Editorial. Editorial 1. Jornadas de Psicologia e Orientação em Meio Escolar. Caros Psicólogos, Seminário de Psicologia em Meio Escolar 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Editorial. Editorial 1. Jornadas de Psicologia e Orientação em Meio Escolar. Caros Psicólogos, Seminário de Psicologia em Meio Escolar 3"

Transcrição

1 1 1 1 Editorial 1 Editorial Caros Psicólogos, É com grande satisfação que a DGE publica a primeira edição da newsletter eletrónica dedicada à Psicologia e Orientação em Meio Escolar. Esta será, espero, uma ferramenta importante para a comunicação e partilha de práticas entre os Psicólogos que nas nossas escolas contribuem diariamente para a melhoria da aprendizagem e do sucesso educativo. Convido-vos a colaborar nesta iniciativa, enviando noticias e informações úteis para ou Jornadas de Psicologia e Orientação em Meio Escolar Seminário de Psicologia em Meio Escolar 3 À conversa com Isabel Maria de Freitas Abreu dos Santos representante da CONFAP Visitas de Estudo 5 Formação em Psicologia 6 Webinars DGE Fernando Egídio Reis Diretor - Geral da DGE

2 SESE Jornadas de Trabalho sobre Psicologia e Orientação em Meio Escolar Coimbra, St.ª Maria da Feira e Lisboa, acolheram três Jornadas de Trabalho respetivamente nos dias 18 e 19 de junho, 25 e 26 de junho e 1 e 2 de julho. Com objetivo de dinamizar e enquadrar tecnicamente a atividade dos SPO, no quadro das linhas norteadoras estabelecidas em termos nacionais e comunitários, nomeadamente no domínio da orientação e da promoção do sucesso educativo, a Direção-Geral da Educação promoveu, entre outras ações, três Jornadas de Trabalho, com os psicólogos que desenvolvem a sua atividade em meio escolar. Estas jornadas inseriram-se, igualmente, nas ações a dinamizar no âmbito da Rede da Euroguidance que tem como missão desenvolver a dimensão europeia nos sistemas nacionais de educação, formação e orientação. (relatório) Grau de satisfação dos participantes nas jornadas 2

3 SESE Seminário Nacional Psicologia e Orientação em Meio Escolar Teve lugar no Auditório Faculdade de Medicina Dentária em Lisboa, no dia 22 de outubro de 2013, o Seminário Nacional Psicologia e Orientação em Meio Escolar. Esta iniciativa, promovida pela Direção - Geral da Educação, enquadrada na atividade das redes europeias de orientação, EUROGUIDANCE e ELGPN, reuniu cerca de 500 participantes, entre os quais 400 psicólogos. O desenho do programa de trabalho procurou promover a discussão em torno de questões centrais que se colocam à psicologia e orientação em meio escolar tanto no âmbito legislativo como científico, e criar um espaço de partilha e de reconhecimento de boas práticas existentes. Programa Fotos 3

4 SESE À conversa com Isabel Maria de Freitas Abreu dos Santos representante da CONFAP Qual o papel dos pais no processo de orientação? - O papel dos pais é o de acompanhamento incondicional, permanente e ativo. Os pais estão sempre presentes na orientação dos filhos, com mais ou menos saber e de acordo com as suas competências e o amor que os une incondicionalmente ao percurso e encaminhamento dos filhos. Que articulação dos pais com os serviços no âmbito da psicologia e orientação? - A articulação varia de acordo com a abertura da escola para a participação dos pais. De uma forma geral é diminuta havendo escolas em que não existe a cultura de participação e de chamar / convidar os pais a uma participação ativa. Tradicionalmente, e em muitas escolas a gestão é feita na ausência e sem a consulta dos pais. Este e outros temas são considerados da exclusividade da gestão da escola, nomeadamente dos professores excluindo premeditadamente, voluntária ou involuntariamente a articulação com os pais. Muitas vezes existe o pressuposto de que os pais não têm competências nesta participação, o que nalguns casos poderá ter algum fundamento, mas seria de todo recomendável que os pais também pudessem ser orientados para melhor orientarem os seus educandos na orientação e resolução de problemas. Quais as expetativas face à intervenção destes serviços? - De verdadeira e eficaz orientação de escolas, pais e famílias. De integração destes jovens face aos desafios de um futuro em constante mudança e de alteração do paradigma de um curso - uma carreira- um emprego, para um cenário de construção e formação pessoal e aquisição de competências, capacitação e criação do próprio emprego ao longo da vida Quais os contributos que a CONFAP pode dar para potenciar o sucesso educativo? - A CONFAP tem defendido e disponibilizado um papel de mediador de conflitos, e construtor de pontes de diálogo e encontro de compromissos entre as partes/ intervenientes da comunidade educativa. Os pais são os principais interessados no sucesso educativo guardiães do percurso e sucesso educativo e formativo dos seus filhos. São eles que estavam presentes até à chegada à escola, permanecem no presente e no futuro da vida dos seus filhos. A CONFAP tem vindo a transmitir ativamente os órgãos e parceiros da comunidade educativa no sentido da construção de um pacto de educação de longo prazo alheio e independente de qualquer ciclo eleitoral, programas de governo e conflitos entre ministério da educação e professores. A CONFAP acredita e tem por missão contribuir para a criação de um compromisso a 20 anos, naturalmente ajustável às alterações globais do mundo, do país e da comunidade local, em termos económicos, sociais e políticos, tendo a convicção de que este pacto poderá constituir um garante da estabilidade dos alunos, crianças e jovens em formação, num ambiente mais seguro, harmonioso contrariando uma instabilidade que se verifica ano após ano, em especial em altura das avaliações que infelizmente tem caracterizado os últimos anos letivos e prejudicado irremediavelmente o percursos e sucesso de muitos alunos. A psicologia e orientação é uma preocupação da CONFAP? -Totalmente. Esta é uma área que a CONFAP acredita ser um complemento do sucesso educativo, que conjuntamente com toda a comunidade educativa, ajuda, apoia e orienta pais, crianças e jovens a construírem e orientarem o seu percurso de vida. Num mundo em que as alterações são constantes, em que as certezas não existem, a psicologia e orientação adequada é um complemento importante que deverá incluir pais, alunos, professores e decisores de modo a melhor adequarem 4 o percurso personalizado de cada jovem dotando a educação da habilidade de capacitar os jovens na construção do seu percurso formativo.

5 Visitas de Estudo Nos dias 2, 3 e 4 de setembro de 2013 realizámos uma visita de estudo a Copenhaga com o intuito de podermos conhecer melhor o sistema dinamarquês de orientação e respetivo sistema educativo. Recebidos pelos representantes nacionais do Centro Euroguidance dinamarquês, foi-nos feita a apresentação daqueles sistemas, seguindo-se uma série de visitas e contactos com centros de orientação e respetivos profissionais. Uma primeira impressão que retivemos foi verificar a existência de uma lei nacional para a Orientação, datada de abril de Cabe ao Ministério da Educação a implementação do sistema, existindo dois grandes tipos de Centros de Orientação, independentes de qualquer setor ou interesse institucional: Centros de Orientação para Jovens (46), centros nas 271 autoridades locais de educação existentes no reino da Dinamarca e Centros Regionais (7). Os Centros dirigidos aos jovens intervêm na transição da escolaridade obrigatória para o nível secundário avançado ou para o mundo do trabalho; os Centros Regionais são responsáveis por agirem na transição entre o nível secundário e o nível superior de educação. Os Centros de Orientação para Jovens são criados pelas autoridades locais de educação e têm a sua sede na própria comunidade. São geridos autonomamente e responsáveis pelo respetivo plano de atividades. Organizam atividades de orientação em articulação com as escolas e atendem jovens até aos 25 anos integrados ou não no sistema educativo ou de emprego, bem como jovens com necessidades educativas especiais. Sempre que um jovem até aos 19 anos é detetado como não inserido em qualquer resposta educativa, formativa ou laboral, o Centro tem a obrigação de o contactar no mais curto intervalo de tempo e estabelecer com ele um plano de inclusão num daqueles sistemas. Os Centros Regionais para a Orientação são responsáveis pelo desenvolvimento de programas relacionados com a transição para níveis superiores de educação. Disponibilizam informação qualificada sobre programas de formação superior e respetivas saídas profissionais. O público-alvo são estudantes dos cursos superiores e adultos fora do sistema educativo que pretendem ingressar num programa de ensino superior. Estes Centros são criados e geridos pelo Ministério da Educação que os financia de acordo com um plano de atividades, podendo, alguns deles estar associados a certas instituições educativas. Os dois tipos de Centros articulam, ainda, as respetivas atividades com parceiros da indústria e comércio existentes nas Comunidades em que se inserem. Um forte investimento no recurso às TIC, na constituição dum Portal Nacional para a Orientação, foi outro aspeto interessante. Deste modo pretende-se proporcionar informações diversas, sobre educação e formação profissional, atividades profissionais e profissões, mercado de emprego e oportunidades de estudar no estrangeiro. Para chegar mais perto dos utentes, recorrem a uma diversidade de canais de comunicação ( , sms) e às redes sociais como chat, twitter, facebook, blogs. A existência de um Fórum Nacional serve para os conselheiros partilharem conhecimentos e experiências, assim como promover um diálogo estreito entre o Ministério da Educação empresas, associações, instituições, associações de conselheiros, autoridades locais de educação, entre outros. Por ano são realizados 3 a 4 meetings onde se refletem boas práticas e discutem linhas orientadoras de ação futura.

6 Visitas de Estudo (Continuação) A formação inicial dos conselheiros não é obrigatoriamente em psicologia, podendo ser ex-professores e outros profissionais. Existem 6 Centros de Formação Superior de conselheiros onde, no equivalente a 6 meses de formação, são trabalhados 3 módulos: Orientação de Carreira e Práticas de Orientação; Orientação de Carreira e Sociedade; O Indivíduo e a Orientação de Carreira. Em conclusão, embora do ponto de vista conceptual, organizativo e das práticas as realidades observadas sejam distintas das que integramos em Portugal, é o aspeto pragmático e funcional que aquelas evidenciam e a capacidade de lhes ser conferido essa dimensão num tão curto intervalo de tempo, por comparação com o que vem sucedendo em Portugal, desde que existem Serviços de Psicologia e Orientação (1991), que mais me impressionou. José Alfredo Ramirão Costa (Psicólogo no Agrupamento de Escolas da Mealhada) Participação na conferência europeia Orientation à Distance A participação na conferência europeia Orientation à distance (chats, conseils et informations en ligne, e-guidance ), un nouveau défi pour les conseillers, Paris, 24 setembro 2013, promovida pela Euroguidance France Education, foi para mim uma experiência muito relevante pessoal e profissionalmente. Os serviços de orientação à distância existentes em diversos países europeus, nomeadamente França, Dinamarca, Reino Unido e Alemanha constituem um avanço nas práticas de orientação indo ao encontro do interesse dos jovens face às novas tecnologias. Com efeito, à distancia de um clic e no conforto do seu quarto, o jovem e/ou a sua família pode, através de diferentes canais de comunicação (sites, chat, , sms, facebook, telefone), aceder a um vasto conjunto de informações sobre sistema de ensino, formação profissional, profissões e mercado de trabalho. Estes serviços funcionam 5 a 6 dias por semana com atendimento feito por conselheiros em turnos diurnos e noturnos. Seria muito benéfico para os jovens portugueses poder aceder a um serviço semelhante. Contudo, na minha perspetiva, embora de extrema importância estas atividades de recolha e processamento de informação através dos serviços de e-guidance necessitam de ser enquadradas num processo de orientação mais vasto e presencial, onde o jovem constrói o seu projeto de vida em função dos seus objetivos, explorando o conceito de si próprio, interesses, capacidades e oportunidades. Assim, no processo de Orientação Vocacional os serviços de orientação a distância e orientação presencial deveriam entrelaçar-se numa espiral de desenvolvimento Margarida Cardoso (psicóloga no Agrupamento de Escolas Dr. João Araújo Correia).

7 Edição Formação dirigida a psicólogos A Direção-Geral da Educação promoveu um conjunto de ações de formação dirigidas a psicólogos a exercer funções nos agrupamentos de escolas/escolas não agrupadas da rede pública. Estas ações realizaram-se no Porto, Coimbra e Lisboa e incidiram sobre os seguintes domínios: Orientação com Públicos Específicos 18 e 19 de dezembro Orientação a Distância 19 de dezembro e 6 de janeiro Instrumentos e Recursos em Orientação 19 de dezembro e 6 de janeiro Orientação e Mobilidade 12 e 13 de dezembro Estas ações abrangeram cerca de 200 psicólogos de todo o país. Direção - Geral da Educação DGE No âmbito dos da DGE foram realizadas duas sessões em 2013 sobre as seguintes temáticas: 1. Kit Europass Sendo o Europass um quadro comunitário criado para alcançar a transparência de qualificações e competências na Europa, o Centro Nacional Europass desenvolveu uma ferramenta designada Kit Europass. Neste webinar pretendeuse dar a conhecer as potencialidades deste produto, contribuindo assim para uma melhor inserção no mercado trabalho. Disponível em: 2. A Rede Euroguidance - exemplos de atividades A rede Euroguidance tem como objetivo apoiar os estadosmembro no desenvolvimento dos serviços de orientação e fomentar uma perspetiva europeia da orientação. A concretização destes objetivos passa, nomeadamente, pela participação dos técnicos em atividades de aprendizagem interpares e pelo contacto direto com as realidades e as boas práticas dos diferentes estados-membro. Neste webinar são apresentados o sistema de orientação dinamarquês e a utilização de canais alternativos de interação em orientação. Disponível em: Organização Direção de Serviços de Educação Especial e Apoios Socioeducativos

8 A PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO EM MEIO ESCOLAR Relatório das Jornadas de Trabalho julho de 2013

9 Ficha Técnica Título A Psicologia e Orientação em Meio Escolar Relatório das Jornadas de Trabalho Autores Edgar Pereira Graça Breia Hélia Moura Isabel Henriques Paulo Fonseca Supervisão Filomena Pereira Edição DGE

10 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO OBJETIVOS LOCAL E DATA DE REALIZAÇÃO DIVULGAÇÃO E INSCRIÇÃO PARTICIPANTES METODOLOGIA DE TRABALHO CONCLUSÕES DOS TEMAS TEMA 1 A PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO EM MEIO ESCOLAR NO DESENVOLVIMENTO DE CARREIRA TEMA 2 A PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO EM MEIO ESCOLAR NA PROMOÇÃO DO SUCESSO EDUCATIVO TEMA 3 A PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO EM MEIO ESCOLAR: UM RECURSO DA ESCOLA AVALIAÇÃO DAS JORNADAS DE TRABALHO AVALIAÇÃO GERAL ASPETOS POSITIVOS OUTROS TEMAS A ABORDAR COMENTÁRIOS E SUGESTÕES CONCLUSÕES PROPOSTAS PONTOS CHAVE ANEXOS

11 ÍNDICE DE GRÁFICOS E QUADROS GRÁFICO 1 GRAU DE SATISFAÇÃO COM AS JORNADAS DE TRABALHO..28 GRÁFICO 2 GRAU DE SATISFAÇÃO POR JORNADA DE TRABALHO/REGIÃO..29 GRÁFICO 3 ASPETOS MAIS POSITIVOS NAS JORNADAS DE TRABALHO..29 GRÁFICO 4 TEMAS QUE GOSTARIA DE VER ABORDADOS..30 QUADRO 1 COMENTÁRIOS E SUGESTÕES..32 3

12 1. ENQUADRAMENTO Os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO) desenvolvem a sua ação na educação pré escolar e nos ensinos básico e secundário, atuando em três domínios: apoio psicopedagógico a alunos e professores; apoio ao desenvolvimento de sistemas de relações da comunidade educativa e orientação escolar e profissional. O alargamento da escolaridade obrigatória, para doze anos, e a diversificação e reforço progressivo da oferta educativa e formativa vieram dar uma maior relevância à intervenção dos SPO, nomeadamente, ao constituírem uma valência que concorre para a promoção do sucesso escolar. A melhoria e a garantia da qualidade das atividades de psicologia e orientação constituem uma prioridade da DGE Direção Geral de Educação, através da DSEEAS Direção de Serviços de Educação Especial e Apoios Socioeducativos, unidade orgânica a que compete Conceber orientações e instrumentos de suporte às escolas no âmbito da implementação e acompanhamento de respostas de educação especial e de apoio educativo, designadamente as de orientação escolar e profissional, educação para a saúde e de ação social escolar; 1. Com objetivo de dinamizar e enquadrar tecnicamente a atividade dos SPO, no quadro das linhas norteadoras estabelecidas em termos nacionais e comunitários, nomeadamente no domínio da orientação e da promoção do sucesso educativo, foi elaborada uma proposta de trabalho, que engloba, entre outras ações, Jornadas de Trabalho, a nível regional. Estas Jornadas enquadram se igualmente nas ações a desenvolver no âmbito da Rede da Euroguidance que tem como missão desenvolver a dimensão europeia nos sistemas nacionais de educação, formação e orientação. À DGE, enquanto representante nacional desta Rede, compete lhe dinamizar ações que contribuam para a missão da Euroguidance. Nesta medida o orçamento atribuído a Portugal suporta, financeiramente, os encargos com a realização das Jornadas. O presente relatório descreve o trabalho desenvolvido nas Jornadas, apresenta os resultados da avaliação pelos participantes e faz propostas para a melhoria da intervenção dos SPO. 1 Portaria n.º 258/2012 4

13 2. OBJETIVOS As jornadas de trabalho tiveram os seguintes objetivos: dinamizar a intervenção no âmbito da psicologia e orientação em meio escolar; recolher propostas concretas que sustentem a elaboração de um documento técnico; enquadrador da psicologia e orientação em meio escolar; identificar pontos fortes e aspetos a melhorar; fomentar a participação ativa e o envolvimento dos psicólogos. 3. LOCAL E DATA DE REALIZAÇÃO Realizaram se três jornadas, com a duração de um dia e meio, em Coimbra, St.ª Maria da Feira e Lisboa, respetivamente nos dias 18 e 19 de junho, 25 e 26 de junho e 1 e 2 de julho. 4. DIVULGAÇÃO E INSCRIÇÃO As Jornadas e respetivo Programa foram divulgados na página eletrónica da DGE, no início do mês de junho (anexo 1). As inscrições processaram se online, sendo atribuído automaticamente um número de inscrição. A seleção dos participantes foi feita por ordem de inscrição. 5. PARTICIPANTES Os destinatários das jornadas foram os psicólogos a exercer funções em escolas ou agrupamentos de escolas do continente e da rede pública. Em cada uma das Jornadas participaram psicólogos de diferentes regiões abrangendo na totalidade 172 psicólogos (anexo 2), com a seguinte distribuição: 61 psicólogos de unidades orgânicas dos distritos de Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria, Santarém e Viseu. 49 psicólogos de unidades orgânicas dos distritos de Braga, Bragança, Chaves, Porto, Viana do Castelo e Vila Real. 62 psicólogos de unidades orgânicas dos distritos de Beja, Évora, Faro, Lisboa e Setúbal. 5

14 6. METODOLOGIA DE TRABALHO Tendo como base os objetivos definidos e os resultados pretendidos, recorreu se a uma metodologia promotora do envolvimento e da interação entre os participantes, da focalização nas temáticas em debate e da recolha de sugestões e propostas concretas. A maior diversidade de partilha de experiências foi assegurada pela integração em cada Jornada de Trabalho de técnicos pertencentes a diferentes regiões. Os trabalhos contemplaram duas sessões plenárias e grupos de trabalho. A primeira sessão plenária, com um caráter introdutório, centrou se na clarificação dos objetivos, na definição da metodologia e da explicitação dos produtos esperados (anexo 3). Na segunda sessão plenária foram apresentadas as conclusões dos grupos de trabalhos. Os temas para debate, em grupos de trabalho, foram previamente definidos e criadas fichas de trabalho estruturadas (anexo 4). A discussão de cada tema, com uma duração de aproximadamente 2h 30m, decorreu em grupos constituídos, em média, por 20 psicólogos. A discussão dos temas nos grupos foram enquadrados por um pequeno texto introdutório que permitiu situar a discussão. Foi disponibilizada aos participantes, documentação relevante, (anexo em CD). Cada tema foi discutido em três sessões paralelas o que permitiu que todos os participantes tivessem a oportunidade de se pronunciar sobre todos os temas. Uma maior interação entre os participantes foi estimulada através da recomposição dos grupos com os temas em debate As conclusões de cada tema foram agregadas, pelos relatores de cada grupo de trabalho num só documento síntese e posteriormente apresentadas na sessão plenária. A dinamização dos grupos foi assegurada por dois elementos que, desempenhando o papel de facilitadores, criaram um clima de confiança, promotor da discussão aberta do que resultou a apresentação de diferentes pontos de vista, tendo por base a experiência individual dos participantes. 6

15 7. CONCLUSÕES DOS TEMAS Os três temas discutidos nos grupos de trabalho das jornadas foram a psicologia e orientação em meio escolar no desenvolvimento da carreira ; a psicologia e orientação em meio escolar na promoção do sucesso educativo ; e a psicologia e orientação em meio escolar um recurso da escola. Cada um destes temas foi subdividido em várias questões e cada questão em itens Estratégias e instrumentos; Articulação e parcerias; Fatores críticos de sucesso; Indicadores de impacto. As conclusões de cada um dos temas foram trabalhadas pelos relatores de cada grupo tendo sido produzido, em cada jornada, um documento único para cada um dos temas. Tendo por base esses documentos e após análise dos mesmos foi elaborada uma síntese que consubstancia o presente relatório. 7.1 TEMA 1 A Psicologia e Orientação em Meio Escolar no Desenvolvimento de Carreira Este tema, enquadrado pelos racionais teóricos mais recentes e pelas diretrizes comunitárias, produzidas e adotadas pelos diferentes estados membros, focalizou se em conceitos como orientação ao longo da vida; desenvolvimento pessoal; mobilidade; portabilidade e transferibilidade de intervenções e diversificação dos canais de disponibilização de intervenções de orientação por recurso às tecnologias de informação. Cada um destes conceitos foi apresentado em forma de pergunta. Os resultados da discussão dos grupos em resposta a cada pergunta deste tema apresentam se em seguida. 1. Qual a intervenção da Psicologia e Orientação em Meio Escolar no âmbito da orientação ao longo da vida, considerando os diferentes ciclos, níveis e modalidades de educação e ensino (Pré escolar, 1º, 2º, 3º ciclos do ensino básico, ensino secundário, e profissional)? As estratégias e instrumentos identificados por nível de educação e ensino ou tipologia de intervenção foram: No ensino pré escolar, no 1º e 2º ciclo Programas de intervenção (tendencialmente estratégias mediadas e implementadas pelos professores e pontualmente trabalho direto prevenção primária no grupo turma). 7

16 No 3º ciclo e no secundário Intervenção direta (implementação de programas de orientação vocacional). Experiências de observação de trabalho em colaboração com as autarquias e com empresas (job shadowing / estágio de observação). No ensino profissional Preparar a transição para a vida ativa. Sensibilizar as famílias para as vias profissionalizantes, trabalhar estereótipos e preconceitos. Com um caráter mais transversal e passível de aplicação a todos os níveis de ensino ou modalidades formativas poderá destacar se, ainda as seguintes estratégias: Integração das atividades no projeto curricular de turma; Intervenção em grupo e individual; Promoção do empreendedorismo e do empowerment; Articulação com os diferentes agentes educativos, com supervisão do psicólogo, entre os quais outros psicólogos, trabalho em rede. No item Articulação e parcerias o trabalho desenvolvido dentro da escola, com a direção, com os professores e com as estruturas de orientação educativa foi um aspeto bastante referido pela generalidade dos grupos. A importância da mobilização de todos os recursos da comunidade (tecido empresarial, associações, entidades promotoras de educação e formação, famílias, municípios, centros de saúde, centros regionais da segurança social) foi considerada como indispensável para o desenvolvimento do trabalho no âmbito da orientação ao longo da vida. A articulação entre as equipas dos diferentes serviços de psicologia e orientação e entre estas e as faculdades de psicologia foi igualmente referida. Os participantes consideraram que as políticas educativas devem valorizar a psicologia e orientação e criar as condições para que os SPO desenvolvam as suas atribuições e competências de forma adequada. Salientaram que muitas vezes é valorizado este domínio de 8

17 intervenção em termos legislativos, nos deveres, mas não são criadas as condições para a sua realização. Para além destes aspetos foram também considerados como fatores críticos de sucesso: O Serviço de Psicologia e Orientação estar integrado no contexto da escola Condições adequadas de trabalho, em termos de instalações Qualidade e diversidade dos Instrumentos e materiais (Instrumentos que avaliem interesses, valores e aptidões; programa transversal e uniformizado de orientação ao longo da vida) O ratio psicólogo/aluno A consultadoria e/ou coordenação por psicólogos com mais experiência no âmbito da psicologia e orientação Continuidade do trabalho do profissional/psicólogo Equipas que garantam a diferenciação de respostas com qualidade perante a diversidade de âmbitos de intervenção e de faixas etárias da população alvo Plataforma, moderna e atualizada, da oferta educativa e formativa atempadamente definida Definição de atribuições quando está prevista articulação Referencial de orientação ao longo da vida, claro e objetivo, para a intervenção dos SPO em articulação com as outras instituições que disponibilizam intervenções de orientação ao longo da vida A formação contínua dos psicólogos Tempo formal, no horário, para o programa de orientação ao longo da vida, definido e integrado no projeto educativo Envolvimento de encarregados de educação/família A continuidade e a precocidade da intervenção, programa transversal, ao longo do percurso escolar Como principais indicadores de impacto há a referir: Resultados escolares dos alunos acompanhados pelos SPO; Satisfação dos utentes; Adesão dos alunos às atividades; Níveis de absentismo e de abandono escolar; Número de reorientações no ensino secundário. Como estratégia foi referida a intervenção integrada no horário da turma, podendo ser desenvolvida em grupo, por recurso a programas estruturados e validados; ou de forma individual, através de entrevista. As áreas de intervenção focalizam se no desenvolvimento de competências socio emocionais (autoestima, motivação, resolução de conflitos/problemas, igualdade de género, estratégias de copping/resiliência, flexibilidade e adaptação à mudança, 9

18 inteligência emocional, estratégias de autoeficácia, empreendedorismo, tomada de decisão, autorregulação sociocognitiva; autorregulação socio emocional, métodos de estudo ). Ao nível da articulação e parcerias foram considerados como parceiros estratégicos a direção da escola, o diretor de turma/professor, os grupos escolares e não escolares (recreativos desportivos e culturais), as estruturas locais e as associações de pais/famílias. As faculdades de psicologia foram igualmente referenciadas. Os fatores críticos de sucesso que contribuem para uma intervenção de qualidade passam por assegurar que estão garantidas as seguintes condições: Maior articulação entre MEC e IEFP na definição de áreas profissionais prioritárias por uma única entidade Uniformização da legislação e da terminologia relativa ao papel do psicólogo na escola Psicólogo ser consultor quando na escola há intervenções similares às desenvolvidas pelo SPO, para melhor adequação de respostas/estratégias Tempo e condições para atendimento dos alunos e famílias Estabilidade e autonomia dos técnicos Trabalho em contexto e com proximidade Integração do psicólogo no Conselho Pedagógico Recursos a nível de instrumentos e programas Equipa multidisciplinar no SPO Envolvimento dos encarregados de educação Diversidade da oferta educativa Área de abrangência da rede de SPO Os indicadores de impacto, identificados, situam se tanto ao nível do beneficiário direto, o aluno, como poderão ser avaliados por elementos não diretamente envolvidos, a saber: Redução dos processos disciplinares Redução dos conflitos no grupo turma (através das atas dos conselhos de turma) Redução dos comportamentos de bullying Motivação dos alunos no processo de aprendizagem Redução dos pedidos de acompanhamento psicológico Adesão às atividades Integração dos alunos na escola Redução do número de alunos encaminhados para a equipa multidisciplinar Avaliação SPO pela direção da escola Satisfação dos jovens e das famílias com as intervenções realizadas Relatórios de avaliação externa e pareceres do Conselho Nacional de Educação 10

19 3. Qual o papel da Psicologia e Orientação em Meio Escolar na promoção da mobilidade? Para vários participantes, esta temática foi inovadora num primeiro momento, tendo, contudo, sido identificadas as seguintes estratégias e instrumentos: Os programas de intervenção ao nível da psicologia e orientação devem contemplar o espaço europeu/mundial e não apenas a oferta do espaço nacional; É importante desenvolver as competências necessárias à fase de autonomização, diferenciação e mudança competências de gestão da incerteza; Preparação dos jovens e das famílias para as questões ligadas à interculturalidade. Com o objetivo de promover a mobilidade, os participantes nas jornadas consideraram essenciais a articulação e as parcerias com as entidades oficiais, nacionais e comunitárias, responsáveis pelos diversos sectores educativos e de emprego, nomeadamente, conselheiros da Rede EURES, Rede Euroguidance e outras agências europeias como a PROALV, autarquias, universidades, IEFP e o tecido empresarial. Os protocolos da escola com entidades da comunidade europeia, a existência de uma plataforma de informação com dados atualizados e de fácil acesso, bem como informação organizada e estruturada sobre os apoios financeiros para a mobilidade foram considerados como fatores críticos de sucesso ao nível da promoção da mobilidade. Os indicadores de impacto identificados corporizam se pelo aumento, na escola, do número de projetos que promovem a mobilidade, pelo número de alunos que participam em processos de mobilidade e pelo número de projetos candidatados/aprovados. 4.Transferibilidade e portabilidade de intervenções de orientação. Qual a Importância? Como e quando? Após a apropriação dos conceitos de portabilidade e transferibilidade a maioria dos participantes atribui lhes um grau de importância considerável, nomeadamente ao permitirem 11

20 a rentabilização dos recursos humanos e financeiros, evitando o desperdício de trabalho já realizado (não repetindo avaliações já realizadas, anteriormente, por outros colegas) e também por contribuírem para uma maior equidade e continuidade das intervenções no âmbito da orientação. Relativamente aos instrumentos de suporte houve uma maior diversidade de opiniões, havendo quem defendesse o recurso a relatórios e a fichas em papel (Ficha de reunião de validação/entrevista final com as decisões dos alunos) que seria da exclusiva responsabilidade dos encarregados de educação e do aluno a sua utilização, havendo também quem fosse adepto do recurso a outros suportes como: Elaboração do curriculum e portefólio que vai acompanhando o aluno ao longo da vida; Elaboração de um processo individual de orientação Caderneta de Orientação; Base de dados com informação dos alunos Plataforma Digital. O momento e a forma como a transferibilidade dos processos se deveria processar, também, não foi consensual, havendo quem defendesse que a disponibilização dos processos entre os diferentes setores só deveria acontecer quando o técnico o julgasse conveniente e quem fosse de opinião da sua colocação online para acesso aos técnicos, como se pode ver pelas opiniões expressas: Pelo menos nos finais de ciclo e quando o aluno muda de estabelecimento e sempre que seja do entendimento do psicólogo que a informação relevante deve ser transferida e partilhada; Quando o aluno muda de estabelecimento de ensino e/ou nível de educação e ensino ou de percurso formativo (orientação ao longo da vida); Sempre que necessário, não só nos momentos críticos de tomada de decisão; Online, em qualquer momento. Para assegurar que a transferibilidade e a portabilidade dos processos é bem sucedida foram identificados os seguintes fatores críticos de sucesso: Garantir bases de dados atualizadas dos psicólogos de cada serviço; Reuniões de coordenação inter serviços de psicologia e orientação; Homogeneização dos instrumentos; Garantia de confidencialidade da informação; Estandardização da apresentação da informação; Criação de uma base de dados para colocação de informação sobre o aluno. 12

A PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO EM MEIO ESCOLAR. Relatório das Jornadas de Trabalho

A PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO EM MEIO ESCOLAR. Relatório das Jornadas de Trabalho A PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO EM MEIO ESCOLAR Relatório das Jornadas de Trabalho julho de 2013 Ficha Técnica Título A Psicologia e Orientação em Meio Escolar Relatório das Jornadas de Trabalho Autores Edgar

Leia mais

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Plano de Formação Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Enquadramento A evolução tecnológica e a incerteza com que atualmente todas as sociedades se confrontam colocam desafios acrescidos

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Rosa Maria Simões 31 de janeiro de 2013, Auditório CCDR Lisboa e Vale do Tejo Agenda Resultados da intervenção FSE Contributos do FSE

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

Plano de Atividades de 2016

Plano de Atividades de 2016 GRUPO DE ACÇÃO COMUNITÁRIA IPSS Plano de Atividades de 2016 Fórum Sócio Ocupacional do GAC Unidade de Vida Protegida UPRO Formação Profissional Novembro de 2015 Plano de atividades 2016 1 Grupo de Ação

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod.

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod. Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA Anos letivos 2014/2015 e 2015/ Página 1 de 13 ÍNDICE Títulos Pág. 1. INTRODUÇÃO 3. 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA 4. 3. DESCRIÇÃO

Leia mais

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 QUEM SOMOS A APF Associação para o Planeamento da Família, é uma Organização Não Governamental com estatuto de IPSS (Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS Revisão 1 : 02/09/2015 PO PO Preparação e Reforço das Capacidades, Formação e Ligação em rede dos Gal (DLBC) Desenvolvimento Local de Base Comunitária 2ª fase Seleção das Estratégias de Desenvolvimento

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PLANO INDIVIDUAL DE TRANSIÇÃO (PIT) O Decreto-Lei nº3/ 2008, de 7 de janeiro

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES 2 ÍNDICE CARATERIZAÇÃO DO CENTRO DE REURSOS PARA A INCLUSÃO.. 3 FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE RECUSOS PARA A INCLUSÃO 3 CARATERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO

Leia mais

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Maria João Alves Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional 24 de novembro de 2014 I SIMPÓSIO

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

Desafios da Inclusão, 3 anos do Centro de Recursos. Seminário - Conclusões

Desafios da Inclusão, 3 anos do Centro de Recursos. Seminário - Conclusões Desafios da Inclusão, 3 anos do Centro de Recursos Seminário - Conclusões O Seminário Desafios da Inclusão, 3 anos do Centro de Recursos decorreu no dia 22 de Junho de 2012, no Auditório da Escola do Cerco,

Leia mais

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015 Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco Plano de Atividades 2015 INTRODUÇÃO Depois de escalar uma montanha muito alta, descobrimos que há muitas mais montanhas por escalar. (Nelson Mandela) A

Leia mais

Plano de Formação de Colaboradores 2014

Plano de Formação de Colaboradores 2014 2014 Plano de Formação de Colaboradores 2014 Avaliação Nível I/II Avaliação da Satisfação e Aprendizagem A avaliação do valor acrescentado pela formação ao desempenho dos colaboradores é cada vez mais

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura.

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. 1. Nota Introdutória Este documento agora apresentado, resulta da avaliação efetuada

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2012 / 2013 ÍNDICE Nº Pág. 1 Introdução 3 2 Constituição 3 3 Ações e Objetivos 4 4 Identificação das necessidades de formação dos docentes

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA A Escola Secundária Quinta das Palmeiras Covilhã celebrou com o Ministério da Educação e Ciência (MEC)

Leia mais

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO PROGRAMA TEIP3 REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO Novembro de 2013 DGE / EPIPSE Programa TEIP3 Página 1 de 5 A Direção-Geral de Educação, através da EPIPSE, após análise de conteúdo

Leia mais

APPDA-Setúbal. Educação

APPDA-Setúbal. Educação APPDA-Setúbal Educação Enquadramento Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e promover a melhoria da qualidade do ensino. Um aspeto

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

Candidato: ANTÓNIO PEREIRA PINTO Professor do Quadro do Agrupamento de Escolas D. Sancho I. Vila Nova de Famalicão, 9 de abril de 2013

Candidato: ANTÓNIO PEREIRA PINTO Professor do Quadro do Agrupamento de Escolas D. Sancho I. Vila Nova de Famalicão, 9 de abril de 2013 PROJETO DE INTERVENÇÃO: Por uma escola centrada na aprendizagem que se repensa e se reconstrói. CANDIDATURA AO CARGO DE DIRETOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I Aviso de abertura: 4531/2013 de 3 de

Leia mais

PROPOSTA DE CONSULTADORIA MAIS BENEFÍCIOS

PROPOSTA DE CONSULTADORIA MAIS BENEFÍCIOS SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALBUFEIRA 2014 PROPOSTA DE CONSULTADORIA MAIS BENEFÍCIOS Uma consultadoria eficaz e rentável vocacionada para fornecer às empresas serviços integrais de formação e recrutamento.

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016)

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) Este Plano de Ação é um sinal claro para os intervenientes dos Estados membro da importância que a CPLP atribui

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PROJETO DE INTERVENÇÃO AO NÍVEL DA INDISCIPLINA 1- FUNDAMENTAÇÃO A Equipa Multidisciplinar foi constituída

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Isabel Hormigo (Ministério da Educação e Ciência, Lisboa) Setúbal, 7 de fevereiro de 2014 Ciclos de estudos e duração Idade

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL 1942 Diário da República, 1.ª série N.º 64 2 de abril de 2013 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 139/2013 de 2 de abril Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental A

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto

Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto Missão A Escola Profissional de Tecnologia tem como missão prestar serviços educativos de excelência aos seus alunos, qualificando-os para o exercício profissional e para o prosseguimento de estudos, no

Leia mais

Ficha de candidatura para os representantes docentes do Conselho Municipal de Educação - download aqui ( 98.62KB)

Ficha de candidatura para os representantes docentes do Conselho Municipal de Educação - download aqui ( 98.62KB) Ficha de candidatura para os representantes docentes do Conselho Municipal de Educação - download aqui ( 98.62KB) Candidaturas ao Conselho Municipal de Educação - download aqui ( 864KB) Resultados das

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

Recomendação. Políticas Públicas. Educação Especial. Conselheira / Relatora: Anabela Grácio JUNHO 2014

Recomendação. Políticas Públicas. Educação Especial. Conselheira / Relatora: Anabela Grácio JUNHO 2014 Recomendação Políticas Públicas de Educação Especial Conselheira / Relatora: Anabela Grácio JUNHO 2014 Recomendação Políticas Públicas de Educação Especial 1 1 Incluindo a utilização do método de Classificação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS Educação Especial Manual de Procedimentos e Documentos Grupo de Educação Especial: Carla Ricardo Torres Isabel Barros Vilaça Lúcia Marques Silva Marta Isabel Rosas Setembro

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC)

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) Legislação de Referência: Despacho n.º 334/2012, de 11 de janeiro Portaria n.º 283/2011, de 24

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 Rede Social Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 2012 Índice Introdução... 3 1 - Eixo de Intervenção Famílias... 5 2 - Eixo de Intervenção Educação e Cidadania... 8 3- Eixo

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Observatório do Sistema Educativo da Região Autónoma da Madeira 2. EDITOR/PROPRIEDADE Secretaria Regional de Educação

FICHA TÉCNICA. Observatório do Sistema Educativo da Região Autónoma da Madeira 2. EDITOR/PROPRIEDADE Secretaria Regional de Educação FICHA TÉCNICA EDITOR/PROPRIEDADE Secretaria Regional de Educação TÍTULO Anuário 2014 AUTORIA Observatório do Sistema Educativo da RAM / Gabinete do Secretário EDIÇÃO Observatório do Sistema Educativo da

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

Jornadas de Educação Pelo Desporto 1

Jornadas de Educação Pelo Desporto 1 Jornadas de Educação Pelo Desporto 1 Jornadas de Educação Pelo Desporto As Jornadas de Educação Pelo Desporto alinham-se com os objetivos gerais do Diálogo Estruturado na área da juventude, uma vez que

Leia mais

Ministério d. Decreto-lei n.º

Ministério d. Decreto-lei n.º A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes, através de um investimento na formação contínua,

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Experiências Pré-Profissionais. Na Direção Regional de Educação. Conceito de Experiências Pré-Profissionais

Experiências Pré-Profissionais. Na Direção Regional de Educação. Conceito de Experiências Pré-Profissionais Na Direção Regional de Educação As equipas de educação especial da Direcção Regional de Educação (DRE) atendem uma população variada, com diferentes problemáticas que determinam a necessidade de diferenciar

Leia mais

LÍDERES DA CPLP ENCONTRO DE JOVENS. Este desafio é nosso! Iº ENCONTRO DE JOVENS LÍDERES COMUNIDADE DE PAÍSES DA CPLP NA DIÁSPORA PORTUGUESA

LÍDERES DA CPLP ENCONTRO DE JOVENS. Este desafio é nosso! Iº ENCONTRO DE JOVENS LÍDERES COMUNIDADE DE PAÍSES DA CPLP NA DIÁSPORA PORTUGUESA ENCONTRO DE JOVENS Iº ENCONTRO DE JOVENS LÍDERES COMUNIDADE DE PAÍSES DA CPLP NA DIÁSPORA PORTUGUESA Aveiro, 22 a 24 de Junho de UNIVERSIDADE DE AVEIRO Entidades Promotoras Parceiros Apoios O que é o Festival

Leia mais

Centro para a Qualificação e o Ensino Profissional do Agrupamento de Escolas N.º 2 de Beja. Enquadramento

Centro para a Qualificação e o Ensino Profissional do Agrupamento de Escolas N.º 2 de Beja. Enquadramento Centro para a Qualificação e o Ensino Profissional do Agrupamento de Escolas N.º 2 de Beja Legislação de referência: 1. Despacho n.º 13147/2014 de 29 de outubro 2. Despacho N.º 1709-A/2014 de 3 de fevereiro

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Natureza do trabalho Os docentes de educação especial exercem as suas funções junto de crianças e jovens do ensino pré-escolar, básico e secundário com necessidades educativas

Leia mais

Projeto Unidades de Ensino Estruturado

Projeto Unidades de Ensino Estruturado Projeto Unidades de Ensino Estruturado 1- Fundamentação/Contextualização/Justificação O agrupamento de escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira antigo agrupamento de Leça da Palmeira Santa Cruz do Bispo

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO Título do projeto: Pensar Global, Agir Global Oito objetivos de Desenvolvimento para o Milénio, Oito Caminhos para mudar o Mundo Localização detalhada da ação (país, província,

Leia mais

Secção I Educação Especial

Secção I Educação Especial Secção I Educação Especial Artigo 1.º Educação Especial e Apoios Educativos O conselho da Educação Especial e dos Apoios educativos é composto pelos professores dos grupos 910, 920 e 930 colocados em funções

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia 2011 Ano Europeu das Atividades de Voluntariado que Promovam uma Cidadania Ativa O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia Anti - Pobreza José Machado 22 Outubro 2011 Estrutura da Comunicação Pobreza

Leia mais

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial?

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Para efeitos de elegibilidade para a educação especial deve-se, antes de mais, ter presente o grupo - alvo ao qual esta se destina alunos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento

Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento Informações Gerais Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento 1. Educação pré escolar Objetivos da educação pré escolar Oferta educativa: *Componente letiva *Componente não letiva (CAF) Ocupação

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

SOBRE POLÍTICAS AUTÁRQUICAS DE JUVENTUDE

SOBRE POLÍTICAS AUTÁRQUICAS DE JUVENTUDE Rua do Almada, N.º 679 1º - Salas 101 / 2 /3 4050-039 Porto - Portugal T: 222 007 767 / F: 222 007 868 / T: 919 191 106 fnaj@mail.telepac.pt SOBRE POLÍTICAS AUTÁRQUICAS DE JUVENTUDE SOBRE POLÍTICAS AUTÁRQUICAS

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA CARTA EDUCATIVA DE ÉVORA 2017-2027 RESUMO PAINEL TEMÁTICO. Necessidades Educativas Especiais

CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA CARTA EDUCATIVA DE ÉVORA 2017-2027 RESUMO PAINEL TEMÁTICO. Necessidades Educativas Especiais CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA CARTA EDUCATIVA DE ÉVORA 2017-2027 RESUMO PAINEL TEMÁTICO Évora, junho 2015 1. Enquadramento geral A realização deste painel temático enquadra-se no processo de elaboração da

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA G.A.A.F. Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA G.A.A.F. Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA G.A.A.F. Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Ano Letivo 2013/14 G.A.A.F. O é um projeto de mediação escolar e social que funciona na Escola Secundária de S. Pedro

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E ÀS EMPRESAS, COM IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL DA REGIÃO DO ALGARVE Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 1 1 CONTEÚDOS

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - 2013 / 2014

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - 2013 / 2014 1 AÇÃO 1 - FACILITAR O PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NA CARREIRA 1. A) - 9º ano - Programa de prevenção na área de construção da carreira no âmbito do ensino básico - Planear e realizar ações de intervenção

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA REGULAMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS E FORMAÇÃO MODULAR Art.1º Disposições Gerais 1. No disposto nos parágrafos seguintes ressalvam-se as especificidades

Leia mais

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA 1 Preâmbulo Artigo 1.º - Objeto e âmbito Artigo 2.º Modelo de formação Artigo 3.º - Modelo de formação Artigo 4.º - Posicionamento nos percursos de educação

Leia mais

ERASMUS+ (KA1) - AÇÃO-CHAVE 1

ERASMUS+ (KA1) - AÇÃO-CHAVE 1 ERASMUS+ (KA1) - AÇÃO-CHAVE 1 mobilidade para a aprendizagem - uma ponte para o futuro - 1. o que é o Erasmus+? ação-chave 1 mobilidade individual para fins de aprendizagem ação-chave 2 cooperação para

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

Programa Rede de Bibliotecas Escolares Quadro estratégico 2014-2020

Programa Rede de Bibliotecas Escolares Quadro estratégico 2014-2020 Programa Rede de Bibliotecas Escolares Quadro estratégico 2014-2020 Programa Rede de Bibliotecas Escolares Quadro estratégico 2014-2020 Programa Rede de Bibliotecas Escolares. Quadro estratégico: 2014-2020

Leia mais

Visão. Missão. Valores. Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto

Visão. Missão. Valores. Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto Missão A Escola Profissional de Tecnologia tem como missão prestar serviços educativos de excelência aos seus alunos, qualificando-os para o exercício profissional e para o prosseguimento de estudos, no

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 REDE RURAL NACIONAL NOTA INTRODUTÓRIA O desenvolvimento das fichas de medida/ação está condicionado, nomeadamente,

Leia mais

E M A N Á L I S E. Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE

E M A N Á L I S E. Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE E M A N Á L I S E N º 2 6 a b r i l 2 0 1 5 - Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE O Programa Operacional Inclusão Social e Emprego POISE foi apresentado a 14 de novembro de 2014 e visa

Leia mais

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO Coimbra 2014-2015 1 Introdução 1. Competências gerais do estágio

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais