A constituição do ethos em fôlderes bancários

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A constituição do ethos em fôlderes bancários"

Transcrição

1 A constituição do ethos em fôlderes bancários Acir Mário Karwoski UFTM Universidade Federal do Triângulo Mineiro Uberaba MG Av. Frei Paulino, 30 CEA/UFTM CEP Bairro Abadia Uberaba - MG Endereço eletrônico: Abstract. The aim of this article is to study the building of ethos, in other words, the self image in the discourse of two institutional bank leaflets, named Banco do Brasil e Banco Itaú. It will be made from the description of the main enunciation procedures and from the meaning effects produced in the communicative verbal interaction between the banks and their clients at a certain historical moment. Keywords. ethos; verbal interaction; textual genre; bank leaflet. Resumo. O objetivo deste artigo é estudar como se dá a construção do ethos, ou seja, das imagens de si no discurso em fôlderes institucionais de dois bancos, Banco do Brasil e Banco Itaú, a partir da descrição dos principais procedimentos enunciativos e os efeitos de sentidos produzidos no processo comunicativo de interação verbal entre os bancos e seus clientes num dado momento histórico. Palavras-chave. Ethos; interação verbal; gênero textual; folder bancário. 1. Ethos, interação verbal e gênero textual. A imagem que se constrói ou se produz de si no discurso é, segundo Amossy (2005) inerente a toda troca verbal e submetida a uma regulamentação sociocultural e supera largamente a intencionalidade do sujeito que fala e age. Os estudos de Aristóteles na Arte Retórica e Arte Poética são os primeiros a tratar do ethos, ou seja, segundo o filósofo grego, há três formas de a imagem de si no discurso se construir: prhonesis que diria respeito ao caráter de ponderação, sabedoria e racionalidade com que se apresenta um orador; areté que diria respeito à sinceridade e simplicidade do orador; e eunóia que se definiria pela imagem de complacência e agradabilidade que um orador mostra de si. A retórica antiga serviu de referencial para outros estudiosos acerca do ethos. Para Ducrot (1987), o conceito artistotélico é retomado numa teoria polifônica do enunciado e as marcas da enunciação seriam consideradas pistas que conduziriam à construção do ethos. A imagem do locutor L enquanto fonte da enunciação e não apenas sujeito físico enunciador, denominado l. Já para Maingueneau (2005), o ethos é parte constitutiva da cena de enunciação e estaria relacionado ao tom de confiabilidade que se estabelece na cena de enunciação. É uma efetiva estratégia persuasiva que se cria na interação e que determina o sucesso ou o fracasso da atividade verbal. Se os dois elementos do ethos, quais sejam, o caráter e a corporalidade forem integrados à discursividade, segundo Maingueneau (1997), o discurso passa a ser indissociável da forma pela qual toma corpo. O autor introduz a noção de incorporação, ou seja, a mescla essencial entre uma formação discursiva e seu ethos que ocorre através do procedimento enunciativo. Estudos Lingüísticos XXXVI(3), setembro-dezembro, p. 39 / 44

2 O ethos, portanto, é estudado na imagem que se produz do sujeito no mundo versus a imagem esquematizada desse sujeito no discurso. O lugar e o papel social com finalidades próprias, seus pré-construídos culturais e representações da situação de enunciação, do objeto do discurso, de seu auditório e as representações psicossociais de si mesmo. O sujeito enunciador é construído pelo discurso, por meio das marcas visíveis na enunciação. E o ethos se constrói no conjunto, na totalidade das marcas enunciativas. E as marcas enunciativas possibilitam a emergência de uma imagem que determina os processos de interação e a configuração da identidade. É por meio de textos e estes necessariamente realizados em algum gênero que nos comunicamos, ou seja, por meio de certas composições de enunciados estabilizados que ocorrem nos eventos comunicativos relacionados às práticas sociais institucionalizadas. Os gêneros, para Marcuschi (2000), são fenômenos sociais comunicativos. Uma tentativa de análise de qualquer gênero, portanto, não pode deixar de privilegiar o aspecto da funcionalidade sócio-comunicativa. Quando dominamos um gênero textual, não dominamos apenas uma forma lingüística e sim uma operação genérica de realizar objetivos específicos em situações sociais particulares (MARCUSCHI, 2005). O folder bancário tem como um de seus objetivos, talvez o principal, a fidelização de clientes. Ou seja, utilizando-se de diversos recursos argumentativos busca seduzir o leitor/cliente. Portanto, a construção do ethos está intimamente relacionada com a noção de gênero textual, pois, uma eventual mudança de gênero acarretaria em outras construções das imagens discursivas do enunciador. Outro teórico que sustenta nosso trabalho é Bakhtin (1979; 1992). Para o filósofo russo, gêneros seriam as formas relativamente estáveis de enunciados acrescidas das funções comunicativas (intenções pragmáticas) e realizadas dialogicamente na interação verbal. O folder bancário é visto neste nosso trabalho como gênero, é um poderoso instrumento de organização da vida social e serve para construir o elo dialógico entre os bancos e os seus clientes. Os gêneros não são apenas conjuntos de enunciados relativamente estáveis, segundo Bakhtin (1992); mas formas de vida, modos de ser. Ou formas de ação social sancionadas e que organizam as nossas atividades comunicativas. Os lugares nos quais o sentido é construído. São os lugares para criarmos ações comunicativas inteligíveis uns com os outros. (BAZERMAN, 2005; 2006) O folder bancário é uma das tentativas de auto-promoção da instituição e de divulgação e manutenção de sua imagem no mercado global capitalista e, portanto, um dos recursos retóricos de interação comunicativa que confere a existência institucional a um banco na sociedade. O folder é sem dúvida, um dos principais gêneros textuais utilizados pelos bancos para a promoção da imagem e presença no meio social. Na perspectiva da interação verbal, duas dimensões são estudadas: a dimensão da enunciação enunciada, relacionada ao caráter da subjetividade, do diálogo que se estabelece entre o banco e seus clientes; e a dimensão do enunciado enunciado, relacionado ao caráter de objetividade. Se a interação está relacionada com o processo de comunicação, segundo Barros (2003), Estudos Lingüísticos XXXVI(3), setembro-dezembro, p. 40 / 44

3 está também ligada à construção de sentidos e de identidades. O ethos, portanto, é construído no processo de interação verbal, no funcionamento da linguagem. As diferentes escolhas das pessoas do discurso nos anúncios dos bancos mostram que esses procedimentos contribuem também para a construção das identidades. 2. Estratégias de análise e referencial metodológico Com o objetivo de analisar como se dá a construção da imagem discursiva bem como descrever e analisar os métodos e estratégias enunciativas utilizados nas propagandas de bancos em fôlderes, a base empírica de dados foi uma amostra de dois fôlderes dos bancos: Banco do Brasil e Banco Itaú recolhidos em agências bancárias no centro de Curitiba em dezembro de Delimitamos três planos de análise: 1. Plano da situação de ação de linguagem e do contexto de produção. 2. Plano da organização interna dos enunciados e da dimensão enunciativa. 3. Plano das propriedades discursivas e lingüísticas, ou seja, os mecanismos de textualização. A análise do primeiro plano, a das condições de produção do folder, é fundamental para compreender as imagens discursivas e depreender a construção do ethos. Em outubro de 2005, o Governo do Estado do Paraná encerrou o contrato aditivo com o Banco Itaú e todos os pagamentos dos servidores públicos estaduais passaram a ser feitos pelo Banco do Brasil. Portanto, os bancos travaram uma competição: o último para conseguir novos clientes; o primeiro para manter os clientes. As verdadeiras promessas e tentativas de persuasão mediante os recursos da mídia foram realizadas por diversos gêneros e por estratégias de publicidade diversificadas, além dos fôlderes, tais como outdoors, banners, propagandas em rádio, revistas, jornais e televisão. Interessante observar que o público-alvo é o mesmo, porém, designado de forma diferente por ambos os bancos. Pelo Banco do Brasil, como Servidor Público do Governo do Estado do Paraná. Pelo Itaú, como Funcionário Público do Estado do Paraná. Ou seja, os papéis sociais temáticos dos servidores públicos destinatários da intenção comunicativa são abordados distintamente e contribuem para a construção das identidades dos bancos anunciantes e estabelecer o tom da interação verbal entre os interlocutores. No segundo plano de análise, da organização interna e da dimensão enunciativa, percebemos no folder do Banco do Brasil o predomínio da imagem de uma mulher executiva sorrindo, dando as boas vindas aos servidores públicos. Essa imagem de mulher bem vestida, sorridente e de braços cruzados, de forma descontraída, toma o centro de visualização do folder e, logo abaixo, com predominância das cores do Banco do Brasil as primeiras saudações dirigidas ao cliente visado, o servidor público do Estado do Paraná: Bem-vindo ao Banco do Brasil e insere-se no interdiscurso do já-dito para um fato social consumado pelo governo, qual seja, o de que o pagamento dos vencimentos passaria a ser feito por outro banco. E essa mudança que vai render muitas vantagens para você permite no interdiscurso a construção da imagem discursiva de uma instituição que oferece muitas vantagens, além da experiência e segurança enumeradas exclusivamente para os servidores públicos estaduais, no Estudos Lingüísticos XXXVI(3), setembro-dezembro, p. 41 / 44

4 verso do folder. Percebemos que a construção do ethos dá-se a partir de uma visão séria de instituição tradicional experiente e que demonstra segurança aos clientes. A imagem que se projeta discursivamente é a de um banco cortesão, que dá as boas vindas de forma segura e demonstra credibilidade. A retórica da imagem sustenta a argumentação expressa em palavras. No verso do folder, o leitor a-locutário encontra uma forma de complementação à saudação inicial a de que só tem a ganhar em ser cliente do Banco do Brasil, afinal, o Banco constrói a imagem de si como aquele que está o tempo todo com você. Não haveria outra alternativa a muitos dos servidores públicos a não ser aceitar a mudança de banco. Portanto, o Banco do Brasil se mostra ao novo cliente exclusivo de forma confiante, como a figura da mulher que predomina no folder. Passar a contar com a experiência e a segurança do Banco do Brasil é argumento enunciativo que busca seduzir o cliente. A enumeração de vantagens é, também, uma das estratégias argumentativas utilizadas para o convencimento do cliente, em especial ao mencionar as percentagens de descontos em seguros tais como os de automóveis, consórcios e seguro residencial, oferecidos exclusivamente aos novos clientes focos do folder: os servidores do Governo do Estado do Paraná. Portanto, o folder mostra a imagem institucional do banco como recurso retórico de convencimento dos seus clientes. No segundo plano de análise, ou seja, da perspectiva enunciativa, podemos analisar a enunciação enunciada e o enunciado enunciado de cada banco, seguindo Barros (2003). A enunciação enunciada, relacionada à subjetividade, encontra-se nas seguintes passagens: Procure uma de nossas agências. (Banco do Brasil). O Itaú tem a maior satisfação em ter você como nosso cliente. Para quem está há tanto tempo conosco. (Banco Itaú). Temos a maior satisfação em manter você como cliente. (Banco Itaú) Para conhecer melhor as suas condições, fale com um dos nossos gerentes. (Banco Itaú). Segundo Barros (2003, p.25), o uso de nós produz, além dos efeitos de subjetividade e de aproximação da enunciação, o efeito de sentido de identificação com o destinatário, de anulação da distância entre o banco-destinador e o cliente-destinatário, que são apresentados como sujeitos que pensam e sentem da mesma forma. Percebe-se, nas passagens transcritas, a valorização do trabalho em equipe bem como uma certa pitadinha de modéstia e consideração; afinal, coletivamente o banco é constituído por agências, clientes, gerentes e serviços. Já a enunciação enunciada em terceira pessoa do discurso (ele, o banco) enfraquece a intimidade dos laços estabelecidos entre os interlocutores e acentua a assimetria e o distanciamento das relações interativas como nos exemplos abaixo: Você só tem a ganhar em ser cliente do Banco do Brasil. Seja bem-vindo ao Banco do Brasil. Você que é servidor do Estado do Paraná passa a contar com a experiência e a segurança do Banco além de uma série de vantagens. Continue com o Itaú e tenha muito mais vantagens. O Itaú tem a maior satisfação em ter você como nosso cliente. Estudos Lingüísticos XXXVI(3), setembro-dezembro, p. 42 / 44

5 O Itaú continuará fazendo o máximo para atender às suas expectativas, merecendo a sua preferência. Afinal, o Itaú é o banco feito para você. Na dimensão do enunciado enunciado, ou seja, o da objetividade, o da racionalidade sem nenhuma afetividade, o predomínio do discurso em terceira pessoa cria a imagem de um banco objetivo, com efeitos de realidade, de confiança, de credibilidade. Esse tipo de discurso é utilizado, sobretudo, pelos bancos que querem construir imagens de objetividade e seriedade e ou de refinamento, sofisticação, educação, já que há pouca proximidade afetiva ou emocional. Podemos perceber essa imagem no folder do Banco do Brasil que utiliza apenas a enunciação enunciada na passagem Procure uma de nossas agências. Num terceiro plano de análise, o dos mecanismos de textualização, percebemos o predomínio da linguagem persuasiva com o foco direcionado a um você coletivo, tematizado na figura do Servidor do Governo do Estado do Paraná (Banco do Brasil) e ou do Funcionário Público do Estado do Paraná (Banco Itaú). Bem como o uso de alguns verbos no imperativo, tais como: Procure uma de nossas agências e conheça a linha completa de produtos e serviços exclusiva para você. (Banco do Brasil) Continue com o Itaú e tenha muito mais vantagens. Para conhecer melhor as suas condições especiais, contate a Central de Atendimento. (Banco Itaú) Confira os benefícios que você terá mantendo a sua conta no Itaú. O folder bancário, portanto, mostra aos leitores/clientes por meio de estratégias argumentativas quem é o banco e como se apresenta no jogo da sedução discursiva na promoção de sua imagem, de seu tom na fidelização de clientes. Ambos os bancos deixam pistas enunciativas e imagens que constroem o ethos. O Banco do Brasil sustenta discursivamente o tom ou caráter da racionalidade, da objetividade, da confiança, da ponderação e da confiabilidade exemplificados e sustentados retoricamente na imagem feminina que predomina e representa a seriedade e confiabilidade que o banco merece dos seus clientes. O Banco Itaú, o de sinceridade, simplicidade e de complacência sustentados no predomínio da subjetividade. Portanto, estudar o ethos é, antes de mais nada, apontar os leques de representações sociais e conflitos de discursos construídos no jogo enunciativo que se realiza nas interações verbais mediadas pelos gêneros textuais. As atitudes responsivas dos interlocutores na construção de sentidos passam necessariamente pelo jogo das imagens que se estabelecem no processo de interação comunicativa. Em nosso trabalho, a emergência da nova retórica apontada por Reboul (2000) é fundamental para o estudo do ethos em folderes bancários, afinal, o predomínio do não-verbal em consonância com o verbal faz emergir e ampliar as imagens de si no discurso. A retórica da imagem está também a serviço do discurso em detrimento da argumentação, da persuasão, do convencimento. Neste jogo dos discursos persuasivos ideologicamente contraditórios, estudar os argumentos que se sustentam no ethos é um interessante exercício de análise. 1 Estudos Lingüísticos XXXVI(3), setembro-dezembro, p. 43 / 44

6 Referências AMOSSY, R. Da noção retórica de ethos à análise do discurso. In:. (org.) Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, p O ethos na intersecção das disciplinas: retórica, pragmática, sociologia dos campos. In:. (org.) Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, p ARISTÓTELES. Arte retórica e Arte poética. São Paulo: Ediouro, s.d. BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. Rio de Janeiro: Hucitec, Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, BARROS, D. L. P. Interação em anúncios publicitários. In: PRETI, D. (Org.) Interação na fala e na escrita. 2. ed. São Paulo: Humanitas, p BAZERMAN, C. Gêneros textuais, tipificação e interação. São Paulo: Cortez, Gênero, agência e escrita. São Paulo: Cortez, DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, MAINGUENEAU, D. Novas tendências em análise do discurso. São Paulo: Martins Fontes, Ethos, cenografia, incorporação. In: AMOSSY, R. (org.) Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, p MARCUSCHI, L. A. Os desafios da identificação do gênero textual nas atividades de ensino: propósitos comunicativos versus forma estrutural. In: CONFERÊNCIA no III SIGET, UFSM, Santa Maria, (mimeo.). Gêneros textuais: o que são e como se constituem. Recife: UFPE, (mimeo.) REBOUL, O. Introdução à retórica. São Paulo: Martins Fontes, Este trabalho faz parte da tese a ser defendida no curso de Doutorado em Letras na UFPR sob orientação da professora Dra. Iara Bemquerer Costa (UFPR) e co-orientação da professora Dra. Ângela Paiva Dionísio, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Agradeço a elas pelas discussões e colaborações preci(o)sas. Estudos Lingüísticos XXXVI(3), setembro-dezembro, p. 44 / 44

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE IMAGEM DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA

A CONSTRUÇÃO DE IMAGEM DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA A CONSTRUÇÃO DE IMAGEM DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA Carlos Alexandre Nascimento Aragão (UNIT) 1 1. UMA BREVE ABORDAGEM SOBRE A ANÁLISE DO DISCURSO O discurso é concebido por Pêcheux (1988) como um

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO BECK, Eliane Maria Cabral (UNIOESTE)² PALAVRAS-CHAVE: interpretação, interlocutor, contexto. Resumo: Pretende-se, com este trabalho, analisar a transmissão de informação expressa

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O ETHOS DO BANCO DO BRASIL NA CAMPANHA PUBLICITÁRIA BOM PRA TODOS Letícia Reis de Oliveira (UEMS) leticia_reis_oliveira@hotmail.com Aline Saddi Chaves (UEMS) alinechaves@uems.br RESUMO O presente trabalho

Leia mais

A TENDÊNCIA DE SUBVERTER UM GÊNERO EM OUTRO: O BOOM CRIATIVO NA PUBLICIDADE

A TENDÊNCIA DE SUBVERTER UM GÊNERO EM OUTRO: O BOOM CRIATIVO NA PUBLICIDADE A TENDÊNCIA DE SUBVERTER UM GÊNERO EM OUTRO: O BOOM CRIATIVO NA PUBLICIDADE Thiago Leonardo Ribeiro (Bolsista PIBIC UENP/Fundação Araucária) Vera Maria Ramos Pinto (GP Leitura e Ensino CLCA - UENP/CJ)

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO ETHOS INSTITUCIONAL EM ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS

A CONSTRUÇÃO DO ETHOS INSTITUCIONAL EM ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS A CONSTRUÇÃO DO ETHOS INSTITUCIONAL EM ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS Acir Mário KARWOSKI 1 Iara Bemquerer COSTA 2 RESUMO: O objetivo deste artigo é descrever os princípios de constituição do ethos institucional

Leia mais

GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística)

GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística) GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística) Luana Gerçossimo Oliveira 1 Universidade Federal de Viçosa (UFV) Este artigo traz uma breve discussão teórica

Leia mais

Objetivo Geral: Levar o aluno a se apropriar das características sócio-discursivas do gênero anúncio publicitário social.

Objetivo Geral: Levar o aluno a se apropriar das características sócio-discursivas do gênero anúncio publicitário social. IDENTIFICAÇÃO Área: Língua Portuguesa. Professora PDE: Marli Gorla. Professora Orientadora: Lílian Cristina Buzato Riter. Material Didático Seqüência Didática. Plano de Aula = Módulo I = Leitura e Análise

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

A intencionalidade da escola no outdoor 1

A intencionalidade da escola no outdoor 1 A intencionalidade da escola no outdoor 1 Adriana Alves de Santana Santos Antonieta Emanuelle Santos da Silva Cainã Teixeira Marques Luana Braz Profª. Drª. Denise Porto Cardoso Introdução O gênero outdoor

Leia mais

A PROJEÇÃO DO ETHOS NO DISCURSO PANFLETÁRIO: POSSIBILIDADE DE PERSUASÃO

A PROJEÇÃO DO ETHOS NO DISCURSO PANFLETÁRIO: POSSIBILIDADE DE PERSUASÃO A PROJEÇÃO DO ETHOS NO DISCURSO PANFLETÁRIO: POSSIBILIDADE DE PERSUASÃO Waldivia Maria de Jesus RESUMO: As reflexões acerca da noção de ethos centram-se nas estratégias argumentativas que o enunciador

Leia mais

Contribuição da teoria da argumentação na língua para os estudos da retórica

Contribuição da teoria da argumentação na língua para os estudos da retórica Contribuição da teoria da argumentação na língua para os estudos da retórica (Contribution of the argumentation theory in language for rhetorical studies) Mônica Mendes e Silva Rocha Universidade Cruzeiro

Leia mais

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Lucas Piter Alves Costa 1 Por que estudar gêneros? Como estudá-los? Qual a importância que o domínio de seus estudos pode

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O PAPEL DA HIBRIDIZAÇÃO DE GÊNEROS NA PUBLICIDADE Juliely Veiga Gomes (UFV) julielyveiga@gmail.com Dayane Sávia Monteiro (UFV) dayanesavia@yahoo.com.br RESUMO Este trabalho visa investigar a manifestação

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

Unidade IV. Ciência - O homem na construção do conhecimento. APRENDER A APRENDER LÍNGUA PORTUGUESA APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Unidade IV. Ciência - O homem na construção do conhecimento. APRENDER A APRENDER LÍNGUA PORTUGUESA APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA A A Unidade IV Ciência - O homem na construção do conhecimento. 2 A A Aula 39.2 Conteúdos: Anúncio publicitário: A construção de um anúncio publicitário. 3 A A Habilidades: Relacionar linguagem verbal

Leia mais

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda PUBLICIDADE X PROPAGANDA PUBLICIDADE Deriva de público (latim: publicus) Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda

Leia mais

LEITURA DE PROPAGANDA IMPRESSA

LEITURA DE PROPAGANDA IMPRESSA 417 LEITURA DE PROPAGANDA IMPRESSA Maria Aparecida Garcia LOPES-ROSSI Universidade de Taubaté Resumo Este artigo enfoca parte dos resultados de uma pesquisa cujo principal objetivo era contribuir para

Leia mais

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Jacqueline Calisto Costa Raquel de Paula Pinto Soares RESUMO A abordagem semiótica entende o texto como uma unidade de sentido, independente da linguagem.

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da UESC PROIC/UESC 2011-2012. Projeto de Pesquisa do Orientador

Programa de Iniciação Científica da UESC PROIC/UESC 2011-2012. Projeto de Pesquisa do Orientador Programa de Iniciação Científica da UESC PROIC/UESC 2011-2012 Projeto de Pesquisa do Orientador Informações gerais do projeto Orientador: Eduardo Lopes Piris Título do Projeto: Análise do Discurso e Argumentação:

Leia mais

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO META Discutir a heterogeneidade discursiva como constitutiva da linguagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR Marta Aline Buckta (G-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora CLCA-UENP/CJ) Introdução Motivada pelo desejo e pela necessidade,

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE INTERGÊNEROS NA PUBLICIDADE

INTERTEXTUALIDADE INTERGÊNEROS NA PUBLICIDADE INTERTEXTUALIDADE INTERGÊNEROS NA PUBLICIDADE LILIAN DE PINHO BOTELHO (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PUCSP). Resumo INTERTEXTUALIDADE INTERGÊNEROS NA PUBLICIDADE Lilian de Pinho BOTELHO

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Gêneros discursivos. Gêneros sociais. Livro didático. Representação.

PALAVRAS-CHAVE Gêneros discursivos. Gêneros sociais. Livro didático. Representação. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

PICCARDI, T. O sujeito da AD: um conceito em transformação. Revista Intercâmbio, volume XV. São Paulo: LAEL/PUC-SP, ISSN 1806-275X, 2006.

PICCARDI, T. O sujeito da AD: um conceito em transformação. Revista Intercâmbio, volume XV. São Paulo: LAEL/PUC-SP, ISSN 1806-275X, 2006. O SUJEITO DA AD: UM CONCEITO EM TRANSFORMAÇÃO Tatiana PICCARDI (Universidade de São Paulo) ABSTRACT: the concept Subject in discourse analysis, specially in French discourse analysis, is changing. In fact,

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA Themis Rondão Barbosa 1 IFMS Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um texto publicitário da SKY publicado na revista Veja (n.

Leia mais

ETHOS: UM PERCURSO DA RETÓRICA À ANÁLISE DO DISCURSO

ETHOS: UM PERCURSO DA RETÓRICA À ANÁLISE DO DISCURSO ETHOS: UM PERCURSO DA RETÓRICA À ANÁLISE DO DISCURSO Priscila Peixinho Fiorindo 1 A felicidade consiste em ações perfeitamente conforme a virtude, e entendemos por virtude não a virtude relativa, mas a

Leia mais

O ETHOS DA MARCA: 1 Análise da Publicidade no Processo de Construção das Marcas Contemporâneas. Nelson Soares Pereira Junior 2 UFBA/UFOB

O ETHOS DA MARCA: 1 Análise da Publicidade no Processo de Construção das Marcas Contemporâneas. Nelson Soares Pereira Junior 2 UFBA/UFOB 1 O ETHOS DA MARCA: 1 Análise da Publicidade no Processo de Construção das Marcas Contemporâneas Nelson Soares Pereira Junior 2 UFBA/UFOB Adriana Telles 3 Resumo: Na perspectiva da Análise de Discurso

Leia mais

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES RESUMO

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES RESUMO ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES Jamires Nobre Menezes de Oliveira ( UNEB). RESUMO Este trabalho apresenta os elementos constituintes do discurso estabelecidos entre

Leia mais

15ª Jornada Nacional de Literatura Leituras jovens do mundo. Marcas ideológicas da língua: Um estudo da discursividade no programa Show da Fé

15ª Jornada Nacional de Literatura Leituras jovens do mundo. Marcas ideológicas da língua: Um estudo da discursividade no programa Show da Fé Marcas ideológicas da língua: Um estudo da discursividade no programa Show da Fé Izabel Seehaber i () INTRODUÇÃO A temática deste trabalho se apresenta ancorada em conceitos e pressupostos de Bakhtin (a999)

Leia mais

THE CONSTRUCTION OF IDENTITIES OF SCIENCE IN GALILEU MAGAZINE

THE CONSTRUCTION OF IDENTITIES OF SCIENCE IN GALILEU MAGAZINE THE CONSTRUCTION OF IDENTITIES OF SCIENCE IN GALILEU MAGAZINE Natália Martins Flores (Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação/PPGCOM- UFSM. E-mail: nataliflores@gmail.com) Ada Cristina Machado

Leia mais

O CONSELHO EM REVISTAS FEMININAS: DAR OU PEDIR? UMA QUESTÃO DE AUTORIDADE 1

O CONSELHO EM REVISTAS FEMININAS: DAR OU PEDIR? UMA QUESTÃO DE AUTORIDADE 1 O CONSELHO EM REVISTAS FEMININAS: DAR OU PEDIR? UMA QUESTÃO DE AUTORIDADE 1 Adriana Letícia Torres da Rosa 2 Resumo: Este trabalho tem como proposta analisar as marcas de intertextualidade, especificamente

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DISCURSIVA DE INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS NA MÍDIA: ITAÚ PERSONNALITÉ E BANCO DO BRASIL

A CONSTITUIÇÃO DISCURSIVA DE INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS NA MÍDIA: ITAÚ PERSONNALITÉ E BANCO DO BRASIL 381 A CONSTITUIÇÃO DISCURSIVA DE INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS NA MÍDIA: ITAÚ PERSONNALITÉ E BANCO DO BRASIL Andréia Nogueira Ferreira UNIFRAN Mª Silvia Olivi Louzada UNIFRAN O universo do discurso engloba os

Leia mais

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM língua estrangeira moderna Comparativos Curriculares SM inglês ensino médio A coleção Alive High Língua Estrangeira Moderna Inglês e o currículo do Estado de Goiás

Leia mais

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS RELACIONADOS À FUNÇÃO REFERENCIAL: RESUMO RESUMO DESCRITIVO > Resume estrutura temática > Inclui

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO ARRANJO SINTÁTICO PARA A PRODUÇÃO DE SENTIDOS DE UM TEXTO PUBLICITÁRIO

CONTRIBUIÇÃO DO ARRANJO SINTÁTICO PARA A PRODUÇÃO DE SENTIDOS DE UM TEXTO PUBLICITÁRIO 71 CONTRIBUIÇÃO DO ARRANJO SINTÁTICO PARA A PRODUÇÃO DE SENTIDOS DE UM TEXTO PUBLICITÁRIO Rafaela Araújo Jordão Rigaud Peixoto Universidade Federal de Pernambuco Resumo A compreensão da estrutura e dos

Leia mais

O gênero textual no suporte jornal: controvérsias e proposta

O gênero textual no suporte jornal: controvérsias e proposta O gênero textual no suporte jornal: controvérsias e proposta João Batista Perles Índice 1 Introdução........................ 2 2 Controvérsias e proposta................ 4 3 Referências bibliográficas................

Leia mais

ANAIS 2010 ISSN 1808-3579 CARACTERÍSTICAS DO GÊNERO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO SOB AS ÓTICAS DE BAKHTIN E BRONCKART RESUMO

ANAIS 2010 ISSN 1808-3579 CARACTERÍSTICAS DO GÊNERO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO SOB AS ÓTICAS DE BAKHTIN E BRONCKART RESUMO CARACTERÍSTICAS DO GÊNERO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO SOB AS ÓTICAS DE BAKHTIN E BRONCKART Tatiele J. Faria (GP - Leitura e Ensino CLCA-UENP/ CJ) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora - GP Leitura e Ensino CLCA

Leia mais

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE Kleiton Cassemiro do Nascimento¹ DLLEM / UFRN Kleitoncass@gmail.com RESUMO Este trabalho tem como objetivo fazer uma análise dos mecanismos de coesão adotados

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO. PALAVRAS-CHAVE: propaganda; argumentação; verbo no imperativo; sequência injuntiva.

O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO. PALAVRAS-CHAVE: propaganda; argumentação; verbo no imperativo; sequência injuntiva. O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO Diana de Oliveira MENDONÇA 1 Maíra Dévely Silva BORGES 2 Sunamita Sâmela Simplício da SILVA 3 Departamento de Línguas e Literaturas Estrangeiras Modernas/UFRN

Leia mais

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p.

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. RESENHA/REVIEW ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. Resenhado por/by: Acir Mario KARWOSKI (Universidade Federal do Triângulo Mineiro)

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

BAKHTIN, M. Palavra própria e palavra outra na sintaxe da enunciação. A palavra na vida e na poesia: introdução ao problema da poética sociológica

BAKHTIN, M. Palavra própria e palavra outra na sintaxe da enunciação. A palavra na vida e na poesia: introdução ao problema da poética sociológica BAKHTIN, M. Palavra própria e palavra outra na sintaxe da enunciação. A palavra na vida e na poesia: introdução ao problema da poética sociológica. São Carlos: Pedro & João Editores, 2011. 184p. / M. Bakhtin.

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 EDUCAÇÃO E MERCADO: A COMODIFICAÇÃO DAS PRÁTICAS DISCURSIVAS DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS Derli Machado de Oliveira (UFS) derli_machado@hotmail.com INTRODUÇÃO A mercantilização da educação talvez seja, de

Leia mais

A constituição do ethos feminino da personagem Mônica de Maurício de Sousa

A constituição do ethos feminino da personagem Mônica de Maurício de Sousa A constituição do ethos feminino da personagem Mônica de Maurício de Sousa Andreia Cristina da Silva Mestranda em Lingüística do Programa de Pós-graduação em Lingüística da Universidade de Franca (UNIFRAN)

Leia mais

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO TEXTUAL

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO TEXTUAL 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO

Leia mais

Ao pé da letra,7:73-80, 2005 DESENHO ANATÔMICO: UMA ANÁLISE MULTIMODAL. Larissa Rossiter Gonzaga 1 Universidade Federal de Pernambuco UFPE

Ao pé da letra,7:73-80, 2005 DESENHO ANATÔMICO: UMA ANÁLISE MULTIMODAL. Larissa Rossiter Gonzaga 1 Universidade Federal de Pernambuco UFPE Desenho anatômico: uma análise multimodal DESENHO ANATÔMICO: UMA ANÁLISE MULTIMODAL Larissa Rossiter Gonzaga 1 Universidade Federal de Pernambuco UFPE Resumo: Este trabalho tem por finalidade analisar

Leia mais

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental - SEPesq Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental Renata Faria A. Silva da Rosa Mestranda Letras/Linguística PPGL PUCRS renata.faria@acad.pucrs.br

Leia mais

IMAGENS DE SI DE TORCEDORAS DOS TIMES DE FUTEBOL BAHIA E VITÓRIA

IMAGENS DE SI DE TORCEDORAS DOS TIMES DE FUTEBOL BAHIA E VITÓRIA IMAGENS DE SI DE TORCEDORAS DOS TIMES DE FUTEBOL BAHIA E VITÓRIA Quezia dos Santos Lima 1 Um dos esportes mais populares no mundo, o futebol é praticado em vários países, especialmente no Brasil, onde

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

A PRODUÇÃO DOS CONSENSOS E A CONQUISTA DAS RESISTÊNCIAS NOS DISCURSOS ACERCA DA INCLUSÃO SOCIAL

A PRODUÇÃO DOS CONSENSOS E A CONQUISTA DAS RESISTÊNCIAS NOS DISCURSOS ACERCA DA INCLUSÃO SOCIAL A PRODUÇÃO DOS CONSENSOS E A CONQUISTA DAS RESISTÊNCIAS NOS DISCURSOS ACERCA DA INCLUSÃO SOCIAL João Benvindo de MOURA (UFPI) jbenvindo@ufpi.edu.br O NEPAD Núcleo de Estudos e Pesquisas em Análise do Discurso

Leia mais

Cantos distantes. 1. Justificativa. Maria Verúcia de Souza

Cantos distantes. 1. Justificativa. Maria Verúcia de Souza Cantos distantes Maria Verúcia de Souza 1. Justificativa A formação de cidadãos e cidadãs críticos(as), responsáveis e conscientes do seu papel no mundo, perpassa o currículo escolar e surge como um dos

Leia mais

Guy COOK. The Discourse of Advertising. London: Routledge. 2001. 256 pp. Second Edition. ISBN 0-415-23455-7 (Paperback)

Guy COOK. The Discourse of Advertising. London: Routledge. 2001. 256 pp. Second Edition. ISBN 0-415-23455-7 (Paperback) Alexandra Pinto 185 Guy COOK. The Discourse of Advertising. London: Routledge. 2001. 256 pp. Second Edition. ISBN 0-415-23455-7 (Paperback) Alexandra Pinto alexandrapinto@net.sapo.pt Faculdade de Letras

Leia mais

PROUNI: ETHOS E PATHOS NAS PUBLICIDADES OFICIAIS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

PROUNI: ETHOS E PATHOS NAS PUBLICIDADES OFICIAIS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROUNI: ETHOS E PATHOS NAS PUBLICIDADES OFICIAIS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Alice Meira Inácio 1 Universidade Federal de Ouro Preto RESUMO: Inúmeros trabalhos revelam a importância das provas persuasivas

Leia mais

ANÚNCIO PUBLICITÁRIO: UMA ABORDAGEM EM SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO. Palavras-chave: Gênero discursivo. Anúncio publicitário. Leitura e escrita.

ANÚNCIO PUBLICITÁRIO: UMA ABORDAGEM EM SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO. Palavras-chave: Gênero discursivo. Anúncio publicitário. Leitura e escrita. ANÚNCIO PUBLICITÁRIO: UMA ABORDAGEM EM SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO Dinara Soares CHACON 1 Maria Jaqueline da SILVA 2 Orientador (a): Profa. Drª. Maria da Penha Casado ALVES 3 Departamento de Letras -

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS EDITAL DE SELEÇÃO Nº 42/2015 PROFESSOR SUBSTITUTO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS EDITAL DE SELEÇÃO Nº 42/2015 PROFESSOR SUBSTITUTO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário - Viçosa, MG - 36570-000 - Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

MULTIMODALIDADE E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE SOCIAL EM MANCHETES JORNALÍSTICAS Michelle Martins de Mattos Rangel michellemichellinha@hotmail.

MULTIMODALIDADE E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE SOCIAL EM MANCHETES JORNALÍSTICAS Michelle Martins de Mattos Rangel michellemichellinha@hotmail. MULTIMODALIDADE E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE SOCIAL EM MANCHETES JORNALÍSTICAS Michelle Martins de Mattos Rangel michellemichellinha@hotmail.com 1. Introdução A manchete jornalística se configura em um gênero

Leia mais

O TESTE PILOTO: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA E DIALÓGICA NA PESQUISA QUALITATIVA EM EDUCAÇÃO

O TESTE PILOTO: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA E DIALÓGICA NA PESQUISA QUALITATIVA EM EDUCAÇÃO O TESTE PILOTO: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA E DIALÓGICA NA PESQUISA QUALITATIVA EM EDUCAÇÃO Cristiane Lisandra Danna (FURB) crisdanna@gmail.com RESUMO O teste piloto é um momento em que o pesquisador

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SUPORTE PARA A IDENTIFICAÇÃO DE UMA NOTÍCIA SATÍRICA* 1

A IMPORTÂNCIA DO SUPORTE PARA A IDENTIFICAÇÃO DE UMA NOTÍCIA SATÍRICA* 1 A IMPORTÂNCIA DO SUPORTE PARA A IDENTIFICAÇÃO DE UMA NOTÍCIA SATÍRICA* 1 Emanoel Barbosa de Sousa - UFC Maria Lourdilene Vieira Barbosa UFMG Resumo: Considerando os elementos responsáveis pela interpretação

Leia mais

ANÚNCIO PUBLICITÁRIO: SEDUÇÃO E PERSUASÃO NA LINGUAGEM

ANÚNCIO PUBLICITÁRIO: SEDUÇÃO E PERSUASÃO NA LINGUAGEM ANÚNCIO PUBLICITÁRIO: SEDUÇÃO E PERSUASÃO NA LINGUAGEM AIRES, Ângela Mª Leite 1 UEPB SILVA, Marcelo Medeiros da 2 (Orientador) UEPB Resumo: O presente artigo analisa o trabalho desenvolvido com o gênero

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1

SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1 SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1 ADILSON VENTURA DA SILVA Departamento de Estudos Linguísticos e Literários Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Estrada do Bem Querer, km 4 Centro

Leia mais

Vivências do acadêmico do curso de letras em busca de compreensões da sequenciação nas falas dos adolescentes

Vivências do acadêmico do curso de letras em busca de compreensões da sequenciação nas falas dos adolescentes Vivências do acadêmico do curso de letras em busca de compreensões da sequenciação nas falas dos adolescentes Cristina Maria de Oliveira 1 Resumo: Neste artigo, registramos parte do estudo desenvolvido

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: MARCAS DE INTERATIVIDADE EM MATERIAIS DIDÁTICOS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: MARCAS DE INTERATIVIDADE EM MATERIAIS DIDÁTICOS EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: MARCAS DE INTERATIVIDADE EM MATERIAIS DIDÁTICOS Ariana Barbosa de Melo Oliveira Borges 1 ; Maria Virgínia Leal 2 1 Estudante do Curso de Letras. CAC UFPE; E-mail: arilinaborges@hotmail.com,

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SEQUÊNCIA

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1 Larissa Nogueira de Oliveira 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

ETHOS E ESTEREÓTIPO: ANÁLISE DA CAMPANHA DA KIBON

ETHOS E ESTEREÓTIPO: ANÁLISE DA CAMPANHA DA KIBON ETHOS E ESTEREÓTIPO: ANÁLISE DA CAMPANHA DA KIBON ETHOS AND STEREOTYPE: ANALYSIS OF A KIBON CAMPAIGN Adriana da Silva* Maria Carmen Aires Gomes** Resumo Neste trabalho, discutimos, por meio de abordagens

Leia mais

MARCAS DO INTERLOCUTOR EM CARTAS PRODUZIDAS NA QUESTÃO DE REDAÇÃO DO PSS 2008 DA UFPB

MARCAS DO INTERLOCUTOR EM CARTAS PRODUZIDAS NA QUESTÃO DE REDAÇÃO DO PSS 2008 DA UFPB MARCAS DO INTERLOCUTOR EM CARTAS PRODUZIDAS NA QUESTÃO DE REDAÇÃO DO PSS 2008 DA UFPB (The Interlocutor Presence In Letters Produced By Students At Pss 2008 At Ufpb) Erivaldo Pereira Do Nascimento UFPB

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

VENDE-SE JUVENTUDE : UMA ANÁLISE DE ASPECTOS DA TEORIA SEMIOLINGUÍSTICA EM ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS DA REVISTA MARIE CLAIRE

VENDE-SE JUVENTUDE : UMA ANÁLISE DE ASPECTOS DA TEORIA SEMIOLINGUÍSTICA EM ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS DA REVISTA MARIE CLAIRE III Simpósio Nacional Discurso, Identidade e Sociedade (III SIDIS) DILEMAS E DESAFIOS NA CONTEMPORANEIDADE VENDE-SE JUVENTUDE : UMA ANÁLISE DE ASPECTOS DA TEORIA SEMIOLINGUÍSTICA EM ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO Neusa Kreuz 1 RESUMO: É indiscutível a grande importância da linguagem oral no processo interacional humano. Trata-se da primeira

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

O GÊNERO TEXTUAL ANÚNCIO PUBLICITÁRIO NOS LIVROS DIDÁTICOS

O GÊNERO TEXTUAL ANÚNCIO PUBLICITÁRIO NOS LIVROS DIDÁTICOS O GÊNERO TEXTUAL ANÚNCIO PUBLICITÁRIO NOS LIVROS DIDÁTICOS LIMA, Antônio Rafael de Queiroz (UEPB / CAMPUS IV) SILVA, Flaviana de Figueiredo (UEPB / CAMPUS IV) RESUMO O presente artigo aborda o gênero textual

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TEXTO, SUA EXPANSÃO E DOMÍNIO EM LINGUÍSTICA TEXTUAL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TEXTO, SUA EXPANSÃO E DOMÍNIO EM LINGUÍSTICA TEXTUAL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TEXTO, SUA EXPANSÃO E DOMÍNIO EM LINGUÍSTICA TEXTUAL Ederson Henrique de Souza Machado 1 Introdução Os fenômenos textuais ingressam essencialmente no âmbito epistemológico

Leia mais

ÍNDICES SOCIAIS DE VALOR: MASS MEDIA, LINGUAGEM E ENVELHECIMENTO

ÍNDICES SOCIAIS DE VALOR: MASS MEDIA, LINGUAGEM E ENVELHECIMENTO ÍNDICES SOCIAIS DE VALOR: MASS MEDIA, LINGUAGEM E ENVELHECIMENTO Denise Regina Stacheski - UTP denise.stacheski@utp.br Giselle Aparecida Athayde Massi - UTP giselle.massi@utp.br Introdução: O resumo estendido

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS 1 A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS RESUMO: Este trabalho apresenta a pesquisa, que está em andamento, que tem como objetivo

Leia mais

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Silvio Profirio da Silva¹ Durante décadas, o ensino de Língua Portuguesa desenvolvido em nossas escolas limitou - se à análise e à classificação

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

ENSINO DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONTRIBUIÇÕES DA LINGUISTICA TEXTUAL

ENSINO DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONTRIBUIÇÕES DA LINGUISTICA TEXTUAL ENSINO DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONTRIBUIÇÕES DA LINGUISTICA TEXTUAL FATIMA APARECIDA DE SOUZA MARUCI (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA - SÃO PAULO). Resumo A presente pesquisa objetiva

Leia mais

Anais do IX Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216

Anais do IX Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 A REPRESENTAÇÃO DA MULHER NAS CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS DE CERVEJA. VALORIZAÇÃO DA FEMINILIDADE OU ESTEREÓTIPO DE MULHER OBJETO? Marco Antônio Rosim Vivian Fernandes Silva (G CLCA-UENP/CJ) Luiz Antonio Xavier

Leia mais

Formação do professor e do trabalho escolar: novas leis, velhas práticas no processo de(s)construção discursiva 1

Formação do professor e do trabalho escolar: novas leis, velhas práticas no processo de(s)construção discursiva 1 1 Formação do professor e do trabalho escolar: novas leis, velhas práticas no processo de(s)construção discursiva 1 Silvair FÉLIX 2 Prof. Dr. Alexandre COSTA 3 Palavras-chave: Análise do Discurso. Bakhtin.

Leia mais

LEITURA DE TEXTOS GRÁFICO-VISUAIS APOIADA NA ANÁLISE LINGUÍSTICA

LEITURA DE TEXTOS GRÁFICO-VISUAIS APOIADA NA ANÁLISE LINGUÍSTICA LEITURA DE TEXTOS GRÁFICO-VISUAIS APOIADA NA ANÁLISE LINGUÍSTICA Claudia de Souza Teixeira RESUMO:Este artigo objetiva mostrar que, no trabalho com a leitura, o professor de língua materna deve realizar

Leia mais

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Eveline Mattos Tápias-Oliveira Vera Lúcia Batalha de Siqueira Renda Maria do Carmo Souza de Almeida Maria de

Leia mais

CEPPG Coordenação de Extensão, Pesquisa e Pós Graduação 1

CEPPG Coordenação de Extensão, Pesquisa e Pós Graduação 1 1 Nome do curso: Área: O Curso: ARGUMENTAÇÃO E ANÁLISE DO DISCURSO Direito Destinados aos profissionais da área do Direito o curso fornece subsídios necessários à prática do cotidiano forense no que se

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

O USO DOS GÊNEROS TEXTUAIS NA ALFABETIZAÇÃO: CRENÇAS QUE NORTEIAM A PRÁTICA DOCENTE

O USO DOS GÊNEROS TEXTUAIS NA ALFABETIZAÇÃO: CRENÇAS QUE NORTEIAM A PRÁTICA DOCENTE O USO DOS GÊNEROS TEXTUAIS NA ALFABETIZAÇÃO: CRENÇAS QUE NORTEIAM A PRÁTICA DOCENTE Lenir de Jesus Barcelos-Coelho 1 Ivonete Bueno 2 RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

Linguagem e persuasão: a referenciação na construção argumentativa de conselhos religiosos

Linguagem e persuasão: a referenciação na construção argumentativa de conselhos religiosos Linguagem e persuasão: a referenciação na construção argumentativa de conselhos religiosos Guilherme de Oliveira Barbosa Pedro Henrique de Oliveira Simões 1 Universidade Federal de Pernambuco Resumo: Discutimos

Leia mais