Bancos abrem os cofres na 34ª Expointer

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bancos abrem os cofres na 34ª Expointer"

Transcrição

1 Bancos abrem os cofres na 34ª Expointer Linhas de crédito chegam a R$ 3 bilhões aos produtores rurais Setor de máquinas está mais cauteloso neste ano Presidente executivo da União Brasileira de Avicultura, Francisco Turra, avisa: governo precisa cortar gastos públicos

2

3

4 EXPEDIENTE Diretora Executiva Karim Miskulin Diretor Financeiro Marcio Regenin Diretora Comercial Margareth Santana Editora Rosane Frigeri Reportagem e produção Roberta Amaral Administrativo Iza Moraes Revisão Press Revisão Projeto gráfico e Pré-impressão Imagine Design Capa Imagine Design Impressão: Contgraf Impressos Gráfi cos Ltda Endereço: Av. Carlos Gomes, Sala 902 CEP Porto Alegre/RS Fone: (51) Fax: (51) Comercial: Assinaturas:

5 EDITORIAL A Expointer da inovação e da qualidade Ao chegar em sua 34ª edição, a Expointer quer ser lembrada pela inovação e qualidade, alinhada à estratégia de desenvolvimento do Rio Grande do Sul. É o que esperam as autoridades gaúchas empenhadas em transformá-la na melhor dos últimos tempos. O governador Tarso Genro trata deste assunto em seu artigo nesta edição. Em 2011, as expectativas são de que a Feira seja um instrumento de difusão de novas tecnologias, um ambiente de intercâmbios entre o campo e a cidade, entre o pequeno e o grande agricultor. Não tem como negar que esta é e sempre será uma multifeira que oferece lazer, negócios, seminários, mostrando o que existe de melhor em termos de genética, tecnologia e conhecimento agropecuário. Ao mesmo tempo, é uma oportunidade para que o visitante urbano possa ter contato com o suor e a garra dos produtores rurais e conheça em detalhes a realidade do campo. Pelo terceiro ano consecutivo, a Revista VOTO participa da Expointer, que é a maior feira agropecuária da América Latina. Queremos interagir com o público, que valoriza o que há de melhor na agricultura do Rio Grande do Sul e do Brasil, apoiando o fortalecimento do campo que alimenta uma nação e apontando problemas que têm trazido prejuízos aos agricultores, não em forma de crítica, mas de alerta e em busca de soluções. Os investimentos no Parque de Exposições Assis Brasil, o custo de um dos maiores eventos da América Latina, as novas oportunidades para o produtor e os entraves burocráticos de produtos brasileiros devem repercutir e ser amplamente debatidos para que a Expointer deste ano seja a melhor de todas as feiras. Pelo menos até a próxima. Boa leitura! Karim Miskulin Diretora Executiva

6 FEIRA Expointer: o encontro do passado com o futuro DIVULGAÇÃO

7 No início do século 20, o Rio Grande do Sul alcançou a terceira posição na economia nacional. Apesar dos seus mais de 1,1 milhão de habitantes, o analfabetismo chegava a 67,3% e os empregados da área rural, a 43%. Havia, também, capitalistas, como chamavam os grandes industriais e comerciantes, e funcionários públicos. Os salários eram baixos e mal cobriam o sustento mais básico, sem falar nas fábricas que disciplinavam seus funcionários com chicote. Mulheres e crianças tinham a mesma carga horária dos homens, que podia chegar a 15 horas diárias. No campo, o trabalho era ainda mais pesado. Horas e horas a fi o, dia após dia, e a família ali unida com os pés na terra, cheia de esperança, mas muitas vezes com resultados incertos. Diante dessas difi culdades, enquanto a cidade e o campo buscavam garantias e o fortalecimento das classes, Porto Alegre não se deixava abater pelos desafi os e consolidava sua primeira Exposição Estadual do Rio Grande do Sul, que reuniu, em 1901, mais de 67 mil pessoas no Campo da Redenção, hoje Parque Farroupilha. De lá para cá, não parou mais de crescer. Teve seus dias no Parque de Exposições do Menino Deus, hoje sede da Secretaria Estadual da Agricultura e, em 1972, se transferiu defi nitivamente para o Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, com o nome de Expointer. O nome do parque é uma homenagem a João Francisco de Assis Brasil, que nasceu na estância São Gonçalo, em São Gabriel, e introduziu no Brasil os gados Jersey e Devon e a ovelha Karakul. Ele também teve participação na introdução do cavalo árabe e no melhoramento do Thoroughbred. Assis Brasil, por essas e outras, fi cou conhecido como o Patrono da Agricultura. Ao longo dos anos, as lutas do início do século só vieram a demonstrar que a Expointer não é apenas um lugar de negócios, mas de convivência pacífi ca entre o homem do campo e o da cidade. De um lado, os agricultores que ralam debaixo de sol e de chuva, tratadores de animais, fabricantes de máquinas agrícolas e artesãos e quituteiros de mão cheia. Do outro, os que vivem nos centros urbanos e, nesta época, entram em contato com suas raízes, porque, afi nal, todo mundo tem um pé no campo. Mais: os sete dias entre o fi nal de agosto e o início de setembro fazem parte do calendário afetivo do gaúcho, que gosta de dar um tempo nas preocupações para apreciar animais tratados com respeito e sensibilidade pelos seus criadores. A Expointer é isso, de tudo um pouco, um Rio Grande unido pelo mesmo ideal: o desenvolvimento. 7

8 FEIRA 34ª Expointer: a melhor de todas Por Tarso Genro* Foi-se a época em que nós, brasileiros, chegávamos ao exterior e éramos reconhecidos apenas por algumas de nossas virtudes, como o futebol, o Carnaval e as nossas paisagens. É inegável que esses sejam, sim, elementos imprescindíveis da nossa cultura e da nossa história. Hoje, somos conhecidos, também, como um país que não baixa a guarda nem a cabeça no cenário mundial, pois crescemos, nos desenvolvemos e geramos renda. Isso não se deve a nenhum governo em particular, a nenhuma classe social ou alguma instituição da sociedade civil. Deve-se a uma história de luta de construção democrática do povo. Tivemos, ao longo dos anos, que superar mui- tas barreiras, como a burocratização das decisões públicas, o atraso de de- terminados seto- res produtivos e A Expointer é mais que orgulho para todos os gaúchos. Desde a primeira exposição, o que vemos é seu aperfeiçoamento a corporativização de certas representações da sociedade. Mas, hoje, me sinto no dever de dizer que vivemos num país que segue rumo ao desenvolvimento de cabeça erguida. Agora é chegado o momento do Rio Grande do Sul também se afi rmar e compartilhar essa expressão pública do país. Esse compartilhamento exige uma postura dos nossos empresários, trabalhadores e elites políticas, com grande capacidade de elaboração, de gestão e de produção de ideias, de pedir novas realizações ao governo. O Estado gaúcho é reconhecido lá fora pelo seu pampa, pelo seu Fórum Social Mundial, pelo seu Orçamento Participativo e, acima de tudo, pela sua Expointer. Dependendo do lugar em que nos encontramos Brasil afora, do interesse cultural ou da vocação produtiva, percebemos essa universalidade com relação ao RS. Temos forte presença política, cultural, democrática e produtiva no mundo. Dar continuidade a esse sucesso. Esse foi o esforço que pedi aos meus companheiros de governo. Nas quatro exposições que teremos sob nossa responsabilidade, que uma seja infi nitamente melhor e mais completa que a outra. Que essa nossa primeira Expointer seja um exemplo para o futuro. Vamos exibir a pujança de um Estado que sabe ser guerreiro, que sabe ter suas controvérsias, que sabe politizar essas controvérsias e, como consequência, se unir a partir de uma visão de desenvolvimento, agregador e de respeito ao espaço de cada um, que produza para o Rio Grande, que produza para o Brasil e que produza para o mundo. Esse é o objetivo da 34ª Expointer. Vamos nos emanar, daqui em diante, cada vez mais e olhar as edições anteriores como grandes exposições, mas a presente como a melhor de todas. *Governador do Rio Grande do Sul DIVULGAÇÃO

9

10 CRÉDITO Instituições financeiras liberam mais de R$ 750 milhões Algumas instituições fi nanceiras que operam o crédito rural mantiveram os mesmos valores disponíveis na Expointer do ano passado. Outras querem superar suas próprias expectativas, bem como a de seus clientes. No total, em 2011, apesar da crise mundial, os produtores têm R$ 765 milhões à disposição para pensar em expandir seus negócios. O Banrisul chega a esta edição com R$ 150 milhões para os produtores da agricultura familiar e empresarial. O valor é 30% superior em relação ao alocado em Além dos recursos para negócios, o banco prevê injetar em torno de R$ 3 milhões em patrocínios por meio de convênios com entidades, agências de publicidade e estandes do Mais Alimentos e propaganda no Pavilhão da Agricultura Familiar. No ano passado, o banco disponibilizou R$ 114 milhões aos produtores rurais, enquanto que, em 2009, os recursos chegaram a R$ 95 milhões, valor 21% superior em relação ao alocado em 2008, que foi de R$ 78,5 milhões. De acordo com o diretor de Crédito do Banrisul, Guilherme Cassel, a carteira de crédito rural está preparada para atender a toda a demanda por fi nanciamentos, tanto para a compra de animais como de máquinas e equipamentos. O Banrisul irá trabalhar sem limite de recursos. Uma das prioridades será o Programa Mais Alimentos, que fi nancia a aquisição de máquinas e implementos agrícolas, correção e recuperação de solos, resfriadores de leite, melhoria genética, irrigação, implantação de pomares e de estufas e armazenagem, afi rma. A linha contempla, ainda, projetos de investimentos associados à apicultura, à agricultura, à aquicultura, à bovinocultura de corte e de leite, à ovinocultura, à produção de 10

11 arroz, centeio, feijão, mandioca, milho, sorgo e trigo. O limite máximo de crédito é de R$ 130 mil, com prazo para pagamento de até 10 anos e até três de carência, com taxa de juro de 1% a 2% ao ano. Os produtores também podem adquirir matrizes e reprodutores de bovinos, bubalinos, ovinos, suínos e caprinos registrados ou certifi cados. O limite de fi nanciamento é de 100% do valor animal, limitado a R$ 100 mil por produtor e juros de 6,75% ao ano. Já o Banco do Brasil está disponibilizando R$ 250 milhões para a mostra, o mesmo oferecido à agricultura familiar e empresarial na edição passada. Conforme o superintendente estadual da instituição, José Carlos Reis da Silva, há grandes expectativas para a 34ª Expointer, especialmente pelas linhas especiais para pecuária do Plano de Safra e de aquisição de animais com prazo de cinco anos e juros de até 6,75% ao ano, fruto de um convênio fi rmado com a Farsul na feira passada e que foi renovado até o mês de dezembro deste ano. Para atender a seus 400 mil agricultores associados, o Sicredi se concentra nesta edição com R$ 110 milhões, mesmo valor fi nanciado em O presidente do Sistema Sicredi, Orlando Müller, disse que a expectativa é de que o recurso seja sufi ciente para atender à demanda durante a mostra, mas garantiu: dinheiro não é problema. Por sua vez, o Banco Regional de Desenvolvimento Econômico (BRDE), que fi nancia projetos por meio de linhas com crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), estima oferta de R$ 255 milhões na Expointer. No ano passado, a instituição recebeu cerca de R$ 206 milhões em propostas. Badesul chega à Expointer com R$ 300 milhões Trezentos milhões de reais. Esse é o valor que o Badesul está disponibilizando durante a 34ªExpointer, principalmente ao setor de máquinas e implementos agrícolas, para responder às demandas de empreendedores, que não param de chegar, por fi nanciamentos para a modernização e a inovação nas atividades do agronegócio. No total, em 2011, apesar da crise mundial, os produtores têm R$ 765 milhões à disposição Os recursos são bem superiores aos oferecidos em 2010, quando a captação chegou a R$ 150,3 milhões em fi nanciamentos, por meio de 207 cartas-consulta para operações. Durante a Expointer, estaremos com nossos técnicos, a fi m de dialogar com clientes, empreendedores, produtores e parceiros, apoiando as iniciativas de investimento e apresentando as melhores alternativas em fi nanciamentos de longo prazo, afi rma o presidente do Badesul, Marcelo Lopes. No apoio ao agrofomento, o Badesul atua com os programas de Armazenagem Certifi cada, Irrigação, Mecanização Geral e Agricultura de Precisão (projetos com alta tecnologia), fomentando atividades produtivas que incluem a aquicultura, armazenagem, irrigação, correção de solos, fl oricultura, fruticultura, ovino e caprinocultura, produção de leite, recuperação de pastagens, sistematização de várzeas e vitivinicultura, entre outras. Já o incentivo ao setor do agronegócio acontece de forma permanente, por meio do fi nanciamento de máquinas e equipamentos novos nacionais, corretivos e fertilizantes, despesas com tratos culturais nos primeiros anos das culturas perenes, investimentos para controle ou gestão ambiental e tratamento de resíduos, conservação de energia, construção de silos e armazéns, implantação de silvicultura para fi ns energéticos ou suprimento de matéria-prima para indústrias, entre outras atividades correlatas. De acordo com Lopes, o Badesul é, hoje, a maior agência de fomento entre as 15 existentes no Brasil, pelo critério de ativos totais, que corresponde à soma dos recursos emprestados com as disponibilidades de caixa. Os ativos totais aumentaram de R$ 1,074 bilhão em dezembro de 2006 para R$ 1,992 bilhão em dezembro de 2010, representando um crescimento de 85%, o que vem a confi rmar a adequação de sua política de atuação como entidade pró-ativa e parceira do empreendedor e das prefeituras gaúchas. Quanto ao desempenho operacional de repasse de recursos do BNDES, a instituição ocupa a 19ª posição no contexto de todas as entidades fi - nanceiras do país. 11

12 CRÉDITO RS será um dos maiores beneficiados pelo Plano Safra FOTOS DIVULGAÇÃO Os agricultores gaúchos dispõem de R$ 3 bilhões para linhas de custeio Os agricultores gaúchos dispõem de R$ 3 bilhões para linhas de custeio e investimento do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), desde o início de julho. Deste montante, R$ 1,4 bilhão são para operações de investimento e R$ 1,6 bilhão para operações de custeio. Os recursos vão reforçar a organização familiar no Estado, que produz 100% do café e 85% do leite. Das pessoas ocupadas no campo, 81% têm vínculo com a atividade. O Rio Grande do Sul é um dos maiores benefi ciados com a Política de Garantia de Preços Mínimos da Agricultura Familiar (PGPM-AF). Novidade do Plano Safra , a PGPM-AF permitirá a utilização de instrumentos de comercialização para garantir que o produtor receba o preço mínimo do produto (pré-fi xado no início da safra). Além disso, o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) também será reforçado neste ano no Estado, com a destinação de R$ 4 milhões para a compra de produtos da agricultura familiar. O Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) espera alcançar 280 mil contratos do Pronaf em solo gaúcho. 12

13 Juros menores De acordo com o ministro do Desenvolvimento Agrário, Afonso Florence, o Plano Safra irá reduzir de 4% para 2% a taxa de juros máxima cobrada nas operações de investimento do Pronaf e a adoção da taxa de 1% para operações do Mais Alimentos de até R$ 10 mil por ano. Todas as linhas de investimento, inclusive a linha Mais Alimentos, têm juros de 1% ou 2% ao ano, prazo de pagamento de até dez anos e até três anos de carência. O limite de fi nanciamento de contratos de investimento foi ampliado para até R$ 130 mil. O Plano Safra signifi ca um avanço na organização econômica da agricultura familiar. No crédito, mais recursos com juros menores no investimento. Na assistência técnica, mais famílias atendidas. No seguro à produção, melhores condições de contratação e garantias de comercialização tanto no mercado institucional quanto no mercado privado. É a produção de alimentos mais baratos e mais saudáveis na mesa dos brasileiros e brasileiras, garantindo a inclusão produtiva de assentados da reforma agrária e de agricultores, assegura o ministro. REFORMA AGRÁRIA E CRÉDITO FUNDIÁRIO Aporte de R$ 530 milhões para obtenção de terras para a reforma agrária Aporte de R$ 30 milhões para ações de infraestrutura do Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF). SANEAMENTO E HABITAÇÃO Os números do IBGE O Censo Agropecuário do Instituto Brasileiro de Geografi a e Estatística (IBGE) aponta que a agricultura familiar conta com mais de 4,3 milhões de unidades produtivas, o que corresponde a 84% do número de estabelecimentos rurais do Brasil. Esse segmento produtivo responde por 10% do Produto Interno Bruto (PIB), 38% do Valor Bruto da Produção Agropecuária e 74,4% da ocupação de trabalhadores no meio rural (12,3 milhões de pessoas). No Estado gaúcho, existem estabelecimentos da agricultura familiar, o que corresponde a 86% do total do setor agropecuário do Estado. Eles ocupam 31% da área e são responsáveis por 81% dos trabalhadores ocupados no meio rural ( pessoas) e 54% do Valor Bruto da Produção Agropecuária do Estado. A agricultura familiar responde por 100% da produção de café, 92% da produção de mandioca, 85% da produção de leite, 84% do feijão, 80% de aves e 70% dos suínos no Rio Grande do Sul. R$ 3,2 bilhões para projetos do PAC Saneamento desenvolvidos pela Funasa em municípios com menos de 50 mil habitantes Criação de uma superintendência da Caixa Econômica Federal para avaliar e acompanhar projetos de habitação rural. Plano Safra da Agricultura Familiar 2011/2012 Disponibilização de R$ 16 bilhões para operações de custeio e investimento do Pronaf Unifi cação das linhas de investimento do Pronaf, com ampliação do limite de fi nanciamento para até R$ 130 mil Elevação do limite de fi nanciamento do Pronaf B de R$ 2 mil para R$ 2,5 mil, com rebates em três operações Redução da taxa máxima de juros de 4% para 2% nas operações de investimento do Pronaf Ampliação da cobertura de renda do Seguro da Agricultura Familiar (SEAF) de R$ 3,5 mil para R$ 4 mil Aporte de R$ 127 milhões para Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) Criação de uma ação específi ca do Programa de Garantia de Preços Mínimos (PGPM) para a agricultura familiar Unifi cação das normas do Sistema Único de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa). 13

14 ENTREVISTA Ministério da Agricultura garante preço mínimo ao produtor Considerado o maior pacote da história da agropecuária, o Plano Agrícola e Pecuário 2011/2012 tem disponível R$ 107,2 bilhões em créditos rurais para a agricultura familiar. Entre os destaques, estão linhas especiais para pecuária, cana-de-açúcar e laranja, além da ampliação do crédito disponível para todos os programas que já faziam parte do plano de crédito do governo federal. Os juros também baixaram e dão a chance do produtor brasileiro competir igualmente com os estrangeiros, defende a presidente Dilma Rousseff. Para a pecuária, que inclui o seg- mento de corte e de leite, o crédito disponível por pecuarista será de R$ 750 mil para a compra de matrizes e reprodutores. Já os produtores de cana, que também estão incluídos nesta linha especial, poderão acessar até R$ 1 milhão por produtor/safra para a renovação de canaviais e abertura de novas áreas. O momento é de boas expectativas e fortalecimento da agricultura, segundo o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, José Carlos Vaz. VOTO Que boas notícias o governo federal tem para os produtores gaúchos? José Carlos Vaz O Plano Agrícola e Pecuário traz mais recursos, com menores taxas, bem como linhas especiais para a pecuária e pas- tagens, iniciativa da gestão atual. São R$ 107,2 bilhões direcionados à agricultura comercial, valor recorde. Temos recursos sufi cientes para garantir o preço mínimo ao produtor. Atuamos de forma vigorosa no apoio à comercialização do arroz e para sustentar a suinocultura num momento de redução de mercado e de contencioso com a Rússia, com a qual, aliás, o ministério mantém contatos permanentes. VOTO Qual é a perspectiva para o agronegócio neste ano? Vaz Os produtores estão capitalizados, reduzindo o endividamento e investindo em suas propriedades e em tecnologia. Por outro lado, alguns países de grande população, como China e Índia, estão melhorando o padrão de vida de seus povos e demandando mais alimentos. Isso abre um imenso mercado para a carne brasileira e para produtos. Precisamos ter a capacidade de responder a essa demanda por alimentos de qualidade. Em uma análise por setores, eu diria que o cenário para a comercialização de grãos é muito bom para soja e milho. Temos difi culdades no arroz e na suinocultura, que decorrem de aspectos estruturais que têm de ser enfrentados. Aliás, estão sendo. Trigo e vinho são cadeias produtivas que poderão contar com ações específi cas do ministério, a exemplo de outros anos. Carne bovina e de aves devem passar por bons momentos de renda. Etanol e açúcar estão com bastante demanda. E isso deve se manter, assim como os bons preços para o algodão. VOTO Quais são os maiores desafios da agricultura brasileira? Vaz Os gargalos logísticos, que estão sendo superados com o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), são os maiores desafi os. As RAQUEL AVIANI /ASC/MAPA

15 obras de infraestrutura melhoraram as condições de movimentação da produção agropecuária. Entretanto, para atender ao crescente volume de produção, precisamos avançar na implantação, adaptação e modernização do sistema viário, com ênfase nos modais ferroviário e hidroviário. Também temos outro desafi o: enfrentar as barreiras ao comércio internacional. Nossos concorrentes vêm adotando barreiras tarifárias, sanitárias e fi tossanitárias para frear a competitividade do agronegócio brasileiro. A eliminação dessas barreiras é estratégica para a ampliação de mercados aos produtos brasileiros. No âmbito das políticas públicas, é preciso reduzir a volatilidade de preços, sem prejudicar a renda dos produtores. VOTO Como o governo está se preparando para enfrentar os gargalos no setor? Vaz Os investimentos do PAC em infraestrutura são fundamentais para reduzir os custos do escoamento da produção agrícola e aumentar a renda do produtor rural. Quanto às barreiras comerciais, estamos modernizando e melhorando a defesa animal e vegetal e seremos duros e fi rmes nas negociações internacionais governo a governo. Além dessas duas questões, estamos trabalhando na modernização e desburocratização do crédito rural. Queremos criar condições para que os produtores rurais possam captar recursos diretamente no mercado de capitais, via títulos do agronegócio. O seguro rural vai crescer nos próximos anos, garantindo renda, e não só custo de produção. VOTO Está cada dia mais difícil manter filhos de agricultores no campo. O que o governo pode fazer para mudar essa realidade? Vaz A urbanização é uma tendência histórica e inexorável. No campo, as propriedades serão cada vez mais mecanizadas, com menor uso de mão de obra. É de se esperar o crescimento dos serviços mecanizados. Menos pessoas das famílias serão necessárias para trabalhar nas propriedades, mas sua administração vai exigir conhecimentos de contabilidade, fi nanças, marketing e tecnologia de produção que os fi lhos dos agricultores estão adquirindo nas faculdades e nos cursos técnicos, nas cidades. Precisamos continuar com os esforços dos produtores, do governo e das demais entidades que atuam no agronegócio, visando ao incremento no uso da tecnologia, melhoria da gestão, ganhos de efi ciência e escala e redução das perdas. Mais um gaúcho na gestão da agricultura brasileira A presidente Dilma Rousseff agiu rápido e, horas depois do então ministro da Agricultura, Wagner Rossi, deixar o cargo, confi rmou o nome de Mendes Ribeiro Filho (PMDB/RS) como seu substituto. Em sua primeira entrevista, disse que sua contribuição será mediante aprendizado. Quem faz a investigação são órgãos especializados, eu tenho que tratar da agricultura, eu tenho que falar de números, tenho que olhar para frente, afi rmou, logo após ser ofi cializado como ministro em 18 de agosto. A nomeação foi recebida com cautela por entidades agropecuárias. Mendes Ribeiro Filho não tem perfi l técnico, mas sua proximidade com a presidente Dilma pode ser favorável, principalmente ao setor orizícola, que será uma das prioridades de sua gestão. Ele tem consciência de que, nos últimos anos, o governo federal falhou e defende medidas para fortalecer a produção. Em minha Camaquã e em minha Restinga Seca, os produtores passaram muito trabalho. O governo agiu de forma efi ciente e rápida e o preço do arroz reagiu, mas cisamos fazer ainda mais. pre- Assim que terminar a Expointer, os produtores de arroz deverão se instalar na Assembleia gaúcha para acompanhar a CPI que vai apurar as causas da crise financeira, investigando a cadeia produtiva do grão no Estado. Como é que se explica o arroz ter baixado 40% ao produtor nesta safra e para o consumidor baixou 7% ou 8%? Isso signifi ca que tivemos um desequilíbrio das margens de ganho da cadeia, então isso tem que ser investigado, isso tem que ser apurado. Todos devem ganhar: setores produtivo, industrial e o varejo, diz o presidente da Federação do Arroz (Federarroz), Renato Rocha. Segundo ele, quem atua no setor sabe que há problemas como guerra fi scal, assimetrismo do Mercosul e desequilíbrio das margens da cadeia. DIVULGAÇÃO

16 CENÁRIO Sinal vermelho para as importações de lácteos O aumento desenfreado das importações de leite em pó tem preocupado o sistema cooperativista lácteo nacional. O alerta é da Gerência de Mercados da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), que elaborou um diagnóstico sobre o atual cenário do setor. De acordo com o gerente de Mercados da OCB, Gregory Honczar, o governo precisa saber qual é o impacto resultante das importações no setor lácteo, para que possa proporcionar um ambiente favorável às discussões entre os países do bloco. U m a das principais medidas em negociação é a busca da reno- vação do acordo que limita o ingresso do leite argentino. A valorização do câmbio é o principal fator que está ala- vancando as comercializações. Outro desafi o a ser solucio- nado são as crescentes importações oriundas do Uruguai. O diagnóstico sobre o atual cenário, ao qual a Revista VO- TO teve acesso, servirá também como subsídio para que os técnicos do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior sejam embasados para análises de em- barques lácteos que envolvem os países do Mercosul. O saldo da balança comercial brasileira desses produ- tos, no primeiro semestre deste ano, foi defi citário em US$ 217 milhões, valor que só não é pior que o registra- do em 2000, ano em que o Brasil ainda fi gurava como um grande importador e sofria práticas desleais de comércio, como dumping e triangulação. Entre janeiro e junho deste ano, o faturamento com as importações lácteas chegou a US$ 274 milhões, valor que res- ponde por 83% de todas as negociações efetuadas ao longo de 2010, quando a receita foi de US$ 330 milhões. Enquanto isso, as exportações brasileiras de lácteos movimentaram US$ 57 milhões nos pri- meiros seis meses do ano. Já as importações de lei- te, principalmente provenientes do Uruguai e da Ar- gentina, provocam grande receio no setor por esses países produzirem com menores custos. O saldo da balança comercial brasileira de produtos lácteos, no primeiro semestre deste ano, foi deficitário em US$ 217 milhões

17 17

18 CENÁRIO Um problema para um setor que emprega quatro milhões Somente no primeiro semestre deste ano, o Uruguai enviou para o Brasil toneladas, um volume bem superior ao que ingressou no país em todo o ano de De acordo com o presidente da Comissão Nacional de Pecuária de Leite da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Rodrigo Alvim, o ritmo de importações pode provocar novamente um surto no país. Não podemos negligenciar isso porque estaríamos garantindo renda e emprego aos produtores argentinos e uruguaios, em detrimento dos produtores brasileiros, afi rma. Alvim alerta, ainda, que poderá haver forte redução dos preços pagos ao produtor pelo litro do leite in natura no Brasil, que, associada à alta dos custos de produção, pode causar desestímulo à atividade leiteira nacional. É um problema para um setor que emprega quatro milhões de pessoas, disse. Gregory Honczar lembra que os Estados Unidos já defenderam a produção interna em momentos de apreciação cambial. Atualmente, com a desvalorização do dólar norte-americano frente à grande parte das moedas, o país ganhou competitividade e passou a ser um dos maiores players do mercado internacional. A produção brasileira de leite, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografi a e Estatística (IBGE), apontou crescimento de 5,3% ao ano, no período de 1999 a 2009, atingindo pouco mais de 29 bilhões de litros no último ano. Observando somente o leite inspecionado, 8,3 bilhões de litros passaram pelas cooperativas em O setor responde por aproximadamente 40% do total inspecionado no país. Novo acordo Desde maio de 2009, o Brasil mantém um acordo com a Argentina que limita a entrada de produtos lácteos daquele país a 3,3 mil toneladas de leite em pó por mês. As negociações com o Uruguai são mais difíceis, porque as exportações de produtos lácteos estão entre os principais itens da pauta uruguaia. No fi nal de julho, representantes da indústria leiteira do Brasil e da Argentina se reuniram em Buenos Aires para discutir um novo acordo que fi xe limites às exportações de leite em pó procedentes do país vizinho. A Argentina pretende manter sua participação no mercado brasileiro, superior a 70% das importações totais de leite em pó. Segundo indicou o Ministério da Indústria argentino, as importações brasileiras mostram um notável crescimento nos últimos anos, o que os levaria a aumentar suas exportações. Por enquanto, não há nada defi nitivo. Os dois países vão conti nuar analisando as propostas e conversando nas próximas semanas até chegarem a um consenso.

19

20 CENÁRIO Participação do Holandês é maior nesta feira FOTOS DIVULGAÇÃO Superando todas as expectativas de mercado, a circulação da raça Holandês nesta Expointer será 16,11% maior do que a registrada na edição de São 209 animais vindos de 22 cidades e estados diferentes, como Minas Gerais e Paraná. O maior volume foi inscrito pela Granja Tang, do município de Farroupilha (RS), com 25 exemplares, seguido do Condomínio Morena, de Pelotas (RS), com 23 animais, e que volta neste ano a disputar campeonatos na Feira, depois de um longo período afastado. Na opinião do presidente da Associação dos Criadores de Gado Holandês do Rio Grande do Sul (Gadolando), José Ernesto Ferreira, o aumento no número de inscrições é refl exo do ciclo de exposições que tem acontecido pelo interior do Estado. Segundo ele, o Prêmio Exceleite está dando esse impulso nos eventos da raça. Uma das novidades no julgamento da raça é a presença do especialista em suporte técnico e analista de touros na Semex Alliance, Mike West. Nascido no Canadá e criado em uma fazenda voltada para a raça Holandês, West participou ativamente no trabalho da família em torno de 50 vacas do rebanho de Criador Master. 20

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR Eng. Agr. Breno Kirchof SITUAÇÃO MUNDIAL PRODUÇÃO MUNDIAL LEITE VACA - 599,6 bilhões de litros leite/ano CRESCIMENTO PRODUÇÃO - 1% a 2%

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável

Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável SIMPÓSIO REGIONAL DE BOVINOCULTURA DE LEITE Guarapuava,07/10/2015 Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável Ronei Volpi Coordenador Geral da Aliança Láctea Sul Brasileira Competitividade

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO SUMÁRIO 4 APRESENTAÇÃO DO PROJETO 6 JUSTIFICATIVA 7 OBJETIVOS 7 PÚBLICO ALVO 8 HISTÓRICO DO EVENTO 12 EMPRESAS E INSTITUIÇÕES PARCEIRAS APRESENTAÇÃO DO PROJETO Foto 1: Vista aérea do evento A Expoarroz

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE.

DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE. PRODUTOR RURAL: fale com o gerente do seu banco e saiba como ter acesso aos créditos e benefícios do Plano Agrícola e Pecuário 2014/2015. DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE. Para

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus ANGUS: Rentabilidade e mercado Fábio Schuler Medeiros Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus Nossos Questionamentos... Como está a

Leia mais

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc)

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) O novo mundo rural e o desenvolvimento do Brasil Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos São Paulo, 12 de novembro de 2014

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO Introdução O modelo de desenvolvimento rural nos últimos tempos, baseado na modernização agrícola conservou muitas das características históricas

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Linhas Agrícolas Agosto 2013

Linhas Agrícolas Agosto 2013 Linhas Agrícolas Agosto 2013 MERCADO DE CRÉDITO DÍVIDA PRIVADA Dividido em 3 Principais Classes de Ativo: Crédito Geral: Linha de KG, Conta Garantida, Finame, PSI; CCB, Debênture; Crédito Imobiliário:

Leia mais

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Francisco Edilson Maia Presidente da Comissão Nacional de Caprinos e Ovinos CNA Presidente da Câmara Setorial e Temática de Ovinos e

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL

UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL Julho/2013 Em 2014, o Brasil sediará a Copa do Mundo e em 2016 as Olimpíadas. Os brasileiros efetivamente são apaixonados por futebol e quando foi divulgado que

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

Apoio à comercialização da agricultura familiar

Apoio à comercialização da agricultura familiar Apoio à comercialização da agricultura familiar Programa de Aquisição de Alimentos 1. Contexto Liberalização dos mercados de produtos agrícolas (anos 90) Intenso processo de concentração de capitais no

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

PGPM A. EGF B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO SOV COV. Aquisições via Preços Mínimos. Via Leilões

PGPM A. EGF B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO SOV COV. Aquisições via Preços Mínimos. Via Leilões PGPM A. EGF SOV COV B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO Aquisições via Preços Mínimos Via Leilões Estados e Municípios Leite Compra Local Compra Direta Compra Especial Formação de Estoque Doação Simultânea EMPODER

Leia mais

1ª OLIMPIADA DO LEITE

1ª OLIMPIADA DO LEITE 1ª OLIMPIADA DO LEITE Justificativa : Como o avanço e o aparecimento de novas tecnologias é de fundamental importância que o produtor rural, assim como em qualquer atividade que demande tecnologia, venha

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Só vence nos negócios quem se preocupa com as pessoas

Só vence nos negócios quem se preocupa com as pessoas Só vence nos negócios quem se preocupa com as pessoas Dezoito anos à frente da maior empresa de inseminação Artificial Bovina do Brasil, Heverardo Rezende Carvalho conta o que teve que aprender para se

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014.

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel.

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. Press Release Date 1º de outubro de 2013 Contato Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508 Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. (11) 3674-3760 Pages

Leia mais

Ministério do Trabalho assina portaria que reconhece categoria da agricultura familiar

Ministério do Trabalho assina portaria que reconhece categoria da agricultura familiar Porto Alegre. 21 de maio de 2015. Edição 008 Ministério do Trabalho assina portaria que reconhece categoria da agricultura familiar Dia 20 de maio de 2015 vai ficar marcado de maneira muito positiva para

Leia mais

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior Ministro Augusto Nardes TEMA 2: Geração de emprego e renda na economia nacional 1. Frente Parlamentar e a micro

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 2504 de 2619 ESPELHO DE S DE 1 Apoio à pesquisa e preservação de recursos genéticos e biotecnologia Custos financeiros: Despesas de custeio - 3

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações:

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações: RESUMO EXECUTIVO O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, comunicou no dia 27 de dezembro de 2011 que vai mudar o regime de tributação para a importação de produtos têxteis do atual ad valorem, em que no

Leia mais

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo?

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? 14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? ALAN BOJANIC Ph.D. REPRESENTANTE DA FAO NO BRASIL ALIMENTAR O MUNDO EM 2050 As novas

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 3 DE OUTUBRO DE 1975 ABERTURA DO

Leia mais

A feira. O maior evento mundial do setor sucroenergético. 26 a 29 de Agosto de 2014 Centro de Eventos Zanini Sertãozinho - São Paulo Brasil

A feira. O maior evento mundial do setor sucroenergético. 26 a 29 de Agosto de 2014 Centro de Eventos Zanini Sertãozinho - São Paulo Brasil Resultados Fenasucro 2014 A feira 26 a 29 de Agosto de 2014 Centro de Eventos Zanini Sertãozinho - São Paulo Brasil O maior evento mundial do setor sucroenergético O setor sucroenergético do Brasil já

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais