Anais do XXI Encontro Estadual de História ANPUH-SP - Campinas, setembro, 2012.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anais do XXI Encontro Estadual de História ANPUH-SP - Campinas, setembro, 2012."

Transcrição

1 REFLEXÕES ACERCA DO CONTATO ENTRE GREGOS E NÃO-GREGOS NO MEDITERRÂNEO: IDENTIDADE, MATERIALIDADE E ESPACIALIDADE JULIANA FIGUEIRA DA HORA O objetivo principal desta apresentação é avançar na discussão sobre as identidades helênicas que se desenvolveram no mediterrâneo, no início do período arcaico. Identificar traços de reconhecimento da cultura de contato na dinâmica espacial, sob o ponto de vista da Arqueologia da Paisagem, considerando o caráter multifacetado da troca cultural expressa no âmbito espacial e na sua relação com grupos sociais - em sua temporalidade, configuração geográfica, arquitetônica e artefatual. Apresentaremos aqui, parte de um pré-projeto de doutorado, ainda em elaboração, que visa explorar a discussão sobre a identidade e a sua relação com a materialidade e espacialidade. São reflexões e indagações sobre um ponto específico ressaltado na dissertação de mestrado 1, em que abordamos Siracusa, uma fundação grega no ocidente. O projeto de mestrado está inserido no Projeto Labeca. 2 O Labeca propõe o estudo das relações entre espaço e sociedade. A ocupação de novas terras em torno do mediterrâneo no período arcaico, (séc VIII a.c), os novos desafios e o contato com populações não-gregas são questões que permeiam os projetos do laboratório. O processo de formação da identidade grega, sua expansão, a disseminação das póleis ocorreram simultaneamente em diversos pontos do mediterrâneo e, essa formação permitiu diferentes experiências, à medida que os contatos foram efetivados - acredita-se que muito antes do século VIII a.c. A necessidade de se marcar a identidade helênica nas apoikias que se estabeleciam, o desafio do reconhecimento diante do não-grego, do outro 3, fez com que as paisagens, ao longo do mediterrâneo, se delineassem. As redes que se estabeleceram, segundo Irad Malkin (2003) são nós conectados, possíveis resultados do dinamismo, sem marcação precisa de seus centros nem de suas margens. Para Malkin (2003:02), a discussão em torno do mediterrâneo precisa ser mais Mestranda em Arqueologia Clássica pelo Museu de Arqueologia e Etnologia USP. 1 Projeto de Mestrado intitulado A expansão Urbanística de Siracusa nos séculos VI e V a.c 2 Laboratório de Estudos sobre Cidade Antiga. Tem por objetivo aprofundar e difundir estudos sobre a cidade grega, por meio da análise do espaço na cidade antiga. Este projeto é financiado pela FAPESP 3 outro referência ao não-grego, aquele que não é heleno.

2 2 sofisticada, observando as redes em sua forma descritiva e como ferramenta de análise. Estes nós conectados traduzem a dinâmica grega neste mundo de reconhecimentos, de alteridade, de complexidade no mediterrâneo. Portanto, faz-se necessário pensar além do regional, é necessário fazer conexões entre póleis, por meio dos recortes comparativos, para que consigamos visualizar similaridades e disparidades. Determinadas questões que surgem no decorrer das pesquisas relacionadas às póleis não podem ser respondidas com as ferramentas teóricas usualmente utilizadas pela Arqueologia da Paisagem. A definição de espaços, lugares, representações, pautadas por Smith (2000:11) nos levam até a um limite epistemológico. O conceito de redes pode ser mais uma ferramenta, que nos possibilita responder questões concernentes às simultaneidades no período arcaico grego. Sair da esfera celular e ampliar a visão, abarcando um todo conectado, suas similaridades e disparidades, nos leva a novos caminhos, novas indagações e respostas. Ian Morris em Mediterraneanization (2003) traz o elemento da conectividade como processo. É preciso visualizar a paisagem, sob a ótica dos estudos de caso, para que assim seja possível compreender os resultados da conectividade em graus oscilantes. Ian Morris nos traz um estudo de caso, em que observou um local chamado Monte Polizzo, a oeste da Sicília. Ele observa os elementos púnicos, gregos e autóctones, como funciona o processo de atuação, através dos objetos materiais. Ian Morris (2003:50) nos mostra que há uma oscilação, como uma prevalência de determinados traços culturais, em determinados momentos, proporcionando uma variação não estática do funcionamento das trocas culturais neste local, reflexo de uma dinâmica expressa no mediterrâneo, no período arcaico. Para Ian Morris (2003: 51), o mediterranismo explica melhor o caso grego, diferentemente das teorias celulares. Para isso, é preciso fazer analogias, estudos de caso particulares, pois fazem parte de um processo dinâmico, de interconecções. A busca de novas ferramentas teóricas e metodológicas, ainda no âmbito da Arqueologia da Paisagem, iluminam melhor os caminhos para se chegar a uma análise mais holística das póleis coloniais, suas implicações múltiplas, seus contatos e sua configuração espacial. Estes mesmos gregos estavam saindo de suas póleis-mãe e se deslocando, com objetivos iniciais similares e resultados tão diferentes - decorrência dos contextos diversos, ou seja, uma diversidade de contatos com povos não-gregos, gerando complexidades as quais foram determinantes para uma configuração idiossincratizante, ao longo do mediterrâneo.

3 3 As apoikias 4 gregas foram estabelecidas em regiões possivelmente já conhecidas pelos gregos, mas o contato com as populações nativas 5 trouxe aos gregos um conhecimento maior do espaço e território. A Arqueologia trouxe à luz uma série de problemáticas, por meio dos vestígios materiais, o que suscitou um olhar interpretativo voltado para questões étnicas, implicações territoriais, questões fronteiriças, além da discussão do papel do não-grego, tão pouco citado nas fontes literárias principais como Estrabão, Diodoro, Tucídides e Heródoto. As narrativas literárias, em primeiro lugar, de acordo com o artigo do Pollini; Funari (2009: 46) tratam o território indígena sem uma indicação precisa. Segundo comparação feita pelos autores, a fronteira é zona de contato entre a chamada sociedade civilizada e as terras não ocupadas. A visão helenocentrista de território era verificada principalmente em Estrabão, que sinalizava bem as terras ocupadas pelos gregos. As terras não ocupadas pelos gregos eram dadas como vazias. Com uma documentação escrita escassa em relação à dinâmica das populações não gregas, há uma vaga descrição em narrativas literárias. A definição de fronteira, no caso da colonização grega, não significou uma linha imaginária e fixa, senso comum no século XIX entre os europeus, mas seu significado mais adequado seria zona de contato entre gregos e não gregos. Por outro lado, Procelli, R.M.A no artigo Greeks and indigenous people in eastern Sicily: forms of interaction and acculturation (1996: ) critica esta visão de análise chamada por ela de antropológica. Discussões em torno do contato entre ambos os povos estenderam-se para além do estudo da distribuição quantitativa e qualitativa de artefatos gregos no contexto local, para a adoção de modelos antropológicos, derivados de comparações feitas com a colonização na América latina e em outras áreas de expansão europeia. A autora não concorda com tais abordagens, levantando uma série de disparidades em termos históricos, no que se diz respeito à comparação entre gregos e europeus modernos. Procelli (1996: 167) ressalta o processo de aculturação das comunidades indígenas, e de como atualmente este é um tema em debate constante. No caso da colonização grega, vestígios permitem demonstrar o além do objeto, a dinâmica desta sociedade indígena, a distribuição e transporte de materiais gregos e um aspecto interessante, a capacidade de 4 Apoikia: cidade fundada por grupo de imigrantes gregos, sobretudo a partir do século VIII a.c. As apoikias mantinham relação religiosa e moral com as cidades que as haviam fundado, mas eram completamente independentes, do ponto de vista político e econômico. Este termo foi aportuguesado a partir do glossário do Labeca, que visa padronizar os termos referentes à cidade grega no Brasil. 5 O termo nativo implica em conceitos discursivos construídos no século XIX, dentro de um contexto de colonização europeia, concernente àqueles indivíduos que sempre pertenceram às terras. Não cabe para o caso dos não-gregos do mediterrâneo arcaico, pois não é possível afirmar a sua autoctonia.

4 4 especialização, de aculturação e de adequação desse povos a um novo modelo. Isso desmitifica, em muitos casos, a ideia de resistência e de domínio de um povo sobre o outro, que o discurso historiográfico tanto enfatiza. O contato estabelecido a partir da colonização grega, referenciado nas fontes escritas, faz parte de um discurso construído na informação escrita, o que nos permite somente visualizar parte desse processo. O vestígio material, por sua vez, nos remete a outras diversas questões e contradições, que nos permite pensar em uma nova abordagem. Por meio dos estudos arqueológicos feitos na malha urbana, na asty e na khóra, nos centros especificamente indígenas, e nos cemitérios foi possível o recolhimento de materiais que nos dão margem a questionamentos e embates com as fontes escritas anteriores, além de preencher lacunas referentes à dinâmica social dos povos indígenas nos fragmentos literários. É possível levantar questões como cultos indígenas, amálgama de populações, possível coexistência entre povos indígenas e gregos, epigamias, casamentos, questões econômicas e identitárias, resultado desse contato. As narrativas de fundação 6 surgem como justificativas para as empreitadas gregas no mediterâneo. Segundo Dougherty (1993:15) o oráculo de Delfos será o grande guia, e a punição do oikista culminará em sua saída rumo às terras desconhecidas, sendo obrigado a fazer contato com o outro - e para que seja purificado, ele deve fundar uma cidade. A alteridade é explorada na documentação escrita e o estabelecimento de novas póleis, em nome do deus, irá se disseminar por diversas partes do mediterrâneo, com um mesmo padrão, porém com peculiaridades vivenciadas por cada contato, desenvolvendo particularidades contextuais. As informações literárias sobre os não-gregos, em tempos arcaicos, são escassas e mostra o desrespeito pelo nativo. A identidade étnica é uma construção social, os grupos humanos geralmente enfatizam alguns aspectos contra outros ao construir a própria identidade. O fator importante na construção é o contraste com grupos que se diferenciam entre si. O sentimento de pertença pode ser impresso na materialidade, o que percebe-se em túmulos, habitações, depósitos votivos, vasos de uso doméstico, etc.com o avanço das pesquisas arqueológicas, a questão da helenidade tornou-se bastante significativa, já que as evidências materiais não corroboram, em muitos casos, com as fontes escritas, ou que a 6 DOUGHERTY (2003). A autora analisa a documentação escrita, sob o ponto de vista dos discursos e representações contidos nos mesmos, como justificativa das fundações gregas. Ela sustenta que as narrativas poéticas trazem elementos metafóricos que agregam o discurso, fazendo do mesmo um elemento ativo no contexto da época. A autora não analisa o mito ou as histórias em si, mas o seu objeto documental, autônomo que sustenta um discurso vigente.

5 5 insuficiência destas direcionem para uma apuração maior dos vestígios e seus contextos. Segundo Hall (2004:46) as informações acerca das percepções dos grupos indígenas são requisitos necessários para medir a autoconsciência grega de identidade. Nos textos literários, podemos perceber um forte sentimento de alteridade. Na Odisseia de Homero há trechos que tratam de alteridade: Feáceos (Od ), fenícios (Od ;16.426), ciclopes (Od ; ). Aos feáceos parecem caber os valores representados pelo próprio Ulisses, em parte, porque ambos tiveram os mesmos inimigos, os ciclopes, mas também porque dão boas vindas ao herói com dons de hospitalidade. Além disso, essa identidade compartilhada é reforçada no desafio de Eurialo, pois este indaga Ulisses sobre a sua identificação com os Feáceos (Od ), e ele confirma a pertença ao seu círculo (Od ). Não se sabe se o que há neste trecho é a consciência da identidade étnica ou apenas a identidade social de pertença ao mesmo grupo (Od ). O estado de Odisseu entre os feáceos mostra que todos participam e compartilham dos mesmos valores. No caso, seria importante saber se a insistência na partilha dos mesmos valores tinha algo a ver com a ansiedade do mundo colonial, considerando-se as colônias e seus pertencentes, adotando-se uma identidade comum, baseada na partilha de determinados valores, de pessoas que vivem em ambientes diferentes. Ideias estas que faziam parte da mentalidade grega no século VIII - não implicando em desrespeito ao outro. Por outro lado, Arquíloco, em alguns fragmentos Frr. 43; 93; 216 mostra como o desprezo pelos não gregos faz parte da justificativa de ações. As narrativas literárias são ferramentas importantes, que nos permitem visualizar os discursos vigentes. A abordagem da arqueologia espacial permite-nos o aprofundamento nos aspectos conceituais importantes, direcionando-nos para questões sociais imbricadas nesta paisagem de contato, em meio a uma rede formada no mediterrâneo. A materialização desta dinâmica emerge na documentação, e os traços de culturas locais são bastante significativos, pois estão expressos nos contextos, alimentados por discursos de fundações regionais e locais. Para Dietler (1997) não se pode mais considerar a influência grega como uma via de mão única, mas como algo mais complexo, que envolve forças sociais e estruturas culturais. O conceito de colonização grega hierarquizada não responde mais às questões mais complexas das fundações gregas. O conceito de redes, segundo I. Malkin (2003), vai além das teorias como a de centro-periferia, que restringe a análise relativa à expansão grega no mediterrâneo. As fundações, pelo que se observa, eram mais ou menos de mesma época, simultaneamente ao crescimento da malha urbana das cidades-mãe. Nas novas póleis,

6 6 segundo Malkin (2003:5) os gregos estavam imersos em novas realidades, desenvolvendo conexões com os povos locais e ao mesmo tempo mantendo seus traços de helenidade, inserindo novos elementos locais na paisagem que se formava, criando um novo tipo de convergência grega no mediterrâneo. O processo colonial marca a ocupação de terras e a criação de estruturas políticas semelhantes às das cidades-mãe. Evidências arqueológicas confirmam o surgimento de estruturas urbanas complexas, ocupação de território, início do povoamento. É possível reconsiderar o papel desempenhado pelos gregos nos processos e nas mudanças na percepção do conceito colônia 7, que reproduzem modelos já existentes na Grécia, acrescentando-se o elemento local. Faremos um comparativo preliminar entre duas regiões do mediterrâneo - distantes geograficamente, mas muito próximas em seus contextos de expansão grega, ou seja, a sicília e o norte do egeu. Para um estudo mais amplo e comparativo, seria necessário vislumbrar um recorte significativo de póleis, visando obter amostras de dados quantificativamente suficientes para um trabalho que tem, como uma de suas ferramentas teórico-metodológicas, o uso das redes nas zonas de contato. Nesta apresentação, faremos uma breve apresentação de duas cidades, mais especificamente Siracusa e Argilos. Duas póleis que pertenceram a um mesmo contexto de fundações, porém, uma encontra-se no ocidente e outra na península balcânica. Ambas fazem parte do mediterrâneo, este complexo termo de difícil conceituação. Para Braudel (1995: 17-18), a definição é incerta e depende do tempo histórico. O mediterrâneo é reconhecido pela sua geografia, mas a sua complexidade se dá na temporalidade histórica, nas suas relações, no seu dinamismo. Sicília Siracusa Siracusa (Fig.1) está localizada a sudoeste da Sicília. Tucídides (6.17) conta que um ano após a fundação de Naxos, o corintio Árquias conduziu um grupo de colonos para Siracusa, estabelecendo-se na ilha de Ortígia, expulsando de lá os sículos. Siracusa prosperou, tornando-se a maior cidade da Sicília. Os primeiros colonos receberam concessões de terras na planície, favorecendo uma emergente elite proprietária de terras, os gamoroi. Com o crescimento econômico, demográfico e o contínuo afluxo de novas levas de colonos, veio a necessidade de expansão. Siracusa iniciou seu próprio processo de colonização nas terras 7 O termo colonização não é o mais correto, pois incorre-se no erro anacrônico de comparação com o termo e sua carga conceitual referente ao movimentos de época moderna e contemporânea.

7 7 vizinhas, resultando na fundação de Acras, por volta de 663 a. C. Já no sudeste da Sicília, a dominação de Siracusa foi mais vigorosa, pois ali fundou Casmenes, por volta de 643 a.c e Camarina, por volta de 598 a. C. FIg.1. Mapa da Sicília Localização de Siracusa. PEDLEY, J. G. Paestum. Greeks and Romans in Southern Italy. London: Thames and Hudson: 12, As principais cidades sículas ficavam em uma região chamada Pantalica (Fig.2), a 25 quilômetros de distância a oeste de Siracusa, a meio curso do rio Anapo e da região de Finocchito. Segundo Torelli; Coarelli (1984:222) a chegada dos gregos em Ortígia foi traumática para os habitantes indígenas, pois os sículos foram expulsos do território imediatamente. Com a expansão, Ortígia foi ligada à terra através de uma ponte, onde se encontrava Acradina. Segundo Dunbabin (1948) Pentalica, antiga Hybla é uma montanha com uma área grande, suficiente para oferecer refúgio aos habitantes. Lá foi encontrada uma estrutura palacial de estilo grego. Em muitas tumbas encontradas no local, não havia cerâmicas, mas perônios de bronze e ouro que vieram em pequenas quantidades da Grécia, além de algum material do período da fundação. A descoberta de fragmentos do período Protocoríntio skiphos, datados de meados do século VII e VIII a.c., encontrados dentro de uma caverna artificial, durante a escavação dos terraços do palácio, segundo Bernabò Brea (1972:53) é até agora a única evidência arqueológica do contato entre gregos e não-gregos da antiga cidade. Finocchito (Fig.2), por sua vez, também foi uma cidade sícula, porém pelo que se pôde notar nas escavações das tumbas, pertence a um período posterior a Pentalica.

8 8 Finocchito é mais abundante em objetos de luxo trazidos de outros continentes, sendo que a maior parte das tumbas são posteriores à fundação de Siracusa, mas contém menos cerâmica grega deste período do que do anterior. O que Dunbabin (1948:97) nos mostra é que provavelmente a ocupação cessou no início do século VII a.c, a data da última tumba. È possível, segundo o autor, que a relação entre Siracusa e os sículos destas regiões tornaram-se estreitas, assim que os colonos sentiram-se estabilizados. Fig.2. Localização de Pentalica e Finocchito e movimento da colonização grega na Sicília. MERTENS Città e monumenti dei Greci d Occidente. Roma. L Emma di Bretschareider: 44, Segundo Procelli (2003:138) os dados arqueológicos disponíveis em Siracusa e nas demais cidades da Sicilia não permitem uma visão geral das apoikias gregas, no que diz respeito à expansão nas áreas indígenas mencionadas acima. Procelli Albanese adota uma postura de negação literária, assumindo o vestígio material como única e exclusiva fonte. Em alguns casos há sinais e vestígios de violência na idade protoarcaica. Contatos traumáticos com a população local, levando ao desaparecimento de assentamentos. Esses habitantes seriam incluídos no sistema colonial de trabalhos, ou seja na estrutura produtiva das colônias em contrapartida - em outras áreas, os vestígios materiais mostram uma continuidade dos assentamentos e uma possível convivência entre etnias.

9 9 Portanto, ao que a Arqueologia indica, a questão das apoikias gregas no ocidente ocorreram em regiões já conhecidas pelos gregos, mas que o contato nos séculos VII e VI a.c com as populações nativas trouxe aos gregos um conhecimento maior do espaço, do território como um todo. Norte do Egeu- Argilos Trabalhar as fundações gregas no mar Egeu, mais especificamente as colônias da Trácia amplifica, por meio de estudos de casos específicos, a análise e a aplicação comparativa dos estudos com a Sicília. A região possui indícios de póleis que já no século VII a.c apresentaram uma área urbana configurada, uma khóra delimitada e muito material de contato entre gregos e não-gregos. Muitas das póleis do norte do Egeu trouxeram tanto vestígios arqueológicos, por meio de escavações locais - quanto escritos, por meio de fontes primárias e secundárias, porém, em Argilos, o estudo de caso que veremos nesta apresentação, não há documentação escrita de época arcaica, o que a torna um caso particular, focada na documentação material. Segundo o arqueólogo canadense Jacques Perreault 8, Argilos localiza-se no baixo vale do Rio Strymon (Fig.3), na trácia, região importante de contato. Segundo Perreault; Bonias (2010:225) fenícios, trácios, macedônios, gregos e persas foram atraídos para esta região rica em minerais de ouro e prata. Possuía uma rede fluvial movimentada e de fácil acesso. 8 Prof. Dr. Jaques Perreault é Professor da Universidade de Montreal e Co.diretor de escavação da Missão Greco-Canadense em Argilos.

10 10 Figura 3. Mapa da Trácia e da Península Calcídica. Localização de Argilos, no norte do Egeu. (PERREAULT; BONIAS, 2007:27). Há poucas informações literárias sobre Argilos, o que se tem são referências às guerras médicas ou do Peloponeso, nada da idade arcaica. Heródoto a inclui na lista das cidades pelas quais Xerxes passou (Hdt.VII, 115,1) e Tucídides menciona a cidade em conexão com a captura de Anfipolis por Brasidas em 424 (Thuc IV, 103). As duas passagens forneceram pistas necessárias para a sua localização geográfica. Argilos situava-se no coração bisalte 9, local onde foram encontrados os vestígios da colônia, sobre o monte palaiokastro, a menos de 4 km a oeste do rio. A foz do rio strymon marcou 2 áreas coloniais, a leste, Thasos, no século VII a.c, seguido por uma série de colônias do lado oposto do rio. Galepsos foi considerada a mais ocidental das colônias da ilha. Argilos é a colônia mais a leste de Andros, das 4 fundadas - as outras 3 colônias estão na calcídia: Sane, Akanthos, Estagira. Andros é uma ilha na Grécia, ao norte do arquipélado das cíclades, localizada a 10 km a sudeste de eubéia. Sabe-se pouco ou nada sobre as colônias de Andros. Plutarco (Quaest. Graec.30) trata mais indiretamente da fundação de Sané e Akanthos. O autor sugere que eles partiram de cidades da trácia. Sane caiu nas mãos de gregos por conta da traição de um de seus habitantes, enquanto que akantinos fugiram, por conta da esmagadora maioria grega. 9 Bisaltes e odomantes eram povos trácios situados às margens do rio strymon. Segundo Heródoto (Hdt ) bisaltia localizava-se na costa oeste do strymon. O strymon era fronteira entre a Bisaltia e Edomia, território odomante. No século V a.c os bisaltes eram governados por um rei trácio. (Hdt ). Os bisaltes cunharam moedas de padrão fenício, no período arcaico, de acordo com fontes arqueológicas. (FLENSTED, P, J. 2004: 810)

11 11 Infortunamente, não se sabe exatamente a data de fundação de Argilos, mas pode-se assumir que foi ao mesmo tempo em que suas colônias irmãs, Akanthos e Estagira, de acordo com Perrault; Bonias (2007:26). Estas colônias foram fundadas, segundo Eusébios, fonte citada pelos autores, durante a 31º Olimpíada, em 655/654 a.c. Se a tradição literária estiver certa, Argilos seria a mais antiga das colônias grega na costa da trácia oriental da calcídia. Argilos ocupou uma área privilegiada, beneficiando as atividades comerciais de ouro e minas de prata, ao longo do rio strymon. Autores antigos raramente mencionam, mas lançam luz sobre a região, parecendo indicar que a cidade gozava de prosperidade econômica, pelo menos até a fundação de Amfipolis em 437 a.c. Durante a segunda metade do século VI, Argilos fundou 2 pequenas colônias, Tragilos, no coração da Trácia e Kerdyllion, a poucos quilômetros do leste da cidade. Heródoto disse que em 480, depois de percorrer strymon, que o rei persa Xerxes parou em Argilos e forçou seus habitantes a entrarem em seu exército. Depois da derrota Persa, Argilos veio a ser membro da primeira liga ateniense, pagando um valor de 10/1/2 talentos, considerável prova da sua riqueza. Mas a fundação de Anfipolis, que de fato controlou o comércio ao longo do rio strymon, fez com que a cidade se deteriorasse durante a guerra do Peloponeso. Tucídides nos diz que alguns argilianos fizeram parte da fundação, mas que a relação entre as duas cidades não foi bem sucedida. Os argilianos juntaram-se ao general espartíada Brasidas para atacar Anfipolis. Em inscrição no templo de Asklépio - em Epidauro atesta-se que Argilos ainda era uma cidade independente no século IV a.c Como outras colônias da área, a cidade foi conquistada pelo rei macedônio Felipe II em 357 a.c. Escavações grego-canadenses, iniciadas em 1992, sob a coordenação do Prof. Dr. Jacques Perreault, arqueólogo da Universidade de Montreal, concentraram seus esforços em 3 áreas: ao longo da costa do mar, onde trouxeram as primeiras ocupações; Na encosta sudeste, onde foi encontrada uma área pública importante, habitações domésticas, vestígios de desenvolvimento arquitetônico e urbano da cidade; e finalmente a Acrópole, onde a construção perdura por todos os períodos de existência da cidade. As escavações da acrópole, ao longo do litoral, trouxeram uma diversidade de material datado do século VII a.c, período correspondente à chegada dos gregos. Os gregos, aparentemente estabeleceram-se primeiro em 2 áreas: ao longo da costa, a fim de facilitar o comércio, e aproveitamento dos recursos do mar e na acrópole, que ofereceu defesa natural em caso de ataques hostis. O primeiro material da acrópole veio de um contexto conturbado, mas ao longo da costa foram encontrados vasos e objetos de metal (em nível artificial). Foi aberta uma

12 12 trincheira piloto de 6,5 metros de profundidade, de modo a estabelecer uma estratigrafia completa da ocupação na área. Há uma presença maciça de cerâmica que cobre o primeiro século da ocupação grega, levando-os a ampliação das escavações. Há vislumbre dos primeiros contatos entre gregos e trácios (PERREAULT; BONIAS, 2010:228). Estas descobertas mostram a intensidade do contato entre populações gregas e locais, além da diversidade do comércio, relações não apenas com os principais centros produtores do sul da Grécia, mas também com as principais cidades da Ásia menor. A cerâmica pertencente ao período de a.c pode ser dividida em 4 grupos, dos quais 2 são de estilo local ou regional, a saber: Grupo 1- Tracio-macedônio: eles são em grade parte, vasos de cozinhar, todos feitos à mão e decorados com motivos incisos ou com um cordão beliscado a dedo, colocado na parte superior do vaso, muitos desses são de produção local. Grupo 2- Vasos de armazenamento, essencialmente ânforas de transporte e caixas de armazenamento, mas também bebedores de navios. São decorados com motivos protogeométricos e geométricos. Sem dúvidas, essas mercadorias eram produtos dos centros regionais, ou locais, que ainda não conhecemos, na península calcídia. Nestes grupos encontram-se, nos século VII vasos originários de cidades ao longo da Ásia menor e vasos produzidos nas ilhas cíclades. Em ambos os casos, as formas são, principalmente bebedouros de navios, copos, tigelas e skyphos, ânforas de transporte. A maior parte dos vasos vem de cidades orientais gregas, como o pássaro-tigela, Estas tigelas foram amplamente distribuídas no mediterrâneo, por comerciantes do oriente grego. Infelizmente, pouca arquitetura permaneceu da fase inicial. Um forno pequeno, utilizado para trabalho com metal, que data do primeiro trimestre do século VI a.c. Mais ao sul, uma série de furos indicam primeiras habitações, cabanas simples. A cidade de Argilos prosperou muito com o crescimento econômico durante o século VI e V a.c. Segundo Perreault; Bonias (2007:30) os cidadãos de Argilos exploraram a região com abundância de recursos naturais, o que trouxe riqueza para os habitantes, os conduzindo a um desenvolvimento urbano conspícuo. Os argilianos exploraram ouro e minas de prata, de recursos florestais, até escravos, negociantes, e comércio com outras colônias gregas do interior da trácia. Por fim, estes dois estudos de caso, são amostras bem preliminares, apresentadas para termos uma ideia das similaridades, disparidades e peculiaridades de cada uma das fundações. Estas póleis estão inseridas em um contexto de redes do mediterrâneo, em que, no período arcaico apresentavam características de contato com povos não gregos. Siracusa nos

13 13 permite ter acesso aos relatórios de escavação, muito trabalhados e interpretados, ao longo do séculoxx. As fontes escritas trazem poucas informações sobre a fase inicial de contato das fundações, mas há menção, o que nos permite comparação documental. Já em Argilos, não há menção na documentação escrita, nem em relação ao contato, nem de sua política inicial. O que há impresso na paisagem, visível no registro arqueológico são vestígios de uma pólis desenvolvida, que possui seus caminhos, memórias e que, nos primeiros anos de contato, possuía um comércio intenso, segundo é possível perceber nos artefatos encontrados. As escavações estão ocorrendo, e conforme publicações, poderemos perceber a construção, por meio dos dados coletados, de uma fundação arcaica muito ativa no norte do egeu. É válido ressaltar que este é um projeto inicial, em fase de elaboração e reflexão. Apresentamos aqui, um ensaio comparativo preliminar, resultado de um recorte das leituras para a dissertação de mestrado, em que focamos Siracusa e seu desenvolvimento urbanístico, além dos resultados de leituras e discussões de seminários semestrais do Labeca, direcionados para teorias espaciais, contato entre populações gregas e não gregas no mediterrâneo arcaico, teoria das redes e mediterranização. O ingresso, em um novo contexto espacial, no caso o norte do egeu e suas colônias arcaicas, partiu da necessidade de expandir a minha pesquisa sobre as fundações, a fim de ampliar a discussão para além do ocidente grego, ainda sob a perspectiva da arqueologia da paisagem e de suas ferramentas epistemológicas e metodológicas. BIBLIOGRAFIA BREA, L.B. Sicilia. Lisboa: Editora Verbo, BRAUDEL, F. El Mediterrâneo y El mundo mediterrâneo em La época de Felipe II, 2v. México: Fondo de Cultura Econômica, 1992; COARELLI, F; TORELLI, M. Sicilia. Guide Archeologiche. Bari: Laterza, DIETLER, M. The Iron Age in Mediteranean France: colonial encounters, entanglements, and transformations. In: Journal of World Prehistory, 11, p , 1997.

14 14 DOUGHERTY, C. The poetics of colonization: From city to text in archaic Greece. Oxford University Press, London DUNBABIN, T. J. Western Greeks: The History of the Sicily and South Italy fron the Fondation of the Greeks Colonies to 480 b.c. Oxford: Claredon, FUNARI, P; SILVA, M.A. (Orgs.). Política e Identidades no Mundo Antigo. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2009.p HALL, J. Between ethnicity and Culture. Chicago and London: University of Chicago Press, JENSEN, P.F. Thrace from axios to strymon. In: HANSEN, M. NIELSEN T. (Orgs.). An inventory of archaic and classical poleis. An Investigation Conducted by the Copenhagen Polis Centre for the Danish National research Fondation. New York: Oxford University press, 2004.p LOMAS, K. The polis in Italy: Ethnicity and citizenship in the western Mediterranean. In: BROCK, R; HODKINSON, S (Eds.). Alternatives to Athens: Varieties of Political Experience and Community in Ancient Greece, Oxford, 2000.p MALKIN, I. Networks and the emergence of greek identity. In. Mediterranean Historical review, 18, 2, p.56-74, MORRIS, I. Mediterraneanization. In: MALKIN, I. (Ed.). Mediterranean paradigms and classical antiquity, London: Routledge, 2003.p PROCELLI, A.R.M Greeks and indigenous people in eastern Sicily: forms of interaction and acculturation. In: LEIGHTON, R. (Ed.). Early societies in Sicily. Accordia specialist studies in Italy 5. London, 1996.p PROCELLI, A.R.M. Sicani, Siculi ed Elimi, forme di identità, modi di contatto e processi di trasformazione. Milano, p

15 15 PERREAULT, J; BONIAS, Z. Argilos aux VIIème-VIème siècles. In: TREZINY, H. (Dir.). Grecs et non-grecs de La Catalogne à la mer Noire. Bibliothèque d archeologie méditerranéenne et africaine, 2009, a été publié dans Le volume suivant, que vous connaissez sûrement: TREZINY, H. (Ed.). Grecs et indigènes de La Catalogne à La mer Noire: actes dês rencontres Du programme européen. Centre Camille Jullian. Ramsés2. Bibliothèque d archéologie méditerranéenne et africaine, v.3, p.727, PERREAULT, J; BONIAS, Z., Argilos : A Greek Colony in Thracian Territory. The AAIA Bulletin, v.4, Jan 2006-June 2007, p POLLINI, A; FUNARI, P. A percepção grega da fronteira na magna Grécia: Literatura e arqueologia em diálogo. In: FUNAR, P; SILVA,,M. (Orgs.). Política e identidades no mundo antigo. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2009.p SMITH, C.J; SERRATI, J. Sicily from Aeneas to Augustus: New Approaches in Archeology and History, Edinburgh University Press, 2000.

De Creta a Micenas. As Origens do Mundo Grego

De Creta a Micenas. As Origens do Mundo Grego De Creta a Micenas As Origens do Mundo Grego 1 O início da História Entre os séculos XX a.c. e XVI a.c., floresceu em Creta, a maior ilha do Mediterrâneo, uma brilhante civilização, que influenciou a desenvolvida

Leia mais

A CIDADE-ESTADO ESTADO GREGA ORIGEM DAS PÓLIS GREGAS Causas geomorfológicas A Grécia apresenta as seguintes características: - Território muito montanhoso; na Antiguidade, as montanhas estavam cobertas

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS A CHEGADA DOS PORTUGUESES A AMÉRICA E AS VIAGENS MARÍTIMAS Projeto apresentado e desenvolvido

Leia mais

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA Profº Alexandre Goicochea História ORIGENS O mundo grego antigo ocupava além da Grécia, a parte sul da península Balcânica, as ilhas do mar Egeu, a costa da Ásia Menor, o

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA DESAFIO DO DIA. Conteúdo: A civilização cretense Os primeiros povos gregos

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA DESAFIO DO DIA. Conteúdo: A civilização cretense Os primeiros povos gregos CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA Conteúdo: A civilização cretense Os primeiros povos gregos CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA Habilidades: Compreender o processo de formação da civilização grega.

Leia mais

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico).

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Arte 1º. Ano do Ensino Médio 1º. Trimestre - Conteúdo Avaliativo: Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Períodos Artísticos: Pré-História/Idade Antiga

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram GPS Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram ferramentas importantes para nos localizarmos com mais facilidade. Agora imagine que você pudesse ter um GPS que, além de lhe fornecer

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

1. (1,0) APONTE o nome da região em que foi desenvolvida a civilização grega.

1. (1,0) APONTE o nome da região em que foi desenvolvida a civilização grega. PARA A VALIDADE DO QiD, AS RESPOSTAS DEVEM SER APRESENTADAS EM FOLHA PRÓPRIA, FORNECIDA PELO COLÉGIO, COM DESENVOLVIMENTO E SEMPRE A TINTA. TODAS AS QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA DEVEM SER JUSTIFICADAS.

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

AULA DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA 14/09/2009 GRÉCIA. Localização Península Balcânica sudeste da Europa Território Relevo Acidentado 80% montanhoso

AULA DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA 14/09/2009 GRÉCIA. Localização Península Balcânica sudeste da Europa Território Relevo Acidentado 80% montanhoso AULA DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA GRÉCIA Localização Península Balcânica sudeste da Europa Território Relevo Acidentado 80% montanhoso ASPECTOS GEOGRÁFICOS Povos invasores formada por muitas ilhas a maior

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 LISTA DE EXERCÍCIOS 01 01 - (Unicamp 2014) Desde o período neolítico, os povos de distintas partes do mundo desenvolveram sistemas agrários próprios aproveitando as condições naturais de seus habitats

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

A História da Grécia Antiga se estende do século XX a.c. até o século II a.c. quando a região foi conquistada pelos romanos.

A História da Grécia Antiga se estende do século XX a.c. até o século II a.c. quando a região foi conquistada pelos romanos. HISTÓRIA ANTIGA Grécia I - formação Situada no sul da Europa (Península balcânica), numa região de relevo acidentado e um arquipélago no Mar Egeu, a Grécia foi palco de uma civilização que se desenvolveu

Leia mais

A arte na Grécia. Capítulo 3

A arte na Grécia. Capítulo 3 A arte na Grécia Capítulo 3 Por volta do século X a. C, os habitantes da Grécia continental e das ilhas do mar Egeu formavam pequenas comunidades, distantes umas das outras, e falavam diversos dialetos.

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2014

PLANEJAMENTO ANUAL 2014 PLANEJAMENTO ANUAL 2014 Disciplina: HISTÓRIA Período: Anual Professor: INÊS PEREIRA Série e segmento: 1º ENSINO MÉDIO 1º TRIMESTRE 2º TRIMESTRE 3º TRIMESTRE Respeitar e entender a importância do patrimônio

Leia mais

PARNAMIRIM - RN. 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro

PARNAMIRIM - RN. 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro PARNAMIRIM - RN 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro 1. CONTEXTO / INTRODUÇÃO Como vimos anteriormente, a Grécia, nada mais é do que o berço da cultura Ocidental, e como tal, nos deixou como

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG LOCALIZAÇÃO E POVOAMENTO A Grécia antiga localizava-se em sua maior parte do sudeste da Europa

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1280 OS HISTORIADORES, SEUS LUGARES E SUAS REGIÕES: A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DA UNICENTRO SOBRE A REGIÃO PARANAENSE Darlan Damasceno Universidade Estadual de Londrina Resumo.

Leia mais

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita

Leia mais

ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO

ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO Silvia A Guarnieri ORTIGOZA Magda Adelaide LOMBARDO Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço, Cultura e Política (LECGEO)

Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço, Cultura e Política (LECGEO) Vidas exclusivas: Territorialização, transformação dos usos e apropriações da Praia do Paiva-PE Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço,

Leia mais

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO Marcos Luchi 1 (UFSC) Fabíola Sucupira Ferreira Sell 2

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

Antiguidade Clássica: Grécia

Antiguidade Clássica: Grécia Antiguidade Clássica: Grécia Localização Localização Localização Período Creto-Micênico (XX a. C. XII a. C) Pinturas no palácio de Cnossos em Micenas Período Creto-Micênico (XX a. C. XII a. C) Escrita

Leia mais

Introdução. Localização

Introdução. Localização Introdução A civilização grega surgiu entre os mares Egeu, Jônico e Mediterrâneo, por volta de 2000 AC. Formou-se após a migração de tribos nómadas de origem indo-europeia, como, por exemplo, aqueus, jônios,

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA

ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA Arte Proto-Grega A arte Proto-Grega também é conhecida como Creto-Micênica. Na Ilha de Creta, no Mar Egeu, desenvolveu-se uma civilização que deixou como principal

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

CURSO DE HISTÓRIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG CURSO DE HISTÓRIA ANTIGA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG POVOS PRÉ-COLOMBIANOS ASTECAS MAIAS INCAS Principais fontes para estudo dos povos americanos: 1º Fontes

Leia mais

Localização Geográfica. -Sul da Europa, na Península Balcânica, junto ao mar Mediterrâneo.

Localização Geográfica. -Sul da Europa, na Península Balcânica, junto ao mar Mediterrâneo. O Mundo Grego - I Localização Geográfica -Sul da Europa, na Península Balcânica, junto ao mar Mediterrâneo. Povoamento -Arianos ou indo-europeus (aqueus, jônios, eólios e dórios). -Invasão dos Dórios (armas

Leia mais

Sugestões de avaliação. Geografia 7 o ano Unidade 1

Sugestões de avaliação. Geografia 7 o ano Unidade 1 Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 1 5 Unidade 1 Nome: Data: 1. Verdadeiro ( V ) ou falso ( F )? Responda considerando a localização do território brasileiro no planeta. a) o oceano que banha

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo;

População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo; INTRODUÇÃO À GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO 1 Aspectos teóricos e metodológicos da geografia da população População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo; A importância de

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Três grandes impérios, além de dezenas de outros povos, que encontravam-se subjugados aos grandes centros populacionais, viviam nas regiões almejadas

Três grandes impérios, além de dezenas de outros povos, que encontravam-se subjugados aos grandes centros populacionais, viviam nas regiões almejadas América Espanhola O que os Espanhóis encontraram aqui na América... Três grandes impérios, além de dezenas de outros povos, que encontravam-se subjugados aos grandes centros populacionais, viviam nas regiões

Leia mais

GABARITO Caderno do Aluno Geografia 7 a série Volume 4

GABARITO Caderno do Aluno Geografia 7 a série Volume 4 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 PERU E MÉXICO: A HERANÇA PRÉ-COLOMBIANA Para começo de conversa Página 3 1. Espera-se que os alunos estabeleçam uma analogia, associando a Cidade do México a um palimpsesto,

Leia mais

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II ORIENTE MÉDIO -Região marcada por vários conflitos étnicos, políticos e religiosos. -Costuma-se considerar 18 países como pertencentes ao Oriente

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

A GRÉCIA ANTIGA passo a passo

A GRÉCIA ANTIGA passo a passo A GRÉCIA ANTIGA passo a passo ÉRIC DARS e ÉRIC TEYSSIER Ilustrações de Vincent Caut Tradução de Julia da Rosa Simões Copyright do texto 2011 by Éric Dars e Éric Teyssier Copyright das ilustrações 2011

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS Tema 1: A América no mundo 1. Um continente diversificado A América possui grande extensão latitudinal e, por isso, nela encontramos diversas paisagens. 2. Fatores

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

Aula 3 de 4 Versão Aluno

Aula 3 de 4 Versão Aluno Aula 3 de 4 Versão Aluno As Comunidades Indígenas Agora vamos conhecer um pouco das características naturais que atraíram essas diferentes ocupações humanas ao longo dos séculos para a Região da Bacia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS (SP) Área de conhecimento: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: GEOGRAFIA

Leia mais

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar A U A U L L A Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar o lugar em que vivemos na superfície da Terra. Vamos verificar que os lugares são agrupados em grandes conjuntos chamados de continentes,

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

EIXO TEMÁTICO I: HISTÓRIAS DE VIDA, DIVERSIDADE POPULACIONAL E MIGRAÇÕES.

EIXO TEMÁTICO I: HISTÓRIAS DE VIDA, DIVERSIDADE POPULACIONAL E MIGRAÇÕES. EIXO TEMÁTICO I: HISTÓRIAS DE VIDA, DIVERSIDADE POPULACIONAL E MIGRAÇÕES. Tema 1: Histórias de vida, diversidade populacional (étnica, cultural, regional e social) e migrações locais, regionais e intercontinentais

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5.º ANO/EF 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados na

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador:

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: São Luis 2015 (TÍTULO DO PROJETO) (NOME DO ALUNO) Projeto de Pesquisa do Programa

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949.

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. Palavras-chave: Anápolis, árabe, desenvolvimento, comércio. LUPPI, Sheila Cristina Alves de Lima 1 POLONIAL, Juscelino Martins

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006

DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006 DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006 José Irineu Rangel Rigotti João Francisco de Abreu Rafael Liberal Ferreira Luciene Marques da Conceição Alisson Eustáquio Gonçalves

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema de pesquisa, temos que traçar um caminho a seguir durante a investigação. Realizar um estudo mais planejado dos aspectos que

Leia mais

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 Resumo Indira Aparecida Santana Aragão 1 - FCT/UNESP Grupo de Trabalho Educação da Infância Agência Financiadora:

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014

PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014 PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014 RELATÓRIO FINAL ATIVIDADE SOBRE DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

Vera F. Rezende Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo- UFF. Todas as cidades são comuns, complexas e diversas. Esse é o argumento que

Vera F. Rezende Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo- UFF. Todas as cidades são comuns, complexas e diversas. Esse é o argumento que Ordinary Cities: Between Modernity and Development Jennifer Robinson New York: Routledge, 2006, 204 p. Vera F. Rezende Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo- UFF Todas as cidades são comuns,

Leia mais

Localização. Planície central da península itálica. Conhecida como Lácio.

Localização. Planície central da península itálica. Conhecida como Lácio. HISTÓRIA DE ROMA Localização Planície central da península itálica. Conhecida como Lácio. Primeiros habitantes: Autóctones: nativos do local Sul Sículos Norte Lígures Povoamento Povoamento semelhante ao

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO

MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO Autor: Riselda Maria de França Oliveira Universidade Estadual do Rio de Janeiro - riseldaf@hotmail.com Co-autor: Marcelo Alex de Oliveira

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL Intervenção de Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa na Comissão Económica para a América Latina e Caraíbas - CEPAL Santiago do Chile, 7 de Novembro de 2007 Senhor Secretário Executivo da

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos PROJETO APRESENTADO PELA ABCP À FUNDAÇÃO FORD E AO INSTITUTE FOR INTERNATIONAL EDUCATION (IIE). Leonardo Avritzer Carlos R. S. Milani Rachel Meneguello

Leia mais

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Complexidade do assunto e multiplicidade de interpretações que o tema encerra. Ações mais assemelhadas à indisciplina

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. Sobre as formas de conquista e exploração do governo português, associe corretamente as colunas. a) Relações diplomáticas.

Leia mais

Pr Além do Mare Nostrum Um Guia para a Navegação Romano no Atlântico. Articulação de conteúdos didáticos com as matérias das disciplinas escolares

Pr Além do Mare Nostrum Um Guia para a Navegação Romano no Atlântico. Articulação de conteúdos didáticos com as matérias das disciplinas escolares História e Geografia de Portugal 5º Ano (2º Ciclo do EB) Pr Além do Mare Nostrum Um Guia para a Navegação Romano no Atlântico Articulação de conteúdos didáticos com as matérias das disciplinas escolares

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Valinhos, setembro de 2014 1 JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Relato do Projeto

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Crise Colonial Espanhola

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Crise Colonial Espanhola Conteúdo: A Crise Colonial Espanhola Habilidades: Relacionar as consequências da Revolução Francesa no processo de independência da América Latina Quem foram os Libertadores da América? Influência das

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

Recuperação - 1ª Etapa Ensino Fundamental II

Recuperação - 1ª Etapa Ensino Fundamental II 1 HISTÓRIA 6º ANO ENS. FUNDAMENTAL II PROFESSOR (A): SEBASTIÃO ABICEU NOME: Nº QUESTÃO 01: O que a História estuda? Responda com suas palavras. QUESTÃO 02: O que são fontes históricas? QUESTÃO 03: Dê exemplos

Leia mais

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP Autores: Nayra Yumi Tsutsumoto (1); Cesar Fabiano Fioriti (2) (1) Aluna de Graduação

Leia mais

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão SUMÁRIO Apresentação Introdução Soluções para resolv esolver er a violência e a criminalidade Popularidade de possíveis soluções Políticas sociais x políticas de segurança Redução da maioridade penal Legislação

Leia mais