Chapa Re-De-Vez re- de-vez revés

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Chapa Re-De-Vez re- de-vez revés"

Transcrição

1 Chapa Re-De-Vez "Seguiu pelo través da estrada, porque seus pés sofriam de inquietude. (...) Água era muita, mas rede-vez ele seguiu pela curva da reta velha, revés do conselho primeiro. Tinha mais beleza por ali." (Guimarães Rosa)

2 CARTA-PROGRAMA N ós, alunos do bacharelado de Relações Internacionais da USP e membros da Chapa Re-De-Vez, movidos por um crescente desejo por mudança, defendemos um Centro Acadêmico que seja espaço de discussão, construção e execução de ideias e projetos que possam enriquecer todos os seus representados. Nossas motivações nascem da insatisfação em relação ao funcionamento atual do Centro Acadêmico. Sua atuação tem sido mais restrita do que poderia. Mais opiniões precisam ser defendidas; mais interesses, representados; mais vozes, ouvidas. O GUIMA precisa representar mais alunos do curso; as demais instituições precisam de mais voz para suas demandas; os eventos tradicionais precisam ser renovados; novos eventos e ideias precisam se tornar realidade. Conscientes, portanto, de que a mudança não se faz somente por meio da crítica, mas da ação, nós, Adriana F. Granjo, Caio T. da Mota, Ivan M. Mangano, Lívia P. Martins, Marcelo Thiago F. R. Ribeiro, Mariana da Silva Giafferi, Matheus P. Uller, Paula Beatriz Mian, Pedro Henrique Somma Campos e Vinícius I. Rossitto, nos reunimos em nome de uma proposta de gestão. O objetivo desta carta é apresentá-la e defendê-la. Não nos parece que, hoje, a ação do GUIMA esteja de acordo com o pulsar do curso. É preciso não apenas aproximar os alunos do Centro Acadêmico, mas aproximar, em sentido inverso, o Centro Acadêmico dos alunos. Para isso, propomos uma gestão próativa, pronta para assumir responsabilidades, pronta para prestar contas, pronta para ser cobrada e exigida. É isso que temos a oferecer. E é isso que entendemos que RI espera de uma gestão para o GUIMA. 1

3 1. Seção Política: Nossa escolha pelo modelo representativo de gestão para o GUIMA não é por acaso. Nos nossos encontros, sentíamos que o maior desafio era encontrar uma maneira de contemplar todos os interesses e opiniões do curso. Desenvolvemos uma plataforma de mudança justamente porque entendemos que o atual modelo de autorrepresentação não o tem feito de maneira apropriada, devido, principalmente, à concentração de poder nas mãos daqueles que podem ir às reuniões semanais. O déficit democrático se dá na medida em que, por mais que se fomente a participação nas Reuniões Gerais, não se resolve a questão de que as pessoas que não vão às reuniões, seja porque não podem, seja porque não querem, ficam alijadas do processo democrático. O poder decisório acaba por ficar concentrado em uma minoria que não conta com o respaldo do voto legitimador para representar a totalidade dos sócios. Uma vez que têm composição variável, as reuniões semanais com o poder de deliberação apresentam também um déficit de prestação de contas. Afinal, a responsabilidade pelas decisões se vincula a um ente sem nome e sem rosto. É fundamental que os sócios possam cobrar responsáveis pelos erros e pelos acertos, a fim de realizar uma construção verdadeiramente coletiva, com o estabelecimento de pesos e contrapesos a fim de que a gestão seja fiscalizada para executar aquilo com que se comprometeu. Além disso, a necessidade de consenso entre os participantes das reuniões para cada decisão tomada, quando não é responsável pela paralisia da gestão, só se torna viável graças à ausência da tão forte pluralidade que é a marca maior de um curso heterogêneo por natureza. Diante disso, nossa proposta é atribuir maior autonomia à gestão eleita, para que ela possa promover, por meio da quebra do caráter deliberativo das reuniões semanais, a ampliação da participação dos setores do curso que hoje se encontram distantes das decisões tomadas no âmbito do GUIMA. Não apenas os presentes às reuniões semanais teriam voz; a gestão se colocaria como árbitro para levar em conta um leque maior de interesses. Criaremos ferramentas para uma prestação de contas mais sólida, a fim de que nossa atuação seja o mais transparente possível. Para isso, lançaremos mão de mecanismos virtuais que submetam a gestão a uma fiscalização constante por parte dos sócios - e, principalmente, estaremos disponíveis sempre que for preciso. 2

4 A democracia representativa coloca como legitimador maior das decisões posteriores o voto direto durante as eleições, quando mais pessoas participam do processo político e, principalmente, da definição dos projetos e interesses do curso como um todo. Comprometemo-nos, assim, com o cumprimento daquilo que está estabelecido nesta carta-programa. Nosso modelo de gestão permite aos Diretores, enquanto responsáveis jurídicos e legítimos pelas ações do Centro Acadêmico, colocar em prática projetos previamente acordados de forma rápida e eficiente e, ao mesmo tempo, garantir a transparência e a certeza da responsabilização aos demais estudantes. É sobre os pilares da democracia representativa e do compromisso com transparência e prestação de contas que nosso modelo de gestão do Centro Acadêmico é construído. Um modelo que, acima de tudo, aposta na definição clara de responsabilidades para promover a descentralização do poder e a eficiência administrativa. Queremos, enfim, um GUIMA maior - com mais gente, com mais projetos, com mais ambições. E também um GUIMA melhor: com mais ideias, mais inclusivo, mais plural. 1.1: Reuniões Abertas (RAs) Com certeza, as reuniões semanais são um fórum privilegiado de discussão. Ali se encontra um ambiente para o dissenso e o debate democrático. Por essa razão, elas não somente serão mantidas como Reuniões Abertas (RAs), mas a presença nelas será forte e permanentemente estimulada. Tentativas anteriores apontam no sentido de que, uma vez retirado o caráter deliberativo de tais reuniões, a participação nelas tende a aumentar, na medida em que os sócios percebem que o modelo - mais transparente - abre maior espaço a cobranças em relação à gestão eleita. As reuniões semanais são fundamentais para que debates possam se dar em um ambiente aberto e plural. É justamente por possibilitar o debate, e não por concentrar poder, que as reuniões semanais podem ser um proveitoso instrumento de formação política do sócio do Centro Acadêmico. 1.2: Processo decisório Decisões de natureza externa e política estarão sujeitas à consulta prévia ao curso por meio de votação. Trata-se, mais especificamente, de todas aquelas vinculadas à representação política do GUIMA perante instituições ou instâncias que não façam parte do âmbito do curso. Assim, incluem-se nesta regra todos os posicionamentos do GUIMA perante o Conselho de Centros Acadêmicos e exclui-se a relação com as outras instituições do curso. Os representantes do GUIMA nas instâncias do movimento 3

5 estudantil se comprometem a levar a elas a postura apontada pelas votações, qualquer que seja ela. Para a realização de tais consultas, a gestão criará um sistema de votação aberto à participação de todos os sócios do GUIMA, cada um com direito a um voto, disponível online. A segurança de tal sistema é garantida pela impossibilidade de influência por parte do administrador, ou seja, a gestão. O voto é protegido por meio de número de registro e senha. Este sistema, além de facilitar o contato do curso com a gestão, permitirá uma ampliação da participação nos assuntos do Centro Acadêmico. No que se refere a questões internas ao curso, a gestão, uma vez comprometida com as diretrizes e os projetos desta carta-programa, deliberará com base não apenas nas opiniões expressas nas RAs, mas ampliará o leque de meios pelos quais os alunos poderão participar das decisões: s para o endereço reuniões pessoais com membros da gestão, discussões nos e-groups do curso, cartas das instituições, entre outros. Nossa proposta de gestão pró-ativa e próxima dos alunos exige que garantamos a pluralidade de meios de acesso a nós, a fim de que a atuação do GUIMA possa ser de fato construída de baixo para cima. Nesse sentido, entendemos ser fundamental o estabelecimento de pesos e contrapesos que viabilizem uma fiscalização constante da atuação da gestão - afinal, responsabilidades maiores devem vir acompanhadas de cobranças maiores e, portanto, de um sistema que lhes dê abertura. Desse modo, estabelecemos que qualquer sócio pode criar uma petição, com a assinatura de pelo menos 20% (vinte por cento) dos alunos matriculados no curso, para que haja uma votação online a respeito de qualquer tema, inclusive os que tenham relação com a atuação da gestão. Para que a decisão dos votos seja vinculante, o quórum mínimo de participação será de metade mais um dos alunos. Destacamos, todavia, que a chapa Re-De-Vez reconhece os meios de deliberação adotados pela Representação Discente, garantido-lhes o espaço devido dentro das Reuniões Abertas, que permanecerão sendo a via de acesso dos alunos aos que os representam tanto na Comissão de Graduação quanto no Conselho Deliberativo. Isto não impede que, no futuro, caso queiram, os representantes discentes possam fazer uso dos instrumentos virtuais de votação no desempenho de suas funções. 2. Seção Financeiro-Administrativa: A gestão dos recursos do GUIMA é muito importante para a realização de eventos de RI e para a criação de uma infraestrutura disponível a todos os alunos do curso. A 4

6 principal meta da Chapa Re-De-Vez na área financeiro-administrativa é viabilizar a saúde econômica do caixa e aumentar a transparência da atuação da Tesouraria. Ao longo dos últimos anos verifica-se uma estagnação do caixa, situação que deve ser urgentemente revertida, para benefício de todos os sócios do Centro Acadêmico. Não podemos completar dez anos de curso com um volume de caixa próximo ao inicial. A Chapa Re-De-Vez pretende fomentar a realização de eventos, acadêmicos ou não, bem organizados e divulgados, procurando apoio de patrocinadores sempre que possível, para diminuir custos e angariar mais recursos. Pretendemos, ainda, gerar maior volume de caixa com mais vendas de produtos para alunos do curso, como camisetas, casacos, chaveiros. Produtos comemorativos aos dez anos de curso serão confeccionados e disponibilizados à venda, já que se trata de um momento muito importante da história do IRI. Lamentamos também que, contrariamente ao que determina o Estatuto, os balancetes não tenham sido, nos últimos anos, divulgados com periodicidade. Assumimos o compromisso de divulgar balancetes mensais e realizar atos públicos trimestrais em RAs nas quais o Tesoureiro prestará esclarecimentos sobre os gastos detalhadamente, sanando dúvidas, ouvindo reclamações e buscando opiniões para a condução da política financeira do GUIMA. A chapa Re-De-Vez afirma seu compromisso com um planejamento efetivo e estratégico para captar patrocínios e uma atuação marcada pela transparência, honestidade e ética. 3. Projetos 3.1: Eventos tradicionais O GUIMA completará em breve nove anos de existência. O conjunto de eventos que já fazem parte do calendário do GUIMA se mantém: o Maio Cultural, o Sarau, a private e a Semana de RI. Propomo-nos a melhorar esses eventos sempre, especialmente os de caráter acadêmico, que devem refletir sempre os interesses, aspirações e curiosidades intelectuais dos sócios, para que atraiam cada vez mais interessados, promovam discussões cada vez mais enriquecedoras e, assim, consigam cumprir bem aquele que é um dos objetivos do Centro Acadêmico: contribuir para a formação dos estudantes. 3.2: Novo Documento dos Estudantes Neste ano uma série de problemas na estrutura de nosso curso se fizeram patentes. Dificuldades relacionadas ao currículo de História e questões relativas ao 5

7 Departamento de Sociologia estão entre as mais graves. Na verdade, eles sempre existiram. Algumas poucas vezes nos organizamos para discutir e oferecer soluções para os problemas do bacharelado. A mais notável iniciativa dos estudantes foi o Documento dos Estudantes, redigido em 2005 após um ano de discussões, palestras e pesquisas. Este documento continha não apenas reivindicações por parte dos estudantes como também um diagnóstico sobre a estrutura do curso e suas deficiências. O Documento, contudo, está datado. Ainda que muitos dos problemas apontados pelos antigos alunos do instituto permaneçam, muitas mudanças ocorreram. Cremos ser o momento oportuno, portanto, para que repensemos nosso curso. Nesse sentido, a chapa Re-De-Vez propõe a realização de uma série de debates sobre os diversos departamentos que compõem nosso curso e como cada um se insere dentro do currículo. Estas discussões, que seriam realizadas ao longo do próximo ano, teriam o propósito de encontrar soluções para antigos problemas e de reacender o tema da orientação curricular, o que, pretendemos, culminará em um novo documento dos estudantes. 3.3: Jornal Ciente da diversidade e riqueza de opiniões do curso e crente do valor da expressão e discussão de ideias, a chapa Re-De-Vez assume como compromisso a execução de um projeto acalentado por alguns alunos do curso há alguns anos: a criação de um jornal. O objetivo é criar um espaço para que os assuntos que nos interessam possam ser debatidos, amplificando a voz dos alunos do curso quando eles tiverem algo a dizer sobre os mais variados assuntos. Uma nova secretaria, a Secretaria de Comunicação, será responsável pela implementação e manutenção do jornal e pela seleção dos textos a serem publicados. Essa seleção deverá ser feita a partir de critérios públicos e pré-estabelecidos, vinculados somente à forma e não ao conteúdo do que for escrito. Caberá à secretaria também, em parceria com a secretaria de Planejamento, garantir a viabilidade financeira do jornal. 3.4: Reunião mensal com as Instituições do curso: A chapa Re-De-Vez propõe que uma reunião mensal seja feita com um representante de cada instituição do curso, inclusive aquelas ligadas ao próprio GUIMA, de modo a promover a cooperação e a integração entre elas, além de viabilizar possíveis eventos conjuntos. Uma maior coesão entre o Centro Acadêmico, a Empresa Júnior, o NERI, a Atlética, a Representação Discente, a Extensão e o Clube de Simulações trará 6

8 somente benefícios aos alunos, com a ajuda mútua entre as instituições e a promoção de eventos de escopo diversificado. As normas de coordenação de tal reunião mensal serão fixadas na primeira delas. 3.5: Patrimônio do GUIMA O patrimônio do GUIMA também é um bem de todos aqueles que ele tem por missão representar. Assim, o zelo com que se dispõe a defender as aspirações dos alunos também deve ser dado a seus livros e espaço físico - seja o atual, seja aquele que teremos no prédio do IRI quando este for inaugurado. O acervo bibliográfico do GUIMA, bastante rico, oferece uma magnífica oportunidade para ampliar a formação acadêmica, cultural e política dos estudantes de RI. No entanto, este não tem sido aproveitado em todo seu potencial, sendo que muitos alunos sabem quase nada a seu respeito. Dessa forma, a chapa Re-De-Vez se compromete a organizar e catalogar as obras pertencentes ao GUIMA, criando mecanismos que assegurem sua preservação, bem como o pleno e fácil acesso de todos os estudantes do curso a seu conteúdo diversificado. Além disso, a chapa Re-De-Vez se certificará de que a sala do GUIMA esteja sempre organizada e aberta a todos. 4. Secretaria de Extensão A Secretaria de Extensão é parte fundamental do Centro Acadêmico. É por meio dela que os estudantes implementam os projetos de Extensão e debatem as melhores formas de criar vínculos entre o conhecimento retido dentro da Universidade e as necessidades da sociedade como um todo. Um projeto de extensão que atualmente se desenrola no âmbito do curso é o Educar para o Mundo, talvez a iniciativa mais inovadora no campo da extensão para o curso de Relações Internacionais. É de extrema importância para a chapa Re-De-Vez manter este empreendimento, obviamente respeitando a autonomia que o projeto criou desde que foi iniciado. O GUIMA, assim como a gestão eleita, tem a obrigação, portanto, de fornecer os recursos materiais e não-materiais para que Educar para o Mundo e outras iniciativas extensionistas sejam viabilizadas e ampliadas. 7

9 5. Comemoração de 10 Anos Em 2011, receberemos nossa décima turma. Após uma década de existência, cabe a todos nós refletir sobre onde chegamos e sobre o que almejamos - e, é claro, comemorar. Se eleitos, comprometemo-nos a realizar eventos que permitam uma observação alentada do que foi feito do projeto inicial e do que queremos para o futuro. Efemérides são momentos positivos para repensar escolhas passadas; são momentos propícios ao recomeço. Academicamente, este não é um momento que deva ser perdido. Comemorar, claro, também é importante: é projeto da nossa gestão a realização de uma grande festa comemorativa dos 10 anos. A CHAPA Re-De-Vez é composta por: Pedro Carioca - Presidente Marcelo França - Secretário de Relações Acadêmicas e Secretário de Extensão Paula Mian - Diretora Interna Caio Teixeira - Diretor Externo Matheus Uller - Tesoureiro Ivan Mangano - Diretor de Planejamento e Sustentabilidade Vinícius Rossitto - 2º Tesoureiro Mariana Giafferi - Secretária Geral Lívia Prado Martins - Secretária de Comunicação Adriana Fraiha Granjo - Secretaria de Eventos 8

REPRESENTAÇÃO DISCENTE DO INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CHAPA RDs 2014

REPRESENTAÇÃO DISCENTE DO INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CHAPA RDs 2014 REPRESENTAÇÃO DISCENTE DO INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CHAPA RDs 2014 Atualmente, o IRI é composto por conselhos e comissões. São eles: Congregação do Instituto; Comissão de Graduação, Cultura

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS PRÓ- DE EXTENSÃO INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS Olá! Você já deve ter feito uma dessas perguntas: O que são entidades estudantis? Para que servem? Qual a diferença entre um CA e um DA? Como criar

Leia mais

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Capítulo I Da denominação, da sede, fins e duração ART. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o regulamento do Núcleo de Direitos Humanos das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades Ponta

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DAS FACULDADES DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. Capítulo I Da denominação, fundação e sede.

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DAS FACULDADES DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. Capítulo I Da denominação, fundação e sede. ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DAS FACULDADES DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. Capítulo I Da denominação, fundação e sede. Artigo 1º O Diretório Central dos Estudantes das Faculdades de Tecnologia

Leia mais

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO REGIMENTO INTERNO Brasília, 4 de junho de 2011 REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO Os Fóruns estão começando a rever seus Regimentos Internos e conferindo se estes estão colaborando da melhor forma possível para seu funcionamento. Este

Leia mais

Coordena as reuniões da Assembléia Geral (Comissão e todos os formandos da turma); Coordena e supervisiona as atividades da Comissão de Formatura.

Coordena as reuniões da Assembléia Geral (Comissão e todos os formandos da turma); Coordena e supervisiona as atividades da Comissão de Formatura. A comissão O primeiro passo é formar uma Comissão, escolhida pela(s) turma(s). Essa Comissão deve ser composta por pessoas disponíveis, responsáveis e interessadas em acompanhar todas as etapas do processo.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

Como ter sucesso na educação a distância

Como ter sucesso na educação a distância Metodologia Diferenciada Ambiente de Aprendizagem Moderno Inovação Continuada e Empreendedorismo Como ter sucesso na educação a distância 1 Regulamento 2 1 Como ter sucesso na educação a distância Para

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Campus Osasco REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO DO CAMPUS OSASCO DA UNIFESP

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Campus Osasco REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO DO CAMPUS OSASCO DA UNIFESP REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO DO CAMPUS OSASCO DA UNIFESP Dispõe sobre as atribuições da Câmara de Graduação do da UNIFESP, sua composição e condução dos trabalhos. DA NATUREZA Artigo 1. A Câmara

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO Este Código de Ética é público e reúne diretrizes que norteiam o comportamento dos Conselheiros, Dirigentes e Colaboradores

Leia mais

EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult

EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult JUSTIFICATIVA O estatuto da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) no Capítulo 1, artigo 3º. define como finalidade

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Artigo 1 O Grêmio Estudantil é o Grêmio geral da Escola Nossa Senhora das Graças, fundado no dia 07 de abril de 1992, com sede no estabelecimento e de duração

Leia mais

Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I

Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1 - O presente Regulamento disciplina a organização,

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Apresentação. Grupo de Trabalho Lívia Pommerening (Anauê 174/RS) Marjorie Friedrich (Guia Lopes 002/RS) Rebeca Pizzi Rodrigues (Novo Horizonte 137/RS)

Apresentação. Grupo de Trabalho Lívia Pommerening (Anauê 174/RS) Marjorie Friedrich (Guia Lopes 002/RS) Rebeca Pizzi Rodrigues (Novo Horizonte 137/RS) Apresentação Com o crescimento despontado da rede a cada ano, e havendo práticas já rotineiras, consolidadas em cima dos parâmetros nacionais, regimentos da UEB e as características fortes dos escoteiros

Leia mais

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto.

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto. Estatuto da Liga de Cirurgia da Universidade Federal de São Carlos. 08/05/2013 Da Disposição Geral Sobre a Liga de Cirurgia da UFSCar Art. 1 - A Liga de Cirurgia da UFSCar é uma instituição acadêmica,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 A Direção de Ensino do câmpus Curitiba, compreendendo todas as suas seções, com a finalidade

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Regimento Interno do Centro de Pesquisa Clínica da Faculdade de Odontologia da USP (CEPEC-FOUSP)

Regimento Interno do Centro de Pesquisa Clínica da Faculdade de Odontologia da USP (CEPEC-FOUSP) Regimento Interno do Centro de Pesquisa Clínica da Faculdade de Odontologia da USP (CEPEC-FOUSP) A Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo, no exercício das suas atribuições de promover o

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Ministério da Educação Brasília 2006 Artigo publicado, em 06 de dezembro de 2006, no Observatório da Sociedade

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FGV DIREITO RIO. Capítulo I OBJETIVOS E ATRIBUTOS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FGV DIREITO RIO. Capítulo I OBJETIVOS E ATRIBUTOS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FGV DIREITO RIO Capítulo I OBJETIVOS E ATRIBUTOS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é um componente curricular obrigatório (RESOLUÇÃO CNE/CES

Leia mais

Programa de Gestão Estratégica da chapa 1

Programa de Gestão Estratégica da chapa 1 Programa de Gestão Estratégica da chapa 1 Apresentamos a primeira versão do programa de gestão estratégica da chapa Construindo Juntos um ICT de Excelência. Esse documento é fruto de uma construção coletiva,

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES.

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. Art. 1º - O Fórum permanente da Agenda 21 de Tanguá, criado pela Lei

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05

Leia mais

Estatuto do Grêmio Estudantil

Estatuto do Grêmio Estudantil Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1 O Grêmio Estudantil, é o Grêmio Geral da Escola Estadual de, fundado no dia / /, com sede neste estabelecimento e de

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Capítulo I - Título, sede. Capítulo II - Finalidades da Liga de Diabetes. Capítulo III - Dos membros: direitos; deveres; código disciplinar. Capítulo IV - Dos órgãos

Leia mais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais C A P E S Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) convida as instituições públicas de ensino superior

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE DIREITO TITULO I DO DIRETÓRIO

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE DIREITO TITULO I DO DIRETÓRIO ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE DIREITO TITULO I DO DIRETÓRIO ART. 1º. O Diretório Acadêmico de Direito Moises Vianna é a associação representativa dos acadêmicos do curso de direito da Universidade

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Regulamento Genérico dos Núcleos da Associação Académica do Instituto Politécnico de Setúbal

Regulamento Genérico dos Núcleos da Associação Académica do Instituto Politécnico de Setúbal Regulamento Genérico dos Núcleos da Associação Académica do Instituto Politécnico de Setúbal Capítulo I Núcleos Artigo 1.º Definição 1 Os Núcleos da (AAIPS) são grupos de estudantes com um interesse comum

Leia mais

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO Page 1 of 10 ETEC Prof. Horácio Augusto da Silveira ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO CÁPITULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Técnica Estadual

Leia mais

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2. ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.008 Aos 17 dias do mês de setembro do ano de dois mil e oito,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO POLITICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PNH

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO POLITICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PNH MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO POLITICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PNH GRUPO DE TRABALHO DE HUMANIZAÇÃO DO HOSPITAL INFANTIL JOANA DE

Leia mais

Planejamento CPA Metropolitana 2013

Planejamento CPA Metropolitana 2013 Planejamento CPA Metropolitana 2013 1 Planejamento CPA Metropolitana Ano 2013 Denominada Comissão Própria de Avaliação, a CPA foi criada pela Legislação de Ensino Superior do MEC pela Lei 10.861 de 10

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas REGIMENTO INTERNO Este documento regula as relações entre os membros do Arranjo Produtivo Local ( APL) de Software do Oeste Paulista em conformidade com as seguintes normas: Art.1º - Visão e Objetivo O

Leia mais

Às dezasseis horas e quarenta e dois minutos a Assembleia Geral deu por findada.

Às dezasseis horas e quarenta e dois minutos a Assembleia Geral deu por findada. ATA NÚMERO QUATRO Ao décimo terceiro dia do mês de Maio de dois mil e quinze, pelas quatorze horas realizou-se, nos termos do artigo 25 dos estatutos da AEFEUP, a Assembleia Geral Ordinária número quatro

Leia mais

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis CANDIDATURA DE DIRETOR GERAL AO CAMPUS CARAGUATATUBA PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis Nossa Primeira Razão de Ser: Nossos Alunos Proposta: Consolidação do Diretório

Leia mais

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos São Luís de Montes Belos, novembro de 2011 REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSOS REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Capítulo 1 - O Diretório Acadêmico

Capítulo 1 - O Diretório Acadêmico DIRETÓRIO ACADÊMICO DA ENGENHARIA DO CEFET/RJ ATA DE ALTERAÇÃO DO ESTATUTO Aos vinte e cinco dias do mês de junho de dois mil e oito, na sede do Diretório Acadêmico da Engenharia do CEFET/RJ, sito a Avenida

Leia mais

Previsão Orçamentária

Previsão Orçamentária Previsão Orçamentária Planejamento e Qualidade Controlando os gastos de seu condomínio A previsão orçamentária é o instrumento mais importante na administração financeira e no planejamento de um empreendimento,

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 LEI Nº 810 DE 6 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre a reorganização dos Conselhos Escolares do Sistema Estadual de Ensino e dá

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP

Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP 1.INTRODUÇAO...... 3 2.ONDE CONSEGUIR INFORMAÇÔES?... 4 Normas USP... 4 Site EACH...4 Sistema de atendimento da Comissão de

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP.

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. POP: Prêmio Nacional de Relações Públicas Categoria: Relações Públicas e Responsabilidade Social Profissional: Aislan Ribeiro Greca Empresa: Petrobras 10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. 2008

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Conforme texto publicado no Boletim de Serviço nº 047 de 18/04/2005 páginas 05 a 11 REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Seção I Da criação

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO

Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1 O Grêmio Estudantil, é o Grêmio Geral da Escola Estadual de, fundado no dia / /, com sede neste estabelecimento e de

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE EMPRESA JÚNIOR CAPÍTULO I DO NOME, FINALIDADE E CARACTERIZAÇÃO

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE EMPRESA JÚNIOR CAPÍTULO I DO NOME, FINALIDADE E CARACTERIZAÇÃO FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE EMPRESA JÚNIOR CAPÍTULO I DO NOME, FINALIDADE E CARACTERIZAÇÃO Art. 1º. A designação de Empresa Júnior EJ, é conferida às organizações constituídas

Leia mais

Proposta de projetos para o desenvolvimento do remo nacional Autor: Gustavo Maia Atualizado em: 27/03/2015

Proposta de projetos para o desenvolvimento do remo nacional Autor: Gustavo Maia Atualizado em: 27/03/2015 P1. Implantação e manutenção de unidades gerenciais na CBR Aumentar o nível de maturidade gerencial da CBR A melhoria do gerenciamento da CBR causará impacto positivo em todas as partes interessadas Captação

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 6, JAN/JUN 2009 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO Beanilde Toledo

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

Estatuto da Associação. de Assistência ao Adolescente CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS

Estatuto da Associação. de Assistência ao Adolescente CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS Estatuto da Associação de Assistência ao Adolescente CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS Art. 1º A Associação de Assistência ao Adolescente, associação civil sem fins lucrativos, fundada e instalada

Leia mais

NORIEL VIANA PEREIRA Candidato a Diretor ESTES

NORIEL VIANA PEREIRA Candidato a Diretor ESTES NORIEL VIANA PEREIRA Candidato a Diretor ESTES CHAPA: InterAÇÃO: Equidade e Responsabilidade Propostas para a Gestão Junho/2013 a Junho/2017 UBERLÂNDIA 2013 1.0 APRESENTAÇÃO DO CANDIDATO Bacharel e Licenciado

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO: I FORUM DA GRADUAÇÃO da UENF: Educação Contemporânea Desafios e Perspectivas

TÍTULO DO PROJETO: I FORUM DA GRADUAÇÃO da UENF: Educação Contemporânea Desafios e Perspectivas TÍTULO DO PROJETO: I FORUM DA GRADUAÇÃO da UENF: Educação Contemporânea Desafios e Perspectivas I-Introdução A Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro UENF é uma Instituição Estadual de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 056/2013 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 Dispõe sobre a criação de Comissão de Ética de Enfermagem Institucional. CONSIDERANDO o disposto no artigo 8º, I, da Lei 5.905/73, que possibilita ao COFEN aprovar seu regimento

Leia mais

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas:

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas: CÂMARA DOS DEPUTADOS DIRETORIA-GERAL DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO FORMAÇÃO DOS GRUPOS DE PESQUISA E EXTENSÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 14,

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPOSTAS APRESENTADAS NO PLANO DE GESTÃO E AVANÇOS REALIZADOS

ANÁLISE DAS PROPOSTAS APRESENTADAS NO PLANO DE GESTÃO E AVANÇOS REALIZADOS RELATÓRIO DE GESTÃO DA DIRETORIA DA FANUT REFERENTE AO PERÍODO DE 2011-2012: Estruturando a Faculdade de Nutrição como Unidade Acadêmica no âmbito da UNIFAL-MG DIRETORIA: Profa. Cristina Garcia Lopes Diretora

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL REGIMENTO INTERNO A Comissão Institucional de Gestão Ambiental CIGA, do Ministério Público

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL O QUE É?

ESTATUTO SOCIAL O QUE É? ESTATUTO SOCIAL O QUE É? O Estatuto Social é o documento que constitui a Empresa Júnior como associação civil, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos. É o Estatuto que traz a EJ para o

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Trabalho de Conclusão de Curso Brasília 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA REITOR Prof. Dr. Gilberto Gonçalves Garcia PRÓ-REITOR

Leia mais

RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO

RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO 1. Apresentação geral Entre os dias 15 e 18 de Abril de 2013 foram realizados encontros de quatro horas com os servidores e supervisores da Faculdade

Leia mais

O que é Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar?

O que é Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar? O Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar CDCE tem amparo legal? Sim. A Lei 7.040/98 que estabeleceu a gestão democrática no Sistema de Ensino, instituiu o CDCE, na forma, composição e outros providências

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Considerando que: 1. A experiência do Conselho Local de Educação em Palmela procurou fomentar a valorização da educação como motor de desenvolvimento do local,

Leia mais