Companhia Hidro Elétrica do São Francisco- Chesf

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Companhia Hidro Elétrica do São Francisco- Chesf"

Transcrição

1 Robô Parcela Variável (ROBÔ PV), carro com Controle Remoto para Acessar Áreas Internas dos Bancos Capacitores e Compensadores Estáticos com a finalidade de Inspecionar e Retirar Objetos Estranhos ao Ambiente. Autores David Duarte Nunes Evandro Soares de Macedo Companhia Hidro Elétrica do São Francisco- Chesf

2 RESUMO Objetivou-se com este projeto a construção de um carro robótico (Robô Parcela Variável), com o intuito de cortar, rastelar e pulverizar com herbicidas as plantas de áreas internas aos bancos capacitores e compensadores estáticos de 69 e 230 kv, bem como inspecionar os locais de acesso restrito e a retirada de pequenos animais ou objetos estranhos ao ambiente - ROBÔ PV, podendo ser utilizado em qualquer subestação ou quaisquer outras áreas sob similares condições onde necessite evitar a exposição do homem aos riscos. Com o advento da parcela variável a partir de junho de 2008, onde são descontados até minutos da franquia, ou cobrados a indisponibilidade dos equipamentos em minutos, o carro robótico foi concebido para enfrentar este desafio da nova realidade do Sistema Elétrico de Potência - SEP. Os bancos de capacitores e compensadores estáticos de 69kV, não são penalizados com parcela variável, mas estes, quando desligados para corte e retirada de plantas no seu interior ficam indisponíveis para o sistema. Porém, os bancos capacitores e compensadores estáticos de 230kV trazem diminuição do faturamento das empresas e sofrem com a redução das horas de franquia.

3 INTRODUÇÃO As justificativas para concepção do carro robótico vêm já de algum tempo, ou seja, de aproximadamente sete anos, em 2002, pois já se comentava a chegada da Parcela Variável e os impactos no faturamento da Empresa; Esta somente passando vigorar em 3 de junho de Com intuito de minimizar os custos da empresa, quando da liberação de bancos capacitores de 69 e 230 kv, fim de cortar e pulverizar o mato dentro destes ambientes restritos surgiu a idéia de se construir um robô para realizar este tipo de atividade, sem risco para o homem e nem prejuízo para a empresa. Com a definição da data em que entraria em vigor a Parcela Variável, em janeiro de 2008 começou-se a realizar o projeto que era uma preocupação desde 2002, o carro robótico foi concebido para enfrentar este desafio da nova realidade do Sistema Elétrico de Potência - SEP. Os bancos de capacitores e compensadores estáticos de 69kV, não são penalizados com parcela variável, mas estes, quando desligados para corte e retirada de plantas no seu interior ficam indisponíveis para o sistema. Enquanto os bancos capacitores e compensadores estáticos de 230kV trazem diminuição no faturamento.

4 DESENVOLVIMENTO Inicialmente, buscou-se apoio técnico, e partiu-se para o desenvolvimento do robô, tendo como base um carro de controle remoto um pouco mais robusto, comercializado no mercado local. A opção foi pelo modelo MONSTER da DTC que tinha tração nas quatro rodas. Nele adaptou-se um reservatório para o herbicida juntamente com uma mini bomba do tipo utilizada pela partida a frio de automóveis, montando assim o conjunto responsável pela pulverização do herbicida. Depois, a preocupação foi com a parte que faria o corte das plantas. Neste caso foram testados vários métodos, uns mais eficientes, outros menos. Após erros e acertos, chegou-se ao modelo em se que utiliza um pequeno motor onde estão presas duas lâminas do tipo usadas em estilete, esta montagem foi feita em um suporte que deixa as bambas, para que as mesmas não quebrem num possível choque com as britas ou com as bases das estruturas dos equipamentos, o que aconteceu no modelo anterior do desenvolvimento, onde as lâminas eram fixas. Para o acionamento destas duas novas partes, a exemplo da responsável pelo corte e a responsável pela pulverização, foi necessário modificações da parte eletrônica do pequeno carro, onde foram acrescentados mais canais de radio. Nos primeiros testes, fizemos corte de plantas em tamanhos e tipos diferentes, obtendo um bom resultado, porém, com algumas lâminas quebradas. A modificação para lâminas bambas solucionou este problema. Com o acréscimo destas novas funções ao carro, houve uma maior demanda na capacidade de corrente da bateria, inviabilizando o uso do carro, limitando ao tempo de 15 minutos. Foi então trocada a bateria por uma de 12V e 7Ah, porém com 1,6 kg. Ganhou-se uma autonomia de 50 minutos e também um novo problema, a estrutura do carro de brinquedo era frágil, não suportando tal peso quando em uso mais exigente. Fizeram-se mesmo assim duas limpezas no CE de CGD, com ótimos resultados, mas com a certeza da necessidade de modificar a estrutura do carro robô, pois precisava de mudanças na velocidade, considerada alta para aquelas atividades, bem como, ser

5 mais robusto para suportar a nova bateria e mais outros acessórios que viriam como um rastelo e uma plataforma para a retirada de animais ou objetos. As modificações estruturais começaram pela análise das engrenagens, seguidas de remanejamentos em suas posições e confecções de novas engrenagens. As novas engrenagens foram feitas inicialmente por meios de cópias em acrílicos, porém não resistiram aos esforços causados pelas áreas britadas. Tentamos engrenagens em Nylon, entretanto, a qualidade e os dentes pequenos deixaram o robô com muitos problemas. Resolvemos então substituir os motores por modelos que tivessem redução própria e robustez adequada; a escolha foi pelos utilizados e vidros elétricos de carro, sendo escolha acertada, principalmente, na opção de associar um motor a cada roda do robô, um verdadeiro 4x4 em miniatura, principalmente após a substituição das rodas originais, feitas de EVA, por rodas com câmaras de ar. Apresentando-se robusto, pesado e com tração nas quatro rodas, conjunto ideal para uma das tarefas deste equipamento para a retirada de objetos estranhos ou animais mortos dentro da área restrita. Assim, ganhou novas transmissões, novos motores e novas funções. Foi então obrigado a abandonar a casca de nascimento, obtendo-se uma nova estrutura, inicialmente em nylon, depois em alumínio o que lhe conferiu a robustez necessária ao que se propunha. Nesta nova roupagem teve-se uma preocupação com o centro de gravidade do conjunto, onde deveria necessariamente ser baixo para evitar que tombasse no interior da área com restrição e assim, não podendo sair sem uma liberação desta. Outra preocupação muito importante foi com a autonomia do equipamento, que atingindo certo limite de segurança, alerta o operador do robô para a suspensão dos trabalhos e saída da área de risco antes da falta de controle sobre o robô, evitando assim, que fique preso por falta de bateria. Pensando ainda em segurança, também foi instalado um sensor que vigilante a posição do robô, viesse a suspender o comando sobre a lâmina quando este se encontra em posição de ponta cabeça, posição em que a lâmina fica completamente exposta. Nos primeiros testes no corte e pulverização de plantas no CE de CGD, ficou claro a necessidade do pulverizador para aquelas regiões onde a lâmina não consegue

6 trabalhar. Também surgiu a necessidade de uma câmera que desse uma visão mais detalhada do trabalho que estava sendo realizado. Com estas decisões surgiu a idéia de inspeção através da câmera, como por exemplo, inspeções em equipamentos e em estado de estruturas. A utilização da câmera trouxe uma nova problemática: a transmissão, a recepção e possível gravação das imagens. Acresceu-se também, a necessidade de comando de movimentos desta câmera para que as inspeções fossem verdadeiramente úteis. Com movimentos verticais e horizontais a câmera faz inspeção visual detalha das bases, estruturas e dos equipamentos de forma segura e eficiente, sendo até uma espécie de manutenção preditiva. Para esta tarefa procurou-se no mercado regional modelos de câmeras que transmitiam imagens por Rádio freqüência sem fio. Fizemos um novo controle remoto para o equipamento e este passou a ser constituído por uma pequena tela de LCD, responsável pelas imagens e por comando dos movimentos do robô, da câmera e dos acionamentos das lâminas e pulverizador. A operação do robô é simples, quando o operador, posicionado externamente a área com restrição, comanda todos os recursos do robô PV a uma distancia de até 100 m com confiabilidade e visão detalhada do trabalho que está sendo realizado. Com movimentos completos o robô pode cortar e rastelar as plantas, e, naqueles locais onde as lâminas não alcançam, fazer a pulverização com herbicida, sendo este, próprio e recomendado pelo Ministério da Agricultura. A idéia do robô trouxe inovação, economia e principalmente segurança nas tarefas envolvendo áreas de risco.

7 CONCLUSÃO (ÕES) O projeto foi concebido utilizando-se um carro de controle remoto passando por adaptações com melhorias continuas, sendo testadas periodicamente. Houve ainda incrementos de componentes adaptáveis como: pulverizador com herbicidas para áreas restritas às hélices de corte das plantas, rastelos para remoção das plantas cortadas, plataforma para retirada de objetos ou pequenos animais, monitor de tensão sonoro para os conjuntos de baterias, com a função de alertar o descarregamento das mesmas, com isto evitando-se que o robô permaneça preso no interior do ambiente enquanto a operação está sendo executada. Instalou-se também micro câmera de vídeo, com movimentos horizontais e verticais para melhor visualização e inspeções, sendo possível, inclusive, de serem gravadas em tempo real. Os resultados obtidos pelos testes múltiplos praticados comprovaram que a velocidade de deslocamento, os cortes efetuados, pulverização e inspeção obtiveram êxitos. Os ganhos para o Sistema Elétrico de Potência (SEP) possibilitaram a utilização do carro robótico evitando exposições do ser humano aos riscos impostos em atividades energizadas e os atinentes atos inseguros, garantindo uma maior confiabilidade, disponibilidade e continuidade dos equipamentos mencionados, evitando-se a utilização de horas da franquia dos equipamentos em desligamentos programados e intempestivos.

8 ILUSTRAÇÃO

CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO. Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários

CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO. Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários Vitória, 30 de setembro de 2011 SUMÁRIO RESUMO...3 OBJETIVOS...4 INTRODUÇÃO...5

Leia mais

SISTEMAS AVANÇADOS DE CÂMARAS DE VIDEO PARA INSPEÇÃO

SISTEMAS AVANÇADOS DE CÂMARAS DE VIDEO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS AVANÇADOS DE CÂMARAS DE VIDEO PARA INSPEÇÃO MODELOS VIS 200 / VIS 250 Generalidades: Os sistemas de inspeção VIS 200 e VIS 250 são equipamentos de grande robustez, a preço económico, mas de elevada

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Convertendo um servo motor RC em um dispositivo de tração para micro-robôs

Convertendo um servo motor RC em um dispositivo de tração para micro-robôs Convertendo um servo motor RC em um dispositivo de tração para micro-robôs Roberto Fernandes Tavares Filho Centro Tecnológico Para Informática Vice-presidente executivo da FIRA Todos aqueles que já se

Leia mais

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 19, inciso I, da Lei nº 9.503, de 23 de setembro

Leia mais

Embalagem Breve histórico: Nytron é uma empresa líder no mercado de reposição de polias e tensionadores; Produzindo 306 itens para reposição; Abastece todo mercado nacional,através dos mais importantes

Leia mais

ELEVADOR BASCULANTE DE CANECAS

ELEVADOR BASCULANTE DE CANECAS GOLPACK INDUSTRIA E COMÉRCIO DE MÁQUINAS LTDA. MANUAL TÉCNICO OPERACIONAL ELEVADOR BASCULANTE DE CANECAS MODELO EB- 430 Nota ao Cliente Caro cliente, Você acaba de adquirir seu novo ELEVADOR GOLPACK, um

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI 05 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES

Leia mais

TRATOR DE ESTEIRA 7D. 9.400 kg a 10.150 kg. Potência líquida no volante. 90 hp (67 kw) Peso operacional. CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3

TRATOR DE ESTEIRA 7D. 9.400 kg a 10.150 kg. Potência líquida no volante. 90 hp (67 kw) Peso operacional. CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3 TRATOR DE ESTEIRA 7D Potência líquida no volante Peso operacional 90 hp (67 kw) 9.400 kg a 10.150 kg CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3 7D A New Holland é reconhecida em todo o mundo pelas inovações

Leia mais

Potência Líquida no volante. 90 hp (68 kw) Peso operacional. 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3

Potência Líquida no volante. 90 hp (68 kw) Peso operacional. 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3 Potência Líquida no volante Peso operacional 90 hp (68 kw) 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3 D A New Holland é reconhecida em todo o mundo pelas inovações tecnológicas, eficiência

Leia mais

Sistema de Medição de Faturamento

Sistema de Medição de Faturamento Sistema de Medição de Faturamento Direitos e Deveres dos Consumidores Livres André Luiz Preite Cruz Especialista de mercado Agenda A ABRACE Atribuições da ABRACE O SMF O Mercado e o SMF Os Consumidores

Leia mais

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais.

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais. Contate o seu concessionário Hyundai para mais informações. O equipamento apresentado pode variar de acordo com normas internacionais. Todas as medidas em libras e polegadas estão arredondadas. Novo Conceito

Leia mais

Turbocompressor modelo ABS HST 20

Turbocompressor modelo ABS HST 20 Turbocompressor modelo ABS HST 20 Principais Aplicações O turbocompressor modelo ABS HST 20 é altamente adequado para as seguintes áreas de aplicação: Aeração de água, efluentes ou outros líquidos Flotação

Leia mais

Ferramentas Industriais Bosch www.boschproductiontools.com

Ferramentas Industriais Bosch www.boschproductiontools.com Ferramentas Industriais Bosch www.boschproductiontools.com Tecnologia para a vida EXACT Parafusadeiras a Bateria / Elétricas Nossa embreagem de desligamento foi desenvolvida para minimizar a influência

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR Flávio Augusto Mereu Pioto Técnico Pleno de Desenvolvimento Divisão de Gestão de Manutenção Centro de Manutenções Especiais CTEEP Brasil fpioto@cteep.com.br

Leia mais

EMPILHADEIRAS HYUNDAI À DIESEL

EMPILHADEIRAS HYUNDAI À DIESEL GARFO (Comprimento X Largura x Bitola) (mm) HDF50-7S (TIPO EIXO - TIPO GANCHO) - 1.350 X 150 X 60-1.500 X 150 X 60-1.800 X 150 X 60-2.000 X 150 X 60-2.400 X 150 X 60 HDF70-7S (TIPO EIXO) - 1,350 X 180

Leia mais

- MINI GRUA RG MG 500.1 -

- MINI GRUA RG MG 500.1 - - MINI GRUA RG MG 500.1 - 2 ÍNDICE 1- APRESENTAÇÃO...3 2- CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS...4 3- INSTRUÇÕES DE MONTAGEM MECÂNICA...5 3.1- SISTEMA DE FIXAÇÃO POR TRIPÉ...5 3.2- CONJUNTO DE ACIONAMENTO PRINCIPAL...6

Leia mais

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Strain Gages e Pontes de Wheatstone Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Referência Aula baseada no material dos livros: - Instrumentação e Fundamentos de Medidas

Leia mais

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais.

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais. Contate o seu concessionário Hyundai para mais informações. O equipamento apresentado pode variar de acordo com normas internacionais. Todas as medidas em libras e polegadas estão arredondadas. Novo Conceito

Leia mais

Cortina Elétrica com Controle Remoto

Cortina Elétrica com Controle Remoto FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA 1º SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Turma 3111 Trabalho Trimestral de Física Cortina Elétrica com Controle Remoto Arian Müller (03)

Leia mais

MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA RICARDO INFORZATO GREJO 1 JOSÉ JOÃO BARRICO 2 RESUMO O investimento em tecnologias modernas é fundamental para a melhoria

Leia mais

P 5 V 000 UM NOV O O O CON O CEIT I O

P 5 V 000 UM NOV O O O CON O CEIT I O Técnologia UM NOVO CONCEITO A Magi Porta mais uma vez inova o mercado de portas sociais automáticas com o lançamento da PV5000. Alèm de contar com novo e leve design, este equipamento proporciona altos

Leia mais

Apresentação Módulos Registrador de Eventos e Jumper eletrônico

Apresentação Módulos Registrador de Eventos e Jumper eletrônico TrainScout Apresentação Módulos Registrador de Eventos e Jumper eletrônico Thursday, November 22, 2007 1 TrainScout Apresentação O TrainScout é uma poderosa solução de controle e monitoramento de locomotivas

Leia mais

Como funciona o motor de corrente contínua

Como funciona o motor de corrente contínua Como funciona o motor de corrente contínua Escrito por Newton C. Braga Este artigo é de grande utilidade para todos que utilizam pequenos motores, principalmente os projetistas mecatrônicos. Como o artigo

Leia mais

Impacto da Indisponibilidade de Linhas e Equipamentos na Receita dos Sistemas de Transmissão

Impacto da Indisponibilidade de Linhas e Equipamentos na Receita dos Sistemas de Transmissão Impacto da Indisponibilidade de Linhas e Equipamentos na Receita dos Sistemas de Transmissão C. C. Silva, CTEEP; M. R. Gouvêa, EPUSP; E. J. Robba, EPUSP; R. P. Casolari (EPUSP) Resumo- O trabalho consiste

Leia mais

5 Sistema Experimental

5 Sistema Experimental 5 Sistema Experimental Este capitulo apresenta o sistema experimental utilizado e é composto das seguintes seções: - 5.1 Robô ER1: Descreve o robô utilizado. É dividida nas seguintes subseções: - 5.1.1

Leia mais

PLATAFORMA ELIPSE E3 TRAZ AGILIDADE E SEGURANÇA AO SISTEMA ELÉTRICO DO SERVIÇO DE TRENS URBANOS DO RIO DE JANEIRO OPERADO PELA SUPERVIA

PLATAFORMA ELIPSE E3 TRAZ AGILIDADE E SEGURANÇA AO SISTEMA ELÉTRICO DO SERVIÇO DE TRENS URBANOS DO RIO DE JANEIRO OPERADO PELA SUPERVIA PLATAFORMA ELIPSE E3 TRAZ AGILIDADE E SEGURANÇA AO SISTEMA ELÉTRICO DO SERVIÇO DE TRENS URBANOS DO RIO DE JANEIRO OPERADO PELA SUPERVIA Este case apresenta a aplicação da solução Elipse E3 para automatizar

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC)

Leia mais

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321 PLUS

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321 PLUS CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS PLUS CARACTERÍSTICAS DO APARELHO Central de alarme de zona mista, ou seja, aceita tanto sensores com fio como sensores sem fio. Tempo de sirene: 5 minutos com rearme automático.

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

Notas possíveis para esta questão: Zero ; 3 pontos; 6 pontos ou 10 pontos. Olimpíada Brasileira de Robótica 2014 2/6

Notas possíveis para esta questão: Zero ; 3 pontos; 6 pontos ou 10 pontos. Olimpíada Brasileira de Robótica 2014 2/6 GABARITO Todas as questões devem receber uma nota entre 0 (menor nota) e 10 (maior nota). Questões podem ter mais de uma resposta A prova do seu aluno deve receber uma pontuação entre 0 e 100. Não se esqueça

Leia mais

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA 1) INTRODUÇÃO Rio de Janeiro, 05 de Maio de 2015. A equipe desenvolvedora deste projeto conta com: - Prof.

Leia mais

3 pás. Parabéns! Você acabou de adquirir um ventilador de teto com luminária, especialmente criado para trazer mais conforto e beleza aos ambientes.

3 pás. Parabéns! Você acabou de adquirir um ventilador de teto com luminária, especialmente criado para trazer mais conforto e beleza aos ambientes. 3 pás Parabéns! Você acabou de adquirir um ventilador de teto com luminária, especialmente criado para trazer mais conforto e beleza aos ambientes. Com design diferenciado o Efyx Lunik3 é pré-montado.

Leia mais

55MR. Escavadeira Compacta PC55MR-3. POTÊNCIA 39,6 HP @ 2.400 rpm. PESO OPERACIONAL 5.160-5.350 kg. CAPACIDADE DA CAÇAMBA 0,07-0,18 m³

55MR. Escavadeira Compacta PC55MR-3. POTÊNCIA 39,6 HP @ 2.400 rpm. PESO OPERACIONAL 5.160-5.350 kg. CAPACIDADE DA CAÇAMBA 0,07-0,18 m³ PC 55MR As fotos neste folheto são meramente ilustrativas, podendo incluir opcionais ou configurações diferentes do equipamento padrão. Escavadeira Compacta PC55MR-3 POTÊNCIA 39,6 HP @ 2.400 rpm PESO OPERACIONAL

Leia mais

Automóvel Automatizado Projeto Integrado

Automóvel Automatizado Projeto Integrado Page 1 of 12 Automóvel Automatizado Projeto Integrado Equipe: Emerson Antônio Fernando Pitlak emersonpit@hotmail.com Foto Professores Orientadores: Prof. Gil Marcos Jess - Física IV - gltjess@terra.com.br

Leia mais

GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER

GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER Rocilda José Nogueira Santana Engenheiro de Analise da Manutenção Divisão de Gestão da Manutenção São Paulo CTEEP-Brasil

Leia mais

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação.

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. De acordo com a potência (carga), o contator é um dispositivo de comando

Leia mais

Como funciona o Reed-Switches (MEC089)

Como funciona o Reed-Switches (MEC089) Como funciona o Reed-Switches (MEC089) Escrito por Newton C. Braga Um componente de grande utilidade que pode ser usado como sensor em muitas aplicações mecatrônicas, robóticas e de automação é o reed-switch

Leia mais

Controle remoto por Bluetooth

Controle remoto por Bluetooth Controle remoto por Bluetooth Introdução Esse tutorial tem como objetivo, facilitar a montagem do controle e drive de potência voltado a modalidades que necessitam de controle remoto, seja robô sumo de

Leia mais

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP 50 Capítulo VII Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* O Sistema de Manutenção Planejada (SMP) é formado por instruções, listas e detalhamento

Leia mais

Características Técnicas Série Quasar

Características Técnicas Série Quasar Descrição do Produto A Série Quasar é uma linha de painéis tipo CCMi (centro de controle de motores inteligente) para baixa tensão e correntes até 3150 A, ensaiados conforme a norma NBR/IEC 60439-1 - TTA

Leia mais

www.pratil.com.br Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014

www.pratil.com.br Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014 Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014 Eduardo Guimarães E-mail.: eduguimarães@pratil.com.br Cel.: (85) 9635-2993 Tel.: (85) 3133-9404 Rua Vicente Linhares,

Leia mais

GESTÃO SE SEGURANÇA ELÉTRICA ATRAVÉS DO PRONTUÁRIO CONFORME NR 10.

GESTÃO SE SEGURANÇA ELÉTRICA ATRAVÉS DO PRONTUÁRIO CONFORME NR 10. GESTÃO SE SEGURANÇA ELÉTRICA ATRAVÉS DO PRONTUÁRIO CONFORME NR 10. MEU SONHO É LEVAR O HOMEM A LUA E TRAZE-LO DE VOLTA COM SEGURANÇA John Kennedy (1917-1963) AS EMPRESAS DEVEM CRIAR POLÍTICAS QUE VALORIZEM

Leia mais

Eletricidade: acionamento de motores elétricos

Eletricidade: acionamento de motores elétricos Eletricidade: acionamento de motores elétricos A UU L AL A Como se pode converter energia elétrica em energia mecânica? Considere a situação descrita a seguir. Tic-tac, blamp-blump, zuuuummmm... São as

Leia mais

SKATE ELÉTRICO MANUAL DE INSTRUÇÕES. Leia atentamente este Manual, antes de usar seu SKATE ELÉTRICO. Guarde-o em local seguro, para futuras consultas.

SKATE ELÉTRICO MANUAL DE INSTRUÇÕES. Leia atentamente este Manual, antes de usar seu SKATE ELÉTRICO. Guarde-o em local seguro, para futuras consultas. SKATE ELÉTRICO MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia atentamente este Manual, antes de usar seu SKATE ELÉTRICO. Guarde-o em local seguro, para futuras consultas. SEVEN SKATE ELÉTRICO SAC: (11) 5660.2600 Uso doméstico

Leia mais

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321 CENTRAL DE E SEM FIO AS- CARACTERÍSTICAS DO APARELHO - Central de alarme sem fio com setor misto ( com e/ou sem fio ); - Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; - Carregador de bateria

Leia mais

EMTV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DESDE 1956

EMTV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DESDE 1956 EMTV Elevador de manutenção telescópico vertical MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO ZELOSO DESDE 1956 PREFÁCIO APLICAÇÃO: Este manual contém informações para a operação e manutenção, bem como uma lista ilustrada

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 1014

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 1014 ANÁLISE TERMOGRÁFICA SAAE - Pedreira SAAE 1. OBJETIVO Apresentar ao SAAE a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Pedreira 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso.

São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso. Luciano de Abreu São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso. É um dispositivo elétrico passivo que armazena energia

Leia mais

Manual do Usuário. Climatizador de Ar

Manual do Usuário. Climatizador de Ar Climatizador de Ar SUMÁRIO TERMO DE GARANTIA...03 PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA...04 INFORMAÇÕES IMPORTANTES...05 VISTA GERAL DO APARELHO...06 PAINEL DE CONTROLE KC05LFM...07 RETIRADA E LIMPEZA DO FILTRO...08

Leia mais

Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto

Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto Aplicação da Preditiva on-line Como Ferramenta para o Aumento da Disponibilidade e Confiabilidade dos Equipamentos Rotativos em uma Empresado Ramo Petrolífero Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto

Leia mais

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS Análise de Circuitos Contatores/Relés Aula 02 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Sobrecarga

Leia mais

6 Manutenção de Tratores Agrícolas

6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6.1 Introdução Desenvolvimento tecnológico do país Modernização da agricultura Abertura de novas fronteiras agrícolas Aumento no uso de MIA Aumento da produtividade Maiores

Leia mais

MEE G A MANUAL AUTOMATIZADORES LINHA AC&DC CERTIFICAÇÕES AUTOMATIZADORES V - 2013 PRODUTO CERTIFICADO POR ORGANISMO ACREDITADO PELO INMETRO.

MEE G A MANUAL AUTOMATIZADORES LINHA AC&DC CERTIFICAÇÕES AUTOMATIZADORES V - 2013 PRODUTO CERTIFICADO POR ORGANISMO ACREDITADO PELO INMETRO. AUTOMATIZADORES V - 013 ME G A A G E AUTOMATIZADORES MANUAL WWW.NEWAUTOMATIZADORES.COM.BR AUTOMATIZADOR / NOBREAK / CONTROLE AUTOMATIZADORES LINHA AC&DC MEE G A CERTIFICAÇÕES PRODUTO CERTIFICADO POR ORGANISMO

Leia mais

O que é o motor de passo?

O que é o motor de passo? Universidade Federal Fluminense Centro Tecnológico Escola de Engenharia Curso de Engenharia de Telecomunicações Programa de Educação Tutorial Grupo PET-Tele Motor de Passo Autor atual: Felipe Gonçalves

Leia mais

Análise Termográfica Relatório Técnico 0814

Análise Termográfica Relatório Técnico 0814 ANÁLISE TERMOGRÁFICA VALINHOS Valinhos DAEV 1. OBJETIVO Apresentar ao DAEV a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Valinhos 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

Para garantir que você tenha toda a performance do seu amplificador e evitar prejuízos procure instaladores especializados.

Para garantir que você tenha toda a performance do seu amplificador e evitar prejuízos procure instaladores especializados. Prezado Cliente, Parabéns pela aquisição de um dos mais conceituados amplificadores automotivos do mercado brasileiro. Os aparelhos da Power Systems Audio são fabricados com as melhores marcas de componentes

Leia mais

CARROS DE APOIO À INDUSTRIA

CARROS DE APOIO À INDUSTRIA Carros de Mão Carros Ligeiros com Carros para Cargas Médias/Elevadas Carros Armário com e sem Prateleiras Carros com Banca de Trabalho Carros de Apoio à Industria Carros de Reboque Carros para Escritóio

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714 ANÁLISE TERMOGRÁFICA CODEN - Nova Odessa CODEN 1. OBJETIVO Apresentar ao CODEN a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Nova Odessa 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor

Leia mais

PARA QUE SERVE O QUADRICOPTERO SIRIUS SD4:

PARA QUE SERVE O QUADRICOPTERO SIRIUS SD4: Skydrones, nova empresa gaucha de aviônica, que atua no desenvolvimento de microvants veículos aéreos não tripulados, testa seu protótipo SIRIUS SD4, com novo sistema de telemetria. O produto estará pronto

Leia mais

MANUAL AUTOMATIZADORES LINHA AC CERTIFICAÇÕES AUTOMATIZADORES V - 2012. Desenho ilustrativo WWW.NEWAUTOMATIZADORES.COM.BR. 50,00 mm.

MANUAL AUTOMATIZADORES LINHA AC CERTIFICAÇÕES AUTOMATIZADORES V - 2012. Desenho ilustrativo WWW.NEWAUTOMATIZADORES.COM.BR. 50,00 mm. V - 2012 ME G A A G E AUTOMATIZADORES MANUAL WWW.NEWAUTOMATIZADORES.COM.BR AUTOMATIZADORES LINHA AC CERTIFICAÇÕES 50,00 mm 22,50 mm Management System CNAS C117-Q AUTOMATIZADORES LINHA AC COMPONENTES: 1

Leia mais

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ Autores: Aguinaldo Lima de Moraes Jr. José Natalino Bezerra Luiz Tomohide Sinzato CESP - Companhia Energética

Leia mais

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 2 5.1 Introdução Os motores elétricos pertencem a dois grandes grupos: os de corrente contínua e os de corrente alternada. Os motores de indução se enquadram

Leia mais

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio.

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio. 1 Disciplina de Sistemas de Controle Prof. Luciano Menegaldo e-mail: lmeneg@ime.eb.br home-page: http://lmeneg-aulas.tripod.com Aula 1 Introdução 1. Idéias gerais e exemplos de sistemas de controle - Assunto

Leia mais

Actros 2646 6x4. Actros 2546 6x2. Equipamentos de série. Aplicações. Aplicações

Actros 2646 6x4. Actros 2546 6x2. Equipamentos de série. Aplicações. Aplicações Equipamentos de série (mais os itens da cabina ) Segurança (mais os itens das cabinas e ) Ar-condicionado Suspensão traseira pneumática Freios a Disco Eletrônico; ABS (Antibloqueio das Rodas); ASR (Controle

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MR-03 SPORTS

REGULAMENTO TÉCNICO MR-03 SPORTS REGULAMENTO TÉCNICO MR-03 SPORTS INTRODUÇÃO Este regulamento visa orientar aos participantes das corridas de Mini-Z MR-03 Sports, quanto aos ajustes e modificações permitidos nos carros. A idéia principal

Leia mais

Substituição de Isoladores em Linha de Distribuição de 72,5kV com a Utilização de Andaimes Isolados. Fernando Gomes da Silva Filho

Substituição de Isoladores em Linha de Distribuição de 72,5kV com a Utilização de Andaimes Isolados. Fernando Gomes da Silva Filho XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Substituição de Isoladores em Linha de Distribuição de 72,5kV com a Utilização de

Leia mais

Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000

Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000 Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000 1 Manual de operação Conteúdo : 1 Parâmetros técnicos 2 Aplicações 3 Instruções de uso e operação 4 Manutenção 5 Carregador de bateria 6 Esquema elétrico 2

Leia mais

LEV-30. Manual do produto. Laminador Elétrico

LEV-30. Manual do produto. Laminador Elétrico Manual do produto Antes de utilizar o seu produto Arke, leia atentamente este manual. Temos certeza que lhe será bastante útil. Laminador Elétrico LEV-30 PARABÉNS POR SUA ESCOLHA! Você adquiriu um produto

Leia mais

HYSTER H1.8-50CT FABRICADAS NO BRASIL EMPILHADEIRAS NOS TAMANHOS E CAPACIDADES IDEAIS

HYSTER H1.8-50CT FABRICADAS NO BRASIL EMPILHADEIRAS NOS TAMANHOS E CAPACIDADES IDEAIS HYSTER H1.8-50CT FABRICADAS NO BRASIL EMPILHADEIRAS NOS TAMANHOS E CAPACIDADES IDEAIS NOVA HYSTER CT: EMPILHADEIRA CONTRABALANÇADA COM OPERADOR SENTADO A CT é nova em tudo, do seu projeto inovador às suas

Leia mais

Vol. IV. Instituições Financeiras. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br

Vol. IV. Instituições Financeiras. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Instituições Financeiras Vol. IV Manual de Segurança Apresentação N a calçada, antes mesmo de se aproximar da entrada da agência bancária, o cliente coloca as

Leia mais

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços Introdução Apresentamos nosso catálogo técnico geral. Nele inserimos nossa linha de produtos que podem ser padronizados ou de projetos desenvolvidos para casos específicos. Pedimos a gentileza de nos contatar

Leia mais

Seleção de motores em miniatura para os seus dispositivos médicos Avanços recentes aumentam a portabilidade, eficiência e confiabilidade

Seleção de motores em miniatura para os seus dispositivos médicos Avanços recentes aumentam a portabilidade, eficiência e confiabilidade thinkmotion Seleção de motores em miniatura para os seus dispositivos médicos Avanços recentes aumentam a portabilidade, eficiência e confiabilidade A criação de bombas de infusão pequenas e portáteis

Leia mais

Telemática como ferramenta de redução de custos associados à frotas de veículos

Telemática como ferramenta de redução de custos associados à frotas de veículos Fábio Nonis Diretor Comercial Mercado Corporativo e Montadoras Telemática como ferramenta de redução de custos associados à frotas de veículos 06/10/2015 slide 1 de 75 Vamos nos situar no tempo e espaço...

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO VENTILADOR DE TETO MODELOS: AIRES, LUMIAR FÊNIX, FÊNIX CONTR PETIT Obrigado por adquirir o VENTISOL. Antes de utilizar o seu produto leia atentamente este manual de instruções. Após a leitura guarde-o

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais

PORTA-PALETES MANUAIS

PORTA-PALETES MANUAIS Porta-Paletes Manuais Porta-Paletes Elétricos Porta-Paletes de Tesoura Porta-Paletes em Inox Porta-Paletes com Balança Porta-Paletes TODO-O-TERRENO Porta-Paletes Aplicações Específicas Compre Produtos

Leia mais

Capítulo XII. Procedimentos de manutenção para economia de energia. Manutenção elétrica industrial. Conhecer melhor para administrar melhor

Capítulo XII. Procedimentos de manutenção para economia de energia. Manutenção elétrica industrial. Conhecer melhor para administrar melhor 50 Apoio Manutenção elétrica industrial Capítulo XII Procedimentos de manutenção para economia de energia Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Um programa bem elaborado de manutenção é um ponto

Leia mais

pá carregadeira compacta série e

pá carregadeira compacta série e pá carregadeira compacta série e 321E PERFECT IN EVERY MISSION casece.com.br experts for the real world since 1842. pá carregadeira compacta série e 321E Repleta de recursos inovadores e apoiada pelo suporte

Leia mais

Canhão Monitor Controle Remoto Modelo Conquest 3678

Canhão Monitor Controle Remoto Modelo Conquest 3678 Canhão Monitor Controle Remoto Modelo Conquest 3678 Descrição Ideal para utilização em áreas com atmosfera agressiva, o Canhão Monitor de Controle Remoto modelo Conquest 3678 é construído em latão fundido,

Leia mais

De 16/04/2012 a 20/04/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min

De 16/04/2012 a 20/04/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min Bombas de Água e de Processo - Otimização de Sistemas de Bombeamento De 16/04/2012 a 20/04/2012 Local: Hotel a definir Rio de Janeiro Carga Horária: 40 horas Horário: das 8h30min às 17h30min Objetivo:

Leia mais

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos Porto Alegre, 18 de junho de 2012. A Assembleia Legislativa do RS Porto Alegre, RS REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

Conheça nossa empresa

Conheça nossa empresa Conheça nossa empresa Empresa Damaeq Integridade, Vontade de Superar-se, Satisfação do Cliente. Varredora Coletora Rebocável. A varredora Mecânica Coletora de Lixo Damaeq, é ideal para varrição de ruas,

Leia mais

Sistema Básico de Inspeção Termográfica

Sistema Básico de Inspeção Termográfica Sistema Básico de Inspeção Termográfica Um novo patamar na relação custo / benefício em Termografia *Eng. Attílio Bruno Veratti Conceito geral A Inspeção Termográfica é a técnica de inspeção não destrutiva

Leia mais

Modernização do Sistema de Controle e Monitoração da Propulsão e Auxiliares das Fragatas Classe Niterói. Uma Grande Experiência de Engenharia

Modernização do Sistema de Controle e Monitoração da Propulsão e Auxiliares das Fragatas Classe Niterói. Uma Grande Experiência de Engenharia Modernização do Sistema de Controle e Monitoração da Propulsão e Auxiliares das Fragatas Classe Niterói. Uma Grande Experiência de Engenharia Autor: Leopoldo Jorge de Souza, MSEE, Capitão de Mar e Guerra

Leia mais

Tratores Agrícolas 1

Tratores Agrícolas 1 Tratores Agrícolas 1 TRATOR AGRÍCOLA 1 DEFINIÇÃO???? Máquina autopropelida provida de meios que, além de lhe conferirem apoio estável sobre uma superfície horizontal, capacitam-no a tracionar, transportar

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GLT 26 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO III GRUPO DE ESTUDO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO GLT SISTEMA ROBOTIZADO PARA

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

SISTEMA INTELIGENTE PARA CONTROLE, SUPERVISÃO E GERENCIAMENTO DE GRUPOS GERADORES

SISTEMA INTELIGENTE PARA CONTROLE, SUPERVISÃO E GERENCIAMENTO DE GRUPOS GERADORES SISTEMA INTELIGENTE PARA CONTROLE, SUPERVISÃO E GERENCIAMENTO DE GRUPOS GERADORES Ricardo Figueiredo (RF Eletro-Eletrônica Ltda) Mauricio R.Suppa (GESTAL Gestão de Energia e Utilidades Ltda) Conservar

Leia mais

Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas Multiplataforma para Inspeção de Linhas de Transmissão

Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas Multiplataforma para Inspeção de Linhas de Transmissão Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas Multiplataforma para Inspeção de Linhas de Transmissão Willian Ramires Pires Bezerra Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Chesf Geraldo José Adabo Instituto

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. W22 IR4 Super Premium Motor de Indução Trifásico

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. W22 IR4 Super Premium Motor de Indução Trifásico Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Motor de Indução Trifásico -- 2 A WEG em constante inovação amplia sua linha de motores de alta eficiência W22 IR4 SUPER Premium Nas últimas

Leia mais

Manutenção e reparos. Manutenção no local Reparos, revisões e atualizações Caixas de transmissão de substituição direta Gerenciamento de recursos

Manutenção e reparos. Manutenção no local Reparos, revisões e atualizações Caixas de transmissão de substituição direta Gerenciamento de recursos Gama de produtos Manutenção e reparos Os engenheiros de manutenção da Radicon estão preparados às 24 horas do dia, 365 dias por ano, para fornecer os seguintes serviços em qualquer momento e em qualquer

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 2/3 (segundo de três) Período: de 02/04/2012 a 21/05/2012

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 2/3 (segundo de três) Período: de 02/04/2012 a 21/05/2012 Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Mecânica Coordenadoria de Estágio do Curso de Engenharia Mecânica CEP 88040-970 - Florianópolis - SC - BRASIL www.emc.ufsc.br/estagiomecanica

Leia mais

Uma série de tratores. Várias aplicações.

Uma série de tratores. Várias aplicações. Série Boomer 30-50 02 Uma série de tratores. Várias aplicações. A New Holland é especialista em tratores, com modelos desenvolvidos para todo o tipo de tarefas, desde agricultura a serviços municipalizados.

Leia mais

UMA COMPARAÇÃO TÉCNICA E ECONÔMICA SOBRE A APLICAÇÃO DE BANCOS DE CAPACITORES SHUNT COM FUSÍVEIS EXTERNOS, FUSÍVEIS INTERNOS E FUSELESS

UMA COMPARAÇÃO TÉCNICA E ECONÔMICA SOBRE A APLICAÇÃO DE BANCOS DE CAPACITORES SHUNT COM FUSÍVEIS EXTERNOS, FUSÍVEIS INTERNOS E FUSELESS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 19 a 24 Outubro de 2003 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

Leia mais

Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles!

Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles! Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles! É importante lembrar que esta matéria serve para qualquer tipo de servo utilizado em aeromodelismo. Figura 1 Um dos diversos

Leia mais

OBJETIVOS TECNOLÓGICOS CONTEÚDOS CURRICULARES COMPETÊNCIAS COGNITIVAS COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS

OBJETIVOS TECNOLÓGICOS CONTEÚDOS CURRICULARES COMPETÊNCIAS COGNITIVAS COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS 1 o ano Conhecer as peças LEGO do kit 9656. Equilíbrio. Praticar encaixes entre as peças LEGO. Verticalidade. Noções de medidas lineares. Planejar. Programar. Construir montagens estáveis e que se sustentem

Leia mais

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL MS TAC 4000 REV.02 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE TRATAMENTO PARA REUSO....

Leia mais