ANÁLISE DAS PERDAS DE ÁGUA E SOLO NO SEMIÁRIDO PARAIBANO UTILIZANDO SIMULADOR DE CHUVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DAS PERDAS DE ÁGUA E SOLO NO SEMIÁRIDO PARAIBANO UTILIZANDO SIMULADOR DE CHUVA"

Transcrição

1 ANÁLISE DAS PERDAS DE ÁGUA E SOLO NO SEMIÁRIDO PARAIBANO UTILIZANDO SIMULADOR DE CHUVA José Yure Gomes dos Santos 1 ; Celso Augusto Guimarães Santos 2 ; Richarde Marques da Silva 3 ; Valeriano Carneiro de Lima Silva 4 ; Leonardo Pereira e Silva 5 ; Petley de Medeiros Arruda 6 Resumo O presente artigo tem como objetivo analisar as perdas de água e solo no semiárido paraibano, mediante a realização de chuvas simuladas em parcelas experimentais de erosão com diferentes coberturas do solo e condições de umidade. Para tanto, foram realizadas chuvas simuladas com intensidades médias de 52 mm/h em parcelas com cobertura nativa e desmatada, instaladas na Bacia Experimental de São João do Cariri. As chuvas simuladas foram aplicadas variando as condições de umidade do solo, da seguinte maneira: (a) condição seca com 6 min de duração; (b) condição úmida após 24 h do término da simulação na condição seca, com 3 min de duração; (c) condição muito úmida 3 min após o término da simulação na condição úmida, com 3 min de duração. O escoamento superficial em todos os tipos de cobertura do solo foi maior de acordo com o aumento da umidade do solo. Já a produção de sedimentos foi maior na condição de umidade seca, por suas simulações possuírem uma duração de 6 min. A cobertura nativa se mostrou eficiente na proteção do solo em relação à parcela desmatada, apresentando reduções no escoamento superficial e na produção de sedimentos. Abstract This article aims to analyze the losses of soil and water in the semiarid area of Paraiba state by conducting simulated rainfal on experimental erosion plots under different soil cover and moisture conditions. Thus, simulated rainfalls were performed with mean intensities of 52 mm/h on erosion plots with native vegetation cover and bared clear, which were installed in São João do Cariri Experimental Basin. The simulated rainfalls were applied on several soil moisture conditions, as follows: (a) dry condition with duration of 6 min, (b) wet condition 24 hours after the end of the simulation on dry condition, with 3 min long; (c) very wet condition 3 min after the end of the simulation on wet condition, with 3 min long. The runoff in all types of vegetation cover was greater while increasing the soil moisture. The sediment yield was higher for the dry condition, since those simulations had duration of 6 min. The native vegetation cover proved to be effective in protecting the soil when compared to the bare soil, with reduction on the runoff and sediment yield. Palavras-Chave chuva simulada; erosão; semiárido. 1 Bolsista CNPq e Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana e Ambiental/PPGEUA Universidade Federal da Paraíba. E- mail: 2 Professor Associado do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, Centro de Tecnologia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa-PB, , Telefax: (83) Professor Adjunto do Departamento de Geociências, Centro de Ciências Exatas e da Natureza/ UFPB, João Pessoa-PB. 4 Bolsista CAPES e Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana e Ambiental/PPGEUA, Centro de Tecnologia, Universidade Federal da Paraíba. 5 Bolsista DTI/CNPq, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, Centro de Tecnologia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa-PB. E- mail: 6 Bolsista CNPq e Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana e Ambiental/PPGEUA, Centro de Tecnologia, Universidade Federal da Paraíba, XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 1

2 INTRODUÇÃO A erosão dos solos se destaca como um dos mais importantes problemas ambientais, e no Nordeste do Brasil, isso não poderia ser diferente, principalmente na sua porção semiárida. A região semiárida, mesmo não possuindo um período de chuvas regulares ao longo do ano, sofre tanto com ocorrência de eventos extremos de chuva, quanto com a erodibilidade dos solos, que afetam na degradação da vegetação nativa da região, conhecida como caatinga (Santos et al. 21). A região semiárida sofre com a irregularidade pluviométrica, pois a precipitação nessa região, além de apresentar má distribuição espacial, apresenta também uma péssima distribuição temporal, influenciando diretamente no escoamento superficial e na produção de sedimentos (Santos et al., 26). Estes fatores, somados à fragilidade do solo, são condicionantes para o processo de erosão no semiárido nordestino. A erosão dos solos, além de reduzir a capacidade produtiva das culturas, pode causar sérios danos ambientais, como assoreamento e poluição das fontes de água. Contudo, usando adequados sistemas de manejo do solo e adequadas práticas conservacionistas, os problemas de erosão podem ser satisfatoriamente resolvidos (Cogo et al., 24). Este quadro de susceptibilidade a processos erosivos poderia ser amenizado em determinadas regiões, através de uma gestão integrada dos recursos hídricos, que buscasse o conhecimento básico sobre a caracterização e disponibilidade das fontes de água superficiais e subterrâneas; frequência da ocorrência de chuvas ao longo da história, através de séries pluviométricas observadas; formas de manejo e práticas conservacionistas adequadas; influência da cobertura vegetal nas perdas de água e solo sob diferentes condições de umidade. Entretanto, a carência de estudos de abrangência regional, fundamentais para a avaliação da ocorrência e da potencialidade desses eventos, reduz substancialmente as possibilidades de seu manejo, inviabilizando uma gestão eficiente. Buscando-se amenizar o problema da falta de informações hidro-climatológicas, as bacias experimentais foram instaladas no semi-árido nordestino, com o objetivo de servir como fonte de informações para estudos sobre os impactos das modificações do meio ambiente e para o conhecimento do comportamento hidrossedimentológico nessa região. No semiárido do Estado da Paraíba, mais precisamente no Cariri paraibano, que tem sido considerado como um dos lugares críticos com relação ao processo de desertificação (Souza, et al. 24), a Bacia Experimental de São João do Cariri (BESJC) foi instalada para servir como local de fonte de dados de lâmina escoada, erosão dos solos, dados climatológicos, entre outros. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 2

3 7º2'12'' S Desta forma, este estudo busca analisar as perdas de água e solo no semiárido paraibano, mediante a realização de chuvas simuladas em parcelas experimentais de erosão com diferentes coberturas do solo e condições de umidade. MATERIAIS E MÉTODOS A Bacia Experimental de São João do Cariri BESJC O experimento foi desenvolvido na BESJC que esta localizada na parte média da Bacia do Rio Taperoá, na Mesorregião da Borborema e Microrregião do Cariri Oriental, a 7º 2 12 e 7º e de latitude Sul e 36º 31 2 e 36º de longitude Oeste, nas proximidades da cidade de São João do Cariri (Figura 1) e a uma distância de 22 km de João Pessoa, capital do Estado da Paraíba. BRASIL -7º -6º -5º -4º PARAÍBA º -1º -7º -2º N W E -3º S Escala km 7º23'17'' S 36º32'58'' W 36º31'22'' W Projeção de Mercator - Hemisfério Sul Datum Horizontal: WGS84 Figura 1 Localização da Bacia Experimental de São João do Cariri no Estado da Paraíba. A região onde se encontra a bacia apresenta clima seco semiárido, solos rasos, subsolo derivado do embasamento cristalino, vegetação de caatinga, relevo ondulado e altitude variando entre 45 a 55 m (Srinivasan et al., 24). A região da BESJC possuiu um clima do tipo BSh semiárido quente com chuvas de verão, segundo a classificação de Köppen. A precipitação pluvial média anual, observada na área da bacia, XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 3

4 Precipitação (mm) no período de 1987 a 27, foi de 48 mm/ano (Figura 2), com intervalos registrados na bacia de 55 a 888 mm/ano. O período chuvoso ocorre de janeiro a maio. A umidade relativa é de aproximadamente 7% e a evapotranspiração de 1.816,65 mm/ano, com uma média mensal de 151,39 mm (Araujo, 25) Período (Anos) Figura 2 Precipitação anual média na Bacia Experimental de São João do Cariri. O experimento foi constituído de duas parcelas experimentais instaladas na BESJC e um simulador de chuva. As duas parcelas experimentais de erosão foram construídas segundo metodologia proposta por Santos (26). As parcelas possuem área de 3 m², com dimensões de 1 3 m, com a maior dimensão no sentido do declive. Estas parcelas são construídas com chapas metálicas de 2 cm de altura, sendo aproximadamente 1 cm cravados no solo, as quais possuem na parte inferior uma calha para coleta da enxurrada. A Figura 3 mostra uma representação esquemática das parcelas experimentais de erosão instaladas na BESJC. As parcelas experimentais possuem solo do tipo Vertissolo Cromado Órtico e declividade média de 7%. Figura 3 Representação esquemática e vista da parcela de erosão instalada na BESJC. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 4

5 Monitoramento dos processos hidrossedimentológicos nas parcelas experimentais de erosão As simulações das perdas de água e solo foram realizadas a partir de chuvas simuladas nas parcelas experimentais com dois tipos de cobertura do solo: vegetação nativa e desmatada. Para a realização do estudo, foi utilizado um simulador de chuvas pendular, constituído por uma armação retangular apoiada por quatro pés tubulares de aço removíveis, localizado no centro da armação a uma altura de 2,88 m do solo. (Figura 4). O simulador possui um motor com sistema eletrônico que realiza movimentos oscilantes temporizados, que permitem a oscilação do bico aspersor, possibilitando uma maior uniformidade da chuva simulada sobre a parcela de erosão. O bico aspersor utilizado no simulador foi do tipo VeeJet 8-1, da Spraying Systems Company, Figura 4 Vista do simulador de chuvas utilizado no estudo. As chuvas simuladas foram aplicadas variando as condições de umidade do solo, da seguinte maneira: (a) condição seca com 6 min de duração; (b) condição úmida após 24 h do término da simulação na condição seca, com 3 min de duração; (c) condição muito úmida 3 min após o término da simulação na condição úmida, com 3 min de duração. As chuvas simuladas aplicadas seguiram os tipos de rotinas adotadas por Simanton e Renard (1982) e utilizadas por Lopes (1987). A umidade inicial do solo nas parcelas foi determinada antes do início das simulações pelo método termogravimétrico, conforme Embrapa (1997). A chuva produzida durante a operação do simulador foi monitorada continuamente através de 14 pluviômetros artesanais, espalhados ao redor da área útil das parcelas experimentais de erosão, a fim de verificar a uniformidade espacial da chuva simulada (Figura 4). XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 5

6 Avaliação das perdas de água e solo nas parcelas A partir do início do escoamento superficial, eram realizadas as coletas da enxurrada na extremidade inferior da calha coletora, com duração de 1 segundos, em intervalos de 5 minutos. As coletas foram realizadas utilizando uma proveta graduada de 1. ml, onde era lido o volume escoado em cada amostragem durante o evento. As taxas de perdas de solo foram determinadas pela pesagem do material coletado durante 1 segundos em recipientes plásticos. Os recipientes plásticos, após pesagem, foram deixados em repouso e após 24 horas, o sobrenadante foi succionado e os recipientes levados para secagem em estufa a 65º C, durante 72 horas, sendo em seguida pesados com o solo seco (Cogo, 1978; Santos, 26; Bezerra e Cantalice, 26). A produção de sedimentos foi obtida através da seguinte equação: P s ( Q Cs t) (1) A sendo, P s a produção de sedimentos (kg/ha), Q a vazão (L/s), C s a concentração de sedimento (kg/l); t o intervalo entre as coletas (3 s), e A área da parcela (ha). A concentração de sedimentos foi obtida a partir da divisão da massa de solo seco pela massa/ou volume da enxurrada em kg. A taxa de escoamento superficial (mm/h) foi obtida a partir da divisão do volume coletado (em mm) pela duração (h) da coleta. A taxa de infiltração (mm/h) foi obtida pela diferença entre a intensidade da precipitação (I) e a taxa de escoamento superficial, conforme Brandão et al. (26) e Santos (26). RESULTADOS E DISCUSSÕES O monitoramento hidrossedimentológico nas parcelas ocorreu no período de 1/11/21 a 29/3/211, totalizando 43 eventos de chuvas simuladas, sob diferentes tipos de cobertura do solo e condições de umidade. A Figura 5 apresenta os estágios da vegetação nativa durante as simulações de chuvas: (a) simulação 1: 1 a 11/11/21; (b) simulação 2: 14/12/21; (c) simulação 3: 1 a 2/2/211; (d) simulação 4: 28/2/211; (e) simulação 5: 17 a 18/3/211; (f) simulação 6: 28 a 29/3/211. Percebe-se um aumento significativo do porte da cobertura vegetal durante o período estudado, com o crescimento médio da vegetação de 5 cm para 116,5 cm de altura. A Figura 6 apresenta a parcela sem cobertura vegetal, utilizada nas simulações de chuvas. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 6

7 (a) Simulação 1 (b) Simulação 2 (c) Simulação 3 (d) Simulação 4 (e) Simulação 5 (f) Simulação 6 Figura 5 Estágios da vegetação nativa durante as simulações de chuva. Figura 6 Vista da parcela desmatada utilizada no estudo. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 7

8 Escoamento Superficial (mm/h) Escoamento Superficial (mm/h) As intensidades das chuvas simuladas aplicadas nas simulações variaram de 4 a 57 mm/h, com uma média de 52 mm/h para todos os eventos. Esta variação foi resultante da interferência do vento no campo, conforme também constatado por Santos (26) e Falcão (29). Análise isolada dos tipos de cobertura do solo em relação as suas condições de umidade O escoamento superficial, em todos os tipos de cobertura do solo, foi maior de acordo com o aumento da umidade do solo, como se pode observar na Tabela 1 e nas Figuras 7 e 8. Embora o escoamento superficial médio tenha sido maior na condição de umidade muito úmida, em todos os tipos de cobertura do solo não houve uma diferença significativa em relação à condição úmida (Tabela 1). Eventos de escoamentos na condição úmida, iguais ou superiores a eventos da condição muito úmida, podem ser identificados na parcela com vegetação nativa (Figura 7) e desmatada (Figura 8). Tabela 1 Médias do escoamento superficial, umidade inicial, início do escoamento e taxa de infiltração das parcelas com cobertura nativa e desmatada sob diferentes condições de umidade Cobertura Umidade Início do Escoamento Taxa de Condição de Intensidade inicial Escoamento Superficial Infiltração umidade (mm/h) (%) (m ss ) (mm/h) (mm/h) Seca ,41 26,63 Nativa Úmida ,92 12,19 Muito úmida ,28 7,89 Seca ,6 25,41 Desmatada Úmida , 12,53 Muito úmida ,8 7, Eventos Eventos Figura 7 Escoamento superficial da parcela com vegetação nativa nas diferentes condições de umidade. Figura 8 Escoamento superficial da parcela desmatada nas diferentes condições de umidade. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 8

9 O tempo para o início do escoamento, que está relacionado com a umidade inicial do solo, foi menor de acordo com o aumento da umidade inicial. Com a maior saturação do solo, como é o caso das condições úmida e muito úmida, o escoamento superficial ocorre mais rápido e em maior quantidade, pois a taxa de infiltração é menor, como pode ser observado na Tabela 1, a qual apresenta o tempo para o início do escoamento superficial e a média da taxa de infiltração para os diferentes tipos de cobertura do solo e condições de umidade. A diferença do escoamento superficial e da taxa de infiltração entre as condições úmida e muito úmida, de cada tipo cobertura do solo, não foi muito significante. Isso pode ser atribuído à pequena espessura da camada de solo no experimento, que não permite a infiltração e armazenamento de grande quantidade de água, acarretando em taxas de umidade inicial semelhantes para as condições úmida e muito úmida. Levando-se em consideração o aumento da cobertura vegetal no decorrer das chuvas simuladas na parcela com cobertura nativa, não foi evidenciado redução no escoamento superficial nas diferentes condições de umidade, conforme pode ser observado na Figura 7. A Figura 5 apresenta os estágios de crescimento da vegetação nativa na parcela experimental de erosão. A não redução do escoamento superficial na parcela com cobertura nativa pode estar relacionada com fatores como a distribuição foliar da vegetação e sulcos criados pelo escoamento, essa característica do escoamento laminar no semiárido também foi constatado por Falcão (29) e Santos et al. (2) em cultivos de milho e palma. De acordo com Falcão (29), comportamentos deste tipo ratificam a complexidades dos estudos hidrossedimentológicos, tendo em vista os diversos fatores envolvidos no processo. A Tabela 2 e as Figuras 9 e 1 apresentam a produção de sedimentos das parcelas com cobertura nativa e desmatada sob diferentes condições de umidade. A produção de sedimentos média foi maior, nos dois tipos de cobertura do solo, na condição de umidade seca. Deve-se ressaltar que os eventos da condição seca tiveram 6 min de duração. Entre as condições úmida e muito úmida, que possuíam o mesmo tempo de duração (3 min), não houve diferença significativa em relação à produção de sedimentos. Tabela 2 Produção de sedimentos média das parcelas com diferentes coberturas do solo e condições de umidade Cobertura Condição de umidade Intensidade (mm/h) Produção de sedimentos (kg/ha) Seca 52 83,34 Nativa Úmida 51 41,5 Muito úmida 52 44,77 Seca ,58 Desmatada Úmida ,59 Muito úmida ,7 XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 9

10 Produção de Sedimentos (Kg/ha) Produção de Sedimentos (Kg/ha) Eventos Eventos Figura 9 Produção de sedimentos da parcela com vegetação nativa nas diferentes condições de umidade. Figura 1 Produção de sedimentos da parcela desmatada nas diferentes condições de umidade. Por mais que não tenha havido uma diferença significativa na produção de sedimentos entre as condições úmida e muito úmida, a condição muito úmida apresentou uma produção de sedimentos um pouco maior na parcela com vegetação nativa. Na parcela desmatada, a produção de sedimentos na condição úmida superou a da condição muito úmida com uma média de apenas,89 kg/ha (Tabela 2). Esta proximidade dos valores das produções de sedimentos das condições úmida e muito úmida pode ser justificada pela pequena diferença na umidade inicial do solo, que tornou os eventos das condições propostas como úmida e muito úmida bastante semelhantes. Se os eventos das condições úmida e muito úmida possuíssem a mesma duração dos eventos da condição seca, certamente as produções de sedimentos destes eventos seriam maiores, pois com a maior umidade do solo se tem um maior escoamento superficial e consequentemente um maior carreamento de sedimentos. Na parcela com vegetação nativa, a diferença da produção de sedimentos entre as condições úmida e muito úmida com relação à condição seca foi de 51 e 46%, respectivamente. Para a parcela desmatada esta diferença foi de 44% para a condição úmida e 45% para a muito úmida. Analisando os tipos de cobertura do solo em relação as suas condições de umidade, pode-se constatar que a influência do aumento da cobertura vegetal, no decorrer das simulações de chuvas, foi significativa para o abrandamento da produção de sedimentos na parcela com vegetação nativa (Figura 9), devido ao fato do aumento da cobertura foliar da vegetação. Este abrandamento da produção de sedimentos em decorrência do aumento da cobertura vegetal também foi observado por Falcão (29), Santos (26) e Bezerra e Cantalice (26) em parcelas com diferentes cultivos no semiárido nordestino. Isto se deve a diminuição da energia cinética do impacto das gotas de chuvas, visto que a diminuição desta energia acaba reduzindo a XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 1

11 Escoamento Superficial (mm/h) Escoamento Superficial (mm/h) desagregação das partículas do solo e, consequentemente, o carreamento do transporte de sedimentos. Análise comparativa entre os diferentes tipos de cobertura do solo em relação às diferentes condições de umidade Na Tabela 3, encontram-se os valores médios do escoamento superficial, da umidade inicial do solo e início do escoamento para os diferentes tipos de cobertura do solo e condições de umidade propostas. Observa-se que o escoamento superficial foi maior nas três condições de umidade para a parcela desmatada. As taxas de infiltração foram semelhantes em todas as condições de umidade e tipos de cobertura do solo. Tabela 3 Médias do escoamento superficial, umidade inicial e início do escoamento das parcelas com diferentes coberturas do solo e condições de umidade Umidade Início do Escoamento Taxa de Condição Intensidade Cobertura inicial escoamento Superficial Infiltração de umidade (mm/h) (%) (m ss ) (mm/h) (mm/h) Nativa ,41 26,63 Seca Desmatada ,6 25,41 Nativa ,92 12,19 Úmida Desmatada , 12,53 Nativa ,28 7,89 Muito úmida Desmatada ,8 7,24 A cobertura nativa se mostrou mais eficiente na redução do escoamento superficial ao comparar estes resultados com os valores obtidos na parcela desmatada. As Figuras 11 e 12 apresentam o comportamento médio do escoamento superficial durante o tempo de duração das chuvas simuladas. Observa-se um escoamento superficial semelhante entre a vegetação nativa e o solo desmatado, com pequena atenuação do escoamento superficial pela vegetação nativa. 6 Nativa Desmatada Nativa (U) Desmatada (U) Nativa (MU) Desmatada (MU) Tempo (min) Figura 15 Escoamento superficial na condição seca. Figura 16 Escoamento superficial nas condições úmida e muito úmida XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos Tempo (min)

12 Infiltração (mm/h) Infiltração (mm/h) As Figuras de 17 e 18 apresentam o comportamento médio da taxa de infiltração superficial durante o tempo de duração das chuvas simuladas, em que foram observadas taxas de infiltração semelhantes entre a parcela nativa e desmatada nas diferentes condições de umidade. 6 Nativa Desmatada 6 Nativa (U) Desmatada (U) Nativa (MU) Desmatada (MU) Tempo (min) Tempo (min) Figura 17 Taxa de infiltração na condição seca. Figura 18 Taxa de infiltração nas condições úmida e muito úmida Em relação às umidades iniciais, não foram observadas diferenças significativas entre os diferentes tipos de cobertura do solo, nas três condições de umidade (Tabela 3). Pouca variação entre as umidades antecedentes à aplicação de chuvas em diversos sistemas de manejo também foram verificadas por Castro et al. (26), Santos (26), Silva et al.(25), Volk et al. (24) e Mello et al.(23). O tempo para o início do escoamento superficial foi maior nas condições úmida e muito úmida para a parcela com cobertura nativa, já na condição seca, a parcela desmatada apresentou um maior tempo para o início do escoamento. A Tabela 4 apresenta as médias da produção de sedimentos das parcelas com diferentes coberturas do solo e condições de umidade propostas. Em relação à produção de sedimentos, observa-se que esta foi maior na parcela desmatada. Tabela 4 Médias da produção de sedimentos das parcelas com diferentes coberturas do solo e condições de umidade Condição de Intensidade Produção de sedimentos Cobertura umidade (mm/h) (kg/ha) Nativa 52 83,34 Seca Desmatada ,58 Nativa 51 41,5 Úmida Desmatada ,59 Nativa 52 44,77 Muito úmida Desmatada ,7 XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 12

13 Produção de Sedimentos (kg/ha) Produção de Sedimentos (kg/ha) Na Tabela 4, observa-se que a cobertura nativa se mostrou eficiente para a proteção do solo e redução da produção de sedimentos, apresentando reduções bastante significativas. Em relação à parcela descoberta, na condição seca, a vegetação nativa apresentou uma redução na produção de sedimentos de 75%, na condição úmida esta redução foi de 78% e na condição muito úmida 75%. A eficiência da cobertura nativa em reduzir o escoamento superficial e a produção de sedimentos, constatada neste estudo, corrobora com resultados obtidos por Santos et al. (27), Santos (26), Srinivasan e Galvão (23), Santos et al. (2), que enfatizam que em áreas com solo protegido pela vegetação nativa, há um menor potencial para o escoamento superficial e produção de sedimentos. Em estudo realizado por Santos et al. (2) sob diferentes sistemas de manejo do solo, foi observado a ineficiência da palma cultivada morro abaixo para a proteção do solo, por não proteger o solo de forma adequada quando comparada com a vegetação nativa, a qual foi considerada o melhor tipo de cobertura vegetal dentre os estudados, o que está de acordo com os dados obtidos no presente estudo. As Figuras de 19 e 2 apresentam o comportamento médio da produção de sedimentos durante o tempo de duração das chuvas simuladas. Observa-se que não houve grandes variações no decorrer das chuvas simuladas, em que as produções de sedimentos se mantiveram estáveis. A produção de sedimentos da parcela desmatada se manteve inferior a todas as produções dos outros tipos de cobertura do solo nas três condições de umidade propostas. Por outro lado, as produções de sedimentos das culturas de milho e feijão se mantiveram acima das produções do solo desmatado, em todas as condições de umidade. 5 Nativa Desmatada Nativa (U) Desmatada (U) Nativa (MU) Desmatada (MU) Tempo (min) Figura 19 Produção de sedimentos na condição seca Tempo (min) Figura 2 Produção de sedimentos na condição úmida. e muito úmida XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 13

14 CONCLUSÕES Pode-se concluir de acordo com o exposto que o escoamento superficial em todos os tipos de cobertura do solo foi maior de acordo com o aumento da umidade do solo. Já a produção de sedimentos foi maior na condição de umidade seca, visto que suas simulações foram realizadas com uma duração de 6 min, se as simulações desta condição de umidade possuíssem a mesma duração das condições úmida e muito úmida (3 min), teriam apresentado menores taxas de produção de sedimentos. Os valores dos escoamentos superficiais e produções de sedimentos das condições úmida e muito úmida foram semelhantes. Esta semelhança ocorreu pela pequena diferença na umidade inicial do solo, que tornou os eventos das condições propostas como úmida e muito úmida, bastante semelhantes, ou seja, embora o espaço de tempo entre os eventos tenham sido diferentes (condição úmida, 24 h após o evento da condição seca; condição muito úmida, 3 min após o evento da condição úmida), suas respectivas umidades iniciais foram praticamente as mesmas. Comparando as perdas de água e solo dos diferentes tipos de cobertura do solo, conclui-se que a cobertura nativa se mostrou eficiente na proteção do solo em relação à parcela desmatada, por ter apresentado reduções no escoamento superficial e na produção de sedimentos. A redução na produção de sedimentos foi de 75% na condição seca, 78% na condição úmida e 75% na condição muito úmida. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem ao grupo de Recursos Hídricos da UFRPE, em especial aos Professores Abelardo Antônio de Assunção Montenegro e Thais Emanuelle Monteiro dos Santos, pelo simulador de chuva, desenvolvido em parceria com recursos do CNPq. Agradecem ao CNPq pelas bolsas de mestrado do primeiro autor (Processo Nº /299-5), de produtividade em pesquisa do segundo autor, e de pesquisa do quito e sexto autor (Processo Nº /211-7). Agradecem também a CAPES pela bolsa de mestrado do quarto autor. BIBLIOGRAFIA ARAUJO, K.D.; ANDRADE, A.P.; RAPOSO, R.W.C; ROSA, P.R.O. PAZERA JR, E. (25). Análise das condições meteorológicas de São João do Cariri no semiárido paraibano. Revista Geografia, Londrina, v. 14, n. 1, pp BEZERRA, S.A.; CANTALICE, J.R.B. (26). Erosão entre sulcos em diferentes condições de cobertura do solo, sob o cultivo da cana-de-açúcar. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.3, n. 4, pp XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 14

15 BRANDÃO, V.S.; SILVA, D.D.; RUIZ, H.A.; PRUSKI, F.F.; SCHAEFER, C.E.G.R. MARTINEZ, M.A.; MENEZES, S.J.M.C. (26). Resistência hidráulica da crosta formada em solos submetidos a chuvas simuladas. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.3, n.1, p CARVALHO, D.F.; CRUZ, E.S.; PINTO, M.F.; SILVA, L.D.B.; GUERRA, J.G.M. (29) Características da chuva e perdas por erosão sob diferentes práticas de manejo do solo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.13, n.1, pp COGO, N.P. (1978) Uma contribuição à metodologia de estudo das perdas de erosão em condições de chuva natural. I. Sugestões gerais, medição dos volumes, amostragem e quantificação de solo e água da enxurrada. 1º aproximação in Anais do II Encontro Nacional de Pesquisa sobre Conservação do Solo, Passo Fundo, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, pp COGO, N.P.; LEVIEN, R.; SCHWARZ, R.A. (23). Perdas de solo e água por erosão hídrica influenciadas por métodos de preparo, classes de declive e níveis de fertilidade do solo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.27, n.4, pp EMBRAPA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (1997). Manual de métodos de análises de solo. Centro Nacional de Levantamento e Conservação do Solo. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, pp FALCÃO, S.C.M. (29). Avaliação da produção de sedimentos em áreas de diferentes escalas na Bacia Experimental do Riacho Gravatá, semi-árido Alagoano. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Recursos Hídricos e Saneamento, Universidade Federal de Alagoas, Maceió. LOPES, V.L. (1987). A numerical model of watershed erosion and sediment yield. Tucson, PhD Dissertation, University of Arizona, pp.148. SANTOS, C.A.G.; PAIVA, F.M.L.; SILVA, R.M. (26). Modelagem hidrossedimentológica e efeito de escala: O caso da bacia experimental de São João do Cariri in Anais do VIII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste, 26, Gravatá- PE. Porto Alegre: ABRH, 26. SANTOS, C.A.G.; SUZUKI, K.; WATANABE, M.; SRINIVASAN, V.S. (2). Influência do tipo de cobertura vegetal sobre a erosão no semiárido paraibano. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.4 n.1, pp SANTOS, C.A.G.; SILVA, R.M.; SRINIVASAN, V.S. (27). Análise das perdas de água e solo em diferentes coberturas superficiais no semiárido da Paraíba. Revista OKARA: Geografia em Debate, v.1, n.1, pp SANTOS, C.A.G.; SILVA, V.C.L.; SANTOS, J.Y.G.; SILVA, R.M.; BRITO NETO, R.T. (21). Construção de barramentos no controle das perdas de sedimentos a água no semiárido da Paraíba in Anais do IX Encontro Nacional de Engenharia de Sedimentos, Brasília: ABRH, v. 1. p SANTOS, T.E.M. (26). Avaliação de técnicas de conservação de água e solo em bacia experimental do semi-árido Pernambucano. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós- Graduação em Engenharia Agrícola, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 15

16 SILVA, C.G.; ALVES SOBRINHO, T.; VITORINO, A.C.T. CARVALHO, D.F. (25). Atributos físicos, químicos e erosão entressulcos sob chuva simulada, em sistemas de plantio direto e convencional. Engenharia Agrícola, v.25, n.1, pp SIMANTON, J.R. RENARD, K.G. (1982). Seasonal change in infiltration and erosion from USLE plots in Southeastern Arizona. Hydrology and Water Resources in Arizona and the Southwest, Office of Arid Land Studies, University of Arizona, Tucson, AZ, 12, pp SOUZA, B.I.; SILANS, A.M.B.P.; SANTOS, J.B. (24) Contribuição ao estudo da desertificação na Bacia do Taperoá. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.8, n. 3, p SRINIVASAN, V. S.; GALVÃO, C.O.; SANTOS, C.A.G.; FIGUEIREDO, E. E.; REGO, J. C.; ALCÂNTARA, H. M. de.; ALBUQUERQUE, J. P. T.; ARAGÃO, R.; MELO, R. N. T.; CRUZ, E.; GUEDES, G. A.; LACERDA, I.; SANTOS, L. L. dos.; ALVES, F. M. (24) Bacia Experimental de São João do Cariri PB. Relatório Técnico do IBESA/FINEP/FUNPEC Implantação de Bacias Experimentais no Semi-árido. SRINIVASAN, V.S.; GALVÃO, C.O. (23). Bacia Experimental de Sumé: Descrição e dados coletados. Campina Grande: UFCG/CNPq, vol. 1, p.129. VOLK, L.B.S.; COGO, N.P.; STRECK, E.V. (24). Erosão hídrica influenciada por condições físicas de superfície e subsuperfície do solo resultantes do seu manejo, na ausência de cobertura vegetal. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.28, n.2, pp XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 16

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Diogo Francisco Borba Rodrigues¹; Abelardo Antônio de Assunção Montenegro²; Tatiana Patrícia Nascimento da Silva³ & Ana Paula

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE GERAÇÃO DE ESCOAMENTO EM MICROBACIA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO BRASIL

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE GERAÇÃO DE ESCOAMENTO EM MICROBACIA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO BRASIL XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE GERAÇÃO DE ESCOAMENTO EM MICROBACIA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO BRASIL Júlio César Neves dos Santos 1 ; Hugo Morais de Alcântara 2 ; Alessandro Francisco dos Santos

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

MONITORAMENTO E SIMULAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO EM CISTERNAS RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO

MONITORAMENTO E SIMULAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO EM CISTERNAS RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO MONITORAMENTO E SIMULAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO EM CISTERNAS RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO Dennyele Alves Gama¹; Marília Silva Dantas¹; Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega¹ & Carlos de Oliveira Galvão¹ RESUMO Os

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE EVENTO EXTREMO EM REGIÃO SEMIÁRIDA DO NORDESTE BRASILEIRO: RESPOSTA HIDROLÓGICA E SEDIMENTOLOGICA EM ESCALA DE PARCELA

CARACTERIZAÇÃO DE EVENTO EXTREMO EM REGIÃO SEMIÁRIDA DO NORDESTE BRASILEIRO: RESPOSTA HIDROLÓGICA E SEDIMENTOLOGICA EM ESCALA DE PARCELA CARACTERIZAÇÃO DE EVENTO EXTREMO EM REGIÃO SEMIÁRIDA DO NORDESTE BRASILEIRO: RESPOSTA HIDROLÓGICA E SEDIMENTOLOGICA EM ESCALA DE PARCELA José Roberto Lopes da Silva 1 *; Abelardo A. A. Montenegro 2 ;Edivaldo

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1 COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1 Luiza Teixeira de Lima Brito 2 Aderaldo de Souza Silva 3 RESUMO Técnicas de captação e armazenamento de água de

Leia mais

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE Sebastião Cavalcante de Sousa (1); Rafaela Alves de Melo (1); Francisco Ramon da Cunha Alcantara (2) (Universidade Federal do Cariri,

Leia mais

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Fabíola de Souza Silva 1, Magaly de Fatima Correia 2, Maria Regina da Silva Aragão 2 1 Bolsista PIBIC/CNPq/UFCG, Curso de Graduação em Meteorologia,

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

ESTUDO SOBRE A AÇÃO DO FOGO EM SOLO CARACTERÍSTICO DO CERRADO A PARTIR DE PARCELAS EXPERIMENTAIS EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE COBERTURA VEGETAL

ESTUDO SOBRE A AÇÃO DO FOGO EM SOLO CARACTERÍSTICO DO CERRADO A PARTIR DE PARCELAS EXPERIMENTAIS EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE COBERTURA VEGETAL ESTUDO SOBRE A AÇÃO DO FOGO EM SOLO CARACTERÍSTICO DO Costa, Y.T. 1 ; Rodrigues, S.C. 2 ; 1 LAGES/IG/UFU Email:yasmmin_t@hotmail.com; 2 LAGES/IG/UFU Email:silgel@ufu.br; RESUMO: Esta pesquisa realizou

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE PRECIPITAÇÃO, TEMPERATURA, E EVAPOTRANSPIRAÇÃO ENTRE BACIAS REPRESENTATIVAS DO AGRESTE DE PERNAMBUCO

ANÁLISE COMPARATIVA DE PRECIPITAÇÃO, TEMPERATURA, E EVAPOTRANSPIRAÇÃO ENTRE BACIAS REPRESENTATIVAS DO AGRESTE DE PERNAMBUCO ANÁLISE COMPARATIVA DE PRECIPITAÇÃO, TEMPERATURA, E EVAPOTRANSPIRAÇÃO ENTRE BACIAS REPRESENTATIVAS DO AGRESTE DE PERNAMBUCO Lilian Danielli Da Silva¹; Abelardo Antônio de Assunção Montenegro²; Suzana Maria

Leia mais

NARRATIVA DO MONITOR DAS SECAS DO MÊS DE JUNHO DE 2015

NARRATIVA DO MONITOR DAS SECAS DO MÊS DE JUNHO DE 2015 NARRATIVA DO MONITOR DAS SECAS DO MÊS DE JUNHO DE 2015 Condições Meteorológicas do Mês de Junho de 2015 Historicamente, conforme pode ser observada na figura 1 (b), no mês de junho, o litoral oeste do

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE LÂMINAS DE ÁGUA EM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO FIXO

DISTRIBUIÇÃO DE LÂMINAS DE ÁGUA EM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO FIXO DISTRIBUIÇÃO DE LÂMINAS DE ÁGUA EM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO FIXO D. C. da C. Ribeiro 1 ; P. H. P. Ribeiro 2 ; M. B. Teixeira 3 ; F. A. L. Soares 4 ; H. C. R. de Lima 5 ; R. R. Gomes Filho 6 RESUMO:

Leia mais

VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO

VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO 1 Weber Andrade Gonçalves; Magaly de Fatima Correia 2 ; Lincoln

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB Jackson Silva Nóbrega 1 ; Francisco de Assis da Silva 1 ; Marcio Santos da Silva 2 ; Maria Tatiane Leonardo Chaves

Leia mais

VELOCIDADE DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANÉIS CONCÊNTRICOS EM LATOSSOLO VERMELHO DE CERRADO

VELOCIDADE DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANÉIS CONCÊNTRICOS EM LATOSSOLO VERMELHO DE CERRADO VELOCIDADE DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANÉIS CONCÊNTRICOS EM LATOSSOLO VERMELHO DE CERRADO João Angelo Silva Nunes 1, Marcos Henrique Dias Silveira 2, Tonny José Araújo da Silva 2, Priscilla

Leia mais

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA Sabendo-se que a erosão pode comprometer até mesmo o volume de água de uma bacia hidrográfica, o presente

Leia mais

SEBASTIÃO COELHO MARINHO FALCÃO

SEBASTIÃO COELHO MARINHO FALCÃO Universidade Federal de Alagoas Centro de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Recursos Hídricos e Saneamento Cidade Universitária Campus A. C. Simões Tabuleiro do Martins CEP 57072-970 Maceió, Alagoas.

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA - MONITORAMENTO DA EVOLUÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS DE UMA MICROBACIA HIDROGRÁFICA, EXTREMA, MINAS GERAIS -

Leia mais

reverse speed, results that it showed an increase of precipitations in the rainy

reverse speed, results that it showed an increase of precipitations in the rainy ANÁLISE HISTÓRICA DA SÉRIE DE PRECIPITAÇÃO (1931-2010) E O BALANÇO HÍDRICO DE MACEIÓ AL: CICLO HIDROLÓGICO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. Expedito R. G. Rebello¹; Nadir Dantas de Sales². RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE O Território do Sertão do Araripe é formado por 10 municípios: Araripina,

Leia mais

EFEITO DO ESCOAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM DIFERENTES COBERTURAS. Nilton de Brito Cavalcanti 1

EFEITO DO ESCOAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM DIFERENTES COBERTURAS. Nilton de Brito Cavalcanti 1 You are free: to copy, distribute and transmit the work; to adapt the work. You must attribute the work in the manner specified by the author or licensor EFEITO DO ESCOAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM DIFERENTES

Leia mais

EROSIVIDADE DA CHUVA NA ÁREA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUÇUÍ PRETO- PI, BRASIL VISANDO O DESENVOLVIMENTO DE MANEJOS DO SOLO

EROSIVIDADE DA CHUVA NA ÁREA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUÇUÍ PRETO- PI, BRASIL VISANDO O DESENVOLVIMENTO DE MANEJOS DO SOLO EROSIVIDADE DA CHUVA NA ÁREA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUÇUÍ PRETO- PI, BRASIL VISANDO O DESENVOLVIMENTO DE MANEJOS DO SOLO Raimundo Mainar de Medeiros 1, Paulo Roberto Megna Francisco 2, Roseane Cristina

Leia mais

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS Julho 2004 TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS José Eloir Denardin Rainoldo Alberto Kochhann Neroli Pedro Cogo Ildegardis Bertol QUESTÃO São necessárias práticas complementares à Cobertura de Solo

Leia mais

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO 7. INFILTRAÇÃO 7 - INFILTRAÇÃO 7.1 - Conceituação Geral Uma gota de chuva pode ser interceptada pela vegetação ou cair diretamente sobre o solo. A quantidade de água interceptada somente pode ser avaliada

Leia mais

Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água

Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água contato com a apresentação: gerd@usp.br total de 39 slides 1 Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água...quais Conceitos o Histórico

Leia mais

VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS

VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS Raimundo Mainar de Medeiros 1, Paulo Roberto Megna Francisco 2, Roseane Cristina Silva Oliveira 3, Manoel Francisco

Leia mais

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 Maurílio Neemias dos Santos 1, Heliofábio Barros Gomes 1,, Yasmim Uchoa da Silva 1, Sâmara dos Santos

Leia mais

CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1

CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1 Página 1077 CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1 Ricardo Pereira Veras 1 ; Pedro Dantas Fernandes 2 ; Eduardo Maciel Oliveira Laime 3 ; Janivan Fernandes Suassuna 4

Leia mais

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br ANÁLISE ESTATÍSTICA PARA DETERMINAÇÃO DA NA BACIA DO RIO SÃO MATEUS-ES Eduardo Morgan Uliana 1, Camila Aparecida da Silva Martins 1, José Geraldo Ferreira da Silva 2, Edvaldo Fialho dos Reis 3 1 Universidade

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça Hidrologia e Drenagem Aula 2 1 ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça SISTEMA DE DRENAGEM E PRECIPITAÇÕES (PARTE 1) 1) Sistema

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE

Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE Introdução O recém divulgado relatório do IPCC AR5 sobre a base científica das mudanças climáticas conclui, com acima de 90% de confiança, que

Leia mais

Escoamento superficial de água em plantios florestais de eucalipto, Felixlândia-MG

Escoamento superficial de água em plantios florestais de eucalipto, Felixlândia-MG Escoamento superficial de água em plantios florestais de eucalipto, Felixlândia-MG Ana Paula Vilela Carvalho 1 Herly Carlos Teixeira Dias 1 Vanessa Pataro Maffia 1 Otavio Surian Gamba 1 José Carlos de

Leia mais

INFLUÊNCIA DA OCORRÊNCIA DE DOIS EVENTOS DE CHUVA SOBRE O CRESCIMENTO DE VARIEDADES DE PALMA FORRAGEIRA NO SEMIÁRIDO

INFLUÊNCIA DA OCORRÊNCIA DE DOIS EVENTOS DE CHUVA SOBRE O CRESCIMENTO DE VARIEDADES DE PALMA FORRAGEIRA NO SEMIÁRIDO INFLUÊNCIA DA OCORRÊNCIA DE DOIS EVENTOS DE CHUVA SOBRE O CRESCIMENTO DE VARIEDADES DE PALMA FORRAGEIRA NO SEMIÁRIDO SANTOS, J. E. O. 1, SILVA, T. G. F. DA 2, DINIZ, W. J. DA. S. 1, MORAIS, J. E. F. DE

Leia mais

Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil

Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil Vicente de Paulo Rodrigues da Silva, Hiran de Melo (Professor DEE/CCT/UFPB), Antônio Heriberto de Castro Teixeira (EMBRAPA

Leia mais

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE José Ivaldo Barbosa de Brito (1); Ioneide Alves de Souza; José Oribe Rocha Aragão (1) Departamento de Ciências

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

PERFIS DE PRECIPITAÇÃO PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO E PERDAS DE SOLO E ÁGUA, EM SEROPÉDICA, SOB DIFERENTES PADRÕES DE PRECIPITAÇÃO

PERFIS DE PRECIPITAÇÃO PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO E PERDAS DE SOLO E ÁGUA, EM SEROPÉDICA, SOB DIFERENTES PADRÕES DE PRECIPITAÇÃO PERFIS DE PRECIPITAÇÃO PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO E PERDAS DE SOLO E ÁGUA, EM SEROPÉDICA, SOB DIFERENTES PADRÕES DE PRECIPITAÇÃO Daniel Fonseca de Carvalho, D.S. Prof. Associado I DE/IT/UFRRJ a) Determinação

Leia mais

VARIABILIDADE DA UMIDADE RELATIVA DO AR NA BACIA DE BARRA DOS COQUEIROS - CAÇU-GO 1

VARIABILIDADE DA UMIDADE RELATIVA DO AR NA BACIA DE BARRA DOS COQUEIROS - CAÇU-GO 1 VARIABILIDADE DA UMIDADE RELATIVA DO AR NA BACIA DE BARRA DOS COQUEIROS - CAÇU-GO 1 Lázara Fernanda Moraes de Carvalho UFG-CampusJataí lazarafernanda@hotmail.com Regina Maria Lopes UFG lopesgeo@yahoo.com.br

Leia mais

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia Considerações Sobre a Gestão de Áreas Verdes Com Foco na Arborização de Sertânia - PE Edmaylson Jóia Leandro 1 Maria Betânia Moreira Amador 2 RESUMO Face a necessidade de implantação de espécies vegetais

Leia mais

1,7 milhões de estabelecimentos 50 Mha

1,7 milhões de estabelecimentos 50 Mha Ignacio H. Salcedo 1,7 milhões de estabelecimentos 50 Mha 200 ha 2,3% dos estabelec. 46% da área IBGE, 2006 1,0 milhão de

Leia mais

Andréa Souza Castro 1 e Joel Avruch Goldenfum 2

Andréa Souza Castro 1 e Joel Avruch Goldenfum 2 1USO DE TELHADOS VERDES NO CONTROLE QUALI-QUANTITATIVO DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL URBANO Andréa Souza Castro 1 e Joel Avruch Goldenfum 2 RESUMO Os telhados verdes são estruturas que se caracterizam pela

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO CRISTAL, JERÔNIMO MONTEIRO-ES

BALANÇO HÍDRICO DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO CRISTAL, JERÔNIMO MONTEIRO-ES BALANÇO HÍDRICO DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO CRISTAL, JERÔNIMO MONTEIRO-ES TALITA M. T. XAVIER 1, HERBERT TORRES 2, JOÃO VITOR TOLEDO 2, BENVINDO S. GARDIMAN JUNIOR 3, VALÉRIA H. KLIPPEL 3 1 Bióloga,

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Tema 2 Projeto de sistemas de aproveitamento de água de chuva Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega Universidade Federal

Leia mais

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO.

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO. EFEITO DE MODIFICAÇÕES NO PLANO CULTURAL E NO SISTEMA DE IRRIGAÇÃO COMO FORMA DE MELHOR APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA CENÁRIOS CLIMÁTICOS NORMAL E SECO Rosires Catão Curi, Profa.do Dept. de Eng.

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 ELIAKIM M. ARAÚJO 2, JOAQUIM B. DE OLIVEIRA 3, ITALO N. SILVA 4, EDMILSON G. CAVALCANTE JÚNIOR 4, BRUNO M. DE ALMEIDA 4 1 Parte do TCC do primeiro

Leia mais

Perdas de solo, água e nutrientes em sistemas conservacionistas e convencionais de café no sul do estado do Espírito Santo

Perdas de solo, água e nutrientes em sistemas conservacionistas e convencionais de café no sul do estado do Espírito Santo Revista Brasileira de Agroecologia ISSN: 1980-9735 Perdas de solo, água e nutrientes em sistemas conservacionistas e convencionais de café no sul do estado do Espírito Santo Losses of soil, water and nutrients

Leia mais

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA BACIA DO RIO SOROCABA-SP

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA BACIA DO RIO SOROCABA-SP VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA BACIA DO RIO SOROCABA-SP Manuel Enrique Gamero Guandique 1 ; Telma de Assis Silveira 2 ; Douglas dos Santos Silva 3 RESUMO Estudos sobre a

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Precipitações Professora: Mayara Moraes Água da atmosfera que atinge a superfície na forma de chuva, granizo, neve, orvalho, neblina ou geada

Leia mais

BARRAGEM SUBTERRÂNEA: UMA ALTERNATIVA DE CAPTAÇÃO E BARRAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA NO SEMI-ÁRIDO

BARRAGEM SUBTERRÂNEA: UMA ALTERNATIVA DE CAPTAÇÃO E BARRAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA NO SEMI-ÁRIDO BARRAGEM SUBTERRÂNEA: UMA ALTERNATIVA DE CAPTAÇÃO E BARRAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA NO SEMI-ÁRIDO José Dias Campos, José Rego Neto, Otávio Bezerra Sampaio, Claudia Sonda Centro de Educação Popular e Formação

Leia mais

ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE

ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE Pabrício Marcos Oliveira Lopes 1, Glawber Spíndola Saraiva de Moura 2 1 Prof.

Leia mais

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima Relações água e solo Fases do solo Sólida Líquida (Água/Solução) Ar Fase sólida Densidades do solo e de partícula Densidade de partícula (real) Relação

Leia mais

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL K. F. O. Alves 1 ; M. A. R. Carvalho 2 ; L. C. C. Carvalho 3 ; M. L. M. Sales 4 RESUMO:

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

AGRICULTURA TRADICIONAL DE CORTE E QUEIMA NO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA (RJ) - BRASIL

AGRICULTURA TRADICIONAL DE CORTE E QUEIMA NO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA (RJ) - BRASIL AGRICULTURA TRADICIONAL DE CORTE E QUEIMA NO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA (RJ) - BRASIL Ana Valéria Freire Allemão Bertolino Departamento de Geografia/FFP - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil

Leia mais

Com base em observações empíricas, foi considerado que Sistema Plantio Direto não necessita de técnicas para manejo de enxurrada.

Com base em observações empíricas, foi considerado que Sistema Plantio Direto não necessita de técnicas para manejo de enxurrada. Enxurrada e erosão em SPD MANEJO DE ENXURRADA EM SISTEMA PLANTIO DIRETO José Eloir Denardin 2007 QUESTÃO Há necessidade de PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS COMPLEMENTARES À COBERTURA DE SOLO para controle de

Leia mais

PAVIMENTOS PERMEÁVEIS E ESCOAMENTO SUPERFICIAL DA ÁGUA EM ÁREAS URBANAS¹.

PAVIMENTOS PERMEÁVEIS E ESCOAMENTO SUPERFICIAL DA ÁGUA EM ÁREAS URBANAS¹. PAVIMENTOS PERMEÁVEIS E ESCOAMENTO SUPERFICIAL DA ÁGUA EM ÁREAS URBANAS¹. Victor Wegner Maus 2 ; Afranio Almir Righes 3 & Galileo Adeli Buriol 4 RESUMO --- As ações antrópicas na ocupação e uso do solo,

Leia mais

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira.

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Ingrid Monteiro Peixoto de Souza 1, Antonio Carlos Lôla da Costa 1, João de Athaydes Silva

Leia mais

IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO

IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO A. S. Silva 1 ; L. T. Souto Filho 1 ; M. F. Mendonça 1 ; P. G. Leite 2 ; F. V. da Silva 3 ; R.

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

DEGRADAÇÃO DAS TERRAS NO SEMI-ÁRIDO NORDESTINO: O CASO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB RESUMO

DEGRADAÇÃO DAS TERRAS NO SEMI-ÁRIDO NORDESTINO: O CASO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB RESUMO DEGRADAÇÃO DAS TERRAS NO SEMI-ÁRIDO NORDESTINO: O CASO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB Eduardo Rubens de Medeiros - Estudante da Graduação em Geografia da UFPB eduardogeografia@yahoo.com.br Maria

Leia mais

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA 413 Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA Maria Isabel Cacimiro Xavier Estudante de Graduação em Gestão Ambiental, IFPB,

Leia mais

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS AUTORES: Marcos Antonio Gomes - Engenheiro Florestal; Coordenador Técnico do Programa de Gestão de Recursos Hídricos

Leia mais

FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO PLUVIAL NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS - PB

FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO PLUVIAL NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS - PB FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO PLUVIAL NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS - PB Medeiros, R.M. (1) ; Santos, D.C. (1) ; Rafael, A. R. (1) ; Oliveira, V.G (1) ; Correia, D. S, (1) ; Brito, J.I.B. (1) mainarmedeiros@gmail.com

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB COM BASE EM IMAGENS DO TM/LANDSAT 5

LEVANTAMENTO DO USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB COM BASE EM IMAGENS DO TM/LANDSAT 5 LEVANTAMENTO DO USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB COM BASE EM IMAGENS DO TM/LANDSAT 5 MADSON T. SILVA 1, VICENTE DE P. R. DA SILVA 2, RONILDO A. PEREIRA 3, JOSÉ A. B. DO AMARAL 4 1 Meteorologista,

Leia mais

RESISTÊNCIA À PENETRAÇÃO EM SOLO SOB SISTEMA INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA, PASTO CONVENCIONAL E MATA NATIVA DO CERRADO

RESISTÊNCIA À PENETRAÇÃO EM SOLO SOB SISTEMA INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA, PASTO CONVENCIONAL E MATA NATIVA DO CERRADO RESISTÊNCIA À PENETRAÇÃO EM SOLO SOB SISTEMA INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA, PASTO CONVENCIONAL E MATA NATIVA DO CERRADO Arthur Vieira de Santana 1, Evaldo de Melo Ferreira 2, Luanna Elis Guimarães

Leia mais

Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana

Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana Humberto Alves Barbosa 1, Ivon Wilson da Silva Júnior 2 1 PhD, LAPIS/UFAL Maceió

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS Rosidalva Lopes Feitosa da Paz 1, Andre de Oliveira Amorim 2 e Raimundo Mainar de Medeiros 3 1 Física e Coordenadora

Leia mais

THAIS EMANUELLE MONTEIRO DOS SANTOS AVALIAÇÃO DE TÉCNICAS DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA E SOLO EM BACIA EXPERIMENTAL DO SEMI-ÁRIDO PERNAMBUCANO

THAIS EMANUELLE MONTEIRO DOS SANTOS AVALIAÇÃO DE TÉCNICAS DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA E SOLO EM BACIA EXPERIMENTAL DO SEMI-ÁRIDO PERNAMBUCANO THAIS EMANUELLE MONTEIRO DOS SANTOS AVALIAÇÃO DE TÉCNICAS DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA E SOLO EM BACIA EXPERIMENTAL DO SEMI-ÁRIDO PERNAMBUCANO 1 THAIS EMANUELLE MONTEIRO DOS SANTOS AVALIAÇÃO DE TÉCNICAS DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE

PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE 1 Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano - IF Sertão PE - Campus Ouricuri.-

Leia mais

Resistência a Penetração e Densidade do Solo como Indicativos de Compactação do Solo em Área de Cultivo da Cana-de-Açúcar

Resistência a Penetração e Densidade do Solo como Indicativos de Compactação do Solo em Área de Cultivo da Cana-de-Açúcar Resistência a Penetração e Densidade do Solo como Indicativos de Compactação do Solo em Área de Cultivo da Cana-de-Açúcar RENATO PAIVA DE LIMA (1), MAURÍCIO JAVIER DE LEON (2), BRUNO ANTÔNIO BERNARDO DA

Leia mais

1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROJETO

1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROJETO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROJETO Com a perspectiva de desenvolver atividades relacionadas ao semiárido nordestino, o Projeto Biomas por meio de projeto tem viabilizado atividades que favorecem ações de conservação,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ L. G. M. de Figueredo Júnior 1 ; A. S. Andrade Júnior 2 ; F. E. P. Mousinho 1 RESUMO: O presente trabalho teve por

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL SIMULAÇÃO HIDROSSEDIMENTOLÓGICA DA BACIA DO RIACHO DOS NAMORADOS COM

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil PROGRAMA DE AÇÃO A NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Coordenação de Combate à Desertificação

Leia mais

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO Precipitação Radiação Solar Transpiração e Evaporação Infiltração Escoamento superficial direto Evaporação Lc Lp Escoamento Subterrâneo Rios e lagos Aqüífero Confinado Manto

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA MICRORREGIÃO DO CARIRI ORIENTAL

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA MICRORREGIÃO DO CARIRI ORIENTAL CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA MICRORREGIÃO DO CARIRI ORIENTAL Maysa Porto Farias 1, Crisólogo Vieira 2 e Hermes Alves de Almeida 3 1 Mestranda em Desenvolvimento Regional (UEPB), email: maysaportofarias@hotmail.com

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

VARIABILIDADE E INTENSIDADE DAS CHUVAS EM BELÉM-PA

VARIABILIDADE E INTENSIDADE DAS CHUVAS EM BELÉM-PA VARIABILIDADE E INTENSIDADE DAS CHUVAS EM BELÉM-PA ALAILSON V. SANTIAGO 1, VICTOR C. RIBEIRO 2, JOSÉ F. COSTA 3, NILZA A. PACHECO 4 1 Meteorologista, Dr., Pesquisador, Embrapa Amazônia Oriental (CPATU),

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 MAPEAMENTO DE ÁREAS COM BAIXO RISCO CLIMÁTICO PARA IMPLANTAÇÃO DO CONSÓRCIO MILHO COM BRACHIÁRIA NO ESTADO DE GOIÁS Fernando Antônio Macena da Silva¹, Natalha de Faria Costa², Thaise Sussane de Souza Lopes³,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO PARA A CULTURA DA MELANCIA EM CAMPOS SALES, CEARÁ

BALANÇO HÍDRICO PARA A CULTURA DA MELANCIA EM CAMPOS SALES, CEARÁ BALANÇO HÍDRICO PARA A CULTURA DA MELANCIA EM CAMPOS SALES, CEARÁ R. N. F. MONTEIRO 1 ; A. S. de ANDRADE JUNIOR 2 ; K. N. LEITE 3 ; A. O. da SILVA 4 ; M. J. F. DANTAS 5. RESUMO: No Estado do Ceará, a fruticultura

Leia mais

Hidrologia Bacias hidrográficas

Hidrologia Bacias hidrográficas Hidrologia Bacias hidrográficas 1. Introdução 2. Bacia hidrográfica 2.1. Definição e conceitos 2.2. Caracterização de bacias hidrográficas 3. Comportamento hidrológico da bacia hidrográfica 3.1. Enxurrada

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO.

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. Bruno Marchió 1, Talles Eduardo Borges dos Santos 2, Jânio Goulart dos Santos 3 ; Andrisley Joaquim

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC Katiani Eli 1, Joabe Weber Pitz 1, Leonardo de Oliveira Neves 2, Roberto Haveroth 3,Evandro

Leia mais

X Semana de Estudos da Engenharia Ambiental UNESP Rio Claro, SP. ISSN 2359-1161

X Semana de Estudos da Engenharia Ambiental UNESP Rio Claro, SP. ISSN 2359-1161 AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO HIDROLÓGICO EM TRÊS ESTRUTURAS EXPERIMENTAIS DE TELHADO VERDE EXTENSIVO COM DIFERENTES SUBSTRATOS. Helena Allbertino da Silva; Rodrigo Braga Moruzzi Universidade Estadual Paulista

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS MATERIAIS E MÉTODOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS MATERIAIS E MÉTODOS AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA DETERMINAÇÃO DO PICO DE VAZÃO PELA FÓRMULA RACIONAL, MÉTODO DE COOK (USA) E MÉTODO DE COOK MODIFICADO EM UMA PEQUENA BACIA HIDROGRÁFICA Tarcisio Barcellos Bellinaso 1 RESUMO -

Leia mais

Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12 minutos.

Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12 minutos. Dimensionamento Altair (SP) - região de São José do Rio Preto 1/28 Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12

Leia mais

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas

1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas 1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas CULTÍVO MÍNIMO E PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOLO Orlando Melo de Castro * INTRODUÇÃO Nos últimos anos tem-se procurado desenvolver sistemas de manejo

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ BINS, Fernando Henrique²; TEIXEIRA, Laís³; TEIXEIRA, Marília 4 ; RIBEIRO, Mariana 5 1 Trabalho de pesquisa_unifra ² Acadêmico

Leia mais

FREQÜÊNCIA DE OCORRÊNCIA DO NÚMERO DE DIAS COM CHUVA PARA A REGIÃO DE MARINGÁ

FREQÜÊNCIA DE OCORRÊNCIA DO NÚMERO DE DIAS COM CHUVA PARA A REGIÃO DE MARINGÁ FREQÜÊNCIA DE OCORRÊNCIA DO NÚMERO DE DIAS COM CHUVA PARA A REGIÃO DE MARINGÁ Élcio Silvério Klosowski Universidade Estadual de Maringá Av. Colombo, 79, Jardim Universitário, Maringá Pr 872-9 e-mail: esklosowski@uem.br

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 M. G. Silva 2 ; F. D. D. Arraes 3 ; E. R. F. Ledo 4 ; D. H. Nogueira 5 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo

Leia mais