Cena seguinte GUERRA DE TRÓIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cena seguinte GUERRA DE TRÓIA"

Transcrição

1 RAPTO DE HELENA Ulisses era o rei de uma Ilha muito bonita, uma ilha grega chamada Ítaca. Uma ilha muito amena, onde a vida era calma. Ele vivia com a sua família, com a mulher Penélope e o filho Telémaco. E adorava, além da sua pátria, adorava as aventuras no mar, adorava o mar. Quando estava no mar, tinha muitas saudades de casa, mas quando estava em casa só pensava em aventuras no mar. Ora de repente vai haver um acontecimento inesperado, totalmente inesperado: um príncipe chamado Páris, príncipe troiano, raptou por amor uma princesa grega, lindíssima, chamada Helena. Quando os gregos souberam que Helena tinha sido raptada e levada por Páris para Tróia, ficaram furiosos. - Temos de vingar a nossa honra, porque nos raptaram uma princesa que é nossa, uma princesa grega, a lindíssima Helena! Vamos para a guerra! Vamos libertar Helena! E pensaram imediatamente: "- Vamos todos e Ulisses também!" Ulisses era o rei de Ítaca, muito amado por todos. Não era um rei só de fachada, de manto e coroa, mas sim um rei amigo. E lá foram à procura dele, para ele ir também com eles. Ora, Ulisses detestava guerras, não havia coisa que ele mais detestasse na vida, e então resolveu fingir-se de doido, como manhoso que era! Pegou na charrua e foi lavrar os campos. Disseram os amigos: - Mas que é isto?! Ele terá endoidecido mesmo? Ulisses terá perdido o seu bom juízo? Já vamos ver! Pegaram no seu filho Telémaco, pequenino, e foram deitá-lo no caminho por onde ele tinha de passar, lavrando o campo. E depois esconderam-se. Ulisses pensou assim: "O que será isto? Há aqui mistério!" Mas como não os viu por ali, continuou a lavrar, a lavrar, até que, chegando ao sítio onde estava Telémaco, viu que se continuasse a lavrar, o matava, e então deu logo ali uma voltinha, e continuou. Saltam logo de trás das árvores os amigos: - Vêem?! Vêem como ele é manhoso?! Tens de vir connosco, Ulisses, escusas de te fingir doido, porque nós não acreditamos! Anda connosco para a guerra! Ulisses não queria nada ir, mas teve de ir, e lá foi. Pensavam eles que aquela guerra ia ser muito rápida, não ia custar nada, até ia ser uma guerra simplicíssima, a mais simples do mundo, e nem sonhavam que ela ia durar dez longos anos. Agora pergunto-vos eu: Ulisses teria realmente perdido o seu bom juízo, nem que fosse por uns breves momentos?! Teria mesmo ou não? 1

2 Cena seguinte GUERRA DE TRÓIA Resolvidos a ir para a guerra contra Tróia, para salvar Helena, princesa grega que tinha sido raptada por Páris, príncipe troiano, os gregos lá vão, lá vão aguerridos, cheios de valentia e dispostos a destruir num instantinho Tróia. Mas chegaram lá e viram umas grandes e altas muralhas e perceberam que aquela terra era realmente bastante difícil de vencer. E então começaram a travar pequenas escaramuças, perdendo assim o seu tempo. O que é certo é que passaram dez longos anos ali em frente das muralhas, e não havia maneira de conseguirem entrar lá para dentro daquela cidade. Foi então que Ulisses se sentou desanimado entre os seus companheiros e disse: - Isto não pode ser! Não podemos continuar assim! Tenho de ter uma ideia! Retirou-se e teve de repente uma ideia, uma ideia manhosa: mandou construir um grande, um enorme cavalo de pau, e nesse cavalo, muito grande para caber muita gente lá dentro dele, abriu assim uma portinha que só se abria por dentro, na pata traseira direita do cavalo! (Cá estou eu a acrescentar um ponto à história: sei lá se era na pata direita do cavalo, na pata traseira do cavalo...mas a mim convém-me que seja!) Bom, faz de conta que ele abriu uma portinha ali e então meteu-se lá dentro, ele e uma série de amigos, uma quantidade de amigos dos mais valentes em quem tinha mais confiança, e mandou que empurrassem o cavalo para a porta da muralha da cidade de Tróia. E aos outros gregos, durante a noite, (isto foi tudo durante a noite) mandou-os a todos retirarem-se com uma grande barulheira de armas, de cavalos verdadeiros, porque eram mesmo muitos os gregos que estavam ali à entrada das muralhas sem conseguirem entrar. E eles afastaram-se, afastaram-se para muito longe, com grande barulheira! É muito importante a barulheira aqui. Claro que os troianos que estavam de vigia, disseram assim: - O que é que estará a acontecer aos gregos, com tanto barulho, que será? De manhã, com grande espanto, quando começou a clarear viram que não havia grego nenhum ali. E começaram, muito contentes: - Ai, com certeza que eles desistiram, foram-se todos embora! Depois de dez anos aqui a tentarem vencer-nos, desistiram, foram-se todos embora! Mas, à cautela esperaram um dia... dois dias...e ao fim do segundo dia, como ninguém ouvia barulho nenhum, chegaram às muralhas, espreitaram e viram um grande cavalo de pau: - Mas o que é isto?! Eles foram-se embora! Desistiram! Foi uma grande festa, uma grande alegria. - Mas o cavalo?! Porque é que nos deixaram aqui um cavalo?! Uhmm, se isto vem dos gregos, traz manha! Queima-se! Queima-se já!!! - disse um troiano. E lá dentro do cavalo de pau, cheios de medo Ulisses e os companheiros, cheios de medo disseram: - Ai que vamos morrer assados!!! Mas disse logo outro troiano: - Destrói-se! Quebra-se! Parte-se com os machados! E lá dentro do cavalo de pau, Ulisses e os companheiros ficaram ainda mais aflitos: - Ai, como é que vamos acabar esta aventura, que nem sequer é no mar!? Até que houve uma voz mais calma, entre os troianos, que se fez ouvir: - Não. Se eles nos deixaram aqui este cavalo, é uma homenagem à nossa maior força, força maior do que a deles, que não conseguiram vencer-nos. Vamos mas é puxar o 2

3 cavalo para dentro das nossas muralhas e dar graças aos nossos deuses! (Eles eram politeístas, o que quer dizer que adoravam muitos deuses). E então puxaram o cavalo de pau para dentro das muralhas, puseram-no na praça principal da cidade de Tróia e começaram a beber, a cantar, a dançar com uma alegria louca. De vez em quando, ia um troiano espreitar para ver se vinham lá os gregos, mas como não vinham, continuavam com a festa. E, radiantes da vida, assim se passaram um...dois...três dias de grande festança. Como eles tinham muito vinho, muita comida, foram bebendo comendo, bebendo e dançando, bebendo e cantando, e, a certa altura ao fim dos três dias, já estavam cansados, bêbados, caídos pelos cantos...era uma desordem dentro da cidade, era uma alegria, mas uma alegria esfarrapada, uma alegria já assim em fim de festa. Nessa altura, de repente, tudo serenou. Era um sinal: os gregos que se tinham afastado para longe dali, só esperavam este sinal de súbito e grande silêncio, e voltaram todos devagarinho, e, em bicos de pés, puseram-se às portas da muralha. Lá dentro do cavalo de pau, nem Ulisses nem os seus companheiros ouviram nada, e por isso abriram com jeitinho a porta na tal pata traseira direita do cavalo de pau e deitaram uma escadinha até ao chão, pela qual desceram calmamente. Abriram as portas da muralha aos outros gregos e foi muito fácil conquistar Tróia. Foi tão fácil e tão violento, que Ulisses passou a ser conhecido como "o destruidor de Tróia". Terminada esta aventura e libertada Helena, os gregos pensaram: - "Vamos para a nossa terra! Vamos para a nossa pátria! Tantas saudades que nós temos da nossa gente!" E começaram a preparar-se para ir para as suas terras. Ulisses escolheu quarenta dos seus mais valentes marinheiros, meteu-se num barco com eles e lá foi pelo mar fora. E agora, antes de contar o que aconteceu a Ulisses e aos seus quarenta valentes marinheiros, pergunto-vos eu: E o que é que aconteceu ao cavalo de pau? Imaginem... 3

4 Cena seguinte ILHA DA CICLÓPIA E lá vão pelo mar fora, Ulisses e os seus quarenta marinheiros valentes. Muito contentes, começaram a tomar o rumo da pátria, de Ítaca. Só que de repente... - nestas aventuras de Ulisses, o "de repente" é muito fascinante! - sim, de repente, a corrente que os levava começou a alterar-se e embora eles quisessem tomar o rumo de Ítaca, a corrente marítima afastava-os, afastava-os cada vez mais da rota que eles tinham de tomar! De tal maneira que os marinheiros gritaram: - "Ulisses, se nós continuarmos assim a lutar contra a corrente, o barco pode virar-se!" Ulisses ordenou: - Vamos deixar-nos ir na corrente, para ver onde ela nos leva! E assim foi. Levados pela corrente, afastaram-se cada vez mais de Ítaca e em breve avistaram uma certa terra. Ulisses começou a ficar cheio de medo e todos notaram que ele tinha qualquer coisa para lhes comunicar. A certa altura, não conseguiu calar-se mais e disse: - Ai, meus amigos, onde nós viemos parar! - Onde é que viemos parar, Ulisses?! - perguntaram os marinheiros. - Viemos parar a umas ilhas horríveis, às ilhas da Ciclópia! Eu já aqui passei uma vez, ao largo, e sei o que a Ciclópia é! - Mas é assim tão má?! - Não. É péssima. É uma terra que tem tudo grande, tudo ciclópico: as pedras que noutro sítio são pequeninas, aqui são enormes; as árvores que noutros sítios são pequeninas, aqui são enormes; é tudo enorme nesta terra, mas o pior é que os seus habitantes são uns seres incríveis, horrorosos, muito altos, com um só olho no meio da testa, chamados Ciclopes! São muito maiores do que nós e...são devoradores de homens!!! 4 - Devoradores de homens?!!! - Os marinheiros aflitos, aflitíssimos, tentaram desviar o barco daquela terra, com toda a sua força, mas não conseguiam. A corrente cada vez os afastava mais do mar largo e os levava para a Ciclópia, para as ilhas da Ciclópia. De repente, Ulisses diz, ao ver o barco encalhado numa praia: - Meus amigos, estamos salvos! - Salvos?! Com devoradores de homens aqui nestas ilhas?! - Não, não é isso, porque eu sei, porque já passei por aqui e sei o que estou a dizer...

5 Esta é a única ilha da Ciclópia que não é habitada, portanto ainda estamos com sorte. Vamos sair muito devagarinho, para que das outras ilhas da Ciclópia não reparem em nós, não vejam que nós chegámos aqui, senão estamos perdidos! E muito devagarinho, já mais aliviados, todos desceram naquela terra, à procura de quê? Daquilo que os marinheiros nestes tempos mais procuravam, que era água fresca e frutas boas. Então prepararam-se para ir à procura de água fresca e saborosos frutos, antes de continuarem caminho para Ítaca. De repente, Ulisses disse: - Oh, já agora, vamos levar um barrilzinho de vinho que aqui temos, porque pode ser que nos faça jeito, se a gente tiver sede pelo caminho! E assim foi. Desceram todos muito afoitos, deixando o barco sozinho, bem poisado naquela praia que eles julgavam deserta, e começaram a avançar, a avançar descuidados. De repente, o que é que eles viram no meio de um campo onde pastavam ovelhas e carneiros? Viram um homem enorme, sentado num rochedo muito grande. Parecia mesmo um gigante, e tinha só um grande olho no meio da testa. Eu digo-vos já quem era: era o ciclope Polifemo, que era o pior de todos os ciclopes, o mais devorador de homens, o mais revoltado contra a vida, aquele que tinha tão mau génio que tinha sido ali posto pelos seus irmãos que viviam nas outras ilhas, porque ele era de um mau génio horrível, era só patada para a esquerda, cabeçada para a direita, era pancada, era soco para a frente e para trás... só sei que os coitados dos outros ciclopes (não eram assim muito coitados, mas enfim...) andavam sempre com o braço ao peito ou com o olho grande da testa um bocado ferido, ou com uma perna manca! Enfim, era sempre um desastre por causa do mau feitio do Polifemo que, por tudo e por nada, fazia uma grande bulha com eles. E então, um dia eles resolveram dizer-lhe: 5 - Olha, Polifemo, não podemos continuar a viver juntos! Tu vais para aquela ilha que está deserta e nós ficamos aqui sossegadinhos. E à noite, era assim: - Polifemo, tu estás bom?! - Estou. E vocês? - Estamos bons. E pronto, vivia tudo em grande paz. Ora foi este horrível ciclope Polifemo que Ulisses e os seus companheiros foram encontrar junto de um rebanho que ele andava a cuidar, muito entretido a afiar um grosso tronco de árvore como se fosse assim uma flautazinha que ele depois iria tocar!

6 Bem, cheios de medo, esconderam-se atrás de umas pedras. Já não tinham tempo de voltar para o navio, pois se se levantassem, o ciclope era capaz de os ver. Muito baixinho, disseram uns para os outros: - Olhem, está ali uma gruta. Vamos até lá! Era realmente uma gruta muito grande que se adivinhava ali... via-se já mesmo... e então eles muito devagarinho, de rastos, para não distrair o Polifemo da sua tarefa de afiar a sua "lindíssima" flauta, foram entrando na gruta muito devagarinho, devagarinho. E quando chegaram lá dentro da gruta exclamaram: - Uff! Estamos a salvo! Agora, quando ele se afastar com o rebanho, vamos mas é para o nosso barco, que afinal esta ilha não está nada deserta! Bem, assim foi. Só que eles não imaginavam que aquela era a gruta onde passava a noite o Polifemo e o seu rebanho! Ao entardecer, começaram a entrar por ali dentro as ovelhas e os carneiros, tudo para dentro da enorme gruta, e o Polifemo logo a seguir, todo contente com um grande veado às costas, o qual ia ser a sua refeição daquela noite, a sua ceia. Logo os marinheiros se afligiram: - Ai que estamos perdidos! Lá se esconderam nos cantos, atrás de uns pedregulhos, como puderam, e o Polifemo não reparou em nada. Fez uma grande fogueira, colocou o veado a assar e, quando se preparava para o comer, começou a cheirar o ar. Além do cheiro a veado queimado, cheirou-lhe a homens vivos. Mas pensou lá para consigo: "Isto é impressão minha! Isto é impressão minha!" 6 Só que de repente olhou para as paredes e viu as sombras dos homens que estavam escondidos. Deu um grande pulo: - Uhm, homens! Homens!! HOMENS!!! Que bom pitéu!!! Para começar, - que era esperto -, pôs uma pedra, uma grande pedra, um pedregulho enorme a tapar a porta da gruta, a entrada da gruta, para os marinheiros não fugirem; e depois começou a agarrar um, e engolia-o, outro e engolia-o, outro e engoliao, outro e engolia-o... A certa altura, já estava tudo aos gritos dentro da caverna, e o Polifemo estava a ficar um bocado empanturrado de tanta comida, de comer tantos homens. E os marinheiros, num pavor! Foi quando o Polifemo ficou assim quase a dormir, quase desgastado, a dormir, que Ulisses resolveu sair, pé ante pé, de onde estava e meter conversa com ele. Mas, antes de eu vos contar como foi essa conversa, que até foi uma conversa muito interessante... para nós, que agora a ouvimos cá de longe, agora... - o que é que acontece? Acontece que eu tenho uma pergunta para vos fazer, e que é esta: Os ciclopes existem?

7 Nós, marinheiros portugueses, quando dos Descobrimentos, vencemos o medo do Gigante Adamastor, que era assim como que um Ciclope daqueles tempos! Seria o medo do mar? Seria o medo do desconhecido no mar? - Afinal, pergunto-vos eu concretamente: este Ciclope, o Polifemo, terá existido? Cena seguinte FUGA DA ILHA Quando Ulisses calculou que o ciclope já estava muito empanturrado porque já tinha comido muita gente, aproximou-se dele a medo... - Calma aí, calma aí, não me comas, não me comas, que tenho uma coisa a proporte. E tenho também uma pergunta a fazer-te! - Quem és tu, pigmeu, para me fazeres uma pergunta a mim?! Quem és tu, pigmeu? E Ulisses disse: 7 - Olha, a pergunta que eu te quero fazer é se tu não tens sede! Tu não tens sede? Com tanta carne que comeste, deves ter muita sede! - Tenho, por acaso tenho sede, mas se pensas que eu vou abrir a entrada da gruta e sair lá para fora, para vocês saírem todos daqui, estás bem enganado! - Não, não é nada disso! - disse Ulisses. É que nós temos aqui uma bebida ótima que é vinho, não sei se tu conheces o vinho... - Não, não sei o que é o vinho. É bom? - É. Mas olha, só to dou se tu fizeres uma promessa. - Promessa?! Quero lá saber de promessas! Dá-me mas é cá o vinho, o vinho para cá, já, já, já, já o vinho!!! Ulisses foi a correr, cheio de medo, buscar o barril de vinho que tinham trazido do navio, e então o Ciclope meteu o barril à boca e bebeu, bebeu, bloc, bloc, bloc, bloc e bebeu tudo até ao fim, num instantinho. Um barril enorme que dava para imensa gente!!! Logo ficou um bocadinho tonto e disse:

8 - É bom realmente, muito bom. Então o que é que tu me querias pedir? Qual era a promessa que tu queres que te faça? - É que não comas mais nenhum de nós! - propôs Ulisses. - Bem, como o vinho era mesmo bom - disse o Ciclope -, eu vou fazer-te uma promessa, realmente. É assim, tu vais ser o último que eu vou comer! Foi um alarido ali na gruta, todos muito aflitos, que afinal de contas ele estava a pensar comê-los todos. O Ciclope estava quase a dormir, com o efeito do vinho, quase a dormir, mas ainda se lembrou de uma coisa. Virou-se para Ulisses e perguntou: - Já agora, como é que tu te chamas, ó pigmeu? Ulisses não esperava uma daquelas e atrapalhou-se: - Como é que eu me chamo! Sei lá, sei lá como é que eu me chamo, sei lá! E pensava: "Ai, ai, que os deuses me acudam! Minerva, acode-me...que nome é que eu hei-de dizer?!" - Vá, diz o teu nome, já! Como é que te chamas? Então tu não tens nome? - gritou o Ciclope, muito irritado. 8 - Tenho, tenho. Olha, chamo-me... Ninguém. NINGUÉM. - lembrou-se de dizer o aflito Ulisses. - Ai coitado! Por isso é que tu não querias dizer como é que te chamavas, pigmeu! Realmente, não lembra a ninguém, chamar-se Ninguém! E o Ciclope adormeceu. Adormeceu sob os efeitos do vinho, é claro. Era o momento que Ulisses e os seus companheiros esperavam. Foram a correr e pegaram num pau muito afiado, e aqueceram a extremidade, o bico desse pau nas cinzas ainda bem quentes da fogueira onde o ciclope tinha assado o veado. Mas antes disso, eles ainda comeram bocadinhos que sobraram do veado, ainda foram tirar leite às ovelhas e beber leite, pois estavam completamente esfomeados e sedentos. Depois, com o pau aquecido nas cinzas da fogueira, apontaram-no em direção ao único olho da testa do Ciclope e...assim, um...dois...três e pumba!...,espetaram o bico desse pau no olho do Ciclope. O Ciclope acordou aos urros, aos gritos, parecia louco, desvairado completamente desnorteado porque estava cego e, sem perceber onde é que estava berrou: - Quem é que me fez este mal, quem é que me cegou? Aos gritos, aos gritos, fugiram todos para os cantinhos da gruta, cheios de medo, porque ele, na sua ânsia de os agarrar, com desespero, ainda queria agarrar outro, e

9 outro, e outro ainda, e maltratou bastantes dos que restavam vivos. E que, mesmo assim, ainda eram alguns! E então o Ciclope, completamente louco, começou a gritar pelos irmãos que estavam nas outras ilhas e que ouviram muito bem, mesmo estando ele a gritar de dentro da gruta: - Meus irmãos, acudam-me, acudam-me, acudam-me, acudam-me!!! Quando os seus irmãos o começaram a ouvir, pensaram: "O que terá acontecido ao Polifemo?! É capaz de estar com algum ataque de fúria, daqueles que ele costuma ter tantas vezes!" Saíram das outras ilhas e aproximaram-se da gruta onde estava o Polifemo, mas, com medo dele, não entraram na gruta, pois já conheciam a sua força e o mau génio. E então a conversa entre eles foi assim: - Que é que tens, Polifemo? - Ai, meus irmãos, Ninguém está aqui!!! - Pois não, rapaz, pois claro que ninguém está aí. - Não é isso. Vocês são uns burros, vocês são uns estúpidos. Eu estou a dizer que Ninguém está aqui!!! 9 - É isso mesmo. Nós percebemos, ninguém está aí. - Não é isso. Ninguém quer fazer-me mal. - Pois claro, quem é que te quer fazer mal? Ninguém te quer fazer mal... E disseram uns para os outros: - O Polifemo está louco! Deve estar louco! Deve estar com dor de dentes! E foram-se embora, e o Polifemo ficou danado, a queixar-se: - Não há direito, não há direito de me fazerem isto a mim que sou tão bonzinho! Pois amanhã, ninguém vai sair daqui da gruta...só o meu rebanho é que vai sair! E adormeceu mesmo, finalmente, sob o efeito forte do vinho. Então Ulisses passou a noite o resto da noite a atar os companheiros debaixo de cada ovelha e de cada carneiro, para que no dia seguinte, quando o rebanho saísse, eles fossem debaixo de cada animal. Assim foi. Quando chegou a vez de Ulisses sair, de manhã, ele já não teve tempo para mais e agarrou-se com muita força à lã de um carneiro maior que lá estava, ficando debaixo dele e quase a cair...

10 O rebanho ia a sair da gruta e o Polifemo dizia: - Vá, passa tu...passa tu... - e passava a mão por cima das costas da ovelha ou do carneiro que passava, sem reparar que por baixo de cada um ia preso um marinheiro. A certa altura, quando chegou a vez de sair o carneiro maior, que era o mais amigo dele, demorou-se mais um bocadinho, e disse assim: - Anda cá tu! Já viste as injustiças que me fizeram?! Ulisses, agarrado às suas lãs, estava a ver que caía no chão. O Polifemo deu uma palmada no carneiro, que acabou de sair, mas Ulisses desequilibrou-se e caiu no chão. Quando o ciclope sentiu que alguma coisa se tinha passado, pensou que realmente o tinham acabado de enganar, mas como estava cego, não percebia como. Entrou na gruta e não encontrou ninguém lá dentro, e saiu da gruta a correr, para ir atrás deles. O ciclope avançava, avançava, avançava, mas os marinheiros, que Ulisses já tinha desatado e se tinham depois desatado uns aos outros, corriam, corriam, corriam por ali fora e chegarem ao barco num instantinho. Chegaram ao barco e embarcaram. Para onde? Vamos ver. Agora pergunto-vos eu: porque é que Ulisses terá dito que se chamava Ninguém? Podia ter dito, como disse um dia Gil Vicente que ele não conhecia, estava tão longe de o poder ter conhecido...gil Vicente que um dia se referiu a "Todo o Mundo e Ninguém"! Ulisses podia ter dito que se chamava TODO O MUNDO. Ele até podia ter dito que se chamava EU, muito simplesmente! Mas não. Por que teria dito que se chamava NINGUÉM? 10 Cena seguinte CHEGADA À EÓLIA Já libertos do Ciclope Polifemo, lá vão Ulisses e os companheiros a caminho de Ítaca, a sua pátria. Mas entretanto encontram uma ilha: era a Eólia. O rei desta ilha era Éolo, o rei dos Ventos. Chegaram lá e resolveram desembarcar. Foram muito bem recebidos por Éolo. E Éolo chamou à parte Ulisses e disse-lhe: - Quero dar-te uma coisa, pois não quero que tenhas mais dificuldades, tu e os teus marinheiros, para chegar até Ítaca. Quero que vocês sigam, livres de todo o mal dos mares. Toma este saco que é feito com a pele de um dos meus maiores bois, e vê como ele é leve e cheio. Ulisses pegou no saco e perguntou: - O que é que tem cá dentro?

11 Disse-lhe Éolo: - Dentro dele estão todos os ventos violentos do mundo. Só deixei cá de fora o Zéfiro, que é uma brisa suave para os marinheiros. Mas ouve bem: que ninguém saiba o que este saco contém, e que nunca ninguém o abra, porque senão...graves desgraças cairão sobre ti e os teus companheiros! Ulisses pegou no saco com muito jeitinho e disse para os seus companheiros: - Vamos embora para o nosso barco. Vamos seguir viagem para Ítaca! E lá foram. Os marinheiros estranharam que Ulisses tivesse tanto cuidado com o saco. De dia, nunca o largava; de noite, dormia junto dele. Cheios de curiosidade, certa noite em que Ulisses deixou a cabeça resvalar para fora do saco, eles olharam uns para os outros e disseram: - E se a gente abrisse só uma nesguinha do saco, não era boa ideia?! Não há mal nenhum, depois tornávamos a fechar! E assim fizeram. Pé ante pé, aproximaram-se e abriram uma nesguinha do saco. Os Ventos viram à frente a sua libertação e soltaram-se todos, violentíssimos. Foi uma tempestade horrorosa! O navio quase que naufragou, e muitos dos marinheiros morreram. Ulisses sentiuse mais sozinho, e com o navio quase todo desfeito. Voltaram à Eólia onde o rei nem os quis receber, por ver que lhe tinham desobedecido. 11 Os marinheiros que restaram, lá arranjaram o navio como puderam e partiram para Ítaca. Porém, novas aventuras os esperavam. Agora pergunto eu: Porque que é que os Ventos saíram assim tão de repente do saco?! Cena seguinte ENCONTRO COM CIRCE Seguindo viagem, Ulisses e os poucos companheiros que já restavam, chegaram a uma outra ilha que, a princípio, imaginaram ser Ítaca. Mas não era ainda Ítaca, a sua querida pátria. Era uma ilha que nem conheciam. Pararam. Foram à procura de água fresca e de frutos saborosos. Mas Ulisses, cansado, resolveu ficar no navio, à espera deles. Esperou, esperou, esperou, e não havia maneira de os ver regressar. A certa altura reparou que vinha a

12 descer uma encosta em direção à praia, um dos seus mais velhos e mais sábios marinheiros ainda vivos, de nome Euríloco. Euríloco vinha muito aflito e quando chegou ao pé de Ulisses, disse: - Ah, Ulisses, grande desgraça nos aconteceu. - O que é que vos aconteceu?! - Quando nós saímos daqui, começámos a ver muitos animais selvagens: tigres, leões, leopardos... E todos olhavam docemente para nós e não nos fizeram mal nenhum! - Coisa esquisita... - Pois é. Andámos, andámos, andámos, até que avistámos um grande palácio no meio de uma floresta, e à porta estava uma mulher lindíssima. Não sabíamos quem era, mas deve ser uma deusa! Ela convidou-nos a entrar no palácio. Lá dentro havia mesas postas com iguarias formidáveis, tu nem fazes ideia, Ulisses... Bebidas e comidas, uma maravilha! Nós estávamos esfomeados e começámos a comer, a comer, a comer, e ela sempre ali a oferecer-nos tudo com a maior delicadeza e simpatia. No fim, apareceu com um licor, uma garrafa de licor, e serviu-nos a todos. Não sei porquê, mas eu desconfiei... tive um pressentimento...e escondi-me atrás de um cortinado da sala. E sabes o que aconteceu, Ulisses? - Não. Não faço ideia nenhuma! - disse Ulisses, já um bocado apavorado. - Olha, Ulisses, foi assim... Os nossos amigos marinheiros beberam todos aquele licor e imediatamente esqueceram o seu próprio nome, esqueceram a sua pátria, ficaram como que fora do mundo! Ulisses disse: - E então o que aconteceu?! Se esqueceram o seu nome, se esqueceram a sua pátria... ficaram como se fossem animais!!! - É isso mesmo... - E Euríloco explicou melhor: - De repente, aquela deusa, porque julgo que só poderia ser uma deusa...tocou-lhes com uma varinha e eles ficaram transformados em porcos! Ulisses gritou: - O quê?! Em porcos...?! Os melhores marinheiros da Grécia?! Não posso acreditar. Vou já imediatamente libertá-los! - Calma, Ulisses, tem calma, porque ela deve ser muito poderosa! Mas Ulisses já não o ouviu. Já ia longe, louco, desesperado na ânsia de salvar os seus companheiros, nem sabia como... Apareceu-lhe Minerva, a sua deusa protetora, que lhe disse: - Onde vais Ulisses?! Sabes quem vais ter pela frente? - Não. Não sei. - É Circe, a mais poderosa feiticeira... - Ah, então é Circe que quer ter guerra comigo?! Pois vai ter guerra! - Calma, Ulisses - disse-lhe a deusa. Toma esta erva da vida. Com esta erva, nada tens a temer, pois ela salvar-te-á sempre. Ulisses agradeceu muito e seguiu caminho. Ao chegar ao palácio, viu logo Circe à porta, lindíssima. Ela lhe disse: - Entra. Quem és tu? És um marinheiro? Quem és? Ele não disse quem era, e entrou. Comeu e bebeu, porque Circe lhe ofereceu comida e bebida. E no fim, quando ela veio com a garrafa do licor, ele pegou na erva da vida e agarrou-a com muita força, e bebeu o licor... E não se transformou em nenhum animal, quando ela lhe tocou com a varinha. Circe ficou espantadíssima e exclamou: 12

13 - Mas quem és tu? És um deus? Se fores Homem, só podes ser Ulisses, o das mil astúcias! - Pois é isso mesmo... Sou Ulisses! E quero já aqui os meus marinheiros que tu transformaste em porcos! - Eu?!... Em porcos?!... Nunca transformei em porcos os teus marinheiros! Queres ver onde estão os porcos que eu tenho? Já tos mostro... Foram até às pocilgas do palácio, e Circe perguntou: - Achas que estes porcos são os teus marinheiros? Ulisses ficou desesperado e até deu um pontapé num dos porcos, que se afastou a grunhir. Ulisses já não tinha mais nada a fazer ali. Mas Circe tomou-o por seu prisioneiro. É preciso dizer que Circe se tinha apaixonado por Ulisses, desde que o vira pela primeira vez. E enquanto ele esteve no palácio, ela quis convencê-lo a casar com ela: - Ulisses, não penses que podes chegar à tua terra, à tua pátria. Nunca lá chegarás! Fica aqui e casa comigo. Vais ver como seremos felizes! Mas Ulisses respondia sempre: - Não pode ser. Tenho Penélope à minha espera, tenho o meu filho Telémaco, tenho a minha família... Eu não posso ficar aqui contigo. Entrou numa tal tristeza que Circe teve pena dele e, um dia, chamou-o e disse-lhe: - Olha, Ulisses, realmente aqueles porcos que viste, são os teus companheiros e vou transformá-los outra vez em marinheiros. E mais te vou dizer... agora a caminho de Ítaca, vai à ilha dos Infernos. Lá encontrarás o profeta Tirésias, que tem muito que te contar sobre o que está a acontecer na tua terra, em Ítaca. E também, outra coisa: tem cautela... um dia encontrarás um mar que te parecerá sereno e mágico, mas é muito perigoso porque é o mar das Sereias. Nessa altura, párem todos! Ouve-me bem: muita calma, e ponham cera nos ouvidos para não ouvirem as sereias... Elas imitam as vozes dos humanos e atraem os humanos para o fundo do mar. Tem cautela com as Sereias, que são extremamente perigosas! Ulisses ouviu isto tudo com atenção e disse: - Está bem. Obrigado. Obrigado, Circe! E seguiu caminho. Ele e os seus companheiros. Ela ficou a dizer-lhe adeus, já com saudades dele. Mas Ulisses tinha de seguir viagem. Tinha de ir para Ítaca. E agora pergunto eu: Se Circe queria tanto casar com Ulisses, terão eles casado um com o outro, embora secretamente? Ou não? Havia uma razão forte para não se casarem? 13 Cena seguinte DESCIDA AOS INFERNOS Obedecendo aos conselhos de Circe, Ulisses dirige o navio para a ilha dos Infernos, onde vai ter de falar com o profeta Tirésias. Quando se aproximam dessa ilha, os marinheiros começam a tremer de medo e dizem: - Ulisses, nós não queremos desembarcar nessa ilha: é uma ilha de desolação, uma ilha horrível! Não queremos!

14 Ulisses resolve: - Está bem! Desembarquem-me então só a mim, na praia, e afastem-se. Ponham-se ao largo, e quando eu vos fizer sinal, venham buscar-me! Assim foi. Ulisses, já na ilha dos Infernos, repara como realmente aquela terra é feia e seca. É tudo escuro, partido, é tudo muito árido, uma desolação, um horror. Mas ele tem mesmo de entrar na gruta da ilha dos Infernos! Quem é que avista à porta, a guardar a gruta, à porta da gruta onde estão as almas dos que já morreram? Um grande cão! Um cão com três cabeças. É Cérbero, o feroz! Circe tinha-lhe dito assim: Se tu vires o cão com olhos abertos, é porque está a dormir. Se tu vires o cão de olhos fechados, é porque está acordado!" Ulisses olha: e vê que o cão está com os olhos fechados, portanto não se pode aproximar. Espera um bocadinho... e o cão abre os olhos, o que quer dizer que adormeceu. Então Ulisses esgueira-se para dentro da gruta dos Infernos e começa logo a ver as sombras a passar... É tudo muito escuro. É tudo assim como se fosse entre neblinas, fumos de vulcões extintos. É uma tristeza, um silêncio enorme. E Ulisses fica a ver as sombras a passar, e sabe que as sombras não o veem. Só ele é que as vê! De repente, passa a sombra da sua própria mãe, que ele julgava ainda viva. Ele fica aflito e diz: - Mãe, estás aqui? A minha mãe, aqui?! 14 Tira um pedaço da carne de uma ovelha negra, que Circe lhe dera, e lhe dissera ser a única maneira que ele tinha de comunicar com as sombras da ilha dos Infernos, e oferece-o à mãe. A mãe come um bocadinho dessa carne e reconhece-o, e pergunta-lhe: - Que fazes aqui, meu filho Ulisses? Também morreste? Ulisses diz: - Não, mãe, eu não morri. Estou aqui só de passagem, e vou a caminho de ítaca. Disse-lhe a mãe: - Então vai depressa, porque graves coisas estão a acontecer na tua terra. Já há muito tempo que não voltas para lá, que não regressas... Já há mais de 18 anos. Muitos regressaram da guerra de Tróia, e tu não! Sabes que há uma lei, em Ítaca, que diz que quando não há rei, o rei vai ter de aparecer, de qualquer maneira! Penélope vai ter de casar com um dos muitos pretendentes que estão a chegar continuamente ao teu palácio... - O quê?! Penélope, casar?! Mas eu estou vivo!

15 - Pois é, mas ninguém sabe que tu estás vivo. Tens de ir imediatamente para a tua pátria. O teu filho Telémaco corre os mares à tua procura... Ninguém te encontra em lugar nenhum! Ulisses diz adeus à mãe, agradeceu e foi à procura do profeta Tirésias. Mas o profeta Tirésias não adiantou mais nada: tudo o que a mãe lhe tinha dito era verdade, e ele o confirmou. Ainda passou por dois seres que andavam por ali vagueando... Um era Tântalo, que tinha sido mau, em vida: não tinha dado nem de comer e nem de beber a quem precisava, e então estava condenado a estar junto de árvores carregadas de frutos, e de fontes de água fresca sem conseguir comer nem beber. Quando ele queria apanhar um fruto, o fruto fugia-lhe; quando ele chegava a água à boca, a água desaparecia... Também passou por Sísifo, que carregava um enorme penedo, por uma montanha acima. Mas quando chegava lá acima, o penedo despenhava-se montanha abaixo! Ele nunca tinha apreciado em vida o trabalho dos outros... Bem, Ulisses viu estas coisas e depois desatou a correr para a praia. Fez um sinal aos seus marinheiros e eles vieram buscá-lo. E lá vai Ulisses... E agora, faço-vos uma pergunta: Quem é que Ulisses vê, ao chegar à porta dos Infernos, e qual a característica dessa personagem? Cena seguinte 15 ENCANTOS DE SEREIAS Ulisses sabia que tinham de passar pelo mar das Sereias... Os marinheiros também sabiam, e sabiam que, como Circe lhes recomendara, eles teriam de meter cera nos ouvidos para não ouvirem o cântico das Sereias. Se acaso o ouvissem, poderiam ser atraídos por elas, para o fundo do mar. Por isso, quando chegaram mesmo ao mar das Sereias, os marinheiros pararam de remar. E Ulisses, manhoso, perguntou-lhes: - Por que é que vocês pararam?! - Ulisses, tu sabes muito bem! Temos de pôr cera nos ouvidos, todos nós! Senão, somos atraídos pelas Sereias, para o fundo do mar e morreremos! E Ulisses revoltou-se: - Isso é que era bom! Eu não ponho cera nenhuma nos meus ouvidos, eu quero ouvir o cântico das sereias! Os marinheiros ficaram apavorados: - Não pode ser, Ulisses. Temos de te obrigar a pôr cera nos ouvidos! Ulisses propôs: - Então é assim: amarrem-me ao mastro mais forte deste navio. Amarrado, eu não vou poder fugir, e não posso ser atraído pelas Sereias. Posso ouvi-las e seguir viagem com vocês! E assim foi. Os marinheiros sentaram-se, com a cera nos ouvidos, depois de amarrarem muito bem Ulisses ao mastro mais forte do navio. Mesmo que ele quisesse,

16 não se podia libertar de tantos nós e tantos laços. E, de costas para ele, começaram a remar, a remar, a remar, a remar, a remar... E passado algum tempo, Ulisses começou a rir: - Palermas! Acreditaram em Circe! Ela tinha de ser manhosa, ela tinha de nos mentir de alguma maneira! De repente, começa a ouvir uns cânticos lindíssimos que vinham do fundo do mar, e a voz de Penélope, implorando: - Ulisses, eu estou aqui, prisioneira das Sereias! Salva-me! Não passes por mim, sem me salvar! Ao ouvir isto, Ulisses gritou: - É Penélope que me está a chamar! Párem já aí! Párem, não ouvem?! Sou eu que estou a mandar, párem!!! É uma ordem! Mas os marinheiros, de costas para ele, e com cera nos ouvidos, não pararam... E continuavam a remar, a remar, a remar, a remar... E Ulisses gritava: - Párem, seus estúpidos, não me ouvem?!! Párem, que Penélope está a chamarme!! E a voz de Penélope continuava a ouvir-se: - Não passes aqui sem me salvar, Ulisses... Não passes! Leva-me contigo! Estou prisioneira das Sereias. Leva-me contigo! De repente, a voz das Sereias começou a ficar longe, longe, longe... Ulisses parecia um velho, agarrado àquele mastro, preso ao mastro. Os marinheiros, passado finalmente aquele mar que eles já conheciam como o mar das Sereias, pararam, olharam para trás e viram Ulisses completamente desfeito. Parecia um louco, um velho. - O que foi, Ulisses? O que tens? - Então vocês não ouviram Penélope? - Não... Então tu não sabes que a Circe disse que elas, as Sereias, imitavam as vozes dos humanos? Isto foi um engano que te aconteceu! E Ulisses percebeu: - Ai, meus amigos, ainda bem que vocês me amarraram tão bem! E ainda bem que a Circe nos avisou. Senão, nós já estávamos todos no fundo do mar... Mas isto não lhes valeu de muito. Mais à frente encontraram uma passagem muito estreita entre dois rochedos. Um, parecia uma boca enorme, e o outro a mão, uma mão enorme, gigantesca. Envoltos numa tempestade violenta, os marinheiros viram o seu navio todo despedaçado. E agora, quero fazer-vos uma pergunta: Por que é que as Sereias imitavam as vozes dos humanos? 16

17 Cena seguinte NA TERRA DOS FEÁCES Morreram, quase todos morreram. Uns ainda conseguiram quase chegar à praia, mas morreram também... Ulisses vê-se pela primeira vez desamparado, triste, numa praia desconhecida, e completamente só... E aí ele entende toda a aflição de se ver realmente só mundo e sem esperanças nenhumas de chegar a Ítaca. Desmaia na praia. Passou-se algum tempo... Passeando por ali, uma linda filha do Rei Alcino e da Rainha Arete, chamada Nausica, viu Ulisses que era muito belo, mesmo com tantas desventuras, mesmo com tantas desgraças passadas. Apaixona-se por ele e leva-o para o palácio. Ulisses esteve lá dias, e dias, e dias, o que para ele era uma grande perda de tempo, e sem ter memória de nada... Até que um dia houve uma grande festa na corte. E o que é que se celebrava nessa festa? As façanhas de Ulisses, que andavam de boca em boca! E havia sempre gente que cantava e que recitava as suas façanhas... Ao ouvir aquilo, Ulisses lembrou-se da continuação da sua vida que eles ainda não conheciam, ou seja, os outros nem sabiam que ele já tinha estado na ilha dos Infernos, nem sabiam que ele tinha acabado de passar pelo mar das Sereias... Ulisses levantou-se, recuperou a memória e, no meio da festa começou a contar ele próprio as suas façanhas. Quando viram que era Ulisses que estava ali no meio deles, ficou tudo numa grande excitação, numa grande alegria, e o Rei Alcino disse: 17 - Ulisses, não sofras mais. Percebemos o teu desespero. Amanhã eu vou enviar-te num navio que te irá levar para a tua pátria! E Ulisses pensou assim: "Vou sair daqui do país dos Feácios, a caminho da minha pátria, parece impossível!" E vamos deixar aqui Ulisses. Chegará ele realmente a Ítaca? E Ulisses começou a pensar no que tinha visto na ilha dos Infernos. Quem é que ele tinha encontrado nessa ilha dos Infernos e quem o tinha lá reconhecido? Porque na ilha dos Infernos, ainda há uma coisa a salientar... É que a sua mãe tinha dito que, se ele não regressasse depressa a Ítaca, Penélope teria de escolher, para seu novo marido, um dos pretendentes que estavam no seu palácio. E Ulisses, muito triste, tinha dito: - Então, ela tem mesmo de escolher?!... A mãe lhe tinha respondido:

18 - O teu pai está já muito velho, e Penélope está a fazer uma teia para lhe servir de mortalha quando ele morrer. Diz que só escolherá pretendente quando terminar essa teia. Mas de dia, ela faz a teia, e de noite desfaz a teia... Assim, nunca mais a terminará! Ulisses pensa nisto tudo, e aflige-se muito: "Como é que eu vou chegar a Ítaca, a tempo, de evitar que Penélope termine a teia, e antes de os pretendentes descobrirem esta manha dela?! Como é que eu conseguirei chegar lá a tempo? E faço-vos esta pergunta: Quem é que Ulisses tinha encontrado na ilha dos Infernos? Agora, quase a partir para Ítaca, uma outra pergunta: Que promessa fez, a Ulisses, o rei Alcino da Feácia? Cena seguinte REGRESSO A CASA E lá vai Ulisses, no navio dos Feácios, a caminho de Ítaca. Mas está tão cansado, tão cansado... que adormece profundamente. Ele nem toma sentido nessa viagem. Quando acorda desse sono tão profundo, vê-se numa praia deserta, sem ninguém ao lado, e começa a lamentar-se: "Porque é que eu fui adormecer? Agora não sei onde estou!!! Mas de certeza que não estou em Ítaca!... O que é que me vai acontecer nesta vida? Já não sei o que hei-de fazer! Não consigo chegar à minha terra!" Nesse momento aparece-lhe a sua deusa protetora, que lhe diz: - Então tu não reconheces estas praias?! Tu já estás na tua terra. Aqui é Ítaca! Ele fica louco de contente: - Ah, deusa... se isso é verdade, eu vou imediatamente para o meu palácio, e vou varrer de lá todos os pretendentes à mão de Penélope! E vamos a ver se chego a tempo! - Não, não, tem calma - diz-lhe a deusa. Não penses que vais aparecer assim...eu vou-te transformar! E transformou-o num velho, com vestes muito rotas, com um ar cansado. Alguém nada parecido com o que Ulisses era. E disse-lhe: - Agora é assim que tu vais tentar chegar ao palácio. Porque se corre a notícia de que tu estás cá, não consegues fazer nada! Ulisses agradeceu muito e começou a caminhar. Realmente parecia um velho, por ali fora. A primeira porta onde ele bateu foi à de numa cabaninha que havia logo ali junto à praia. Bateu à porta dessa cabana que era do seu feitor e velho amigo Eumeu. Era o nome dele. Bateu à porta... e Eumeu abriu-lhe a porta... Deu-lhe de comer e beber, 18

19 porque viu que ele estava muito esfomeado e sedento... E não o reconheceu! Começou a perguntar-lhe - porque a toda a gente que por ali passava, Eumeu perguntava... - se tinha visto Ulisses. Perguntou-lhe: - Olha lá, tu viste Ulisses? - Ulisses? Quem é Ulisses? - perguntou Ulisses. E o outro desanimou: - Pronto... Ninguém sabe dele!... Eumeu desanima. Também aquele mendigo não conhecia nada sobre Ulisses, não sabia nada sobre o seu Rei que andava há tanto tempo perdido no mar! E então, sai... Tem de fazer qualquer coisa e sai, e deixa-o sozinho. Nesse mesmo momento entra Telémaco, que acabava de chegar de mais outra viagem à procura do pai. Encontrou ali o mendigo, saudou-o... E Ulisses reconhece o filho, embora já tenham passado tantos anos. E então, de repente, Ulisses abre os braços e aparece com todo o seu esplendor, com as vestes bonitas que tinha recebido do rei Alcino da Feácia, e já não como um mendigo... Telémaco pensa que está diante de um deus! E ajoelha no chão para o adorar. E Ulisses diz: - Levanta-te Telémaco. Sou eu, sou o teu pai! Sou Ulisses! Cheguei! Telémaco nem quer acreditar que tem o pai ali na frente, e então sentam-se os dois e começam a combinar... Diz assim Ulisses: - Olha, em breve chegaremos ao palácio. Mas vamos fazer isto com muita manha! E é assim: tu vais, e, quando eu disser, tiras as armas dos pretendentes que estão no palácio. Tira-as e esconde-as, a pretexto de que elas têm de ser limpas. E assim nós temos já uma vantagem, que é ter os pretendentes desarmados! Vamos devagar, e quando eu te fizer sinal, tu começas a tirar as armas dos pretendentes... Combinam tudo muito bem combinado. Ulisses transforma-se outra vez, por artes e manhas também da deusa sua protetora, em mendigo, e lá vão os dois a caminho do palácio. Quando lá chega, Ulisses vê que, à entrada, está o seu cão, velhíssimo cão, Argos, que parece que tinha sustentado a morte, que tinha vivido até àquele momento para ver o seu dono. E o cão começa a latir de alegria, a latir... De tal maneira fica emocionado, que tem um ataque fulminante e morre. Nesse momento acontece uma coisa estranha: Ulisses, com as lágrimas a escorrerem pela cara abaixo, sente que os pretendentes saem todos do palácio, espantadíssimos por ouvir aquele cão que nunca latia tão alegremente a ninguém. E Ulisses vê-se entre os pretendentes desconfiados e o seu cão morto. E diz: - Maldito cão, maldito cão a ladrar-me... a querer atacar-me!... Os pretendentes aliviaram a sua tensão e o medo de que alguém conhecido se estivesse a aproximar... quem sabe se Ulisses...E dizem: - Pois... Com essas vestes, qualquer cão te poderá atacar. Estás horrível! O que é que tu queres daqui, mendigo? E Ulisses: - Uma esmola! E entrou para o seu próprio palácio. Bem... ninguém lhe queria dar esmola. Começaram a empurrá-lo, a gozar com ele, um horror... até que ao alto das escadarias aparece Penélope, e diz: - O que é isto?! No meu palácio, tanta gritaria?! O que é que se passa? - É um pobre horroroso, que está aqui assim a pedir esmola. - Imediatamente, ele que entre! E dêem-lhe de comer e de beber! Ulisses ficou num cantinho, a comer e a beber. Já tinha visto Penélope, ao alto das 19

20 escadas... Nesse dia, ele vai ficar no palácio, por vontade de Penélope: Penélope manda que ele fique no palácio. Ela quer perguntar-lhe se ele viu Ulisses, nas suas andanças. Porque ela pensava que, por ele estar tão esfarrapado, devia ter muita experiência em viagens... Se tinha visto Ulisses. Ulisses fica contente, por ela perguntar por ele, porque ela diz assim: - Ulisses... Eu só quero Ulisses aqui! É tudo o que eu desejo na vida! E estou com medo de que ele não chegue a tempo! E ficou assim em suspenso! Ulisses ficou contente, por ver que ela ainda gostava dele... E então, antes de se deitar, Penélope recomendou: - Olha...- disse para a ama Euricleia, velha ama, que era já a ama dos tempos de Ulisses - vai lavar os pés a este forasteiro! E a ama foi buscar uma bacia, pôs-se de joelhos na frente daquele mendigo e começou a lavar-lhe os pés. Ulisses estava mesmo à espera do que ia acontecer. De repente, ela repara que num dos pés de Ulisses havia uma grande cicatriz que tinha sido feita por um javali, numa caçada, há já muito tempo, e que só Ulisses é que tinha... Ela reconhece-o, e quase que entorna a bacia de água, e diz: - Ulisses, és tu!!! Tu és o Ulisses!!! E ele, baixinho: - Está calada, não digas nada, porque temos de manter isto em grande segredo. Está calada, porque eu venho para vingar isto tudo! Ela ficou tão contente que nessa noite nem dormiu. No dia seguinte, Ulisses faz sinal a Telémaco, e Telémaco começa a recolher as armas de todos os pretendentes, dizendo que é para as limpar. Ulisses aparece, ao lado de Telémaco, de súbito, já com as suas vestes de guerreiro. E começam os dois, com armas, com lanças, a matar todos os pretendentes! Poucos escaparam... Foi uma coisa incrível, uma mortandade horrível, com os pretendentes todos apavorados, já nem sabiam onde era a porta, já não sabiam por onde é que haviam de sair, atropelavam-se uns aos outros... Os mais novinhos, os mais ágeis, é que conseguiram fugir. E pronto... Penélope ouviu tanta gritaria, chegou ao alto das escadarias e reconheceu Ulisses. E Ulisses ficou. Ficou ali, só com pena de o seu cão Argos ter morrido! Mas com a grande alegria de se ver, finalmente, entre a sua gente. Todo o povo ocorreu ao palácio... todos ajudaram a expulsar os pretendentes... e Ulisses viu-se, finalmente, ao lado de Penélope, ao lado de Telémaco, ao lado da sua gente, longe das aventuras e desventuras que tinha passado no mar. Quem sabe se outras aventuras e desventuras o encontrariam de novo algum dia? Mas de certeza, e neste momento, ele guardava no seu coração a certeza de que havia de ser para sempre feliz. E assim acaba esta história das fantásticas aventuras de Ulisses. Uma última pergunta: Quem é que reconheceu Ulisses, quando ele chegou ao seu palácio de Ítaca? 20 FIM

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Ulisses. Maria Alberta Menéres GUIÃO DE LEITURA. Introdução. 1. Nesta obra contam-se as aventuras fantásticas de Ulisses, um herói grego.

Ulisses. Maria Alberta Menéres GUIÃO DE LEITURA. Introdução. 1. Nesta obra contam-se as aventuras fantásticas de Ulisses, um herói grego. GUIÃO DE LEITURA Ulisses Maria Alberta Menéres (ASA, 2011) Introdução 1. Nesta obra contam-se as aventuras fantásticas de Ulisses, um herói grego. 1.1. Observa o mapa e identifica dois locais importantes

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO PRIMEIRO ATO ARGUMENTO Entrando numa horta, procurando um falcão de sua propriedade, Calisto encontra Melibéia. Empolgado de amor por ela, põe-se a falar. Rechaçado por ela volta para casa angustiado.

Leia mais

A ovelhinha que veio para o jantar

A ovelhinha que veio para o jantar A ovelhinha que veio para o jantar Oh não! OUTRA VEZ sopa de legumes! queixou-se o lobo, que já era velhinho. Quem me dera ter uma ovelhinha aqui à mesa. Fazia já um belo ensopado de borrego! Eis senão

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE TALVEZ TE ENCONTRE Vivaldo Terres Itajaí /SC Talvez algum dia eu te encontre querida Para renovarmos momentos felizes, Já que o nosso passado foi um passado lindo, Tão lindo que não posso esquecer Anseio

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Vai ao encontro! de quem mais precisa!

Vai ao encontro! de quem mais precisa! Vai ao encontro! 2ª feira, 05 de outubro: Dos mais pobres Bom dia meus amigos Este mês vamos tentar perceber como podemos ajudar os outros. Vocês já ouviram falar das muitas pessoas que estão a fugir dos

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

João e o pé de feijão ESCOLOVAR

João e o pé de feijão ESCOLOVAR João e o pé de feijão ESCOLOVAR Era uma vez um rapaz chamado João que vivia com a sua mãe numa casa muito modesta. A mãe era desempregada e só tinha uma pequena horta onde cultivava todo o tipo de legumes.

Leia mais

ANTES DE COMEÇAR ALMADA NEGREIROS PEÇA DE TEATRO. Esta obra respeita as regras. do Novo Acordo Ortográfico

ANTES DE COMEÇAR ALMADA NEGREIROS PEÇA DE TEATRO. Esta obra respeita as regras. do Novo Acordo Ortográfico ANTES DE COMEÇAR ALMADA NEGREIROS PEÇA DE TEATRO Esta obra respeita as regras do Novo Acordo Ortográfico A presente obra encontra-se sob domínio público ao abrigo do art.º 31 do Código do Direito de Autor

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm O LOBO E OS SETE CABRITINHOS Irmãos Grimm Era uma vez uma velha cabra que tinha sete cabritinhos, e os amava como as mães amam os filhos. Certo dia, ela teve de ir à floresta em busca de alimento e recomendou

Leia mais

2011 ano Profético das Portas Abertas

2011 ano Profético das Portas Abertas 2011 ano Profético das Portas Abertas Porta Aberta da Oportunidade I Samuel 17:26 - Davi falou com alguns outros que estavam ali, para confirmar se era verdade o que diziam. "O que ganhará o homem que

Leia mais

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Autora: Tell Aragão Personagens: Cantor Apresentador Maluco Nino Nana Sapinho 1 Sapinho 2 Voz de locutor Cena 1 A cortina abre. As duas crianças estão na sala assistindo

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17 Capítulo 1 No qual o Mumintroll, o Farisco e o Sniff encontram o Chapéu do Papão; como aparecem inesperadamente cinco pe quenas nuvens e como o Hemulo arranja um novo passatempo. Numa manhã de primavera

Leia mais

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva SARAMAU Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva CENA 1 Saramau entra no palco leve e com um ar de alegria e paz. ela acaba de compreender que ama de verdade José o seu marido. Ela entra chamando pelo

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR ANO LETIVO 2012/2013 Era uma vez um peixinho azul muito pequenino, que nadava no fundo

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Letras Álbum Amanhecer João da Ilha (2011) «Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Já sei que és buliçoso Trazes

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

A televisão estava uma bodega. Os meus pais continuavam os dois a trabalhar no escritório e eu es tava ali sozinho com o meu avô, que já dormia,

A televisão estava uma bodega. Os meus pais continuavam os dois a trabalhar no escritório e eu es tava ali sozinho com o meu avô, que já dormia, FICHA TÉCNICA Título: O Peixe Azul Autora: Margarida Fonseca Santos Copyright by Margarida Fonseca Santos e Editorial Presença, Lisboa, 2003 Capa: Lupa Design Danuta Wojciechowska Composição, impressão

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Refletindo Sua glória, em meio a ventos contrários. Entretanto, o barco já estava longe, a muitos estádios da terra, açoitado pelas ondas;

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE

A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE Lisboa 2014 A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE O MEU PAI SANGRA HISTÓRIA E AQUI COMEÇARAM OS MEUS PROBLEMAS Tradução de JOANA NEVES Fui visitar o meu pai a Rego Park. Há muito

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

O MENINO SEM OLHOS Consiglieri Pedroso

O MENINO SEM OLHOS Consiglieri Pedroso O Menino Sem Olhos, de Consiglieri Pedroso Fonte: Projeto Vercial Permitido o uso apenas para fins educacionais. Este material pode ser redistribuído livremente, desde

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16 Super é o meu primeiro livro escrito inteiramente em São Paulo, minha nova cidade. A ela e às fantásticas pessoas que nela vivem, o meu enorme obrigado. E esse livro, como toda ficção, tem muito de realidade.

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS Alice no País das Maravilhas Índice Capítulo Um Pela Toca do Coelho Abaixo 7 Capítulo Dois A Chave de Ouro 13 Capítulo Três O Mar de Lágrimas 19 Capítulo Quatro A História do Rato

Leia mais

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé MÚSICAS Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé Hino da Praznik Do Fá Gosto de aqui estar Sol Do E contigo brincar E ao fim vou arranjar

Leia mais

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai.

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai. Conto de Natal Já um ano havia passado desde o último Natal. Timóteo estava em pulgas para que chegasse o deste ano. Menino com cara doce, uma tenra idade de 10 aninhos, pobre, usava roupas ou melhor,

Leia mais

Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste. Introdução

Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste. Introdução Festa do Perdão Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste Cristo Jesus, tu me chamaste Eu te respondo: estou aqui! Tu me chamaste pelo meu nome Eu te respondo: estou aqui! Quero subir à montanha,

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho o príncipe lá de casa Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho e talvez queira outra vez um marido. Mas quando se tem um filho e já se teve um marido, um homem não nos serve exatamente para

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

Hamlet. William Shakespeare. É só o Começo. Coleção

Hamlet. William Shakespeare. É só o Começo. Coleção William Shakespeare Adaptação para neoleitores, a partir do original em inglês: Paulo Seben Revisão técnica: Pedro Garcez Supervisão: Luís Augusto Fischer Hamlet Versão adaptada para neoleitores a Coleção

Leia mais

Trabalho Individual. Sessão de Leitura da História O Pedro e o Lobo

Trabalho Individual. Sessão de Leitura da História O Pedro e o Lobo Trabalho Individual Sessão de Leitura da História O Pedro e o Lobo Destinatários Alunos com idades entre os cinco, seis anos a frequentar o Ensino Pré-Escolar pela terceira vez. Local da Sessão de leitura

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

ADORADOR X GUERREIRO

ADORADOR X GUERREIRO ADORADOR X GUERREIRO Texto Chave ISamuel 16:17-18 17 E Saul respondeu aos que o serviam: Encontrem alguém que toque bem e tragam- no até aqui. 18 Um dos oficiais respondeu: Conheço um filho de Jessé, de

Leia mais

Luís Norberto Pascoal

Luís Norberto Pascoal Viver com felicidade é sucesso com harmonia e humildade. Luís Norberto Pascoal Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. ISBN 978-85-7694-131-6 9 788576 941316 Era uma vez um pássaro que

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco!

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco! Paixão do Povo de Cristo x Paixão de Cristo Texto Base: provérbios 24.10 na Linguagem de Hoje: Quem é fraco numa crise, é realmente fraco. Na Bíblia A Mensagem : Quem Desiste num momento de crise é porque

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 No dia em que Iracema e Lipe voltaram para visitar a Gê, estava o maior rebuliço no hospital. As duas crianças ficaram logo

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

UNIFORMES E ASPIRINAS

UNIFORMES E ASPIRINAS SER OU NÃO SER Sujeito desconfiava que estava sendo traído, mas não queria acreditar que pudesse ser verdade. Contratou um detetive para seguir a esposa suspeita. Dias depois, se encontrou com o profissional

Leia mais

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa O GIGANTE EGOÍSTA Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa Todas as tardes, quando vinham da escola, as crianças costumavam ir brincar para o jardim do Gigante. Era um grande e belo jardim, todo atapetado

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Gratuidade com os outros

Gratuidade com os outros 2ª feira, dia 21 de setembro de 2015 Gratuidade com os outros Bom dia! Com certeza, todos nós já experimentamos como é bom brincar com amigos, como nos faz felizes trocar jogos e brinquedos, como sabe

Leia mais

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Bíblia para crianças apresenta AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto. Mateus 4, 1-11 Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.». Este caminho de 40 dias de jejum, de oração, de solidariedade, vai colocar-te

Leia mais

OS AMIGOS NÃO SE COMPRAM

OS AMIGOS NÃO SE COMPRAM OS AMIGOS NÃO SE COMPRAM Era o dia 22 de dezembro. O Natal aproximava-se e o Pai Natal estava muito atarefado a preparar os sacos com os brinquedos. Muito longe dali, em Portugal, um menino chamado João

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

- Estou à espera que apareça alguém para passar a Noite de Natal comigo. E o Burro disse ao seu Dono: - Como também estamos sozinhos podíamos

- Estou à espera que apareça alguém para passar a Noite de Natal comigo. E o Burro disse ao seu Dono: - Como também estamos sozinhos podíamos Um Natal Solidário Era uma vez Uns dias antes da Consoada de Natal, estava um Esquilo que vivia sozinho na floresta, a pensar Como é que vai ser o meu Natal? nisto sentiu o cheiro ao bacalhau e decidiu

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

LITERATURA COM CRIATIVIDADE....Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao Senhor? 1 Crônicas 29.

LITERATURA COM CRIATIVIDADE....Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao Senhor? 1 Crônicas 29. 1. APRESENTAÇÃO PESSOAL LITERATURA COM CRIATIVIDADE...Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao Senhor? 1 Crônicas 29.5 2. OBJETIVO Transformar vidas ensinando

Leia mais

GRITO CONTRA AS DROGAS

GRITO CONTRA AS DROGAS 7.º A GRITO CONTRA AS DROGAS As drogas são boas no início mas no fim, apanhas o vicio. Ficas intoxicado não te preocupes eu estou ao teu lado. Não tomes drogas ou ficas nas lonas não queiras ficar pedrado

Leia mais

PACIENTE DO OUTRO MUNDO

PACIENTE DO OUTRO MUNDO PACIENTE DO OUTRO MUNDO Os dois médicos conversavam e um queria ser mais importante que o outro. Diz o primeiro: O colega há de ouvir que eu sou realmente um grande cirurgião. Só pra você ter uma idéia,

Leia mais

O PROFETA ELISEU Lição 64. 1. Objetivos: Ensinar que mesmo quando a vida é difícil que nunca devemos perder nossa esperança se estamos em Cristo.

O PROFETA ELISEU Lição 64. 1. Objetivos: Ensinar que mesmo quando a vida é difícil que nunca devemos perder nossa esperança se estamos em Cristo. O PROFETA ELISEU Lição 64 1 1. Objetivos: Ensinar que mesmo quando a vida é difícil que nunca devemos perder nossa esperança se estamos em Cristo. 2. Lição Bíblica: 2 Reis 2, 4, 5 (Base bíblica para a

Leia mais

Só que tem uma diferença...

Só que tem uma diferença... Só que tem uma diferença... Isso não vai ficar assim! Sei. Vai piorar. Vai piorar para o lado dela, isso é que vai! Por enquanto, só piorou para o seu, maninho. Pare de me chamar de maninho, Tadeu. Você

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 E, virando- se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou- se da palavra do Senhor, como lhe havia

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

TUDO POR AMOR. Tudo por amor, divinal, infinita graça, salvou a todos nós! Jesus cumpriu o plano de amor, seu sangue, seu sofrer Foi tudo por amor!

TUDO POR AMOR. Tudo por amor, divinal, infinita graça, salvou a todos nós! Jesus cumpriu o plano de amor, seu sangue, seu sofrer Foi tudo por amor! TUDO POR AMOR A dor, o espinho vil, as lágrimas, o seu sofrer, o meu Senhor na cruz está. Não posso suportar! O que o fez se entregar, pagar o preço lá na cruz? Como um cordeiro foi morrer pra vir me resgatar!

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar

O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar Pedimos perdão pela sinceridade mas o manifesto vai mostrar que você foi totalmente iludida sobre o que um homem procura em uma mulher. E digo

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais