O ARQUIVO DE IMAGENS E A COLEÇÃO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE DE UNFINISHED (SOPHIE CALLE E FABIO BALDUCCI)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ARQUIVO DE IMAGENS E A COLEÇÃO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE DE UNFINISHED (SOPHIE CALLE E FABIO BALDUCCI)"

Transcrição

1 O ARQUIVO DE IMAGENS E A COLEÇÃO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE DE UNFINISHED (SOPHIE CALLE E FABIO BALDUCCI) Renata Alencar * Resumo: Como as noções de arquivo, banco de dados e coleção contribuem para a construção de processos criativos? Como a memória se revela nesses percursos de criação? Tendo como objeto de análise o vídeo Unfinished de Sophie Calle e Fabio Balducci, este artigo apresenta reflexões preliminares de percursos criativos bastante particulares, os quais se inauguram no encontro do artista com coleções abandonadas. Introdução Entre os objetos pessoais da mãe, Akram Zaatari, artista contemporâneo do Líbano, encontrou uma fotografia da avó quando jovem. A assinatura da foto do nu indicava para Van Leo, um fotógrafo do Cairo. Inicia-se, pois, a busca pela história dessa imagem a qual se singulariza no vídeo Her + Him, Van Leo ( ). O encontro de Zaatari com Van Leo parece cercar uma imagem de mundos. A memória individual acaba se estendendo para a conformação do desenho de uma memória coletiva. A artista brasileira Rosângela Rennó, no final da década de noventa, partindo de fotografias e negativos do acervo do Museu Penitenciário Paulista, elabora três séries: Cicatriz (1996), Museu Penitenciário/Cicatriz (1997/1998) e Vulgo (1998) 1. * Renata Alencar é mestre em Comunicação Social pela UFMG. Além de atuar como docente na graduação das Faculdades Promove, coordena, desde 2006, o curso de pós-graduação lato sensu Processos criativos em palavra e imagem na PUC Minas. Seus estudos circunscrevem as interfaces entre comunicação, arte e tecnologia, tendo a semiótica como base teórica predominante. 1

2 Trata-se de uma organização particular para imagens de presidiários a qual possui como paradigma central a relação marca, corpo e identidade 2. Em 2002, Rivane Neuenschwander apresenta, no Museu de Arte da Pampulha, em Belo Horizonte, a obra Imprópria paisagem: Marinhas adquiridas em feiras de rua ou encomendadas a amigos são repintadas, eliminando-se barcos e outros elementos que não sejam da natureza. Barcos feitos de papel encontrados na rua são colocados no chão, na frente das pinturas (NEUENSCHWANDER, 2005, p. 15). Em 1988, Sophie Calle recebeu de um banco europeu um arquivo de imagens gravadas pelo circuito interno de vigilância de caixas eletrônicos. Essas imagens deram início ao percurso criativo da artista que configurou, em parceria com Fabio Balducci, o vídeo Unfinished (2005), testemunho metalingüístico de um processo de criação específico que revela no próprio nome sua natureza inconclusa. A despeito das singularidades que marcam cada um dos trabalhos acima mencionados, pode-se inferir a existência de um ponto de confluência entre eles: a ideia de um processo de criação pautado na tentativa de organizar e ressignificar um conjunto de signos abandonados. No intuito de promover uma reflexão acerca da forma como as noções de arquivo, banco de dados e coleção contribuem para a construção de percursos criativos específicos, elegeu-se a obra Unfinished de Sophie Calle e Fabio Balducci como objeto de análise. A escolha dessa obra se justifica por sua natureza ensaística, capaz de desvelar o seu próprio processo de constituição, o que oferece bases para a reflexão proposta. 2 Vale dizer que Rosângela Rennó possui diversos trabalhos que, de modos singulares, lidam com o universo das coleções. A artista é, assumidamente, uma colecionadora. 2

3 Este texto teve seu percurso elaborado em quatro etapas, ou melhor, em quatro camadas, uma vez que as discussões se sobrepõem com freqüência: O arquivo, A busca, Rotas e Os deslimites da memória. O leitor mais atento verá que as três primeiras partes fazem analogia com diferentes momentos de um processo de criação, ao tempo que o quarto e último tópico do texto apresenta as considerações finais. 1. O arquivo Levanta-se então infinita, fora de proporção, sempre em curso, em mal de arquivo, a espera sem horizonte acessível, a impaciência absoluta de um desejo de memória (DERRIDA, 2001, p.9). A relação entre o arquivo e a manutenção da memória é tema de várias discussões, as quais se acentuam diante do atual contexto sociotécnico. Fausto Colombo, em sintonia com Jacques Derrida, atenta para a mania arquivística que permeia conjuntamente a cultura e a evolução tecnológica, sinalizando o que chama de autêntica vocação para a memória (COLOMBO, 1991, p.17). O autor propõe ainda quatro categorias iniciais a partir das quais as práticas arquivísticas se revelariam: a gravação, o arquivamento, o arquivamento da gravação e a gravação do arquivamento. Enquanto a gravação diz do modo de fixar um acontecimento na condição de signo através de um suporte, o arquivamento se refere a uma tradução do acontecimento, o qual passa a pertencer a um sistema específico, conformando-se segundo suas leis e códigos e sendo ali localizável. As duas últimas categorias de Colombo são originadas do intercâmbio das duas primeiras e têm central importância para a compreensão da obra aqui analisada: 3

4 Em terceiro lugar, o arquivamento da gravação, que é a tradução de uma imagem-recordação, de um ícone mnemônico em um signo arquivístico e localizável no sistema. E por fim, a gravação do arquivamento, isto é, a produção de cópias dos signos já arquivados a fim de evitar-se um possível esquecimento (COLOMBO, 1991, p.18). As imagens gravadas em circuitos internos de vigilância carregam consigo as lógicas da gravação e do arquivamento, bem como de seus desdobramentos. Elas são produzidas sob uma lógica do poder da vigilância, articulando uma polêmica publicização de vidas privadas que circulam em ambientes públicos. São também frutos de uma inflação simbólica que produz aglomerados de imagens impotentes 3, as quais transformam o sujeito em objeto. Vilém Flusser, ao discutir as imagens dos meios digitais, em sua capacidade de produção, armazenamento e circulação diz: [...] os novos meios, da maneira como funcionam hoje, transformam as imagens em verdadeiros modelos de comportamento e fazem dos homens meros objetos. Mas os meios podem funcionar de maneira diferente, a fim de transformar as imagens em portadoras e os homens em designers de significados (FLUSSER, 2007, p. 159). Sophie Calle, em Unfinished, anuncia-se portadora de um conjunto de imagens silenciosas, observadoras de flagrantes, testemunhos e cúmplices dos fluxos nas cabines dos caixas eletrônicos, vigilantes. Eu não sabia o que fazer com essas imagens. Elas diziam algo, mas o que?, denuncia Calle em voz off. Ao receber as imagens do banco, a artista torna-se uma espécie de arconte, referência aos primeiros guardiões do arquivo. Sobre os arcontes, Derrida (2001, p.12-13), esclarece que, mais do que guardar e proteger o lugar do depósito, Cabiam-lhes também o direito e a competência hermenêuticos. Tinham o poder de 3 O termo impotente é aqui utilizado na perspectiva trabalhada por Paul Virilio, o qual toma o acelerado fluxo das imagens como emblema da midiatização da experiência. Grosso modo, tais imagens são vazias, não proporcionando ao homem o sentido pleno da experiência com o mundo. Cf. VIRILIO, Paul. A imagem virtual mental e instrumental. In.: PARENTE, André (org.) Imagem máquina: a era das tecnologias do virtual. Rio de Janeiro: Ed. 34, p

5 interpretar os arquivos. Eis o desafio posto a Calle e Balducci o qual dialoga com o desafio que Flusser propõe no âmbito das imagens técnicas, a tarefa de projetar significados. A noção contemporânea de banco de dados está apta a ser contextualizada na perspectiva da lógica arquivística, tal como sinaliza Colombo (1991, p.18): [...] a tecnologia informática e telemática, ao menos enquanto utilizada para a constituição de banco de dados, parece basear-se no arquivamento: não só porque este traduz cada fragmento em unidade de linguagem binária, mas também porque literaliza cada possível aspecto do mundo em informação legível em caracteres alfanuméricos. Lev Manovich (2001) aborda os bancos de dados como complexos de armazenamentos de formas culturais. No entanto, o autor estabelece uma importante relação entre o banco de dados e a narrativa. Para o autor, enquanto o banco de dados opera por uma lógica paradigmática, as narrativas operam com uma organização sintagmática. Nesse momento, é válido estabelecermos uma aproximação com Unfinished: as imagens gravadas pelas câmeras de vigilância e arquivadas são componentes de um banco de dados o qual foi disponibilizado para a artista; a atividade de Calle em seu processo criativo seria, então, construir um percurso expressivo para os elementos desse banco de dados, interpretando-os, ressignificando-os. Trata-se do papel de arconte que a artista assume. 2 - A busca: a memória desfigurada Em Unfinished, Calle e Balducci assumem a busca pela memória das imagens. Calle chega a afirmar no vídeo que tais imagens eram imagens sem 5

6 memória. O que revela a memória? Como encontrar a memória desse arquivo de imagens? A memória, em um primeiro momento, diz de uma conservação do passado, aspecto que está na gênesis da lógica arquivística. No entanto, a atividade da memória só se singulariza na condição do presente que traz e recontextualiza um aspecto passado. Qual é o passado que essas imagens revelam? Um processo criativo engloba atividades intuitivas e intelectuais. Um processo criativo tem origem, grosso modo, por um estímulo à criação (PLAZA e TAVARES, 1998). Trata-se do princípio catalisador de um percurso, o qual é marcado, em Unfinished, pela série de indagações que o conjunto de imagens suscitou. Uma vez que a tarefa da criação é posta, instaura-se um trajeto de pesquisas, experiências, levantamento de possibilidades, registros, referências etc que, normalmente, se encontram materializados nos dossiês e diários de criação. Essa fase exploratória é indispensável para que o insight criativo aconteça, uma vez que o insight é a fase de iluminação que surge como fruto de uma intensa atividade mental e material (PLAZA e TAVARES, 1998; OSTROWER, 2007). O vídeo de Calle e Balducci, ao tempo em que se apresenta como obra, apresenta-se também como registro de processo. O que os diários e dossiês de criação fazem é materializar parte das conexões geradas no percurso criativo, dentre as quais muitas são abandonadas. Nesse âmbito, as naturezas ensaística e metalinguística de Unfinished nos permitem acessar a multiplicidade e a heterogeneidade do pensamento criador na própria obra-processo. É exatamente nesse ponto que a memória se revela, uma vez que ter acesso ao processo significa recuperar/inaugurar, a(s) história(s) dessas imagens. 3 - Rotas: tentativas de organização sintagmática 6

7 Em momento anterior, foi dito que um banco de dados tende a dar centralidade ao eixo paradigmático, ao tempo que as articulações narrativas operam com o eixo sintagmático. Baudrillard (1989, p. 99), ao se referir ao contexto das coleções, diz que o paradigma é o emblema de uma série. Para o autor, a coleção implica uma organização peculiar, pessoal. Tal organização, no entanto, trabalha em torno de paradigmas, os quais são motivados por instâncias sensíveis e intelectuais, capazes de conectar elementos singulares na formação de um todo. Tanto a lógica arquivística dos bancos de dados quanto a coleção, portanto, são organizados na perspectiva de paradigmas estabelecidos para conduzir essas séries. No entanto, apesar de o paradigma do arquivo ser também fruto de um trabalho de interpretação do arconte, há uma funcionalidade coletiva que o perpassa. Já a coleção se sustenta em paradigmas cujo valor e poder se organizam em torno da paixão e da motivação do sujeito colecionador. Ao transportar singulares histórias, a coleção parece gerar um amálgama entre as noções de paradigma e o sintagma. Só uma organização mais ou menos complexa de objetos que se relacionem uns com os outros constitui cada objeto em uma abstração suficiente para que ele possa ser recuperado pelo indivíduo na abstração vivida que é o sentimento de posse. Esta organização é a coleção. (BAUDRILLARD, 1989, p.95). Há, portanto, uma atitude poética na atividade de colecionar. O sentimento de posse despertado em Calle e sua busca em personalizar um conjunto de signos fazem com que a atividade da artista oscile entre o ser arconte e o ser colecionador. Esse entrelugar ainda em configuração hipotética, visto que demandaria uma investigação mais rigorosa parece ser cativo aos artistas que têm seus processos de criação iniciados por um grupo de objetos. 7

8 Pode-se dizer que o sintagma (a série) é construído pela articulação de paradigmas, propondo um modo de organização para eles. Nas experimentações artísticas, tal organização, a qual podemos chamar de narratividade, se apresenta de forma autônoma, marcada por certa singularidade estética. Em todos os contextos, organizar implica estabelecer associações. Sobre esse aspecto, vale mencionar a idéia de consignação, trabalhada por Derrida (2001, p ) a respeito da função arcôntica: Não requer somente que o arquivo seja depositado em algum lugar sobre um suporte estável e à disposição de uma autoridade hermenêutica legítima. É preciso que o poder arcôntico, que concentra também as funções de unificação, identificação, classificação caminhe junto com o que chamaremos o poder de consignação. Nesse sentido, para a lógica arquivística funcionar, é necessário que haja por parte do arconte a habilidade da reunião, aspecto que dialoga com a noção de associação, a qual é trabalhada no contexto dos processos de criação por Fayga Ostrower. Vale dizer que tal perspectiva também se mostra coerente com as formulações de Baudrillard a respeito da atividade do colecionador. [...] as associações compõem a essência do nosso mundo imaginativo. São correspondências, conjeturas evocadas à base de semelhanças, ressonâncias íntimas em cada um de nós com experiências anteriores e com todo um sentimento de vida. [...] Apesar de espontâneo, há mais do que certa coincidência no associar. Há coerência (OSTROWER, 2001, p. 20). Durante quase quinze anos, as imagens recebidas por Calle catalisaram sucessivas tentativas de organização. As experiências da artista para tentar atribuir novos sentidos às imagens envolveram uma série de ações, muitas das quais foram 8

9 abandonadas no processo do trabalho. Em um primeiro momento, a artista buscou trabalhar com associações que tinham como paradigma a relação mão/dinheiro. Em momento seguinte, buscou a abordagem de pessoas que utilizavam os caixas eletrônicos, em uma tentativa de capturar a relação das pessoas com o dinheiro. Entre as tentativas de oferecer mundos para as imagens apresentadas em Unfinished, ganha destaque o pedido que Calle fez a Jean Baudrillard para que escrevesse textos para essas imagens. Baudrillard a respondeu com uma lista de elementos que, na sua opinião, se associavam aos caixas eletrônicos: uma urna, um urinol, um confessionário etc. Baudrillard cria um inventário de ambientes em torno dessas imagens e do comportamento dessas imagens. No entanto, Calle ainda não estava satisfeita. Havia um incômodo confesso pelo fato de serem as imagens de uma máquina e o texto de outra pessoa. 4 - Os deslimites da memória: as linhas de fuga O desfecho de Unfinished, em um olhar superficial, parece retornar ao ponto de partida, o banco de dados. Desistindo de todas as tentativas realizadas de associações em torno do conjunto de imagens, os autores optam por organizar a nova série, tendo como paradigma a própria condição das imagens, silenciosas e, ao mesmo tempo, reveladoras de um amplo contexto de relações. O paradigma organizador se torna então a imagem e seus corpos (os corpos devem ser considerados em sentido amplo: corpo como subjetividade, corpo como objeto, como encarnação, corpo anônimo, corpo/imagem como signo, imagem como processo). Prioriza-se, pois, um regime de visibilidade que tende a reinventar a potência dessas imagens como articuladoras de conexões. Unfinished é, então, um ensaio 9

10 videográfico que incentiva a existência de um confronto entre o pensar sobre as imagens e o pensar com as imagens. O esforço de Calle e Balducci, explicitado no vídeo, é realizado na zona fronteiriça entre um universo de imagens marcado pelo domínio das instituições financeiras e maquínicas; e a tentativa de humanização dessas imagens. As poéticas artísticas tendem a operar essas passagens, viabilizando o trânsito de um sistema para outro, pela via da subjetivação. Se a lógica arquivística impõe a consideração da memória; no percurso criativo de Calle e Balducci, a memória é inventada e reinventada. A atividade da ressignificação está intimamente ligada ao ato de dar memória às imagens. No espaço da arte, na perspectiva da qual estamos tratando, é possível dizer que o arquivo é um ponto de partida; trata-se de um arquivo abandonado, que se oferece a um novo contexto. Ele não carrega mais do que uma potência de memória, a qual se abre à fabulação de seu arconte. Recontextualizando a fala de Derrida, É outra maneira de dizer que o arquivo, como impressão, escritura, prótese ou técnica hipomnésica em geral, não é somente o local de estocagem e de conservação de um conteúdo arquivável passado, que existiria de qualquer jeito e de tal maneira que, sem o arquivo, acreditaríamos ainda que aquilo aconteceu ou teria acontecido. Não, a estrutura técnica do arquivo arquivante determina também a estrutura do conteúdo arquivável em seu próprio surgimento e em sua relação com o futuro. O arquivamento tanto produz quanto registra o evento (DERRIDA, 2001, p.28-29). Referências bibliográficas BAUDRILLARD, Jean. O sistema dos objetos. SP. Perspectiva, DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Felix. Mil Platôs capitalismo e esquizofrenia. Vol.1. Rio de Janeiro: Editora 34,

11 FLUSSER, Vilém. Imagens nos novos meios. In.: O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. SP: Coisac Naify, p MANOVICH, Lev. The language of new media. Massachusetts Institute of Technology, NEUENSCHWANDER, Rivane. Ici lá-bas aqui acolá. Belo Horizonte: Lei Municipal de Incentivo à Cultura, OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. 21 ed. Petrópolis: Vozes, p. PLAZA, Júlio e TAVARES, Mônica. Processos Criativos com os Meios Eletrônicos: Poéticas Digitais. São Paulo: Hucitec, VIRILIO, Paul. A imagem virtual mental e instrumental. In.: PARENTE, André (org.) Imagem máquina: a era das tecnologias do virtual. Rio de Janeiro: Ed. 34, p

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO

SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO Eixo Temático: Processos organizativos, comunidades e práticas sociais Autores: Manoela Lage UERJ (manoelalage@yahoo.com.br)

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Kelly Gonçalves da Silva gsilva.kelly@gmail.com Instituto de Psicologia 12º período Clara Castilho Barcellos

Leia mais

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência Ana Raquel da Rocha Bezerra, UFPE Andressa Layse Sales Teixeira, UFRN RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

Anuários de Criação. Imagens da intimidade em propaganda impressa

Anuários de Criação. Imagens da intimidade em propaganda impressa USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PESQUISAS ACADÊMICAS Anuários de Criação Imagens da intimidade em propaganda impressa Docente Responsável:

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Da Árvore ao Rizoma: proposta de um percurso

Da Árvore ao Rizoma: proposta de um percurso Da Árvore ao Rizoma: proposta de um percurso Dr. João André Brito Garboggini Docente da Faculdade de Publicidade e Propaganda Centro de Linguagem e Comunicação PUC-Campinas Resumo: Este trabalho procura

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 250112B - Artes Visuais. Ênfase. Disciplina 0003853B - Filosofia Estética nas Artes Visuais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 250112B - Artes Visuais. Ênfase. Disciplina 0003853B - Filosofia Estética nas Artes Visuais Curso 250112B - Artes Visuais Ênfase Identificação Disciplina 0003853B - Filosofia Estética nas Artes Visuais Docente(s) Olimpio Jose Pinheiro Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o

Leia mais

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o mais recente? E por que um simples retrato, mais que você, me comove, se

Leia mais

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES 1 A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES São Paulo SP 04/2015. Juliana Moraes Marques Giordano USP julianagiordano@usp.br 2.1.1. Classe: Investigação Científica

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Marly de Menezes Gonçalves, Doutoranda em Arquitetura pela FAU/USP FASM - Faculdade Santa Marcelina professora do

Leia mais

Introdução. Introdução. Introdução. Organização Estruturada de Computadores. Introdução. Máquinas Multiníveis

Introdução. Introdução. Introdução. Organização Estruturada de Computadores. Introdução. Máquinas Multiníveis Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Máquinas Multiníveis Prof. Sergio Ribeiro Computador digital máquina que resolve problemas executando uma série de instruções. Programa conjunto de instruções

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

É oportuno considerar a disciplina como núcleo do sistema pedagógico acadêmico, sendo fundamental focar o papel que desempenha na formação

É oportuno considerar a disciplina como núcleo do sistema pedagógico acadêmico, sendo fundamental focar o papel que desempenha na formação INTRODUÇÃO O presente livro constitui registro e reflexão coletiva sobre a primeira experiência desenvolvida na disciplina Docência no Ensino Superior, ofertada pelo Departamento de Teoria e Planejamento

Leia mais

Comunicação FORMAÇÃO CONTINUADA EM ARTE-EDUCAÇÃO

Comunicação FORMAÇÃO CONTINUADA EM ARTE-EDUCAÇÃO Comunicação FORMAÇÃO CONTINUADA EM ARTE-EDUCAÇÃO Simone André Mônica Pellegrini Maria Lívia de Castro Andrade Paulo Emílio de Castro Andrade 1 Palavras-chave: Formação Continuada de Arte-Educadores; Projetos

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES

A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES Introdução Vilma Fernandes Neves Maria Auxiliadora Cavazotti Patrícia Andréia Fonseca de Carvalho Pitta Programa de Pós-Graduação

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 Índice 1. Semiótica...3 1.1. Conceito... 3 1.2. Objetivos da Semiótica... 4 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Signo... 4 1.3.2. Índices... 4 1.3.3. Símbolo... 4 1.4. Conceito...

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011 PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES 1 Diretrizes para o ensino de Arte 2011 1 Arte e legislação educacional: A inclusão da Arte no currículo escolar foi

Leia mais

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios Disponível em http:// RAC, Curitiba, v. 15, n. 4, pp. 761-765, Jul./Ago. 2011 Documentos e Debates: Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 91 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet

Leia mais

TRANSFORMAR A ARTE, MUDAR A VIDA

TRANSFORMAR A ARTE, MUDAR A VIDA TRANSFORMAR A ARTE, MUDAR A VIDA Celso F. FAVARETTO* Traçando e repensando o seu trajeto experimental, da crise da pintura, manifestada em 1959 nos monocromáticos (denominados "Invenções"), aos últimos

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social PALESTRA 03: Investigação em Serviço Social: para quê, a

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores COMPREENSÕES DE PROFESSORES ACERCA DAS CONTRIBUIÇÕES DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Ana Paula

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...452 RELATOS DE EXPERIÊNCIAS...454 RESUMOS DE PROJETOS...456

RESUMOS SIMPLES...452 RELATOS DE EXPERIÊNCIAS...454 RESUMOS DE PROJETOS...456 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 451 RESUMOS SIMPLES...452 RELATOS DE EXPERIÊNCIAS...454 RESUMOS DE PROJETOS...456 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

mostrar os limites que o modo dicotomizado da ciência moderna coloca às definições desenvolvidas.

mostrar os limites que o modo dicotomizado da ciência moderna coloca às definições desenvolvidas. TROCAS NA INTERNET COM ESPAÇOSTEMPOS CURRICULARES CALDAS, Alessandra da Costa Barbosa Nunes UERJ ANDRADE, Nivea Maria da Silva UERJ CORDEIRO, Rosangela Lannes Couto UERJ GT-12: Currículo Agência Financiadora:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROGRAMA GERAL DE COMPONENTE CURRICULAR - PGCC

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROGRAMA GERAL DE COMPONENTE CURRICULAR - PGCC FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROGRAMA GERAL DE COMPONENTE CURRICULAR - PGCC I. Identificação Área de Concentração: Estudos do Texto e do Discurso Linha de Pesquisa: Discurso, memória e identidade Disciplina:

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 2, pág. 1307.

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 2, pág. 1307. A CRÍTICA GENÉTICA NO UNIVERSO DAS OBRAS DE ARTE: UM RECORTE DO PROCESSO CRIATIVO DE VIK MUNIZ Thais Jerônimo Duarte thaisjeronimo@hotmail.com Analisar obras de arte é analisar imagens produzidas pelo

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Mairiporã Código: 271 Município: Mairiporã Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM CONTABILIDADE

Leia mais

FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD.

FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD. FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD. Márcia Marques Damasceno Mestrado em Ética e Filosofia Política pela UFC Tutora à Distância

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Tainah Schuindt Ferrari Veras Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru/SP e-mail: tainah.veras@gmail.com

Leia mais

Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011

Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011 Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011 1. Enquadramento O Serviço Educativo da Casa das Histórias Paula Rego é entendido como um sector de programação que visa uma mediação significativa entre

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

SNV - sistema nervoso virtual: um ensaio, uma reflexão

SNV - sistema nervoso virtual: um ensaio, uma reflexão SNV - sistema nervoso virtual: um ensaio, uma reflexão Felipe José Mendonça Ferreira * RESUMO Este artigo traz para o debate acadêmico o uso do computador na criação artística contemporânea a partir do

Leia mais

O QUE É A FILOSOFIA? DA CRIAÇÃO CONCEITUAL AO APRENDER 1

O QUE É A FILOSOFIA? DA CRIAÇÃO CONCEITUAL AO APRENDER 1 O QUE É A FILOSOFIA? DA CRIAÇÃO CONCEITUAL AO APRENDER 1 Jurandir Goulart Soares 2 Salvador Leandro Barbosa 3 Resumo: O presente trabalho pretende apontar a partir da contribuição dos filósofos franceses

Leia mais

MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA

MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA Neste tópico, o monitor do PJ receberá informações básicas sobre a organização do Estado, o Poder e o Processo Legislativos, política e participação, necessárias ao desenvolvimento

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES RELATÓRIO Oficina de fotografia e vídeo com celulares como ferramenta de inclusão visual através de tecnologias acessíveis, percepção do território, construção

Leia mais

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Luísa Kiefer...a nossa experiência diária parece mostrar que nos constituímos como seres que se deslocam pela vida, com a única certeza da

Leia mais

Tradução/interpret(ação) de Libras/Língua Portuguesa em salas de aula do ensino regular... Atividade ética e estética

Tradução/interpret(ação) de Libras/Língua Portuguesa em salas de aula do ensino regular... Atividade ética e estética Tradução/interpret(ação) de Libras/Língua Portuguesa em salas de aula do ensino regular... Atividade ética e estética Adriane de Castro Menezes Sales 1 Traduzir não é atividade restrita ao estritamente

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

O FILOSOFAR DENTRO DA SALA DE AULA: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

O FILOSOFAR DENTRO DA SALA DE AULA: CAMINHOS E POSSIBILIDADES Rodrigo Barboza dos Santos O FILOSOFAR DENTRO DA SALA DE AULA: CAMINHOS E POSSIBILIDADES Introdução Quando se fala em Filosofia, algumas reações são imediatamente notadas. Alguns acreditam ser algo difícil

Leia mais

LEITURA, ESCRITA E PESQUISA EM LETRAS. análise do discurso de textos acadêmicos

LEITURA, ESCRITA E PESQUISA EM LETRAS. análise do discurso de textos acadêmicos LEITURA, ESCRITA E PESQUISA EM LETRAS análise do discurso de textos acadêmicos c o l e ç ã o f a z e r A - p a r e c e r Temos o prazer de apresentar aos leitores a Coleção Fazer A-parecer destinada a

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Daniele Nunes Henrique Silva. Imaginação, criança {e escola

Daniele Nunes Henrique Silva. Imaginação, criança {e escola Daniele Nunes Henrique Silva Imaginação, criança {e escola IMAGINAÇÃO, CRIANÇA E ESCOLA Copyright 2012 by Daniele Nunes Henrique Silva Direitos desta edição reservados por Summus Editorial Editora executiva:

Leia mais

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Carla do Eirado Silva carlaeirado@gmail.com 11º período Instituto de Psicologia Cintia Siqueira de Oliveira cintia_imjc@hotmail.com 10º

Leia mais

Acoplamento tecnológico e cognição 1

Acoplamento tecnológico e cognição 1 Acoplamento tecnológico e cognição 1 CLECI MARASCHIN * MARGARETE AXT ** RESUMO Este artigo convida a pensar sobre como as relações, a aprendizagem, os saberes podem ser afetados na convivência com as tecnologias.

Leia mais

Galerias Virtuais: novos modos expositivos e a legitimação da arte contemporânea na web.

Galerias Virtuais: novos modos expositivos e a legitimação da arte contemporânea na web. Galerias Virtuais: novos modos expositivos e a legitimação da arte contemporânea na web. 1 Andrea Capssa Lima Resumo Este artigo na área da Arte Contemporânea e Arte e Tecnologia, analisa as novas possibilidades

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

RESUMO: O presente trabalho narra a vivência de estudantes de pos graduação na disciplina Interdisciplinaridade e Educação no curso de especialização

RESUMO: O presente trabalho narra a vivência de estudantes de pos graduação na disciplina Interdisciplinaridade e Educação no curso de especialização 1 RESUMO: O presente trabalho narra a vivência de estudantes de pos graduação na disciplina Interdisciplinaridade e Educação no curso de especialização em Docência do Ensino Superior. Tal trajetória consistiu

Leia mais

Instituto Fonte Diálogo A integração entre a avaliação e gestão no mundo real. Rizoma mapeando encontros e desenvolvimentos. por Joyce M.

Instituto Fonte Diálogo A integração entre a avaliação e gestão no mundo real. Rizoma mapeando encontros e desenvolvimentos. por Joyce M. Instituto Fonte Diálogo A integração entre a avaliação e gestão no mundo real Rizoma mapeando encontros e desenvolvimentos Não há um método para descobrir, apenas uma longa preparação. Gilles Deleuze por

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SOCIAL NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS COPIADOS DE MODA EM EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE EM GOIÂNIA

ORGANIZAÇÃO SOCIAL NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS COPIADOS DE MODA EM EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE EM GOIÂNIA ORGANIZAÇÃO SOCIAL NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS COPIADOS DE MODA EM EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE EM GOIÂNIA Humberto Pinheiro LOPES umpiro@gmail.com Faculdade de Artes Visuais Míriam da Costa Manso

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE PEDRO II

PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE PEDRO II PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE PEDRO II CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO (LATO SENSU) LINGUAGEM E NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO CREDENCIADA PELA PORTARIA MEC Nº 1.096, DE 29/05/06 (Resolução CNE/CES nº 01/2007)

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais

2 APRESENTAÇÃO. O Projeto foi aplicado no Centro Educacional Luiz de Camões.

2 APRESENTAÇÃO. O Projeto foi aplicado no Centro Educacional Luiz de Camões. TEMA : A GRAVURA E EU NO CONTEXTO POLÍTICO ATUAL 2 APRESENTAÇÃO O Projeto foi aplicado no Centro Educacional Luiz de Camões. OFICINA: GRAVURA ARTES VISUAIS EIXO TEMÁTICO: LITERATURA E LINGUAGEM VISUAL

Leia mais

A CULTURA VISUAL E O MEIO AMBIENTE COMO COMPONENTES TRANVERSALIZANTES PARA A AÇÃO EDUCATIVA

A CULTURA VISUAL E O MEIO AMBIENTE COMO COMPONENTES TRANVERSALIZANTES PARA A AÇÃO EDUCATIVA A CULTURA VISUAL E O MEIO AMBIENTE COMO COMPONENTES TRANVERSALIZANTES PARA A AÇÃO EDUCATIVA Mariana Garcia Barbosa 1 Elisete Medianeira Tomazetti 2 Resumo: A pesquisa foi realizada em escola da rede estadual

Leia mais

2.1 A duração do programa de residência será de até dois meses para o desenvolvimento de cada projeto selecionado.

2.1 A duração do programa de residência será de até dois meses para o desenvolvimento de cada projeto selecionado. Convocatória Residência Internacional LABMIS 2013 O Museu da Imagem e do Som abre inscrições para o programa Residência Internacional LABMIS 2013, abrangendo projetos artísticos nas áreas de fotografia

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda

Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda Autor Lourdes Maria Puls Introdução As imagens são utilizadas como meio de comunicação e expressão cultural

Leia mais

Proposta N o 83 Dezembro/Fevereiro de 1999/00

Proposta N o 83 Dezembro/Fevereiro de 1999/00 Avaliação: face escolar da exclusão social? Maria Teresa Esteban* * Doutora em Educação. Professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense e Pesquisadora do grupo Alfabetização dos

Leia mais

Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento. Olá!

Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento. Olá! Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento Olá! Seja bem- vindo ao Curso de Especialização Formação Integrada Multiprofissional em Educação Permanente em Saúde Educação Permanente em Saúde

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM Adriana Bragagnolo i ( Universidade de Passo Fundo) 1. NOTA INICIAL O presente texto objetiva socializar reflexões a respeito da literatura infantil no cenário

Leia mais

CHAMAMENTO PÚBLICO POIESIS Nº3/2013

CHAMAMENTO PÚBLICO POIESIS Nº3/2013 CHAMAMENTO PÚBLICO POIESIS Nº3/2013 OBJETO: Processo de Seleção para o Programa da Casa das Rosas Centro de Referência Haroldo de Campos para Incentivo à Pesquisa e Tradução da Obra de Haroldo de Campos

Leia mais

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda.

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. 2 NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. Na sua 5ª edição no Brasil o NÖOS RESFEST tem duração de 3 dias e será

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO ULISSES F. ARAÚJO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO Copyright 2004, 2014 by Ulisses F. Araújo Direitos

Leia mais