podem subscrever ações para revenda no mercado, garantia de subscrição e participação no capital social da empresa, mas desde que tal fato se configure como de interesse do Estado em que está sediado o Banco de Desenvolvimento. As normas ainda estabelecem limites para determinadas operações. Os Bancos de Desenvolvimento captam recursos por meio de depósitos a prazo, operações de crédito provenientes de empréstimos e financiamentos obtidos no País ou no exterior e operações de crédito ou contribuições do setor público federal, estadual ou municipal. 6. Sociedade de Crédito, Financiamento e Investimento Essas sociedades são comumente conhecidas como financeiras. São instituições financeiras PRIVADAS que têm como objetivo básico a realização de financiamento para a aquisição de bens, serviços e capital de giro. Assim como praticamente todas as instituições financeiras, essas sociedades devem ser sociedades anônimas e em sua denominação deverá constar a expressão Crédito, Financiamento e Investimento. Essas instituições captam por letra e câmbio e também por Recibos de Depósitos Bancários RDB. Esses RDBs podem ser captados tanto de pessoas físicas quanto jurídicas. 10

11 Os RDBs são depósitos a prazo sem a emissão de Certificados. Importante observar que essas instituições não podem captar por meio de emissão de Certificados de Depósitos Bancários CDB. 7. Sociedade de Crédito Imobiliário As sociedades de crédito imobiliário são instituições financeiras integrantes do Sistema Financeiro Nacional, especializadas em operações de financiamento imobiliário. Devem ser constituídas na forma de sociedades anônimas e em sua denominação social deve constar a expressão Crédito Imobiliário. Antes de qualquer coisa, é importante ressaltar que são essas as instituições que possuem a capacidade de efetuar captação via caderneta de poupança. Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, os bancos comerciais não possuem tal prerrogativa. No entanto, não há, atualmente, no mercado financeiro nacional nenhuma instituição de crédito imobiliário que não esteja ligada a um banco comercial por meio da constituição de um banco múltiplo. Às sociedades de crédito imobiliário é facultado, além da realização das atividades inerentes à consecução de seus objetivos, operar em todas as modalidades admitidas nas normas relativas ao direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança. Importante ressaltar que os depósitos recebidos em caderneta de poupança possuem destinações específicas e previamente determinadas pelo Conselho Monetário Nacional. Essas instituições podem operar em TODAS as destinações especificadas pelas normas que definem a destinação dos recursos de poupança. As sociedades de crédito imobiliário podem empregar em suas atividades, além de recursos próprios, os provenientes de: I - depósitos de poupança; II - letras hipotecárias; III - letras imobiliárias; IV - repasses e refinanciamentos contraídos no País, inclusive os provenientes de fundos nacionais; 11

12 V - empréstimos e financiamentos contraídos no exterior, inclusive os provenientes de repasses e refinanciamentos de recursos externos; VI - depósitos interfinanceiros, nos termos da regulamentação em vigor. 8. Sociedade de Arrendamento Mercantil As sociedades de arrendamento mercantil NÃO são consideradas como instituições financeiras. No entanto, são constituídas sob a forma de sociedade anônima, assim como as instituições financeiras e em sua denominação social deve constar a expressão Arrendamento Mercantil. Apesar de não serem consideradas instituições financeiras, as sociedades de arrendamento mercantil devem ser fiscalizadas pelo Banco Central do Brasil e algumas de suas operações devem ser registradas na instituição. Acredito que não seja interessante entrar nas modalidades de arrendamento mercantil, apenas citá-las pois o nosso objetivo nessa parte do estudo é entender a instituição e não suas operações. Entretanto, as operações de arrendamento mercantil se dividem em arrendamento mercantil financeiro e operacional. O Financeiro se assemelha muito a um financiamento e em geral praticado com bens mais acessíveis. O operacional ocorre na maioria das vezes em bens de valor elevado como aeronaves, supercomputadores, etc. Esses contratos de arrendamento mercantil possuem prazos mínimos. O arrendamento mercantil financeiro tem prazo mínimo de 2 (dois) anos quando a vida útil do bem arrendado for igual ou inferior a 5 (cinco) anos. Se a vida útil do bem arrendado superar o prazo de 5 (cinco) anos, o prazo mínimo é de 3 (três) anos. Por outro lado, os arrendamentos mercantil operacional tem prazo mínimo de 90 (noventa) dias. As operações passivas dessas sociedades são emissão de debêntures, dívida externa, empréstimos e financiamentos de instituições financeiras. Suas operações ativas são constituídas por títulos da dívida pública, cessão de direitos creditórios e, principalmente, por operações de arrendamento mercantil de bens móveis, de produção nacional ou estrangeira, e bens imóveis adquiridos pela entidade arrendadora para fins de uso próprio do arrendatário. 12

13 9. Bancos Múltiplos O Banco Múltiplo deverá constituir-se com no mínimo duas das cinco carteiras: Comercial; Investimento ou Desenvolvimento Crédito Imobiliário; Arrendamento Mercantil; e Crédito, Financiamento e Investimento. Sendo que dessas duas, uma deverá ser obrigatoriamente a carteira de investimento ou comercial Portanto, para que uma instituição possa se transformar ou constituir-se como banco múltiplo, ela deverá ter, pelo menos duas, das cinco carteiras listadas. Dentre essas duas, uma delas deverá ser comercial ou investimento. Logo, se uma instituição tem uma carteira de arredamento mercantil e uma carteira de crédito, financiamento e investimento, ela não poderá se transformar em Banco Múltiplo. Essa vedação ocorre porque apesar de possuir duas das cinco carteiras listadas, a instituição não possui nenhuma das duas carteiras obrigatórias. É importante ressaltarmos que essa transformação não é automática. Ou seja, a instituição deverá fazer a solicitação ao Banco Central e esta autarquia deverá proceder a aprovação da transformação. Os bancos múltiplos podem ser instituições financeiras privadas ou públicas. As operações realizadas por essas instituições estão sujeitas às mesmas normas legais e regulamentares aplicáveis às instituições singulares correspondentes às suas carteiras. Ou seja, imagine que um banco tenha a carteira comercial, crédito, financiamento e investimento e arrendamento mercantil. Ele atende os requisitos mínimos de carteira e teve o seu status alçado a Banco Múltiplo. Entretanto, quando captar depósito à vista (operação típica da carteira comercial), não haverá qualquer normativo específico para essa captação por bancos múltiplos. A instituição deverá obedecer as normas relativas às operações de depósitos à vista e das carteiras comerciais. 13

14 QUESTÕES PROPOSTAS Questão 1 (Cesgranrio Analista BACEN 2010) O Conselho Monetário Nacional é a entidade superior do sistema financeiro nacional, NÃO sendo de sua competência a) estabelecer a meta de inflação. b) zelar pela liquidez e pela solvência das instituições financeiras. c) regular o valor externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamentos. d) regular o valor interno da moeda, prevenindo e corrigindo surtos inflacionários ou deflacionários. e) fixar o valor do superávit primário do orçamento público. Questão 2 (Cesgranrio Analista BACEN 2010) O subsistema normativo do Sistema Financeiro Nacional inclui os seguintes órgãos ou entidades: a) Conselho Monetário Nacional e Banco Central do Brasil. b) Comissão de Valores Mobiliários e Caixa Econômica Federal. c) Banco Central do Brasil e Banco do Brasil. d) Banco Central do Brasil e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. e) Banco do Brasil e Superintendência de Seguros Privados. Questão 3 (CESGRANRIO Economia e Finanças Casa da Moeda 2009) O Sistema Financeiro Nacional se subdivide em dois subsistemas: o normativo e o de intermediação. Do subsistema normativo fazem parte o(a) a) Conselho Monetário Nacional e o Banco Central do Brasil. b) Banco Central do Brasil e a Caixa Econômica Federal. c) Caixa Econômica Federal e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. d) Superintendência de Seguros Privados e as Bolsas de Valores. e) Comissão de Valores Mobiliários e o Fundo Monetário Internacional. Questão

15 (CESGRANRIO Técnico: Economia SEAD/AM 2005) Integram o CMN o Ministro do(a): a) Planejamento, o Ministro da Previdência e o Presidente da CVM. b) Fazenda, o Presidente do BNDES e o Presidente do Banco do Brasil. c) Fazenda, o Ministro do Planejamento e o Ministro da Previdência. d) Fazenda, o Presidente do Banco Central e o Ministro da Previdência. e) Fazenda, o Ministro do Planejamento e o Presidente do Banco Central. Questão 5 (CESGRANRIO Economista Júnior TRANSPETRO 2006) Em relação ao sistema financeiro nacional, a composição do seu subsistema normativo compreende, além do Conselho Monetário Nacional: a) Banco Central do Brasil e Comissão de Valores Mobiliários. b) Conselho Nacional de Seguros Privados e Conselho de Gestão da Previdência Complementar. c) Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários e Superintendência de Seguros Privados. d) Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Superintendência de Seguros Privados e Secretaria de Previdência Complementar. e) Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Superintendência de Seguros Privados; Secretaria de Previdência Complementar e Instituto de Resseguros do Brasil. Questão 6 (ESAF BACEN 2002) Dentre as atribuições do Conselho Monetário Nacional, definidas pela Lei nº 4595/64 e legislações posteriores, não se inclui: a) disciplinar o crédito em todas as suas modalidades. b) fixar as diretrizes e normas da política cambial. c) executar a política monetária. d)expedir normas gerais de contabilidade e estatística a serem observadas pelas instituições financeiras. e) disciplinar as atividades das bolsas de valores. Questão

16 (FCC CVM Analista 2003) O Conselho Monetário Nacional é o órgão maior do sistema financeiro, sendo sua competência a) desempenhar atividade executiva. b) exercer a fiscalização de instituições financeiras. c) zelar pela liquidez das instituições financeiras. d) supervisionar os serviços de compensação de cheques. e) receber depósito compulsório dos bancos. Questão 8 (CESPE CEF 2009) Junto ao CMN funciona a Comissão Consultiva de a) Mercado de Títulos e Valores Mobiliários. b) Cooperativas de Crédito. c) Mercado de Capitais. d) Comércio e Indústria. e) Serviços Financeiros. Questão 9 (Cespe Banco do Brasil ) Compete ao Conselho Monetário Nacional prescrever os critérios de constituição das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização, das entidades de previdência privada aberta e dos resseguradores, com fixação dos limites legais e técnicos das respectivas operações. Questão 10 (Cespe Banco do Brasil 2001) Em 1964, foi instituído o CMN, no contexto da reforma bancária realizada por meio da Lei n.º 4.595/1964. À época, o CMN era integrado pelo ministro da Fazenda, que o presidia; pelo presidente do BB; pelo presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico; por seis membros nomeados pelo presidente da República e aprovados pelo Senado Federal, escolhidos entre brasileiros de ilibada reputação e notória capacidade em assuntos econômicofinanceiros, com mandato de seis anos, podendo ser reconduzidos. Podiam, ainda, participar das reuniões o ministro da Indústria e Comércio e o ministro para Assuntos de Planejamento e Economia. O CMN teve sua composição modificada diversas vezes, a última em Dos seus integrantes originais, ainda permanece(m) como membro(s) componente(s) 16

17 a) o ministro da Fazenda. b) o presidente do BB. OPERAÇÕES BANCÁRIAS PARA O BANCO CETRAL c) o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico, hoje denominado Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. d) seis membros nomeados pelo presidente da República, após aprovação pelo Senado Federal, escolhidos entre brasileiros de ilibada reputação e notória capacidade em assuntos econômico-financeiros, atualmente com mandato de quatro anos. e) o ministro da Indústria e Comércio, hoje denominado ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Enunciado para as questões 11 a 15 O Conselho Monetário Nacional é a entidade superior do Sistema Financeiro Nacional, tendo por competência Questão 11 (CESPE Banco do Brasil ) Estabelecer as condições para o exercício de quaisquer cargos de direção nas instituições financeiras privadas. Questão 12 (CESPE Banco do Brasil ) Zelar pela liquidez e pela solvência das instituições financeiras. Questão 13 (CESPE Banco do Brasil ) Adaptar o volume dos meios de pagamento às reais necessidades da economia nacional e ao seu processo de desenvolvimento. Questão

18 (CESPE Banco do Brasil ) Regular o valor externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamentos do país. Questão 15 (CESPE Banco do Brasil ) Regular a execução dos serviços de compensação de cheques e outros papéis. 18

19 QUESTÕES RESOLVIDAS Questão 1 (ESAF BACEN 2002) Com relação às funções, objetivos e regulamentação dos Bancos Comerciais e dos Bancos de Investimento, avalie as afirmações a seguir e assinale com V as verdadeiras e com F as falsas. Em seguida, assinale a opção que contém a seqüência correta de avaliações. ( ) Os bancos comerciais recebem depósitos a vista e atuam na concessão de empréstimos de curto e médio prazos. ( ) Os bancos de investimento atuam na estruturação de operações no mercado de capitais e na concessão de empréstimos e financiamentos de médio e longo prazos. ( ) Ambas as instituições, bancos comerciais e bancos de investimento podem captar recursos por meio de depósitos a prazo. ( ) Os bancos comercias não podem captar recursos por meio da emissão de debêntures, porém os bancos de investimento podem captar recursos por meio da emissão de debêntures próprias. a) V, V, F, F b) V, V, V, F c) F, F, V, V d) V, V, F, V e) V, F, V, F Questão 2 (ESAF BACEN 2002) Das opções abaixo, assinale aquela que contém um participante do sistema financeiro nacional que não pode captar recursos por meio de depósitos a vista. a) Banco Múltiplo com carteira comercial. b) Banco Comercial. c) Caixa Econômica. d) Cooperativa de Crédito. e) Banco de Desenvolvimento. Questão

20 (ESAF BACEN 2002) Em relação aos Bancos Múltiplos, regulamentados pela Resolução nº 1524/88, do Conselho Monetário Nacional e por suas alterações, é correto afirmar que: a) a existência do banco múltiplo permite que uma única instituição possa executar e contabilizar operações típicas de diferentes instituições financeiras, porém é exigido que se observe, em cada carteira, a regulamentação pertinente à instituição singular que lhe deu origem (a carteira comercial segue a regulamentação aplicável aos bancos comerciais, etc.). b) as instituições devem manter, para cada carteira em que operarem, diretor tecnicamente qualificado que será o responsável pelas operações, sendo vedado que um mesmo diretor seja responsável por mais de uma carteira. c) a constituição de banco múltiplo depende de autorização do Banco Central do Brasil no caso de constituição direta, mas independe nos casos de transformação ou de fusão entre instituições já existentes. d) para ser considerada banco múltiplo, a instituição deve ter, no mínimo, quatro das seguintes carteiras: comercial, de investimento, de desenvolvimento, de crédito, financiamento e investimento (de aceite), de crédito imobiliário e de arrendamento mercantil (de leasing). e) é facultado aos bancos múltiplos, independentemente das carteiras que possuam, captar recursos por meio de depósitos à vista. Enunciado para as questões 4 e 5 O BACEN tem como prerrogativa estabelecer as normas operacionais de todas as instituições financeiras que operam no Brasil, definindo suas características e possibilidades de atuação. Com base nas normas vigentes, julgue os itens seguintes. Questão 4 (CESPE Senado Federal 2002) As sociedades de arrendamento mercantil nasceram do reconhecimento de que o lucro de uma atividade produtiva pode advir da simples utilização do equipamento, e não, de sua propriedade. Questão 5 (CESPE Senado Federal 2002) O objetivo principal dos bancos comerciais é proporcionar o suprimento oportuno e adequado dos recursos necessários para 20

21 financiar, a curto e médio prazos, o comércio, a indústria, as empresas prestadoras de serviços e as pessoas físicas. Questão 6 (CESPE Banco do Brasil ) Bancos comerciais captam principalmente depósitos à vista e depósitos de poupança, são tradicionais fornecedores de crédito para as pessoas físicas e jurídicas e disponibilizam capital de giro para empresas. Questão 7 (CESPE Banco do Brasil ) Bancos de investimento captam depósitos à vista e depósitos de poupança e atuam mais fortemente no crédito agrícola. Questão 8 (CESPE Banco do Brasil ) Sociedades de crédito e financiamento são direcionadas para o crédito ao consumidor. 21

22 QUESTÕES RESOLVIDAS Questão 1 (ESAF BACEN 2002) Com relação às funções, objetivos e regulamentação dos Bancos Comerciais e dos Bancos de Investimento, avalie as afirmações a seguir e assinale com V as verdadeiras e com F as falsas. Em seguida, assinale a opção que contém a seqüência correta de avaliações. ( ) Os bancos comerciais recebem depósitos a vista e atuam na concessão de empréstimos de curto e médio prazos. ( ) Os bancos de investimento atuam na estruturação de operações no mercado de capitais e na concessão de empréstimos e financiamentos de médio e longo prazos. ( ) Ambas as instituições, bancos comerciais e bancos de investimento podem captar recursos por meio de depósitos a prazo. ( ) Os bancos comercias não podem captar recursos por meio da emissão de debêntures, porém os bancos de investimento podem captar recursos por meio da emissão de debêntures próprias. a) V, V, F, F b) V, V, V, F c) F, F, V, V d) V, V, F, V e) V, F, V, F Resolução: Somente os Bancos Comerciais, Caixas Econômicas, Cooperativas de Crédito, Bancos Cooperativos e Bancos Múltiplos com carteira comercial podem fazer captação de depósito à vista. Enquanto, por normativo, os Bancos Comerciais atuam na concessão de empréstimos de curto e médio prazos, os Bancos de Investimentos e os Bancos de Desenvolvimentos (entidades que não captam depósito à vista) atuam nos empréstimos de médio e longo prazos. Bancos Múltiplos com carteira comercial, de investimento e/ou desenvolvimento, bancos comerciais, bancos de investimento e bancos de desenvolvimento podem fazer a captação de recursos por meio de depósitos a prazo. 22

23 As instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo BACEN somente podem subscrever, adquirir ou intermediar debêntures destinadas à subscrição pública. Sendo assim, o gabarito é a letra B. Gabarito: B Questão 2 (ESAF BACEN 2002) Das opções abaixo, assinale aquela que contém um participante do sistema financeiro nacional que não pode captar recursos por meio de depósitos a vista. a) Banco Múltiplo com carteira comercial. b) Banco Comercial. c) Caixa Econômica. d) Cooperativa de Crédito. e) Banco de Desenvolvimento. Resolução: Somente os Bancos Comerciais, Caixas Econômicas, Cooperativas de Crédito, Bancos Cooperativos e Bancos Múltiplos com carteira comercial podem fazer captação de depósito à vista. Dessa forma, os Bancos de Desenvolvimento não podem fazer captação de depósito à vista, sendo esta a resposta correta. Você pode estar se perguntando, mas o BASA e o BNB fazem!!! Sim, mas eles NÃO são considerados Bancos de Desenvolvimento, mas sim Bancos que possuem a carteira de desenvolvimento e a captação de depósito à vista por parte deles ocorre por meio da carteira comercial que ambas as instituições possuem. Um exemplo de Banco de Desenvolvimento clássico seria o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais BDMG ( Sendo assim, o gabarito seria a letra E. 23

24 Gabarito: E Questão 3 (ESAF BACEN 2002) Em relação aos Bancos Múltiplos, regulamentados pela Resolução nº 1524/88, do Conselho Monetário Nacional e por suas alterações, é correto afirmar que: a) a existência do banco múltiplo permite que uma única instituição possa executar e contabilizar operações típicas de diferentes instituições financeiras, porém é exigido que se observe, em cada carteira, a regulamentação pertinente à instituição singular que lhe deu origem (a carteira comercial segue a regulamentação aplicável aos bancos comerciais, etc.). b) as instituições devem manter, para cada carteira em que operarem, diretor tecnicamente qualificado que será o responsável pelas operações, sendo vedado que um mesmo diretor seja responsável por mais de uma carteira. c) a constituição de banco múltiplo depende de autorização do Banco Central do Brasil no caso de constituição direta, mas independe nos casos de transformação ou de fusão entre instituições já existentes. d) para ser considerada banco múltiplo, a instituição deve ter, no mínimo, quatro das seguintes carteiras: comercial, de investimento, de desenvolvimento, de crédito, financiamento e investimento (de aceite), de crédito imobiliário e de arrendamento mercantil (de leasing). e) é facultado aos bancos múltiplos, independentemente das carteiras que possuam, captar recursos por meio de depósitos à vista. Resolução: A Resolução 1.524/88 introduziu no Brasil um novo conceito de instituição financeira e conglomerado financeiro, os chamados bancos múltiplos. Essa Resolução já foi revogada, mas seus princípios básicos ainda continuam valendo. Nela, o Conselho Monetário Nacional, propiciou a união de pelo menos duas das seis carteiras existentes em torno de uma mesma estrutura que seria denominada de banco múltiplo. Dessa forma, para um banco ser considerado múltiplo, a instituição deve ter, no mínimo, duas das seguintes carteiras: comercial; investimento (privada); 24

25 desenvolvimento (pública); crédito, financiamento e investimento; crédito imobiliário e arrendamento mercantil (leasing). Destas duas carteiras, o Banco deve possuir uma comercial ou de investimento para que tenha o direito de pedir sua transformação em Múltiplo. Cabe ressaltar que tanto na constituição quanto na transformação é necessário que haja autorização prévia do BACEN. Cada carteira dá a seu detentor o direito de operar determinadas operações e cada uma dessas operações será regulamentada independentemente da carteira que possua a instituição. Logo uma captação de depósito à vista efetuada por um banco comercial ou por um banco múltiplo com carteira comercial possui a mesma regulamentação. Sendo assim, o gabarito é a letra A. Gabarito: A Enunciado para as questões 4 e 5 O BACEN tem como prerrogativa estabelecer as normas operacionais de todas as instituições financeiras que operam no Brasil, definindo suas características e possibilidades de atuação. Com base nas normas vigentes, julgue os itens seguintes. Questão 4 (CESPE Senado Federal 2002) As sociedades de arrendamento mercantil nasceram do reconhecimento de que o lucro de uma atividade produtiva pode advir da simples utilização do equipamento, e não, de sua propriedade. Resolução: Realmente não é necessário ser proprietário do bem para que dele possa se tirar proveito dele. Essa é a idéia básica que está por trás do arrendamento mercantil. Uma empresa de arrendamento mercantil adquire o bem e o arrenda para uma determinada empresa. Essa empresa poderá explorar a utilização daquele bem e, em contrapartida, deverá pagar a contraprestação pela utilização do referido bem. 25

26 Portanto, não há a necessidade de ser proprietário de um bem para que o possa utilizá-lo. Isso pode ficar claro quando alugamos um bem e exploramos ele comercialmente, como imóveis comerciais, por exemplo. Sendo assim, a questão está CERTA. Gabarito: C Questão 5 (CESPE Senado Federal 2002) O objetivo principal dos bancos comerciais é proporcionar o suprimento oportuno e adequado dos recursos necessários para financiar, a curto e médio prazos, o comércio, a indústria, as empresas prestadoras de serviços e as pessoas físicas. Resolução: É exatamente esse o objetivo do Banco Central, ou seja, o suprimento dos recursos necessários para financiamentos de curto e médio prazos. Sendo assim, o item está CERTO. Gabarito: C Questão 6 (CESPE Banco do Brasil ) Bancos comerciais captam principalmente depósitos à vista e depósitos de poupança, são tradicionais fornecedores de crédito para as pessoas físicas e jurídicas e disponibilizam capital de giro para empresas. Resolução: Os Bancos Comerciais são captadores de depósitos à vista. A normatização infra-legal da caderneta de poupança, ou seja, as Resoluções do Conselho Monetário Nacional que versam sobre tal assunto, dizem que os bancos múltiplos com carteira de crédito imobiliário, a Caixa Econômica Federal (CEF), as sociedades de crédito imobiliário e as 26

27 associações de poupança e empréstimo podem receber depósitos de poupança. Ainda acrescentam que os bancos múltiplos com carteira comercial ou crédito imobiliário, os bancos comerciais e a CEF podem abrir contas de poupança para pessoas físicas brasileiras que se encontrem temporariamente no exterior. Dessa forma, podemos concluir que os bancos comerciais ou bancos múltiplos com carteira comercial como regra geral não podem receber depósitos de poupança 5. Duas exceções devem ser mencionadas. A primeira delas é a Poupança Rural, ou seja, a caderneta de poupança recebida por um pequeno grupo de bancos que tem a destinação de financiar o setor rural e não o setor habitacional. Essa poupança é captada não pela carteira de crédito imobiliário e, sim, pela carteira comercial do Banco. Apenas quatro instituições podem captar poupança rural : Banco do Brasil, Banco da Amazônia BASA, Banco do Nordeste BNB e os Bancos Cooperativos. Além disso, os bancos comerciais podem captar poupança de brasileiros que se encontram temporariamente no exterior, sem que haja a necessidade de ter carteira de crédito imobiliário. Devemos ressaltar ainda que, conforme pode ser visto pelo item transcrito do normativo, nem o Conselho Monetário Nacional nem o Banco Central do Brasil consideram a CEF como um banco. A CEF é uma instituição que possui características de banco comercial sem sê-lo. Dessa forma, o item deveria estar falso, mas o CESPE deu como gabarito correto. A Legislação não ampara a resposta do organizador da prova. Gabarito: C Questão 7 (CESPE Banco do Brasil ) Bancos de investimento captam depósitos à vista e depósitos de poupança e atuam mais fortemente no crédito agrícola. Resolução: Este item está totalmente errado. Os bancos de investimento não estão no rol das instituições que possuem o direito de captar depósito à vista e nem de poupança. Fazem captação de depósitos a prazo. 5 Quando estou falando de poupança, estou me referindo apenas à poupança com direcionamento para a habitação. Se quiser fazer referência à poupança com direcionamento rural, mencionarei como Poupança Rural. 27

28 Gabarito: E Questão 8 (CESPE Banco do Brasil ) Sociedades de crédito e financiamento são direcionadas para o crédito ao consumidor. Resolução: As sociedades de crédito, financiamento e investimento têm como objetivo básico a realização de financiamento para a aquisição de bens e serviços e para capital de giro. Captam recursos por meio de letras de câmbio. Desta forma, a resposta está CERTA. Gabarito: C 28

AULA 3. Disciplina: Mercado de Capitais Assunto: Introdução ao SFN. Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br Blog: keillalopes.wordpress.

AULA 3. Disciplina: Mercado de Capitais Assunto: Introdução ao SFN. Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br Blog: keillalopes.wordpress. AULA 3 Disciplina: Mercado de Capitais Assunto: Introdução ao SFN Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br Blog: keillalopes.wordpress.com Objetivos da aula: SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Histórico ; Composição;

Leia mais

SUPER CURSO DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS E SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SIMULADO 01 - BACEN e CMN Professor: Tiago Zanolla

SUPER CURSO DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS E SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SIMULADO 01 - BACEN e CMN Professor: Tiago Zanolla SIMULADO Conhecimentos Bancários e SFN QUESTÃO 01 (INÉDITA TZ 2013) Considerando o Sistema Financeiro Nacional, assinale a única alternativa que traz a correta correlação de itens: 1. Funding 2. Spread

Leia mais

Conhecimentos bancários Profº Rodrigo Ocampo Barbati

Conhecimentos bancários Profº Rodrigo Ocampo Barbati Conhecimentos bancários Profº Rodrigo Ocampo Barbati 1) O Conselho Monetário Nacional (CMN), que foi instituído pela Lei 4.595, de 31 de dezembro de 1964, é o órgão responsável por expedir diretrizes gerais

Leia mais

3.1 - Estrutura do SFN

3.1 - Estrutura do SFN 1 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Estrutura do SFN 3.2 Subsistema normativo 3.3 Subsistema de intermediação 3.4 Títulos públicos negociados no MF 3.5 Principais papéis privados negociados no MF 3/4/2012

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Mercado Financeiro Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 5ª aula Início da aula Instituições Operadoras Livro Como esticar seu dinheiro Ricardo

Leia mais

BC e Universidade. Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional (SFN) Sistema Financeiro Nacional. Frederico Pechir Gomes e Beatriz Simas Silva

BC e Universidade. Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional (SFN) Sistema Financeiro Nacional. Frederico Pechir Gomes e Beatriz Simas Silva BC e Universidade Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional (SFN) Frederico Pechir Gomes e Beatriz Simas Silva Agenda SFN: Definição e Marco Legal Estrutura do SFN Subsistema Normativo CMN, Bacen, CVM

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 É um órgão colegiado, de segundo grau, integrante

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

ESTRUTURA S.F.N. COMPOSIÇÃO DO CMN: CMN 17/6/2011

ESTRUTURA S.F.N. COMPOSIÇÃO DO CMN: CMN 17/6/2011 CONCURSO BB 2011 ESTRUTURA S.F.N. CONHECIMENTOS BANCÁRIOS professorcanda@rcdconcursos.com.br 1 2 CMN CMN compete: - estabelecer as diretrizes gerais das políticas monetária, cambial e creditícia. - regular

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Rodrigo O. Barbati AULA 01 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema normativo Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional (SFN) pode ser entendido

Leia mais

Mercado financeiro, segmentação e instituições uma abordagem geral. Ao final do estudo desta aula, você deverá ser capaz de:

Mercado financeiro, segmentação e instituições uma abordagem geral. Ao final do estudo desta aula, você deverá ser capaz de: Mercado financeiro, segmentação e instituições uma abordagem geral A U L A Meta da aula Apresentar a amplitude do mercado financeiro, seus segmentos especializados e as principais instituições financeiras

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 88, de 2002.

RESOLUÇÃO CNSP N o 88, de 2002. RESOLUÇÃO CNSP N o 88, de 2002. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, sociedades de capitalização e entidades abertas de previdência complementar e

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004.

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004 Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado, em reunião

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «21. O sistema de intermediação financeira é formado por agentes tomadores e doadores de capital. As transferências de recursos entre esses agentes são

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

ATENÇÃO. O Banco do Brasil apesar de não ser mais uma autoridade, ainda exerce atividades típicas de Banco Central.

ATENÇÃO. O Banco do Brasil apesar de não ser mais uma autoridade, ainda exerce atividades típicas de Banco Central. 1. BREVE HISTÓRICO DO SFN O SFN brasileiro é relativamente novo. Tem pouco mais de 50 anos. Foi criado em 1964. Mas isso não quer dizer que não existiam instituições financeiras anteriormente. Com a vinda

Leia mais

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I AULA 02 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo I Subsistema Operativo No Sistema Financeiro Nacional, o subsistema operativo trata da intermediação, do suporte operacional e da administração.

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

AULA 03. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo II

AULA 03. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo II AULA 03 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo II BNDES No subsistema operativo, existem instituições que não captam depósitos à vista, como o BNDES. O Banco Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

II - Manter suspensas as concessões de novas cartas patentes para o funcionamento de sociedade de arrendamento mercantil.

II - Manter suspensas as concessões de novas cartas patentes para o funcionamento de sociedade de arrendamento mercantil. RESOLUCAO 980 ------------- O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9. da Lei n. 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2828. 1º Para efeito do disposto nesta Resolução, as Unidades da Federação são os Estados e o Distrito Federal.

RESOLUÇÃO Nº 2828. 1º Para efeito do disposto nesta Resolução, as Unidades da Federação são os Estados e o Distrito Federal. RESOLUÇÃO Nº 2828 Dispõe sobre a constituição e o funcionamento de agências de fomento. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº. 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

Valcedir Vicente Rosa. Sistema Financeiro Nacional

Valcedir Vicente Rosa. Sistema Financeiro Nacional 1 Sistema Financeiro Nacional Tópicos a serem abordados Visão geral do sistema financeiro nacional. Atuação dos participantes Mercado monetário e política monetária. Sistemas CETIP e SELIC Principais títulos

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.099. I - a autorização para funcionamento, transferência de controle societário e reorganização - Anexo I;

RESOLUÇÃO Nº 2.099. I - a autorização para funcionamento, transferência de controle societário e reorganização - Anexo I; RESOLUÇÃO Nº 2.099 Aprova regulamentos que dispõem sobre as condições relativamente ao acesso ao Sistema Financeiro Nacional, aos valores mínimos de capital e patrimônio líquido ajustado, à instalação

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DIREITO DE ACESSO

MANUAL DE NORMAS DIREITO DE ACESSO MANUAL DE NORMAS DIREITO DE ACESSO VERSÃO: 13/12/2011 2 / 34 MANUAL DE NORMAS DE DIREITO DE ACESSO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 4 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 4 CAPÍTULO TERCEIRO DOS TIPOS DE

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 27.11.2015, Ata nº 293. SUMÁRIO 1. DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Caixa Econômica Federal

Caixa Econômica Federal Turma Exercícios 01) Em relação ao Sistema Financeiro Nacional, analise as afirmativas a seguir: I - Compete ao Conselho Monetário Nacional Regular o valor externo da moeda e o equilíbrio do balanço de

Leia mais

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL Conceito de Sistema Financeiro Conjunto

Leia mais

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE)

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) 1. O depósito criado pela Resolução 3.692/09 do CMN é um RDB (Recibo de Depósito Bancário) ou um CDB (Certificado de Depósito Bancário)? R. É um Depósito

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 392, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2015 Dispõe sobre aceitação, registro, vinculação, custódia, movimentação e diversificação dos ativos garantidores das operadoras no âmbito do sistema

Leia mais

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012):

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

II - operação de crédito com vínculo a exportação (securitização de exportações); e

II - operação de crédito com vínculo a exportação (securitização de exportações); e CIRCULAR 3.027/01 PROGRAMA NACIONAL DE DESBUROCRATIZAÇÃO - Institui e regulamenta o Registro Declaratório Eletrônico (RDE) de empréstimos entre residentes ou domiciliados no País e residentes ou domiciliados

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EMPRESARIAIS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade I FINANÇAS EMPRESARIAIS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade I FINANÇAS EMPRESARIAIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Finanças empresariais Objetivos gerais Fazer com que os alunos possam adquirir e/ou produzir os conhecimentos necessários para o desenvolvimento

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Paulo AndréB. Moraes

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Paulo AndréB. Moraes ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo AndréB. Moraes Programa da Disciplina 1 - Introdução às Finanças vabordar trajetória da evolução das finanças corporativas vtratar a relação da administração financeira com

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES PROEX

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES PROEX REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio do escritório Stuber Advogados Associados e especialista em Direito Bancário, Mercado de Capitais e Negociações

Leia mais

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade IV Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros - Resumo encontro anterior Sistema Financeiro Nacional Órgãos, entidades e operadoras Estrutura do Sistema

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Sistema Financeiro Nacional Professor: Roberto César SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA 1 Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil 2 Regulamento do Plano Administrativo Duprev ÍNDICE

Leia mais

Economia e mercado financeiro

Economia e mercado financeiro Economia Jonas Barbosa Leite Filho* * Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas pela Faculdade Bagozzi. Graduado em Administração pelo Centro Universitário Campos de Andrade. Trabalhou no Banco do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004.

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3310. Parágrafo único. Não são considerados no cálculo da exigibilidade:

RESOLUÇÃO Nº 3310. Parágrafo único. Não são considerados no cálculo da exigibilidade: RESOLUÇÃO Nº 3310 Dispõe acerca da realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei 4.595, de

Leia mais

Raciocínio Lógico-Matemático para Banco do Brasil

Raciocínio Lógico-Matemático para Banco do Brasil Aula 00 Raciocínio Lógico-Matemático Professor: Guilherme Neves www.pontodosconcursos.com.br 1 Aula 00 Aula Demonstrativa Apresentação... 3 Juros Simples - Introdução... 5 Juros... 5 Formas de Representação

Leia mais

Conhecimentos Bancários

Conhecimentos Bancários Conhecimentos Bancários Índice Estrutura do Sistema Financeiro Nacional... Conselho Monetário Nacional... COPOM Comitê de Política Monetária... Banco Central do Brasil... Comissão de Valores Mobiliários...

Leia mais

Banco do Brasil. O Conselho Monetário Nacional (CMN) é a entidade máxima do sistema financeiro brasileiro, ao qual cabe

Banco do Brasil. O Conselho Monetário Nacional (CMN) é a entidade máxima do sistema financeiro brasileiro, ao qual cabe No Brasil, a condução e a operação diárias da política monetária, com o objetivo de estabilizar a economia, atingindo a meta de inflação e mantendo o sistema financeiro funcionando adequadamente, são uma

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis BNB Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Investimento Renda Fixa Curto Prazo (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20) 31 de março de

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

ALFAPREV MIX 25 - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO PREVIDENCIÁRIO CNPJ/MF 03.469.407/0001-50 REGULAMENTO

ALFAPREV MIX 25 - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO PREVIDENCIÁRIO CNPJ/MF 03.469.407/0001-50 REGULAMENTO ALFAPREV MIX 25 - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ/MF 03.469.407/0001-50 REGULAMENTO CAPÍTULO I DO FUNDO 1.1 O ALFAPREV MIX 25 - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2.689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2.689 Documento normativo revogado, a partir de 30/3/2015, pela Resolução nº 4.373, de 29/9/2014. Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA, Estado de Goiás, aprova e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA, Estado de Goiás, aprova e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei: 1 Gabinete do Prefeito LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Institui o Programa Municipal de Parcerias Público-Privadas, cria a Comissão Gestora de Parcerias Público-Privadas de Goiânia e dá outras providências.

Leia mais

Resolução 3792. Principais Aspectos

Resolução 3792. Principais Aspectos Resolução 3792 Principais Aspectos Diretrizes para as aplicações princípios de segurança, rentabilidade, solvência, liquidez e transparência; boa fé, lealdade e diligência; elevados padrões éticos; cumprimento

Leia mais

Exercício 1 Investimentos Permanentes MC e Valor justo

Exercício 1 Investimentos Permanentes MC e Valor justo UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Societária 2 Profª: Márcia Tavares Monitores: Caio Lidington, Carlos

Leia mais

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei:

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei: www.leismunicipais.com.br LEI Nº 12.211, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA POPULAR EMPREENDEDORA E SOLIDÁRIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA

Leia mais

Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 (D) sociedades bancárias oficiais; (E) instituições de financiamentos e investimentos. Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof.

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof. -Aula 22.10.14 22/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITARIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Contábeis Conceitos e Estrutura Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br Surgimento e Finalidade: Cronograma

Leia mais

XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE

XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE O Futuro da Educação a Distância na Educação Básica Francisco Aparecido Cordão facordao@uol.com.br Dispositivos da LDB e DECRETOS

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO MINUTA DE RESOLUÇÃO Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso

Leia mais

AS OPERAÇÕES DE DERIVATIVOS NO MERCADO DE BALCÃO

AS OPERAÇÕES DE DERIVATIVOS NO MERCADO DE BALCÃO REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Adriana Maria Gödel Stuber e Walter Douglas Stuber Adriana Maria Gödel Stuber é Sócia de Stuber Advogados Associados. Mestra em Direito das Relações Sociais

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

OPERAÇÕES BANCÁRIAS & CONTABILIDADE DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INFORMAÇÕES GERAIS ANALISTA - BANCO CENTRAL. Revisão de Contabilidade

OPERAÇÕES BANCÁRIAS & CONTABILIDADE DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INFORMAÇÕES GERAIS ANALISTA - BANCO CENTRAL. Revisão de Contabilidade OPERAÇÕES BANCÁRIAS & CONTABILIDADE DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INFORMAÇÕES GERAIS ANALISTA - BANCO CENTRAL ENFOQUE DO CURSO: - Áreas 2 e 3, no que são comuns - Abordagem conceitual, normativa e prática

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

Letra Financeira - LF

Letra Financeira - LF Renda Fixa Letra Financeira - LF Letra Financeira O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições financeiras com a finalidade de captar recursos de longo prazo. Tem

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1925, DE 23 DE MAIO DE 2005, Págs 54 e 56 LEI Nº 1367, DE 17 DE MAIO DE 2005. Regulamentada pelo Decreto nº 198/06 Cria o Fundo Municipal de Desenvolvimento da Economia Popular

Leia mais

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Roberto Meurer * RESUMO - Neste artigo se analisa a utilização dos depósitos compulsórios sobre depósitos à vista

Leia mais

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO BRB FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM RENDA FIXA DI LONGO PRAZO 500 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Competência: 19/01/2016 CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269.

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269. Lâmina de Informações Essenciais do Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TÍTULO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - LONGO PRAZO (Título

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL É a atividade que fixa a política financeira do país, determinando as regras de sua atuação e impondo os meios necessários para conseguir os recursos financeiros necessários

Leia mais

CETIP. Segundo o BACEN - CETIP

CETIP. Segundo o BACEN - CETIP Professor Luiz Antonio de Carvalho Central de Liquidação Financeira e de Custódia de Títulos - lac.consultoria@gmail.com 1 2 A Cetip é a integradora do mercado financeiro. É uma companhia de capital aberto

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Conceito 3.2 Subsistema de Supervisão 3.3 Subsistema Operativo 6/7/2006 2 3.1 - Conceito de Sistema Financeiro Conjunto de instituições financeiras

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31144 de 08/04/2008

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31144 de 08/04/2008 DIÁRIO OFICIAL Nº. 311 de 08/0/008 GABINETE DA GOVERNADORA L E I Nº 7.030, DE 30 DE JULHO DE 007* Cria o Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará - IDESP, e dá outras providências.

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.649, DE 11 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.649, DE 11 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.649, DE 11 DE MARÇO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos para instrução de processos de constituição, autorização para funcionamento, alterações de controle societário, reorganização societária,

Leia mais

Análise da. Resolução CMN 4.275. que altera a Resolução CMN 3.792

Análise da. Resolução CMN 4.275. que altera a Resolução CMN 3.792 Análise da Resolução CMN 4.275 que altera a Resolução CMN 3.792 Novembro de 2013 1. Introdução O presente documento tem a proposta de apresentar um breve resumo das principais alterações decorrentes da

Leia mais

Regulatory Practice News

Regulatory Practice News kpmg SETOR DE APOIO REGULAMENTAR (SAR) Regulatory Practice News Outubro 2005 FINANCIAL SERVICES BACEN Custódia Resolução 3322, de 27.10.05 Custódia de numerário Faculta a custódia de numerário do Bacen

Leia mais

RN 006/2002. Programa de Estímulo à Fixação de Recursos Humanos de Interesse dos Fundos Setoriais - PROSET

RN 006/2002. Programa de Estímulo à Fixação de Recursos Humanos de Interesse dos Fundos Setoriais - PROSET Revogada Pela RN-028/07 RN 006/2002 Programa de Estímulo à Fixação de Recursos Humanos de Interesse dos Fundos Setoriais - PROSET O Presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências.

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. DECRETO N o 3.474, DE 19 DE MAIO DE 2000. Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 11.363 8.987 Disponibilidades 30 37 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 8.069 6.136 Operações de Crédito

Leia mais

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A.

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. 1. Quem somos Biva Serviços Financeiros S.A. ( BIVA ) é uma plataforma online de prestação

Leia mais

Com relação ao Estatuto da Caixa, responda as questões abaixo:

Com relação ao Estatuto da Caixa, responda as questões abaixo: ESTATUTO DA CAIXA Com relação ao Estatuto da Caixa, responda as questões abaixo: 1 - Complete: A Caixa é Instituição integrante do e auxiliar da execução da do Governo Federal, a CEF sujeita-se às decisões

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento DI Institucional Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20)

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004. Dispõe sobre a prestação de serviços de auditoria independente para as sociedades seguradoras, de capitalização

Leia mais

CIRCULAR N. 003433 CIRCULAR 3.433 --------------

CIRCULAR N. 003433 CIRCULAR 3.433 -------------- CIRCULAR N. 003433 CIRCULAR 3.433 -------------- Dispõe sobre concessão de autorização para funcionamento, transferência de controle societário, cisão, fusão, incorporação, prática de outros atos societários

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.629, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.629, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.629, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 Aprova o regulamento de comunicação eletrônica de dados no âmbito do Sistema Financeiro Nacional (SFN). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em

Leia mais

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10)

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) PROGRAMA DETALHADO Programa da Certificação Detalhado Profissional da Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) ANBID Série 10 Controle: D.04.08.07 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão:

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS Orçamento nas Constiuições Federais

PONTO DOS CONCURSOS Orçamento nas Constiuições Federais Olá, concurseiro (a)! Tenho observado que algumas bancas cobram um conhecimento histórico do orçamento público nas constituições federais brasileiras. Para facilitar tua vida, organizei a linha do tempo

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Fundos de Investimento. Prof. Esp. Lucas Cruz

Fundos de Investimento. Prof. Esp. Lucas Cruz Fundos de Investimento Prof. Esp. Lucas Cruz Fundos de Investimento Fundos de Investimento são condomínios constituídos com o objetivo de promover a aplicação coletiva dos recursos de seus participantes.

Leia mais

I - o modelo de gestão a ser adotado e, se for o caso, os critérios para a contratação de pessoas jurídicas autorizadas ou credenciadas nos termos da

I - o modelo de gestão a ser adotado e, se for o caso, os critérios para a contratação de pessoas jurídicas autorizadas ou credenciadas nos termos da RESOLUCAO 3.506 Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES 1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: 1.1.

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais