a) É a que reúne, preserva e difunde a documentação bibliográfica e audiovisual produzida no território

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "a) É a que reúne, preserva e difunde a documentação bibliográfica e audiovisual produzida no território"

Transcrição

1 1. Assinale a alternativa que conceitua a biblioteca especializada: a) É a que reúne, preserva e difunde a documentação bibliográfica e audiovisual produzida no território nacional b) É a dedicada à reunião e organização de conhecimentos sobre um só tema ou de grupos temáticos em um campo específico do conhecimento c) É a que fornece infra-estrutura bibliográfica e documental aos cursos, pesquisas e serviços mantidos pelas Instituições de Ensino Superior. d) É a que atende por meio do seu acervo e de seus serviços, os diferentes interesses de leitura e informação da comunidade em que está localizada. 2. Qual opção não corresponde a uma das cinco leis da biblioteconomia estabelecidas por Ranganathan? a) Os livros são para usar b) A biblioteca é um organismo em crescimento c) Os livros são para acumular d) A cada leitor o seu livro 3. Para efeitos da Lei n /2004, considera-se depósito legal de publicações: a) A exigência estabelecida em lei para depositar, em instituições específicas, somente publicações, produzidas por meio digital, para distribuição gratuita; b) O depósito na Biblioteca Nacional de material não disponibilizado para o público e produzido em pequena quantidade. c) Exigência estabelecida em lei para depositar, na Biblioteca Nacional, somente publicações efêmeras e em linha. d) A exigência estabelecida em lei para depositar, em instituições específicas, um ou mais exemplares, de todas as publicações, produzidas por qualquer meio ou processo, para distribuição gratuita ou venda; 4. No Brasil, as agências responsáveis pelo ISBN e ISSN, respectivamente, são: a) Biblioteca Nacional e IBICT b) IFLA e BDJUR c) ISO e IPA d) CBL e IBICT 5. No contexto do controle bibliográfico, o sistema numérico destinado a identificar publicações da internet é: a) DOI b) ISSN c) ISMN d) ISAN 6. Correspondem às etapas da indexação: a) Análise retrospectiva e hierárquica b) Análise precisa e natural c) Análise conceitual e tradução d) Análise pericial e documental

2 7. O sistema de classificação enumerativo que foi o primeiro a utilizar números decimais para símbolos de classificação aplicáveis aos próprios documento, corresponde à opção: a) LCC b) CDU c) BSO d) CDD 8. Assinale a alternativa que completa corretamente a afirmativa abaixo. De acordo com Robredo (2005), Originalmente, a foi descrita como o processo mental de designar e ordenar o universo do conhecimento, para determinar, com base em suas relações, o lugar preciso e exato das coisas, num esquema organizado. a) Indexação b) Classificação c) Documentação d) Normalização 9. No Sistema de Recuperação da Informação, os dois fatores mais importantes que governam a Revocação e a Precisão, respectivamente, são: a) Exaustividade e especificidade b) Exaustividade e coeficiente c) Generalidade e exaustividade d) Índice e especificidade 10. Assinale o item que é a fonte principal de informação e base para descrição bibliográfica para livros e outras monografias impressas: a) Encartes b) Página de rosto c) Título da tela d) Título de partida 11. Analise as alternativas abaixo sobre descrição bibliográfica: I A ISBD dividiu as informações denominadas descritivas em 10 áreas II A área 3 da descrição trata dos detalhes específicos do material III No Código de Catalogação Anglo-Americano, 2. ed, a parte I foi dividido em 13 capítulos IV O capítulo 2, do AACR2, trata dos recursos contínuos Assinale o item que relaciona somente as alternativas falsas: a) I e II b) II e III c) I e IV d) III e IV

3 12. O termo ou expressão pelo qual o usuário pode procurar e encontrar, ou acessar, a representação bibliográfica de um recurso, chama-se: a) Resumo b) Nota de conteúdo c) Ponto de acesso d) Bibliografia 13. A biblioteca como uma organização pressupõe três grandes funções, a saber: a) Organizacional, global e elaboração de planos b) Abordagem qualitativa, quantitativa e pluralista c) Gerencial, organizadora e de divulgação d) Referencial, planejamento e qualitativa 14. A disposição dos livros nas prateleiras que reúne os livros pelo assunto sem dar atenção ao tamanho é a arrumação: a) Fixa b) Relativa c) Mista d) Patrimonial 15. Fazem parte do serviço de circulação em biblioteca, as atividades de: a) Pesquisa, desbastamento, inventário b) Empréstimo, devolução, renovação c) Descarte, avaliação, permuta d) Seleção, avaliação, desbastamento 16. Boletim bibliográfico, sumário corrente, folders, cartazes e anúncios em geral são instrumentos que fazem parte de qual atividade de dinamização das coleções: a) Armazenagem b) Aquisição c) Divulgação d) Planejamento 17. Qual a função subjacente não faz parte do processo de formação e desenvolvimento de coleções: a) Seleção b) Aquisição c) Descarte de coleções d) Referência 18. No processo de seleção, os critérios que abordam o conteúdo dos documentos bibliográficos são: a) Autoridade, valor, imparcialidade, idioma, custo b) Relevância, interesse, idioma, conveniência, custo c) Precisão, idioma, custo, tratamento, conveniência d) Autoridade, precisão, imparcialidade, atualidade, cobertura

4 19. Qual opção não corresponde à modalidade de aquisição de materiais de informação: a) Compra b) Cotação c) Permuta d) Doação 20. No serviço de referência presencial, uma demanda simples de informação, como encontrar um endereço, trata-se de uma questão: a) De natureza cronológica b) Sobre temas da atualidade c) Pontual ou factual d) Sobre material de síntese 21. No serviço de referência virtual, o tipo de pesquisa que faz o cruzamento de dois ou três campos mediante operadores booleanos em ferramentas informatizadas, refere-se à: a) Pesquisa simples b) Pesquisa por índice c) Pesquisa por código d) Pesquisa rápida 22. Qual opção não faz parte das etapas da entrevista de referência: a) Analisar a questão do usuário b) Definir a estratégia de busca c) Validar e solicitar ao usuário que valide os resultados d) Fazer cadastro de usuário 23. A atividade que caracteriza as investigações que se fazem para saber o quê os indivíduos precisam em matéria de informação nas bibliotecas, corresponde ao: a) Estudo de incidente crítico b) Estudo de usuários c) Estudo biográfico d) Estudo bibliométrico 24. Consiste num serviço personalizado que canaliza para o usuário informações selecionadas correntes, de acordo com seu perfil de interesse. Refere-se ao item: a) Recondicionamento da informação b) Reempacotamento da Informação c) Armazenagem da representação condensada dos documentos d) Disseminação Seletiva da Informação 25. Portarias e decretos são tipos de documentos característicos de: a) Jurisprudência b) Doutrina

5 c) Patente d) Legislação 26. O Diário Oficial da União constitui uma fonte primária de informação jurídica e é o principal veículo de informação oficial do País. Estrutura-se em: a) Cinco seções b) Duas seções c) Três seções d) Dez seções 27. Na documentação jurídica, de acordo com Cunha(2010) os trabalhos teóricos que visam à interpretação das leis e dos processo jurídicos correspondem à: a) Doutrina b) Jurisprudência c) Legislação d) Deontologia 28. Com base na NBR6028/2003, sobre resumos, é correto afirmar: I Deve-se usar o verbo na voz passiva II - Dar preferência ao uso da terceira pessoa do singular II - Deve ser precedido da referência do documento IV - Deve ser composto de uma sequência de frases concisas e afirmativas Assinale a opção que relaciona somente as alternativas corretas: a) I,II, III b) II,III,IV c) I, III,IV d) I, II, IV 29. Qual opção corresponde ao resumo que aponta apenas os pontos principais do documento, não apresentando dados qualitativos e quantitativos e que não dispensa a consulta ao original: a) Informativo b) Crítico c) Resenha d) Indicativo 30. De acordo com NBR6023/2002, publicação em qualquer tipo de suporte, editada em unidades físicas sucessivas com designações numéricas e/ou cronológicas e destinada a ser continuada indefinidamente é: a) Suplemento b) Referência c) Monografia d) Publicação periódica

6 31. Em conformidade com a NBR6023/2002, os elementos essenciais para referenciar a monografia no todo são: a) Nome do evento, numeração, ano e local b) Autor(es), título, local de publicação, editora, datas de início e de encerramento da publicação c) Autor(es), título, edição, local, editora e data de publicação d) Título da publicação, local de publicação, editora, numeração do ano 32. Sobre o formato MARC, avalie as alternativas: I O Formato MARC é um conjunto de códigos e designações de conteúdos definido para codificar registros que serão interpretados por máquina. II Cada campo pode apresentar vários subcampos. Assim o campo 260(imprenta), está formado pelos subcampos $a local, $b editor, $c data III - Um registro bibliográfico em formato MARC é composto de três elementos principais: o Líder, o Diretório e os Campos Variáveis. IV O campo 600 corresponde ao título da publicação. Assinale o item que corresponde somente as opções certas: a) I, II, IV b) I, II, III c) II, IV d) III, IV 33. A Rede de Bibliotecas do Ministério Público Federal RBMPF iniciou suas atividades em 2005 com a aquisição do software que permitiu a padronização e automatização dos serviços de gerenciamento das bibliotecas. Escolha a opção que corresponde ao sistema adquirido pela RBMPF: a) Pergamum b) Aleph c) Sophia d) Siabi 34. Assinale a opção que corresponde à rede cooperativa de bibliotecas coordenada pela Biblioteca do Senado Federal: a) RVBI b) RBMPF c) SEER d) BDJUR 35. No contexto da biblioteca digital, qual característica não faz parte do documento digital: a) Flexibilidade b) Anonimato c) Reprodutibilidade d) Transmissibilidade

7 36. Assinale a alternativa que corresponde ao conceito de biblioteca digital: a) É uma coleção de serviços e objetos informacionais que facilitam para o usuário a utilização da informação disponíveis direta ou indiretamente por meio de instrumentos eletrônicos/digitais. b) É um conjunto de pessoas ou entidades que comunicam e se relacionam entre si. c) É uma coleção pública ou privada de livros e documentos congêneres impressos, organizados para estudo e consulta. d) É uma coleção que organiza e trata a doutrina, jurisprudência e legislação impressa. 37. Assinale a alternativa que completa corretamente o espaço. Num ambiente digital, são dados sobre dados usados não só para permitir a recuperação da informação, mas também o acesso ao documento: a) Os metadados b) Os itens c) Os modelos criptografados d) Os modelos de assinatura digital 38. A estrutura informacional do DSpace, pelo qual o acervo do repositório é disponibilizado, é hierárquico e composto por: a) Comunidades, coleções e itens b) Campos, usuários e parâmetros c) Objeto, metadados e itens d) Coleções, objetos e campos 39. O esquema de metadados padrão do DSpace é o: a) OCLC b) Z.39 c) Dublin Core d) DOI 40. Analise as seguintes condutas do bibliotecário em relação aos usuários e clientes, de acordo com a Resolução CFB n.º 42/2002 que dispõe sobre código de ética da profissão: I - Aplicar todo zelo e recursos ao seu alcance no atendimento ao público II - Tratar os usuários e clientes sem respeito e urbanidade III - Orientar a técnica da pesquisa e a normalização do trabalho intelectual de acordo com suas competências IV - Recusar a prestar assistência profissional, sem relevante motivo Assinale o item que apresenta somente as opções certas: a) I e II b) II e III c) I e IV d) I e III

PIM V. Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM V. Projeto Integrado Multidisciplinar PIM V Projeto Integrado Multidisciplinar PIM V - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Propor a aplicação dos conhecimentos adquiridos nas disciplinas do semestre no funcionamento dos sistemas de Saúde

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO BIBLIOTECA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO BIBLIOTECA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO BIBLIOTECA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO UFRGS Porto Alegre 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

POLÍTICAS DE SELEÇÃO, AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA COLEÇÃO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO

POLÍTICAS DE SELEÇÃO, AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA COLEÇÃO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO POLÍTICAS DE SELEÇÃO, AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA COLEÇÃO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO ELABORAÇÃO Janine Silva Figueira Vitória 2015 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Política de desenvolvimento do acervo DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE - FACISABH

Política de desenvolvimento do acervo DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE - FACISABH Política de desenvolvimento do acervo DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE - FACISABH Belo Horizonte 2014 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a indexação e resumos, julgue os itens a seguir. Julgue os itens subsecutivos, referentes à gestão da informação e do conhecimento. 51 Coerência intraindexador refere-se

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO FACULDADE ATENAS MARANHENSE - FAMA BIBLIOTECA GOVERNADOR RIBAMAR FIQUENE POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO São Luís 2000 FACULDADE ATENAS MARANHENSE - FAMA BIBLIOTECA GOVERNADOR RIBAMAR

Leia mais

Política de Aquisição de Obras

Política de Aquisição de Obras Política de Aquisição de Obras e Expansão do Acervo Bibliográfico POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE OBRAS E EXPANSÃO DO ACERVO BIBLIOGRÁFICO APRESENTAÇÃO Este plano apresenta a política de formação e desenvolvimento

Leia mais

INSTRUÇÕES NÃO SERÃO ACEITAS RECLAMAÇÕES FORMULADAS APÓS O INÍCIO DA PROVA. NÃO ESQUEÇA de assinar a LISTA DE PRESENÇA.

INSTRUÇÕES NÃO SERÃO ACEITAS RECLAMAÇÕES FORMULADAS APÓS O INÍCIO DA PROVA. NÃO ESQUEÇA de assinar a LISTA DE PRESENÇA. INSTRUÇÕES Verifique, com muita atenção, este Caderno de QUESTÕES que deve conter 14 (quatorze) questões, sendo 03 (três) de Língua Portuguesa e 10 (dez) de Conhecimentos Específicos e 1 (uma) questão

Leia mais

BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO R E G I M E N T O

BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO R E G I M E N T O BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO R E G I M E N T O I N T E R N O Porto Alegre, 2013 TITULO I DA NATUREZA E SEUS FINS Art. 1 A Biblioteca Paulo Lacerda de Azevedo, criada em 1962, registrada sob o nº.

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO Política de Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO Política de Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO Política de Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas Atualmente, com duas unidades, localizadas na Escola de Sociologia e Política à rua General

Leia mais

RELATÓRIO 3 CONJUNTO DE METADADOS DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA ENAP

RELATÓRIO 3 CONJUNTO DE METADADOS DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA ENAP RELATÓRIO 3 CONJUNTO DE METADADOS DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA ENAP Projeto básico sobre Repositório Digital: Definição da Arquitetura Informacional / Definição do Conjunto de Metadados / Definição

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 1.289, DE 11 DE JULHO DE 2012. RESOLVE:

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 1.289, DE 11 DE JULHO DE 2012. RESOLVE: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 1.289, DE 11 DE JULHO DE 2012. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO, nomeado através da Portaria MEC nº 265, de 24.03.2009,

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DO ESPÍRITO SANTO BIBLIOTECA PROFª THEREZA VILLASCHI CHIBIB

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DO ESPÍRITO SANTO BIBLIOTECA PROFª THEREZA VILLASCHI CHIBIB FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DO ESPÍRITO SANTO BIBLIOTECA PROFª THEREZA VILLASCHI CHIBIB A função da biblioteca é prover a infra-estrutura bibliográfica, documentária e informacional em apoio às atividades

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE 1. INTRODUÇÃO A Biblioteca Paulo Ernesto Tolle é mantida pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado FECAP, uma das mais antigas

Leia mais

Biblioteca Virtual: Atualidade e Perspectivas 1. Guilhermina de Melo Terra 2. Universidade Federal do Amazonas

Biblioteca Virtual: Atualidade e Perspectivas 1. Guilhermina de Melo Terra 2. Universidade Federal do Amazonas Biblioteca Virtual: Atualidade e Perspectivas 1 Guilhermina de Melo Terra 2 Universidade Federal do Amazonas Resumo Discute o processo de produção, armazenamento e disseminação da informação que se encontra

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 200, DE 25 DE AGOSTO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 200, DE 25 DE AGOSTO DE 2015 Publicada no Boletim de Serviço, n. 9, p. 10-14 em 8/9/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 200, DE 25 DE AGOSTO DE 2015 Dispõe sobre a Política de Desenvolvimento de Coleções da Biblioteca Ministro Victor Nunes

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO DE PIRACICABA BIBLIOTECA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO DE PIRACICABA BIBLIOTECA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO DE PIRACICABA BIBLIOTECA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO 2011 APRESENTAÇÃO A palavra Biblioteca significa coleção de livros dispostos ordenadamente;

Leia mais

Série FACTO - Legislação e Normas Palmas / TO

Série FACTO - Legislação e Normas Palmas / TO POLITICADEAQUISIÇÃO, EXPANSÃOEATUALIZAÇÃO DOACERVO Série FACTO - Legislação e Normas Palmas / TO Católica do Tocantins Diretor Geral Pe. José Romualdo Degasperi Vice Diretor Acadêmico Galileu Marcos Guarenghi

Leia mais

O Presidente do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

O Presidente do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA CRCMG Nº 137/2009 APROVA ALTERAÇÕES NO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ANTÔNIO LOPES DE SÁ. O Presidente do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Faculdade La Salle Mantida pela Sociedade Porvir Científico Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade La Salle Mantida pela Sociedade Porvir Científico Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº 54/2009, DE 14 DE MAIO DE 2009 Aprova a Política de Aquisição e Conservação do Acervo da Biblioteca da Faculdade La Salle. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP,

Leia mais

Bibliotecas do Centro Universitário Metodista - IPA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO

Bibliotecas do Centro Universitário Metodista - IPA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO Bibliotecas do POLÍTICA DE AQUISIÇÃO PORTO ALEGRE 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 OBJETIVOS...4 1.1.1 Objetivo geral...4 1.1.2 Objetivos específicos...4 2 FORMAÇÃO DO ACERVO...5 2.1 FONTES DE SELEÇÃO...6

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO TOCANTINS PORTARIA Nº 41, DE 21 DE AGOSTO DE 2012.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO TOCANTINS PORTARIA Nº 41, DE 21 DE AGOSTO DE 2012. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO TOCANTINS PORTARIA Nº 41, DE 21 DE AGOSTO DE 2012. Aprova o Regulamento Interno da Biblioteca da PR/TO. O PROCURADOR-CHEFE DA PROCURADORIA

Leia mais

ACERVO ATUAL DA BIBLIOTECA ARMANDO RISCALI

ACERVO ATUAL DA BIBLIOTECA ARMANDO RISCALI ACERVO ATUAL DA BIBLIOTECA ARMANDO RISCALI Atualmente, o acervo total da Biblioteca para os cursos da Faculdade está estimado em 17.894 livros. A política de atualização do acervo é a de aquisição contínua

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO CONSELHO FEDERAL DE CONTA- BILIDADE

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO CONSELHO FEDERAL DE CONTA- BILIDADE REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO CONSELHO FEDERAL DE CONTA- BILIDADE CAPÍTULO I Da finalidade Art. 1º A Biblioteca do Conselho Federal de Contabilidade terá por finalidade: I - proporcionar ao presidente,

Leia mais

Normalização de trabalhos Acadêmicos. ABNT NBR 14724-2011 -Informação e documentação - Trabalhos Acadêmicos-

Normalização de trabalhos Acadêmicos. ABNT NBR 14724-2011 -Informação e documentação - Trabalhos Acadêmicos- Normalização de trabalhos Acadêmicos ABNT NBR 14724-2011 -Informação e documentação - Trabalhos Acadêmicos- Esta norma específica os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos (teses,

Leia mais

www.ueg.br REGIMENTO INTERNO SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS REGIONAIS (SIBRE) DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

www.ueg.br REGIMENTO INTERNO SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS REGIONAIS (SIBRE) DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS www.ueg.br UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação Coordenação Geral de Ambientes de Aprendizagem Coordenação Acadêmica do Sistema Integrado de Bibliotecas Regionais REGIMENTO INTERNO

Leia mais

FACULDADE CAMPO REAL BIBLIOTECA PROF. LUIZ ALBERTO MACHADO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

FACULDADE CAMPO REAL BIBLIOTECA PROF. LUIZ ALBERTO MACHADO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES 1 1 A política de desenvolvimento de coleções da Biblioteca Prof. Luiz Alberto Machado da Faculdade Campo Real tem por finalidade definir critérios para o desenvolvimento e atualização do acervo. Seus

Leia mais

CAPÍTULO I. Da finalidade. Art. 1º A Biblioteca do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo terá por finalidade:

CAPÍTULO I. Da finalidade. Art. 1º A Biblioteca do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo terá por finalidade: NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA NELSON RODRIGUES, DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO CAPÍTULO I Da finalidade Art. 1º A Biblioteca do Conselho Regional de Contabilidade

Leia mais

O espaço físico da Biblioteca da Unidade Santo Agostinho I possui 407 m2, distribuído nos seguintes setores:

O espaço físico da Biblioteca da Unidade Santo Agostinho I possui 407 m2, distribuído nos seguintes setores: 19 BIBLIOTECAS DA FACULDADE NOVOS HORIZONTES 19.1 Espaço Físico 19.1.1 Biblioteca da Unidade Santo Agostinho I O espaço físico da Biblioteca da Unidade Santo Agostinho I possui 407 m2, distribuído nos

Leia mais

FACULDADE ESTACIO DE SÁ

FACULDADE ESTACIO DE SÁ FACULDADE ESTACIO DE SÁ POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E FORMAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA - ES VILA VELHA 2010 FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ 1 BIBLIOTECA REGULAMENTO Nº

Leia mais

BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS

BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE COLEÇÕES É o conjunto de atividades que determina a conveniência de se adquirir, manter ou descartar materiais bibliográficos e

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

Pró-Reitoria de Administração - PRAd Assessoria de Informática - AI SISTEMA DE PUBLICAÇÃO DE LICITAÇÕES. Manual de Procedimentos

Pró-Reitoria de Administração - PRAd Assessoria de Informática - AI SISTEMA DE PUBLICAÇÃO DE LICITAÇÕES. Manual de Procedimentos Pró-Reitoria de Administração - PRAd Assessoria de Informática - AI SISTEMA DE PUBLICAÇÃO DE LICITAÇÕES Manual de Procedimentos 2004 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVOS...3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...3

Leia mais

Biblioteca. Política de Seleção e. desenvolvimento de coleção

Biblioteca. Política de Seleção e. desenvolvimento de coleção Biblioteca Política de Seleção e desenvolvimento de coleção 2007 1 INTRODUÇÃO Atualmente com o crescimento do fluxo de informações tornou-se necessário adotar critérios para uma Política de Atualização

Leia mais

REGIMENTO DA BIBLIOTECA. Rosmar Tobias FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃ DO NORTE

REGIMENTO DA BIBLIOTECA. Rosmar Tobias FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃ DO NORTE REGIMENTO DA BIBLIOTECA Rosmar Tobias FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃ DO NORTE SUMÁRIO 1 DOS OBJETIVOS... 3 2 DA ORGANIZAÇÃO TÉCNICA... 3 3 DA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA... 3 4 DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO...

Leia mais

Telas. http://sshomolog.capes.gov.br:3080/agapcn/silverstream/pages/pgfccmenu.html. 1 de 1 20/11/2006 10:18 1. IES. 2. Dirigentes. 3.

Telas. http://sshomolog.capes.gov.br:3080/agapcn/silverstream/pages/pgfccmenu.html. 1 de 1 20/11/2006 10:18 1. IES. 2. Dirigentes. 3. http://sshomolog.capes.gov.br:3080/agapcn/silverstream/pages/pgfccmenu.html Telas 1. IES 2. Dirigentes 3. Proposta/Curso 4. Infra-Estrutura 5. Caracterização da Proposta 6. Áreas de Concentração 7. Caracterização

Leia mais

COORDENAÇÃO-GERAL DE PESQUISA E MANUTENÇÃO DE PRODUTOS CONSOLIDADOS LILLIAN ALVARES

COORDENAÇÃO-GERAL DE PESQUISA E MANUTENÇÃO DE PRODUTOS CONSOLIDADOS LILLIAN ALVARES COORDENAÇÃO-GERAL DE PESQUISA E MANUTENÇÃO DE PRODUTOS CONSOLIDADOS LILLIAN ALVARES Coordenação do Laboratório de Metodologias de Tratamento e Disseminação da Informação Bianca Amaro Coordenação de Atendimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ANTÔNIO VIEIRA ASAV UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS BIBLIOTECA

ASSOCIAÇÃO ANTÔNIO VIEIRA ASAV UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS BIBLIOTECA 1 ASSOCIAÇÃO ANTÔNIO VIEIRA ASAV UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS BIBLIOTECA POLÍTICAS: ATUALIZAÇÃO, INFORMATIZAÇÃO, ACESSO E UTILIZAÇÃO SÃO LEOPOLDO, 2016 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 DESCRIÇÃO

Leia mais

Ministério da Fazenda Escola de Administração Fazendária Diretoria de Educação Biblioteca. Manual do Usuário da Biblioteca da Esaf

Ministério da Fazenda Escola de Administração Fazendária Diretoria de Educação Biblioteca. Manual do Usuário da Biblioteca da Esaf Ministério da Fazenda Escola de Administração Fazendária Diretoria de Educação Biblioteca Manual do Usuário da Biblioteca da Esaf Brasília, 2011 Ministério da Fazenda Escola de Administração Fazendária

Leia mais

2010 Gestão da Colecção - Critérios

2010 Gestão da Colecção - Critérios 2010 Gestão da Colecção - Critérios Este documento, articulado com o Manual de procedimentos da Rede de bibliotecas de Santa Comba Dão foi elaborado pelos elementos que constituem o Grupo de Trabalho,

Leia mais

MANUAL DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE AGRÁRIAS

MANUAL DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE AGRÁRIAS MANUAL DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE AGRÁRIAS PALMAS TO, 2015 1. Informações Gerais O presente Manual da Católica do Tocantins, mantida pela União Brasiliense de Educação e Cultura (UBEC)

Leia mais

Regimento Interno da Biblioteca Central Zila Mamede

Regimento Interno da Biblioteca Central Zila Mamede MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFRN BIBLIOTECA CENTRAL ZILA MAMEDE Regimento Interno da Biblioteca Central Zila Mamede Natal RN 2013 UNIVERSIDADE

Leia mais

Desenvolvimento da coleção digital das publicações da Embrapa Soja

Desenvolvimento da coleção digital das publicações da Embrapa Soja Desenvolvimento da coleção digital das publicações da Embrapa Soja CONDE, C. A. G. F.¹; MARTINS, M. C. da S.¹; LIMA, A. B. A. de². ¹Universidade Estadual de Londrina UEL; ²Embrapa Soja. No recém-inaugurado

Leia mais

Definir os procedimentos para a gestão dos acervos bibliográficos do PJAC.

Definir os procedimentos para a gestão dos acervos bibliográficos do PJAC. Código: MAP-DIINF-002 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Acervos Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir os procedimentos para a gestão dos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA TÍTULO I DA BIBLIOTECA E SEUS AFINS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1 A Biblioteca do campus Presidente Epitácio é integrante da Rede de Bibliotecas do Instituto Federal

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM WENCESLAU BRAZ Biblioteca Madre Marie Ange Política de Formação e Desenvolvimento de Coleções

ESCOLA DE ENFERMAGEM WENCESLAU BRAZ Biblioteca Madre Marie Ange Política de Formação e Desenvolvimento de Coleções Objetivo O desenvolvimento de coleções é um processo ininterrupto, uma atividade regular e permanente que deve atender aos pilares da educação: ensino, pesquisa e extensão. Tem por objetivo formar e desenvolver

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. 1 PreSal (definição do site da empresa Petrobras consultado em 28/08/2010): O termo pré-sal

1. INTRODUÇÃO. 1 PreSal (definição do site da empresa Petrobras consultado em 28/08/2010): O termo pré-sal 23 1. INTRODUÇÃO A produção de grandes quantidades de produtos inutilizáveis, os resíduos como conhecemos atualmente, foi o primeiro indício real de que a Revolução Industrial implicaria na produção de

Leia mais

Capítulo 1 Dos termos

Capítulo 1 Dos termos Resolução n 03 do Conselho de Ensino Superior O Conselho de Ensino Superior da Faculdade Três de Maio SETREM reformula o Regulamento da Biblioteca José de Alencar e dá outras providências. Capítulo 1 Dos

Leia mais

Regulamento Setembro de 2013

Regulamento Setembro de 2013 Regulamento Setembro de 2013 1. ÂMBITO E ESTRUTURA A Biblioteca da Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão é uma unidade documental que adquire, processa e disponibiliza informação especializada

Leia mais

UNIVERSIDADE CEUMA UNICEUMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO REDE DE BIBLIOTECAS DO UNICEUMA

UNIVERSIDADE CEUMA UNICEUMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO REDE DE BIBLIOTECAS DO UNICEUMA Rede de Bibliotecas UNICEUMA 1 UNIVERSIDADE CEUMA UNICEUMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO REDE DE BIBLIOTECAS DO UNICEUMA Política de Desenvolvimento de Coleções 2014-2016 Gerenciar procedimentos padrão para

Leia mais

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO E DA INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR KM 125

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO E DA INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR KM 125 POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO E DA INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR KM 125 Considerando o crescimento da demanda de informação no meio acadêmico, foi definida

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ARTIGOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ARTIGOS 1 UNIVERSIDADE POSITIVO NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ARTIGOS CURITIBA 2013 2 UNIVERSIDADE POSITIVO Reitor José Pio Martins Pró-Reitor Administrativo Arno Antonio Gnoatto Pró-Reitora

Leia mais

Subseção I Da Subsecretaria de Biblioteca SUBIB. I coordenar atividades relativas ao controle e à atualização do acervo bibliográfico do Tribunal;

Subseção I Da Subsecretaria de Biblioteca SUBIB. I coordenar atividades relativas ao controle e à atualização do acervo bibliográfico do Tribunal; Subseção I Da Subsecretaria de Biblioteca SUBIB Art. 273. À Subsecretaria de Biblioteca SUBIB compete: I coordenar atividades relativas ao controle e à atualização do acervo bibliográfico do Tribunal;

Leia mais

Bloco Temático 1: Procedimentos Didáticos, Acadêmicos e Científicos

Bloco Temático 1: Procedimentos Didáticos, Acadêmicos e Científicos Bloco Temático 1: Procedimentos Didáticos, Acadêmicos e Científicos Tema 2: Trabalhos acadêmico-científicos 2.1: Pesquisa Científica/Ética e Pesquisa Pesquisa científica Vamos entender o que é pesquisa?

Leia mais

UESB. Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia BIBLIOTECA

UESB. Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia BIBLIOTECA UESB BIBLIOTECA UESB BIBLIOTECA A história da Biblioteca Prof. Antônio de Moura Pereira - UESB começa com a implantação da Faculdade de Formação de Professores, quando o Plano Integral de Ensino Superior

Leia mais

Biblioteca Gilberto de Barros Pedrosa

Biblioteca Gilberto de Barros Pedrosa Biblioteca Gilberto de Barros Pedrosa Boletim Informativo, ano III, n. 6, setembro de 2014 EDITORIAL Esta é a edição n. 6, do BOLETIM INFORMATIVO DA BGBP, IFBA Câmpus de Paulo Afonso. É um importante instrumento

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE CHEFE DA SEÇÃO DE BIBLIOTECA

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE CHEFE DA SEÇÃO DE BIBLIOTECA MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE CHEFE DA SEÇÃO DE BIBLIOTECA CHEFE DA SEÇÃO DE BIBLIOTECA (FC-5) Área: Administrativa Unidade: Secretaria Judiciária ATIVIDADE PRINCIPAL Gerenciar as atividades relativas à Biblioteca,

Leia mais

Curso em Sistema de Editoração Eletrônica de Revistas (SEER) Tutorial Editor-Gerente

Curso em Sistema de Editoração Eletrônica de Revistas (SEER) Tutorial Editor-Gerente Curso em Sistema de Editoração Eletrônica de Revistas (SEER) Tutorial Editor-Gerente AGOSTO 2015 Editor-Gerente Configurando a revista Este tutorial apresenta 5 grandes grupos de configuração: Detalhes:

Leia mais

REGULAMENTO. DO EXPEDIENTE E/OU DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA : Art 2º

REGULAMENTO. DO EXPEDIENTE E/OU DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA : Art 2º DO OBJETIVO : Art 1º As Bibliotecas UNIABEU têm o objetivo geral de contribuir com o processo de ensino e pesquisa desta IES, sendo esta responsável, particularmente, por administrar o acervo da Instituição;

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DAS BIBLIOTECAS DO IFSULDEMINAS. Capítulo III. Disposições Preliminares

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DAS BIBLIOTECAS DO IFSULDEMINAS. Capítulo III. Disposições Preliminares MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DAS

Leia mais

MANUAL DO AVA GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Rua Ramos Ferreira, 991 A - Centro Fone: (92) 3878-7479 / 3233-6836 Manaus AM CEP: 69010-120

MANUAL DO AVA GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Rua Ramos Ferreira, 991 A - Centro Fone: (92) 3878-7479 / 3233-6836 Manaus AM CEP: 69010-120 MANUAL DO AVA 1. O QUE É EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA? A Educação a Distância, como dispõe o Decreto nº 5.622, de 19/12/2005, caracterizase como uma modalidade educacional na qual a mediação didático-pedagógica

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS CONHECIMENTOS GERAIS Brasil não pode mudar maioridade penal José Eduardo Cardozo, ministro da justiça, afirmou que qualquer tentativa de alteração da maioridade penal é inconstitucional. Segundo ele, esta

Leia mais

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal Capítulo I ASPECTOS GERAIS Artigo 1.º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece um conjunto de normas a serem observadas e cumpridas pelos

Leia mais

Regimento da Biblioteca Rev.: 01 Data: 07/07/2008

Regimento da Biblioteca Rev.: 01 Data: 07/07/2008 COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA - CESUSC FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS - FCSF Credenciada pela Portaria MEC n. 109, de 10 de fevereiro de 2000 (DOU 11.02.2000) BIBLIOTECA

Leia mais

Fomento a Projetos Culturais na Área do Livro e da Leitura

Fomento a Projetos Culturais na Área do Livro e da Leitura Programa 0168 LIVRO ABERTO Objetivo Estimular o hábito da leitura, facilitando o acesso às bibliotecas públicas e propiciar a difusão do conhecimento científico, acadêmico e literário. Indicador(es) Taxa

Leia mais

REGULAMENTO DA MEDIATECA DO BCI FOMENTO

REGULAMENTO DA MEDIATECA DO BCI FOMENTO 1 I Natureza e Funções REGULAMENTO DA MEDIATECA DO BCI FOMENTO A Mediateca do BCI FOMENTO é um centro de documentação integrado do BCI, SARL. A sua sede funciona na cidade do Maputo, dispondo de uma antena

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP 2015 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Dos Objetivos Específicos... 2 3. Dos Envolvidos

Leia mais

Manual de Funções. Centro de Documentação e Informação CEDOC-ESEV

Manual de Funções. Centro de Documentação e Informação CEDOC-ESEV Centro de Documentação e Informação CEDOC-ESEV ÍNDICE Pág. Apresentação 3 Equipa do centro de Documentação e Informação 4 Serviços 6 Serviço de Aquisições 6 Serviço de Tratamento Técnico documental 7 Catalogação

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA CONSULTAR O ACERVO

ORIENTAÇÃO PARA CONSULTAR O ACERVO 1 ORIENTAÇÃO PARA CONSULTAR O ACERVO ACESSE o endereço: http://www.portal.ufpr.br Clique em consulta ao acervo. O Terminal Web do SophiA Biblioteca oferece diversas formas de busca da informação, sendo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ALINE DÉBORA DA SILVA ROSILENE MARIA DIAS MACHADO TICIANA COSTA PROJETO

Leia mais

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO 1. LICENCIAMENTO 1.1. Todos os componentes da solução devem estar licenciados em nome da CONTRATANTE pelo período de 36 (trinta e seis) meses; 1.2. A solução deve prover suporte técnico 8 (oito) horas

Leia mais

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - Projeto Integrador Módulo IV Política de Segurança Disciplinas: - Implantação e Gestão de S.I.: Prof. Diego Américo Guedes - Gerência de Redes de Computadores: Prof. Fernando Pirkel Tsukahara - Segurança

Leia mais

Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências. Professor Francisco Carlos M. da Conceição

Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências. Professor Francisco Carlos M. da Conceição Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências Professor Francisco Carlos M. da Conceição DECRETO Nº 6.835, DE 30 DE ABRIL DE2009. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca dos princípios e conceitos arquivísticos, julgue os itens que se seguem. 51 A aquisição é uma função arquivística referente às atividades de transferência e recolhimento dos documentos de arquivo.

Leia mais

COMO FAZER A SUBMISSÃO DE DOCUMENTOS NO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA UNILA

COMO FAZER A SUBMISSÃO DE DOCUMENTOS NO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA UNILA COMO FAZER A SUBMISSÃO DE DOCUMENTOS NO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA UNILA 1. Acesso ao repositório institucional O repositório institucional da UNILA pode ser acessado pelo endereço: dspace.unila.edu.br

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em. na modalidade presencial

Projeto Pedagógico do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em. na modalidade presencial Projeto Pedagógico do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Educação Ambiental e Geografia do Semiárido na modalidade presencial Projeto Pedagógico do Curso de Pós- Graduação Lato Sensu em Educação Ambiental

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 135/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 135/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 135/2013/TCE-RO Institui a Política de Comunicação Social e Marketing do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso

Leia mais

UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA DE DADOS DO RELATÓRIO ESTATÍSTICO DE DESEMPENHO DO SBU

UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA DE DADOS DO RELATÓRIO ESTATÍSTICO DE DESEMPENHO DO SBU UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA DE DADOS DO RELATÓRIO ESTATÍSTICO DE DESEMPENHO DO SBU MANUAL 2004 Manual editado pela Assessoria de Planejamento da Biblioteca

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 78/2006 INSTITUI O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NEAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, E APROVA SEU REGULAMENTO.

RESOLUÇÃO CONSEPE 78/2006 INSTITUI O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NEAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, E APROVA SEU REGULAMENTO. RESOLUÇÃO CONSEPE 78/2006 INSTITUI O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NEAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, E APROVA SEU REGULAMENTO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no

Leia mais

FAB Faculdade Barão do Rio Branco FAC Faculdade do Acre

FAB Faculdade Barão do Rio Branco FAC Faculdade do Acre Informativo da Biblioteca Prof. Dr. Pedro Martinello Estrutura física da Biblioteca A Biblioteca da FAB/ FAC está instalada em área de 226m2, dividida nos seguintes setores: - Recepção/Acesso; - Setor

Leia mais

Aula No. 2 Introdução e conceitos básicos

Aula No. 2 Introdução e conceitos básicos Universidade de Pernambuco - UPE Escola Politécnica de Pernambuco POLI Disciplina: Metodologia da Pesquisa Professora: Emilia Rahnemay Kohlman Rabbani Aula No. 2 Introdução e conceitos básicos Reflexão

Leia mais

POLíTICA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO. da BIBLIOTECA ESCOLAR. Agrupamento de Escolas do Sudeste de Baião

POLíTICA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO. da BIBLIOTECA ESCOLAR. Agrupamento de Escolas do Sudeste de Baião POLíTICA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO da BIBLIOTECA ESCOLAR Agrupamento de Escolas do Sudeste de Baião ÍNDICE 1. Enquadramento teórico... 3 2. Prioridades da Coleção... 4 3. Avaliação da coleção...

Leia mais

Relatórios. Manual. Pergamum

Relatórios. Manual. Pergamum Relatórios Manual Pergamum Manual PER-MAN-005 Estatísticas Circulação de Materiais - Geral Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 1-4 1.1 PESQUISANDO ESTATÍSITICAS E RELATÓRIOS... 1-10 1.2 UTILIZANDO O MÓDULO RELATÓRIOS...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA

CONTABILIDADE BÁSICA CONTABILIDADE BÁSICA RESUMIDA on line http://www.grupoempresarial.adm.br 8/5/2014 21:32 Página 1 de 12 PARTE 1 / ASPECTOS TEÓRICOS INICIAIS Conteúdo sinótico 1. Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade

Leia mais

FADIRE CURSO DE XXXXXXX NOME DO ALUNO. TÍTULO DO ARTIGO: subtítulo (se houver)

FADIRE CURSO DE XXXXXXX NOME DO ALUNO. TÍTULO DO ARTIGO: subtítulo (se houver) FADIRE CURSO DE XXXXXXX NOME DO ALUNO TÍTULO DO ARTIGO: subtítulo (se houver) Santa Cruz 2016 1 NOME DO ALUNO TÍTULO DO ARTIGO: subtítulo (se houver) Artigo apresentado como requisito parcial para obtenção

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ACERVO

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ACERVO BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ACERVO São Paulo 2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. OBJETIVO... 2 2.1 Objetivo geral... 2 2.2 Objetivos específicos...

Leia mais

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA 1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA Procedimento racional e sistemático que tem por objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. Requerida quando não se dispõe de informação

Leia mais

Infra-estrutura para inovação e desenvolvimento

Infra-estrutura para inovação e desenvolvimento Infra-estrutura para inovação e desenvolvimento Painel: Telecomunicações, acessibilidade, TICs e inovação As telecomunicações constituem um setor de infra-estrutura de importante impacto no crescimento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria Aline Fernanda de Oliveira Castro Michelle de Lourdes Santos A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL N.º 195, DE 26 DE JULHO DE 2011 ANEXO I

CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL N.º 195, DE 26 DE JULHO DE 2011 ANEXO I SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL N.º 195, DE 26 DE JULHO DE 2011 ANEXO I REQUISITOS BÁSICOS PARA INVESTIDURA

Leia mais

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 REGULAMENTA O SISTEMA DE SUPRIMENTOS NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR

Leia mais

PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE FEVEREIRO DE 2014

PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE FEVEREIRO DE 2014 PODER JUDICIÁRIO. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA Seção de Biblioteca "Amazônia, patrimônio dos brasileiros" Este texto não substitui o original publicado no DJE PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE

Leia mais

Parecer Técnico nº 006/2016 CFSPET/PROEN/REITORIA/IFMG/SETEC/MEC

Parecer Técnico nº 006/2016 CFSPET/PROEN/REITORIA/IFMG/SETEC/MEC Parecer Técnico nº 006/2016 CFSPET/PROEN//IFMG/SETEC/MEC Belo Horizonte, 21 de março de 2016. Assunto: Parecer acerca do Projeto Pedagógico do Curso Técnico em Serviços Jurídicos, modalidade a distância,

Leia mais

Avenida Loja Maçônica Renovadora 68, no. 100 - CEP 14785-002 - Barretos/SP. Regulamento. Capítulo I. Disposições preliminares

Avenida Loja Maçônica Renovadora 68, no. 100 - CEP 14785-002 - Barretos/SP. Regulamento. Capítulo I. Disposições preliminares Regulamento Capítulo I Disposições preliminares Art. 1º. Este regulamento disciplina o funcionamento da Biblioteca Dr. Ranulpho Prata da Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos Dr. Paulo Prata (FACISB).

Leia mais

AÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE ARTIGO TEXTO RETIRADO E ADAPTADO DO MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LA SALLE.

AÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE ARTIGO TEXTO RETIRADO E ADAPTADO DO MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LA SALLE. AÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE ARTIGO TEXTO RETIRADO E ADAPTADO DO MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LA SALLE. CANOAS/2014 A estrutura deste manual foi elaborada com base

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS E PUBLICAÇÕES. Política Editorial de Periódicos da UEG

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS E PUBLICAÇÕES. Política Editorial de Periódicos da UEG UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS E PUBLICAÇÕES Política Editorial de Periódicos da UEG Regulamento para criação, inserção, exclusão, permanência

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO TÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º. O Museu de Porto Alegre Joaquim

Leia mais

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA NO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL - IMES

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA NO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL - IMES REGULAMENTO DE MONOGRAFIA NO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL - IMES CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1º - O presente Regulamento tem por

Leia mais