Implementação do N4C

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Implementação do N4C"

Transcrição

1 Newsletter N4C Edição 4 Junho 2010 Nesta edição: Implementação do acesso à internet via DTN em: Alasca, EUA Amazonas, Brasil Malásia Mongolia Do N4C e Arctic Action ICT Workshop Bancos de teste para comunidades rurais e condições Arcticas. Tromsø Workshop 28 Janeiro 2010 Eventos programados: Internet Futura: Conferências Dezembro 2010, Ghent, Bélgica Ler mais! ICT 2010 Bruxelas, Bélgica Setembro 2010 Baixar Programa! Tolerant Networks Ltd. Kerry Hartnett e Dr. Stephen Farrell, parceiros N4C, fundaram uma empresa, Tolerant Networks Ltd. e vão oferecer roteadores DTN para aldeias, dispositivos alimentados a energia solar, suporte geral e consultadoria DTN. Mais informação em: com/ é financiada pela iniciativa FIRE do FP7 ICT da Comissão Europeia Photo: Ernst Wingborg Implementação do N4C O projecto de investigação Rede para Comunicação em Comunidades remotas: Arquitectura, bancos de teste e alianças de inovação (N4C) começou em Maio de O objectivo do N4C é desenvolver acesso à internet baseado em DTN, dois bancos de ensaio (Lapónia, Suécia e em Kočevje região montanhosa da Eslovénia) e testar aplicações. Mas o desenvolvimento é apenas uma face da moeda, encontrar modelos para a implementação do serviço é outra. Em Dezembro de 2009 uma primeira questão da exploração do N4C foi apresentada. Esse relatório lida com questões de implementação mas também com o facto de o N4C usar software Open Source e portanto os modelos regentes têm de levar isso em conta. Nesta quarta edição da nossa newsletter (versão pdf) apresentamos a nossa investigação de implementação. Temos conhecimento através da nossa optimização do motor de busca que o N4C atrai muitas atenções em todo o mundo. A equipa do N4C já foi contactada por investigadores do Alasca, Brasil (Amazonas), Malásia e Mongólia. Nós temos o prazer de informar que a primeira companhia do N4C foi criada. Kerry Hartnett e Dr. Stephen Farrell, parceiros N4C, começaram uma empresa, Tolerant Networks Ltd., que vai oferecer roteadores DTN para aldeias, dispositivos alimentados a energia solar e suporte geral e consultoria DTN. Desejamos orgulhosamente à Tolerant Networks Ltd. sucesso e um futuro próspero! Dr. Maria Udén, Gestora do projecto Edição Newsletter N4C 1

2 Implementação do acesso à internet via DTN Exploração do acesso à internet baseado na DTN lida com os problemas do software que utilizada que é chamado Open Source Software (OSS). OSS não pode ser implantado facilmente em comunidades remotas. Uma razão para isso é que os níveis de competências da ICT em tais comunidades está ao, ou abaixo do, nível médio. Outra é que as pessoas nessas áreas já têm mais de que um emprego. Trabalhar numa plataforma OSS leva tempo. Modelos de negócios N4C também têm de levar em conta que o futuro desenvolvimento e manutenção devem ser financiadas por outras fontes que não o licenciamento. Sustentação da internet baseada em DTN e dos bancos de teste encontram o mesmo desafio que a professora Ellinor Ostrom analisou para comuns. A professora Ostrom "demonstrou que propriedade comum pode ser controlada com sucesso por associações de utilizadores". Recebeu o Prémio Nobel da Economia em 2009 e o Prémio Sveriges Riksbank em Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel pela sua análise da sustentação económica, especialmente dos comuns". Na sustentação do N4C tem que se considerar que a execução deve ter um impacto positivo na comunidade local, apoiando e reforçando a cultura e as tradições locais, e que o N4C deve usar design sensível ao género para garantir que toda a comunidade beneficie do projecto. Modelos de implementação N4C Mas, primeiro, como pode o consórcio N4C implantar acesso à internet baseado em DTN tendo em conta que existem muito poucos utilizadores, tanto na Lapónia Sueca e nas montanhas da Eslovénia? De onde vêem os recursos financeiros para a actualização e manutenção da DTN? Para enfrentar este desafio o consórcio N4C trabalha com dois modelos de implantação. Parcerias Público-Privadas (PPP) PPP significa que a responsabilidades (particularmente a financeira) é partilhada entre uma, ou um grupo, de empresas privadas alguma autoridade pública. Para a Lapónia Sueca, N4C planeia usar Parceria Público-Privada (PPP) como principal modelo financeiro para as PME, autoridades municipais e regionais, bem como fornecedores de banda larga e de serviço no município. Este modelo ao mesmo tempo vai ser testado para acesso à internet baseada na DTN e para o banco de testes na Lapónia Sueca. Na Eslovénia, o plano N4C é usar um modelo de negócios onde empresas privadas possuem e correm o acesso à internet baseado em DTN e os bancos de teste. Modelos de sustentação Para gerir o acesso à internet baseado na DTN e os bancos de teste N4C planeia iniciar associações económicas. N4C testou três níveis de implementação para os bancos de teste: Nível 1: Os bancos de teste flutuam como uma plataforma de investigação, ou seja, em nível semelhante ao de hoje. Nível 2: Incluir desenvolvimento do acesso à internet baseado em DTN no nível 1 para dar à população de Sámi, caminhantes e investigadores acesso à Internet. Acima desse nível 2 facilitará infra-estrutura de banco de teste de pequena escala para novos clientes de fora do consórcio inicial. Nível 3: Incluir o desenvolvimento do acesso à internet baseado na DTN para fornecer, tanto para os bancos de teste federados em grande escala como para a população de Sámi e caminhantes, Internet. Este nível será desenvolvido em colaboração com a rede FIRE. Modelos de bancos de teste N4C Nível 1. Plataforma de pesquisa (durante o projecto N4C FP7). Nível 2. Bancos de teste em pequena escala para parceiros e novos clientes. Nível 3. Bancos de teste federados em grande escala em colaboração com a rede FIRE. Edição Newsletter N4C 2

3 Gestão de recursos comuns N4C tem que lidar com duas questões de investigação muito importantes: 1. Pode a infra-estrutura N4C e bancos de teste serem geridos como comuns pelo utilizador? Se sim, como pode ser feito de forma interactiva com o utilizador? 2. Como podem questões de género e culturais serem salvaguardadas? Conselhos de Ostrom acerca da gestão de bens comuns 1. Limites claramente definidos (efectiva exclusão de partes externas sem serviços); 2. Regras relativas à apropriação e provisão de recursos comuns são adaptadas às condições locais; 3. Acordo colectivo de escolha permitem a mais proprietários de recursos participar do processo de decisão; 4. Monitorização eficaz por monitores que fazem parte dos, ou são responsáveis pelos, proprietários; 5. Há uma escala de sanções graduais para os proprietários de recursos que violam as regras da comunidade; 6. Mecanismos de resolução de conflitos são baratos e de fácil acesso; 7. A auto-determinação da comunidade é reconhecida pelas autoridades de nível superior; 8. No caso de maiores recursos comunitários: a organização sob a forma de múltiplas camadas de empresas, com pequenas CPRs locais ao nível de base. Ostrom, Elinor (1990). Governing the Commons: The Evolution of Institutions for Collective Action. Cambridge University Press. ISBN Interesse documentado na DTN em todo o mundo Alasca, USA Amazonas, Brasil Malásia Mongólia Implementação da DTN no Brasil, Amazonas N4C foi representado no EUBR 2009 (setembro 2009) workshop do Instituto Pedro Nunes (IPN). O workshop EUBR foi o resultado de uma colaboração conjunta entre a Comissão Europeia, o Ministério das Relações Exteriores e do Ministro da Ciência e Tecnologia, com o apoio da Universidade de São Paulo e Universidade de Brasília, no contexto do diálogo político entre o Brasil e a União Europeia no domínio da Sociedade da Informação. O objectivo principal do workshop EUBR era promover a colaboração, troca de experiências e pesquisas conjuntas sobre as TIC entre brasileiros e comunidades científicas europeias, sobre "Internet do Futuro", "e-infraestrutura", "Micro-electronica / Microsistemas"e "Embebidos e Controlo ". IPN estabeleceu contacto com investigadores que já estavam envolvidos com a DTN no Brasil (professores Otto Duarte e Alfredo Goldman), ambos demonstrando interesse no conceito N4C e inovação tecnológica. O contacto resultou numa reunião em Outubro de 2009 no Brasil realizada pela Fundação CERTI em parceria com a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empresas inovadoras no Brasil. CERTI está interessado num teste piloto utilizando as soluções N4C na floresta amazónica. Uma proposta baseada no desenvolvimento tecnológico, com ênfase no impacto ambiental e económico, com forte vertente na e-inclusão serão desenvolvidos no futuro próximo. Edição Newsletter N4C 3

4 Newsletter Edição 4 Junho 2010 Implementação - Mongólia A 21 de Maio N4C organizou uma pequena workshop na LTU, em Luleå, sobre a possibilidade de implantação de tecnologia DTN na Mongólia. Iniciadora do encontro foi a Sra. Handmaa Karlssson uma antiga cidadã da Mongólia, que agora está interessada em desenvolvimento de aplicações das TIC como um meio de contribuir para o desenvolvimento económico, democratização e desenvolvimento cultural na sua antiga pátria. N4C vai fazer um estudo pré-piloto sobre o que exigiria tornar a DTN tecnologia disponível para os cidadãos das zonas rurais, na Mongólia. Se estiver interessado em contribuir contacte Sra Barbro Fransson Foto: Sra Handmaa Karlsson de visita ao LTU. N4C workshop em Tromsø O workshop "Banco de testes para as Comunidades Rurais e Condições Árticas" aconteceu em Tromsø, na Noruega, em 28 de Janeiro de 2010, nas instalações da NORUT. Este workshop foi um acordo comum entre o projecto N4C e o Conselho Ártico de Desenvolvimento Sustentável do Grupo de Trabalho do Projecto. O principal objectivo do workshop foi combinar análises, impressões e experiências dos participantes, bem como aumentar a conscientização sobre o potencial de uma abordagem pró-activa para a criação de bancos de testes, nas regiões nortenhas. Dr. Maria Udén and Dr. Ivan Burkow deram as boas vindas aos participantes do workshop N4C e a Norut. Sra. Annika Sallstrom apresentou a experiência do Bótnia Living Lab e o Sr. Jan Ove Gjerde, Dyroy Energy A / S, demonstrou o uso que o sector energético pode ter de um banco de testes num município remoto no norte da Noruega. Uma apresentação muito apreciada foi feita com Dr. Ricardo Beck, da Barrow Science Consortium. (Leia mais sobre o potencial de implantação no Alasca, na página 5-6). Dr. Richard Beck da Univercidade de Cincinnati. Edição Newsletter N4C 4

5 Newsletter Issue 4 June 2010 DTN no Alasca Qual é o potencial de implantação da DTN no Alasca? Poderá a tecnologia DTN ser usada no trabalho com a Observações e Sustentabilidade do Árctico? Essas foram algumas das perguntas do Dr. Richard Beck da Universidade de Cincinnati colocadas ao consórcio N4C no workshop do N4C e Artic Action ICT em Tromsø a 28 de janeiro de E as conclusões foram convincentes que também o facto de a equipa de investigação da Universidade de Cincinnati tem considerado o N4C e seu antecessor SNC como seu projeto parente. Mas tudo começou em 2002 quando o senador Stevens dos EUA perguntou a cientistas em Barrow para ajudar com o tele-ensino no norte do Alasca. Universidade de Cincinnati (UC) mencionou os resultados da UC/NASA nos esforços do tele-ensino com comunidades americanas nativas no Minnesota e Wisconsin e o senador Stevens pediu à UC para trabalhar com a NASA sobre as possíveis soluções para o Alasca. A equipa de investigação já identificou sete comunidades de utilizadores base; telemedicina, educação, exploração de hidrocarbonetos, investigação científica, público, o governo local, o governo federal. As necessidades são resumidas numa proposta pendente da NSF para CISE e OPP. Necessidades gerais de comunicações no Árctico são: Melhor largura de banda (variável dependendo da aplicação), tempo real, integrado, baseado em padrões (IP) de dados, comunicações voz e vídeo (extensível e interoperável), redundância (aumento da confiança), Distribuição (aumento da confiança), Mobilidade e Segurança. E parte da área está completamente isolada durante partes do ano. Uma visão, está indicada na avaliação de necessidades, e uma tecnologia de ensaio de pesquisa para fornecer alta (T-1 com T-3 ou 1,5-45 Mbit /segundo) largura de banda para o norte do Alasca e do Árctico a pedido do senador Ted Stevens. Foto: O Arctic Thaw Lakes Project está localizado neste ambiente hostil. O projeto começou com os nativos do Alasca na encosta norte do Alasca, um dos grupos mais isolados e carentes de cidadãos nos EUA. Nativos do Alasca são o que é chamado na Europa e-excluidos significando que eles não têm acesso à banda larga de comunicação. Comunidades da encosta norte do Alasca têm dificuldade de acesso ao resto do Alasca e EUA. Como a Escandinávia norte esta área é também caracterizada pelo mau tempo e as condições oceânicas. Foto: A equipa de investigação tem três quebragelos equipados com unidades Iridium Open Ports para conectividade remota, mas não é rentável para a transferência de dados. Quebra-gelo DTN precisam de uma entrega coordenada de e para a nova unidade de investigação das mudanças do clima global de Barrow com alta largura de banda. O texto neste artigo é baseado em apresentações pelo Dr. Richard Beck e Andrew Rettig e PPTs do workshop em Tromsø em 28 Janeiro de 2010./ Edição Newsletter N4C 5

6 Segundo o Dr. Beck há uma boa conectividade perto de dois grandes centros de pesquisa no norte do Alasca, mas eles também precisam de aplicar a tecnologia para nós DTN isolados seguindo o modelo do projecto SNC/N4C. A razão para isto é que existe a necessidade de Interoperabilidade Escalabilidade Extensibilidade Em última análise, localização da internet fixa e móvel e localização de redes de senso são aprimoradas com conhecimento da DTN. Ou, para colocar as coisas simples: O Dr. Beck e seus colegas querem coordenar alta e baixa largura de banda DTN para investigação no Árctico. Foto: O Dr. Beck pergunta - isso poderia ser a próxima geração de mulas de dados GPSDTN? Foto:E/ou poderiam redes de aeronaves entre Barrow e Fairbanks funcionar como mulas de dados DTN? Os objectivos da equipa de investigação são: Criar sistema de informação de dados Usar padrões Open Geospatial Consortium (OGC) Rede ponto a ponto de informação geográfica Para onde vamos a partir daqui? N4C continuará a colaborar com o Dr. Beck e UC no âmbito do Conselho Árctico, que é um fórum de alto nível intergovernamental. O objectivo do Conselho do Árctico é fornecer um meio para promover a coordenação, cooperação e interacção entre os Estados do Árctico, com a participação das comunidades indígenas do Árctico e outros habitantes do Árctico em questões comuns do Árctico, em especial as questões do desenvolvimento sustentável e protecção ambiental no Árctico. Os Estados-Membros do Conselho do Árctico são: Canadá, Dinamarca (incluindo a Groenlândia e as Ilhas Faroé), Finlândia, Islândia, Noruega, Rússia, Suécia e Estados Unidos da América. Está interessado em saber mais sobre o trabalho da UC e do Dr. Beck no Alasca - entre em contacto: Quer participar em colaboração futura no desenvolvimento da DTN para pesquisa de energia do ambiente Entre em contato com: Edição Newsletter N4C 6

7 Experiência ebario, Replicação & Oportunidades Em 15 de Março de 2010 o projecto N4C recebeu a visita do Dr. Alvin W. Yeo, director COERI, UNIMAS, na Malásia. Nas ilhas Kelabit, Bario, Sarawak, na Malásia um projecto é executado com objetivos e abordagens similares às do N4C. O que faz ebario tão especial é que ele lida com a e- inclusão com o objectivo de sustentabilidade (financeira) e para a sociedade (Sustentação dos Recursos Humanos) com maior poder da comunidade, o desenvolvimento de qualidades e uso próactivo da tecnologia. O projecto ebario Um projecto piloto nacional para fazer a ponte da divisão digital Investigação multi-disciplinar Serviço comunitário + pesquisa universitária Bolsas de investigação nacionais e internacionais Parceiros/Colaboradores locais e estrangeiros Suporte inter-organisacional Conceito e aproximação-projecto ebario Investigação/Acção participativa Estudos base A questão é perceber condições de vida, cultura, usos existentes e acessos a fontes de informação e as suas necessidades na entrega da informação. Compromisso participação da comunidade É feito pela formação da Comissão Gestora, onde o envolvimento em todo conjunto do projecto é assegurado, incluindo planeamento, tomada de decisões, implementação e gestão. Introdução de tecnologia Incluiu hardware, software, internet, geração de energia, treino e suporte técnico. O projecto de apoio as iniciativas nacionais de TIC, incluindo e- learning e e-comunidade. (Cont. pag. 8.) Foto: O objectivo do projecto é dar internet a Bario Objectivos Para definir a extensão em que contemporaneidade das TIC pode entregar desenvolvimento socioeconómico sustentável a comunidades rurais remotas. Identificar necessidades e oportunidades no seio das comunidades que são satisfeitas com a utilização inovadora das TIC contemporânea. Foto: Desenvolvimento das TIC também se foca no turismo O texto neste artigo é baseado nas apresentações do Dr. Alvin W. Yeo, director COERI, UNIMAS, Sarawak, Malásia (UNIMAS) a 15 de Março de 2010, no LTU, na Suécia. Para mais informações contacte: Edição Newsletter N4C 7

8 Lições aprendidas com o projecto ebario - Malásia Potencial de implementação O modelo ebario pode ser aplicado a maioria das comunidades remotas na Malásia e na região Ásia- Pacífico e também na Europa. No entanto, o Dr. Alvin diz que é importante concentrar-se nas pessoas, organização, conteúdos e processos e não apenas sobre as tecnologias. Que incluem: Participação comunitária Que o projecto se foque em necessidades relevantes da comunidade Nomear campeões locais Ter equipa multi-disciplinar Parcerias inteligentes, incluindo da Comunidade, Universidade, Governo e Indústria Desenvolvimento sustentável, com formação contínua e planeamento de negócios. Conclusão O projecto ebario alcançou o seu objectivo. TICs contemporâneas proporcionam desenvolvimento social e económico sustentável para comunidades rurais. Chaves do sucesso em Bario são: Aproximações centradas na comunidade Aplicação inovadora de TICs para ir de encontro a necessidades específicas Involvimento de campeões locais Abordagem holística, com o envolvimento multi-partido: da comunidade, da indústria, governo e ONGs. Uso de tecnologias apropriadas: TICs e energia Se quiser mais informação contactar: Conferência r2s em Valência Se quiser ler mais acerca do evento de lançamento das parcerias publico-privadas do futuro da internet, em Valencia, a de Abril e a Assembleia do futuro da internet April. ICT 2010 N4C espera apresentar redes tolerantes a atrasos e corrupções usadas para recolha de dados ambientais de regiões remotas na conferência ICT 2010 em Bruxelas, Bélgica de Setembro de Download aqui e agora DETALHES DO PROJECTO: Rede para Comunicação em Comunidades Remotas é financiado pelo FP7 ICT da Comissão Europeia. Contrato nº Inicio do Projecto: 1 de Maio de Duração: 36 meses. LEIA MAIS ACERCA DO N4C: CONTACTE N4C: Edição Newsletter N4C 8

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

A União Europeia e o apoio às Empresas. Margarida Marques, Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal

A União Europeia e o apoio às Empresas. Margarida Marques, Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal A União Europeia e o apoio às Empresas Margarida Marques, Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal Abril 2010 Programa-Quadro para a Competitividade e a Inovação (CIP) Programa-Quadro para

Leia mais

Smart Cities Portugal

Smart Cities Portugal Smart Cities Portugal A rede Smart Cities Portugal tem por objetivo promover o trabalho em rede numa lógica inter-cluster, para o desenvolvimento e produção de soluções urbanas inovadoras para smart cities,

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral Uma Plataforma Colaborativa para apoiar a Gestão do Litoral ajherdeiro@dgterritorio.pt j @ g p mota.lopes@apambiente.pt Lugares comuns de quem lida com

Leia mais

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas (Anexo IV) LINHAS TEMÁTICAS EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas Metodologia, blocos e ferramentas específicas de projeto que

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

Oportunidades de Financiamento no âmbito do tema ICT: Programa de Trabalho 2013. Elisabete Pires Ponto de Contacto Nacional do tema ICT

Oportunidades de Financiamento no âmbito do tema ICT: Programa de Trabalho 2013. Elisabete Pires Ponto de Contacto Nacional do tema ICT Oportunidades de Financiamento no âmbito do tema ICT: Programa de Trabalho 2013 Elisabete Pires Ponto de Contacto Nacional do tema ICT Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de IDT Fundação da Ciência

Leia mais

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Proposta de funcionamento e objectivos do Grupo Trabalho Oportunidades Projectos e propostas LNEC 30 Maio 2013 Grupos

Leia mais

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico RESUMO EXECUTIVO Objetivo Melhorar a vida dos moradores e ajudálos a serem bem-sucedidos na

Leia mais

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 COMUNICADO FINAL XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 Na 29ª reunião da Comissão Bilateral Permanente Portugal-EUA, que se realizou em Washington, a 5 de Maio de 2011, Portugal

Leia mais

Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique

Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique I. Introdução Nos últimos anos, uma das principais apostas

Leia mais

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil Favor notar: Esta é uma versão preliminar do programa e os palestrantes ainda não serão abordados exceto quando explicitamente indicado. 2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias

Leia mais

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Case study 2009 II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Microsoft Corporation fundada em 1975, líder mundial em software, serviços e soluções, que apoiam as

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital U. Lusófona, 11 Jul 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009

Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009 Caminhos para as cidades digitais no Brasil Campinas, 26 de março de 2009 Atualmente, faz-se necessário o exame de meios que estimulem a difusão de cidades digitais sustentáveis pelo país, porque, além

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Governo Orientado por Serviços

Governo Orientado por Serviços Governo Orientado por Serviços Qual a Sociedade da Informação que Queremos? Uso das tecnologias da informação e da comunicação na administração pública - combinado com mudanças organizacionais e novas

Leia mais

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 A Estratégia de Lisboa e o Plano Tecnológico Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 1. Estratégia de Lisboa Estratégia de Lisboa : uma resposta a novos desafios A Globalização e a emergência de novas potências

Leia mais

egovernment & ehealth 2007 O papel fundamental das tecnologias no bem estar do Cidadão

egovernment & ehealth 2007 O papel fundamental das tecnologias no bem estar do Cidadão egovernment & ehealth 2007 O papel fundamental das tecnologias no bem estar do Cidadão 01 02 03 Indra A Nossa Visão do Sector Público A Administração ao serviço do Cidadão Página 2 Quem Quiénes somos somos

Leia mais

Smart Cities em Portugal: Uma realidade emergente

Smart Cities em Portugal: Uma realidade emergente Smart Cities em Portugal: Uma realidade emergente Agenda Digital Local Formação Smart Cities 29 de Outubro de 2013 estrutura da apresentação Conceito de Smart City para além da tecnologia Smart Cities

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades:

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: Enquadramento Desafios: aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: eficiência dos sistemas agrícolas e florestais gestão sustentável

Leia mais

Rede para Comunicação em Comunidades Remotas N4C

Rede para Comunicação em Comunidades Remotas N4C N4C Newsletter Publicação 1 Novembro 2008 Nesta publicação: Rede para Comunicação em Comunidades Remotas N4C Rede para Comunicação em Comunidades Remotas N4C Redes Tolerantes a Atrasos e a Interrupções

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2

INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2 INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2 O projeto LIFE2 (Competências chave para a vida) visa ajudar os jovens a desenvolver, no decurso da sua formação profissional, as competências e confiança necessárias no mundo

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES NAS EMPRESAS PLANEAR PARA A REDUÇÃO DE CUSTOS E OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES 19 e 20 Fevereiro 2013 Auditório dos CTT- Correios de Portugal Lisboa Horário Laboral: 09h30

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

GPPQ Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de I&DT. 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (2007-2013)

GPPQ Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de I&DT. 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (2007-2013) Sessão de Apresentação de Oportunidades de Financiamento para as PME 7º Programa-Quadro de I&DT da União Europeia Investigação para as PME Margarida Garrido margarida.garrido@gppq.mctes.pt Santarém, Escola

Leia mais

Ministério das Comunicações

Ministério das Comunicações Ministério das Comunicações Secretaria de Inclusão Digital 1º Fórum Regional de Cidades Digitais Foz do Rio Itajaí Itajaí, 26 de março de 2015 _cidades digitais construindo um ecossistema de inovação e

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Conteúdos. março2015 Newsletter http://www.ind-ecoefficiency.eu

Conteúdos. março2015 Newsletter http://www.ind-ecoefficiency.eu março2015 Newsletter http://www.ind-ecoefficiency.eu 6th Issue Caro leitor O projeto INDECO está em breve a chegar à sua conclusão bem-sucedida, termina em abril de 2015. Os parceiros do projeto estarão

Leia mais

Como construir uma DLA?

Como construir uma DLA? Como construir uma DLA? Conteúdo Como construir uma DLA?... 2 Introdução... 2 Metodologia DLA... 3 1.Preparação da DLA... 3 2.Planeamento da DLA... 6 2.1. Avaliação do estado actual... 6 2.3. Desenvolvimento

Leia mais

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015 INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA 1 I. Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI) Missão: Apoiar os nossos clientes na gestão de projetos que fomentem a inovação e promovam oportunidades

Leia mais

Participação Critérios de participação - Elegibilidade Procedimento para participar da chamada: Número de propostas/aplicações

Participação Critérios de participação - Elegibilidade Procedimento para participar da chamada: Número de propostas/aplicações Campanha Mundial "Construindo Cidades Resilientes: Minha cidade está se preparando! Plataforma Temática sobre Risco Urbano nas Américas Chamada sobre boas práticas e inovação no uso de Sistemas de Informação

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org WG11036 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org ANÚNCIO E CONVITE PARA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha.

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Questionário «Para uma avaliação intercalar da Estratégia Europa 2020 do ponto de vista dos municípios e regiões da UE» Contexto A revisão

Leia mais

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) Global Health Security Agenda (GHSA) Enquadramento A Plataforma de Resposta

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

Leiria Região Digital

Leiria Região Digital U M A R E G I Ã O ONLINE COM A VIDA Leiria Região Digital Resultados 15 de Julho de 2008 Nerlei 1 Agenda Parceiros do Leiria Região Digital (LRD) Zona de abrangência Objectivos do LRD Resultados do projecto

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

Urban Analytics AcceleratingtheDevelopmentofSmartCitiesinPortugal

Urban Analytics AcceleratingtheDevelopmentofSmartCitiesinPortugal Urban Analytics AcceleratingtheDevelopmentofSmartCitiesinPortugal Iniciativa do Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia Promoção da Direção Geral do Território com a colaboração das

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Social

Programa de Desenvolvimento Social Programa de Desenvolvimento Social Introdução A Portucel Moçambique assumiu um compromisso com o governo moçambicano de investir 40 milhões de dólares norte-americanos para a melhoria das condições de

Leia mais

Promoção da energia fotovoltaica (PV) através da otimização da monitorização. Newsletter 3

Promoção da energia fotovoltaica (PV) através da otimização da monitorização. Newsletter 3 Promoção da energia fotovoltaica (PV) através da otimização da monitorização Newsletter 3 Setembro 2014 Introdução O Projeto Promoção da energia fotovoltaica (PV) através da otimização da monitorização

Leia mais

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA 2015 CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Joaquim Sérvulo Rodrigues Membro da Direcção da COTEC Portugal, Presidente do Júri; Carlos Brazão Director Sénior de Vendas

Leia mais

COOPERAÇÃO ENTRE PORTUGAL E ANGOLA EM C&T

COOPERAÇÃO ENTRE PORTUGAL E ANGOLA EM C&T A cooperação Bilateral Angola - Portugal: estado atual e reforço futuro WORKSHOP PROGRAMA HORIZONTE 2020: COOPERAÇÃO EM INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO ENTRE ANGOLA E A UNIÃO EUROPEIA Luanda, 3 e 4 de outubro

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INTERVENÇÃO DE SUA EXCIA, MINISTRA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, PROFª. DOUTORA, MARIA CÂNDIDA PEREIRA, DURANTE A SESSÃO DE ABERTURA DO WORKSHOP SOBRE

Leia mais

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 Lisboa, 26 de Novembro 2009 1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 2. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 3. EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO 4. DOUTORAMENTO EM MEIO EMPRESARIAL 5. OPEN

Leia mais

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Subsistemas Fomento da Base Económica de Exportação Desenvolvimento Local Empreendedorismo

Leia mais

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo [Página 1 capa] Utilizar da melhor forma os fundos estruturais URBAN II Em apoio do comércio e do turismo O que é e sugestões para candidaturas a projectos bem sucedidas Com esta publicação, a DG Empresa

Leia mais

Hypercluster do mar. Setembro 2009

Hypercluster do mar. Setembro 2009 Hypercluster do mar Setembro 2009 Hypercluster do mar Segurança Marítima Projecto MarBIS Fórum cientifico e tecnológico Considerações finais 2 Hypercluster do mar Parcerias com empresas petrolíferas com

Leia mais

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso -

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Irina Saur-Amaral Aveiro, 28 de Abril de 2006 Estudos de caso 1. MKS (consultoria TIC Índia): importância da cultura de conhecimento 2. Siemens AG: implementação

Leia mais

IV FÓRUM MINISTERIAL UNIÃO EUROPEIA AMÉRICA LATINA E CARAÍBAS SOBRE A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

IV FÓRUM MINISTERIAL UNIÃO EUROPEIA AMÉRICA LATINA E CARAÍBAS SOBRE A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO IV FÓRUM MINISTERIAL UNIÃO EUROPEIA AMÉRICA LATINA E CARAÍBAS SOBRE A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Uma Aliança para a Coesão Social através da Inclusão Digital Lisboa, 28-29 de Abril de 2006 DECLARAÇÃO DE LISBOA

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

FTTH FORUM 2008. Sociedade da Informação Portugal em Mudança CCB, 5 Nov 2008. Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento

FTTH FORUM 2008. Sociedade da Informação Portugal em Mudança CCB, 5 Nov 2008. Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento FTTH FORUM 2008 Sociedade da Informação Portugal em Mudança CCB, 5 Nov 2008 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Principais Orientações

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

Experiência do Programa dos Voluntários das Nações Unidas (VNU) Fortalecendo Infraestruturas de Voluntariado em CABO VERDE

Experiência do Programa dos Voluntários das Nações Unidas (VNU) Fortalecendo Infraestruturas de Voluntariado em CABO VERDE Experiência do Programa dos Voluntários das Nações Unidas (VNU) Fortalecendo Infraestruturas de Voluntariado em CABO VERDE RELATÓRIO NACIONAL O Programa dos Voluntários das Nações Unidas (VNU) é a organização

Leia mais

O nosso compromisso com as empresas de âmbito internacional

O nosso compromisso com as empresas de âmbito internacional O nosso compromisso com as empresas de âmbito internacional UTC Fire & Security EMEA Soluções de segurança adaptadas às necessidades das empresas A UTC Fire & Security EMEA oferece uma vasta gama de soluções

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

Partilha de informação com as comunidades

Partilha de informação com as comunidades Briefing da CAFOD sobre : Nível 1 (Básico) com as comunidades Este Briefing apresenta um guia básico passo-a-passo para os parceiros da CAFOD sobre a partilha de informação com as comunidades que apoiam

Leia mais

D.4 RELATÓRIO FINAL, VERSÃO REVISTA CORRIGIDA

D.4 RELATÓRIO FINAL, VERSÃO REVISTA CORRIGIDA 1. RESUMO Existe um amplo reconhecimento da importância do desenvolvimento profissional contínuo (DPC) e da aprendizagem ao longo da vida (ALV) dos profissionais de saúde. O DPC e a ALV ajudam a assegurar

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL INTEGRADO POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação 2014-2020

Leia mais

O que é o Banco Europeu de Investimento?

O que é o Banco Europeu de Investimento? O que é o Banco Europeu de Investimento? O BEI é o banco da União Europeia. Como primeiro mutuário e mutuante multilateral, proporciona financiamento e conhecimentos especializados a projectos de investimento

Leia mais

Programa comunitário para a sociedade digital COMISSÃO EUROPEIA DG INFSO/F3

Programa comunitário para a sociedade digital COMISSÃO EUROPEIA DG INFSO/F3 Programa comunitário para a sociedade digital COMISSÃO EUROPEIA DG INFSO/F3 Agenda 1- Objectivos das TEN-Telecom 2- Domínios de interesse público 3- Fases do projecto e financiamento 4- Condições de participação

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Proposta de Cronograma de Acções Para a Reorientação e Reorganização do SIS (Versão -Final - de 30/06/06)

Proposta de Cronograma de Acções Para a Reorientação e Reorganização do SIS (Versão -Final - de 30/06/06) Proposta de Cronograma de Acções Para a Reorientação e Reorganização do SIS (Versão - - de 30/06/06) 1. Focar o SIS sobre o Estado de Saúde da população e o desempenho do SNS 1.1. Elaborar proposta de

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

COMISSÃO. 1. Introdução

COMISSÃO. 1. Introdução COMISSÃO Convite à apresentação de candidaturas para a constituição de uma lista de peritos encarregados de avaliar as propostas recebidas no âmbito do programa eten, projectos de interesse comum no domínio

Leia mais

Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação

Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação (Mozambique egovernment and Communication Infrastructure Project) (MEGCIP) 5º Fórum Lusófono das Comunicações Painel 4: Infra-estruturas

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais

Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais 1. Tendências na impressão e gestão documental 2. Modelo de maturidade da impressão e gestão documental 3. Q&A 2 Uma nova plataforma

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução MUS-12/1.EM/3 Rio de Janeiro, 13 Jul 2012 Original: Inglês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA REUNIÃO DE ESPECIALISTAS NA PROTEÇÃO E PROMOÇÃO DE MUSEUS E COLEÇÕES Rio

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 25 de Maio de 2007 (04.06) (OR. en) 10037/07 RECH 153 COMPET 165 ENV 292 COSDP 443 TRANS 185

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 25 de Maio de 2007 (04.06) (OR. en) 10037/07 RECH 153 COMPET 165 ENV 292 COSDP 443 TRANS 185 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 25 de Maio de 2007 (04.06) (OR. en) 10037/07 RECH 153 COMPET 165 ENV 292 COSDP 443 TRANS 185 NOTA de: Secretariado-Geral n.º doc. Com.: 9052/07 RECH 115 COMPET 115

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 QUEM SOMOS FUNDEC APRESENTAÇÃO HISTÓRIA OBJECTIVOS A

Leia mais