A Democracia na América

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Democracia na América"

Transcrição

1 A Democracia na América Maria de Fátima Dias Fernandes Neste trabalho apresentamos a implementação na escola do Objeto de Aprendizagem Colaborativa (PDE 2007), que aborda a influência do pensamento iluminista inglês e francês nos Estados Unidos, desde o século XVIII até o XIX. Por meio da leitura do Segundo Tratado sobre o Governo Civil (LOCKE, 1690), A Democracia na América (TOCQUEVILLE, 1835) e de algumas leituras secundárias contemporâneas como a História dos EUA (KARNAL, 2007), os alunos da segundo ano do Ensino Médio, do Colégio Estadual do Jardim Independência tiveram contato com os fundamentos do pensamento liberal e democrático. Estas leituras permitiram avaliar a efetividade destas formas de pensar e seus desdobramentos na organização política, social, econômica e cultural das Treze Colônias Inglesas, na Declaração de Independência dos EUA, na Constituição Americana de 1787, no período pós-guerra civil e no imperialismo orientado pelo liberalismo econômico. Palavras-chave: John Locke, Liberalismo, Democracia, Independência, Estados Unidos. The Democracy in America We intend to expose in this paper the implementation of Collaborative Leaning Object (OAC) that developed during the Educational Development Program (PDE) in We study the influence of English and French Enlighitening thinking in the United States, since 18 th until 19 th century. Analysing The Second Treatise of Government by John Locke (1690) and De la démocratie in Amérique by Alexis Tocqueville (1635). Some secondary literature was also studied as the contemporary study by Karnal et all (2007) A História dos Estados Unidos (The History of the United States). We proposed to the students of the 2 nd. grade of the Jardim Independência High School, (Sarandi, Maria de Fátima Dias Fernandes é professora da rede pública estadual do Paraná. Leciona História no Ensino Médio, no Colégio Estadual do Jardim Independência e no Colégio Estadual do Jardim Panorama, ambos em Sarandi. 1

2 PR) some experience with the grounds of the liberal and democratic thought. By mean of these readings, we want to evaluate the effectiveness of these ways of thinking and its political, social, economic and cultural developments of the Thirteen English Colonies in several important moments of the them history such as in the process of Independence, in the Constitution built in 1787, in the period of post civil war, in the imperialism driven by economic liberalism. Keywords: John Locke, Liberalism, Democracy, Independence, United States. Introdução A disciplina de História no Ensino Médio se ocupa em trabalhar recortes específicos e aprofundados dos conteúdos estruturantes que, interligados e ao incluírem as relações de poder, permitem uma melhor compreensão das ações humanas situadas no tempo e no espaço. As relações de poder não se limitam à dimensão do poder político, interferem em todo o corpo social, na economia, na sociedade e na cultura (Diretrizes Curriculares de História para o Ensino Médio). As Diretrizes Curriculares de História para o Ensino Médio propõem o estudo das relações de poder. Nesse sentido, o estudo das idéias liberais e democráticas predominantes nos Estados Unidos nos séculos XVIII e XIX possibilita a compreensão das relações de poder constituídas naquele país no período pós independência e a sua influência sobre as colônias ibéricas que pretendiam se livrar do domínio colonial. O Objeto de Aprendizagem Colaborativa que tem como título A Democracia na América propõe um estudo sobre a efetividade dos ideais liberais e democráticos nos Estados Unidos, nos séculos XVIII e XIX, sob a influência do pensamento iluminista inglês e francês, tendo como marcos históricos referenciais a Declaração de Independência das Treze Colônias Inglesas na América no Norte, a elaboração da Constituição dos EUA (1787), a Guerra de Secessão e o período de industrialização pós guerra civil. Os alunos do segundo ano do Ensino Médio do Colégio Estadual do Jardim Independência de Sarandi (PR), participaram da implementação deste Objeto de Aprendizagem Colaborativa (OAC). Eles fizeram debates, assistiram filmes, produziram textos e uma peça teatral a partir da leitura do Segundo 2

3 Tratado sobre o Governo Civil (LOCKE, 2005) e A Democracia na América (TOCQUEVILLE, 2005). A literatura contemporânea sobre o tema como a História dos Estados Unidos em muito contribuiu para que os objetivos propostos fossem alcançados (KARNAL, 2007). John Locke torna-se um dos autores clássicos do liberalismo político ao propor a articulação de temas fundamentais, como a igualdade natural dos homens, a defesa do regime representativo e a exigência da limitação da soberania baseada na defesa dos direitos subjetivos dos indivíduos. Os princípios fundamentais desta teoria incluem a liberdade natural e a igualdade dos seres humanos, o direito dos indivíduos à vida, à liberdade e à propriedade, o governo pelo consentimento, o governo limitado, a supremacia da lei, a separação dos poderes, a supremacia da sociedade sobre o governo, o direito à revolução. O princípio do governo pelo consentimento, com finalidade e poder limitados, é o fundamento do constitucionalismo liberal. O Segundo Tratado Sobre o Governo Civil é considerado uma expressão clássica das idéias políticas liberais. Sobre o estado de natureza, LOCKE (2005, p. 84) afirma: o homem desfruta de uma liberdade total de dispor de si mesmo ou de seus bens, mas não de destruir a sua própria pessoa, nem qualquer criatura que se encontre sob a sua posse, salvo se assim o exigisse um objetivo mais nobre que a sua conservação. O estado de natureza é regido por um direito natural que se impõe a todos, e com respeito à razão, que é este direito, toda a humanidade aprende que, sendo todos iguais e independentes, ninguém deve lesar o outro em sua vida, sua saúde, sua liberdade ou seus bens; todos os homens são obra de um único Criador todo poderoso e infinitamente sábio, todos servindo a um único senhor soberano, enviados ao mundo por sua ordem e a seu serviço; são portanto sua propriedade, daquele que os fez e os destinou a durar segundo sua vontade e de mais ninguém. Alexis de Tocqueville se consagra como cientista político ao escrever A Democracia na América. O autor analisa praticamente todos os aspectos da vida política dos Estados Unidos da América, vendo na escravidão a maior ameaça à democracia americana. Nos estados em que já fora abolida, Tocqueville identifica graves problemas ante a necessidade de superação do 3

4 preconceito, pois o negro é livre, mas não pode partilhar dos direitos, nem dos prazeres, nem das formas de trabalho e nem da sepultura do branco, a quem foi declarado igual. Na segunda parte, ele trata da influência da democracia no movimento intelectual, nos sentimentos dos americanos, sobre os usos e costumes e sobre a sociedade política. Tocqueville descreve: Quanto aos negros libertos e aos que nascem depois da abolição da escravatura, estes não deixam o Norte pelo Sul, mas se encontram diante dos europeus numa posição análoga à dos indígenas; permanecem semicivilizados e privados de direitos no meio de uma população que lhes é infinitamente superior em riquezas e em luzes; estão expostos à tirania das leis e à intolerância dos costumes. Mais infelizes, sob certo aspecto, do que os índios, tem contra si as lembranças da escravidão e não podem reclamar a posse de um só pedaço de terra; muitos sucumbem à miséria; os demais se concentram nas cidades, onde, encarregando-se dos mais grosseiros trabalhos, levam uma existência precária e miserável. (TOCQUEVILLE, 2005, p. 406) A História dos Estados Unidos das origens ao século XXI, de Leandro Karnal e alguns especialistas no tema, descreve a história daquele país desde período colonial até os dias atuais, numa linguagem simples e de fácil compreensão, uma vez que, este trabalho tem por objetivo que os alunos do 2º ano do Ensino Médio compreendam as idéias liberais e democráticas efetivadas nos Estados Unidos e as suas contradições internas e externas. Ao tratar do movimento pela Independência das Treze Colônias Inglesas na América no Norte e a influência do pensamento iluminista sobre as colônias ibéricas na luta pela independência, KARNAL (1990, p. 80) faz as seguintes considerações: O movimento pela independência debilita a Inglaterra, estimula a Revolução Francesa e acaba servindo de modelo para as outras colônias americanas que, em poucos anos, passarão a proclamar sua independência. Como vimos os EUA demonstraram pela primeira vez ser possível romper com o Pacto Colonial e mostraram como é benéfico para uma colônia separar-se da metrópole. Seu grande desenvolvimento econômico no século XIX, reforçava a idéia de que os EUA eram o padrão que o resto da América deveria seguir. 4

5 Os alunos do 2º ano puderam perceber por meio da implementação em sala de aula do Projeto PDE 2007, A Democracia na América, a importância da leitura no aprendizado da História. Foi-lhes proposto responder as seguintes questões: a) De que forma os fundamentos liberais e democráticos transformam as relações políticas, sociais, econômicas e culturais nos Estados Unidos, nos séculos XVIII e XIX? b) Quais os fundamentos liberais idealizados por Locke aparecem na Declaração de Independência dos EUA e na Constituição de 1787? c) Como os EUA serviram de exemplo para as colônias ibéricas que desejavam sua independência? A implementação na escola do OAC, A Democracia na América teve por objetivo aprofundar o conhecimento dos alunos sobre o pensamento liberal e democrático que se efetivou nos EUA nos séculos XVIII e XIX, que influenciou o processo de independência dos outros países da América e contribuiu para a elaboração de um modelo constitucional. 1. Estados Unidos: da colonização ao período pós independência As democracias liberais surgiram a partir das relações burguesas que, nos séculos XVIII e XIX, sacudiram a Europa e os Estados Unidos. Acontecimentos como a Independência das Treze Colônias Inglesas na América do Norte (1776), a Revolução Francesa (1789) e as revoluções européias de 1848 destronaram o absolutismo, descartaram a herança feudal, reduziram o poder da Igreja Católica, aprofundando a separação da Igreja e do Estado. A burguesia, fortalecida com o desenvolvimento do capitalismo, liderava essas revoluções que começavam a estabelecer conceitos de cidadania, representação política e voto, além de consolidarem a liberdade econômica. A palavra liberalismo foi incorporada ao vocabulário político após a 5

6 Revolução Francesa. Segundo Walter Santos Júnior, em Democracia: governo de muitos: [...] essa doutrina, elaborada por pensadores do século XVII, principalmente por John Locke, teve influência marcante nas transformações políticas do século XVIII, por exemplo: no processo de Independência dos Estados Unidos e na elaboração da Constituição de Como teoria econômica, ela se opõe ao mercantilismo e se relaciona com o desenvolvimento do capitalismo, com o estabelecimento da democracia e o fortalecimento de novas classes sociais surgidas com a Revolução Industrial. No século XVIII a história das Treze Colônias Inglesas na América do Norte sofre o impacto de uma sucessão de guerras européias e dos seus reflexos na América. Concentrando possessões territoriais espanholas, francesas e inglesas, a América do Norte era um palco propício aos desentendimentos entre as metrópoles. O processo de Independência das Treze Colônias foi desencadeado com o fim da Guerra dos Sete Anos ( ) entre a Inglaterra e a França. A Inglaterra, embora vitoriosa, saiu da guerra com a sua economia abalada devido às despesas militares com a guerra e em decorrência dela: A Guerra dos Sete Anos estabelecera uma maior presença militar sobre as colônias. A Coroa decidiu manter um exército regular nas colônias, a um custo anual de 400 mil libras por ano. Para o sustento deste exército, os colonos passaram a ver aumentada a sua carga de impostos. Situação desagradável para os colonos: pagar por um exército que, a rigor, estava ali para policiá-los. (KARNAL, 1990, p. 57) A Inglaterra quis apertar os laços de dominação sobre as Treze Colônias para recuperar a sua economia. A elite colonial não aceitou a exploração que os ingleses quiseram impor. O conflito de interesses entre os colonos americanos e as autoridades britânicas existiu desde a colonização. Fugindo das perseguições religiosas e das dificuldades econômicas, comunidades inteiras de protestantes puritanos emigraram no navio Mayflower, sonhando em construir na América, uma sociedade independente e autônoma. Os ideais de autonomia se destacaram nas colônias do Norte e do Centro. 6

7 As colônias do Norte e do Centro desenvolviam uma produção agrícola baseada na pequena e média propriedade rural onde predominava a policultura. O clima dessa região favorecia uma produção agrícola semelhante à européia, por isso, seus produtos não interessavam ao comércio de exportação para a metrópole. A produção agrícola estava voltada para o consumo interno. O trabalho era familiar, livre, assalariado ou servil temporário. Os colonos do Norte produziam milho, sobreviviam da pesca, da venda de peles e fabricavam navios utilizados no comércio triangular. O comércio triangular pode ser descrito, simplificadamente, como a compra de cana e melado das Antilhas, que seriam transformados em rum. A bebida obtinha fáceis mercados na África, para onde era levada por navios da Nova Inglaterra e trocada, usualmente, por escravos. Esses escravos eram levados para serem vendidos nas fazendas das Antilhas ou nas colônias do Sul. (KARNAL, 2007, p. 56) As colônias do Sul, ao contrário, desenvolviam uma produção agrícola voltada para o mercado externo. Predominava a grande propriedade rural (latifúndio) e o uso da mão-de-obra escrava negra. Situadas em uma região de clima quente, especializaram-se em produtos tropicais de exportação que correspondiam aos interesses comerciais ingleses, cultivavam tabaco e algodão. As colônias do Sul eram conservadoras e não concordavam em romper com a Inglaterra. Durante o processo de Independência cederam às pressões da burguesia liberal representante das colônias do Norte e aderiram ao movimento. Na segunda metade do século XVIII, a Inglaterra aprovou uma série de leis que aprofundaram a dominação colonial e provocaram o descontentamento da burguesia americana. A Lei do Açúcar (1764) reduziu de seis para três pences o imposto sobre o melaço estrangeiro, mas estabeleceu impostos adicionais sobre o açúcar, os artigos de luxo, vinhos, café, seda e roupas brancas. O que provocou o descontentamento dos colonos não foi tanto a Lei do Açúcar, mas a insistência da Inglaterra em fazê-la cumprir. Essa lei procurava impedir que os colonos da América comprassem o melaço para o comércio triangular de quem vendesse o produto por preço menor, uma vez que as localidades fornecedoras 7

8 escolhidas nem sempre foram as ilhas inglesas do Caribe. As colônias inglesas também compraram das possessões territoriais francesas. A Lei da Moeda (1764) proibiu a emissão de papéis de crédito na colônia. No mesmo ano, foi aprovada a Lei dos Alojamentos ou da Hospedagem que determinou que os colonos deveriam abrigar os soldados ingleses na América e dar-lhes de comer. A Lei do Selo (1765) estabeleceu que todos os contratos, jornais, cartazes e documentos públicos fossem taxados. A Resistência organizada dos colonos as leis mercantilistas, tornou-se evidente. Foi convocado o Congresso da Lei do Selo. Os representantes das colônias redigiram a Declaração dos Direitos e das Reivindicações. Esse documento representou a expressão dos sentimentos dos colonos, nele juraram lealdade ao rei Jorge III, mas exigiram que os colonos tivessem os mesmos direitos que os ingleses na metrópole. Relembraram uma tradição que tem suas origens nas idéias de John Locke, que nenhuma lei poderia ser válida sem uma representação dos colonos na Câmara dos Comuns. Por fim, os colonos pediram que as leis que restringiram o comércio fossem revogadas. A Inglaterra revogou as leis, mas voltou a se impor de forma agressiva e dominadora sobre as colônias. A Lei do Chá (1773) provocou novos protestos e novas declarações dos colonos a respeito das práticas abusivas do governo inglês na América. A Inglaterra para recuperar a Companhia das Índias Orientais da falência, concedeu-lhe o monopólio da venda do chá para as colônias inglesas. Os colonos conservaram o hábito inglês de tomar chá com muita freqüência. O preço baixo da bebida tornou-a popular, mas, o monopólio da Companhia faria os preços aumentarem. Revoltados com a concessão, colonos disfarçados de índios, cercaram navios atracados no porto de Boston e atiraram o chá ao mar em sinal de protesto. A reação do Parlamento Inglês foi enérgica. Para conter o clima de revolta que se alastrou pelas colônias, a Inglaterra adotou duras medidas que ficaram conhecidas como Leis Intoleráveis (1774). Essas leis impuseram o fechamento do Porto de Boston e autorizaram o governo colonial inglês a julgar e punir com rigor todos os colonos que se posicionaram contra a dominação inglesa. A continuidade das medidas inglesas para as Treze Colônias levou os colonos a organizarem o Congresso Continental da Filadélfia (1774) que contou com a participação de representantes de quase todas as colônias, menos da Geórgia. Nesse congresso foi elaborado um documento de 8

9 protestos para ser enviado ao rei Jorge III. O texto do documento era moderado porque os ideais de ruptura com a Inglaterra ainda não eram um consenso. Os colonos concluíram o documento com uma afirmação de lealdade ao rei. A elite colonial conservadora expressou a influência do pensamento liberal de John Locke ao redigir o documento enviado ao governo inglês. A Inglaterra não estava disposta a fazer concessões. O choque entre o governo inglês e burguesia colonial tornou-se inevitável. A luta pela Independência foi a opção escolhida pelos colonos para se livrarem da dominação inglesa. As primeiras batalhas da guerra pela independência americana em Lexington e Concord (1775). Na Batalha de Lexington, em 19 de abril de 1775, as tropas inglesas sob o comando do general Thomas Gage tentaram destruir um depósito de armas controlado pelos colonos americanos. As tropas coloniais semi-improvisadas resistiram aos ataques do exército inglês fortemente armado. Em maio de 1775 realizou-se o Segundo Congresso da Filadélfia, que convocou os cidadãos às armas e nomeou George Washington comandante das tropas coloniais. Inicialmente, esse Congresso possibilitou a renovação dos protestos dos colonos junto ao rei inglês. Segundo Cotrim (1997, p. 244) no plano filosófico a independência americana foi influenciada pelas idéias iluministas de liberdade, justiça e combate à opressão política. Essas idéias foram pregadas nas colônias por homens como Thomas Paine e John Adams. Thomas Paine adquiriu fama de escritor radical, contrário à escravidão e defensor da independência das Treze Colônias. A 10 de janeiro de 1776, o folheto Senso Comum (Common Sense) escrito por Paine, chega às livrarias da Filadélfia, em meio às agitações políticas. O folheto divulgado como anônimo, teve uma importância muito grande enquanto meio de divulgação do pensamento iluminista. Suas informações foram espalhadas rapidamente pelas colônias. Paine escreveu sobre a separação das Treze Colônias dominadas pela Inglaterra e atribuiu ao rei todos os males das colônias. No dia 4 de julho de 1776, surgiu a Declaração de Independência dos EUA que propôs a formação de um governo fundamentado nos pressupostos do iluminismo. Constituiu-se como um marco histórico e referencial desta forma de pensamento ao afirmar a liberdade como um valor fundamental e a democracia como expressão de liberdade. A Declaração de Independência dos Estados Unidos (1776) afirma: 9

10 Consideramos estas verdades como evidentes por si mesmas, que todos os homens são criados iguais, dotados pelo criador de certos direitos inalienáveis, que entre estes estão a vida, a liberdade e a procura da felicidade. Que a fim de assegurar esses direitos, governos são instituídos entre os homens, derivando seus justos poderes do consentimento dos seus governados; que sempre que qualquer forma de governo se torne destrutiva de tais fins, cabe ao povo o direito de alterá-la ou aboli-la e instituir um novo governo, baseando-se em tais princípios e organizando-lhe os poderes pela forma que lhes pareça mais conveniente para realizar-lhe a segurança e a felicidade. (Trecho da Declaração de Independência dos EUA, 1787) A luta pela Independência das Treze Colônias pode ser dividida em duas etapas marcadas por confrontos sangrentos. Na primeira etapa ( ) as tropas coloniais lutaram praticamente sozinhas contra as forças inglesas. Durante a segunda etapa ( ) as tropas americanas contaram com a ajuda financeira e militar da França, Espanha e Holanda. O último exército inglês foi derrotado no dia 19 de abril de Somente em 1783, é que a Inglaterra reconheceu a Independência das Treze Colônias perante as outras nações. Em 1782, foi criado o Grande Selo dos Estados Unidos que hoje se encontra impresso na nota de um dólar. Segundo Campbell (19XX, p. X), o Grande Selo simboliza os ideais filosóficos que permitiram a formação dos Estados Unidos, quando as Treze Colônias ainda distintas decidiram agir no interesse comum sem desconsiderar os interesses particulares de cada uma delas. No verso há uma pirâmide que tem quatro lados que representam os pontos cardeais. Localizando-se na parte baixa da pirâmide, você pode estar de um lado ou de outro. Quando você estiver no topo, os pontos se reúnem e o olho de Deus se abre. Para os colonos ingleses era o deus da razão. Os Estados Unidos foi a primeira nação do mundo que surgiu sob os fundamentos da razão, não sob o espírito guerreiro. Todos os homens são dotados de razão que os torna capazes de compreender Deus sem que haja a necessidade de revelações especiais. A razão é o princípio da democracia. O símbolo é mitológico. O interessante é que o número de linhas da pirâmide do Grande Selo é 13. Na parte inferior se lê 1776, em algarismos romanos, se somarmos estes números, temos 21, a 10

11 idade da razão. Os habitantes das Treze Colônias tinham consciência que o número 13, é o número da ressurreição, do renascimento e da vida nova. Há duas inscrições na pirâmide, acima, Ele sorriu para as nossas realizações e, abaixo, Nova ordem do mundo. Atrás da pirâmide se vê um deserto e para a frente existem plantas crescendo. A Europa é representada pelo deserto, resultante das guerras e da destruição. As plantas representam o florescimento de uma nova vida para os americanos. A Águia de cabeça branca aparece de um lado da cédula e representa o princípio encarnado da deidade. O pássaro olha na direção dos louros que representam as boas relações diplomáticas, mas tem as flechas na outra garra, pois mediante o fracasso da diplomacia, entra em cena o uso da força. Sobre a cabeça há treze estrelas com o formato de estrelas de Davi. A Águia figura como símbolo oficial dos Estados Unidos e, desde julho de 1782, ela tem sido utilizada em selos do país e nos selos postais, sempre que se pretende simbolizar a idéia de nação. No Grande Selo, há dois triângulos interligados, como no Selo de Salomão, onde se vê Treze Estados que deram origem aos Estados Unidos, seis ápices, uma acima, um abaixo, e quatro orientados nas quatro direções. Os triângulos interligados significam que a palavra criadora deve ser ouvida de cima para baixo, ou de qualquer ponto cardeal, essa é a grande tese da democracia. Os Estados Unidos foi a primeira nação a se tornar independente nas Américas e criou a primeira constituição sob a influência dos ideais liberais e democráticos. A constituição dos Estados Unidos, proclamada em 17 de setembro de 1787, defendia a prática da cidadania, o livre exercício dos direitos políticos e civis através de normas que garantam a liberdade de expressão, de imprensa, de crença religiosa, de reunião; a inviolabilidade do domicílio; o direito a julgamento, ninguém podia ser preso e condenado sem passar pelo processo judicial. Os Estados Unidos tornaram-se uma república federativa. A Constituição previa a tripartição dos poderes em executivo (administração), legislativo (elaboração das leis) e judiciário (aplicação da justiça). O poder executivo seria exercido pelo presidente da república eleito para um mandato de quatro anos. O presidente ficaria responsável pela harmonia da federação e pela política externa. O poder legislativo era exercido pelo congresso, que se dividia em câmara dos representantes (parlamentares eleitos pelo voto popular, com mandato de dois anos) e senado (parlamentares eleitos pelo voto popular 11

12 para um mandato de seis anos). O poder judiciário comandado pela Suprema Corte, tinha como função garantir o cumprimento das normas da Constituição. John Locke ( ), segundo Michaud, se empenhou em defender o ideal de liberdade em sua origem, mas não de acordo com o estado de natureza em si, mas aplicada a uma sociedade civil composta de outros iguais. A forma de governo defendida por Locke deveria levar em conta os limites de governar a favor de um bem comum. Os homens delegariam o governo a um homem, que sozinho poderia cometer alguns abusos. Para que isso não acontecesse, deveria regulamentar o seu poder através de um conjunto de leis estabelecidas por pessoas designadas para tal fim. No Segundo Tratado Sobre o Governo Civil, John Locke afirma que não existe direito divino ou herdado por Deus. Sobre o estado de natureza, ele afirma: O estado de natureza pressupõe igualdade, assim todos serão iguais na condição de punir ou serem punidos, de matar ou cometer crimes, para isso não se transforme em anarquia, os homens necessitam de regras. Por essa razão afirma ainda: O homem é livre, senhor absoluto de sua própria pessoa e de seus bens. Porque renunciaria a sua liberdade a outro poder? Embora livre, ele está exposto a invasões de outros. Por isso, o objetivo principal da união dos homens em comunidades sociais e de sua submissão a governos é a preservação da propriedade. Os homens se unem em sociedade, a maioria detém naturalmente todo o poder comunitário, que ela pode utilizar para de tempos em tempos fazer leis para a comunidade e, para providenciar o cumprimento destas leis por funcionários por ela nomeados, neste caso, a forma de governo é uma democracia perfeita. Comunidade social não é democracia ou qualquer forma de governo, mas uma comunidade independente. Outras influências se registraram igualmente nos Estados Unidos após a Independência. No século XVIII, particularmente por influência de Adam Smith ( ), as noções de liberdade e individualismo adquiriram novos significados, ficando a atividade política subordinada à economia: as leis naturais que sustentavam a idéia de liberdade individual passaram a ser entendidas como sujeitas às leis de produção e troca de mercadorias. Segundo Adam Smith (1996) a opulência de uma nação era tanto maior quanto mais 12

13 dividido fosse o trabalho, portanto, a riqueza de um país encontra-se na sua organização social. Ele afirmou que era preciso destruir os regulamentos corporativos para instaurar uma maior divisão do trabalho e, com isso, aumentar a riqueza de uma nação. Desse modo, a liberdade passou a ser proclamada para [...] sucumbir à velha ordem social e instaurar uma nova ordem. A velha sociedade fundamentava-se na desigualdade, a nova instaurada sobre a decadência da anterior, fundamentou-se em dois pilares: liberdade e igualdade. Tinha-se a impressão que o desenvolvimento das Treze Colônias estaria sempre vinculado a sustentação da Inglaterra. Entre as colônias e a metrópole havia uma sólida relação comercial, de forma que as matériasprimas necessárias para as manufaturas inglesas fossem garantidas. O grande problema foi que os imigrantes ingleses levaram o conhecimento manufatureiro para as colônias. As Treze Colônias foram conquistando autonomia econômica sem depender dos produtos manufaturados da Inglaterra. Segundo Dewey (1970), um dos principais defensores da doutrina laissez faire, laissez passer, foi Adam Smith, porque afirmava que a atividade dos indivíduos libertos, tanto quanto possível de retribuições políticas, era a principal fonte de bem estar social e a fonte última de progresso social. Após a independência, as Treze Colônias passaram a formar um novo Estado, sob o regime de República Federativa e iniciaram um processo expansionista pelo continente através da anexação, da ocupação e da compra de territórios. Os ex-colonos motivados pela Doutrina Monroe que tinha como lema: América para os americanos, conseguiram expandir os territórios dos Estados Unidos. O resultado desse processo foi exposto por Arruda (1997, p. 219), que apresentava os seguintes dados: [...] o país ficou com 7 milhões e 800 mil Km 2. Dos 23 estados em 1820, o país passou a ter 33, em 1860; e a população aumentou de 9 milhões para 31 milhões de habitantes. Esse aumento ocorreu devido a imigração entre 1830 e Ao mesmo tempo que ocorria a expansão territorial e o aumento populacional, ocorreria também, um intenso processo de industrialização. No final do século XIX, os EUA haviam alcançado um grande desenvolvimento industrial, suas fábricas tinham se multiplicado e a capacidade de produção cresceu. De acordo com Galeno (1989, p. 211) [...] os Estados Unidos era a primeira potência industrial do mundo, o centro do 13

14 universo capitalista começava a mudar de lugar. A produção de carvão norteamericano era duas vezes maior que a inglesa de aço e as vias férreas eram nove vezes mais extensas. O grande desenvolvimento industrial passou a ser concebido como sinônimo de progresso, porque reduzia o número de desempregados e aumentava a possibilidade de ascensão econômica. Como a primeira nação do continente americano a romper dependência colonial, os Estados Unidos tornaram-se tão fortes que passaram a impor seus interesses econômicos às outras nações. Agiram bloqueando o autêntico processo de independência das demais nações, aprisionando-as à sua área de influência política e econômica. A mensagem iluminista presente na Declaração de Independência dos Estados Unidos expõe valores que se efetivam na atualidade. Noções de liberdade, democracia, direitos humanos e justiça são bandeiras defendidas por muitas pessoas em todo o mundo. No entanto, segundo Cotrim (1997, p. 247) há uma dupla face no processo histórico posterior à independência das Treze Colônias Inglesas. No plano interno, a independência não significou a liberdade de todos os indivíduos que viviam nos Estados Unidos. A escravidão negra foi mantida, e sua abolição só ocorreria por meio da Guerra de Secessão ( ). No plano externo, os Estados Unidos sempre procuraram se apresentar como defensores da democracia e da liberdade mundial. No entanto, foram assumindo, na prática, uma política imperialista de dominação, que representava a negação dos valores que defendiam. 2. O Objeto de Aprendizagem Colaborativa A Democracia na América e sua implementação na escola. A implementação do material didático A Democracia na América ocorreu no primeiro, segundo e terceiro bimestres no segundo ano do Ensino Médio, do Colégio Estadual do Jardim Independência, em Sarandi (PR). A turma do segundo ano foi dividida em três grupos de 15 alunos. Cada grupo fez a leitura de um livro diferente. Três referências bibliográficas foram indicadas: o Segundo Tratado sobre o Governo Civil (Locke, 2005), A Democracia na América (Tocqueville, 2005) e A História dos Estados Unidos das origens ao Século XXI, (KARNAL, 2007). Por meio da leitura, das reflexões, dos debates e das aulas sobre o tema, os alunos puderam conhecer 14

Cap. 12- Independência dos EUA

Cap. 12- Independência dos EUA Cap. 12- Independência dos EUA 1. Situação das 13 Colônias até meados do séc. XVIII A. As colônias inglesas da América do Norte (especialmente as do centro e norte) desfrutavam da negligência salutar.

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Habilidades: Compreender o processo de independência Norte Americana dentro do contexto das ideias iluministas. Yankee Doodle 1 Causas Altos impostos cobrados

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX.

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Aula 13 Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Nesta aula iremos tratar da formação dos Estados Unidos da América. Primeiramente o processo de independência dos Estados Unidos, em seguida, o processo de expansão

Leia mais

Independência dos EUA. Colégio Marista Rosário Professora: Adriana Moraes - História

Independência dos EUA. Colégio Marista Rosário Professora: Adriana Moraes - História Independência dos EUA Colégio Marista Rosário Professora: Adriana Moraes - História Considerada a primeira revolução americana (a segunda foi a Guerra de Secessão, também nos Estados Unidos); considerada

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

Estados Unidos da América. Aula I Da colonização ao século XIX

Estados Unidos da América. Aula I Da colonização ao século XIX Estados Unidos da América Aula I Da colonização ao século XIX As Teorias: Corrente asiática Estreito de Bering (beríngia). Malaio Polinésia Corrente australiana Ocupação do Continente Americano: Principais

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA http://www.youtube.com/watch?v=lmkdijrznjo Considerações sobre a independência -Revolução racional científica do

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

REVOLUÇÃO AMERICANA (1776-1781) - LISTA DE EXERCÍCIOS

REVOLUÇÃO AMERICANA (1776-1781) - LISTA DE EXERCÍCIOS 1. (Upe 2014) A passagem do século XVIII para o XIX foi marcada por um desequilíbrio nas relações entre a Europa e o Novo Mundo. As lutas políticas na América estavam ligadas à resistência contra a colonização

Leia mais

Em 1776 nascia a primeira nação livre das Américas, os Estados Unidos da América, antigas colônias inglesas.

Em 1776 nascia a primeira nação livre das Américas, os Estados Unidos da América, antigas colônias inglesas. IDADE MODERNA Revolução Americana Os cinquenta anos que se passam entre o final do século XVIII e o início do século XIX foram decisivos para o continente americano. Foi nessa época que as ideias iluministas

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo rivalidades e divergências

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA DHI HISTÓRIA DA AMÉRICA II Prof.º Halyson Oliveira 2014.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA DHI HISTÓRIA DA AMÉRICA II Prof.º Halyson Oliveira 2014. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA DHI HISTÓRIA DA AMÉRICA II Prof.º Halyson Oliveira 2014.2 O PROCESSO DE INDEPEDÊNCIA DAS 13 COLÔNIAS KARNAL, Leandro. O processo

Leia mais

4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL

4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL 4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL A Revolução Americana é um movimento de ampla base popular, a burguesia foi quem levou esta revolução avante. O terceiro estado (povo e burguesia) conseguiu a independência

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA. O processo de formação dos EUA

A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA. O processo de formação dos EUA A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA O processo de formação dos EUA Inglaterra X Portugal e Espanha A incursão dos ingleses no processo de colonização do continente americano conta com determinadas particularidades

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA 2ª Série Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

A CRISE DO ANTIGO REGIME A INDEPENDÊNCIA DOS EUA. A Independência dos EUA

A CRISE DO ANTIGO REGIME A INDEPENDÊNCIA DOS EUA. A Independência dos EUA A Independência dos EUA Definição: Movimento que inspirado nos princípios iluministas determinou o fim do domínio da Inglaterra sobre as chamadas 13 colônias americanas (atualmente EUA); que teve início

Leia mais

GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo

GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo rivalidades e divergências entre o Norte e o Sul dos EUA (

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa 1 A Revolução Francesa representou uma ruptura da ordem política (o Antigo Regime) e sua proposta social desencadeou a) a concentração do poder nas mãos

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA

Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA 1. (Enem) É verdade que nas democracias o povo parece fazer o que quer, mas a liberdade política não consiste nisso. Deve-se ter sempre presente em mente

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

A ideia de constituição

A ideia de constituição A ideia de constituição A Revolução Federal Filosofia politica e debate constitucional na fundação dos E.U.A Viriato Soromenho-Marques II Capítulo; pág.41 Apresentação de Rojer Rafael Tomás Soares Nº 36267

Leia mais

A Revolução Francesa (1789-1799)

A Revolução Francesa (1789-1799) A Revolução Francesa (1789-1799) Origens da Revolução Francesa Crise Econômica A agricultura, ainda submetida ao feudalismo, entrava em colapso. As velhas técnicas de produção e a servidão no campo criavam

Leia mais

As questões acerca da Independência dos Estados Unidos da América e da ratificação da primeira Constituição Nacional Norte-Americana

As questões acerca da Independência dos Estados Unidos da América e da ratificação da primeira Constituição Nacional Norte-Americana As questões acerca da Independência dos Estados Unidos da América e da ratificação da primeira Constituição Nacional Norte-Americana Por Thiago Monteiro, Estevão Balado e Rodrigo Pereira Por conta das

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Colonização da América do Norte Formação dos Estados Unidos

Colonização da América do Norte Formação dos Estados Unidos Colonização da América do Norte Formação dos Estados Unidos A ocupação da América do Norte foi marcada por intensos conflitos entre ingleses e indígenas da região. Duas companhias de comércio foram autorizadas

Leia mais

A GUERRA DE SECESSÃO UM OLHAR SOBRE A ESCRAVIDÃO

A GUERRA DE SECESSÃO UM OLHAR SOBRE A ESCRAVIDÃO A GUERRA DE SECESSÃO UM OLHAR SOBRE A ESCRAVIDÃO HISTÓRICO O O sul, de clima seco e quente permaneceu no séc. XIX atrasado com uma economia agroexportadora de algodão e de tabaco, baseada no latifúndio

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade.

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. 1789 Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. Influência: Iluminista. DIVISÃO SOCIAL 1º

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia 1 Conteúdos selecionados: Nome: nº Recuperação Final de História Profª Patrícia Lista de atividades 8º ano Apostila 1: O Absolutismo; Revoluções Inglesas e colonização da América do Norte Apostila 2: Revolução

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o :. Leia os textos e responda às questões e. Texto Na Grécia Antiga, Aristóteles (384 a.c.-3 a.c.) já defendia a ideia de que o Universo

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

Do estado de natureza ao governo civil em John Locke

Do estado de natureza ao governo civil em John Locke Adyr Garcia Ferreira Netto 1 Resumo No estado de natureza, situação em que segundo a doutrina contratualista o homem ainda não instituiu o governo civil, John Locke entende que os indivíduos são iguais,

Leia mais

EUA NO SÉC. XIX 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE:

EUA NO SÉC. XIX 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE: 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE: 1) Combate às políticas de recolonização do continente americano; 2) Aproximação com a América Latina; defesa do não-intervencionismo europeu na América como expressão

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Contexto Crise do Antigo Regime Questionamento dos privilégios do Clero

Leia mais

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789)

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789) Profª.: Lygia Mânica Costa 7ª série do E. Fundamental Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final A Revolução Francesa (14/07/1789) A situação social era grave e o nível de insatisfação

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

Equipe de História HISTÓRIA. Exercícios

Equipe de História HISTÓRIA. Exercícios Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 9R Ensino Médio Equipe de História Data: HISTÓRIA ESTADOS UNIDOS Exercícios 1. A expansão dos Estados Unidos em direção ao oeste, na primeira metade do século XIX,

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. 25 de janeiro de 1835, ao amanhecer o dia na cidade de Salvador, 600 negros entre libertos e escravos levantaram-se decididos

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O 1 - INTRODÇÃO 1789 a Bastilha (prisão) foi invadida pela população marca

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

Os movimentos de libertação colonial

Os movimentos de libertação colonial Os movimentos de libertação colonial Fatores determinantes Em fins do século XVIII, iniciaram-se os movimentos que tinham como objetivo libertar a colônia do domínio econômico português. Deste momento

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2º Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 8 Ano Prof.: TONHAO Disciplina HISTÓRIA Aluno (a):. No.

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 8 Ano Prof.: TONHAO Disciplina HISTÓRIA Aluno (a):. No. Orientações: -Responder manuscrito; -Cópias de colegas, entrega com atraso, letra ilegível, deixar de responder alguma questão e o não cumprimento de orientações passadas pelo professor, acarretará no

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

HISTÓRIA - 3 o ANO MÓDULO 42 REVOLUÇÃO AMERICANA DE 1776

HISTÓRIA - 3 o ANO MÓDULO 42 REVOLUÇÃO AMERICANA DE 1776 HISTÓRIA - 3 o ANO MÓDULO 42 REVOLUÇÃO AMERICANA DE 1776 Como pode cair no enem Na democracia estado unidense, os cidadãos são incluídos na sociedade pelo exercício pleno dos direitos políticos e também

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO A FORMAÇÃO DO CURRÍCULO DA REDE O solicitou-nos uma base para colocar em discussão com os professores de história da rede de São Roque. O ponto de partida foi a grade curricular formulada em 2008 pelos

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome: Nº 2 a. Série Data: / /2015 Professores: Gabriel e Marcelo Nota: (valor: 1,0) 3º bimestre de 2015 A - Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império Introdução aos estudos de História - fontes históricas - periodização Pré-história - geral - Brasil As Civilizações da Antiguidade 1º ano Introdução Capítulo 1: Todos os itens Capítulo 2: Todos os itens

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

Período pré-colonial

Período pré-colonial CHILE Período pré-colonial O navegador português Fernão de Magalhães, a serviço do rei da Espanha, foi o primeiro europeu a visitar a região que hoje é chamada de Chile. Os mapuches, grande tribo indígena

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais Autor(a): João Corcino Neto Coautor(es): Suzana Ferreira Paulino Email: jcn1807iop@gmail.com Introdução As relações comerciais entre

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS REVOLUÇÃO AMERICANA

LISTA DE EXERCÍCIOS REVOLUÇÃO AMERICANA 1. (Pucrj 2013) As transformações ocorridas nas Américas durante a Era das Revoluções Atlânticas estiveram marcadas por dois grandes eventos, ambos igualmente radicais: (a) a Revolução Americana, que,

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense.

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense. Objetivos: - ANALISAR as relações entre a Monarquia inglesa e o Parlamento durante a Dinastia Stuart. - IDENTIICAR as principais etapas do processo revolucionário inglês. - INERIR o amplo alcance das lutas

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

03. O que foi o Bloqueio Continental? 04. Qual o interesse de Napoleão Bonaparte em estabelecer esse Bloqueio?

03. O que foi o Bloqueio Continental? 04. Qual o interesse de Napoleão Bonaparte em estabelecer esse Bloqueio? Pré Universitário Uni-Anhanguera Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 2ª. Disciplina: História (p2,1ª,chamada, 3º. Bimestre) prova dia 26 setembro de 2015.

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere.

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. Revisão Específicas 1. (FUVEST) Observe esta charge: a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. b) Explique quais são os principais elementos do desenho que permitem identificar

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais