Meta. Objetivos. aula FORMA ESPECIAL: EPOPEIA. Conhecer a forma lírica narrativa epopeia. Ao final desta aula, você deverá:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Meta. Objetivos. aula FORMA ESPECIAL: EPOPEIA. Conhecer a forma lírica narrativa epopeia. Ao final desta aula, você deverá:"

Transcrição

1 7 aula FORMA ESPECIAL: EPOPEIA Meta Conhecer a forma lírica narrativa epopeia. Objetivos Ao final desta aula, você deverá: z ter uma noção básica da história da epopeia; z reconhecer as principais características desta forma lírica.

2

3 AULA VII FORMA ESPECIAL: EPOPEIA Aula 7 1 INTRODUÇÃO Nesta aula, você conhecerá a epopeia, uma das formas mais antigas e conhecidas da lírica clássica. A epopeia data das primeiras manifestações literárias ainda na Grécia e Roma antigas. A apropriação da epopeia, ao longo do tempo, tem sido uma constante, seja com aprimoramentos textuais, fazendo com que o rigor antes estabelecido apresente um certo relaxamento, seja com adaptações modernas para outras linguagens, por exemplo, o cinema. A epopeia faz parte, portanto, do imaginário da sociedade ocidental, está presente em nossas vidas desde os tempos imemoriais, e vem se aprimorando ao longo dos tempos. UESC Letras Vernáculas 91

4 Fundamentos de Teoria da Literatura Forma especial: epopeia 2 A NOÇÃO HISTÓRICA DE EPOPEIA a U F CA SAIBA MAIS V R K M Estima-se que Homero tenha vivido entre os séculos 9 e 8 a.c., e o limite estipulado de sua vida vai até 700 a.c. Sua origem também é incerta, mas os estudiosos do poeta consideram provável que ele tenha nascido em Esmirna ou na Ilha de Quios, na Grécia. Devido à insuficiência de provas, alguns chegam a duvidar da existência de Homero. A obra atribuída a ele foi composta e transmitida oralmente. Existem grandes divergências entre estudiosos literários sobre a obra de Homero. Há suposições de que a Odisséia, por exemplo, não tenha sido composta por um único autor, devido à existência de diferenças estilísticas. A epopeia é uma forma lírica de aspecto bastante peculiar, visto que se apresenta como uma longa narrativa poética, de caráter heroico e características gradiloquentes ou monumentais, que traduz um alcance nacional e universal. De outro modo, a epopeia transmite um assunto de grandeza coletiva, geralmente relacionado à própria nação. Deste modo, para apresentar tal assunto, de características tão grandiosas, faz-se necessária uma forma especial, que possa acompanhar e propiciar o melhor aproveitamento do assunto tratado pelo poeta. Nesse sentido, a epopeia é nomeada como uma forma poética fixa, ou seja, tem uma forma que deve ser seguida pelo poeta ao compor seu texto. A epopeia, no Ocidente, tem suas raízes na Era Clássica, através de Grécia e Roma. As principais e notórias epopeias clássicas são: a Ilíada e a Odisséia, de autoria do poeta grego Homero, que reconstituía, com riqueza de detalhes, a civilização grega, e a Eneida, de autoria do poeta romano Virgílio, que narrava o mito da fundação de Roma. A Ilíada narra a Guerra de Troia e é associada a reflexões sobre a vida do homem e sua relação com os deuses. Odisséia conta as aventuras do herói Ulisses, em sua volta para a ilha de Ítaca. Ambas as obras foram compostas em hexâmetros. Além das duas obras, a Antiguidade atribuía a Homero outras obras, como: Tebaida, os Hinos Homéricos, Batracomiomaquia, entre outras. Na Era Cristã, as epopeias que se destacam são: El Cid e a Divina Comédia. A primeira, de autoria desconhecida, conta as aventuras do cavaleiro Rodrigo Díaz de Vivar, chamado de El Cid (do mourisco sidi, senhor ) e de Campeador, conhecido como um nobre guerreiro espanhol que viveu no século XI, época em que a Espanha estava dividida entre reinos rivais de cristãos e mouros (muçulmanos). Já a Divina Comédia, de autoria de Dante Alighieri, originalmente Comedìa, mais tarde batizada de Divina, pelo pintor italiano Giovanni Boccaccio, é 92 Módulo 1 I Volume 4 EAD

5 um poema épico e teológico dividido em três partes: Inferno, Purgatório e Paraíso. O poema chama-se Comédia não por ser engraçado, mas porque termina bem (no Paraíso). Era esse o sentido original da palavra Comédia, em contraste com a Tragédia, que terminava, em princípio, mal para os personagens. Não há registro da data exata em que foi escrita; sabe-se apenas que data do século XIV. No século XVI, no apogeu do estilo Renascentista, teríamos aquela que se tornaria a grande epopeia em língua portuguesa: Os Lusíadas, de Luis de Camões. Assim como as composições anteriores, Os Lusíadas trata de assunto grandiloquente, pois tematiza a fundação mítica de Portugal e do povo português. Portanto, podemos afirmar que a epopeia trata sempre de um assunto grandioso, que identifica toda a coletividade. Interessante notar, também, que a epopeia tem como fio condutor a narrativa de um herói que, na verdade, representa uma coletividade, um povo. As figuras de Ulisses, na Ilíada e Odisséia, representam, por sua vez, o povo grego; a de Virgílio, na Eneida, representa o povo romano; e Vasco da Gama, nos Lusíadas, representa o povo português. A forma clássica, por excelência, da epopeia, é em versos, no entanto, é possível encontrá-la em prosa, de forma discursiva, como ocorrido nas canções de gesta medievais. Nestes casos, prevalece a temática de caráter grandioso e coletivo, mudando-se apenas a forma, que deixa de ser em verso para ser em prosa. Canção de gesta, tradução do francês chanson de geste, designa um tipo de composição de caráter épico, cujo tema diz respeito aos feitos históricos de povos ou heróis, às guerras históricas e aos dramas lendários. O gênero nasceu e desenvolveuse na França medieval, desde o século XI até ao século XIII, quase sempre concentrando a ação nos feitos ilustres de Carlos Magno (século VIII). A estas canções de gesta, deu-se o título de Geste du Roi, subgênero que inclui uma das mais famosas composições, a Chanson de Roland (c.1100). Fonte: www2.fcsh.unl.pt/edtl/verbetes/.../cancao_ gesta.htm. a U F CA SAIBA MAIS V R K M Aula 7 3 A FORMA DA EPOPEIA A epopeia clássica tradicional, em versos, obedece a uma forma fixa, isto significa dizer que o poeta, ao compô-la, seguia certos preceitos, sob o risco de não ser reconhecida como epopeia. Essas leis de execução da epopeia permanecem através dos tempos; no entanto, podemos assinalar certa UESC Letras Vernáculas 93

6 Fundamentos de Teoria da Literatura Forma especial: epopeia liberdade na interpretação dessa execução. As normas que deveriam ser seguidas pelo poeta, resumem-se em cinco tópicos. São eles: 1- Proposição: trata-se da introdução do poema, onde é apresentado o assunto; 2- Invocação: trata-se do chamamento a uma divindade ou ser superior para que o poeta possa executar sua obra; 3- Dedicatória: é a parte em que o poeta oferece seu poema em distinção a alguém; 4- Narração: é a própria aventura do poema, o desenvolvimento do assunto; 5- Remate ou desfecho: é a conclusão ou epílogo, quando o poeta dá fim ao assunto narrado. Para você compreender melhor essa divisão, vamos tratar de aplicá-la a uma epopeia bastante conhecida e mencionada aqui: Os Lusíadas. Neste poema, Camões narra a aventura do herói português Vasco da Gama que, embora um personagem isolado, representa toda a saga coletiva do povo, ou seja, Vasco da Gama representa o povo português na sua integridade. Pois bem, esse poema é dividido, segundo as regras clássicas, em cinco tópicos, como verá a seguir: 1- Proposição: Nesta parte, Camões apresenta o poema e diz o que vai cantar: os feitos portugueses: As armas e os barões assinalados, Que da ocidental praia Lusitana, Por mares nunca de antes navegados, Passaram ainda além da Taprobana, Em perigos e guerras esforçados, Mais do que prometia a força humana, E entre gente remota edificaram Novo Reino, que tanto sublimaram. 94 Módulo 1 I Volume 4 EAD

7 2- Invocação: O poeta invoca (clama), especificamente, as ninfas do Tejo, que são entidades sobrenaturais e imaginativas que habitariam o rio Tejo que banha Lisboa, em Portugal: E vós, Tágides minhas, pois criado Tendes em mim um novo engenho ardente, Se sempre em verso humilde celebrado Foi de mim vosso rio alegremente, Dai-me agora um som alto e sublimado, Um estilo grandíloquo e corrente, Porque de vossas águas, Febo ordene Que não tenham inveja às de Hipoerene. 3- Dedicatória: Neste tópico, o poeta oferece seu poema grandioso ao soberano rei de Portugal, Dom Sebastião, cujo reinado era bastante cultuado pelos portugueses: Vós, poderoso Rei, cujo alto Império O Sol, logo em nascendo, vê primeiro; Vê-o também no meio do Hemisfério, E quando desce o deixa derradeiro; Vós, que esperamos jugo e vitupério Do torpe Ismaelita cavaleiro, Do Turco oriental, e do Gentio, Que inda bebe o licor do santo rio. 4- Narração: Aula 7 O poeta desenvolve as aventuras que se prontificou a contar, no caso específico, as aventuras de Vasco da Gama pelos mares nunca dantes navegados, mostrando a grande coragem e o caráter destemido do herói português que passa por toda sorte de intempéries até sair vencedor: Vasco da Gama, o forte capitão, Que a tamanhas empresas se oferece, De soberbo e de altivo coração, A quem Fortuna sempre favorece, Para se aqui deter não vê razão, Que inabitada a terra lhe parece: Por diante passar determinava; Mas não lhe sucedeu como cuidava. UESC Letras Vernáculas 95

8 Fundamentos de Teoria da Literatura Forma especial: epopeia 5- Remate ou desfecho: Neste trecho, Camões trata de concluir seu poema com a vitória portuguesa pelos mares desconhecidos: VOCÊ SABIA? Mas eu que falo, humilde, baxo e rudo, De vós não conhecido nem sonhado? Da boca dos pequenos sei, contudo, Que o louvor sai às vezes acabado. Tem me falta na vida honesto estudo, Com longa experiência misturado, Nem engenho, que aqui vereis presente, Cousas que juntas se acham raramente. A medida ou métrica diz respeito ao tamanho do verso; já a metrificação, caracteriza a contagem de sílabas que entram num verso. Acontece, porém, que o poeta não conta as sílabas como impera a gramática, que manda considerar duas sílabas, o ditongo crescente e o decrescente. Todo o agrupamento de vogais, cuja pronúncia possa efetuar-se de um só impulso de voz, o poeta pode considerar uma única sílaba, coisa que em gramática não se dá; também não se contam as sílabas que vêm depois da última sílaba tônica do verso; essa é a razão porque se diz que a sílaba gramatical difere da sílaba poética. Veja, por exemplo, o caso abaixo de contagem das sílabas métricas a partir dos versos: Como você pode observar, o poema é construído conforme as regras clássicas, ou seja, seguindo a estrutura previamente estabelecida. Outro aspecto que nos ajuda a compreender a forma da epopeia diz respeito às medidas dos versos, que deviam ser primitivamente em hexâmetro, Tímida espera a bailarina Sílabas gramaticais: Tí /mi /da /es/ pe/ ra/ a /bai /la /ri /na / seis sílabas métricas, até o último verso. Com o decorrer Número de sílabas: 11. do Sílabas métricas: Tí /mi /da es /pe /ra a /bai/ la /ri / na hexâmetro foram substituídos tempo, pelos Número de sílabas: 8. dez Como você pode observar, o número de sílabas métricas e gramaticais não coincidiu. os versos sílabas versos em decassílabos, métricas, que davam um tom mais solene e grandioso ao poema, por sua maior complexidade. Vamos à atividade! 96 Módulo 1 I Volume 4 EAD

9 ATIVIDADE FIGURA 1 - Cena do filme Tróia, dirigida por Wolfgang Peterson, adaptação da Ilíada, epopeia de Homero. Fonte: Aula 7 1. Esta versão cinematográfica da Ilíada, Tróia, dirigida por Wolfgang Petersen, estreou nos cinemas em Apesar de não ser uma fiel transposição do maravilhoso poema de Homero, já que o filme não segue o espírito do poema e nem alcança a profundidade de Homero, trata-se de um excelente espetáculo que vale a pena ser assistido. Assim, você deverá assistir ao filme referido e ler a versão literária, para produzir, em seguida, uma resenha, estabelecendo a comparação das características de semelhança e diferença entre as duas obras, destacando o seu caráter de epopeia. RESUMINDO Você viu, nesta aula, que a epopeia constitui uma forma épica, poético-narrativa, vinculada ao gênero lírico, que guarda características bastante especiais, sobretudo pela sua forma rigorosamente fixa, devendo o poeta seguir regras previamente estabelecidas. Viu também que as grandes epopeias clássicas foram escritas por Homero e Virgílio, ainda na Antiguidade Greco-romana, e que a grande epopeia, já nos tempos da cristandade, foi Os Lusíadas, do poeta português Luis de Camões. UESC Letras Vernáculas 97

10 Fundamentos de Teoria da Literatura Forma especial: epopeia LEITURA RECOMENDADA Para complementar esta aula, recomendo a leitura de ARISTÓTELES, HORÁCIO E LONGINO. Apresentação e introdução de Jaime Bruna. A poética clássica. São Paulo: Cultrix, Na próxima aula... veremos o gênero épico. GONÇALVES, Magaly Trindade; BELLODI, Zina C. Teoria da literatura revisitada. Petrópolis: Vozes, GOMES, Heidi Strecker. Análise de texto: teoria e prática. 10. ed. São Paulo: Atual, MOISÉS, Massaud. A criação literária. São Paulo: Melhoramentos, R E F E R Ê N C I A S SILVA, Vítor Manuel de Aguiar e. Teoria da literatura. 5. ed. Coimbra: Almedina, SOARES, Angélica. Gêneros literários. São Paulo: Ática, Módulo 1 I Volume 4 EAD

11 Suas anotações

12

PLATAFORMA LEITURA TÍTULO TÍTULO. As armas e os Barões assinalados Que da Ocident 50 al praia Lusitana Por mares nunca de antes nav 100

PLATAFORMA LEITURA TÍTULO TÍTULO. As armas e os Barões assinalados Que da Ocident 50 al praia Lusitana Por mares nunca de antes nav 100 PLATAFORMA LEITURA As armas e os Barões assinalados al praia Lusitana Por mares nunca de antes nav 100 TÍTULO As armas e os Barões assinalados TÍTULO As armas e os Barões assinalados 1 2 EDITORIAL ARTE

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

CANTO I 1. 1 As armas e os barões 2 assinalados. 2 E também as memórias gloriosas

CANTO I 1. 1 As armas e os barões 2 assinalados. 2 E também as memórias gloriosas CANTO I 1 1 As armas e os barões 2 assinalados Que, da Ocidental praia Lusitana, Por mares nunca de antes navegados Passaram ainda além da Taprobana 3, Em perigos e guerras esforçados, 4 Mais do que prometia

Leia mais

História da Música Ocidental

História da Música Ocidental História da Música Ocidental A Música na Idade Média e no Renascimento Música medieval é o nome dado à música típica do período da Idade Média. Essas práticas musicais aconteceram há quase 1500 anos atrás.

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

Renascimento Cultural

Renascimento Cultural Renascimento Cultural Séculos XIV ao XVII Prof. Dieikson de Carvalho Renascimento Cultural Contexto histórico Transição da Idade Média para Idade Moderna. Século XIV ao XVII. Resultado do Renascimento

Leia mais

Parte 1: Compreensão e interpretação do texto. As cruéis sereias. Aluno(a): Professor(a): Turma: n o : Data:

Parte 1: Compreensão e interpretação do texto. As cruéis sereias. Aluno(a): Professor(a): Turma: n o : Data: Aluno(a): Professor(a): Turma: n o : Data: Leia o texto a seguir com atenção. Trata-se de um trecho da epopeia Odisseia, atribuída ao poeta grego Homero. Originariamente narrada em versos, ela narra as

Leia mais

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ JESUS E TENTADO NO DESERTO Volume 4 Escola: Nome : Professor (a): Data : / / 11 7) PERGUNTAS: 1. Depois de ser batizado, onde Jesus foi guiado pelo espírito? 2. Quem

Leia mais

Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos Mosteiro dos Jerónimos Guia de visita dos 6 aos 12 anos Serviço Educativo do Mosteiro dos Jerónimos/ Torre de Belém Bem-vindo ao Mosteiro dos Jerónimos A tua visita de estudo começa logo no Exterior do

Leia mais

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval História 6A Aula 17 A Cultura Medieval Cultura Medieval Síntese de elementos grecoromanos, cristãos e germânicos, reformulados com novas experiências. IGREJA CATÓLICA Instituição mais poderosa do mundo

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA DESAFIO DO DIA. Conteúdo: A civilização cretense Os primeiros povos gregos

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA DESAFIO DO DIA. Conteúdo: A civilização cretense Os primeiros povos gregos CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA Conteúdo: A civilização cretense Os primeiros povos gregos CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA Habilidades: Compreender o processo de formação da civilização grega.

Leia mais

SILVÉRIO BENEDITO PARA UMA LEITURA DA «CASTRO» E POEMAS LUSITANOS DE ANTÓNIO FERREIRA

SILVÉRIO BENEDITO PARA UMA LEITURA DA «CASTRO» E POEMAS LUSITANOS DE ANTÓNIO FERREIRA SILVÉRIO BENEDITO PARA UMA LEITURA DA «CASTRO» E POEMAS LUSITANOS DE ANTÓNIO FERREIRA EDfTORIAL LM I PRESENÇA ÍNDICE PREFACIO 11 I. PERSPECTIVAS GLOBAIS 13 1. O homem e a obra 13 2. Contextualização sociocultural

Leia mais

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS Estilos de época Estilos de época O que são? Traços comuns na produção de um mesmo período/época. O amor em Camões Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude do muito

Leia mais

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos O TEXTO DRAMÁTICO O teatro é a poesia que sai do livro e se faz humana. (Frederico García Lorca) Professor Luís Araújo 1 O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem

Leia mais

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo Aprimoramento 3 parte 2 Prof. Osvaldo 03. (UFPR) Leia os seguintes excertos da Magna Carta inglesa de 1215. 12 Nenhum imposto ou pedido será estabelecido no nosso reino sem o consenso geral. [...] que

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

Apostila: Versos Diversos é possível fazer poesia! Por César Obeid www.cesarobeid.com.br

Apostila: Versos Diversos é possível fazer poesia! Por César Obeid www.cesarobeid.com.br 1 Apostila: Versos Diversos é possível fazer poesia! Por César Obeid www.cesarobeid.com.br Poesia é tudo aquilo Que a gente não entende; É como comprar um quilo, Daquilo que não se vende. QUADRAS (ESTROFES

Leia mais

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante.

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante. Aula 25 Creio na Igreja Católica.1 Frei Hipólito Martendal, OFM. 1. Leitura de At 2, 1-15. Ler e explicar... Dia de Pentecostes (=Quinquagésima) é o 50º dia depois da Páscoa. Os judeus celebravam a Aliança

Leia mais

Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo. 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam

Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo. 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam Lição 1 Leis no tempo de Cristo Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam 2) Lei Civil do A.T. = Tinha a ver com os costumes

Leia mais

400 anos do cavaleiro sonhador

400 anos do cavaleiro sonhador 400 anos do cavaleiro sonhador Há 400 anos, Miguel de Cervantes publicava a primeira parte de Dom Quixote, livro que marcou a história da literatura. Críticos e estudiosos retomam a efeméride para discutir

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

10.7 Pedro e a pedra; início das profecias sobre a Igreja

10.7 Pedro e a pedra; início das profecias sobre a Igreja 10.7 Pedro e a pedra; início das profecias sobre a Igreja Aula 53 A primeira vez que a Igreja é profetizada diretamente, está em Mateus: Mateus 16:13~18;... edificarei a minha igreja. V.18; no original

Leia mais

Roteiro 3 João Batista, o precursor

Roteiro 3 João Batista, o precursor FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro 1 Cristianismo e Espiritismo Módulo II O Cristianismo Roteiro 3 João Batista, o precursor Objetivo Identificar a missão de João

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3.

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Senhora, partem tão tristes meus olhos por vós, meu bem, que nunca tão tristes vistes outros

Leia mais

(...) 3 Cessem do sábio Grego e do Troiano As navegações grandes que fizeram;

(...) 3 Cessem do sábio Grego e do Troiano As navegações grandes que fizeram; Anotação de aula LUSÍADAS Canto I - PROPOSIÇÃO 1. As armas e os barões assinalados, Que da ocidental praia Lusitana, Por mares nunca dantes navegados, Passaram ainda além da Taprobana,* Em perigos e guerras

Leia mais

Lição 9 Completar com Alegria

Lição 9 Completar com Alegria Lição 9 Completar com Alegria A igreja estava cheia. Era a época da colheita. Todos tinham trazido algo das suas hortas, para repartir com os outros. Havia muita alegria enquanto as pessoas cantavam louvores

Leia mais

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Montanhas e costas marítimas; Mar Mediterrâneo, Mar Egeo e Mar Jônico. Costa bastante recortada com 80% de montanhas; Grande numero de Ilhas; Formação

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário. Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406

Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário. Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406 Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406 Roteiro 1- Introdução 2- Fundamento Bíblico 3- Conclusão 1. Introdução Voce entende por que é importante

Leia mais

www.projeto-timoteo.org 2ª edição Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Apostila do Aluno

www.projeto-timoteo.org 2ª edição Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Apostila do Aluno Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo 1 Apostila do Aluno Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes 4ª FASE Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Unidade II Natureza-Sociedade: questões ambientais 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista Clássicos adaptados em mangá Alexandre Boide* Com seus mais de cem títulos publicados, a coleção Manga de Dokuha (algo como Aprendendo em mangá ) é uma espécie de ponto fora da curva entre as coleções

Leia mais

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus OBJETIVOS 1) Analisar em que se resume a autoridade do Cristo. 2) Esclarecer como o Espiritismo explica essa autoridade. IDEIAS PRINCIPAIS 1) Sob a autoridade moral do Cristo, somos guiados na busca pela

Leia mais

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO SERIEDADE NA PALAVRA CURSO BÁSICO DE TEOLOGIA MÓDULO I 1º SEMESTRE DE 2015 INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO PR. ROGÉRIO DE ANDRADE CHAGAS Introdução ao Novo Testamento. A nossa aula introduzirá a parte histórica

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS Data: 03/03/08 COMO A MORTE ENTROU NO MUNDO PECADO Significa errar o alvo, rebelião, desobediência. etc. HERMENEUTICA A arte de interpretar o sentido das palavras em leis, textos, Romanos, 5 : 12 12 Portanto,

Leia mais

Educação Matemática. Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2

Educação Matemática. Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2 Educação Matemática Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2 UNIDADE I: EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO Escolas da Antiguidade Geometria Aritmética Música Elementos de Euclides (300 a.c.) Geometria

Leia mais

POR ANA FLÁVIA ALONÇO 1. Pedagoga e mestranda pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Atualmente é capacitadora do Projeto DICA.

POR ANA FLÁVIA ALONÇO 1. Pedagoga e mestranda pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Atualmente é capacitadora do Projeto DICA. O conhecimen como eixo POR ANA FLÁVIA ALONÇO 1 O necessário é fazer da escola um âmbito onde leitura e escrita sejam práticas vivas e vitais, onde ler e escrever sejam instrumentos poderosos que permitem

Leia mais

HISTÓRIA 7 O ANO FUNDAMENTAL. PROF. ARTÊMISON MONTANHO PROF. a ISABEL SARAIVA

HISTÓRIA 7 O ANO FUNDAMENTAL. PROF. ARTÊMISON MONTANHO PROF. a ISABEL SARAIVA 7 O ANO FUNDAMENTAL PROF. ARTÊMISON MONTANHO PROF. a ISABEL SARAIVA Unidade I Identidades, Diversidades e Direitos Humanos Aula 1.1 Conteúdos Apresentação do Componente A formação da Europa feudal Os germanos:

Leia mais

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4 Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher Os quatro estudos a seguir tratam sobre a passagem de Colossenses 3:1-17, que enfatiza a importância de Jesus Cristo ter sua vida por completo.

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

LIVRO DE CIFRAS Página 1 colodedeus.com.br

LIVRO DE CIFRAS Página 1 colodedeus.com.br LIVRO DE CIFRAS Página 1 Página 2 Página 3 ACENDE A CHAMA AUTOR: HUGO SANTOS Intro: A F#m D A F#m D A F#m D Quero Te ver, acende a Chama em mim Bm F#m A Vem com Teu Fogo, vem queimar meu coração Bm F#m

Leia mais

A Bíblia realmente afirma que Jesus

A Bíblia realmente afirma que Jesus 1 de 7 29/06/2015 11:32 esbocandoideias.com A Bíblia realmente afirma que Jesus Cristo é Deus? Presbítero André Sanchez Postado por em: #VocêPergunta Muitas pessoas se confundem a respeito de quem é Jesus

Leia mais

A Palavra PENTATEUCO vem do grego e significa cinco livros. São os cinco primeiros livros da Bíblia. Esses livros falam da formação do mundo, da

A Palavra PENTATEUCO vem do grego e significa cinco livros. São os cinco primeiros livros da Bíblia. Esses livros falam da formação do mundo, da O Pentateuco A Palavra PENTATEUCO vem do grego e significa cinco livros. São os cinco primeiros livros da Bíblia. Esses livros falam da formação do mundo, da humanidade, do povo escolhido. As histórias

Leia mais

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique Atividade extra Vivendo a vida do seu jeito Questão 1 A agricultura para consumo era, no feudalismo, a atividade principal. O comércio, muito reduzido. As terras não tinham valor de troca, de mercado,

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

1. Frei Luís de Sousa Almeida Garrett

1. Frei Luís de Sousa Almeida Garrett 1. Frei Luís de Sousa Almeida Garrett De entre as alternativas a seguir apresentadas, escolhe a que te parecer mais correcta, assinalando com um círculo. 1.1. O autor da obra Frei Luís de Sousa é A. Camões.

Leia mais

Literatura e Redação conexões possíveis

Literatura e Redação conexões possíveis Literatura e Redação conexões possíveis Desde 2005, a UFSC vem explorando os temas extraídos das obras literárias, de leitura obrigatória, para elaboração das propostas de Redação. O gêneros textuais cobrados

Leia mais

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 Apostila Fundamentos Batismo nas Águas batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 B a t i s m o n a s Á g u a s P á g i n a 2 Batismo nas Águas Este é outro passo que está

Leia mais

ESCRITOS & POESIA HEBRAICA

ESCRITOS & POESIA HEBRAICA Jörg Garbers ESCRITOS & POESIA HEBRAICA INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO Os escritos formam a última parte do cânon do AT. Na Bíblia evangélica pertencem aos escritos os seguintes livros: Jó Salmos Provérbios Eclesiastes

Leia mais

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 5 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA

Leia mais

UM LÍDER DO TEMPLO VISITA JESUS

UM LÍDER DO TEMPLO VISITA JESUS Bíblia para crianças apresenta UM LÍDER DO TEMPLO VISITA JESUS Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Byron Unger; Lazarus Adaptado por: M. Maillot; Sarah S. Traduzido por: Berenyce Brandão Produzido

Leia mais

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana HINOS DE DESPACHO Tema 2012: Flora Brasileira Estrela D Alva www.hinarios.org 1 2 01 O DAIME É O DAIME O é o Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana O é o O professor dos professores

Leia mais

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus CAPÍTULO 2 O Propósito Eterno de Deus Já falamos em novo nascimento e uma vida com Cristo. Mas, a menos que vejamos o objetivo que Deus tem em vista, nunca entenderemos claramente o porque de tudo isso.

Leia mais

E alegre se fez triste

E alegre se fez triste Manuel Alegre Manuel Alegre nasceu em 1936 e estudou na Faculdade de Direito de Coimbra, onde participou activamente nas lutas académicas. Cumpriu o serviço militar na guerra colonial em Angola. Nessa

Leia mais

00.035.096/0001-23 242 - - - SP

00.035.096/0001-23 242 - - - SP PAGINA 1 O CARÁTER CRISTÃO 7. O CRISTÃO DEVE TER UMA FÉ OPERANTE (Hebreus 11.1-3) Um leitor menos avisado, ao ler o texto pode chegar à conclusão de que a fé cria coisas pelas quais esperamos. A fé não

Leia mais

I.ª Parte. Nome: Ano: Lê o texto que se segue com muita atenção.

I.ª Parte. Nome: Ano: Lê o texto que se segue com muita atenção. Nome: Ano: Turma: Classificação: I.ª Parte Lê o texto que se segue com muita atenção. O JARDIM DO TIO RICARDO O meu tio Ricardo tem um jardim. Como gosta muito de flores e de árvores e outras plantas e

Leia mais

A GRÉCIA ANTIGA passo a passo

A GRÉCIA ANTIGA passo a passo A GRÉCIA ANTIGA passo a passo ÉRIC DARS e ÉRIC TEYSSIER Ilustrações de Vincent Caut Tradução de Julia da Rosa Simões Copyright do texto 2011 by Éric Dars e Éric Teyssier Copyright das ilustrações 2011

Leia mais

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos Oséias Salvação Conceitos Básicos Oséias, o profeta, era filho de Beeri. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos O nome Oséias era comum

Leia mais

E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE

E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE De inicio nos reunimos com alguns monitores do Programa Mais Educação para realizarmos a

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

Deus está implantando o Seu Reino aqui na Terra e Ele tem deixado bem claro qual é a visão dele para nós:

Deus está implantando o Seu Reino aqui na Terra e Ele tem deixado bem claro qual é a visão dele para nós: Visão do MDa Na visão do MDA, é possível à Igreja Local ganhar multidões para Jesus sem deixar de cuidar bem de cada cristão é o modelo de discipulado um a um em ação. O MDA abrange diversos fatores desenvolvidos

Leia mais

ANDERSON CAVALCANTE. Meu pai, meu herói

ANDERSON CAVALCANTE. Meu pai, meu herói ANDERSON CAVALCANTE Meu pai, meu herói Dedicatória Ao meu pai, Eraldo, meu herói e minha referência de vida. 5 Agradecimentos A Deus, por sempre me ajudar a cumprir minha missão. A todos os pais que são

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Os Lusíadas Luís Vaz de Camões /1580

Os Lusíadas Luís Vaz de Camões /1580 Os Lusíadas 1572 Luís Vaz de Camões +- 1524/1580 Influências Grandes navegações: período dos descobrimentos (séc. XV ao XVII): financiadas pela Igreja Católica, que buscava domínio em terras distantes

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 6 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP UNIDADE DE ESTUDO 06 OBJETIVOS - Localizar, na História, a Idade Média;

Leia mais

Vamos adorar a Deus. Jesus salva (Aleluia)

Vamos adorar a Deus. Jesus salva (Aleluia) Vamos adorar a Deus //: SI LA SOL LA SI SI SI LA LA LA SI SI SI SI LA SOL LA SI SI SI LA LA SI LA SOOL SOOL :// Vamos adorar a Deus, Meu Senhor e Salvador Vamos adorar a Deus, com o nosso louvor. B I S

Leia mais

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Bíblia para crianças apresenta AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da

Leia mais

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística.

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. RESENHAS WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. Tradução: Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2002. Ronaldo de Oliveira BATISTA Centro Universitário Nove de Julho Um número crescente de livros a

Leia mais

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis Grupos de Oração sem a experiência do Batismo no Espírito Santo, exercício dos carismas e o cultivo da vivência fraterna, revelam uma face desfigurada da RCC. Reflitamos a esse respeito tendo por base

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Claudia S. N. Vieira Disciplina: LPO Série: 1ª Tema da aula: O Trovadorismo Objetivo da aula: Trabalhar as principais características do estilo

Leia mais

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL Emanuel Carvalho 2 Prefácio * Edivan Silva Recebi o convite para prefaciar uma obra singular, cujo título despertou e muita minha atenção: Como escrever um livro infantil,

Leia mais

LIBERTANDO OS CATIVOS

LIBERTANDO OS CATIVOS LIBERTANDO OS CATIVOS Lucas 14 : 1 24 Parábola sobre uma grande ceia Jesus veio convidar àqueles que têm fome e sede para se ajuntarem a Ele. O Senhor não obriga que as pessoas O sirvam, mas os convida

Leia mais

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 1 Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 04/03/2001 N Jo 9 1 Jesus ia caminhando quando viu um homem que tinha nascido cego. 2 Os seus discípulos perguntaram:

Leia mais

Visão MDA. Sidnei Souza Hewlett-Packard 01/01/2014

Visão MDA. Sidnei Souza Hewlett-Packard 01/01/2014 2014 Visão MDA [Digite o subtítulo do documento] VI [Digite o resumo do documento aqui. Em geral, um resumo é um apanhado geral do conteúdo do documento. Digite o resumo do documento aqui. Em geral, um

Leia mais

XVIII DOMINGO DO TEMPO COMUM. «Eu sou o pão da vida: quem vem a Mim nunca mais terá fome, quem acredita em Mim nunca mais terá sede».

XVIII DOMINGO DO TEMPO COMUM. «Eu sou o pão da vida: quem vem a Mim nunca mais terá fome, quem acredita em Mim nunca mais terá sede». XVIII DOMINGO DO TEMPO COMUM «Eu sou o pão da vida: quem vem a Mim nunca mais terá fome, quem acredita em Mim nunca mais terá sede». Perdão, Senhor. «Eu farei que chova para vós pão do céu.» Leitura do

Leia mais

Conferência pronunciada em maio de 1973 (extratos - texto sem revisão do autor)

Conferência pronunciada em maio de 1973 (extratos - texto sem revisão do autor) Conferência pronunciada em maio de 1973 (extratos - texto sem revisão do autor) Prof. Plinio Corrêa de Oliveira Hoje em dia, quando se fala da escravidão de amor a Nossa Senhora, há uma estranheza muito

Leia mais

Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras

Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras C A P Í T U L O 3 8 Pérola de Grande Valor Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras escrito por profetas. Há cinco partes em Pérola de Grande Valor: o livro de Moisés, o livro de Abraão, Joseph

Leia mais

Juniores aluno 7. Querido aluno,

Juniores aluno 7. Querido aluno, Querido aluno, Por acaso você já se perguntou algumas destas questões: Por que lemos a Bíblia? Suas histórias são mesmo verdadeiras? Quem criou o mundo? E o homem? Quem é o Espírito Santo? Por que precisamos

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

O Sr. OSMÂNIO PEREIRA (PTB-MG) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e. Senhores Deputados, o que me traz a esta tribuna é a

O Sr. OSMÂNIO PEREIRA (PTB-MG) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e. Senhores Deputados, o que me traz a esta tribuna é a O Sr. OSMÂNIO PEREIRA (PTB-MG) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, o que me traz a esta tribuna é a indignação diante do desrespeito e do ultraje à fé católica

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Em seu diálogo A República, Platão descreve na célebre Alegoria da Caverna a situação de homens aprisionados desde a infância no fundo de uma caverna e de tal

Leia mais

CONCEITO CONTO POPULAR LITERATURA INFANTIL UNIVERSAL GÊNERO LÍRICO GÊNERO DRAMÁTICO GÊNERO NARRATIVO AULA 01: LITERATURA INFANTIL E GÊNEROS LITERÁRIOS

CONCEITO CONTO POPULAR LITERATURA INFANTIL UNIVERSAL GÊNERO LÍRICO GÊNERO DRAMÁTICO GÊNERO NARRATIVO AULA 01: LITERATURA INFANTIL E GÊNEROS LITERÁRIOS LITERATURA INFANTIL UNIVERSAL AULA 01: LITERATURA INFANTIL E GÊNEROS LITERÁRIOS TÓPICO 02: GÊNEROS LITERÁRIOS CONCEITO Segundo Victor Manuel de Aguiar e Silva em Teoria da Literatura, os gêneros literários

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Uma reflexão sobre A Missão de Deus de Christopher Wright

Uma reflexão sobre A Missão de Deus de Christopher Wright Uma reflexão sobre A Missão de Deus de Christopher Wright A MISSÃO DE DEUS Christopher Wright Christopher Wright faz duas contribuições importantes. Primeiro, ele demonstra que a Bíblia, do início até

Leia mais

Transformação. Texto Bíblico

Transformação. Texto Bíblico Texto Bíblico Havia um fariseu chamado Nicodemos, uma autoridade entre os judeus. Ele veio a Jesus, à noite, e disse: Mestre, sabemos que ensinas da parte de Deus, pois ninguém pode realizar os sinais

Leia mais

CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS)

CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS) CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS) Coordenação: Luciane Possebom 26 de março de 2014. Segundo Câmara Cascudo, pode-se

Leia mais

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários.

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários. CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula Nº de Créditos: 04 (quatro) PERÍODO: 91.1 a 99.1 EMENTA: Visão panorâmica das literaturas produzidas em Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São

Leia mais

HISTÓRIA REVISAO 1 REVISAO 2. Vídeo - Moisés Príncipe do Egito.

HISTÓRIA REVISAO 1 REVISAO 2. Vídeo - Moisés Príncipe do Egito. Vídeo - Moisés Príncipe do Egito. Os hebreus Foram os primeiros povos monoteístas da história. Seus reis mais famosos foram Davi e Salomão. A Bíblia é uma fonte importante para o conhecimento sobre a história

Leia mais

Religião, Cristianismo e os significados

Religião, Cristianismo e os significados Religião, Cristianismo e os significados Religião: 1 - Crença na Carlos Alberto Iglesia Bernardo das existência palavras Manifestação dicionário Aurélio de - tal editora crença Nova pela Fronteira doutrina

Leia mais

O Jogo dos Espíritos

O Jogo dos Espíritos Atenção: Este livro não é recomendado para pessoas de mente fraca ou menores de 18 anos. Use-o por sua própria conta e risco. O Jogo dos Espíritos Este é um jogo de narrativa compartilhada (também chamado

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION LIÇÕES DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS - 3 ano Semana de 23 a 27 de março de 2015.

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION LIÇÕES DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS - 3 ano Semana de 23 a 27 de março de 2015. COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION LIÇÕES DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS - 3 ano Semana de 23 a 27 de março de 2015. Leia o texto a seguir para realizar as lições de Matemática da semana. Os alunos do 3º ano foram

Leia mais

HUMILDADE- A VERDADEIRA GRANDEZA

HUMILDADE- A VERDADEIRA GRANDEZA HUMILDADE- A VERDADEIRA GRANDEZA Ministério de Mulheres Aulas: 1 - Abertura - Tudo começa na Mente 2- Considerações gerais sobre a humildade 3- Manifestações Orgulho 4- Orgulho - personagens bíblicos 5-

Leia mais