Estudo de Caso: PETROM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo de Caso: PETROM"

Transcrição

1 Estudo de Caso: PETROM 1 César Cassiolato Smar Leandro Torres Smar Carlos Fernando Siemens Marcos A. Cusma PETROM

2 PETROM 2 PETROM: Petroquímica Mogi das Cruzes S.A. Sucessora da OXYPAR, foi fundada em janeiro de A PETROM, empregando aproximadamente 190 funcionários, e já nasceu como a maior fabricante de Anidrido Ftálico da América Latina. Ao final da expansão que está em andamento terá uma capacidade de produção anual de cerca de 80 mil toneladas de Anidrido Ftálico, 90 mil toneladas de Plastificantes e toneladas de Ácido Fumárico. A empresa está instalada numa área de 400mil m 2, na Rodovia Mogi-Bertioga, em Mogi das Cruzes, Estado de São Paulo, com uma área coberta de 17mil m 2. Startup: segundo semestre de 2002.

3 PETROM 3 PETROM: Petroquímica Mogi das Cruzes S.A. Principais Produtos Anidrido Ftálico: É usado principalmente na produção de plastificantes, resinas poliésteres insaturadas e resinas alquídicas. Graças ao seu baixo custo e às boas características de processabilidade que confere às resinas, é o ácido saturado mais empregado.

4 Necessidades da PETROM 4 Objetivos principais: Aumentar a produção de Anidrido Ftálico Melhorar o desempenho dos reatores Solução encontrada: Investir em automação (um sistema de controle confiável) para melhorar o controle dos processos e aumentar a segurança. Definição tecnológica básica na etapa de especificação: Automação com tecnologia baseada em rede Fieldbus. O protocolo deveria ser aberto para obter interoperabilidade e intercambiabilidade entre os instrumentos de campo. Escopo do sistema de Automação: 3 reatores de Anidrido Ftálico e uma torre de destilação a vácuo 1200 pontos de I/O entre os pontos existentes e os pontos novos

5 Necessidades da PETROM 5 Parceiro escolhido para definição da tecnologia: CBTA (Campinas-SP) Tarefas: Auxílio nos critérios de seleção do protocolo de rede Auxílio na escolha dos fornecedores da instrumentação de campo e do sistema de controle.

6 Tecnologia PROFIBUS 6 Projeto com tecnologia PROFIBUS e AS-i. Definição do Projeto: Ação conjunta da área técnica da PETROM Marcos Cusma, A Integradora de Sistemas CBTA Eng. Marco Coggi Todo o processo de controle de fabricação foi definido pela PETROM Integração, supervisão e engenharia - PETROM Suporte técnico dos equipamentos de campo e rede PROFIBUS-PA, Eng. César Cassiolato Smar. Concepção inicial da arquitetura geral de redes (Profibus, Ethernet e AS-I) Eng. Carlos Fernando Albuquerque Siemens Suporte técnico do sistema de controle, dispositivos Profibus DP e de redes Eng. Mário Herzog Bragança Siemens

7 Investimentos 7 O total de investimento na planta foi de aproximadamente U$ 520,000.00, contabilizando sistema de controle de processo e montagem em campo. Este valor corresponde a 15% do investimento total do projeto, aplicado na primeira fase do projeto, previsto para 6 etapas. Com a automação da planta em PROFIBUS houve uma economia de 40% em relação ao sistema 4 a 20 ma, devido principalmente à redução da quantidade de cabos. Com o Profibus houve a possibilidade do uso de painéis decentralizados, simplificação das eletrocalhas e dos eletrodutos utilizados o que facilitou a instalação, garantindo a redução de custo. Utilizando a instrumentação convencional com cabeamento central, haveria a necessidade de aproximadamente m de cabos, incluindo sinais analógicos e digitais. Com o uso do Profibus e sua decentralização, este número chega perto de 6.000m, ou seja 40% do número estimado.

8 Investimentos 8 Usando um sistema convencional com os pontos de I/O centralizados, as eletrocalhas seriam bastante extensas, devido ao grande número de pontos digitais e analógicos. Na engenharia de aplicação, não houve custos expressivos devido ao fato da Petrom ter concebido o projeto e a configuração do software de controle e telas de operação, auxiliados em sua fase inicial pela CBTA. Segundo a PETROM: a economia maior foi no tempo de implantação, espaço físico, treinamento e startup. Todo o treinamento foi feito durante o startup, quando os técnicos e instrumentistas acompanharam a configuração e instalação do sistema e equipamentos, estando capacitados para qualquer alteração e para as fases seguintes do projeto.

9 Por que PROFIBUS? 9 A partir das necessidades de projeto e aplicação,e após o processo de avaliação de todos os protocolos de rede disponíveis no mercado, o Profibus se mostrou mais adequado, além de que é um protocolo consolidado na Europa, com uma vasta linha de instrumentos e fornecedores e um número elevado de aplicações já realizadas no mundo (protocolo robusto e confiável). Ter as interfaces entre os instrumentos e o controlador próximo do local de aplicação, permitiu uma redução significativa do custo de instalação de eletrocalhas, eletrodutos e fiação da instrumentação. A planta era pouco instrumentada com o sistema convencional (13 malhas de controle), porém a instrumentação convencional existente (53 instrumentos em 4~20mA) foi integrada à nova automação através do sistema de I/O remoto em Profibus ET200M da Siemens.

10 Arquitetura do Sistema 10 Definido o projeto básico e a tecnologia a ser utilizada, passou-se para a fase de estudo das redes de campo, localização dos painéis distribuídos, especificação dos instrumentos a serem utilizados, quantificação dos instrumentos nos barramentos Profibus PA e instrumentação existente em 4~20mA, além dos pontos digitais a serem incorporados. Para a definição da localização dos painéis de interface, primeiramente definiu-se em planta baixa a localização dos instrumentos e a partir disto, a planta foi subdividida em áreas de abrangência da rede Profibus em seus segmentos Profibus DP, Profibus PA e AS-Interface, Neste trabalho a PETROM contou com o auxílio da CBTA, Siemens e Smar.

11 Arquitetura do Sistema 11 Com a finalidade de individualizar partes da planta de Anidrido Ftálico, subdividiu-se o controle utilizando dois controladores (AS) distintos. O primeiro controla dois reatores de Anidrido Ftálico e o outro, um reator e a torre de destilação a vácuo. Dois controladores do sistema de controle de processo Simatic PCS 7 da Siemens (2 AS 416-3, uma com 2Mb e a outra com 4Mb de memória) foram utilizadas como mestres das redes, com o uso de 2 módulos mestres Profibus DP CP e 2 cartões para Ethernet CP 443-1, para permitir a funcionalidade de Routing Profibus- Ethernet. A taxa de velocidade para o barramento Profibus DP (em meio físico elétrico RS 485) foi definida em 1,5Mbit/s, com segmentos de até 200m. O uso de repetidores contribuiu para a expansão dos segmentos Profibus DP sem diminuição da taxa de transmissão.

12 Instalação 12 Na PETROM (1 a fase) utilizou-se cerca de 1300 m de cabo para rede Profibus PA e 800 m de cabo para rede Profibus DP. Embora o custo unitário da instrumentação em Profibus seja mais elevado se comparada com a tecnologia 4~20mA, houve uma compensação de custos com a diminuição do tempo de comissionamento, devido ao diagnóstico e configuração dos dispositivos de rede (transmissores, posicionadores, inversores e relés de proteção e comando de motores) diretamente da estação de engenharia na sala de controle. Isto possibilita efetuar ajustes de calibração, diagnósticos de falha de dispositivo, quebra do fio ou falha de sensor sem a necessidade de checagem no local, facilitando e diminuindo o tempo de manutenção (MTTR).

13 Instalação 13 Na 1ª fase da automação nos três reatores de Anidrido Ftálico foram necessários os seguintes equipamentos de campo: instrumentos em Profibus PA - 68 instrumentos em AS-interface, sendo 56 válvulas On-Off, - 30 válvulas de controle com posicionadores de válvula em Profibus PA - 3 inversores de freqüência em Profibus DP - 13 acionamentos de motores com relés de proteção inteligentes em Profibus DP No total foram implementadas 43 malhas de controle regulatório, 400 pontos E/S digitais, 385 entradas analógicas. A comunicação nos segmentos Profibus DP com os inversores e relés é feita em modo DPV1 (com troca de dados acíclica para parametrização e diagnóstico remoto). Alguns pontos da 1ª fase encontram-se em etapa de projeto para alteração do processo, tendo sua previsão de implantação para o início de Portanto nem todos os instrumentos foram ligados ainda.

14 Start-up 14 O Start-up se deu em fases, subdivididas de acordo com a prioridade estabelecida pela coordenação do projeto. A instalação se deu em vários passos pelo fato da planta estar operando em plena carga nos últimos anos, sendo necessário aproveitar paradas de manutenção para efetuar a transição da instrumentação convencional para o novo sistema de automação. Inicialmente, os instrumentos da malha de controle da vazão de ortoxileno que alimentam o reator e seus instrumentos periféricos fizeram parte da primeira fase, seguidas pelas malhas de controle da produção de vapor, controle dos motores de 800HP que fornecem o ar atmosférico para o reator, e o sistema de condensação de Anidrido Ftálico e fluído térmico. Nas etapas iniciais do start-up os problemas observados deveram-se ao desconhecimento da tecnologia, alguns mau-contatos nas conexões da rede Profibus DP durante a fase de montagem e as falhas iniciais nas configurações dos repetidores DP.

15 Start-up 15 No lado Profibus PA, os problemas encontrados originaram-se também devido ao desconhecimento pela PETROM da tecnologia e nos terminadores da rede. Foram utilizados para acionamento de ventiladores de resfriamento, motores e bombas e outros pontos digitais nos painéis remotos através das remotas de I/O ET200M com diagnósticos dos cartões. Seu monitoramento remoto contribuíram para seu rápido comissionamento. O comissionamento da instrumentação e a facilidade de alteração das configurações e calibrações dos instrumentos foram sem dúvida um ponto forte no start-up, economizando significativamente o trabalho de campo principalmente nas válvulas de controle devido à auto-calibração das mesmas (FY303-Smar em Profibus-PA).

16 Aplicação no Processo 16 O ar atmosférico é enviado para o reator através de compressores de 800HP e 1500HP que possuem monitoração das temperaturas dos mancais de suas turbinas e seus motores. O Anidrido Ftálico é obtido através da mistura do ar atmosférico e o ortoxileno na forma de vapor em reator de leito fixo através de catalisadores a base de pentóxido de vanádio, com temperaturas de até 450 C. O controle de vazão de ortoxileno vaporizado para o interior do reator é um fator crítico para o processo de produção do Anidrido Ftálico, sendo que um aumento desta vazão reflete em ganhos de produção, porém também implica em trabalhar em uma faixa de explosividade muito estreita. Sem um controle que forneça uma rápida resposta e que seja confiável, os limites não seriam possíveis de serem atingidos com segurança.

17 Aplicação no Processo 17 A reação é altamente exotérmica e o calor removido produz vapor d água a 20 atm, o qual é utilizado no processo produtivo, onde o controle da temperatura dos sais de resfriamento se faz necessário. A temperatura para resfriamento do reator deve ser mantida em uma faixa do set-point estabelecido com o desvio máximo para intertravamento em +3ºC ou 3ºC. Na saída do reator, o Anidrido Ftálico que está a uma temperatura de 380ºC, passa através do pós-reator para eliminar impurezas e efetuar a conversão do Anidrido Ftálico que não reagiu no reator. Sua temperatura é controlada em 340ºC e este também gera vapor d água de 10 atm que é enviado para outros consumidores. Em seguida o Anidrido Ftálico passa por resfriadores de gás que abaixam a temperatura para 160ºC.

18 Aplicação no Processo 18 O produto em forma gasosa é cristalizado nas câmaras de condensação (switch condensers). Em seguida quando o condensador está saturado, o mesmo é fundido, descarregado e armazenado em tanques para posterior tratamento na torre de destilação a vácuo, onde se obtém o produto final. Na fase de condensação do Anidrido Ftálico, o sequenciamento correto e preciso dos Switchs Condensers são cruciais, sendo que uma falha pode acarretar rompimento dos discos, ruptura devido ao aumento da pressão no sistema. Estes posicionamentos são monitorados através de sensores de posição indutivos conectados na rede AS-i, que está sincronizada de modo transparente com a rede Profibus DP pelos DP/AS-i Links. Para o controle utiliza-se a linguagem em blocos CFC para as malhas de regulação e o SFC para os sequenciamentos, de acordo com a norma IEC Outro fator importante nesta fase de condensação refere-se ao dreno destes Switchs Condensers, pois devido à característica do Anidrido Ftálico, este pode provocar um entupimento da tubulação de dreno ou da válvula que se não fosse detectado pelo sistema pode acarretar danos ambientais e perda de produção.

19 Arquitetura geral do Sistema 19 Sala de Controle Estação de Operação 1 Estação de Operação 2 Estação de Operação e Engenharia Industrial Ethernet (100 Mb/s) Reatores 6 e 9 AS AS Reator 8 e Destilação à Vácuo Campo Rede Profibus-DP Rede Profibus-DP ET200M Painéis 3, 4.1, 4.2, , 6.3, 6.4, 7.1 e 7.2 ET200M Painéis 1, 2.1, 2.2, 5.1, 5.2, 5.3, 5.4 DP/AS-I Link DP/PA-Link AS - Interface... Inversor de Frequência DP/AS-I Link DP/PA-Link AS - Interface... Inversor de Frequência PROFIBUS-PA... Relé de Proteção PROFIBUS-PA... Relé de Proteção

20 Arquitetura do Sistema 20 ES1 ES2 ES3+ ENGENHARIA Sala de controle Industrial Ethernet (100 Mb/s) AS 1 Reatores 6 e 9 AS 2 Reator 8 e Destilação a vácuo Rede Profibus DP Rede Profibus - DPV1 Rede Profibus DP Rede Profibus - DPV1 Inversor DP/PA link Simocode DP/PA link Simocode Profibus-PA Profibus-PA Profibus-PA DP/PA link ET 200M ET 200M Painéis 3, 4.1, 4.2, , 6.3, 6.4, 7.1 e 7.2 DP/AS-i LINK AS-Interface DP/AS-i LINK AS-Interface 2ª Fase ET 200M DP/AS-i LINK AS-Interface Painéis 1, 2.1, 2.2, 5.1, 5.2, 5.3, 5.4

21 Arquitetura do Sistema 21 Painél de Controladores AS-1 e AS-2

22 Arquitetura do Sistema 22 PAINÉIS DE CAMPO REMOTOS PROFIBUS (Remotas de I/O + DP/PA Links + DP/AS-i Links)

23 Arquitetura do Sistema 23 Redes de campo Profibus PA DP/PA Link e Coupler PAINÉIS DE CAMPO REMOTOS PROFIBUS (Remotas de I/O + DP/PA Links Vista Interior) Redes de campo Profibus DP I/O Remoto ET200M

24 Arquitetura do Sistema 24 PAINÉIS DE CAMPO REMOTOS PROFIBUS (Inversores de Frequência e Relés de Proteção de Motor Vista Interior) Redes de campo Profibus DP Inversor de Frequência Redes de campo Profibus DP Relés de Proteção de Motor

25 Arquitetura do Sistema 25 PAINÉIS DE CAMPO REMOTOS PROFIBUS (Relés de Proteção de Motor em Painéis Novos e Existentes Vista Interior) Painél Existente (baixa tensão) Redes de campo Profibus DP Relés de Proteção de Motor Painél Novo (CCM Baixa tensão) Painél Existente ( V)

26 Arquitetura do Sistema 26 Redes de campo Profibus DP - Reator 8 e Destilação a vácuo AS 2 Rede Profibus DP2-76m Rede Profibus DP1-189m DP/AS-i LINK ET 200M REPEATER DP/AS-i LINK ET 200M ET 200M ET 200M REPEATER DP/AS-i LINK ET 200M ET 200M ET 200M ET 200M Rede Profibus - DPV1(2) - 186m Rede Profibus - DPV1(1) - 191m DP/PA link DP/PA link REPEATER Simocode Simocode Simocode Simocode DP/PA link REPEATER DP/PA link Simocode 2ª Fase Destilação a vácuo Simocode Em projeto Simocode Simocode DP/PA link Em projeto DP/PA link Simocode

27 Arquitetura do Sistema 27 Redes de campo Profibus DP - Reator 6 e Reator 9 AS 1 Rede Profibus DP 175m DP/AS-i LINK DP/AS-i LINK DP/AS-i LINK DP/AS-i LINK DP/AS-i LINK ET 200M ET 200M ET 200M ET 200M ET 200M ET 200M ET 200M Rede Profibus DPV1 (2) 147 m Rede Profibus - DPV1(1) - 135m Inversor Freqüência DP/PA link REPEATER Simocode Simocode Simocode Simocode Simocode Simocode DP/PA link DP/PA link Inversor Freqüência Simocode Simocode Simocode Simocode Simocode Simocode Simocode DP/PA link DP/PA link

28 Arquitetura do Sistema 28 Redes de campo Profibus DP Repetidor Profibus DP com diagnóstico

29 Arquitetura do Sistema 29 Devido à localização da instrumentação de campo, a topologia da rede Profibus PA foi feita em árvore e os spurs da rede Profibus PA possuem comprimentos variados Foram utilizados no máximo 21 instrumentos por segmento Profibus PA Foram utilizados na primeira fase (elementos de rede Profibus DP): 9 DP/PA Links IM-157 (Siemens), 9 DP/PA Couplers (Siemens) para segmentação Profibus PA (com 1 coupler Ex), 16 Remotas de I/O ET200M (Siemens) 3 Repetidores Profibus DP (Siemens) 3 Inversores de freqüência (Siemens) 13 Relés de Proteção e Comando de motores inteligentes (Simocode Siemens) 8 DP/AS-Links (Siemens) 4 Repetidores AS-Interface (Siemens) Para a distribuição dos instrumentos na rede, foram utilizadas caixas de junção JM1 (Smar) e painéis de distribuição.

30 Arquitetura do Sistema 30 Redes de campo Profibus PA Link e Coupler Redes de campo AS- Interface DP/AS Link e fonte AS-I

31 Arquitetura do Sistema 31 Reatores 6 e 9 Redes de campo Profibus PA- Reatores 6 e 9 (Equipamentos Siemens, Smar e Vega) AS 2 Armazenagem de solução maleica e Anidrido Ftálico (Em fase de projeto) DPV1 Profibus- DP/PA link com DP/PA Coupler Eex Tanques de AF e solução maleica 160m Profibus-PA 10m 80m 10m 10m BT 10m 10m 14m 10m LD303

32 Arquitetura do Sistema 32 Redes de campo Profibus PA- Reatores 6 e 9 Área: Fluído Termico (Equipamentos Siemens e Smar) DP/PA link 5.1 Fluído térmico 30m 10m 5m LD303 TT303 TT303 TT303 Profibus-DPV1 LD303 3,5m TT303 0,5m 0,5m BT 0,5m 0,5m TT303 8m 15m 2,5m LD303 Lavador de gases (Em fase de projeto) Profibus-PA 4m 20m 0,5m 0,5m 0,5m 3m 3m 3m 3m 3m LD303 LD303 DT303 FY303 TT303 LD303

33 Arquitetura do Sistema 33 Redes de campo Profibus PA- Reatores 6 e 9 Área: Pós-reação (Equipamentos Siemens e Smar) LD303 Profibus-DPV1 DP/PA link 4. 2 Pós-reação 16m Profibus-PA 8m TT303 1,5m 1,5m 1,5m 1,5m 1,5m 1,5m 25m 7m 4m BT 1m 7m FY303 17m 1m 1m LD303 7m 15m 1m 2m 5m FY303 TT303

34 Arquitetura do Sistema 34 Reator 8 e Destilação a Vácuo Redes de campo PA - Reator 8 e Destilação Vácuo Área: Sala dos Compressores (Equipamentos Siemens e Smar) AS 1 0,5m 3,5m Profibus-DPV1 DP/PA link/coupler 1.1 Sala de compressores de 1500HP Profibus-PA 5m BT 7m 7m 7m 0,5m 3,5m 3,5m 0,5m

35 Arquitetura do Sistema 35 Redes de campo PA - Reator 8 e Destilação Vácuo Área: Reação e Pós-reação 8 (Equipamentos Siemens, Smar e E+H) 3m 4,5m 0,5m Profibus-DPV1 DP/PA link/coupler 2.2 Reação e pós-reação 8 25m 7m Profibus-PA 15m 5m 6m 2m 10m 2m 6m 3m BT 0,5m 0,5m 0,5m 0,5m 5m JM1 Caixa de Junção Smar 0,5m 0,5m 0,5m 2m 3m 2m

36 Arquitetura do Sistema 36 Redes de campo PA - Reator 8 e Destilação Vácuo Área: Ortoxilenno (Equipamentos Siemens, Smar e E+H) 1m DP/PA link/coupler 2.1 Ortoxileno 5m 1m Profibus-DPV1 Profibus-PA 7m 6m 7m BT 10m 3m 1m 4m 2m 2m 2m 12m 0,5m 0,5m 0,5m

37 Arquitetura do Sistema 37 Redes de campo PA - Reator 8 e Destilação Vácuo Equipamentos Siemens e Smar DP/PA link/coupler 6.1 Profibus-PA Profibus-DPV1 Lavador de gases e Sistema de fluído térmico - Em fase de projeto DP/PA link/coupler Profibus-PA DP/PA link/coupler 2ª Fase Destilação a vácuo Profibus-PA

38 Arquitetura do Sistema 38 Redes de campo AS-Interface: Reator 6 e 9 & Reator 8 e Destilação a vácuo Para facilitar a instalação, comissionamento e testes, foi incorporada a rede AS-Interface em pontos onde o controle das válvulas on-off se faziam necessários. Estes pontos estão conectados ao barramento Profibus DP via um mestre DP/AS-i Link 20E de fabricação Siemens, oferecendo uma rápida configuração e diagnóstico de eventuais problemas nos seus slaves. São utilizados na AS-1 cinco mestres DP/ASI-link 20E e três similares na AS-2. Mais um será incorporado na AS-2 para uso na destilação a vácuo que está em fase de projeto.

39 Arquitetura do Sistema 39 Redes de campo AS-Interface Fonte AS-I DP/AS-I Link

40 Arquitetura do Sistema 40 Redes de campo AS-Interface - Saída digital

41 Arquitetura do Sistema 41 Redes de campo AS-Interface- Monitor de válvula

42 Arquitetura do Sistema 42 Redes de campo AS-Interface - Monitor de Válvula (Equipamento Pepperl +Fuchs)

43 Arquitetura do Sistema 43 AS 2 Redes de campo AS-Interface Reator 6 e 9 (Equipamentos Siemens, Pepperl+Fuchs e Sense) DP/AS-i LINK 20E Siemens 4.2 Fonte AS-Interface Fonte AS-Interface TANQUES DE ORTOXILENO Rede AS-Interface- 100m Rede AS-Interface- 75m Repetidor AS-i Siemens Repetidor AS-i Siemens Fonte AS-Interface REATOR 6 E TROCADORES Rede AS-Interface- 58m DP/AS-i LINK 20E Siemens 3.1 Monitor Válvula AS-i Sense TROCADORES DE CALOR Entradas digitais/ AS-i Pepperl+Fuchs Rede AS-Interface- m Monitor Válvula AS-i Sense Monitor Válvula AS-i Sense Reator 9 em fase de projeto Monitor Válvula AS-i Sense Monitor Válvula AS-i Sense

44 Arquitetura do Sistema 44 Continuação do master AS1 Redes de campo AS-Interface Reator 6 e 9 (Equipamentos Siemens, Pepperl+Fuchs, Sense e Westlock) DP/AS-i LINK 20E Siemens Fonte AS-i Monitor Válvula AS-i Sense CONDENSADORES F1-CD-452 E F1-CD-453 Rede AS-Interface- m consumo de corrente 2.0 A Monitor Válvula AS-i Sense Monitor Válvula AS-i Sense Saída digital/as-i Sense Monitor Válvula AS-i Westlock Saída digital/as-i Sense Entrada PNP/AS-i Pepperl+Fuchs Entrada PNP/AS-i Pepperl+Fuchs Entrada PNP/AS-i Pepperl+Fuchs Entrada PNP/AS-i Pepperl+Fuchs DP/AS-i LINK 20E Siemens Fonte AS-i CONDENSADORES F1-CD-454 E F1-CD-455 Rede AS-Interface- m consumo de corrente 2.2 A Fonte AS-i FLUÍDO TÉRMCO Repetidor Entrada PNP/AS-i Pepperl+Fuchs Monitor Válvula AS-i Sense Saída digital/as-i Sense Entrada PNP/AS-i Pepperl+Fuchs Monitor Válvula AS-i Westlock Entrada PNP/AS-i Pepperl+Fuchs Saída digital/as-i Sense Entrada PNP/AS-i Pepperl+Fuchs Monitor Válvula AS-i Sense

45 Arquitetura do Sistema 45 Continuação do Master AS1 Redes de campo AS-Interface Reator 6 e 9 (Equipamentos Siemens, Sense e Pepperl+Fuchs) DP/AS-i LINK 20E Siemens Fonte AS-i Rede AS-i 100m Repetidor Fonte AS-i Repetidor Rede AS-i 100m Fonte AS-i Armazenagem de solução maleica e Anidrido Ftálico - Em fase de projeto Monitor Válvula AS-i Saídas digitais/ AS-i Pepperl+Fuchs

46 Arquitetura do Sistema 46 AS 1 Redes de campo AS-Interface Reator 8 e Destilação (Equipamentos Siemens, Sense e Pepperl+Fuchs) DP/AS-i LINK 20E Siemens 3.1 Fonte AS-i TROCADORES DE CALOR e ORTOXILENO Rede AS-Interface- 90m Monitor Válvula AS-i Sense Monitor Válvula AS-i Sense Fonte AS-i Rede AS-Interface DP/AS-i LINK 20E Siemens 6.1 Fonte AS-i Condensação de anidrido ftalico e fluído térmico - Em fase de projeto Rede AS-Interface DP/AS-i LINK 20E Siemens 6.4 DP/AS-i LINK Fonte AS-i Rede AS-Interface 2ª Fase Destilação a vácuo

47 Instrumentação 47 A rede AS-Interface possui em sua grande maioria instrumentação da Sense Eletrônica, Pepperl+Fuchs, Westlock e Siemens. Fornecimentos: Siemens: Fontes de alimentação, repetidores, DP/AS-i Links e cabeamento. Sense: Módulos de entrada e saída digital, monitores de válvulas e derivadores de rede. Pepperl+Fuchs: Fontes de alimentação, módulos de entrada para sensores PNP e módulos de saída pneumática. Westlock: Monitores de válvulas rotativas.

48 Instrumentação 48 Na rede Profibus DP encontramos os controladores (AS) do sistema de controle de processo Simatic PCS 7 da Siemens como mestres Classe 1 das redes. Como elementos de rede (slaves) temos: Remotas de I/O ET 200M (Siemens) DP/AS-i Links (Siemens) DP/PA Links e Couplers (Siemens) Inversores de freqüência (Siemens) Relés de proteção e comando de motores Simocode (Siemens) As terminações dos segmentos Profibus DP são feitos através dos terminadores da Turck. A grande maioria da instrumentação PA adquirida é Smar (Transmissores de Pressão, Nível, Temperatura, Densidade/Concentração, Posicionadores), sendo os medidores de vazão mássica e volumétrica da Endress+Hauser.

49 Instrumentação 49 Transmissores de Pressão Profibus PA (Smar)

50 Instrumentação 50 Transmissores de Temperatura Profibus PA (Smar)

51 Instrumentação 51 Posicionador de Válvula Profibus PA (Smar)

52 Instrumentação 52 Transmissores de Vazão Profibus PA (Endress+Hauser)

53 Operação & Engenharia 53 O controle da planta é realizado pelo sistema de controle de processo Simatic PCS 7 da Siemens, com 2 Estações de Operação e 1 Estação de Engenharia na sala de controle (Na próxima fase, 1 Estação de Operação adicional) A configuração e diagnóstico dos instrumentos de campo em Profibus PA e relés de proteção de motor em Profibus DP é realizada na estação de Engenharia com o software Simatic PDM, diretamente da sala de controle (via função de roteamento Profibus-Ethernet).

54 Operação & Engenharia 54 Equipamentos e sistemas utilizados SMAR Siemens

55 Smar 303 Series 55 Uma Família Completa de Instrumentos de Campo

56 Smar 303 Series 56 Profile V3.0: última revisão. Blocos Funcionais. Ajuste local configurável. Software upgrade via FDI302: A gravação é feita sem a remoção da placa digital ou display. Alguns parâmetros são gravados, em memória Flash, caso ocorra queda de energia ou desligamento do equipamento. Ex: Saída totalizada e setpoint. Integrável em ferramentas comerciais: Siemens, ALTUS, Schneider, Atos qualquer ferramenta PROFIBUS!! Interoperável com outros fabricantes de equipamentos: E+H, Siemens, Krohne, Pepperl + Fuchs, Samson... Configurável pelo Simatic PDM Siemens Software Universal EDDL. Configurável via DTM de comunicação: FieldCare, Pactware, SmartVision.

57 LD303 Transmissor de Pressão 57 0 ~ 125 Pa a 0 ~ 40 MPa 0 ~ 0.5 inh20 a 0 ~ 5800 psi Sensor Capacitivo, sem conversão A/D 0.075% exatidão na faixa de calibração Permite calibração de URL até URL/40 Partes em contato com fluidos em 316 SS, Hastelloy, Tantalum Blocos funcionais: totalizador para integração de fluxo e massa, e entrada analógica Ajuste Local configurável Auto-Diagnose Totalmente digital Profile V3.0

58 TT303 Transmissor de Temperatura 58 Precisão 0.02% Blocos funcionais: 2 AIs(entrada analógica) Ajuste Local configurável Auto-Diagnose Entrada universal, aceita termopares, RTDs, mv e Ohm Dois Canais de entrada Canal único com 1 sensor Canal duplo com 2 sensores Canal único com 2 sensores, medida diferencial Canal único com 2 sensores, 1 sensor backup Profile V3.0

59 FY303 Posicionador 59 Baixo consumo de ar Sensor de posição sem contato mecânico(hall) Compatível com válvula rotativa ou linear Bloco funcional de saída analógica(ao) Ajuste Local configurável Auto calibração Curvas de caracterização: Quick Open, Equal Percent, Table Auto Diagnose(Travel Limit, Strokes, reversals, temperature, etc..) O FY303 produz uma pressão de saída requerida para posicionar uma válvula de acordo com a entrada recebida da rede PROFIBUS PA Opção com Hall remoto para áreas de difícil acesso, com vibração e alta temperatura Suporte para válvulas com cursos lineares maiores que 100mm e até 1m (cilindros de dumpers, por exemplo) Profile V3.0

60 DT303 Transmissor de Densidade/Concentração 60 Fornece medição contínua on line de densidade e concentração para monitoração e controle com alta precisão: ± 0.1 Brix ou ± g/cm3 Medição de: g/cm³, kg/m³, Densidade Relativa, Brix, Baumé, Plato, INPM (% de álcool em peso), etc Compensação em temperatura 0.5 a 5 g/cm3 de range Adequado para medição de líquidos estáticos e dinâmicos e medição de interface de líquidos Não necessita de procedimento de limpezas periódicas Calibração simplificada no campo: Sem referência do processo Não requer calibração em laboratório Sem interrupção do processo Bloco funcional de entrada analógica Auto-Diagnose, Totalmente digital, Profile V3.0

61 JM1 Caixa de Junção 61 Permite conexão fácil e segura em fieldbus e na instrumentação convencional 4-20 ma Ideal para ligações de sensores, atuadores e equipamentos de medição, em áreas classificadas e perigosas Facilita a manutenção prevenindo curtos-circuitos no barramento Permite a desconexão de equipamentos sem a interrupção da continuidade do barramento Reduz os custos de cablagem Reduz o tempo de start-up e simplifica a manutenção. Reduz o tempo de paradas A carcaça à prova de tempo previne que água, óleo ou sujeiras cheguem até as conexões elétricas Mecanismo de trava da tampa Não requer suporte específico

62 SIMATIC 62 Totally Integrated Automation (TIA) Sistemas de Planejamento e Gestão (ERP) Ethernet Sistemas de Execução de Manufatura (MES) Controle Ethernet Automação baseada em PC Softwares de Engenharia Industrial Sistemas de Automação com PLCs Sistemas de Controle de Processo Sistemas Motion Control Interfaces Homem- Máquina I/O Distribuído Drives Comunicação Industrial Redes de Atuadores e Sensores

63 SIMATIC PCS 7 63 Sistema de Controle de Processo orientado à objeto para plantas com processos contínuos e de batelada Controle e Visualização em uma única base de dados OS Client Engineering Station OS Client Web Server OS Server Fast Ethernet 100MHz Office Network Fast Ethernet 100MHz Integração total entre AS AS AS AS dispositivos de campo, controladores e... estações de operação via redes Área 1 Área n

64 SIMATIC PCS 7 AS e I/O 64 Controladores (inclusive Redundantes, para Aumento da Disponibilidade da Planta) Opções de Montagem da AS: Rack comum Rack separado ou bi-partido Remotas de I/O distribuído ET 200 M Na sala de controle ou no campo Power supply Interface module for Profibus DP IM153-2 Linha completa de módulos de I/O Módulos com diagnóstico Módulos com HART Troca à quente I/O module Expandable backplane Aluminium rail

65 Sistema de I/O Distribuído ET 200 M 65 Alta diversidade de módulos de I/O digital (entradas em 24 Vdc, 110/220 Vac, saídas em 24 Vdc, 110/220 Vac, saídas a relé) Alta diversidade de módulos de I/O analógico (entradas em 0-10 Vdc, 4-20 ma, RTD, termopares, HART e saídas em 0-10 Vdc e 4-20 ma) Funcionamento como Profibus-DP Slave a 12 Mbit/s Funções de diagnóstico incorporadas nos módulos de I/O Possibilidade de ser configurado para troca à quente e para redundância de rede Profibus-DP

66 DP / PA Link & Coupler 66 Interliga os segmentos em Profibus-DP (até 12MBit/s com os segmentos em Profibus-PA (31,25 Kbit/s) Capaz de conectar até 64 instrumentos por DP/PA Link Capaz de gerar até 5 segmentos Profibus-PA via DP/PA Couplers Capaz de suportar um consumo de 110 ma (área Ex ib) ou 400 ma (área não Ex) por DP/PA Coupler (1 Coupler para cada segmento de rede Profibus PA) Fornece energia e comunicação para os instrumentos Profibus-PA Pode ser configurado para trabalho em redes Profibus redundantes

É uma interface Homem-Máquina em vários idiomas e trabalha em MS Windows 95, MS Windows NT4.0 e MS Windows 2000.

É uma interface Homem-Máquina em vários idiomas e trabalha em MS Windows 95, MS Windows NT4.0 e MS Windows 2000. Profibus PA PROFIBU-PA é a solução PROFIBU para automação de processos. Este protocolo conecta sistemas de automação e de controle de processos com instrumentos de campo, tais como transmissores de pressão,

Leia mais

Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool. Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR

Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool. Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR Grupo Lincoln Junqueira Grupo Alto Alegre Unidade Central Presidente Prudente/SP Unidade Floresta

Leia mais

Redes Sem Fio. Em termos de benefícios podemos citar, entre outros:

Redes Sem Fio. Em termos de benefícios podemos citar, entre outros: Wireless Line Redes Sem Fio Nos últimos anos, a tecnologia de redes sem fio sofreu grandes avanços tecnológicos, o que hoje pode proporcionar: segurança, confiabilidade, estabilidade, auto-organização

Leia mais

Usina Totalmente Integrada, Solução para Operação e Gestão Inteligente do Processo Industrial

Usina Totalmente Integrada, Solução para Operação e Gestão Inteligente do Processo Industrial Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 Usina Totalmente Integrada, Solução para Operação e Gestão Inteligente do Processo Industrial Christian Marcatto Fabio Elias Fluxograma geral do processo produtivo

Leia mais

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria.

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria. Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro Respostas para a indústria. Percepção, previsão, visão ampliada: SIMOCODE pro integrado no SIMATIC PCS7 O sistema flexível de gerenciamento de motores

Leia mais

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO g S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO SUMÁRIO 1. Objetivo 2. História 3. O Que é Profibus? 4. Profibus PA 5. Instrumentos 6. Bibliografia 1. OBJETIVO

Leia mais

Rede Profibus. Process. Manufacturing PLC PROFIBUS-PA. Internet PROFINET IEC 61158-2 RS-485/FO PROFIBUS-DP IPC. AS-Interface

Rede Profibus. Process. Manufacturing PLC PROFIBUS-PA. Internet PROFINET IEC 61158-2 RS-485/FO PROFIBUS-DP IPC. AS-Interface Rede Profibus OS OS Internet PLC Manufacturing IPC PROFINET Process RS-485/FO PROFIBUS-DP IEC 61158-2 PROFIBUS-PA AS-Interface Rede Profibus PROFIBUS desenvolvido na Alemanha, inicialmente pela Siemens

Leia mais

Permite visualização em campo de até 8 variáveis recebidas ciclicamente via mestre PROFIBUS-DP

Permite visualização em campo de até 8 variáveis recebidas ciclicamente via mestre PROFIBUS-DP Permite visualização em campo de até 8 variáveis recebidas ciclicamente via mestre PROFIBUS-DP Ideal para aplicações com qualquer dispositivo PROFIBUS-PA Trabalha com qualquer mestre classe 1 PROFIBUS-DP

Leia mais

smar Fieldbus Devices FR302 Relé Fieldbus

smar Fieldbus Devices FR302 Relé Fieldbus smar Fieldbus Devices Relé Fieldbus Relé Fieldbus Características Saída Discreta de Conexão direta ao FOUNDATION Fieldbus TM ; Blocos Funcionais instanciáveis para ajuste e controle discreto em campo;

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PROFIBUS www.profibus.org.br

ASSOCIAÇÃO PROFIBUS www.profibus.org.br Fundamentos e tecnologia do protocolo PROFIBUS Infra-estrutura de comunicação em Indústrias WORKSTATIONS Workstations Rede Industrial Fieldbus Ethernet Ethernet corporativa Rede corporativa LAN LAN Linking

Leia mais

Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015

Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015 Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução O PROFIBUS é um padrão aberto de rede de comunicação industrial, utilizado em

Leia mais

Sensores e atuadores (continuação)

Sensores e atuadores (continuação) AULA 05: Sensores e atuadores (continuação) OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação.. A pirâmide de automação Nível 5: Gerenciamento corporativo Nível 3:

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 441 Monitoramento e/ou Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 441 Monitoramento e/ou Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 441 Monitoramento e/ou Controle de Bombas e Estações de Bombeamento 2 Uma Única Solução para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br Série Quasar Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente www.altus.com.br Na medida exata para seu negócio Modular: ampla variedade de configurações para

Leia mais

Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser

Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser configurados e instalados em modo redundante Disponibilidade

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

Instrumentação Fieldbus: Introdução e Conceitos

Instrumentação Fieldbus: Introdução e Conceitos Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Instrumentação Fieldbus: Outros Processos de Introdução e Conceitos Separação custo Prof a Ninoska Bojorge Introdução Competitividade Complexidade dos

Leia mais

IND 1 DT MICROMASTER 430

IND 1 DT MICROMASTER 430 MICROMASTER 430 MICROMASTER 430 Uma visão geral l Inversores trifásicos de 400V projetados para aplicações com cargas de torque quadrático (bombas, ventiladores, etc.) l Quatro tamanhos de carcaça: FS

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

SIMOREG SINAMICS DCM Siemens Ltda. 2013. Todos direitos reservados.

SIMOREG SINAMICS DCM Siemens Ltda. 2013. Todos direitos reservados. Guia de Migração SIMOREG SINAMICS DCM Apresentação SINAMICS DCM é o produto que irá substituir o bem sucedido SIMOREG DC-MASTER. Complementa a família de acionamento SINAMICS com a tecnologia CC Nossos

Leia mais

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, é uma cabeça escrava para redes PROFIBUS-DP do tipo modular, podendo usar todos os módulos de E/S da série. Pode ser interligada a IHMs (visores

Leia mais

SIMATIC Sistemas de visão Produtividade e qualidade asseguradas. integrador certificado: SOLUCOES INTELIGENTES

SIMATIC Sistemas de visão Produtividade e qualidade asseguradas. integrador certificado: SOLUCOES INTELIGENTES SIMATIC Sistemas de visão Produtividade e qualidade asseguradas integrador certificado: SOLUCOES INTELIGENTES Sistemas de visão Visão geral da linha de produtos Série SIMATIC VS720A - As câmeras inteligentes

Leia mais

Sensores de condição. Projetado para produzir resultados de alta qualidade em uma variedade de ambientes robustos

Sensores de condição. Projetado para produzir resultados de alta qualidade em uma variedade de ambientes robustos Sensores de condição Projetado para produzir resultados de alta qualidade em uma variedade de ambientes robustos DETECÇÃO DE CONDIÇÃO A Rockwell Automation oferece uma linha impressionante de produtos

Leia mais

PROFIsafe o perfil de segurança PROFIBUS

PROFIsafe o perfil de segurança PROFIBUS PROFIsafe o perfil de segurança PROFIBUS César Cassiolato Gerente de Produtos - Smar Equipamentos Industriais Ltda e Vice-Presidente da Associação PROFIBUS Brasil. INTRODUÇÃO A demanda por mais e mais

Leia mais

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves 1 Aula 03 Redes Industriais Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Plano de aula Tópicos da aula: 1 Introdução 2 Benefícios na utilização de redes 3 Dificuldades na utilização de redes

Leia mais

Bem-vindo à geração Nextoo. altus evolução em automação

Bem-vindo à geração Nextoo. altus evolução em automação Bem-vindo à geração Nextoo evolução em automação Série Nexto A nova geração de controladores A Altus apresenta a nova geração de Controladores Programáveis. A Série Nexto foi desenvolvida com o conceito

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

Soluções de proteção do motor. Protegendo seus investimentos

Soluções de proteção do motor. Protegendo seus investimentos Soluções de proteção do motor Protegendo seus investimentos Soluções de proteção do motor A linha de dispositivos de proteção de motores da Allen-Bradley abrange equipamentos de proteção simples para fins

Leia mais

Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto

Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto Nota de Aplicação NAP100 Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto Sumário Descrição...1 1. Introdução...2 2. Instalação...3 3. Configuração...4 3.1 Projeto de Rede PROFIBUS...4

Leia mais

www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo.

www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo. www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo. SINAMICS V60 com servomotores 1FL5 A solução para aplicações básicas de servo A tecnologia servo-drive

Leia mais

Sensor Hall A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração

Sensor Hall A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração Sensor Hall A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração César Cassiolato Gerente de Produtos - Smar Equipamentos Industriais Ltda INTRODUÇÃO É notável o avanço da Física e eletrônica

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Um Único Dispositivo para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

Freelance Sistema de controlo distribuído para aplicações de processo. 91.3 m3/h 92.0 m3/h 81.6 % 7.23 MW 44.6 % 45.0 % 50.7 m3/h 50.0 m3/h 7.

Freelance Sistema de controlo distribuído para aplicações de processo. 91.3 m3/h 92.0 m3/h 81.6 % 7.23 MW 44.6 % 45.0 % 50.7 m3/h 50.0 m3/h 7. No Filter 81.6 % Auto 249.1 m3/h 250.0 m3/h Auto 91.3 m3/h 92.0 m3/h Auto Auto 99.7 m3/h 100.0 m3/h 40.0 m3/h 7.23 MW Auto 50.7 m3/h 50.0 m3/h 7.2 % Auto 44.6 % 45.0 % Freelance Sistema de controlo distribuído

Leia mais

Palestra: Soluções Controlmatic em Profibus. Fernando Veroneze -Engenharia de Aplicações Lincoln Walter Siqueira - Engenharia de Aplicações

Palestra: Soluções Controlmatic em Profibus. Fernando Veroneze -Engenharia de Aplicações Lincoln Walter Siqueira - Engenharia de Aplicações Palestra: Soluções Controlmatic em Profibus Fernando Veroneze -Engenharia de Aplicações Lincoln Walter Siqueira - Engenharia de Aplicações Histórico A Controlmatic Automação Industrial, foi fundada em

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Siemens Ltda. Av. Mutinga, 3800 05110-902 Pirituba São Paulo - SP Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Sustentabilidade e Eficiência Energética

Leia mais

Experiência e confiabilidade são fundamentais. corrente contínua. Conversores CA/CC e Motores CC

Experiência e confiabilidade são fundamentais. corrente contínua. Conversores CA/CC e Motores CC Experiência e confiabilidade são fundamentais corrente contínua Conversores CA/CC e Motores CC 1 04 Introdução 06 Motores de Corrente Contínua 08 Simoreg DC Master 10 Simoreg CM 11 Atenção ao Cliente Acionamento

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda.

Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda. Artigos Técnicos Profibus: para todas as exigências Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda. No novo contexto da automação, os barramentos de campo são normalmente

Leia mais

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-30

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-30 Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-30 SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO TÉRMICO WWW.THERMAL.PENTAIR.COM digitrace ngc-30 O DigiTrace NGC-30 é um avançado sistema

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Protocolos de Comunicação: Conceitos

Protocolos de Comunicação: Conceitos Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF custo Protocolos de Comunicação: Conceitos Prof a Ninoska Bojorge Introdução competitividade desenvolvimento das empresas complexidade dos processos

Leia mais

TRANSMISSOR INTELIGENTE DE PRESSÃO LD301 LD301 CENTRO DE TREINAMENTO - SMAR TECNOLOGIA SMAR

TRANSMISSOR INTELIGENTE DE PRESSÃO LD301 LD301 CENTRO DE TREINAMENTO - SMAR TECNOLOGIA SMAR TRANSMISSOR INTELIGENTE DE TECNOLOGIA SMAR Uma Família Completa de Instrumentos de Campo O que é a Série LD? São instrumentos de campo que incorporam a altamente comprovada técnica de medição de pressão

Leia mais

Monitor de Temperatura M96

Monitor de Temperatura M96 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura M96 foi desenvolvido para supervisionar até 8 (oito) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

ORKAN AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LINHA GERAL DE PRODUTOS

ORKAN AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LINHA GERAL DE PRODUTOS ORKAN AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LINHA GERAL DE PRODUTOS SYSTEM SLIO Sistema de I/Os Remotos Simples e inteligente, o System Slio é um sistema de I/O s descentralizado, eficaz e moderno. Foi especialmente projetado

Leia mais

Conceito de automação pneumática - uma comparação entre um terminal de válvulas e válvulas avulsas

Conceito de automação pneumática - uma comparação entre um terminal de válvulas e válvulas avulsas White Paper Conceito de automação pneumática - uma comparação entre um terminal de válvulas e válvulas avulsas Válvulas avulsas ou terminal de válvulas para controle de equipamentos automatizados pneumáticos?

Leia mais

L05 - Novas Soluções em Proteção e Acionamento de Motores

L05 - Novas Soluções em Proteção e Acionamento de Motores L05 - Novas Soluções em Proteção e Acionamento de Motores Tiago Fonseca Gerente de Produto Controles Industriais, Sensores e Segurança - 5058-CO900H Agenda Apresentação do E300 Configuração Ferramentas

Leia mais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais L I N H A D E P R O D U T O S PA R A Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais Índice Apresentação 03 Características Individuais Controlador de Processos C702 Aquisitor de

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 16 MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Microeletrônica equipamentos microprocessados necessidade

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para compra

Descrição do Produto. Dados para compra Descrição do Produto A funcionalidade e versatilidade da linha de Inversores de Freqüência NXL da Altus fazem dela a solução ideal para as mais diversas aplicações. Visa atingir motores com menores potências

Leia mais

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada!

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada! Electron do Brasil Tecnologia Digital Qualidade Comprovada! Ensaios de Tipo Realizados Tecnologia ao seu alcance Catálogo Monitemp - rev3 Produtos Certificados! www.electrondobrasil.com O Monitor de Temperatura

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0305, de 13 de outubro de 2011.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0305, de 13 de outubro de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro/Dimel n.º 0305, de 13 de outubro

Leia mais

SISTEMA DIDÁTICO PARA ESTUDO DE CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS

SISTEMA DIDÁTICO PARA ESTUDO DE CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS DLB CLP 642S SISTEMA DIDÁTICO PARA ESTUDO DE CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS Sistema didático para estudos e práticas em controladores lógicos programáveis, de constituição modular e possibilita a montagem

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

UPS Liebert GXT3 de 6kVA e 10kVA Sistemas UPS Compactos para Aplicações em Racks de Alta Densidade

UPS Liebert GXT3 de 6kVA e 10kVA Sistemas UPS Compactos para Aplicações em Racks de Alta Densidade UPS Liebert GXT3 de 6kVA e 10kVA Sistemas UPS Compactos para Aplicações em Racks de Alta Densidade Energia CA Para a Continuidade da Operação Crítica Liebert GXT3, UPS de 6kVA e 10kVA: Muita Proteção,

Leia mais

CLP Controlador Lógico Programável

CLP Controlador Lógico Programável CLP Controlador Lógico Programável O primeiro controlador Lógico Programável nasceu na General Motors Americana em 1968, em função da dificuldade de se alterar a lógica dos circuitos em painéis de relés

Leia mais

CPs Altus PROFIBUS-DP

CPs Altus PROFIBUS-DP CPs Altus PROFIBUS-DP Programa do Workshop 1 - Redes de Campo 2 - PROFIBUS 3 - PROFIBUS-DP 4 - PROFIBUS-DP Redundante 5 - CPs Altus PROFIBUS - DP 6 - Série AL-2000 PROFIBUS-DP 7 - Série Quark PROFIBUS-DP

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE

CONCEITOS BÁSICOS DE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE CONCEITOS BÁSICOS DE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL - ENG3501 PROFª. LETÍCIA CHAVES Conceitos básicos de Instrumentação 1 INTRODUÇÃO 1.1 Histórico 1.2 Elementos de uma Malha de Controle

Leia mais

>Proteção de Energia Trifásica

>Proteção de Energia Trifásica Symmetra PX Proteção de Energia Modular, Escalável e de Alta Eficiência para Data Centers Symmetra PX 100kW Escalável de 10kW até 100kW >Proteção de Energia Trifásica Modular de Alta Performance com Tamanho

Leia mais

A Engenharia de Automação Automação Semestre 01/2015

A Engenharia de Automação Automação Semestre 01/2015 A Engenharia de Automação Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Sistemas Dinâmicos Classe dos Sistemas Dinâmicos: Tempo time-driven Descritos por equações diferenciais na variável

Leia mais

E/S discretas conectadas diretamente ao barramento Profibus-PA. Blocos Funcionais discretos no campo. E/S integrados em um mesmo hardware

E/S discretas conectadas diretamente ao barramento Profibus-PA. Blocos Funcionais discretos no campo. E/S integrados em um mesmo hardware E/S discretas conectadas diretamente ao barramento Profibus-PA Blocos Funcionais discretos no campo E/S integrados em um mesmo hardware 2 saídas em coletor aberto 2 entradas isoladas oticamente Projetado

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15 até 15.2.1 Moraes Engenharia de Automação Industrial 2ª. Edição LTC Cap.: 6.3 até 6.3.1 1. Primeira prova 32 pt 2.

Leia mais

1. MEDIDORES E ANALISADORES DE QUALIDADE DE ENERGIA JANITZA

1. MEDIDORES E ANALISADORES DE QUALIDADE DE ENERGIA JANITZA Conteúdo 1. MEDIDORES E ANALISADORES DE QUALIDADE DE ENERGIA JANITZA... 2 1.1. UMG 103... 2 1.2. UMG 104... 2 1.3. UMG 96L e UMG 96... 3 1.4. UMG 96S... 3 1.5. UMG 96RM... 4 1.6. UMG 503... 4 1.7. UMG

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

Smart Energy & Power Quality Solutions. Registrador de dados ProData. O mais compacto registrador de dados

Smart Energy & Power Quality Solutions. Registrador de dados ProData. O mais compacto registrador de dados Smart Energy & Power Quality Solutions Registrador de dados ProData O mais compacto registrador de dados Inteligente e compacto: Nosso registrador de dados universal que mais gerencia os custos de energia

Leia mais

Totally Integrated Automation (TIA) Portal Siemens AG 2015. All Rights Reserved. siemens.com/tia-portal

Totally Integrated Automation (TIA) Portal Siemens AG 2015. All Rights Reserved. siemens.com/tia-portal 20 Maio 2015 Totally Integrated Automation (TIA) Portal siemens.com/tia-portal Indústria - Tendências Tendências Comunicação de campo baseada em Ethernet Funcionalidades IT Aumento de capacidade e flexibilidade

Leia mais

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas CLIMATIZAÇÃO O exemplo apresentado aqui controla um sistema que envolve bombas, torres, chillers e fan-coils para climatização ambiente para conforto térmico. Pode-se montar controles para sistemas dos

Leia mais

A mais completa linha de Terminais de Válvulas

A mais completa linha de Terminais de Válvulas A mais completa linha de Terminais de Válvulas Inovações para perfomance otimizada e economia A linha de terminais de válvulas Ampla e variada linha de terminais de válvulas para todas as aplicações Instalação

Leia mais

Técnicas de Interfaceamento de Sinais em Áreas Classificadas. Alexandre M. Carneiro

Técnicas de Interfaceamento de Sinais em Áreas Classificadas. Alexandre M. Carneiro Técnicas de Interfaceamento de Sinais em Áreas Classificadas Alexandre M. Carneiro Liderando aplicações Ex Experiência comprovada e de longo termo Certificação Internacional Grande variedade de produtos

Leia mais

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO o PROTOCOLO FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO Sup. Eng. de Aplicação de Sistemas da YokogawaAmérica do Sul Neste trabalho discorre-se sobre a rede foundation fieldbus, situando-a dentro do universo

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Ementa Proposta CAP: 1 - INTRODUÇÃO ÀS REDES INDUSTRIAIS ; CAP: 2 - MEIOS FÍSICOS ; CAP: 3 - REDES

Leia mais

Soft Starters SIRIUS A proteção inteligente para motores, cargas e rede

Soft Starters SIRIUS A proteção inteligente para motores, cargas e rede Linha Solution Linha Plus Linha Master www.siemens.com.br/softstarters Soft Starters SIRIUS A proteção inteligente para motores, cargas e rede As soft starters Siemens protegem sua máquina e instalação

Leia mais

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância Monitoramento de Transformadores de Potência Gerenciamento de Dados para o Monitoramento e Avaliação da Condição Operativa de Transformadores Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Leia mais

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 CATÁLOGO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Relé de Proteção de Motores RPM foi desenvolvido para supervisionar até 2 (dois) grupos ventiladores/motores simultaneamente, é utilizado

Leia mais

Discrete Automation and Motion. Conceptpower DPA 500 100 kw 3 MW UPS modular - agora até 3 MW

Discrete Automation and Motion. Conceptpower DPA 500 100 kw 3 MW UPS modular - agora até 3 MW Discrete Automation and Motion Conceptpower DPA 500 100 kw 3 MW UPS modular - agora até 3 MW Tempo de inatividade igual a zero conheça o Conceptpower DPA 500 O Conceptpower DPA 500 da ABB é um sistema

Leia mais

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle Utilização de Gás Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle PROCESSO INDUSTRIAL Variável Controlada: Temperatura Meio Controlado: Fluido Variável Manipulada: Vazão Agente de Controle: Vapor Malha de Controle

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal

ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal PT ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal Amigável ao cliente e comprovado Com a implementação do ACS2000 há alguns anos, foram estabelecidos novos

Leia mais

PROFIBUS PA E PROFIBUS DP

PROFIBUS PA E PROFIBUS DP PROFIBUS PA E PROFIBUS DP Francisco José Targino Vidal Paulo Sérgio da Câmara Vilela fjtv@ufrnet.br paulo@dca.ufrn.br LECA-DCA-UFRN Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo: Este artigo descreve

Leia mais

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA Cristine Kayser cristine@trisolutions.com.br Simone Maria Marcon simone@trisolutions.com.br Augusto dos Santos

Leia mais

inversores de frequência vacon para todas as necessidades de papel e celulose

inversores de frequência vacon para todas as necessidades de papel e celulose inversores de frequência vacon para todas as necessidades de papel e celulose 1 Depósito de madeira Pasta de celulose Descascador de madeira Picador Caldeira de biomassa Limpadores Refinadores Máquina

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ATIVOS. Como usar as informações das Redes Profibus e Profinet para Diagnósticos e Manutenção de Equipamentos de Automação

GERENCIAMENTO DE ATIVOS. Como usar as informações das Redes Profibus e Profinet para Diagnósticos e Manutenção de Equipamentos de Automação GERENCIAMENTO DE ATIVOS Como usar as informações das Redes Profibus e Profinet para Diagnósticos e Manutenção de Equipamentos de Automação DIRETRIZ SUA AUTOMAÇÃO TEM INTELIGÊNCIA? SEU SISTEMA ENTREGA INFORMAÇÃO?

Leia mais

SSW-05 Micro Soft-starter

SSW-05 Micro Soft-starter Motores Automação Energia Tintas Micro Soft-starter g Compacto g Digital - DSP g Fácil operação g Elevado rendimento g By-pass incorporado REPLACE ME BY A PICTURE! Soft-Starters são chaves de partida estática,

Leia mais

Missão. Visão. Valores. Política de Qualidade. Qualidade Certificada

Missão. Visão. Valores. Política de Qualidade. Qualidade Certificada A DLG Fundada em 1997, a DLG é uma empresa que busca oferecer soluções em elétrica e automação de processos industriais para diferentes segmentos de mercado. Em sua sede, localizada na cidade de Sertãozinho-SP,

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes

Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes Descrição do Produto As UCPs PO3x47 são destinadas a supervisão e controle de processos. Devido a sua arquitetura, é possível obter-se um alto desempenho em relação a série anterior de UCPs PO3x42. Com

Leia mais

Sistema Multibombas Controle Móvel CFW-11

Sistema Multibombas Controle Móvel CFW-11 Motores Energia Automação Tintas Sistema Multibombas Controle Móvel CFW-11 Manual de Aplicação Idioma: Português Documento: 10000122732 / 01 Manual de Aplicação para Sistema Multibombas Controle Móvel

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO. Série GXG-S Série GSG-S

Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO. Série GXG-S Série GSG-S Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO Série GXG-S Série GSG-S Chiller Centrífugo Novas Séries GXG-S e GSG-S A nova série de Chiller Centrífugo de Alta Eficiência

Leia mais

Configuração da Remota PROFIBUS Série Ponto

Configuração da Remota PROFIBUS Série Ponto Série Ponto Este documento orienta a configuração de uma Remota PROFIBUS-DP da Série Ponto IP20, de forma sistematizada através de diversas etapas. Recomenda-se ao usuário a leitura dos documentos de Características

Leia mais

Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia

Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia Gil Augusto de Carvalho gilaugusto@uol.com.br UBM Orlando Moreira Guedes Júnior engorlandojunior@yahoo.com.br

Leia mais

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local SUBESTAÇÕES Comando de controle e Scada local COMANDO DE CONTROLE E SCADA LOCAL A solução fornecida pela Sécheron para o controle local e para o monitoramento das subestações de tração é um passo importante

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR 1 Validade: A partir de 01/91 Departamento: Engenharia Elétrica Curso: Engenharia Industrial Elétrica Carga Horária: 60H ( Teórica: 30H Lab.: 30H Exerc.: 00H ) Créditos: 03 Pré-requisitos: Controle e Servomecanismos

Leia mais

Automação Industrial Profº Túlio de Almeida

Automação Industrial Profº Túlio de Almeida 2. OS NÍVEIS DA AUTOMAÇÃO 2.1. A PIRÂMIDE DA AUTOMAÇÃO Nível 5: Gerenciamento Corporativo Mainframe máquinas diretamente responsáveis pela produção. É composto principalmente por relés, sensores digitais

Leia mais