Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com"

Transcrição

1 Curso DSc IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV Prof.: Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com

2 Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso Economista

3 51 - Considere as seguintes siglas: PIB = Produto Interno Bruto, PNB = Produto Nacional Bruto, PIL = Produto Interno Líquido e PNL = Produto Nacional Líquido. Se o governo impedir o envio ou recebimento de rendimentos do exterior e zerar os impostos indiretos e os subsídios, pela identidades macroeconômicas básicas teremos a) PIB a preços de mercado = PNB a custo de fatores. b) PIB a preços de mercado = PNL a custo de fatores. c) PIL a preços de mercado = PNB a custo de fatores. d) PIL a preços de mercado > PNL a custo de fatores. e) PIB a preços de mercado > PIB a custo de fatores.

4 52 - Uma medida de política monetária restritiva pode ser a redução do papel moeda em poder do público. Nesse sentido, para alcançar esse objetivo, o governo não deve a) reduzir o papel moeda em circulação. b) elevar o encaixe monetário mantido pelo Banco Central. c) elevar a exigência de encaixe monetário mantido pelos bancos comerciais. d) elevar a comprade títulos no mercado aberto. e) elevar a taxa de redesconto.

5 53 - Em relação ao modelo IS-LM, analise as afirmativas a seguir. I. Pela lógica keynesiana, se houver excesso de demanda no mercado de bens, o ajuste se dá apenas via elevação da quantidade produzida e da renda. II. Se o mercado monetário se equilibrar mais rapidamente do que o mercado de bens, então, ajustes da taxa de juros precedem ajustes na produção. III. Em uma situação de pleno emprego, como a economia brasileira se encontra aproximadamente nos dias de hoje, a política fiscal é totalmente eficaz. Assinale: a) se somente a afirmativa I estiver correta. b) se somente a afirmativa II estiver correta. c) se somente a afirmativa III estiver correta. d) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas. e) se todas as afirmativas estiverem corretas.

6 54 - Relacione cada uma das contas do balanço de pagamentos listadas a seguir aos seus respectivos componentes. 1. Conta de Serviços 2. Transferências Unilaterais 3. Conta Capital 4. Conta Financeira ( ) Investimento Direto Estrangeiro. ( ) Doações de um país para outro. ( ) Transferência de patrimônio de migrantes internacionais. ( ) Gastos de turistas no exterior. Assinale a opção que indica a relação correta, de cima para baixo. a) 1, 2, 3 e 4. b) 1, 3, 2 e 4. c) 2, 1, 4 e 3. d) 4, 2, 3 e 1. e) 4, 3, 2 e 1.

7 55 - Em uma situação de pleno emprego, a curva de Phillips mostra que a) o nível do produto estáabaixo do seu nível potencial. b) a taxa de inflação é determinada pelas expectativas inflacionárias e pelos choques de oferta. c) o desemprego cai continuamente com o aumento da taxa de inflação. d) o único componente da inflação é a inflação inercial de demanda. e) a inflação se mantém constante para qualquer alteração da taxa de desemprego.

8 56 - Com relação aos conceitos de déficit e dívida pública, assinale V para a afirmativa verdadeira e F para a falsa. ( ) O financiamento do déficit público pode ser feito via venda de títulos públicos ao setor privado ou ao Banco Central, o que leva ao endividamento do Tesouro Nacional. ( ) Quanto maior for o déficit público, maior será o gasto com juros, o que aumenta a diferença entre a carga tributária bruta e líquida. ( ) O conceito operacional de déficit público inclui todos os gastos do setor público sem nenhuma correção monetária ou cambial. As afirmativas são, respectivamente, a) V, V e F. b) V, F e V. c) V, F e F. d) F, V e V. e) F, F e F.

9 57 - Considere um modelo keynesiano de economia aberta, com os seguintes parâmetros: Demanda Agregada Doméstica = ,5Y 100i Saldo da Balança Comercial= 200 em que Y é o nível de renda e i é a taxa de juros. Supondo i = 1% e o saldo da balança comercial exógeno, o nível de equilíbrio da renda e o multiplicador da economia são, respectivamente, a) 600 e 2. b) 600 e 1. c) 590 e 2. d) 598 e 0,5. e) 598 e 2.

10 58 - Em relação aos conceitos de paridade do poder de compra, movimento de capitais e regimes de câmbio, analise as afirmativas a seguir. ( ) Para que a taxa de câmbio real seja igual à unidade, a paridade do poder de compra relativa deve ser válida. ( ) O diferencial entre a taxa de juros interna e a internacional, sob a condição de arbitragem, deve ser maior quanto maior for a expectativa de desvalorização da taxa de câmbio nominal do país local, os custos de transação e o risco do país. ( ) O regime de taxas flutuantes de câmbio tem como característica o fato de que a taxa de câmbio se ajusta afim de equilibrar a demanda e a oferta por moeda estrangeira. Assinale a) se somente a afirmativa I estiver correta. b) se somente a afirmativa III estiver correta. c) se somente as afirmativas e I e III estiverem corretas. d) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas. e) se todas as afirmativas estiverem corretas.

11 59 - O pleno emprego pode ser definido tanto em termos micro como em macroeconômicos. As opções a seguir estão relacionadas a essas definições, à exceção de uma. Assinale-a. a) Elevações do salário mínimo elevam o nível de emprego, caso o salário praticado pelo mercado seja muito baixo. b) O salário real cresce acima da produtividade do trabalho. c) O crescimento econômico passa a ser limitado pelo crescimento do produto potencial. d) O desemprego é caracterizado pelo desemprego voluntário e pelo friccional. e) A taxa de inflação exerce pressões crescentes em qualquer tentativa do governo de reduzir ainda mais o desemprego.

12 60 - Segundo a equivalência Ricardiana, os aumentos de impostos anunciados pelo governo em janeiro de 2015, devem a) reduzir o consumo hoje e futuro. b) elevar os empréstimos hoje, mantendo inalterado o consumo. c) elevar a poupança hoje, reduzindo o consumo. d) reduzir o consumo hoje e, no futuro, o mesmo deve retornar ao patamar atual. e) ter efeito nulo sobre qualquer variável real da economia.

13 63 - Considere o conceito de Necessidade de Financiamento do Setor Público (NFSP) e de Dívida Líquida do Setor Público (DLSP). Assinale a opção que indica a situação na qual o NFSP é positivo e o DLSP está diminuindo. a) A receita da privatização supera a diferença entre o investimento público e a poupança pública e os ajustes patrimoniais. b) Os juros da dívida são maiores do que o ajuste patrimonial. c) A valorização cambial reduz a dívida externa contabilizada em dólares. d) Os esqueletos (dívidas antigas do governo), que antes não eram contabilizadas, passam a ser reconhecidos. e) A soma do consumo do governo e os juros da dívida não superam a arrecadação tributária.

14 Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia ANALISTA JUDICIÁRIO ESPECIALIDADE -ECONOMISTA

15 40 - Uma política monetária expansionista, via redução das reservas compulsórias mantidas pelos bancos comerciais junto ao Banco Central, mas sem alteração do volume de empréstimos concedidos pelos bancos comerciais, conduz a: a) um aumento dos meios de pagamento, expandindo a base monetária; b) uma elevação do multiplicador monetário e, por conseguinte, um aumento do fluxo monetário na economia; c) uma ampliação da base monetária, mas com retração do multiplicador monetário; d) um aumento da parcela dos meios de pagamento mantida como depósitos à vista pela população; e) um aumento da parcela dos meios de pagamento mantido como reservas pelos bancos, ampliando a moeda manual.

16 41 - Considere o modelo keynesiano simples dado pela seguinte função consumo: C = ,2Y, em que C é o nível de Consumo e Y é a renda. Considere uma economia fechada, no caso do investimento autônomo e gasto do governo autônomo serem iguais a 10 cada. Se a propensão marginal a consumir for igual a 40% da renda, a renda de equilíbrio do modelo e a alíquota tributária aplicada sobre a renda serão, respectivamente, iguais a: a) 30 e 0,5%; b) 150 e 40%; c) 150 e 50%; d) 300 e 50%; e) 600 e 40%.

17 42 - O governo está atualmente buscando gerar superávit fiscal. Considerando os balancetes do Banco Central e dos Bancos Comerciais, uma das consequências de um superávit fiscal é: a) a elevação do ativo do Banco Central, reduzindo os meios de pagamento; b) a redução dos empréstimos concedidos ao Tesouro Nacional, elevando o caixa do governo; c) o aumento do ativo dos bancos comerciais pela redução das operações de redesconto; d) o aumento do passivo monetário do Banco Central, reduzindo os meios de pagamento; e) a redução da base monetária, ao elevar o passivo não monetário do Banco Central.

18 43 - Considere o modelo IS-LM. Uma política fiscal contracionista gera: a) o máximo de redução do produto quando a economia está em pleno emprego; b) a retração do produto quando a Teoria Quantitativa da Moeda é válida; c) uma necessidade de ampliação da taxa de juros de equilíbrio praticada pelo Banco Central; d) o máximo de redução do produto quando a demanda por moeda é infinitamente elástica em relação à taxa de juros; e) um efeito totalmente nulo sobre o produto quando a base monetária é ampliada.

19 44 - Uma ampliação do quantum das exportações e das receitas provenientes de prêmios de seguros, mantido tudo o mais constante, gera, respectivamente, o aumento do saldo: a) da balança comercialeda conta de serviços; b) da balança de transações correntes e da conta de rendas; c) da balança comercialeda conta de rendas; d) da conta de rendas e da conta de serviços; e) da conta capitaleda conta financeira.

20 45 - Com o aumento do peso de determinados parceiros comerciais de um país, a taxa de câmbio indica uma desvalorização no caso desses parceiros terem moedas mais fortes em relação a esse país analisado, ceteris paribus. Essa descrição reflete o conceito de: a) paridade absoluta do poder de compra; b) paridade relativa do poder de compra; c) taxa de câmbio nominal; d) taxa de câmbio real; e) taxa de câmbio efetiva.

21 46 - Existem diversas teorias econômicas que explicam as decisões de consumo dos agentes. Segundo a teoria da renda permanente, é INCORRETO afirmar que: a) famílias não levam apenas em conta a renda presente, mas também a renda futura na escolha de quanto consumir; b) indivíduos tendem a manter um padrão de consumo estável ao longo de suas vidas, em função de sua renda permanente; c) pessoas buscam um maior nível educacional, pois suas rendas presentes e futuras tendem a ser em média maiores; d) choques negativos de renda têm efeitos nulos ou pequenos sobre a trajetória de consumo das famílias; e) a miopia em relação ao futuro exige a imposição pelo governo do recolhimento de uma poupança compulsória para a previdência.

22 47 - Uma das maneiras de ajustar as contas públicas ocorre por meio de elevação dos impostos indiretos. Considerando o sistema de Contas Nacionais, uma das consequências dessa medida é: a) elevação do produto interno bruto a custo de fatores; b) redução da despesa interna bruta a preços de mercado; c) elevação da utilização da renda nacional disponível líquida; d) redução da renda nacional líquida a preços de mercado; e) elevação dos recebimentos correntes com o resto do mundo.

23 48 - Em relação à teoria q de Tobin, analise as afirmativas a seguir, considerando V para a(s) verdadeira(s) e F para a(s) falsa(s): ( ) O índice da Bolsa de Valores é um bom termômetro acerca das decisões de investimento de um país. ( ) Se o custo de contratar mão de obra para uma empresa cresce a taxas maiores do que o valor de suas ações no mercado financeiro, a empresa não deve elevar seus investimentos. ( ) A decisão de investir deve ocorrer quando a produtividade marginal do capital iguala a soma da sua taxa de depreciação com a taxa de juros praticada no mercado. A sequência correta é: a) V, V e F; b) V, F e F; c) F, V e V; d) F, F e V; e) F, F e F.

24 49 - Em relação à Curva de Laffer, é INCORRETO afirmarque: a) o máximo de arrecadação tributária é atingido quando a sua taxa de crescimento em relação à alíquota tributária é nula; b) um imposto elevado, aplicado sobre a renda dos agentes, indica que a demanda por serviços públicos é mais elevada; c) quando a alíquota tributária é igual a 100%, os indivíduos tendem a praticar um nível elevado de sonegação; d) uma alíquota tributária elevada induz as pessoas a despender mais tempo com lazer e menos com trabalho formal; e) um aumento do teto da renda nominal não tributável, elevando o número de agentes isentos de pagar impostos, reduz a receita tributária.

25 50 - A restrição orçamentária intertemporal do governo é uma expressão importante para se entender a dinâmica da política fiscal. Segundo tal restrição, uma ampliação dos impostos hoje: a) induz as famílias a reduzirem o consumo hoje como forma de pagar os impostos; b) deve ser seguido por uma redução dos impostos amanhã ou de aumento nos gastos do governo hoje ou amanhã; c) leva a uma redução dos impostos amanhã descontado a uma taxa de juros; d) conduz a um aumento do superávit fiscal no conceito nominal amanhã; e) reduz a herança que as famílias deixam para seus filhos.

26 Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia Economista

27 58 - De acordo com os conceitos da Contabilidade Nacional, assinale a afirmativa correta. a) O PIB a preços de mercado pode ser computado como o valor bruto da produção em cada etapa da cadeia produtiva. b) O PIB a custo de fatores é definido como a soma dos salários e do excedente operacional bruto. c) A renda interna é por definição a renda nacional de um país. d) Quando os impostos indiretos e subsídios são nulos, o PIB a custo de fatores iguala o PIBapreços de mercado. e) No cômputo da despesa interna bruta a preços de mercado, inclui-se as exportações e importações tanto dos não fatores como dos fatores de produção.

28 59-Em relação àestruturadobalançodepagamentos, assinale V para a afirmativa verdadeira e F para a falsa. ( ) Donativos recebidos em mercadorias não impactam o saldo em transações correntes. ( ) Um déficit no saldo em transações correntes implica um superávit na conta capital e financeira. ( ) Considerando as Contas Econômicas Integradas, o total de créditos da conta capital corresponde à soma da poupança interna e externa. As afirmativas são, respectivamente, a) V, V e V. b) V, V e F. c) V, F e V. d) F, F e V. e) F, F e F.

29 60 - Assinale a alternativa que apresente uma possível situação em que o papel moeda em poder do público se eleve. a) O Banco Central eleva a taxa de reservas compulsórias junto ao setor bancário elevando o montante no seu caixa. b) O Banco Central emite papel moeda sem alterar os demais instrumentos de controle monetário. c) Os bancos comerciais elevam voluntariamente o volume de reservas depositado no caixa do Banco Central. d) O Banco Central retira de circulação cédulas e moedas defeituosas. e) Os bancos comerciais vendem bens e serviços para seus clientes.

30 61 - Considere o modelo IS-LM descrito no gráfico a seguir: Nesse caso, uma política fiscal contracionista a) é totalmente ineficaz pois este caso se trata da armadilha da liquidez. b) é totalmente ineficaz devido ao efeito crowding out, que troca gastos privados por gastos públicos. c) tem o efeito oposto sobre produto e juros de uma política monetária expansionista. d) tem impacto nulo na taxa de juros pois este é o caso clássico. e) reduz os juros, incentivando o aumento dos gastos privados que substituem os gastos públicos.

31 62 - Em relação ao modelo de ciclo de vida, assinale V para a afirmativa verdadeira e F para a falsa. ( ) As pessoas quando estão no período de juventude não despoupam nem tomam empréstimos, mesmo que a renda na fase adulta seja maior. ( ) Os recursos para que os indivíduos mantenham seu padrão de vida quando idosos se origina tanto da poupança espontânea como da imposição do governo via previdência pública. ( ) A propensão média a consumir é aproximadamente constante tanto no curto como no longo prazo, dado que a expectativa de renda do indivíduoéconstante ao longo do seu ciclo de vida. As afirmativas são, respectivamente, a) V, V e V. b) V, V e F. c) V, F e V. d) F, V e V. e) F, V e F.

32 63 - De acordo com o Princípio da Equivalência Ricardiana, assinale a afirmativa correta. a) Uma política fiscal expansionista não impacta o nível do produto, pois o gasto privado é reduzido na mesma magnitude. b) O governo deve manter um orçamento fiscal de modo que sua restrição orçamentária esteja sempre em equilíbrio em cada período do tempo. c) O endividamento público via títulos públicos pode ser considerado como riqueza pelos agentes privados, o que acaba afetando o consumo. d) Um aumento dos impostos no período t reduz o consumo no período t, mas o eleva no período t+1 pois o governo reduzirá a carga tributária no período t+1. e) Os agentes privados não alteram o seu nível de poupança corrente pois sabem que alterações da política tributária hoje serão revertidas nos períodos subsequentes.

33 64 - Considere o modelo IS-LM-BP sem mobilidade de capital e com regime de câmbio fixo. De acordo com tal modelo, assinale a afirmativa correta. a) Uma política monetária expansionista não afeta permanentemente o nível do produto e a taxa de juros. b) Uma política fiscal expansionista eleva apenas temporariamenteataxa de juros e o nível de produto. c) Uma desvalorização cambial eleva apenas temporariamente o nível de renda da economia ao gerar superávits comerciais. d) A curva BP indica que o nível da taxa de juros é constante para qualquer nível do produto. e) Uma política monetária expansionista não afeta permanentemente nem temporariamente o nível de investimento da economia.

34 Companhia Pernambucana de Saneamento COMPESA Economista

35 38 - Segundo o sistema de contas nacionais, um aumento do saldo de poupança externa, mantido constante o saldo da poupança interna, a) reduz a formação futura de capitalda conta de capital. b) reduz a utilização dos recebimentos correntes da conta de transações correntes com o resto do mundo. c) reduz os recebimentos correntes da conta de transações correntes com o resto do mundo. d) eleva a utilização da renda nacional disponível líquida da conta renda nacional. e) eleva o financiamento da formação de capital da conta de capital.

36 40-Sejam as seguintes siglas: PMPP = Papel Moeda em Poder do Público, PMC = Papel Moeda em Circulação, PME = Papel Moeda Emitido, CBCOM = Caixa dos Bancos Comerciais, CBACEN = Caixa do Banco Central. Logo, pelas identidades dos agregados monetários, a seguinte igualdade é válida: a) PMC CBCOM=PME CBACEN. b) PMPP + CBCOM=PME + CBACEN. c) PMPP + CBCOM=PME CBACEN. d) PME CBCOM=PMPP CBACEN. e) PMC CBACEN=PME CBACEN.

37 41 - No dia 03/02/2014, o portal de notícias G1, publicou a notícia intitulada Balança inicia 2014 no vermelho e registra o pior mês da história. Um trecho afirmava que: Após atingir em 2013 o menor superávit comercial em 13 anos, a balança comercial brasileira iniciou este ano no vermelho, com mais importações do que exportações, e registrou um saldo negativo de US$ 4,06 bilhões em janeiro o pior resultado já apurado em todos os meses, segundo informações divulgadas nesta segunda feira (3) pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior(MDIC). ( o-vermelhoe- tem-pior-mes-da-historia-em-janeiro.html, acessado em 05/04/2014.) A partir desse trecho, é correto afirmar que o déficit comercial, no início de 2014, contribuiu para a) reduzir o saldo em transações correntes. b) reduzir o saldo da conta de serviços. c) reduzir o saldo da conta de renda. d) reduzir o saldo da conta capital. e) aumentar o saldo da conta financeira.

38 42 - Seja o modelo keynesiano simples, e os seus seguintes componentes: Produto Real=100. Consumo = 50. Investimento Voluntário = 30. Logo, o investimento involuntário será igual a a) 0, sem acúmulo de estoques. b) 80, pois há excessode oferta agregada. c) 50, pois há excessode oferta agregada. d) 20, pois há excesso de demanda agregada. e) 20, pois há excessode oferta agregada.

39 43 - Segundo o arcabouço do modelo IS-LM, quanto menor for a elasticidade do investimento em relação à taxa de juros em termos absolutos, a) maior o efeito da política monetáriasobre o nível do produto. b) maior o efeito da política fiscal sobre a taxade juros. c) menor o efeito da política monetáriasobre o nível do produto. d) menor o efeito da política fiscal sobre o nível do produto. e) menor o efeito da política monetáriasobre a taxade juros.

40 44 - Assuma uma curva de Phillips derivada em uma curva de oferta baseada em preços passados, desconsiderando a influência das expectativas (inflação esperada nula). Um choque climático, que afete negativamente a safra agrícola, gera a) uma taxa de inflação positiva, se o mercado de trabalho estiver em pleno emprego. b) uma taxa de inflação positiva, se a taxa de desemprego estiver acima do seu nível natural. c) uma taxa de inflação nula, mesmo se a taxa de desemprego for igual a sua taxa natural. d) uma taxa de inflação negativa, se o mercado de trabalho estiver em pleno emprego. e) uma taxa de inflação negativa, se o mercado de trabalho estiver abaixo do seu nível natural.

41 Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas Economista

42 37 - Suponha o caso clássico do modelo IS-LM. Assinale a alternativa que indica a descrição correta de uma estática comparativa para esse caso. a) A política monetária expansionista é totalmente ineficaz, uma vez que os agentes retêm toda expansão monetária. b) A política monetária e fiscal são ineficazes, gerando apenas alteração da taxa de juros. c) A política fiscal expansionista alcança sua máxima eficácia, pois o efeito multiplicador da renda atua de forma eficiente. d) A política monetária contracionista é totalmente eficaz, gerando queda do nível de renda e da taxade juros. e) A política fiscal expansionista é totalmente ineficaz, produzindo o efeito crowding out.

43 38 - Em relação à estrutura de balanço de pagamentos, analise as afirmativas a seguir. I. A balança de transações correntes é composta pelas balanças comercial, de serviços e de rendas e pelas transferências unilaterais correntes. II. A transferência líquida de recursos ao exterior é, por definição, igual ao hiato de recursos. III. A remessa de juros ao exterior afeta positivamente o saldo dos capitais compensatórios. Assinale: a) se somente a afirmativa I estiver correta. b) se somente a afirmativa II estiver correta. c) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas. d) se somente as afirmativas I e III estiverem corretas. e) se todas as afirmativas estiverem corretas.

44 39 - Economistas e analistas discutem atualmente a possibilidade de a economia brasileira estar no nível de pleno emprego. Nesse sentido, o modelo clássico mostra que a) a oferta agregada é vertical e apenas mudanças nas variáveis reais da economia, como elevação da produtividade marginal do trabalho, elevariam o nível real do produto. b) a demanda é horizontal, a qual é determinada pela Lei de Say, cuja oferta determina a procura e, assim, estímulos de demanda tendem a ser inócuos. c) o princípio da demanda efetiva é válido, o qual apregoa que a mesma é determinada pela renda que o empresário espera receber por oferecer um maior volume de vagas. d) os salários nominais são inflexíveis para baixo e, assim, o processo de barganha salarial é importante para impulsionar a renda e, portanto, a atividade econômica. e) os estímulos de consumo possibilitam crescer mais, pois a propensão marginal a consumir gera um efeito multiplicador sobre a renda da economia.

45 40 - No caso do modelo Mundell-Fleming, a política fiscal expansionista tende a a) elevar o nível de renda da economia, mas com a taxa de juros permanecendo constante. b) ter efeito nulo tanto no nível de renda da economia como na taxa de juros, mas com o câmbio mais valorizado. c) elevar tanto o nível de renda como a taxa de juros da economia. d) provocar uma desvalorização da moeda local, impulsionando a procura pelos bens locais e gerando aumento de renda. e) elevar o nível de renda e a reduzir a taxa de juros, alcançando o máximo de eficácia.

46 41 - Considere o seguinte modelo keynesiano simples com consumo, investimento e governo em uma economia aberta. Função consumo: C = ,4Y Investimento: I = 100 Gastos do Governo: G = 200 Exportações: X = 100 Importações: M = 0,2Y Suponha que o governo aplique uma alíquota tributária sobre o nível de renda de t=0,5, ou seja, 50% sobre a renda. Assim, a propensão marginal a consumir e a renda de equilíbrio do modelo serão, respectivamente, iguais a a) 0,4 e 625. b) 0,8 e 525. c) 1 e 625. d) 0,8 e 500. e) 0,8 e 625.

47 Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso Economista

48 50- Considere as seguintes nomenclaturas: PIB = Produto Interno Bruto; PNB = Produto Nacional Bruto. Assinale a alternativa que indica a estática comparativa que está de acordo com as identidades macroeconômicas básicas. a) Um aumento da depreciação reduz o PIB a preços de mercado. b) Um aumento dos impostos indiretos eleva o PIB a custo de fatores. c) Uma redução da renda líquida enviada ao exterior aumenta o PNB a custo de fatores. d) Um aumento dos impostos diretos sobre as famílias reduz a renda nacional. e) Uma redução dos aluguéis aumenta a poupança privada.

49 51 - Segundo o sistema de contas nacionais brasileiro, uma queda dos passivos externos líquidos, mantido tudo o mais constante, implica a) um superávit das transações correntes. b) uma poupança externa positiva. c) um saldo positivo das contas capital e financeira e de capitais compensatórios. d) um superávit da conta de rendas. e) uma queda da posição internacional líquida de investimento.

50 52 - Em relação ao Sistema Brasileiro de Contas Nacionais, assinale V para a afirmativa verdadeira e F para a falsa. ( ) O total dos débitos da conta de capital é a soma da formação bruta de capitalfixo e da variação de estoques. ( ) O volume de exportações não fatores entra no lado dos créditos da conta de transações correntes com o resto do mundo. ( ) Uma elevação dos impostos indiretos, mantido tudo o mais constante, aumenta o total da receita corrente da conta corrente das administrações públicas. As afirmativas são, respectivamente, a) F, V e V. b) F, V e F. c) F, F e V. d) V, F e V. e) V, V e V.

51 53 - O Banco Central decide reduzir a base monetária. A chance de lograr êxito aumenta quando a) ele amplia as reservas internacionais do país. b) ele compra títulos públicos emitidos pelo Tesouro Nacional. c) ele diminui os depósitos do Tesouro Nacional. d) ele emite papel moeda. e) ele eleva a taxa de juros de redesconto.

52 54-Considere o caso clássicodo modelo IS-LM. Neste caso a) a política fiscal expansionista é totalmente ineficaz, ocorrendo o chamado efeito crowding out. b) a política fiscal expansionista é totalmente eficaz, com ampliação máxima do produto e estabilidade da taxa de juros. c) a política fiscal apresenta um grau de eficácia maior quanto mais elásticafor a curva IS. d) a política monetária é totalmente ineficaz, pois qualquer ampliação da oferta monetária será retida pelo público. e) a política monetária expansionista é totalmente eficaz, com aumento do nível do produto e da taxa de juros.

53 55-Muitos analistas consideram que o mercado de trabalho atual se encontra em pleno emprego, situação que pode ser explicada pelo modelo clássico. Neste caso as políticas de estímulo da demanda agregada tendem a a) ampliar o produto real, sem efeitos inflacionários. b) elevar o nível de preços, sem efeito sobre o produto real. c) pressionar os salários reais, pois os trabalhadores estão com maior poder de barganha. d) estimular o crescimento, pois a demanda se constituem uma restrição à oferta. e) ampliar o nível de investimento pois a demanda efetiva fica maior do que a demanda planejada.

54 56 - Suponha que um bem seja produzido no Brasil ao custo de R$ 100,00 e nos Estados Unidos, ao custo de US$40,00. Considerando a margem de lucro nula e que os impostos já estejam embutidos no custo de produção, para que o preço do bem seja igual ou mais barato no Brasil em relação aos Estados Unidos, a taxa de câmbio nominal (R$/US$) deve ser a) menor ou igual a 2,0. b) menor ou igual a 2,5. c) maior ou igual a 2,5. d) maior ou igual a 3,0. e) menor ou igual a 3,5.

55 57 - Supondo inflação nula e considerando o conceito de déficit do governo (necessidade de financiamento do governo) e seus componentes, assinale a alternativa que indica a estática comparativa que descreve o efeito correto. a) Quando o investimento do governo fica acima da sua poupança, o déficit é positivo. b) Um aumento dos juros da dívida deve se contrapor a um aumento da poupança pública. c) Um aumento dos impostos reduz os investimentos do governo por expulsar o setor privado. d) Quando os impostos ficam maiores do que a poupança, deve haver necessariamente uma elevação do consumo do governo. e) Quando os impostos superam o consumo do governo, a poupança pública é necessariamente positiva.

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

Prova de Macroeconomia

Prova de Macroeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Macroeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (CESPE/UnB/ECB/ 2011) Acerca de déficit e superávit público

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8 Comentários Macroeconomia (Área 3) Olá Pessoal. O que acharam da prova do BACEN? E especificamente em relação à macro (área 3)? A prova foi complexa? Sim! A complexidade foi acima do esperado? Não! Particularmente,

Leia mais

Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social)

Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social) 1 Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social) 1. Para a ciência econômica, formação de capital significa especificamente: a) A compra de qualquer mercadoria nova. b) Investimento líquido.

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel Aula 7 Inflação Prof. Vladimir Maciel Estrutura Ferramenta de análise: OA e DA. Inflação Conceitos básicos. Causas. Trade-off com desemprego. Fator sancionador: expansão de moeda. Instrumentos de Política

Leia mais

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II DISCIPLINA: MACROECONOMIA 24/03/2015 Prof. João Basilio Pereima Neto E-mail: joaobasilio@ufpr.com.br Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II 1. Modelo OA - Mercado de Trabalho com flexibilidade de Preços

Leia mais

MACROECONOMIA ABERTA

MACROECONOMIA ABERTA MACROECONOMIA ABERTA 1- (APO-MP 2005) Considerando E = taxa real de câmbio calculada considerando os índices de preços interno e no estrangeiro e a taxa nominal de câmbio segundo conceito utilizado no

Leia mais

Mecanismo de Transmissão Monetário:

Mecanismo de Transmissão Monetário: Mecanismo de Transmissão Monetário: Interação e Iteração Canais de transmissão Idéia-chave heterodoxa Decisões fundamentais http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ 1. Metodologia: interação e iteração.

Leia mais

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste.

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste. LICENCIATURA EM ECONOMIA MACROECONOMIA II LEC 206 (2006-2007) Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Duração: 60 minutos Não é permitida qualquer forma de consulta. Os telemóveis

Leia mais

Produto Vendas Custo da matéria-prima

Produto Vendas Custo da matéria-prima Conceitos básicos de economia A economia pode ser subdividida em dois grandes segmentos: - Macroeconomia: trata da evolução da economia como um todo, analisando a determinação, comportamento e relações

Leia mais

Correção 9)As operações de mercado aberto envolvem variações nos encaixes compulsórios que os bancos. Conceito de Déficit e Dívida Pública

Correção 9)As operações de mercado aberto envolvem variações nos encaixes compulsórios que os bancos. Conceito de Déficit e Dívida Pública Conceito de Déficit e Dívida Pública Correção 9)As operações de mercado aberto envolvem variações nos encaixes compulsórios que os bancos comerciais detêm junto ao Banco Central e, por essa razão, afetam

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

Aula 4: Política Cambial

Aula 4: Política Cambial Aula 4: Política Cambial Macroeconomia Política Cambial Gilmar Ferreira Abril 2010 Taxa de Câmbio Taxa de Câmbio A taxa de câmbio mostra qual é a relação de trocas entre duas unidades monetarias diferentes,

Leia mais

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Roberto Meurer * RESUMO - Neste artigo se analisa a utilização dos depósitos compulsórios sobre depósitos à vista

Leia mais

Keynesiano Simples e IS-LM

Keynesiano Simples e IS-LM Keynesiano Simples e IS-LM Legenda: G=gastos do governo I=Investimento Y=produto b= sensibilidade da demanda por moeda em relação à taxa de juros h= K= β=multiplicador da política monetária δ = multiplicador

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época Ana Balcão Reis 28 de Junho de 2012 Inácia Pimentel João Miguel Silva Duração Total: 2h15m I ( 9 val) Nos exercícios seguintes

Leia mais

Mercados financeiros CAPÍTULO 4. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Mercados financeiros CAPÍTULO 4. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Mercados Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 4 4.1 Demanda por moeda O Fed (apelido do Federal Reserve Bank) é o Banco Central dos Estados Unidos. A moeda, que você pode usar para transações,

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos do Processo Seletivo Stricto Sensu UFAL 2012.1 CADERNO DE PROVA

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Período: 11 a 13 de novembro de 2013 Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA

FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA O que a macroeconomia analisa? Analisa a determinação e o comportamento dos grandes agregados como: renda, produto nacional, nível geral de preços, nível

Leia mais

OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio

OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio João Basilio Pereima Neto A combinação de política monetária com elevada taxa de juros em nível e política cambial está conduzindo o país à uma deterioração

Leia mais

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança 3) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 4) Mercado

Leia mais

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard O mercado de bens Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 3 3.1 A composição do PIB A composição do PIB Consumo (C) são os bens e serviços adquiridos pelos consumidores. Investimento (I), às vezes

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DA TAXA DE CÂMBIO, TAXA DE JUROS, INFLAÇÃO, DÍVIDA PÚBLICA E DO CRESCIMENTO DO PIB ENTRE 1995 E 2015

REFLEXÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DA TAXA DE CÂMBIO, TAXA DE JUROS, INFLAÇÃO, DÍVIDA PÚBLICA E DO CRESCIMENTO DO PIB ENTRE 1995 E 2015 REFLEXÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DA TAXA DE CÂMBIO, TAXA DE JUROS, INFLAÇÃO, DÍVIDA PÚBLICA E DO CRESCIMENTO DO PIB ENTRE 1995 E 2015 Gabriela Bulhões Estudante do Curso de Jornalismo da Universidade Estadual

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

Economia. Contabilidade Social. Introdução. Prof.Carlos Nemer j20@momentus.com.br 1. Sumário. Contabilidade Social. Capítulo 12:

Economia. Contabilidade Social. Introdução. Prof.Carlos Nemer j20@momentus.com.br 1. Sumário. Contabilidade Social. Capítulo 12: Economia Carlos Nemer 3ª Ed. Contabilidade Social Capítulo 12: Contabilidade Social Poli-UFRJ Copyright 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 1 de 54/2005.1 Sumário

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Economia PPE FOLHA DE PROVA DA PCE EDITAL 001/2015 MACROECONOMIA

Programa de Pós-Graduação em Economia PPE FOLHA DE PROVA DA PCE EDITAL 001/2015 MACROECONOMIA MACROECONOMIA QUESTÃO 01 EXAME ANPEC - 2004 Tendo em conta conceitos relativos ao sistema monetário, julgue as proposições: (0) Define-se papel-moeda em poder do público como sendo o saldo do papel-moeda

Leia mais

Modelos de Mundell-Fleming

Modelos de Mundell-Fleming Modelos de Mundell-Fleming de Bens e Serviços com Mobilidade Perfeita de Capitais Abril 2013 1 O equilíbrio simultâneo nos 3 mercados Equilíbrio nos mercados de bens e serviços, cambial e monetário 2 3

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

Unidade I. Mercado Financeiro e. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade I. Mercado Financeiro e. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade I Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercado Financeiro O mercado financeiro forma o conjunto de instituições que promovem o fluxo de recursos entre os agentes financeiros.

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO. Profa.: Enimar J. Wendhausen

CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO. Profa.: Enimar J. Wendhausen CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO Profa.: Enimar J. Wendhausen TEORIA MACROECONÔMICA A partir da teoria macroeconômica foram empregados esforços para a construção de um sistema

Leia mais

Economia Conceitos e Exercícios

Economia Conceitos e Exercícios Economia Conceitos e Exercícios Noções gerais. Economia é a Ciência que estuda como os Agentes Econômicos (Empresas, Famílias, Governo) decidem utilizar recursos produtivos escassos para atender as necessidades

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Castro

Prefeitura Municipal de Castro ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 (Art. 4º, 1º, inciso II do 2º da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000) DEMONSTRATIVO I ANEXO DE METAS ANUAIS Em cumprimento ao disposto

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof.

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof. (Aula-V) 19/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Economia 2º Período Noções de Contabilidade Nacional e Cálculo do PIB Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 5. Noções

Leia mais

ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli

ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli Objetivos da atividade Destacar assuntos relacionados ao estudo da economia notadamente no ambiente empresarial e de comércio externo. Rever conceitos e definições.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROVA DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO - PDI 5ª Etapa Matutino E5M Segundo Semestre de 2011 Questão

Leia mais

97/7 (0) Uma desvalorização da moeda, elevando o valor em moeda local das reservas internacionais, expande a base monetária. F

97/7 (0) Uma desvalorização da moeda, elevando o valor em moeda local das reservas internacionais, expande a base monetária. F Economia Monetária Dica : I) O que faz diminuir a Base Monetária e conseqüentemente a Oferta de moeda? 1) O BC vende títulos para o público não bancário. 2) Aumento da taxa de compulsório (R/D) 3) Aumento

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda 1 IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda O modelo IS-LM trata do equilíbrio do produto, incorporando os movimentos do mercado monetário. Trata-se de considerar

Leia mais

CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS

CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS OBJETIVO: ILUSTRAR CONCEITOS TRABALHADOS EM MACROECONOMIA Patricia Bonini - patriciabonini@gmail.com Roteiro

Leia mais

Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas

Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas Amir Khair 1 Este trabalho avalia o impacto do crescimento do PIB sobre a dívida líquida do setor público (DLSP). Verifica como poderia estar hoje

Leia mais

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2)

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Deliberação CVM nº 640, de 7 de outubro de 2010 (Pág. 57) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre efeitos das mudanças

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Aula 8. Política Fiscal: déficit e dívida pública

Aula 8. Política Fiscal: déficit e dívida pública Aula 8 Política Fiscal: déficit e dívida pública O Crescimento da Participação do Setor Público na Atividade Econômica Crescimento da renda per capita - gera um aumento da demanda de bens e serviços públicos

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias Macroeconomia Prof. Aquiles Rocha de Farias Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-) No modelo Mundell-Fleming é introduzida ao modelo IS-LM uma nova curva, a curva, que corresponde aos valores de renda e taxa

Leia mais

Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial

Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial Associado à Fundação Armando Alvares Penteado Rua Ceará 2 São Paulo, Brasil 01243-010 Fones 3824-9633/826-0103/214-4454 Fax 825-2637/ngall@uol.com.br O Acordo

Leia mais

A Análise IS-LM: Uma visão Geral

A Análise IS-LM: Uma visão Geral Interligação entre o lado real e o lado monetário: análise IS-LM Capítulo V A análise IS-LM procura sintetizar, em um só esquema gráfico, muitas situações da política econômica, por meio de duas curvas:

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2006 e 1 o semestre letivo de 2007 CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este caderno contém:

Leia mais

A Teoria da Endogeneidade da Moeda:Horizontalistas X Estruturalistas

A Teoria da Endogeneidade da Moeda:Horizontalistas X Estruturalistas A Teoria da Endogeneidade da Moeda:Horizontalistas X Estruturalistas Professor Fabiano Abranches Silva Dalto Departamento de Economia da UFPR Disciplina Economia Monetária e Financeira Bibliografia Sugerida:

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO MACROECONOMIA Legendas para a prova de Macroeconomia:

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

INFORMATIVO DA DÍVIDA PÚBLICA

INFORMATIVO DA DÍVIDA PÚBLICA INFORMATIVO DA DÍVIDA PÚBLICA Considerações Iniciais O propósito deste informativo é apresentar aspectos introdutórios da dívida pública, a fim de fornecer subsídios que permitam discutir o assunto no

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

Não são considerados bens produzidos em período anterior, apenas a remuneração do vendedor (que é remuneração a um serviço corrente)

Não são considerados bens produzidos em período anterior, apenas a remuneração do vendedor (que é remuneração a um serviço corrente) Macroeconomia Contabilidade Nacional VASCONCELLOS, M. A. S. Economia micro e macro. 3ª ed. São Paulo: Atlas. 2002. Capítulo 9: Contabilidade social Tópicos para Discussão Principais Agregados Macroeconômicos

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

INSS Economia Política Monetária Fábio Lobo

INSS Economia Política Monetária Fábio Lobo INSS Economia Política Monetária Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. POLÍTICA MONETÁRIA, CURVA DE PHILLIPS, DESEMPREGO. MOEDA Moeda é o meio através

Leia mais

Rio, 28/09/2010. Caros amigos,

Rio, 28/09/2010. Caros amigos, Rio, 28/09/2010 Caros amigos, Nessa próxima quinta-feira (dia 30/09), o Banco Central divulgará o Relatório de Inflação do terceiro trimestre. Dessa vez, a ansiedade do mercado é mais elevada que a média,

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO)

AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO) AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO) 1 A FUNÇÃO PROCURA AGREGADA No final deste texto o leitor deverá ser capaz de: Compreender o conceito de função de procura agregada. Entender a curva de

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012):

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas...

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... ÍNDICE PREFÁCIO... 2 NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... 6 ANÁLISE DE RESULTADOS Situação Global... 7 Conta Corrente...

Leia mais

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP Construção do Modelo IS-LM-BP Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo IS-LM MODELO IS-LM: mostra

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN

A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN 1 A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN Cézar Manoel de Medeiros* O Novo Ciclo de desenvolvimento em curso no Brasil é

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente)

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente) Universidade de Brasília Departamento de Economia Disciplina: Macroeconomia II Professor: Carlos Alberto Período: Verão/2012 Segunda Prova Questões 1. Na sala de aula fizemos um exercício bem simples.

Leia mais

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 13 de maio de 2013 - A Unidas S.A. ( Companhia ou Unidas ) anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA José Luiz Miranda 1 Desde o ano de 2014 o cenário de inflação tem se acentuado no país. Esse fato tem se tornado visível no dia a dia das pessoas em função

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA

Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA As escolhas em termos de política econômica se dão em termos de trade-offs, sendo o mais famoso o

Leia mais

Economia e Mercado. Contextualização. Aula 5. Instrumentalização. Evolução da Moeda. Características Físicas. Prof. Me.

Economia e Mercado. Contextualização. Aula 5. Instrumentalização. Evolução da Moeda. Características Físicas. Prof. Me. Economia e Mercado Aula 5 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Do escambo ao mercado monetário atual Importância de conhecer o funcionamento do mercado monetário Instrumentalização Taxa de juros e inflação

Leia mais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Número 01/2008 Cenário Moveleiro Número 01/2008 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna

Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna Condição para Crescer Carlos Feu Alvim feu@ecen.com No número anterior vimos que aumentar a poupança interna é condição indispensável para voltar a crescer.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público.

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público. 61)O financiamento de programas sociais mediante emissão de moeda não somente elevará a dívida pública como também aumentará o resultado primário em razão do aumento das despesas com juros. 62) A queda

Leia mais