Capital fictício e lucros fictícios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capital fictício e lucros fictícios"

Transcrição

1 Capital fictício e lucros fictícios Reinaldo A. Carcanholo * Mauricio de S. Sabadini ** Resumo Este artigo procura avançar na discussão sobre o capital fictício, uma categoria central na obra de Marx e de extrema importância para se compreender a atual configuração do capitalismo contemporâneo, a partir da noção de lucros fictícios. Expressando a mais pura natureza dialética, os lucros fictícios são reais e fictícios ao mesmo tempo, desde que compreendidos pela perspectiva individual e da totalidade, respectivamente. Um lucro que, como parte da natureza contraditória do capital, apresenta-se como uma substância autônoma, fruto da especulação financeira, independente da produção real da mais-valia. E é justamente nessa natureza real/imaginária que sua discussão ganha total pertinência na atual fase do capitalismo contemporâneo. Palavras-chave: Capital fictício, lucros fictícios, economia política, capitalismo contemporâneo Que características apresenta a nova etapa do capitalismo mundial iniciada em fins dos anos 70 e início dos 80? Quais são as perspectivas para sua continuidade e para sua superação? Essas são perguntas sumamente relevantes na atualidade, e a resposta adequada a elas, como temos assinalado em trabalhos anteriores, passa pelo conceito marxista de capital fictício 1. Esse conceito, descrito por Marx no livro terceiro do Capital, não é de fácil aceitação por parte daqueles que têm dívidas com as concepções positivistas e metafísicas, sejam de perfil keynesiano ou não. Alguns tendem inclusive a aceitá-lo, dada a intensidade de sua existência e de seu predomínio nos dias atuais, porém o fazem a contragosto e, na verdade, não são capazes de enten- * Professor do Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais e do Departamento de Economia da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) Tutor do Programa SESU PET Economia UFES, página pessoal: <http://rcarcanholo.sites.uol.com.br> ** Professor do Departamento de Economia e do Programa de Pós-graduação em Política Social da UFES 41

2 dê-lo com propriedade desde o ponto de vista dialético, perspectiva essa sem a qual o conceito tende a perder muito de sua capacidade explicativa. O fato de que o capital fictício seja, ao mesmo tempo, fictício e real deve parecerlhes simplesmente uma contradição em termos. E é justamente nessa dialética real/imaginária que o conceito ganha toda sua pertinência. Se por um lado o conceito de capital fictício não é de fácil assimilação, o de lucros fictícios não encontra praticamente ninguém que o considere aceitável desde o ponto de vista teórico, inclusive entre aqueles que verdadeiramente se apresentam como pertencentes ao campo marxista. Em primeiro lugar, não se trata de um conceito que tenha sido desenvolvido por Marx e isso pode ser definitivo para muitos. Por suposto que na época desse autor, na qual a idéia de um capital fictício dominante sobre o capital substantivo estava longe de ser possível, pensar que uma parte dos lucros não fosse derivada da mais-valia e nem do excedente-valor das formas de produção não salariais constituía um verdadeiro contra-senso. Em nossa época, contudo, na qual o capital fictício transformou-se em dominante, a ponto tal que fomos obrigados a dar-lhe outro nome (capital especulativo parasitário), a idéia de lucros fictícios surgiu-nos como algo pouco menos que automático, totalmente inspirada nas análises que Marx fez nos diversos capítulos do livro III do Capital. Faremos, em primeiro lugar, um esforço para, pelo menos resumidamente, esclarecer os conceitos de capital fictício e de capital especulativo parasitário 2 para, somente depois, explicar em que consistem os lucros fictícios. Do capital ilusório ao capital especulativo parasitário Em primeiro lugar, devemos esclarecer que o capital a juros, que financia a produção ou a circulação, e capital fictício são coisas totalmente diversas, ainda que o segundo nasça como conseqüência da existência do primeiro 3. O primeiro a considerar-se é que o capital a juros, por si mesmo, produz uma ilusão social e é exatamente a partir dela que surge o capital fictício. No capitalismo, a existência generalizada do capital a juros, cujo significado aparente é o fato de que toda soma considerável de dinheiro gera uma remuneração, produz a ilusão contrária, isto é, a que toda remuneração regular deve ter como origem a existência de um capital. Tal capital em si não tem maior significado para o funcionamento do sistema econômico e pode ser chamado de capital ilusório (valor presente de um rendimento regular). Contudo, quando o direito a tal remuneração está representado por um 42

3 título que pode ser comercializado, vendido a terceiros, converte-se em capital fictício. O título comercializável é a representação legal dessa forma de capital. Talvez o exemplo mais simples da existência do capital fictício seja o de uma concessão pública, a particular, do direito de utilização comercial de uma freqüência de rádio ou televisão. Isso, no caso de que tal concessão, realizada em troca de favores políticos ou de qualquer outro tipo, possa ser vendida a terceiros. Assim, o capital fictício nasce como conseqüência da existência generalizada do capital a juros, porém é o resultado de uma ilusão social. E por que devemos chamá-lo de capital fictício? A razão está no fato de que por detrás dele não existe nenhuma substância real e porque não contribui em nada para a produção ou para a circulação da riqueza, pelo menos no sentido de que não financia nem o capital produtivo, nem o comercial. No capital portador de juros, o capital aparece como se fosse uma fonte autônoma de valorização. E essa fonte, segundo Marx, se apresenta de forma mistificadora, uma vez que os juros são apropriados sem trabalho e sua existência aparece ao mundo capitalista separada de toda conexão com o excedente produto do trabalho. Com o desenvolvimento do sistema de crédito, com o objetivo primordial de financiar a produção, o capital a juros adquire grande importância e dimensão no sistema capitalista, ao estar diretamente subordinado a lógica do capital industrial. Ao mesmo tempo em que se apropria de uma parte da mais-valia gerada no setor produtivo, o capital a juros aumenta a eficiência da produção do excedente, assim como a velocidade de reprodução do ciclo do capital. Marx destacou o caráter dependente e complementar desse capital a juros ao capital produtivo em momentos como o seguinte: Onde a produção capitalista se desenvolveu na amplitude de suas formas e se tornou o modo dominante de produção, o capital produtor de juros está sob o domínio do capital industrial, e o capital comercial é apenas uma figura do capital industrial, derivada do processo de circulação. Ambos têm de ser antes destruídos como formas autônomas e submetidos ao capital industrial (MARX, 1985, p. 1509). São afirmações como essa que nos asseguram que a autonomização das formas funcionais do capital, representadas nesse momento pelo capital a juros, interfere de maneira positiva no sistema capitalista ao proporcionar seu crescimento. Dessa maneira, se sob a forma de capital a juros o capital adquire uma forma mistificadora, sob a forma de capital fictício ele assume um aspecto ainda 43

4 mais complexo e mais desmaterializado. Aparentemente, ele se desenvolve de maneira independente da dinâmica da produção: Com o desenvolvimento do capital portador de juros e do sistema de crédito, todo capital parece duplicar e às vezes triplicar pelo modo diverso em que o mesmo capital ou simplesmente o mesmo título de dívida aparece, em diferentes mãos, sob diversas formas. A maior parte desse capital monetário é puramente fictícia (MARX, 1985, p. 14). Dessa forma, o capital fictício dissimula ainda mais as conexões com o processo real de valorização do capital, ao consolidar a imagem de uma capital que se valoriza autonomamente, particularmente no mercado de compra e venda especulativa: toda a conexão com o processo real de valorização do capital se perde assim até o último vestígio, e a concepção do capital como autômato que se valoriza por si mesmo se consolida (MARX, 1985, p. 11). Entendido o surgimento teórico do capital fictício, Marx passa a referir-se a algumas formas de sua existência. Entre outras, ele se refere ao valor das ações correspondentes ao real patrimônio das empresas. Para facilitar o raciocínio, nesse particular, pensemos exclusivamente em empresas produtivas. Que razões o levam a classificar as ações, ainda que o seu valor total corresponda ao patrimônio real de uma empresa produtiva, como capital fictício? A primeira delas é que as ações permitem obter um rendimento anual e, ademais, podem ser vendidas no mercado. Porém, ainda assim, devemos negar que não elas não tenham substância por detrás; de fato, representam o patrimônio da empresa. Na verdade, as ações constituem capital fictício pelo fato de que representam uma riqueza contada duas vezes: uma, o valor do patrimônio da empresa; outra, o valor delas mesmas. A prova de que isso é verdade é que ambos os valores podem servir de garantias, por exemplo, para créditos bancários. Podem ser contadas duas vezes, ou três, ou mais, graças à existência de empresas holdings. Isso significa que o capital fictício não surge somente como resultado da ilusão mencionada anteriormente. Ele é também resultado mais direto do capital a juros, do sistema de crédito, quando duplica aparentemente a riqueza real, como é o caso das ações 4 de uma empresa. Esse tipo de capital fictício constituído por ações com valor igual ao do patrimônio real das empresas produtivas, será por nós chamado de capital fictício do tipo 1. Contudo, há uma segunda razão para que as ações devam ser consideradas como capital fictício: é o fato de que o valor delas se move muitas vezes de maneira independente do valor do patrimônio das empresas. Assim, uma 44

5 valorização especulativa das ações constitui um aumento do volume total do capital fictício existente na economia. Porém, esse incremento possui uma característica distinta do valor original: não constitui duplicação aparente de um valor real. Na verdade, por detrás dele não há nenhuma substância real. Por isso, vamos chamar esse aumento de capital fictício de tipo 2. Assim, o capital fictício também aparece como resultado da especulação, quando eleva o valor de mercado de qualquer tipo de ativo (seja real ou fiduciário). Obviamente que se temos uma redução especulativa do valor de ativos, nos encontramos com uma destruição de capital fictício. Logo, por extensão, podemos classificar toda valorização especulativa de ativos reais ou mobiliários como capital fictício de tipo 2. Marx também destaca que os títulos da dívida pública constituem capital fictício. Porém aqui também devemos distinguir entre os tipos 1 e 2. Quando os títulos públicos são emitidos para financiar investimentos reais, tais como rodovias, portos, pontes, túneis, ferrovias, edifícios, trata-se de capital fictício do tipo 1. Ao contrário, quando o aumento da dívida pública ocorre em razão de gastos improdutivos 5, gastos correntes ou ainda de transferências 6, estamos frente à criação de um novo capital fictício do tipo 2, uma vez que não sobrevive nada de substancial por detrás desse incremento da dívida. Em resumo, o capital fictício tem como origem três fontes: a) a transformação em títulos negociáveis do capital ilusório, b) a duplicação aparente do valor do capital a juros (no caso das ações e dos títulos públicos) e c) a valorização especulativa dos diferentes ativos. Esse capital fictício de três diferentes origens tem em comum o fato de que, ao mesmo tempo em que é fictício, é real. É real do ponto de vista do ato individual e isolado, no dia-a-dia do mercado, quer dizer, do ponto de vista da aparência; é a dialética fictício/real, algo que ficará mais claro posteriormente. Porém, há outra coisa a esclarecer. Se a dívida pública constitui, em mãos de seus credores, capital fictício, por que não passa o mesmo com a dívida privada, quando ela se refere a créditos para o capital industrial? Sobretudo, por que não é capital fictício se inclusive a dívida privada pode estar representada por um título transferível a terceiros, no mercado? Isso significaria que também os créditos a particulares para financiar o investimento produtivo ou comercial deveriam ser considerados, nas mãos dos emprestadores, capital fictício. Na verdade, quando o crédito é destinado ao setor privado e se formaliza por meio de um título negociável no mercado, também deve ser considerado capital fictício. Deve ser assim considerado porque aparentemente o valor duplicou. Por detrás dele há uma substância e por isso se trata de capital fictício de tipo 1. 45

6 É, em verdade, o mesmo caso das ações de uma empresa privada, com uma diferença. O empréstimo a uma empresa tem como contrapartida uma dívida dela, o que não é o caso das ações. Apesar de que haja a contrapartida da dívida, e que a sua soma com o crédito seja igual a zero, na realidade há uma duplicação aparente da riqueza: o título de crédito em mãos do prestador e os bens reais comprados pelo prestamista. Contudo, é indispensável destacar que no caso assinalado do crédito, estamos frente a duas coisas completamente diferentes: o capital a juros não pode ser confundido com o capital fictício que gera. Aquele corresponde a uma riqueza real que foi produzida sob a forma de excedente 7 ; este último é puramente fictício do ponto de vista global. O capital fictício gerado nessas condições é como o reflexo em um espelho do capital a juros. São dois capitais diferentes: um é real e o outro submetido à dialética real/fictícia. Talvez, mais adiante neste texto, o assunto possa ficar mais esclarecido. Porém, o fato é que o valor do capital a juros destinado, por exemplo, a investimentos do capital substantivo não pode jamais ser maior que o excedente econômico produzido depois de todas as deduções relativas ao consumo. Corazza tem alguma razão quando aponta que, na prática, o capital a juros tende a confundir-se com o fictício: Assim, na complexidade das finanças capitalistas atuais parece difícil saber quando o capital é real, quando é apenas financeiro e quando é puramente fictício, pois seus movimentos estão de tal forma entrecruzados que o capital produtivo pressupõe o capital financeiro e o capital fictício pode financiar a acumulação real (CORAZZA, 1999, p. 9). Agora, há algo em que Corazza não tem razão alguma: quando afirma que o capital fictício pode financiar a acumulação real 8. Como vimos, uma coisa é o capital fictício, outra o capital a juros. Embora Harvey tenha sido um dos autores marxistas pioneiros na discussão sobre o capital fictício 9 e tenha feito uma descrição dessa categoria com rigor científico, ele também sugere a existência de aplicação do capital fictício na esfera real da produção, quando afirma: Este capital [fictício] é definido como capital que tem valor monetário nominal e existência como papel, mas que, num dado momento do tempo, não tem lastro em termos de atividade produtiva real ou de ativos físicos. O capital fictício é convertido em capital real na medida em que são feitos investimentos que levem a um aumento apropriado em ativos úteis (por exemplo, instalações e equipamentos que possam ter emprego lucrativo) ou mercadorias úteis (bens e serviços que possam ser vendidos com lucro) (HARVEY, 1996, p. 171). 46

7 Com perspectiva similar, PAULA et alli (2001) afirmam, apoiados nas idéias de Hilferding, que o capital fictício se direciona ao capital industrial a partir de diferentes maneiras: quando o capital dinheiro é destinado à bolsa de valores que o transforma em capital fictício na forma de ações e, no movimento inverso, quando a bolsa o transfere às mãos das sociedades industriais; e graças a multiplicação das instituições financeiras (fundos de pensão, por exemplo), quando elas colocam os recursos à disposição de novos investimentos produtivos. Se considerarmos tais palavras em si mesmas, eles têm alguma razão nessas idéias, porém pode deixar a impressão que existe certa indiferença entre o capital fictício e o capital portador de juros. É verdade que um determinado titular do capital fictício pode converter facilmente seu capital para financiar a produção. Porém se o faz, o capital fictício simplesmente muda de mãos, de maneira que o valor total, na economia como um todo, de um ou do outro, não se altera 10. Dizíamos anteriormente que o capital ilusório não tem maior significação para o funcionamento do sistema econômico, porém não se pode dizer o mesmo do capital fictício, ainda que um derive do outro. Isso é verdade especialmente quando, em certas circunstâncias históricas, o volume desse último tipo de capital alcança magnitude significativa, como é o caso da atual etapa capitalista. Nela, o capital fictício tem alcançado predomínio sobre o capital substantivo e essa é a própria marca da etapa mencionada. Ele mudou de caráter ao transformar-se de pólo dominado para dominante e por essa razão o passamos a chamar capital especulativo parasitário e chamamos de capitalismo especulativo a fase atual do sistema. A existência e a magnitude do capital especulativo parasitário têm feito que a contradição principal da atual fase do capitalismo seja a existente entre a apropriação e a produção do excedente-valor produzido socialmente 11. Sobre os lucros fictícios O que é e como se demonstra a existência dos lucros fictícios e por que não é de fácil aceitação uma categoria desse tipo? Demonstrar a existência dos lucros fictícios não é uma tarefa fácil, ou melhor, em certo sentido não é possível. Em primeiro lugar, entender sua existência pressupõe, a nosso juízo, além da já mencionada perspectiva dialética das coisas, uma adequada interpretação da teoria do valor de Marx, algo pouco freqüente. Em segundo lugar, pensar em uma demonstração empírica de sua existência é algo completamente fora da lógica científica; dentro da perspectiva 47

8 dialética não tem sentido. Talvez o máximo possível seja descrevê-lo e sugerir formas de sua existência, além de, ao mesmo tempo, esclarecer sua dimensão teórica e sua relação com as demais categorias da teoria do valor. Comecemos com a forma talvez mais simples de explicar sua existência: a valorização especulativa dos ativos físicos. Vamos, para ser didáticos, descrever o surgimento do lucro fictício no que se refere a algo muito trivial, que seria a valorização especulativa de imóveis: 1. Suponhamos que, em condições econômicas normais, compro um terreno por $ 100 e construo uma casa, através de uma empresa construtora, e que, ao final, ela me exija como pagamento exatamente o valor da construção, nem mais nem menos. Isso significa supor que o preço corresponde exatamente ao valor. Suponhamos o pagamento de $ 300 à construtora. 2. É claro que não fico nem mais pobre, nem mais rico. Era proprietário de $ 400 em dinheiro e agora continuo com a mesma magnitude de riqueza, só que na forma de um imóvel, uma casa com seu respectivo terreno. 3. Obviamente que na construção da casa havia produção de mais-valia, porém ela foi apropriada pela empresa construtora ou por empresas que forneceram os insumos ou emprestaram-lhe dinheiro. Mas isso não tem a menor importância. 4. Minha riqueza em valor permaneceu constante, porém a riqueza global da sociedade aumentou em um valor correspondente a $ 300 (menos o valor correspondente ao capital constante consumido, ali contido). 5. Suponhamos agora que, por razões especiais, ocorra na sociedade uma valorização especulativa de todos os imóveis e que agora posso vender minha casa por $ 1000 e que de fato o faça. 6. Suponhamos que os preços médios da economia não se tenham alterado, ou o que é a mesma coisa, que os $ 1000 sejam valores reais e não nominais. 7. Posso considerar-me mais rico que antes? É claro que sim: antes meu patrimônio era de $ 400, agora é de $ 1000, em dinheiro vivo. O comprador de minha casa, com razão, não poderá considerar-se mais pobre do que antes de sua compra, pois inverteu $ 1000 em dinheiro e agora possui uma casa cujo preço é $ 1000 e pode vendê-la no momento em que desejar (enquanto não mudarem as condições do mercado). 8. Façamos agora contas da riqueza da sociedade como um todo, simplesmente somando a de cada de um de seus membros. A especulação fez com que a sociedade seja agora possuidora de uma riqueza maior. Eu possuía 400, 48

9 agora possuo O comprador de minha casa possuía 1000 e segue com os 1000, só que sob forma distinta. 9. Não sei exatamente como considerar o aumento de meu patrimônio. Como lucro? Talvez; porém isso não é o que importa. Contudo, suponhamos agora que o possuidor da casa, quando valia 400, fosse uma empresa comercial cujo objetivo era vender imóveis e que efetivamente conseguiu vendê-la por $ Não deveria considerar os 600 como seu legítimo lucro? É claro que sim. E de fato é um lucro. 10. A esse tipo de lucro é o que atribuímos o nome de lucros fictícios. Contudo, há uma objeção a esse raciocínio que necessita ser superada 12. Tal objeção consiste em lembrar algo indiscutível: que se uma mercadoria qualquer é vendida por um preço superior ao correspondente ao seu valor, o que ocorre é simplesmente uma transferência de valor desde o comprador ao vendedor. Assim, o lucro obtido pelo vendedor na operação mercantil corresponderia a uma perda do comprador da mesma magnitude, de maneira que a riqueza total não teria sido alterada. Nesse caso se observaria uma pura transferência de valor. Isso é completamente certo, porém o é para uma mercadoria que imediatamente ou em breve será destinada ao consumo e que, por meio dele, será destruída. Se compro uma mercadoria por preço superior ao correspondente ao seu valor, enquanto não a consuma e se seu preço não se altera, posso seguir pensando que não perdi valor na compra; isso porém é pura ilusão. Ao consumir a mercadoria, consumi seu valor de uso e desfrutei de uma mercadoria cujo valor, cuja riqueza social representada por ela, é na verdade menor do que imaginava. Contudo, algo diferente ocorre quando se trata de uma mercadoria que não vou destinar ao consumo, mas que vai agregar-se ao meu patrimônio; quando se trata de ativos reais ou, ainda, ativos financeiros. Ativos desse tipo fazem parte de meu patrimônio e se durante a posse que mantenho sobre eles apresenta valorização especulativa em seus preços, passo a sentir-me mais rico que antes e posso contabilizar isso como lucro obtido por mim. Se vendo um desses ativos enquanto seu preço siga sobrevalorizado, meu lucro se efetiva agora em dinheiro. O comprador desse ativo, desde que não haja posteriormente redução de preço, vai sentir-se proprietário da mesma riqueza que antes da compra, só que agora sob uma forma diferente. É verdade que, desde o ponto de vista global, se o preço do ativo chegar a baixar, o que antes surgia como lucro desaparecerá como resultado de um prejuízo para quem for o possuidor naquele momento. Tudo isso significa que o lucro fictício existe enquanto se 49

10 mantenha a valorização especulativa de um ativo qualquer e desaparece caso, eventualmente, desapareça dita valorização. Que características apresentam os lucros fictícios? Eles têm uma característica básica: eles constituem lucros verdadeiros, reais, tão reais como qualquer outro, do ponto de vista do ato individual e isolado. E isso fica muito claro se levamos em consideração que, com a quantidade de dinheiro correspondente a esses lucros, posso obviamente comprar qualquer coisa. O ponto de vista do mercado, que permite observar um indivíduo isolado ou um ato mercantil isolado, é fundamental nesse aspecto: nessas condições, os lucros fictícios são reais e não se distinguem de qualquer outro tipo de lucro. Contudo, abandonemos nossas limitações positivistas e façamos um esforço para pensar dialeticamente. Abandonemos o ponto de vista do ato individual e isolado, que é o que permite ver pouco mais que a simples aparência, e vejamos o fenômeno de um ponto de vista distinto: o da totalidade. Desse ponto de vista, isto é, da sociedade como um todo, esses lucros são reais? Têm, por detrás, a mais-valia (ou excedente-valor produzido por trabalhadores não assalariados) que lhe confere realidade substantiva? A resposta é negativa; esses lucros são pura fumaça. Da mesma maneira que apareceram como mágica, da noite para o dia, podem desaparecer a qualquer momento, em razão das oscilações especulativas dos valores dos ativos. Hilferding, analisando o lucro especulativo, havia destacado que a compra e venda de títulos é um fenômeno que não apresenta nenhuma influência na produção ou obtenção da magnitude total dos lucros do capital: Os lucros ou prejuízos da especulação surgem, portanto, apenas das diferenças das valorizações correspondentes dos títulos de juros. Elas não são lucros, nem participação da mais-valia, mas nascem tão-somente das oscilações das valorizações da participação da mais-valia que sai da empresa e cabem aos proprietários de ações, oscilações que, como ainda veremos, não precisam surgir da variação do lucro verdadeiramente realizado. São puros lucros diferenciais. Enquanto a classe capitalista como tal se apropria, sem compensação, de uma parte do trabalho do proletariado, obtendo dessa forma seu lucro, os especuladores ganham apenas uns dos outros. O prejuízo de uns é o lucro dos outros. Les affaires, c est l argent des autres (HILFERDING, 1985, p. 139). De fato, as análises de Hilferding sobre os lucros diferenciais destacam o movimento especulativo dos preços dos ativos e sua independência em relação à produção de mais-valia. Nesse sentido, se aproximam do que aqui temos chamado de lucros fictícios. Contudo, existe pelo menos uma diferença importante: o lucro diferencial de uns, para esse autor, é perda especulativa 50

11 de outros, sendo o resultado das transações uma soma igual a zero. Para nós, ao contrário, isso não é necessariamente correto. A valorização especulativa dos ativos, enquanto se mantenha, constitui um lucro que não corresponde a nenhuma perda. Além disso, os juros da dívida pública recebidos pelo capital, desde que não financiada com superávits primários, porém pagos com incremento da própria dívida, constituem lucro para os proprietários do capital, sem que constitua perda para nenhum outro particular, embora não provenha da exploração dos trabalhadores. É verdade que nos movimentos especulativos, por exemplo, no caso da bolsa de valores, alguns players (sic) ganham e outros perdem. Aqueles que compram na baixa e vendem na alta obviamente ganham. Porém isso é outra coisa; aí se trata de uma questão de distribuição entre os especuladores do patrimônio fictício (do capital fictício) existente. O que nos interessa na análise, neste momento, é o ponto de vista da totalidade: assim, a alta especulativa da bolsa resulta em um incremento do total do capital fictício do tipo 2 e, portanto, do surgimento de lucro fictício 13. A quebra da bolsa significará uma redução do volume do capital fictício e, dessa maneira, o surgimento de uma perda que pode representar simples destruição de lucros fictícios anteriores. Eles são pura fumaça. Quando os lucros fictícios são produzidos pela especulação, elevam o volume total do capital fictício existente no conjunto da economia; quando o mercado apresenta uma reversão de sua trajetória, destrói capital fictício e essa destruição vai aparecer como se fosse uma destruição de riqueza real, e de fato é, só que exclusivamente do ponto de vista do ato individual e isolado 14. Devemos recordar que, conforme se deduz do capítulo XXI e XXII do primeiro livro do Capital, o ponto de vista do ato individual e isolado corresponde à aparência e o ponto de vista da reprodução e da totalidade corresponde à essência. Ademais, não é dispensável reafirmar que a aparência é uma das duas dimensões da realidade; ela não é falsa, e não se trata de um engano do observador; ela é tão real quanto à essência. Voltemos ao nosso imóvel sobrevalorizado. Com os lucros fictícios obtidos com sua venda posso, na verdade, comprar qualquer coisa, e supomos que eu compre ou bens de luxo ou faça um investimento em capital fixo. Nesse caso, o produto que compro não foi produzido como excedente econômico? Esses bens que compro, não são parte do excedente material produzido na sociedade ou, em outras palavras, o excedente produzido sob a forma de mais-valia não tem como componente seu esse tipo de bens (de luxo e de investimento)? Não se trata de riqueza real, de todo ponto de vista? E mais, é real e material ao mesmo tempo. Se for assim, meus lucros chamados fictícios não correspondem 51

12 a uma mais-valia que tenha sido produzida em algum momento? Nesse caso não seriam lucros fictícios; é verdade, aparecem como não fictícios. Vejamos a coisa mais de perto 15. Mais-valia, excedente econômico capitalista e lucros fictícios Comecemos por esclarecer algumas coisas sobre o conceito marxista da mais-valia, em particular sobre as possibilidades de seu destino. A destinação da mais-valia está condicionada pela forma material que assume o excedentevalor produzido de forma capitalista. Talvez fosse melhor dizer, ao contrário, que a decisão sobre o destino da mais-valia, direito daqueles que a recebem seja sob a forma de lucro ou outra qualquer (salários improdutivos, rendas, juros, impostos, etc.) condiciona a forma que deveria possuir o excedente capitalista ao final de um determinado período produtivo. Se recordarmos os esquemas marxistas da reprodução, descritos por Marx no livro II do Capital, facilmente nos daremos conta desse fato: a mais-valia necessita apresentar um conteúdo material específico, sem o qual não haverá reprodução adequada da economia. Em certo sentido, é o que diz Marx: Em uma palavra: a mais-valia só é transformável em capital porque o mais-produto, do qual é o valor, já contém os componentes materiais de um novo capital (MARX, 1984, p. 164). Em poucas palavras podemos afirmar que a magnitude total da mais-valia corresponde a um excedente físico, substantivo 16. Dizer que esse excedente deve ser material seria uma impropriedade, pois uma parte dele, com certeza, está formada por mercadorias-serviço, tão mercadoria como qualquer material. Assim, a mais-valia, depois de transformada em lucro, pode converter-se em capital fixo, pela acumulação, porque o excedente material contém antecipadamente os elementos materiais correspondentes; pode transformar-se em capital constante circulante, porque as matérias primas e auxiliares necessárias foram produzidas e compõem o excedente material; pode converter-se em salários adicionais, pois os bens de consumo dos trabalhadores foram produzidos como excedente; podem converter-se em bens de luxo, materiais de guerra etc, pois uma parte do excedente que corresponde à mais-valia produzida está constituída por esses bens, por essas mercadorias. Se vamos destinar uma parte da mais-valia à aquisição de novos imóveis, terão que ser produzidos esses imóveis e assim determinada parte do excedente produzido terá essa forma O anterior significa que não é possível efetuar um investimento real se os elementos materiais necessários para tanto não estejam fisicamente contemplados na mais-valia. O trabalho, por exemplo, na construção de uma 52

13 unidade produtiva é integralmente trabalho excedente, mais-valia em processo de produção, desde o ponto de vista global. Por isso, qualquer crédito (capital a juros) para esse investimento está limitado pelo volume possível de ser produzido no sistema como excedente. Qualquer crédito adicional à produção ou ao investimento resultaria em inflação, reduzindo, por exemplo, o salário dos trabalhadores, ampliando de maneira forçosa o excedente. Por outro lado, quando se trata de ampliação do capital fictício, a situação é diferente. Ele pode crescer acima dos limites permitidos pela produção de riqueza e de excedente, por meio dos lucros fictícios. Enquanto o capital a juros está limitado pelo volume disponível do excedente, o capital fictício não possui esse limite. Dessa maneira, respondendo à pergunta apresentada acima, de fato meus lucros fictícios que compraram os bens suntuosos ou capital fixo correspondem na verdade a uma mais-valia produzida em algum momento anterior. E isso é indiscutível. Contudo, vejamos agora o outro lado. Voltemos ao exemplo da compra do imóvel. Vamos supor que o comprador do mencionado imóvel tenha, efetivamente, obtido o dinheiro correspondente a partir dos lucros diretamente derivados da produção material industrial e, portanto, de lucros reais (mais-valia, simplesmente). Qual foi o destino que ele deu ao seu lucro? Comprou um imóvel sobrevalorizado especulativamente. O destino de seus lucros foi em parte valor real ($ 400) e em parte pura riqueza fictícia, capital fictício ($ 600). Em resumo, os lucros reais estavam em mãos de A e passaram para as mãos de B quando da compra; e os lucros fictícios caíram nas mãos de A, sob a forma de sobrevalorização especulativa de um ativo real, o imóvel. Assim, é verdade que o vendedor, que foi beneficiado pela valorização especulativa do imóvel, se apropriou inicialmente de lucros fictícios. Ao comprar bens de luxo ou meios de produção, transformou sua propriedade fictícia em riqueza real. Porém isso somente foi possível porque o comprador fez justamente o contrário. Transformou a mais-valia sob a forma de lucro em dinheiro, em parte, para a forma fictícia de sobrevalorização do imóvel. E então, se fizermos uma vez mais um esforço dialético de olhar as coisas do ponto de vista da totalidade, nossa resposta à questão anterior é que os lucros fictícios não têm nada de mais-valia, não têm nada de valor-excedente mercantil. Tudo isso nos leva a concluir que, em resumo, os lucros fictícios, gerados pela especulação, vão simplesmente incrementar o valor total da riqueza fictícia ou do capital fictício. Poderíamos inclusive inverter a afirmação e ela seria rigorosamente correta, ainda que talvez somente compreensível mais adiante: 53

14 o incremento do capital fictício (nos referimos aqui exclusivamente ao capital fictício do tipo 2) de um ano para o outro, em uma economia, é exatamente igual ao valor gerado de lucros fictícios. Além disso, a afirmação de que a mais-valia apropriada, o lucro real, possa ser destinada à acumulação fictícia somente tem sentido do ponto de vista individual. Assim, se o indivíduo B obteve seu lucro real e comprou capital fictício, seja um imóvel sobrevalorizado, seja um título público, de fato transformou seu lucro real em lucro fictício, pelo menos em parte. Porém isso somente é a contra-face do fenômeno inverso. Alguém na economia, que obteve lucro fictício, converteu-o em excedente real, substantivo, e na mesma magnitude. Por outro lado, desde o ponto de vista global, a mais-valia apropriada como lucro e não consumida, aumenta o capital real; os lucros fictícios apropriados, não reduzidos por uma eventual desvalorização de ativos, incrementam na mesma magnitude o capital fictício. O consumo total de bens de luxo e a acumulação real somente podem ter como origem a mais-valia, fruto real da exploração do trabalho produtivo. O capital fictício do tipo 2 cresce como resultado dos lucros fictícios. Em outras palavras, todo o anterior significa que, desde o ponto de vista global, a mais-valia produzida somente pode ser consumida individualmente ( consumo individual no sentido que Marx dá), acumulada como capital produtivo ou comercial, destruída ou desperdiçada. Por isso, a expressão acumulação financeira da mais-valia somente pode levar a engano; é uma afirmação que implica uma contradição em termos 17. Vejamos uma questão paralela. O que ocorre com o crescimento do patrimônio dos fundos de pensão dos assalariados? Trata-se de crescimento de capital fictício, de capital especulativo parasitário? Uma resposta positiva poderia ser objetada, pelo menos no que se refere ao crescimento resultante das aplicações nos fundos de parte dos salários dos trabalhadores que pensam em sua aposentadoria. De fato, por detrás do valor dessas aplicações está uma substância real que pode ser considerada ou como parte do excedente-valor produzido socialmente ou, ao contrário, como parte do valor da força de trabalho. Em qualquer dos casos não poderia ser considerado como incremento do capital fictício. Contudo, e se o destino desse aumento dos fundos é a compra de títulos públicos? Não se trata de crescimento de capital fictício? Por suposto que sim. O que temos que entender nesse caso é que o capital especulativo parasitário global não se incrementou, porém uma parte correspondente do que era capital fictício anterior, de propriedade de outros titulares, pode converter-se e se con- 54

15 verte de fictício em capital a juros ou diretamente em investimento produtivo ou comercial. Desde o ponto de vista global o capital fictício não cresceu por essa razão, porém a distribuição entre riqueza real e a fictícia se alterou, mudou parcialmente de mãos. A dívida pública e o mercado de derivativos É claro que os novos títulos da dívida pública, emitidos por um governo qualquer e destinados a financiar seja um investimento físico em infra-estrutura de transportes, por exemplo, ou qualquer outro investimento, possuem um correspondente real (o investimento) e são a contraparte dessa riqueza real. Marx considera esses títulos (assim como as ações de qualquer empresa), embora não se apresentem sobrevalorizados especulativamente, como capital fictício. Porém é um capital fictício que algo possui de correspondente no mundo da riqueza real. Por isso, como assinalamos, chamamos esse capital de capital fictício de tipo 1. O mesmo ocorre com o aumento da dívida se ela vai financiar gastos com educação ou saúde, na medida em que agrega valor a força de trabalho. Esse incremento dos títulos públicos na circulação tem correspondência com uma riqueza real produzida. Constituem capital fictício de tipo 1. Diferente é o caso dos títulos da dívida pública, quando a emissão se deve a uma insuficiência de fundos derivados de superávits primários, para o pagamento de juros da dívida pública anterior. Essa emissão cria lucros fictícios e incrementa o capital fictício global. Algo que poderia obscurecer a natureza fictícia do capital constituído por títulos públicos é a afirmação de Marx de que a dívida pública é um poderoso mecanismo de acumulação originária 18. Tal afirmação, Marx a faz no capítulo referente a essa acumulação, no livro I do Capital: A dívida pública torna-se uma das mais enérgicas alavancas da acumulação primitiva. Tal como o toque de uma varinha mágica, ela dota o dinheiro improdutivo de força criadora e o transforma, desse modo, em capital, sem que tenha necessidade para tanto de se expor ao esforço e perigo inseparáveis da aplicação industrial e mesmo usurária. Os credores do Estado, na realidade, não dão nada, pois a soma emprestada é convertida em títulos da dívida, facilmente transferíveis, que continuam a funcionar em suas mãos como se fossem a mesma quantidade de dinheiro sonante (MARX, 1984, p. 288). O Banco da Inglaterra começou emprestando seu dinheiro ao governo a 8%; ao mesmo tempo foi autorizado pelo Parlamento a cunhar dinheiro do 55

16 mesmo capital, emprestando-o ao público outra vez sob a forma de notas bancárias. Com essas notas, ele podia descontar letras, conceber empréstimos sobre mercadorias e comprar metais nobres. Não demorou muito para que esse dinheiro de crédito, por ele mesmo fabricado, se tornasse a moeda, com a qual o Banco da Inglaterra fazia empréstimos ao Estado e, por conta do Estado, pagava os juros da dívida pública. Não bastava que ele desse com uma mão para retomar mais com a outra; ele, enquanto recebia, continuava eterno credor da nação até o último tostão adiantado (MARX, 1984, p ). Com a dívida pública surgiu um sistema internacional de crédito, que freqüentemente oculta uma das fontes da acumulação primitiva neste ou naquele povo (MARX, 1984, p. 289). Há que se observar, contudo, que para Marx a dívida pública pode cumprir o papel de impulsionar a acumulação originária pelo fato de que os possuidores dos títulos públicos, além de receberem sem riscos os juros devidos ao dinheiro que de outra maneira seria improdutivo, podem utilizá-lo, se é o caso, para financiar o capital industrial, obtendo remuneração adicional. Por outro lado, observa o autor que a dívida pública permitiu ao Banco da Inglaterra, com seu direito de banco emissor de dinheiro fiduciário, dar com uma mão para receber com a outra mais do que dava. Utilizar os títulos públicos para financiar a produção, por exemplo, somente significa converter capital fictício em capital a juros, como deve ter ficado claro anteriormente, do ponto de vista do indivíduo possuidor desses títulos. O financiamento da produção pressupõe a existência do excedentevalor produzido. Essa conversão para o possuidor dos títulos significa, como contrapartida, que outro agente converteu seu capital real em capital fictício. É a dialética aparência/essência, ato individual/totalidade. O fato de que o capital fictício apresente tal efeito sobre a acumulação originária ou sobre a acumulação regular não é senão o resultado de sua natureza dialética real/fictícia, difícil de ser entendida. E assim, a dificuldade se duplica: dialética real/fictícia, dialética essência/aparência. Deixando de lado, agora, a dívida pública, observemos o mercado de derivativos. Os lucros obtidos nesse tipo de mercado, por constituir um importante rendimento do capital especulativo parasitário, podem chegar a ser considerados como lucros fictícios. Contudo, isso não é, em verdade, adequado. Esses lucros, quando constituem rendimentos derivados de perdas da mesma magnitude sofridas por outros agentes que operam nesses mercados, não podem ser considerados como fictícios e nem mesmo como lucros. São, na verdade, puras transferências de valor. Por outro lado, talvez na maior parte das vezes 56

17 constituam perdas de pequenos investidores (especuladores sim, porém não capitalistas no sentido rigoroso do termo). Nessa medida, vão contribuir para o incremento da rentabilidade do grande capital especulativo e, dessa maneira, da mesma forma como os lucros fictícios, devem ser considerados como fator de contra tendência da queda da taxa de lucro do capital, ou pelo menos, do grande capital. A poupança dos assalariados, classe média ou não, e dos pequenos empresários, aplicados como investimento especulativo no mercado de derivativos ou nos mercados secundários de títulos ou ações, podem, por transferência, aumentar os lucros do capital especulativo parasitário, sem constituir, na verdade, lucros fictícios. Algo mais sobre o capital fictício Assim, em resumo, podemos dizer que os lucros fictícios estão formados anualmente pelo aumento da dívida pública destinada a financiar os gastos improdutivos e o pagamento de juros, além da valorização especulativa dos ativos, sejam reais (como imóveis) ou fiduciários, mobiliários (títulos privados de diferentes tipos, inclusive ações). Esses lucros têm o exato volume do crescimento do capital fictício do tipo Existe um argumento que nos parece definitivo para que a categoria de lucro fictício seja aceita e, além do mais, para mostrar que está na lógica do que nos apresentou Marx quando analisou o capital fictício. Poderia ser apresentado da seguinte maneira: se não é a existência de lucros fictícios, como é possível que surja novo capital fictício? Como é possível que o valor global do capital fictício, pelo menos o do tipo 2, se incremente tanto? Por suposto que a maisvalia ou o excedente-valor produzido, no caso de serem acumulados, amplia o valor do capital industrial e jamais o do fictício. Assim, a única resposta possível é que o incremento do capital fictício do tipo 2 somente pode ter como origem os lucros fictícios. Algumas vezes o capital fictício é visto como simples acumulação de direitos de apropriação de mais-valia no futuro 20. Pelo anterior, esperamos que seja compreensível que tal visão é equivocada. O capital fictício é muito mais que isso. É, no presente, tão real como qualquer outro capital, desde o ponto de vista do ato individual e isolado. Além disso, como qualquer outro, exige remuneração hoje e no futuro e talvez seja de sua natureza mesma uma voracidade ainda maior que a apresentada por todas as demais formas do capital, no que se refere pelo menos ao curto prazo Vê-lo como uma forma de capital que se preserva para usufruir de mais-valia futura, talvez expresse uma 57

18 perspectiva limitada pela visão keynesiana, incapaz de dar conta da dialética que o determina e explica. Esse crescimento dos lucros fictícios e do capital fictício é, sem dúvida, essencial para entender porque a etapa especulativa do capitalismo sobrevive até hoje, apesar de ter se iniciado há mais de duas décadas. Contudo, essa sobrevida não seria possível se, ao mesmo tempo, não tivesse produzido um enorme incremento da exploração dos trabalhadores assalariados, tanto dos países centrais 21 como dos periféricos, assim como dos não assalariados de todo o mundo, sem esquecer dos daquelas regiões mais miseráveis da terra. A lógica capitalista seria totalmente absurda se estivesse simplesmente sustentada, e por tanto tempo, pelo simples crescimento dos lucros fictícios. Apesar de ter-se tornado um curioso e poderoso mecanismo de se contrapor à tendência à queda da taxa de lucro, não pode constituir-se em sustentação da continuidade do capitalismo. O mencionado incremento da exploração teve como origem o aumento da mais-valia relativa (graças ao desenvolvimento tecnológico do período), a mais-valia absoluta (expansão e intensificação das jornadas de trabalho), o incremento da superexploração (redução dos salários reais diretos e indiretos) e o incremento da miséria dos trabalhadores não assalariados 22. Duas coisas são importantes assinalar neste momento. Em primeiro lugar, a continuidade da etapa atual do capitalismo especulativo somente poderá manter-se pelo incremento adicional da exploração do trabalho no mundo todo e pela intensificação das transferências de valor da periferia aos países centrais 23. Por outra parte, a eventual superação dessa etapa especulativa por uma nova etapa, na qual o domínio do capital especulativo parasitário seja destruído, ou pelo menos reduzido significativamente, somente seria possível por meio de um processo que significará ulterior incremento substancial da exploração do trabalho, embora ela já tenha atingido níveis surpreendentes. Qual é a base teórica que permite sustentar a conclusão anterior? Por que correntes heterodoxas do pensamento, muito críticas ao capital especulativo, apresentam outras conclusões, aceitando a possibilidade de que a atual etapa capitalista evolui para uma nova era virtuosa, à semelhança dos anos dourados do capital, com predomínio do capital produtivo e com possibilidade, pelo menos em alguns países, de renovação das concessões a seus trabalhadores? As duas visões críticas sobre o futuro capitalista Nossa concepção de que o futuro da sociedade, enquanto sobreviva como capitalista, implica elevação do grau de exploração dos trabalhadores e de crescimento absoluto da miséria em amplas camadas da população, deriva 58

19 diretamente da teoria marxista do valor, entendida adequadamente. Para ela, a riqueza capitalista e, em particular, o lucro capitalista têm origem, e segue (como não poderia deixar de ser) tendo origem na etapa atual, no trabalho humano. O avanço tecnológico tem papel importante, porém como mecanismo de transferência de mais-valia (por meio dos lucros extraordinários e das rendas de monopólio) e não como produtor da mesma (salvo pelo mecanismo de maisvalia relativa, mecanismo esse mais que compensado, no que se refere à taxa de lucro, pela elevação da composição orgânica do capital). Assim, a lei da tendência à queda da taxa geral de lucro é conseqüência necessária dessa teoria 24. As críticas à lei, expressas em diversas oportunidades e de diferentes maneiras, não são mais que críticas autoritárias que partem de supostos estranhos à própria teoria de Marx e que, por isso e pelo fato de que não podem ser comprovadas empiricamente, são absolutamente irrelevantes 25. Nessa perspectiva, os lucros fictícios surgem como outro fator de contra-tendência à queda da taxa de lucro; curiosamente se trata de algo que não tem origem na mais-valia, que não provém da exploração. Assim, o capital aproximou-se de seu ideal: ganhar e incrementar-se sem necessidade de sujar suas mãos com a exploração. Porém, isso a que preço? Justamente ao contrário, as concepções heterodoxas têm uma visão distinta sobre a origem da riqueza e sobre o excedente. Ou são tributárias de uma perspectiva ricardiana com viés srafiano 26, em que a riqueza é vista de uma maneira trivial como um conjunto heterogêneo de bens e o excedente e sua magnitude, como resultado da tecnologia utilizada (a matriz tecnológica dos coeficientes técnicos em Sraffa) ou, pior ainda, somente possuem uma visão intuitiva da natureza da riqueza capitalista e, portanto, do excedente, quando negam relevância a qualquer teoria do valor. Nesse último caso, se satisfazem com uma visão ainda mais ingênua, desprovida de capacidade para entender os alcances de sua concepção. Para todas essas concepções e também, eventualmente, para autores que se situam no campo marxista, porém que tributários dos limites da visão ricardiana, o tamanho do excedente e também da taxa de lucro pode perfeitamente crescer, sem problemas, como resultado do desenvolvimento tecnológico. E assim, não há maiores problemas. O capitalismo pode superar a atual fase e para isso basta impor limites, por intermédio de mecanismos econômicos e políticos, ao capital financeiro 27. Tais concepções aceitam que existe no capitalismo de hoje o domínio do capital financeiro, porém crêem ser possível um retorno ao capitalismo produtivo e inclusive com capacidade de voltar a fazer concessões aos trabalhadores

20 Se, além disso, os participantes das mencionadas concepções crêem que a oposição capital financeiro versus capital produtivo aparece concretizada em mãos distintas, conformando frações totalmente diferentes no interior da burguesia, a coisa ficaria muito mais fácil ainda: bastaria promover a fração burguesa produtiva, progressista (sic), a setor dominante; para isso seria indispensável aliar-se a ela, ou melhor, subordinar-se politicamente a ela 29. Vivem em um mundo de sonhos: a utopia de um capitalismo humanizado. E são felizes com sua concepção e com seus sonhos. A perspectiva sraffiana ou a visão econômica mais ingênua constituem as bases econômicas, e desde muito tempo têm sido, do mais trivial reformismo. Lamentavelmente, para eles, embora não a entendam, a profundidade da teoria marxista do valor logra demonstrar que essa perspectiva é totalmente ilusória. Não fora trágica, ao enganar inclusive aos setores violentados pela lógica capitalista, seria cômica. Tais concepções têm uma dificuldade adicional. Não sabem muito bem como tratar o capital financeiro. Na verdade, não entendem adequadamente nem mesmo o próprio conceito de capital, e isso parece absurdo. No melhor dos casos, tratam o capital a la Sraffa, como um conjunto heterogêneo de meios de produção e sem nenhuma dimensão social por trás. A contrapartida disso é entender o trabalho não como conceito central na teoria (e, em verdade, não pelas ridículas razões pós-modernas), mas como simples fator de atribuição de insumos consumidos pelo trabalhador que, na produção, em nada se diferencia de um animal ou de um motor a explosão, elétrico ou de outro tipo. Se o capital é um conjunto heterogêneo de bens, o que poderia ser para eles o capital financeiro? Qual é a natureza do capital financeiro? Que relação tem com o capital produtivo e com o capital a juros? A verdade é que a vida desses reformistas, pelo menos do ponto de vista teórico, não é muito fácil! Talvez, a melhor saída para entender o capital financeiro dentro dessas concepções seja tratá-lo como um capital em espera, como uma concessão de um crédito na expectativa futura de apropriação de um excedente real. A grande dificuldade que enfrentam, além da ausência de uma adequada teoria da riqueza e do valor, é sua incapacidade de entender o método dialético. Talvez cheguem inclusive a se deleitar com as afirmações de Böhm-Bawerk de que a dialética não é mais do que um recurso retórico 30, embora tal autor se encontre no seio de outra perspectiva teórica. A ausência de uma visão dialética os impede de ver que o capital financeiro, o capital fictício, ao mesmo tempo que é fictício, é real. Isso ao mesmo tempo! O fato de que assim realmente seja, os leva a embaralhar-se ao tratar o fenômeno. A lógica metafísica positivista é incapaz de entender essa dialética 60

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS MOMENTO ECONÔMICO Os investimentos dos Fundos de Pensão, e o PRhosper não é diferente, têm por objetivo a formação de capital para uso previdenciário, portanto, de longo prazo. Exatamente por essa razão,

Leia mais

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Gustavo Henrique Lopes Machado Vimos nos dois artigos iniciais desta série o conceito preciso de mercadoria, assim como dos ditos serviços. Sendo que,

Leia mais

Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro

Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro Boletim Econômico Edição nº 91 dezembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro Neste ano de 2014, que ainda não terminou o Governo

Leia mais

Mecanismo de Transmissão Monetário:

Mecanismo de Transmissão Monetário: Mecanismo de Transmissão Monetário: Interação e Iteração Canais de transmissão Idéia-chave heterodoxa Decisões fundamentais http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ 1. Metodologia: interação e iteração.

Leia mais

O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias. O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III

O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias. O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III 1 Funções como Dinheiro Funções básicas: a) medida de valores; b) meio de circulação. Funções próprias: a)

Leia mais

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento Conteúdo Temático 1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro 2. Critérios de análise da rendibilidade de projectos de investimento 9.1. A dimensão temporal

Leia mais

INICIAÇÃO AO ESTUDO DO CAPITAL IVAN BARBOSA HERMINE

INICIAÇÃO AO ESTUDO DO CAPITAL IVAN BARBOSA HERMINE INICIAÇÃO AO ESTUDO DO CAPITAL IVAN BARBOSA HERMINE SÃO PAULO 2013 INICIAÇÃO AO ESTUDO DO CAPITAL IVAN BARBOSA HERMINE Este trabalho foi elaborado com o objetivo de incentivar o estudo da obra O Capital

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro I Curso Planejamento e Educação Financeira Uma parceria Órama e Dinheirama. Planejamento Financeiro Por Sandra Blanco Consultora de Investimentos da Órama, mais de anos de mercado,

Leia mais

PREVICALC Cálculos Previdenciários

PREVICALC Cálculos Previdenciários Curitiba, Fevereiro de 2012 Volume 01 edição 3 www.previcalc.com PREVICALC Cálculos Previdenciários As vantagens de se negar um benefício administrativamente e conceder nas vias judiciais. Por que tantos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

UNIDADE 4 INTRODUÇÃO À TEORIA MONETÁRIA OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 4 INTRODUÇÃO À TEORIA MONETÁRIA OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM UNIDADE 4 INTRODUÇÃO À TEORIA MONETÁRIA OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Conhecer o funcionamento do sistema monetário; Compreender a importância

Leia mais

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber.

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber. compensações por terceiros, e qualquer compra ou construção subsequente de ativos de substituição, constituem acontecimentos económicos separados e devem ser contabilizados da seguinte forma: (a) A imparidade

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

Lucas Lúcio Godeiro Mestrando em Economia Política pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Bolsista da Coordenação de

Lucas Lúcio Godeiro Mestrando em Economia Política pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Bolsista da Coordenação de Uma análise do capital fictício de empresas de capital aberto no brasil no período de 2003 a 2010 Lucas Lúcio Godeiro Mestrando em Economia Política pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Leia mais

Demonstrações Financeiras Externas

Demonstrações Financeiras Externas P A R T E I D e m o n s t r a ç õ e s F i n a n c e i r a s p a r a G e r e n t e s 16 C A P Í T U L O 2 Demonstrações Financeiras Externas O que o mundo sabe sobre sua empresa As demonstrações financeiras

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28 Propriedade para Investimento Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 40 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 4 DEFINIÇÕES

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança 3) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 4) Mercado

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

Investtop www.investtop.com.br

Investtop www.investtop.com.br 1 Conteúdo Introdução... 4 CDB... 6 O que é CDB?...6 Liquidez...6 Tributação...6 Riscos...7 Dicas...7 Vantagens...7 Letra de Crédito do Imobiliário (LCI)... 9 O que é LCI?...9 Liquidez...9 Tributação...9

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO contato@agmcontadores.com.br 2015 out-2015 2 Objetivo O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA

FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA O que a macroeconomia analisa? Analisa a determinação e o comportamento dos grandes agregados como: renda, produto nacional, nível geral de preços, nível

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO Um título público consiste, de maneira simplificada, um empréstimo ao governo federal, ou seja, o governo fica com uma dívida com o comprador

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 Índice OBJETIVO 1 ALCANCE 2 IDENTIFICAÇÃO DE COMBINAÇÃO

Leia mais

Glossário da crise financeira

Glossário da crise financeira Glossário da crise financeira Focus A crise financeira que teve início em 2008 com a falência do banco de investimento norte-americano Lehman Brothers alastrou-se a todo o mundo e transformou-se na pior

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012):

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA AUTORIA: Prof Edgar Abreu CONTEÚDOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITAL 2010 DA CEF 1. Funções exponenciais e logarítmicas. 2. Noções de probabilidade e estatística. Juros simples e compostos:

Leia mais

DEMOGRAFIA, ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS

DEMOGRAFIA, ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 9 de setembro de 2011 Página 1 de 21 De Olho Na Bolsa "A relação entre economia e demografia não é, efetivamente, muito percebida pela maior parte dos economistas, haja vista que poucos são os cursos que

Leia mais

Raciocínio Lógico-Matemático para Banco do Brasil

Raciocínio Lógico-Matemático para Banco do Brasil Aula 00 Raciocínio Lógico-Matemático Professor: Guilherme Neves www.pontodosconcursos.com.br 1 Aula 00 Aula Demonstrativa Apresentação... 3 Juros Simples - Introdução... 5 Juros... 5 Formas de Representação

Leia mais

TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) 16 Perguntas Importantes. 16 Respostas que todos os executivos devem saber. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV. É Sócio-Diretor

Leia mais

NEGOCIAÇÃO DE CONSULTORIA EM VENDAS ONLINE

NEGOCIAÇÃO DE CONSULTORIA EM VENDAS ONLINE 2 NEGOCIAÇÃO DE CONSULTORIA EM VENDAS ONLINE Quando uma empresa vai pra internet e investe em marketing digital, essas são as 3 coisas que precisam ser feitas: 1- GERAR LEADS 2- TRANSFORMAR LEADS EM CLIENTES

Leia mais

Origem e objeto da Ciência Econômica

Origem e objeto da Ciência Econômica Origem e objeto da Ciência Econômica Roteiro da apresentação dois sistemas escolhidos na História do pensamento econômico por sua relevância histórica e seu poder de ilustração da problemática da Economia

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária Índice Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesa

Leia mais

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica 6.1. Os Socialistas O pensamento socialista surge em meio à revolução industrial, com suas grandes fábricas. Os trabalhadores possuíam condições precárias de trabalho

Leia mais

COMO REDUZIR A TAXA DE JUROS

COMO REDUZIR A TAXA DE JUROS COMO REDUZIR A TAXA DE JUROS Eduardo Fernandez Silva Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional Câmara dos Deputados Praça 3

Leia mais

MERCADO FUTURO: BOI GORDO

MERCADO FUTURO: BOI GORDO MERCADO FUTURO: BOI GORDO Sergio De Zen Mestre em Economia Aplicada, Pesquisador do CEPEA/ESALQ/USP Os anos noventa têm sido marcados por termos modernos na terminologia do mercado financeiro. Dentre essas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso na solenidade de sanção

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

A Devolução de Casas aos Bancos

A Devolução de Casas aos Bancos Associação Nacional de Proprietários Propriedade e Liberdade. A Devolução de Casas aos Bancos Artur Soares Alves 3-Mai-2012 Em 1997 publiquei uma coleção de textos sob o título Propriedade, Arrendamento

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

PÁGINA JURÍDICA > ARTIGOS DE PROFESSORES > DIREITO COMERCIAL III - RESUMO Nº 2 SOCIEDADES ANÔNIMAS - GENERALIDADES

PÁGINA JURÍDICA > ARTIGOS DE PROFESSORES > DIREITO COMERCIAL III - RESUMO Nº 2 SOCIEDADES ANÔNIMAS - GENERALIDADES PÁGINA JURÍDICA > ARTIGOS DE PROFESSORES > DIREITO COMERCIAL III - RESUMO Nº 2 SOCIEDADES ANÔNIMAS - GENERALIDADES Prof. Marcos Raposo - 2002 1.-. A primeira necessidade do homem econômico é buscar os

Leia mais

Uma coisa com qualidades transcendentais: O dinheiro como relação social no capitalismo

Uma coisa com qualidades transcendentais: O dinheiro como relação social no capitalismo Uma coisa com qualidades transcendentais: O dinheiro como relação social no capitalismo Michael Heinrich * Resumo Neste pequeno artigo 1, o autor introduz didaticamente o conceito de dinheiro que se encontra

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T...

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T... Page 1 of 6 Portal de Obras Legislação Guias e Cursos Downloads GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS Compilado pela Equipe do Portal de Contabilidade AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução Capítulo 1 Avaliando Empresas Uma Introdução A expressão avaliação de empresas é a tradução para a língua portuguesa do termo valuation, sendo sinônimo de valoração de empresas. A recente onda de fusões

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política ////////////////////////// Ficha de Leitura * ////////////////////////// MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política Introdução [À Crítica da Economia Política] Prefácio [Para a Crítica da Economia

Leia mais

Fundamentos Decifrados de Contabilidade

Fundamentos Decifrados de Contabilidade 1 Resultado... 1 1.1 Receitas... 1 1.2 Despesas... 3 1.3 Ajustes... 6 2 Os conceitos de capital e de manutenção do capital... 7 1 Resultado O resultado é a medida mais utilizada para aferir a performance

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROVA DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO - PDI 5ª Etapa Matutino E5M Segundo Semestre de 2011 Questão

Leia mais

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA 2 Adam Smith (filósofo e economista) A base histórica da Demanda e a Oferta é iniciada através do pensamento da Escola Clássica (liberalismo econômico). Seu principal

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

2 Mercado Futuro. 2.1 Conceituação Básica

2 Mercado Futuro. 2.1 Conceituação Básica 13 2 Mercado Futuro Este capítulo tem como objetivo fazer um breve resumo sobre o Mercado Futuro, mostrando sua origem e evolução, importância e seus principais contratos. 2.1 Conceituação Básica Um contrato

Leia mais

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08)

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Aprova a Orientação OCPC - 01 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de Entidades de Incorporação Imobiliária. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA Pág. 1 Índice 1. BALANCETE... 3 2. BALANÇO... 5 3. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS... 10 4. RESUMO... 12 Pág. 2 1. BALANCETE O balancete é um documento contabilístico

Leia mais

ANTÓNIO MANUEL SARMENTO BATISTA MÁTICA ANCEIRA. O valor do dinheiro ao longo do tempo

ANTÓNIO MANUEL SARMENTO BATISTA MÁTICA ANCEIRA. O valor do dinheiro ao longo do tempo ANTÓNIO MANUEL SARMENTO BATISTA MÁTICA ANCEIRA O valor do dinheiro ao longo do tempo ÍNDICE NOTA DE APRESENTAÇÃO... 21 I - Introdução... 25 II Capitalização simples... 29 2.1 Introdução... 31 2.2 Fórmula

Leia mais

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI 1 Com muita honra e responsabilidade, falo uma vez mais em nome da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL

CONTABILIDADE NACIONAL UNIDADE 2 CONTABILIDADE NACIONAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Reconhecer as contas nacionais; Avaliar como se determina a medição do produto

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

INFORMATIVO DA DÍVIDA PÚBLICA

INFORMATIVO DA DÍVIDA PÚBLICA INFORMATIVO DA DÍVIDA PÚBLICA Considerações Iniciais O propósito deste informativo é apresentar aspectos introdutórios da dívida pública, a fim de fornecer subsídios que permitam discutir o assunto no

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração Objetivo 1 O objetivo desta Norma é estabelecer princípios para reconhecer e mensurar ativos financeiros, passivos financeiros e alguns

Leia mais

Dicas. para Sair. das Dívidas DEFINITIVAMENTE. Elton Parente. Com Estratégias de Kim e Robert Kyosaki

Dicas. para Sair. das Dívidas DEFINITIVAMENTE. Elton Parente. Com Estratégias de Kim e Robert Kyosaki 10 Dicas para Sair DEFINITIVAMENTE das Dívidas Com Estratégias de Kim e Robert Kyosaki Elton Parente Lições de Kim e Robert Kyosaki sobre Como Sair das Dívidas A seguir estão os 10 passos que Kim e Robert

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE MELHORES PRÁTICAS DA OCDE PARA A TRANSPARÊNCIA ORÇAMENTÁRIA INTRODUÇÃO A relação entre a boa governança e melhores resultados econômicos e sociais é cada vez mais reconhecida. A transparência abertura

Leia mais

27 O Sistema Monetário

27 O Sistema Monetário 27 O Sistema Monetário Imaginem que não existe um item na economia que seja amplamente aceite na troca de bens e serviços. As pessoas dependeriam da troca directa, mas uma economia que dependesse da troca

Leia mais

PARECER DE ORIENTAÇÃO CVM Nº 17, DE 15 DE FEVEREIRO DE 1989.

PARECER DE ORIENTAÇÃO CVM Nº 17, DE 15 DE FEVEREIRO DE 1989. 1. INTRODUÇÃO EMENTA: Procedimentos a serem observados pelas companhias abertas e auditores independentes na elaboração e publicação das demonstrações financeiras, do relatório da administração e do parecer

Leia mais

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados Curso Online 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa (Internos e Externos) _Desequilíbrio Financeiro

Leia mais

Cédula de Produto Rural -

Cédula de Produto Rural - Renda Fixa Cédula de Produto Rural - CPR Cédula do Produto Rural Comercialização de produtos do agronegócio com recebimento antecipado O produto A Cédula do Produtor Rural é um título de crédito lastreado

Leia mais

ENTRE OS MERCADOS FUTUROS DE DÓLAR E

ENTRE OS MERCADOS FUTUROS DE DÓLAR E ARBITRAGEM E RELAÇÃO DE CAUSALIDADE ENTRE OS MERCADOS FUTUROS DE DÓLAR E DE Dl 1 DIA EXPEDITO AFONSO VELOSO BANCA EXAMINADORA: PROF. CARLOS IVAN SIMONSEN LEAL (ORIENTADOR) PROF. LUIZ GUILHERME SCHYMURA

Leia mais

D ESEMPREGO EM UMA ABORDAGEM TEÓRICA:

D ESEMPREGO EM UMA ABORDAGEM TEÓRICA: D ESEMPREGO EM UMA ABORDAGEM TEÓRICA: NOTAS SOBRE NEOCLÁSSICOS, KEYNES E MARX * DURANTE A MAIOR parte do século XX, tanto a questão do desemprego quanto as demais questões afeitas à macroeconomia dividiram

Leia mais

Produto Vendas Custo da matéria-prima

Produto Vendas Custo da matéria-prima Conceitos básicos de economia A economia pode ser subdividida em dois grandes segmentos: - Macroeconomia: trata da evolução da economia como um todo, analisando a determinação, comportamento e relações

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE TESOURO DIRETO 4ª EDIÇÃO

PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE TESOURO DIRETO 4ª EDIÇÃO AS 10 PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE TESOURO DIRETO 4ª EDIÇÃO Olá, Investidor. Esse projeto foi criado por Bruno Lacerda e Rafael Cabral para te ajudar a alcançar mais rapidamente seus objetivos financeiros.

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Pesquisa Anual da Indústria da Construção - PAIC levanta informações sobre o segmento empresarial da indústria da construção A em todo o Território Nacional. A presente análise apresenta

Leia mais

Sistemas Financeiros. Professor Fabiano Abranches Silva Dalto Departamento de Economia da UFPR SE 506 Economia Monetária e Financeira

Sistemas Financeiros. Professor Fabiano Abranches Silva Dalto Departamento de Economia da UFPR SE 506 Economia Monetária e Financeira Sistemas Financeiros Professor Fabiano Abranches Silva Dalto Departamento de Economia da UFPR SE 506 Economia Monetária e Financeira Bibliografia Utilizada: Peter Howells & Keith Bain (2001) Economia Monetária:

Leia mais

A grande depressão do século XXI e a riqueza fictícia (sobre as categorias teóricas de capital fictício e lucros fictícios)

A grande depressão do século XXI e a riqueza fictícia (sobre as categorias teóricas de capital fictício e lucros fictícios) 1 A grande depressão do século XXI e a riqueza fictícia (sobre as categorias teóricas de capital fictício e lucros fictícios) - versão preliminar - Reinaldo A. Carcanholo* Resumo Trata-se de atualização

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 97 Discurso no banquete oferece/do

Leia mais

Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna

Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna Condição para Crescer Carlos Feu Alvim feu@ecen.com No número anterior vimos que aumentar a poupança interna é condição indispensável para voltar a crescer.

Leia mais

5 Passos para vender mais com o Instagram

5 Passos para vender mais com o Instagram 5 Passos para vender mais com o Instagram Guia para iniciantes melhorarem suas estratégias ÍNDICE 1. Introdução 2. O Comportamento das pessoas na internet 3. Passo 1: Tenha um objetivo 4. Passo 2: Defina

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores.

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. Aqui, a gente tem uma apresentação muito importante, e

Leia mais

Os 10 ERROS MAIS COMUNS QUE OS

Os 10 ERROS MAIS COMUNS QUE OS Os 10 ERROS MAIS COMUNS QUE OS (E Como Evitá-los) W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R Aviso Importante O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, instituições financeiras e produtos, citados, utilizando-os

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Washington, DC 13 de março de 2006 Senhoras e Senhores É com imensa satisfação que me dirijo aos Senhores para

Leia mais