AUDITANDO UM SISTEMA DE MEDIÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUDITANDO UM SISTEMA DE MEDIÇÃO"

Transcrição

1 AUDITANDO UM SISTEMA DE MEDIÇÃO Bernardino Coelho da Silva 1 or não ser um tema de domínio de todos, ainda é muito comum percebermos certa dificuldade dos Auditores na condução de avaliação de sistemas de medição. E isto não é restrito aos auditores; mesmo entre o pessoal de processo, falta maior conhecimento para lidar com o assunto. Por isso, conhecer um pouco mais sobre medição e sobre o que é relevante na auditoria de sistemas de medição, dá aos Auditores internos oportunidade para ajudar a empresa a melhorar seu controle de processo. Uma máxima na área de medição diz: o que não pode ser medido, não pode ser controlado. E isto deve ser considerado para a sistematização de uma rotina de auditoria no sistema de medição. Esta auditagem não pode se restringir a verificar se o equipamento está ou não calibrado. É preciso um pouquinho mais. Para isto, vamos tentar clarear alguns conceitos básicos sobre os processos de controle e Calibração de equipamentos de medição, discutindo o que deve ser relevante para se aplicar em uma Auditoria de Sistema. Para início de conversa, é preciso saber quais equipamentos de medição devem ser controlados e calibrados. Nós, que trabalhamos com muitas empresas, percebemos a dificuldade que os gestores da qualidade têm em definir direito esta questão. E não é só pelo entendimento técnico do que deve ou não ser controlado. Muitas vezes, a empresa vê como muito oneroso o custo com calibração e aí, tenta restringir a lista de equipamentos a controlar ao que é mais visível para os Auditores. Mas, voltando à definição de quais equipamentos deve-se controlar para atender à ISO 9001, é bastante entender que: Equipamento de Medição a ser controlado deve ser aquele que afeta ou afere a qualidade do produto Parece simples, mas não é tanto assim. É preciso estudar cada processo e todas as medições e monitoramentos a serem realizados e os respectivos equipamentos de medição a serem utilizados. Ao Auditor cabe verificar se, para toda medição ou monitoramento determinado para evidenciar a conformidade do produto, existe um equipamento ou dispositivo de medição apropriado. Nesta fase, o Auditor deve analisar a documentação referente ao processo e identificar os requisitos de qualidade definidos para 1 Gerente da QTEC Tecnologia Industrial e Comércio Ltda

2 2 o processo ou produto. Aí, é verificar, nas medições necessárias, quais os equipamentos de medição estão sendo utilizados, se a utilização está adequada e se o equipamento de medição está corretamente controlado, Calibrado ou Verificado dentro da periodicidade estabelecida, contra padrões rastreáveis a padrões reconhecidos nacional ou internacionalmente e com a etiqueta de identificação da calibração quando for o caso. É importante entender que o equipamento de medição, nem sempre, precisa ser certificado. Alguns, passam por Verificações rotineiras e isto atende à ISO Por exemplo: um Potenciômetro é verificado e ajustado antes de cada medição através de Solução Tampão certificada e outros equipamentos similares cujas verificações são feitas pelo próprio usuário. Neste caso, o que precisa ser certificado é o Padrão ou Material de Referência utilizado. Verificação, é definida pela ISO 9000 como: Confirmação, por exame e fornecimento de evidência objetiva, do atendimento aos requisitos especificados É importante observar que este processo de Verificação precisa ter registrado o resultado, como evidência objetiva de sua realização. Os demais equipamentos devem ser calibrados 2 e ajustados a intervalos determinados por um Plano de Calibração e ter um Certificado de Calibração ou Laudo de Calibração ou ainda, um Relatório de Calibração. O relevante em tal documento é que ele contenha os Erros e a Incerteza da Medição, além da identificação correta do equipamento calibrado e outros dados previstos em Normas específicas. Calibração é definida pelo VIM (Vocabulário Internacional de Termos Fundamentais e Gerais de Metrologia) como: Conjunto de operações que estabelece, sob condições especificadas, a relação entre os valores indicados por um instrumento de medição ou sistema de medição ou valores representados por uma medida materializada ou um material de referência, e os valores correspondentes das grandezas estabelecidos por padrões. Após o equipamento ser calibrado este deve ter seus pontos de ajuste lacrados para evitar manuseio indevido, o que tornaria a calibração inválida. É importante que o Auditor verifique se os pontos de Calibração lacrados não foram violados. Caso positivo, deve-se emitir uma Não Conformidade para este item. 2 Quando um Equipamento de Medição não puder ser calibrado por algum motivo, só poderá ser mantido em operação caso a área receba autorização formal para isto, o que deve ser aceito pelo Auditor. A Autorização deve ser por escrito e aprovada por pessoa de nível hierárquico superior da área envolvida, atestando que o equipamento pode ter sua data de calibração prorrogada, definir um prazo para a realização da calibração e dar as justificativas cabíveis para o adiamento.

3 3 Não é raro o Operador, acostumado com uma determinada indicação de parâmetro do processo, discordar de um novo valor com a medição calibrada e aí, ir no instrumento e o ajustar para o valor que ele acredita estar mais correto. A violação do lacre também pode ser feita por uma pessoa desavisada ou por uma pessoa da própria manutenção. Em qualquer caso, um Relatório de Não Conformidade deve ser aberto e as providências cabíveis tomadas para identificar a causa fundamental do problema e as ações corretivas para o fato não se repetir. Além disso, o equipamento de medição deve ser considerado não-conforme até ser novamente calibrado. A análise do Certificado de Calibração do equipamento também é de muita importância. Deve-se fazer a avaliação técnica dos resultados apresentados e da apresentação do Certificado. É recomendável que o Certificado de Calibração contenha os seguintes itens: Título do documento Certificado de Calibração ; Nome e endereço da empresa executante da calibração; Identificação única do Certificado (quando houver), com indicação de número de série, de cada página e do número total de páginas, em todas as páginas; Nome do Cliente e, quando apropriado, o endereço; Descrição e identificação clara do item de calibração; Data de recebimento para calibração (opcional) e data da execução; Indicação da Instrução Técnica utilizada na calibração e, caso necessário, referência à norma técnica utilizada ou breve descrição do método utilizado; Condições ambientais sob as quais a calibração foi realizada; Padrões utilizados para a calibração; Resultados quantitativos e qualitativos, em unidades do SI ou por ele aceita; Para instrumentos em unidades diferentes das do SI, deverá ser adotado: Indicação do instrumento expressa nos dois sistemas; Utilização dos fatores de conversão oficialmente adotados no País; Incerteza de medição expressa na mesma unidade do resultado da medição ou em valores relativos (ex.: % ou ppm); Assinatura do técnico responsável pela execução da calibração; Data da emissão do Certificado de Calibração; Declaração que os resultados do Certificado se referem só ao item calibrado; Declaração que o certificado só pode ser reproduzido por inteiro e com aprovação do emitente; Local onde a calibração foi realizada, se diferente do endereço indicado; Observações referentes a quaisquer desvios, adições ou exclusões da especificação normalizada ou método utilizado; Uma declaração sobre o Nível de Confiança para o qual a Incerteza de Medição foi estimada e o correspondente fator de abrangência, por exemplo, na forma A Incerteza Expandida relatada é baseada em uma Incerteza padronizada combinada multiplicada por um Fator de Abrangência k=2, para um Nível de Confiança de aproximadamente 95%.

4 4 Quando faltarem dados/informações que comprometam a confiabilidade dos resultados apresentados, deve-se emitir um Relatório de Não Conformidade para que seja solicitada a correção do Certificado de Calibração ou a emissão de um Certificado de Calibração Complementar. O Certificado de Calibração não deve conter nenhuma recomendação sobre o prazo de validade da Calibração. No caso do Laboratório informar no Certificado a Validade do Certificado ou Data para nova Calibração, deve-se desconsiderar tal informação, pois a determinação de intervalo de Calibração é de competência do Usuário e nunca do Laboratório fornecedor de tal serviço. Os resultados qualitativos e quantitativos, assim como as Incertezas de Medição, devem ser avaliados em relação aos Critérios de aceitação de resultados de calibração definidos. O fluxograma a seguir é uma orientação para o seu processo de avaliação dos resultados: Hora de calibrar Definir Fornecedor Serviço Calibrar Gerar Laudo e Sucatar FIM Certificado recebido Avaliar medições anteriores Solicitar reemissão Certificado N Aceito? S Gerar Não Confor - midade S Em > Tol? Avaliar Desvios N N IM<= EMA/3? Avaliar Incerteza Medição S Cadastrar dados da Calibração Gerar Aceite FIM

5 Com relação ao resultado de Incerteza de Medição 3, informada no Certificado de Calibração, deve-se avaliar a sua aceitação, tomando-se como base de forma geral, o critério de que a Incerteza de Medição deve ser igual ao Erro Máximo Admissível definido para o equipamento dividido por 3, pelo menos. O ideal é que a Incerteza de Medição seja de 3 a 10 vezes melhor que o Erro Máximo Admissível para o equipamento de medição. Com relação aos valores de Erros de Medição declarados no Certificado de Calibração, deve-se avaliar se são compatíveis com o instrumento calibrado (Tolerância do Processo para o qual o mesmo está designado) e, caso não seja, se é possível conviver com os erros declarados. Caso a Calibração, antes do ajuste, indicar desvios acima da tolerância do equipamento, deverá ter sido emitido um Relatório de Não-Conformidade pelo Usuário ou por quem gerencia o sistema de calibração. Com base neste Relatório de Não Conformidade, deverá ser apurado se houve comprometimento de medições anteriores. Se isto não foi feito, o Auditor deve emitir uma Não Conformidade para a área por não estar atendendo á este requisito normativo. Na avaliação do Certificado de Calibração é importante também a Rastreabilidade, que é a cadeia contínua de comparações de uma medição feita por um organismo nacional reconhecido legalmente. Quando não existirem padrões reconhecidos para a Rastreabilidade de um instrumento, deve-se documentar a base utilizada para a Calibração, ou seja, definir um método padrão de Calibração que satisfaça à necessidades da empresa. Rastreabilidade é definida pelo VIM como: Rastreabilidade é a propriedade do resultado de uma medição ou do valor de um padrão estar relacionado a referências estabelecidas, geralmente padrões nacionais ou internacionais, através de uma cadeia contínua de comparações, todas tendo incertezas estabelecidas Poderíamos dizer que a Rastreabilidade pode ser comparada à árvore genealógica de uma família: o Certificado de Calibração correspondente à Certidão de Nascimento e os Padrões utilizados à filiação ou nome dos pais contidos na mesma que, por sua vez, 5 3 A Norma ISO 9001:94, item 4.11, previa que a organização deve conhecer as Incertezas da Medição e isto sempre foi uma causa de dúvida, pois muitas pessoas com isto, deixavam de verificar os Erros da Medição e achavam que apenas a Incerteza deveria ser analisada, comparando-a com a Tolerância do Processo. Na realidade, são os Erros de Medição que devem ser comparados com a tolerância especificada para o processo. O caso mais crítico deve considerar que o maior valor de Erro de Medição mais a Incerteza da Medição não pode ser superior à Tolerância do Processo. A Norma ISO 9001:2000 apenas determina que o equipamento de medição deve ser Calibrado ou Verificado, não delimitando o como fazer e indicando as Normas NBR ISO e para orientação.

6 também possuem suas Certidões de Nascimento. Somente assim, através de uma perfeita amarração entre os Padrões utilizados, poderá se comprovar a origem e a garantia da Calibração contra um ou mais padrões primários. Um instrumento de medição deve ser calibrado contra um outro, definido como Padrão, o qual por sua vez deve estar calibrado contra um terceiro e assim sucessivamente até que o último Padrão seja reconhecido nacional ou internacionalmente. Este Reconhecimento significa que o Padrão foi calibrado pelo organismo que regulamenta a metrologia em âmbito nacional que, no Brasil é o INMETRO Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. Existem também laboratórios que pertencem à RBC Rede Brasileira de Calibração, cujo título é concedido pelo próprio INMETRO. Neste caso, um laboratório pertencente à RBC está autorizado a executar serviços de calibração e, a nível de Rastreabilidade, apenas citar o número do Certificado de Calibração dos seus padrões junto ao INMETRO, juntamente com o selo da RBC. É necessário sempre observar na cadeia de Rastreabilidade a validade dos padrões utilizados na calibração (voltando-se à comparação anterior, a data de nascimento de uma pessoa nunca poderá ser anterior a dos pais). Da mesma forma, a Calibração vencida na data de execução da primeira, romperia a cadeia. É importante também que o Auditor verifique a comprovação documental da Cadeia de Rastreabilidade utilizada na Calibração. Isto significa que o Laboratório que realizou o serviço de Calibração (exceto os da RBC) devem encaminhar com o Certificado de Calibração cópia dos Certificados de Calibração destes Padrões. Isto não é obrigatório, mas é recomendável. A falta não significa uma Não Conformidade mas o Auditor, caso não exista esta documentação, deve recomendar esta prática. Os Laboratórios credenciados pela RBC Rede Brasileira de Calibração, estão desobrigados de encaminhar esta documentação, por recomendação do INMETRO, Mas alguns não se opõem a enviar tais documentos aos Clientes. 6 Na avaliação dos resultados quantitativos, o Auditor deve conhecer o que sejam os Erros de Medição 4 e como é calculada a Incerteza da Medição. Mesmo que as memórias de cálculo da Calibração não estejam disponíveis para conferência, o Auditor deverá fazer a verificação destes resultados. Entretanto, é imprescindível conhecer antes alguns conceitos relacionados com a medição, tanto para embasar a avaliação dos Certificados de Calibração, quanto a avaliação da utilização correta dos equipamentos de medição. 4 Erro de Medição é definido pelo VIM como sendo Resultado de uma medição menos o Valor Verdadeiro Convencional

7 Outro item a ser verificado pelo Auditor é a correta Rotulação do equipamento calibrado. Os equipamentos de medição calibrados deverão estar identificados através de selos de calibração ou registros próprios desta calibração. No caso do Laboratório externo colocar uma etiqueta no equipamento com espaço para inserção de data da próxima calibração, o Responsável pelo gerenciamento da Calibração poderá complementar com este dado, mas isto não é obrigatório. Dependerá do que você definir como procedimento de controle. No caso da calibração ser realizada pela própria empresa, esta utilizará seus próprios selos de calibração e critérios adotados em procedimento documentado. Caso existam equipamentos de medição reservas e calibrados, estes devem ser protegidos contra danos durante esta fase de armazenamento. Se isto não for comprovado, o Auditor deve emitir um Relatório de Não Conformidade. Um outro fator relevante que deve ser verificado pelos Auditores e pessoal de processo é o tempo de estabilidade de meios térmicos para se fazer uma correta medição. A não observação deste fator pode influir adversamente na operação correta de fornos, estufas e câmaras frigoríficas. Um exemplo prático é a medição de temperatura em um forno de tratamento térmico. O indicador estar indicando a temperatura definida para o tratamento não significa que a peça esteja em tal temperatura, mesmo porque o sensor normalmente fica próximo à parede do forno e a peça colocada no centro. É preciso que seja conhecido o tempo de estabilidade do meio térmico para ter-se a certeza de que o tratamento está conforme o previsto. Para isto, a área deverá fazer um estudo de estabilidade do meio e apresentar evidências objetivas (carta de controle). 7

8 8 ANEXO 1 ERRO DE MEDIÇÃO O Erro de Medição é caracterizado como a diferença entre o valor efetivamente medido por um equipamento ou sistema de medição e o valor verdadeiro dessa grandeza, sendo: Onde: EM = Erro de Medição VM = Valor medido Valor Verdadeiro EM = VM VV Como na prática, o Valor Verdadeiro é desconhecido, usa-se então o VVC Valor Verdadeiro Convencional, sendo então o Erro de Medição definido como: Onde: EM = VM VVC EM = Erro de Medição VM = Valor medido VVC = Valor Verdadeiro Convencional O Erro de Medição é uma variável impossível de ser eliminada, pois para isto, precisaríamos de um Sistema de Medição perfeito. Sendo assim, é preciso que o Erro de Medição tenha sua ordem de grandeza e natureza conhecidos. Assim, toda medida será afetada por um erro. Este erro será provocado pela ação isolada ou combinada do sistema de medição e o operador. O comportamento do sistema de medição pode ser influenciado por perturbações externas ou internas ao próprio sistema de medição ou ainda, o operador pode cometer erro de interpolação de leitura e erros de aplicação indevida do sistema de medição. A variação mais crítica que pode perturbar internamente o sistema de medição é a variação da temperatura. Como exemplo podemos citar a não estabilidade de um meio térmico por determinado espaço de tempo após ter sido ligado. Por exemplo, após um forno ter sido ligado e estar indicando no sistema de medição determinada temperatura, é preciso que se aguarde o tempo de estabilização térmica do meio para ter-se a certeza de que uma peça que está sendo aquecida, atingiu a temperatura desejada. Outros exemplos são folgas, atritos ou imperfeições construtivas.

9 Já as perturbações externas podem ser devido a vibrações mecânicas, variação da temperatura ambiente, pressão atmosférica, umidade ou tensão da rede elétrica. A grande dificuldade trazida por estes diversos fatores é que estas perturbações ocorrem superpostas ao sinal de medição, sendo impossível identificar e separar o erro do sinal de medição. Para conviver com estes diversos fatores que influenciam o comportamento do sistema de medição, é comum ao fabricante fixar condições limitantes a estes fatores, determinando-se que somente dentro de determinadas faixas garante-se as especificações metrológicas do equipamento de medição. O Erro de Medição, na realidade, é composto de três parcelas: 9 Onde: EM = Es + Ea + Eg EM = Erro de Medição Es = Erro Sistemático Ea = Erro Aleatório Eg = Erro Grosseiro O Erro Sistemático (Es) é a parcela de erro sempre presente nas medições realizadas em idênticas condições de operações. Este tipo de erro pode estar associado ao desajuste do sistema de medição, deformações, desgastes e a fatores externos como a temperatura ambiente ou estar associado ao próprio princípio da medição. A verdade é que o Erro Sistemático, embora se repita se a medição é realizada em condições idênticas, pode não ser constante ao longo de toda a faixa de operação de um sistema de medição. O Erro Aleatório ocorre de forma imprevisível e varia mesmo quando a medição é repetida várias vezes, nas mesmas condições. O Erro Aleatório está associado a folgas, atritos, vibrações, flutuação de tensão elétrica ou variações bruscas das condições ambientais. O Erro Grosseiro pode ser caracterizado como decorrente de leitura errônea, operação indevida ou dano do sistema de medição. Apresenta valor totalmente imprevisível. Devido à sua própria natureza, geralmente é facilmente descoberto. Para efeito da análise e quantificação do Erro de Medição, considerando que a medição está sendo feita de forma conscenciosa, a parcela de Erro Grosseiro não será considerada. Já no caso do Erro Aleatório, quando a medição é repetida várias vezes, nota-se que a média do Erro Aleatório tende a zero, uma vez que este tende a distribuir-se simetricamente em valores positivos e negativos.

10 Como o Erro de Medição sempre existirá, é preciso alguns cuidados e procedimentos que resultem na sua minimização, como nos exemplos a seguir: a) Seleção correta do Sistema de Medição: Deverá ser verificado se o valor da grandeza a medir situa-se dentro da faixa de operação normal do sistema de medição, se o tipo de grandeza é compatível, o tipo de grandeza a medir (estática ou dinâmica), a forma de operação/indicação (digital ou analógica), o método de medição (indicação ou compensação), o peso, o tamanho e a energia necessária. Tudo isto é de fundamental importância, além de uma boa lida nos catálogos e manuais do sistema de medição para verificar indicações e/ou limitações impostas pelo fabricante. b) Adequação da Precisão do Sistema de Medição Aqui o termo Precisão está sendo usado para determinar a qualidade do equipamento caracterizado pelo fabricante. É difícil estabelecer um procedimento genérico para a correta seleção do Sistema de Medição baseado unicamente na análise de preço e Precisão. Porém, pode-se afirmar que os erros presentes no resultado de uma medição nunca serão menores que a precisão do sistema de medição empregado. c) Ajuste do Sistema de Medição O Sistema de Medição pode ser ajustado ou, pelo menos, calibrado, quando se suspeitar que possa estar fora das condições normais de funcionamento. Os Erros de Medição obtidos através do ajuste são comparados com as especificações do sistema de medição e com as características metrológicas requeridas na aplicação para a qual se destina este sistema de medição. d) Avaliação da influência das condições de operação Alguns sistemas de medição são muito sensíveis às condições de operação, podendo apresentar Erros de Medição em função das condições de ambiente. Deve-se prestar especial atenção nas variações de temperatura, porém fortes campos elétricos ou magnéticos ou vibrações também podem afetar o desempenho do sistema de medição. A ordem de grandeza dos erros provocados por estes fatores deve ser estimada e verificada. e) Calibração In loco Quando se suspeitar que existe forte influência de diversos fatores sobre o desempenho do sistema de medição, é recomendável efetuar uma Calibração In loco. Para tal, um valor padrão da grandeza a medir é aplicado sobre este sistema de medição e os erros são avaliados nas próprias condições de utilização. 10

11 11 ANEXO 2 DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO O estudo da Incertezas de Medição deixou no passado o estudo dos erros ou de erros de precisão como muitos até então vinham considerando. Também, o termo precisão continua freqüente e erroneamente sendo empregado no lugar da Incerteza de Medição como sinônimo de erro máximo de um sistema de medição. Recomenda-se apenas o uso do termo precisão quando exprimindo característica qualitativa do equipamento. Avaliar e expressar corretamente a Incerteza de Medição é determinar a qualidade da medição efetuada. A Incerteza de Medição compreende, em geral, componentes severos os quais podem ser agrupados em duas categorias de acordo com o método usado para estimar o valor numérico: a) Incerteza tipo A - Componentes avaliadas por métodos estatísticos para uma série de determinações repetidas. O Desvio Padrão da média (s) é considerado como a melhor estimativa para a Incerteza de Medição (chamado também de Incerteza Padrão), significando que aproximadamente 68% das amostras encontram-se dentro deste intervalo. b) Incerteza tipo B - Componentes avaliadas por outros métodos. As incertezas do tipo B são basicamente: Incerteza do Padrão (evidenciada no Certificado de Calibração), devidamente expurgada de seu Fator de Abrangência (dividido por); Incerteza observacional (paralaxe, interpolação, instabilidade da indicação digital, não estabilidade de meios térmicos, etc.) avaliada pelo metrologista; Incertezas ambientais ( temperatura ambiente, aceleração da gravidade local, etc.) avaliada também pelo metrologista. As incertezas do tipo B também devem ser expressas na forma de Desvio Padrão. Portanto, são influências desconhecidas. As influências conhecidas são erros sistemáticos e devem ser compensadas. Essas Incertezas não incluem Fatores de Abrangência para que não sejam propagados esses fatores, e sim apenas os Desvios Padrão. Para se calcular a Incerteza de Medição numa Calibração, segue-se a seguinte orientação, à partir do conhecimento das Incertezas A e B envolvidas na medição: c) Incerteza Padrão Combinada - Finalmente, são combinadas todas essas incertezas (Tipos A e B), consideradas de Distribuição Normal, na forma da raiz quadrada da soma de cada uma das incertezas (Desvios Padrão). Essa é a Incerteza Combinada.

12 d) Incerteza Expandida Multiplicando-se a Incerteza Padrão Combinada por um Fator de Abrangência (geralmente k = 2), obtém-se a Incerteza Expandida, que é a expressão final da Incerteza de Medição. Na avaliação da Incerteza de Medição, com uma apresentação da forma mais simplificada de determinação desta estimativa, vamos utilizar os conceitos anteriores. Em primeiro lugar, deve-se avaliar o Desvio Padrão das medições que será o índice de dispersão dos valores lidos, em cada série de medição, em torno do valor médio destas leituras. O Desvio Padrão expressa a Incerteza Padronizada de uma Medição. 12 s = ( L1 X ) ( L2 X ) + ( L3 X ) n ( Ln X ) 2 Onde: s = Desvio Padrão (que é igual a Incerteza Padrão) L = Leitura no ponto de medição X = Valor médio de n leituras Se, contudo, o Desvio Padrão for igual à Zero (todas as leituras em um mesmo ponto de medição exatamente iguais), este deve ser considerado como sendo a Resolução do equipamento onde se está fazendo a medição dividida pela Raiz Quadrada de 12, considerando-se uma Distribuição de Probabilidade Retangular. Este mesmo conceito deve ser aplicado quando se trabalha com Verificações em uma única medição, como é o caso da Verificação de Vidraria. No caso da Calibração em vários pontos de medição (o que é mais comum), considerar o maior Desvio Padrão como sendo a Incerteza Padrão. Re soluçãodoequipamento s = 12 O passo seguinte é combinar outras fontes de incerteza ao Desvio Padrão (Incerteza Padrão) para a obtenção da Incerteza Padrão Combinada. u C = ± u 2 A + Ih k 2

13 Onde: 13 u C = Incerteza Padrão Combinada u A = Incerteza Padrão Ih = Incerteza herdada do(s) Padrão(ões) k = Fator de Abrangência declarado no Certificado de Calibração do Padrão. Caso seja utilizado mais de um Padrão, a Incerteza Herdada será a raiz quadrada da soma dos quadrados das incertezas individuais envolvidas. Além da combinação do Desvio Padrão com outras fontes de incertezas, é preciso declarar a incerteza final com o Nível de Confiança de 95%. Isto é obtido multiplicando-se a Incerteza Padrão Combinada por um Fator de Abrangência k. Para aplicações industriais o Fator de Abrangência k = 2, podendo assumir outros valores para casos especiais e de maior responsabilidade. Sendo: U = Incerteza Expandida u C = Incerteza Padrão Combinada k = Fator de Abrangência U = ± u C x k Utiliza-se normalmente k = 2, significando que o Nível de Confiança é, neste caso, equivalente a 95%. De qualquer forma, no Certificado de Calibração deve sempre constar o Fator de Abrangência (k) utilizado e o Nível de Confiança, para que, quando se estiver calibrando outros padrões, seja possível conhecer e considerar estes dados no cálculo da Incerteza de Medição.

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as Confiabilidade, calibração e definições importantes para os instrumentos de medir Os instrumentos de medição são os dispositivos utilizados para realizar uma medição e no âmbito da metrologia legal são

Leia mais

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição.

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. De acordo com a Norma NBR 1001, um grande número de fatores influência a freqüência de calibração. Os mais importantes,

Leia mais

E-QP-ECD-069 REV. C 26/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO -

E-QP-ECD-069 REV. C 26/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao

Leia mais

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Ganhos do Plano de Calibração Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Desenvolvimento Definições básicas em Metrologia; Propriedades das distribuições normais; O que calibrar? Como estabelecer um

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE UM TERMÔMETRO Pt-100 COMO PADRÃO DE TRABALHO DE UM LABORATÓRIO DE SERVIÇOS METROLÓGICOS

CALIBRAÇÃO DE UM TERMÔMETRO Pt-100 COMO PADRÃO DE TRABALHO DE UM LABORATÓRIO DE SERVIÇOS METROLÓGICOS MEROLOGIA-003 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 003, Recife, Pernambuco - BRASIL CALIBRAÇÃO DE UM ERMÔMERO Pt-00 COMO PADRÃO DE RABALO DE UM LABORAÓRIO DE SERVIÇOS

Leia mais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais QSP Informe Reservado Nº 42 Janeiro/2005 ISO/IEC 17050-1 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais Tradução livre especialmente preparada para os Associados

Leia mais

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE 1 1,QVWUXomRGH7UDEDOKR ^'_a`cbdegfihkj lgmndm opmnqir>stdumkfihtj vkw xymz_g{} ~wabdj! ƒu ˆ Š Œ iž ƒ u i %šœ, Ÿž u SUMÁRIO 3 DEFINIÇÕES 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIA 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE 5 REGISTROS

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar I Congresso Brasileiro de Engenharia Clínica Palestra: Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar São Paulo, 30 de Setembro de 2005 Gilberto Carlos Fidélis Instrutor

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE RESUMO Bruna Cássia Mendes de AZEVEDO¹ Kelly Ariane Dutra do PRADO¹ Osmar de Campos FONSECA¹ Patrícia dos Santos ALVES¹ Renato F. Saldanha

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Requisitos de Calibração e Ensaios Prof. Alexandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Requisitos de Calibração OBRIGAÇÃO DA ISO (PAPELADA) X REDUÇÃO DA VARIAÇÃO (QUALIDADE DO PRODUTO)

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo definir os critérios aplicáveis para calibração / verificação de equipamentos de medição utilizados na empresa, cujas medições impactam na qualidade

Leia mais

Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq

Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq Rastreabilidade dos Padrões Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq Aspectos associados Calibração Padrões Cadeia de rastreabilidade Processo produtivo Sistema da qualidade Certificado de calibração AcreditaçãoA

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Metrologia é a Ciência da Medida Uma reputação de qualidade é um dos bens de mais alto valor de uma empresa. A grande importância de uma alta

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE PELA NBR ISO/IEC 17025: 2005 E SEUS FATORES CRÍTICOS

A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE PELA NBR ISO/IEC 17025: 2005 E SEUS FATORES CRÍTICOS ENQUALAB-2006 Congresso e Feira da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 30 de maio a 01 de junho de 2006, São Paulo, Brasil A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE TEMPERATURA FORA DAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 02 22 de Novembro de

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE TEMPERATURA INSTALAÇÕES PERMANENTES Revisão 02 23 de Setembro de 2013 Vide alterações

Leia mais

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001/2000 SENAI - PR, 2002 CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 Trabalho elaborado pela Diretoria de Educação e Tecnologia do Departamento Regional do SENAI - PR, através do LABTEC - Laboratório

Leia mais

Medir é uma atividade

Medir é uma atividade Algumas noções básicas sobre os padrões metrológicos Medir é uma atividade bastante corriqueira na sociedade atual. Ao olhar no relógio, por exemplo, a pessoa vê no mostrador o resultado de uma medição

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

Relatório Final do. Ensaio de Proficiência em. Espectrofotometria - 1ª rodada

Relatório Final do. Ensaio de Proficiência em. Espectrofotometria - 1ª rodada Relatório Preliminar do Ensaio de Proficiência em Espectrofotometria 1ª rodada Relatório Final do Ensaio de Proficiência em Espectrofotometria - 1ª rodada ENSAIO DE PROFICIÊNCIA EM ESPECTROFOTOMETRIA 1ª

Leia mais

RSQM-DO-028-02-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

RSQM-DO-028-02-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO PGMQ - TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pelo INMETRO Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais, internacionais ou regulamentos

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS

GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS Curso GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS Data: 23 de abril de 2014 Hora: 13 às 17 horas Ministrante: Eng. Químico ROBÉRIO FERNANDES ALVES DE OLIVEIRA Diretor Vice-Presidente da ABQ Meus contatos: Email:

Leia mais

PROTOCOLO DO 4º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 4º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 4º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA ÁREA DE PRESSÃO FORA DAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 00 29 de JUNHO de 2015 INTRODUÇÃO

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE MASSA NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 00 01 de DEZEMBRO de 2015 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Janeiro de 2014 Versão 1.3 1. INTRODUÇÃO O presente Regulamento é fundamental para reger as operações-chave do programa de Certificação Profissional FEBRABAN.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ESTE MATERIAL É EXCLUSIVO PARA USO EM TREINAMENTOS / CURSOS DA ESTATICA. CÓPIAS SOMENTE COM AUTORIZAÇÃO DO AUTOR. METROLOGIA Ciência da medição

Leia mais

Esta Norma se aplica a todas as UO da Dimel e aos órgãos integrantes da RBMLQ. A responsabilidade pela revisão desta Norma é da Dimel/Disem.

Esta Norma se aplica a todas as UO da Dimel e aos órgãos integrantes da RBMLQ. A responsabilidade pela revisão desta Norma é da Dimel/Disem. ELABORAÇÃO DE CERTIFICADOS, LAUDOS E RELATÓRIOS EMITIDOS PELA DIMEL E PELA RBMLQ NORMA N o NIE-DIMEL-032 APROVADA EM SET/03 N o /06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos

Leia mais

Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão

Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão Os termopares são dispositivos elétricos utilizados na medição de temperatura. Foram descobertos por acaso em 1822, quando o físico Thomas Seebeck

Leia mais

E-QP-ECD-070 REV. C 01/Abr/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE MICRÔMETRO EXTERNO - - NÍVEL BÁSICO -

E-QP-ECD-070 REV. C 01/Abr/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE MICRÔMETRO EXTERNO - - NÍVEL BÁSICO - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE MICRÔMETRO EXTERNO - - NÍVEL BÁSICO - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o

Leia mais

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia 6 Calibração de Sistemas de Medição Fundamentos de Metrologia Motivação definição do mensurando procedimento de medição resultado da medição condições ambientais operador sistema de medição Posso confiar

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE ll

AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE ll AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE ll! Os parâmetros para decisão do auditor.! Tipos de planos de amostragem estatística em auditoria. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS Versão : 31 de dezembro de 2008 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO...3 2. ORGANIZAÇÃO DA GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL...3

Leia mais

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Janeiro 2016 O NÃO CUMPRIMENTO DESTE MANUAL PODERÁ RESULTAR EM AÇÕES DISCIPLINARES APROPRIADAS, INCLUINDO ADVERTÊNCIAS, QUE PODERÃO

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

WORKSHOP SOBRE INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001:2000

WORKSHOP SOBRE INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001:2000 WORKSHOP SOBRE INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001:2000 São Paulo 25.08.2004 Seguindo a solicitação dos participantes do primeiro Workshop sobre interpretações da norma ISO 9001:2000 com as Certificadoras,

Leia mais

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 130, de 31 de julho de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Versão Jul.2011 1. Introdução Este programa da Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias SQS estabelece

Leia mais

Documentos. ISSN 0102-0110 Dezembro, 2008 275. Procedimento Gerencial de Gestão de Equipamentos e Instrumentos de Medição

Documentos. ISSN 0102-0110 Dezembro, 2008 275. Procedimento Gerencial de Gestão de Equipamentos e Instrumentos de Medição Documentos ISSN 0102-0110 Dezembro, 2008 275 Procedimento Gerencial de Gestão de Equipamentos e Instrumentos de Medição ISSN 0102 0110 Dezembro, 2008 Documentos 275 Procedimento Gerencial de Gestão de

Leia mais

Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis

Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis Gilberto Carlos Fidélis Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis CECT Florianópolis 2010 Direitos desta edição reservados ao CECT - Centro de Educação, Consultoria e Treinamento em Metrologia, Sistema

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

BICICLETAS DE USO INFANTIL

BICICLETAS DE USO INFANTIL Página: 1/12 Elaborado por: Maria Lucia Hayashi Verificado por: João Gustavo L. Junqueira Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 10/12/2013 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

CALIBRAÇÃO 2 O QUE É CALIBRAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO?

CALIBRAÇÃO 2 O QUE É CALIBRAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO? DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA APOSTILA DE METROLOGIA Cid Vicentini Silveira 2005 1 OBJETIVOS DESTE CAPÍTULO Determinar o que é calibração, por quê, o quê, quando, onde e como calibrar; Interpretar

Leia mais

PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO

PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO Revisão 01 24 de julho de 2015 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015*

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015* PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015* 1 SINOPSE. Um dos maiores desafios atuais para as empresas é ter um sistema de gestão documental de fácil entendimento entre todos profissionais da organização.

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

2. Fundamentos Teóricos

2. Fundamentos Teóricos 2. Fundamentos Teóricos 2.1. Conceitos Metrológicos 2.1.1. O Sistema Internacional de Unidades O Sistema Internacional de Unidades ( SI ) está dividido em duas classes ; - Unidades de Base - Unidades derivadas

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO SISTEMAS DE MEDIÇÃO (CONT...) ERRO E INCERTEZA DE MEDIÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO SISTEMAS DE MEDIÇÃO (CONT...) ERRO E INCERTEZA DE MEDIÇÃO INSTRUMENTAÇÃO SISTEMAS DE MEDIÇÃO (CONT...) ERRO E INCERTEZA DE MEDIÇÃO Instrumentação - Profs. Isaac Silva - Filipi Vianna - Felipe Dalla Vecchia 2013 Parâmetros Sensibilidade (Sb) É o quociente entre

Leia mais

SEMINÁRIO INSTRUMENTAÇÃO PARA CALIBRAÇÃO

SEMINÁRIO INSTRUMENTAÇÃO PARA CALIBRAÇÃO SEMINÁRIO INSTRUMENTAÇÃO PARA CALIBRAÇÃO Introdução à Calibração / Metrologia Oeiras / Porto, 25 e 26 de Maio de 2011 Programa Porquê e o Quê Calibrar? Metrologia História Metrologia - Unidades Metrologia

Leia mais

VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA

VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA NORMA N o NIE-DIMEL-073 APROVADA EM DEZ/05 N o /06 SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Campo de Aplicação 3. Responsabilidades 4. Documentos de Referência

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

ISO/IEC 17050-2. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio

ISO/IEC 17050-2. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio QSP Informe Reservado Nº 43 Fevereiro/2005 ISO/IEC 17050-2 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio Tradução livre especialmente preparada para

Leia mais

2. Simbologia e Nomenclatura

2. Simbologia e Nomenclatura 2. Simbologia e Nomenclatura Nessa seção simbologia e nomenclatura é apresentado os termos mais utilizados e padronizados em instrumentação industrial. Sua compreensão é de suma importância para o entendimento

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES Página: 1/08 Elaborado por: Claudio Francisco Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 22/07/13 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os critérios utilizados

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 00-24 de novembro de 2014 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

3. A quem se aplica a RDC 67/2009? A todos os detentores de registro (inclusive cadastro) de produtos para a saúde sediados no Brasil.

3. A quem se aplica a RDC 67/2009? A todos os detentores de registro (inclusive cadastro) de produtos para a saúde sediados no Brasil. PERGUNTAS E RESPOSTAS RDC 67/2009 1. O que é a RDC 67/2009 e do que trata? É uma Resolução da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) que regulamenta a organização da tecnovigilância

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das normas brasileiras de contabilidade, julgue os itens a seguir. 51 Considere que determinada entidade, que passava por uma auditoria independente, tenha contratado

Leia mais

PROCEDIMENTO ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento:

PROCEDIMENTO ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Página 1 de 8 ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Data da Revisão Nº da Revisão Histórico das Alterações 20/08/2007

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

NR.35 TRABALHO EM ALTURA

NR.35 TRABALHO EM ALTURA NR.35 TRABALHO EM ALTURA Objetivo e Campo de Aplicação Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução,

Leia mais

CALANDRA FLATWORK LC-16-1 E/V/G LC-20-1 E/V/G

CALANDRA FLATWORK LC-16-1 E/V/G LC-20-1 E/V/G CALANDRA FLATWORK LC-16-1 E/V/G LC-20-1 E/V/G M A N U A L D E I N S T A L A Ç Ã O Código Modelo Fabricado em Núm. Série Software Versão CASTANHO Lavanderia Hospitalar, Industrial e Hoteleira Responsável

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2

Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2 Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2 1- CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Prato em aço inoxidável 340 x 310 mm. Saída serial para impressora matricial Urano USE-PII. Temperatura de operação: 0 a 50 ºC.

Leia mais

AMARO Gestão Empresarial Ltda.

AMARO Gestão Empresarial Ltda. Anexo SL Por se tratar de uma tradução livre e de uso somente informativo para os clientes da consultoria, selecionamos somente os trechos importantes do Anexo SL e colocamos abaixo o Apêndice 2 que estrutura

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO Versão 5 Outubro de 2015 INDICE 1 Introdução 2 Utilização das Marcas de Conformidade no Produto 3 Utilização das

Leia mais

PAC 13. Calibração e Aferição de Instrumentos de Controle de Processo

PAC 13. Calibração e Aferição de Instrumentos de Controle de Processo PAC 13 Página 1 de 8 PAC 13 Calibração e Aferição de Instrumentos de Controle de Processo PAC 13 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria n.º 175, de 02 de agosto de 1993. O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 11 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para suprimento de materiais e serviços que impactam nos processos relacionados com o Sistema de Gestão da Qualidade, assim como para qualificação e avaliação

Leia mais

Hemobrás. ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade

Hemobrás. ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade Programa da Qualidade Página 1/20 ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade REVISADO POR RUBRICA DATA Nome: Renato César Vieira de sousa / /

Leia mais

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 13/05/2011

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 13/05/2011 Data da 1/ 7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento Diretoria de Negócios Vendas Service Qualidade Suprimentos Fabrica Gestão de Materiais Demais envolvidos na análise e aprovação

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Versão: 2 Pág: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 02/09/2010 APROVADO POR Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

Manual do Painel Aceno Digital A3000/A6000. www.acenodigital.com.br. Rua Porto Alegre, 212 Jd. Agari 43 3027-2255 Cep: 86.

Manual do Painel Aceno Digital A3000/A6000. www.acenodigital.com.br. Rua Porto Alegre, 212 Jd. Agari 43 3027-2255 Cep: 86. Manual do Painel Aceno Digital A3000/A6000 Manual do Painel Aceno Digital A3000/A6000 Este manual apresenta o funcionamento e os procedimentos de configuração e instalação dos painéis Aceno Digital, modelos

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO

RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-00 SUMÁRIO

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

Certificação de Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

Certificação de Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado Pág. Nº 1/26 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Descrição do processo de certificação 6 Manutenção da certificação 7 Marcação dos produtos certificados

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

3 Transdutores de temperatura

3 Transdutores de temperatura 3 Transdutores de temperatura Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM 2008), sensores são elementos de sistemas de medição que são diretamente afetados por um fenômeno, corpo ou substância

Leia mais

A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria. Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda

A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria. Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda * Alguns Questionamentos * Você sabe como está a Gestão das Calibrações

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

Portaria n.º 658, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 658, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 658, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração?

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração? Página 1 de 8 Esclarecimentos prestados pelo IPEM-PR aos questionamentos realizados pela Vigilância Sanitária, através do oficio n 420/2014 DVVSP/CEVS/SVS de 04 de junho de 2014. 1. A Vigilância Sanitária

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 Comentário geral: As provas apresentaram grau de dificuldade médio. Não houve uma preocupação da banca em aprofundar os conceitos ou dificultar a interpretação

Leia mais