PROJETO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS PARA OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA A COMUNIDADES RURAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS PARA OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA A COMUNIDADES RURAIS"

Transcrição

1 PROJETO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS PARA OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA A COMUNIDADES RURAIS JOSÉ ADRIANO MARINI e LUIZ ANTONIO ROSSI Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Agrícola Departamento de Construções Rurais e Ambiência Cidade Universitária Zeferino Vaz Distrito de Barão Geraldo - Caixa Postal: 6011 CEP: Campinas SP Brasil - Tel: +55(19) e Fax: +55(19) RESUMO Basicamente, o projeto de um sistema fotovoltaico consiste na determinação da quantidade necessária de módulos para atender uma determinada solicitação de carga elétrica. Invariavelmente, o número de módulos sempre depende de dois fatores: quanto de eletricidade é exigido e quanta radiação está disponível. Ou seja, deve-se buscar compatibilizar a demanda e a oferta. Diante disto, este trabalho procurou tornar possível dimensionar sistemas fotovoltaicos para eletrificação rural de forma fácil, rápida e com racionalização de equipamentos e recursos financeiros, gerando um programa computacional com metodologia e linguagem apropriadas, para auxiliar na análise e no projeto de sistemas destinados ao suprimento de pequenas comunidades rurais isoladas. ABSTRACT The energy supply to isolated rural communities and remote areas has been a constant challenge, mainly in the underdeveloped countries or in development, due to the enormous economical and social disparities and, a lot of times, to the geographical dimensions of these countries. Of this form, the analysis and the project of photovoltaic systems they become the more complex climatic and technical parameters they are considered. Most of the manufacturers of photovoltaic modules and companies that develop projects, it possesses programs complex to aid in the project and selection of the several components of isolated photovoltaic systems. The software was developed in the Visual language Basic and it has the characteristic of being the friendliest possible for use, making possible the accomplishment of projects of photovoltaic systems and economical analysis of the involved equipments in way easy, fast and with rationalization of equipments and financial resources since ready for use is intended for municipal, state government institutions and you federate, rural class entities and agricultural cooperatives. INTRODUÇÃO O suprimento energético a comunidades rurais isoladas e a áreas remotas tem sido um constante desafio, principalmente nos países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento, devido às enormes disparidades econômicas e sociais e, muitas vezes, às dimensões geográficas destes países. Possibilitar a cada habitante de uma comunidade o acesso aos bens energéticos (e a outros serviços e benefícios) é uma forma de integração social, distribuição de renda e de encaminhamento nos rumos do desenvolvimento sustentado, em especial quando fontes energéticas renováveis e

2 características técnicas e sócio-econômicas locais são priorizadas. Há algum tempo, os sistemas de suprimento de energia alternativa descentralizados, utilizando recursos renováveis, tem sido empregados no atendimento a comunidades mais isoladas. Vários tipos destes sistemas tem sido relatados por muitos autores, os quais descrevem métodos que demonstram serem aqueles sistemas economicamente viáveis e/ou tecnicamente factíveis. O avanço da tecnologia, principalmente nas áreas solar e eólica, vem criando opções para a geração de eletricidade de forma não poluente. A energia fotovoltaica constitui-se numa solução interessante para áreas remotas com muita radiação solar e sem eletricidade. Os sistemas fotovoltaicos são usados para gerar energia elétrica para instalações de: bombeamento de água, refrigeração, iluminação, telecomunicações, etc. Estes sistemas estão tornando-se, cada vez mais, uma opção interessante à medida que sua confiabilidade aumenta e o custo por watt está diminuído, tornando os, os sistemas fotovoltaicos uma alternativa interessante à rede elétrica para o suprimento de eletricidade a uma diversidade de pequenas aplicações (cargas) em áreas rurais e regiões remotas. Os sistemas fotovoltaicos oferecem muitas vantagens: não possuem partes rotativas, tem longa vida útil, a manutenção é mínima, não gera poluição ou ruído, não requer combustível, exceto o Sol, é modular ou expansível, é leve e fácil de transportar e está disponível o ano todo. Desta forma, a análise e o projeto de sistemas fotovoltaicos tornam-se mais complexos quanto mais parâmetros climáticos e técnicos são considerados. A maioria dos fabricantes de módulos fotovoltaicos e companhias na América do norte e na Europa, que comercializam projetos simples, possuem programas computacionais complexos para auxiliar no projeto e seleção dos vários componentes de sistemas fotovoltaicos isolados. O principal objetivo deste trabalho é gerar um programa computacional, com metodologia e linguagem apropriadas, para auxiliar na analise e no projeto de sistemas fotovoltaicos destinados ao suprimento de pequenas comunidades rurais, de modos fácil e rápido e com racionalização de equipamentos e recursos financeiros. A linguagem computacional escolhida para o desenvolvimento do software, que proporcionará o dimensionamento dos painéis fotovoltaicos para uso em comunidades rurais, é a Visual Basic, que oferece uma interface com características simples, atraente e, principalmente, objetiva, facilitando o trabalho de inserção de dados e da coleta das informações desejadas. MATERIAIS E MÉTODOS O modelo NAD (Número de Dias Autônomos) constitui-se numa metodologia convencional de dimensionamento de sistemas de geração autônomos com armazenamento de energia. Para sistemas fotovoltaicos, através do conhecimento da distribuição mensal da radiação solar incidente no plano coletor, determina-se a potência instalada utilizando a radiação solar média diária do mês menos favorável, ou seja, o mês que apresenta o menor índice de radiação solar, garantindo assim o atendimento da energia diária requerida. A energia gerada pelo painel varia em função do ângulo de inclinação do Sol, e em painéis fixos, sem o rastreamento do Sol, devese calcular o ângulo de inclinação para que receba energia solar de maneira uniforme com o transcorrer do ano. A capacidade das baterias é determinada em decorrência da freqüência dos dias de menor radiação ou da quantidade de dias nublados durante o transcorrer de um período no ano e dos dias de armazenamento desejado Dois métodos de operação dos módulos fotovoltaicos serão indicados pelo programa: a) painéis fixos, sem alteração no ângulo e orientação b) ângulo variável e orientação fixa de acordo com as estações do ano A tabela 1 apresenta as posições recomendadas para maximizar a coleta de radiação solar pelos módulos fotovoltaicos para as duas operações consideradas. Para o primeiro modo, o ângulo e orientação são fixos. Sob estas condições, o ângulo é igual à latitude do local de instalação para maximizar a energia solar coletada pelos módulos fotovoltaicos.

3 Tabela 2: Ângulo e orientação dos módulos solares de acordo com os modos de operação Modos de Operação Ângulo dos Painéis Orientação (graus) Ângulo e Orientação fixos Latitude do local Orientação fixa e ângulo ajustado de acordo com as estações do ano Primavera: latitude do local Verão: latitude do local 15 Outono: latitude do local Inverno:latitude do local +15 A orientação é colocar os módulos voltados para o Sul em locais localizados no hemisfério norte e voltados para o Norte no hemisfério sul. Para o segundo modo, o ângulo é ajustado quatro vezes ao ano. Os ajustes do ângulo mantêm os módulos voltados para o Sol, maximizando a energia coletada evitando os altos custos dos mecanismos que localizam automaticamente o Sol. O método mais difundido para dimensionamento é o do número de dias de armazenamento desejado ou número de dias nublados consecutivos (freqüência máxima). Neste método, a potência instalada, a capacidade de armazenamento das baterias, o número de módulos em série e em paralelo são determinados como a seguir: em que: a) Potência a ser instalada PI = DDT / NH (1) DDT Demanda diária total de energia requerida pelas cargas PI - Potência de painéis fotovoltaicos (kw) NH - Número de horas de máxima radiação solar (h) b) Baterias DA - Número de dias sem radiação solar (dias de armazenamento) DB - Amplitude de descarga das baterias η inv - rendimento do inversor c) Módulos Em Paralelo: onde: NMP = IC / IGP (3) NMP - Número de módulos em paralelo IC - Corrente máxima das cargas (A) IGP - Corrente média gerada nos painéis (A) Em Série: onde NMS = VC / VGP (4) NMS - Número de módulos em série VC - Tensão requerida pelas cargas (V) VGP - Tensão fornecida pelos painéis (V) Número total de painéis: onde NTP = NMP * NMS (5) CAB = DDT DA DB η inv (2) NTP = Número total de painéis a ser utilizado pelo sistema CAB - Capacidade de armazenamento das baterias (kwh)

4 RESULTADOS E DISCUSSÃO Pelo apresentado, o programa computacional, primeiro objetivo desta dissertação,, teve como finalidade o desenvolvimento de um programa computacional para o projeto de sistemas fotovoltaicos. O projeto do sistema fotovoltaico é desenvolvido baseado nos componentes elétricos presentes na propriedade e seus respectivos consumos energéticos e posteriormente é fornecida uma análise da viabilidade econômica de implantação do projeto e, se for o caso, do tempo de retorno do capital investido baseado nas economias com o uso da rede elétrica convencional. A validação do programa foi feita comparando-se seus resultados com os de outros projetos já instalados e que funcionam satisfatoriamente, além de comparações com outros programas desenvolvidos em outros países. As figuras 1 e 2 mostram, respectivamente, a tela do programa em que é solicitada a entrada de dados e a tela que mostra os resultados finais. Figura 1 - Entrada de dados econômicos e técnicos para o dimensionamento e análise econômica.

5 Figura 2 - Apresentação do dimensionamento do sistema e resultados econômicos envolvendo o projeto. CONCLUSÕES Após sua validação, pode-se constatar que o programa pode vir a ser uma ferramenta útil no projeto e analise econômica de sistemas fotovoltaicos em nosso pais, onde grande parte da população que vive em áreas isoladas não dispõe de qualquer meio de fornecimento energético, principalmente na região norte, onde a irradiação favorece este tipo de geração energética, e que os programas até então disponíveis no mercado ou são muito caros, impossibilitando seu acesso a maioria da população interessada ou requerem um elevado conhecimento técnico para seu uso, o que também inviabiliza seu uso. Pela sua funcionalidade e interface amigáveis, este programa pode vir a difundir o uso da energia fotovoltaica nestas regiões, trazendo consigo melhorias no nível de vida sócio cultural daquelas populações. PALAVRAS CHAVES Energia Fotovoltaica, Programa Computacional, Energização Rural. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem ao CNPq pela bolsa de pesquisa que possibilitou o desenvolvimento deste trabalho. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] BOILY, R., SAWADOGO, A., ROSSI, L.A. Desenho de sistemas fotovoltaicos para comunidades rurais. XXVII Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola. Poços de Caldas MG, [2] COSTA, H. S., COSTA, R.A.L. & ECK, M. Análise econômica comparativa da eletrificação rural comercial e fotovoltaica. In: III Encontro de Energia no Meio Rural, Anais. Campinas. SP 2000 [3] FADIGAS, E. Dimensionamento de fontes fotovoltaicas e eólicas com base no índice de perda de suprimento e sua aplicação para o atendimento a localidades isoladas p. Dissertação (Mestrado) Escola Politécnica - Universidade de São Paulo, São Paulo.

6 [4] HIRSCHEFELD, H. Engenharia Econômica e Análise de Custos. 6 a. ed, São Paulo, Ed. Atlas, 1996, 407 p. [5] RUEGG, R., SAV, G. T. The Microeconomics of Solar Energy. Washington, DC; National Bureau of Standards, [6] ROBERTS, S. Solar Electricity, Prentice Hall, New York, EUA, [7] ROSSI, L. A. Modelo avançado para planejamento de sistemas energéticos integrados usando recursos renováveis. Tese de Doutorado. p.180. Escola Politécnica-USP. São Paulo [8] WANG, W. Visual Basic 6 For Dummies, Ed. Campus, Petrópolis, RJ, p. 532, 2000

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL ODIVALDO J. SERAPHIM 1 JAIR A. C. SIQUEIRA 2 FERNANDO DE L. CANEPPELE 3 ARISTÓTELES T. GIACOMINI 4 RESUMO O

Leia mais

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Eng. Carlos Alberto Alvarenga Solenerg Engenharia e Comércio Ltda. Rua dos Inconfidentes, 1075/ 502 Funcionários - CEP: 30.140-120 - Belo Horizonte -

Leia mais

COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO

COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO GPT/7 17 à de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO II PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS (GPT) COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO Eliane Aparecida

Leia mais

Classificação dos Sistemas Fotovoltaicos

Classificação dos Sistemas Fotovoltaicos Só Elétrica Indústria e Comércio de Equipamentos Elétricos Rua Duque de Caxias, 796 Centro Joaçaba CEP: 89600-000 Fone: (49) 3522-2681 Um sistema fotovoltaico é uma fonte de potência elétrica, na qual

Leia mais

SUPRIMENTO DE ELETRICIDADE POR MEIO DE PAINEL FOTOVOLTAICO: PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO.

SUPRIMENTO DE ELETRICIDADE POR MEIO DE PAINEL FOTOVOLTAICO: PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO. SUPRIMENTO DE ELETRICIDADE POR MEIO DE PAINEL FOTOVOLTAICO: PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO. José Adriano Marini Pós-graduando da Faculdade de Engenharia Agrícola - UNICAMP, Caixa Postal 6011,

Leia mais

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS DOMINGOS SÁRVIO MAGALHÃES VALENTE 1 CRISTIANO MÁRCIO ALVES DE SOUZA 2 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ 3 RESUMO - Um programa computacional para simular

Leia mais

Variação de velocidade

Variação de velocidade Variação de velocidade Variação de velocidade A indústria é responsável pelo consumo de cerca de 50% da electricidade produzida a nível mundial, sendo que cerca de 2/3 é consumida por motores eléctricos.

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UMA UNIDADE EXPERIMENTAL DE UM SISTEMA FOTOVOLTAICO ISOLADO

DIMENSIONAMENTO DE UMA UNIDADE EXPERIMENTAL DE UM SISTEMA FOTOVOLTAICO ISOLADO DIMENSIONAMENTO DE UMA UNIDADE EXPERIMENTAL DE UM SISTEMA FOTOVOLTAICO ISOLADO Whelton Brito dos SANTOS 1, Carlos Antônio Pereira de LIMA 2 1 Aluno do Curso de Eng. Sanitária e Ambiental, Departamento

Leia mais

1.1 Brasil e a Energia Fotovoltaica

1.1 Brasil e a Energia Fotovoltaica 1. INTRODUÇÃO Nos últimos anos, o atual modelo energético mundial vem sendo questionado, devido ao acelerado crescimento populacional e consequente aumento do consumo de energia. O termo Desenvolvimento

Leia mais

DESEMPENHO DA USINA FOTOVOLTAICA DO CAMPUS CEARÁ- MIRIM/IFRN PLANT PERFORMANCE PHOTOVOLTAIC OF CAMPUS CEARÁ-

DESEMPENHO DA USINA FOTOVOLTAICA DO CAMPUS CEARÁ- MIRIM/IFRN PLANT PERFORMANCE PHOTOVOLTAIC OF CAMPUS CEARÁ- DESEMPENHO DA USINA FOTOVOLTAICA DO CAMPUS CEARÁ- MIRIM/IFRN 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 RESUMO: A região nordeste do Brasil dispõem

Leia mais

Revista Intellectus Ano VIII Nº. 21

Revista Intellectus Ano VIII Nº. 21 DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS COM DIFERENTES ACUMULADORES ELETROQUÍMICOS DE ENERGIA Comparative study of different batteries technology for photovoltaic systems DIAS JR., Luiz Eduardo Ferreira

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS Jorge A. Villar Alé (1) ; Vicente André Paludo (2) Pedro André Marozzin

Leia mais

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2 APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2 RESUMO: A ocorrência da cavitação em bombas hidráulicas traz consequências negativas

Leia mais

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança P R O F. C L O D O M I R O U N S I H U A Y V I L A, D R. E N G E N H A R I A E L É T R I C A U F P R C E N T R A I S E L É T R I C A S

Leia mais

METODOLOGIA DE DIMENSIONAMENTO DE UM GERADOR FOTOVOLTAICO PARA SISTEMAS AUTÔNOMOS

METODOLOGIA DE DIMENSIONAMENTO DE UM GERADOR FOTOVOLTAICO PARA SISTEMAS AUTÔNOMOS METODOLOGIA DE DIMENSIONAMENTO DE UM GERADOR FOTOVOLTAICO PARA SISTEMAS AUTÔNOMOS Giovane Gai Soares, Cassiano Rech Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUI Departamento

Leia mais

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO A indústria de energia elétrica tem as seguintes atividades clássicas: produção, transmissão, distribuição e comercialização, sendo que esta última engloba a medição

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GTM.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Tecnologia de Comando Numérico 164399

Tecnologia de Comando Numérico 164399 164399 Aula 2 Introdução à Automação da Manufatura Mecatrônica; Automação; Níveis de Automação; Tipos de Automação; Justificativas para automatizar; Justificativas para não automatizar; Prof. Edson Paulo

Leia mais

LÍDER GLOBAL NO DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

LÍDER GLOBAL NO DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS LÍDER GLOBAL NO DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS / LÍDER DE MERCADO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS COM MAIS DE 55 ANOS DE EXPERIÊNCIA / ESCOLHER O MELHOR PARCEIRO A SunEdison, Inc. (NYSE:SUNE) é líder mundial

Leia mais

Termostatos KP. Brochura técnica MAKING MODERN LIVING POSSIBLE. Termostatos KP são interruptores elétricos ativados por temperatura com contatos SPDT.

Termostatos KP. Brochura técnica MAKING MODERN LIVING POSSIBLE. Termostatos KP são interruptores elétricos ativados por temperatura com contatos SPDT. MAKING MODERN LIVING POSSIBLE Brochura técnica Termostatos KP Termostatos KP são interruptores elétricos ativados por temperatura com contatos SPDT. Um termostato KP pode ser conectado diretamente a um

Leia mais

Sistemas Fotovoltaicos Residenciais e Comerciais

Sistemas Fotovoltaicos Residenciais e Comerciais Sistemas Fotovoltaicos Residenciais e Comerciais Geração Distribuída de Energia Solar para Autoconsumo Novembro de 2015 1 A EMPRESA FOTOVOLTEC QUEM SOMOS Pioneirismo e Inovação na Área Fotovoltaica Desde

Leia mais

FARIAS, et al (2010) INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOLAR FOTOVOLTÁICA. Leandro Alves de Farias

FARIAS, et al (2010) INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOLAR FOTOVOLTÁICA. Leandro Alves de Farias INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOLAR FOTOVOLTÁICA Leandro Alves de Farias Alunos do Curso Técnico de Eletrotécnica do Campus Natal Zona Norte do IFRN. Valter Nogueira Pereira

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com Descritivo de produto Fornecedor www.velp.com Unidade de Destilação Kjeldahl UDK169 Sistema com amostrador automático para destilações Kjeldahl com titulador colorimétrico DESCRIÇÃO A unidade de destilação

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO DA COSTA 1, Cinthya Borges Lopes DA SILVA 2, Michele Gomes FERREIRA 3, João Marcelo Dias

Leia mais

Armazenamento de Energia Renovável

Armazenamento de Energia Renovável Solar Eólico Armazenamento de Energia Renovável Biomassa Eficiência Energética Comercial Parques Público Rural Industrial Residencial MICRO E MINIGERAÇÃO DE ENERGIA A ANEEL permitiu aos consumidores através

Leia mais

Proposta de uma rotina para calculo da área necessária de uma placa coletora solar

Proposta de uma rotina para calculo da área necessária de uma placa coletora solar Proposta de uma rotina para calculo da área necessária de uma placa coletora solar André Felipe Brescovici Nunes (UNIOESTE) andre_lipaum@hotmail.com Eduardo César Dechechi (UNIOESTE) dechechi@pti.org.br

Leia mais

PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2011

PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2011 PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO Junho de 2011 Página 1 de 19 ÍNDICE 1. VISÃO GERAL DO PROGRAMA VIV STOCK...3 2. ESTRUTURA DO PROGRAMA VIV STOCK...3 3. ENTRADA DE DADOS...4 3.1. DADOS

Leia mais

DISASTER RECOVERY PLAN. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

DISASTER RECOVERY PLAN. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com DISASTER RECOVERY PLAN Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução O principal objetivo de um plano de continuidade de negócios (BCP Business Continuity Plan) é garantir a operação

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

Energia Solar: Utilização como fonte de energia alternativa

Energia Solar: Utilização como fonte de energia alternativa Energia Solar: Utilização como fonte de energia alternativa Caio Peixoto Gomes* Resumo A crescente preocupação com a preservação do meio ambiente, o aumento da demanda energética, e a possível escassez

Leia mais

Controle da produção baseado em códigos de barras

Controle da produção baseado em códigos de barras Controle da produção baseado em códigos de barras Fábio Favaretto (PUCPR) fabiofav@ccet.pucpr.br Alfredo Iarozinski Neto (PUCPR) alfredo@ccet.pucpr.br Resumo O controle da produção é um processo que tem

Leia mais

Compressores de parafuso

Compressores de parafuso Construídos para toda a vida Compressores de parafuso SÉRIE SM Capacidade: 0.45 a 1.20 m³/min Pressão: 7.5 a 13 bar Compressor de parafusos rotativos Máxima Eficiência e Confiabilidade Há anos os consumidores

Leia mais

PRO-FAE: FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA AUXILIO NO PROJETO PRELIMINAR DE FAZENDAS EÓLICAS.

PRO-FAE: FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA AUXILIO NO PROJETO PRELIMINAR DE FAZENDAS EÓLICAS. RIO 3 - World Climate & Energy Event, 1-5 December 2003, Rio de Janeiro, Brazil 379 PRO-FAE: FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA AUXILIO NO PROJETO PRELIMINAR DE FAZENDAS EÓLICAS. Jorge Antonio Villar Alé, Alexandre

Leia mais

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES 10/06/2000/em Artigos /por Peter Wanke Definir a política mais apropriada para atendimento aos clientes constitui um dos fatores

Leia mais

Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial

Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial Pedro F. Adeodato de Paula Pessoa (EMBRAPA) pedro@cnpat.embrapa.br José Ednilson de Oliveira Cabral

Leia mais

Doutor em planejamento de sistemas energéticos e Professor do Curso de Engenharia Agrícola do CEULP-ULBRA 3

Doutor em planejamento de sistemas energéticos e Professor do Curso de Engenharia Agrícola do CEULP-ULBRA 3 SUSTENTABILIDADE COMO PROPOSTA PARA IMPLANTAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM COMUNIDADES ISOLADAS E QUILOMBOLAS NO JALAPÃO-TO 1 JOEL CARLOS ZUKOWSKI JR 2 WEDER FERREIRA DOS SANTOS 3 ROGÉRIO OLAVO MARÇON 4 SILVESTRE

Leia mais

NOSSA VISÃO NOSSOS VALORES

NOSSA VISÃO NOSSOS VALORES A ENTERPRISE SOLAR Somos a empresa mais inovadora em soluções energéticas no Brasil. Temos o propósito de difundir a importância da principal fonte de energia do nosso planeta, que nos fornece, sob as

Leia mais

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA Selma Capanema de Barros (1) Engenheira Eletricista PUC-MG e especialista em Análise de

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Capítulo 4 Sistemas solares para geração de eletricidade Lineu Belico dos Reis Os sistemas baseados no uso da energia transmitida à Terra pelo Sol para geração de eletricidade

Leia mais

A REALIDADE DO BRASIL

A REALIDADE DO BRASIL A REALIDADE DO BRASIL No dia 13 de março de 2012, o site bloomberg divulgou o fato de vários países terem atingido a regra de ouro da grid parity para a energia eólica e fotovoltaica, e o Brasil é um deles.

Leia mais

Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas

Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Pedro Cardoso Sistemas de Energia TEKTÓNICA 2015 06-05-2015 1 TEKTÓNICA 2015 Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Autoconsumo fotovoltaico

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA LOCAÇÃO INTERATIVA DE ESTRUTURAS - LIE. Lourival Lovato

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA LOCAÇÃO INTERATIVA DE ESTRUTURAS - LIE. Lourival Lovato XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA LOCAÇÃO INTERATIVA DE ESTRUTURAS - LIE Lourival Lovato Companhia Paranaense de Energia - COPEL Foz do Iguaçu, 19 a 23 de Novembro de 2000 RESUMO

Leia mais

Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes

Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes 1 João Pratas SEW-EURODRIVE EURODRIVE PORTUGAL Departamento de Engenharia Apresentação da SEW-EURODRIVE Portugal Introdução 2 Sistemas de

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

Leia mais

INDICADORES EM ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE PARA A CADEIA PRODUTIVA DE GÁS NATURAL

INDICADORES EM ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE PARA A CADEIA PRODUTIVA DE GÁS NATURAL INDICADORES EM ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE PARA A CADEIA PRODUTIVA DE GÁS NATURAL Pedro Duarte Filho 1 José Marta Filho 2 Resumo O setor energético de gás natural vem crescendo rapidamente e tornando-se

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL Santa Carolina (denominado Projeto Santa

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO II GRUPO DE ESTUDO GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

Leia mais

SISTEMA FOTOVOLTAICO DIESEL DE ARARAS RO ANEEL / UFSC / GUASCOR. Prof. Ricardo Rüther Universidade Federal de Santa Catarina

SISTEMA FOTOVOLTAICO DIESEL DE ARARAS RO ANEEL / UFSC / GUASCOR. Prof. Ricardo Rüther Universidade Federal de Santa Catarina SISTEMA FOTOVOLTAICO DIESEL DE ARARAS RO ANEEL / UFSC / GUASCOR Prof. Ricardo Rüther Universidade Federal de Santa Catarina Atlas de Irradiação Solar do Brasil Média anual da irradiação na Região Norte

Leia mais

Sistemas de Automação Residencial aliados ao uso de Energias Renováveis. Automation Systems Residential allies the use of Renewable Energy

Sistemas de Automação Residencial aliados ao uso de Energias Renováveis. Automation Systems Residential allies the use of Renewable Energy Sistemas de Automação Residencial aliados ao uso de Energias Renováveis Resumo A intensa utilização de energias não renováveis e derivados do petróleo e a preocupação com o meio ambiente estão levando

Leia mais

Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e Elétrica na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos

Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e Elétrica na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos Helton José Alves, Fábio Gomes Melchiades, Anselmo Ortega Boschi* Laboratório de Revestimentos Cerâmicos

Leia mais

Energia solar Fotovoltaica e as iniciativas para uma nova indústria nacional

Energia solar Fotovoltaica e as iniciativas para uma nova indústria nacional Workshop Embaixada Verde - Uma contribuição original ao debate sobre energias renováveis no Brasil Brasília 09/02/2011 Energia solar Fotovoltaica e as iniciativas para uma nova indústria nacional Prof.

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Tema: Dimensionamento de uma instalação combinada de energia solar e eólica Autor: Quintino, Bernardo Supervisor: Dr.

Leia mais

INSTALAÇÕES FOTOVOLTAICAS

INSTALAÇÕES FOTOVOLTAICAS INSTALAÇÕES FOTOVOLTAICAS Instalações fotovoltaicas CERTIEL 2012 P 2 Objetivos: a abordagem de conceitos considerados necessários para o projeto e execução das instalações em regime de MP e MN; acrescentar

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE. INTRODUÇÃO : Nos últimos anos, têm-se discutido amplamente a gerência de manutenção preditiva. Tem-se definido uma variedade de técnicas que variam

Leia mais

Uso de painéis solares e sua contribuição para a preservação do meio ambiente

Uso de painéis solares e sua contribuição para a preservação do meio ambiente Uso de painéis solares e sua contribuição para a preservação do meio ambiente Kíssila Chagas Pereira* Luana da Silva Riscado** Silvia Azevedo Monteiro*** Resumo Os aquecedores solares usam os painéis solares

Leia mais

Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro.

Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro. Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro. Guilherme Wilson 1 ; Sérgio Peixoto dos Santos 2 ; Taisa Calvette 3 ; Richele Cabral 4 ; Christiane Chafim 5 ; Giselle Ribeiro 6 ;

Leia mais

Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas

Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas Nobreak senoidal on-line trifásico dupla conversao ~ 10 a 100 kva PERFIL Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas de 10 a 60 kva 75 e 100 kva A linha de nobreaks SMS Sinus Triphases

Leia mais

CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE. CONSULTA PÚBLICA n o 007/2013

CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE. CONSULTA PÚBLICA n o 007/2013 CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA n o 007/2013 OBTER SUBSÍDIOS PARA ESTABELECER CONDIÇÕES E PROCEDIMENTOS PARA EMISSÃO DE OUTORGAS DE AUTORIZAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

Termoeletricidade com combustíveis fósseis

Termoeletricidade com combustíveis fósseis Comissão de Serviços de Infraestrutura Audiência pública: Investimento e gestão: desatando o nó logístico do País 1º ciclo: Energia e desenvolvimento do Brasil Painel 01: Eletricidade convencional Termoeletricidade

Leia mais

Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento

Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento Aluno: Maria Samara Nascimento Amorim Orientador: Álvaro de Lima Veiga Filho 1. Introdução Geral Energia fotovoltaica

Leia mais

Sistemas Fixos de CO2 - Parte 2 Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios

Sistemas Fixos de CO2 - Parte 2 Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios Sistemas Fixos de CO2 - Parte 2 Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios Sistemas fixos de CO 2 : Os sistemas fixos diferem conforme a modalidade de armazenamento do meio extintor entre Sistemas

Leia mais

Projeto em parceria entre as áreas de P&D das distribuidoras do grupo CPFL Energia, CPFL Renováveis e CPFL Serviços.

Projeto em parceria entre as áreas de P&D das distribuidoras do grupo CPFL Energia, CPFL Renováveis e CPFL Serviços. Projeto Tanquinho Projeto em parceria entre as áreas de P&D das distribuidoras do grupo CPFL Energia, CPFL Renováveis e CPFL Serviços. A CPFL Serviços está realizando toda a mão de obra do projeto, em

Leia mais

MONITORADOR REMOTO DE AVIÁRIOS - AVIREMOT 1 RESUMO POULTRY REMOTE MONITORING - AVIREMOT ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO

MONITORADOR REMOTO DE AVIÁRIOS - AVIREMOT 1 RESUMO POULTRY REMOTE MONITORING - AVIREMOT ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO MONITORADOR REMOTO DE AVIÁRIOS - AVIREMOT 1 RESUMO ARTUR T. HARA 2 ADEMIR ROBERTO FREDDO 3 Este trabalho apresenta um equipamento denominado AVIREMOT aplicado no agronegócio, na área de aviários. O objetivo

Leia mais

SOLUÇÕES FOTOVOLTAICO ISONUFER INVISTA NO FUTURO E USUFRUA DE TODAS AS VANTAGENS. ISONUFER ENERGIAS RENOVÁVEIS + INFORMAÇÕES. www.isonufer.com.

SOLUÇÕES FOTOVOLTAICO ISONUFER INVISTA NO FUTURO E USUFRUA DE TODAS AS VANTAGENS. ISONUFER ENERGIAS RENOVÁVEIS + INFORMAÇÕES. www.isonufer.com. SOLUÇÕES FOTOVOLTAICO ISONUFER INVISTA NO FUTURO E USUFRUA DE TODAS AS VANTAGENS. ISONUFER ENERGIAS RENOVÁVEIS + INFORMAÇÕES www.isonufer.com.pt SOLUÇÕES FOTOVOLTAICO ISONUFER INVISTA NO FUTURO E USUFRUA

Leia mais

NOVIDADES SMA AUTOCONSUMO COM ACUMULAÇÃO. SMA Solar Technology AG

NOVIDADES SMA AUTOCONSUMO COM ACUMULAÇÃO. SMA Solar Technology AG NOVIDADES SMA AUTOCONSUMO COM ACUMULAÇÃO SMA Solar Technology AG AGENDA 1 2 3 PORTFOLIO SMA INVERSORES DE BATERIAS SMA FLEXIBLE STORAGE SYSTEM SMA INTEGRATED STORAGE SYSTEM 4 SUNNY PORTAL, SUNNY PLACES

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA / ELETROTÉCNICA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA / ELETROTÉCNICA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA / ELETROTÉCNICA BRUNO GONÇALVES DE LIMA RAYSA ROOS HACK REBECCA BARRETO AVENÇA COMPARAÇÃO DOS NIVEIS DE IRRADIAÇÃO

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais.

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

Mais flexibilidade e controlo com a nova geração HYDROVAR

Mais flexibilidade e controlo com a nova geração HYDROVAR Mais flexibilidade e controlo com a nova geração HYDROVAR Uma nova geração dos grupos de pressurização de velocidade variável HYDROVAR eleva a bombagem para um novo patamar em flexibilidade e eficiência.

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA

MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA Paulo C. M. Carvalho carvalho@dee.ufc.br Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Ceará Campus do Pici Caixa Postal 6001 CEP 60455-760 Fortaleza

Leia mais

APLICATIVO PARA CÁLCULOS DE INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO COM BASE NAS EQUAÇÕES DE KOSTIAKOV E KOSTIAKOV-LEWIS

APLICATIVO PARA CÁLCULOS DE INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO COM BASE NAS EQUAÇÕES DE KOSTIAKOV E KOSTIAKOV-LEWIS APLICATIVO PARA CÁLCULOS DE INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO COM BASE NAS EQUAÇÕES DE KOSTIAKOV E KOSTIAKOV-LEWIS J. V. José 1 ; E. Saretta 2 ; A. P. Camargo 2 ; A. P. A. B. Damasceno 2 ; P. A. A. Marques 3

Leia mais

ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA Bolsista Apresentador: Diego Leonardo Bertol Moraes. Coordenador: Airton Cabral de Andrade Pontifícia Universidade Católica do Rio

Leia mais

AP 025/2011 Contribuição AES BRASIL 1

AP 025/2011 Contribuição AES BRASIL 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL Nº025/2011 Contribuição da AES Brasil à Audiência Pública nº025/2011 da ANEEL, que visa obter subsídios para aprimoramento da metodologia e do procedimento de cálculo de perdas

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Elétrica. Concentrador no Brasil

Potencial de Geração de Energia Elétrica. Concentrador no Brasil Potencial de Geração de Energia Elétrica com Sistemas Fotovoltaicos com Concentrador no Brasil Palestrante: Ruberval Baldini Sumário O que é Sistema Fotovoltaico concentrado? Potencial do Sistema Fotovoltaico

Leia mais

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos Nº Pág.s: 6 nº 04 20. Novembro. 2006 Painéis Fotovoltaicos 01 Uma das tecnologias renováveis mais promissoras e recentes de geração de energia eléctrica

Leia mais

Sistemas de Bombeamento Através de Energia Solar

Sistemas de Bombeamento Através de Energia Solar Sistemas de Bombeamento Através de Energia Solar Introdução Uma das vantajosas aplicações para energia solar é o bombeamento d água. Em sistemas que requerem bombeamento constante ou durante o período

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil James Gustavo Black Rebelato Geraldo Cezar Correa Joao Henrique Gross Companhia Paranaense

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA SOBRE A POTÊNCIA DE SAÍDA DE UM PAINEL DE SILÍCIO POLICRISTALINO NA REGIÃO OESTE PARANAENSE

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA SOBRE A POTÊNCIA DE SAÍDA DE UM PAINEL DE SILÍCIO POLICRISTALINO NA REGIÃO OESTE PARANAENSE INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA SOBRE A POTÊNCIA DE SAÍDA DE UM PAINEL DE SILÍCIO POLICRISTALINO NA REGIÃO OESTE PARANAENSE ROGER NABEYAMA MICHELS JOSÉ AIRTON AZEVEDO DOS SANTOS ESTOR GNOATTO EDWARD KAWANAGH

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 DESEMPENHO DE UM GRUPO GERADOR OPERANDO COM MOTOR DIESEL CONVERTIDO PARA FUNCIONAR APENAS COM GÁS NATURAL Jaguaribe,

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA LIGADA À REDE

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA LIGADA À REDE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA LIGADA À REDE Hans Rauschmayer A Solarize 2 Energia Solar e Sustentabilidade Energia Fotovoltaica Aquecimento Solar Integração com arquitetura Consultoria e Projetos Estudos

Leia mais

CURITIBA, FEVEREIRO DE

CURITIBA, FEVEREIRO DE PLANO DE NEGÓCIO CURITIBA, FEVEREIRO DE 2004 2 PLANO DE NEGÓCIO Odilio Sepulcri 1. Introdução: Antes de implementar novas atividades ou alternativas econômicas no sistema de produção, seja para a sua mudança

Leia mais

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES)

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) Baixos valores de fator de potência são decorrentes de quantidades elevadas de energia reativa. Essa condição resulta em aumento na corrente total que

Leia mais

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte. Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte. Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação PT Customers. The core of our innovation Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação Tecnologias Piovan para Transporte Integrado A Piovan atende as mais exigentes

Leia mais

Gerenciamento Agrícola com Suporte à Mobilidade: uma ferramenta móvel para automatizar cálculos de plantio

Gerenciamento Agrícola com Suporte à Mobilidade: uma ferramenta móvel para automatizar cálculos de plantio Gerenciamento Agrícola com Suporte à Mobilidade: uma ferramenta móvel para automatizar cálculos de plantio Márcio José Mantau, Carla Diacui Medeiros Berkenbrock PPGCA - Programa de Pós-Graduação em Computação

Leia mais

Tecnologia nacional potencia sustentabilidade

Tecnologia nacional potencia sustentabilidade Tecnologia nacional potencia sustentabilidade 1 Tecnologia nacional potencia sustentabilidade O desenvolvimento de soluções inovadoras que melhoram a eficiência das organizações e a qualidade de vida das

Leia mais

ENERGIA SOLAR NO ENSINO MÉDIO

ENERGIA SOLAR NO ENSINO MÉDIO ENERGIA SOLAR NO ENSINO MÉDIO Warley Teixeira Guimarães warleyteixeira@faesa.br Faculdades Integradas Espírito-Santenses FAESA Av. Vitória, 2220 Ilha de Monte Belo 29053-360 Vitória ES Bruna Tonini toninibr@gmail.com

Leia mais

[R]evolução energética:

[R]evolução energética: Ricardo Baitelo* [R]evolução energética: perspectivas para uma energia global sustentável As fortes suspeitas de que o ser humano é o agente responsável pela crise do aquecimento global foram categoricamente

Leia mais

V-008 - A CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA EM UMA EMPRESA DE SANEAMENTO

V-008 - A CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA EM UMA EMPRESA DE SANEAMENTO V-008 - A CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA EM UMA EMPRESA DE SANEAMENTO Paulo Robinson da Silva Samuel (1) Eng. Civil pela PUCRS. Atualmente Diretor da Divisão de Planejamento do Departamento Municipal de

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL: APLICAÇÃO NA FACULDADE DE HORIZONTINA - FAHOR

PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL: APLICAÇÃO NA FACULDADE DE HORIZONTINA - FAHOR PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL: APLICAÇÃO NA FACULDADE DE HORIZONTINA - FAHOR Joel Tauchen (1); Luciana Londero Brandli (2); Marcos Antonio Leite Frandoloso (3) Felipe de Brito Rodrigues (4)

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE OCTAVE EM FENÔMENOS DE TRANSPORTES

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE OCTAVE EM FENÔMENOS DE TRANSPORTES UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE OCTAVE EM FENÔMENOS DE TRANSPORTES Paulo Roberto Paraíso paulo@deq.uem.br Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Química Endereço : Av. Colombo, 5790 -

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

ESTUDO DE CASO: APLICAÇÃO DO PROCESSO DE ETIQUETAGEM DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO DE UM EDIFÍCIO TIPO ESCRITÓRIO

ESTUDO DE CASO: APLICAÇÃO DO PROCESSO DE ETIQUETAGEM DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO DE UM EDIFÍCIO TIPO ESCRITÓRIO ESTUDO DE CASO: APLICAÇÃO DO PROCESSO DE ETIQUETAGEM DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO DE UM EDIFÍCIO TIPO ESCRITÓRIO Thiago Gonçalves de Oliveira Santos (1), Álvaro Messias Bigonha Tibiriçá (2), Joyce Carlo

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

RTPROJETO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES EM RESIDÊNCIAS POPULARES

RTPROJETO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES EM RESIDÊNCIAS POPULARES 1 RTPROJETO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES EM RESIDÊNCIAS POPULARES João. L. B. ZAMPERIN 1, Simone L. ANDRADE 2, Camila P. C. GABRIEL 3, Luis R. A. GABRIEL FILHO 4 RESUMO: Neste trabalho analisamos

Leia mais

Normas Técnicas SWP Safe Working Periods General overhaul

Normas Técnicas SWP Safe Working Periods General overhaul Normas Técnicas SWP Safe Working Periods General overhaul 21 21 Demag Cranes & Components 2012 NR18 Desde de dezembro de 2011 a norma NR18 foi revisada no item 18.14.1 e aplica-se também a equipamentos

Leia mais

PARTICULARIDADES DA GERAÇÃO DISTRIBUÍDA COM SISTEMAS FOTOVOLTAICOS E SUA INTEGRAÇÃO COM A REDE ELÉTRICA

PARTICULARIDADES DA GERAÇÃO DISTRIBUÍDA COM SISTEMAS FOTOVOLTAICOS E SUA INTEGRAÇÃO COM A REDE ELÉTRICA PARTICULARIDADES DA GERAÇÃO DISTRIBUÍDA COM SISTEMAS FOTOVOLTAICOS E SUA INTEGRAÇÃO COM A REDE ELÉTRICA Wilson Negrão Macedo Roberto Zilles Programa Interunidades de Pós-Graduação em Energia Laboratório

Leia mais