Código de Ética. 15 de agosto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Código de Ética. 15 de agosto"

Transcrição

1 Código de Ética 15 de agosto 2011

2 ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. PÚBLICO-ALVO 3. REGRAS E PRINCÍPIOS NORTEADORES DAS ATIVIDADES 3.1. RELACIONAMENTO INTERNO 3.2. RELACIONAMENTO EXTERNO Com Acionistas e Investidores Com Fornecedores Com Participantes e Parceiros Com Órgãos Reguladores e Entidades Públicas Com a Mídia Com a Sociedade e o Meio Ambiente Com os Concorrentes 3.3. CONFLITO DE INTERESSES 3.4. VEDAÇÃO A UTILIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES PRIVILEGIADAS 3.5. SIGILO DAS INFORMAÇÕES 3.6. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 3.7. PREVENÇÃO E COMBATE AS PRÁTICAS DE CORRUPÇÃO E LAVAGEM DE DINHEIRO 3.8. VEDAÇÃO DO RECEBIMENTO DE VALORES, GRATIFICAÇÕES E FAVORES 3.9. NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS EMITIDOS E NEGOCIADOS NOS SISTEMAS DA CETIP 4. COMITÊ DE ÉTICA 5. DEVER DE COMUNICAÇÃO DE ATO INFRACIONAL 5.1 TEMPESTIVIDADES DA COMUNICAÇÃO 5.2 PROTEÇÕES A DENUNCIANTES 15. DISPOSIÇÕES GERAIS 16. GLOSSÁRIO Informação de uso interno da Cetip S.A. Página 2

3 Mensagem do Diretor-Presidente Prezado Colaborador, A imagem da Cetip é sustentada pelas atitudes diárias de cada uma das pessoas que nos cercam. Todos nós somos responsáveis por ela, pois nossas ações refletem na percepção que o mercado tem sobre nosso modo de pensar e agir. Inspirados em nossa missão e valores, desenvolvemos este, que descreve os princípios norteadores do relacionamento da Cetip com todos os seus públicos, e representa mais um importante item na composição da nossa estrutura de Governança Corporativa. Este material tem a finalidade de estabelecer quais os princípios e as atitudes que consideramos adequados e que devem ser adotados não só por nossos colaboradores, mas também por prestadores de serviço, acionistas e membros do Conselho de Administração. Ele não tem a pretensão de ser detalhista, mas sim de divulgar as regras de ética empresarial e social, bem como os princípios da transparência, o respeito à igualdade de direitos, à diversidade e a prestação de contas. Os indivíduos são o grande vetor da Governança Corporativa. Por isso, leia este Código e o utilize como referência para sua atuação no dia a dia. Busque sempre se esforçar para que os seus mais diversos públicos de relacionamento também sejam impactados por essas condutas. Dessa forma, daremos nossa contribuição para o melhor desempenho da empresa e para a existência de uma sociedade mais justa, responsável e transparente. Luiz Fernando Vendramini Fleury Diretor-Presidente Informação de uso interno da Cetip S.A. Página 3

4 1. Objetivo Levando-se em consideração os princípios gerais que pautam os negócios da Cetip faz-se apropriado a instituição do presente, com o propósito de transmitir aos Colaboradores a responsabilidade sobre os padrões éticos adotados pela Cetip. Além das regras contidas no presente Código, os Colaboradores deverão observar aquelas contidas nos demais códigos e regulamentos elaborados pela Cetip, incluindo o Estatuto Social, bem como a legislação vigente. 2. Público-Alvo Esta política se aplica aos integrantes do Conselho de Administração, da Diretoria, aos Colaboradores e terceirizados da Cetip, como também às empresas controladas e coligadas que doravante venham a ser criadas. 3. Regras e Princípios Norteadores das Atividades As ações da Cetip são construídas com base nos seguintes princípios: Conduta de responsabilidade pessoal; Respeito a todas as leis, normas, Estatuto Social, Regulamento, bem como políticas e diretrizes internas aplicáveis à sua função e aos objetivos da Cetip; Uso adequado dos recursos e bens da Cetip; Prevenção aos conflitos de interesse; Respeito à confidencialidade das informações sobre os negócios da Companhia, assim como de quaisquer pessoas (físicas ou jurídicas) ligadas, direta ou indiretamente, à Cetip e a seus Participantes; e Prevenção e combate às práticas de corrupção e lavagem de dinheiro. Com base no posicionamento de nossa marca como Segurança que move o mercado, a Cetip busca a associação dos seguintes atributos à sua marca atributos estes que devem permear a cultura organizacional e as ações da empresa e de seus colaboradores: Eficiência: Valorizamos relações, internas e externas, garantindo, com nosso profissionalismo, o foco na solução e competência na execução. Inovação: Estimula a pensar além, a fazer mais, com criatividade e responsabilidade. Agilidade: Orienta a agir e reagir com velocidade, ouvindo o mercado e antecipando as necessidades Relacionamento Interno Cortesia, respeito, espírito de compreensão, cooperação, honestidade e imparcialidade no relacionamento com todos com quem se mantêm contato profissional são posturas que a Companhia espera que os Colaboradores adotem em seu ambiente interno. A Cetip encoraja o tratamento igualitário, independentemente de raça, sexo, orientação sexual, religião, origem, classe social, idade ou capacidade física, e não tolerará qualquer conduta em contrário no ambiente interno da Companhia. É proibida qualquer prática que caracterize o assédio moral e/ou sexual entre os colaboradores. Informação de uso interno da Cetip S.A. Página 4

5 O respeito à legislação vigente considera como prática ilícita o consumo de drogas e demais substâncias não permitidas por lei, no ambiente de trabalho, ou mesmo fora dele, desde que acarrete falta ao trabalho ou desempenho insatisfatório. O consumo de bebidas alcoólicas no ambiente de trabalho está restrito aos eventos comemorativos da Companhia. O colaborador deve utilizar os recursos da empresa com o mesmo zelo que deveria dedicar aos seus próprios recursos, evitando danos, perdas ou uso não autorizado de qualquer recurso independente de valor. O colaborador deve ser cauteloso no uso de linguagem apropriada na troca de mensagens através do corporativo, de forma a zelar pela imagem da Cetip. Serão permitidos apenas o uso e a instalação de aplicativos licenciados e autorizados pela área responsável pela segurança dos sistemas. O colaborador deve ser cuidadoso com suas finanças pessoais, evitando ficar inadimplente em seus negócios pessoais, sempre procurando evitar qualquer risco de comprometer sua capacidade funcional Relacionamento Externo Os princípios estabelecidos neste Código respeitam o relacionamento com o público externo, com a legislação, normativos dos órgãos competentes, bem como com as políticas e os procedimentos internos da entidade, evitando qualquer situação que possa se tornar conflito de interesses ou de violação as leis e normas Com Acionistas e Investidores O relacionamento com os Acionistas e Investidores deve basear-se na comunicação precisa, transparente e tempestiva de informações que lhes permitam acompanhar as atividades da Companhia e avaliar seu desempenho e potencial, sendo dispensado um tratamento uniforme aos Acionistas, independente da quantidade de ações de que sejam portadores, observadas as restrições e disposições legais e estatutárias Com Fornecedores As negociações da Cetip devem ser pautadas pela honestidade com fornecedores e prestadores de serviços. As decisões de contratação devem ser norteadas por critérios objetivos que abranjam todos os aspectos fundamentais da seleção, dentre eles conformidade técnica, desempenho, qualidade, preço, condições de pagamento, prazos, condições de garantia e o que mais for relevante em cada caso. É vedada a contratação de fornecedores e prestadores de serviços que explorem o trabalho infantil ou adotem práticas de trabalho escravo, ou violação dos direitos humanos Com Participantes e Parceiros A Cetip deve dispensar aos seus Participantes e Parceiros um tratamento eficiente, fornecendo informações precisas, claras e compatíveis com suas demandas e seus direitos, assegurando um relacionamento imparcial, equitativo, objetivo e que garanta a segurança e o sigilo de suas informações Com Órgãos Reguladores e Entidades Públicas A Cetip mantém o mais alto patrão ético e de cooperação na relação com os Órgãos Reguladores e Entidades Públicas, tornando-se disponível aos mesmos, sempre que solicitada, disponibilizando informações, dados e registros pertinentes e exigidos por lei. Informação de uso interno da Cetip S.A. Página 5

6 Com a mídia A Cetip possui uma série de princípios, normas e recomendações que norteiam a atuação diária junto à imprensa. Estas informações constam na Política de Comunicação da companhia, que deve ser integralmente respeitada Com a Sociedade e o Meio Ambiente A Cetip tem plena consciência de sua responsabilidade social e com o meio ambiente; seus Colaboradores representam a Companhia perante a sociedade de acordo com os princípios explicitados neste Código, agindo como forma de garantir a sustentabilidade ambiental Com os Concorrentes A gestão ética dos negócios da Cetip é a base do tratamento digno e respeitoso que damos aos nossos Concorrentes, não sendo admitido qualquer ação considerada contrária ao desenvolvimento do mercado de capitais ou às boas práticas de mercado Conflito de Interesses É vedada qualquer situação que caracterize, ou possa vir a acarretar, Conflito de Interesses nas decisões, atuações, nos serviços ou nas assessorias realizadas em nome da Cetip, sob pena das sanções previstas no presente Código. São situações que caracterizam o Conflito de Interesses: Exercer outra atividade ou atuar como procurador, consultor, assessor ou intermediário de interesses privados que, em razão da sua natureza, seja incompatível com as atribuições de suas funções. Divulgar ou fazer uso de informação obtida em razão de suas funções, que não seja de domínio público, visando à obtenção de benefício próprio ou de terceiros. Participar de procedimento administrativo interno que apure infração em que é parte cônjuge ou parente, consanguíneo ou afim, em linha reta ou em linha colateral até o terceiro grau, ou amigo íntimo. Qualquer atividade em paralelo às suas atribuições deve ser comunicada ao gestor para conhecimento e avaliação de eventual conflito, ou interferência no desempenho da função. Ao estabelecer relações comerciais com empresas em que tenha participação direta ou indireta, ou de pessoas de seu relacionamento íntimo, é necessário pedir autorização ao gestor para evitar suspeitas de favoritismo que gere Conflito de Interesses. É necessário dar transparência no caso de indicação de familiar para prestação de serviços ou contratação. A alçada de aprovação nesse caso é do Diretor-Presidente que evitará o conflito de interesse ou a prática de favoritismo Vedação a Utilização de Informações Privilegiadas É vedado, na forma da lei, divulgar ou utilizar informações privilegiadas da própria Cetip ou obtidas de Participantes no desempenho de suas atividades, para a realização de compra, venda, recomendação ou qualquer outro tipo de negociação ou transferência antecipada de ativos, em benefício próprio ou de terceiro, devendo ser garantido o sigilo de qualquer informação referente à emissão de valores mobiliários à qual tenham acesso e que ainda não tenha sido divulgada ao público investidor. Informação de uso interno da Cetip S.A. Página 6

7 Fica ressalvada a revelação de informação privilegiada quando necessária à condução dos negócios da Companhia e, ainda, somente caso não haja motivos ou indícios para presumir que o receptor da informação a utilizará erroneamente. A divulgação ou utilização indevida para uso próprio ou repasse para benefício de terceiros de informação privilegiada sujeitará o infrator às penalidades previstas na Norma de Medidas Disciplinares e na lei Sigilo das Informações A confidencialidade é um dever inerente às atividades desenvolvidas pela Cetip, extensível a todos os Colaboradores, aplicável, principalmente, às informações não públicas. As informações sobre a Cetip, seus Participantes e Acionistas e as operações cursadas nos mercados por ela administrados somente devem ser transmitidas ou divulgadas quando previamente autorizadas pelos mesmos, e se relacionadas a um fim legítimo específico. A utilização de , fax, telefone ou qualquer outra modalidade de comunicação no âmbito da Cetip deve restringir-se apenas a negócios, operações ou outra atividade relacionada ao escopo da Companhia, com a ressalva expressa de que são informações confidenciais e devem ser utilizadas exclusivamente para o objetivo restrito para o qual foram recebidas ou concedidas. A manipulação de informações confidenciais através de documentos impressos, s, relatórios ou correspondências deve ser conduzida com cuidado e sigilo, inclusive quando da destruição. Ressalvadas as hipóteses previstas na legislação específica, as informações confidenciais somente podem ser prestadas mediante determinação judicial expressa. Qualquer violação ao sigilo das informações por parte de qualquer Colaborador sujeitará o infrator as penalidade previstas na Norma de Medidas Disciplinares e na lei Segurança da Informação A senha de acesso ao Sistema da Cetip será pessoal e intransferível, sendo de responsabilidade do seu detentor a obrigação de zelar pela guarda e pelo uso correto da mesma. Qualquer violação às regras de segurança da informação por parte de qualquer Colaborador sujeitará o infrator as penalidade previstas no presente Código Prevenção e Combate as Práticas de Corrupção e Lavagem De Dinheiro A Cetip coopera plenamente, de acordo com as leis aplicáveis, com os esforços dos órgãos governamentais competentes para detectar, prevenir e combater os crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Não poderão ser conduzidas transações comerciais com Participantes que deixarem de fornecer comprovações adequadas das respectivas identidades ou que tentarem enganar os órgãos regulamentares com o fornecimento de informações incompletas, adulteradas ou enganosas. Informação de uso interno da Cetip S.A. Página 7

8 É de vital importância que todos os Colaboradores compreendam plenamente essas ações, que podem constituir infração às leis aplicáveis contra lavagem de dinheiro, e relatem qualquer irregularidade potencial à Gerência de Compliance Vedação do Recebimento de Valores, Gratificações e Favores É vedado aos Colaboradores solicitar, ou receber, para si ou para outrem, qualquer item de valor, ou beneficiar-se de favores, em troca de negócios com a Cetip, favorecimento pessoal ou fornecimento de informações confidenciais. Os Colaboradores devem evitar qualquer situação de desconforto que caracterize conflito de interesses quanto ao recebimento de brindes ou presentes, sendo permitido receber, única e exclusivamente, brindes promocionais sem valor comercial, tais como: material de escritório em geral, camisetas, entre outros similares. Presentes ou brindes recebidos no valor acima de R$200,00 (duzentos reais) devem ser doados às entidades credenciadas pela Companhia, mediante comprovação formal, ou encaminhados à Gerência de Compliance, para que faça a doação nos mesmos termos. Também está vedado aos Colaboradores dar, receber ou prometer presentes, brindes ou qualquer outro favorem nome da Cetip com a intenção de obter benefício pessoal, ou em desacordo com as normas deste Código e da legislação vigente. Aqueles que receberem valores, e se beneficiarem destes, estarão sujeitos as penalidades previstas na Norma de Medidas Disciplinares Negociação de Valores Mobiliários Emitidos pela Cetip É vedada a negociação de Valores Mobiliários de emissão da Companhia pelos Colaboradores durante o período que se inicia no momento da ciência de uma dada informação privilegiada ou informação relevante sobre a Companhia e que se encerra quando aquela informação privilegiada ou informação relevante é divulgada ao mercado, nos moldes da Instrução CVM nº 358/ Comitê de Ética da CETIP Compete ao Comitê de Ética da Cetip, no exercício de suas atribuições, receber, avaliar e analisar todas as denúncias de infrações às regras estabelecidas no presente Código. 5. Dever de Comunicação de Ato Infracional O Colaborador que tomar conhecimento de qualquer ato infracional ao presente Código, Estatuto Social, Regulamento, ou outra Norma da Cetip, deverá comunicar tal fato, imediatamente, ao Comitê de Ética da Cetip, através do e da caixa de coleta, para que sejam adotadas as providências necessárias à apuração da ocorrência. A denúncia pode ser efetuada por externo sem identificação do colaborador, mas com detalhes que permitam a investigação. As pessoas encarregadas do recebimento de eventuais comunicações de atos infracionais manterão sob total sigilo a identidade daqueles que efetuarem as referidas comunicações, salvo quando solicitado por ordem judicial. Informação de uso interno da Cetip S.A. Página 8

9 A comunicação intencionalmente inverídica será considerada infração às disposições deste Código, sujeitando os infratores as penalidades previstas na Norma de Medidas Disciplinares. 5.1 Tempestividade da Comunicação Administradores e colaboradores devem comunicar de imediato as suspeitas de violação ao e à Política de Ética e Combate à Corrupção e à Propina ao Comitê de Ética. A comunicação de suspeitas deve vir acompanhada do maior número de informações possível. Entre elas destacam-se: o Descrição objetiva e imparcial do fato; o Onde e quando a violação aconteceu ou está acontecendo; o Quem são as pessoas e organizações envolvidas; o Documentação que auxilie na avaliação do caso e encaminhamento de ações. 5.2 Proteção a Denunciantes Os manifestantes serão protegidos contra represálias. O sigilo e a confidencialidade das informações devem ser mantidos. O anonimato é assegurado a quem o desejar. Será aplicada medida disciplinar contra qualquer administrador ou colaborador que tentar ou praticar retaliação contra quem comunicar suspeitas de violações ao e à Política de Ética e Combate à Corrupção e à Propina. Ressaltamos, que o denunciante de violação falsa, que não ocorreu, ou de calúnia infundada, receberá a mesma medida disciplinar, que seria aplicada a quem tivesse praticado de fato. 6. Disposições Gerais Compete ao Comitê de Ética aprovar e proceder as alterações e atualizações julgadas necessárias ao presente Código, expedindo normas auxiliares ou complementares, bem como sanar eventuais dúvidas oriundas da interpretação 7. Glossário Administrador: Cada um dos membros do Conselho de Administração e da Diretoria da Cetip. Ativos: Valores mobiliários, títulos, derivativos de balcão e outros instrumentos financeiros, admitidos a negociação e/ou a registro de negociação previamente realizada. Conflito de Interesse: Qualquer relacionamento ou situação que não seja de fato, ou pareça não ser, para os melhores interesses da empresa. O conflito de interesse pode prejudicar a habilidade individual de executar suas funções e responsabilidades com objetividade e imparcialidade. Colaborador: Cada um dos empregados da Cetip. Companhia : A Cetip S.A. Balcão Organizado de Ativos e Derivativos. Conselho de Administração: Conselho de Administração da Cetip, definido no Capítulo IV, Seção II, do Estatuto Social. Informação de uso interno da Cetip S.A. Página 9

10 Diretoria: Diretoria da Cetip, definido no Capítulo IV, Seção III, do Estatuto Social. Estatuto Social: Estatuto Social da Cetip. Instrução CVM nº 358/2002: A Instrução CVM nº 358, de 3 de janeiro de 2002, que dispõe sobre a divulgação e uso de informações sobre Ato ou Fato Relevante relativo às companhias abertas, bem como sobre a negociação de valores mobiliários de emissão da companhia aberta na pendência de fato relevante não divulgado ao mercado, dentre outras matérias. Participantes: Associados e pessoas naturais e jurídicas que atendam aos requisitos legais e regulamentares vigentes, bem como aqueles estabelecidos no Estatuto e no Regulamento de Acesso de Participantes, Registro de Operações, Negociação e Liquidação da Cetip. Na unidade de negócios GRV são designados simplesmente por clientes. Sociedades Coligadas: As sociedades em que a Companhia participe, com 10% (dez por cento) ou mais, sem controlá-las. Sociedades Controladas: As sociedades nas quais a Companhia, diretamente ou através de outras controladas, é titular de direitos de sócia ou acionista que lhe assegurem, de modo permanente, preponderância nas deliberações sociais e o poder de eleger a maioria dos administradores. Valores Mobiliários: Abrangem quaisquer ações, debêntures, bônus de subscrição, recibos e direitos de subscrição, notas promissórias, opções de compra ou de venda, índices e derivativos de qualquer espécie ou, ainda, quaisquer outros títulos ou contratos de investimento coletivo de emissão da Companhia, ou a eles referenciados que, por determinação legal, sejam considerados valores mobiliários. Gerência Jurídica Informação de uso interno da Cetip S.A. Página 10

11 CÓDIGO DE CONDUTA DO PARTICIPANTE CETIP S.A. BALCÃO ORGANIZADO DE ATIVOS E DERIVATIVOS CNPJ Nº / NIRE Código de Conduta PRINCÍPIOS GERAIS O Conselho de Administração da CETIP S.A. Balcão Organizado de Ativos e Derivativos ( CETIP ) tem a convicção de que os seus objetivos empresariais devem estar fundamentados em princípios éticos precisos e em estrito respeito à legalidade. Dessa forma, todas as ações da CETIP devem ser pautadas na integridade, confiança e lealdade. A CETIP atua no mercado financeiro visando o desenvolvimento contínuo de seus serviços e atividades, a liderança de performance e a satisfação dos Participantes, preservando elevados padrões éticos na prestação de seus serviços, com o intuito de ser reconhecida como uma empresa sólida e confiável, consciente de sua responsabilidade social, e que obtém seus resultados de forma íntegra, justa, legal e transparente. A CETIP compromete-se a observar sempre as normas que regem o sigilo bancário, os princípios da economia de mercado, livre concorrência e livre empresa, além das disposições legais e regulamentares aplicáveis, em especial as oriundas da CVM Comissão de Valores Mobiliários e do Banco Central do Brasil. São os princípios acima mencionados que norteiam as disposições do presente Código de Conduta Aplicável aos Participantes e aos seus Representantes com Acesso aos Mercados Organizados, Sistemas e Serviços e que deverão ser levados em consideração em sua interpretação e aplicação. CAPÍTULO I DO OBJETIVO Artigo 1º Fica instituído o presente Código de Conduta aplicável aos Participantes e aos seus representantes com acesso aos Mercados Organizados, Sistemas e Serviços, doravante também denominado Código de Conduta de Participante, ou simplesmente Código de Conduta, com a finalidade de estabelecer regras e procedimentos destinados à manutenção de elevados padrões éticos: I - nas operações cursadas em Mercado Organizado e Sistemas administrados pela CETIP; II - na utilização dos Serviços prestados ou disponibilizados pela CETIP; e III - no relacionamento entre Participantes e, quando este for titular de Conta de Cliente, entre o Participante e seus Clientes. CAPÍTULO II DAS DEFINIÇÕES Artigo 2º Para os efeitos do presente Código de Conduta entende-se por: I - Ativo título, valor mobiliário, derivativo de balcão, direito creditório ou outro instrumento financeiro. II - Cliente o Cliente 1 (um) ou o Cliente 2 (dois), ou seja, a pessoa natural ou jurídica, residente ou nãoresidente no País, não obrigada por norma específica a registrar os Ativos de sua propriedade em Conta individualizada na CETIP. III - Código de Conduta do Participante ( Código de Conduta ) o conjunto de valores e procedimentos que norteiam o comportamento do Participante na sua atuação em Mercado Organizado, Sistema e/ou Serviço. IV - Conta de Cliente a Conta de Cliente 1 (um) ou a Conta de Cliente 2 (dois). V - Custódia Eletrônica o registro eletrônico de Ativo no Sistema de Custódia Eletrônica.

12 VI - Estatuto Social o Estatuto Social da CETIP. VII - Lançamento o registro efetuado por Participante em um Sistema, para efeito de inclusão de dados, oferta, cotação, apuração de oferta, confirmação ou rejeição de liquidação financeira, entre outros. VIII - Mercado Organizado o mercado de balcão organizado de valor mobiliário, ou o mercado de balcão organizado de título, direito creditório ou outro instrumento financeiro, administrado pela CETIP. IX - Módulo cada uma das subdivisões dos Sistemas. X - Normas da CETIP Manual, Código de Conduta, Comunicado e Carta-Circular. XI - Participante a pessoa jurídica, ou fundo, autorizado a operar em mercado organizado e/ou a utilizar os sistemas e serviços disponibilizados pela CETIP, independentemente de serem acionistas da CETIP. XII - Procedimento Administrativo o conjunto de atos através do qual o Diretor de Auto-Regulação e o Conselho de Auto-Regulação averiguam, apuram e punem condutas das pessoas submetidas às regras do Manual de Instauração e Tramitação de Procedimentos Administrativos que contrariem as normas estabelecidas pelo Estatuto Social, pelo Regulamento, pelas Normas da CETIP, pelas leis e normas regulamentares editadas pelos órgãos reguladores, observadas as regras do sigilo bancário. XIII - Processo Administrativo o conjunto de atos através do qual o Diretor de Auto-Regulação e o Conselho de Auto-Regulação analisam, averiguam e punem as infrações ao Estatuto Social, ao Regulamento, às Normas da CETIP, às Leis e às Normas Regulamentares editadas pelos Órgãos Reguladores praticadas pelas pessoas submetidas às regras do Manual de Instauração e Tramitação de Procedimentos Administrativos. XIV - Regulamento o Regulamento da CETIP. XV - Serviço o serviço prestado pela CETIP. XVI - Sistema o Sistema de Negociação Eletrônica, ou o Sistema de Registro, ou o Sistema de Compensação e Liquidação, ou o Sistema de Custódia Eletrônica. XVII - Sistemas o Sistema de Negociação Eletrônica, o Sistema de Registro, o Sistema de Compensação e Liquidação e o Sistema de Custódia Eletrônica. XVIII - Sistema de Compensação e Liquidação o conjunto de Módulos, integrantes de sistema administrado e operacionalizado pela CETIP, destinados à prestação dos serviços de compensação e de liquidação. XIX - Sistema de Custódia Eletrônica o conjunto de Módulos, integrantes de sistema administrado e operacionalizado pela CETIP, destinados à Custódia Eletrônica de Ativos e, quando for o caso, ao cálculo e processamento dos Eventos e das demais obrigações pecuniárias relativos aos Ativos em Custódia Eletrônica. XX - Sistema de Negociação Eletrônica o conjunto de Módulos, integrantes de sistema administrado e operacionalizado pela CETIP, destinados à negociação, por meio de ofertas ou leilão. XXI - Sistema de Registro o conjunto de Módulos, integrantes de sistema administrado e operacionalizado pela CETIP, destinados ao registro de operações realizadas previamente. CAPÍTULO III DA ADESÃO DO PARTICIPANTE AO CÓDIGO DE CONDUTA Artigo 3º A adesão do Participante a este Código de Conduta, assim como às regras estabelecidas no Regulamento e nas Normas da CETIP, é expressa e formalmente efetuada por ocasião de seu credenciamento em Mercado Organizado, Sistema e/ou Serviço. Parágrafo único - As disposições deste Código de Conduta são igualmente aplicáveis, no que couberem, aos administradores, empregados e prepostos do Participante. Artigo 4º Todas as atualizações julgadas necessárias pelo Conselho de Auto-Regulação serão automaticamente incorporadas ao presente Código de Conduta. Parágrafo único O Participante que não concordar com qualquer modificação realizada neste Código de Conduta terá o prazo de 5 (cinco) dias úteis, a partir da sua divulgação, para protocolar na CETIP sua

13 manifestação, endereçada ao Diretor de Auto-Regulação, sendo que, decorrido esse prazo, presume-se sua integral, irrevogável e irretratável concordância com a alteração efetuada. Artigo 5º É responsabilidade do Participante titular de Conta de Cliente informar e esclarecer os seus Clientes sobre as disposições deste Código de Conduta, assim como obter a sua expressa e formal adesão ao mesmo. CAPÍTULO IV DAS REGRAS E PRINCÍPIOS APLICÁVEIS AO PARTICIPANTE Artigo 6º Cumpre ao Participante credenciado em Mercado Organizado, Sistema ou Serviço, nas operações que realize em seu nome e, se titular de Conta de Cliente, de seus Clientes, observar: I - as disposições contidas na legislação e na regulamentação em vigor; II - as regras e os procedimentos estabelecidos no Regulamento e nas Normas da CETIP; III - os pronunciamentos sobre os investimentos entregues a outra instituição, seja ou não ela um Participante, a menos que obrigada por razões de ordem técnica ou ética; IV - os procedimentos cabíveis para evitar ou coibir modalidades de fraude ou de manipulação destinadas a criar condições artificiais de demanda, de preços, assim como a realização de operações fraudulentas e o uso de prática não-eqüitativa nas operações cursadas nos Mercados Organizados; e V - os princípios de integridade e de transparência. Artigo 7º Cabe, também, ao Participante: I - empenhar-se pelo aperfeiçoamento pessoal e profissional de seus administradores, empregados e prepostos; II - manter seus administradores, empregados e prepostos atualizados sobre as normas legais e a regulamentação aplicáveis: a) aos Mercados Organizados, Sistemas e Serviços; b) aos Ativos em Custódia Eletrônica seus e, se titular de Conta de Cliente, dos seus Clientes; c) às operações previamente realizadas e registradas no Sistema de Registro e aos negócios realizados no Sistema de Negociação Eletrônica seus e, quando for o caso, dos seus Clientes; III - manter seus administradores, empregados e prepostos atualizados sobre as regras e procedimentos estabelecidos no Regulamento e nas Normas da CETIP aplicáveis aos Mercados Organizados, Sistemas, Serviços, Ativos, operações e negócios referidos no inciso II, deste Artigo; IV - comunicar ao Diretor de Auto-Regulação qualquer descumprimento, de que tenha conhecimento, das regras referidas neste Código de Conduta; V - zelar pelos interesses de seus clientes e pela preservação de bens e valores que lhes sejam por estes confiados; VI - prestar as informações solicitadas pelo Conselho de Auto-Regulação, observando o prazo por este determinado. Artigo 8º Cumpre ao Participante titular de Conta de Cliente: I - tomar as providências necessárias à preservação do sigilo das operações realizadas por seus Clientes e das posições por eles mantidas em Custódia Eletrônica, na forma da legislação e da regulamentação em vigor; II - atuar exclusivamente mediante a devida autorização do Cliente; III - fornecer informações a seus Clientes sobre os Mercados Organizados, os Ativos e as operações passíveis de serem neles registradas ou realizadas, alertando-os sobre os riscos envolvidos; IV - adotar as melhores práticas administrativas e negociais, nas operações que realize para seus Clientes;

14 V - negar-se a registrar ou a realizar operações de seus Clientes que considere irregular; VI - a prevenção e o combate às práticas associadas à lavagem de dinheiro ; e VII - dar ciência expressa aos seus clientes das regras aplicáveis à atuação nos ambientes da CETIP, bem como de suas posteriores alterações. CAPÍTULO V DOS PROCEDIMENTOS VEDADOS AO PARTICIPANTE Artigo 9º Os seguintes procedimentos são vedados ao Participante: I - criar, direta ou indiretamente, condições artificiais de demanda, de oferta ou de preços nos Mercados Organizados administrados pela CETIP; II - investir ou operar com Ativos de seus clientes, sem a devida autorização; III - deixar de proteger ou deixar de aproveitar oportunidade de negócio de interesse legítimo de seus clientes, visando à obtenção de vantagens indevidas para si ou para outrem; IV - deixar de honrar as operações contratadas; V - ter seu nome ligado a empreendimento de exeqüibilidade duvidosa; VI - utilizar-se de qualquer modalidade de propaganda falsa ou ilusória; VII - incorrer em práticas não eqüitativas nas operações que registre no Sistema de Registro ou que realize no Sistema de Negociação Eletrônica para si e, quando for o caso, para seus Clientes; e VIII - praticar qualquer tipo de operação ou ato que esteja em desacordo com quaisquer disposições legais e regulamentares, assim como em desacordo com o Regulamento e as Normas da CETIP. CAPÍTULO VI DAS OPERAÇÕES REALIZADAS EM MERCADO ORGANIZADO POR ADMINISTRADOR, EMPREGADO E PREPOSTO DE PARTICIPANTE Artigo 10 O Participante deve estabelecer regras e procedimentos específicos para efeito de regular, controlar e identificar as operações efetuadas por seus administradores, empregados e prepostos nos Mercados Organizados, visando: I - impedir a utilização de informação privilegiada, obtida no âmbito de seu serviço, em benefício próprio ou de terceiros; e II - evitar conflitos de interesses. CAPÍTULO VII DAS PENALIDADES Artigo 11 O descumprimento das disposições deste Código de Conduta sujeita o Participante infrator aos procedimentos previstos no Manual para Instauração e Tramitação de Procedimentos Administrativos e às penalidades mencionadas na subseção I, do capítulo V do Estatuto Social. CAPÍTULO VIII DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 12 Este Código de Conduta entra em vigor na data de 01 de julho de 2008, sendo seu teor disponibilizado na página da CETIP na rede mundial de computadores, no endereço

Código de Ética. 31 de março

Código de Ética. 31 de março Código de Ética 31 de março 2015 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 4 2. MISSÃO, VISÃO E VALORES DA CETIP... 4 3. PÚBLICO-ALVO... 4 4. REGRAS E PRINCÍPIOS NORTEADORES DAS ATIVIDADES... 4 4.1. RELACIONAMENTO INTERNO...

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING O Código de Conduta Ética é um instrumento destinado a aperfeiçoar os relacionamentos da organização e elevar o clima de confiança nela existente. Este Código tem

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A. CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A. Versão: Maio 2013 Página 1 Introdução Alinhado com o disposto na Instrução CVM nº 497/11 ( ICVM 497/11 ), o Banco

Leia mais

MANUAL DE NORMAS FORMADOR DE MERCADO

MANUAL DE NORMAS FORMADOR DE MERCADO MANUAL DE NORMAS FORMADOR DE MERCADO VERSÃO: 01/7/2008 2/10 MANUAL DE NORMAS FORMADOR DE MERCADO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DO CREDENCIAMENTO

Leia mais

JHSF PARTICIPAÇÕES S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº. 08.294.224/0001-65 - NIRE Nº. 35.300.333.578

JHSF PARTICIPAÇÕES S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº. 08.294.224/0001-65 - NIRE Nº. 35.300.333.578 JHSF PARTICIPAÇÕES S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº. 08.294.224/0001-65 - NIRE Nº. 35.300.333.578 CÓDIGO DE ÉTICA Escopo Este Código de Ética ( Código ) reúne as principais normas de conduta que devem

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DIREITO DE ACESSO

MANUAL DE NORMAS DIREITO DE ACESSO MANUAL DE NORMAS DIREITO DE ACESSO VERSÃO: 13/12/2011 2 / 34 MANUAL DE NORMAS DE DIREITO DE ACESSO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 4 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 4 CAPÍTULO TERCEIRO DOS TIPOS DE

Leia mais

Código de Ética ENGENHARIA AMBIENTAL

Código de Ética ENGENHARIA AMBIENTAL Código de Ética Índice Mensagem do Conselho de Administração... 3 Valores e Crenças... 5 Abrangência e Escopo... 7 Compromissos de conduta... 9 Ambiente de trabalho... 9 Bens da VITAL Utilização e Preservação...

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento SUMÁRIO 1. Conceito 2. Objetivo 3. Abrangência 4. Regras e Normas 4.1 Conceito de Ética. Ponto de vista empresarial 4.2 Princípios

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética SUMÁRIO 1 Objetivo... 03 2 Abrangência... 03 3 Valores... 03 4 - Conduta ética da PPL com os diversos públicos 4.1 - Cliente: Foco de nossa atuação... 03 4.2 - Relação e interação com fornecedores e parceiros...

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta 2015 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ALIANSCE I. Abrangência A Aliansce, todas as sociedades, direta ou indiretamente por ela controladas ou sob mesmo controle, e os Shopping Centers

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA SUMÁRIO 1 ÉTICA...03 2 APRESENTAÇÃO...04 3 APLICAÇÃO...05 4 FINALIDADES...06 5 DEFINIÇÕES...07 6 CULTURA ORGANIZACIONAL...08 6.1 MISSÃO...08 6.2 VISÃO...08 6.3 VALORES...08 6.4

Leia mais

Valorizamos as relações respeitosas, responsáveis e confiáveis com os diferentes públicos, interno e externo, em que não há espaço para:

Valorizamos as relações respeitosas, responsáveis e confiáveis com os diferentes públicos, interno e externo, em que não há espaço para: Introdução A BRMALLS é uma empresa que atua em diversos estados e para manter unida nossa companhia, nossos funcionários devem agir com base em valores e objetivos comuns. Isso se reflete nas atitudes

Leia mais

Código de Ética Nas Relações com as Partes Interessadas Com os Clientes e a Concorrência

Código de Ética Nas Relações com as Partes Interessadas Com os Clientes e a Concorrência Código de Ética Conduzimos nossos negócios dentro de uma estrutura de padrões profissionais, legislações, regulamentações e políticas internas. Entretanto, temos consciência que essas normas não necessariamente

Leia mais

Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação )

Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação ) Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação ) Versão: 1.0, 08/03/2013 Fatos Relevantes v 1.docx 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2. PESSOAS SUJEITAS

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A. CESUP Licitações (SP) CREDENCIAMENTO 2011/0262 (7421) SL CREDENCIAMENTO Nº 2011/0262 (7421) SL

BANCO DO BRASIL S.A. CESUP Licitações (SP) CREDENCIAMENTO 2011/0262 (7421) SL CREDENCIAMENTO Nº 2011/0262 (7421) SL CREDENCIAMENTO Nº 2011/0262 (7421) SL OBJETO: Credenciamento de pessoa jurídica, inclusive empresa individual devidamente registrada no CREA ou CAU, cujo objeto social contemple atividades técnicas de

Leia mais

Código de Ética LLTECH

Código de Ética LLTECH Código de Ética LLTECH Quem somos A LLTECH é uma empresa que oferece soluções inovadoras para automação e otimização de processos industriais, fornecendo toda a parte de serviços e produtos para automação

Leia mais

Código de Ética e de Conduta Empresarial

Código de Ética e de Conduta Empresarial O da Irmãos Parasmo S/A leva em consideração os elementos essenciais existentes nas suas relações com os seus diferentes públicos acionistas, clientes, colaboradores, fornecedores, prestadores de serviços,

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 29 de agosto

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA OUTUBRO/2007

CÓDIGO DE ÉTICA OUTUBRO/2007 OUTUBRO/2007 ÍNDICE Página 1. APRESENTAÇÃO 1 2. OBJETIVOS 1 3. NORMAS, PRINCÍPIOS E VALORES ÉTICOS 2 4. CONFLITOS DE INTERESSES 5 5. CONFIDENCIALIDADE 6 6. DÚVIDAS COM A APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE ÉTICA 6

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGRAS PARA AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGRAS PARA AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS 1. INTRODUÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGRAS PARA AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS Em atendimento à Instrução CVM nº 497, de 03 de junho de 2011], o presente Manual dispõe sobre os procedimentos e regras

Leia mais

Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1

Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1 Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1 CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 2 Sumário 1. Introdução...3 2. Postura pessoal e profissional...4 3. Relacionamento com público interno...6 4. Relacionamento

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do. Grupo Energisa

Código de Ética e de Conduta do. Grupo Energisa Código de Ética e de Conduta do Grupo Energisa Caro colaborador, A prática do Código de Ética e de Conduta do Grupo Energisa é tão importante que fazemos questão que cada colaborador tenha seu próprio

Leia mais

PREÂMBULO TOV colaboradores, Compliance Outubro/2010

PREÂMBULO TOV colaboradores, Compliance Outubro/2010 PREÂMBULO A TOV, ciente da importância da ética nas relações profissionais nas comunidades onde atua e dos benefícios advindos do comprometimento e execução de diretrizes de conduta ética, divulga a todos

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE 2 / 14 MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DAS ATIVIDADES DISPONIBILIZADAS PELA CETIP _6 CAPÍTULO

Leia mais

Política de Relacionamento com Fornecedores

Política de Relacionamento com Fornecedores Política de Relacionamento com Fornecedores Publicado em: 25/06/2013 1. Conceito O Santander tem como compromisso promover a sustentabilidade, conduzindo seus negócios em plena conformidade com a legislação

Leia mais

GU-0017-15BF-Codigo-Etica2.indd 1

GU-0017-15BF-Codigo-Etica2.indd 1 GU-0017-15BF-Codigo-Etica2.indd 1 07/12/15 17:39 GU-0017-15BF-Codigo-Etica2.indd 2 07/12/15 17:39 APRESENTAÇÃO Carta do Presidente do Conselho de Administração Pessoas e equipes são valorizadas na Concessionária

Leia mais

Política de Negociação de Valores Mobiliários Política

Política de Negociação de Valores Mobiliários Política de Negociação de Valores Mobiliários de Negociação de Valores Mobiliários Versão 1.0 Data de criação 01/08/2012 Data de modificação Não Aplicável Tipo de documento Índice 1. PRINCÍPIOS GERAIS... 4 2. DEFINIÇÕES...

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GESTÃO DE GARANTIAS

MANUAL DE NORMAS GESTÃO DE GARANTIAS MANUAL DE NORMAS GESTÃO DE GARANTIAS VERSÃO: 18/07/2011 2 / 18 MANUAL DE NORMAS GESTÃO DE GARANTIAS ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 4 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 5 CAPÍTULO TERCEIRO DA UTILIZAÇÃO

Leia mais

CODIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CODIGO DE ÉTICA E CONDUTA CODIGO DE ÉTICA E CONDUTA Revisão 1 Em vigor a partir de 30/05/2016 (em consonância com a ICVM 558, de 26/03/2015). I Introdução O presente Código de Ética e Conduta tem como objetivo estabelecer as diretrizes

Leia mais

MT/002-14 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ARGUS 12/2014 - VINHEDO, SP

MT/002-14 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ARGUS 12/2014 - VINHEDO, SP MT/002-14 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ARGUS 12/2014 - VINHEDO, SP 1 Código de Ética e Conduta da Argus MENSAGEM DO PRESIDENTE Este Código de Ética e Conduta foi elaborado com a finalidade de explicitar

Leia mais

Manual de Conduta INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS

Manual de Conduta INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS VERSÃO 2012 ÍNDICE 1. Introdução 2. Das Obrigações dos Agentes Autônomos 3. Das Vedações 4. Do Termo de Recebimento, Ciência e Aceitação 1. Introdução

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES MANUAL DE GOVERNANÇA 2015 ABA MANUAL DE GOVERNANÇA I. INTRODUÇÃO É norma e política da Associação Brasileira de Anunciantes ("ABA"), o estrito cumprimento de todas

Leia mais

c. Promover o comportamento ético no ambiente em que atuamos.

c. Promover o comportamento ético no ambiente em que atuamos. Introdução O Código de Ética e Conduta foi aprovado em reunião do Conselho de Administração em 03/08/2015. É um documento que resume as principais políticas e diretrizes que definem as regras orientadoras

Leia mais

A Global e todos os seus Colaboradores comprometem-se a seguir os princípios abaixo como diretrizes de conduta em todas as suas relações:

A Global e todos os seus Colaboradores comprometem-se a seguir os princípios abaixo como diretrizes de conduta em todas as suas relações: POLÍTICAS CORPORATIVAS Assunto: Código de Ética e Conduta Objetivo O Código de Ética e Conduta objetiva estabelecer os princípios, conceitos e valores que orientam o padrão ético de todos os Colaboradores

Leia mais

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL Março de 2015 1ª edição MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta da RIP ( Código ) é a declaração formal das expectativas que servem

Leia mais

Manual de Diretrizes de Conduta Ética da BB Consórcios S.A

Manual de Diretrizes de Conduta Ética da BB Consórcios S.A Manual de Diretrizes de Conduta Ética da BB Consórcios S.A Versão Atualizada Outubro/2015 Introdução Este Manual define as diretrizes que obrigam e devem ser observadas por todos os colaboradores, em todos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA ISA CAPITAL DO BRASIL S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA ISA CAPITAL DO BRASIL S.A. CÓDIGO DE ÉTICA ISA CAPITAL DO BRASIL S.A. 1 INTRODUÇÃO O Grupo ISA e suas empresas avançam para metas a cada vez mais exigentes e ambiciosas, desenvolvendo suas práticas em contextos diversos e inovadores

Leia mais

A SINIGAGLIA, endossa e pratica de forma sistemática os princípios do Pacto Global 1 da ONU, integrando-os a seus processos:

A SINIGAGLIA, endossa e pratica de forma sistemática os princípios do Pacto Global 1 da ONU, integrando-os a seus processos: INTRODUÇÃO O regime da livre iniciativa impõe às organizações e seus integrantes a conduzirem-se dentro de um ambiente de respeito e entendimento, zelando para que toda e qualquer forma de relacionamento,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA - PORTAL

CÓDIGO DE ÉTICA - PORTAL 1. Disposições Preliminares Este Código de Ética tem como principal objetivo informar aos colaboradores, prestadores de serviço, clientes e fornecedores da Petronect quais são os princípios éticos que

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA BC CONSULT Página 1 de 9 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PRINCÍPIOS... 4 INTEGRIDADE... 4 DISCRIMINAÇÃO... 4 CONFLITO DE INTERESSE... 4 CONFIDENCIALIDADE DE INFORMAÇÕES... 5 PROTEÇÃO AO

Leia mais

Política de Divulgação de Informações Relevantes e Preservação de Sigilo

Política de Divulgação de Informações Relevantes e Preservação de Sigilo Índice 1. Definições... 2 2. Objetivos e Princípios... 3 3. Definição de Ato ou Fato Relevante... 4 4. Deveres e Responsabilidade... 5 5. Exceção à Imediata Divulgação... 7 6. Dever de Guardar Sigilo...

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES 1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: 1.1.

Leia mais

Bradespar S.A. Capítulo I Abrangência. Capítulo II Definições

Bradespar S.A. Capítulo I Abrangência. Capítulo II Definições Bradespar S.A. e de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da Bradespar S.A. Capítulo I Abrangência Art. 1 o ) As Políticas de Divulgação de Ato ou Fato Relevante e de Negociação de Valores Mobiliários

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Estrutura do Código de Ética e Conduta 1. Introdução pág. 03 2. Mensagem da Diretoria pág. 04 3. Relações no Ambiente de Trabalho pág. 05 4. Relacionamento Externo pág. 07 5.

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA RAÍZEN ENERGIA S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA RAÍZEN ENERGIA S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA RAÍZEN ENERGIA S.A. 1. OBJETIVO 1.1. O objetivo da presente Política de Divulgação é estabelecer as regras e procedimentos a serem adotados pela Raízen

Leia mais

CÓDIGO ÉTICA E CONDUTA FRANCO ADVOGADOS

CÓDIGO ÉTICA E CONDUTA FRANCO ADVOGADOS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DE FRANCO ADVOGADOS ÍNDICE CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES 1 CAPÍTULO II OBJETIVO 2 CAPÍTULO III AMBIENTE DE TRABALHO 2 CAPÍTULO IV - REGRAS E PROCEDIMENTOS 2 CAPÍTULO V - VANTAGEM INDEVIDA

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. 1 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. Este código de ética e conduta foi aprovado pelo Conselho de Administração da INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. ( Companhia

Leia mais

Capítulo I Princípios Gerais. Capítulo II Responsabilidade Institucional. Capítulo III Responsabilidade Social

Capítulo I Princípios Gerais. Capítulo II Responsabilidade Institucional. Capítulo III Responsabilidade Social 4 5 5 6 7 7 7 8 9 9 10 10 Apresentação Capítulo I Princípios Gerais Capítulo II Responsabilidade Institucional Capítulo III Responsabilidade Social Capítulo IV A Ética nas Relações Internas Capítulo V

Leia mais

MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS

MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS Este Manual dispõe sobre os procedimentos e regras a serem observados pelos Agentes Autônomos de Investimentos ( AAIs ) vinculados à ICAP do Brasil CTVM ( ICAP

Leia mais

Código de Ética - Ultra

Código de Ética - Ultra Código de Ética - Ultra Ética na gestão - Equidade, transparência e responsabilidade - Cumprimento das leis - Desenvolvimento sustentável Ética nos relacionamentos - Acionistas e investidores - Colaboradores

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE PADRÕES DE CONDUTA DOS SERVIDORES DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

CÓDIGO DE ÉTICA E DE PADRÕES DE CONDUTA DOS SERVIDORES DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL CÓDIGO DE ÉTICA E DE PADRÕES DE CONDUTA DOS SERVIDORES DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído o Código de Ética e de Padrões de Conduta Profissional

Leia mais

Código de Ética do Mercado de Seguros, Previdência Complementar, Saúde Suplementar e Capitalização

Código de Ética do Mercado de Seguros, Previdência Complementar, Saúde Suplementar e Capitalização Código de Ética do Mercado de Seguros, Previdência Complementar, Saúde Suplementar e Capitalização 1 ÍNDICE Apresentação Capítulo I Princípios Gerais Capítulo II Responsabilidade Institucional Capítulo

Leia mais

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 357, DE 18 DE JULHO DE 2014.

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 357, DE 18 DE JULHO DE 2014. RESOLUÇÃO CRCMG Nº 357, DE 18 DE JULHO DE 2014. Alterada pela Resolução CRCMG nº 363/2014. Altera o Regulamento Geral das Delegacias Seccionais do CRCMG. O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE MINAS GERAIS,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA Índice Nossos princípios diretivos 03 Proteção do patrimônio e uso dos ativos 04 Informação confidencial 05 Gestão e Tratamento dos Colaboradores 06 Conflitos de interesse 07

Leia mais

Mensagem da Diretoria

Mensagem da Diretoria 2007 A Mensagem da Diretoria história da Responsabilidade Social na Copacol está intrínseca desde que abriu as portas do cooperativismo no Oeste do Paraná, em 1963. Com a assinatura do Pacto Global, essa

Leia mais

Mensagem da Diretoria

Mensagem da Diretoria Código de Ética Índice Mensagem da Diretoria... 07 Princípios Cooperativistas... 09 Política da Qualidade... 11 Nosso Negócio, Missão, Visão... 12 Nossos Valores... 13 Nosso Relacionamento com: Associados...

Leia mais

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO (Aprovado na RCA de 14.06.2010 e alterado nas RCAs de 25.04.2012, 22.04.2013, 28.10.2013

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA. Capítulo I Das Regras Deontológicas

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA. Capítulo I Das Regras Deontológicas CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA Capítulo I Das Regras Deontológicas O Código de conduta e ética reflete o padrão ideal de comportamento e valores que devem nortear os membros da Fundação Technos de Previdência

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA LOGZ LOGÍSTICA BRASIL S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA LOGZ LOGÍSTICA BRASIL S.A. APRESENTAÇÃO A LOGZ Logística Brasil S.A. (a Companhia ou LOGZ ) é uma sociedade holding consolidadora de participações em ativos logísticos e tem como objetivo a expansão de suas atividades possibilitando

Leia mais

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos.

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. POLÍTICA DE COMPLIANCE INTRODUÇÃO O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. Visto isso, a REAG INVESTIMENTOS

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta Ética das Empresas Concremat contempla os princípios que devem estar presentes nas relações da empresa com seus colaboradores, clientes,

Leia mais

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest [CÓDIGO DE ÉTICA] Este documento determina as práticas, padrões éticos e regras a serem seguidos pelos colaboradores, fornecedores e a todos aqueles que, direta ou indiretamente, se relacionem com a Interinvest.

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento que disciplina a prestação de serviço de pagamento no âmbito dos arranjos de pagamentos integrantes do Sistema de Pagamentos Brasileiro

Leia mais

VIX LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 32.681.371/0001-72 NIRE: 32.300.029.612 (Companhia Aberta de Capital Autorizado)

VIX LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 32.681.371/0001-72 NIRE: 32.300.029.612 (Companhia Aberta de Capital Autorizado) POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA VIX LOGÍSTICA S.A. 1. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 1.1. O objetivo da presente Política de Negociação é esclarecer as regras que deverão ser observadas pelos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA 1 ÍNDICE CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Abrangência... 3 1.3 Vigência... 3 1.4 Princípios... 3 1.5 Comitê de Ética e Conduta... 4 1.6 Disponibilidade... 4

Leia mais

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A.

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. 1. Quem somos Biva Serviços Financeiros S.A. ( BIVA ) é uma plataforma online de prestação

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão 2015.2 Editada em julho de 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo da Política...3 2. Abrangência...3 3. Princípios...3 4. Das Diretrizes Estratégicas...4 5. Da Estrutura

Leia mais

POLITICA DE QUALIDADE

POLITICA DE QUALIDADE CÓDIGO ÉTICA ÍNDICE: PALAVRA DO DIRETOR POLITICA DE QUALIDADE MISSÃO VISÃO VALORES CONFIDENCIALIDADE DE INFORMAÇÃO CLIENTES FORNECEDORES ACIONISTAS COMUNIDADE RESPONSABILIDADE SOCIAL IMPRENSA ORGÃOS GOVERNAMENTAIS

Leia mais

Cliente Empreendedorismo Metodologia e Gestão Lucro Respeito Ética Responsabilidade com a Comunidade e Meio Ambiente

Cliente Empreendedorismo Metodologia e Gestão Lucro Respeito Ética Responsabilidade com a Comunidade e Meio Ambiente Código de Ética OBJETIVO Este código de ética serve de guia para atuação dos empregados e contratados da AQCES e explicita a postura que deve ser adotada por todos em relação aos diversos públicos com

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC

CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC De origem grega, o termo ethos significa costumes e deve ser entendido com um conjunto de princípios básicos que visam disciplinar e regular, a moral e a conduta das

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL A Política de Prevenção à Corrupção tem como objetivo dar visibilidade e registrar os princípios e valores éticos que devem nortear a atuação dos empregados,

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO 1. OBJETIVO A Política Corporativa de Prevenção à Corrupção ( Política ) tem o objetivo de reforçar o compromisso da empresa Via Boleto de cooperar

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. BADESUL Desenvolvimento S.A- Agência de Fomento 0800 642 6800 - Rua Gen. Andrade Neves, 175 - Porto Alegre - RS - CEP: 90010-210

CÓDIGO DE ÉTICA. BADESUL Desenvolvimento S.A- Agência de Fomento 0800 642 6800 - Rua Gen. Andrade Neves, 175 - Porto Alegre - RS - CEP: 90010-210 CÓDIGO DE ÉTICA Introdução O Código de Ética do BADESUL explicita os valores éticos que regem o desempenho de sua missão: Contribuir para o desenvolvimento econômico e social do Rio Grande do Sul, através

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

COMPROMISSO HONESTIDADE PARCERIA TRANSPARÊNCIA CÓDIGO DE ÉTICA INTEGRIDADE VALORES RESPEITO SUCESSO. Versão 01-13

COMPROMISSO HONESTIDADE PARCERIA TRANSPARÊNCIA CÓDIGO DE ÉTICA INTEGRIDADE VALORES RESPEITO SUCESSO. Versão 01-13 COMPROMISSO HONESTIDADE PARCERIA TRANSPARÊNCIA CÓDIGO DE ÉTICA INTEGRIDADE VALORES RESPEITO SUCESSO Versão 01-13 1 C Ó D I G O D E É T I C A Introdução A ÉTICA é o ideal de conduta humana, desenvolvido

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

2 CÓDIGO DE ÉTICA RUDLOFF

2 CÓDIGO DE ÉTICA RUDLOFF 2 CÓDIGO DE ÉTICA RUDLOFF ÍNDICE Sobre o Código de Ética... 05 Missão, Visão e Valores... 06 Colaboadores... 07 Legislação... 08 Conflito de Interesse... 09 Uso adequado dos Bens da Empresa... 10 Publicidade

Leia mais

Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados

Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO CORRETORA DE VALORES S.A. Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados Outubro de 2013 Regras

Leia mais

.1 Comportamentos esperados

.1 Comportamentos esperados Normas de Conduta Normas de Conduta Este documento contém normas de conduta que devem ser respeitadas pelos diretores, auditores, líderes e todos os empregados do Grupo Pirelli, e também por todos que

Leia mais

IINSTRUÇÃO DO SISTEMA. Código de conduta

IINSTRUÇÃO DO SISTEMA. Código de conduta 1 de 7 Revisão Data Assunto / revisão / modificação 00 16/04/15 Emissão Inicial. Nome Cargo Data Assinatura Consultor / Gerente EMITENTE Maciel Amaro Técnico / RD Valéria Ap. R. Amaro Diretora administrativa

Leia mais

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 Sumário 1 Introdução... 2 1.1 Finalidade do documento... 2 1.2 Abrangência... 2 2 Objetivos do código de conduta... 2 3 Princípios éticos... 3 4 Relações entre os Profissionais... 4 4.1 Oportunidade no

Leia mais

ALUPAR INVESTIMENTO S.A. CNPJ/MF nº 08.364.948/0001-38 NIRE 35.300.335.325 CÓDIGO DE ÉTICA, CONDUTA & COMPLIANCE. 19 de janeiro de 2015

ALUPAR INVESTIMENTO S.A. CNPJ/MF nº 08.364.948/0001-38 NIRE 35.300.335.325 CÓDIGO DE ÉTICA, CONDUTA & COMPLIANCE. 19 de janeiro de 2015 ALUPAR INVESTIMENTO S.A. CNPJ/MF nº 08.364.948/0001-38 NIRE 35.300.335.325 CÓDIGO DE ÉTICA, CONDUTA & COMPLIANCE 19 de janeiro de 2015 I. INTRODUÇÃO O presente Código de Ética, Conduta & Compliance ( Código

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

Código de Ética. Responsabilidades: Lideranças Colaboradores. Aplicação do Código de Ética

Código de Ética. Responsabilidades: Lideranças Colaboradores. Aplicação do Código de Ética Código de Ética Sobre nossos Relacionamentos: Relacionamento com Clientes Relacionamento com Acionistas Relacionamento com Colaboradores Relacionamento com Parceiros de Negócio e Fornecedores Relacionamento

Leia mais

DOS DADOS CADASTRAIS DOS CLIENTES

DOS DADOS CADASTRAIS DOS CLIENTES BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO 1 / 14 CAPÍTULO XXVI DOS DADOS CADASTRAIS DOS CLIENTES 26.1 DA FICHA CADASTRAL 26.1.1 As Sociedades Corretoras deverão manter cadastros atualizados de seus clientes, contendo,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP 2008-2 1 Apresentação A SABESP a partir da sua própria missão de prestar serviços de saneamento, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do meio ambiente constitui-se

Leia mais

Título I Das Disposições Gerais

Título I Das Disposições Gerais PORTARIA Nº 207 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre as Diretrizes Básicas de Segurança da Informação no âmbito da Fundação Cultural Palmares. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES, no uso de suas

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. de administração de carteiras de valores mobiliários

MERCADO DE CAPITAIS. de administração de carteiras de valores mobiliários MERCADO DE CAPITAIS 01/04/2015 CVM edita a Instrução nº 558/15, que regula a atividade de administração de carteiras de valores mobiliários A Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) divulgou, em 26 de

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS

CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS A quem se destina este Manual Este manual reúne o conjunto de normas e procedimentos a serem seguidos por TODOS aqueles que trabalham na S.C.C.V.M. S/A,

Leia mais

Código de Ética e Conduta Sabesp

Código de Ética e Conduta Sabesp Código de Ética e Conduta Sabesp 1 MENSAGEM DA ALTA ADMINISTRAÇÃO Aos Empregados, Gerentes, Clientes, Acionistas, Investidores, Fornecedores, Parceiros, Terceiros, Governo, Comunidade e toda sociedade,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO I - Aspectos Gerais... 2 II - Proteção da Informação... 2 III - Responsabilidades... 3 IV - Informações Confidenciais... 3 V - Informações Privilegiadas... 4

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PSIQUIATRIA. Código de Condutas Éticas

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PSIQUIATRIA. Código de Condutas Éticas 1 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PSIQUIATRIA Código de Condutas Éticas I - Mensagem do Presidente II Premissas III Condutas Éticas nas atividades da ABP 1. Cumprimento das leis 2. Relação com o Governo 3. Atividades

Leia mais

REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1

REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1 REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1 Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 497, de 03 de junho de 2011 e tem a finalidade de regular as atividades entre os agentes autônomos de investimentos e

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE QUEIROZ GALVÃO EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE QUEIROZ GALVÃO EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE QUEIROZ GALVÃO EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO S.A. I. PROPÓSITO, ABRAGÊNCIA E ESCOPO A presente Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante da QGEP tem como propósito

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009.

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe sobre as ofertas públicas de valores mobiliários distribuídas com esforços restritos e a negociação desses valores mobiliários nos mercados regulamentados.

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004.

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004 Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado, em reunião

Leia mais

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (aprovada na RCA de 12.08.2009 e alterada nas RCA s de 14.06.2010, 04.11.2011 e 22.04.2014)

Leia mais

Código de Ética Rastru

Código de Ética Rastru CÓDIGO DE ÉTICA RASTRU O objetivo desse Código de É tica é definir com clareza os princípios éticos que norteiam as ações e os compromissos da organização Rastru, tanto da parte institucional como da parte

Leia mais

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º Estágio Supervisionado em Administração (ESA), é a disciplina

Leia mais