O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling"

Transcrição

1 Apresentamos a newsletter oficial do projeto T-Story - Storytelling Aplicado à Educação e Formação, um projeto financiado pela ação transversal Atividade-chave 3 Tecnologias de Informação e Comunicação, no âmbito do programa europeu de Aprendizagem ao Longo da Vida. O projeto T-STORY visa promover a utilização do Storytelling e do Storytelling Digital na educação e na formação a todos os níveis (formal, não formal e informal) e em toda a Europa, através do desenvolvimento de um curso digital para educadores, professores e formadores. O Storytelling O Storytelling é hoje um método educativo inovador. Através do uso do Storytelling, o professor/formador comunica com os alunos/formandos de forma interativa recorrendo a histórias, metáforas, novas palavras (com um vocabulário enriquecedor) e narrativas que envolvem os ouvintes e estimulam as suas emoções e a imaginação. O conceito, já popular nos EUA, é ainda novo no mercado educativo europeu. A sua aplicação começou há 30 anos nos EUA como uma reação à necessidade de revitalização da cultura spoken word - uma forma de arte literária para transmissão oral de histórias, atualmente pouco usual. Em países como os EUA, Espanha, França e Grã-Bretanha, o Storytelling é já um campo autónomo que engloba atividades artísticas e educativas. A massiva organização de festivais e workshops, impulsionam a emergência de grupos de storytellers. Sonhos, mitos e contos são muito ricos no que se refere a simbolismo e funcionam como temas modelo com um fim verdadeiramente educativo e terapêutico. Por estes motivos, o Storytelling pode ser usado em distintos projetos, dirigidos não só a crianças ou adolescentes como também a adultos. No fundo, o Storytelling não é novo. O ser humano conta histórias há milhares de anos na simples troca de conhecimentos, para manter e desenvolver tradições, para motivar e mexer com emoções. A novidade é a sua aplicabilidade atual. Porquê utilizar o Storytelling As histórias, enraizadas na nossa cultura, conseguem chegar junto das pessoas e uni-las A prática prova a capacidade do Storytelling em atrair mais pessoas em menos tempo A apresentação de informação através de histórias permite abranger diferentes contextos Quanto mais complexa é a informação, melhor resulta a sua assimilação através de uma história A interatividade de uma história permite aos ouvintes experienciar todo o processo e partilhá-lo com outros Projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável pela utilização que dela possa ser feita. 1

2 O Storytelling Digital Falamos agora de narrativa digital, combinando o formato tradicional de Storytelling e a multiplicidade de ferramentas multimédia (que incluem gráficos, animação e vídeo) atraindo alunos/formandos e educadores/formadores à criação de histórias. Os educadores/formadores podem utilizar este método de diferentes formas, começando por introduzir novos materiais que impulsionam e apoiam os alunos/formandos na pesquisa e consequente síntese de um grande volume de conteúdos, e acabando por adquirir experiência no uso de ferramentas de comunicação digital. O Storytelling Digital pode também apoiar os alunos/formandos na criação de uma história, apresentando as suas opiniões e conhecimentos de uma forma significativa e única. Os objetivos educativos do Storytelling digital para educadores/formadores centram-se nos seguintes resultados: Referência a diferentes estilos de aprendizagem através do uso de diversas ferramentas na apresentação de materiais formativos; Aumento do interesse, atenção, inspiração e motivação entre a geração digital atual; Perceção de novos talentos entre os alunos/formandos que exploram as suas próprias histórias, partilhandoas; Publicação dos projetos dos alunos/formandos na Internet, para visualização e avaliação de outros. Para os alunos/formandos, o Storytelling digital permite: Aprendizagem sobre como utilizar a Internet para pesquisa de conteúdos fiáveis; Desenvolvimento de competências de comunicação através do questionar, da expressão de opiniões, da preparação de relatórios e elaboração de artigos para audiências específicas; Aperfeiçoamento de competências técnicas referentes ao uso de software, combinando diversos meios como texto, imagens, áudio, vídeo e publicações na web. 2

3 O Projeto T-Story Objetivos Identificar gaps de competências nos domínios do Storytelling e das TIC junto dos educadores/formadores Identificar boas práticas de projetos de Storytelling aplicados à educação/formação Elaborar um manual de formação para apoiar os educadores/formadores que recorram ao Storytelling como metodologia de formação Promover a realização de 7 cursos-piloto de formação Promover ações de valorização para maximizar o impacto das atividades do projeto junto dos destinatários Grupos-alvo O projeto T-STORY é direcionado a todas as instituições que, formal ou informalmente, operem na área educativa, nomeadamente: Entidades de educação pré-escolar Escolas públicas/privadas de ensino básico e secundário Escolas profissionais Universidades Entidades de educação de adultos Organismos responsáveis por políticas de educação Autoridades de instituições de ensino Centros de formação e coaching Centros de negócios Departamentos de desenvolvimento de Recursos Humanos De forma a alcançar todos os intervenientes europeus destas áreas, serão igualmente contactadas redes nacionais e europeias cujos membros desenvolvem atividades na área da educação, nomeadamente: Comunidades de Storytelling Redes de professors / educadores / formadores Redes de escolas Redes de gestores de Recursos Humanos Resultados esperados Mapear e divulgar as necessidades encontradas nos domínios do Storytelling e das TIC Disponibilizar materiais de apoio para a criação e aperfeiçoamento de cursos inovadores através do Storytelling e de ferramentas digitais Criar um curso de formação em Storytelling em formato digital Contribuir para o desenvolvimento de competências chave transversais como o pensamento crítico, a criatividade e a inovação Adotar as TIC na educação para reforçar a aposta no desenvolvimento de competências digitais e na inclusão digital Responder às necessidades dos alunos/formandos, aumentando a sua motivação, a ligação às entidades de educação e formação e o investimento na aprendizagem ao longo da vida Divulgar a metodologia de Storytelling e promover o uso de novas aplicações em contexto profissional Produtos Manual de formação T-Story Storytelling aplicado à educação e formação, constituído por uma introdução teórica ao conceito de Storytelling, assim como informação e suporte técnico ao desenvolvimento dos conteúdos digitais Curso de formação digital para formação de Storytelling através de técnicas digitais de Storytelling 3

4 T-Story em Portugal O consórcio T-STORY apresentou, nos passados dias 28 e 29 de Janeiro, o artigo Storytelling applied to training na IV Conferência IIRH Investigação e Intervenção em Recursos Humanos que decorreu no Instituto Politécnico de Setúbal. O artigo apresentou as linhas gerais do projeto T-STORY, focando conceitos como Storytelling, abordagem pedagógica inovadora, formação e TIC. Para mais informação, por favor consulte a página web da conferência: T-STORY está presente na plataforma Weduc (http://weduc.com), a rede social que foi desenhada para a educação. A Weduc é uma nova plataforma inovadora que tem estado a ser adotada por várias escolas pelo País, pelas suas características interativas e funcionais que estimula a participação e envolvimento da família no processo educativo. Atualmente, a Weduc tem mais de usuários e aproximadamente 100 escolas em Portugal. O projeto T-STORY foi apresentado na revista Pessoal, no mês de Fevereiro de A revista Pessoal, com periodicidade mensal, é publicada pela APG Associação Portuguesa de Gestão das Pessoas e é constituída por entrevistas, reportagens e artigos de carácter técnico-científico, bem como por textos extraídos de outras revistas internacionais da área dos Recursos Humanos. O artigo encontra-se disponível na seguinte ligação: 4

5 Parceiros Caso pretenda partilhar outros conteúdos e projetos sobre Storytelling ou Storytelling digital, ou caso tenha alguma questão, contate-nos: Coordenador do projeto: Advancis Business Services Pode acompanhar o projeto T-STORY através da página da internet, Facebook ou LinkedIn, encontrando as mais recentes atividades do projeto bem como artigos e vídeos sobre Storytelling e Storytelling Digital. Recomendamos que efetue o registo na página de internet - para receber informação atualizada sobre as atividades do projeto, e aceder a artigos e materiais relevantes. ao Storytelling e ao Storytelling Digital (incluindo o manual de formação e o curso digital). Próximas ações Brevemente, a parceria T-STORY apresentará o relatório da investigação que procurou analisar as necessidades dos educadores / formadores relativamente a competências de storytelling e storytelling digital. Os questionários e os estudos de caso realizados nos sete países da parceria foram já recolhidos, procedendo-se agora à sua análise. O relatório de investigação será o ponto de partida para o desenvolvimento dos materiais de aprendizagem de Storytelling e Storytelling Digital, adaptados às expectativas e necessidades dos grupos-alvo. 5

Últimos eventos. T- Story NEWSLETTER. Segundo seminário nacional. Outubro 2014. Edition N. 1

Últimos eventos. T- Story NEWSLETTER. Segundo seminário nacional. Outubro 2014. Edition N. 1 T- Story NEWSLETTER Outubro 2014 4ª Edição June 2013 Edition N. 1 Apresentamos a newsletter oficial do projeto T-Story - Storytelling Aplicado à Educação e Formação, um projeto financiado pela ação transversal

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO DE T.I.C. 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno deve ser capaz de: - desenvolver capacidades na utilização das tecnologias de informação e comunicação que permitam uma literacia digital

Leia mais

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RAINHA SANTA ISABEL BIBLIOTECA ESCOLAR Projeto Desenvolver a autonomia dos alunos para gerar conhecimento Tabela de articulação das diferentes literacias 3º Ciclo PLANO I - Competências

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1 Agrupamento de Escolas da Madalena Projeto do Clube de Música Ano Lectivo 2012-2013 1 Projectos a desenvolver/participar: Projetos Dinamizado por: 1º Concurso de Flauta Prof. Teresa Santos - Participação

Leia mais

VERSÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA

VERSÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA VERSÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA INDICE Notas para Abrir 4 Sumário 7 O Projeto 7 A Construção de Cenários 12 A Roda não precisa ser Inventada 13 Convicções 13 A Inspiração não é Divina 14 O Conceito GREAT LX

Leia mais

"Metas de Aprendizagem

Metas de Aprendizagem "Metas de Aprendizagem TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Esmeralda Oliveira Contexto Contexto Perspectiva As TIC acrescentam valor Saberes duradouros enfoque transversal Assume-se que a integração

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Sessão de Esclarecimento. Curso de Webdesign

Sessão de Esclarecimento. Curso de Webdesign Sessão de Esclarecimento Curso de Webdesign Alguns factos: A industria de serviços de Webdesign representa um mercado de $24B apenas nos EUA. Todos os meses são publicados cerca de 16M novos websites.

Leia mais

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES FACEBOOK

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES FACEBOOK ONE TOONE CURSOS PARTICULARES FACEBOOK Plano do Curso. Curso One. Os Cursos desenvolvidos pela One To One, são reflexo da experiência profissional no âmbito da Formação, do Design e Comunicação, apresentando

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO AGOSTINHO DA SILVA

CENTRO DE FORMAÇÃO AGOSTINHO DA SILVA AÇÕES DE FORMAÇÃO PARA REQUISIÇÃO que podem ser consideradas como trabalho a nível de estabelecimento, conforme a alínea d), do nº 3, do Artº 82º do ECD (DL 41/2012). 1. Ações com acreditação pelo CCPFC

Leia mais

2013/4. Plano de melhoria da biblioteca escolar. Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil

2013/4. Plano de melhoria da biblioteca escolar. Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil 2013/4 Plano de melhoria da biblioteca escolar Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil Índice A. Currículo literacias e aprendizagem... 5 Problemas identificados... 5 Resultados esperados...

Leia mais

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma Apresentação A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma plena integração social e profissional; Crianças

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES FACEBOOK

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES FACEBOOK ONE TOONE CURSOS PARTICULARES FACEBOOK Plano do Curso. Curso One. Os Cursos desenvolvidos pela One To One, são reflexo da experiência profissional no âmbito da Formação, do Design e Comunicação, apresentando

Leia mais

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições Sementes para a Criatividade É uma acção de formação constituída por duas oficinas, uma de escrita criativa e outra de artes plásticas, em que se prevê: a criação de uma narrativa ilustrada que será submetida

Leia mais

Newsletter #2 Março 2015

Newsletter #2 Março 2015 Caros leitores, O projeto LEXSHA teve um Inverno intenso, concentrado em completar as tarefas do seu primeiro ano. A plataforma online desenvolvida para fazer face às necessidades das microempresas está

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 7.º ANO DE T.I.C. 7.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno deve ser capaz de: - desenvolver capacidades na utilização das tecnologias de informação e comunicação que permitam uma literacia digital

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Portal de conteúdos. Tecnologia a serviço da educação

Portal de conteúdos. Tecnologia a serviço da educação Portal de conteúdos Tecnologia a serviço da educação O trabalho do docente vai muito além do horário de aula. Estudantes possuem muitas atividades para pesquisar e não dispõem de fontes seguras. E se os

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARCO DE CANAVESES Nº 1 (150745) Actividades/Iniciativas Objectivos Intervenientes/ Público-alvo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARCO DE CANAVESES Nº 1 (150745) Actividades/Iniciativas Objectivos Intervenientes/ Público-alvo Escola E.B. 2,3 de Toutosa Ano letivo: 2013/2014 PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR D Gestão da BE Actividades diárias: ü Orientação do serviço das Assistentes Operacionais ü Orientação do trabalho

Leia mais

Fundamentação do Projeto

Fundamentação do Projeto Fundamentação do Projeto Todos os alunos que têm uma alta dedicação à leitura alcançam pontuações de aptidão para a leitura que, em média, estão significativamente acima da média dos países membros da

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que garantem

Leia mais

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem para o Ciclo 4 de pilotagens, a iniciar em fevereiro de 2013. Instruções Histórias de Aprendizagem do Ciclo 4 Contar

Leia mais

ORadioActive é um projeto educativo que

ORadioActive é um projeto educativo que 80 anos da Rádio Projeto RadioActive Aprender a fazer rádio aprender para a vida Ensinar crianças e jovens em contextos desfavorecidos a produzir rádio é um dos objectivos do RadioActive, um projeto que

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Há escolhas no bairro-e5g Programa Escolhas Promotor: Mediar - Associação Nacional de Mediação Sócio-Cultural 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto

Leia mais

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular,

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015

Disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 A informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias. (I7.1) Utilização do computador e/ou dispositivos eletrónicos similares em segurança. (I7.2) 1. Compreender a evolução das tecnologias de informação

Leia mais

Plano Tecnológico da Educação objectivo estratégico e metas

Plano Tecnológico da Educação objectivo estratégico e metas Plano Tecnológico da Educação objectivo estratégico e metas Objectivo estratégico Colocar Portugal entre os cinco países europeus mais avançados na modernização tecnológica do ensino em 2010 Metas EU 2006

Leia mais

Retratos: Guia para @s professor@s

Retratos: Guia para @s professor@s Retratos: Guia para @s professor@s Lista de guias Nivel: 8 a 10 anos Paisagens Duraçao: de 5 a 7 sessões Áreas: Estudo do meio, Língua portuguesa (1º ciclo). Línguas e estudos sociais (2ºciclo). Descriçao:

Leia mais

Adaptação da apresentação de apoio à formação BE (RBE/PTE) Junho 2010 http://www.slideboom.com/presentations/181624/fformbe_literacia_curriculo

Adaptação da apresentação de apoio à formação BE (RBE/PTE) Junho 2010 http://www.slideboom.com/presentations/181624/fformbe_literacia_curriculo Adaptação da apresentação de apoio à formação BE (RBE/PTE) Junho 2010 http://www.slideboom.com/presentations/181624/fformbe_literacia_curriculo À medida que cada vez mais recursos estão presentes na web,

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

Marketing Digital. Carla Machado. Francesco Berrettini. Responsável das Formações Marketing Digital

Marketing Digital. Carla Machado. Francesco Berrettini. Responsável das Formações Marketing Digital Marketing Digital Francesco Berrettini Responsável das Formações Marketing Digital Carla Machado Coordenadora Pedagógica das Formações Marketing Digital Marketing Digital Digital Marketing - Professional

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

We Send.You Sell. Solução de envio de newsletters. (A You Sell Iniciative)

We Send.You Sell. Solução de envio de newsletters. (A You Sell Iniciative) Largo da Codiceira 74, 1º Tr. We Send.You Sell. Solução de envio de newsletters (A You Sell Iniciative) // VALORVISUAL_SOLUÇÕES GLOBAIS DE COMUNICAÇÃO WE SEND. YOU SELL. Solução de envio de newsletters

Leia mais

Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7º ANO. Ano Letivo 2014 / 2015. Professora: Florbela Ribeiro

Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7º ANO. Ano Letivo 2014 / 2015. Professora: Florbela Ribeiro Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7º ANO Ano Letivo 2014 / 2015 Professora: Florbela Ribeiro Planificação Anual Domínio: Informação Objetivos Subdomínio/Descritores Estratégias

Leia mais

O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt

O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt EPALE ELECTRONIC PLATFORM FOR ADULT LEARNING IN EUROPE fevereiro e março de 2015 O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt Qual a

Leia mais

Boletim PTE. Nota Editorial. Formação PTE. Todo o software mencionado neste boletim é de utilização

Boletim PTE. Nota Editorial. Formação PTE. Todo o software mencionado neste boletim é de utilização A G R U P A M E N T O V E R T I C A L D E E S C O L A S E L I A S G A R C I A - S O B R E D A Boletim PTE Número 1 Dezembro de 2009 Nesta edição: Nota Editorial Software educativo 2 Software de interesse

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8B/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada

Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada portefólio Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada Destinado a professores Aqui encontrará um conjunto de sugestões de trabalho para a utilização da metodologia dos portefólios no apoio ao desenvolvimento

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação 7.º Ano

Tecnologias da Informação e Comunicação 7.º Ano ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DA RAÍNHA SANTA ISABEL, ESTREMOZ Tecnologias da Informação e Comunicação 7.º Ano Planificação Anual Ano letivo 2015/2016 Professora: Maria dos Anjos Pataca Rosado Domínio: Informação

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO. Domínio de Formação. Área de Formação. Modalidade de Formação. Duração: (Número total de horas) 36

ACÇÃO DE FORMAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO. Domínio de Formação. Área de Formação. Modalidade de Formação. Duração: (Número total de horas) 36 Plano de Formação 2009 ACÇÃO DE FORMAÇÃO Competências em TIC : Curso A nível 1 CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO Área de Formação Domínio de Formação Tecnologias de Informática e Comunicação Utilização e/ou Manutenção

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais

3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais 3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais 29 de setembro de 2014 Auditório da BMAG Apoio Patrocinadores Globais APDSI Internet, Negócio e Redes Sociais

Leia mais

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 8º ANO... 1º Período Domínio COMUNICAÇÃO E COLABORAÇÃO CC8 Conhecimento e utilização adequada

Leia mais

EMPRESAS. FORMAÇÃO 16h para PME S das áreas criativas

EMPRESAS. FORMAÇÃO 16h para PME S das áreas criativas EMPRESAS FORMAÇÃO 16h para PME S das áreas criativas ENQUADRAMENTO 1.1. DESIGNAÇÃO DA AÇÃO Adobe MUSE CC 2014 páginação WEB para esktop e dispositivos móveis. 1.2. PÚBLICO-ALVO - PME s das áreas criativas

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2014-2015 BIBLIOTECAS ESCOLARES

PLANO DE ATIVIDADES 2014-2015 BIBLIOTECAS ESCOLARES 20142015 BIBLIOTECAS ESCOLARES 20142015 Domínio A Currículo, literacias e aprendizagem Intervenientes Público alvo Datas previstas Orçamento Desenvolver atividades curriculares com os docentes de Português

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 7º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 7º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 7º Ano Ano letivo 2014-201 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

BRIP. Índice. I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05

BRIP. Índice. I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05 BRIP Índice I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05 1 Aulas interativas 05 2 E-manuais 09 Temas 09 Pesquisa global de Recursos Educativos Digitais 11.1 Pesquisa

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

Itinerários da Literacia e Inclusão Digital

Itinerários da Literacia e Inclusão Digital CFCUL, 3-4 dez. Itinerários da Literacia e Inclusão Digital Luísa Aires Universidade Aberta/CEMRI O contexto de partida A rede de Centros Locais da Aprendizagem da Universidade Aberta. Núcleos vocacionados

Leia mais

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades João Batista Bottentuit Junior Universidade Federal do Maranhão UFMA jbbj@terra.com.br 29 de Outubro de 2013 Contexto

Leia mais

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno*

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno* Website disponível em: http://formar.tecminho.uminho.pt/moodle/course/view.php?id=69 Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt Palavra-chave: *aluno* Associação Universidade Empresa para o Desenvolvimento Web

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 7º ano. Domínio : I7 Informação. Aulas Previstas Semestre 32

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 7º ano. Domínio : I7 Informação. Aulas Previstas Semestre 32 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 7º ano Domínio : I7 Informação Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: A informação, o conhecimento e o mundo das

Leia mais

Jornadas da Educação, 2015

Jornadas da Educação, 2015 República de Moçambique Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano Instituto Nacional do Desenvolvimento da Educação Jornadas da Educação, 2015 A nossa escola por uma educação inclusiva, humanista

Leia mais

INDUSCRIA. PLATAFORMA PARA AS INDÚSTRIAS CRIATIVAS Um Contributo para as Novas Geografias Cosmopolitas

INDUSCRIA. PLATAFORMA PARA AS INDÚSTRIAS CRIATIVAS Um Contributo para as Novas Geografias Cosmopolitas OS CONSULTORES Instituicões & Empresas Associadas: GAB. COORDENADOR da ESTRATÉGIA DE LISBOA e do PLANO TECNOLÓGICO CEDRU_Centro de Estudos e Desenvolv. Regional e Urbano McKINSEY & Company PLMJ ASSOCIADOS_Sociedade

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

Breve Historial do Portal CienciaPT

Breve Historial do Portal CienciaPT Breve Historial do Portal CienciaPT O Portal CienciaPT, lançado oficialmente em Novembro de 2003, durante a semana da Ciência & Tecnologia da U. de Aveiro, está presente em mais de 50 Universidades e Institutos

Leia mais

indispensáveis para professores Ferramentas

indispensáveis para professores Ferramentas Ferramentas indispensáveis para professores O Microsoft Office oferece aos professores múltiplas formas de tornarem o seu trabalho mais produtivo e colaborativo, através da utilização de versáteis aplicações

Leia mais

Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º ANO. Ano Letivo 2014/2015. Professora: Florbela Ribeiro

Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º ANO. Ano Letivo 2014/2015. Professora: Florbela Ribeiro Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º ANO Ano Letivo 2014/2015 Professora: Florbela Ribeiro Planificação Anual Domínio: Informação Objetivos Subdomínio/Descritores Estratégias Recursos

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8A/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

inserralves INDÚSTRIAS CRIATIVAS Programa do Concurso para Selecção de Ideias e Projectos

inserralves INDÚSTRIAS CRIATIVAS Programa do Concurso para Selecção de Ideias e Projectos inserralves INDÚSTRIAS CRIATIVAS Programa do Concurso para Selecção de Ideias e Projectos ÍNDICE 1. Enquadramento e Objectivos 2. Definição 3. Atribuições da Fundação de Serralves 4. Destinatários 5. Candidaturas

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Nome Sílvia Maria Gonçalves Tavares Morada Rua do Outeiro, nº250 Ameal 3750-303 Águeda Telemóvel +351 91 200 60 70 +351 96 299 36 29 Correio electrónico Nacionalidade

Leia mais

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO Título do projeto: Pensar Global, Agir Global Oito objetivos de Desenvolvimento para o Milénio, Oito Caminhos para mudar o Mundo Localização detalhada da ação (país, província,

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016

PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016 PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016 MENSAGEM INICIAL Assimilar um saber, um conteúdo, uma praxis em Terapia da Fala é uma condição sine quo non para que haja uma base científica. Contudo, esta base de

Leia mais

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos Plano Tecnológico da Educação Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos 23 de Jun de 2008 O Plano Tecnológico da Educação constitui-se como um poderoso meio

Leia mais

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2015/2016 AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular,

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL - AUDIOVISUAIS E PRODUÇÃO DOS

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

3.ª Conferência Regional Açores 10.Fevereiro.2012 Microsoft Corporation

3.ª Conferência Regional Açores 10.Fevereiro.2012 Microsoft Corporation 3.ª Conferência Regional Açores 10.Fevereiro.2012 Microsoft Corporation Local: Escola Secundária de Lagoa Tema: Como continuar a Inovar em Educação? Agenda 9h00 09h30 09h45 11h00 11h30 12h15 13h00 14h00

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2014-2015. Bibliotecas escolares do Agrupamento de escolas Mosteiro e Cávado

PLANO DE ATIVIDADES 2014-2015. Bibliotecas escolares do Agrupamento de escolas Mosteiro e Cávado 20142015 Bibliotecas escolares do Agrupamento de escolas Mosteiro e Cávado 20142015 Domínio A Currículo, literacias e aprendizagem Intervenientes Público alvo Datas Desenvolver atividades curriculares

Leia mais

Estrutura e calendarização dos Workshops Formador Inovador

Estrutura e calendarização dos Workshops Formador Inovador Estrutura e calendarização dos Workshops 1 Parceiros do CESSIT: SPI Ana Solange Leal E-mail: analeal@spi.pt URL: http://www.spi.pt RPIC-ViP, s.r.o. Eva Homolová E-mail: homolova@rpic-vip.cz URL: http://www.rpic-vip.cz

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projetos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projetos em que estão envolvidos, interagindo na otimização dos

Leia mais

Instrumentos de Avaliação

Instrumentos de Avaliação Instrumentos de Avaliação 7 Questionário de expectativas Atendendo à integração do Curso "Formação de eformadores" no Projecto etrainers, que tem como objectivo a testagem de metodologias e ambientes inovadores

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES 2 ÍNDICE CARATERIZAÇÃO DO CENTRO DE REURSOS PARA A INCLUSÃO.. 3 FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE RECUSOS PARA A INCLUSÃO 3 CARATERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO

Leia mais

Empreendedorismo e Comunicação 360º. ANJE - Associação Nacional de Jovens Empresários Empreender 360º 23.5.2014

Empreendedorismo e Comunicação 360º. ANJE - Associação Nacional de Jovens Empresários Empreender 360º 23.5.2014 Empreendedorismo 360º ANJE - Associação Nacional de Jovens Empresários Empreender 360º 23.5.2014 TÉCNICAS APP SITE IMPRENSA REDES SOCIAIS EVENTOS NEWSLETTER SMS Plano d INSTRUMENTOS Revistas e brochuras

Leia mais

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO Acolhimento - Acções que visam proporcionar ao colaborador um conjunto de referências e conhecimentos, relacionados com o ambiente organizacional e a função, tendo como objectivo

Leia mais

Clube Web 2.0. Biblioteca Escolar. PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

Clube Web 2.0. Biblioteca Escolar. PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. ANTÓNIO GRANJO Biblioteca Escolar Clube Web 2.0 PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros Ano letivo 2012-2013 Introdução Hoje é tido

Leia mais

METAS CURRICULARES. TIC 7.º e 8.º anos

METAS CURRICULARES. TIC 7.º e 8.º anos METAS CURRICULARES TIC 7.º e 8.º anos Versão para discussão pública Junho 2012 Autores Maria João Horta Fernando Mendonça Rui Nascimento Consultores Maria João Gomes, Universidade do Minho João Correia

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação

Tecnologias da Informação e Comunicação SUBDOMÍNIO CC8.1. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS SITUAÇÕES DE COMUNICAÇÃO E AS REGRAS DE CONDUTA E DE FUNCIONAMENTO DE

Leia mais

Plano de Formação de Colaboradores 2014

Plano de Formação de Colaboradores 2014 2014 Plano de Formação de Colaboradores 2014 Avaliação Nível I/II Avaliação da Satisfação e Aprendizagem A avaliação do valor acrescentado pela formação ao desempenho dos colaboradores é cada vez mais

Leia mais

ANÁLISE DA FERRAMENTA WEB 2.0

ANÁLISE DA FERRAMENTA WEB 2.0 Nome: CALAMÉO Endereço: http://www.go2web20.net/site/?a=calameo Criar publicações Web interactivas. É uma ferramenta atractiva, na medida em que dispõe de imagens informativas, tornando a sua exploração

Leia mais