UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA I Licenciaturas: Economia, Gestão 1º A/1º S CADERNO 2 Actividade Económica, Produção e Crescimento Dados na Macroeconomia: O Rendimento de um País e O Custo de Vida Crescimento Económico Poupança e Investimento Docentes: Prof. Dr. Tiago Neves Sequeira Ano Lectivo 20xx/20xx

2 Dados na Macroeconomia: O Rendimento de um País e O Custo de Vida 1. Qual dos seguintes pontos não está directamente relacionado com a análise macroeconómica? A. O nível geral dos preços. B. A percentagem da população trabalhadora que está desempregada num dado período de tempo. C. O volume total de produção de uma economia. D. A relação entre o preço do trigo e a quantidade de trigo oferecida no mercado. E. O funcionamento do sistema monetário. 2. Dos seguintes sete pontos dois são correspondentes à óptica do produto nacional, dois à do rendimento nacional e dois à da despesa nacional. O restante não é incluído em qualquer deles. Verifique esta afirmação. A. Os salários dos trabalhadores de caminhos de ferro. B. A compra de maquinaria por parte de uma empresa. C. Os serviços prestados pelas empregadas de uma loja. D: O "Valor acrescentado" pelas indústrias de aço e ferro. E. Os gastos de uma família em comida. F. O investimento de um indivíduo nas acções de uma empresa recentemente constituída. G. Os dividendos pagos aos accionistas de uma companhia transformadora. 3. O "Produto Interno Bruto" é: A. Igual ao produto nacional bruto menos o consumo de capital. B. Produto nacional bruto menos os rendimentos líquidos provenientes do estrangeiro. C. Rendimento nacional mais depreciação. D. O produto nacional líquido mais impostos indirectos. 2

3 4. No ano passado, as contas nacionais da economia fechada da Pirolandia foram parcialmente destruídas por um incêndio e os seguintes dados constituem tudo aquilo que restou. FBCF 4000 Lucros retidos nas empresas 2400 Valor dos stocks no dia 1 de Janeiro 1000 Renda, dividendos e juros pagos pelas empresas 3200 Despesas do Estado em bens e serviços 1200 Valor da produção, da indústria não transformadora 5200 Pensões dos reformados 2600 Investimento líquido 2800 Consumo privado 8000 Impostos indirectos líquidos de subsídios 2000 Valor dos stocks no dia 31 de Dezembro 900 Calcule: i) O PNBpm ii) O PNLpm iii) O PNL cf 5. O Sr. Smith vive em Portugal há vários anos, sendo gestor de uma empresa estrangeira que opera neste país. Em 2003, o Sr. Smith recebeu um ordenado bruto de 1800 contos, pagando a sua empresa contribuições para a Segurança Social no valor de 30% sobre esse ordenado. Para além disso, o Sr. Smith pagou 150 contos de impostos. O Sr. Smith tem um filho a estudar no Reino Unido, a quem enviou 350 contos para as suas despesas, e detém acções numa companhia inglesa cujos dividendos foram em 2000 de 200 contos. O Sr. Manuel Neves é emigrante em França, permanecendo a sua família em Portugal. Em 2003, o Sr. Neves ganhou 3600 contos, dos quais enviou 1000 contos para a família. Tem, contudo, as suas poupanças aplicadas em Portugal, o que lhe permitiu ganhar 200 contos em juros, dos quais a família ficou com 100 contos e lhe enviou o resto. Pretendem-se conhecer quais as contribuições directas do Sr. Smith e do Sr. Neves para: a) Rendimento Interno de Portugal em 2003 b) Rendimento Nacional de Portugal em

4 6. Conhecem-se os seguintes dados duma economia: RN 100 Td 4 DN 120 NX=10 FBCF 15 JDP 2 FLCF 3 Lucros 10 RLE 5 Dividendos 6 TLRex 3 G 5 Ti 12 C 85 Calcule: a) Amortizações b) Stocks c) PIBcf 7. Suponha os seguintes dados representativos da economia de determinado país: - Salários e ordenados pagos pelas empresas 80 - Contribuição para a Segurança Social paga pelas empresas 10 - Contribuição para a Segurança Social paga pelas familias 5 - Subsídios à produção 2 - Amortizações 5 - Vencimentos dos funcionários públicos? - Formação bruta do capital 30 - Variação de stocks 2 - Despesa Nacional Dividendos 10 - Lucros não distribuidos 9 - Rendimentos dos factores nacionais provenientes do resto do mundo 0 - Rendimentos dos factores estrangeiros pagos ao resto do mundo 5 - Juros pagos pelas empresas e rendas 7 - Consumo público 20 - Impostos indirectos 6 - Consumo privado? - Exportações 19 - Importações 17 - Poupança privada 16 - Juros da Dívida Pública 10 - Impostos directos pagos pelas empresas 2 4

5 Calcule: a) PNL cf b) Vencimentos dos funcionários públicos c) Rendimento disponível das famílias d) Oferta global 8. Considere os dados da economia portuguesa para os seguintes anos: Despesa Interna 1994 Unidade: milhões de escudos 1995 Preços Correntes Preços 1994 Preços Correntes Consumo Privado (no território) Consumo Público Investimento FBCF Variação das Existências Exportações de Bens e de Serviços Mercadorias Serviços Importações de Bens e de Serviços Mercadorias Serviços Fonte: Banco de Portugal Calcule: a) O PIBpm de 1994 e 1995, este último a preços correntes e a preços de Comente os resultados obtidos. b) Os valores do PIB calculados estão valorizados a custo de factores ou a preços de mercado? c) Calcule o crescimento real do PIB e das componentes da despesa interna em d) Calcule o deflator do PIB em e) Calcule o grau de abertura ao exterior. 5

6 9. Os seguintes dados são referentes à economia do país "ABC" (em milhões de euros): Produto Nacional Bruto a preços de mercado 7500 Investimento Bruto 100 Investimento líquido 30 Consumo privado 500 Despesas do Estado em bens e serviços 175 Rendimento Nacional 300 Salários (inclui cont. Seg. Social por parte das empresas) 450 Rendas 55 Impostos directos pagos pelas empresas 0 Juros pagos pelas empresas 30 Saldo Orçamental -10 Subsídios do Estado às Empresas 0 Saldo dos rendim. dos factores de e para o estrangeiro 0 Lucros não distribuídos -10 Transferências unilaterais de e para o exterior 0 Calcule: a) PNL a custo de factores b) Exportações líquidas c) Impostos indirectos d) Lucros totais 10. Responda às duas questões seguintes: a) Muitas vezes considera-se o PIB como uma medida do bem estar económico de um país. No entanto, um terramoto provoca geralmente um aumento do PIB do país onde se verificou. Esclareça este aparente paradoxo. b) Como é evitado o problema da dupla contagem dos bens intermédios na Contabilidade Nacional? 6

7 c) Suponha que ouvia um economista afirmar: dado que não é desejável reduzir o investimento, nem é possível diminuir o défice orçamental, a única forma de melhorar a situação da Balança Corrente e de Capital é convencer as pessoas a poupar mais. Comente esta afirmação. 11. Na tabela anexa, referente a 2004, representam-se na 1ª linha as principais componentes da despesa (a preços correntes) e na 2ª linha a evolução dos respectivos preços com base em 1990, para uma economia fictícia. C G FBCF stocks X M Milhões de euros Índice de preços a) Calcule a despesa a preços correntes. b) Calcule a despesa a preços constantes. c) Determine o deflator do produto. a) Diga qual a diferença entre nível geral de preços e taxa de inflação. 12. Os dados que se seguem referem-se à economia de um determinado país, no ano de 2003: Rendimento Nacional 2100 Impostos indirectos 135 FBCF 420 Juros pagos pelas empresas 150 Subsídios à produção 45 Lucros 300 Rendas 450 Consumo privado 1500 FLCF 300 Consumo público 330 Stocks em 31 de Dezembro de Exportações 450 Importações 600 Stocks em 1 de Janeiro de

8 a) Qual o Saldo dos Rendimentos dos factores provenientes e enviados para o estrangeiro? b) Suponha que o PNB pm em 2004, neste país, foi de 2800 u.m. e que a inflação que se fez sentir neste ano (2004) foi de 4%. Diga qual a taxa de crescimento real desta economia no referido ano. 13. Relativamente à Economia Caloiros para o ano 2003, são conhecidos os seguintes dados: (milhões de euros) Consumo Privado 9368 Impostos directos 1330 Consumo Público 2571 Impostos indirectos subsídios 1928 Investimento 3678 Transferências Internas Líquidas para 2404 os Particulares Exportações 4270 Transferências Externas Líquidas 700 Totais Importações 5281 Transferências Externas Líquidas para 567 os Particulares Amortizações 1200 Poupança dos Particulares 1348 Rendimentos líquidos Recebidos do resto do Mundo -52 Poupança Externa 0 Determine: a) O PIBcf e o PIBpm. b) O PNBcf e o PNLpm. c) O Saldo Orçamental e o Saldo da Balança das Transacções Correntes d) As fontes de financiamento do Investimento. 14. Em relação à Contabilidade Nacional do país X conhecem-se os seguintes valores nominais, relativos ao ano 19X2: Gastos públicos 500 Imp. ind. liq. de subsídios -50 Transf. unilat. liq. do ext. -20 Formação bruta cap. fixo 450 Variação de existências 150 Saldo orçamental -180 Rend. priv. disponível 1960 Investimento líquido 400 a) Calcule o valor nominal do PNB pm para o ano 19X2. b) Pressupondo a seguinte evolução do nível geral de preços: 19X0 3 19X1 3,4 19X2 3,6 19X3 4 8

9 Determine o valor real do PNB pm para o ano 19X2, a preços constantes do ano 19X0. c) Se a taxa de crescimento anual do PNB pm real no ano 19X3 (com base em 19X0) tiver sido 3%, qual o valor nominal do PNB pm para esse mesmo ano? 15. Considere estes dados referentes a uma economia que produz apenas 2 bens: Quantidades Preços (em u.m) Bem A Bem B Bem A Bem B a) Calcule o deflator do PIB do ano 1991 com base em b) O crescimento real da economia em 1992 foi 3%. O nível geral de preços cresceu 4% em Calcule o PIB em termos nominais em 1992 (se não resolveu a alínea anterior, considere PIB nominal em u.m.) c) Sobre a evolução de preços na economia sabe-se ainda que: Evolução do Deflator do PIB (Base em 1992 ) Evolução do IPC (Base em 1992) Qual a taxa de inflação na óptica do consumidor em 1994? Interprete. d) Qual o aumento percentual de rendimento que as famílias deveriam ter tido entre 1993 e 1995 para que não perdessem poder de compra em termos reais? Justifique. e) Suponha que em 1997 existe um aumento elevado no preço de um bem alimentar importado. O impacto deste aumento será maior no IPC ou no deflator do PIB? Justifique usando um máximo de 5 linhas. 16. Dados referentes ao ano 1800 do país XXZ: Consumo (C) Gastos do Estado (G) Salários (W) Amortizações (A) Rendas Formação liquida capital fixo (FLCF) Juros (J) Impostos indirectos (Ti) Rendimentos líquidos do exterior (RLE) Subsídios à produção (Z) stocks Lucros (L)

10 Calcule: a) O rendimento nacional. b) A despesa interna. c) O investimento. d) Defina impostos indirectos. Dê dois exemplos. Considere a seguinte informação adicional: Famílias: * detêm: * Juros divida pública (JDP) * Subsídios sociais (TRs) * Transf. Liq. do exterior(trext) * Pagamentos à Segurança Social (Cssf) * Impostos directos (Td) Valores: Milhões de Euros 100% dos salários 80% das rendas 20% dos juros 100% dos RLE Empresas: * Impostos directos (Tde) 35 * Dividendos 26 * Reservas 60 * Pagamentos à Segurança Social (Css e) 27 Calcule: e) O rendimento das famílias. f) O rendimento disponível das famílias. g) A poupança das famílias. h) A poupança do estado. i) A poupança do exterior 17. O Instituto de Estatística do país Nordeste acabou de divulgar os seguintes dados referentes ao ano de 2004: Milhões de Euros Impostos indirectos 500 Impostos directos 300 Subsídios á produção 900 Rendas 1200 Juros 800 Consumo privado Exportações 4000 Importações 2000 Saldo dos rendimentos do resto do mundo (RLE)? Stocks 1000 Consumo público 5000 FBCF 6000 FLCF 5400 Rendimento Nacional (PNLcf) Calcule : a) O PIBpm. b) As amortizações. 10

11 c) Os Rendimentos líquidos do exterior (SRRM). d) O PIBpm nominal do ano 2005, com base nas previsões da inflação de 2% e da taxa de crescimento real do produto de 1%. Teste intermédio 2005/ A economia Macrolândia apresentou as seguintes contas nacionais referentes ao ano 2004: FBCF 1000 Investimento liquido 750 Valor Stock 01/ Salários da função pública 340 Rendas, Juros, Dividendos pagos pelas Valor da produção da industria empresas 900 transformadora 1600 Pensões reformados 750 Consumo público 1300 Valor Stock 31/ Exportações - Importações 500 Consumo privado 2000 SRRM (RLE) 200 Impostos indirectos 300 Subsídios à Produção 150 Impostos Directos 350 Lucros retidos pelas empresas 80 Dados: Valores em milhões de Macros (Moeda nacional), a preços correntes. Fonte: Instituto de Estatística da Macrolândia (IEM). a) Calcule o PIBpm e o PNLcf do ano de 2004 b) Calcule o Deflator do PIBpm do ano de 2004, com ano base de 2003, sabendo que a inflação verificada em 2004 foi de 4%. Distinga Deflator do PIB e taxa de inflação. c) Determine o PIBpm de 2004 a preços constantes (ano base 2003). d) Calcule a taxa de crescimento real do PIBpm em 2004, sabendo que o valor do PIBpm em 2003 foi de 4535u.m. (preços constantes). Exame 1ª Chamada 2005/ O gabinete de estudos da Cromolândia está a efectuar um estudo sobre esta economia. Colabore na realização deste estudo respondendo às seguintes questões de acordo com os dados que lhe vão facultando: Rendimento nacional 1600 SRRM (RLE) 100 Impostos indirectos 75 Subsídios à produção 25 Amortizações 200 Importações 150 Dados de 2005, p. correntes, unidades: milhões de cromos PIBpm a 1514, ,5? 11

12 Deflator do PIB b a - PIBpm- Preços correntes - valores em milhões de cromos (moeda da Cromolândia) b - Ano base 2000 Calcule a) o PIBpm a preços correntes do ano b) o PIBpm a preços constantes nos anos 2003, 2004 e c) a taxa de crescimento média anual do PIB a preços constantes no período entre 2003 e Exame 2ª Chamada 2005/ Cálculo dos Índices de Preços Ano Quantidades Bens Preços de bens Quantidades serviços Preços Serviços , , , , , ,6 Preços em. a) Calcule os Índices de Preços de Laspeyres considerando o ano base ptq0 It = *100 - Os ponderadores são as quantidades do ano base (IPC e IPPI) p q 0 0 b) Calcule os Índices de preços de Paasche considerando o ano base de I t = pq p t 0 q t t *100 Os ponderadores são as quantidades do ano correntes (Deflator PIB e Deflator de componentes do PIB) c) Calcule o PIB a preços correntes (assuma que existem apenas os produtos da tabela) d) Calcule o PIB real a preços de e) Calcule o PIB real a preços de f) Calcule a taxa de crescimento real média do PIB entre 1999 e

13 21. O instituto de estatística do país Terras de Baixo publicou recentemente os dados apresentados na tabela: Ano PIB (p correntes, milhões ) Índice Geral de Preços Índice de preços Do consumidor Nota: O índice de preços do consumidor e o índice geral de preços consideram o ano base de a) Calcule o PIB real considerando o ano base de b) Calcule a taxa de inflação anual desta economia, em cada um dos anos apresentados. c) Determine a taxa de crescimento real anual do PIB, nos anos apresentados. d) Calcule a taxa de crescimento real anual média do PIB no conjunto dos 6 anos. e) Se durante os próximos 5 anos o PIB real desta economia crescer á taxa média de crescimento anual de 2%, qual será o valor do PIB nessa altura f) Quanto anos serão necessária para que o PIB atinja o valor de milhões de se a sua taxa média de crescimento anual for de 3%. g) Calcule o PIB real considerando o ano base de

14 Crescimento Económico 22. Na República das Rosas Amarelas (RRA), a contabilidade nacional apresenta os seguintes dados, em milhões de u.m., a preços constantes: p PIL p.m SRRM (RLE) 5-15 Amortizações 5 10 Fonte: Banco Central da República das Rosas Amarelas (BCRRA) p - valores previstos. a) Calcule o PIB p.m. e o PNL p.m em cada um dos anos da tabela. b) Calcule a taxa de crescimento anual do PIB p.m. no período entre 2005 e Esta é a taxa de crescimento económico? Justifique. Os dados dos Censos da RRA mostram a seguinte evolução para a população, para a Força de Trabalho e para o nº de desempregados (em milhões). Símbolo para a p variável População P Força de Trabalho N. Desempregados Fonte: Instituto Nacional de Estatística da República das Rosas Amarelas (INERRA) p - valores previstos. c) Calcule a taxa de participação em 2010 d) Calcule a taxa de desemprego em e) Calcule o número de trabalhadores (L) (empregados) em f) Calcule o Produto per capita (Y/P) e o Produto por trabalhador (Y/L) em 2005 e em 2010 (Ajuda: use o valor do PIB determinado em 1.b)). Queremos agora fazer uma análise mais profunda sobre os factores do crescimento económico desta República, recorrendo à evolução do capital físico e do capital humano. Taxa de Crescimento Média Anual do Produto por Trabalhador Símbolo para a variável g / A Y L 14

15 Taxa de Crescimento Média Anual do Número de Trabalhadores (empregados) Taxa de Crescimento Anual do Capital Físico Taxa de Crescimento Anual do Capital Humano Proporção do Capital Físico no Rendimento Proporção do Capital Humano no Rendimento g L B g 2.88% K g 3.88% H α 0.36 K α 0.24 H g) Preencha o quadro, calculando os valores A, B (Ajuda: use os resultados da alínea 2d e calcule as respectivas taxas de crescimento). Se não chegou aos valores pedidos em a), assuma a partir de agora g L =0.1. h) Sabendo que: g Y / L = e - a taxa de crescimento do Capital Físico por Trabalhador é igual à taxa de crescimento do Capital Físico menos a taxa de crescimento do nº de trabalhadores, - a taxa de crescimento do Capital Humano por Trabalhador é igual à taxa de crescimento do Capital Humano menos a taxa de crescimento do nº de trabalhadores, calcule as taxas de crescimento do capital físico por trabalhador e a taxa de crescimento do capital humano por trabalhador. i) Aplicando a equação g + valores para as variáveis g Y / L = A g Y / L, K L α K α g K / L + H g H / L g /, g H / L e para as constantes α K e o resíduo de Solow ( g ) para o período A, temos neste momento α H, encontre j) Decomponha a taxa de crescimento do produto por trabalhador nas suas 3 componentes preenchendo a tabela seguinte. Símbolo Soma Contributo do Capital Humano g C H / L α H * *100 gy / L Contributo do Capital Físico g D K / L α K * *100 gy / L Contributo do Resíduo de Solow g E A (tecnologia) * 100 g Y /L 23. O Instituto de Estatística da Macrolândia (IEM) publicou os seguintes dados: 15

16 PIB p.m a preços correntes População total 10,5 10,8 Emprego (Nº pessoas) 3.6? Deflator do PIB a) Nesta economia a Oferta de trabalho (População Activa) é 4,2 milhões de pessoas (L S = 4,2). A procura de trabalho é definida pela expressão L D =6,2-0,2W. Sabendo que o salário praticado no ano 2004 foi de 12 u.m., calcule o número de desempregados desta economia. b) Represente graficamente o mercado de trabalho. c) A taxa de sindicalização dos trabalhadores da Macrolândia é bastante elevada. Explique de que forma esse facto afecta a actual situação do mercado de trabalho. d) Calcule a taxa de participação (Taxa de Actividade), a taxa de desemprego e a taxa de emprego no ano de Em 2004 o stock de capital desta economia cresceu à taxa de 3% e a sua proporção no rendimento nacional foi de 0,4. A proporção do factor trabalho no rendimento nacional foi de 0,6. e) Quantifique o crescimento populacional e o crescimento económico desta economia. O que pode concluir? f) Calcule a taxa de crescimento do emprego (Factor Trabalho) no ano de (Considere o valor que calculou em 2 d), se não o calculou utilize 4) g) Calcule a taxa de crescimento da produtividade total dos factores (A), assumindo que a função de produção é de Cobb-Douglas e consequentemente g Y A K ( α) g L = g + αg + 1. h) Quantifique o contributo de cada factor produtivo para o crescimento real do PIBpm em i) Quais os determinantes do crescimento que mais terão afectado esta economia. Compare a economia da Macrolândia com a da RRA em relação aos possíveis determinantes do crescimento que estarão a afectar estas economias (atenção às diferenças entre os 2 exercícios). 16

17 24. O gabinete de estudos da Cromolândia está a efectuar um estudo sobre esta economia. Colabore na realização deste estudo respondendo às seguintes questões de acordo com os dados que lhe vão facultando: Rendimento nacional 1600 SRRM (RLE) 100 Impostos indirectos 75 Subsídios à produção 25 Amortizações 200 Importações 150 Dados de 2005, p. correntes, unidades: milhões de cromos PIBpm a 1514, ,5? Deflator do PIB b a - PIBpm- Preços correntes - valores em milhões de cromos (moeda da Cromolândia) b - Ano base 2000 Calcule d) o PIBpm a preços correntes do ano e) o PIBpm a preços constantes nos anos 2003, 2004 e f) a taxa de crescimento média anual do PIB a preços constantes no período entre 2003 e População Total (milhões) Taxa de actividade 45% 47% Taxa de desemprego 10% 15% Calcule: g) A população activa nos anos de 2004 e h) O número de empregados nos anos de 2004 e i) A taxa de crescimento do emprego de 2004 para j) A taxa de crescimento populacional. k) O crescimento económico em l) Compare os resultados obtidos em g) e h) faça o seu comentário. m) Segundo os dados da OCDE, o crescimento económico médio do G8 em 2005 foi de 2,5%. A Cromolândia apresenta sinais de convergência, em relação a este grupo de países? 17

18 Durante o ano de 2005 verificaram-se as seguintes taxas de crescimento dos factores trabalho e capital - g = 2% e g = 3,6%. A proporção destes factores no crescimento do K rendimento foi de α = 0, 42 e de α = 0, 58. K L L n) Calcule a taxa de crescimento da produtividade total dos factores (A), assumindo que a função de produção é de Cobb-Douglas e consequentemente g Y A K ( α) g L = g + αg + 1. o) Quantifique o contributo de cada factor produtivo para o crescimento real do PIBpm em

19 Poupança e Investimento 25. Considere uma economia fechada com sector público. a) Com base nas restrições orçamentais das famílias e do estado, determine os valores da poupança pública e privada. b) Mostre que em equilíbrio se tem S=I. c) Em que variáveis estão parametrizadas as curvas S e I. 26. A economia da Macrolândia encontra-se em equilíbrio quando a taxa de juro tem o valor de 5%. Tendo em atenção que a S N =S F +S E +S G, responda: A r B r r=5 r=5 I=S=1200 I, S I=S=1200 I, S a) Identifique cada uma das rectas traçadas no gráfico A. Justifique a sua resposta. b) Analise graficamente (Gráfico A) os efeitos de um aumento do défice do Estado e justifique. c) Indique uma política do Governo que incentive o crescimento da poupança dos particulares e analise graficamente os efeitos dessa politica no gráfico B. 27. Assuma que os níveis de investimento e poupança são determinados pelas seguintes funções : I= 50-r e S=4r. a) Determine os valores de equilíbrio da taxa de juro, poupança, investimento e saldo da balança corrente. b) O que aconteceria a esta economia se a taxa de juro internacional fosse 8%? E se aumentasse para 12%? c) Como se alterariam as respostas às questões anteriores se a função investimento for: I=70-r? 19

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA I Licenciaturas: Economia, Gestão 1º A/1º S CADERNO 4 A Moeda e a Inflação A Macroeconomia

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época Ana Balcão Reis 28 de Junho de 2012 Inácia Pimentel João Miguel Silva Duração Total: 2h15m I ( 9 val) Nos exercícios seguintes

Leia mais

2. CONTABILIDADE NACIONAL

2. CONTABILIDADE NACIONAL 2. CONTABILIDADE NACIONAL 2.1. MEDIÇÃO DO PRODUTO 1. Uma boa contabilidade transforma dados em informação. Estudamos contabilidade nacional por duas razões. Em primeiro lugar, porque fornece a estrutura

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 CAP. 2 A MEDIÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA --- EXERCÍCIOS 1. EXERCÍCIOS DAS AULAS 1.1. Contas Nacionais Considere o Quadro 1, com os principais agregados

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL 1

CONTABILIDADE NACIONAL 1 CONTABILIDADE NACIONAL 1 Ópticas de cálculo do valor da produção O produto de um país pode ser obtido por três ópticas equivalentes: Óptica do Produto permite-nos conhecer o valor do produto por sector

Leia mais

Não são considerados bens produzidos em período anterior, apenas a remuneração do vendedor (que é remuneração a um serviço corrente)

Não são considerados bens produzidos em período anterior, apenas a remuneração do vendedor (que é remuneração a um serviço corrente) Macroeconomia Contabilidade Nacional VASCONCELLOS, M. A. S. Economia micro e macro. 3ª ed. São Paulo: Atlas. 2002. Capítulo 9: Contabilidade social Tópicos para Discussão Principais Agregados Macroeconômicos

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL

CONTABILIDADE NACIONAL CONTABILIDADE NACIONAL 1) Conceitos Básicos O que é a CN? A contabilidade nacional é uma técnica que tem por objectivo medir a atividade económica de um país nas suas diversas vertentes. Funciona como

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO. Profa.: Enimar J. Wendhausen

CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO. Profa.: Enimar J. Wendhausen CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO Profa.: Enimar J. Wendhausen TEORIA MACROECONÔMICA A partir da teoria macroeconômica foram empregados esforços para a construção de um sistema

Leia mais

Economia. Contabilidade Social. Introdução. Prof.Carlos Nemer j20@momentus.com.br 1. Sumário. Contabilidade Social. Capítulo 12:

Economia. Contabilidade Social. Introdução. Prof.Carlos Nemer j20@momentus.com.br 1. Sumário. Contabilidade Social. Capítulo 12: Economia Carlos Nemer 3ª Ed. Contabilidade Social Capítulo 12: Contabilidade Social Poli-UFRJ Copyright 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 1 de 54/2005.1 Sumário

Leia mais

Produto Vendas Custo da matéria-prima

Produto Vendas Custo da matéria-prima Conceitos básicos de economia A economia pode ser subdividida em dois grandes segmentos: - Macroeconomia: trata da evolução da economia como um todo, analisando a determinação, comportamento e relações

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

CAPITULO 9 CONTABILIDADE NACIONAL

CAPITULO 9 CONTABILIDADE NACIONAL CAPITULO 9 CONTABILIDADE NACIONAL O estudo da Macroeconomia exige o conhecimento do significado de diversas variáveis, atais como o consumo, o investimento, as exportações, as importações, o produto, etc.,

Leia mais

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 2: Agregados Macroeconômicos

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 2: Agregados Macroeconômicos Aula 2: Agregados Macroeconômicos Macroeconomia As identidades macroeconômicas básicas, o sistema de Contas Nacionais, as Contas Nacionais no Brasil. Gilmar Ferreira Abril 2010 Fluxo Circular da Renda

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 GRUPO A1

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 GRUPO A1 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 (Cotações: 6 x 1,0 = 6 valores) GRUPO A1 1- O sector de atividade que agrupa as atividades relacionadas com o aproveitamento

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/Época Especial 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

MACROECONOMIA: PRÁTICA

MACROECONOMIA: PRÁTICA MACROECONOMIA: PRÁTICA Antonio Ferraz (Professor Catedrático Aposentado da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho) 2014 (I) INDICADORES DO MERCADO DE TRABALHO (PORTUGAL) 1. População total

Leia mais

ADMISSÃO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS Prova de Economia 24 de Junho de 2008 Duração: 2h. Grupo I (5 valores)

ADMISSÃO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS Prova de Economia 24 de Junho de 2008 Duração: 2h. Grupo I (5 valores) UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia ADMISSÃO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS Prova de Economia 24 de Junho de 2008 Duração: 2h Grupo I (5 valores) Para cada uma das seguintes

Leia mais

Tendo em atenção os seguintes dados referentes a Portugal:

Tendo em atenção os seguintes dados referentes a Portugal: Exercício - II.1 Tendo em atenção os seguintes dados referentes a Portugal: (valores em milhões de contos) PIB 1986 a preços correntes 4418,8 PIB 1987 a preços de 1986 4608,1 PIB 1987 a preços correntes

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.12.2010 COM(2010) 774 final Anexo A/Capítulo 08 ANEXO A à Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo ao Sistema europeu de contas nacionais

Leia mais

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste.

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste. LICENCIATURA EM ECONOMIA MACROECONOMIA II LEC 206 (2006-2007) Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Duração: 60 minutos Não é permitida qualquer forma de consulta. Os telemóveis

Leia mais

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado Macroeconomia Faculdade de Direito UNL 2008/09 José A. Ferreira Machado 1. As principais grandezas macroeconómicas e a sua medição Medição do rendimento nacional, do nível geral de preços e da taxa de

Leia mais

preta. Não telemóveis

preta. Não telemóveis Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2012 Exame de Economia Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: O examinando apenas pode

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof.

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof. (Aula-V) 19/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Economia 2º Período Noções de Contabilidade Nacional e Cálculo do PIB Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 5. Noções

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1.

CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1. CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1. O fornecimento de bens e serviços não mercantis (não comercializáveis)

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR 1 I - Macroeconomia e Contabilidade Social 1. Introdução: A Economia como a Ciência da Escassez Um dos princípios fundamentais da Economia é a chamada lei da escassez, segundo a qual as necessidades humanas

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE 1.Discuta a diferença entre os seguintes conceitos? (a) Produto Interno Bruto - Produto Interno Líquido; (b) Produto Nacional

Leia mais

CAPITULO 10. Relações económicas com o resto do mundo

CAPITULO 10. Relações económicas com o resto do mundo CAPITULO 10 Relações económicas com o resto do mundo A necessidade e a diversidade das relações com o resto do mundo O registo das alterações com o resto do mundo As politicas comerciais e a organização

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB:

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB: Cap 2 1) Considere que numa economia em determinado ano ocorreu uma severa epidemia, que ocasionou um aumento na demanda de serviços médico-hospitalares e por medicamentos. Considerando todo o resto constante,

Leia mais

Circuito Económico e Contabilidade Nacional

Circuito Económico e Contabilidade Nacional Circuito Económico e Contabilidade Nacional Visão das actividades económicas em termos de circuito. Relacionamento dos agentes pelas operações: - relacionamento em termos de equilíbrio ou, - desequilíbrio.

Leia mais

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1 - Prof. Fábio Tavares Lobato a Dois Setores Sem Formação de Capital a Dois Setores Com Formação de Capital a Três Setores: O Setor Público a Quatro Setores: O Setor Externo 1 2 Contas Básicas: - Produto

Leia mais

Receitas provenientes da venda da produção. Estado (Administrações Públicas)

Receitas provenientes da venda da produção. Estado (Administrações Públicas) MACROECONOMIA I LEC201 2006/07 Licenciatura em Economia - Faculdade de Economia da Universidade do Porto CAP. 2 A MEDIÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA 2.1 Definições: agentes, operações, fluxos e stocks Agentes

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Prova de Macroeconomia

Prova de Macroeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Macroeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

LICENCIATURA EM GESTÃO TESTE 10.01.2006 VERSÃO A

LICENCIATURA EM GESTÃO TESTE 10.01.2006 VERSÃO A OBSERVAÇÕES: (i) A duração da prova é de 2 horas; (ii) Não é permitida a consulta de quaisquer elementos, nem são prestados quaisquer esclarecimentos; (iii) Responda ao Grupo I na tabela constante desta

Leia mais

De acordo com a definição dada pela OCDE,

De acordo com a definição dada pela OCDE, Contabilidade Nacional: território geográfico, unidades residentes e operações económicas De acordo com a definição dada pela OCDE, A Contabilidade Nacional é uma técnica que se propõe apresentar sob uma

Leia mais

OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1

OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1 OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1 OE20111- Um orçamento que vai destruir ainda mais a economia e agravar as desigualdades e as dificuldades

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DR 2014

ANEXO AO BALANÇO E DR 2014 ANEXO AO BALANÇO E DR 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade PATRIMÓNIO DOS POBRES DA FREGUESIA DE ÍLHAVO 1.2 Sede Av. Manuel da Maia 3830 050 Ílhavo 1.3 NIPC 500876789 1.4 Natureza

Leia mais

Escola Secundária Fernão de Magalhães

Escola Secundária Fernão de Magalhães Escola Secundária Fernão de Magalhães Teste de Avaliação - Economia A 11º ANO - TURMA A teste nº 03 Nome: Class: Grupo I Relativamente às questões apresentadas, assinale com (X) a resposta correcta. 1.

Leia mais

Agregados macroeconômicos:

Agregados macroeconômicos: 2.1 Introdução Agregados macroeconômicos: Contabilidade social Capítulo II Macroeconomia: ramo da teoria econômica que estuda a determinação e o comportamento dos agregados nacionais. a parte relativa

Leia mais

Prospecto Informativo Depósito Dual Energia Europa BBVA

Prospecto Informativo Depósito Dual Energia Europa BBVA Prospecto Informativo Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de risco Produto financeiro complexo Depósito Dual O é um depósito dual a 3

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS. MBA 2006/2007 (1º Bloco) Caderno de Exercícios. José Azevedo Pereira

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS. MBA 2006/2007 (1º Bloco) Caderno de Exercícios. José Azevedo Pereira INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS MBA 2006/2007 (1º Bloco) Caderno de Exercícios José Azevedo Pereira I O Conceito de VAL Exercício 1 Na figura seguinte, o

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas...

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... ÍNDICE PREFÁCIO... 2 NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... 6 ANÁLISE DE RESULTADOS Situação Global... 7 Conta Corrente...

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 1. Meios Financeiros Líquidos Esta Classe destina-se a registar os meios financeiros líquidos que incluem quer o dinheiro e depósitos

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores)

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores) Universidade do Minho Curso de Comunicação Social Disciplina de Economia 9 de Junho de 2003 PROVA DE AVALIAÇÃO NOME: NÚMERO: Observações obrigatórias - antes de começar a responder, siga as seguintes instruções:

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA712/C/11 Págs. Duração

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

Decreto-Lei n.º 229/98 de 22 de Julho

Decreto-Lei n.º 229/98 de 22 de Julho Decreto-Lei n.º 229/98 de 22 de Julho A criação de um sistema de caucionamento mútuo em Portugal permitirá às pequenas e médias empresas e às microempresas a utilização de um instrumento que em outros

Leia mais

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II DISCIPLINA: MACROECONOMIA 24/03/2015 Prof. João Basilio Pereima Neto E-mail: joaobasilio@ufpr.com.br Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II 1. Modelo OA - Mercado de Trabalho com flexibilidade de Preços

Leia mais

SOLUÇÕES MOÇAMBIQUE-EMPRESAS JULHO 2013

SOLUÇÕES MOÇAMBIQUE-EMPRESAS JULHO 2013 JULHO 2013 EM MOÇAMBIQUE, COMO EM PORTUGAL O BPI e o BCI disponibilizam as Soluções Moçambique-Empresas, um conjunto de produtos e serviços desenhados para empresas que pretendam investir ou exportar para

Leia mais

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014)

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Procedimento dos Défices Excessivos 2ª Notificação 2014 30 de setembro de 2014 Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Nos termos dos Regulamentos da União Europeia, o INE envia hoje

Leia mais

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens)

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens) 4.1. Determine a função representativa do consumo privado de uma economia em relação à qual se sabe o seguinte: - As intenções de consumo das famílias são caracterizadas por uma dependência linear relativamente

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003 NATUREZA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS As Demonstrações Financeiras Consolidadas foram preparadas

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS I NOÇÕES DE CONTABILIDADE SOCIAL E MODELO KEYNESIANO SIMPLES

LISTA DE EXERCÍCIOS I NOÇÕES DE CONTABILIDADE SOCIAL E MODELO KEYNESIANO SIMPLES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA DISCIPLINA: ANÁLISE MACROECONÔMICA PROF. RAFAEL TIECHER CUSINATO LISTA DE EXERCÍCIOS I NOÇÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

Marketing e Publicidade 2ºANO 1º SEMESTRE

Marketing e Publicidade 2ºANO 1º SEMESTRE INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO E TECNOLOGIA DE SANTARÉM Marketing e Publicidade 2ºANO 1º SEMESTRE FINANÇAS Docente: Professor Coordenador - António Mourão Lourenço Discentes:

Leia mais

Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social)

Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social) 1 Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social) 1. Para a ciência econômica, formação de capital significa especificamente: a) A compra de qualquer mercadoria nova. b) Investimento líquido.

Leia mais

GESTÃO. 6. A Informação Financeira. 6. A Informação financeira 1

GESTÃO. 6. A Informação Financeira. 6. A Informação financeira 1 GESTÃO 6. A Informação Financeira 6. A Informação financeira 1 Conteúdo Temático 1. A organização da informação financeira: o papel da Contabilidade; Introdução aos principais mapas e conceitos 2. O Balanço

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Défice Orçamental e Dívida Pública

Défice Orçamental e Dívida Pública MACROECONOMIA I Aula 4.Nov.2003 > A restrição orçamental do Governo > Visualização gráfica (apenas gráfica) dos efeitos de financiamentos por emissão de moeda dos défices orçamentais. >Défices e Dívida

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE GOVERNO Orçamento Cidadão 2015 Os recursos públicos do Estado são recursos públicos do povo e para o povo, condição que dá ao cidadão o direito de saber como

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI CONDIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTº 1º - DEFINIÇÕES 1. Para os efeitos do presente contrato, considera-se: a) Companhia - a entidade seguradora,, que subscreve com

Leia mais

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16%

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16% A SITUAÇÃO ACTUAL É MAIS GRAVE DO QUE EM 1977/78 E EM 1983/84 POR PORTUGAL PERTENCER À ZONA EURO E NESTA DOMINAR UMA POLITICA NEOLIBERAL DE SUBMISSÃO AOS MERCADOS. Um erro grave é confundir a situação

Leia mais

Empresas em Portugal 2012

Empresas em Portugal 2012 Empresas em Portugal 2012 21 de março de 2014 Principais indicadores revelaram uma contração da atividade económica em 2012 com exceção das sociedades exportadoras Em 2012 existiam em Portugal 1 086 452

Leia mais

Contabilidade Financeira I. Capítulo 4

Contabilidade Financeira I. Capítulo 4 Contabilidade Financeira I 2012/2013 GES, FC, GEI, GRH, GMKT, ECO Capítulo 4 Exercícios para trabalho autónomo (Enunciados e Resoluções) Exercícios para trabalho autónomo 1 (*): Exercício 4.01 Brisa Exercício

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Advertências ao investidor: 100% do capital investido garantido na maturidade Remuneração não garantida Possibilidade

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Orçamento anual: instrumento de planeamento a curto prazo que permitirá à empresa quantificar os seus objectivos em termos

Leia mais

CURSO LIVRE DE ECONOMIA

CURSO LIVRE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia CURSO LIVRE DE ECONOMIA Contabilidade Nacional Exercícios 1. Indique se as seguintes afirmações são verdadeiras ou falsas, justificando os casos

Leia mais

Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais

Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais 3.1. Aspectos conceptuais - antecipação do futuro, informação e expectativas racionais 3.2. A restrição orçamental intertemporal das famílias 3.3. Teoria

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II EXAME FINAL

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II EXAME FINAL CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Cristina Neto de Carvalho Gioconda Magalhães Data: 30 de Junho de 2007 Sílvia Cortês Duração: 2 horas e 30 minutos Joana Peralta Sofia Pereira Luiz Ribeiro EXAME

Leia mais

Porque razão a banca e o governo querem transferir os Fundos de Pensões para a Segurança Social Pág 1

Porque razão a banca e o governo querem transferir os Fundos de Pensões para a Segurança Social Pág 1 Porque razão a banca e o governo querem transferir os Fundos de Pensões para a Segurança Social Pág 1 PORQUE RAZÃO A BANCA PRETENDE TRANSFERIR OS FUNDOS DE PENSÕES PARA A SEGURANÇA SOCIAL E OS RISCOS PARA

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 7 (Relações Económicas Internacionais)

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 7 (Relações Económicas Internacionais) 7.1. Considere a seguinte informação, relativa às componentes da Balança Corrente Portuguesa em 2002, em milhões de euros: Débito Mercadorias 29.028,1 41.607,4 Serviços, dos quais: 10.299,8 7.137,3 - viagens

Leia mais

SEGURO UNIT LINKED CA INVESTIMENTO -1ª SÉRIE (Não Normalizado)

SEGURO UNIT LINKED CA INVESTIMENTO -1ª SÉRIE (Não Normalizado) CONDIÇÕES GERAIS SOLUÇÕES CAPITALIZAÇÃO SEGURO UNIT LINKED CA INVESTIMENTO -1ª SÉRIE (Não Normalizado) 1 CONDIÇÕES GERAIS DA APÓLICE CA Investimento 1ª Série (Não Normalizado) SEGURO INDIVIDUAL Cláusula

Leia mais

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS ENTREGUE PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS NÚCLEO DE ORÇAMENTO DAS ANO DE 2014 E CONTAS DE IPSS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DENOMINAÇÃO: SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE VIANA DO

Leia mais

GOVERNO UTILIZA EMPRESAS PUBLICAS PARA REDUZIR O DÉFICE ORÇAMENTAL, ENDIVIDANDO-AS E ARRASTANDO-AS PARA A SITUAÇÃO DE FALENCIA TÉCNICA

GOVERNO UTILIZA EMPRESAS PUBLICAS PARA REDUZIR O DÉFICE ORÇAMENTAL, ENDIVIDANDO-AS E ARRASTANDO-AS PARA A SITUAÇÃO DE FALENCIA TÉCNICA GOVERNO UTILIZA EMPRESAS PUBLICAS PARA REDUZIR O DÉFICE ORÇAMENTAL, ENDIVIDANDO-AS E ARRASTANDO-AS PARA A SITUAÇÃO DE FALENCIA TÉCNICA RESUMO DESTE ESTUDO Os principais jornais diários portugueses divulgaram

Leia mais