1. METODOLOGIA: SÉRIES DE EXERCÍCIOS E TEMAS PARA AS LIÇÕES DE ESGRIMA.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. METODOLOGIA: SÉRIES DE EXERCÍCIOS E TEMAS PARA AS LIÇÕES DE ESGRIMA."

Transcrição

1 ESPADA SISTEMA PARA FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE ESPADISTAS A ESGRIMA DE PONTA SEM PRATICAR O FLORETE Arthur CRAMER Há vários modos de esgrimir, dizemos quanto à esgrima de sala e à esgrima de competição. Isto não significa que haja várias espécies de esgrima, mas sim que há vários modos bem diferentes de aplicá-la, conforme os gostos e preferências pessoais. Entretanto, sempre O PLANEJAMENTO É A PRINCIPAL FERRAMENTA DO TREINAMENTO PARA A VITÓRIA! 1. METODOLOGIA: SÉRIES DE EXERCÍCIOS E TEMAS PARA AS LIÇÕES DE ESGRIMA. Este documento apresenta um dos tantos métodos que têm por finalidade capacitar uma pessoa à prática racional da esgrima de espada quanto à técnica e tática, tendo por objetivo conquistar as melhores resultados nas competições e nos benefícios à saúde física, bem como nas atividade de lazer em todas as idades. A metodologia e a pedagogia do processo ensino aprendizagem (aqui adotadas), preconiza que as lições de esgrima para atividades individuais, em duplas e coletivas devem estar previamente estabelecidas: por escrito! O mesmo deve ocorrer para qualquer atividade de preparação de esgrimistas. A completa formação técnica e tática de um esgrimista só pode ocorrer através de uma sequência lógica, gradual e progressiva. A duração média é de quatro anos e dependerá da assiduidade (tempo usado para a prática) e das possibilidades cognitivas e das habilidades psicomotoras individuais, para execução das séries de exercícios de esgrima, que propomos abaixo. Posteriormente, ocorrerá o aperfeiçoamento do esgrimista, também como resultado de nova sequência programada. Existem diversas classificações e nomenclaturas didáticas quanto à periodização do planejamento e execução das atividades esportivas da vida de um esgrimista. Adoto uma terminologia de periodização por quadriênios, ao qual corresponde um Plano de Preparação Plurianual PPP, em razão da duração de uma Olímpiada. Entretanto, pode ser diferente. Neste texto, consideraremos: Macrociclo anual: cada temporada anual constitui um macrociclo anual, independente do calendário civil, ao qual corresponde um Plano Anual de Preparação Individual PAPI ; Ciclo de competição: cada macrociclo anual é formado por um, dois, três, quatro ou mais ciclos de competição, com duração variável de algumas semanas ou meses, em função dos calendários esportivos - peculiares à esgrima - e dos objetivos individuais e de equipe; Miniciclo semanal: cada semana constitui um miniciclo semanal, ao qual corresponde um Quadro de Trabalho Semanal QTS ; Microciclo dia: cada dia é considerado um microciclo nas atividades do espadista, com suas sessões de treinamento - cada uma correspondendo a um Plano de Sessão PS -, competições, repouso, viagens, adaptações e etc... Sessões de treinamento: abrange todas as atividades de treinamento total do espadista, inclusive as específicas sessões de esgrima, as quais têm as seguintes características principais: são práticas (empunhando a espada) ou teóricas (palestra, vídeo, leitura, etc...); abrangem as preparações técnica, tática, assaltos, matches, arbitragem e outras; têm duração variável; têm a condução presencial do Mestre d armas ou sua prévia orientação, para o trabalho individual ou em dupla à distância. As sessões de treinamento de esgrima incluem, também, as séries de exercícios de esgrima com seus temas e respectivas lições de esgrima, cuja sequência para o ensino aprendizagem eu apresento mais adiante. Resumindo: 1º) Cada série de exercícios de esgrima possui um ou mais temas. 2º) Cada tema possui uma ou mais lições de esgrima, praticadas em uma, ou várias, sessões de treinamento. 3º) As lições de esgrima são essencialmente práticas e classificadas em lições de Estudo, Treinamento, Aperfeiçoamento, Assalto e Personalizada. Toda sessão de treinamento deve possuir o específico PLANO DE SESSÃO (PS *).

2 2. O PLANO DE SESSÃO DE TREINAMENTO. (PS) 2.1. Cada sessão de treinamento de um esgrimista possui um Plano de Sessão, exclusivo, elaborado pelo responsável da sessão de treinamento, até domingo da semana anterior à sua execução. As sessões de treinamento serão práticas ou teóricas, presenciais ou à distância, incluindo todas as atividades da preparação total de um esgrimista, em conformidade com seus objetivos individuais. A preparação total do esgrimista se realiza através do ciclo contínuo de planejamento execução avaliação e reformulação, integrando todas as atividades do esgrimista, consideradas suas possibilidades, preferências e objetivos Os Planos de Sessões devem ser arquivados e estar disponíveis no futuro, para as avalições e reajustes do planejamento de preparação total do esgrimista. Para tanto, eles são arquivados pelo Supervisor / Coordenador da Comissão Técnica (ou pelo Mestre d Armas se não houver dita Comissão), que os receberá dos responsáveis de cada sessão de treinamento Um PLANO DE SESSÃO (PS *) para treinamento de esgrimista tem as seguintes características principais: (1ª) É específico para um esgrimista de alto rendimento ou para um grupo de esgrimistas de mesmo nível. (2ª) Exige prévia preparação intelectual e material do Mestre d Armas e/ou outros responsáveis. (3ª) É específico para uma só sessão de treinamento, cuja duração é variável e pode ser repetida, uma ou mais vezes. (4ª) É escrito, preferencialmente, em um modelo padrão um roteiro da execução de todas as atividades de uma sessão: Apresenta a finalidade, os objetivos imediatos, a pedagogia e o tipo da sessão de treinamento, compatíveis com as atuais condições físicas técnicas tá.cas cognitivas e outras mais, do esgrimista em causa. Considera prioritário e indispensável o esgrimista possuir as condições físicas e cognitivas, necessárias à aprendizagem e prática dos movimentos próprios à esgrima, na sessão em execução. Apresenta o roteiro e conteúdo completo de cada parte da sessão de treinamento. Por exemplo, os PS das sessões de prática de esgrima incluem a preleção inicial, o aquecimento, os exercícios físicos e, principalmente, as frases d armas correspondentes à lição dos temas da série, os tipos de assaltos ou matches e suas variantes, as durações, etc... (5ª) Os PS das sessões de esgrima são redigidos pelo Mestre d armas. Os membros da Comissão Técnica redigem os PS das outras atividades sob suas responsabilidades. Na falta destes o Mestre d armas o faz. (6ª) Os PS são elaborados a partir da integração de todas as atividades previstas no QTS da semana em pauta, das futuras e das anteriores, considerando a avaliação do desempenho do esgrimista e os objetivos estabelecidos. (7ª) O uso dos PS ocorre na execução das sessões previstas no QUADRO DE TRABALHO SEMANAL (QTS*), no período entre a 2ª feira e o domingo. 3. O QUADRO DE TRABALHO SEMANAL (QTS) O QUADRO DE TRABALHO SEMANAL (QTS*) é o planejamento escrito de todas as atividades da preparação do esgrimista, para cada dia da semana, preferencialmente com os horários, ou fase do dia, para as diferentes sessões de treinamento. O QTS é estabelecido em trabalho conjunto dos responsáveis pela preparação total do esgrimista, consideradas as necessidades e possibilidades advindas de cada atleta A redação final do QTS é encargo do Supervisor / Coordenador da Comissão Técnica (CT), mediante planejamento prioritário elaborado pelo Mestre d Armas, integrando-o adequadamente aos planejamentos dos demais membros da CT, consideradas às possibilidades e necessidades do atleta. Na ausência de um supervisor / coordenador o Mestre d Armas assume tal encargo.

3 3.3. Para tanto, a fim de que todos os interessados possam executar as ações sob suas responsabilidades, integradas todas as atividades, os prazos abaixo necessitam ser respeitados: 1º) Até quarta feira da semana precedente, o responsável pelo QTS precisa receber, pessoalmente ou por a) Do esgrimista: Informações quanto à programação das atividades pessoais previstas para a semana seguinte e os horários disponíveis para treinamento. b) De cada membro da Comissão Técnica: Informações quanto às disponibilidades, atividades, dias e horários previstos para a semana seguinte; Informações das avaliações das atividades e relatório de execução dos planos de sessões da semana anterior. 2º) Na sexta-feira da semana precedente: O Supervisor /Coordenador (ou o Mestre d Armas na inexistência daquele) enviará o Quadro de Trabalho Semanal, da semana seguinte, via , ao esgrimista e aos membros da Comissão Técnica Um QUADRO DE TRABALHO SEMANAL (QTS *) tem as seguintes características principais: (1ª) Abrange uma semana, com os horários (ou períodos dos dias) de cada sessão (atividade), para cada dia de segunda-feira a domingo. (2ª) É específico para as atividades de uma semana, indica o local e responsável por cada sessão (atividade). (3ª) Pode conter algumas informações complementares, no texto ou em anexo. (4ª) É elaborado com base: nas disponibilidades e necessidades do esgrimista; no planejamento dos componentes da Comissão Técnica (CT) ou de seu Mestre d Armas, caso não haja uma CT quanto às atividades do esgrimista em causa; no planejamento previsto e atualizado do PLANO ANUAL DE PREPARAÇÃO INDIVIDUAL (PAPI *) e no PLANO DIÁRIO INDIVIDUAL (PAI *) de onde são retiradas as informações necessárias, quanto às diversas atividades que constarão do QTS da semana próxima. 4. PLANO ANUAL DE PREPARAÇÃO INDIVIDUAL (PAPI) O PLANO ANUAL DE PREPARAÇÃO INDIVIDUAL (PAPI*) é o planejamento escrito que consolida e integra todas as atividades de preparação do esgrimista, ao longo de uma Temporada Anual, cujo inicio e término é típica do esporte e independe do ano civil A redação final do PAPI é encargo do Supervisor / Coordenador da Comissão Técnica (CT), mediante planejamento prioritário elaborado pelo Mestre d Armas, integrando-o adequadamente aos planejamentos dos demais membros da CT, consideradas às possibilidades e necessidades do atleta. Os PAPI são redigidos e distribuídos antes do inicio de cada temporada anual, logo após os primeiros testes de avaliação na pré-temporada. Na inexistência de uma CT o Mestre d Armas assume este encargo Cada PAPI apresenta a consolidação do planejamento de todas as áreas da preparação total do esgrimista, as quais constituem um macrociclo de sua vida esportiva Um PLANO ANUAL DE PREPARAÇÃO INDIVIDUAL (PAPI *) tem as seguintes caraterísticas principais: (1ª) Depende fundamentalmente dos Calendários de Competições das Entidades Esportivas nos quais são selecionados os eventos a participar de acordo com a importância para a preparação de cada esgrimista. (2ª) Exige prévia preparação intelectual e material do Mestre d Armas e outros responsáveis. (3ª) Abrange duração de 12 meses, independente do ano civil, dividido em semanas ou em dias. (4ª) É escrito em um formulário padrão comum aos participantes, o que facilita seu uso por todos os interessados. Apresenta a finalidade e os objetivos individuais na temporada anual, a pedagogia, os processos e tipos de sessões de treinamento, para o desenvolvimento máximo possível e compatível com as condições físicas técnicas tá.cas psicológicas e outras do esgrimista, durante a temporada anual.

4 Considera indispensável o planejamento integrado, mediante a interação e adequação do conteúdo de todas as atividades de preparação total do esgrimista. Um PAPI receberá modificações durante a temporada anual esportiva, em razão da evolução das situações, conjunturas inopinadas ou após os testes de avaliação no transcurso da própria temporada. (5ª) Os PAPI são elaborados a partir do planejamento previsto no PLANO PLURIANUAL DE PREPARAÇÃO (PPP*). 5. PLANO PLURIANUAL DE PREPARAÇÃO INDIVIDUAL (PPPI) 5.1. Um PLANO PLURIANUAL DE PREPARAÇÃO (PPPI*) é assunto a ser tratado em outro documento. Ele deve ser: 1º) Específico para um esgrimista ou de um grupo muito homogêneo. Há vantagens no uso de um modelo guia padrão para todas as atividades de preparação total do esgrimista. 2º) Abrange duração quadrienal ou diferente, específica e mais conveniente ao esgrimista ou ao grupo de esgrimistas. 3º) A redação final do PPPI é encargo do Supervisor / Coordenador da Comissão Técnica (CT), mediante planejamento prioritário elaborado pelo Mestre d Armas, integrando-o adequadamente aos planejamentos dos demais membros da CT, consideradas às possibilidades e necessidades do atleta. Na inexistência de uma CT o Mestre d Armas assume este encargo Para os esgrimistas iniciantes e não confirmados: cada PLANO ANUAL DE PREPARAÇÃO INDIVIDUAL (PAPI *) seguirá as previstas séries de exercícios de esgrima, dentro da preparação total do esgrimista, visando a sua formação técnica completa, em aproximadamente quatro anos Para esgrimistas confirmados, isto é, atletas competidores de alto rendimento ou não, deve ser elaborado um planejamento exclusivo, destinado a sua Preparação Individual (PI *). Abrangerá PPP, PAPI, QTS, PS, com séries de exercícios e temas especiais para a prática de esgrima, tudo elaborado pelo Mestre d Armas em conjunto com uma Comissão Técnica se possível. Este assunto é tratado em outras fontes de informações.

5 6. AS SÉRIES DE EXERCÍCIOS DE ESGRIMA DE ESPADA E SEUS TEMAS 1ª SÉRIE Exercícios educativos específicos da esgrima (mobilidade, flexibilidade e elasticidade = souplesse do esgrimista). 2ª SÉRIE Posição de guarda na espada Deslocamentos Posições de esgrima Engajamentos e mudanças de engajamentos. 3ª SÉRIE Desenvolvimento Volta à guarda para trás e para frente Redobramento para frente Deslocamentos variados (à frente e atrás) coordenados com as Posições de esgrima nas quatro linhas. 4ª SÉRIE Ataques clássicos simples às avançadas: golpe direto e desengajamento (nas 4 linhas: ao braço, à mão, ao joelho ou coxa e ao pé nas distâncias pequena do braço alongado, média do meio afundo e grande do afundo) e depois ao corpo, sobre a ausência de ferro, engajamento ou convite do Mestre d Armas. Contra-ataques clássicos simples às avançadas (4 linhas). Ataques clássicos seguidos de contra-ataques clássicos às avançadas. 5ª SÉRIE Revisão das 2ª, 3ª e 4ª séries. Paradas laterais de 6ª, 4ª, 8ª e 7ª, seguidas de respostas diretas e coordenadas com deslocamentos variados (à frente e atrás). 6ª SÉRIE Exercícios de doigté (engajamentos, mudanças de engajamentos, duplos engajamentos) coordenados com deslocamentos variados (à frente e atrás). Revisão da 4ª série. 7ª SÉRIE Estudo das remessas, redobramentos e repetições em prosseguimento ao ataque e ao contra-ataque. Revisão da 4ª série acrescida com as remessas e repetições. Paradas laterais de 6ª e 4ª com respostas ao braço e depois ao corpo, coordenadas com deslocamentos variados (à frente e atrás). 8ª SÉRIE Ataques compostos com uma finta às avançadas com falso ataque seguido de ataque, isto é, ataque e remessa, e depois em marcha - afundo. Contra-ataques compostos de uma finta (escape composto) voltando à guarda e rompendo. Ataques compostos seguidos de contra-ataques compostos. 9ª SÉRIE Revisão das 4ª, 5ª e 6ª séries, incluindo remessas e repetições. Paradas de contra de 6ª e 4ª. Paradas compostas de 6ª e contra de 6ª, 4ª e contra de 4ª com respostas ao braço e depois ao corpo. Golpe de picada ( coupé e coup em lardant ). 10ª SÉRIE Ataques simples às avançadas sobre a retirada da mão do adversário: Nas quatro linhas. À perna. Em falso ataque. Ataque em marcha - afundo. Esquivas ( agachamento, salto em altura, passata sotto e in quartata ) combinadas com os arrestos. Revisão das paradas simples de 6ª 4ª contra de 6ª e contra de 4ª com remessas e repetições do adversário, seguidas de respostas simples. 11ª SÉRIE Ataques compostos ao corpo sobre paradas curtas do adversário: em flecha. Ataques simples ao corpo sobre a retirada da mão do adversário: em flecha.

6 Paradas compostas (6ª e contra de 6ª, 4ª e contra de 4ª) seguidas de respostas ao braço e depois ao corpo. 12ª SÉRIE Todas as ações serão entremeadas com remessas ou repetições. Ataques ao ferro (batidas, pressões e forçamentos) em 4ª - 6ª - 8ª - 7ª seguidas de ataques diretos às avançadas e depois ao corpo. Defensivas e contra ofensivas correspondentes e variadas (contra-ataques sobre os ataques ao ferro - escape com e sem contato de ferro). 13ª SÉRIE Ataques ao ferro (batidas, pressões e forçamentos seguidos de ataques indiretos às avançadas e depois ao corpo). Defensivas e contra ofensivas variadas e correspondentes. Revisão das 4ª, 5ª, 6ª, 7ª séries. 14ª SÉRIE Revisão da 8ª à 11ª série. Tomadas de ferro simples (oposição, ligamento, envolvimento e cruzamento) em ataques nas quatro linhas e diversas medidas, deslocamentos variados e golpes em marcha, afundo, marcha afundo e flecha. Parada de 8ª e resposta por tomada de ferro por ligamento. Parada de 7ª e resposta por ligamento ao braço, rompendo. 15ª SÉRIE Ataques cavando às avançadas (4 linhas). Contra-ataques cavando às avançadas (4 linhas). Defensivas particulares contra os ataques em cavação (paradas tipos do florete). Exercícios combinados de ataques clássicos simples e de contra-ataques cavando e vice-versa. 16ª SÉRIE Ataques cavando às avançadas, precedidos de ataques ao ferro nas quatro linhas. Defensivas e contra ofensivas apropriadas contra os ataques ao ferro. Paradas rompendo seguidas de respostas com oposição em afundo ou em flecha. 17ª SÉRIE Exercícios combinados de revisão de todas as séries precedentes comportando: ataque contraataque e parada e resposta ataque composto ou precedido ou não ataque ao ferro. Defensivas e contra ofensivas variadas e correspondentes. 18ª SÉRIE Tomadas de ferro oposição ao corpo em 6ª e 8ª para os espadistas destros e o inverso para os canhotos. As oposições de 6ª e de 4ª ao braço. Defensivas correspondentes (paradas cedendo e escapes com ou sem contato). 19ª SÉRIE Tomada de ferro o ligamento de 4ª para 8ª e 7ª para 6ª com golpe ao corpo (o inverso para o canhoto) e mesmos ligamentos de 4ª para 8ª à coxa e de 7ª pra 6ª ou 8ª para 4ª e toque no braço. Defensivas e contraofensivas correspondentes e variadas. 20ª SÉRIE Tomadas de ferro envolvimento aos alvos idênticos aqueles da tomada por oposição. Defensivas e contraofensivas correspondentes e variadas. 21ª SÉRIE Revisão dos ataques simples, compostos e dos ataques ao ferro com golpes às avançadas. Paradas simples e compostas com respostas por tomadas de ferro (por ligamento e envolvimento) rompendo, ou ao corpo com afundo ou em flecha. 22ª SÉRIE Revisão das paradas simples ou compostas, seguidas ou não de contra-ataques clássicos ou em cavação. Revisão das tomadas de ferro e de suas defensivas, coordenadas com todos os tipos de deslocamentos variados (à frente e atrás) e entrecortadas de remessas e repetições, tudo com execuções nas diferentes posições de esgrima. 23ª SÉRIE

7 Contratempo por tomadas de ferro simples, precedidas de preparações variadas (combinando movimentos de mão e / ou pernas). Defensivas correspondentes (paradas contra-ataques compostos às avançadas e / ou ao corpo) Defensivas e contra ofensivas correspondentes e variadas (paradas e contra-ataques compostos às avançadas e / ou ao corpo sem e com contato de lâminas). 24ª SÉRIE Tomadas de ferro duplas, terminando nas linhas correspondentes à mão do esgrimista: em marcha, afundo, várias marchas e afundo, meio afundo afundo, marchas - flecha. Defensivas e contra ofensivas correspondentes e variadas. 24ª SÉRIE Tomadas de ferro compostas, cujo final deve corresponder à mão do espadista, executadas em condições idênticas às tomadas de ferro duplas. Defensivas e contra ofensivas correspondentes e variadas. 26ª SÉRIE Tomadas de ferro combinadas. Defensivas e contra ofensivas correspondentes e variadas. 27ª SÉRIE Remessas e repetições em segunda intenção, às avançadas e ao corpo. Remessas e repetições em cavação às avançadas. Contra-arresto. Revisão das paradas simples e compostas e dos ataques às avançadas (mão, pé, joelho / coxa, máscara). 28ª SÉRIE Exercícios combinados progressivos dos tipos: Ataques simples e clássicos às avançadas. Contra-ataques cavando às avançadas. Paradas simples com respostas ao braço. Contratempos ao corpo em flecha com remessa ou repetição no final da ação, segundo a reação do Mestre d Armas. Combate aproximado em curta distância. 29ª SÉRIE Exercícios com diversas intenções, do tipo: Finta de golpe direto, com meio afundo ou marchando, segundo a reação do Mestre d Armas: Sobre a retirada do braço: remessa ou redobramento à mão, à perna, ao pé ou ao corpo. Sobre a parada simples e curta: enganar ao braço. Sobre o contra-ataque: contratempo ao corpo por tomada de ferro. OBSERVAÇÃO: Existem outras sequências de SÉRIES DE EXERCÍCIOS de outros renomados autores. *ANEXOS: 1. Modelo de PLANO de SESSÃO (PS). 2. Modelo de QUADRO DE TRABALHO SEMANAL (QTS) com atividades diárias, sem os horários das atividades. 3. Modelo de QUADRO DE TRABALHO SEMANAL (QTS) com previsão de horários das atividades, mais usados em Campis de Treino. 4. Modelo de PLANO DIÁRIO INDIVIDUAL (PDI) por dia hora com TEMAS e números dos PS. 5. Modelo de PLANO ANUAL DE PREPARAÇÃO INDIVIDUAL (PAPI) PARA Fontes de consulta: a) Escrime Moderne Pierre Thirioux b) Periodização Tudor O. Pomba c) Understanding Fencing Zbigniew Czajkowski

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 7ª, 8ª e 9ª classes 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Física - 7ª, 8ª e 9ª classes EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

O PAPEL DO MESTRE D'ARMAS NA ORGANIZAÇÃO, NA GESTÃO, NA COORDENAÇÃO E NO TREINAMENTO EM UMA SALA D'ARMAS.

O PAPEL DO MESTRE D'ARMAS NA ORGANIZAÇÃO, NA GESTÃO, NA COORDENAÇÃO E NO TREINAMENTO EM UMA SALA D'ARMAS. O PAPEL DO MESTRE D'ARMAS NA ORGANIZAÇÃO, NA GESTÃO, NA COORDENAÇÃO E NO TREINAMENTO EM UMA SALA D'ARMAS. INTRODUÇÃO. O papel do Mestre d'armas na sala de esgrima. Os procedimentos a adotar UM PROCEDIMENTO

Leia mais

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do.

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do. Sociedade União 1º.Dezembro Das teorias generalistas à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol Programação e Periodização do Treino em Futebol 1 Programação e Periodização do Treino em Futebol Ter a convicção

Leia mais

PROGRAMA DE FUTEBOL 10ª Classe

PROGRAMA DE FUTEBOL 10ª Classe PROGRAMA DE FUTEBOL 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Futebol - 10ª Classe Formação de Professores do 1º

Leia mais

Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo

Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo Licenciado em Ciências do Desporto (FMH); Treinador de Futebol há 15 anos; Pós-Graduação em Treino de Alto Rendimento; Especialização

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA *

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * Estélio H. M. Dantas * INTRODUÇÃO Graças à democratização e à abertura que ocorreu na Rússia com

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

O Volume Do Treinamento No Futsal

O Volume Do Treinamento No Futsal O Volume Do Treinamento No Futsal Quando se fala de volume de treino é importante primeiramente entender quais são as vias metabólicas predominantemente envolvidas no esporte a ser treinado, e, respeitar

Leia mais

Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol

Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol 102 Recursos do Professor Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol Cooperar com os companheiros para o alcance do objetivo do Futebol, desempenhando com oportunidade e correção as ações

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ESGRIMA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ESGRIMA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ESGRIMA FUNDADA EM 5 DE JUNHO DE 1927 Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2012. OF / CBE / PRES / Nº 2012.256 - CIRCULAR. Da Confederação Brasileira de Esgrima Aos Srs. Presidentes

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR Roteiro para utilização do GEP Versão de referência: GEP V1.00 Índice analítico I Apresentação... 2 I.1 Controles básicos do sistema;... 2 I.2 Primeiro acesso... 2 I.3 Para trocar a senha:... 3 I.4 Áreas

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Alex Ryu Jitsu Modalidade/Disciplina: Alex Ryu Jitsu Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau I Componente Prática: 12 horas Componente Teórica: 20 horas

Leia mais

O Treino ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Jovens

O Treino ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Jovens O Treino Preparar Conduzir Avaliar ANTF Acção de Actualização para Treinadores de Jovens Vítor Urbano O Treino O treino é o acto pedagógico de base do treinador, é o meio da sua intervenção. Através do

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA TREINAMENTO DE RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Como regra geral, um músculo aumenta de força quando treinado próximo da sua atual capacidade de gerar força. Existem métodos de exercícios que são

Leia mais

SISTEMA 4-3-3. Brasil (1962). Origem no 4-2-4. Brasil (1970)

SISTEMA 4-3-3. Brasil (1962). Origem no 4-2-4. Brasil (1970) SISTEMA 4-3-3 HISTÓRICO/EVOLUÇÃO O sistema 4-3-3 tem sua origem no 4-2-4. O Brasil tinha como base o sistema 4-2-4 na Copa do Mundo de 1962. Zagallo era o ponta esquerda, com o seu recuo para auxiliar

Leia mais

Plano de preparação desportiva

Plano de preparação desportiva Plano de preparação desportiva COMPONENTES DO PLANO Técnico Tático Físico-fisiológico Psicológico Administrativo Socioeducacional Clínico Metas curto, médio, longo prazos Categorias de Base ABC-FC Departamento

Leia mais

PERIODIZAÇÃO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO ESPORTIVO. SÍNTESE BIBLIOGRÁFICA *

PERIODIZAÇÃO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO ESPORTIVO. SÍNTESE BIBLIOGRÁFICA * PERIODIZAÇÃO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO ESPORTIVO. SÍNTESE BIBLIOGRÁFICA * Norberto Alarcón INTRODUÇÃO A periodização e planejamento do treinamento esportivo, como área especializada deste, e a sua

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 13/10/2009

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 13/10/2009 Versão: 2 Pág: 1/5 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 13/10/2009 DE ACORDO Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 13/10/2009 APROVADO POR Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Prof. Msc Milene Silva Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista, desenvolvimentista e críticas. Função

Leia mais

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Lohan Tao Modalidade/Disciplina: Lohan Tao Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau 2 Componente Prática: 5 horas Componente Teórica: 25 horas Total de

Leia mais

Lentos, atrasados e desequilibrados

Lentos, atrasados e desequilibrados Deslocamentos Lentos, atrasados e desequilibrados Descoordenação espaço-tempo pela falta de referências e pelas dificuldades naturais da areia, vento ou sol Maior dificuldade em deslocamentos para trás

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE TUTORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE TUTORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE TUTORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Goiânia- GO - Abril 2014 Antônio Borges Júnior Instituto Federal de Goiás - antonio.junior@ifg.edu.br Paula Graciano Instituto Federal de Goiás

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 5º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 5.º Ano 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM Atletismo

Leia mais

Relatório Área 1 -Semana a tempo inteiro, 1º ciclo e aulas filmadas-

Relatório Área 1 -Semana a tempo inteiro, 1º ciclo e aulas filmadas- UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA ESCOLA SECUNDÁRIA DE MEM MARTINS Ano Letivo 2014/2015 Relatório Área 1 -Semana a tempo inteiro, 1º ciclo e aulas filmadas- Orientadores: Prof. Lineu

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO O que é? O Programa de Desenvolvimento do Basquete Mineiro (PDBM) é um projeto focado no atendimento as demandas dos clubes e escolas, em novas metodologias

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

Modalidades esportivas Sesc

Modalidades esportivas Sesc Faça sua carteira COMERCIÁRIO: TITULAR: CPTS atualizada, Comp. de residência, GFIP (Guia de Recolhimento e Informações do FGTS), Taxa CONVENIADOS: TITULAR: Comp.de residência, documento que comp. de vínculo

Leia mais

Descrição dos Estágios do Núcleo 3-8º per./2016

Descrição dos Estágios do Núcleo 3-8º per./2016 FÁTIMA REGINA PIRES DE ASSIS O aluno deverá: Identificar demandas apresentadas pela instituição Analisar as demandas Planejar intervenção que responda à demanda selecionada tendo em vista os objetivos

Leia mais

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATUAÇÃO DO PROFESSOR no Nível de Habilidade no Nível de Desempenho DIVERSIDADE DE CONTEÚDO Inserção no Grupo na Auto-estima CONCEITOS E INFORMAÇÕES Comportamentos e Atitudes

Leia mais

Critérios de Avaliação Educação Física

Critérios de Avaliação Educação Física M. E. - GEPE Critérios de Avaliação Educação Física Grupo Disciplinar de Educação Física 2015/2016 1. Introdução Na procura da qualidade, torna-se evidente o papel essencial desempenhado pelas estruturas

Leia mais

Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol. Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias

Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol. Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias 1 Posição Básica Ofensiva; Passe (Peito e Picado) /recepção; Drible de Avaliar a prestação motora

Leia mais

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS Resumo Scheila Medina 1 - PUCPR Luís Rogério de Albuquerque 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

Este documento vai ser divulgado na escola-sede do Agrupamento e na página eletrónica: www.aepjm.pt/joomla.

Este documento vai ser divulgado na escola-sede do Agrupamento e na página eletrónica: www.aepjm.pt/joomla. Agrupamento de Escolas Pedro Jacques de Magalhães INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 28 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga a informação relativa

Leia mais

Guia do professor. Introdução

Guia do professor. Introdução Guia do professor Introdução Um dos objetivos comuns ao ensino de química e de física é a caracterização da matéria a partir de suas propriedades. Uma substância pode ser definida como uma porção de matéria

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO

ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO CURSOS DE EXTENSÃO: Caracterizados como um conjunto articulado de ações pedagógicas, de caráter teórico e/ou prático, presencial ou à distância,

Leia mais

Nome do Projeto: Compartilhando Livros por mais Cultura e Cidadania na Escola e na Comunidade

Nome do Projeto: Compartilhando Livros por mais Cultura e Cidadania na Escola e na Comunidade A escola é o lugar privilegiado da aprendizagem, planejado para educar pessoas mais participativas, solidárias, produtivas e felizes. GUIOMAR NAMO DE MELLO Diretora da EBRAP Escola Brasileira de Professores

Leia mais

Cursos livres EAD GUIA BÁSICO PARA USO CORPORATIVO. www.webaula.com.br

Cursos livres EAD GUIA BÁSICO PARA USO CORPORATIVO. www.webaula.com.br Cursos livres EAD GUIA BÁSICO PARA USO CORPORATIVO www.webaula.com.br Índice 3 introdução 3 introdução 3 O que são cursos livres, afinal? 4 Características dos cursos livres 5 Vantagens dos cursos livres

Leia mais

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo Um programa de treino bem organizado e planificado, durante um período de tempo prolongado, aumenta a eficácia da preparação para as competições futuras mais importantes, uma vez que: introduz uma utilização

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 9º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 1º PERÍODO 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS BOA VISTA/ CENTRO ANEXO III

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS BOA VISTA/ CENTRO ANEXO III PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE ETENSÃO PBAE / EDIÇÃO 2016 CAMPUS BOA VISTA/ CENTRO ANEO III FORMULÁRIO DA VERSÃO ELETRÔNICA DO PROJETO / DA ATIVIDADE DE ETENSÃO PBAE 2016 01. Título do Projeto (Re) Educação

Leia mais

SÃO DEVERES ATRIBUÍDOS AOS SUPERVISORES:

SÃO DEVERES ATRIBUÍDOS AOS SUPERVISORES: SUPERVISÃO Dá-se o nome de supervisão à ação de orientação, inspeção e controle que assegure a perfeita compreensão de diretrizes, normas, ordens e instruções emanadas de escalão superior. É uma atividade

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos)

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos) Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos) 2012-2013 1 Prezado (a) estagiário (a), O presente manual visa orientá-lo (la) quanto à realização do Estágio

Leia mais

DGAJ/DF. Curso em E-learning

DGAJ/DF. Curso em E-learning Curso em E-learning Introdução O que é estudar a distância O estudo à distância é uma forma diferente de aprender. Para que uma pessoa possa estudar à distância, necessita desenvolver algumas habilidades

Leia mais

GERÊNCIA DE PROJETOS Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 4ª Série kessia@unipar.br

GERÊNCIA DE PROJETOS Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 4ª Série kessia@unipar.br GERÊNCIA DE PROJETOS Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 4ª Série kessia@unipar.br O QUE É PROJETO? Empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência lógica de eventos, com início, meio e fim,

Leia mais

Elaboração do Plano de Aula

Elaboração do Plano de Aula Elaboração do Plano de Aula Componentes do Plano de Aula Identificação Objetivos Conteúdos Estratégias Avaliação Cronograma Bibliografia Identificação Universidade Curso Série Ano Disciplina Professor

Leia mais

CAMPUS BRUMADO DEPEN / COTEP P L A N O D E E N S I N O-APRENDIZAGEM. Manual de instruções. Prezado Professor e prezada Professora,

CAMPUS BRUMADO DEPEN / COTEP P L A N O D E E N S I N O-APRENDIZAGEM. Manual de instruções. Prezado Professor e prezada Professora, CAMPUS BRUMADO DEPEN / COTEP P L A N O D E E N S I N O-APRENDIZAGEM Manual de instruções Prezado Professor e prezada Professora, Apresentamo-lhes o modelo de Plano de Ensino-Aprendizagem para o Ensino

Leia mais

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2015/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO (I), ELEMENTAR (E) e AVANÇADO (A) JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA MÓDULO A1 JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS a) Coopera com os companheiros, quer nos exercícios

Leia mais

EXTENSÃO extensao@faj.br

EXTENSÃO extensao@faj.br EXTENSÃO extensao@faj.br O QUE É EXTENSÃO? Conjunto articulado de projetos de caráter educativo, social, cultural, científico ou tecnológico preferencialmente integrados a atividades de pesquisa e ensino,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS Grupo Disciplinar de Educação Física. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS Grupo Disciplinar de Educação Física. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS Grupo Disciplinar de Educação Física CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo Avaliação dos alunos (Critérios uniformizados a nível do Conselho Pedagógico e do Grupo

Leia mais

Colégio Adventista de Rio Preto Educação Física BASQUETEBOL. Basquetebol 8º ano. basquetebol

Colégio Adventista de Rio Preto Educação Física BASQUETEBOL. Basquetebol 8º ano. basquetebol Colégio Adventista de Rio Preto Educação Física BASQUETEBOL Basquetebol 8º ano Basquetebol Origem e Evolução: Estados Unidos - 1891 Prof. James Naismith Universidade Springfield - USA Ginástica - inverno

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD 1 A QUALIDADE DOS CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB Belém PA, Maio 2012 Categoria: Pesquisa e Avaliação

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º Caro (a) aluno (a), Esta atividade, de caráter teórico-reflexivo, deverá

Leia mais

LÍNGUA BRASILEIRA DOS SINAIS

LÍNGUA BRASILEIRA DOS SINAIS GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 149, /2 6 / 8 LIBRAS FACULDADES CAMPUS CHAPECÓ

Leia mais

Fundamentos e Práticas em Libras II

Fundamentos e Práticas em Libras II Fundamentos e Práticas em Libras II Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

Metodologias de Pesquisa Qualitativa

Metodologias de Pesquisa Qualitativa Metodologias de Pesquisa Qualitativa Pesquisa Qualitativa Subjetividade e interpretação do avaliador/pesquisador Entender um problema em profundidade. Não usa estatísticas e generalizações. Trabalha com

Leia mais

SALTO EM E M DISTÂNCIA

SALTO EM E M DISTÂNCIA SALTO EM DISTÂNCIA Salto em Distância O salto em distancia é uma prova de potência, sua performance está diretamente relacionada com a velocidade de impulso O saltador deve produzir o máximo de velocidade

Leia mais

Balanço da 5ª Unidade de Ensino

Balanço da 5ª Unidade de Ensino Mestrado em Ensino da Educação Física nos Ensinos Básico e Secundário Estágio Pedagógico de Educação Física e Desporto 2012/2013 Balanço da 5ª Unidade de Ensino Orientador de Estágio: Profª Ana Severo

Leia mais

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota por Sebastião Mota O termo pliometria refere-se a exercícios específicos que envolvam o Ciclo Alongamento- Encurtamento (CAE), isto é, um rápido alongamento da musculatura seguido de uma rápida acção concêntrica.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA Curitiba, 13 de março de 2015. Orientação referente aos Programas de Ampliação

Leia mais

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas:

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas: 1 2 1 Apresentação Este documento tem por objetivo apresentar orientações para a redação e formatação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) na modalidade de Artigo Científico. Para a elaboração do artigo

Leia mais

PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO

PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO Periodização Periodização é o planejamento geral e detalhado da utilização do tempo disponível para treinamento de acordo com objetivos intermediários

Leia mais

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal O essencial sobre Autor: Francisco Cubal 1 Qual a história do Voleibol? Em 1895 o professor de Educação Física G. Morgan, nos Estados Unidos, criou uma modalidade desportiva que, devido ao seu toque no

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

Núcleo de Desporto Escolar. Futsal

Núcleo de Desporto Escolar. Futsal Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Motricidade Humana Mestrado em Ensino da Educação Física nos Ensinos Básico e Secundário Estágio Pedagógico 2012/2013 Escola Básica 2,3 de Alfornelos - Núcleo

Leia mais

As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha

As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha As funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro FERNANDO PAIVA CORRÊA

Leia mais

Ministério do Esporte

Ministério do Esporte INCLUSÃO, GÊNERO E DEFICIÊNCIA Ministério do Esporte Objetivo Geral do PST... Democratizar o acesso ao esporte educacional de qualidade, como forma de inclusão social, ocupando o tempo ocioso de crianças

Leia mais

TSAL (Registro de histórico de treinamento e limitações de atividades esportivas)

TSAL (Registro de histórico de treinamento e limitações de atividades esportivas) ABDEM Associação Brasileira de Desportos para o Deficiente Intelectual INAS-FID TSAL (Registro de histórico de treinamento e limitações de atividades esportivas) Conteúdo: Introdução TSAL FEVEREIRO DE

Leia mais

Educação Física Inclusiva

Educação Física Inclusiva LUIZ HENRIQUE DE PAULA CONCEIÇÃO 1 RODRIGO HÜBNER MENDES 2 Educação Física Inclusiva O esporte para pessoas com deficiência teve seu início após a Primeira Guerra Mundial, como forma de tratamento de soldados

Leia mais

TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

AUXÍLIO TRANSPORTE TUDO QUE VOCÊ PRECISA PARA MOSTRAR O SEU TALENTO.

AUXÍLIO TRANSPORTE TUDO QUE VOCÊ PRECISA PARA MOSTRAR O SEU TALENTO. AUXÍLIO TRANSPORTE TUDO QUE VOCÊ PRECISA PARA MOSTRAR O SEU TALENTO. ÍNDICE APRESENTAÇÃO...04 MISSÃO E VISÃO DO SISTEMA FIEB... 06 VALORES... 08 OBJETIVOS DO PROGRAMA... 12 APROVEITAMENTO INTERNO... 14

Leia mais

Edital UAB-UFABC Nº 002/2016

Edital UAB-UFABC Nº 002/2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Núcleo de Tecnologias Educacionais Av. dos Estados, 5001 Bairro Bangu Santo André - SP CEP 09210-580 Fone: (11) 3356.7646 cursos.nte@ufabc.edu.br

Leia mais

DISCIPLINA: Vivência na Prática Educativa VI PROFESSORA: Ermelinda Nóbrega de M. Melo COMO ELABORAR UM PLANO DE AULA

DISCIPLINA: Vivência na Prática Educativa VI PROFESSORA: Ermelinda Nóbrega de M. Melo COMO ELABORAR UM PLANO DE AULA COMO ELABORAR UM PLANO DE AULA PLANO DE AULA É... Um guia e tem a função de orientar a prática do professor, partindo da própria prática e, portanto, não pode ser um documento rígido e absoluto. Ele é

Leia mais

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei:

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei: LEI Nº 2.581/2009 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE CAETÉ. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº XXXX DE XX DE XXXXXX DE 201X ALTERA A LEI Nº 6720, DE 25 DE MARÇO DE 2014, QUE INSTITUI PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO CULTURAL E LINGUÍSTICO ENTRE A UFPR E PUCPR COM OS INSTITUTOS EDUCACIONAIS TAKAHASHI E KAKE 29 DE JUNHO A 22 DE JULHO DE 2015

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO CULTURAL E LINGUÍSTICO ENTRE A UFPR E PUCPR COM OS INSTITUTOS EDUCACIONAIS TAKAHASHI E KAKE 29 DE JUNHO A 22 DE JULHO DE 2015 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO CULTURAL E LINGUÍSTICO ENTRE A UFPR E PUCPR COM OS INSTITUTOS EDUCACIONAIS TAKAHASHI E KAKE 29 DE JUNHO A 22 DE JULHO DE 2015 EDITAL UFPR / 2015 O intercâmbio entre estudantes universitários

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA INSCRIÇÕES EM 2014

PROCEDIMENTO PARA INSCRIÇÕES EM 2014 O Colégio Santa Maria oferece diversos cursos extracurriculares para as diferentes faixas etárias que visam e favorecem o desenvolvimento de habilidades esportivas, artísticas, linguísticas, culturais

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES CURSO FORMATION DES FORMATEURS ÉCOLE NATIONALE DE LA MAGISTRATURE

RELATÓRIO DE ATIVIDADES CURSO FORMATION DES FORMATEURS ÉCOLE NATIONALE DE LA MAGISTRATURE 00 PODER JUDICIÁRIO FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 10ª REGIÃO Diretoria do Foro Trabalhista de Brasília RELATÓRIO DE ATIVIDADES CURSO FORMATION DES FORMATEURS ÉCOLE NATIONALE DE LA MAGISTRATURE

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO...

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO... Roteiro para elaboração de relatório parcial de estágio RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO Estudante: Orientador: Local / / SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 3 REFERÊNCIAS Identificação

Leia mais

Como planejar e executar um treinamento

Como planejar e executar um treinamento Como planejar e executar um treinamento Treinamento: uma breve conceituação Não há possibilidade de nos desenvolvermos economicamente e, consequentemente, elevarmos o nosso nível social, sem aumentarmos

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EÇA DE QUEIRÓS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EÇA DE QUEIRÓS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EÇA DE QUEIRÓS Informação - Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Código 311 (Ensino Secundário) Prova Prática Ano letivo 2012/2013 1. INTRODUÇÃO O presente documento

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2015 EDUCAÇÃO FÍSICA Abril de 2015 Prova 28 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga as

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 NATAÇÃO E DESEMPENHO ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DE UMA EXTENSÃO DA UFG COM UMA ESCOLA PÚBLICA Poliana Siqueira Pedroza 1 Luís César de Souza 2 RESUMO Comunidade Aquática é um projeto de extensão do curso de

Leia mais

GRUPO DE ORATÓRIA/TEORIA E EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE EXPOSIÇÃO ORAL

GRUPO DE ORATÓRIA/TEORIA E EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE EXPOSIÇÃO ORAL Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes MARTA XAVIER DE LIMA GOUVÊA GRUPO DE ORATÓRIA/TEORIA E EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE EXPOSIÇÃO ORAL PROGRAMA DE ESTUDO CURSO Oratória PROFESSOR- ORIENTADOR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CENTRO DE EDUCAÇÃO ABERTA E A DISTANCIA PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP 2007 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Básica e Profissional

ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Básica e Profissional ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Básica e Profissional Programa Estadual Novas Oportunidades de Aprendizagem na Educação Básica- PENOA Florianópolis, 2016.

Leia mais

DISCIPLINA EDUCAÇÃO FÍSICA ANO LECTIVO 2014/2015 TURMA 12º I CURSO PROFISSIONAL MULTIMÉDIA PROFESSOR: JOÃO MOTA

DISCIPLINA EDUCAÇÃO FÍSICA ANO LECTIVO 2014/2015 TURMA 12º I CURSO PROFISSIONAL MULTIMÉDIA PROFESSOR: JOÃO MOTA 1º Período 3ºª Feira Módulo 3 JOGOS DESP. COLETIVOSIII (VOLEIBOL) 22 tempos Início16/09/14 Fim: 25/11/14 VOLEIBOL (Módulo 3) Nível Avançado - O aluno: 1. Em exercício 1x1; 3x3 e situação de jogo 4x4 e

Leia mais

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC Gestão de Projetos 1 Agenda Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências 2 1 GERENCIAMENTO DA INTEGRAÇÃO DO PROJETO 3 Gerenciamento da Integração do Projeto Fonte: EPRoj@JrM 4 2 Gerenciamento

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CANOAGEM Kayak-Polo

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CANOAGEM Kayak-Polo Plano Geral Semanal Treinador: Orlando Silva 14 / 01 /2008 a 27 /01 /2008 Época: 07/08 Atletas: Séniores Macrociclo:1 Mesociclo:4 Microciclo: 3-4 TOTAL T: 2h10` T: 2h10` T: 1h40` T: 2h00` T: 2h00` T: 2h10`

Leia mais

Projeto de Gestão Pedagógica - 2014

Projeto de Gestão Pedagógica - 2014 Projeto de Gestão Pedagógica - 2014 Etec (Código e nome da unidade): 164 Etec Professor Mário Antônio Verza Professor: Claudia Patricia Candia Maciel Nº Matrícula: 019.290 Categoria: I E-mail: claudia.candia@etec.sp.gov.br

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2014/2015

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2014/2015 FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2014/2015 Designação Estudo do Processo Psicoterapêutico Docente (s) (Indicar também qual o docente responsável pela U.C.) Maria Eugénia Duarte Silva Creditação (ECTS) 6 ECTS

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS - DEX UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS - DEX UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS - DEX UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Em consonância

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 28 Ano de escolaridade: 6º ano (Decreto Lei n.º 139/2012, de 5 de julho e Despacho Normativo

Leia mais