Robótica. Apresenta-se uma introdução aos robôs. industriais, destacando suas principais. Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Robótica. Apresenta-se uma introdução aos robôs. industriais, destacando suas principais. Introdução"

Transcrição

1 Robótica Apresenta-se uma introdução aos robôs industriais, destacando suas principais características e aplicações mais importantes, bem como estatísticas e projeções sobre seu uso atual e no futuro. Introdução O termo robô (do tcheco robota-escravo) foi utilizado pela primeira vez em 1923, na peça de Teatro R.U.R. ('Rossum`s Universal - Robots") do tcheco Karel Capek, e popularizou-se rapidamente entre os escritos de

2 ficção científica, sendo empregado para designar seres mecânicos antropomórficos. Este conceito foi entendido (ou talvez fosse melhor, reduzido) para uma ampla gama de equipamentos industriais. Não existe concordância sobre que tipos de equipamentos devem ser chamados de robôs, o que causa grande dificuldade para a composição e a análise de estatísticas sobre o seu uso. É indiscutível entretanto, que o mais sofisticado robô industrial é incomparavelmente mais simples que os robôs das estórias de ficção científica. Apesar dos diferentes conceitos existentes, é necessário distinguir as diversas categorias de equipamentos que recebem o nome de robô, para deixar clara a nomenclatura adotada em cada caso. A Japan Industrial Robots Industry Association (JIRA) distingue as seguintes categorias: 1 - Manipulador Manual - é um manipulador que é controlado por um operador; 2 - Robô de seqüência fixa - é um manipulador que repete as etapas sucessivas de uma certa operação, de acordo com uma seqüência predeterminada, eventualmente dependente de alguma condição, pois o programa não pode ser alterado com facilidade. 3 - Robô de seqüência variável - é um manipulador que repete as etapas sucessivas de uma certa operação, de acordo com uma seqüência predeterminada, eventualmente dependente de algumas condições. O programa pode ser alterado com facilidade. 4 - Robô repetidor - um manipulador que reproduz, a partir de sua memória, uma seqüência de operações originalmente executadas sob controle de um operador, isto é, um operador humano opera inicialmente o robô, armazenando em sua memória todas as informações relevantes à sua operação (seqüência, posições, condições). Quando instruído para tal, o robô repete as operações armazenadas em sua memória. 5 - Robô de controle numérico - um manipulador capaz de realizar uma certa operação, em termos de seqüência, posição e condições externas, comando por dados numéricos. 6 - Robô inteligente - é um robô dotado de sensores (visuais e/ou táteis), com capacidade para detectar alterações em si mesmo ou no ambiente e alterar correspondentemente seu comportamento, de modo a poder continuar a realizar sua função.

3 Por outro lado, a Robot Industry Association (RIA), nos Estados Unidos, define um robô como "um manipulador reprogramável multifuncional projetado para mover materiais, partes, ferramentas ou dispositivos especiais através de movimentos programados para a execução de uma diversidade de tarefas". Como o conceito "facilmente" não é bem definido, existe certa dúvida sobre a inclusão ou não da categoria 3 (constituída de manipuladores programáveis mecanicamente) como robô e para evitar essa confusão, chamaremos as categorias 4, 5 e 6 de robôs sofisticados; é a esta categoria que se associa usualmente o termo robô. Os robôs da categoria 3 são usualmente chamados nos Estados Unidos de robôs "pick and place"; os da categoria 4 de "programmable robot". A categoria 5 é freqüentemente também "computerized robot", embora seja freqüentemente também "programmable robot", a categoria 6, de "sensory robot". Assim, ao utilizar a palavra robô, existem pelo menos 3 sentidos que podem ser atribuídos à palavra: 1 - Robô pela definição japonesa, envolvendo as classes de 1 a Robô pela definição americana, envolvendo as classes de 3 a Robôs servo-controlados, também chamados de sofisticados, envolvendo as classes de 4 a 6. Este quadro é ainda complicado pelo fato dos países europeus adotarem definições que diferem entre si e dos apresentados acima. I - Tipos de Robôs e suas Características As classes de 1 a 3: correspondem aos robôs menos sofisticados, embora nem por isso menos importantes, como exemplo,

4 representarem, em 1983, 22,7% do faturamento e 53,4% do número de unidades produzidas no Japão. É importante ressaltar que esse percentual vem decrescendo. Em 1980, esses valores eram de 45,4% do faturamento e de 84,1% do total de unidades produzidas no Japão. Esta tendência é devida não a um declínio das quantidades produzidas, mas pelo aumento do número de unidades das categorias 4 a 6, que cresceram perto de 350% no período. As características dos robôs destas classes são as seguintes: - Classe 1 - Manipuladores Manuais: são dispositivos controlados por um operador quer visando preservá-lo de um ambiente hostil, como é o caso dos manipuladores utilizados para operações com produtos radioativos, já bastante antigos, quer ampliando sua força, para operações que envolvam grandes cargas. São geralmente dispositivos mecânicos ou hidráulicos, e suas funções sensoriais e de controle ficam conceituadas no operador humano. - Classe 2 - Robôs de seqüência fixa: são dispositivos planejados e construídos para automatizar uma operação científica. Podem eventualmente dispor de controle eletrônico e sensores sofisticados, o que os caracteriza é a especificidade de sua função, uma vez abandonada a produção do produto para o qual foram desenvolvidos, tem de ser sucateados. Portanto, a inclusão de um robô nesta categoria nada tem a ver com seu custo ou complexidade. - Classe 3 - Robôs de seqüência variável: os robôs desta categoria (os mais elementares para receber o nome de robô, pela conceituação americana) são dispositivos bastante simples, em geral de acionamento pneumático e para movimentação de pequenas cargas, seu movimento é controlado por limitadores ou por interruptores de fim de curso, que atuam sobre as válvulas que controlam a admissão de ar comprimido. Apesar de sua simplicidade, são de grande utilidade na indústria, constituindo, por exemplo, 37,6% da base instalada no Japão, em As classes de 4 a 6: correspondem aos robôs sofisticados, dotados de controle em malha fechada (servo-controlados). Embora muitos dispositivos possam ser enquadrados nesta categoria, restringimos a análise ao caso do robô industrial típico, que compreende os componentes apresentados a seguir. II - As principais características destes componentes são: Subsistema cinemático - é um mecanismo composto de partes estruturais, acionadores e elementos de transmissão, possuindo graus de

5 liberdade suficientes para a execução das tarefas destinadas ao robô. Possui normalmente 5 ou 6 graus de liberdade, os 3 primeiros permitem o posicionamento da mão no espaço e a parte que a executa é comumente chamada de braço, os seguintes permitem sua orientação espacial. O subsistema cinemático pode ser subdividido segundo essas funções. Para o braço existe uma variedade de configurações já construídas, mas sempre sendo uma combinação das estruturas básicas associadas aos sistemas de coordenadas cartesiano, cilíndrico, polar e de revolução. Analogicamente, existe uma grande variedade de configurações para a implementação da mão. O subsistema cinemático inclui sensores de posição eletromagnéticos ou ópticos, associados a cada um dos grau de liberdade, destinados a gerar sinais que indiquem a posição atual de cada elemento do robô. Estes sinais são encaminhados ao controle, para que este tome as medidas corretivas necessárias. Não existe uma tendência definida para a utilização de uma ou outra geometria, e nenhuma apresentou vantagens ou desvantagens significativas em relação as demais, apenas em certos casos a aplicação específica indica uma geometria como preferencial. Ferramenta - é o dispositivo responsável pela execução do trabalho, assumindo as mais diversas formas dependendo diretamente da aplicação. Pode ser fixa ou trocável, incorporada ao robô ou desenvolvida especialmente para a aplicação. Fonte de energia - como o nome indica, fornece energia na forma adequada para os acionadores do robô. Os robôs destas classes são predominante de acionamento eletrônico, existem muitos de acionamento hidráulicos, mas esta forma de acionamento está sendo abandonada, e possivelmente só sobreviverá em alguns nichos de aplicações, como por exemplo em atmosferas sujeitas à explosão. Controlador e memória de tarefa - tem por finalidade controlar o funcionamento do robô e armazenar as tarefas que deve executar. Existe grande variedade de alternativas de execução, mas a tendência é utilizar um controlador lógico adaptados nos modelos mais simples, e um micro computador de certo porte (16 bits) nos modelos mais complexos. Este microcomputador pode realizar todas as funções de controle, ou ser o elemento principal de uma rede, com um microcomputador de menor porte controlando cada grau de liberdade. A tarefa é armazenada na memória desse microcomputador.

6 Dispositivo de programação - é uma unidade de entrada e saída para permitir a programação do robô. No caso dos robôs de classe 5, é uma simples interface para receber o programa, produzindo externamente. Para as outras classes, existem duas formas principais: através de repetição, isto é, um operador humano realiza os movimentos necessários com a ferramenta presa ao robô, e este memoriza a sequência de movimentos, ou através de uma caixa de comando que permite mover o robô sob controle manual. Em qualquer dos casos, os movimentos ficam armazenados na memória de tarefa, prontos a serem repetidos. Dispositivos de sincronização - são dispositivos e funções que permitem a coordenação das ações do robô com máquinas e/ou eventos externos, de modo que possa ser informado a iniciar seu ciclo de movimento, ou acionar dispositivos externos que podendo iniciar sua atividade. Subsistema sensorial - existe apenas nos robôs de classe 6, é formado por sensores que permitem ao robô reconhecer mudanças de condições em seu ambiente de trabalho, variam desde um simples sensor de presença para determinar se a peça a manipular realmente está em sua posição até sensores de visão tridimensional, muito complexos. Esta é a área de maior atividade de pesquisa na robótica; e seu desenvolvimento é fundamental para que os robôs possam ser empregados em aplicações mais sofisticadas. III - Evolução e Perspectivas no Mercado Mundial de Robôs Todos os estudos sobre a população mundial de robôs encontram três dificuldades principais: a nebulosidade da definição e classificação de

7 robôs, como visto na introdução, a ausência de fontes regulares e confiáveis de informações e a ausência de dados agregados em muitos casos. Assim, existe sempre uma certa divergência entre as diversas fontes que apresentam a mesma informação, e os números a seguir representam uma média ou a informação julgada mais confiável. IV - Principais Aplicações e sua Evolução As aplicações dos robôs se dividem em duas grandes categorias: aquelas em que o robô movimenta uma ferramenta e aquelas em que movimenta uma peça. Na primeira categoria as principais aplicações de pintura (ou outros tipos de revestimento), soldagem a arco, soldagem a ponto, e bem recentemente, montagem. Esta última aplicação é que deve tornar-se a mais importante nos próximos anos. Na segunda categoria temos a alimentação de máquinas em geral, destacando-se as máquinas ferramentas, prensas, forjas, etc. Outros dados agregados são de difícil obtenção, entretanto, o exame de alguns casos isolados disponíveis mostra uma certa tendência geral. Outro exemplo de perspectiva de evolução isolada, é a previsão de utilização de robôs industriais pela General Motors, em suas fábricas. A tendência geral é um crescimento moderado das aplicações já consagradas (pintura, soldagem), acompanhada de um crescimento significativo nas áreas de montagem e operações associadas. V - Aplicações de Robôs Industriais Articulados no Brasil Analisando as áreas de atividades da indústria brasileira e as situações econômicas das empresas que as representam, podemos dizer que solda à ponto; pintura; solda à arco; polimento; rebarbagem; etc., viabiliza a economia, podendo ter bastante aplicação devido aos altos custos anteriormente empregados.. Outra área de aplicação são as de alta repetividade e trabalho monótono, principalmente a solda à ponto; solda à arco; manipulação alta/repetitiva e alguns serviços de montagem. Considerando que a repetividade não é rígida e que a flexibilidade é dada ao sistema de robótica através da reprogramação que poderá ser feita pelo operador da máquina. Finalmente gostaríamos de alertar da necessidade da engenharia de aplicação necessária para uma bem sucedida aplicação. Esta engenharia

8 devia não somente ser um serviço prestado pelo fabricante deste tipo de equipamento, como também ser de conhecimento do usuário que terá que fazer a operação, assistência e futuras reprogramações do robô industrial adquirido. VI - A Fábrica do (e com) Futuro A fábrica do futuro é integrada por computadores e automatizada de uma forma flexível. Ela se livrou da transmissão de informações escritas, dispõe de um processo de fabricação contínuo e é interconectada no que diz respeito ao fluxo de energia, de materiais e de informações. Ela poderá produzir uma grande variedade de produtos em lotes pequenos de seqüenciamento arbitrário, e isto será mais econômico do que é hoje. Os tempos preparatórios para a introdução de produtos novos ser]ao bastante diminuídos, não existirá praticamente nenhum armazenamento intermediário e o armazenamento final para a adaptação as necessidades variada do mercado torna-se-à quase supérfluo. Atividades manuais serão flexivelmente automatizadas e tarefas de planejamento e controle serão executadas pela interação homem-computador. A produção integrada pôr computadores representa o núcleo da inovação da produção. Ela vive de hardware, software, bancos de dados e sistemas de comunicação. Um programa variável de produção será otimizado continuamente pelo controle de produção, sob atuação direta de computadores. Com isso teremos um controle direto do fluxo de materiais e das operações nas máquinas, como também uma preparação dinâmica, coordenação e alocação de todos os meios de produção disponíveis. No futuro, o fluxo de informações começará pelo projeto Assistido pôr Computador pac e será estreitamente interligado com o planejamento da folha de trabalho assistido pôr computador, com troca direta de informações. A tecnologia PAC possibilitará novos métodos de projeto, uma análise de FEM(Finele Element Method) ou BEM(Boundary Element Method) pode ser executada durante a noite; com os resultados prontos o desenhista pode efetuar melhorias no projeto na manhã seguinte, interativamente com o computador.

9 Com a ajuda da simulação serão otimizados os lay-outs das fábricas ou sub-fábricas e o desenvolvimento de processos de produção antes de sua execução ou realização, respectivamente. Modelos de simulação permitirão pesquisas que não podem ser executadas em sistemas reais, seja pôr razão de custo ou de tempo. Já durante o projeto de uma peça, será possível fazer uso de um processador de planejamento da folha de trabalho para simular a produção desta peça e assim detectar processos de fabricação complexos ou custosos demais. A simulação (gráfica) do planejamento da folha de trabalho evoluirá a sistemas que conterão componentes de controle de produção e transmitirão programas para máquinas CNC que são equipadas com facilidades de programação na oficina. Desta forma, a máquina CNC executa um controle orientado pela produção e pode mudar o programa adaptando-o melhor às suas próprias condições. Assim se pode imaginar o fechamento da malha entre execução, preparação e projeto. Atingiremos um alto grau de integração com esta cadeia de PAC, programação CNC, execução DNC e produção e/ou correção de informações CNC na oficina. Este sistema deverá incluir também o manuseio e a montagem. Quanto ao manuseio será possível programar off-line seqüências de movimentos no espaço tridimensional assistido pôr simulação. O planejamento de processos de montagem e de sistemas automáticos de montagem está altamente conectado com isso e influenciará um feedback importante ao projeto amigável à montagem. Dados geométricos do produto são imprescindíveis para a obtenção de regras para o planejamento de testes. pontos de teste precisos podem ser definidos usando-se o modelo geométrico tridimensional. A atuação de robôs de teste pode ser planejada via simulação gráfica. Será exigido dos sistemas de fabricação do futuro a maior produtividade tecnológica possível, mantendo o mais alto nível de qualidade, com um processamento inteiramente automático, minimizando os tempos de preparação para a fabricação de partes em seqüenciamento e tamanho de lotes arbitrários. Além disso, sistemas flexíveis de manufatura devem apresentar características como robustez e alta taxa de mean-time between failures, devem ser amigáveis ao usuário e à manutenção e, afinal, devem possuir sistemas de auto-diagnose, que emitam sinais de alerta quando acontecem falhas no processamento ou na máquina ou até

10 que procuram outros caminhos, para a execução de dada tarefa caso seja disponível uma certa redundância no sistema. Novos materiais, como materiais baseados em fibras (carbônicas, de vidro), serão tratados pôr processos também novos, como cortar com raio laser ou pôr jatos de plasma ou d água, onde robôs industriais substituirão máquinas comuns, começando esta substituição quando se trata de superfícies complexas já num futuro próximo. Os sistemas de fabricação do futuro serão construídos modularmente e consistirão de elementos ou grupos de elementos com funções automatizadas flexivelmente que também incorporam as áreas de tecnologia de manuseio, de sensoreamento e de controle e de medição em processos. Robôs industriais móveis encadearão os vários sistemas de fabricação entre si com os armazéns automatizados e com as linhas de montagem robotizadas. Na fábrica do futuro serão executadas montagens, até hoje feitas manualmente, de uma forma automática pelo emprego de robôs industriais. Com o desenvolvimento deste robôs de montagem prevê-se um desenvolvimento para cadeias cinemáticas com mobilidade cada vez mais alta, alta flexibilidade para acoplamento de ferramentas variadíssimas e a repartição dos graus da liberdade do sistema de montagem entre robô e o sistema de suporte do conjunto a ser montado. Numa fase mais avançada ainda, o sistema de fabricação integrado pôr computadores fará uso de inteligência de máquinas, ele vai integrar máquinas ferramentas inteligentes, robôs industriais inteligentes, sistemas de montagem inteligentes, máquinas e robôs de teste inteligentes e meio de transporte inteligentes. Na informática fala-se de inteligência artificial, um campo de pesquisa e de ensino já incorporado em alguns cursos de engenharia no Japão e nos Estados Unidos. Se vemos inteligência, em geral, como a capacidade de adaptação do comportamento de uma entidade a um novo estado do ambiente, então podemos tentar definir inteligência de máquina como uma capacidade da máquina adaptar-se a alterações de parâmetros do processo pôr conhecimentos empíricos armazenados. Muitos sistemas de produção são tão complexos que os seus processos de produção não podem ser descritos analiticamente. Por isso a solução de uma certa tarefa de produção baseia-se em experiência que, pôr sua vez, baseia-se num conhecimento técnico amplo. Para o planejamento de processos de produção muitas vezes são consultados especialistas ou peritos. Em analogia a esses peritos humanos podem ser desenvolvidos na

11 informática sistemas peritos que possuem, como células acumuladoras de conhecimento, a capacidade de tomar decisões e resolver problemas. Hoje já são usados sistemas peritos nas áreas de interpretação, da diagnose (de falhas), da demonstração automática de teoremas matemáticos e de supervisão. A sua arquitetura de software incorpora basicamente módulos interconectados, como o módulo de diálogo, de explicação, da aquisição de conhecimento e do solucionador de problemas. Sistemas peritos ajudarão na otimização de sistemas integrados de fabricação pôr computador devido à possibilidade de, para as diferentes áreas do sistema, poderem ser construídos sistemas peritos dedicados. Podemos imaginar que existirão sistemas peritos para o desenvolvimento, projeto, planejamento de produção, fabricação e montagem, mas também para o controle de qualidade e para o marketing. No futuro, sistemas peritos poderão ser usados como ampliadores de conhecimento, ajudando o homem na execução de suas tarefas e, numa última etapa, como executores próprios que, pela capacidade de aprendizagem de que disporão, chegarão a substituir o homem como comandante de máquinas. Não existem, teoricamente, limitações à inteligência de máquinas: ela pode ser relacionada a propriedades de materiais, a formas geométricas, ao tamanho e ao seqüenciamento de lotes, isso mencionando apenas alguns exemplos. Terminaremos o nosso vôo ao futuro da fábrica com uma última visão: com a penetração cada vez mais profunda de técnicas de informática na fábrica (do futuro) podemos imaginar até novas formas de estruturas de produção. Uma dessas estruturas que me parece mais atraente seria a seguinte: separa-se a fábrica atual em duas partes distintas. Num lado ficará a fábrica, integrada pôr computadores, altamente flexível e automatizada e, no outro, um grupo de empresas que são portadoras do conhecimento do produto e do mercado, sem fabricação própria. Essas duas formas de empresas podem ser interconectadas pôr uma instituição de mercado, digamos pôr uma bolsa de produção em analogia à bolsa de valores de hoje. Usando uma rede de informações, as empresas orientadas aos produtos oferecerão contratos de fabricação, especificados pelas exigências e especificações do produto. A oferta que otimizar custos, qualidade, prazos, etc.., ganhará a ordem de produção. Como no caso da

12 bolsa de valores, deverão existir contratos e/ou leis que garantam uma posição neutra desta bolsa de produção. VII - O Futuro Imediato da Robótica ( Para os Próximos 5 Anos ) Todos os meios de produção sentirão a necessidade de se tornarem cada vez mais flexíveis e integrados por sistemas distribuídos por computadores. Descrição Funcional O sistema tem como entradas a descrição de tarefas a ser executadas pelo robô na forma de uma linguagem de programação (programa fonte) bem como a descrição do ambiente e do robô onde serão executadas estas tarefas. Em conseqüência destas entradas, são gerados arquivos de programas, servindo também como meio de documentação das tarefas e arquivos de modelos de robô e ambiente. O programa fonte é processado pêlos módulos de pré-processamento gerando um programa em linguagem intermediária em arquivo de forma padronizada. O simulador executa a simulação da tarefa baseado no programa intermediário e nos modelos (ambiente e robô) e os resultados são entregues ao sistema de representação gráfica através do qual pode-se analisar a consistência do programa (este simulador deverá ser provido de recurso de auxílio e depuração de programas). Após a depuração do programa, o programa em linguagem intermediária será adequado a um robô específico pôr meio do pósprocessador. Observa-se que o sistema é uma ferramenta flexível de programação e simulação uma vez que apenas alguns módulos são dependentes da linguagem (interpretador) e do robô (pós-processador). Composição do Sistema

13 O sistema é composto pôr módulos e os componentes destes módulos são: - representação gráfica e interface homem-máquina; - modelador de ambiente e robô; - módulo de edição e geração de programas; - simulador; - banco de dados; - módulo de gerenciamento do sistema; - pós-processador a) Filosofia de Desenvolvimento Pela presença de um módulo de gerenciamento do sistema, cuja função é gerenciar os processos em execução, coordenando e concatenando a troca de informações entre os diversos módulos do sistema, serão providos os meios para o desenvolvimento de interfaces entre os módulos e a possibilidade de expansão do sistema. b) Representação Gráfica e Interface Homem - Máquina Visa prover os recursos de comunicação do usuário com o módulo de gerenciamento do sistema, bem como representar os resultados da simulação do programa de aplicação pôr meio de saída gráfica. c) Modelador de Ambiente e Robô Oferece os recursos que facilitem ao usuário, através da troca de informações desse módulo com o gerenciamento do sistema e a interface homem-máquina, a definição do ambiente de trabalho e do robô que agirá neste ambiente. d) Módulo de Edição e Geração de Programas Permite ao usuário, pela interface homem-máquina, editar programas e requisitar o pré-processamento requerido pela linguagem de programação usada para traduzir estes programas para uma forma padronizada. e) Simulador Sua função é simular a execução dos programas de aplicação de robô. Traduz as interações (definidas pelo programa de aplicação) entre a

14 estrutura que representa o ambiente de trabalho e a estrutura do manipulador e pode trabalhar em conjunto com o depurador. f) Depurador Oferece ferramentas que facilitem a depuração de programas como pontos de parada, execução passo a passo, etc. g) Banco de Dados Trata-se do arquivo que contém os programas de aplicação e os modelos de robô e de ambiente definidos pelo usuário. h) Pós-Processador Sua função é realizar o processamento necessário que permita a adaptação de um programa desenvolvido no ambiente PAC a um tipo específico de robô. Parte do pós-processamento pode ser feito a nível de robô pelo pós-processador local associado ao controlador do robô. XIII - Especificação Técnica de Robô de Montagem O objetivo nesta etapa é converter todas as informações geradas nas etapas anteriores de maneira que possam ser usadas no desenvolvimento de um robô industrial. A especificação de um robô industrial de montagem deverá conter: - Número de eixos; - Tipo de movimento e velocidade de cada eixo; - Limite de movimento para cada eixo; - Descrição do volume de trabalho; - Precisão de posicionamento; - Repetibilidade, capacidade de carga, fonte de potência no acionamento, tipo de memória do sistema de controle; - Tamanho de memória do controlador e se a memória pode ser expandida; - Fonte de potência necessária; - Máxima temperatura de operação do sistema; - Tipos de interfaces para sensoreamento externo; - Método de ensinamento; - Condições de segurança; - Natureza do controle; - Periféricos exigidos; - Garras mecânicas;

15

16 Bibliografia (1) Amaral, P.F.S., Campos, G.L., Pinto, B.G.M., "Robôs Industriais", tutorial apresentado ao l.º Congresso Nacional de Automação Industrial, São Paulo, (2) Editora Abril S/A - Setor DEDOC - SP (3) Revista Politécnica - Universidade de São Paulo. (4) C.B.I.- Canal Brasileiro da Informação. (5) Páginas da WWW - Internet: Texto gentilmente cedido por Flávio Toledo

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs

Leia mais

APLICAÇÕES INDUSTRIAIS DE ROBÔS

APLICAÇÕES INDUSTRIAIS DE ROBÔS Material de estudo APLICAÇÕES INDUSTRIAIS DE ROBÔS 2010 Lívia F. Silva Mendes APLICAÇÕES INDUSTRIAIS DE ROBÔS Os robôs têm vindo a ser utilizados numa gama muito variada de aplicações industriais. As primeiras

Leia mais

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto Razões para Automatizar Alto custo de mão de obra Investimentos em máquinas que possam automatizar a produção com um custo

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs Robôs e seus Periféricos

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Profª Danielle Casillo Nome: Automação e Controle Créditos: 4 60 horas Período: 2010.2 Horário: quartas e sextas das 20:40 às 22:20

Leia mais

1. Sistemas de Produção

1. Sistemas de Produção UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENG. DE PRODUÇÃO E SISTEMAS - DEPS INFORMÁTICA INDUSTRIAL IFD 1. Sistemas de Produção Igor Kondrasovas

Leia mais

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História Módulo IV Tecnologia Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. TECNOLOGIA Conceito e História A automação em nossas vidas Objetivo: Facilitar nossas vidas no dia-a-dia Em casa: Lavando roupa Esquentando leite

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

UNED-CUBATÃO 2008. Conhecimentos básicosb Automação Industrial

UNED-CUBATÃO 2008. Conhecimentos básicosb Automação Industrial CEFET-SP UNED-CUBATÃO 2008 Conhecimentos básicosb de Automação Industrial J. Caruso - 2008 Definições Automação é um sistema de equipamentos eletrônicos e/ou mecânicos que controlam seu próprio funcionamento,

Leia mais

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico;

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico; EMENTA DE CONTEÚDOS Eletricidade Conceitos fundamentais da eletricidade; Circuitos elétricos de corrente contínua; Tensão alternada; Gerador de funções; Operação do osciloscópio; Tensão e corrente alternadas

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 1 Introdução a Robótica. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 1 Introdução a Robótica. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 1 Introdução a Robótica Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs Robôs e seus Periféricos

Leia mais

Robôs industriais. O prédio da embaixada de um país europeu. Contribuição. ghj

Robôs industriais. O prédio da embaixada de um país europeu. Contribuição. ghj Robôs industriais ghj O prédio da embaixada de um país europeu amanheceu com uma bomba estrategicamente colocada em sua porta de entrada. Todas as emissoras de televisão da cidade miraram suas lentes no

Leia mais

Espaço de Trabalho. θ 2

Espaço de Trabalho. θ 2 1. ROBÓTICA: CONCEITOS BÁSICOS 1.1 Robôs Manipuladores: Robô: Máquina universal programável que tem existência no mundo físico e atua nele através de movimentos mecânicos. Espaço de Trabalho: Região do

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Simplifique a complexidade do sistema

Simplifique a complexidade do sistema 1 2 Simplifique a complexidade do sistema Com o novo controlador de alto desempenho CompactRIO Rodrigo Schneiater Engenheiro de Vendas National Instruments Leonardo Lemes Engenheiro de Sistemas National

Leia mais

Parte 02 O Controlador Lógico Programável

Parte 02 O Controlador Lógico Programável Parte 02 O Controlador Lógico Programável 2.0 Introdução: Para controlar uma planta industrial, seja a mais simples ou complexa, necessitamos de um sistema de controle, obviamente que quanto mais complexa

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Ferramentas Computacionais para Prototipagem Rápida de Sistemas Mecatrônicos

Ferramentas Computacionais para Prototipagem Rápida de Sistemas Mecatrônicos Ferramentas Computacionais para Prototipagem Rápida de Sistemas Mecatrônicos Prof. Dr. João Mauricio Rosário Laboratório de Automação Integrada e Robótica UNICAMP - Faculdade de Engenharia Mecânica e-mail:

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos

Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos Paula Rayane Mota Costa Pereira*, Josemar Rodrigues de Souza**, Resumo * Bolsista de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC,

Leia mais

Automação de Processos Industriais*

Automação de Processos Industriais* Automação de Processos Industriais* Automação Rígida e Automação Flexível *Moraes, C.C.; Catrucci, P.L. Engenharia de Automação Industrial. Ed. LTC, Rio de Janeiro RJ, 2001. Black, J.T. O Projeto da Fábrica

Leia mais

Características da Usinagem CNC

Características da Usinagem CNC Características da Usinagem CNC CN: comando numérico É o código propriamente dito! CNC: comando numérico computadorizado É o sistema de interpretação e controle de equipamentos que se utilizam de CN para

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Capítulo 1 1.1 BREVE HISTÓRICO DA ROBÓTICA

1. INTRODUÇÃO. Capítulo 1 1.1 BREVE HISTÓRICO DA ROBÓTICA Capítulo 1 1. INTRODUÇÃO A automação ocupa lugar importante nas mais diversas atividades industriais. A robótica, em particular, está presente em um número cada vez maior de aplicações industriais, realizando

Leia mais

Inspeção através de sistema de visão industrial Ergon

Inspeção através de sistema de visão industrial Ergon Inspeção através de sistema de visão industrial Ergon Introdução A Ergon Sistemas de Visão Industrial, parceira das empresas Industrial Vision Systems e Neurocheck, juntas formam importantes fornecedores

Leia mais

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Bibliografia Controlo Numérico Computorizado, Conceitos Fundamentais Carlos Relvas Publindústria,

Leia mais

6. CILINDROS PNEUMÁTICOS

6. CILINDROS PNEUMÁTICOS 6. CILINDROS PNEUMÁTICOS Os cilindros, também conhecidos como atuadores lineares, são elementos pneumáticos de trabalho os quais transformam a energia proveniente do ar comprimido em energia mecânica,

Leia mais

José Novais (1997), Método sequencial para automatização electro-pneumática, 3ª Edição, Fundação

José Novais (1997), Método sequencial para automatização electro-pneumática, 3ª Edição, Fundação AUTOMAÇÃO (M323/3073) CAPÍTULO I Introdução à Automação 2013/2014 Bibliografia José Novais (1997), Método sequencial para automatização electro-pneumática, 3ª Edição, Fundação Calouste Gulbenkian Curtis

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Módulo 6: Inteligência Artificial

Módulo 6: Inteligência Artificial Módulo 6: Inteligência Artificial Assuntos: 6.1. Aplicações da IA 6.2. Sistemas Especialistas 6.1. Aplicações da Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas

Leia mais

Fundamentos de Automação

Fundamentos de Automação Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Conceito,

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING

ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING Análise do Produto Dr. Charles Clarke ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING Tendências e requisitos do setor...3 Uma nova abordagem de programação de inspeção de CMM...4 O aplicativo na prática...5

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Definição de Robô Dicionário Webster: Dispositivo automático que executa funções normalmente atribuídas a humanos ou uma máquina com forma de humano

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Conceitos Básicos de Automação. Exemplo Motivador

Conceitos Básicos de Automação. Exemplo Motivador Conceitos Básicos de Automação Prof. Jeferson L. Curzel 2011/02 Exemplo Motivador Para uma furação manual o operador usava os olhos, o tato e a contração de seus braços para avaliar a evolução do furo

Leia mais

Introdução à Robótica Pós-Graduação. Robótica Industrial. Perspectiva Histórica e Papel na Automação. Dados, Números e Demandas Futuras

Introdução à Robótica Pós-Graduação. Robótica Industrial. Perspectiva Histórica e Papel na Automação. Dados, Números e Demandas Futuras Introdução à Robótica Pós-Graduação Robótica Industrial Perspectiva Histórica e Papel na Automação Dados, Números e Demandas Futuras Robô Industrial e Gerações de Sistemas Robóticos Tecnologia para o Futuro

Leia mais

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura O conceito de CIM e a integração de processos Prof. Breno Barros Telles do Carmo Evolução da Manufatura Integração.A evolução da manufatura segundo reportado em Russell e Taylor III (1995) se deu em quatro

Leia mais

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Conhecer os dispositivos de armazenamento por meio do conceito e dos tipos de memórias utilizadas no computador. Subsistemas de memória Memória

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL - DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL - DEFINIÇÕES SISTEMA É uma disposição, conjunto ou coleção de partes conectadas ou relacionadas de tal maneira a formarem um todo. Pode ser físico, biológico, econômico, etc. CONTROLE Estuda como agir sobre um dado

Leia mais

Cronograma da Disciplina de Automação Industrial- Aulas Teóricas

Cronograma da Disciplina de Automação Industrial- Aulas Teóricas Cronograma da Disciplina de Automação Industrial- Aulas Teóricas Aula Sumário das Aulas Teóricas Sem. T1 Introdução aos objectivos e tipos da Automação Industrial Introdução à disciplina. Objectivos da

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS O documento que serviu de base para a análise a seguir é o denominado "Diretrizes Curriculares

Leia mais

Introdução à Engenharia de Automação

Introdução à Engenharia de Automação Introdução à Engenharia de Automação 1 A automação em nossas vidas Objetivo: Facilitar nossas vidas Automação no dia-a-dia Em casa: Lavando roupa Abrindo o portão Lavando louça Na rua: Sacando dinheiro

Leia mais

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE IMPRENSA

PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE IMPRENSA PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE EcoCWave da Dürr Ecoclean: Qualidade superior, eficiência de custos e confiabilidade de processo na lavagem à base de água Filderstadt/Germany, junho 2014 com sua EcoCWave,

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide

UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide - SEPesq UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide 1. Introdução Diego Augusto de Jesus Pacheco Giovani Geremia Segundo Vargas (2012) é perceptível que uma

Leia mais

Tema Objetivos Conteúdos

Tema Objetivos Conteúdos Nº módulo CURSO VOCACIONAL - ELETRICIDADE, INFORMÁTICA E NOÇÕES BÁSICAS DE FINANÇAS 3.º Ciclo 2 anos. DISCIPLINA: Área Vocacional de Informática Distribuição Modular Tema Objetivos Conteúdos Aulas 45 1

Leia mais

Engenharia de Sistemas Computacionais

Engenharia de Sistemas Computacionais Engenharia de Sistemas Detalhes no planejamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Introdução Na aplicação de um sistema

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D

FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D MÓDULO 2 METROLOGISTA 3D NÍVEL B André Roberto de Sousa Seja como for, a grandiosa Revolução Humana de uma única pessoa irá um dia impulsionar a mudança total do destino

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 66303 ESTRUTURA DE DADOS I 68/0 ENG. DE

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria.

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria. Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro Respostas para a indústria. Percepção, previsão, visão ampliada: SIMOCODE pro integrado no SIMATIC PCS7 O sistema flexível de gerenciamento de motores

Leia mais

Automação da Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Automação da Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Automação da Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto 2 Objetivo: Histórico da automação. Sistemas de produção e automação (controle e simulação). Automação de Processos Produtivos Contínuos e Discretos.

Leia mais

Eletricidade: acionamento de motores elétricos

Eletricidade: acionamento de motores elétricos Eletricidade: acionamento de motores elétricos A UU L AL A Como se pode converter energia elétrica em energia mecânica? Considere a situação descrita a seguir. Tic-tac, blamp-blump, zuuuummmm... São as

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

INTRODUÇÃO À AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

INTRODUÇÃO À AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO À AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Treinamento Branqs Automação, 2007 Elaboração: Kauê Leonardo Gomes Ventura Lopes Aprovação: Fernando José Cesilio Branquinho Branqs Automação Ltda. Rua do Comércio, nº

Leia mais

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo 1 Congresso sobre práticas inovadoras na educação em um mundo impulsionado pela tecnologia Workshop: Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo Palestrante: João Vilhete Viegas d'abreu Núcleo

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO A ROBÓTICA

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO A ROBÓTICA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO A ROBÓTICA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Microcontroladores - Hardware Microcontroladores - Software Visão Geral de um Robô Manipulador Constituição Básica de um Robô Industrial

Leia mais

Fundamentos da Informática

Fundamentos da Informática 1 PROCESSAMENTO DE DADOS I - FUNDAMENTOS A) CONCEITO DE INFORMÁTICA - é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. B) PROCESSAMENTO DE DADOS 1) Conceito Processamento de dados

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM: MANUAL, MECANIZADOS E AUTOMATIZADOS

PROCESSOS DE SOLDAGEM: MANUAL, MECANIZADOS E AUTOMATIZADOS PROCESSOS DE SOLDAGEM: MANUAL, MECANIZADOS E AUTOMATIZADOS Profa. Ivanilza Felizardo, Dra PROCESSOS DE SOLDAGEM: MANUAL, MECANIZADOS E AUTOMATIZADOS 1. INTRODUÇÃO Pode-se dizer que a soldagem é o processo

Leia mais

A eficiência do laser. The Bend The Combi The Laser The Punch The System The Software

A eficiência do laser. The Bend The Combi The Laser The Punch The System The Software A eficiência do laser The Bend The Combi The Laser The Punch The System The Software Inovação e experiência Econômica e ecológica A máquina de corte a laser PLATINO Fiber 2D tem perfeito balanço entre

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

Estudo de Caso. O Fator Wow! : Um Exemplo Perfeito do Uso de Analítica de Negócios e Computação em Nuvem para Criar Valor de Negócios

Estudo de Caso. O Fator Wow! : Um Exemplo Perfeito do Uso de Analítica de Negócios e Computação em Nuvem para Criar Valor de Negócios Estudo de Caso O Fator Wow! : Um Exemplo Perfeito do Uso de Analítica de Negócios Introdução Este Estudo de Caso é sobre como uma corporação (IBM) encontrou uma maneira de extrair valor de negócios adicional

Leia mais

Automação industrial Sensores

Automação industrial Sensores Automação industrial Sensores Análise de Circuitos Sensores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que são sensores?

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM MECATRÔNICA

Leia mais

Tecnologia de Comando Numérico 164399

Tecnologia de Comando Numérico 164399 164399 Aula 2 Introdução à Automação da Manufatura Mecatrônica; Automação; Níveis de Automação; Tipos de Automação; Justificativas para automatizar; Justificativas para não automatizar; Prof. Edson Paulo

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas

Leia mais

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações A UU L AL A Sensoriamento Atualmente, é muito comum nos depararmos com situações em que devemos nos preocupar com a segurança pessoal e de nossos bens e propriedades. Daí decorre a necessidade de adquirir

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM NOVAS TECNOLOGIAS: Um desafio constante. (A Mecatrônica como exemplo do estado da arte)

CAPACITAÇÃO EM NOVAS TECNOLOGIAS: Um desafio constante. (A Mecatrônica como exemplo do estado da arte) CAPACITAÇÃO EM NOVAS TECNOLOGIAS: Um desafio constante. (A Mecatrônica como exemplo do estado da arte) SESTINFO-2008 São Bernardo do Campo/março/2008 Áreas da Tecnologia que estão definindo nosso Futuro

Leia mais

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL II CIMMEC 2º CONGRESSO INTERNACIONAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 27 A 30 DE SETEMBRO DE 2011 Natal, Brasil DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

Leia mais

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS AUTOR(ES):

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores Autor: José Augusto Manzano Capítulo 1 Abordagem Contextual 1.1. Definições Básicas Raciocínio lógico depende de vários fatores para

Leia mais

SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ CURSO PROFISSIONALIZANTE INFORMÁTICA

SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ CURSO PROFISSIONALIZANTE INFORMÁTICA SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ CURSO PROFISSIONALIZANTE INFORMÁTICA Documento elaborado no encontro realizado de 10 a 12 de agosto de 2004. Curitiba, PR Perfil do Profissional Ao final de cada

Leia mais

Conexão entre a engenharia de manufatura e o chão de fábrica - um sinal de eficiência do fabricante

Conexão entre a engenharia de manufatura e o chão de fábrica - um sinal de eficiência do fabricante 52 Mawson Road Cambridge CB1 2HY Reino Unido Tel: +44 (0) 1223 460 439 Fax: +44 (0) 1223 461 055 www.cambashi.com info@cambashi.com Conexão entre a engenharia de manufatura e o chão de fábrica - um sinal

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Manual do usuário. Braço robótico para educação técnica

Manual do usuário. Braço robótico para educação técnica para educação técnica A T E N Ç Ã O Enquanto o robô Sci-Arm é um computador leve, pode se manejar em altas velocidades e pode causar danos se ele colidir com uma pessoa. Sempre use com extrema cautela.

Leia mais

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM EAGLE Smart Wireless Solution Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples Brand of ACOEM Com o EAGLE, a ONEPROD oferece a solução de monitoramento contínuo de manutenção condicional mais fácil

Leia mais

Projeto: Estudo da arquitetura de navegação autônoma para robôs móveis SFX. Orientando: Julian Alberto Piovesan Ruiz Diaz Orientador: Adriana Postal

Projeto: Estudo da arquitetura de navegação autônoma para robôs móveis SFX. Orientando: Julian Alberto Piovesan Ruiz Diaz Orientador: Adriana Postal Projeto: Estudo da arquitetura de navegação autônoma para robôs móveis SFX. Orientando: Julian Alberto Piovesan Ruiz Diaz Orientador: Adriana Postal RELATO SOBRE O PROJETO: Este projeto tem como objetivo

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

Sensores. Sensor. Passivos: Chave Potenciômetro Energia Auxiliar. Ativos: Célula Fotoelétrica Cristal Piezoelétrico. Digitais: Encoder Régua Óptica

Sensores. Sensor. Passivos: Chave Potenciômetro Energia Auxiliar. Ativos: Célula Fotoelétrica Cristal Piezoelétrico. Digitais: Encoder Régua Óptica Sensores Passivos: Chave Potenciômetro Energia Auxiliar Ativos: Célula Fotoelétrica Cristal Piezoelétrico Entrada Sensor Saída Analógicos: Potenciômetro Resolver Digitais: Encoder Régua Óptica Prof. Silas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 50/2014-CONSUNIV Aprova ad referendum a reformulação do Projeto Pedagógico do

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 50/2014-CONSUNIV Aprova ad referendum a reformulação do Projeto Pedagógico do UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 50/2014-CONSUNIV Aprova ad referendum a reformulação do Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia de, Bacharelado, de oferta regular

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

Estudo e Modelagem Computacional de um Robô Aplicado em Processos de Usinagem

Estudo e Modelagem Computacional de um Robô Aplicado em Processos de Usinagem Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Estudo e Modelagem Computacional de um Robô Aplicado em Processos de Usinagem

Leia mais

Arquitetura Genérica

Arquitetura Genérica Arquitetura Genérica Antes de tudo, vamos revisar o Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador. Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador O funcionamento de um computador pode ser

Leia mais