APRESENTANDO A HOMEOPATIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRESENTANDO A HOMEOPATIA"

Transcrição

1 APRESENTANDO A HOMEOPATIA INTRODUÇÃO Podemos dizer, de forma sucinta, que a Homeopatia é o tratamento do doente por meio de um medicamento capaz de produzir em sua experimentação no homem são um conjunto de sintomas com características semelhantes ao conjunto de sintomas característicos do doente. Muito importante, entretanto, é o fato da homeopatia tratar dos doentes e não de suas doenças, embora resultando também na cura de suas doenças. A abrangência, significado, alcance e importância desta questão poderá ser percebida ao longo do desenvolvimento desta apresentação. Vamos primeiro ver as origens do tratamento pela similitude na medicina desde a Grécia antiga: A SIMILITUDE NA MEDICINA NA GRÉCIA ANTIGA O tratamento pelo semelhante - Similia Similibus Curantur - já havia sido citado por Hipócrates, médico que viveu na Grécia antiga, na época de 460 a 377 anos antes de Cristo. Dizia ele que haviam duas formas básicas de tratamento: Cura pelo contrário Contraria Contrariis Curantur ; HIPÓCRATES Cura pelo semelhante - Similia Similibus Curantur.

2 Porém, esta segunda forma de tratamento, pelos semelhantes, que veio a ser a base da Homeopatia, somente foi muito bem estudada mais de 20 séculos depois. Foi o médico alemão, Christian Friedrich Samuel Hahnemann, quem a decodificou, isto é, nos deixou um importante tratado sobre os princípios e as regras para o bom exercício desta arte de curar e nomeou esta forma de tratamento como Homeopatia, que vem do grego, em que Christian Friedrich Samuel Hahnemann 1755 a 1843 homoios significa semelhante e pathos doença. Hipócrates, quem primeiro citou a Cura pelo Semelhante - Similia Similibus Curantur nasceu na ilha de Cos na Grécia e descendente de um dos ramos da família de Podalírio, filho de Asclépio. Asclépio, príncipe de Tricca, na Tessália, região da Grécia, que viveu no século 13 antes de Cristo, ficou conhecido por seu grande saber médico (Esculápio, como ficou conhecido pelos romanos, tornou-se um termo empregado para designar os médicos). Foi condiderado o Deus da medicina pelos gregos. Asclépio

3 Asclépio foi pai de Higéia, Panacéia, Telésforo, Podalírio e Macaão. Higéia dedicava-se à saúde pública, cuidava dos doentes de uma forma preventiva, com banhos, e de seu nome veio o termo higiene. Já Panacéia dedicava-se à farmácia, a encontrar recursos para curar todas as HIGÉIA doenças. Recebeu a denominação de Asclepion o lugar onde os cidadãos gregos iam buscar conhecimentos sobre a saúde e se curar, pela hidroterapia através de banhos medicinais, pela dietoterapia através de alimentação especial para cada paciente, pela helioterapia através de banhos de luz solar, pela geoterapia através de emplastros e uso de diferentes tipos de argila, pela cromoterapia através do uso das cores e pelas artes cênicas. Foi construído um Asclepion na ilha de Cós, que fica na região do Dodecaneso, um grupo de doze ilhas da Grécia, no sudeste do mar Egeu. Asclépion de Cós

4 Asclepion de Cós Teatro de Cós - palco de artes cênicas na Grécia Antiga Também na Grécia, na ilha de Epidaurus, foi construído, um anfiteatro, o Epidaurus, construído no século IV antes de Cristo, com capacidade para pessoas. Teatro de EPIDAURUS

5 Alguns dos descendentes de Asclépio fundaram, tempos antes, na ilha de Cós (Kos), a Escola de Cós, da qual fez parte Hipócrates. Hipócrates, o principal representante desta escola médica de Cós, é considerado o pai da Medicina por ter exercido a medicina sem conotações religiosas ou mágicas, tendo fundamentado a sua prática médica em uma minuciosa observação da evolução dos sintomas dos doentes no percurso de seu adoecimento ou de sua melhoria. Construiu assim um vasto e notável conhecimento empírico. Hipócrates centrava o tratamento no doente e não na doença, procurando valorizar as influências climáticas, dietéticas e ambientais no processo de adoecimento e de cura de cada doente, percebendo o seu adoecer como uma unidade individualizada, uma síntese, e não como um processo independente, localizado em uma parte ou órgão. Considerava que os sinais podiam ser observados pelo médico, mas que os sintomas eram sentidos e expressos pelo paciente. Dava valor também aos sintomas mentais, às expressões, aos costumes, aos sonhos, ao sono, à transpiração, urina, fezes, pele, enfim, a todos os aspectos possíveis de serem percebidos pelo médico e aos expressos pelo doente. O conhecimento que originou compõe o Corpus Hippocraticum, são mais de 50 tratados em cerca de 70 livros. Entre os mais conhecidos estão: Os Aforismos, O Juramento, As Dietas, As Epidemias e Os Prognósticos. Foi também um animista. Dizia que o corpo é animado por um sopro, pneuma, que o vivifica, organiza e harmoniza a vida, conforme o grupo dos filósofos daquela época também chamados de "naturalistas" ou filósofos da physis, como Anaximandro de Mileto( A.C) e Anaxímenes de Mileto ( A.C.). Os "naturalistas" ou filósofos da physis procuravam entender o que seria o fundamental, a origem, contrapondo ao secundário ou derivado, procurando sempre perceber o elo, a lei ou o princípio que rege e une todos os fenômenos. Para Hipócrates, este sopro vivificador e organizador da vida, tem a capacidade de manter a saúde, através da Vis Medicatrix naturae, força natural de cura que atua em todos os seres vivos para a manutenção da saúde, trazendo em si a possibilidade da cura, e considera que o trabalho do médico deve ser o de procurar auxiliá-la no caminho da cura. O pensamento de Hipócrates foi uma das principais fontes de estudos de Hahnemann, e responsável pelo seu embasamento vitalista, e a sua afirmação de que uma das

6 possibilidades terapêuticas era através do Similia Similibus Curantur - ou seja, a cura pelo semelhante - foi fundamental para Hahnemann perceber e dedicar-se a desenvolver com grande rigor e minúcias as regras que regem a arte de curar pelo semelhante e nomeá-la Homeopatia. Assim, podemos dizer que a medicina Homeopática tem uma de suas origens em Hipócrates, na Escola de Cós. Outras grandes influências nas concepções de Hahnemann foram de: Philippus Teophrastus Von Hohenheim conhecido como Paracelso ( ); Francis Bacon ( ); Jan von Helmont ( ); Thomaz Sydenham ( ); Isaac Newton ( ); Gottfried Wilhelm Leibniz ( ); Albrecht von Haller ( ) e Paul Josepf Barthez ( ). Outros descendentes de Asclépio, também do ramo de Podalírio, fundaram, também na Grécia, uma escola, em Cnido, uma península próxima a ilha de Cos, que hoje faz parte da Turquia. Um dos grandes representantes desta Escola de Cnido foi o médico grego, Cláudio Galeno, que viveu por volta dos anos 129 a 199 depois de Cristo. Esta escola tinha um pensamento podemos dizer oposto à escola de Cos, de Cláudio Galeno Hipócrates. Galeno trabalhou como médico dos gladiadores quando adquiriu experiência no tratamento das feridas. Foi médico de senadores e do imperador romano Marco Aurélio a quem curou de uma ferida na perna. Escreveu vasta obra, organizada em aproximadamente 500 volumes. A concepção médica de sua obra influenciou a medicina ocidental até a atualidade. A Escola de Cnido, de Galeno, considerava que a doença era devida a uma perturbação local, de um órgão, de causa material, e que o tratamento devia ser dirigido à doença, à parte, ou seja, uma visão centrada na doença, conceito que coincide com os paradigmas da medicina alopática e enantiopática.

7 Mas a história mesmo da Homeopatia se inicia com Christian Friedrich Samuel Hahnemann, o grande mestre que a decodificou. Hahnemann nasceu em Meissem, pequena cidade da Saxônia, atualmente parte da Alemanha, na virada do dia 10 para o dia 11 Christian Friedrich Samuel Hahnemann de abril de 1755, durante a guerra dos sete anos de Frederico, O Grande. Meissen cidade onde nasceu hahnemann A FORMAÇÃO DE HAHNEMANN Hahnemann aprendeu a ler com seu pai que era pintor em uma fábrica de porcelanas. Foi sempre muito dedicado aos estudos, e na adolescência já era fluente em alemão, francês, italiano, inglês, latim, árabe e ídiche. Mais tarde também em grego, hebreu, espanhol sírio, e caldeu.

8 Casa Natal de Hahnemann em Meissen Os seus estudos de medicina que iniciou aos 20 anos em Leipzig (Saxônia Alemanha), foram custeados com seus trabalhos de tradução e aulas particulares de grego e francês. Continuou seus estudos em Viena, na Áustria e logo a seguir, em Erlangen, onde se formou e apresentou sua tese em 1779: Etiologia e terapêutica das afecções espasmódicas, recebendo o grau de doutor em medicina. Universidade de Erlangen Em sua prática médica, Hahnemann já percebendo os efeitos por vezes danosos provocados pela aplicação da medicina desta época recorria, conhecedor dos ensinamentos

9 de Hipócrates, principalmente, à indicação de dietas e exercícios físicos para o tratamento de seus pacientes. Porém, apesar de ter atingido uma relativa prosperidade desde o tempo que residiu em Dresden, Hahnemann decide abandonar a medicina. O que mais o influenciou nesta decisão foi sua incapacidade de, com os recursos da medicina de sua época, tratar das graves doenças que acometeram seus filhos e amigos. Hahnemann não mais suportava a ausência de uma base científica, de uma lei diretriz para a terapêutica. Assim, desiludido com a medicina desta época, dedicou-se no período de 1785 a 1790 aos estudos, tradução e produção de inúmeros trabalhos. Destes seus trabalhos, pré-homeopáticos, destacam-se: Na Medicina: Publicou um trabalho sobre a assepsia com o uso de um sublimado mercurial, isto por ter observado os barbeiros drenando abcessos e as parteiras atendendo as parturientes. Na Saúde pública desenvolveu um método para a purificação da água que naquela época já estava suja e contaminada, através do uso do nitrato de prata e a seguir o sal, provocando floculação e desidratação. Na Mineração: Publicou trabalho sobre a intoxicação dos mineradores nas minas de prata, cobalto e cobre. Na Indústria: Trabalho sobre a intoxicação das pessoas que usavam roupas vermelhas coloridas com cobalto e das que cozinhavam com panelas de chumbo. Trabalho sobre a intoxicação pelo carvão mineral nas cidades que o usavam na calefação ao invés do carvão vegetal. Observou e destacou a cura dos problemas respiratórios destas pessoas pelo uso de pó do carvão mineral em pomada com vaselina, no peito.

10 Aperfeiçoou vários testes de bromatologia e criou métodos para a tintura dos tecidos e testes para pesquisa de adulteração dos vinhos. Na Farmácia: Trabalho sobre a intoxicação pelo arsênico, através do levantamento de inúmeros casos de intoxicação por este, que na época era amplamente vendido nas farmácias como febrífugo. Realizou um trabalho de intoxicação experimental com o arsênico em 350 cachorros as farmácias foram então proibidas da venda deste após ter mostrado este seu trabalho no parlamento. O SURGIMENTO DA HOMEOPATIA Hahnemann já não clinicava, mas continuava estudando a medicina, à procura de algo que ele não sabia, mas pressentia existir: uma lei racional de cura. Ele já compreendia que a primeira condição para usar com vantagem os medicamentos era conhecer seus efeitos sobre o organismo humano. Suas palavras por volta de 1783: É a eleição do medicamento e a maneira de usá-lo que caracteriza o verdadeiro médico, que não está ligado a nenhum sistema, que recusa o que não é investigado por ele mesmo e não toma a palavra de outrem, tendo a coragem de pensar por si mesmo e tratar de acordo com isto. Assim, em 1790, traduzindo a Matéria Médica editada em 1888 do escocês William Cullen ( ) discorda do que este diz: que a ação terapêutica da China sobre as febres intermitentes é devida à sua ação fortificante sobre o estômago.

11 Dr. William Cullen ( ) Matéria Médica do Dr. W. Cullen Resolve experimentar a China, e após escreve a seguinte nota: A EXPERIMENTAÇÃO DA CHINA Tomei como experiência, durante vários dias, duas vezes ao dia, quatro dracmas de boa quina. No início, meus pés e as extremidades dos meus dedos logo ficaram frios; fui ficando lânguido e sonolento, depois meu coração começou a palpitar e meu pulso ficou fraco e acelerado; experimentei uma ansiedade insuportável, tremores, prostração de todos os meus membros; em seguida, latejamento na cabeça, vermelhidão das faces, sede, e, resumindo, apareceram todos esses sintomas, que são ordinariamente característicos da febre intermitente, um após o outro, sem, no entanto, o frio peculiar e o calafrio. Esse acesso durava duas ou três horas de cada vez e só reaparecia se eu repetisse a dose; caso contrário, não; interrompi a dosagem e fiquei com boa saúde. E concluiu: A china exerce ação terapêutica sobre as febres intermitentes porque é capaz de produzir estes mesmos sintomas, os sintomas das febres intermitentes, em sua experimentação no homem são. Durante muitos séculos se afirmou sobre a possibilidade da cura pelos semelhantes. Foi porém Hahnemann quem determinou a regra para a sua aplicabilidade com o seguinte procedimento:

12 Tomei como experiência. A GENIALIDADE DE HAHNEMANN: a clínica dos semelhantes similia similibus curantur é aplicável por intermédio de uma experiência : A EXPERIMENTAÇÃO NO HOMEM SÃO. Neste momento deixou a citação os semelhantes se curam pelos semelhantes similia similibus curantur de ser uma possibilidade para ser um procedimento a ser decodificado, por intermédio da experimentação no homem são para a aplicação segundo estes critérios de similitude. Com este procedimento, percebeu Hahnemann regras precisas para o processo de conhecimento das possibilidades terapêuticas das substâncias - a experimentação de cada uma destas em experimentos no homem são, e assim passou a pesquisar e determinar o conjunto de regras para o bom exercício do que nomeou como Homeopatia: a arte de medicar pela similitude entre os sintomas obtidos através da experimentação no homem são com os sintomas do doente. A EPISTEME HOMEOPÁTICA A episteme homeopática tem como pilares centrais: Lei dos Semelhantes Experimentação no Homem São Como alguns dos pilares auxiliares que norteiam os procedimentos desta arte de curar temos: Medicamento único Doses mínimas Individualização Sintomas Característicos Conjunto representativo de sintomas característicos Doenças crônicas Vitalismo - doente x doença - sujeito x organismo Dinâmica miasmática

13 Supressão e metástase mórbida Medicina do sujeito A LEI DOS SEMELHANTES A lei dos semelhantes é o Pilar Básico da Homeopatia a similitude o semelhante cura o semelhante lei já citada por Hipócrates, antes de Cristo: aquilo que é capaz de provocar um sintoma é capaz de curá-lo. Porém ninguém até Hahnemann havia pesquisado sobre esta forma de tratamento e muito menos pensado em como seria a forma de como saber o que pode provocar o sintoma e menos ainda uma decodificação de todas as regras para o exercício desta arte de curar como o fez Hahnemann. A EXPERIMENTAÇÃO NO HOMEM SÃO A experimentação no homem são é o segundo pilar da Homeopatia e condição sem a qual não é possível aplicar com presteza a Homeopatia. Este pilar veio da genialidade de Hahnemann: tomei como experiência - e assim estava consubstanciado o procedimento para a aplicação da lei dos semelhantes. Na Homeopatia, a este procedimento de experimentação no homem são denominamos de experimentação patogenética homeopática. Ao conjunto dos sintomas patogenéticos de um medicamento, obtidos através de sua experimentação no homem são, denominamos de matéria médica homeopática deste medicamento. A similaridade, para a indicação do medicamento a ser prescrito, deve ser entre os sintomas do doente e os sintomas obtidos através da Experimentação no Homem São. Vejamos trechos de 2 dos 41 parágrafos onde Hahnemann em sua obra Organon da Arte de Curar nos diz sobre a experimentação no homem são: Não há, portanto, nenhum outro meio pelo qual seja possível determinar com precisão os efeitos peculiares dos medicamentos na saúde do homem são, não há maneira mais segura e mais natural de atingir este objetivo do que administrar experimentalmente os diversos medicamentos, em doses moderadas, a pessoas sadias, a fim de determinar as mudanças, sintomas e sinais da influência que cada um produz no estado de saúde física e mental; isto é, quais são os elementos morbíficos que eles podem e tendem a produzir, visto que, todo o poder curativo dos medicamentos depende deste

14 poder que possuem de poder alterar o estado de saúde do homem, sendo revelado mediante a observação desse estado Portanto, os medicamentos dos quais dependem a vida e a morte do homem, sua saúde e doença, devem ser precisamente distinguidos uns dos outros, e, por isso, testados por meio de experiências puras e cuidadosas no homem são, para que seus poderes e efeitos reais sejam bem determinados, a fim de se obter um conhecimento exato deles, e podermos evitar qualquer erro em seu emprego terapêutico... Porém, um parágrafo ( 63) de Vital importância para a compreensão da Homeopatia e de seus dois pilares centrais é aquele em que Hahnemann (Organon da Arte de Curar) nos diz sobre o EFEITO PRIMÁRIO E SECUNDÁRIO DOS MEDICAMENTOS SOBRE O HOMEM SÃO: 63 - Toda força que atua sobre a vida, todo medicamento afeta, em maior ou menor escala, a força vital, causando certa alteração no estado de saúde do Homem por um período de tempo maior ou menor. A isso se chama ação primária. Embora produto da força vital e do poder medicamentoso, faz parte, principalmente, deste último. A essa ação, nossa força vital se esforça para opor sua própria energia. Tal ação oposta faz parte de nossa força de conservação, constituindo uma atividade automática da mesma, chamada ação secundária ou reação. 1. Efeito Primário ação do medicamento sobre o homem são. 2. Efeito Secundário reação do homem são ao efeito primário (efeito rebote - em sentido oposto). Assim, NO TRATAMENTO HOMEOPÁTICO teremos: Efeito durante a medicação: Sintoma do Doente > Ação do Medicamento Homeopático Reação do Doente à Medicação > < Mesmo sentido do sintoma do doente Sentido oposto ao sintoma do doente Consequência após suspensão da medicação: Sintoma do Doente Reação do Doente à Medicação

15 > < Sentido oposto ao sintoma do doente Como conseqüência após a suspensão do medicamento homeopático teremos um Estímulo à cura por intermédio da reação do doente à medicação homeopática, medicamento este diluído e dinamizado, através de diluições seguidas de sucussões, provocando reação esta, no sentido inverso ao de seu sintoma. Já NO TRATAMENTO ENANTIOPÁTICO (pelo CONTRÁRIO), teremos: Efeito durante a medicação: Sintoma do Doente > Ação do Medicamento Contrário Reação do Doente à Medicação < > Sentido oposto ao sintoma do doente Mesmo sentido do sintoma do doente Consequência após suspensão da medicação: Sintoma do Doente Reação do Doente à Medicação > > Mesmo sentido do sintoma do doente Como consequência após a suspensão do medicamento homeopático, teremos propensão a tornar-se ainda mais doente por intermédio da reação do doente à medicação contrária, reação esta no mesmo sentido da produção do sintoma, sobrepondo-se ao sintoma. MEDICAMENTO ÚNICO Devemos usar medicamento único por que, assim como é feita a experimentação, com um único medicamento (substância simples ou composta) em diversos experimentadores para obtermos toda a gama de sintomas com as suas características provocadas por este, assim também deve ser a medicação para o paciente, com um só medicamento por vez. Somente desta forma poderemos avaliar o efeito da medicação e sabermos a que esta modificação ou não se deve e do seu sentido, isto é, a direção em que o quadro evolui, se para melhor ou pior. Com mais de um medicamento perdemos a avaliação de a que se deve a possível evolução.

16 DOSES MÍNIMAS Doses mínimas de medicamento diluído e succionado - dinamizado - Hahnemann a princípio começou a fazer experimentações em doses ponderais, ainda que diminutas, com substâncias dos três grandes reinos da natureza, mineral, vegetal e animal. Com estas experimentações e sua aplicação por similaridade com os sintomas dos doentes, percebeu que antes da cura eram fortes as agravações dos sintomas do doente. Foi assim cada vez mais diluindo a concentração da substância aplicada e succionando - dinamizando, com o intuito de diminuir estas agravações, o que foi acontecendo. Podemos ver suas afirmações neste sentido no parágrafo abaixo (Organon da Arte de Curar): Entre os sinais que, em todas as moléstias, especialmente nas de natureza aguda, nos informa de um ligeiro início de melhora ou agravação, o qual não é perceptível a todos, o estado de espírito e todo o comportamento do paciente são os mais certos e instrutivos. No caso de melhora, por menor que seja, observa-se maior conforto, calma e despreocupação, melhor humor uma espécie de retorno ao normal. No caso de agravação, por menor que seja, observamos o contrário: tensão, desconforto de espírito, da mente, observáveis na atitude geral, nos menores gestos e ações, que podem facilmente ser percebidos mediante observação cuidadosa, mas que não podem ser descritos com palavras (*). (*) O s sinais de melhora do humor ou da mente, contudo, só podem ser esperados algum tempo depois de haver o medicamento sido tomado, quando a dose houver sido o suficientemente pequena (isto é, tão pequena quanto possível); uma dose desnecessariamente grande, mesmo do remédio homeopático mais conveniente, age de modo excessivamente violento, e produz, primeiro, uma perturbação física e mental muito grande e duradoura para permitir-nos verificar, logo após, as melhoras do estado destas últimas; sem falar das outras desvantagens sobrevindas pelo emprego de doses muito fortes. INDIVIDUALIZAÇÃO SINTOMAS CARACTERÍSTICOS Hahnemann como estava usando doses bastante diluídas para o tratamento, iniciou as experimentações com doses também cada vez mais diluídas. Com este procedimento percebeu que os sintomas assim obtidos, não tinham mais a ver com semelhança com sintomas de doenças, e sim eram sintomas que definiam uma característica própria, individual, provocada pela substância, e que estes sintomas com estas características eram também encontrados no modo individual, característico de ser dos doentes.

17 CONJUNTO REPRESENTATATIVO DE SINTOMAS CARACTERÍSTICOS É ao conjunto dos sintomas característicos, entendendo-se este conjunto como os sintomas mais chamativos (estranhos), singulares, incomuns, peculiares e bem modalizados aos que se deve dar maior importância na busca da similaridade entre os sintomas do doente e os dos medicamentos em sua experimentação. Porém maior importância não quer dizer exclusão dos demais sintomas, embora sejam de muito pouca importância os sintomas indefinidos que são comuns em quase todos os doentes e nas experimentações. Na Homeopatia temos os sintomas indefinidos ou comuns e os sintomas característicos. Como exemplo de sintomas comuns ou indefinidos podemos citar as cefaléias em geral. Porém uma cefaléia que melhora pelo movimento e é localizada sempre somente na região frontal do lado esquerdo e que vem acompanhada de náuseas e que melhora lavando o rosto com água fria, estas particularidades, já a individualizam, agregando-lhe modalizações indicativas de sintoma característico. Quando a este conjunto de sintomas característicos agregamos os conceitos de hierarquia de sintomas e de dinâmica miasmática, identificando os sintomas mais marcantes de sofrimento que permeiam a história do doente podemos aprimorar a escolha do conjunto representativo de sintomas característicos dele que nos orientará na busca do medicamento cujo conjunto de sintomas obtidos em experimentação (matéria médica homeopática), denotaram também estas mesmas características e esta dinâmica de sofrimento. DOENÇAS CRÔNICAS Hahnemann observou no início de seu trabalho que, após um período variável, alguns dos doentes tornavam a adoecer. Concluiu então que haveria algo mais profundo que deveria ser curado, que seria esta tendência, predisposição ao adoecimento. Trabalhando com a clínica da similitude, isto é, utilizando medicamento único, diluído, cujo conjunto de SINTOMAS CARACTERÍSTICOS, obtido através de experimentações no HOMEM SÃO com a substância diluída, apresentasse semelhança com o conjunto dos SINTOMAS CARACTERÍSTICOS INDIVIDUALIZADOS e representativos de cada DOENTE, ao longo de vários anos, legou-nos profundos conhecimentos sobre o crônico adoecer no ser humano.

18 VITALISMO O Vitalismo afirma a existência de uma força vital, não redutível ao domínio físico-químico, que anima os seres vivos, distinguindo-os dos corpos inanimados e cuja ausência nos seres vivos determina o fenômeno da morte. Na Grécia antiga, na escola de Cos, também Hipócrates, considerado o pai da medicina, considerava a idéia de um princípio, força, sopro, unificador, vivificador e organizador da vida (animismo), impulso este que atuava mantendo a vida e a saúde através da Vis Naturae Medicatrix, e que o médico devia agir auxiliando esta força no caminho da cura. Para Hahnemann, criador da Homeopatia, e também vitalista, esta força vital é a responsável pela dinâmica da vida, controlando os fenômenos fisiológicos, integrando todas as partes do ser e conferindo-lhe as sensações e funções inerentes à vida e à consciência. No estado de saúde mantém a harmonia. Já o seu desequilíbrio propicia sensações desagradáveis, perturbação das funções, sentimentos e atitudes equivocadas, propiciando o aparecimento das doenças. DOENTE X DOENÇA - SUJEITO X ORGANISMO A Saúde, conforme definição da OMS, é definida como: Bem-estar físico, psíquico e social. Podemos inferir desta definição que é o sujeito quem diz de seu estado de saúde, de seu bem ou mal estar físico, psíquico e social, e como tal é através de sua escuta atenta que se deriva o procedimento médico. A saúde pode também, segundo outra visão, ser focada no organismo, procedimento que exclui o sujeito do contexto de dizer de seu processo de adoecimento, sendo neste caso, entendida como: silêncio dos órgãos. Assim, teríamos as seguintes dicotomias: Doente x Doença Sujeito x Organismo

19 DINÂMICA MIASMÁTICA Sendo a saúde definida a partir de quem sente, teremos o sujeito, dizendo de seu sofrimento, do seu desequilíbrio, do seu adoecer, como ser humano, imerso em sua cultura e com a sua linguagem, dizendo da trama de sua vida, de seus amores e ódios, de seus laços parentais, de seus apegos e suas carências, de seus sentimentos de rejeição, de seus medos e suas inseguranças, de suas dependências e de seus traumas, feridas e marcas, do seu stress, enfim, de sua vida... E assim, conforme esta sua trama, que já vai encontrando um meio propício devido às tendências culturais, patológicas, familiares, hereditárias e genéticas, vai construindo e definindo as suas sensibilidades, as suas susceptibilidades e a sua predisposição ao adoecer, possibilitando assim, o desenvolvimento do crônico adoecer e a instalação e desenvolvimento dos processos agudos, e tudo isto com as suas características próprias de sensibilidade, susceptibilidade e predisposição. Enfim, o adoecer é no percurso, na correnteza destes fatores, que cada um vai construindo, de acordo com suas atitudes, a sua biopatografia inscrevendo no corpo o insuportável para o consciente ou expressando a sua incapacidade (de dar conta) de ir construindo a sua evolução. Na experimentação homeopática, teremos também o sujeito dizendo de sua experiência com o medicamento, dizendo de como se sente subjetivamente com ele, das características que este determina na sua forma de sentir e dizer de sua história e de seus sintomas. O tratamento homeopático com o medicamento escolhido pela similaridade entre os sintomas da matéria médica homeopática e os sintomas do doente possibilita o restabelecimento do equilíbrio fisiológico, a ativação do sistema imunológico e uma nova postura do sujeito frente ao seu sofrimento, possibilitando-lhe assim o caminho da cura de seu crônico adoecer. O SUJEITO O SOFRIMENTO - O DESEQUILÍBRIO O ADOECER A DOENÇA O SER HUMANO A CULTURA A LINGUAGEM A TRAMA O AMOR O ÓDIO OS LAÇOS PARENTAIS - OS APEGOS AS CARÊNCIAS AS REJEIÇÕES

20 OS MEDOS - AS INSEGURANÇAS AS DEPENDÊNCIAS OS TRAUMAS - AS MARCAS AS FERIDAS O STRESS As tendências culturais e patológicas, familiares, hereditárias, genéticas De acordo com nossa história anterior e atual Que denotam nossa sensibilidade, nossa susceptibilidade e nossa predisposição O ADOECER - A VIDA A BIOPATOGRAFIA A DIREÇÃO DO ADOECER A ESCUTA NO TRATAMENTO HOMEOPÁTICO No tratamento homeopático o que o médico procura, através de atenta escuta da narrativa do paciente de sua história de vida e da história de suas doenças, do relato de seus sofrimentos afetivos e volitivos, de suas inseguranças e seus medos, de cada um de seus sintomas com todas as suas características de singularidade, peculiaridade e modalização, é perceber o seu particular jeito de sofrimento. SUPRESSÃO E METÁSTASE MÓRBIDA Em um tratamento o importante é tratar o doente. Tratar focando a doença, muitas vezes leva somente à eliminação da doença e de seus sintomas, e o doente segue pior, em sua condição psicológica, em sua infrutífera tentativa de dar conta de sua peculiar forma de sofrer diante das circunstâncias da vida, sem conseguir mudar a sua atitude centrada na sua peculiar vulnerabilidade, o que dependendo de sua vitalidade, das circunstâncias e do nível de supressão ocorrida, pode redundar, ao final de algum tempo no retorno do mesmo processo, ou quiçá em algo mais grave, ao que denominamos metástase mórbida. Um dos grandes problemas da medicina é o da supressão. Tudo o que o médico deve procurar fazer é auxiliar o processo de cura da Vis naturae medicatrix que se encontra insuficiente em seu intento curativo, e não agir em sentido oposto. HOMEOPATIA RAPIDEZ E EFICIÊNCIA

A Homeopatia foi criada pelo médico alemão Christian Friedrish Samuel Hahneman (1755-1843), portanto, no final do século XVIII.

A Homeopatia foi criada pelo médico alemão Christian Friedrish Samuel Hahneman (1755-1843), portanto, no final do século XVIII. HOMEOPATIA Margarida Maria Vieira Médica homeopata e pediatra CRM: SC 4107 Associação Médico Espírita de Santa Catarina- AME/SC Muito se fala sobre Homeopatia e, talvez, pouco se conheça a seu respeito

Leia mais

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2 Homeopatia A Homeopatia é um sistema terapêutico baseado no princípio dos semelhantes (princípio parecido com o das vacinas) que cuida e trata de vários tipos de organismos (homem, animais e plantas) usando

Leia mais

PARÂMETROS PARA EVOLUÇÃO E

PARÂMETROS PARA EVOLUÇÃO E PARÂMETROS PARA EVOLUÇÃO E ACOMPANHAMENTO DOS CASOS CLÍNICOS Drª. Elizabeth Valente e Dr. Erasto Luiz de Souza As dificuldades e as soluções encontradas nos respectivos casos apresentados nos possibilitam

Leia mais

Modo de ação do medicamento homeopático

Modo de ação do medicamento homeopático Modo de ação do medicamento homeopático Prof. Dr. Romeu Carillo Junior Associação Brasileira de Reciclagem e Assistência em Homeopatia Diferentes concepções de doença Visão Materialista Mal Morbo Enfermidade

Leia mais

1º Princípio Lei dos Semelhantes

1º Princípio Lei dos Semelhantes Homeopatia 1º Princípio Lei dos Semelhantes A Homeopatia é a medicina que cura baseando-se na Lei dos Semelhantes. Esta estabelece que uma substância capaz de desencadear determinados sintomas em indivíuos

Leia mais

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO 1 RESUMO OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO Glória Maria A. F. Cristofolini Nada se passa na mente que o corpo não manifeste, cita Hermógenes. Quando a medicina ocidental passou a

Leia mais

É o que mantém o organismos em harmonia. Sem ela, o organismo não age, não sente e desitegra-se, sendo a força vital responsável pela

É o que mantém o organismos em harmonia. Sem ela, o organismo não age, não sente e desitegra-se, sendo a força vital responsável pela FARMACOTÉCNICA HOMEOPÁTICA AULA 4: SAÚDE E DOENÇA Professora Esp. Camila Barbosa de Carvalho FORÇA VITAL É o que mantém o organismos em harmonia. Sem ela, o organismo não age, não sente e desitegra-se,

Leia mais

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN Precursor SMUTS 1926 EVOLUÇÃO E HOLISMO HOLISMO - GREGO HOLOS TOTAL COMPLETO - UNIFICAÇÃO Descartes séc. XVII Divisão do indivíduo em duas entidades separadas, mas inter-relacionadas:

Leia mais

A BOA SORTE NÃO É SENÃO A S. MARDEN CAPACIDADE DE APROVEITAR BEM OS MOMENTOS FAVORÁVEIS.

A BOA SORTE NÃO É SENÃO A S. MARDEN CAPACIDADE DE APROVEITAR BEM OS MOMENTOS FAVORÁVEIS. A BOA SORTE NÃO É SENÃO A CAPACIDADE DE APROVEITAR BEM OS MOMENTOS FAVORÁVEIS. S. MARDEN Fertilidade Natural: Homeopatia CAPÍTULO 12 Homeopatia HOMEOPATIA E UNIÃO INFÉRTIL Unir-se em uma família e ter

Leia mais

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO Fany Patrícia Fabiano Peixoto Orientadora: Eugenia Cordeiro Curvêlo RESUMO O termo psicossomática esclarece a organização

Leia mais

Agravamento (agravação) dos medicamentos homeopáticos em Medicina Veterinária.

Agravamento (agravação) dos medicamentos homeopáticos em Medicina Veterinária. Agravamento (agravação) dos medicamentos homeopáticos em Medicina Veterinária. Dr. Carlos O. Cordoves Ph.D. 1 Jorge William da S. Velho. 2 Particularidades e apontamentos sobre o Agravamento Homeopático

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES Introdução Geralmente, as pessoas descobrem estar diabéticas quando observam que, apesar

Leia mais

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO Considera-se como fundador da psicologia moderna Wilhelm Wundt, por ter criado, em 1879, o primeiro laboratório de psicologia na universidade de Leipzig, Alemanha. A psicologia

Leia mais

30/8/2010 HARRY STACK SULLIVAN ESTRUTURA DA PERSONALIDADE PSIQUIATRIA PROCESSOS CAMPOS INTERATIVOS

30/8/2010 HARRY STACK SULLIVAN ESTRUTURA DA PERSONALIDADE PSIQUIATRIA PROCESSOS CAMPOS INTERATIVOS HARRY STACK SULLIVAN Profa. Marilene Zimmer Psicologia - FURG HARRY STACK SULLIVAN Nova York 21/2/1892 14/01/1949 1917 Diploma de Médico Chicago College of Medicine and Surgery Serviu forças armadas I

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 ÁREA DE ACTIVIDADE - SAÚDE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS)

Leia mais

Módulo 9. Cuidados na Saúde Mental

Módulo 9. Cuidados na Saúde Mental 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA ANO LETIVO 2014-2015 PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE DISCIPLINA: HIGIENE, SEGURANÇA

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado distinto por cada pessoa. o conhecimento do mundo se obtém

Leia mais

Psicologia Aplicada à Enfermagem. Prof. Adriana Campos Psicóloga CRP: 01/11273

Psicologia Aplicada à Enfermagem. Prof. Adriana Campos Psicóloga CRP: 01/11273 Psicologia Aplicada à Enfermagem Prof. Adriana Campos Psicóloga CRP: 01/11273 UNIDADE I Aula 01 Introdução à Psicologia da Saúde Origens da psicologia A Psicologia como ciência A Psicologia aplicada à

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

Universidade de Cuiabá - Disciplina: Homeopatia Profª Ivana Maria Póvoa Violante VITALISMO

Universidade de Cuiabá - Disciplina: Homeopatia Profª Ivana Maria Póvoa Violante VITALISMO HISTÓRICO DO VITALISMO VITALISMO Na Grécia: Hipócrates (460-377 a.c.) Admitia que nos homens e animais havia uma natureza instintiva e racional, que fazia crescer e nutrir todos os seres vivos, e manter

Leia mais

TRABALHO - Curso de Fitoterapia e Bioenergética

TRABALHO - Curso de Fitoterapia e Bioenergética TRABALHO - Curso de Fitoterapia e Bioenergética Renato Pereira Lima São Paulo 24 de setembro de 2009-09-24 O que é Homeopatia? Homeopatia é uma terapia alternativa que cura as doenças usando doses mínimas

Leia mais

INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA

INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA Objetivos Definir Psicologia Descrever a trajetória historica da psicologia para a compreensão de sua utilização no contexto atual Definir Psicologia da Educação A relacão da Psicologia

Leia mais

Entrevista com Pierre Fédida

Entrevista com Pierre Fédida Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., IV, 1, 168-174 Entrevista com Pierre Fédida (Concedida a Paulo Roberto Ceccarelli em Paris, no dia 27 de julho de 2000) 168 Há algum tempo o Sr. tem utilizado a expressão

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano CUIDADOS PALIATIVOS A diversidade das necessidades da pessoa humana em sofrimento intenso e em fim de vida encerram, em si mesmo, uma complexidade de abordagens de cuidados de Saúde a que só uma equipa

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL

CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL Ana Paula Fernandes de Lima Larissa de Medeiros Luana Ferreira Maristela Oliveira. Carla Villwock Resumo: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

parte ASPECTOS GERAIS DA PSICOPATOLOGIA

parte ASPECTOS GERAIS DA PSICOPATOLOGIA parte 1 ASPECTOS GERAIS DA PSICOPATOLOGIA 1 Introdução geral à semiologia psiquiátrica Um dia escrevi que tudo é autobiografia, que a vida de cada um de nós a estamos contando em tudo quanto fazemos e

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

1. A CONEXÃO INTERNA - Uhane - Mente Consciente

1. A CONEXÃO INTERNA - Uhane - Mente Consciente 1. A CONEXÃO INTERNA - Uhane - Mente Consciente Divino Criador, Pai, Mãe Criança em UM: Oh, meu Filho... Você perdoa todos os meus erros em pensamentos, palavras, atos e ações, que acumulei e submeti a

Leia mais

A Escola Inglesa. Em toda a Europa, até o século VII, o louco era precioso para Deus e bem tratado pelo discurso e práticas religiosa.

A Escola Inglesa. Em toda a Europa, até o século VII, o louco era precioso para Deus e bem tratado pelo discurso e práticas religiosa. A Escola Inglesa Em toda a Europa, até o século VII, o louco era precioso para Deus e bem tratado pelo discurso e práticas religiosa. Mas a partir do século XVII, número de loucos e miseráveis aumentaram

Leia mais

O que é uma interação física? Como concebê-la?

O que é uma interação física? Como concebê-la? Campo elétrico Um pouco de filosofia (com um pouco de história) O que é uma interação física? Como concebê-la? Há basicamente duas maneiras distintas de imaginar como dois corpos A e B separados por uma

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social. Lillyan Justino Tanaka

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social. Lillyan Justino Tanaka Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social Lillyan Justino Tanaka Comorbidade em pessoas com transtorno mental: perfil crescente

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde SILVIA CURY ISMAEL HOSPITAL DO CORAÇÃO DE SÃO PAULO III Congresso dos Servidores de Saúde

Leia mais

Cuidados Paliativos em Câncer

Cuidados Paliativos em Câncer Cuidados Paliativos em Câncer Temos assistido nas últimas décadas a um envelhecimento progressivo da população, assim como o aumento da prevalência do câncer. O avanço tecnológico alcançado, associado

Leia mais

MEDICINA ANTROPOSÓFICA

MEDICINA ANTROPOSÓFICA MEDICINA ANTROPOSÓFICA A Medicina Antroposófica, desenvolvida no início do século XX, na Europa, corresponde a uma proposta de ampliação da medicina, que possibilita à prática médica contemporânea uma

Leia mais

Edmund Husserl, a crise européia e a crise brasileira

Edmund Husserl, a crise européia e a crise brasileira Edmund Husserl, a crise européia e a crise brasileira Cláudio Mano Membro do Centro de Pesquisas Estratégicas Paulino Soares de Sousa, da UFJF. Acadêmico do Curso de Filosofia da UFJF. cmpostal@gmail.com

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943)

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943) GESTALT CONTEXTUALIZAÇÃO Surge na Alemanha por entre 1910-1920 MAX WERTHEIMER (1880 1943) KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) Eu faço as minhas coisas Você faz as suas. Não estou neste

Leia mais

Resumo do Livro - Magnetismo Espiritual Michaelus

Resumo do Livro - Magnetismo Espiritual Michaelus Resumo do Livro - Magnetismo Espiritual Michaelus O homem deve estudar as Leis Divinas e procurar colocá-las em prática visando sua evolução moral, deve procurar superar seu egoísmo, purificar seu coração

Leia mais

Professor: Tiago Luiz Pereira

Professor: Tiago Luiz Pereira Professor: Tiago Luiz Pereira Ansiedade: inquietação, agonia, aflição, préocupação, expectativa de um acontecimento inesperado e perigoso diante do qual a pessoa sente-se indefesa ou impotente. Dividem-se

Leia mais

ADOÇÃO. Filhos sem Pais e Pais sem Filhos: ambos precisam ser acolhidos.

ADOÇÃO. Filhos sem Pais e Pais sem Filhos: ambos precisam ser acolhidos. ADOÇÃO Filhos sem Pais e Pais sem Filhos: ambos precisam ser acolhidos. Edna G. Levy Nos dias de hoje, a adoção é exercida com maior naturalidade do que em tempos passados, em que havia a pecha da vergonha

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento BOAS PRÁTICAS para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais ÍNDICE Introdução 3 Explique e difunda a importância do termo 4 A humanização e o ambiente físico 6 Aperfeiçoamento

Leia mais

Relaxamento e Visualização. Dra. Marisa Campio Müller Coordenadora Grupo de Pesquisa - PUCRS

Relaxamento e Visualização. Dra. Marisa Campio Müller Coordenadora Grupo de Pesquisa - PUCRS Relaxamento e Visualização Dra. Marisa Campio Müller Coordenadora Grupo de Pesquisa - PUCRS Vamos trabalhar na perspectiva holística, sistêmica, integrativa. Este enfoque ressalta a interdependência biológica,

Leia mais

Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos. Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense

Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos. Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense A herança renascentista: controle da natureza Deslocamento do teocentrismo

Leia mais

ASPECTOS ESPIRITUAIS DE NOSSAS DOENÇAS

ASPECTOS ESPIRITUAIS DE NOSSAS DOENÇAS ASPECTOS ESPIRITUAIS DE NOSSAS DOENÇAS ASSOCIAÇÃO MÉDICO-ESPÍRITA DO E. SANTO Tendo o homem que progredir, os males a que se acha exposto são um estimulante para o exercício da sua inteligência, de todas

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

O Conflito como Sociação 1

O Conflito como Sociação 1 SIMMEL, Georg, O conflito como sociação. (Tradução de Mauro Guilherme Pinheiro Koury). RBSE Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v. 10, n. 30, pp. 568-573. ISSN 1676-8965. http://www.cchla.ufpb.br/rbse/index.html

Leia mais

Christian H. Godefroy

Christian H. Godefroy Christian H. Godefroy Tradução: Thérèse Como se libertar dos pensamentos negativos, com o método Vittoz Introdução Infelizmente, pensar negativamente contribui pouco para a nossa felicidade. O que acontece

Leia mais

Apresentação EMOÇÕES SAUDÁVEIS Cuidando da alma ferida e sem esperança faz parte da série Saúde Emocional elaborada visando o discipulado de líderes, no contexto da igreja local. Quando falamos de discipulado,

Leia mais

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Este livro explica como você pode usar sua realidade para obter autoconhecimento. Boa leitura!

Leia mais

Sumário. Prefácio 11 Apresentação 15 Introdução 17. Princípios e conceitos 19. Atenção ao corpo 39

Sumário. Prefácio 11 Apresentação 15 Introdução 17. Princípios e conceitos 19. Atenção ao corpo 39 Sumário Prefácio 11 Apresentação 15 Introdução 17 1 Princípios e conceitos 19 Complementar ou alternativa? 26 Trazendo a medicina a suas origens 29 O direito à cura 35 Para saber mais 38 Atenção ao corpo

Leia mais

ANAMNESE. Prof. Ivan da Costa Barros

ANAMNESE. Prof. Ivan da Costa Barros ANAMNESE Prof. Ivan da Costa Barros 1 A HISTÓRIA CLÍNICA ou ANAMNESE Figura pela qual recordamos de coisa esquecida. Reminiscência, recordação. Informação acerca do princípio e evolução de determinada

Leia mais

Newsletter. Fernando Pessoa... Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão

Newsletter. Fernando Pessoa... Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão 2 EM 5 ENTREVISTA COM DESTAQUES Workshop Para os + Novos Para a sua Saúde Nº 3 MAIO 2008 6 NEUROFITNESS ESPECIAL EXERCÍCIOS Newsletter Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão Fernando Pessoa... Lisboa

Leia mais

Caminhando Com as Estrelas

Caminhando Com as Estrelas Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Com Alessandra França e Jaqueline Salles Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Aula 1 Com Alessandra França Temas: O Reino dos Céus

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 O QUE É DEFICIÊNCIA MENTAL OU INTELECTUAL http://www.apaesp.org.br/sobreadeficienciaintelectual A Deficiência Intelectual, segundo a Associação Americana sobre Deficiência Intelectual do Desenvolvimento

Leia mais

O Erro Médico. Erro de Diagnóstico e Erro de Procedimento Alessandra Abate. cit., p. 422). ! " # $ % % & ' ( ( ( ( % ) * +, -.

O Erro Médico. Erro de Diagnóstico e Erro de Procedimento Alessandra Abate. cit., p. 422). !  # $ % % & ' ( ( ( ( % ) * +, -. O Erro Médico Erro de Diagnóstico e Erro de Procedimento Alessandra Abate Primeiramente vale mencionar a dificuldade de se fazer um diagnóstico em qualquer fase do tratamento de um paciente ou até mesmo

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO DE ÉMILE DURKHEIM Prof. Railton Souza OBJETO Na obra As Regras do Método Sociológico, publicada em 1895 Émile Durkheim estabelece um objeto de investigação para a sociologia

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

Física Quântica e Espiritismo

Física Quântica e Espiritismo Casa de Frei Fabiano 06/09/2015 Claudio C. Conti www.ccconti.com Física Quântica e Espiritismo Cronologia Napoleão III Espiritismo 1852 1870 Napoleão I 1857 1868 Leon Denis 1804 1814 Jung 1846 Einstein

Leia mais

Folheto informativo: Informação para o utilizador Finacea, 150 mg/g, gel Ácido azelaico

Folheto informativo: Informação para o utilizador Finacea, 150 mg/g, gel Ácido azelaico Folheto informativo: Informação para o utilizador Finacea, 150 mg/g, gel Ácido azelaico Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento pois contém informação importante

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

Émile Durkheim 1858-1917

Émile Durkheim 1858-1917 Émile Durkheim 1858-1917 Epistemologia Antes de criar propriamente o seu método sociológico, Durkheim tinha que defrontar-se com duas questões: 1. Como ele concebia a relação entre indivíduo e sociedade

Leia mais

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade O Bem Pessoal e o Comunitário O que é o Bem? Bem é a qualidade de excelência ética que

Leia mais

Nicotinell. Novartis Biociências S.A. Adesivo 7 mg, 14 mg e 21 mg

Nicotinell. Novartis Biociências S.A. Adesivo 7 mg, 14 mg e 21 mg Nicotinell Novartis Biociências S.A. 7 mg, 14 mg e 21 mg Nicotinell nicotina APRESENTAÇÕES Embalagens com 7 adesivos transdérmicos de nicotina (7mg, 14mg ou 21mg) USO TÓPICO - USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Proatividade Uma questão de escolha

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Proatividade Uma questão de escolha - GUIA DO EMPRESÁRIO - Proatividade Uma questão de escolha Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/7 Proatividade Uma questão de escolha Você chega sempre atrasado

Leia mais

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho Guilherme Argenta Souza Ceres Helena Ziegler Bevilaqua UFSM A obra Chapeuzinho Vermelho é um clássico da literatura universal, apreciada por

Leia mais

ença grave, provavelmente do cérebro, com poucas perspetivas de recuperação e que poderá mesmo, num breve espaço de tempo, levar à morte da paciente.

ença grave, provavelmente do cérebro, com poucas perspetivas de recuperação e que poderá mesmo, num breve espaço de tempo, levar à morte da paciente. I Minhas senhoras e meus senhores! É para mim uma experiência nova e desconcertante apresentar me como conferencista no Novo Mundo diante de um público interessado. Parto do princípio de que esta honra

Leia mais

Nutrição e Gastronomia Tendências e Inovações para a Alimentação Saudável. Andréa Luiza Jorge

Nutrição e Gastronomia Tendências e Inovações para a Alimentação Saudável. Andréa Luiza Jorge Nutrição e Gastronomia Tendências e Inovações para a Alimentação Saudável Andréa Luiza Jorge Introdução Nenhum alimento que entra em nossas bocas é neutro. A historicidade da sensibilidade gastronômica

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 QUESTÃO 26 Alguns dos desafios às novas formas de acolher e tratar os doentes mentais, a partir das reformas psiquiátricas, são, EXCETO: a) O risco de se tratar dos sintomas,

Leia mais

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA MAKSOUD PLAZA SÃO PAULO 30/3 a 1/4 de 2006 CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO CONSELHOS DE MEDICINA E CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

Leia mais

CONVIVENDO COM O LÚPUS

CONVIVENDO COM O LÚPUS CONVIVENDO COM O LÚPUS Dr. Jean-Luc Senecal Aprender a viver com o lúpus é semelhante a todas as outras coisas da vida. Alguns deverão exercitar-se e este aprendizado não se faz da noite para o dia. A

Leia mais

Genialidade, Fernando Pessoa

Genialidade, Fernando Pessoa Um homem de génio é produzido por um conjunto complexo de circunstâncias, começando pelas hereditárias, passando pelas do ambiente e acabando em episódios mínimos de sorte. Genialidade, Fernando Pessoa

Leia mais

MITO: vem do vocábulo grego mythos, que significa contar ou narrar algo.

MITO: vem do vocábulo grego mythos, que significa contar ou narrar algo. ORIGEM DA FILOSOFIA Nasce no século VI a.c., em Mileto (cidade situada na Jônia, região de colônias gregas na Ásia menor). Filosofia representa a passagem do saber mítico (alegórico, fantástico, fantasioso)

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

Grupos de medicamentos em homotoxicologia

Grupos de medicamentos em homotoxicologia Grupos de medicamentos em homotoxicologia IAH AC Grupos de medicamentos e homotoxicologa IAH 2009 A gama de medicamentos anti-homotóxicos da Heel é bastante grande e muito diversa. O motivo disto é que,

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

http://www.fotosdahora.com.br/cli part/cliparts_categorias/escola/in dex.asp?pagina=5, http://www.fontouravip.com. br/quadros/344/

http://www.fotosdahora.com.br/cli part/cliparts_categorias/escola/in dex.asp?pagina=5, http://www.fontouravip.com. br/quadros/344/ http://www.fotos-imagens.net/sala-de-aula.html http://www.jonathanribas.com/blog/12-03-2012-segunda-aula-regras-dasala-de-informatica/ http://galeria.colorir.com/colegio/borracha-deapagar-pintado-por-pedro-883081.html

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

ARTE E SAUDE - EXPERIMENTAÇÕES LÚDICO-PEDAGÓGICAS NA PESQUISA SOBRE CUIDADO DE ENFERMAGEM RENAN TAVARES

ARTE E SAUDE - EXPERIMENTAÇÕES LÚDICO-PEDAGÓGICAS NA PESQUISA SOBRE CUIDADO DE ENFERMAGEM RENAN TAVARES 1 ARTE E SAUDE - EXPERIMENTAÇÕES LÚDICO-PEDAGÓGICAS NA PESQUISA SOBRE CUIDADO DE ENFERMAGEM RENAN TAVARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO/UNIRIO Palavras-chave: JOGO, CORPO, CUIDADO DE

Leia mais

O CONHECIMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICI- NAIS EM DOIS MUNICÍPIOS DO LITORAL DE SÃO PAULO, SP.

O CONHECIMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICI- NAIS EM DOIS MUNICÍPIOS DO LITORAL DE SÃO PAULO, SP. Revista Ceciliana Dez 3(2): 35-39, 2011 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana O CONHECIMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICI- NAIS EM DOIS MUNICÍPIOS

Leia mais

A importância do tratamento contra a aids

A importância do tratamento contra a aids dicas POSITHIVAS A importância do tratamento contra a aids Por que tomar os medicamentos (o coquetel) contra o HIV? A aids é uma doença que ainda não tem cura, mas tem tratamento. Tomando os remédios corretamente,

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

Palavras chave: Teatro Criatividade Espontaneidade - Imaginação

Palavras chave: Teatro Criatividade Espontaneidade - Imaginação INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE NA ESCOLA: O MÉTODO DRAMÁTICO E IMAGINAÇÃO CRIATIVA NA ESCOLA Nayara Lopes Botelho Acadêmica de Artes Cênicas do IFTO Campus Gurupi nayara_lb@hotmail.com Resumo. Edna Maria Cruz

Leia mais

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17 Sumário Prefácio... 15 Introdução... 17 1. QUÊS E PORQUÊS... 21 1) O que é droga?... 21 2) O que é vício?... 21 3) O que é dependência?... 22 4) O que é abuso?... 24 5) Que drogas levam a abuso ou dependência?...

Leia mais

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...!

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! Quem procura acha. Módulo 2 Etapa 3 Nem sempre acha o

Leia mais

Daiane Aparecida da S. Kozak GEOTERAPIA: A CURA QUE VEM DO SOLO

Daiane Aparecida da S. Kozak GEOTERAPIA: A CURA QUE VEM DO SOLO Daiane Aparecida da S. Kozak GEOTERAPIA: A CURA QUE VEM DO SOLO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à banca do Curso de Especialização em Educação do Campo da Universidade Federal do Paraná. Como

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Curso de Massagem Ayurvédica 40 horas

Curso de Massagem Ayurvédica 40 horas Curso de Massagem Ayurvédica 40 horas 8, 10, 15, 17, 22, 24 (Terças e Quintas) das 19h às 22h30 e 12 e 19 (Sábados) das 9h30 às 20h ESPAÇO KY Programa - Breve história da Ayurveda - Princípios e Pilares

Leia mais

Casa de Apoio Médico e Psicológico

Casa de Apoio Médico e Psicológico ÍNDICE INTRODUÇÃO 02 I CONCEITO 03 II FASES DE PROGRESSÃO DA DEPENDÊNCIA 04 QUÍMICA III TRATAMENTO 05 IV PROCESSO DE RECUPERAÇÃO 06 V RECAÍDA 08 VI CO-DEPENDÊNCIA 11 1 A Dependência Química (DQ) é uma

Leia mais

Dor física e dor psíquica

Dor física e dor psíquica Dor crônica A causa desse fenômeno é tão vasta e complexa como a própria dor. Questões socioculturais, as formas de trabalho e os avanços da Medicina que proporcionam sobrevida mesmo em casos de doenças

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL Vocês sabem ouvir e realizar um Aconselhamento Pastoral (AP) eficaz e eficiente? Sabem as técnicas que podem ser utilizadas no Gabinete

Leia mais

Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.

Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof. MASSAGEM PARA GESTANTE E SHANTALA Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.ª Daniella Koch de Carvalho SHANTALA

Leia mais