MODELOS DE SIMULAÇÃO HIDRÁULICA DIRIGIDOS PELA PRESSÃO (MSHDP) COM O SUPORTE DO EPANET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELOS DE SIMULAÇÃO HIDRÁULICA DIRIGIDOS PELA PRESSÃO (MSHDP) COM O SUPORTE DO EPANET"

Transcrição

1 MODELOS DE SIMULAÇÃO HIDRÁULICA DIRIGIDOS PELA PRESSÃO (MSHDP) COM O SUPORTE DO EPANET Alexandre Kepler Soares ; Lusa Fernanda Rbero Res 2 ; Fernando das Graças Braga da Slva 3 Resumo - Apesar do reconhecmento da mportânca dos modelos de smulação hdráulca aos propóstos de prognóstco do comportamento de sstemas de dstrbução de águas para abastecmento, dversas são as razões pelas quas companhas de águas preferem não utlzá-los. Dentre as referdas razões, pode-se destacar a falta de realsmo das prevsões realzadas pelos convenconas modelos de smulação hdráulca drgdos pelas demandas (MSHDD). Este trabalho realza análses de desempenho de modelos de smulação hdráulca drgdos pela pressão (MSHDP) por admtrem que tanto as demandas abastecdas como os vazamentos podem ser explctados como funções das pressões. Utlza-se de rede hpotétca para explorar as conseqüêncas do emprego de dversas relações entre demandas, vazamentos e pressões nodas á sugerdas na lteratura, com o suporte do smulador hdráulco EPANET 2 (Rossman, 2). A partr do conhecmento prévo das vazões de abastecmento totas, estabelecem-se as frações correspondentes aos vazamentos e às demandas efetvamente atenddas. Abstract In spte of recognzng the mportance of hydraulc smulaton models wth purposes of behavor prognostc of water supply dstrbuton systems, several are the reasons why water companes prefer not to use them. Among such reasons, the naccurate forecasts obtaned through conventonal demand drven hydraulc smulaton models (MSHDD) should be ponted out. Ths work analyses the performance of pressure drven hydraulc smulaton models (MSHDP) admtng that the suppled demands as well as the leaks can be made explct as pressure functons. A hypothetcal network has been used to explore the consequences of the use of several relatonshps among demands, leaks, and pressure nodes, wth the support of the hydraulc smulator EPANET 2 (Rossman, 2). Knowng beforehand the total supply dscharges, the fractons that correspond to the leaks and the effectvely suppled demands can be establshed. Palavras-Chave: modelos, smulação hdráulca, redes de dstrbução de águas, vazamentos, demandas drgdas pela pressão. Mestrando em Hdráulca e Saneamento - Departamento de Hdráulca e Saneamento - Escola de Engenhara de São Carlos - Unversdade de São Paulo - São Carlos - SP CEP: , Caxa Postal 359, Fone: xx , Fax: xx , E-mal: 2 Professora Doutora - Departamento de Hdráulca e Saneamento - Escola de Engenhara de São Carlos - Unversdade de São Paulo - São Carlos - SP CEP: , Caxa Postal 359, Fone: xx , Fax: xx , E- mal: 3 Doutorando em Hdráulca e Saneamento - Departamento de Hdráulca e Saneamento - Escola de Engenhara de São Carlos - Unversdade de São Paulo - São Carlos - SP CEP: , Caxa Postal 359, Fone: xx , Fax: xx , E-mal:

2 INTRODUÇÃO Uma das mportantes descobertas recentes é que o uso de modelos de smulação hdráulca drgdos pelas demandas (MSHDD) mostram-se rrealstas na reprodução do comportamento de sstemas de dstrbução de águas para abastecmento. Assm, o uso desses modelos pode ter mplcações dretas sobre a confabldade de sstemas proetados ou operados com base nos prognóstcos por eles realzados, à medda que consderam demandas abastecdas ntegralmente, ndependentemente dos níves de pressão atuantes na rede. Da mesma forma que as demandas efetvas estão condconadas às relações de dependênca da pressão, modelos de smulação de redes suetas a índces de vazamento expressvos devem consderá-los. Demandas e vazamentos podem ser enquadrados explctamente ou mplctamente pelo avalador hdráulco. No prmero caso, os cálculos são realzados smultaneamente, sem preuízo do tempo de processamento computaconal. Já a segunda possbldade mpõe um procedmento teratvo de reavalação de demandas e vazamentos dependentes das pressões nodas, mas que pode utlzar-se de pacotes de desempenho comprovado, sem ntervenção dreta sobre o códgo exstente, como é o caso do EPANET, escolhdo por tratar-se de software bastante dfunddo no meo centífco. A segunda possbldade é explorada neste trabalho, através do procedmento teratvo proposto, que se mostrou robusto para as dversas stuações analsadas com o apoo de uma rede hpotétca. Observa-se que, apesar de alguns autores á haverem utlzado o EPANET em procedmentos teratvos como este, estudos comparatvos e de convergênca nunca foram reportados. O presente texto fo organzado de manera a expor os modelos analsados, propor um procedmento teratvo de avalação de vazamentos e demandas dependentes da pressão de manera ntegrada ao EPANET, bem como mostrar e dscutr os resultados obtdos nas smulações realzadas. MODELOS DE DEMANDA A lteratura reporta o emprego de modelos de smulação hdráulca drgdos pela pressão (MSHDP), assumndo dversas relações entre as demandas e as respectvas pressões de servço. Dentre eles destacam-se Fuwara e L (998), Martínez et al.(999a,b), Tuccarell et al. (999), Tabesh e Karmzadeh (2) e Tanymboh et al. (2). Tas modelos consderam a máxma razão entre a demanda efetvamente atendda e a demanda potencal no nó, dada por ρ ( H ), conforme ndcações da Tabela, onde H é a pressão no nó ; H mn é a pressão mínma no nó (dependente da topografa e padrão de consumo) e H des é a pressão deseada para suprr a demanda requerda no nó. Assm, a demanda efetvamente abastecda no nó é dada por ρ (H ). d, onde d é a demanda potencal do nó. Podemos observar a varação do fator ρ ( H ) para as metodologas de Tabesh e Karmzadeh (2) consderando o expoente n gual a,5 e 2, de Fuwara e L (998) e Tuccarell et al. (999) na Fgura. Martínez et al. (999) aplcaram os modelos pressão x demanda e pressão x vazamento nternamente ao smulador hdráulco EPANET, ntervndo no códgo computaconal do software. Sem ntervenção no códgo computaconal, Hernández et al. (999) construíram um procedmento teratvo com o auxílo do EPANET para avalação e mnmzação de perdas por vazamentos, consderando demandas drgdas pela pressão. O algortmo utlza técncas de computação paralela, acarretando em uma dmnução expressva do tempo computaconal das smulações. MODELOS DE VAZAMENTO Partndo do prncípo de que os vazamentos dependem das pressões, os modelos de vazamentos podem ser subdvddos em métodos que se prestam a avalações globas ou detalhadas da rede. Dentre os modelos de caráter mas globas destacam-se aqueles propostos por Natonal

3 Water Counsl (98), Lambert e Hrner (999), todos eles fazendo uso da pressão méda por zona. Dentre os modelos detalhados, dretamente utlzáves nas smulações hdráulcas, menconam-se aqueles propostos por Jowtt e Xu (99), Tuccarell et al. (999) e Martínez et. al.(999). Tabela Valores de ρ ( H ). mn H H Modelo Fuwara e L (998) H < H < H mn des mn 2 des mn ( H H ).( 3. H 2. H H ) des mn ( H H ) 3 des H H Obs. H mn 5m Tuccarell et al. (999) H sen 2 π des mn 2H H = Tabesh e Karmzadeh (2) Tanymboh et al. (2) H H des mn H n,5 n 2 H Martínez et al. (999) mn γ ( H ) mn H H mn =5 a 6 m γ=,5 (descarga p/ atmosfera) γ=,2 (Valênca, Espanha) ρ( H ),75,5,25 Tabesh e Karmzadeh (2), n=2 Tabesh e Karmzadeh (2), n=,5 Tuccarell et al. (999) Fuwara e L (998) H mn H H des Fgura - Varação do fator ρ H ). ( Jowtt e Xu (99) explctaram as perdas por vazamento no modelo hdráulco de avalação das redes a partr da relação pressão x vazamento pré-estabelecda:

4 ,8 H + H 2 q = c L () onde c é uma constante que depende das característcas da rede, L é o comprmento da tubulação, e q é o vazamento na tubulação que conecta os nós e. Tuccarell et al. (999) desenvolveram um modelo de calbração em termos das rugosdades e parâmetos do modelo de vazamentos, através de um procedmento teratvo de duas etapas. Admtram que o vazamento em cada nó da rede possa ser calculado assumndo que nas tubulações de zonas consderadas homogêneas, há valores constantes de vazamento por área de superfíce de tubo. Assm: M a π q = H D θ L (2) ( ) = 2 onde a é o expoente de perda, D é o dâmetro da tubulação lgando o nó ao nó, θ é a taxa de vazamento por undade de superfíce da tubulação lgando o nó ao nó, e M é o conunto das tubulações lgadas ao nó. Martínez et al. (999) construíram e calbraram um modelo de smulação dnâmco para a cdade de Valênca, Espanha, tendo como base o software EPANET. O software construído possu modelos de qualdade da água e de relação pressão x vazamento, bem como a dependênca pressão x demanda. Quanto ao modelo de vazamentos, estes são dferencados na rede de dstrbução de água em vazamentos das partes modelada e não-modelada do sstema. A parte modelada da rede consttu das lnhas prncpas (esqueleto), enquanto que os setores com tubulações de menores dâmetros e, portanto, consumos nferores, são representados pela demanda total deste setor localzada em um ou mas nós das lnhas prncpas, sendo que esta fração da rede consttu a parte não-modelada. Em tal trabalho, os autores evdencam as relações de dependênca entre pressão, vazamento e demanda, para cálculo de coefcentes dstntos espacalmente, para cada período da smulação. A taxa de vazamento na tubulação que lga os nós e, q,, na rede modelada (a parte da rede de dstrbução de água consderada no cálculo, á que tubulações de menor dâmetro podem ser substtuídas apenas pelo respectvo consumo localzado em um nó) é dada por:,8. H + H s, 2 q = c L (3) onde c s é uma constante dependente das característcas partculares da rede ou do setor s. Uma formulação mas complexa para o cálculo da taxa de vazamento na rede modelada é baseada no fato em que as perdas por vazamentos podem ser consderadas proporconas ao número de defetos (Pudar e Lggett apud Martínez et al., 999): d aτ n b = k. L. D. e (4) onde n b é o número de quebras ocorrdas durante o ntervalo [,τ ], k é um coefcente que depende do tpo e qualdade do materal e da nstalação, L é o comprmento da tubulação, D é o dâmetro, d é um expoente cuo valor é para dâmetros pequenos (menores que 25 mm) e para dâmetros maores, a é um parâmetro de auste da evolução temporal do número de quebras e τ é a dade da tubulação. Portanto, a eq. (3) pode ser escrta da segunte forma:,8 H + H d aτ q, =... 2 c L D e (5) para um grupo de tubulações de gual materal e dade. Uma expressão smlar é proposta para o cálculo da taxa de vazamento na rede não-modelada para cada nó e ntervalo de tempo k: T β q2, = K [ H ( k)] T k= (6)

5 onde T é o número total de ntervalos consderados na smulação, β é o expoente de perda (dferente para cada setor) e K é o coefcente de descarga do orfíco que depende do tpo e da forma deste e é dado por: T s K = c2 Qc, ( k) (7) k= onde c s 2 é o coefcente de vazamento do setor e Q c, é a vazão total de abastecmento do nó. O modelo não se mostra dretamente utlzável dado o desconhecmento dos valores dos parâmetros empregados (eq. 4) e da sstemátca para obtenção dos mesmos. PROCEDIMENTO ITERATIVO PROPOSTO Admtndo-se que a vazão total abastecda (TS) possa ser subdvdda em demanda total efetvamente abastecda (TD) e vazamentos (V), o balanço de massa correspondente pode ser escrto como: TS=TD + V (8) Supondo-se, anda, que a dstrbução espacal da demanda total sea conhecda e obedeça a um mesmo padrão de varação temporal, refletdo no fator multplcador (FT) da demanda total de referênca (TS*), geralmente estabelecda com base nos consumos mensas, a demanda potencal total (TDP) pode ser expressa como: TDP=FT. TS* (9) Assm, a demanda potencal total corresponde à demanda efetvamente abastecda total mas aquela parcela que dexa de ser atendda (PNA), devdo às lmtações mpostas pelas pressões: TD=TDP-PNA () Substtundo-se as equações (9) e () em (8), tem-se: TS= FT.TS*-PNA + V Dessa manera, o fator (FT) pode ser obtdo a partr dos valores estmados ncas para PNA e V como: TS + PNA V FT = () TS * onde PNA=(FT.TS*-TD) ncal ; para V ncal. Assm, o novo fator multplcador (FT 2 ) no procedmento teratvo será: * TS + FT. TS TD V FT2 = (2) TS * sendo FT, TD e V os valores na estmatva anteror para o fator multplcador, a demanda total efetvamente abastecda e o vazamento total, respectvamente. Com o obetvo de avalar o desempenho dos modelos de vazamento e demanda dependentes da pressão, ntegrando-os ao smulador hdráulco EPANET, sem ntervenção dreta sobre o códgo exstente, propõe-se, portanto, o procedmento teratvo lustrado no fluxograma da Fgura 2. Uma rotna computaconal de cálculo fo codfcada em lnguagem C++ para a realzação dos cálculos em conformdade com o fluxograma apresentado, cuos resultados são apresentados e dscutdos a segur. O processo tem níco com o conhecmento prévo da vazão abastecda total (TS) para uma certa condção operaconal do da, que nclu a demanda total efetvamente abastecdas aos consumdores (TD) e a quantdade total das perdas por vazamentos (V). O conhecmento da vazão total abastecda pode ser feto através do controle das vazões que saem dos reservatóros. Além da vazão total abastecda, também são dados de entrada no modelo a vazão de abastecmento de referênca (TS*), geralmente determnada com base no consumo médo mensal, as rugosdades absolutas ε e coefcentes de perdas por vazamento θ para cada tubulação ou zona, o expoente de perda a para cada nó ou zona, a formulação para varação das demandas com a pressão, além das característcas da rede, como dâmetros e comprmentos das tubulações, níves dos reservatóros e topografa.

6 INÍCIO FT=TS / TS* FT = FT d = d*. FT AVALIAÇÃO HIDRÁULICA - EPANET AVALIAÇÃO DOS VAZAMENTOS AVALIAÇÃO DAS DEMANDAS ATENDIDAS NOS NÓS - ρ( ) H =max desvo d =d *. FT. ρ ( H ) + v satsfaz a tolerânca? NÃO SIM * TS + FT TS TD FT2 = TS * = FT FT V = TS V TD 2 e 3 satsfazem a tolerânca? NÃO FT=(FT+FT2) / 2 SIM FIM = máxmo desvo entre as pressões anterores e presentes calculadas para cada nó. TS* = TD = FT V = * d N v N N ( ) * d. ρ H N = número de nós. Fgura 2 Fluxograma da smulação hdráulca para avalação do fator de consumo, vazamentos e demandas drgdas pela pressão.

7 Conhecdos todos os parâmetros, o esquema da Fgura 2 é empregado para realzar as avalação hdráulca da rede, nclundo vazamentos e demandas drgdas pela pressão, externamente ao smulador EPANET, com avalações sucessvas das demandas nodas. Consderando, no níco, a condção de vazamento nulo (FT = ), as pressões são produzdas pelo smulador, o vazamento é calculado e as demandas nodas avaladas através de uma condção de abastecmento para cada nó (pressão mínma e pressão deseada para a demanda requerda) até que o desvo máxmo das pressões anterores e atuas sea menor que a tolerânca mposta. Assm que a prmera condção é satsfeta, o fator de consumo é austado através de um balanço de massa entre a vazão de abastecmento total, o vazamento total, a demanda efetvamente abastecda aos consumdores, a demanda de abastecmento de referênca e o fator de consumo anteror. Este novo fator de consumo modfca as demandas nodas e novamente os vazamentos e as demandas são avaladas. O processo teratvo termna quando não há mas varação do fator de consumo e o valor da demanda abastecda total concde com o valor ncal (dado de entrada). ESTUDO DE CASO Com vstas às análses de convergênca do algortmo proposto, empregou-se a rede estudada por Tuccarell et al. (999), mostrada na Fgura 3, cuos dados constam das Tabelas e 2. A rede analsada possu três zonas homogêneas em termos do parâmetro do modelo de vazamento (θ ) e uma únca zona para a rugosdade absoluta (ε ). É utlzado um fator de dstrbução espacal das demandas gual a,2, á que apenas cnco nós da rede possuem demandas. Cnco stuações foram analsadas, prmero admtndo-se o nível de 7 mh 2 O nos três reservatóros (representando um período do da em que as demandas são mas baxas e as pressões elevadas), e depos admtndo-se o nível de 4 mh 2 O (período em que as demandas são elevadas e as pressões mas baxas). 7m LEGENDA: 4 tubulação 2 nó demanda m m Fgura 3 Rede hpotétca utlzada para a verfcação do algortmo.

8 Tabela Dados das tubulações e dferentes zonas. Tubulação Comprmento (m) Dâmetro (mm) Zona (θ), 5, 3 2 5, 25, 3, 5, 3 4 5, 5, 5 5, 5, 6 5, 25, 7 5, 25, 8 5, 5, 9 5, 5, 2 5, 25, 2 5, 5, , 25, , 25, , 25, 2 5 5, 5, 2 6 5, 25, 2 7 5, 5, 2 8 5, 5, 2 9 5, 25, 2 2 7, 5, 2 2 5, 25, , 5, 3 23, 5, 3 24, 5, 3 25, 5, 3 Tabela 2 Cotas dos nós. Nó Cota (m) 25, 2 2, 3 22, 4 27, 5 3, 6 27, 7 22, 8 25, 9 25, 2, 22, 2 27, 3 25, 4 25, 5 3, As cnco stuações analsadas foram desgnadas por I, II, III, IV e V, e os dados, como expoente de perda (a), coefcentes de perda (θ ) para cada zona, rugosdade absoluta (ε ) e demandas totas abastecdas e de referênca são apresentados na Tabela 3. Tabela 3 Dados das cnco stuações. Expoente Demanda Rugosdade Coefcente de perda Stuação de perda (a) Referênca (L/s) Abastecda (L/s) absoluta (mm) θ θ2 θ3 I,253 8, 267,3 3,53 7,54E-8,99E-7 II,88 96, 273,4 3,433 5,235E-8 2,543E-7 III,924 25, 295,2 3,62,9E-7 8,54E-7 IV, 52, 288,3 3,474,46E-5 2,54E-5 V, 234, 267,7,953 4,9E- 7,635E-6 Para as smulações fo adotado o modelo de vazamento proposto por Tuccarell et al. (999) através da equação (2). Admtndo-se o nível de 7 mh 2 O nos três reservatóros, as cnco stuações foram analsadas e os valores obtdos pelo modelo são mostrados nas Tabelas 4 e 5. Não houve nfluênca do modelo de varação das demandas com a pressão, vsto que os níves dos reservatóros foram sufcentes para suprr a demanda potencal em todos os nós, para uma pressão mínma de 5 mh 2 O e pressão deseada de suprmento da demanda de 5 mh 2 O para todos os nós da rede.

9 Tabela 4 Valores de pressões e vazões obtdos para as cnco stuações. Pressão (m) Vazão (L/s) Stuação Nó Nó 2 Nó 3 Tubulação 23 Tubulação 24 Tubulação 25 I 4, 44, 46,4 72,5 77,4 7,4 II 4,7 43,4 46,3 72,4 79,5 2,5 III 4,3 42,9 46,2 75,5 86,6 33, IV 4,6 43,7 46,4 76, 83, 29, V 4, 43,9 46,4 75, 75, 7,6 Tabela 5 Valores de demandas efetvamente abastecdas e vazamentos obtdos para as cnco stuações. Stuação Demanda Efetva (L/s) Vazamento (L/s) FT I 63,8 3,5,9 II 74, 99,3,89 III 76,3 8,9,86 IV 35,5 52,8,89 V 22,5 46,2,95 A convergênca do modelo proposto é demonstrada através da evolução dos valores do fator multplcador das demandas (FT) e do balanço de massa (TS V TD) com as terações, para as cnco stuações, nas Fguras 4 e 5. Observa-se que os testes realzados admtndo-se o nível de 7 mh 2 O nos reservatóros não lmta o atendmento das demandas potencas. Os valores de perdas por vazamentos obtdos são elevados devdo a ocorrênca de pressões elevadas. Nessas crcunstâncas, o fator, ncalmente, decresce ao longo das terações tendendo a valores nferores ao ncal. A tolerânca adotada para o loop nterno do procedmento teratvo proposto fo de, mh 2 O, á que o crtéro de convergênca deste loop basea-se no máxmo desvo entre as pressões anterores e presentes calculadas para cada nó. Para o loop externo do algortmo, dos crtéros de convergênca foram admtdos: o fator multplcador do consumo e o balanço de massa no sstema. Quanto ao fator de consumo, a tolerânca adotada fo de, e do balanço de massa de, L/s, á que testes realzados ndcaram que uma precsão maor não propcava uma melhora sgnfcatva dos resultados. FT,98,96,94,92,9 Stuação I Stuação II Stuação III Stuação IV Stuação V Balanço (L/s) Stuação I Stuação II Stuação III Stuação IV Stuação V,88,86 5, Fgura 4 Convergênca do fator de consumo (FT) para as cnco stuações Fgura 5 Convergênca quanto ao balanço de massa para as cnco stuações. Consderando o nível de 4 mh 2 O nos três reservatóros para representar uma condção operaconal em que as demandas requerdas nos nós são elevadas e as pressões mas baxas, foram fetos testes do modelo proposto para quatro dferentes modelos de varação das demandas com a pressão: Tabesh e Karmzadeh (2) com n =2 (), Tabesh e Karmzadeh (2) com n =,5 (), Fuwara e L (998) () e Tuccarell et al. (999) (). Os

10 valores obtdos consderando uma pressão mínma de 5 mh 2 O e pressão deseada de suprmento da demanda de 5 mh 2 O para todos os nós da rede, são mostrados nas Tabelas 6 e 7. Tabela 6 Valores de pressões e vazões obtdos para as cnco stuações e quatro modelos de demanda. Stuação I II III IV V Pressão (m) Vazão (L/s) Nó Nó 2 Nó 3 Tubulação 23 Tubulação 24 Tubulação 25 A,47 2,35 5,47 82,62 75,7 8,87 B,56 2,4 5,32 83,48 76,22 7,47 C,65 2,22 5,2 84,7 76,48 6, D,39 2,7 5,6 82, 75,4,2 A,9,9 5,24 84,2 77,88,29 B,29,99 5,7 85,6 78,49 9,79 C,43,87 4,9 86,5 78,89 7,9 D,,7 5,39 83,56 77,3 2,44 A 9,8,37 4,95 89,3 85,34 2,66 B 9,9,46 4,77 9,4 85,92 9,3 C,,44 4,5 9,97 86,67 6,5 D 9,7,7 5, 88,66 84,77 2,68 A,59 3,8 6,4 79,65 83,76 24,87 B,65 3,6 5,96 8,3 84,3 23,96 C,69 2,92 5,89 8,29 84,7 22,93 D,53 3,8 6, 79,28 83,42 25,6 A,2 3,59 6,4 78,4 75,75 3,45 B,24 3,55 6,5 79,7 76,6 2,36 C,25 3,29 6,2 79,92 76,,65 D,3 3,5 6,23 77,75 75,3 4,59 Modelo Tabela 7 Valores de totas demandas efetvamente abastecdas e vazamentos obtdos para as cnco stuações e quatro modelos de demanda. Stuação emanda Efetva (L/s) Vazamentos (L/s) FT A 244,97 22,25,6 I B 244,9 22,3,67 C 244,92 22,29,72 D 245,4 22,7,52 A 25,6 22,72,53 II B 25,53 22,8,6 C 25,5 22,83,66 D 25,7 22,62,46 A 258,4 36,98,54 III B 258, 37,,64 C 257,88 37,22,72 D 258,26 36,85,47 A 53,23 35,3,7 IV B 53,2 35,5,22 C 53,23 35,3,26 D 53,25 35,,2 A 226,78 4,85,9 V B 226,77 4,85,3 C 226,76 4,85,4 D 226,79 4,83,4 As Fguras 6 a 5 mostram a varação do fator multplcador do consumo e do balanço de massa para as cnco stuações e quatro modelos de demandas.

11 ,8 8,7 7 FT,6,5,4,3,2 Balanço (L/s) , Fgura 6 - Convergênca do fator multplcador (FT) para a stuação I., Fgura 7 - Convergênca quanto ao balanço de massa para stuação I. 8,6 7 FT,5,4,3,2 Balanço (L/s) , Fgura 8 - Convergênca do fator multplcador (FT) para a stuação II Fgura 9 - Convergênca quanto ao balanço de massa para stuação II.,8 8,7 7,6 6 FT,5,4,3,2 Balanço (L/s) , Fgura - Convergênca do fator multplcador (FT) para a stuação III., Fgura - Convergênca quanto ao balanço de massa para stuação III. 25 FT,25,2,5 Balanço (L/s) 2 5,, Fgura 2 - Convergênca do fator multplcador (FT) para a stuação IV Fgura 3 - Convergênca quanto ao balanço de massa para stuação IV.

12 ,2 25 FT,8,6,4,2,,8,6 Balanço (L/s) 2 5,4 5, Fgura 4 - Convergênca do fator multplcador (FT) para a stuação V Fgura 5 - Convergênca quanto ao balanço de massa para stuação V. Para o nível de 4 mh 2 O nos reservatóros as demandas abastecdas são restrngdas pelas pressões e, nessas condções, o fator multplcador cresce ao longo das terações, tendendo a valores maores que o ncal (,). Os resultados obtdos demonstraram que o (Tuccarell et al., 999) requere um menor número de terações para a convergênca do algortmo proposto, tanto para o fator multplcador do consumo FT, quanto para o balanço de massa no sstema no loop externo do algortmo. Tal comportamento parece resultado do fato da prmera estmatva do balanço de massa no sstema ser sempre menor no caso do. Por outro lado, o (Fuwara e L, 998) produzu o maor número de terações, dentre os quatro modelos, tanto no balanço de massa no sstema quanto no fator multplcador do consumo. O mesmo ocorreu na convergênca do processo teratvo para avalação dos vazamentos e das demandas drgdas pela pressão (loop nterno): o requere menos terações e o fo o que mas exgu em termos de número de terações. Os Modelos A, B e D mantveram um número constante de terações a cada passo do algortmo, e o aumentava o número de terações para dmnur o desvo das pressões anterores e presentes a cada passo do algortmo para a convergênca do fator multplcador do consumo. Os valores obtdos nas smulações mostrados nas Tabelas 6 e 7, foram pratcamente os mesmos para os quatro modelos em cada stuação, dferndo apenas o fator multplcador FT. Isto se deve ao emprego de modelos de demandas dependentes da pressão dstntos. Sendo a vazão abastecda total (TS) constante e, também, as perdas por vazamentos (V) constantes (o mesmo modelo de vazamentos é utlzado em todas as smulações Tuccarell et al., 999), a demanda efetvamente abastecda deverá ser a mesma para cada modelo e stuação, vsto que TS=TD + V e * TD = FT d. ρ( H ), sendo, também, a demanda de referênca d * constante para cada nó. Assm, N os parâmetros dferentes em cada smulação serão o fator multplcador do consumo FT e a máxma razão entre a demanda efetvamente abastecda e a demanda potencal em cada nó, dada por ρ ( H ). A convergênca fo também analsada a partr de dferentes estmatvas ncas para o fator multplcador do consumo, ao nvés de adotar-se FT =. Adotando o para varação das demandas com a pressão e nível de 4 mh 2 O para os três reservatóros, os resultados obtdos para dferentes estmatvas ncas do fator de consumo para a stuação I são mostrados na Fgura 6, onde se pode verfcar que o modelo proposto convergu para um mesmo valor a partr de dversas estmatvas ncas dstntas.

13 2,5 FT, Fgura 6 Convergênca do fator multplcador para dferentes estmatvas ncas. A forma como a condção operaconal do sstema nfluenca a convergênca no processo teratvo da avalação dos vazamentos e das demandas nodas (loop nterno) pode ser observada pelo comportamento dos desvos máxmos produzdos entre as pressões anterores e presentes, como se pode verfcar nas Fguras 7 e 8. Quando o fator de consumo na rede é menor que (Fgura 7), ou sea, as pressões são elevadas e as demandas mas baxas, o desvo máxmo produzdo na prmera permanece pratcamente constante ao longo das terações para convergênca do fator multplcador do consumo (loop externo), convergndo logo em seguda com poucas terações. No entanto, se o fator multplcador do consumo na rede é maor que (Fgura 8), ou sea, as pressões são mas baxas e as demandas elevadas, o desvo máxmo produzdo na prmera cresce ao longo das terações para convergênca do fator de consumo. Isto se deve ao fato de que as demandas nodas sofrem modfcações quanto à capacdade de abastecmento da demanda requerda, sto é, as pressões atuantes são menores que a pressão deseada para suprmento da demanda requerda. Por outro lado, o fator de consumo cresce devdo à condção operaconal do sstema, fazendo com que o desvo sea maor a cada do fator de consumo. 3, ,5 Desvo (m.c.a.) 2,5 2,5 Desvo (m.c.a.) 2,5,5, Fgura 7 Convergênca no loop nterno para FT menor que Fgura 8 - Convergênca no loop nterno para FT maor que.

14 CONCLUSÕES O procedmento teratvo para avalação hdráulca de redes de dstrbução de águas para abastecmento, nclundo vazamentos e demandas drgdas pela pressão, com o auxílo do software EPANET, fo consderado robusto quanto às análses de convergênca do algortmo para os dferentes modelos de demandas exstentes na lteratura. As smulações realzadas a partr de modelos de demandas dependentes das pressões dstntos, não resultaram dscrepânca consderável na avalação dos consumos para a rede hpotétca analsada. Dessa manera, o modelo proposto por Tuccarell et al. (999) mostrou-se vantaoso por mplcar em menor número de terações. As análses realzadas neste trabalho permtem que se conclua pela vabldade do emprego de modelos de smulação hdráulca drgdos pela pressão (MSHDP) de manera ntegrada com o EPANET. Assm, modelos de calbração, smulação operaconal e reabltação, podem utlzar-se do procedmento proposto, vsando prevsões de comportamento mas realístcas para as redes de dstrbução de águas para abastecmento. AGRADECIMENTOS À FINEP pelo suporte fnancero ao desenvolvmento do presente trabalho e à CAPES pelo fornecmento de bolsa de estudos ao prmero autor deste trabalho. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FUJIWARA, O.; LI, J., 998. Relablty Analyss of Water Dstrbuton Networks n Consderaton of Equty, Redstrbuton, and Pressure-Dependent Demand. Water resources research, vol. 34, n. 7, p , Jul. HERNÁNDEZ, V.; MARTÍNEZ, F.; VIDAL, A. M.; ALONSO, J. M.; ALVARRUIZ, F.; GUERRERO, D.; RUIZ, P. A.; VERCHER, J., 999. HIPERWATER: A Hgh Performance Computng EPANET Based Demonstrator for Water Network Smulaton and Leakage Mnmzaton. In: Savc, D. A. (ed.); Walters, G. A. (ed.): Water Industry Systems: Modelng and Optmzaton Applcatons, vol., p JOWITT, P. W.; XU, C., 99. Optmal Valve Control n Water Dstrbuton Networks. Journal of Water Resources Plannng and Management, ASCE, v.6, n.4, p LAMBERT, A. O.; HIRNER, W. H., 999. Losses from Water Supply Systems: Standard Termnology and Recommended Performance Measures. IWA Blue Pages. MARTÍNEZ, F.; SIGNES, M.; SAVALL, R.; ANDRÉS, M.; PONZ, R.; CONEJOS, P., 999. Constructon and Use of Dynamc Smulaton Model for the Valenca Metropoltan Water Supply and Dstrbuton Network. In: Savc, D. A. (ed.); Walters, G. A. (ed.): Water Industry Systems: Modelng and Optmzaton Applcatons, vol., p MARTÍNEZ, F.; CONEJOS, P.; VERCHER, J., 999. Developng an Integrated Model for Water Dstrbuton Systems Consderng both Dstrbuted Leakage and Pressure-Dependent Demands. Proceedngs of the 26th ASCE Water Resources Plannng and Management Dvson Conference, Tempe, Arzona. ROSSMAN, L. A., 2. EPANET 2 users manual. U.S. Envronmental Protecton Agency, Cncnnat, Oho. TABESH, M.; KARIMZADEH, A., 2. Optmum Desgn of Relable Dstrbuton Systems Consderng Pressure Dependency of Outflows. In: Savc, D. A. (ed.); Walters, G. A. (ed.): Water Network Modelng for Optmal Desgn and Management, p. 2-22, Sept. TANYIMBOH, T. T.; TABESH, M.; BURROWS, R., 2. Apprasal of Source Head Methods for Calculatng Relablty of Water Dstrbuton Networks. Journal of Water Resources Plannng and Management, v. 27, n. 4, p , Jul/Aug.

15 TUCCIARELLI, T.; CRIMINISI, A.; TERMINI, D., 999. Leak Analyss n Ppelne Systems by Means of Optmal Valve Regulaton. Journal of Hydraulc Engneerng, v. 25, n. 3, p , Mar. WRC plc TECHNICAL WORKING GROUP ON WASTE OF WATER, 98. Leakage Control, Polcy and Practce. Natonal Water Councl Standng Techncal Commttee, Report nº 26, WRC plc, Swndon, UK.

ESTUDO DOS PARÂMETROS DO MODELO DE VAZAMENTOS DE UM SETOR DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE PIRACICABA-SP

ESTUDO DOS PARÂMETROS DO MODELO DE VAZAMENTOS DE UM SETOR DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE PIRACICABA-SP João Pessoa (Brasl), 8 a de novembro de 4 ESTUDO DOS PARÂMETROS DO MODELO DE VAZAMENTOS DE UM SETOR DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE PIRACICABA-SP Alexandre Kepler Soares 1 ; Lusa Fernanda Rbero Res

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO

ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO J. W. B. Lopes 1 ; E. A. R. Pnhero 2 ; J. R. de Araújo Neto 3 ; J. C. N. dos Santos 4 RESUMO: Esse estudo fo conduzdo

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 00-7438 / versão onlne ISSN 678-542 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE RESUMO Felppe Perera da Costa, PPGEM/UFOP, Mestrando. felppe@mneral.em.ufop.br Marcone Jamlson Fretas

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE R. L. S. CANEVESI 1, C. L. DIEL 2, K. A. SANTOS 1, C. E. BORBA 1, F. PALÚ 1, E. A. DA SILVA 1 1 Unversdade Estadual

Leia mais

TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO

TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO Janaína Poffo Possama janapoffo@gmal.com Unversdade Regonal de Blumenau Rua Antôno da Vega, 0 8902-900 - Blumenau

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

Otimização do Carregamento de Transformadores de Distribuição de Energia Elétrica

Otimização do Carregamento de Transformadores de Distribuição de Energia Elétrica 1 Otmzação do arregamento de Transformadores de Dstrbução de Energa Elétrca E. J. Robba,..B. de Olvera,.A. Penn, R.P. asolar, Unversdade de São Paulo L.N. da Slva, H.R.P.M. de, AES Sul Resumo - O desenvolvmento

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 0101-7438 / versão onlne ISSN 1678-5142 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe Avalação da Tendênca de Precptação Pluvométrca Anual no Estado de Sergpe Dandara de Olvera Félx, Inaá Francsco de Sousa 2, Pablo Jónata Santana da Slva Nascmento, Davd Noguera dos Santos 3 Graduandos em

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO

AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO Celestno Rodrgues Ruvo Área Departamental de Engenhara Mecânca, Escola Superor de Tecnologa da Unversdade do Algarve, 8000 Faro, Portugal

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Princípios do Cálculo de Incertezas O Método GUM

Princípios do Cálculo de Incertezas O Método GUM Prncípos do Cálculo de Incertezas O Método GUM João Alves e Sousa Laboratóro Regonal de Engenhara Cvl - LREC Rua Agostnho Perera de Olvera, 9000-64 Funchal, Portugal. E-mal: jasousa@lrec.pt Resumo Em anos

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO Felpe Mendonca Gurgel Bandera (UFERSA) felpembandera@hotmal.com Breno Barros Telles

Leia mais

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK Welsson de Araújo SILVA PRODERNA/ITEC/UFPA waslva89@hotmal.com Fernando

Leia mais

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL IT 90 Prncípos em Agrcultura de Precsão IT Departamento de Engenhara ÁREA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL Carlos Alberto Alves Varella Para o mapeamento da varabldade espacal

Leia mais

3 Formulação da Metodologia

3 Formulação da Metodologia 54 3 Formulação da Metodologa 3.1. Resumo das Prncpas Heurístcas de Solução A maora das heurístcas de solução para o ELSP aborda o problema na sua forma clássca, sto é, quando os tempos e custos de setup

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

Informação. Nota: Tradução feita por Cláudio Afonso Kock e Sérgio Pinheiro de Oliveira.

Informação. Nota: Tradução feita por Cláudio Afonso Kock e Sérgio Pinheiro de Oliveira. Informação Esta publcação é uma tradução do Gua de Calbração EURAMET Gua para a Estmatva da Incerteza em Medções de Dureza (EURAMET/cg-16/v.01, July 007). Os dretos autoras do documento orgnal pertencem

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTOS DE CONDUTORES NÃO CONVENCIONAIS UTILIZADOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RURAIS

ANÁLISE DE CUSTOS DE CONDUTORES NÃO CONVENCIONAIS UTILIZADOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RURAIS ANÁLISE DE CUSTOS DE CONDUTORES NÃO CONVENCIONAIS UTILIZADOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RURAIS Rodrgues, Rcardo Martn; Sern, Paulo José Amaral; Rodrgues, José Francsco Departamento de Engenhara Elétrca Faculdade

Leia mais

Figura 1: Nomenclatura e configuração geométrica do problema em estudo.

Figura 1: Nomenclatura e configuração geométrica do problema em estudo. XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Unversdade Federal de Uberlânda Faculdade de Engenhara Mecânca SIMULAÇÃO NUMÉRICA EM UM CANAL BIDIMENSIONAL COM PROTUBERÂNCIAS PARIETAIS Débora

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS Smone P. Saramago e Valder Steffen Jr UFU, Unversdade Federal de Uberlânda, Curso de Engenhara Mecânca Av. João Naves de Ávla, 2160, Santa Mônca,

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE)

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) IPECE ota Técnca GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) ISTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECOÔMICA DO CEARÁ (IPECE) OTA TÉCICA º 33 METODOLOGIA DE CÁLCULO DA OVA LEI DO ICMS

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Visualização Científica no Contexto de Métodos Meshfree: Aprimoramento de Algoritmos Clássicos

Visualização Científica no Contexto de Métodos Meshfree: Aprimoramento de Algoritmos Clássicos Vsualzação Centífca no Contexto de Métodos Meshfree: Aprmoramento de Algortmos Clásscos Gleber N. Marques 1, André F. Perera 1,, Dárley D. de Almeda 1, e Gsele F. Franco 1 1 Laboratóro de Modelagem, Smulação

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

RODRIGO LUIZ PEREIRA LARA DESEMPENHO DO GRÁFICO DE CONTROLE CUSUM TABULAR PARA O MONITORAMENTO DA MÉDIA

RODRIGO LUIZ PEREIRA LARA DESEMPENHO DO GRÁFICO DE CONTROLE CUSUM TABULAR PARA O MONITORAMENTO DA MÉDIA RODRIGO LUIZ PEREIRA LARA DESEMPENO DO GRÁFICO DE CONTROLE CUSUM TABULAR PARA O MONITORAMENTO DA MÉDIA Dssertação apresentada à Unversdade Federal de Vçosa, como parte das exgêncas do Programa de Pós Graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição CIDEL Argentna 2014 Internatonal Congress on Electrcty Dstrbuton Ttle Revsão dos Métodos para o Aumento da Confabldade em Sstemas Elétrcos de Dstrbução Regstraton Nº: (Abstract) Authors of the paper Name

Leia mais

NODAL Versão 3.0 Programa de Simulação de Tarifas de Uso do Sistema Elétrico MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica

NODAL Versão 3.0 Programa de Simulação de Tarifas de Uso do Sistema Elétrico MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica NODAL Versão 3.0 Programa de Smulação de Tarfas de Uso do Sstema Elétrco MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agênca Naconal de Energa Elétrca ÍNDICE. INTRODUÇÃO...-.. CONSIDERAÇÕES...-.2. FUNÇÃO DO PROGRAMA...-2.3.

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão IF-UFRJ Elementos de Eletrônca Analógca Prof. Antôno Carlos Fontes dos Santos FIW362 Mestrado Profssonal em Ensno de Físca Aula 1: Dvsores de tensão e Resstênca nterna de uma fonte de tensão Este materal

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDAÇA O RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ETRE

Leia mais

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados 1 opologas Báscas de Conversores CC-CC não-solados 1.1 Prncípos báscos As análses que se seguem consderam que os conversores não apresentam perdas de potênca (rendmento 100%). Os nterruptores (transstores

Leia mais

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010 Floranópols 200 ANÁLISE COMPARATIVA DA INFLUÊNCIA DA NEBULOSIDADE E UMIDADE RELATIVA SOBRE A IRRADIAÇÃO SOLAR EM SUPERFÍCIE Eduardo Wede Luz * ; Nelson Jorge Schuch ; Fernando Ramos Martns 2 ; Marco Cecon

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANTE EM SISTEMAS HIDROELÉTRICOS. Thales Sousa * José Antônio Jardini Mário Masuda Rodrigo Alves de Lima

OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANTE EM SISTEMAS HIDROELÉTRICOS. Thales Sousa * José Antônio Jardini Mário Masuda Rodrigo Alves de Lima SNPEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E RANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉRICA GGH - 33 6 a 2 Outubro de 2005 Curtba - Paraná GRUPO I GRUPO DE ESUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH OIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANE

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada XXIII Encontro Nac. de Eng. de Produção - Ouro Preto, MG, Brasl, 1 a 4 de out de 003 Uso dos gráfcos de controle da regressão no processo de polução em uma nterseção snalzada Luz Delca Castllo Vllalobos

Leia mais

CAPÍTULO 7 - ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS

CAPÍTULO 7 - ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS CAPÍTULO 7 - ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS Nos capítulos anterores analsaram-se város modelos usados na avalação de manancas, tendo-se defndo os respectvos parâmetros. Nas correspondentes fchas de exercícos

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE DADOS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE DADOS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO À AÁLISE DE DADOS AS MEDIDAS DE GRADEZAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...4

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D*

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* NCC 13.2121 X Ex a IIC T6 Ga, Gb 0044 Document ID: 46341 Índce 1 Valdade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técncos... 3 4 Proteção

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais Estudo para Implementação de um Sstema de Roterzação e um Novo Centro de Dstrbução para uma Empresa de Água Mneral do Sul de Mnas Geras Ilton Curty Leal Junor ltoncurty@gmal.com UFF Dego de Olvera Pexoto

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

SOFTWARE PARA CÁLCULO DO ÍNDICE DE SEVERIDADE DE SECA DE PALMER

SOFTWARE PARA CÁLCULO DO ÍNDICE DE SEVERIDADE DE SECA DE PALMER SOFTWARE PARA CÁLCULO DO ÍNDICE DE SEVERIDADE DE SECA DE PALMER Rodrgo Cézar Lmera 1, Pedro Vera de Azevedo 2, Wagner de Aragão Bezerra 3, Josefa Morgana Vturno de Almeda 3 RESUMO: A modelagem consttu-se

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro.

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. Estmatva dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. O. L. L. Moraes 1, H. R. da Rocha 2, M. A. Faus da Slva Das 2, O Cabral 3 1 Departamento

Leia mais

INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA

INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA

Leia mais

Fluxo de Carga Não Iterativo para a Análise de Sistemas de Distribuição de Energia Elétrica Radiais e Malhados

Fluxo de Carga Não Iterativo para a Análise de Sistemas de Distribuição de Energia Elétrica Radiais e Malhados UNVERSDADE ESTADUAL PAULSTA JÚLO MESQUTA FLHO Campus de lha Soltera Dssertação de Mestrado Fluxo de Carga Não teratvo para a Análse de Sstemas de Dstrbução de Energa Elétrca Radas e Malhados Elson Batsta

Leia mais