PAULA et al. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 2. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 3

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAULA et al. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 2. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 3"

Transcrição

1 PAULA et l. 133 ANÁLISE COMPARATIVA DA DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DOS SEGMENTOS DE CALÇADOS E ALIMENTOS DIVERSOS Amnd de Pul 1 Myr Nkok 2 Adlberto Rmon Vlderrm Gerbsi 3 Isbel Cristin Gozer 4 PAULA, A. de; NAKAOKA, M.; GERBASI, A. R. V.; GOZER, I. C. comprtiv d demonstrção do fluxo de cix dos segmentos de clçdos e limentos diversos. Rev. Ciênc. Empres. UNIPAR, Umurm, v. 15, n. 1, p , jn./jun RESUMO: Este estudo presentou, medinte nálise horizontl d demonstrção do fluxo de cix, um comprção no período de , ds empress de dois setores diferentes d Bols de Vlores, Mercdoris e Futuros de São Pulo - BM&FBOVESPA, ou sej, o setor de clçdos e o de limentos diversos. A demonstrção dos fluxos de cix é um demonstrção muito dinâmic, oferecendo o gestor informções que uxilim n tomd de decisões e permitem verificr o estdo de liquidez d empres. As empress nlisds presentm seus ddos monetários em mil, e seguem clssificção setoril do sitio d BM&FBOVESPA, que utiliz como método pr tis clssificções nálise dos produtos ou serviços que tem mior contribuição n formção ds receits ds compnhis. Após um nálise intrínsec conclui-se que tnto no cix líquido de tividdes de investimento, como no cix líquido de tividdes de finncimento os segmentos presentm ddos sem grndes diferençs, no período nlisdo. Sendo que mior diferenç, dentre os ddos nlisdos dos dois segmentos, ocorre no cix líquido de tividdes opercionis, pois no intervlo dos nos de , s vrições percentuis no cix líquido de tividdes opercionis no segmento de clçdos pens empres Cmbuci registrou um qued de -29,72, enqunto que no segmento de limentos diversos pens empres M Dis Brnco Indústri e Comércio de Alimentos present um elevção de 2,60. Porém, observ-se que, de , os segmentos presentm comportmentos inversos, ou sej, qundo um demonstr estr em lt, o outro present qued. 1 Bchrel em Ciêncis Contábeis, Universidde Prnense - Unipr 2 Bchrel em Ciêncis Contábeis, Universidde Prnense - Unipr 3 Professor do Curso de Ciêncis Contábeis, Universidde Prnense - Unipr 4 Doutor em Engenhri de Produção - Professor do Curso de Ciêncis Contábeis, Universidde Prnense - Unipr

2 134 comprtiv d demonstrção... PALAVRAS-CHAVE: horizontl. Atividdes opercionis. Atividdes de investimento. Atividdes de finncimento. COMPARATIVE ANALYSIS ON THE CASH FLOW STATEMENT OF FOOTWEAR AND FOOD INDUSTRY SEGMENTS ABSTRACT: This study presented, upon horizontl nlysis of the csh flow sttements, comprison in the period , of compnies in two different sectors t the São Pulo Stock Exchnge - BM&FBOVESPA., tht is, from the footwer nd food sectors. The csh flow sttement is very dynmic demonstrtion, providing informtion tht ssists the mnger in the decision-mking process nd llowing the monitoring of the compny s liquidity sttus. The compnies evluted presented their finncil dt in thousnds, nd follow the sectoril clssifiction from the BM&FBOVESPA site, which uses the nlysis of products or services tht hve the gretest contribution in forming the compny s revenue s the method for such clssifictions. After n intrinsic nlysis, it could be concluded tht both the net csh flow from investing ctivities, nd the net csh flow from finncing ctivities, the segments presented dt which did not significntly differ, in the period nlyzed. The gretest difference could be seen in the net csh flow from opertionl ctivities in the nlyzed dt of both segments, since in the intervl from 2009 to 2010, the percentge chnge in net csh flow from opertionl ctivities in the footwer segment, with one compny, Cmbuci, registering decrese of , while in the food segment, only the compny M Dis Brnco Indústri e Comércio de Alimentos presented 2.60 increse. However, it could be observed tht, from 2010 to 2011, these segments presented inverse behvior, i.e., when one of them presents n increse, the other shows decrese. KEYWORDS: Horizontl nlysis. Operting ctivities. Investing ctivities. Finncing ctivities. ANÁLISIS COMPARATIVO DE DEMOSTRACIÓN DE FLUJO DE EFECTIVO DE SEGMENTOS DE CALZADOS Y ALIMENTOS DIVERSOS RESUMEN: Este estudio presentó, medinte el nálisis horizontl de demostrción de flujo de efectivo, un comprción en el periodo de , de ls empress de dos sectores distintos de l Bols de Vlores, Mercdorís e Futuros de São Pulo BM&FBOVESPA, o se, el sector de clzdos y el de limentos diversos. L demostrción de los flujos de efectivo es un demostrción muy dinámic, ofreciendo l gestor informciones que uxilin en l tom de decisiones

3 PAULA et l. 135 y permite verificr el estdo de liquidez de l empres. Ls empress nlizds presentn sus dtos monetrios en mil, y siguen l clsificción sectoril del sitio de l BM&FBOVESPA, que utiliz como método pr tles clsificciones el nálisis de los productos o servicios que tiene myor contribución en l formción del ingreso de ls empress. Después de un nálisis intrínseco se concluye que, tnto el efectivo neto de ctividdes de inversión como el efectivo neto de ctividdes de finncimiento, presentn dtos sin grndes diferencis, en el período nlizdo. Siendo que l myor diferenci, entre los dtos nlizdos de los dos segmentos, ocurre en el efectivo neto de ctividdes opercionles, pues en el intervlo de los ños de , ls vriciones porcentules en el efectivo neto de ctividdes opercionles, en el segmento de clzdos, solmente l empres Cmbuci registró un descenso de -29,72, mientrs que en el segmento de limentos diversos sólo l empres M. Dis Brnco Indústri e Comercio de Alimentos present lz de 2,60. Sin embrgo, se observ que, de , los segmentos presentn comportmientos inversos, o se, cundo uno demuestr estr en lt, el otro present descenso. PALABRAS CLAVE: Análisis horizontl. Actividdes opercionles. Actividdes de inversión. Actividdes de finncimiento. 1 INTRODUÇÃO No mundo competitivo e globlizdo em que s empress operm, s informções são vists como fonte de riquez e, neste cenário onde necessidde de gerr ddos se torn cd vez mior, contbilidde surge com o propósito de fornecer os seus usuários tis ddos, de form clr e objetiv pr uxilirem n tomd de decisões. A demonstrção do fluxo de cix trblh exclusivmente o specto finnceiro d empres, no que se refere o cix e equivlentes de cix, present o controle de entrds e síds finnceirs, durnte determindos períodos. Utilizndo-se ds informções dess demonstrção, empres pss ter mior gilidde e segurnç com sus tividdes finnceirs, podendo obter com ntecedênci su situção econômic. A demonstrção tem por objetivo pontr se empres está em crescimento ou identificr melhoris, por meio d nálise de seus ddos, pois é um ferrment que permite o dministrdor consolidr sus ideis pr movimentos futuros. Dess form, trz informções que uxilim no plnejmento, orgnizção, direção e controle dos recursos finnceiros d empres em determindo período. Tmbém, permite o investidor vlir cpcidde que empres tem pr gerr fluxos futuros positivos ou não, purr se o cix que empres ger é suficiente pr finncir sus própris operções, verificr se há possibilidde

4 136 comprtiv d demonstrção... de retirr recursos d empres sob form de investimentos ou dividendos e, qul o limite de endividmento d empres pr que dívid continue dministrável, dentre outrs lterntivs. As tividdes finnceirs de um empres requerem compnhmento permnente de seus resultdos, o objetivo d função finnceir é prover empres de recursos de cix suficientes de modo cumprir com os compromissos ssumidos e promover mximizção d riquez. Pr os gestores não bst pens um nálise econômic d empres, onde cálculos detectm os desvios de liquidez, ms tmbém, fz-se necessário identificr s origens e s cuss de tis desvios. Portnto, nálise d demonstrção do fluxo de cix é um ferrment cpz de gerr ests resposts. Este estudo tem por objetivo presentr, por meio d nálise horizontl d demonstrção do fluxo de cix, um comprção no período de , ds empress de dois setores diferentes d BM&FBOVESPA. O primeiro é um setor de consumo cíclico e o outro de consumo não cíclico. Form seleciondos de form letóris um segmento de cd setor, sendo pr o de consumo cíclico o segmento de clçdos e o pr outro setor o segmento de limentos diversos. 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 A importânci do fluxo de cix A demonstrção do fluxo de cix pssou ser obrigtóri no Brsil, por meio d Lei /07. Porém, conforme ess mesm lei, um compnhi fechd com ptrimônio líquido menor que R$ 2 milhões não está obrigd elborr e publicr demonstrção. Silv (2008), firm que o fluxo de cix é o principl instrumento d gestão finnceir, pois control e nlis receits, despess e investimentos, podendo verificr possíveis eventos que germ escssez ou excedentes de cix, fcilitndo o gestor tomr medids que venhm snr tis situções. É um demonstrção muito dinâmic, que oferece o gestor informções que uxilim n tomd de decisões e permitem verificr o estdo de liquidez d empres. A demonstrção do fluxo de cix - DFC pont necessidde de cptr empréstimos ou plicr excedentes de cix em operções rentáveis, com finlidde de buscr eficáci finnceir e dministrtiv ds empress. Mrion (2009), coment que por meio d demonstrção do fluxo de cix se indic origem do dinheiro que entrou no cix e tod plicção de dinheiro, ou sej, síd de cix e, ind, se obtém o resultdo do fluxo finnceiro. A DFC permite o usuário verificr se houve lterção de cix de um período pr outro, quis conts form responsáveis por est lterção, bem como

5 PAULA et l. 137 o resultdo obtido em cd tividde deste fluxo. Quintn e Surin (2008), firmm que demonstrção possibilit plnejr e controlr recursos finnceiros de um entidde, em nível gerencil, sendo indispensável pr tomd de decisões, em especil no setor finnceiro. A DFC é um ferrment que proporcion o plnejmento, orgnizção, o controle dos recursos finnceiros de um determind empres, em um determindo período. (FRIEDRICH, 2005). Mtrzzo (2010), por su vez, diz que muits empress por não sberem dministrr seu fluxo de cix, d form corret, vão à flênci. Um ds miores meçs à contbilidde ds empress é questão dos problems de liquidez e insolvênci, sendo que por meio d DFC dministrção pode dotr medids pr obter um bo gestão desses recursos, evitndo ssim problems futuros. Sá (2008), define o fluxo de cix, como todo registro de ftos e vlores que venh provocr lterções no sldo do cix, de form que esses métodos permitem um fácil nálise e compreensão. 2.2 Demonstrção do fluxo de cix De um ponto de vist simplificdo, DFC fornece um visão ds movimentções do cix, ds entrds e síds de recursos de um determind empres. O objetivo primário d DFC é prover informções relevntes sobre os pgmentos e recebimentos, em dinheiro, de um empres, ocorridos durnte um determindo período. (IUDÍCIBUS et l., 2010). A denominção demonstrção dos fluxos de cix no plurl vem d divisão n su estrutur, pois são três fluxos, os quis são denomindos de fluxos ds operções, fluxos dos finncimentos e fluxos dos investimentos. (MARION, 2009). Aind, de cordo com Mtrzzo (2010), fluxo denot movimento, ou sej, fluxo de cix pode ser explicdo de form simples como movimento de cix. Est demonstrção dot um formto no qul se clssificm s entrds e síds do cix ocorrids no período em grupos de tividdes, que são denomindos como tividdes opercionis, tividdes de investimento e tividdes de finncimento. Pr tl clssificção deve-se observr não só nturez d cont que deu origem movimentção, ms tmbém o que se pretende relizr com tl movimentção no futuro. Por exemplo, não se deve clssificr um síd de cix relizd pel compr de um máquin em tividde de investimento se, no futuro, pretende-se efetur vend dest mesm máquin, neste cso tl compr deve ser clssificd como tividde opercionl. (IUDÍCIBUS et l., 2010).

6 138 comprtiv d demonstrção... As principis trnsções que fetm o cix se dividem em três grupos. O primeiro grupo é o ds trnsções que umentm o cix disponível, entre els estão: integrlizção do cpitl pelos sócios e cionists; empréstimos bncários e finncimentos; vends de itens do tivo permnente; vends à vist; recebimento de duplicts receber; e, outrs entrds. O segundo grupo é composto pels trnsções que diminuem o cix disponível, n qul se encontrm: operções como o pgmento de dividendos cionists; pgmento de juros, correção monetári d dívid e mortizção d dívid; quisição de item do tivo permnente; compr à vist; pgmento de fornecedores; pgmento de despess, custos, conts pgr; entre outros. Finlmente, no terceiro grupo se encontrm s trnsções que não fetm o cix, tis como: deprecição; mortizção; exustão; provisão pr devedores duvidosos; revlições e equivlênci ptrimonil. (IUDÍCIBUS; MARION, 2006). 2.3 Métodos de elborção d demonstrção de fluxo de cix N elborção d DFC podem ser plicdos dois tipos de métodos, ou sej os denomindos de direto e indireto. Dess form, escolh do método ser plicdo dependerá ds necessiddes dos seus usuários. O método direto é formdo por todos os componentes ds tividdes opercionis, ou sej, tods s entrds e síds bruts de dinheiro. O vlor finl represent o volume líquido de cix provido ou consumido pels operções durnte esse período. Segundo Mrion (2009), DFC pelo método direto, demonstr todos os recebimentos e pgmentos que efetivmente ocorrerm, gerndo s vrições ds disponibiliddes no determindo período. Dess form, exige-se um esforço, pois é um método detlhdo, onde se deve segregr tods s movimentções finnceirs, necessitndo de controles específicos. Porém, define-se como um método superior o método indireto, possuindo um poder informtivo os usuários qunto o plnejmento finnceiro do empreendimento. Neste método s movimentções em dinheiro são presentds em ordem diret. A sequênci pr se clculr o fluxo de cix ds operções, prte dos componentes d demonstrção do resultdo do exercício e os just pels vrições ns conts circulntes do blnço, vinculds às operções. Conforme Dlmz e Sobrinho (2006), os usuários têm mior fcilidde de compreensão dinte desse método, porque n su presentção, os principis fluxos de entrds e síds são demonstrdos em linhs seprds. Pr se obter um melhor compreensão do formto dest demonstrção, seguir, o Qudro 1 present um modelo de demonstrção dos fluxos de cix pel estrutur do método direto.

7 PAULA et l. 139 Qudro 1: Demonstrção dos fluxos de cix pelo método direto Demonstrção dos Fluxos de Cix pelo Método Direto 20X2 Fluxos de cix ds tividdes opercionis Recebimentos de clientes Pgmentos fornecedores e empregdos (27.600) Cix gerdo pels operções Juros pgos (270) Imposto de rend e contribuição socil pgos (800) Imposto de rend n fonte sobre dividendos recebidos (100) Cix líquido proveniente ds tividdes opercionis $ Fluxos de cix ds tividdes de investimento Aquisição d controld X líquido do cix incluído n quisição (550) Compr de tivo imobilizdo (350) Recebido pel vend de equipmento 20 Juros recebidos 200 Dividendos recebidos 200 Cix líquido usdo ns tividdes de investimento $ (480) Fluxos de cix ds tividdes de finncimento Recebido pel emissão de ções 250 Recebido por empréstimo logo przo 250 Pgmento de pssivo por rrendmento (90) Dividendos pgos (1.200) Cix líquido usdo ns tividdes de finncimento $ (790) Aumento líquido de cix e equivlentes de cix $ 110 Cix e equivlentes de cix no início do período $ 120 Cix e equivlentes de cix no fim do período $ 230 Fonte: Pronuncimento Técnico CPC 03 (R2) Demonstrção dos fluxos de Cix. O método indireto consiste em fzer um concilição entre lucro líquido constnte n Demonstrção do Resultdo do Exercício - DRE e o cix gerdo pels operções. Su principl utilidde consiste n evidencição ds origens e plicções de cix, decorrentes de lterções ns conts relcionds com o ciclo opercionl. Permite o usuário, vlir qunto do lucro está sendo trnsformdo em cix, em cd período. Porém, deve-se ter tenção nest nálise, pois é comum ter recebimentos e pgmentos no período corrente e, tmbém,

8 140 comprtiv d demonstrção... existir obrigções for do período que o lucro está sendo purdo. Nesse modelo de elborção são efetudos justes o lucro líquido pelo vlor ds operções, como receits e despess, ms que não fetm o disponível, demonstrndo su vrição no período. Consider como plicções, ou sej, síds do cix o umento no tivo circulnte e diminuição no pssivo circulnte. Consequentemente, redução do tivo circulnte e o umento ns conts do pssivo circulnte referem-se às origens de cix. (MARION, 2009). N estrutur dotd pr construção d DFC pelo método indireto,é prtir do lucro líquido extrído d DRE que são relizds s devids dições e subtrções dos itens que fetm o lucro, ms não fetm o cix. Após, verificm-se s conts que fetm o cix, ms não fetm o lucro, s dividindo em opercionis, finnceirs e investimentos. A seguir, no Qudro 2, pr um melhor compreensão deste formto, encontr-se um modelo de DFC pel estrutur do método indireto. Qudro 2: Demonstrção dos fluxos de cix pelo método indireto Demonstrção dos fluxos de cix pelo método indireto 20X2 Fluxos de cix ds tividdes opercionis Lucro líquido ntes do IR e CSLL Ajustes por: Deprecição 450 Perd cmbil 40 Resultdo de equivlênci ptrimonil (500) Despess de juros Aumento ns conts receber de clientes e outros (500) Diminuição nos estoques Diminuição ns conts pgr fornecedores (1.740) Cix gerdo pels operções Juros pgos (270) Imposto de rend e contribuição socil pgos (800) Imposto de rend n fonte sobre dividendos recebidos (100) Cix líquido gerdo pels tividdes opercionis $ Fluxos de cix ds tividdes de investimento Aquisição d controld X, líquido do cix obtido n quisição (550) Compr de tivo imobilizdo (350)

9 PAULA et l. 141 Recebimento pel vend de equipmento 20 Juros recebidos 200 Dividendos recebidos 200 Cix líquido consumido pels tividdes de investimento $ (480) Fluxos de cix ds tividdes de finncimento Recebimento pel emissão de ções 250 Recebimento por empréstimos longo przo 250 Pgmento de pssivo por rrendmento (90) Dividendos pgos (1.200) Cix líquido consumido pels tividdes de finncimento $ (790) Aumento líquido de cix e equivlentes de cix $ 110 Cix e equivlentes de cix no início do período $ 120 Cix e equivlentes de cix no fim do período $ 230 Fonte: Pronuncimento Técnico CPC 03 (R2) Demonstrção dos fluxos de Cix. 2.4 Vntgens e desvntgens dos métodos de demonstrção do fluxo de cix Os métodos indireto e direto presentm vntgens e desvntgens, porém deve-se estudr cd um deles pr, posteriormente, se ter cpcidde de escolher qul dos dois modelos será de mior utilidde pr os usuários e pr empres. De cordo com Cmpos Filho (1999), o modelo indireto present um custo bixo devido su form de elborção, n qul somente é necessário um blnço ptrimonil do começo do período e outro do finl do mesmo período, DRE e lgums informções retirds d contbilidde. Esse método evidenci como se form diferenç medinte concilição relizd entre o lucro contábil e o fluxo de cix opercionl líquido. Segundo Mrion (2009), qundo o fluxo é estruturdo dest mneir, mesmo evidencindo vrição ocorrid ns disponibiliddes, não são demonstrds s váris entrds e síds, por seus vlores efetivos do cix. Porém, fornece um simplificção com bse em um lterção dos sldos ou inserção de lguns itens, os quis não fetm s disponibiliddes. Cmpos Filho (1999), resslt que no método indireto ocorrem lpsos importntes n evidencição de informções, qundo há distorções gerds de interferêncis d legislção fiscl n contbilidde oficil, els não são eliminds n su totlidde, e s informções gerds por este método podem vir trdimente, pois o tempo que se lev pr gerr informções pelo regime de

10 142 comprtiv d demonstrção... competênci e trnsformá-ls em regime de cix é longo. Aind de cordo com Cmpos Filho (1999), o método direto tem um nível de informção superior o método indireto, tem mior disponibilidde ds informções do cix, pois ests podem estr dirimente ccessíveis pr seus usuários e, isso fz com que cultur de dministrção pelo cix sej mis rpidmente inserid ns empress. Segundo Ching, Mrques e Prdo (2003), mesmo os indivíduos que possum um conhecimento precário ou té nenhum experiênci no cmpo d contbilidde podem fcilmente compreender DFC qundo é elbord pelo método direto, um vez que s entrds e síds são esboçds de mneir simples e diret. A prtir de circunstâncis fvoráveis crids pelo método direto, pode- -se clssificr s entrds e síds de modo que mbs sigm critérios técnicos e não fiscis, porém pr clssificção ds entrds e síds há um custo mior, pois contem um custo dicionl. Segundo Cmpos Filho (1999), há um usênci de experiênci por prte dos profissionis, tnto d áre contábil como d áre finnceir, em utilizr s prtids dobrds pr clssificção ds movimentções do cix. 2.5 d demonstrção de fluxo de cix Por meio d nálise conjunt d DFC e demis demonstrções contábeis, os usuários dquirem informções relevntes pr vlição ds mudnçs nos tivos líquidos de um empres, bem como d lterção nos vlores e przos dos fluxos de cix. Assim, DFC pode ser utilizd como ferrment pr um nálise de plnejmento finnceiro, servindo como instrumento pr vlição d liquidez d orgnizção. (BALDIVIESCO; BOSCOV, 2012). Pr nálise horizontl e verticl d DFC Mtrzzo (2010), sugere utilizção demonstrção do fluxo líquido de cix, que possibilit extrir informções importntes sobre o comportmento finnceiro d entidde no período nlisdo, pois revel o efeito de tods s vriáveis no cix. Cit, por exemplo, s seguintes: necessidde de cpitl de giro; redução ou expnsão de tividdes; mortizção de finncimentos ou tomd, distribuição de dividendos ou portes de cpitl; relizção de investimentos ou desmobilizção, entre outros; e, pr complementr com utilizção d demonstrção do cpitl de giro e demonstrção d movimentção do cpitl de giro. Tmbém, sugere pr nálise d DFC os seguintes índices: de cpcidde de finncimento d Necessidde de Cpitl de Giro NCG; cpcidde de pgmento de dívids bncáris de curto przo; cpcidde de investimentos; e, cpcidde de mortizção de finncimentos.

11 PAULA et l. 143 Pr fcilitr e simplificr nálise d DFC Mrion (2012), tmbém present um nov disposição ds conts, n qul evidenci: o cix bruto obtido ns operções; o cix gerdo nos negócios; o cix líquido pós os ftos não opercionis; o cix líquido pós operções finnceirs; o cix pós mortizção de empréstimos; o cix pós novs fontes de recursos; e, cix líquido finl. Esse utor firm que seri um risco grnde relizr um nálise exclusivmente finnceir, pois o idel é sempre comprr os fluxos econômicos com os finnceiros. 3 METODOLOGIA A metodologi utilizd pr relizção d presente pesquis foi um estudo multi-csos, e pode ser crcterizd como descritivo. Pr Cervo e Bervin (1974), um pesquis descritiv nlis, registr e correlcion os ftos sem mnipulá-los. Tem como objetivos descobrir como um fenômeno ocorreu, qul su relção com os outros, su nturez e crcterístics. Tmbém, pr Mrconi e Lktos (2007), nos estudos descritivos os ftos são observdos, registrdos, interpretdos e clssificdos sem que o pesquisr interfir, significndo que os fenômenos são estuddos, porém não mnipuldos pelo pesquisdor. No que diz respeito à clssificção de bordgem dos ftos, se enqudr como pesquis quntittiv, um vez que utiliz fórmuls mtemátics pr o cálculo de porcentgens. (SILVA, 2003). N primeir fse form coletdos ddos extrídos ds DFC de três nos consecutivos (2009, 2010 e 2011), de empress de cpitl berto do setor de clçdos, no qul se encontrm s empress dos setores de clçdos e de limentos. Do setor de clçdos form estudds s seguintes empress: Alprgts; Cmbuci; Grendene e Vulcbrs/Azlei; e, do setor de limentos, s seguintes: Conservs Oderichi; J. Mcedo; Jospr Joquim Oliveir; M. Dis Brncos, Ind e Com de Alimentos; Mrmbi Energi Renovável; e, Tereos Interncionl. As informções cerc desss empress form obtids do sítio d BM&FBOVESPA. Em um segundo momento, fundmentd nos ddos extrídos ds DFC, foi relizd su nálise e comprção. Foi utilizd nálise horizontl, que consiste n comprção entre os vlores de um mesm cont ou grupo de conts, em diferentes períodos. De cordo com Mrion (2009), utiliz-se este método, qundo se compr os indicdores de vários períodos, nlisndo s vrições dos índices. Pr Friedrich (2005), nálise horizontl é responsável pelo fornecimento do crescimento dos itens do fluxo de cix, permitindo nálise d evolução de cd um dos itens d DFC dentro de um determindo período. N visão de Mtrzzo (2010), nálise horizontl mostr evolução de cd cont d demonstrção sobre

12 144 comprtiv d demonstrção... evolução d empres. Há dus forms de nálise horizontl, um denomind nálise horizontl encded, onde os cálculos ds vrições são efetudos com relção um no-bse e, nálise horizontl nul, utilizd no presente estudo, onde s vrições são clculds em relção o no nterior. (MATARAZZO, 2010). 4 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DE DADOS As empress estudds presentm seus ddos monetários em mil e seguem clssificção setoril do sítio d BM&FBOVESPA, qul utiliz como método pr tis clssificções nálise dos produtos ou serviços que tem mior contribuição n formção ds receits ds compnhis, levndo-se em cont, ind, s receits concebids n esfer ds compnhis investids de form proporcionl às prticipções cionáris detids. (BM&FBOVESPA, 2012). 4.1 ds empress do segmento de clçdos Este é um setor considerdo cíclico n clssificção d BM&FBOVESPA, sendo os seus produtos considerdos, pelo senso comum, como produtos supérfluos por não serem essenciis pr sobrevivênci humn, ou sej, não é necessário que se tenh os melhores clçdos, em grnde quntidde e vriedde pr se conquistr um bo qulidde de vid Vulcbrs S/A Anlisndo-se os cixs gerdos pel empres Vulcbrs (vide Qudro 3), nos nos de 2009, 2010 e 2011, foi possível observr que entidde presentou um redução em seu cix e equivlentes no decorrer do período, pois registr um vrição percentul de qued de 46,48 e de 47,49, respectivmente pr cd intervlo, est qued é decorrente d vrição de diversos ftores. Qudro 3: horizontl d DFC d empres Vulcbrs 01/01/2011 Descrição 31/12/2011 opercionis horizontl 01/01/ /12/2010 horizontl 01/01/ /12/ , ,

13 PAULA et l. 145 de investimento de finncimento Vrição cmbil s/ cix e equivlentes Aumento (redução) de cix e equivlentes Sldo inicil de cix e equivlentes Sldo finl de cix e equivlentes , , , , , , , , , , , , Comprndo-se os nos de 2010 com 2011, not-se que em cix líquido de tividdes opercionis ocorreu um qued de 209,44, su cont com mior vrição monetári foi cix gerdo ns operções que registr um vrição de -R$ ,00, pesr do umento no cix líquido de tividdes de investimento de 27,72, e no cix líquido de tividdes de finncimento de 588,07, os mesmos não form suficientes pr gerr um umento no cix no finl do no de Sus conts com miores vrições durnte o período form comprs de imobilizdo e empréstimos tomdos com R$ ,00 e ,00, respectivmente. Um situção precid ocorre qundo compr-se 2009 com 2010, em que pesr de um umento de 60,21 no cix líquido de tividdes opercionis, este tmbém não foi suficiente pr gerr um umento no cix o finl de 2010, ftor este explicdo pels queds nos vlores do cix líquido de tividdes de investimento e no cix líquido de tividdes de finncimento, com os respectivos percentuis de negtivos de 60,93 e 499,34. Neste intervlo de tempo, s conts ns quis form registrds s miores vrições monetáris nos cixs nteriormente citdos, form, respectivmente: estoque, com -R$ ,00, comprs de imobilizdo, com -R$ ,00, e empréstimos tomdos, com R$ , Cmbuci Considerndo-se os cixs gerdos pel entidde Cmbuci, nos nos de

14 146 comprtiv d demonstrção , 2010 e 2011 not-se que empres presentou em seu cix e equivlentes no decorrer período, um umento n cont cix e seus equivlentes, com um vrição percentul positiv de 224,87 e 98,16, respectivmente pr os intervlos de , e , este umento é resultnte de um união de vrições de diversos elementos. Qudro 4: horizontl d DFC d empres Cmbuci Descrição 01/01/ /12/2011 horizontl 01/01/ /12/2010 horizontl 1 01/01/ /12/2009 opercionis , , de investimento , , de finncimento , , Vrição cmbil s/ cix e equivlentes Aumento (redução) de cix e , , equivlentes Sldo inicil de cix e equivlentes , , Sldo finl de cix e equivlentes , , Confrontndo-se o no de 2010 com 2011, como demonstr o Qudro 4, observ-se que no cix líquido de tividdes opercionis e no cix líquido de tividdes de investimento ocorrerm queds de -232,13, e -33,91 respectivmente. Porém, o umento no cix líquido de tividdes de finncimento de ,29 foi cpz de suprir qued e gerr um umento de R$ 7.564,00 no cix finl do no de Neste período s miores vrições monetáris de cd cix form respectivmente: em vrições nos tivos e pssivos, com -R$ ,00; em dições de imobilizdo e intngível, com R$ 3.676,00; e, em pgmento de empréstimos de terceiros, com R$ ,00. Qundo se compr

15 PAULA et l. 147 o no de 2009 com 2010, observ-se que pesr d qued percentul existente no cix líquido de tividdes opercionis e no cix líquido de tividdes de investimento (-29,72 e -24,15, respectivmente), com um cix líquido de tividdes de finncimento ind negtivo, embor com um vrição positiv de 99,89, o sldo do cix gerdo pels operções foi suficiente pr gerr um umento de R$ 5.334,00 no cix o finl de Destc-se ind, com sus vrições monetáris, em cd cix nteriormente citdo s respectivs conts, lucro/prejuízo do exercício, com -R$ ,00, dições de imobilizdo e intngível, com R$2.109,00, e pgmento de empréstimos de terceiros, com R$ , Grendene Observndo-se os cixs origindos d empres Grendene, nos nos de 2009, 2010 e 2011 not-se que empres denotou em seu cix e equivlentes o decorrer do período nlisdo, um umento de R$16.531,00 e de R$ ,00 n cont cix e seus equivlentes, com um vrição percentul positiv de 53,73 e de 30,07, nos intervlos de e , respectivmente, conforme demonstr o Qudro 5.. Qudro 5: horizontl d DFC d empres Grendene 01/01/2011 Descrição 31/12/2011 opercionis de investimento de finncimento Vrição cmbil s/ cix e equivlentes Aumento (redução) de cix e equivlentes horizontl 01/01/ /12/2010 horizontl 01/01/ /12/ , , , , , , , ,

16 148 comprtiv d demonstrção... Sldo inicil de cix e equivlentes Sldo finl de cix e equivlentes , , , , Anlisndo-se o cix líquido de tividdes opercionis e o cix líquido de tividdes de finncimento, no no de 2010 em relção com o no de 2011, constt-se que em mbos ocorrerm queds percentuis de -72,40 e de 301,96, respectivmente, sendo s conts com s miores lterções monetáris, vrições nos tivos pssivos com um qued de R$ ,00 e, pgmento de empréstimos com um qued de R$ ,00. No cix líquido de tividdes de investimento houve um umento de 231,45, em termos monetários este umento foi cpz de suprir somtóri ds queds já mencionds, sendo su cont com mior vrição o resgte de plicções finnceirs com um umento de R$ ,00. Comprndo-se os fluxos de cix do no de 2009 com os do no de 2010, observ-se que pesr d qued percentul significtiv no cix líquido de tividdes de investimento de -442,61 e, embor o cix líquido de tividdes de finncimento continue negtivo, com -R$ ,00, e o cix líquido de tividdes opercionis tenh obtido um elevção percentul de 51,41, este foi suficiente pr gerr um umento n cont cix no vlor de R$ ,00. Sendo s miores vrições deste período, s seguintes: conts à receber de clientes com um elevção de R$ ,00, no cix tividdes opercionis; novmente o resgte de plicções finnceirs, no cix de tividdes de investimento, com um umento de R$ ,00; e, no cix de tividdes de finncimento, cptção de empréstimos que registrou um umento de R$ , Alprgts Como evidenci o Qudro 6, os cixs origindos n empres Alprgts, nos nos de 2009, 2010 e 2011 demonstrm que empres obteve em seu cix e equivlentes um umento, no intervlo de , de R$ ,00 e, um qued, de R$ ,00, no intervlo de , com um vrição percentul de 70,70 e de -2,46, respectivmente. Considerndo-se o no de 2010 em relção o no de 2011, constt-se que houve um vrição positiv no cix líquido de tividdes de investimento, de 43,89, no qul plicções finnceirs, com vrição de -R$ ,00, foi que obteve mior destque. Porém, o cix líquido de tividdes de finncimento e o cix líquido de tividdes opercionis sofrerm respectivs queds de ,32 e -9,68. Sendo

17 PAULA et l. 149 ssim, com est combinção de ftores e vlores, empres present redução do cix e s conts que mis se destcrm por sus vrições, form mortizção de empréstimo e finncimento e s conts receber de clientes, com s respectivs vrições de -R$ ,00 e R$ ,00. Qudro 6: horizontl d DFC d empres Alprgts Descrição 01/01/ /12/2011 horizontl 01/01/ /12/2010 horizontl 01/01/ /12/2009 opercionis , , de investimento , , de finncimento , , Vrição cmbil s/ cix e equivlentes , , Aumento (redução) de cix e , , equivlentes Sldo inicil de cix e equivlentes , , Sldo finl de cix e equivlentes , , Observndo-se os fluxos de cix, do no de 2009 em relção 2010, not-se que pesr d redução percentul no cix líquido de tividdes de investimento de -181,58, o cix líquido de tividdes de finncimento cont com um créscimo de 105,50 e o cix líquido de tividdes opercionis (elevção de 13,57), obtiverm um somtóri monetári suficiente pr gerr um umento n cont cix no vlor de R$ ,00. As conts com miores vrições monetáris de cd cix form lucro líquido do período, com um umento de R$ ,00, plicções finnceirs, registrndo um qued de R$ ,00 e, finlmente, cptção de empréstimos e finncimentos com um elevção de R$ ,00.

18 150 comprtiv d demonstrção Comprção ds empress do setor de clçdos ( ) Anlisndo-se s empress do setor de clçdos no intervlo dos nos de , em termos percentuis, observ-se que no gerl empres que registrou o mior umento no seu cix e seus equivlentes foi Cmbuci, com vrição de 98,16, conforme demonstr o Qudro 7. Qudro 7: Comprção percentul de vrições do setor de clçdos ( ) Empress Grendene Alprgts Vulcbrs Cmbuci opercionis -72,40-9,68-209,44-232,13 de investimento 231,45 43,89 27,72-33,91 de finncimento -301, ,32-588, ,29 Vrição cmbil sobre cix e equivlentes -111,23-100,00 Aumento (redução) de cix e equivlentes -13,97-105,95 48,28 41,81 Sldo inicil de cix e equivlentes 53,73 70,70-47,33 224,87 Sldo finl de cix e equivlentes 30,07-2,46-46,48 98,16 Entretnto, ind visulizndo o Qudro 7, qundo se observ individulmente cd cix, notmos que há um divisão, ou sej, Cmbuci pens tem mior vrição positiv no cix líquido de tividdes de finncimento, com ,29. Porém, no cix líquido de tividdes de investimento, empres com melhor vrição foi empres Grendene com vrição de 231,45 e, no cix de tividdes opercionis, nenhum registrou vrição positiv, porém que obteve menor qued foi Alprgts, com o percentul de -9, Comprção ds empress do setor de clçdos ( ) Comprndo-se s vrições percentuis ds empress do setor de clçdos no intervlo de , not-se que em cd cix houve um empres diferente que obteve um melhor desempenho, ou sej, conforme demonstr o Qudro 8, no cix líquido de tividdes opercionis empres com melhor

19 PAULA et l. 151 vrição foi empres Grendene, com o percentul de 51,41. Qudro 8: Comprção percentul de vrições do setor de clçdos ( ) Empress Grendene Alprgts Vulcbrs Cmbuci opercionis 51,41 13,57 60,21-29,72 de investimento -442,61-181,58-60,93-24,15 de finncimento 70,22 105,50-499,34 99,89 Vrição cmbil sobre cix e equivlentes -76,18-101,57 Aumento (redução) de cix e equivlentes 220,13 67,33-535,88 520,33 Sldo inicil de cix e equivlentes -30,91 73,17 11,81-34,85 Sldo finl de cix e equivlentes 53,73 70,70-47,49 224,87 Aind, nálise do Qudro 8 pont que no cix líquido de tividdes de investimento tods s empress registrrm queds, contudo, com -24,15, empres Cmbuci foi que evidenci menor qued. No que se refere o cix líquido de tividdes de finncimento, empres que obteve o mior umento foi Alprgts, com 105,50. Anlisndo de modo gerl que registrou o mior umento percentul no sldo finl do cix e seus equivlentes, com 224,875, foi empres Cmbuci. 4.2 ds empress do setor de limento Seguindo clssificção d BM&FBOVESPA, este setor é definido como não cíclico e os seus produtos são considerdos, pelo senso comum, como produtos essenciis, por serem indispensáveis pr sobrevivênci humn, ou sej, é necessário que se tenh um bo limentção pr se conquistr um bo qulidde de vid Conservs Oderich Anlisndo-se os fluxos de cix d empres Conservs Oderich, nos

20 152 comprtiv d demonstrção... nos de 2009, 2010 e 2011 pode-se observr que pesr do umento no cix de 24,61 no intervlo de , este foi menor do que o obtido no intervlo de , o qul foi de 51,72. Qudro 9: horizontl d DFC d empres Oderich Descrição 01/01/ /12/2011 horizontl 01/01/ /12/2010 horizontl 01/01/ /12/2009 opercionis de investimento de finncimento Vrição cmbil s/ cix e equivlentes Aumento (redução) de cix e equivlentes Sldo inicil de cix e equivlentes Sldo finl de cix e equivlentes , , , , , , , , , , , , O Qudro 9 pont que empres Oderich registrou um qued no seu cix líquido de tividdes opercionis de -85,83 de 2009 pr 2010, porém no período de este voltou crescer, registrndo um umento percentul de 101,97. Observ-se um qued no cix líquido de tividdes de investimento de -636,73 de , e do mesmo modo que o cix líquido de tividdes opercionis, este tmbém obteve um umento no intervlo de , porém com um percentul de 227,83. Entretnto, o cix líquido de tividdes de finncimento segue um linh opost os dois cixs nteriormente citdos, pois no período em que se observou s queds percentuis dos outros dois cixs, ou sej, de , este registrou um créscimo de 66,80, e

21 PAULA et l. 153 no intervlo de , tmbém ocorreu o contrário, este presentou um qued de -254,67. Em mbos os nos nlisdos no cix de tividdes de investimento cont com mior vrição monetári foi o resgte de plicções finnceirs, com s respectivs vrições de -R$ ,00 e de R$ ,00. No cix de tividdes de finncimento foi cptção de empréstimo de 2009 pr 2010, com R$ ,00, e de 2010 pr 2011 foi pgmentos de empréstimos, com R$ ,00. Finlmente, no cix de tividdes opercionis form s conts receber de clientes, de , e vrições nos tivo e pssivos, de , com respectivmente s seguintes vrições, R$ ,00 e R$ , J. Mcedo Após nálise dos fluxos de cix d empres J. Mcedo (vide o Qudro 10), nos nos de 2009, 2010 e 2011, not-se que entidde registrou um qued em seu cix durnte o período de , presentndo percentul de -28,41, porém no intervlo de este cenário não se repete, e empres registr um elevção de 21,77 no seu cix. Qudro 10: horizontl d DFC d empres J. Mcedo 01/01/2011 Descrição 31/12/2011 opercionis de investimento de finncimento Vrição cmbil s/ cix e equivlentes Aumento (redução) de cix e equivlentes horizontl 01/01/ /12/2010 horizontl 01/01/ /12/ , , , , , , , ,

22 154 comprtiv d demonstrção... Sldo inicil de cix e equivlentes Sldo finl de cix e equivlentes , , , , O qudro 10 pont que pesr dos percentuis positivos de 46,88 e 47,26, ns respectivs vrições de e de , o cix líquido de tividdes de investimento continuou negtivo, com R$ ,00, e s conts que gerrm s sus miores vrições em termos monetários form incorporção de investimentos em 2010, qul conseguiu um umento de R$ ,00, e imobilizdo em 2011, com um vrição positiv de R$ ,00. O cix líquido de tividdes opercionis mesmo com o umento de 77,19 de 2010 pr 2011, não lcnçou o vlor de R$ ,00, que hvi registrdo em 2009 ntes d qued de -66,50, no intervlo do no de 2009 pr Sendo s conts que se destcrm nos respectivos períodos o cix gerdo ns operções, com vrição de R$ ,00, e vrições nos tivos e pssivos, registrndo vrição de R$ ,00. Por su vez, o cix líquido de tividdes de finncimento em 2011 presentou o vlor de R$ ,00, pois pesr do umento gerdo de 2009 pr 2010, de 16,03, em 2010 o mesmo continuou negtivo com R$ ,00 e, ind, n vrição do período de , voltou cir, registrndo um qued de -28,62. Em 2010 cont com mior vrição monetári, -R$ ,00, foi cptção de empréstimos e finncimentos e, em 2011, foi mortizção de empréstimos e finncimentos, com R$ , Jospr Joquim Oliveir Observndo-se os fluxos de cix d empres Jospr Joquim Oliveir, nos nos de 2009, 2010 e 2011, not-se que o cix líquido de tividdes opercionis registr queds ns vrições de e de , de -149,28 e -72,49 respectivmente. Qudro 11: horizontl d DFC d empres Jospr Joquim Descrição opercionis 01/01/ /12/2011 horizontl 01/01/ /12/2010 horizontl 01/01/ /12/ , ,

23 PAULA et l. 155 de investimento de finncimento Vrição cmbil sobre cix e equivlentes Aumento (redução) de cix e equivlentes Sldo inicil de cix e equivlentes Sldo finl de cix e equivlentes , , , , , , , , , , No cix líquido de tividdes de investimento pesr do contínuo umento em 2010 e 2011, ele permneceu negtivo registrndo R$ ,00, em O Qudro 11 evidenci que no cix líquido de tividdes de finncimento houve um umento de 2009 pr 2010 de 565,63, porém de 2010 pr 2011 foi registrdo um qued de -77,39. No seu cix finl durnte o período de , not-se um umento percentul de 8,56, porém de 2010 pr 2011 empres registr um qued de -25,87 no seu sldo finl de cix e equivlentes. As conts que registrrm s miores vrições monetáris em cd cix no período de form: estoques, com R$ ,00; ções de imobilizdo intngível e diferido, com R$ 6.326,00; e, pgmento de finncimentos, com R$54.185,00. Já no intervlo de s conts com mior destque de cd cix form: vrições no tivos e pssivos, registrndo um vrição de R$ ,00; novmente imobilizdo intngível e diferido, neste período com vrição de R$ ,00; e, finncimentos obtidos, com um qued de R$ ,00. Tis vrições contribuírm no resultdo finl do cix e seus equivlentes de cd no, que registr um umento de 2009 pr 2010 de 8,56, porém de 2010 pr 2011 observ-se um qued percentul de -25,87.

24 156 comprtiv d demonstrção M Dis Brnco Indústri e Comércio de Alimentos Anlisndo-se os fluxos de cix presentdos pel empres M. Dis Brnco Indústri e Comércio de Alimentos, nos nos de 2009, 2010 e 2011, observ-se que mesm, em 2011 registrou um umento de R$ ,00, ou sej, um umento de 75,32 no sldo finl do seu cix e seus equivlentes, superndo ssim qued registrd nteriormente em 2010 de -7,47, conforme indic o Qudro 12. Qudro 12: horizontl d empres M Dis Brnco Indústri e Comércio de Alimentos Descrição 01/01/ /12/2011 horizontl 01/01/ /12/2010 horizontl 01/01/ /12/2009 opercionis de investimento de finncimento Vrição cmbil sobre cix e equivlentes Aumento (redução) de cix e equivlentes Sldo inicil de cix e equivlentes Sldo finl de cix e equivlentes , , , , , , , , , , , , Aind, conforme o Qudro 12, empres nlisd registrou elevções consecutivs ns vrições de e , no seu cix líquido de tividdes opercionis de 2,60 em 2010, e de 225,69 em Sendo s conts que se destcrm por sus vrições monetáris s seguintes: outros com R$ ,00; e, outrs conts receber com R$ ,00.

25 PAULA et l. 157 Porém, seguindo no sentido inverso o seu cix líquido de tividdes de investimento presentou queds consecutivs no mesmo período, com -13,61 em 2010, e -13,73 em Sendo s conts com mior visibilidde, s seguintes: fluxo de cix n quisição de prticipções societáris com R$ ,00, em 2010; e, vend de títulos e vlores mobiliários, -R$ ,00, em Entretnto, o cix líquido de tividdes de finncimento, diferente dos dois cixs nteriormente citdos, não se mnteve com vrições constntemente negtivs ou positivs, ms sim com um combinção ds dus, onde em 2010 presentou um umento de 31,67 e, em 2011, um qued de -9,16. Sendo s conts pgmentos de finncimentos, com vrição de R$ ,00, e finncimentos tomdos, com R$ ,00, respectivmente em 2010 e 2011, s com mior destque neste cix Mrmbi Energi Renovável Qudro 13: horizontl d DFC d empres Mrmbi Energi Renovável Descrição Cix líquido tividdes opercionis de investimento de finncimento Vrição cmbil s/ cix e equivlentes Aumento (redução) de cix e equivlentes Sldo inicil de cix e equivlentes Sldo finl de cix e equivlentes 01/01/ /12/2011 horizontl 01/01/ /12/2010 horizontl 01/01/ /12/ , , ,

26 158 comprtiv d demonstrção... Considerndo os cixs gerdos pel entidde Mrmbi Energi Renovável, nos nos de 2009, 2010 e 2011, not-se que empres presentou em seu cix e equivlentes o decorrer dos três nos citdos, um sldo somente em 2011, sldo este proveniente do cix líquido de tividdes opercionis, o mesmo em 2009 presentou um sldo negtivo de R$ -17,00, ms em 2010 um vrição positiv de 100, zerou este fluxo. A cont com mior vrição em termos monetários foi vrição cmbil tiv em mbos os nos, presentndo s vrições de R$2.780,00, de , e de R$ 4.850,00 de Os cixs líquidos de tividdes de investimento e de finncimento presentrm sldos zerdos em todos os nos nlisdos Tereos Interncionl Qudro 14: horizontl d DFC d empres Tereos Interncionl 01/01/2011 Descrição 31/12/2011 opercionis de investimento de finncimento Vrição cmbil sobre cix e equivlentes Aumento (redução) de cix e equivlentes Sldo inicil de cix e equivlentes Sldo finl de cix e equivlentes horizontl 01/01/ /12/2010 horizontl 01/01/ /12/ , , , , , , , , , , , , , , Observndo-se os cixs origindos d empres Tereos Interncionl, nos nos de 2009, 2010 e 2011 not-se que empres denotou em seu cix e equivlentes um umento de R$ ,00, no intervlo de , porém

27 PAULA et l. 159 de verific-se um redução de R$ ,00. Dess form, ocorreu um vrição percentul positiv de 64,48, de , e um negtiv de -20,96, no período seguinte. Anlisndo-se o cix líquido de tividdes opercionis e o cix líquido de tividdes de investimento, de 2010 em relção 2011, conforme demonstr o Qudro 14, constt-se que em mbos ocorrerm queds percentuis de -79,83 e de -123,81, respectivmente. No cix líquido de tividdes de finncimento houve um umento de 322,91, em termos monetários, sendo este umento cpz de suprir somtóri ds queds já mencionds. No período nlisdo s conts que mis se destcrm em termos monetários, nos seus respectivos cixs, form: vrição em pssivos finnceiros com prtes relcionds, com R$ ,00; quisição de imobilizdo e tivos intngíveis, com R$ ,00; e, cix decorrente d quisição d Cruz Alt, com R$ ,00. Comprndo-se os fluxos de cix do no de 2009 em relção 2010, observ-se que pesr d qued percentul significtiv no cix líquido de tividdes de investimento e no de tividdes de finncimento (de 32,00 e de -66,96, respectivmente), o cix líquido de tividdes opercionis obteve um elevção percentul de 438,81, sendo est suficiente pr suprir os cixs citdos. Verific-se tmbém, que s miores vrições monetáris ocorrerm ns conts cix pgo pel quisição d Mndu, que registrou vrição de R$ ,00 e, ingresso de novos empréstimos, com vrição de R$ ,00. Sendo que cont com mior vrição foi novmente vrição em pssivos finnceiros com prtes relcionds, contudo, neste período registrou-se com um vrição negtiv de R$ , Comprção do setor de limentos diversos Qudro 15: Comprção percentul de vrições do setor de limentos diversos ( ) Empress opercionis de investimento de finncimento Oderich J. Mcedo Jospr M Dis Mrm- -bi Tereos -85,83-66,50-149,28 2,60-100,00-84,53-636,73-46,88-20,05 13,61 79,83-66,80-16,03-565,63-31,67-322,91

28 160 comprtiv d demonstrção... Vrição cmbil sobre cix e equivlentes Aumento (redução) de cix e equivlentes Sldo inicil de cix e equivlentes Sldo finl de cix e equivlentes -123,81-296,50-344,59-229,56-87,05-100, ,00-20,84 7,43-6,20-36,57-100,00 3,57 51,72 615,90 8,56-7,47 64,48 Conforme demonstr o Qudro 15, empres do setor de limentos diversos que presentou mior vrição positiv, no período de , foi empres J. Mcedo. Apesr de tods s empress deste setor terem registrdo qued no cix líquido de tividdes de finncimento, J. Mcedo, com -16,03, foi que obteve menor qued. No cix líquido de tividdes de investimento empres que registrou o mior umento foi Tereos Interncionl, com vrição de 79,83. No que se refere o cix líquido de tividdes opercionis, únic empres obter um umento foi M Dis Brnco Indústri e Comércio de Alimentos, com 2,60 de vrição Comprção do setor de limentos diversos Qudro 16: Comprção percentul de vrições do setor de limentos diversos ( ) Empress opercionis de investimento de finncimento Vrição cmbil sobre cix e equivlentes Oderich J. Mcedo Jospr M. Dis Mrm- -bi Tereos 101,97 77,19 72,49 25,69 438,81-227,83-47,26-40,64 13,73 32,00 254,67 28,62-77,39 9,16-66,96-40,00

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia Eleições Está berto o período de inscrição pr s novs chps do Diretório Acdêmico - Gestão 2015 Inscrições: dos dis 17 29 de gosto de 2015 somente pelo e-mil: fisioufu.d.@gmil.com A votção será relizd nos

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

APRESENTAÇÃO HISTÓRICO MENSAGEM DA DIRETORIA

APRESENTAÇÃO HISTÓRICO MENSAGEM DA DIRETORIA APRESENTAÇÃO A Diretori Executiv present o Reltório Anul de Informções do Fundo de Pensão Multiptrocindo d OAB-PR e d CAA/PR reltivo o exercício de 2013, consolidndo s principis informções do Plno de Benefícios

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

TÍTULO: MANAGEMENT ACCOUNTING: UMA FERRAMENTA NO DESENVOLVIMENTO GLOBAL DE UMA ORGANIZAÇÃO

TÍTULO: MANAGEMENT ACCOUNTING: UMA FERRAMENTA NO DESENVOLVIMENTO GLOBAL DE UMA ORGANIZAÇÃO TÍTULO: MANAGEMENT ACCOUNTING: UMA FERRAMENTA NO DESENVOLVIMENTO GLOBAL DE UMA ORGANIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Oportunidde de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Mio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestção de Serviço Conversão de motores utomotivos (GNV) DESCRIÇÃO: Oficin pr montgem de Kit

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC 1 MÁQUINS ELÉTRICS II 1233 /C : PROF. CGNON - 2005 LBORTÓRIO L1 ENSIO 01 : OBTENÇÃO D CRCTERÍSTIC ZIO DE UM MÁQUIN CC 1. Objetivo Neste ensio será relizdo o levntmento d crcterístic de funcionmento vzio

Leia mais

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição ESTATÍSTICA APLICADA 1 Introdução à Esttístic 1.1 Definição Esttístic é um áre do conhecimento que trduz ftos prtir de nálise de ddos numéricos. Surgiu d necessidde de mnipulr os ddos coletdos, com o objetivo

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

Indústrias Romi S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012

Indústrias Romi S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 Reltório dos uditores independentes sobre s demonstrções finnceirs 31 de dezembro de 2012 Reltório dos uditores independentes sobre s demonstrções finnceirs individuis e consolidds Aos Administrdores e

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Sntn de Prníb Áre de Conhecimento: : Proteção e Prevenção Componente Curriculr: LNR Legislção e Norms Regulmentodors

Leia mais

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa Físic 1 - Cpítulo 3 Movimento Uniformemente Vrido (m.u.v.) Acelerção Esclr Médi v 1 v 2 Movimento Vrido: é o que tem vrições no vlor d velocidde. Uniddes de celerção: m/s 2 ; cm/s 2 ; km/h 2 1 2 Acelerção

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS 1. OBJETIVO O presente documento tem por objetivo presentr s instruções pr projeto de reforço dos pvimentos executdos pel Prefeitur do Município de São Pulo. 2. INTRODUÇÃO Este procedimento estbelece critérios

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO Mrin Borges de Lim d Silv 1, Jeniffer Rodrigues de Sous 2, An Crolin Bernrdes Borges Silv 2, Jnin de Oliveir Queiroz 2, Jéssic Krine

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água Divisão de Plnemento Ambientl e Proteção Civil Di 1 de Outubro Di Ncionl d Águ entre 2 mil e 8 mil milhões de pessos té Águ 2050, num momento em que meç do Aquecimento Globl d Terr é um A águ é essencil

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 8

Cálculo III-A Módulo 8 Universidde Federl Fluminense Instituto de Mtemátic e Esttístic Deprtmento de Mtemátic Aplicd álculo III-A Módulo 8 Aul 15 Integrl de Linh de mpo Vetoril Objetivo Definir integris de linh. Estudr lgums

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

Conversão de Energia I

Conversão de Energia I Deprtmento de ngenhri létric Aul 5.3 Gerdores de Corrente Contínu Prof. Clodomiro Unsihuy Vil Bibliogrfi FITZGRALD, A.., KINGSLY Jr. C. UMANS, S. D. Máquins létrics: com Introdução à letrônic De Potênci.

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade CINÉTICA QUÍMICA Lei de Velocidde LEIS DE VELOCIDADE - DETERMINAÇÃO Os eperimentos em Cinétic Químic fornecem os vlores ds concentrções ds espécies em função do tempo. A lei de velocidde que govern um

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Área entre curvas e a Integral definida

Área entre curvas e a Integral definida Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Áre entre curvs e Integrl definid Sej S região do plno delimitd pels curvs y = f(x) e y = g(x) e s rets verticis x = e x = b, onde f e g são funções

Leia mais

I - APRESENTAÇÃO. Prof. Dr. Ricardo Oliveira Lacerda de Melo Presidente do Conselho de Administração

I - APRESENTAÇÃO. Prof. Dr. Ricardo Oliveira Lacerda de Melo Presidente do Conselho de Administração 5 I - APRESENTAÇÃO Com mis um reltório nul, o décimo terceiro desde su crição, FAPESE present de form quntittiv e qulittiv um retrospectiv d su tução no no de 2006, ind n gestão do Prof. Dr. José Roberto

Leia mais

7.4 Coluna Categoria... 22. 7.6 Coluna Valor... 22 7.7 Coluna Vinculação ao Objeto/Justificativa. Financeiro

7.4 Coluna Categoria... 22. 7.6 Coluna Valor... 22 7.7 Coluna Vinculação ao Objeto/Justificativa. Financeiro SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO DA ESTRATÉGIA GOVERNAMENTAL NÚCLEO CENTRAL DE PARCERIAS COM ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL Índice DE INTERESSE PÚBLICO Introdução...

Leia mais

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais.

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais. EXPOENTE 2 3 = 8 RESULTADO BASE Podeos entender potencição coo u ultiplicção de ftores iguis. A Bse será o ftor que se repetirá O expoente indic qunts vezes bse vi ser ultiplicd por el es. 2 5 = 2. 2.

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Ano CXLIV N o - 194 Brasília - DF, segunda-feira, 8 de outubro de 2007. P ro j e t o / A t i v i d a d e de origem

Ano CXLIV N o - 194 Brasília - DF, segunda-feira, 8 de outubro de 2007. P ro j e t o / A t i v i d a d e de origem ISSN 1677-7042 Ano CXLIV N o - 194 Brsíli - DF, segund-feir, 8 de outubro de 2007 Sumário. PÁGINA Presidênci d Repúblic... 1 Ministério d Agricultur, Pecuári e

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC GAE/ 04 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguçu Prná - Brsil GRUPO VI GRUPO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS (GAE) REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO Prof. Crlos Rul Borenstein,

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

Sindicatos. Indicadores sociais 2001

Sindicatos. Indicadores sociais 2001 Ministério do Plnejmento, Orçmento e Gestão Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE Diretori de Pesquiss Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis Sindictos Indicdores sociis 2001 Rio de Jneiro

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica USO DE UM DISPOSITIVO FACTS SVC EM SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE CONTÍNUA Lino Timóteo Conceição de Brito Aluno do Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Elétric Unesp Buru Prof. Dr. André Christóvão Pio

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

3 DECISÃO SOB INCERTEZA

3 DECISÃO SOB INCERTEZA 3 DECISÃO SOB INCERTEZA Este cpítulo fz um resumo dos princípios e critérios de decisão so incertez, descrevendo su fundmentção mtemátic e discutindo su plicção. DECISÃO SOB INCERTEZA 4 3. INTRODUÇÃO A

Leia mais

Segurança para quem você ama. Cartilha Explicativa

Segurança para quem você ama. Cartilha Explicativa Segurnç pr quem você m. Crtilh Explictiv Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA CAPÃO REDONDO Ru Lubvitch, 64 01123010 Bom Retiro São Pulo SP Tel/Fx: 11 3361 4976 www.poiesis.org.br TRIluminção Técnic ArenCPR ÍNDICE DO TERMO

Leia mais

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80)

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80) MSc. Pulo Cesr C. Rodrigues pulo.rodrigues@usc.br www.pulorodrigues.pro.br Mestre em Engenhri de Produção MRP Mteril Required Plnning (nos 60) Mnufcturing Resource Plnning (nos 80) MRP = Mteril Requirement

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SUSANY MENDONÇA DE SOUZA. IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FÍSICAS: estudo da alíquota efetiva

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SUSANY MENDONÇA DE SOUZA. IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FÍSICAS: estudo da alíquota efetiva UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SUSANY MENDONÇA DE SOUZA IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FÍSICAS: estudo d líquot efetiv FLORIANÓPOLIS 2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SUSANY MENDONÇA DE

Leia mais

SINACOR - Implantação e retorno

SINACOR - Implantação e retorno SINACOR - Implntção e retorno Plnejmento e procedimentos opercionis Julho/2014 Confidencil Restrit Confidencil Uso Interno X Público 1 PAUTA CHAVE DE VIRADA PLANO DE MIGRAÇÃO - PREPARAÇÃO FINAL DE SEMANA

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1 CÓDIO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ Versão 1.1 Cópis e trduções deste documento estão disponíveis em formto eletrônico no site d UTZ Certified: www.utzcertified.org Este documento foi trduzido do Inglês. Se houver

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Quantidade de oxigênio no sistema

Quantidade de oxigênio no sistema EEIMVR-UFF Refino dos Aços I 1ª Verificção Junho 29 1. 1 kg de ferro puro são colocdos em um forno, mntido 16 o C. A entrd de oxigênio no sistem é controld e relizd lentmente, de modo ir umentndo pressão

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

EDITAL 001/2013 - EADUnC

EDITAL 001/2013 - EADUnC EDITAL 001/2013 - EADUnC O Reitor d Universidde do Contestdo-UnC, de cordo com o disposto no Regimento, fz sber, trvés do presente Editl, que estrão berts inscrições e mtriculs pr ingresso nos Cursos de

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

Eletrotécnica TEXTO Nº 7

Eletrotécnica TEXTO Nº 7 Eletrotécnic TEXTO Nº 7 CIRCUITOS TRIFÁSICOS. CIRCUITOS TRIFÁSICOS EQUILIBRADOS E SIMÉTRICOS.. Introdução A quse totlidde d energi elétric no mundo é gerd e trnsmitid por meio de sistems elétricos trifásicos

Leia mais

MODELAGEM DINÂMICA OO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DE TÉCNICAS

MODELAGEM DINÂMICA OO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DE TÉCNICAS MODELAGEM DINÂMICA OO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DE TÉCNICAS Guillermo Bustos Reinoso Crlos A. Heuser UFRGS/Instituto de Informátic Cix Postl 15064 91501-970 Porto Alegre RS e-mil: {gbustos heuser}@inf.ufgrs.br

Leia mais

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: PARA QUEM CURSA A 1 a SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM Disciplina: MaTeMÁTiCa

Nome: N.º: endereço: data: Telefone:   PARA QUEM CURSA A 1 a SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM Disciplina: MaTeMÁTiCa Nome: N.º: endereço: dt: Telefone: E-mil: Colégio PARA QUEM CURSA A SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 05 Disciplin: MTeMÁTiC Prov: desfio not: QUESTÃO 6 O Dr. Mni Aco not os números trvés de um código especil.

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ÁREA DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (141) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXAME DE INGRESSO 2014 º Período NOME: Oservções Importntes: 1. Não

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 19/03/11

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 19/03/11 RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 9// PROFESSORES: CARIBE E MANUEL O slário bruto mensl de um vendedor é constituído de um prte fi igul R$., mis um comissão de % sobre o

Leia mais