Os diálogos de Platão :

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os diálogos de Platão :"

Transcrição

1 A lenda de Platão, o filósofo grego, foi preservada por pastores egípcios desde o ano 400 a.c. Ela descreve dois diálogos que se referem a uma viagem de Sólon ao Egito, onde ele soube que os sacerdotes egípcios de Sais possuíam registros escritos sobre "uma ilha continental além das Colunas de Hércules chamada Atlântida, o centro de um grande e maravilhoso império" com uma grande população, cidades de telhados de ouro, frota e exércitos poderosos para invasão e conquistas. A Atlântida é descrita como uma civilização avançada, um império de engenheiros e cientistas, tão ou mais avançados tecnologicamente que a nossa civilização. Segundo a lenda, desapareceu há cerca de 12 mil anos em meio a enchentes e terremotos, forçando seus sobreviventes a se refugiarem por todo o mundo. Há séculos exploradores e cientistas buscam em vão esta civilização perdida. A maioria dos pesquisadores concorda com os estudos realizados no século XVII pelo padre Kircher, o qual afirmou que o continente desaparecido situava-se a oeste do estreito de Gibraltar, ou seja, submerso em algum lugar do Atlântico. Os diálogos de Platão : "Do litoral até o centro da ilha estendia-se uma planície, da qual dizem que teria sido a mais bela e melhor de todas. Perto daquela planície, mas, em direção ao centro, a uma distância de cerca de 50 estádios (= cerca de 90 quilômetros), havia uma montanha, de vertentes planas em todos os lados. Naquela montanha residia um homem, primitivamente brotado do solo, de nome Euenor, em companhia de sua mulher, Leucipa; eles tiveram uma só filha, de nome Clito. Quando a moça entrou na idade núbil, os pais faleceram. Posêidon enamorou-se dela e a ela se uniu. Ele separou, em todo o seu redor, a montanha, em cujo topo a moça morava, depois de tê-la firmemente cercado; para tanto, colocou em sua volta faixas pequenas e progressivamente maiores, de mar e de terra, duas de terra e três de água marinha, com a mesma distância entre uma e outra, em todos os pontos; destarte, a montanha, no centro da ilha, tornou-se inacessível às pessoas de fora, visto que, naquela época, ainda não havia navios, nem a navegação. Por sua vez, Posêidon instalou-se na ilha, situada no centro, com toda a facilidade de que dispunha em sua qualidade de deus, fazendo jorar da terra duas nascentes de água, uma fria, outra quente, e brotar do alimentos suficientes e em grande variedade. De filhos, ele gerou, por cinco vezes, irmãos gêmeos, que criou; depois de dividir toda a ilha de Atlântida em dez partes, deu ao primogênito do mais velho casal de gêmeos a morada materna e as terras que a rodeavam, as melhores e mais extensas, e o nomeou rei sobre os demais, que instituiu como arcontes, pois a cada um deles conferiu soberania sobre muitas pessoas e terras. Também deu nomes a todos; ao mais velho e rei atribuiu o nome que é de toda a ilha e do mar, que se chama de Atlântico, visto que o nome do primogênito, então rei, era Atlas. Ao nascido em segundo lugar, após aquele irmão gêmeo, deu o nome de Gadeiro, no vernáculo, e Eumelo, em idioma helênico; constituiu-o soberano das terras

2 situadas na extrema ponta da ilha, em direção das Colunas de Hércules, até as atuais terras de Gadeiro, denominadas segundo aquela região; provavelmente, derivam o seu nome daquele rei. Do segundo par de gêmeos, um chamou de Anferes e o outro de Euaimon; ao terceiro deu o nome de Mneseas, aquele que nasceu primeiro e de Autócton aquele que nasceu depois; com o quarto, deu o nome de Elasipo aquele que nasceu primeiro e de Mestor, ao que nasceu depois; enfim, com o quinto, deu o nome de Azaes ao que nasceu primeiro e de Diapapes, ao que nasceu depois. Esses, bem como seus descendentes, moravam lá, durante muitas gerações, como soberanos de numerosas ilhas no mar e, conforme já foi falado, de vastos territórios e grandes povos, de dentro, abrangendo o seu reino as terras que se estendem até o Egito e a Tirrênia. Atlas era o ancestral de uma estirpe numerosa e nobre e como sempre o filho mais velho transmitiu o reino ao mais velho dos seus descendentes, ela conservou o seu poder durante muitas gerações. Também possuiu riquezas em enorme abundância, superiores às existentes em qualquer outro reino do passado, contemporâneo ou futuro, pois, lá havia de tudo quanto pudesse vir a ser necessário, tanto nas cidades, quanto no resto do país. Muita coisa lhes veio de fora, a título de tributo, no entanto, em sua maior parte a própria ilha lhes garantiu seu sustento. Havia de todos os metais, a serem extraídos da terra, fossem sólidos ou fusíveis, inclusive aqueles tipos que hoje somente são conhecidos pelo nome, mas naquela época não eram um nome apenas, tais como o minério de ferro, obtido de depósitos encontrados em vários pontos da ilha e que, por muitas pessoas, era então o mais apreciado, depois do ouro. Havia grande abundância de tudo quanto a floresta produz para a atividade artesanal, bem como para a alimentação de animais domésticos e selvagens; lá existiu também a espécie dos elefantes, proliferando em grande número. Pois além das extensas pastagens para todos os animais que vivem nos pântanos, nas lagoas, nos lagos, tanto nas montanhas, como nas planícies, havia sustento também para aquela espécie que, por sua natureza, é a maior em tamanho e consome maior quantidade de alimento. Outrossim, a ilha deu e manteve, perfeitamente, tudo quanto a terra produz de aromático, fossem raízes, ervas, árvores, rezinas, flores ou frutos. Produziu, igualmente o fruto doce (banana) e o fruto seco (trigo), que nos serve de alimento, bem como todos os demais para os nossos pratos de comida, que genericamente chamamos de verdura e o fruto que cresce igual a uma árvore e fornece bebida, comida e óleo de unção (coqueiro). Ainda deu as frutas de pomar, de difícil conservação, criadas para nosso divertimento e nossa recreação, mais todas as frutas a serem servidas de sobremesa, para excitar os apetites já saciados de pessoas cansadas de comer. Tudo isto houve em quantidades enormes naquela ilha que, a seu tempo, se estendeu divina, bela e admirável debaixo das luzes de Hélio. Conquanto a terra proporcionasse tudo a seus habitantes, esses ergueram templos e palácios reais e portos e estaleiros e construíram todo o seu país, procedendo da seguinte maneira : Começaram por colocar pontes sobre os círculos de água, envolvendo o centro primitivo, a fim de estabelecer um

3 caminho de acesso ao palácio real. Todavia, logo de início, ergueram o palácio real no local da morada da deusa Clito e de seus antepassados, que passou de descendente a descendente, com cada um esforçando-se para superar seu antecessor no embelezamento do palácio, até torná-lo notável, pela grandiosidade e beleza de suas obras. Abriram um canal, a partir do mar, de 3 pletros (= cerca de 90 metro) de largura, 100 pés (= cerca de 30 metros) de profundidade e 30 estádios (= cerca de 90 quilômetros) de comprimento; este canal estendia-se até o aterro mais avançado e abria uma entrada para a passagem de navios; destarte, possibilitaram a navegação e fizeram entrar os barcos naquele local, como se fosse um estuário. E, da mesma forma, perfuraram também os aterros entre os círculos de água, em direção das pontes, o suficiente para uma embarcação passar de um para outro; essas passagens cobertas eram para as embarcações passarem por baixo, pois, para tanto, os aterros tinham altura suficiente. Todavia, o maior dos círculos de água, no qual penetravam as ondas do mar, tinha a largura de 3 estádios (= 540 metros) e o aterro contíguo era dessa mesma largura; os dois próximos círculos de água tinham a largura de 2 estádios (= 360 metros) e o aterro circundante era dessa mesma largura. O círculo de água envolvendo a ilha situada no centro era da largura de um estádio (= 180 metros), enquanto que a ilha com o palácio real tinha o diâmetro de 5 estádios (= cerca de 900 metros). A exemplo dos círculos de água e da ponte, uma muralha de pedra cercava essa ilha central, de um pletro (= cerca de 30 metros) de largura; em toda a circunferência, essa muralha era guarnecida de torres e havia portas nas pontes, dando para o mar. Ademais, eles escavaram a rocha debaixo da ilha, situada no meio do círculo de água, bem como debaixo das áreas externas e interna dos aterros. As pedras escavadas eram, ora vermelhas, ora pretas, e no interior das escavações instalaram estaleiros duplos, protegidos pela própria rocha. Ergueram edifícios de uma só cor, bem como coloridos, jogando com os diversos tipos de pedras, misturando-as e ressaltando as suas belezas naturais. A muralha ao redor do extremo círculo de água era revestida de ferro, que, para tanto tornaram líquido, igual ao óleo de unção; a muralha interna era banhada de zinco e às muralhas em volta do palácio deram um revestimento feito de minério bruto e brilhando como o fogo. No âmbito da acrópole, o palácio real tinha a seguinte distribuição : no centro estava o templo, consagrado a Posêidon e Clito, a cujo interior o povo não tinha acesso. Esse templo era cercado por grades de ouro e erguido no local onde a geração primitiva dos dez filhos reais foi concebida e dada à luz. Anualmente, para lá eram levados os sacrifícios rituais devidos aos dois ancestrais e provenientes de todas as dez regiões do país. O próprio templo de Posêidon tinha um estádio (= 180 metros) de comprimento, 3 pletros (= 30 metros) de largura e altura proporcional a essas dimensões; e efígie do deus era de aparência algo bárbara. Em toda a sua parte externa, o templo era revestido de zinco, excentuando-se as torres, cujo revestimento era de ouro. No interior do templo, o forro, de marfim, era decorado em ouro, prata e minério bruto; tudo o mais, as paredes,

4 colunas, os pisos, eram revestidos de minério bruto. Lá também ergueram estelas de ouro, representando a deidade, dentro de uma carruagem, guiando seis cavalos alados e tocando com a cabeça no teto. Centenas de nereidas, montadas em golfinhos, cercavam a divindade, pois naquela época as pessoas acreditavam que existisse em tal número. Além destas, havia ainda muitas outras estelas, doadas por cidadãos. Na parte externa do templo, imagens douradas mostravam toda a descendência real, as mulheres e todos aqueles que nasceram da primitiva dezena de reis, bem como cidadãos, moradores da própria cidade e outras pessoas, de fora, seus súditos e vassalos. Também o altar correspondia em suas dimensões e na execução à grandiosidade das obras, em seu conjunto. O palácio real possuía mobiliário e ornamentos, condizentes com a imponência do reino e a pompa do templo. As nascentes, uma de água fria e outra de água quente - que tanto davam água em abundância, quanto, por sua natureza e graças à sua conveniência e excelência, se prestavam otimamente bem para o uso - eram aproveitadas da seguinte maneira : em toda a sua volta construíram casas, fizeram culturas de algodão, bem irrigadas e instalaram reservatórios de água; alguns desses reservatórios ficavam sob o céu aberto, outros em área coberta, servindo para banhos quentes durante o inverno. Havia banhos reservados à família real, aos cidadãos, às mulheres e ainda bebedouros para os cavalos e demais bestas de carga, ficando cada grupo com as suas respectivas instalações. As águas filtradas eram captadas e levadas para o bosque de Posêidon, onde, graças à excelência do solo, havia várias espécies de árvores, de grande beleza e altura; de lá eram levadas por, por canais, até os extremos círculos de água, perto das pontes. Naquele local tanto havia numerosos santuários, consagrados às várias deidades, quanto jardins e ginásios de esportes reservados tanto para homens quanto para cavalos; todas essas obras e instalações encontravam-se sobre os dois aterros, formando uma ilha. No centro do aterro maior, havia, entre outros, uma formidável pista de corrida de cavalos, da largura de um estádio (= 180 metros), acompanhando a muralha circular em toda a sua extensão. De ambos os lados dessa pista ficavam as casas dos lanceiros, conforme o seu número. Os homens de maior confiança eram encarregados da guarda do círculo interno, mais próximo do palácio; outros, cuja fidelidade comprovadamente superava a de todos os demais, ficavam no interior do palácio, onde moravam. Os estaleiros estavam repletos de embarcações, amplamente guarnecidas de todos os equipamentos necessários. A resistência do rei era instalada assim : depois de passar pelos três círculos de água, externos, chegava-se a uma muralha que se erguia do mar, a uma distância de 50 estádios (= cerca de 9 quilômetros) do extremo círculo de água externo; essa muralha evoluía em um círculo e, neste mesmo espaço, envolvia a foz do canal, no mar. Toda essa área era densamente povoada, repleta de casas residenciais, enquanto que a praça de embarque e desembarque e o grande porto mal conseguiam conter o número de navios e mercadores, provenientes de todas as partes, que, com seus gritos, sua balbúrdia e seu constante vaivém, causavam intenso movimento, dia e noite.

5 Destarte, a cidade e o recinto da antiga residência era assim, como outrora foram descritos e ora são relembrados. Agora, cumpre tentar fazer o relato das condições físicas, naturais daquele país e de sua distribuição interna. Em primeiro lugar, toda aquela área descrita como subindo, ímgreme, do mar e atingindo grande altitude. Toda a planície ao redor da cidade, por ela envolvida, teria sido cercada por montanhas, que se estendiam até o mar; essa região plana, de forma oval, cobria uma superfície que, em uma das direções, era de estádios (= cerca de 540 quilômetros) e em direção transversal, subindo do mar, media estádios (= cerca de 360 quilômetros); ficava aberta para o sul, mas, ao norte, era protegida contra os ventos. Na época, as montanhas circundando essa planície eram muito elogiadas, pois em quantidade, proporções e beleza ultrapassavam as atualmente conhecidas e ainda por abrigarem, além de numerosos sítios densamente povoados, rios, lagos e prados, oferecendo pasto a animais selvagens e domésticos, bem como extensas e espessas matas, com as mais variadas espécies de árvores, fornecendo matéria prima para obras de todos os tipos, em geral e em particular. Era então a seguinte a constituição física daquela planície, conforme ficou conservada durante muito tempo, no reinado de muitos reis. O esquema primitivo era um quadrilátero alongado, em grande parte cortado por valas e o que faltava era completado, seguindo o percurso da vala circundante. Quanto à sua profundidade, largura e seu comprimento, embora parecessem inacreditáveis os dados fornecidos, lá deve ter havido, entre outros trabalhos, uma obra de enormes dimensões, feita pela mão do homem. Pois bem, mas cumpre contar o que ouvimos falar a respeito. A vala teria tido um pletro (= cerca de 30 metros) de profundidade, um estádio (= 180 metros) de largura, em toda a sua extensão e, como envolvia a planície inteira, seu comprimento teria sido de estádios (= cerca de quilômetros). Naquela vala eram captados os rios que desciam as vertentes das montanhas e como ela circundava toda a planície e atingia a cidade de ambos os lados, fazia com que suas águas escoassem no mar. Dessa vala gigante, canais retos, geralmente de 30 metros, aproximadamente, de largura, saíam de sua parte superior, adentrando a planície e voltando para o trecho que levava ao mar; a distância entre esses canais era de 100 estádios (= cerca de 18 quilômetros). Desta maneira, transportavam a madeira das montanhas para a cidade, bem como todos os demais produtos da estação, que carregavam em veículos, depois de terem completado o sistema de ligações transversais entre os canais e a cidade. E faziam duas colheitas por ano; no inverno usavam a água de Zeus, no verão a água da qual a terra necessitava e que veio pelos canais. O contingente dos homens aptos para a guerra e que moravam na planície, era determinado na medida em que cada clero apresentava um capitão; cada clero era de dez vezes dez estádios (= cerca de quilômetros) e todos os cleros juntos, somavam sessenta mil; os habitantes das montanhas e do resto do país eram dados como representando uma enorme massa popular; porém, segundo seus povoados e sítios, naqueles cleros, todos eles estavam subordinados aos respectivos capitães. Outrossim, ficou determinado

6 que, em caso de guerra, o capitão tinha de fornecer a sexta parte de uma carruagem de guerra, ou seja, ao todo dez mil, dois cavalos com cavaleiros, um carro puxado por dois cavalos, sem assento, levando um guerreiro, que dele descia, ao entrar em combate e mais de um homem para montar o cavalo, três homens fortemente armados, com dois arqueiros e arremessadores, mais três arremessadores de pedras e lanças, portando armas leves, para cada um dos mencionados em primeiro lugar, bem como quatro barqueiros para a tripulação de navios de guerra. Era esta a organização militar do reino; quanto aos demais nove reinos, com cada um diferente do outro, iria muito longe e levaria muito tempo descrevê-los aqui. Desde o início, a administração civil e os cargos honoríficos eram organizados da seguinte maneira : cada um dos dez reis governava a parte do reino que lhe coube; ele instituía a maioria das leis, punia e matava conforme a sua vontade. Todavia, a soberania e comunidade entre os dez reis eram sujeitas à vontade de Posêidon, conforme rezam a lei e a inscrição, gravadas pelos ancestrais primitivos em uma coluna de minério bruto, que se ergue na ilha, no santuário de Posêidon. Para lá dirigiam-se a cada quinto, alternadamente, cada sexto ano, a fim de ser proporcionado ensejo de participação ao número par e ímpar. Nessas reuniões deliberavam a respeito de assuntos comunicatórios e examinavam, se alguém transgredia a lei, para, em caso positivo, puní-lo. Quando estavam para realizar julgamento, os reis se davam, mutuamente, a seguinte garantia prévia : como, no santuário de Posêidon pastavam livremente touros em número de dez, os reis, após invocação da divindade, rogando para que conseguissem pegar o seu touro, começavam a caçada, usando tão somente paus e cordas, abstendo-se de usar o ferro. O touro que pegavam, era levado para a coluna e ali sacrificado, sobre a inscrição. Além de na coluna terem sido inscritas as leis, lá ainda estava gravado um juramento, pronunciando duras maldições para os reis desobedientes. Depois de terem oferecido em sacrifício todos os membros do touro, conforme o ritual prescrito em suas leis, enchiam um caldeirão e nele colocavam uma gota de sangue coalhado para cada rei presente, enquanto que, ao limparem a coluna em toda a sua volta, jogavam na fogueira os demais restos do animal sacrificado. Em seguida, pegavam cálices de ouro, que enchiam com o líquido do caldeirão, para com ele regarem a fogueira, enquanto juravam passar julgamento, conforme as leis inscritas na coluna e punir a quem tivesse transgredido qualquer dos mandamentos, durante o período do tempo em apreço, bem como jamais no futuro transgredi-los por livre vontade, e de não governar, nem obedecer a outro soberano, se não fossem observadas as leis do pai. Após a cerimônia, durante a qual cada rei prestava juramento para si próprio e seus descendentes, bebia da mistura do caldeirão e depositava o cálice no santuário de Posêidon, eles faziam a sua refeição e ocupavam-se de outras coisas necessárias. Quando descia a noite, envolvendo tudo em seu manto de escuridão e os fogos dos sacrifícios estavam para extinguir-se, os reis presentes vestiam trajes de cor azul-marinha, escura, de extrema e rara beleza. De noite, sentados no chão, envoltos pelo brilho dos fogos de sacrifício, perante os quais haviam acabado de prestar

7 juramento, aguardavam pela extinção de todos os fogos no santuário; em seguida, os reis julgavam-se, mutuamente, quando alguém era acusado de ter transgredido a lei. Ao raiar o dia, inscerviam a sentença em uma lápide de ouro, a qual, junto com seus trajes, era guardada em memória do julgamento. Além dessas, havia muitas outras leis, regendo os deveres reais, cujos objetivos principais eram os de jamais os reis guerrearem entre si, mas sim se prestarem auxílio mútuo, quando, em qualquer um dos reinos, alguém procurasse aniquilar a estirpe real e, a exemplo dos seus ancestrais, sempre tomavam em conjunto todas as resoluções referentes a guerras e outras empresas, ficando em todos os instantes, a supremacia absoluta reservada à nobre estirpe atlântida. Outrossim, nenhum rei teria o poder de vida e morte sobre qualquer um dos seus parentes, a não ser que mais da metade dos dez soberanos concordasse com uma respectiva deliberação. Este poder de tamanha magnificência e substância, que então reinava naquelas terras, foi ali instituído pelo deus, pelas seguintes razões, conforme dizem : durante muitas gerações, enquanto a natureza divina ainda estava ativa no seu coração, os reis obedeceram às leis e demonstraram comportamento amigável para com os seus parentes divinos. Pois eram de índole verdadeiramente magnânima, reunindo a mansidão com a superioridade, conforme o provaram em casos de acidentes, bem como, no trato mútuo e, por causa disto, deram pouco valor a tudo o mais, exceto à capacidade individual e consideraram a existência da grande abundância de ouro e outras riquezas tão somente como se fosse uma carga a levar, sem que, ébrios de excessos devido às suas posses, perdessem o autocontrole e caíssem em erro; mas sim, com toda a sobriedade souberam avaliar justamente que tudo aquilo somente floresceu devido à amizade recíproca, aliada à capacidade individual, porém ficaria arruinado com a ânsia da cobiça e a supervalorização, o que faria com que a amizade caducasse junto com a capacidade. Graças a essa mentalidade e à ação contínua da natureza divina, com eles tudo progrediu e saiu-se bem, conforme acabamos de relatar. Todavia, quando, aos poucos, a sua natureza divina ficou debilitada, por causa da frequente mistura do seu sangue com o sangue de muitos mortais e a natureza humana chegou a neles prevalecer, então começaram a revelar-se incapazer de conviver com as suas riquezas e se tornaram de índole má. Aos olhos de pessoas capazes de entendê-los, eles eram cheios de vícios, pois tiveram a sanha de destruir as mais belas entre as coisas mais valiosas; no entanto, para os outros, incapazes de conceber uma vida dirigida para a verdadeira felicidade, os reis eram tanto mais perfeitos e felizes quanto mais obcecadamente e com maior ânsia injustificada procuraram proveitos e poderes. Contudo, o deus dos deuses, Zeus, que rege segundo as leis eternas e perfeitamente reconheceu o estado lastimável em que se encontrou essa estirpe, outrora tão capaz, resolveu castigá-la e, para tanto, convocou todas as deidades, em sua morada sublime, situada no centro do cosmo, de onde se avista tudo que, no decorrer dos tempos, participou do processo de evolução e quando lá estavam reunidos, ele falou..."

8 O diálogo termina aqui.

De Creta a Micenas. As Origens do Mundo Grego

De Creta a Micenas. As Origens do Mundo Grego De Creta a Micenas As Origens do Mundo Grego 1 O início da História Entre os séculos XX a.c. e XVI a.c., floresceu em Creta, a maior ilha do Mediterrâneo, uma brilhante civilização, que influenciou a desenvolvida

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

Para onde vou Senhor?

Para onde vou Senhor? Para onde vou Senhor? Ex 40:33-38 "Levantou também o pátio ao redor do tabernáculo e do altar e pendurou a coberta da porta do pátio. Assim, Moisés acabou a obra. Então a nuvem cobriu a tenda da congregação,

Leia mais

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA PARA O HISTORIADOR GREGO HERÓDOTO: O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO DÁDIVA = PRESENTE SIGNIFICADO = Sem as cheias do Nilo, o Egito seria um grande deserto PARA O HISTORIADOR FRANCÊS JEAN

Leia mais

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 12/5/2010 PROVA GRUPO GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

MESOPOTÂMIA. TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive

MESOPOTÂMIA. TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive MESOPOTÂMIA TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive ASPECTOS FÍSICOS Os dois rios mais importantes são o Tigre e o Eufrates. Localiza-se, predominantemente, no Crescente Fértil, onde hoje está o Iraque. Possui precárias

Leia mais

OS LEVITAS Dicionário Internacional de Teologia Novo Testamento,

OS LEVITAS Dicionário Internacional de Teologia Novo Testamento, OS LEVITAS Vamos ao um breve estudo sobre os levitas, que há muito tempo, nas igrejas evangélicas e até mesmo nos templos católicos, é um título dado aos instrumentistas e cantores. Biblicamente falando,

Leia mais

A ÁGUA FACTOR DE CIVILIZAÇÃO

A ÁGUA FACTOR DE CIVILIZAÇÃO ÁREA ESCOLA HISTÓRIA 1992/1993 MEMÓRIAS DOS ALUNOS E PROFESSORES DO 7º ANO QUE ESTIVERAM ENVOLVIDOS NO PROJECTO A ÁGUA FACTOR DE CIVILIZAÇÃO INDICE 1 PROJECTO 2 TEXTO MOTIVAÇÃO 3 SOCIEDADES RECOLECTORAS

Leia mais

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano.

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano. Trabalho realizado por: Luís Bernardo nº 100 8ºC Gonçalo Baptista nº 275 8ºC Luís Guilherme nº 358 8ºC Miguel Joaquim nº 436 8ºC Índice; Introdução; As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

2) (PUC-Camp) Uma pessoa encontra-se num ponto A, localizado na base de um prédio, conforme mostra a figura adiante.

2) (PUC-Camp) Uma pessoa encontra-se num ponto A, localizado na base de um prédio, conforme mostra a figura adiante. ATIVIDADES PARA RECUPERAÇÃO PARALELA - MATEMÁTICA PROFESSOR: CLAUZIR PAIVA NASCIMENTO TURMA: 9º ANO REVISÃO 1) (Cesesp-PE) Do alto de uma torre de 50 metros de altura, localizada numa ilha, avista-se a

Leia mais

Unidade. 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO

Unidade. 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO I Unidade 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO UNIDADE I: A VIDA EM NOSSO PLANETA Introdução A ciência se faz com observação da natureza, perguntas e busca de respostas. Você já observou como o Planeta Terra

Leia mais

A PRÉ-HISTÓRIA. Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita.

A PRÉ-HISTÓRIA. Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita. A PRÉ-HISTÓRIA Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita. PERÍODO PALEOLÍTICO OU IDADE DA PEDRA LASCADA No começo de sua trajetória, o homem usou sobretudo a pedra (além do

Leia mais

A propagação das ondas marítimas e dos tsunami

A propagação das ondas marítimas e dos tsunami A propagação das ondas marítimas e dos tsunami Prof. Fernando Lang da Silveira Instituto de Física da UFRGS http://textos/ondas_tsunami.pdf Tsunami onda(s) de porto em japonês - é uma palavra que designa

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq Introdução a análise Histórica Feudalismo Fernando Del pozzo hjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxc

Leia mais

Carta do Chefe índio Seattle ao Grande Chefe de Washington, Franklin Pierce, em 1854, em resposta à proposta do Governo norte-americano de comprar grande parte das terras da sua tribo Duwamish, oferecendo

Leia mais

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar A U A U L L A Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar o lugar em que vivemos na superfície da Terra. Vamos verificar que os lugares são agrupados em grandes conjuntos chamados de continentes,

Leia mais

CAPÍTULO 06 - MESOPOTÂMIA. A palavra Mesopotâmia vem do grego e significa entre rios.

CAPÍTULO 06 - MESOPOTÂMIA. A palavra Mesopotâmia vem do grego e significa entre rios. CAPÍTULO 06 - MESOPOTÂMIA A palavra Mesopotâmia vem do grego e significa entre rios. INTRODUÇÃO É uma faixa de terra cortada por dois grandes rios: o Tigre e o Eufrates; Fica situada entre a Europa, a

Leia mais

História: Vocês querem que eu continue contando a história do Natal? Maria e José seguiam para Belém,

História: Vocês querem que eu continue contando a história do Natal? Maria e José seguiam para Belém, Data: 13/12/2015 Texto Bíblico: Lucas 2:7; 8-20 e Mateus 2:1-12 Versículo para memorizar: Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu seu único Filho, para que todo aquele que Nele crê não morra,

Leia mais

MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37

MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37 MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37 1 1. Objetivos: Ensinar que quando Moisés aproximou-se de Deus, os israelitas estavam com medo. Ensinar que hoje em dia, por causa de Jesus, podemos nos sentir perto de Deus

Leia mais

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43 O Gotinhas 43 Era uma vez um País feito de nuvens. Ficava no cimo de uma enorme montanha impossível de expugnar. Lá viviam muitos meninos. Cada um tinha a sua própria nuvem. Uma enorme cegonha do espaço

Leia mais

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.:

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Como o relevo

Leia mais

Biomas Brasileiros. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Fevereiro/2015

Biomas Brasileiros. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Fevereiro/2015 Biomas Brasileiros Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Fevereiro/2015 Bioma Bioma é um conjunto de diferentes ecossistemas, que possuem certo nível de homogeneidade. O termo "Bioma" (bios, vida, e oma,

Leia mais

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17)

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) Tivemos esta manhã a alegria de testemunhar vários baptismos bíblicos. Existem outras coisas e outras cerimónias às quais se dá o nome de baptismo. Existe até uma seita,

Leia mais

Non Nobis Domine, Non Nobis, Sed Nomini Tuo ad Gloriam! ( Não por nós Senhor, não por nós, mas para a glória de Teu nome! )

Non Nobis Domine, Non Nobis, Sed Nomini Tuo ad Gloriam! ( Não por nós Senhor, não por nós, mas para a glória de Teu nome! ) TEMPLÁRIOS Non Nobis Domine, Non Nobis, Sed Nomini Tuo ad Gloriam! ( Não por nós Senhor, não por nós, mas para a glória de Teu nome! ) No ano 1071 os turcos mulçumanos tomaram Jerusalém. Na Europa, a Igreja

Leia mais

Outra grande civilização da Antiguidade oriental, em que o Estado possui grande poder e controle sobre tudo foi a Mesopotâmia.

Outra grande civilização da Antiguidade oriental, em que o Estado possui grande poder e controle sobre tudo foi a Mesopotâmia. Mesopotâmia Antiga Outra grande civilização da Antiguidade oriental, em que o Estado possui grande poder e controle sobre tudo foi a Mesopotâmia. Diferente do Egito, a Mesopotâmia nunca se preocupou com

Leia mais

Porque Deus mandou construir o tabernáculo?

Porque Deus mandou construir o tabernáculo? Aula 39 Área da Adoração Êxodo 19:5~6 Qual o significado de: vós me sereis reino sacerdotal? Significa que toda a nação, não parte, me sereis reino sacerdotal, povo santo, nação santa. Israel era uma nação

Leia mais

ARTE NO EGITO ANTIGO

ARTE NO EGITO ANTIGO ARTE NO EGITO ANTIGO Ao longo do rio Nilo e principalmente na região norte - o Delta - ; e na região sul dos rios Eufrates e Tigre, desenvolveram-se as primeiras civilizações. No Egito desenvolveu-se um

Leia mais

A arte na Grécia. Capítulo 3

A arte na Grécia. Capítulo 3 A arte na Grécia Capítulo 3 Por volta do século X a. C, os habitantes da Grécia continental e das ilhas do mar Egeu formavam pequenas comunidades, distantes umas das outras, e falavam diversos dialetos.

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

ÁGUA: COMO ECONOMIZAR PARA NÃO MORRER DE SEDE!

ÁGUA: COMO ECONOMIZAR PARA NÃO MORRER DE SEDE! ÁGUA: COMO ECONOMIZAR PARA NÃO MORRER DE SEDE! Prof. Dr. Adilson Roque dos Santos Doutor em Ecologia UERJ Email: adilsonroquesantos@gmail.com adilson.roque@uol.com.br CARACTERÍSTICAS A Água Água e História

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

A Terra, um planeta único a proteger. Introdução

A Terra, um planeta único a proteger. Introdução A Terra, um planeta único a proteger Introdução A Terra não é apenas o nosso planeta, ela constitui a nossa única possibilidade de vida, ela é a herança para os nossos filhos e netos. A Terra, com a sua

Leia mais

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Bíblia para crianças apresenta AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

MITO: vem do vocábulo grego mythos, que significa contar ou narrar algo.

MITO: vem do vocábulo grego mythos, que significa contar ou narrar algo. ORIGEM DA FILOSOFIA Nasce no século VI a.c., em Mileto (cidade situada na Jônia, região de colônias gregas na Ásia menor). Filosofia representa a passagem do saber mítico (alegórico, fantástico, fantasioso)

Leia mais

Septuaginta: As lendas dos crentes

Septuaginta: As lendas dos crentes Septuaginta: As lendas dos crentes A Septuaginta é uma lenda, assim como a Caipora 1, boi tatá 2, mula sem cabeça 3, negrinho do pastoreio 4, cobra grande 5 e saci pererê 6. Os crentes ignoram que muitas

Leia mais

A CIDADE-ESTADO ESTADO GREGA ORIGEM DAS PÓLIS GREGAS Causas geomorfológicas A Grécia apresenta as seguintes características: - Território muito montanhoso; na Antiguidade, as montanhas estavam cobertas

Leia mais

O fascínio por histórias

O fascínio por histórias O fascínio por histórias Contadores de histórias Histórias que Jesus contou... Significado de Parábola: s.f. Comparação desenvolvida em pequeno conto, no qual se encerra uma verdade, um ensinamento. Trata-se

Leia mais

Idade dos Metais. Mariana Antunes Vieira. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons.

Idade dos Metais. Mariana Antunes Vieira. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. Mariana Antunes Vieira Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by/2.5/br/ A Idade

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

IATE TAMARIND 7 DIAS E 6 NOITES

IATE TAMARIND 7 DIAS E 6 NOITES 7 DIAS E 6 NOITES Breve introdução CONCEITO O itinerário de 7 dias e 6 noites é para aqueles que desejam explorar uma das regiões mais belas do nosso litoral a bordo de um iate clássico e luxuoso. Boa

Leia mais

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele.

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele. 1 Marcos 3:13 «E (Jesus) subiu ao Monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades

Leia mais

... VEM O FIM, O FIM VEM SOBRE OS QUATRO CANTOS DA TERRA. (Ezequiel 7: 2)

... VEM O FIM, O FIM VEM SOBRE OS QUATRO CANTOS DA TERRA. (Ezequiel 7: 2) ASSIM DIZ O SENHOR... ... VEM O FIM, O FIM VEM SOBRE OS QUATRO CANTOS DA TERRA. (Ezequiel 7: 2)... OS CÉUS PASSARÃO COM GRANDE ESTRONDO, E OS ELEMENTOS ABRASADOS SE DESFARÃO, E A TERRA E AS OBRAS QUE NELA

Leia mais

Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO

Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO Versículo para Decorar: 1 Toda vez que o arco-íris estiver nas nuvens, olharei para ele e me lembrarei da aliança eterna

Leia mais

Na Mesopotâmia: nossas raízes

Na Mesopotâmia: nossas raízes A U A UL LA Na Mesopotâmia: nossas raízes Você já leu algum horóscopo, desses que são publicados em jornais e revistas? Esse costume de consultar os astros é muito antigo e surgiu na Mesopotâmia - a chamada

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

APARECIDA DE GOIÂNIA, DE DE 2016

APARECIDA DE GOIÂNIA, DE DE 2016 APARECIDA DE GOIÂNIA, DE DE 2016 ALUNO(A) : SÉRIE: 6º ano TURNO: Matutino PROFESSOR(A): Lindinaldo Torres Lista de Ciências 1º Bimestre Questão 1- A devastação da Mata Atlântica teve início quando: Data

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

Luís Norberto Pascoal

Luís Norberto Pascoal Viver com felicidade é sucesso com harmonia e humildade. Luís Norberto Pascoal Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. ISBN 978-85-7694-131-6 9 788576 941316 Era uma vez um pássaro que

Leia mais

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA INTRODUÇÃO A História da Educação Física relaciona-se com todas as ciências que estudam o passado e o presente das atividades humanas e a sua evolução. O homem, condicionado

Leia mais

SALTO PARA O PASSADO

SALTO PARA O PASSADO SALTO PARA O PASSADO WAGNER LUIZ MARIN SALTO PARA O PASSADO 1ª edição São Paulo Edição do Autor 2013 Agradeço a Suzana, Felipe, Raquel e André que pacientemente leram, por diversas vezes, as várias versões

Leia mais

Três importantes invenções

Três importantes invenções Três importantes invenções Por Pedro Varanda Para mim o fogo foi a maior conquista do ser humano na pré-história. A partir desta conquista o homem aprendeu a utilizar a força do fogo em seu proveito, extraindo

Leia mais

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias?

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias? O Mistério dos Maias O que aconteceu com os Maias? O que aconteceu com os Maias? A cultura dos Maias do Período Clássico era muito avançada. A sociedade Maia era muito estável. Eles desenvolveram arte,

Leia mais

A NUVEM. O Sétimo Anjo

A NUVEM. O Sétimo Anjo A NUVEM O Sétimo Anjo PARADO NA BRECHA 1963 - Jeffersonville - Indiana - E.U.A. - Tradução: GO 82 E agora, eu não sabia naquela época, que eles estavam tirando fotos daquilo, os cientistas que estavam

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Período: Matutino. 1º semestre/2012. Professora: Giovana Barbosa de Souza. Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo

Período: Matutino. 1º semestre/2012. Professora: Giovana Barbosa de Souza. Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo Memórias de um Grupo 4 Período: Matutino 1º semestre/2012 Professora: Giovana Barbosa de Souza Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo Alimenta o fogo atormenta o mar arrepia o corpo joga

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA

MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA Patrocínio: Apoio: A SERRA DA BODOQUENA SURGIMENTO Entre 580 e 540 milhões de anos, havia um supercontinente na Terra chamado de Rodínia. Nos oceanos

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA 1ºA - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS A

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

Poluição do rio Tietê

Poluição do rio Tietê Poluição do rio Tietê Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente / Terra e Universo Tema Água e vida; uso dos recursos naturais / a ocupação do espaço e suas consequências / desequilíbrio ambiental / desenvolvimento

Leia mais

CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE OCIDENTAL GRÉCIA ROMA

CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE OCIDENTAL GRÉCIA ROMA CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE OCIDENTAL GRÉCIA ROMA Atualmente Grécia = capital ATENAS Idioma = Grego Forma de Governo = República Helênica Península Peni = quase Ínsula = ilha Península é uma porção de

Leia mais

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

Antiguidade século IV. Arte Bizantina

Antiguidade século IV. Arte Bizantina Antiguidade século IV Arte Bizantina Na Antiguidade, além da arte Egípcia e Grega, também encontram-se a Romana, Paleocristã e Bizantina... Enquanto os romanos desenvolviam uma arte colossal e espalhavam

Leia mais

DESPREZO PELA IGREJA PROJETO NEEMIAS 2 EFÉSIOS 3.20-21

DESPREZO PELA IGREJA PROJETO NEEMIAS 2 EFÉSIOS 3.20-21 CELEBRANDO A GRAÇA EFÉSIOS 3.20-21 20 Àquele que é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós, 21 a ele seja a glória na igreja e

Leia mais

Matemática. Atividades. complementares. ENSINO FUNDAMENTAL 7- º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 7. uso escolar. Venda proibida.

Matemática. Atividades. complementares. ENSINO FUNDAMENTAL 7- º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 7. uso escolar. Venda proibida. 7 ENSINO FUNDAMENTAL 7- º ano Matemática Atividades complementares Este material é um complemento da obra Matemática 7 Para Viver Juntos. Reprodução permitida somente para uso escolar. Venda proibida.

Leia mais

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO 1 Nome: nº Data: / /2012 ano bimestre Profa.: Denise Lista de Recuperação de Arte 6º ANO Nota: 1) A arte fez parte da vida do homem desde a pré-história ( período anterior ao surgimento da escrita ) que

Leia mais

Acostumando-se com os Milagres

Acostumando-se com os Milagres Acostumando-se com os Milagres Ap. Ozenir Correia 1. VOCÊ NÃO PERCEBE O TAMANHO DO MILAGRE. Enxame de moscas Naquele dia, separarei a terra de Gósen, em que habita o meu povo, para que nela não haja enxames

Leia mais

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e 1 Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e muito atuais. Em primeiro lugar, gostaríamos de dizer

Leia mais

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR Numa bela manhã, nasceram seis lindos patinhos que encheram de encanto seus pais. Eram amarelinhos e fofinhos. Um dos patinhos recebeu o nome de Taco. Mamãe e papai estavam muito felizes com seus filhotes.

Leia mais

A VIDA DO REI SALOMÃO

A VIDA DO REI SALOMÃO Momento com Deus Crianças de 09 a 11 anos NOME: DATA: 17/08//2014 A VIDA DO REI SALOMÃO Versículos para Decorar: 1 - Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá livremente,

Leia mais

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Cidadania Democracia Filosofia Geometria Teatro Período Pré-Homérico (2800 1100 a. C.) povoamento da Grécia. Período Homérico (1100 800 a. C.) poemas

Leia mais

"Ajuntai tesouros no céu" - 3

Ajuntai tesouros no céu - 3 "Ajuntai tesouros no céu" - 3 Mt 6:19-21 Como já vimos nas mensagens anteriores, Jesus queria que os seus discípulos tivessem seus valores alinhados aos valores do seu Reino, ou seja, os discípulos de

Leia mais

Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG

Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MESOPOTÂMIA As primeiras cidades se formaram justamente na região onde a agricultura começou a se desenvolver: no Oriente

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Nome: Olá, amiguinho! Já estamos todos encantados com a sua presença aqui no 4 o ano. Vamos, agora, ler uma história e aprender um pouco

Leia mais

Curso de Umbanda EWÁ

Curso de Umbanda EWÁ Curso de Umbanda EWÁ Também conhecida como Ìyá Wa. Assim como Iemanjá e Oxum, também é uma divindade feminina das águas e, às vezes, associada à fecundidade. É reverenciada como a dona do mundo e dona

Leia mais

O REINO (ISRAEL) É DIVIDIDO Lição 61. 1. Objetivos: Ensinar que enquanto estamos seguindo a Deus, Ele cuida de nós.

O REINO (ISRAEL) É DIVIDIDO Lição 61. 1. Objetivos: Ensinar que enquanto estamos seguindo a Deus, Ele cuida de nós. O REINO (ISRAEL) É DIVIDIDO Lição 61 1 1. Objetivos: Ensinar que enquanto estamos seguindo a Deus, Ele cuida de nós. 2. Lição Bíblica: 1 Reis 11 a 14 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG LOCALIZAÇÃO E POVOAMENTO A Grécia antiga localizava-se em sua maior parte do sudeste da Europa

Leia mais

Você quer ser um Discípulo de Jesus?

Você quer ser um Discípulo de Jesus? Você quer ser um Discípulo de Jesus? A História do povo de Israel é a mesma história da humanidade hoje Ezequel 37:1-4 Eu senti a presença poderosa do Senhor, e o seu Espírito me levou e me pôs no meio

Leia mais

Conceito de Sobrecarga Psicológica Stanley Milgram Quando cheguei a Nova Iorque pela primeira vez, parecia um pesadelo. Tão logo desci do trem no Grand Central, encontrei-me entre um amontoado de pessoas

Leia mais

DAS ARTES. 1º semestre / 2012. Prof. a M. a Marcela Provinciatto Siscão. masiscao@hotmail.com

DAS ARTES. 1º semestre / 2012. Prof. a M. a Marcela Provinciatto Siscão. masiscao@hotmail.com ESTÉTICA TICA E HISTÓRIA DAS ARTES 1º semestre / 2012 Prof. a M. a Marcela Provinciatto Siscão masiscao@hotmail.com 1 Pré História PRÉ-HIST HISTÓRIA 2 Pré História PALEOLÍTICO (35mil anos atrás) Datam

Leia mais

OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham

OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham o direito de conservar para si apenas uma pequena parte

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Montanhas e costas marítimas; Mar Mediterrâneo, Mar Egeo e Mar Jônico. Costa bastante recortada com 80% de montanhas; Grande numero de Ilhas; Formação

Leia mais

Jordânia. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a minha história e descubra... Por que é que todos precisamos de água potável para

Jordânia. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a minha história e descubra... Por que é que todos precisamos de água potável para Jordânia Você sabia que... A água potável e segura é necessária para que se possa assegurar e proteger a vida e a saúde de toda a gente, num modo justo e igualitário. Alguns fatos sobre o meu país No Reino

Leia mais

(Do they never come back? Nero Redivivus and The Apocalypse of John)

(Do they never come back? Nero Redivivus and The Apocalypse of John) Hans Josef Klauck Texto: Eles nunca voltarão? Nero Redivivo e o Apocalipse de João (Do they never come back? Nero Redivivus and The Apocalypse of John) 1. INTRODUÇÃO O autor faz uma comparação entre o

Leia mais

Reinos da África Ocidental

Reinos da África Ocidental Reinos da África Ocidental A África é um continente imenso e com muita diversidade. As rotas comerciais adentraram a região oeste em busca de ouro. Com isso, as aldeias que serviam de ponto de intermediação

Leia mais

Objetos projetados por Leonardo Da Vinci para ser usados em guerras e, a maioria, serviria de inspiração mais tarde para nossos objetos atuais de

Objetos projetados por Leonardo Da Vinci para ser usados em guerras e, a maioria, serviria de inspiração mais tarde para nossos objetos atuais de A arte da guerra Biografia O grande Leonardo da Vinci, talvez o maior artista do Renascimento, era um personagem exercia atividade em várias áreas: pintor, arquiteto, cientista, matemático, poeta, músico

Leia mais

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ http://cachorritosdelsenor.blogspot.com/ A páscoa Volume 29 Escola: Nome : Professor (a): Data : / / 11 Ola Filhotes, vocês sabem o que é páscoa e quando ela começou?

Leia mais

A GRÉCIA ANTIGA passo a passo

A GRÉCIA ANTIGA passo a passo A GRÉCIA ANTIGA passo a passo ÉRIC DARS e ÉRIC TEYSSIER Ilustrações de Vincent Caut Tradução de Julia da Rosa Simões Copyright do texto 2011 by Éric Dars e Éric Teyssier Copyright das ilustrações 2011

Leia mais

Introdução a mitologia Africana para sala de aula

Introdução a mitologia Africana para sala de aula Introdução a mitologia Africana para sala de aula Curso de extensão Universidade Castelo Branco Prof. Dr. Arthur Vianna (PUCSP) Escola de formação de Professores Curso de História Objetivo Proporcionar

Leia mais

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo.

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. JOÁS, O MENINO REI Lição 65 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. 2. Lição Bíblica: 2 Reis 11; 2 Crônicas 24.1-24 (Base bíblica para a história

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: A América antes de Colombo As primeiras civilizações da Mesoamérica Aula 2: Os Maias Os Astecas Os Incas FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: Aula 1: A América antes de Colombo As primeiras civilizações da Mesoamérica Aula 2: Os Maias Os Astecas Os Incas FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA INTERATIVA I Conteúdo: Aula 1: A América antes de Colombo As primeiras civilizações da Mesoamérica Aula 2: Os Maias Os Astecas Os Incas CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO

Leia mais

Dia 4. Criado para ser eterno

Dia 4. Criado para ser eterno Dia 4 Criado para ser eterno Deus tem [...] plantado a eternidade no coração humano. Eclesiastes 3.11; NLT Deus certamente não teria criado um ser como o homem para existir somente por um dia! Não, não...

Leia mais

Jesus declarou: Digo-lhe a verdade: Ninguém pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo. (João 3:3).

Jesus declarou: Digo-lhe a verdade: Ninguém pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo. (João 3:3). Jesus declarou: Digo-lhe a verdade: Ninguém pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo. (João 3:3). O capítulo três do Evangelho de João conta uma história muito interessante, dizendo que certa noite

Leia mais

Um pouco mais de história

Um pouco mais de história Um pouco mais de história Narrativa bíblica De acordo com João, este milagre ocorreu perto da "Porta das Ovelhas", perto de uma fonte ou "piscina" que é chamada de Betesda em aramaico. Ali costumava juntar

Leia mais

"Ajuntai tesouros no céu" - 2

Ajuntai tesouros no céu - 2 "Ajuntai tesouros no céu" - 2 Jesus nos ensinou a "alinharmos" os nossos valores aos valores de seu Reino, comparando em sua mensagem aquilo que é terreno e passageiro com aquilo que é espiritual e eterno.

Leia mais