Soraia Pinto Jornadas de Enfermagem em Urologia - 8 Março de 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Soraia Pinto Jornadas de Enfermagem em Urologia - 8 Março de 2014"

Transcrição

1 Soraia Pinto Jornadas de Enfermagem em Urologia - 8 Março de 2014

2 Aumento n.º de doentes oncológicos Conhecimento da infertilidade associada a algumas patologias Diagnóstico precoce Terapêuticas mais eficazes Maior número de sobreviventes Melhoria da qualidade de vida Vontade demonstrada pelo doente Preservação do Potencial Reprodutivo

3 Pacientes oncológicos (Quimio/Radioterapia) Outras doenças com tratamentos gonadotóxicos ou teratogénicos (Ex: med. HCV e malária) Cirurgia (Ex: Ooforectomia/Orquidectomia bilateral, Linfadenectomia Retroperitoneal) Doenças auto-imunes Doentes com disfunção eréctil e ejaculação retrógrada Doentes com lesões medulares Patologias Genéticas (Ex: S. Klinefelter, Microdeleções AZF, S. de Turner, Disgenesia Gonadal) Baixa reserva ovárica comprovada clinicamente e laboratorialmente

4 Tipo de doença subjacente Idade Potencial Reprodutivo Duração do tratamento Quimioterapia (tipo de fármaco, via de administração, dosagem) Radioterapia ( dose, local e extensão da irradiação, calendarização) O mais rapidamente possível após diagnóstico QUANDO? Antes do início dos tratamentos Antes da intervenção cirúrgica

5

6 Preservação da Fertilidade Masculina Técnicas Criopreservação de espermatozóides (Ejaculado, Urina, Biópsia Testicular) Criopreservação de tecido testicular

7 Existência de espermatogénese completa Técnica realizada por rotina (Lab. PMA) Procedimento simples Resultados comprovados

8 Pedido do médico assistente com relatório clínico Serologias para VIH, Hepatite B e C e VDRL Termo de responsabilidade da instituição de origem Consentimento informado (CI-CNPMA, 2013)

9 Abstinência de 2 a 5 dias Colheita de todo o ejaculado em recipiente estéril Colheita: Masturbação Urina Estimulação vibratória Electroejaculação Biopsia Testicular

10 Diagnóstico Marcação Consulta/Criopreservação Realização da Técnica Infertilidade é permanente Contacto a cada 3 anos (CI-CNPMA, 2013) Infertilidade transitória Espermograma pós-tratamento Manutenção/destruição das amostras

11 Indivíduos pré-púberes (ainda sem espermatogénese) Implica cirurgia para remoção tecido testicular Equipa pluridisciplinar Centro para manutenção tecido criopreservado Técnica experimental Possível introdução de células malignas (?) Biópsia do Tecido Preparação e criopreservação do tecido Transplante

12

13 Idade > > > > anos 18 anos anos anos > anos > anos >30-35 anos >30-35 anos >35-40 anos >35-40 anos 40 anos 40 anos 10% Distribução Etária Distribução Etária Distribuição Etária ( ) 10% 26% 9% 9% 12% 12% 26% 21% 21% 22% 22% 253 doentes com congelação entre 2010 e 2013 Mais jovem tinha 13 anos Mais velho tinha 59 anos

14 Distribuição por Diagnóstico (%) Linfomas Leucemias Tumores do Testiculo Tumores Gastro- Tumor Cerebral Timoma Sarcomas Tumor da Prostata Outras neoplasias Doenças Auto- Outros Outras doenças: Patologia do epidídimo Microdelecções AZF Terapêutica para Malária Terapêutica para Hepatite C

15 IPO Unidades de Saúde Requisitantes 128 (%) Hospital Santo António dos Capuchos Hospital Distrital de Faro Hospital de Santa Maria Hospital de São José 7 3 IPO 1 0 Hospital Fernando da Fonseca Hospital 1 Santo António 0 Outros dos Capuchos Hospital 2 Distrital de Faro Hospital de Santa Maria Hospital 1 de São José 2 1 Hospital Fernando da Fonseca 3 1 Outros % 6% Distribuição por Região do País Distribuição por Região do País Distribuição por Região 14% 14% 1% 3% 3% 2% 1% 3% 3% 2% 58% 58% 11% 11% 2% 2% Beja Beja Évora Évora Faro Faro Leiria Leiria Lisboa Lisboa Santarém Santarém Setúbal Setúbal Madeira Madeira Açores Açores Alcoitão Centro Hospitalar de Barreiro e Montijo Centro Hospitalar de Setúbal Hospital Santo António dos Capuchos Hospital Curry Cabral Hospital da Horta Hospital da Luz Hospital da Marinha Hospital de Cascais Hospital de Évora Hospital de Ponta Delgada Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira Hospital de Santo Espírito de Angra do Heroísmo Hospital Distrital de Faro Hospital Distrital de Santarém Hospital do Litoral Alentejano Hospital Egas Moniz Hospital Fernando da Fonseca Hospital Garcia de Horta Hospital José Joaquim Fernandes (Beja) Hospital Militar Principal Hospital Santa Maria Hospital São José HSFX IPO MAC Médico de Família Médico Particular Unidade Hospitalar de Bragança Unidade Local de Saúde Baixo Alentejo Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano

16 Parâmetros Seminais (%) normozoospermia 42 oligozoospermia 7 astenozoospermia 10 teratozoospermia 14 oligoastenozoospermia 6 oligoteratozoospermia astenoteratozoospermia oligoastenoteratozoospermia Valores Referência (OMS ) Concentração : 15x10 6 spz/ml Motilidade Progressiva: 32 % Morfologia Normal: 4 % Nomenclatura Oligozoospermia: diminuição da concentração Astenozoospermia: diminuição da motilidade Teratozoospermia: diminuição das formas normais

17 776 doentes para Autoconservação( ) 49 doentes com necessidade de lavagem seminal (HIV,HCV e HBV) 117 para Crioacumulação 150 Biópsias Testiculares

18 Preservação da Fertilidade Feminina Técnicas Criopreservação de oócitos Criopreservação de embriões Criopreservação de tecido ovárico

19 Idade Cancros hormono-dependentes Factores condicionantes Tempo entre diagnóstico e tratamento Existência de companheiro Taxas de sucesso das várias técnicas

20 O ovário tem número finito de oócitos Diminuição dos folículos primordiais Diminuição da Reserva ovárica Falência Ovárica Precoce Preservação do Potencial Reprodutivo

21 Patologias sensíveis a terapias hormonais Tempo reduzido para iniciar tratamento Sem estimulação Criopreservação de oócitos ou embriões Maturação in vitro de oócitos (IVM)

22 Estimulação Ovárica Criopreservação Embriões FIV ou ICSI -Técnica utilizada em PMA Criopreservação Oócitos - Existência de um parceiro -Oócitos mais vulneráveis -Resultados promissores

23 Preparação do Córtex Ovárico Criopreservação Biópsia do Ovário Requer procedimento cirúrgico Técnica experimental Única alternativa para mulheres pré-púberes Potencial reintrodução de células malignas (?)

24 Preservação da Fertilidade (2013) 19 anos com Neoplasia do Recto 28 anos com Falência Ovárica (Síndrome de Mayer-Rokitansky-Kuster-Hauser) 29 anos com Cancro do Colo do Útero

25 Avaliação do risco para o doente e da garantia do bem-estar da descendência Instruções precisas no que se refere ao uso/armazenamento do material biológico Equipa multidisciplinar(médicos, enfermeiros, embriologistas, psicólogos, ) Considerações éticas (discussão) Pacientes menores (pré-puberdade) Procedimentos experimentais disponíveis

26 Consciencialização da importância da preservação da fertilidade (técnicos e população em geral) Referenciação para centros da especialidade Implementação de Programas de Preservação de Fertilidade Implementação de rede nacional informada e cooperante Rapidez na resposta e facilidade no procedimento Necessidade de estudos de monitorização Grupo de Preservação da Fertilidade criado em 2012 Em projecto: Maturação in vitro de oócitos Criopreservação de Córtex Ovárico Criopreservação de Tecido Testicular

27 Maternidade Dr. Alfredo da Costa Unidade de Medicina Reprodutiva (directo da a unidade) (geral) (PF)

28 O LABORATÓRIO Sónia Correia Mafalda Rato Soraia Pinto

29

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM 2009 - A Formação Específica. ANATOMIA PATOLÓGICA Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E.

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM 2009 - A Formação Específica. ANATOMIA PATOLÓGICA Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E. Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E. Hospital Central de Faro - E.P.E. Instituto Português Oncologia de Lisboa Hospital Central do Funchal Hospital Central do Funchal Preferencial Hospital Curry

Leia mais

Registo Oncológico Nacional 2008

Registo Oncológico Nacional 2008 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado pelo Registo Oncológico Regional do Centro Editado pelo Instituto Português de Oncologia de Coimbra Francisco Gentil EPE 2 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado

Leia mais

- Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais -

- Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais - - Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais - A segurança do doente é uma preocupação crescente nos Hospitais Portugueses, tal como acontece noutros países da Europa e do resto do mundo.

Leia mais

ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE

ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE ESPERMOGRAMA! COLETA DO SÊMEN! ANÁLISE MACROSCÓPICA! ANÁLISE MICROSCÓPICA! ANÁLISE DA VITALIDADE! ANÁLISE MORFOLÓGICA! ANÁLISE DAS CÉLULAS REDONDAS! ANÁLISE BIOQUÍMICA!

Leia mais

Cardiologia Cardiologia Pediátrica Cirurgia Cardíaca Cirurgia Geral 1 Cirurgia Maxilofacial Cirurgia Pediátrica

Cardiologia Cardiologia Pediátrica Cirurgia Cardíaca Cirurgia Geral 1 Cirurgia Maxilofacial Cirurgia Pediátrica Anatomia Patológica Anestesiologia Angiologia e Cirurgia Cardiologia Cardiologia Pediátrica Cirurgia Cardíaca Cirurgia Geral Cirurgia Maxilofacial Cirurgia Pediátrica Cir. Plástica Cirurgia Torácica Dermatovenereologia

Leia mais

Histórico de Formações Suporte Básico de Vida

Histórico de Formações Suporte Básico de Vida Histórico de Formações Suporte Básico de Vida 2000 Bombeiros de Cuba Cuba 11-03-2000 Colégio N. Sr. Graça Mil Fontes 05-04-2000 Colégio N. Sr. Graça Mil Fontes 05-05-2000 H. Conde Braciál S. do Cacém 12-05-2000

Leia mais

PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte à Contratualização

PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte à Contratualização 2009 Documento de Suporte à Contratualização do Programa Específico para melhoria do ACSS DGS PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte

Leia mais

Resumo da Atividade dos Serviços Nacionais de Sangue e de Medicina Transfusional em 2011

Resumo da Atividade dos Serviços Nacionais de Sangue e de Medicina Transfusional em 2011 Resumo da Atividade dos Serviços Nacionais de Sangue e de Medicina Transfusional em 2011 Serviços de Sangue - Os Serviços de sangue são as estruturas ou organismos responsáveis pela colheita e análise

Leia mais

Programa Nacional de Erradicação da Poliomielite - Plano de Ação Pós-Eliminação

Programa Nacional de Erradicação da Poliomielite - Plano de Ação Pós-Eliminação MODELO 4 - Norte : Região Unidades Hospitalares (15) MÊS NORTE J F M A M J J A S O N D CH Nordeste, EPE CH Trás-os-Montes e Alto Douro, EPE CH Alto Ave, EPE CH Médio Ave, EPE CH Tâmega e Sousa, EPE CH

Leia mais

Centro Nacional de Observação em Dor

Centro Nacional de Observação em Dor INQUÉRITO SOBRE AS CONDIÇÕES HOSPITALARES EXISTENTES PARA O TRATAMENTO DA: DOR CRÓNICA DOR AGUDA PÓS-OPERATÓRIA DOR DO PARTO Relatório Final Novembro de 2010 Índice Objectivos 2 Métodos e Participantes

Leia mais

Projectos candidatos ao Prémio de Boas Práticas sobre Eficiência (por ordem alfabética) Designação do Projecto Região Instituição Executora

Projectos candidatos ao Prémio de Boas Práticas sobre Eficiência (por ordem alfabética) Designação do Projecto Região Instituição Executora Projectos candidatos ao Prémio de Boas Práticas sobre Eficiência 1. Apoio Domiciliário e Voluntariado a Idosos e Centro de Saúde Soares dos Reis (V. N. Gaia) 2. Combate à Obesidade Infantil Pública da

Leia mais

Lista de Associados. > Hospital do Montijo + Hospital Nossa Senhora do Rosário, EPE CENTRO HOSPITALAR DE ENTRE O DOURO E VOUGA, EPE

Lista de Associados. > Hospital do Montijo + Hospital Nossa Senhora do Rosário, EPE CENTRO HOSPITALAR DE ENTRE O DOURO E VOUGA, EPE ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DO SISTEMA DE SAÚDE (ACSS) ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO, IP ARS DO ALENTEJO, IP ARS DO ALGARVE, IP ARS DO CENTRO, IP ARS DO NORTE, IP CENTRO DE MEDICINA E REABILITAÇÃO DA REGIÃO CENTRO

Leia mais

Desdobrável de informação ao paciente

Desdobrável de informação ao paciente Desdobrável de informação ao paciente Cancro do colo do útero Secções para este tópico: Introdução Sintomas Causas Diagnóstico Tratamento Prevenção Bibliografia Parceiros de informações Introdução O cancro

Leia mais

O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo.

O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. CÂNCER EM CRIANÇAS O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. O câncer é comum em crianças? Nos

Leia mais

MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM

MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM SAÚDE DO HOMEM Por preconceito, muitos homens ainda resistem em procurar orientação médica ou submeter-se a exames preventivos, principalmente os de revenção do câncer

Leia mais

IMPLEMENTAMOS PROJECTOS QUE ACRESCENTAM VALOR

IMPLEMENTAMOS PROJECTOS QUE ACRESCENTAM VALOR IMPLEMENTAMOS PROJECTOS QUE ACRESCENTAM VALOR Saúde do Produto para a Solução BIQ Consultores QUEM SOMOS E O QUE FAZEMOS 2011 Internacionalização 1998 Sistemas de Gestão e Organização 2010 Segurança dos

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2. Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil

TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2. Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2 Curso Profissional de Técnico de Apoio à Infância/Ensino Secundário Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil Turma [I] do 10º Ano de Escolaridade

Leia mais

BIOLOGIA 12º ANO. Prof. Ângela Morais UNIDADE 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

BIOLOGIA 12º ANO. Prof. Ângela Morais UNIDADE 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Escola B+S Bispo D. Manuel Ferreira Cabral Ano Letivo 2011/2012 BIOLOGIA 12º ANO Prof. Ângela Morais UNIDADE 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE 2. Manipulação da Fertilidade 2.2 Infertilidade Humana

Leia mais

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS 2012 PEBC Plano Estratégico do Baixo Carbono ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública 28 de agosto de 2013 www.acss.min-saude.pt

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3. Comparação do Número de Dadores na Europa, 2002... 4 2. SEGURANÇA E QUALIDADE EM TRANSPLANTAÇÃO... 4

1. INTRODUÇÃO... 3. Comparação do Número de Dadores na Europa, 2002... 4 2. SEGURANÇA E QUALIDADE EM TRANSPLANTAÇÃO... 4 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 Comparação do Número de Dadores na Europa, 2002... 4 2. SEGURANÇA E QUALIDADE EM TRANSPLANTAÇÃO... 4 3. CARTA NACIONAL DE COLHEITA DE ÓRGÃOS... 6 4. GESTÃO ESTRATÉGICA... 6 5.

Leia mais

Infertilidade Masculina

Infertilidade Masculina Urologia Fundamental CAPÍTULO 8 Infertilidade Masculina Marcelo Vieira Sidney Glina UROLOGIA FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO Fator masculino tem a mesma importância do feminino, uma vez que a incidência desses

Leia mais

Apoio e realização: II Congresso Brasileiro de Ginecologia Oncológica AGINON 2015 I Jornada Latino-Americana de Ginecologia Oncológica - LASGO

Apoio e realização: II Congresso Brasileiro de Ginecologia Oncológica AGINON 2015 I Jornada Latino-Americana de Ginecologia Oncológica - LASGO Apoio e realização: II Congresso Brasileiro de Ginecologia Oncológica AGINON 2015 I Jornada Latino-Americana de Ginecologia Oncológica - LASGO Local: Minas Centro, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Leia mais

ARS Norte. Identificação da Instituição Executora. Título. Responsável. Liga dos Amigos do Centro de Saúde Soares dos Reis

ARS Norte. Identificação da Instituição Executora. Título. Responsável. Liga dos Amigos do Centro de Saúde Soares dos Reis ARS Norte Apoio Domiciliário e Voluntário a Idosos e Dependentes Promoção da Prática de Cirurgia em Regime de Ambulatório em Portugal Normalização dos Ensinos/Personalizados do que ensinar Ajudar a Cuidar

Leia mais

Acta Urológica. Urologia e Medicina Familiar. Infertilidade Conjugal. Avaliação do factor masculino. Luís Ferraz. Separata Volume 23 Número 4 2006

Acta Urológica. Urologia e Medicina Familiar. Infertilidade Conjugal. Avaliação do factor masculino. Luís Ferraz. Separata Volume 23 Número 4 2006 Associação Portuguesa de Urologia Separata Volume 23 Número 4 2006 Acta Urológica Urologia e Medicina Familiar Infertilidade Conjugal Avaliação do factor masculino Director Editor Editores Adjuntos Francisco

Leia mais

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA? A Leucemia Mieloblástica Aguda (LMA) é o segundo tipo de leucemia mais frequente na criança.

Leia mais

Mapa de Vagas IM - 2011 A - FE

Mapa de Vagas IM - 2011 A - FE Mapa de IM - 2011 A - FE Anatomia Patológica Centro Hospitalar de São João, EPE 2 Centro Hospitalar de Trás os Montes e Alto Douro, EPE Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, EPE 1 1 Centro Hospitalar

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa Mestrado Integrado em Medicina - 6º ano Unidade Curricular: Estágio Profissionalizante Regente: Professor Doutor Fernando Miguel

Leia mais

PARECER N.º 2 / 2012

PARECER N.º 2 / 2012 PARECER N.º 2 / 2012 DOTAÇÃO DE PESSOAL NO SERVIÇO DE PEDIATRIA ONCOLÓGICA 1. A questão colocada Solicitar o parecer da Ordem acerca da dotação de pessoal no serviço de Pediatria Oncológica, dado que não

Leia mais

Instituição. Número de Conselheiros Nacionais a eleger por Secção Sindical - 1

Instituição. Número de Conselheiros Nacionais a eleger por Secção Sindical - 1 Instituição Lugares no CN Academia Militar Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto Centro de Investigação Marinha e Ambiental, Laboratório Associado da Universidade

Leia mais

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 04 - de 19/01/2015 a 25/01/2015

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 04 - de 19/01/2015 a 25/01/2015 Resumo Parceiros Rede de hospitais para a vigilância clínica e laboratorial em Unidades de Cuidados Intensivos Contatos: Departamento de Epidemiologia do INSA, tel 217526488 Laboratório Nacional de Referência

Leia mais

Âmbito de intervenção do projecto: Local Distrito de Lisboa; concelho de Sintra

Âmbito de intervenção do projecto: Local Distrito de Lisboa; concelho de Sintra Entidade Promotora: Associação Meio Caminho Designação do Projecto: Casa do Quero Parcerias: Câmara Municipal de Sintra, IEFP. Âmbito de intervenção do projecto: Local Distrito de Lisboa; concelho de Sintra

Leia mais

CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO

CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO PROJECTO CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO do Hospital de Santa Maria CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO MARIA RAPOSA Todos os anos, um número crescente de crianças, dos 0 aos 18 anos de idade, são assistidas

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

Hospital de Santo Espirito da Ilha Terceira e a sua articulação com as Unidades de Saúde de Ilha da RAA. Paula Moniz

Hospital de Santo Espirito da Ilha Terceira e a sua articulação com as Unidades de Saúde de Ilha da RAA. Paula Moniz Hospital de Santo Espirito da Ilha Terceira e a sua articulação com as Unidades de Saúde de Ilha da RAA Paula Moniz VISÃO O Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira, EPER pretende ser uma instituição

Leia mais

Gabarito Preliminar 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 E D E A B A B B B E A C A C E C A A A D E C C B E

Gabarito Preliminar 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 E D E A B A B B B E A C A C E C A A A D E C C B E Gabarito Preliminar MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - MEAC-UFC E HOSPITAL UNIVERSITÁRIO WALTER CANTÍDIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - HUWC-UFC CONCURSO PÚBLICO

Leia mais

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Elaboração: Dr Luis Fernando Pracchia Área Técnica da Saúde da Pessoa com Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto Planeamento Familiar e Educação Afectivo-sexual No quadro normativo nacional, aplicável à Região Autónoma

Leia mais

COLINA DE SANTANA. Hospitais Civis de Lisboa Acesso da população ao SNS Assembleia Municipal de Lisboa Janeiro 2014 Pilar Vicente

COLINA DE SANTANA. Hospitais Civis de Lisboa Acesso da população ao SNS Assembleia Municipal de Lisboa Janeiro 2014 Pilar Vicente Hospitais Civis de Lisboa Acesso da população ao SNS Assembleia Municipal de Lisboa Janeiro 2014 Pilar Vicente População de Lisboa e Acesso ao S.N.S: Nº de utentes Caracterização da População Necessidades

Leia mais

PRESERVAÇÃO FERTILIDADE HOMEM Recomendações. Alexandra Teixeira

PRESERVAÇÃO FERTILIDADE HOMEM Recomendações. Alexandra Teixeira PRESERVAÇÃO FERTILIDADE HOMEM Recomendações Alexandra Teixeira O número de adultos jovens "long survivors" tem crescido e a preocupação com os efeitos tardios relacionados com os tratamentos tem emergido,

Leia mais

MANUAL DA COMISSÃO DE ONCOLOGIA

MANUAL DA COMISSÃO DE ONCOLOGIA MANUAL DA COMISSÃO DE ONCOLOGIA CENTRAL MUNICIPAL DE REGULAÇÃO Secretaria Municipal de Saúde 2014 SUMÁRIO PÁGINA 1. COMISSÃO ONCOLOGIA 03 2. CONSULTA COM ONCOLOGISTA (Criança) 03 3. CONSULTA COM ONCOLOGISTA

Leia mais

27 de Janeiro de 2006. - A Secretária de Estado Adjunta e da Saúde, Carmen Madalena da Costa Gomes e Cunha Pignatelli.

27 de Janeiro de 2006. - A Secretária de Estado Adjunta e da Saúde, Carmen Madalena da Costa Gomes e Cunha Pignatelli. Despacho n.º 3845/2006 (2.ª série). - O Decreto-Lei n.º 112/98, de 24 de Abril, na alínea b) do n.º 1 do artigo 9.º, prevê a prorrogação do contrato administrativo de provimento dos internos que à data

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. ESTÁGIO DE PEDIATRIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. ESTÁGIO DE PEDIATRIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015 ÁREA ACADÉMICA UGC Unidade de Gestão Curricular FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA ESTÁGIO DE PEDIATRIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015 Coordenadores: Coordenador

Leia mais

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica Programa 0011 PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER E ASSISTÊNCIA ONCOLÓGICA Objetivo Indicador(es) Promover a prevenção, a detecção precoce dos tipos de câncer prevalentes e a assistência à população para reduzir

Leia mais

Doenças Oncológicas em números 2014. Programa Nacional para as Doenças Oncológicas

Doenças Oncológicas em números 2014. Programa Nacional para as Doenças Oncológicas portugal Doenças Oncológicas em números 214 Programa Nacional para as Doenças Oncológicas portugal Doenças Oncológicas em números 214 Programa Nacional para as Doenças Oncológicas DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE,

Leia mais

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR?

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? JP Coutinho Borges, A Santos, A Carvalho, J Mesquita, A Almeida, P Pinheiro Serviço de Ginecologia e Obstetrícia ULSAM Viana do Castelo OBJETIVO Apresentação

Leia mais

PORTUGAL Doenças Oncológicas em Números 2015. Programa Nacional para as Doenças Oncológicas

PORTUGAL Doenças Oncológicas em Números 2015. Programa Nacional para as Doenças Oncológicas PORTUGAL Doenças Oncológicas em Números 215 Programa Nacional para as Doenças Oncológicas PORTUGAL Doenças Oncológicas em Números 215 Programa Nacional para as Doenças Oncológicas DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE,

Leia mais

Dialogando com um Centro de Reprodução: A preservação de gametas hoje. Rita Figueira, PhD, TS(ABB)

Dialogando com um Centro de Reprodução: A preservação de gametas hoje. Rita Figueira, PhD, TS(ABB) Dialogando com um Centro de Reprodução: A preservação de gametas hoje. Rita Figueira, PhD, TS(ABB) Conceito e Objetivo: Conceito Criopreservação é um processo onde células ou tecidos biológicos são preservados

Leia mais

Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios)

Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios) Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios) Dia Mundial da Tuberculose 24 de março de 2013 Índice Introdução... 3 Metodologia...

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

AUTORIZAÇÕES DE UNIDADES, BANCOS E SERVIÇOS RESPONSÁVEIS PELA APLICAÇÃO / TRANSPLANTAÇÃO - SETOR PÚBLICO ÓRGÃOS

AUTORIZAÇÕES DE UNIDADES, BANCOS E SERVIÇOS RESPONSÁVEIS PELA APLICAÇÃO / TRANSPLANTAÇÃO - SETOR PÚBLICO ÓRGÃOS ÓRGÃOS Centro Hospitalar de Tondela - Viseu, E.P.E. Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, E.P.E. Centro Hospitalar do Baixo Vouga, E.P.E. Centro Hospitalar Trás os Montes e Alto Douro, E.P.E.

Leia mais

CRIOPRESERVAÇÃO DE SANGUE DO CORDÃO UMBILICAL. Guia para os Pais

CRIOPRESERVAÇÃO DE SANGUE DO CORDÃO UMBILICAL. Guia para os Pais CRIOPRESERVAÇÃO DE SANGUE DO CORDÃO UMBILICAL Guia para os Pais Guia elaborado pelo Conselho da Europa, Comité Europeu para a Transplantação de Órgãos (CD-P-TO). Para mais informações, visite https://go.edqm.eu/transplantation.

Leia mais

A Mulher portuguesa e o Desporto O TÉNIS DE MESA PORTUGUÊS NO FEMININO 21/05/2014

A Mulher portuguesa e o Desporto O TÉNIS DE MESA PORTUGUÊS NO FEMININO 21/05/2014 O TÉNIS DE MESA PORTUGUÊS NO FEMININO 2 A Mulher portuguesa e o Desporto 1º FÓRUM NACIONAL DE TÉNIS DE MESA 24 maio 2014 Propostas para discussão e reflexão Manuela Simões O Ténis de Mesa não é, a este

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

CAPÍTULO 14. InFERTILIDADE MASCULInA. 1. INTRODUçãO

CAPÍTULO 14. InFERTILIDADE MASCULInA. 1. INTRODUçãO CAPÍTULO 14 InFERTILIDADE MASCULInA 1. INTRODUçãO Aproximadamente 15% dos casais se tornam incapazes de conceber após um ano de relações sexuais desprotegidas. O fator masculino é responsável exclusivo

Leia mais

RASTREIO DO CANCRO E RECTO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO,I.P.

RASTREIO DO CANCRO E RECTO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO,I.P. RASTREIO DO CANCRO DO CÓLON C E RECTO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO,I.P. COR Grupo de trabalho do RCCR 12 Janeiro 2009 Segundo a OMS, o cancro do cólon e do recto, constitui a nível mundial

Leia mais

Anexos do Relatório da Actividade Cirúrgica em Neoplasias Malignas em 2007

Anexos do Relatório da Actividade Cirúrgica em Neoplasias Malignas em 2007 Unidade Central de Gestão de Inscritos para Cirurgia Anexos do Relatório da Actividade Cirúrgica em Neoplasias Malignas em 2007 Página 1 de 93 Índice Introdução... 4 Conceitos e Fórmulas utilizadas no

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 SUPLEMENTO N.º 2 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA CURSOS CONGÉNERES DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2012

Leia mais

Preservação da Fertilidade Masculina em Doentes Oncológicos

Preservação da Fertilidade Masculina em Doentes Oncológicos UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS Departamento de Biologia Animal Preservação da Fertilidade Masculina em Doentes Oncológicos Patrícia Susana Ramos de Carvalho Mestrado em Biologia Humana e

Leia mais

Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 28/XI/1ª. Exposição de Motivos

Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 28/XI/1ª. Exposição de Motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 28/XI/1ª Recomenda ao Governo que adopte medidas urgentes que diminuam os tempos de espera para consulta e cirurgia oncológica e que melhorem a qualidade e o

Leia mais

Protocolos de Diagnóstico e Terapêutica em Infecciologia Perinatal SÍFILIS

Protocolos de Diagnóstico e Terapêutica em Infecciologia Perinatal SÍFILIS A sífilis é uma infecção transmitida sexualmente que pode atingir a grávida e o feto em qualquer altura da gestação. No adulto, não tratada, evolui de sífilis primária para secundária e terciária. No feto

Leia mais

NOTAS CURRICULARES. João Manuel Alves da Silveira Ribeiro Nascido a 19 de novembro de 1951, na freguesia de Cedofeita, concelho do Porto.

NOTAS CURRICULARES. João Manuel Alves da Silveira Ribeiro Nascido a 19 de novembro de 1951, na freguesia de Cedofeita, concelho do Porto. NOTAS CURRICULARES João Manuel Alves da Silveira Ribeiro Nascido a 19 de novembro de 1951, na freguesia de Cedofeita, concelho do Porto. Formação académica: 2007 - Programa de Alta Direção de Instituições

Leia mais

PLANO DE CURSO. Pré-requisito: Nenhum

PLANO DE CURSO. Pré-requisito: Nenhum CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Código: ENF- 218 CH Total: 60 Horas Pré-requisito:

Leia mais

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER Próstata Sobre o Câncer Sintomas Diagnóstico e exame Tratamento Recomendações O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho

Leia mais

Check-ups Específicos

Check-ups Específicos Check-ups Específicos Os nossos check-ups específicos permitem obter um exame rigoroso e detalhado de uma área concreta da saúde, segundo as necessidades concretas de cada paciente. TIPOS DE EXAMES ESPECIAIS:

Leia mais

Perfil de Competências dos Especialistas

Perfil de Competências dos Especialistas Perfil de Competências dos Especialistas Os Especialistas em Saúde do Colégio de Biologia Humana e Saúde apresentam, de um modo global, as seguintes competências: Perfil de Competências do Especialista

Leia mais

Anexo I - Questionário

Anexo I - Questionário Anexo I - Questionário Joana Alexandra de Jesus Amorim, aluna do 4º ano da Licenciatura em Enfermagem da Universidade Fernando Pessoa, encontra-se a realizar um trabalho de investigação com o título Cirurgia

Leia mais

PROJECTO DE MAPA DE PESSOAL DO INEM PARA 2009 ELABORADO NOS TERMOS DO ART. 5º LVCR

PROJECTO DE MAPA DE PESSOAL DO INEM PARA 2009 ELABORADO NOS TERMOS DO ART. 5º LVCR PROJECTO DE MAPA DE PESSOAL DO INEM PARA 2009 ELABORADO NOS TERMOS DO ART. 5º LVCR - Presidente do Conselho Directivo (1) - 1 - Vogal do Conselho Directivo (1) - 2 - Director Regional (1) - 1 - Director

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 73/2013 de 1 de Julho de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 73/2013 de 1 de Julho de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 73/2013 de 1 de Julho de 2013 Tendo por aceite que os órgãos de gestão das unidades de saúde devem manter os seus representantes clínicos, mas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA NA SAÚDE DA MULHER II Edição. www.estesl.ipl.pt

PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA NA SAÚDE DA MULHER II Edição. www.estesl.ipl.pt PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA NA SAÚDE DA MULHER Abílio Lacerda (MAC) COORDENAÇÃO Maria Teresa Tomás (ESTeSL - IPL) Isabel de Souza Guerra (APF) Luísa Pedro (ESTeSL - IPL) Maria de Fátima Sancho (APF_GIFSM)

Leia mais

Sistema Reprodutor. Carlos Plancha 6/12/06

Sistema Reprodutor. Carlos Plancha 6/12/06 Sistema Reprodutor Carlos Plancha 6/12/06 Aparelho Reprodutor Masculino Estrutura do testículo Compartimento tubular: Células da linhagem germinal Células de Sertoli Compartimento inter-tubular: Células

Leia mais

Diagnóstico das doenças da próstata

Diagnóstico das doenças da próstata Diagnóstico das doenças da próstata A. A QUEM SE DEVE DIRIGIR SE TEM DIFICULDADES URINÁRIAS? O médico especialista em patologia prostática é o urologista. Este especialista realizará exames adequados para

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde 21816-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 118 20 de junho de 2012 PARTE C MINISTÉRIO DA SAÚDE Gabinete do Secretário de Estado da Saúde Despacho n.º 8317-A/2012 Pelo despacho n.º 7702 -B/2012, publicado

Leia mais

EDITAL DE SUBMISSÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS

EDITAL DE SUBMISSÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS EDITAL DE SUBMISSÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS A Oncológica Brasil Ensino e Pesquisa e a Liga Acadêmica de Oncologia do Pará (LAOPA) tornam público o presente edital de submissão de trabalhos científicos,

Leia mais

Circular 0078/2000 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2000.

Circular 0078/2000 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2000. Circular 0078/2000 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2000. IX Encontro de Provedores, Diretores e Administradores Hospitalares de Santas Casas e Entidades Filantrópicas do Estado de São Paulo De: 13 a 15 de

Leia mais

A percepção dos enfermeiros na contextualização dos Fundamentos de Enfermagem

A percepção dos enfermeiros na contextualização dos Fundamentos de Enfermagem A percepção dos enfermeiros na contextualização dos Fundamentos de Enfermagem Isabel Lourenço / Professora Adjunta Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Saúde Drº Lopes Dias ilourenco@ess.ipcb.pt

Leia mais

Cenário da Saúde da Criança e da Oncologia Pediátrica: avanços e desafios para a organização da rede assistencial

Cenário da Saúde da Criança e da Oncologia Pediátrica: avanços e desafios para a organização da rede assistencial Cenário da Saúde da Criança e da Oncologia Pediátrica: avanços e desafios para a organização da rede assistencial José Eduardo Castro jose.castro@cancer.org.br Alguns conceitos no estudo da rede assitêncial

Leia mais

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar.

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar. IV Seminário de Promoçã ção o da Saúde e Prevençã ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar I Seminário de Atençã ção à Saúde Suplementar Dezembro 2007 Área de Atençã ção à Saúde da Mulher Marco Regulatório

Leia mais

ANEXO III ENTIDADES COM AS QUAIS A ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE LISBOA TEM PROTOCOLOS DE FORMAÇÃO ENTIDADES HOSPITALARES

ANEXO III ENTIDADES COM AS QUAIS A ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE LISBOA TEM PROTOCOLOS DE FORMAÇÃO ENTIDADES HOSPITALARES ENTIDADES COM AS QUAIS A ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE LISBOA TEM PROTOCOLOS DE FORMAÇÃO ENTIDADES HOSPITALARES Centro Hospitalar de Lisboa Central EPE Centro Hospitalar de Lisboa Norte EPE Centro Hospitalar

Leia mais

Procriação Medicamente Assistida

Procriação Medicamente Assistida 44/CNECV/04 PARECER Nº 44 DO CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA Procriação Medicamente Assistida (Julho de 2004) Introdução A presente reflexão do Conselho Nacional de Ética para as Ciências

Leia mais

A Voz dos Hospitais Programa Científico

A Voz dos Hospitais Programa Científico 182ª Reunião SPG 7 de novembro de 2015 Universidade do Algarve Campus de Gambelas A Voz dos Hospitais Programa Científico Caros Colegas, A 182ª Reunião da SPG realiza-se no dia 7 de Novembro de 2015 na

Leia mais

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem SAÚDE DO HOMEM Por preconceito, muitos homens ainda resistem em procurar orientação médica ou submeter-se a exames preventivos, principalmente os de

Leia mais

Boas-vindas e Introdução

Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias John P. Leonard, médico Reitor Associado de Pesquisa Clínica

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 Fisiopatologia do Processo Maligno As células são conhecidas desde o século XVII, quando foram observadas com microscópios muito

Leia mais