Há cada vez mais empresas cidadãs

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Há cada vez mais empresas cidadãs"

Transcrição

1 + Faça do VER a sua homepage ENTREVISTA Há cada vez mais empresas cidadãs As empresas que lideram no seu mercado são as que apresentam melhores práticas de governação. Foi com base neste pressuposto que a Bnomics lançou o livro Responsabilidade Social em Portugal, onde a identidade de organizações como a AXA, a Delta, a Fundação EDP, a Fundação PT e o Montepio serve de mote para analisar os fundamentos teóricos inerentes ao ainda recente, mas já evoluído, conceito de RS. Em entrevista ao VER, Tiago Robalo Gouveia, um dos cinco autores desta obra, defende que numa sociedade onde há cada vez mais empresas cidadãs, tem de haver correspondência entre identidade e imagem POR GABRIELA C OSTA De que modo contribui a Responsabilidade Social (RS) para a construção da identidade empresarial? Estratégica e operacionalmente, a relação é estreita e estabelece-se a partir da imagem de uma empresa junto dos seus públicos, isto é, da sua reputação. E se o tema é controverso no que concerne a relação com a ética, a incorporação da RS no ADN da empresa traz benefícios incontornáveis à actividade da mesma, e é hoje uma realidade em muitas organizações, principalmente nas de maior dimensão e nas que lideram a área de negócio onde actuam. Partindo de cinco casos de estudo de grandes empresas e fundações, os autores Ana Sá Leal, Joaquim Caetano, Nuno Goulart Brandão, Sofia Estrela Duarte e Tiago Robalo Gouveia lançaram, a 28 de Junho, no auditório do Montepio, em Lisboa, a obra Responsabilidade Social em Portugal. Com DR prefácio do Alto-comissário das Nações Unidas para os refugiados, António Guterres, a edição da Bnomics traça a identidade de organizações como a AXA Portugal, a Delta Cafés, a Fundação EDP, a Fundação PT e o Montepio, todas elas com estratégias de sustentabilidade consolidadas, apresentandoas como exemplos de excelência no âmbito da Responsabilidade Social Empresarial rumo ao desenvolvimento sustentável. Mas não sem antes analisar os fundamentos teóricos inerentes ao ainda recente, mas já evoluído, conceito de RS: Responsabilidade Social Empresarial, Cidadania Empresarial, Voluntariado Empresarial e Desenvolvimento Sustentável. É que, se só há uma maneira de gerar riqueza: criando bem-estar junto da sociedade e especialmente junto dos cidadãos em situações socialmente mais desfavorecidas, como afirma no livro António Guterres, às empresas cabe a capacidade de saberem integrar na sua corporate governance a sustentabilidade, para que os seus stakeholders tenham mais-valias ao nível social, económico e ambiental, envolvendo-se e envolvendo as partes interessadas na construção de uma sociedade com menos desequilíbrios. É precisamente num quadro onde a sustentabilidade da nossa vida colectiva esteja presente que o livro Responsabilidade Social em Portugal ganha importância, pois nele se

2 presente que o livro Responsabilidade Social em Portugal ganha importância, pois nele se encontra uma preocupação com as pessoas, com o desenvolvimento sustentável das empresas e com o país em geral, defendeu, na apresentação da obra, o presidente do Conselho de Administração do Montepio, António Tomás Correia. E se actualmente somos um país que está a perder capacidade de gerir o seu futuro, como comentou Sérgio Figueiredo, outro dos oradores presentes no lançamento desta obra, o tema da RS convoca-nos a todos para uma mudança de comportamento colectiva. Neste contexto, a RS não pode ficar no final da cadeia de valor, como dantes, conclui o presidente da Fundação EDP, para quem o tema encontra uma resposta centrada nas pessoas, que são hoje a inovação. Também Óscar Vieira, administrador delegado da Fundação PT (outro dos convidados presentes no Auditório do Montepio, ao lado dos representantes do Montepio, da Fundação EDP e da AXA), considerou que a transversalidade da RS em toda a organização é um factor crítico de sucesso. E porque, para o nosso próprio sucesso, devemos dar o exemplo face ao que defendemos, como sublinhou Nuno Goulart Brandão, os direitos de autor desta edição revertem para uma instituição do Terceiro Sector, a AFID - Associação Nacional de Famílias para a Integração da Pessoa Deficiente. Como surgiu a oportunidade de desenvolver esta obra que liga a Responsabilidade Social ao conceito de identidade empresarial, reunindo cinco autores com competências académicas e profissionais nesta área transversal? O tema da Responsabilidade Social está na ordem do dia, quer das empresas, quer dos cidadãos, e da sociedade em geral. Vivemos uma época de mudança de valores e comportamentos aos mais diversos níveis: económico, social, político, ambiental, entre outros. Os últimos dez anos foram revolucionários na governance empresarial, bem como na forma como as empresas encaram os seus stakeholders, e como se relacionam e comunicam com os mesmos. A Responsabilidade Social não deve ser vista como uma moda, mas sim como fazendo parte da estratégia de uma empresa, sendo que para isso deve ser integrada nos valores e na cultura da mesma. A inovação social é uma tendência que tem mostrado resultados muito positivos Tiago Robalo Gouveia, co-autor do livro Responsabilidade Social em Portugal A identidade de uma instituição é construída pela relação com as suas partes interessadas, pela forma como vê e é vista pelas mesmas. A Responsabilidade Social contribui fortemente para a construção da identidade empresarial, já que não faz sentido possuir intrinsecamente determinados valores e não os aplicar em todas as frentes da empresa, nomeadamente nas suas estratégias e práticas de Responsabilidade Social. Acima de tudo, tem de haver correspondência entre o que a empresa é realmente - ou seja, a sua identidade - e a imagem que os públicos têm, caso contrário é posta em causa a imagem e reputação da empresa. A transparência e a coerência são aspectos que devem estar presentes para o bem da sobrevivência das empresas. Os consumidores valorizam cada vez mais as boas práticas empresariais, integrando esse aspecto nas suas escolhas. Qual é a oportunidade deste livro no actual contexto socioeconómico e numa altura em que não se publicava nenhum livro especificamente dedicado ao tema, há já algum tempo? Os acontecimentos globais e o contexto socioeconómico são uma oportunidade para que as empresas melhorem o seu desempenho e fortaleçam as relações com as partes interessadas, em que a ética e a cidadania devem estar presentes. Enquanto autores e profissionais atentos ao pulsar empresarial e aos acontecimentos globais consideramos que a publicação de um livro na área da Responsabilidade Social com uma abordagem teórica e prática é fundamental. A componente teórica pretende dar a conhecer alguns aspectos relevantes do tema, fazendo referência igualmente à nossa

3 conhecer alguns aspectos relevantes do tema, fazendo referência igualmente à nossa abordagem sobre a Responsabilidade Social, que é comprovada depois através dos casos de estudo presentes. Cinco áreas de mercado distintas Seguros, Café, Energia, Telecomunicações e Banca, representadas respectivamente pela AXA Portugal, Delta Cafés, Fundação EDP, Fundação PT e Montepio, pretendem demonstrar que em diferentes áreas de actividade está presente a Responsabilidade Social nas mais diversas formas, não descurando a Sustentabilidade. Com que objectivos optaram por dar destaque a casos de excelência de três empresas de dimensão relevante, todas elas com estratégias de sustentabilidade bem implementadas, e de duas das principais fundações com vocação social do país? Pensamos que a melhor forma de ilustrar o tema é com a apresentação de casos de estudo, concretamente com instituições que são uma referência em qualquer parte do mundo. Depois de termos feito um estudo de mercado em que averiguámos o trabalho desenvolvido por diversas empresas e instituições nas mais diversas áreas de actuação, estas foram as escolhidas, por considerarmos que são das melhores na sua área. A presença de três grandes empresas de dimensão relevantes e duas das principais fundações do nosso país prende-se com o facto de querermos demonstrar que em Portugal existem boas práticas de Responsabilidade Social, e que as estratégias de Sustentabilidade estão igualmente presentes. Temos muitos motivos para nos orgulharmos do nosso país. As instituições apresentadas neste livro são reconhecidas pelo seu desempenho a nível global, nacional e local, tendo já obtido prémios internacionais e outro tipo de classificações meritórias. No momento em que o tema da Portugalidade está na ordem do dia, e em que algumas marcas estão a associar-se às raízes do nosso país, pensamos que estes exemplos são bemvindos. Quais são as principais conclusões a retirar dos trabalhos académicos apresentados como fundamentos teóricos, incidindo nas temáticas da RSE, Cidadania Empresarial, Voluntariado Empresarial e Desenvolvimento Sustentável? Existem algumas teorias sobre o tema da Responsabilidade Social Empresarial, mas a que reúne mais consenso actualmente, é a de que a responsabilidade social é a gestão que se rege pela ética e transparência das empresas com as suas partes interessadas, definindo objectivos empresariais em que o desenvolvimento sustentável da sociedade esteja integrado, e não descurando a preservação dos recursos ambientais e culturais, respeitando assim as gerações futuras, contribuindo igualmente para a diminuição de assimetrias socioeconómicas. A Cidadania Empresarial das empresas globais tem desempenhado um papel preponderante: estas têm vindo a assumir uma função que até agora estava remetida ao Estado e a outras instituições de apoio social. Uma boa cidadania empresarial passa por eliminar qualquer forma de descriminação e estabelecer uma política de emprego para deficientes, entre outros aspectos. A incorporação da cidadania empresarial depende dos seus líderes, transpirando para toda a organização, tornando-se parte da sua cultura. A tendência é que as empresas sejam cada vez mais empresas cidadãs, contribuindo para o bem comum. No que toca ao Voluntariado Empresarial, assistimos a uma consciencialização do papel que as empresas podem assumir no reforço da cidadania e da procura de equilíbrio entre a dimensão social, a sustentabilidade económica e a protecção ambiental. São já muitas as empresas em Portugal que têm Bolsas de Voluntariado, disponibilizando horas do período laboral dos seus colaboradores, para que estes se possam envolver em causas em prol da comunidade. São diversas as vantagens. Nos colaboradores verifica-se um aumento da auto-estima, da capacidade de trabalho e maior tolerância e flexibilidade nas relações interpessoais, entre

4 outros aspectos. A comunidade ganha maior sentido de responsabilidade e integração cívica, bem como o apaziguar dos problemas existentes, promovendo também a sua dignidade. A empresa ganha colaboradores mais motivados e com sentido de orgulho por pertencerem a uma organização com sentido de responsabilidade. O Desenvolvimento Sustentável é indissociável dos aspectos referidos anteriormente. A criação de valor, quer ao nível ambiental, quer ao nível social, e ao nível económico, não colocando em causa o desenvolvimento das gerações futuras, depende em muito da marca que cada um de nós deixa no planeta, e isso aplica-se a pessoas e empresas. Os princípios éticos e responsáveis são premissas para que isso aconteça. Face a essas conclusões, como se pode definir o actual estado-da-arte da RSE e do desenvolvimento sustentável em Portugal? Nos últimos anos, as empresas em Portugal têm tomado consciência do papel activo que podem ter junto da sociedade. A responsabilidade cívica e a contribuição para o bem comum passaram a integrar os valores das empresas, para quem a integração na sociedade de pessoas com fragilidades sociais ou com necessidades especiais passou a ser uma prioridade. Os seus líderes deixaram de olhar para essas questões como um problema dos outros, para perceberem que podem ter um papel preponderante na mudança e na qualidade de vida dessas pessoas, trazendo assim mais-valias a todos nós. Passar o cheque já não é suficiente. O empenhamento e a envolvência junto da comunidade é cada vez maior, com o desenvolvimento de acções de voluntariado empresarial, em que por vezes várias empresas se juntam em torno da mesma causa. É já uma realidade em Portugal a aplicação de boas práticas de RS junto dos stakeholders, em geral, e dos colaboradores, em particular, mostrando a sua importância e incentivando a que haja uma participação cada vez maior a nível interno. As políticas empresariais rumo ao desenvolvimento sustentável, com a criação de valor acrescentado para todos os cidadãos, têm sido uma forte aposta de todas as empresas: o uso de recursos de forma eficiente, o apoio ao desenvolvimento social, a protecção ambiental, entre outros aspectos. Podemos afirmar que o balanço é positivo e que existe disponibilidade e vontade de mudança por parte das empresas e pessoas. O livro pretende dar um contributo reflexivo para a importância de novas formas de encarar a gestão empresarial. Compilados cinco casos de estudo de grandes empresas e fundações, quais são hoje essas novas formas? As empresas que lideram no seu mercado são as que apresentam melhores práticas de governação. Estar na linha da frente implica ir mais além, fazer melhor e criar mais-valias, não apenas para a entidade em si mas para todos os stakeholders. A ética e a Responsabilidade Social são pilares de gestão das empresas do século XXI; é isso que distingue as empresas e os seus líderes - a sua consciência cívica. Os prefácios internos de cada um dos casos de estudo demonstram o comprometimento pela hierarquia de topo na prossecução dos objectivos e da importância dos valores de uma nova Cidadania Empresarial no posicionamento e na estratégia das instituições. Só faz sentido falar em RS quando está presente a Responsabilidade Social Empresarial, a Cidadania Empresarial e o Voluntariado Empresarial. A equação da Responsabilidade Social engloba estes três aspectos que se complementam e acrescentam valor à Sociedade. Não é por acaso que, segundo um estudo da Havas Media apresentado em Maio deste ano, em que são contempladas 150 marcas, num universo de trinta mil entrevistas a consumidores, a maioria não se importaria se dois terços das marcas actuais desaparecessem, ou seja setenta por cento. Segundo o estudo, quanto mais sustentável for uma marca, isto é, quanto maior valor tiver para as pessoas, sociedade e planeta, mais significado passará a ter para os consumidores. Cada vez mais os consumidores são fiéis às marcas que têm em conta as questões da cidadania, da Responsabilidade Social e do desenvolvimento sustentável.

5 A inovação social é uma tendência que tem mostrado resultados muito positivos e que está presente nas instituições que são caso de estudo. O like pode ser ou não accionado pelos cidadãos, mas esse clique vai depender muito das empresas Todos os direitos reservados. Publicado em 6 de Julho de 2011 O registo e o uso deste portal implicam a aceitação dos Termos de Utilização do Portal VER (revistos em Novembro de 2007), bem como a sua Política de Privacidade. Portal VER 2010, todos os direitos reservados. Todo o conteúdo deste site não pode ser replicado, copiado, distribuído ou transmitido sem autorização escrita prévia. Todos os conteúdos relativos aos parceiros deste site são da inteira responsabilidade dos mesmos. Os artigos de opinião publicados no Portal são da inteira responsabilidade dos seus autores.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO

COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO 48º Congresso UIA 1 / 5 Setembro 2004 COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS EM PORTUGAL 3 Setembro 2004 Pedro Botelho Gomes (JPAB - José Pedro Aguiar-Branco & Associados)

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Foram 5479 dias e noites a garantir telecomunicações de qualidade em Angola e de Angola para o mundo.

Foram 5479 dias e noites a garantir telecomunicações de qualidade em Angola e de Angola para o mundo. Comunicado de Imprensa MULTITEL Organiza Jantar Conferência alusivo aos 15 anos sobre Corporate Governance Os principais desafios da gestão corporativa em Angola. Há 15 anos que a Multitel tem garantido

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS

CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS Fundação Alentejo no Alentejo e para o Alentejo, um projeto para além da esperança Fernanda Ramos 1992 Aprovado na reunião do Conselho de Administração da FA Novembro

Leia mais

SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO

SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO Começo por saudar os presentes e agradecer a disponibilidade demonstrada pelos distintos oradores que

Leia mais

Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL

Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL Começo por agradecer a todos terem vindo a este seminário. Em especial à Senhora Secretária de Estado que muito nos honra com a sua presença

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

Prémio Desenvolvimento Sustentável

Prémio Desenvolvimento Sustentável Prémio Desenvolvimento Sustentável 1 Prémio Desenvolvimento Sustentável A noção de que o desenvolvimento sustentável é um investimento a longo prazo, com vista à criação de valor para os stakeholders através

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09 INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino Cerimónia de Abertura do WTPF-09 Centro de Congressos de Lisboa, 22 de Abril de 2009 (vale a versão

Leia mais

CONCLUSÕES PROGRAMA DO CONGRESSO DO CONGRESSO

CONCLUSÕES PROGRAMA DO CONGRESSO DO CONGRESSO 1 1. CONCLUSÕES DO CONGRESSO 2. PROGRAMA DO CONGRESSO 2 3 1. CONCLUSÕES DO CONGRESSO 4 5 A. O Crédito Agrícola está a comemorar um século de existência enquanto Instituição profundamente enraizada na vida

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Gabinete do Ministro

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Gabinete do Ministro Parecer do Governo Português relativo ao Livro Verde Modernizar o direito do trabalho para enfrentar os desafios do sec. XXI Introdução O presente documento consubstancia o parecer do Governo Português

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Sessão REDES DE NOVA GERAÇÃO 2009 Fundação das Comunicações, 7 Janeiro 2009 (Vale

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. 2011 MDados

CÓDIGO DE ÉTICA. 2011 MDados CÓDIGO DE ÉTICA 2011 MDados I N D I C E Introdução. Pág. 2 Âmbito e aplicação... Pág. 2 Objectivos e valores Pág. 3 Código de Ética MDados Sistemas de Informação SA 1 INTRODUÇÃO Os princípios de actuação

Leia mais

World Café: Interligar para vencer

World Café: Interligar para vencer World Café: Interligar para vencer Principais Reflexões Tais reflexões resultam de uma sessão intitulada World Café: Interligar para vencer que ocorreu na Cruz Vermelha Portuguesa Centro Humanitário de

Leia mais

Intervenção O Voluntariado Isabel Jonet

Intervenção O Voluntariado Isabel Jonet Intervenção O Voluntariado Isabel Jonet Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril de 2007 1 O relevo atribuído pelo Senhor Presidente da Republica ao combate à exclusão social

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA PROFISSONAL da

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA PROFISSONAL da CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA PROFISSONAL da INDICE Página 1 Objectivos do Código de Ética..3 2 Missão e valores.3 3 Âmbito de aplicação 3 4 Publicação e actualizações..3 5 - Normas de conduta 3 5.1 - Lealdade

Leia mais

Discurso do IGT na conferência da EDP

Discurso do IGT na conferência da EDP Discurso do IGT na conferência da EDP 1. A Segurança e Saúde no Trabalho é, hoje, uma matéria fundamental no desenvolvimento duma política de prevenção de riscos profissionais, favorecendo o aumento da

Leia mais

Programa Avançado de Gestão

Programa Avançado de Gestão PÓS GRADUAÇÃO Programa Avançado de Gestão Com o apoio de: Em parceria com: Nova School of Business and Economics Com o apoio de: PÓS GRADUAÇÃO Programa Avançado de Gestão A economia Angolana enfrenta hoje

Leia mais

Código de Ética. 1. Apresentação

Código de Ética. 1. Apresentação Código de Ética 1. Apresentação A Missão, a Visão, os Princípios Gerais, os Valores e as Normas de Conduta constantes do Código de Ética integram a Cultura da Lusa, a qual deve presidir à conduta profissional

Leia mais

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 1. Participação, Cultura e Criatividade Existem diferentes formas de participação na democracia e várias formas de utilização do programa Juventude

Leia mais

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA 1. Preâmbulo O perfil das empresas e a sua imagem estão cada vez mais interligados não só com o desempenho económico e financeiro, mas também com o quadro de valores, princípios

Leia mais

eficiência energética. Quando a sustentabilidade dá lugar a novos negócios

eficiência energética. Quando a sustentabilidade dá lugar a novos negócios VAMOS Ouvir 1 VAMOS Ouvir O setor financeiro, em particular o setor bancário, está sujeito a um intenso escrutínio, fortes pressões reputacionais e regulatórias, num ambiente de conjuntura económica e

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Mensagem do Presidente

1. INTRODUÇÃO. Mensagem do Presidente Data de início de vigência: 1 de setembro de 2013 1. INTRODUÇÃO Mensagem do Presidente O Mundo de hoje obriga-nos a uma presença em inúmeros quadrantes e a uma enorme capacidade para que possamos adaptar-nos

Leia mais

A comunicação socialmente responsável das empresas da Sociedade de Informação. Dra. Ana Roque ( Sair da Casca )

A comunicação socialmente responsável das empresas da Sociedade de Informação. Dra. Ana Roque ( Sair da Casca ) A Ética no contexto da Sociedade do Conhecimento e da Informação 5 de Novembro de 2004 Ordem dos Engenheiros A comunicação socialmente responsável das empresas da Sociedade de Informação Dra. Ana Roque

Leia mais

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Descentralização da rede de call centres Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Francisco Cesário PT Contact A PT CONTACT A PT Contact, Empresa do grupo Portugal Telecom,

Leia mais

Educação para os Media e Cidadania

Educação para os Media e Cidadania Educação para os Media e Cidadania Sara Pereira Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Com este artigo procura-se reflectir sobre a educação para os media como uma forma e uma via de educar

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL 1 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016 REUNIÃO DA COMISSÃO EXECUTIVA ABIDJAN 2014 2 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Relações Públicas e Comunicação Empresarial Disciplina: Comunicação Corporativa 6ºSemestre Responsabilidade Social Empresarial Docente: Tiago Ramos Discente: Vanessa Gomes Rolim nº5682 Lisboa, 26 de Abril

Leia mais

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 20 de Abril de 2006 A inovação

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Índice Apresentação... 3 Principais Objectivos do Código... 3 Finalidade do Código de Ética... 4 Âmbito de Aplicação... 4 Serviço Público... 4 Missão... 5 Visão... 5 Responsabilidade

Leia mais

1. Responsabilidade Social das Empresas enquadramento teórico

1. Responsabilidade Social das Empresas enquadramento teórico O Conceito de Responsabilidade Social das Empresas 1. Responsabilidade Social das Empresas enquadramento teórico A Responsabilidade Social das Empresas tem assumido uma visibilidade crescente nos últimos

Leia mais

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Evocar hoje, dia 8 de Março de 2007, o Tratado que instituiu a Comunidade Económica Europeia, assinado em Roma há 50

Leia mais

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66 OTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações n.º doc. ant.: 14061/1/11 REV 1 SOC 759

Leia mais

Montepio, Portugal. Tecnologia de recirculação de notas na optimização dos processos de autenticação e de escolha por qualidade

Montepio, Portugal. Tecnologia de recirculação de notas na optimização dos processos de autenticação e de escolha por qualidade Montepio, Portugal Tecnologia de recirculação de notas na optimização dos processos de autenticação e de escolha por qualidade A qualidade e fiabilidade dos recirculadores Vertera foram determinantes na

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Caros Colaboradores, A missão de Jerónimo Martins é promover a eficiência em todas as suas áreas de negócio,

Leia mais

Código de Conduta. Os nossos cinco princípios fundamentais: O benefício e a segurança do doente estão no centro de tudo o que fazemos

Código de Conduta. Os nossos cinco princípios fundamentais: O benefício e a segurança do doente estão no centro de tudo o que fazemos O nosso compromisso de cuidar e curar Código de Conduta Os nossos cinco princípios fundamentais: Doentes O benefício e a segurança do doente estão no centro de tudo o que fazemos Colaboradores Tratamos

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos,

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 11 de Abril de 2011

ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 11 de Abril de 2011 ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 11 de Abril de 2011 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 11 DA ORDEM DE TRABALHOS (Deliberar sobre a declaração da Comissão de Fixação de Vencimentos e do Conselho de Administração

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014 Plano de Acção da APP para o triénio 2012-201 Documento de trabalho para contributos Proposta I da APP 2012-201 ASSOCIAÇ PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 201

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING Índice INTRODUÇÃO... 2 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING... 2 2 COMPROMISSO DOS COLABORADORES... 2 3 PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO... 3 3.1 RELAÇÕES COM ADMINISTRADORES E COLABORADORES... 3 3.2 RELAÇÕES COM

Leia mais

Porquê Economia Social?

Porquê Economia Social? Porquê Economia Social? A economia social, para além do seu peso quantitativo, tem vindo nas últimas décadas a afirmar a sua capacidade de colaborar de uma forma eficaz para: Resolução dos novos problemas

Leia mais

Debate para a Sustentabilidade

Debate para a Sustentabilidade Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Aveiro - Universidade de Aveiro Debate para a Sustentabilidade Biblioteca do ISCAA Debate para a Sustentabilidade Integrado na comemoração dos 40

Leia mais

Implementação da AGENDA 21 LOCAL em 16 Freguesias dos Municípios associados da LIPOR

Implementação da AGENDA 21 LOCAL em 16 Freguesias dos Municípios associados da LIPOR Implementação da AGENDA 21 LOCAL em 16 Freguesias dos Municípios associados da LIPOR Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto Gabinete de Sustentabilidade 13 de Abril de 2007 A

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1 AGRADEÇO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA 2 INFORMAÇÕES GERAIS O QUE É O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA O Código de Ética e de Conduta (Código) é o instrumento no qual se inscrevem os valores que pautam a actuação do

Leia mais

01 de Novembro de 2013. Construção

01 de Novembro de 2013. Construção 01 de Novembro de 2013 Construção Revista de Imprensa 01-11-2013 1. (PT) - Diário de Notícias, 01/11/2013, Soares da Costa ganha obra nos EUA 1 2. (PT) - Exame, 01/11/2013, A força do betão 2 3. (PT) -

Leia mais

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRIMEIRO MINISTRO

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRIMEIRO MINISTRO DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRIMEIRO MINISTRO Senhora D. Maria José Ritta, Presidente da Comissão Nacional para o Ano Internacional dos Voluntários, Ms. Sharon Capeling, Senhoras e Senhores congressistas

Leia mais

WIDEX. Audição de alta definição

WIDEX. Audição de alta definição WIDEX Audição de alta definição Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Widex reabilitação auditiva Lda N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos 26 Dispersão Geográfica

Leia mais

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado:

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado: Rodrigo Barata Página 2 de 14 Indice 1. Promulgação 3 2. Politica da Qualidade 3 3. Missão da Empresa 4 4. Campo de aplicação 4 4.1 Referências 4 5. Apresentação da Empresa Rodrigo Barata Unipessoal 5

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA QUINTA DAS FLORES

ESCOLA SECUNDÁRIA DA QUINTA DAS FLORES ESCOLA SECUNDÁRIA DA QUINTA DAS FLORES Projecto Educativo - 2004/2007 INTRODUÇÃO O que importa é que a escola pense e para pensar são precisas muitas cabeças. Uma cabeça sozinha pode pensar, pode chegar

Leia mais

Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação

Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação 2011-2015 Maputo, Janeiro de 2011 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO......... 3 1.1 Contextualização............ 3 1.2 Justificativa (Porquê

Leia mais

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO 18 de Novembro de 2010 Teatro Municipal de Almada Senhora Presidente da Associação dos Profissionais de Serviços Social, Dr.ª Fernanda Rodrigues Senhoras e Senhores

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Marketing Pessoal. aumentem de valor.

Marketing Pessoal. aumentem de valor. P U B L I C A Ç Ã O N º 3 2 3 D E Z E M B R O 2 0 0 9 Marketing Pessoal PONTOS DE INTERESSE: Conceito Na Prática Definir Objectivos Marca Pessoal Marketing Pessoal pode ser definido como o processo de

Leia mais

Plano de Comunicação Reestruturação 2014. Comunicação e Marketing

Plano de Comunicação Reestruturação 2014. Comunicação e Marketing Plano de Comunicação Reestruturação 2014 Comunicação e Marketing Sumário Executivo 1. Conhecer a Macif Portugal Companhia de Seguros, S.A. A. Valores B. Missão C. Visão D. Posicionamento E. Públicos 2.

Leia mais

6. Participação da comunidade

6. Participação da comunidade O ambiente é actualmente um elemento estruturante do desenvolvimento da sociedade e do território, não sendo possível conceber políticas ou planos sem uma forte componente de ambiente e qualidade ambiental.

Leia mais

MENSAGEM DE NATAL DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

MENSAGEM DE NATAL DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO MENSAGEM DE NATAL DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Nesta quadra, que é de reencontro e de celebração dos valores da família e da paz, é com grande alegria que desejo a todos, os meus votos de

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 1 Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Objetivos de Aprendizagem 1. Participar ativamente

Leia mais

Exmo. Senhor Presidente do Pelouro do Trabalho da Confederação das Associações Económicas de Moçambique,

Exmo. Senhor Presidente do Pelouro do Trabalho da Confederação das Associações Económicas de Moçambique, Senhores Membros do Conselho de Ministros Excelências, Exmo. Senhor Presidente do Pelouro do Trabalho da Confederação das Associações Económicas de Moçambique, Exmo Senhor Secretário-geral da Organização

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

MINISTÉRIO DA HOTELARIA E TURISMO

MINISTÉRIO DA HOTELARIA E TURISMO República de Angola MINISTÉRIO DA HOTELARIA E TURISMO DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, DR. PAULINO BAPTISTA, SECRETÁRIO DE ESTADO PARA A HOTELARIA DA REPÚBLICA DE ANGOLA, DURANTE A VIII REUNIÃO DE MINISTROS

Leia mais

AMBIENTE E ECONOMIA. Antagonismo ou Simbiose. Francisco Nunes Correia. Conferências de Ambiente no Técnico. Conferências de Ambiente no Técnico

AMBIENTE E ECONOMIA. Antagonismo ou Simbiose. Francisco Nunes Correia. Conferências de Ambiente no Técnico. Conferências de Ambiente no Técnico AMBIENTE E ECONOMIA Antagonismo ou Simbiose Francisco Nunes Correia Professor Catedrático do IST IST, 10 de Outubro de 2006 ECONOMIA ECOLOGIA ECO OIKOS NOMIA LOGIA ECO - LOGIA Conhecimento da Casa! ECO

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE. (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro)

REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE. (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro) REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro) Ao iniciar esta reflexão convém referir, caso subsista ainda alguma dúvida,

Leia mais

Relatório de Comunicação de Progresso

Relatório de Comunicação de Progresso Mcel Moçambique Celular SARL Telecomunicações móveis Relatório de Comunicação de Progresso PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS AÇUCENA PAUL apaul@mcel.co.mz Período 2006-2008 www.mcel.co.mz Descrição de acções

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL

POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL O crescimento económico e a redução do desemprego são hoje os grandes desafios que a Europa enfrenta. Em Portugal, a situação económica e social é hoje

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA RESPONSABILIDADE SOCIAL Porquê? Enquadramento 7 Príncipios 3 Expectativas Para quê? Principais benefícios Vantagens O quê? Descrição dos serviços ÍÍNDICE Com quem? Profissionais especializados Porquê?

Leia mais

Comunicação do Desempenho do Sistema SA8000

Comunicação do Desempenho do Sistema SA8000 Comunicação do Desempenho do Sistema SA8000 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Rumo à Sustentabilidade... 3 3. Atividades desenvolvidas... 5 Clima organizacional... 5 Cadeia de fornecedores e subcontratados...

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

Metodologias de intervenção:

Metodologias de intervenção: Metodologias de intervenção: Algumas estratégias de intervenção Na intervenção directa com as crianças tenta-se reflectir o clima institucional da Casa da Praia. A dinâmica do funcionamento em Equipa,

Leia mais

Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal

Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal Anexos. Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal e dos Portugueses ordem dos arquitectos. manifesto para as eleições legislativas 2011. maio 2011 Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal

Leia mais

Prevenção e Segurança na Construção Ferroviária: Execução de Passagens Superiores à Via Férrea em Exploração

Prevenção e Segurança na Construção Ferroviária: Execução de Passagens Superiores à Via Férrea em Exploração Prevenção e Segurança na Construção Ferroviária: Execução de Passagens Superiores à Via Férrea em Exploração Anabela Canelas: Coordenadora de SHST na WS Atkins, Portugal (ar-canelas@netcabo.pt) Mafalda

Leia mais

A Responsabilidade Social Empresarial e o Serviço Social em Portugal. Resumo

A Responsabilidade Social Empresarial e o Serviço Social em Portugal. Resumo A Responsabilidade Social Empresarial e o Serviço Social em Portugal Helena Mafalda Martins Teles helenaa_s@hotmail.com ULL-ISSS Resumo O objecto desta comunicação é a responsabilidade social empresarial

Leia mais

Portuguese version 1

Portuguese version 1 1 Portuguese version Versão Portuguesa Conferência Europeia de Alto Nível Juntos pela Saúde Mental e Bem-estar Bruxelas, 12-13 Junho 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e Bem-Estar 2 Pacto Europeu para

Leia mais

POLÍTICAS PARA A EXPORTAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA AGROALIMENTAR

POLÍTICAS PARA A EXPORTAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA AGROALIMENTAR POLÍTICAS PARA A EXPORTAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA AGROALIMENTAR Contributos para uma Visão Estratégica Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares A Indústria Portuguesa Agroalimentar

Leia mais

ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007

ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007 ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007 Conteúdo da apresentação Enquadramento da CAF Características gerais da CAF Estrutura da CAF Processo de aplicação da CAF (10 Passos) Enquadramento da CAF

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

QiDEIA C O M U N I C A Ç Ã O

QiDEIA C O M U N I C A Ç Ã O QiDEIA CREATE WHAT YOU SEE. CREATE WHAT YOU FEEL. CREATE WHAT YOU HAVE NEVER SEEN. JUST CREATE. NATHAN SAWAYA QUEM SOMOS A Qideia é uma agência de comunicação, vocacionada para a estratégia e implementação

Leia mais

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL Ineficiência energética agrava a crise económica e social em Portugal Pág. 1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL RESUMO DESTE ESTUDO A baixa eficiência como é utilizada

Leia mais

Avaliação nos hospitais faz aumentar oferta de formação pós-graduada na área da saúde

Avaliação nos hospitais faz aumentar oferta de formação pós-graduada na área da saúde TEMA DE CAPA FORMAÇÃO EM GESTÃO DA SAÚDE Pág: II Área: 26,79 x 37,48 cm² Corte: 1 de 5 Avaliação nos hospitais faz aumentar oferta de formação pós-graduada na área da saúde Em 2010, os administradores

Leia mais

Licenciatura em Comunicação Empresarial

Licenciatura em Comunicação Empresarial Resumo Este artigo tem como objectivo principal fazer uma breve análise da comunicação do pessoal-mix de uma organização, as vantagens de uma boa comunicação entre os mais variados sectores de actividade

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

Daniel. -, 30% de professores estrangeiros e 30% termos de trabalho e desenvolvimento, quer. feita desta forma?

Daniel. -, 30% de professores estrangeiros e 30% termos de trabalho e desenvolvimento, quer. feita desta forma? Daniel Bessa assinala no entanto que «esta maior proximidade é apenas um ponto de partida, tudo dependendo, no finai, do posicionamento e da capacidade das escolas, e de quem as dirige». Esta entrevista

Leia mais

A Comunicação Estratégica. no âmbito da Mudança Organizacional

A Comunicação Estratégica. no âmbito da Mudança Organizacional A Comunicação Estratégica no âmbito da Mudança Organizacional Entrevista 1 Organização A Caracterização da Organização e Entrevistado Tipo ORGANIZAÇÃO - A Instituição Particular de Solidariedade Social,

Leia mais

Isabel Beja. Gestão Estratégica

Isabel Beja. Gestão Estratégica Isabel Beja Gestão Estratégica Financiamento: Entidade Coordenadora Local Entidade Promotora Objectivos Objectivo Geral A importância de uma correta definição de missão, visão e dos valores da instituição;

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO CÓDIGO DE ÉTICA DA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO 0 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ABRANGÊNCIA... 2 3 - PRINCÍPIOS GERAIS... 2 4 - INTEGRIDADE PROFISSIONAL E PESSOAL... 3 5 - RELAÇÕES COM

Leia mais

DISCURSO DA PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL PARA O ANO INTERNACIONAL DOS VOLUNTÁRIOS, SENHORA D. MARIA JOSÉ RITTA

DISCURSO DA PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL PARA O ANO INTERNACIONAL DOS VOLUNTÁRIOS, SENHORA D. MARIA JOSÉ RITTA DISCURSO DA PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL PARA O ANO INTERNACIONAL DOS VOLUNTÁRIOS, SENHORA D. MARIA JOSÉ RITTA 1. Estamos a chegar ao fim do Congresso do Ano Internacional dos Voluntários. E aproximamo-nos

Leia mais

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório Primeiro Relatório 62473 Pedro Vasconcelos 63563 Francisco Ferreira 73440 Filipe Correia 74211 Carolina Ferreirinha 82665 Nkusu Quivuna Sumário Este documento é o primeiro relatório de um projeto de análise

Leia mais

o Maria Hermínia Cabral o Sérgio Guimarães o Pedro Krupenski

o Maria Hermínia Cabral o Sérgio Guimarães o Pedro Krupenski II Oficina de Trabalho Código de Conduta: Processos e Metodologias 24 de Setembro 2015 Conclusões da Sessão da manhã Com o apoio dos Parceiros do Mecanismo de Apoio à Elaboração de Projetos de Cooperação,

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE MUNICÍPIO DE ALCOCHETE ASSEMBLEIA MUNICIPAL N.º 05/08 ACTA DA SESSÃO EXTRAORDINÁRIA DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL REALIZADA EM 19 DE NOVEMBRO DE 2008 1 Aos dezanove dias do mês de Novembro do ano de 2008, nesta

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais