Cartografia de risco. Instrumento de apoio à decisão. Janeiro de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cartografia de risco. Instrumento de apoio à decisão. Janeiro de 2013"

Transcrição

1 PUBLICAÇÃO MENSAL DA AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL / N.º58 / JANEIRO 2013 / ISSN Cartografia de risco Instrumento de apoio à decisão 58 Janeiro de 2013 Distribuição gratuita Para receber o boletim PROCIV em formato digital inscreva-se em: Esta revista é redigida ao abrigo do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

2 EDITORIAL O ano em revista. O país teve que enfrentar, ao longo do ano que agora terminou, um conjunto de adversidades que colocaram em teste as capacidades técnicas e operacionais dos agentes de proteção civil e da própria ANPC. O grande incêndio de Tavira foi certamente o maior desafio operacional ocorrido em 2012, caracterizando-se como uma das maiores e mais complexas operações de socorro de que há memória em Portugal, porquanto obrigou à mobilização e coordenação de milhares de elementos, entre bombeiros voluntários e profissionais, militares e outros operacionais, e dezenas de meios terrestres e aéreos. Mas outros eventos, coincidentemente também a sul, embora de menores dimensões, colocaram enormes desafios ao dispositivo operacional, casos do tornado que fustigou os concelhos de Lagoa e Silves e do incêndio no Retail Park de Portimão. E na Madeira, não há como esquecer os incêndios florestais que colocaram em perigo habitações e população, e que levaram ao envio, por parte do Governo da República, após solicitação das autoridades regionais, de uma missão de apoio composta por militares da GNR e Bombeiros. Já nos domínios da prevenção e preparação, algumas ações merecem o devido destaque: a revisão do Plano Nacional de Emergência, instrumento fundamental de suporte às operações de proteção civil em caso de ocorrência de um acidente grave ou catástrofe em Portugal Continental, cuja consulta pública decorreu nos meses de verão; o início da colaboração protocolada entre a ANPC, as autarquias e as Associações Humanitárias de Bombeiros, no âmbito da Segurança Contra Incêndio em Edifícios; a finalização da elaboração (pelas Câmaras Municipais) e aprovação (pela Comissão Nacional de Protecção Civil), dos Planos de Emergência Externos de todas as indústrias SEVESO existentes no país; a parceria estabelecida com a Direcção-Geral do Livro, Arquivos e Bibliotecas, através da qual foram promovidas dezenas de ações de informação envolvendo várias centenas de alunos e professores; o exercício que testou a ativação de um Comando Nacional de Operações de Socorro alternativo; entre muitas outras iniciativas que poderiam aqui ser enunciadas. Destaco, por fim, a revisão do Regime Jurídico dos Bombeiros e dos Corpos de Bombeiros, cujos diplomas legais foram recentemente publicados. Pese embora todo esse esforço, há trabalho por fazer. Ao longo de 2013 importa desenvolver e operacionalizar algumas medidas inadiáveis, ajustadas às circunstâncias atuais do país e com particular atenção às necessidades de evolução do setor e de todos os seus integrantes. Manuel Mateus Couto Presidente da ANPC Projecto co-financiado por: PUBLICAÇÃO MENSAL Edição e propriedade Autoridade Nacional de Protecção Civil Diretor Manuel Mateus Couto Redação e paginação Núcleo de Sensibilização, Comunicação e Protocolo Fotos: Arquivo da Autoridade Nacional de Protecção Civil, exceto quando assinalado Impressão Textype Tiragem 2000 exemplares ISSN Os artigos assinados traduzem a opinião dos seus autores. Os artigos publicados poderão ser transcritos com identificação da fonte. Autoridade Nacional de Protecção Civil Pessoa Coletiva nº Av. do Forte em Carnaxide / Carnaxide Telefone: Fax: P.2. PROCIV

3 BREVES Presença reduzida de mulheres em missões internacionais é manifestação de desiquilíbrios de género Força Especial de Bombeiros "Canarinhos" equipada com novo veículo operacional A Direção-Geral de Administração Interna, em articulação com as Forças de Segurança e Serviços afetos ao Ministério da Administração Interna, em colaboração com a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, realizou, no dia 18 de dezembro, o seminário dedicado ao tema A Participação das Mulheres das Forças de Segurança do Ministério da Administração Interna em Missões Internacionais. O encontro, que teve lugar no Auditório do Edifício Novo da Assembleia da República, contou com a presença do Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Administração Interna, Juvenal Silva Peneda, e da Secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade, Teresa Morais. Na sua intervenção, esta governante, que tutela a área da igualdade de género, explicou que o "reduzido número de mulheres a participar em missões internacionais se deve ao facto de haver poucas mulheres nas forças armadas e nas forças de segurança em Portugal como no resto do mundo e que apesar de todo o tipo de proclamações e programas visando promover uma maior participação das mulheres, a sua representação nessas forças é residual, panorama que se agrava substancialmente se atendermos ao número de mulheres em postos de chefia". ANPC acolheu encontro de avaliação e encerramento de projeto internacional Decorreu no dia 14 de dezembro, na sede na ANPC, o encontro de avaliação e encerramento do Projeto EU-ACR5, uma iniciativa com um caráter eminentemente prático que visou garantir aos Estados participantes Bélgica, Espanha, França, Portugal e Grécia uma capacidade adicional de resposta a situações de emergência, baseada na partilha e mobilização rápida de módulos internacionais de proteção civil. O projeto, que teve início em 2010, permitiu acionar por diversas ocasiões, um apoio célere a Portugal, designadamente em operações de combate a grandes incêndios florestais. Comandante do Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros de Angola visitou a ANPC A Força Especial de Bombeiros Canarinhos da ANPC conta, desde o passado mês de dezembro, com um novo veículo operacional. Denominado VETA (veículo com equipamento técnico de apoio), possui um peso bruto de 5300 quilos, com tração 4x4 e 6 lugares para ocupantes. Foi concebido para permitir uma configuração modular, possibilitando desse modo que o seu equipamento se adapte a necessidades de caracter operacional diferenciadas, em conformidade com o tipo de missões a executar. A viatura foi entregue ao grupo territorial da Guarda, e neste momento está equipada com o material necessário para intervir no âmbito do resgate em montanha, possuindo também a valência de salvamento e desencarceramento em locais de difícil acesso, assim como, algum equipamento no âmbito da desobstrução de vias e criação de acessibilidades. Pretende-se que este veículo seja configurado, no início do próximo verão, com o equipamento necessário para apoio a operações de ataque ampliado no âmbito do combate a incêndios florestais. Apresentação da brochura " O Corpo Nacional de Escutas e a Proteção Civil" A sede da ANPC acolheu, no passado dia 18 de dezembro, a apresentação da brochura "O Corpo Nacional de Escutas e a Proteção Civil". Presidiu à sessão o seu presidente, major-general Manuel Couto, que falou da importância do voluntariado nas ações da Proteção Civil. Por seu turno, Carlos Alberto Pereira, chefe nacional do CNE, reforçou no seu discurso a importância deste trabalho conjunto afirmando que é uma parceria feita de comunhão de esforços e que os ensinamentos da ANPC são preciosos para o CNE. Esta brochura, elaborada durante o Ano Europeu do Voluntariado, visa dar a conhecer o papel e organização da proteção civil em Portugal e o contexto e que o CNE nela se integra. A ANPC, tendo colaborado na revisão dos conteúdos, Através do Gabinete de Voluntariado de Protecção Civil, promoveu a sua apresentação pública, destacando e reforçando a dimensão colaborativa, quer em ações de sensibilização, quer no planeamento de emergência, quer na resposta a situações concretas, com organizações de voluntariado que dedicam parte da ação em áreas de interesse para a proteção civil, tendo por princípio a importância da aprendizagem coletiva e convergência em função de objetivos comuns. A ANPC recebeu no dia 3 de dezembro a visita do Comandante do Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros de Angola, António Vicente Jimbe. A vinda deste responsável visou dar a conhecer a organização e funcionamento do sistema de proteção civil português e respetivo Dispositivo Integrado de Operações de Protecção e Socorro. O evento encerrou com uma exposição demonstrativa dos meios e valências da Força Especial de Bombeiros Canarinhos e do Centro Tático de Comando (CETAC). A ANPC tem colaborado ativamente no desenvolvimento das capacidades operacionais e técnicas do serviço congénere angolano, nomeadamente através de missões anuais de formação e aconselhamento técnico e operacional.... PROCIV. P.3

4 TEMA Instrumentos de apoio à decisão Cartografia de Risco Um dos objetivos fundamentais da Proteção Civil é a prevenção dos riscos coletivos e a ocorrência de acidente grave ou de catástrofe deles resultantes. Para a prossecução deste desígnio, a ANPC, através da Direcção Nacional de Planeamento de Emergência, tem vindo a desenvolver um conjunto fundamental de ferramentas de apoio à decisão operacional. P.4. PROCIV... território de Portugal Continental está exposto a um O conjunto de riscos inundações rápidas, ondas de calor, vagas de frio, rutura de barragens, seca, entre outros que resultam muitas vezes em situações de grande complexidade. A identificação e a caracterização desses riscos e a localização das áreas expostas a eventos extremos, sobretudo onde se podem manifestar com gravidade elevada, permite definir as melhores estratégias de resposta a catástrofes ou acidentes graves, testar a eficácia dos meios e recursos existentes, perceber os constrangimentos físicos e funcionais à mobilidade e encontrar alternativas de gestão integrada. Para aquele fim, a cartografia de risco, efetuada através da avaliação do histórico de ocorrências / fenómenos e respetivas consequências, e com base na aplicação de metodologias de análise, assume-se como instrumento de apoio essencial, porquanto permite a análise e avaliação de perigos e riscos, de forma permanente e atempada, e a subsequente difusão de alertas específicos e avisos à população que promovem a adoção de comportamentos de prevenção adequados. As cartas de risco produzidas pela ANPC possibilitam identificar e localizar convenientemente os perigos que afetam o território, permitindo proceder ao enquadramento das dinâmicas naturais e tecnológicas com tradução territorial e que hoje podem ser integradas em múltiplos conjuntos de dados espaciais nos Sistemas de Informação Geográfica (SIG). Num contexto de apoio à decisão, têm vindo a ser desenvolvidas e aplicadas metodologias preditivas que permitem estimar diariamente o número de ocorrências incêndios florestais e inundações ao nível do continente, com uma antecedência que pode ir, atualmente, até às 72 horas. A estimativa do número de ocorrências tem como base o histórico entre eventos meteorológicos que as potenciam e ocorrências relacionadas, dando origem a uma regressão

5 TEMA estabelecida entre as mesmas, facto que tem permitido fornecer antecipadamente, ao Comando Nacional de Operações de Socorro (CNOS), o número de ocorrências previstas para Portugal Continental nas próximas 24 a 72 horas. A análise comparativa do histórico dos eventos meteorológicos com os registos dos efeitos da mesma poderá ser valioso para se estabelecerem relações futuras de causaefeito, ou seja, se for possível encontrar uma correlação credível entre os eventos meteorológicos observados face às ocorrências registadas num software de gestão de ocorrências, o analista, possuindo valores previstos da variável meteorológica respetiva, poderá estimar um número provável de ocorrências e daí, recorrendo mais uma vez ao histórico, estabelecer patamares indicativos para os níveis de Alerta Especial definidos no Sistema Integrado de Operações de Proteção e Socorro. Ainda no campo do apoio à decisão foram desenvolvidas duas aplicações para avaliação e gestão de cheias com o objetivo geral de melhorar a eficiência e a eficácia da análise do risco hidrológico nas bacias hidrográficas do Tejo e Douro. A sua conceção permitiu a integração de um conjunto de funcionalidades e informações, que anteriormente se encontravam dispersas, nomeadamente de cariz meteorológico e hidrológico cujas fontes são o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Energias de Portugal. A estas, há a acrescentar a integração dos conteúdos dos diversos Planos Especiais de Emergência para Risco de Cheia, criados para as bacias do Tejo e Douro. Este tipo de software permite, assim, em traços gerais, facilitar o acesso a informação de base, tal como o conteúdo dos Planos por exemplo, caudais, níveis de alerta e efeitos das cheias melhorar a qualidade das análises efetuadas à evolução espacial e temporal dos parâmetros hidrológicos indicadores de risco por exemplo, caudais e alturas de água bem como antecipar, dentro do que é tecnicamente exequível, cenários decorrentes dos efeitos resultantes de situações hidrológicas extremas. O desenvolvimento deste tipo de ferramentas de apoio à decisão pretende contribuir para a garantia de uma resposta operacional adequada e articulada, em conformidade com os graus de gravidade e probabilidade na qual se encontra suportada, designadamente, num acompanhamento, avaliação e análise permanente do perigo e da situação ou a sua previsibilidade. Luis Sá, Engenheiro do Ambiente Técnico Superior do Núcleo de Riscos e Alerta da ANPC Paulo Sacadura, Engenheiro do Ambiente Coordenador do Gabinete de Recenseamento Nacional dos Bombeiros Portugueses 1 1. Incêndio Florestal, Foto: Pedro Santos 2 2. Cheias em Vila Nova da Barquinha, PROCIV. P.5

6 DIVULGAÇÃO Formação Curso de Emergências Radiológicas Reforça cooperação entre entidades A ANPC realizou, nos dias 4 a 6 de dezembro, a 1.ª edição do curso de emergências radiológicas. Com o objetivo de melhorar a articulação entre entidades e forças empenhadas em situações de emergência radiológica, a ação contou com cerca de 50 participantes provenientes de 19 entidades com responsabilidades nesta área de atuação. R. Santos Ana Livramento 1 1. Elementos do Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro da GNR e do INEM. 2. Elementos da Equipa de Descontaminação NRBQ da Força Aérea. P.6. PROCIV Baseada no conteúdo do Manual de Intervenção em Emergências Radiológicas (ANPC, 2009) e na componente radiológica da Diretiva Operacional Nacional n.º 3 (ANPC, 2010) do dispositivo para eventos Nucleares, Radiológicos, Biológicos e Químicos (NRBQ ), esta ação formativa teve origem na 7ª sessão plenária da Comissão Nacional para Emergências Radiológicas, órgão presidido pela ANPC, durante a qual foram apresentados os seus objetivos e respetiva planificação. Organizado pelo Núcleo de Riscos e Alerta com a colaboração do Comando Nacional de Operações de Socorro desta Autoridade Nacional, o curso incluiu uma componente letiva, realizada em sala ao longo de 2 dias, e orientada por formadores da ANPC, Agência Portuguesa do Ambiente, Direção-Geral da Saúde, Exército, Força Aérea, GNR, INEM e Polícia Judiciária, e uma componente prática conduzida no 3º e último dia, através de um exercício e demonstração de atuação de meios que teve lugar na Base Aérea n.º 6 da Força Aérea Portuguesa, no Montijo.e que contou com a participação da APA, Bombeiros Voluntários de Alcochete, Moita e Montijo, Direcção-Geral de Saúde, Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro e dispositivo territorial da GNR, INEM, Forças Armadas (Exército, Força Aérea e Marinha), e da ANPC, que coordenou. Foi opinião geral dos participantes que o curso teve grande utilidade, uma vez que constituiu uma oportunidade para se clarificarem conceitos técnicos, permitindo também a aquisição de uma perceção real dos 2 meios existentes e da sua possível aplicabilidade....

7 DIVULGAÇÃO TEMA 3. Formador da Direcção-Geral da Saúde Sessão de abertura, com a presença do Presidente da ANPC Materiais utilizados na formação Panorama geral da sala Linha de descontaminação Elemento do Comando Nacional de Operações de Socorro da ANPC. 9. Elementos dos Corpos de Bombeiros de Alcochete, Moita e Montijo. Paulo Santos 10. Companhia de Defesa NBQ do Exército PROCIV. P.7

8 AGENDA Janeiro de 2013, Lisboa INÍCIO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EMERGÊNCIA E TRAUMA Tem início, no Hospital da Força Aérea, no Paço do Lumiar, em Lisboa, a 14ª edição deste curso de estudos pós-graduado, promovido pela Escola Superior de Saúde do Vale do Ave. O curso propõe uma atualização de conhecimentos neste domínio, tendo em vista ações de planeamento, exec ução, ava l iação e gest ão de c u id ados em unidades de saúde. Mais informações em 5 de janeiro de 2013, Porto FORMAÇÃO ESSENCIAL EM PROTEÇÃO CIVIL Este curso, promovido pela Universidade Lusófona do Porto, tem como objet ivo abord a r as questões fundamentais relativas ao Sistema Nacional de Proteção Civil e ao planeamento e gestão da emergência. Mais informações em 10 de janeiro, Lisboa SEMINÁRIO SOBRE REGULAMEN- TAÇÃO DO REFORÇO SÍSMICO DE E DI F ÍC IOS O Instituto Superior Técnico realizanas, suas instalações em Lisboa, o seminário A resistência sísmica na nova legislação sobre reabilitação urbana. O encontro irá abordar temas como o enquadramento político e técnico desta área, regulamentação legal, consequências de futuros sismos, com e sem reforço dos edifícios, reforço estrutural de edifícios, perspetiva da indústria, entre outros a 22 de janeiro 2013, Bruxelas REUNIÃO DO GRUPO DE TRABA- LHO PROCIV Tem lugar nesta data, no âmbito da presidência irlandesa do Conselho da União Europeia, a reunião periódica do grupo de trabalho PROCIV. As prioridades do programa da presidência Irlandesa inserem-se num programa tripartido entre as presidências Irlandesa, Lituana e Grega. 21 de janeiro de 2013, Lisboa FORMAÇÃO DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS / INTERVENÇÃO EM EMERGÊNCIA Estão abertas as inscrições para a form ação de volu nt á r ios i nter n acion a i s na da emergência. O curso de formação visa preparar os voluntários i nter n acion a i s que i nteg re m m i ssões de emergência da AMI, aumentando os seus conhecimentos sobre a ação humanitária; gestão de ciclo de projetos de emergência e respetivos f i n a nciame ntos; questões log í st icas e out ros desa f ios. M a i s i n for m ações em 31 de Janeiro, Lisboa 39.º REUNIÃO ORDINÁRIA DA CNREN Reunião da Comissão Nacional da Reserva Ecológica Nacional (CNREN). A ANPC participa em representação do Ministério da Administração I nter n a Assine a Revista PROCIV em

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL programa Ao evocar os 260 anos do Terramoto de 1755, a Câmara Municipal de Lisboa, através do Programa que agora se apresenta, pretende levar a cabo um conjunto de atividades e manifestações alusivas à

Leia mais

Plano de Emergência Externo de Ílhavo

Plano de Emergência Externo de Ílhavo Plano de Emergência Externo de Ílhavo 2012 Conteúdo Parte I Enquadramento Geral do Plano... 12 1. Introdução... 12 2. Âmbito de aplicação... 14 3. Objetivos gerais... 15 4. Enquadramento legal... 16 5.

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Página 1 de 1 Oferta formativa 1. Escola Nacional de Bombeiros O Regulamento dos Cursos de Formação do Bombeiro, é o normativo legal que regulamenta os cursos de formação dos elementos do Quadro de Comando

Leia mais

PLANO MUNICIPAL PROTEÇÃO CIVIL DE EMERGÊNCIA DE CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA

PLANO MUNICIPAL PROTEÇÃO CIVIL DE EMERGÊNCIA DE CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA Página 2 de 217 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 7 1.1 INTRODUÇÃO... 8 1.2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 8 1.3 OBJETIVOS

Leia mais

Plano Geral Municipal de Emergência de Proteção Civil 2012

Plano Geral Municipal de Emergência de Proteção Civil 2012 ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 7 1. Introdução... 7 2 2. Âmbito de Aplicação... 7 3. Objetivos Gerais... 8 4. Enquadramento Legal... 9 5. Antecedentes do processo de planeamento... 9 6.

Leia mais

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal MAIO 2011 4. Informação complementar 4.1 Secção I 4.1.1 Mecanismos da estrutura de Protecção Civil Estrutura de Operações

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 5 ÍNDICE DE QUADROS... 7 PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 8 1 INTRODUÇÃO... 8 2 ÂMBITO DE

Leia mais

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3 2009 MAPA DE PESSOAL DA ANPC (Artigo 5º da Lei nº 2-A/2008, 27 Fevereiro) SEDE - Carnaxi Competências/Actividas Área formação académica e/ou - Presinte () - - Director Nacional () - 3 - Comandante Operacional

Leia mais

ANPC reforça laços de cooperação com países de expressão portuguesa

ANPC reforça laços de cooperação com países de expressão portuguesa P U BL IC AÇ ÃO M E N SA L DA AU T OR I DA DE N AC IONA L DE P RO T E C Ç ÃO CI V I L / N.º45 / DE Z E M BRO 2 01 1 / I SSN 164 6 95 4 2 ANPC reforça laços de cooperação com países de expressão portuguesa

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO ILHA TERCEIRA 2008 SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DA CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE

Leia mais

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Serpa

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Serpa Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Serpa ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO ----------------------------------------- 8 1. Introdução --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

www.prociv.pt 26JUN2015 V Jornadas NOVOS PARADIGMAS DA PROTEÇÃO CIVIL cdos.porto@prociv.pt AGENDA 4. Síntese histórica do Voluntariado;

www.prociv.pt 26JUN2015 V Jornadas NOVOS PARADIGMAS DA PROTEÇÃO CIVIL cdos.porto@prociv.pt AGENDA 4. Síntese histórica do Voluntariado; Voluntariado e Protecção Civil www.prociv.pt 26JUN2015 V Jornadas NOVOS PARADIGMAS DA PROTEÇÃO CIVIL cdos.porto@prociv.pt 1 AGENDA 1.Enquadramento Legal; 2. Responsabilidades; 3. O Voluntariado; 4. Síntese

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS ELABORADO POR: SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE ELVAS PMEPC DE ELVAS Parte I ENQUADRAMENTO GERAL ÍNDICE Parte I ENQUADRAMENTO

Leia mais

CÓDIGO DO AVISO: POVT-35-2013-64

CÓDIGO DO AVISO: POVT-35-2013-64 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO PREVENÇÃO E GESTÃO DE RISCOS

Leia mais

Estudo inédito aponta novos caminhos Formação de Bombeiros

Estudo inédito aponta novos caminhos Formação de Bombeiros P U B LICAÇ ÃO M E N SAL DA AUTORIDA DE N AC IONAL DE PROTECÇ ÃO C I V I L / N.º 55 / O UTUBRO 2012 / I S S N 16 4 6 95 42 Estudo inédito aponta novos caminhos Formação de Bombeiros 55 Outubro de 2012

Leia mais

Entrada em vigor em 9/08/2012 na redação dada pela deliberação CMC POVT de 8/08/2012

Entrada em vigor em 9/08/2012 na redação dada pela deliberação CMC POVT de 8/08/2012 Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Programa Operacional Valorização do Território Deliberações CMC POVT: 15/10/2007, 19/02/2008, 26/08/2009, 25/03/2011, 6/02/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA Lisboa, 18 de julho de 2014 Cláudia Brandão APA Missão Propor, desenvolver e acompanhar a gestão

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

NOTÍCIAS DOS DISTRITOS P. 3. Inauguração do quartel dos. Bombeiros Voluntários de Salto. Guarda: Vila Nova de Foz Côa aposta.

NOTÍCIAS DOS DISTRITOS P. 3. Inauguração do quartel dos. Bombeiros Voluntários de Salto. Guarda: Vila Nova de Foz Côa aposta. B O L E T I M M E N S A L DA AUTORIDADE N A C I O N A L D E PROTECÇÃO CIVIL N.º8 / NOVEMBRO 2008 ISSN 1646 9542 ÍNDICE... NOTÍCIAS P. 2 / 3. Jaime Gama visita A N PC. Curso Monográfico Regime Jurídico

Leia mais

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo CEPSA Portuguesa Petróleos, SA MARÇO 2011 PEE Cepsa Pág. i de 57 Índice NOTA PRÉVIA... ERRO! MARCADOR NÃO DEFINIDO. 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO...

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 4220 Diário da República, 1.ª série N.º 124 30 de Junho de 2009. b) A requerimento do titular do complemento solidário

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 4220 Diário da República, 1.ª série N.º 124 30 de Junho de 2009. b) A requerimento do titular do complemento solidário 4220 Diário da República, 1.ª série N.º 124 30 de Junho de 2009 b) A requerimento do titular do complemento solidário para idosos. 2 Há ainda lugar à renovação da prova de recursos sempre que: a) Seja

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO. Deliberações CMC POVT: 25/03/2011, 6/02/2012, 20/03/2012, 8/08/2012 e 2/10/2013

PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO. Deliberações CMC POVT: 25/03/2011, 6/02/2012, 20/03/2012, 8/08/2012 e 2/10/2013 PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Deliberações CMC POVT: 25/03/2011, 6/02/2012, 20/03/2012, 8/08/2012 e 2/10/2013 PREVENÇÃO E GESTÃO DE RISCOS ENTRADA EM VIGOR EM 3/10/2013 NA REDAÇÃO DADA

Leia mais

Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016

Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016 Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016 O Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses, embora esteja definido para o período 2014-2016, será revisto anualmente por

Leia mais

EXERCÍCIO A TERRA TREME

EXERCÍCIO A TERRA TREME EXERCÍCIO A TERRA TREME Q&A A. A TERRA TREME EXERCÍCIO PÚBLICO DE PREPARAÇÃO PARA O RISCO SÍSMICO 1. Porquê lançar uma iniciativa como esta? As catástrofes sísmicas parecem-nos sempre um fenómeno distante.

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE CASTRO DAIRE PARTE I, II, III, IV (Secção I) PARTE PÚBLICA Setembro de 2010 INDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 2 1. INTRODUÇÃO...2

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO)

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM REGIME DE OVERBOOKING EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO PREVENÇÃO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM PROTEÇÃO CIVIL

PÓS-GRADUAÇÃO EM PROTEÇÃO CIVIL PÓS-GRADUAÇÃO EM PROTEÇÃO CIVIL DOCENTES MESTRE ISABEL ONETO Licenciada em Direito, mestre e doutoranda em Direito, em Ciências Jurídico-Criminais. Governadora Civil do Distrito do Porto entre 2005 e 2009

Leia mais

Projeto Educação Para a Segurança e Prevenção de Riscos 2013 / 2014

Projeto Educação Para a Segurança e Prevenção de Riscos 2013 / 2014 Educação Para a Segurança e Prevenção de Riscos 2013 / 2014 Histórico: 1ª fase - A necessidade de Emergência (PPE) das escolas e criação de uma Assessoria Técnica na SREC (2007 elaboração Plano de Prevenção

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE PENAMACOR

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE PENAMACOR PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE PENAMACOR PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO Parte I Enquadramento geral do plano julho 2012 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Penamacor

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS

ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS PLANOS DE SEGURANÇA A sociedade é feita por todas as pessoas, em todas as idades NÚCLEO DE CERTIFICAÇÃO E FISCALIZAÇÃO ALEXANDRA SANTOS E MARIA ANDERSON

Leia mais

GOVERNO CIVIL DE CASTELO BRANCO

GOVERNO CIVIL DE CASTELO BRANCO Título Página Parte I Enquadramento Geral do Plano 1. Introdução 4 2. Âmbito de Aplicação 5 3. Objectivos Gerais 5 4. Enquadramento Legal 6 5. Antecedentes do processo de planeamento 6 6. Articulação com

Leia mais

Secretaria Nacional para o Ambiente e Prevenção Departamento Nacional de Protecção Civil e Segurança

Secretaria Nacional para o Ambiente e Prevenção Departamento Nacional de Protecção Civil e Segurança De: Para: Assunto: Circular: Data: Secretaria Nacional para o Ambiente e Prevenção Departamento Nacional de Protecção Civil e Segurança Juntas Regionais e de Núcleo Atividades Escutistas na Serra da Estrela

Leia mais

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS Revisão 1 : 02/09/2015 PO PO Preparação e Reforço das Capacidades, Formação e Ligação em rede dos Gal (DLBC) Desenvolvimento Local de Base Comunitária 2ª fase Seleção das Estratégias de Desenvolvimento

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente Diário da Sessão n.º 008 de 25/01/01 Vamos passar ao ponto nº 4 da nossa ordem do dia, ou seja, à Proposta de Resolução Medidas de Combate à Leptospirose. Tem a palavra o Sr. Deputado Bento Barcelos. Deputado

Leia mais

Legislação. A criança no séc. XXI: direitos e riscos. Decreto-Lei nº 91/2009 de 9 de Abril DR.IS, nº 70, 09/04/2009

Legislação. A criança no séc. XXI: direitos e riscos. Decreto-Lei nº 91/2009 de 9 de Abril DR.IS, nº 70, 09/04/2009 www.gep.mtss.gov.pt Legislação A criança no séc. XXI: direitos e riscos Decreto-Lei nº 91/2009 de 9 de Abril DR.IS, nº 70, 09/04/2009 Estabelece o regime jurídico de protecção social na parentalidade no

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Redondo

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Redondo Serviço Municipal de Proteção Civil de Redondo i Índice Geral Parte I Enquadramento Geral do Plano 1. Introdução....1 2. Âmbito de aplicação.....2 3. Objetivos gerais......3 4. Enquadramento legal....4

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE PARTE II Índice 1. CONCEITO DE ACTUAÇÃO...3 1.1. COMISSÕES DE PROTECÇÃO CIVIL...3 1.1.1 Missão...3 1.1.2 Competências da Comissão Municipal

Leia mais

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna 27.02.2015 Apresentação do Hospital de Cascais Plano de Catástrofe Externa Plano de Emergência Interna Hospital de Cascais - Caracterização

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Ílhavo

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Ílhavo 2012 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Ílhavo Conteúdo Parte I Enquadramento Geral do Plano... 7 1. Introdução... 7 2. Âmbito de aplicação... 8 3. Objetivos gerais... 9 4. Enquadramento

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL

PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL PROJETO COFINANCIADO PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL COMPONENTES PÚBLICAS ( I, II, III, IV-I) PROJETO COFINANCIADO ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO

Leia mais

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-H-2 RECURSOS NATURAIS (ATMOSFERA)

Leia mais

GOVERNAÇÃO. ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA F GOVERNAÇÃO PROTEÇÃO E SALVAGUARDA Atualização janeiro 2015. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A 1-F-1

GOVERNAÇÃO. ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA F GOVERNAÇÃO PROTEÇÃO E SALVAGUARDA Atualização janeiro 2015. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A 1-F-1 GOVERNAÇÃO ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA F GOVERNAÇÃO PROTEÇÃO E SALVAGUARDA Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A 1-F-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A 1-F-2 GOVERNAÇÃO (PROTEÇÃO E SALVAGUARDA)

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora

Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora Luís Carvalho Geógrafo Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil luis.carvalho@cm

Leia mais

PARTE C MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. 7670-(8) Diário da República, 2.ª série N.º 56 20 de março de 2014. Autoridade Nacional de Proteção Civil

PARTE C MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. 7670-(8) Diário da República, 2.ª série N.º 56 20 de março de 2014. Autoridade Nacional de Proteção Civil 7670-(8) Diário da República, 2.ª série N.º 56 20 de março de 2014 PARTE C MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Autoridade Nacional de Proteção Civil Despacho n.º 4205-A/2014 Regulamento dos Cursos de Formação,

Leia mais

Não nos podemos resignar a esta situação

Não nos podemos resignar a esta situação PUBLICAÇÃO MENSAL DA AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL / N.º50 / MAIO 2012 / ISSN 1646 9542 Incêndios Florestais Não nos podemos resignar a esta situação Entrevista a Vítor Vaz Pinto, Comandante Operacional

Leia mais

Atividades em todo o país assinalam Dia Internacional para a Redução de Catástrofes

Atividades em todo o país assinalam Dia Internacional para a Redução de Catástrofes P U B LICAÇ ÃO M E N S A L DA AU TO R I DA D E N AC I O N A L D E PROTECÇ ÃO C I V I L / N.º 56 / N OV E M B RO 2 012 / I S S N 16 4 6 95 42 Atividades em todo o país assinalam Dia Internacional para a

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Territórios resilientes

Territórios resilientes BOLE TI M M E N SAL DA AUTORIDA DE N AC IONAL DE PROTECÇ ÃO C IVIL / N.º62 / M A IO 2013 / I S S N 16 4 6 95 42 Territórios resilientes Desafios para o séc. XXI 62 Maio de 2013 Distribuição gratuita Para

Leia mais

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários , Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários Cláudia Paixão A Ilha da Madeira apresenta um conjunto de riscos específicos entre os quais se destacam: Movimentação de Massas Cheias Rápidas

Leia mais

EDITORIAL OUTUBRO 2015. Serviço de Medicina Intensiva tem novas instalações 2. ULS Nordeste é das melhores do país 3

EDITORIAL OUTUBRO 2015. Serviço de Medicina Intensiva tem novas instalações 2. ULS Nordeste é das melhores do país 3 Serviço de Medicina Intensiva tem novas instalações 2 ULS Nordeste é das melhores do país 3 1,2 milhões de euros para investimentos 3 Sessões musicais na Unidade de Cuidados Paliativos 4 UCC de Mirandela

Leia mais

QUESTIONÁRIO Percepção de Risco

QUESTIONÁRIO Percepção de Risco O documento em PDF está pronto a ser utilizado. Por favor, lembre-se de guardar as alterações após responder à totalidade do questionário, enviando em seguida para o seguinte endereço eletrónico maria.carmona@hzg.de

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 9.º ANO DE GEOGRAFIA 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio das redes e modos de transporte e telecomunicação, o aluno deve compreender a importância dos transportes nas dinâmicas dos territórios,

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1

PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1 1 Situação Geral Uma pandemia de gripe ocorre quando um novo vírus do tipo A, para o qual a população tem uma susceptibilidade quase universal, surge

Leia mais

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia Metas Curriculares Ensino Básico Geografia 9.º ano Versão para discussão pública Novembro de 2013 Autores Adelaide Nunes António Campar de Almeida Cristina Nolasco Geografia 9.º ano CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Investimentos no distrito do Porto são contratualizados hoje, na CCDR-N

Investimentos no distrito do Porto são contratualizados hoje, na CCDR-N NOTA DE IMPRENSA Investimentos no distrito do Porto são contratualizados hoje, na CCDR-N BOMBEIROS DA REGIÃO DO NORTE RECEBEM 10 MILHÕES DE EUROS PARA REFORÇO DOS MEIOS A autoridade de gestão do ON.2 O

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA

DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA DURAÇÃO / COMPONENTE / DIPLOMA CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA I Edição 2014 30 Horas lectivas / Teórica / Curso de Formação Avançada COORDENAÇÃO Coordenação Científica Prof.

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1 IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1. INTRODUÇÃO As identidades coletivas, em qualquer domínio considerado, assumem uma importância central; a sua afirmação dá sentido aos projetos comuns, promove

Leia mais

Registamos, com afeto, a presença de Vossa Excelência, nesta cerimónia uma honra ímpar para este Instituto.

Registamos, com afeto, a presença de Vossa Excelência, nesta cerimónia uma honra ímpar para este Instituto. Senhor Ministro da Administração Interna. Excelência. Registamos, com afeto, a presença de Vossa Excelência, nesta cerimónia uma honra ímpar para este Instituto. Excelentíssimo Senhor Vice-Procurador Geral

Leia mais

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu A ESCOLA é um bem público. Plano de Segurança Ela é o centro de convergência

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS PARTE IV INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR Secção I. Sistema nacional de proteção civil Julho 2012 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil

Leia mais

PERIGOS NATURAIS DEVIDOS A CAUSAS METEOROLÓGICAS: O CASO DAS CHEIAS E

PERIGOS NATURAIS DEVIDOS A CAUSAS METEOROLÓGICAS: O CASO DAS CHEIAS E PERIGOS NATURAIS DEVIDOS A CAUSAS METEOROLÓGICAS: O CASO DAS CHEIAS E INUNDAÇÕES CATARINA RAMOS Centro de Estudos Geográficos, Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, Universidade de Lisboa

Leia mais

ANPC/LEGISLAÇÃO P. 6. Comando Nacional de Operações. de Socorro. Critérios e normas técnicas para

ANPC/LEGISLAÇÃO P. 6. Comando Nacional de Operações. de Socorro. Critérios e normas técnicas para B O L E T I M M E N S A L DA AUTORIDADE N A C I O N A L D E PROTECÇÃO CIVIL N.º5 / AGOSTO 2008 ISSN 1646 9542 ÍNDICE... NOTÍCIAS P. 2 / 3. M A I saúda dispositivo de combate a incêndios florestais. Operação

Leia mais

Compilação Legislativa

Compilação Legislativa MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Autoridade Nacional de Protecção Civil Compilação Legislativa - BOMBEIROS - 1ª Edição Setembro 2008 COMPILAÇÃO LEGISLATIVA BOMBEIROS FICHA TÉCNICA Título: Edição: Coordenação:

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio,

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio, C 249/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2015 COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA 25/15 Iniciativa Voluntários para a Ajuda da UE: Destacamento de Voluntários para a Ajuda

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DOS CONTEÚDOS DOS CURSOS DE FORMAÇÃO DOS TRABALHADORES DOS SMPC

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DOS CONTEÚDOS DOS CURSOS DE FORMAÇÃO DOS TRABALHADORES DOS SMPC ÍNDICE 1. Introdução... 4 2. Organização dos Cursos... 5 3. Orientações para os Conteúdos... 7 3.1. Área do Direito e Protecção Civil... 7 3.1.1. Compilação Legislativa em Protecção Civil (Nível I)...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 11 Guia para a Elaboração de Planos Prévios de Intervenção Conceito e Organização

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 11 Guia para a Elaboração de Planos Prévios de Intervenção Conceito e Organização CADERNOS TÉCNICOS PROCIV 11 Guia para a Elaboração de Planos Prévios de Intervenção Conceito e Organização EDIÇÃO: AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2009 02 Cadernos Técnicos PROCIV #11

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4696 Diário da República, 1.ª série N.º 151 7 de agosto de 2013 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 252/2013 de 7 de agosto A 2.ª edição do Programa de Estágios Profissionais na Administração Pública

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO Julho 2012 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Vendas Novas Parte I Enquadramento geral

Leia mais

2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES

2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES 2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES Colaboram com o SMPC ou o CMOEPC (se estiver activado) na actualização do inventário dos seus meios e recursos.

Leia mais

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL A profissionalização dos membros da Organização, enquanto factor determinante da sua eficácia na prevenção e no combate aos incêndios florestais, requer a criação de um programa

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERIZAÇÃO DO ASSUNTO

1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERIZAÇÃO DO ASSUNTO CADERNO FICHA 9. PRÉ-SUPRESSÃO 9.5. EXERCÍCIOS E TREINOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

As áreas transversais da educação ganham assim relevo a par do currículo.

As áreas transversais da educação ganham assim relevo a par do currículo. Da escola espera-se a prestação de um serviço transformacional. Da escola espera-se a adoção de uma postura de intervenção no meio. Mas uma intervenção que tem subjacente uma intencionalidade (planificada)

Leia mais

Gabinete de Planeamento Estratégico. Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela

Gabinete de Planeamento Estratégico. Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela Gabinete de Planeamento Estratégico Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela Em 2003, o Município de Palmela tomou a decisão de proceder à revisão

Leia mais

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Licenciatura (1º Ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Directores de Curso: Prof.ª Doutora Maria João Bebianno

Leia mais

ARIEM testa eficácia do 112 Simulacro de naufrágio no rio Minho

ARIEM testa eficácia do 112 Simulacro de naufrágio no rio Minho ARIEM testa eficácia do 112 Simulacro de naufrágio no rio Minho Revista de Imprensa 15-05-2014 1. (PT) - Diário do Minho, 15052014, Projeto de 112 transfronteiriço NorteGaliza a funcionar em pleno em junho

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Índice Natureza e Objetivos 2 Competências 2 Composição 3 Comissão Permanente 4 Presidência 5 Periodicidade 5 Convocação das reuniões 6 Quórum 6 Uso

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

Flash Comunidades. Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso

Flash Comunidades. Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso Flash Comunidades Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso 1 CABO VERDE Nação Global O Ministério das Comunidades (MDC) vem implementando medidas que permitem

Leia mais

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Núcleo Histórico da Vila da Lousã Fundo de Vila Área Urbana Central Nascente da Vila da Lousã Área Urbana Central Poente da Vila da

Leia mais

FORÇA ESPECIAL DE BOMBEIROS

FORÇA ESPECIAL DE BOMBEIROS FORÇA ESPECIAL DE BOMBEIROS RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 1. ENQUADRAMENTO... 1 2. ATIVIDADE OPERACIONAL... 2 2.1. Missões de combate a incêndios florestais... 2 2.1.1. Missões com meios terrestres... 2

Leia mais

POLÍTICA COMUM DE SEGURANÇA E DEFESA

POLÍTICA COMUM DE SEGURANÇA E DEFESA POLÍTICA COMUM DE SEGURANÇA E DEFESA Parte integrante da Política Externa e de Segurança Comum (PESC) da União Europeia, a Política Comum de Segurança e Defesa (PCSD) abrange as operações militares e as

Leia mais

Sempre que ligar o 112 colabore com o operador de modo a deixar claro os três Pontos Seguintes:

Sempre que ligar o 112 colabore com o operador de modo a deixar claro os três Pontos Seguintes: 2ª Edição - 2º Trimestre de 2014 AHBVLAGOS Mensagem da Direcção AHBVLagos Tendo sido bem recebida a 1º edição da news letter do 1º. Trimestre de 2014, decidimos continuar com esta forma de informação aos

Leia mais

Q4: Como podem ser concebidos e financiados os programas de (res)seguros públicos ou obrigatórios para se evitar o problema do risco moral?

Q4: Como podem ser concebidos e financiados os programas de (res)seguros públicos ou obrigatórios para se evitar o problema do risco moral? Q1: Qual é a sua opinião sobre a taxa de penetração dos seguros contra catástrofes na União Europeia? Queira apresentar as informações pormenorizadas e dados que justificam a sua opinião. É necessária

Leia mais

RISCOS - Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança OS RISCOS E O SISTEMA EUROPEU DE PROTECÇÃO CIVIL *

RISCOS - Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança OS RISCOS E O SISTEMA EUROPEU DE PROTECÇÃO CIVIL * OS RISCOS E O SISTEMA EUROPEU DE PROTECÇÃO CIVIL * Fernando Manuel Paiva Monteiro Comandante da Academia Militar e ex-presidente do Serviço Nacional de Bombeiros e 228 Introdução Os desastres naturais

Leia mais