Temas da aula. Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 15/01/2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Temas da aula. Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 15/01/2009"

Transcrição

1 Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 15/01/2009 Disciplina: Cirurgia Prof.: Dr. Albuquerque Tema da Aula TeóricaTeorico-Prática: Hérnias da parede abdominal Autores: Diva Trigo Equipa Revisora: Miguel Menezes Temas da aula Introdução Etiologia Anatomia e classificação das hérnias Hérnias simples Semiologia e diagnóstico Classificação topográfica a. Inguinal b. Crural ou femoral c. Incisional ou eventração d. Epigástrica ou da linha branca e) de Spiegel f) Umbilical g) Lombar h) Pélvica i) Perineal Complicações das hérnias Hérnia estrangulada Tratamento Recorrência Página 1 de 19

2 Introdução Uma hérnia é uma exteriorização espontânea, temporária ou permanente, de uma estrutura ou de uma víscera intra-abdominal (total ou parcial), através de um ponto fraco da parede abdominal. A patologia afecta cerca de 5% da população, sendo mais frequente entre os 45 e os 50 anos de idade. Etiologia Têm que estar presentes dois factores, para o aparecimento ou progressão de uma hérnia: Existência de um ponto fraco na parede abdominal; Existência de factores que aumentem a pressão intra-abdominal e/ou diminuam a resistência da parede abdominal. PONTOS FRACOS ABDOMINAIS Possíveis situações etiológicas são: Anomalias congénitas o Hérnia umbilical o Hérnia inguinal congénita: devido a persistência do canal peritoneo-vaginal (canal por onde migram os testículos na cavidade abdominal para o escroto e que se encerra após o termo desta migração), existe um trajecto para o aparecimento de hérnias inguinais indirectas. Traumatismos o Hérnia incisional: forma-se sobre uma cicatriz resultante de uma intervenção cirúrgica. O plano musculo-aponevrótico não cicatriza, mas a pele e o peritoneu sim, sendo portanto um defeito iatrogénico. o Hérnia diafragmática AUMENTO DA PRESSÃO INTRA-ABDOMINAL o o o o o Tosse crónica (ex: bronquite, com aumento intermitente da pressão intraabdominal) DPOC Ascite Gravidez Obesidade Página 2 de 19

3 o o Posição ortostática Esforços físicos DIMINUIÇÃO DA RESISTÊNCIA DA PAREDE ABDOMINAL Fumo do tabaco: contém substâncias que provocam alterações ao nível da síntese e da estrutura das fibras de colagénio, enfraquecendo as estruturas musculoaponevróticas. Isto ocorre por: o Aumento da actividade da elastase, particularmente a dos neutrófilos; o Diminuição da actividade anti-proteolítica. Sabe-se, ainda, que fumar durante a gravidez aumenta a incidência de hérnias da virilha na criança. Doenças do tecido conjuntivo 1 Sabe-se que, mesmo sem estarem associados a uma doença específica, factores genéticos influenciam a doença, uma vez que 25% dos doentes têm história de hérnias na família. Envelhecimento: leva a perda progressiva das fibras elásticas da fascia transversalis (a barreira final contra a herniação inguinal) e associa-se a obesidade e maior tempo de exposição ao fumo de tabaco. Atrofia muscular: atrofia dos músculos pequeno oblíquo e transverso (bem como dos restantes elementos do aparelho muscular que rodeia o anel inguinal) contribui para defeitos de contenção ao nível do anel inguinal interno. Anatomia e classificação das hérnias O orifício /anel herniário corresponde às estruturas musculo-aponevróticas que falharam. O saco herniário consiste num divertículo (geralmente, peritoneu parietal) que é arrastado pelo órgão que se encontra herniado. É constituído por: Gola ou colo - orifício por onde sai a hérnia Corpo - saco herniário propriamente dito (constituído por peritoneu parietal e pele) Fundo - porção anterior do saco herniário (falha na continuidade ao nível do músculo e aponevrose) A hérnia é revestida pelos tecidos presentes no local onde a tumefecção aparece (estruturas envolventes da hérnia) - pele, tecido subcutâneo, etc. 1 Osteogenesis imperfecta, síndrome de Ehlers-Danlos, síndrome de Hunler-Hunter, síndrome de marfan, síndrome de Williams, síndrome de Robinow, síndrome de Alport, doença de Kawasaki. Página 3 de 19

4 O conteúdo herniário é tudo aquilo que se encontra contido no saco herniário. Praticamente qualquer víscera abdominal pode ser conteúdo herniário à excepção da cabeça do pâncreas, e dificilmente, o fígado e o baço. As estruturas mais frequentes são o intestino delgado e o epíploon. Classificação das hérnias segundo o seu conteúdo A. Hérnia desabitada - não contém vísceras no seu interior. O conteúdo reduzespontaneamente e a única coisa que fica é o saco herniário. B. Epiplocelo - hérnia apenas constituída por epíploon. C. Hérnia de deslizamento - o saco, ao contrário do habitual, não é constituído apenas pelo peritoneu parietal, arrastando consigo o órgão herniado e o seu peritoneu visceral D. Hérnia de Littré - hérnia rara 1, cujo contéudo consiste no divertículo de Meckel. E. Hérnia de Richter - ocorre pinçamento lateral da víscera encontrando-se herniada apenas parte da sua parede. Pode cursar com abdómen agudo ( por necrose da parede), mas não provoca oclusão intestinal, pois não obstrui totalmente o lúmen intestinal. O trajecto através da parede abdominal depende do defeito da parede abdominal, que pode ser: o um simples orifício (exemplo: hérnias epigástrica ou umbilical) o um verdadeiro canal (exemplo: hérnias crural ou inguinal), com um orifício interno ou profundo, um trajecto intra-parietal e um orifício externo ou superficial. Classificação das hérnias segundo o seu trajecto (aplica-se a hérnias com trajecto por um verdadeiro canal) A. Ponta de hérnia - hérnia de dimensões reduzidas, com o órgão atingindo apenas o orifício profundo; este estado está associado à fase inicial do desenvolvimento da hérnia. B. Hérnia intersticial - quando o órgão exteriorizado atinge o trajecto intra-parietal. C. Hérnia completa - quando o órgão atinge o orifício superficial do canal. Página 4 de 19

5 Finalmente, existe ainda uma outra forma de classificar as hérnias: Classificação das hérnias segundo a sua reductibilidade Manobra de Táxis com o doente sentado e na posição de Trendelenburg. Segurase o colo do saco herniário com uma mão e, com a outra, segura-se o fundo. O objectivo é alongar o colo da hérnia de forma a guiar o conteúdo do saco de volta para a cavidade a bdominal. A. Hérnia reductível a víscera retoma a sua posição intra-abdominal após a redução. B. Hérnia irredutível ou encarcerada hérnia antiga com septos fibrosos no interior do saco herniário que impedem a redução. C. Hérnia estrangulada hérnia irredutível em que existe aperto do colo do saco herniário com compromisso vascular do órgão, primeiramente venoso e arterial, depois. Exige intervenção cirúrgica urgente. D. Hérnia com perda de domicílio hérnia antiga, volumosa, em que a redução é possível, mas ocorre re-herniação imediata, assim que cessa a manipulação digital. Hérnias simples SEMIOLOGIA E DIAGNÓSTICO História clínica A maioria das hérnias não complicadas não está associada a sintomas. Contudo, o doente pode queixar-se de vago desconforto ou ligeira dor regional (aguda, transitória, tipo picada; usualmente após episódio de esforço) e identificar uma tumefacção (pode ser indolor). Por vezes, a tumefacção só é visível em algumas posições, aumentando geralmente com a manobra de Valsalva e podendo desaparecer com o repouso ou com a manipulação digital. Com o aumento de tamanho, a hérnia pode implicar um aumento da intensidade da dor, bem como deformidade e limitação funcional (laboral/social). Nas crianças, a afirmação pelas mães de que observam uma saliência na região inguinal deve motivar um alto índice de suspeição, mesmo que o exame físico seja negativo. Página 5 de 19

6 Exame objectivo Com o doente em ortostatismo o Observação e palpação da massa herniária (pode não ser visível) o Sensação de impulso (expansibilidade) com a tosse o Auscultação (possíveis sons intestinais na massa) o Transiluminação negativa Com o doente em decúbito o Observar reductibilidade da hérnia: espontaneamente (por diminuição da pressão intra-abdominal) ou mediante realização de manobra de Táxis. o Se a hérnia for redutível, reaparece com a tosse? o Palpação do trajecto herniário o Pesquisa do lado oposto. Exames complementares de diagnóstico o Eco abdominal o TAC abdominal o Herniografia injecção intra-peritoneal de contraste seguida de obtenção de uma radiografia. CLASSIFICAÇÃO TOPOGRÁFICA a. Inguinal b. Crural ou femoral c. Incisional ou eventração d. Epigástrica ou da linha branca e) De Spiegel (ventral) f) Umbilical g) Lombar (do triângulo de J.L.Petit e do quadrilátero de Grynfeltt) h) Pélvica (do canal obturador e isquiática) i) Perineal Página 6 de 19

7 a) Hérnia inguinal Surge acima da arcada crural e desenvolve-se no canal inguinal. São mais frequentes nos homens. Na baínha posterior dos grandes rectos, desenha-se um triângulo de base inferior e vértice umbilical reforçado por três cordões: o úraco (mediano) e vestígios das artérias umbilicais (lateralmente). O peritoneu, ao revestir a parede anterior do abdómen, molda-se aos acidentes da parede e formar 3 fossetas que determinam tipos diferentes de hérnias inguinais: o Fosseta inguinal interna - entre o úraco e a artéria umbilical o Fosseta inguinal média - entre a artéria umbilical e a artéria epigástrica o Fosseta inguinal externa externamente à artéria epigástrica Hérnia inguinal directa É mais frequente em homens de meia idade ou idosos, representando cerca de 25% das hérnias da região. Página 7 de 19

8 Localiza-se na fosseta inguinal média e, geralmente, é adquirida, resultando de um progressivo enfraquecimento da fascia transversalis na área de Hesselbach, no pavimento do canal inguinal (que percorre, não descendo até à bolsa escrotal). Limites do triângulo de Hesselbach - Superior: crossa da artéria epigástrica inferior - Interno: bordo externo do recto - Inferior: arcada crural Pode estar relacionada com defeitos hereditários ou adquiridos na síntese ou degradação do colagénio. Normalmente, é mais fácil de reduzir e tem menor probabilidade de estrangular que as hérnias indirectas. Hérnia inguinal indirecta (ou oblíqua externa) É mais frequente no sexo masculino, nomeadamente em crianças e jovens adultos, representando cerca de 60% de todos os casos de hérnia da virilha. Localiza-se na fosseta inguinal externa, onde se situa o orifício profundo do canal inguinal, que percorre acompanhando o cordão espermático ( ) ou o ligamento redondo ( ) (não atravessa directamente a parede muscular). Caso saia pelo anel inguinal superficial até ao escroto recebe a denominação de hérnia inguinoescrotal. É, muitas vezes, congénita (persistência do canal peritoneo-vaginal). Página 8 de 19

9 Se não tratada, irá inevitavelmente dilatar o anel interno e deslocar o pavimento do canal inguinal. Anatomia do canal inguinal O canal inguinal tem um comprimento entre 4 a 5 cm. o Conteúdo: ramos genitais dos nervos abdominogenital e genitocrural. Também: o Homem: cordão espermático o Mulher: ligamento redondo o o Paredes: Anterior - aponevrose do grande oblíquo Posterior (de fora para dentro) - fascia transversalis, ligamento de Henle (tendão de inserção do grande recto no púbis) e tendão conjunto Inferior - arcada crural (corresponde ao bordo inferior do grande oblíquo) Superior - bordo inferior do pequeno oblíquo e transverso (fundidos: tendão conjunto) Orifícios: Superficial - separação dos pilares externo e interno do grande oblíquo Profundo - ao nível da fascia transversalis, um pouco acima do ponto médio do ligamento inguinal (arcada crural). Página 9 de 19

10 Caso particular: O peritoneu pode protuir de cada lado dos vasos epigástricos, originando uma hérnia que combina particularidades das hérnias inguinais directa e indirecta pantaloon hérnia ( hérnia em calção ). b) Hérnia crural ou femoral É mais frequente em mulheres de meia idade ou idosas. Representa cerca de 6% de todas as hérnias. Localiza-se no triângulo de Scarpa 2, saindo da cavidade abdominal abaixo da arcada crural, através do anel crural (limite superior do canal femoral, por onde passam os vasos femorais, do abdómen para o membro inferior ipsilateral). Limites do anel crural Anterior - arcada crurai Posterior - ligamento de Cooper (ou ligamento pectíneo; o feixe posterior do músculo grande oblíquo) Interno - ligamento lacunar ou de Gimbernat Externo - arcada ileopectínea Geralmente, é adquirida (etiologia associada a anel femoral alargado) e de pequenas dimensões. O conteúdo consiste em epíploon ou ansas do intestino delgado. O estrangulamento é uma complicação frequente (mais do que nas hérnias inguinais). 2 Limites: Sup ligamento inguinal; Ext músculo costureiro; Int longo adutor da coxa. Página 10 de 19

11 Semiologia das hérnias da região inguinal Observação O ligamento inguinal tem correspondência na superfície do abdómen numa linha que une a espinha ilíaca antero-superior e a espinha do púbis - Linha de Malgaigne. Tendo esta linha como referência: Hérnias inguinais directas - acima e para dentro desta linha; tumefacção elíptica. Hérnias inguinais indirectas - acima e para fora desta linha; tumefacção simétrica e regular. Hérnias crurais ou femorais - abaixo desta linha Palpação Manobras: o Invaginação do escroto com o indicador da mão homolateral, de modo a atingir o orifício inguinal superficial, procurando-se, de seguida, com o esforço da tosse, sentir a impulsão do conteúdo herniário: Hérnias inguinais directas sente-se internamente ao dedo Hérnias inguinais indirectas sente-se na ponta do dedo Hérnias crurais ou femorais sente-se externamente ao dedo o Manobra dos três dedos: coloca-se a mão na região inguinal, com um dedo na linha de Malgaigne, outro acima e o terceiro abaixo. Com a tosse, verifica-se sob que dedo se encontra a tumefacção: Hérnias inguinais directas no dedo acima da linha Hérnias inguinais indirectas no dedo sobre a linha Hérnias crurais ou femorais no dedo abaixo da linha Diagnóstico diferencial (com outras tumefacções da região inguinal) Adenopatias inguinais (ø impulso com tosse) Dilatação venosa da crossa da safena Hidrocelo do cordão espermático (presença de líquido seroso na túnica vaginal) Quistos do cordão espermático (transiluminação positiva) Abcesso do psoas Lipoma (herniação de gordura pré-peritoneal através do canal inguinal) Hematoma (secundário a trauma ou espontâneo doentes anticoagulados) Página 11 de 19

12 NOTA: as hérnias crurais e inguinais são, no seu conjunto, duas vezes mais frequentes no lado direito: Hérnias inguinais a obliteração do canal peritoneo-vaginal direito ocorre tardiamente em relação ao esquerdo. Hérnias crurais o cólon sigmoideu, à esquerda, ajuda a obliterar o canal femoral. c) Hérnia incisional ou eventração O factor fundamental para que ocorram estas hérnias é a incompetência aponevrótica. A passagem do saco herniário é feita através de cicatrizes operatórias (ou outras), podendo atingir grandes dimensões. Aproximadamente 10% das cirurgias abdominais originam uma hérnia incisional (menos frequente no caso de incisões transversais). As causas mais comuns são: Infecção da ferida cirúrgica (a mais frequente) Más condições pré-operatórias (p.e., avitaminoses, hipoproteinémia, obesidade 3 ou corticoterapia) Má técnica cirúrgica (p.e., mau encerramento, tensão nos limites da fascia ou drenagem incorrecta) Colocação de drenos e estomas na ferida operatória Complicações pulmonares pós-operatórias que aumentem o stress da cicatriz (p.e., tosse vigorosa) Idade (cicatrização mais demorada e menos eficaz nos idosos) Outras doenças (cirrose, carcinoma, doenças crónicas) A profilaxia passa por cuidados pré-operatórios, como a correcção de desequilíbrios nutricionais e metabólicos, do peso e de tudo que possa levar ao aumento de pressão abdominal. d) Hérnia epigástrica ou da linha branca Esta designação inclui todas as hérnias da linha mediana (excepto a umbilical). Em torno da cicatriz umbilical, denomina-se hérnia paraumbilical. É mais frequente em jovens. 3 Aumenta a incidência de seromas e hematomas (gordura na ferida operatória oculta as outras camadas de tecido) Página 12 de 19

13 Localiza-se normalmente acima da linha média, passando através da linha branca, entre os músculos grandes rectos do abdómen. Geralmente, é de pequenas dimensões, contendo apenas epíploon (sem saco: expansão aponevrótica). Usualmente dolorosa, podendo manifestar-se por epigastralgias pós-prandiais. e) Hérnia de Spiegel É rara; mais frequente em mulheres idosas. Geralmente, é de pequenas dimensões, contendo intestino delgado. Ocorre em qualquer ponto ao longo da linha semilunar de Spiegel 4, abaixo da cicatriz umbilical, mas é mais comum ao nível da linha arqueada, que corresponde à linha que une as espinhas ilíacas antero-superiores. O diagnóstico é, muitas vezes, difícil, recorrendo-se a ecografia e TC. Estrangula frequentemente. f) Hérnia umbilical Exterioriza através da cicatriz umbilical, tendo frequentemente por base um defeito congénito ao nível do anel umbilical. Na criança, pode ser: Congénita (precoce embrionária, tardia fetal, ou intermédia) Indicação cirúrgica quando causa complicações ou alarga (ou, segundo alguns autores, quando se mantém após os 2 anos de idade). Adquirida Mais frequente na raça negra e entre os 6 meses e os 3 anos de idade. O encerramento espontâneo antes dos 3 anos é frequente, sendo que a criança não deve ser operada antes desta idade. Indicação cirúrgica quando a hérnia é sintomática, de grandes dimensões ou se mantém após os 3 anos de idade. No adulto é adquirida, predominando no sexo feminino (principalmente obesas e multíparas). Pode também surgir em situações de ascite (frequente em cirróticos). 4 Zona de transição entre a aponevrose do músculo recto anterior e as bainhas dos músculos largos do abdómen. Página 13 de 19

14 g) Hérnia lombar É rara e faz diagnóstico diferencial com abcesso renal. A protusão do saco herniário dá-se através de dois pontos fracos da parede posterior do abdómen: o triângulo de Jean Louis Petit e o quadrilátero de Grynfeltt. Limites do triângulo de J.L.Petit - Interno - bordo anterior do grande dorsal - Externo - bordo posterior do grande oblíquo - Inferior - crista Ilíaca Obliterado pelo pequeno oblíquo Limites do quadrilátero de Grynfeltt - Interno - massa comum sacrolombar - Externo - bordo posterior do pequeno oblíquo - Inferior - crista ilíaca - Superior - músculo pequeno dentado postero-inferior e 12ª costela Obliterado pelo transverso do abdómen h) Hérnia pélvica Hérnia obturadora É mais frequente em mulheres e em idosos enfraquecidos. O seu saco passa através do buraco obturador, sendo geralmente adquirida e de pequenas dimensões. O diagnóstico é difícil sendo, muitas vezes, sugerido por uma dor na face interna da coxa até ao joelho, resultante da compressão do nervo obturador. O estrangulamento é muito frequente, podendo, então, palpar-se uma massa ao exame rectal ou vaginal. Página 14 de 19

15 Hérnia isquiática Exterioriza pelos buracos grande ou pequeno ciáticos. i) Hérnia perineal Exterioriza por um defeito no pavimento pélvico, podendo ser anterior ou posteior. É habitualmente redutível e sem tendência para estrangulamento. Complicações das hérnias Estrangulamento (a mais frequente e mais grave) Irreductibilidade (hérnia apenas encarcerada) Contusão (traumatismo directo com ruptura do conteúdo da hérnia) Perda de domicílio (em hérnias muito volumosas) Engasgamento herniário (o doente não consegue ou tem medo de reduzir a hérnia, correspondendo ao estrangulamento numa fase inicial; o anel de constrição iniciou o aperto e ainda é possível a redução nas duas horas seguintes, correndo o risco de estar a reduzir um órgão que já se encontra em isquémia hérnia estrangulada) Peritonite (consequência do estrangulamento ou ruptura do conteúdo herniário). HÉRNIA ESTRANGULADA Uma hérnia estrangulada é a constrição permanente de uma víscera ou outra estrutura intra-abdominal, no interior de um saco herniário, condicionando alterações vasculares (primeiro venosas e depois arteriais). É mais frequente no sexo feminino, pois os dois tipos de hérnia que mais estrangulam são mais frequentes neste sexo: hérnias crural e umbilical. Podem ser reduzidas, embora apenas nas fases iniciais (nunca após 3 ou 4h!) e com certo custo. Deve existir muito cuidado ao reduzir a hérnia: o doente deve ficar em observação pelo menos 12-24h, pois pode ocorrer ruptura acidental de uma víscera abdominal ou redução de uma hérnia já em necrose peritonite. Para além disso, ao fazer a redução pode introduzir-se no abdómen o saco e a constrição, mantendo-se o estrangulamento dentro do abdómen - redução em massa. Fisiopatologia Agente constritor: anel herniário, colo do saco herniário, ou brida ou aderência intrasacular Mecanismo: encarceração temporária da víscera seguida de estado irreversível - há estase venosa e edema Página 15 de 19

16 Órgão estrangulado: qualquer estrutura contida no saco herniário (p.e., epíploon, ansa do delgado, cólon). Lesões viscerais 1) Edema resposta inicial e ainda reversível da víscera lesada. Há compromisso do retorno venoso, estando a víscera com aspecto avermelhado, distendida, edemaciada e circundada por um líquido amarelo citrino. Em lesões maiores, na base da hérnia observa-se um sulco correspondente ao aperto. 2) Isquémia quando a hérnia não foi operada ou reduzida, a víscera torna-se escura, com sufusões hemorrágicas e falsas membranas. O líquido torna-se sanguinolento. 3) Necrose gangrena do órgão por lesão arterial irreversível com perfuração iniciada no local do sulco. Víscera de cor negra e líquido circundante purulento. 4) Esfacelo placas de necrose e destruição do órgão, estando circundado por um líquido fecalóide. Exige actuação imediata devido ao risco de morte a curto prazo por peritonite fecal. Semiologia Dor marcada no local da hérnia Náuseas e vómitos (tardios nas oclusões intestinais 5 baixas) Paragem de emissão de gases e fezes (tardias nas oclusões instestinais altas) Irreductibilidade Tratamento Obedece aos seguintes princípios básicos e gerais: 1. Tratamento de qualquer factor agravante 2. Encerramento da fraqueza adjacente após exploração do saco herniário e sua laqueação alta 3. Obter estruturas firmes de ancoragem, respeitando as linhas de força presentes na região 4. Não deixar estruturas sob tensão 5 Perante um quadro de oclusão instestinal (urgência cirúrgica) devem ser sempre examinados os pontos herniários - hérnia estrangulada é a 2ª causa +freq de oclusão intestinal na urgência. Página 16 de 19

17 HÉRNIAS INGUINAIS Devem ser sempre reparadas, excepto se existirem contra-indicações específicas, pois o risco de complicação da hérnia supera largamente o risco cirúrgico, sendo que a cirurgia melhora sempre a qualidade de vida do doente. O diagnóstico diferencial entre hérnias directas e indirectas é difícil, portanto, uma hérnia directa também deve ser reparada. Perante uma hérnia encarcerada, e na ausência de sinais de obstrucção, a abordagem inicial consiste na execução da manobra de Táxis. Princípios cirúrgicos Uma hérnia indirecta deve ser isolada até à sua origem no peritoneu e ligada. Nas crianças, o procedimento pode resumir-se à ligação alta atrás referida (através de uma inscisão inguinal) acrescida de remoção do saco herniário e à redução do anel interno do canal inguinal a um tamanho apropriado cirurgia de Marcy. Nos adultos, geralmente, o pavimento inguinal tem que ser reconstruído. Nas mulheres o anel pode ser completamento obliterado, de forma a pervenir a recorrência da hérnia. Nas hérnias directas pode ocorrer uma grande fragilização do pavimento do canal inguinal, o que aumenta a tensão da reparação; daí o uso de próteses 6, actualmente. Quando se encontra uma hérnia directa deve-se examinar também o cordão, pesquisando eventuais hérnias indirectas. Tipos de cirurgia No adulto, a via cirúrgica pode ser abdominal, inguinal ou pré-peritoneal (incião abdominal baixa). Abordagem inguinal Cirurgia de Bassini método mais usado, no qual o tendão conjunto é aproximado do ligamento inguinal (permanecendo o cordão espermático na sua posição anatómica normal). 6 Têm como principal vantagem não colocar os tecidos sob tensão, não forçando estruturas que estão, por si só, debilitadas, diminuindo assim a taxa de recidivas, de complicações e dor no pós-operatório. Página 17 de 19

18 Cirurgia de Halsted semelhente à anterior; contudo, o oblíquo externo é colocado inferiormente ao cordão. Cirurgia de McVay 7 remoção do saco herniário com sutura do tendão conjunto ao ligamento de Cooper (e não ao ligamento inguinal).; requer sempre uma incisão que diminua a tensão do arranjo. Cirurgia de Shouldice-Bassini - remoção do saco herniário com sutura contínua do tendão conjunto, músculo oblíquo interno e fascia transversalis ao ligamento inguinal. Abordagem pré-peritoneal Associada a maior morbilidade e maior taxa de recorrência. Laparoscopia Procedimento particularmente vantajoso em hérnias múltiplas e recorrentes, casos em que se deseje uma recuperção rápida ou para tratamento simultâneo de hérnias bilaterais. Tratamento não cirúrgico Truss dispositivo de suporte, usualmente semelhante a um cinto, usado para prevenir o aumento da hérnia ou sua recorrência. Usado quando o doente recusa a operação ou esta está contra-indicada. Deve ser usada durante o dia e retirada à noite. A pesar de o tratamento cirúrgico posterior não ser posto de parte, pode ser dificultado pelo processo de fibrose entre as estruturas anatómicas. HÉRNIA FEMORAL Princípios cirúrgicos Redução da hérnia mediante realização de cuidadosas incisões nos ligamentos que limitam o anel crural (de Gimbernat e inguinal) Excisão completa do saco herniário Correcção do defeito da fascia transversalis responsável pelo desenvolvimento da hérnia O ligamento de Cooper deve ser utilizado, pois é um suporte firme para as estruturas e coincide com um dos limites anatómicos do anel crural. Suturas devem ser não-absorvíveis 7 Também usada no tratamento da hérnia femoral. Página 18 de 19

19 Tipos de cirurgia Cirurgia de McVay a mais utilizada; já descrita. HÉRNIA EPIGÁSTRICA Saco herniário é apenas reduzido. HÉRNIA EPIGÁSTRICA O tratamento varia conforme o tamanho das hérnias e etiologia específica. A alternativa à cirurgia é o Truss (já referido). Recorrência O tempo que a hérnia demora a recorrer permite inferir qual a etiologia da recorrência: Até um ano reparação inadequada Após dois anos progressivo enfraquecimento da fascia Recorrências repetidas sugerem um defeito na síntese do colagénio (intervanção cirúrgica mais elaborada, usando a fascia lata da coxa ou próteses não absorvíveis de polipropileno). Página 19 de 19

Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 22/11/07

Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 22/11/07 Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 22/11/07 Disciplina: Cirurgia Prof.: Dr.ª Fernanda Quirino Tema da Aula: Hérnias da Parede Abdominal Autores: João Marques Equipa Revisora: Mariana Freire e Samuel Almeida

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Hérnia Inguinal. O que é uma hérnia abdominal? Hérnia é a protrusão (saliência ou abaulamento) de uma víscera ou órgão através de

Leia mais

Parede Abdominal. Isabel Pimentel Rosa Santos Rui Campos Rui Fonseca. Turma E

Parede Abdominal. Isabel Pimentel Rosa Santos Rui Campos Rui Fonseca. Turma E Parede Abdominal Isabel Pimentel Rosa Santos Rui Campos Rui Fonseca Turma E Ano lectivo 2006/2007 Anatomia Camadas constituintes da parede abdominal: Pele Tecido celular subcutâneo Fáscia de Scarpa Músculos

Leia mais

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores.

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores. O que é um eco- doppler? O eco- doppler, ultrassonografia vascular ou triplex- scan é um método de imagem que se baseia na emissão e reflecção de de ondas de som (ultra- sons). Através deste exame é possível

Leia mais

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL] fundação portuguesa de cardiologia TUDO O QUE DEVE SABER SOBRE ANEURISMAS DA AORTA ABDOMINAL Nº. 12 REVISÃO CIENTÍFICA: Dr. João Albuquerque e Castro [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA Diafragma Hérnia diafragmática o Hérnia de Bochdalek o Hérnia de Morgagni o Hérnia do hiato esofágico o Hérnia traumática Eventração ou elevação Ausência congênita

Leia mais

Prolapso dos Órgãos Pélvicos

Prolapso dos Órgãos Pélvicos Prolapso dos Órgãos Pélvicos Autor: Bercina Candoso, Dra., Ginecologista, Maternidade Júlio Dinis Porto Actualizado em: Julho de 2010 No prolapso dos órgãos pélvicos, a vagina e os órgãos adjacentes, uretra,

Leia mais

Hospital Cardoso Fontes. Rebeka Cavalcanti Maio 2008

Hospital Cardoso Fontes. Rebeka Cavalcanti Maio 2008 Hospital Cardoso Fontes Rebeka Cavalcanti Maio 2008 Caso clínico n⁰1 M.F.S, masculino, 37 anos, casado, natural da Bahia, vendedor HDA: Paciente relatando herniorrafia inguinal bilateral de emergência

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações de Abordagem em Cuidados Continuados Integrados ÚLCERAS DE PRESSÃO PREVENÇÃO Outubro 2007 1 INDICE p. 0 Introdução 2 1 Definição de Úlceras

Leia mais

Por que a Varicocele causa Infertilidade Masculina?

Por que a Varicocele causa Infertilidade Masculina? O Nosso protocolo assistencial tem como base as diretrizes e normas elaboradas pela Society of Interventional Radiology (SIR) O Que é a Varicocele? Entende-se por varicocele à dilatação anormal (varizes)

Leia mais

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS INTRODUÇÃO Um grande grupo muscular, que se situa na parte posterior da coxa é chamado de isquiotibiais (IQT), o grupo dos IQT é formado pelos músculos bíceps femoral, semitendíneo

Leia mais

Revisão Bibliográfica

Revisão Bibliográfica Director: Prof. Doutor Filipe Caseiro Alves Revisão Bibliográfica 9 de Maio de 2007 Belarmino J. Gonçalves Espectro de achados em TC de Aneurismas da Aorta Abdominal em situação de rotura ou rotura iminente

Leia mais

Hipófise, Testículos e Ovários. Marcela Ludwig e Nathália Crusoé

Hipófise, Testículos e Ovários. Marcela Ludwig e Nathália Crusoé Hipófise, Testículos e Ovários Marcela Ludwig e Nathália Crusoé hipófise considerações glândula endócrina: possui 6 mm no sentido ântero-posterior e 10 mm de largura, com um peso de 500 mg localização:

Leia mais

REVISÃO DIDÁTICA ARY LEX *

REVISÃO DIDÁTICA ARY LEX * HÉRNIAS EM GERAL REVISÃO DIDÁTICA ARY LEX * Hérnia é a saída de um órgão, através de uma abertura, congênita ou adquirida, da parede em torno da cavidade que o contém. Dentro desse conceito amplo, temos

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto FAMERP OBSTRUÇÃO INTESTINAL. Prof. Dr. João Gomes Netinho. Disciplina de Coloproctologia

Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto FAMERP OBSTRUÇÃO INTESTINAL. Prof. Dr. João Gomes Netinho. Disciplina de Coloproctologia Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto FAMERP OBSTRUÇÃO INTESTINAL Prof. Dr. João Gomes Netinho Disciplina de Coloproctologia OBSTRUÇÃO INTESTINAL DEFINIÇÃO Parada de progressão do conteúdo intestinal

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. MORFOLOGIA

1. INTRODUÇÃO 2. MORFOLOGIA 1. INTRODUÇÃO O diafragma é o principal músculo da respiração. Muito já foi estudado sobre sua forma e ação na mecânica respiratória. O objetivo deste trabalho é realizar uma breve revisão destes aspectos,

Leia mais

Transporte nos animais

Transporte nos animais Transporte nos animais Tal como nas plantas, nem todos os animais possuem sistema de transporte, apesar de todos necessitarem de estabelecer trocas com o meio externo. As hidras têm somente duas camadas

Leia mais

Crescimento guiado para correção de joelhos unidos e pernas arqueadas em crianças

Crescimento guiado para correção de joelhos unidos e pernas arqueadas em crianças INFORMAÇÃO AO PACIENTE Crescimento guiado para correção de joelhos unidos e pernas arqueadas em crianças O sistema de crescimento guiado eight-plate quad-plate INTRODUÇÃO As crianças necessitam de orientação

Leia mais

O Nosso Corpo Volume XV Sistema Linfático

O Nosso Corpo Volume XV Sistema Linfático O Nosso Corpo Volume XV um Guia de O Portal Saúde Novembro de 2009 O Portal Saúde Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright O Portal Saúde, todos os direitos

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão e Braço Fratura da Escápula Fratura da Clavícula Luxação Acrômio-clavicular

Leia mais

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça Cinthya Natel Baer Cristiane Schwarz Gelain Isabella Mauad Patruni Laila Djensa S. Santos Laiza Tabisz Mariana Escani Guerra Paula Moreira Yegros Veronica Dalmas Padilha Ana Paula Trotta Aline Sudoski

Leia mais

SEBENTA DE MÚSCULOS. Nuno Matos nunomatos@gtmmi.pt

SEBENTA DE MÚSCULOS. Nuno Matos nunomatos@gtmmi.pt SEBENTA DE MÚSCULOS Nuno Matos nunomatos@gtmmi.pt MÚSCULOS DO DORSO E COLUNA VERTEBRAL Nuno Matos nunommatos@gmail.com FÁSCIA TÓRACO-LOMBAR A fáscia tóraco-lombar é uma importante estrutura aponevrótica

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia Hospitais da Universidade de Coimbra

Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia Hospitais da Universidade de Coimbra Doppler venoso dos membros inferiores Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia g Hospitais da Universidade de Coimbra Filipa Reis Costa Interna complementar de Radiologia Hospital de S.

Leia mais

Hérnia Inguinal. HGJ Serviço de Cirurgia Geral Dr. Antonio Marcilio F. Neves Sessão Clínica de 22/04/10 Douglas Machado Caetano (R2)

Hérnia Inguinal. HGJ Serviço de Cirurgia Geral Dr. Antonio Marcilio F. Neves Sessão Clínica de 22/04/10 Douglas Machado Caetano (R2) Hérnia Inguinal HGJ Serviço de Cirurgia Geral Dr. Antonio Marcilio F. Neves Sessão Clínica de 22/04/10 Douglas Machado Caetano (R2) Introdução Hérnia é derivada do latim ruptura; Definida como uma protusão

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico Será solicitado que você coloque uma bata cirúrgica. Poderá receber um sedativo pela boca. Será então transferido para a mesa de operações. Você será submetido a uma anestesia peridural ou

Leia mais

Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões

Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões Hospital de Dia de Diabetes Gabriela Figo - Serviço de Ortopedia 1. Em todo o mundo os Sistemas de Saúde falham na resposta ás necessidades do pé diabético

Leia mais

SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR

SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR Yáskara Benevides Guenka Acadêmica do 4º ano de Medicina UFMS Liga de Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular Campo Grande MS 27/06/2012 SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR ALTERAÇÕES DAS

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA MEIA ELÁSTICA NO TRATAMENTO DA INSUFICIÊNCIA VENOSA CRÔNICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

UTILIZAÇÃO DA MEIA ELÁSTICA NO TRATAMENTO DA INSUFICIÊNCIA VENOSA CRÔNICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Avaliação Fisioterapêutica do Quadril Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação do Quadril: É uma articulação

Leia mais

Reparação de prolapsos de órgãos pélvicos

Reparação de prolapsos de órgãos pélvicos Reparação de prolapsos de órgãos pélvicos O prolapso de órgão pélvico é uma condição muito comum, principalmente em mulheres maiores de quarenta anos. Estima-se que a metade das mulheres que têm filhos

Leia mais

CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA

CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA A cirurgia mamária, seja ela uma tumorectomia, quadrantectomia ou mastectomia, provoca uma alteração significativa no órgão e que pode e deve ser minimizada.

Leia mais

Dr. Adriano Czapkowski. Ano 2 - Edição 13 - Setembro/2010

Dr. Adriano Czapkowski. Ano 2 - Edição 13 - Setembro/2010 NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 13 - Setembro/2010 Importância da Artéria Epigástrica Inferior Dr. Adriano Czapkowski Graduado pela Faculdade de Medicina de Jundiaí Médico coordenador do curso de 2

Leia mais

Anexo III. Alterações a secções relevantes do resumo das características do medicamento e folhetos informativos

Anexo III. Alterações a secções relevantes do resumo das características do medicamento e folhetos informativos Anexo III Alterações a secções relevantes do resumo das características do medicamento e folhetos informativos Nota: Este Resumo das Características do Medicamento e o folheto informativo resultam do procedimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO QUADRIL

AVALIAÇÃO DO QUADRIL AVALIAÇÃO DO QUADRIL 1. Anatomia Aplicada Articulação do Quadril: É uma articulação sinovial esferóidea com 3 graus de liberdade; Posição de repouso: 30 de flexão, 30 de abdução, ligeira rotação lateral;

Leia mais

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br Anatomia da pele Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br SISTEMA TEGUMENTAR: PELE E FÁSCIA Funções: proteção regulação térmica sensibilidade Sua espessura varia de 0.5mm nas

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E

SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E O que não é assimilado pelo organismo O que o organismo não assimila, isto é, os materiais inúteis ou prejudiciais ao seu funcionamento, deve ser eliminado.

Leia mais

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA AUTORES: FT. GONÇALO SOARES FT. STELA FRAZÃO LISBOA, NOVEMBRO

Leia mais

Aparelho Genital Feminino

Aparelho Genital Feminino Aparelho Genital Feminino Função : Produz óvulos; Secreção de hormonas; Nutre e protege o desenvolvimento do feto. Constituição: Ovários; Trompas uterinas; Útero; Vagina; Órgãos genitais externos; Mamas.

Leia mais

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 SISTEMA MUSCULAR Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 OBJETIVOS Diferenciar os tipos de músculos. Conhecer as estruturas micro e macroscópicas dos músculos. Conceituar: estados de contração e de relaxamento,

Leia mais

DORES RECORRENTES MOMENTO II Abril 2010 DORES RECORRENTES - DENOMINADOR COMUM ETIOLOGIA: Maioria - dores primárias; Dicotomia: Orgânico x Emocional. Associação de vários tipos de dores; Presença de dores

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função.

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função. Lesões Meniscais Introdução O menisco é uma das estruturas mais lesionadas no joelho. A lesão pode ocorrer em qualquer faixa etária. Em pessoas mais jovens, o menisco é bastante resistente e elástico,

Leia mais

32º Imagem da Semana: Radiografia de abdome

32º Imagem da Semana: Radiografia de abdome 32º Imagem da Semana: Radiografia de abdome Enunciado Paciente masculino, de 52 anos, previamente hígido, procurou atendimento médico devido a dor abdominal em cólica iniciada há cerca de 18 horas, com

Leia mais

Capsulite Adesiva ou Ombro Congelado Congelado

Capsulite Adesiva ou Ombro Congelado Congelado 1 Consiste em uma articulação do ombro com dor e rigidez que não pode ser explicada por nenhuma alteração estrutural. Obs: Embora seja comum o uso destes termos nas aderências pós traumáticas do ombro,

Leia mais

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples FIBRO EDEMA GELÓIDE DEFINIÇÃO O FEG é uma disfunção localizada que afeta a derme e o tecido subcutâneo, com alterações vasculares e lipodistrofia com resposta esclerosante. FASES DO FEG Primeira fase:

Leia mais

Sistema Circulatório

Sistema Circulatório Sistema Circulatório O coração Localização: O coração está situado na cavidade torácica, entre a 2ª e 5ª costelas, entre os pulmões, com 2/3 para a esquerda, ápice para baixo e para esquerda e base para

Leia mais

Diagnóstico das doenças da próstata

Diagnóstico das doenças da próstata Diagnóstico das doenças da próstata A. A QUEM SE DEVE DIRIGIR SE TEM DIFICULDADES URINÁRIAS? O médico especialista em patologia prostática é o urologista. Este especialista realizará exames adequados para

Leia mais

Lesões do Sistema Músculo- Esquelético em Futebolistas Jovens durante a época 2012/2013

Lesões do Sistema Músculo- Esquelético em Futebolistas Jovens durante a época 2012/2013 Lesões do Sistema Músculo- Esquelético em Futebolistas Jovens durante a época 2012/2013 QUESTIONÁRIO Autor: Alexandre Miguel Mil-Homens Lucas Orientador: Prof. Doutor Raul Oliveira Ano lectivo 2012-2013

Leia mais

Cisto Poplíteo ANATOMIA

Cisto Poplíteo ANATOMIA Cisto Poplíteo O Cisto Poplíteo, também chamado de cisto de Baker é um tecido mole, geralmente indolor que se desenvolve na parte posterior do joelho. Ele se caracteriza por uma hipertrofia da bolsa sinovial

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA QUESTÃO 21 Um paciente de 75 anos, ex-garçom, tem há três anos o diagnóstico já confirmado de síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores.

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 01. Tomografia computadorizada da pelve após injeção endovenosa de meio de contraste iodado, tendo havido ingestão prévia do mesmo produto. Paciente,

Leia mais

Aparelho Circulatório

Aparelho Circulatório Visão geral das funções dos Vasos Sanguíneos Os vasos sanguíneos formam um sistema tubular fechado que transporta o sangue do coração (artérias), aos tecidos do corpo (arteríolas, capilares e vénulas),

Leia mais

Anatomia da Reprodução Masculina

Anatomia da Reprodução Masculina FUPAC Fundação Presidente Antônio Carlos Faculdade Presidente Antônio Carlos de Uberlândia CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: FISIOPATOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Anatomia da Reprodução Masculina Prof.

Leia mais

VARICELA ZOSTER VARICELA E GRAVIDEZ

VARICELA ZOSTER VARICELA E GRAVIDEZ ZOSTER E GRAVIDEZ A varicela é uma doença comum da infância considerada habitualmente benigna. Adquirida na idade adulta pode acompanhar-se de complicações que serão ainda mais graves se for uma mulher

Leia mais

HIPOSPÁDIAS. Herick Bacelar Antonio Macedo Jr INTRODUÇÃO

HIPOSPÁDIAS. Herick Bacelar Antonio Macedo Jr INTRODUÇÃO HIPOSPÁDIAS Herick Bacelar Antonio Macedo Jr INTRODUÇÃO Hipospádia resulta de um desenvolvimento anormal do pênis que é definido como um meato uretral ectópico proximal a sua posição normal na glande,

Leia mais

Em resposta a Portaria n. 228/2011, no qual sou nomeado para análise e emissão de parecer, passo abaixo meu relatório para apreciação na plenária.

Em resposta a Portaria n. 228/2011, no qual sou nomeado para análise e emissão de parecer, passo abaixo meu relatório para apreciação na plenária. PROCESSO CONSULTA 00009/2011 INTERESSADO: Dr. Marcelo Luiz Feitosa Ferrari CRM/RO 1.366 ASSUNTO: Solicitação de parecer sobre repassagem de Sonda de Gastrostomia. Relatora: Cons. Inês Motta de Morais Senhor

Leia mais

workshop» tratamento de feridas

workshop» tratamento de feridas workshop» tratamento de feridas protocolos de orientação no tratamento de feridas vila real 2014 índice 00.1» introdução protocolo 01» ferida hemorrágica protocolo 02» ferida com tecido de granulação não

Leia mais

Capítulo 4 Oxigenoterapia

Capítulo 4 Oxigenoterapia Capítulo 4 Oxigenoterapia 1. Objetivos No final desta unidade modular, os formandos deverão ser capazes de: Listar e descrever as indicações para oxigenoterapia; Listar os débitos de oxigénio protocolados;

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 13 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Vai e avisa a todo mundo que encontrar que ainda existe um sonho

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 11/12/2008 Disciplina: Cirurgia 2. Obesidade

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 11/12/2008 Disciplina: Cirurgia 2. Obesidade Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 11/12/2008 Disciplina: Cirurgia 2 Prof.: Professor Dr Bicha Castelo Tema da Aula Teórica: Obesidade, perspectivas terapêuticas cirúrgicas. Autor: Hugo Monteiro Equipa Revisora:

Leia mais

Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos:

Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos: Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos: Fraturas do cotovelo em adultos: l As fraturas correspondem 31.8% dos traumas em cotovelo no adulto; l Freqüência: cabeça do rádio 39,4%; luxação do cotovelo

Leia mais

MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM

MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM SAÚDE DO HOMEM Por preconceito, muitos homens ainda resistem em procurar orientação médica ou submeter-se a exames preventivos, principalmente os de revenção do câncer

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 QUESTÃO 26 A heparina administrada por via endovenosa necessita de um co-fator para interferir no mecanismo da coagulação. Identifique-o: a) antitrombina III. b) plaquetário

Leia mais

Sistema reprodutor masculino e feminino

Sistema reprodutor masculino e feminino ANATOMIA E FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS Sistema reprodutor masculino e feminino Valdirene Zabot valdirene@unochapeco.edu.br Introdução O sistema genital masculino está constituído principalmente por:

Leia mais

Estima-se que 5% da população desenvolverá uma hérnia de parede abdominal; 75% de todas as hérnias ocorrem na região inguinal, 2/3 das hérnias

Estima-se que 5% da população desenvolverá uma hérnia de parede abdominal; 75% de todas as hérnias ocorrem na região inguinal, 2/3 das hérnias HÉRNIA INGUINAL INTRODUÇÃO: O termo hérnia deriva do latim e significa ruptura. É definida como uma protusão anormal de um órgão ou tecido através de um defeito nas suas paredes adjacentes. Redutível ou

Leia mais

Dossier Informativo. Osteoporose. Epidemia silenciosa que afecta 800.000 pessoas em Portugal

Dossier Informativo. Osteoporose. Epidemia silenciosa que afecta 800.000 pessoas em Portugal Dossier Informativo Osteoporose Epidemia silenciosa que afecta 800.000 pessoas em Portugal 2008 1 Índice 1. O que é a osteoporose? Pág. 3 2. Factores de risco Pág. 4 3. Prevenção Pág. 4 4. Diagnóstico

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

Acabe, com a dor II 1

Acabe, com a dor II 1 ACABE COM A DOR Acabe, com a dor São as mulheres quem mais sofre quadros dolorosos, com maior frequência e em mais áreas corporais, revela a Associação fnternacional para o Estudo da Dor. Conheça as dores

Leia mais

Artropatias inflamatórias crônicas

Artropatias inflamatórias crônicas Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Artropatias inflamatórias crônicas Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Principais manisfestações músculo-esqueléticas das doenças reumatológicas -

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE Sínfise púbica Classificação: sínfise Movimentos permitidos: mobilidade bidimensional e rotação de uns poucos milímetros em conjunto com a deformação da pelve quando na sustentação

Leia mais

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia Joelho O joelho é a articulação intermédia do membro inferior, é formado por três ossos:

Leia mais

Radioterapia no Cancro do Pulmão

Radioterapia no Cancro do Pulmão Editado em: Novembro de 2006 Apoio: Radioterapia no Cancro do Pulmão Comissão de Pneumologia Oncológica Sociedade Portuguesa de Pneumologia ÍNDICE A Comissão de Pneumologia Oncológica agradece ao autor

Leia mais

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS PREVENÇÃO DAS DOENÇAS MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS design ASCOM-PMMC PREVENIR É PRECISO DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS No

Leia mais

LESÕES MUSCULARES. Ft. Esp. Marina Medeiros

LESÕES MUSCULARES. Ft. Esp. Marina Medeiros LESÕES MUSCULARES Ft. Esp. Marina Medeiros EPIDEMIOLOGIA Os músculos são os únicos geradores de força capazes de produzir movimento articular. São 434 músculos, representando 40% do peso corporal; dentre

Leia mais

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA Cirurgia Oral A Cirurgia Oral é uma especialidade da Medicina Dentária que inclui o diagnóstico e o tratamento cirúrgico de patologias dos tecidos moles e tecidos duros

Leia mais

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Entender a morfologia dos músculos estriados esqueléticos;

Leia mais

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti A endermoterapia foi criada na França em 1970 por Louis Paul Guitay. Ele sofreu um grave acidente de carro que causou queimaduras de

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DAFLON. 500mg: diosmina 450mg + hesperidina 50mg micronizada. 1000mg: diosmina 900mg + hesperidina 100mg micronizada

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DAFLON. 500mg: diosmina 450mg + hesperidina 50mg micronizada. 1000mg: diosmina 900mg + hesperidina 100mg micronizada 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DAFLON 500mg: diosmina 450mg + hesperidina 50mg micronizada 1000mg: diosmina 900mg + hesperidina 100mg micronizada APRESENTAÇÕES: DAFLON 500mg: embalagem contendo 15, 30

Leia mais

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento MARINA VERAS Reumatologia REUMATISMOS DE PARTES MOLES INTRODUÇÃO Também denominado de reumatismos extra-articulares Termo utilizado para definir um

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

3.4 Deformações da coluna vertebral

3.4 Deformações da coluna vertebral 87 3.4 Deformações da coluna vertebral A coluna é um dos pontos mais fracos do organismo. Sendo uma peça muito delicada, está sujeita a diversas deformações. Estas podem ser congênitas (desde o nascimento

Leia mais

UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA. DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA IV e V

UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA. DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA IV e V UNIC UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA IV e V Roteiro de aula prática de Anatomia Veterinária Prof a. Juliana

Leia mais

ANATOMIA. Osso. VISTA LATERAL DO SACRO (Braço maior e menor e fixações musculares)

ANATOMIA. Osso. VISTA LATERAL DO SACRO (Braço maior e menor e fixações musculares) SACRO CBES ANATOMIA Osso O sacro é formado por 5 vértebras fundidas. Os forâmens de conjugação se transformam em forâmens sacrais anteriores e posteriores. Sua face anterior é côncava e lisa Sua face posterior

Leia mais

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck)

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck) Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos

Leia mais

DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA Sex, 28 de Agosto de 2009 19:57 - Última atualização Sáb, 21 de Agosto de 2010 19:16

DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA Sex, 28 de Agosto de 2009 19:57 - Última atualização Sáb, 21 de Agosto de 2010 19:16 DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA A tensão do dia a dia é a causa mais freqüente das dores de cabeça mas, elas poderem aparecer por diversas causas e não escolhem idade e sexo. Fique sabendo, lendo este artigo,

Leia mais

O que Realmente Funciona

O que Realmente Funciona Prisão de Ventre O mal conhecido como intestino preguiçoso, obstipação ou prisão de ventre atinge cerca de um em cada cinco pessoas. O tratamento é bastante simples, mas, na falta dele, a prisão de ventre

Leia mais

Cirurgia I. Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Exame Extemporâneo

Cirurgia I. Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Exame Extemporâneo Cirurgia I Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Docente: Profª Isabel Fonseca Data: 16/12/2010 Número da Aula Previsto: 14ª Desgravador: Corrector: Teresa Estevens Índice de Conteúdos EXAME EXTEMPORÂNEO

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data!

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa?

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa? Hérnia de Hiato e Refluxo Gastroesofágico. Atualmente cresce o número de pessoas que estão apresentando sintomas relativas ao aparelho digestivo, como má digestão ou sensação de queimação no estômago entre

Leia mais

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V 1 Pronação A pronação corresponde ao movimento que coloca a face palmar da mão virada para trás, colocando o 1º dedo (polegar) da mão mais próximo do plano sagital. Supinação A supinação corresponde ao

Leia mais

A ARTROSCOPIA DO OMBRO

A ARTROSCOPIA DO OMBRO A ARTROSCOPIA DO OMBRO A ARTROSCOPIA DO OMBRO A ARTROSCOPIA DO OMBRO A ARTROSCOPIA DO OMBRO O ombro é uma articulação particularmente solicitada não somente no dia-a-dia normal, mas também na vida desportiva

Leia mais