Mestrado(PGMEC/PPGEM) e Doutorado(PPGEM)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mestrado(PGMEC/PPGEM) e Doutorado(PPGEM)"

Transcrição

1 Oportunidades de Desenvolvimentos e Aprimoramentos do Engenheiro Mecânico junto aos Programas de Pós Graduações Mestrado(PGMEC/PPGEM) e Doutorado(PPGEM)

2 Atribuições do Engenheiro mecânico Nova Filosofia do Crea Inserção no contexto da Inovação/competitividade do Pais Desafios no Mercado global

3 Por que estar no contexto da Pós graduação é importante para o Engenheiro mecânico? Inovação/competitividade X Pós Graduação

4 Ações Governamentais visando aumento da competitividade Oportunidades X Pós Graduação -Programas de intercâmbios e bolsas de estudos

5 Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica Áreas de Concentração 1) Modelamento e Simulação de Processos e Fenômenos 2) Processamento e Caracterização de Materiais 22 Professores 8 Pós-Doutorandos 64 Mestrandos 28 Doutorandos Nível 4 CAPES Engenharias II Bolsas de Estudos ME CAPES 13 ME CNPq 02 DOU CAPES 18 DOU CNPq 01

6 Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica Área de Concentração 1) Modelamento e Simulação de Processos e Fenômenos Linhas de Pesquisas 1.1) Processos Siderúrgicos 1.2) Conformação e Tratamentos Termomecânicos 1.3) Microestrutura e Propriedades dos Materiais 1.4) Energia e Meio Ambiente

7 Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica Área de Concentração 2) Processamento e Caracterização de Materiais Linhas de Pesquisas 2.1) Materiais Metálicos 2.2) Fenômenos de Superfície 2.3) Biomateriais

8 Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica Currículo mínimo do curso de Mestrado Atividades Créditos T P / TP ES/TO Total Carga Horária Disciplinas Obrigatórias Disciplinas Optativas da Área de Concentração Disciplinas Optativas Especiais Proposta de Dissertação Seminário Publicação Científica Dissertação de Mestrado 900 Totais

9 Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica Currículo mínimo do curso de Mestrado Disciplinas Obrigatórias por Área de Concentração Área de Concentração 1 Modelamento e Simulação de Processos e Fenômenos Disciplina Órgão de Vinculação Créditos (*) da Disciplina T P ou TP ES ou TO Carga Horária Mecânica dos Meios Contínuos 3 45 Área de Concentração 2 Processamento e Caracterização de Materiais Disciplina Estrutura e Propriedades de Materiais Órgão de Vinculação da Disciplina Créditos (*) Carga Horária T P ou TP ES ou TO 3 45 Disciplinas Optativas Especiais Disciplina Órgão de Vinculação Créditos (*) da Disciplina T P ou TP ES ou TO Carga Horária Estágio de Docência I Tópicos Especiais I 2 30

10 Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica Currículo mínimo do curso de Mestrado Disciplinas Optativas por Área de Concentração Área de Concentração 1 Modelamento e Simulação de Processos e Fenômenos Disciplina Órgão de Vinculação Créditos (*) da Disciplina T P ou TP ES ou TO Carga Horária Cinética das Reações 3 45 Conformação Mecânica Elementos Finitos 3 45 Modelamento Microestrutural 3 45 Programação 3 45 Termodinâmica 3 45 Tratamentos Termomecânicos 3 45 Volumes Finitos 3 45 Área de Concentração 2 Caracterização e Comportamento de Materiais Disciplina Órgão de Vinculação Créditos (*) da Disciplina T P ou TP ES ou TO Carga Horária Caracterização de Materiais 3 45 Comportamento Mecânico de Materiais 3 45 Difusão em Sólidos 3 45 Fadiga de Materiais 3 45 Fundamentos da Eletroquímica 3 45 Metalurgia Física 3 45 Transformação de Fases 3 45 Técnicas Eletroquímicas 3 45 Solidificação 3 45

11 Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica Currículo mínimo do curso de Doutorado Atividades Créditos T P / TP ES/TO Total Carga Horária Disciplinas Obrigatórias * Disciplinas Optativas Proposta de Tese Seminário Publicação Científica Tese de Doutorado 1800 Totais *Disciplinas Obrigatórias: Estudos Dirigidos I e Estudos Dirigidos II

12 Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica Processos de Seleção de Candidatos ao Mestrado Primeira Admissão Fevereiro: (distribuição de bolsas: Março Abril ) Segunda Admissão Julho: (distribuição de bolsas: Setembro Outubro ) Processos de Seleção de Candidatos ao Doutorado Fluxo Contínuo (2 Editais)

13 Laboratórios de Pesquisas PPGEM/UFF LCMec LSC LME LCMicro PPGEM LDRX LSComp LSMF LabEL LaMA Laboratório Multiusuário em Rede

14 Laboratório de Comportamento Mecânico (LCMec) Equipamentos Máquina de fadiga 10 ton + Forno Máquina universal 60 ton Máquina de ensaios 2 ton Centro de usinagem CNC Aprovado Finep ~ R$ ,00 Sistema de medidas de deformações (ASAME) Rugosímetro

15 Laboratório de Sistemas Multifásicos (LSM) Condutivimetro Equipamentos Ultra-som Reômetros DTA DSC Lavador de gás Leito fluidizado Investimento FINEP R$ Rede Metal-Mecânica

16 Laboratório de Solidificação Controlada (LSC) Equipamentos Forno de fusão com atmosfera controlada Micro-forno de solidificação unidirecional (ligas não-ferrosas) Microscópio óptico Sistema de aquisição de dados Investimento FAPERJ R$ ,00

17 Laboratório de Meio Ambiente (LaMA) Equipamentos Estufa de secagem e esterilização Destilador para nitrogênio micro-khjeldahl Capela de exaustão de gases Agitador orbital Sistema de filtração Bomba de vácuo Destilador de água Deionizador de coluna Torre de adsorção de gases Investimento FAPERJ Pensa-Rio

18 Laboratório de Caracterização Microestrutural (LCMicro) Equipamentos Cortadeiras de precisão ISOMET Cortadeira com corte submerso Politriz semi-automática Minimet 100 Buehler Politriz semi-automática Ecomet 250 Buehler Micro retífica Balança de precisão Fonte digital simétrica de tensão Microdurômetro Shimadzu Ferritoscópio Helmut-Fischer FMP30

19 Laboratório de Caracterização Microestrutural (LCMicro) Preparação metalográfica e microscopia óptica Investimento FAPERJ ~ R$ ,00

20 Laboratório Microscopia Eletrônica (LME) Rede Iniciativa em Materiais Microscópio Zeiss EVO 10 Investimento FINEP ~ R$ ,00

21 Laboratório Microscopia Eletrônica (LME) Sistema de Micro-análise EDS Elementos químicos em escala microscópica Sistema EBSD Orientação Cristalográfica

22 Laboratório de Eletroquímica (LabEL) Estudos de corrosão e proteção superficial Potenciostatos Equipamentos Sistema de aquisição de dados Eletrodo rotatório Balança analítica Destilador phmetro digital

23 Laboratório de Simulação Computacional (LSComp) 2 Clusters (Processamento Paralelo MPI) 1) 33 computadores Pentium IV HT 3.2 GHz 2) Dell PowerEdge R núcleos Xeon 2.4 GHz Licenças ANSYS, ABAQUS, ThermoCalc Rede de Computação de Alta Velocidade (RNP) Deca Gigabit (Ponto-a-Ponto) Link externo inicial 1Gb/s Link RNP 4Gb/s

24 Laboratório de Simulação Computacional (LSComp) 33 computadores Pentium IV HT 3.2 GHz Dell PowerEdge R610

25 Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica Cooperações Internacionais Université Claude-Bernard, Lyon, França (CAPES/Brafitec) Université Paul-Verlaine de Metz, França (CNPq/CNRS) Instituto de Pesquisa em Meio-ambiente, Pisa, Itália (CNPq) Université Paul-Cézanne, Marselha, França RWTH Aachen University, Alemanha Graduate Institute of Ferrous Technology & Science, Pohang, Coréia do Sul Projeto MIDAS ( Micro and Nanoscale Design of Thermally Actuating Systems, em avaliação REA-CE)

26 Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica Docentes e Pesquisadores Luciano Pessanha Moreira, José Adilson de Castro, Alexandre Ferreira Furtado Alexandre Fontes Fonseca Alexandre José da Silva Alexandre Santos Francisco Denise Bertagnolli Flavio Ferreira Gláucio Soares da Fonseca Ivaldo Leão Ferreira Jayme Pereira de Gouvêa Jefferson Fabrício Cardoso Lins Jorge Alberto Rodrigues Durán Ladário da Silva Luiz Carlos Rolim Lopes Marcos Flavio de Campos Neil de Medeiros Renata Luiz Martins Paulo Rangel Rios Tânia Maria Cavalcanti Nogueira 8 Bolsistas de Produtividade em Pesquisa CNPq Decano em Exercicio da coordenação Pós-Doutorandos Adriana de Souza Forster Araújo (PNPD/Capes) Izabella Christynne Ribeiro Pinto (PNPD/Capes) Mabelle Biancardi (PNPD/Capes) Weslley Assis (FAPERJ/Capes)

27 Caracterização de Matérias primas e Fundamentos - Fundamentos de cinética de redução - Modelagem Macroscopica e Microscópica - Reconstrução 3D de aglomerados(seccionamento em Serie) - Ensaios mecânicos e Cinéticos (termogravimétricos) Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

28 Reconstrução 3D de aglomerados (Seccionamento em série) Microscopia Optica Pelotas Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

29 Modelamento da sinterização Piloto e Industrial: Dioxinas e Furanos Combustiveis Alternativos Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

30 Modelamento do Processo de Alto Forno Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

31 Modelamento do Processo de Lingotamento Continuo Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

32 Modelamento do Processo de Soldagem de Tubos Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

33 Estudo da influência dos parâmetros de soldagem de aços Inox Duplex Caracterização de zonas da soldagem Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

34 Inlet Outlet Laminação de acabamento (Aço C-Mn) Work-roll X 3 Radius, R F E D C A Rolling direction B X 1 Model Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

35 Laminação de acabamento (Aço C-Mn) Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

36 Accumulative Roll-Bonding - ARB Processo ARB Saito et al., 1999 Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

37 Aço IF Estabilizado ao Ti Material de Partida Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

38 Aço IF Estabilizado ao Ti Deformado via Processo ARB a 500º C após 5 ciclos - Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

39 Aço IF Estabilizado ao Ti Deformado e Posteriormente Recozido a 600 o C por 25 min - Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

40 Extrusão em canais equiangulares (Aço IF ) Modelamento e simulação via o Método dos Elementos Finitos (Deformação plana) Distribuição de tensão efetiva (von Mises) Distribuição de def. plástica efetiva (von Mises) Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

41 Região não deformada Extrusão em canais equiangulares (Aço IF) Caracterização Microestrutural após 1 passe Ferramental utilizado 5 mm D N D T MEV e MO D P DP 105 HV 98 HV 100 HV 103 HV 137 HV Ensaios de dureza Vickers 150 HV 165 HV 167 HV 164 HV 167 HV 197 HV Região deformada Zona de cisalhamento Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

42 Tensão (MPa) Comportamento Mecânico de Materiais: Ensaios de Fadiga e Fadiga por Fretting CTDC - 737ºC CTD - 737ºC 0 0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 1 1,1 Deformação (%) Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

43 Simulação de Processo de Conformação de Selantes Metálicos Head Roll workpiece Mandrel Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

44 Projeto de Cilindros de GNV com Reforço de Compósito Steel Liner Composite layer Filament winding Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

45 Limites de expansão de embalagens metálicas Ajuste teórico 1 = - 0, , R = 5 mm 0.15 R = 10 mm R = 20 mm 0.10 R = 30 mm R = 40 mm R = 50 mm Ajuste pontos experimentais 0.05 R = 60 mm 1 = - 0, ,133 R = 70 mm Paralelo Folha de flandres 0.18 mm Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

46 Previsão da Curva Limite de Conformação Chapa de aço IF 0.7 mm Modelo de localização Exp. (VF I) Exp. (VF II) M-K (m = 0.015) M-K (m = 0.0) Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

47 Cup height (mm) Conformação de chapas (1) Hill's quadratic (1948) : method R (2) Ferron et al. (1994) : method R (3) Ferron et al. (1994) : method Exp (deg) Estampagem profunda de aço IF 0.7 mm Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

48 Tratamento térmico de chapas grossas (Dissertação Marcus Vinicius Medeiros, USIMINAS) Espessura 12.7 mm Espessura 25.4 mm Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

49 i (A/dm²) Eletrodeposição de Estanho sobre Aço 0 PSA + ENSA -1-2 (d) (c) -3 (a) -4 (b) -5-1,4-1,2-1,0-0,8-0,6-0,4 E (V) Resposta voltamétrica de eletrólitos 0,2 M de estanho a base de PSA (0,28M) contendo diferentes concentrações de ENSA: (a) sem ENSA, (b) 0,45g/l ENSA, (c) 4,5g/l ENSA, (d) 45g/l ENSA. Velocidade de varredura: 10mV/s. Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

50 Eletrodeposição de Estanho sobre Aço a b c d Microscopia eletrônica de varredura de eletrodepósitos de estanho obtido nas deposições voltamétricas. Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica

51 Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica Perspectivas e Metas 1) Aumento da Formação de Recursos Humanos Triênio Triênio : 08 Teses e 15 Dissertações : 12 Teses e 40 Dissertações (Previsão) 2) Fortalecimento do Desenvolvimento Científico Regional (Metal-Mecânica) 3) Laboratórios Multisiuários: Projetos submetidos ) 1) CT-INFRA PROINFRA FINEP 2010 ( Rede Metal/Mecânica) Lab. Conformação e Tratamentos Termomecânicos: Simulador Gleeble 10 ton ~ 2,0 mr$ 2) PRONEM (FAPERJ): PPGEM/UFF e UNIFOA Lab. de Soldagem : comportamento de soldas em aços da ind. Petróleo e Gás ~ 330 kr$ 4) Aumento do Corpo Docente Avaliação CAPES Triênio Professores relatados em 2010 e previsão de finalizar em 2012 com 18 Professores 5) Convênios Universidade-Empresa Indústrias Metal-Mecânica

52 Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica Agradecimentos

53 Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica Agradecimentos

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA FREIRE EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM OSASCO 2011 2 MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

13/8/2007. Universidade Federal da Paraíba CCEN DQ ENTRADA NO PROGRAMA

13/8/2007. Universidade Federal da Paraíba CCEN DQ ENTRADA NO PROGRAMA AVALIAÇÃO TRIENAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA CTC-QUÍMICA/CAPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DQ/CCEN/UFPB Universidade Federal da Paraíba CCEN DQ MESTRADO ACADÊMICO (1986) DOUTORADO

Leia mais

EDITAL 01/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203

EDITAL 01/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203 EDITAL 01/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203 1) Programa de Fomento à Formação de recursos humanos em Tecnologia de Equipamentos para

Leia mais

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica - Niterói O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA

Leia mais

Análise de Materiais Ltda.

Análise de Materiais Ltda. LOGO METALAB Análise de Materiais Ltda. Laboratórios de Ciência e Engenharia de Materiais DESDE 1989 www.metalab.com.br METALAB Análise de Materiais Ltda. Apresentação Em 1989, através da GRAIX Materiais

Leia mais

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br ENGENHARIA MECÂNICA COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br 222 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Mecânico ATUAÇÃO O curso de Engenharia Mecânica da UFV visa fornecer a seus estudantes

Leia mais

Programa de Pós-graduação Mestrado & Doutorado

Programa de Pós-graduação Mestrado & Doutorado Programa de Pós-graduação Mestrado & Doutorado PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA ORGÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE NITERÓI-RJ PERÍODO DA AVALIAÇÃO: 2004-2006 Coordenador: Dr. Marcos Costa de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO Matriz curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Produção da UFERSA a partir de 2011.2. (Adequada à Matriz curricular do Curso de Bacharelado em Ciência e Tecnologia) Período Disciplinas Obrigatórias

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF T. C. Chuvas 1 ; M. P. Cindra Fonseca 1 ; D. A. Castello 2 1 Departamento de Engenharia Mecânica/PGMEC

Leia mais

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia Pós-Graduação Stricto Sensu Pós-Graduação Lato Sensu Extensão Graduação Diagnósticos Tecnológicos Soluções de Problemas Empresariais

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE UM AÇO IF APOS DEFORMAÇÃO PLÁSTICA SEVERA VIA ARB E POSTERIOR RECOZIMENTO

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE UM AÇO IF APOS DEFORMAÇÃO PLÁSTICA SEVERA VIA ARB E POSTERIOR RECOZIMENTO CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE UM AÇO IF APOS DEFORMAÇÃO PLÁSTICA SEVERA VIA ARB E POSTERIOR RECOZIMENTO F. C. Oliveira, A. L. A. Abrantes, J. F. C. Lins. Avenida dos Trabalhadores, n. 420 Vila Santa

Leia mais

CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa, conforme processo nº 38393/2007;

CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa, conforme processo nº 38393/2007; DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 008/2008 Reestrutura o Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Edificações e Saneamento, Mestrado, com área de concentração em Engenharia de Edificações e Saneamento.

Leia mais

A Siderurgia brasileira de aços planos e o Atendimento ao Mercado Naval e Offshore

A Siderurgia brasileira de aços planos e o Atendimento ao Mercado Naval e Offshore A Siderurgia brasileira de aços planos e o Atendimento ao Mercado Naval e Offshore Workshop de Tecnologia de Construção Naval e Offshore PROMINP Firjan, 24 de Junho de 2009 Sergio Leite de Andrade Vice

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR Leonardo Bonato Félix leobonato@ufv.br

ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR Leonardo Bonato Félix leobonato@ufv.br ENGENHARIA ELÉTRICA COORDENADOR Leonardo Bonato Félix leobonato@ufv.br 216 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Eletricista ATUAÇÃO O curso de Engenharia Elétrica da UFV oferece a seus estudantes

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 101/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 101/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 101/2015 Dispõe sobre o Programa de Mestrado em Engenharia Mecânica. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº SPG- EM-168/2004, e nos termos da Resolução nº

Leia mais

DADOS DO TRIÊNIO 2004-2006

DADOS DO TRIÊNIO 2004-2006 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Coordenador: Carlos Kleber Z. Andrade DADOS DO TRIÊNIO 2004-2006 www.unb.br/iq/pg PPG-IQ-UnB Criação Mestrado: 1974 (188

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA EDITAL DE SELEÇÃO NÍVEL: MESTRADO ; ANO LETIVO: 2012

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA EDITAL DE SELEÇÃO NÍVEL: MESTRADO ; ANO LETIVO: 2012 CURSO DE EDITAL DE SELEÇÃO NÍVEL: MESTRADO ; ANO LETIVO: 2012 A Universidade Federal Fluminense (UFF), através da Coordenação de Pós-graduação Stricto Sensu em Engenharia Mecânica da Escola de Engenharia

Leia mais

4.Materiais e métodos

4.Materiais e métodos 4.Materiais e métodos 4.1. Material em estudo O material em estudo, de procedência sueca (Sandvik), foi adquirido como chapa laminada a quente de 3mm de espessura, recebendo posteriormente tratamento térmico

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL NOVEMBRO DE 2012 Índice da Apresentação EMPRESA... 3 Missão... 3 Áreas de atuação... 3 Infraestrutura Fabril... 4 ESCOPO DE SERVIÇOS... 4 Serviços de Fabricação e Manutenção... 4 Engenharia de Soldagem...

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

HISTÓRIA ÁREA: TRIÊNIO 2007-2010. Coordenador: Raquel Glezer. Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos Soares. Ministério da Educação

HISTÓRIA ÁREA: TRIÊNIO 2007-2010. Coordenador: Raquel Glezer. Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos Soares. Ministério da Educação Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação ÁREA: HISTÓRIA Coordenador: Raquel Glezer TRIÊNIO 2007-2010 2010 Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos

Leia mais

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA AS VÁRIAS V MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA Forjado Sinterizado Usinado Fundido A diferença estará apenas nos custos e tempos de fabricação? 1 EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES COM O TRATAMENTO TERMOMECÂNICO

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação 2013 163. FÍSICA Licenciatura. COORDENADOR Orlando Pinheiro da Fonseca Rodrigues ofonseca@ufv.br

UFV Catálogo de Graduação 2013 163. FÍSICA Licenciatura. COORDENADOR Orlando Pinheiro da Fonseca Rodrigues ofonseca@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 163 FÍSICA Licenciatura COORDENADOR Orlando Pinheiro da Fonseca Rodrigues ofonseca@ufv.br 164 Currículos dos Cursos UFV Licenciatura (Integral) ATUAÇÃO O curso de graduação

Leia mais

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Ações MEI Políticas de caráter horizontal (incentivos fiscais, crédito, melhoria de marcos regulatórios); Políticas para setores estratégicos;

Leia mais

Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica. Brasília, 31 de março de 2009.

Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica. Brasília, 31 de março de 2009. Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica Brasília, 31 de março de 2009. Local: Centro de convenções Israel Pinheiro Presentes: Afonso Reguly ( LAMEF-UFRGS RS-S reguly@ufrgs.br), Gustavo Donatelli

Leia mais

Darlan Dallacosta, M. Eng. Diretor

Darlan Dallacosta, M. Eng. Diretor Escopo de Serviços I- Sumário Executivo (Laboratório de Ensaios Mecânicos) A SCiTec aparece como uma empresa de base tecnológica apta para prestar serviços de forma integrada com o setor empresarial. Constituída

Leia mais

LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO. 1. Descrição Física

LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO. 1. Descrição Física LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO 1. Descrição Física O espaço físico deste laboratório deve ser de 100 m 2, com piso em cimento queimado e uma área de aproximadamente 3 m 2 em terra batida para vazamento de metal,

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

Tecnologia Mecânica. Programa. Processamento Mecânico de Materiais Metálicos. Fundamentos. Estampagem. Luís Alves. Corte Arrombamento.

Tecnologia Mecânica. Programa. Processamento Mecânico de Materiais Metálicos. Fundamentos. Estampagem. Luís Alves. Corte Arrombamento. Tecnologia Mecânica Programa Processamento Mecânico de Materiais Metálicos Fundamentos Estampagem Luís Alves Corte Arrombamento Forjamento Hydroforming Bárbara Gouveia Tecnologia Mecânica 1 Tecnologia

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv.

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv. 132 ENGENHARIA ELÉTRICA COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 ATUAÇÃO O curso de Elétrica da UFV propõe oferecer a seus estudantes

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

BCT001 Inserção na Vida Universitária 40 0 40. BCT002 Leitura e Produção de Texto 1 40 0 40

BCT001 Inserção na Vida Universitária 40 0 40. BCT002 Leitura e Produção de Texto 1 40 0 40 ESTRUTURA CURRICULAR DOS CURSOS O desenho curricular do curso de Engenharia de Energias segue as Diretrizes Gerais da UNILAB, as quais preveem os seguintes Núcleos de Formação nos cursos de graduação:

Leia mais

01/31/2012. Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire

01/31/2012. Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire O Brasil tende a se tornar o maior explorador de petróleo e gás no mercado. Descobertas recentes de novas reservas

Leia mais

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO Amanda Alves PEIXOTO 1 Chelinton Silva SANTOS 1 Daniel Moreira da COSTA 1 Rosângela Chaves dos Santos GUISELINI 1 Eduardo Tambasco MONACO 2 RESUMO Este trabalho visa

Leia mais

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Materiais e Métodos 97 CAPÍTULO 5 Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Toda a empresa precisa ter gente que erra, que não tem medo de errar

Leia mais

Laboratórios de Pesquisa da Biologia

Laboratórios de Pesquisa da Biologia Laboratórios de Pesquisa da Biologia 1 - Laboratório de Biologia e Ecologia Animal (B 1.01) Conta com um espaço físico de 12m x 12m (144m²) phmetro ou medidor de ph: é um aparelho usado para medição de

Leia mais

PPMEC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014

PPMEC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PPMEC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 PROVA DE SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS

Leia mais

Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria plástica

Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria plástica Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria plástica Freddy Baruch 16 Setembro 2015 Page 1 SAUDAÇÃO BOM DIA! Page 2 APRESENTAÇÃO Page 3 APRESENTAÇÃO Quem somos - Apresentação Pessoal Freddy

Leia mais

Laboratório de Combustão e Motores da UFRGS

Laboratório de Combustão e Motores da UFRGS Laboratório de Combustão e Motores da UFRGS Fernando M. Pereira Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia Mecânica fernando@mecanica.ufrgs.br Sumário Objetivo do laboratório

Leia mais

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 Aprovado no CONGRAD 25.08.2015 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/2 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 I NÚCLEO DE CONTEÚDOS BÁSICOS Matemática

Leia mais

Instituto Nacional de Tecnologia em União e Revestimento de Materiais

Instituto Nacional de Tecnologia em União e Revestimento de Materiais Instituto Nacional de Tecnologia em União e Revestimento de Materiais Apoio Institucional Apoio Financeiro Nossos Desafios 2011 Cadeia Produtiva Complexa Setores Industriais Construção e Engenharia Aero-espacial

Leia mais

Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação

Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação AS INDÚSTRIAS NECESSITAM IN O VAR PARA SEREM MAIS COMPETITIVAS + Educação Tecnologia + Inovação = Competitividade INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA (60) MA Construção

Leia mais

Laboratório rio de Polímeros e Materiais

Laboratório rio de Polímeros e Materiais Laboratório rio de Polímeros e Materiais 26 Novembro Novembro 2003 de Mecânica Panorâmica Geral Introdução Este laboratório, criado no ano lectivo de 1989/90, possui vários equipamentos de ensaio de materiais.

Leia mais

2º Física I Retirar o pré-requisito Geometria Analítica 2º Física I Experimental

2º Física I Retirar o pré-requisito Geometria Analítica 2º Física I Experimental MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA) COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO COSUEN N 005, DE 07 ABRIL DE 2014. Aprova as adequações em disciplinas da matriz

Leia mais

Trabalha nos diversos setores da indústria no Brasil, dentre os quais se destaca:

Trabalha nos diversos setores da indústria no Brasil, dentre os quais se destaca: HSO Hidráulica e Pneumática Ltda, e uma empresa constituída de engenheiros, técnicos e projetistas especializados nos setores de hidráulica e pneumática. Atuam fortemente na engenharia e desenvolvimento,

Leia mais

LABORATÓRIO DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA

LABORATÓRIO DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA LABORATÓRIO DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA EQUIPAMENTO MULTISUÁRIO MICROSCÓPIO ELETRÔNICO DE VARREDURA - UFF 1) Formato do curso de Habilitação no MEV Número máximo de alunos por turma Turma de Alunos e Bolsistas

Leia mais

CORPO DOCENTE DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA CIVIL

CORPO DOCENTE DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA CIVIL CORPO DOCENTE DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA CIVIL Alcyr de Morisson Faria Neto (Especialista) Regime de Trabalho: Horista Área de conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Qualificação profissional: Arquitetura

Leia mais

CEFET ANGRA Semana de Extensão 2015

CEFET ANGRA Semana de Extensão 2015 Centro Federal de Educação tecnológica Celso Suckow da Fonseca - CEFET/RJ Campus Angra dos Reis CEFET ANGRA Semana de Extensão 2015 Local: Rua do Areal, 522 Parque Mambucaba - Angra dos Reis PROGRAMAÇÃO

Leia mais

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM Para maior facilidade de análise e prevenção, procura-se geralmente identificar o(s) mecanismo(s) predominante(s) de remoção de material.

Leia mais

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel.

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Lauralice de C. F. Canale 1 George Edward Totten 2 João Carmo Vendramim 3 Leandro Correa dos

Leia mais

Laboratório de transformação Mecânica LdTM / UFRGS Treinamento em Forjamento Versão:02/09/2013

Laboratório de transformação Mecânica LdTM / UFRGS Treinamento em Forjamento Versão:02/09/2013 Fundação Empresa Escola de Engenharia em colaboração Centro Brasileiro de Conformação Mecânica Av. Bento Gonçalves, 9500 - Caixa Postal: 15021 CEP: 91501-970 - Porto Alegre RS Tel.: +55 (51) 3308 6134

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE 2009 SUMÁRIO 1. JUSTIFICATICA... 3 2. OBJETIVO... 3 3. REQUISITOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (Engenharia de biomateriais) COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

Leia mais

GRADE CURRICULAR. 2.2. Das linhas de pesquisa: 2.2.1. Linha de Pesquisa 1 (Geração e Caracterização de Matéria-Prima):

GRADE CURRICULAR. 2.2. Das linhas de pesquisa: 2.2.1. Linha de Pesquisa 1 (Geração e Caracterização de Matéria-Prima): 1. DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS GRADE CURRICULAR Energia e Bioenergia Combustíveis e Biocombustíveis Seminários I 2 30 Seminários II 2 30 Estágio em Docência 2 30 Total de créditos obrigatórios: 14 créditos,

Leia mais

Lista de equipamentos adquiridos pelos Programas de Pós- Graduação da UFSJ, através do Edital Capes nº 27/2010 Pró-Equipamentos Institucional

Lista de equipamentos adquiridos pelos Programas de Pós- Graduação da UFSJ, através do Edital Capes nº 27/2010 Pró-Equipamentos Institucional Lista de equipamentos adquiridos pelos Programas de Pós- Graduação da UFSJ, através do Edital Capes nº 27/200 Pró-Equipamentos Institucional Sistema de Sala.49 CDB São João del- 0697 TV digital, tela LCD

Leia mais

MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) GABARITO

MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) GABARITO CONCURSO PÚBLICO DOCENTE IFMS EDITAL Nº 002/2013 CCP IFMS MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) Uso exclusivo do

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA NAVAL

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA NAVAL PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA NAVAL Profa. M.Sc. Jose Luiz Sansone Junho de 2011. Breve Histórico 1974 UTAM Primeiro Vestibular para Eng. Operacional Mecânica 1985 UTAM Primeiro Vestibular

Leia mais

Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC

Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC Profª. Maria do Carmo Oliveira Ribeiro, MSc. Coord. Núcleo de Inovação Tecnológica NIT SENAI-BA

Leia mais

Currículo n 7 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA PROFISSIONAL

Currículo n 7 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA PROFISSIONAL CURSO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS Turno: INTEGRAL Currículo n 7 Reconhecido pela Portaria MEC nº 368, de 19.04.95, D.O.U. nº 76 de 20.04.95. Renovação de Reconhecimento Decreto nº. 1062, D.O.E. nº 8445

Leia mais

Dr. Sergio M. Rossitti VI Ciclo de Palestras sobre Desenvolvimento Tecnológico Junho 2010

Dr. Sergio M. Rossitti VI Ciclo de Palestras sobre Desenvolvimento Tecnológico Junho 2010 PENSE BASTANTE, MAS REALIZE AINDA MAIS! Dr. Sergio M. Rossitti VI Ciclo de Palestras sobre Desenvolvimento Tecnológico Junho 2010 Apresentação Sergio M. Rossitti Engenheiro de Materiais UFSCar 1984 Mestre

Leia mais

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos;

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ECOLOGIA APLICADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Trabalho realizado por: Leonardo Vieira R. da Silveira Marcelo Henrique G. Bueno Ralf Marcelo. S. de Oliveira Professor: Renato de Sousa Dâmaso Disciplina:

Leia mais

SENAI. Historia Criado em 1942, para apoiar o lançamento da indústria brasileira. Necessidade de mão-de-obra qualificada.

SENAI. Historia Criado em 1942, para apoiar o lançamento da indústria brasileira. Necessidade de mão-de-obra qualificada. SENAI Missão Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. Historia Criado

Leia mais

1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL

1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL 1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL CARACTERIZAÇÃO EXPERIMENTAL DA RIGIDEZ À FLEXÃO EM MATERIAL COMPÓSITO CARBONO-EPÓXI CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI Aluno:

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Programa de Pós-Graduação em Química MESTRADO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Programa de Pós-Graduação em Química MESTRADO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Programa de Pós-Graduação em Química MESTRADO Profa. Mônica Regina Marques Palermo de Aguiar Coordenador Prof. Marcos Antonio da Silva Costa Coordenador Adjunto

Leia mais

Análise Estrutural de Cilindros Revestidos de Compósitos para Armazenamento de GNV. Autor: Fernando F. M. Corrêa de Guamá Abril - 2013

Análise Estrutural de Cilindros Revestidos de Compósitos para Armazenamento de GNV. Autor: Fernando F. M. Corrêa de Guamá Abril - 2013 Análise Estrutural de Cilindros Revestidos de Compósitos para Armazenamento de GNV. Autor: Fernando F. M. Corrêa de Guamá Abril - 2013 Projeto final de Graduação apresentado a banca do corpo docente do

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ODONTOLOGIA CURSO DE DOUTORADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ODONTOLOGIA CURSO DE DOUTORADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ODONTOLOGIA CURSO DE DOUTORADO Autorizado pela Resolução Univ. nº 10 de 27 de março de 2008. Para completar o Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Odontologia

Leia mais

[Ano] TREINAMENTO EM FORJAMENTO (44ª Edição) Tecnologia e Desenvolvimento do Processo de Forjamento. 17 e 18 de março de 2016

[Ano] TREINAMENTO EM FORJAMENTO (44ª Edição) Tecnologia e Desenvolvimento do Processo de Forjamento. 17 e 18 de março de 2016 FUNDAÇÃO LUIZ ENGLERT - FLE CENTRO BRASILEIRO DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA CBCM CEP: 91501-970 - PORTO ALEGRE RS TEL.: +55 (51) 3308 6134 http://cbcm-metalforming.com/ TREINAMENTO EM FORJAMENTO (44ª Edição)

Leia mais

Matriz Curricular - Curso: 23 - Engenharia Mecânica Matriz: 35 - Matriz 2 - Engenharia Mecânica

Matriz Curricular - Curso: 23 - Engenharia Mecânica Matriz: 35 - Matriz 2 - Engenharia Mecânica Matriz Curricular - Curso: 23 - Engenharia Mecânica Matriz: 35 - Matriz 2 - Engenharia Mecânica 1 CE61A COMUNICAÇÃO LINGUÍSTICA FORMAÇÃO BÁSICA E CIENTÍFICA 1 DE61A DESENHO TÉCNICO NÚCLEO COMUM 1 EB61A

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz

Universidade Estadual de Santa Cruz Universidade Estadual de Santa Cruz Área de Concentração: Biologia de Plantas Tropicais A área visa o desenvolvimento de estudos básicos e aplicados da fisiologia, morfologia e diversidade de plantas tropicais.

Leia mais

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS - END Ensaios realizados em materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios físicos definidos, sem

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ENGENHARIA FLORESTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Energia Ambiente Mobilidade Saúde Segurança Comunicações O SENAI E SUA CAPACIDADE ATUAL DE ATENDIMENTO O SENAI é a maior rede privada

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE INFRAESTRUTURA DOS LABORATÓRIOS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE INFRAESTRUTURA DOS LABORATÓRIOS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE INFRAESTRUTURA DOS LABORATÓRIOS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL 1. INFRAESTRURA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL A Faculdade

Leia mais

2008-2020 BRASÍLIA / DF 2009 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA. Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48

2008-2020 BRASÍLIA / DF 2009 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA. Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48 2008-2020 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA BRASÍLIA / DF 2009 Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48 Reg ECONOMIA.indd 2 6/9/2010 17:04:48 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

A estrutura da Indústria do Rio Grande do Sul para o segmento de Petróleo, Gás, Naval e Offshore

A estrutura da Indústria do Rio Grande do Sul para o segmento de Petróleo, Gás, Naval e Offshore A estrutura da Indústria do Rio Grande do Sul para o segmento de Petróleo, Gás, Naval e Offshore Comitê de Competitividade em Petróleo, Gás, Naval e Offshore CCPGE 28 de maio de 2014 Atuação FIERGS CCPGE

Leia mais

Rota Estratégica de Metal Mecânica

Rota Estratégica de Metal Mecânica Rota Estratégica de Metal Mecânica Reuso, Redução e Reciclagem: Case -Interação Universidade/Empresa Prof. Dr. IVANIR LUIZ DE OLIVEIRA Departamento de Eng. Mecânica e PPGEP/UTFPR-Ponta Grossa Grupo de

Leia mais

Situação do curso de Pós- Graduação em Energia em 14/05/2012. Prof. Dr. Federico Bernardino Morante Trigoso

Situação do curso de Pós- Graduação em Energia em 14/05/2012. Prof. Dr. Federico Bernardino Morante Trigoso Situação do curso de Pós- Graduação em Energia em 14/05/2012 Prof. Dr. Federico Bernardino Morante Trigoso Resumo da apresentação Organização Docentes Discentes Bolsas Disciplinas Produção Dissertações

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DO TURNO NOTURNO PARA TURMAS A PARTIR DE JULHO DE 2013

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DO TURNO NOTURNO PARA TURMAS A PARTIR DE JULHO DE 2013 ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DO TURNO NOTURNO PARA TURMAS A PARTIR DE JULHO DE 2013 Curso de Bacharelado em Engenharia Elétrica Vagas no Vestibular: 40 (quarenta) regime semestral

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO 2009 1 Resumo do Curso Disciplinas N. de Créditos Carga horária Disciplinas Obrigatórias Disciplinas do CB/CTC 74 1.200 Obrigatórias da Engenharia 35 765 Obrigatórias do Curso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO PARA PARTICIPAREM DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CAPES e CNPq)

PROCESSO SELETIVO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO PARA PARTICIPAREM DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CAPES e CNPq) Edital IF Farroupilha/PRPPGI/nº 09/2011 CsF - CAPES e CNPq Santa Maria, 6 de outubro de 2011. PROCESSO SELETIVO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO PARA PARTICIPAREM DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CAPES e CNPq)

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA.

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA. AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA. Rodrigo Freitas Guimarães 1, José Airton Lima Torres 2, George Luiz Gomes de Oliveira 3, Hélio Cordeiro de

Leia mais

Segen F. Estefen Diretor de Tecnologia e Inovação Caminhos para a Inovação Painel Mecanismos de Financiamento Senado Federal, Brasília, 14 de junho

Segen F. Estefen Diretor de Tecnologia e Inovação Caminhos para a Inovação Painel Mecanismos de Financiamento Senado Federal, Brasília, 14 de junho Segen F. Estefen Diretor de Tecnologia e Inovação Caminhos para a Inovação Painel Mecanismos de Financiamento Senado Federal, Brasília, 14 de junho de 2012 UFRJ Ilha da Cidade Universitária Campus da Universidade

Leia mais

Reunião da Congregação do CTC-PUC-Rio. 15 de dezembro de 2014

Reunião da Congregação do CTC-PUC-Rio. 15 de dezembro de 2014 Reunião da Congregação do CTC-PUC-Rio 15 de dezembro de 2014 Pós-Graduação e Pesquisa Alunos de Pós-Graduação Nível Doutorado Mestrado Semestre 2012.1 2012.2 2013.1 2013.2 2014.1 2014.2 2012.1 2012.2 2013.1

Leia mais

Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo - UFMG

Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo - UFMG Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo - UFMG Programa de Pós- Graduação em Arquitetura e Urbanismo - UFMG O Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da UFMG- NPGAU foi criado

Leia mais

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF A Engenharia e o Desenvolvimento Regional A Engenharia e o Desenvolvimento Regional Resumo A importância da qualidade e diversidade na formação do corpo de engenheiros regionais e a integração da indústria

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais IVIG/COPPE/UFRJ

Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais IVIG/COPPE/UFRJ Formação e Capacitação de Recursos Humanos p/exploração de Recursos Energéticos e Geração de Energia Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Engenharia Mecânica 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Engenharia Mecânica 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Engenharia Mecânica 2010-1 ANALÍSE COMPARATIVA DO COMPORTAMENTO MECÂNICA DOS AÇOS DE ALTA RESISTÊNCIA

Leia mais