O ARQUIVO DE IMAGENS E A COLEÇÃO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE DE UNFINISHED (SOPHIE CALLE E FABIO BALDUCCI)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ARQUIVO DE IMAGENS E A COLEÇÃO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE DE UNFINISHED (SOPHIE CALLE E FABIO BALDUCCI)"

Transcrição

1 O ARQUIVO DE IMAGENS E A COLEÇÃO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE DE UNFINISHED (SOPHIE CALLE E FABIO BALDUCCI) Renata Alencar * Resumo: Como as noções de arquivo, banco de dados e coleção contribuem para a construção de processos criativos? Como a memória se revela nesses percursos de criação? Tendo como objeto de análise o vídeo Unfinished de Sophie Calle e Fabio Balducci, este artigo apresenta reflexões preliminares de percursos criativos bastante particulares, os quais se inauguram no encontro do artista com coleções abandonadas. Introdução Entre os objetos pessoais da mãe, Akram Zaatari, artista contemporâneo do Líbano, encontrou uma fotografia da avó quando jovem. A assinatura da foto do nu indicava para Van Leo, um fotógrafo do Cairo. Inicia-se, pois, a busca pela história dessa imagem a qual se singulariza no vídeo Her + Him, Van Leo ( ). O encontro de Zaatari com Van Leo parece cercar uma imagem de mundos. A memória individual acaba se estendendo para a conformação do desenho de uma memória coletiva. A artista brasileira Rosângela Rennó, no final da década de noventa, partindo de fotografias e negativos do acervo do Museu Penitenciário Paulista, elabora três séries: Cicatriz (1996), Museu Penitenciário/Cicatriz (1997/1998) e Vulgo (1998) 1. * Renata Alencar é mestre em Comunicação Social pela UFMG. Além de atuar como docente na graduação das Faculdades Promove, coordena, desde 2006, o curso de pós-graduação lato sensu Processos criativos em palavra e imagem na PUC Minas. Seus estudos circunscrevem as interfaces entre comunicação, arte e tecnologia, tendo a semiótica como base teórica predominante. 1

2 Trata-se de uma organização particular para imagens de presidiários a qual possui como paradigma central a relação marca, corpo e identidade 2. Em 2002, Rivane Neuenschwander apresenta, no Museu de Arte da Pampulha, em Belo Horizonte, a obra Imprópria paisagem: Marinhas adquiridas em feiras de rua ou encomendadas a amigos são repintadas, eliminando-se barcos e outros elementos que não sejam da natureza. Barcos feitos de papel encontrados na rua são colocados no chão, na frente das pinturas (NEUENSCHWANDER, 2005, p. 15). Em 1988, Sophie Calle recebeu de um banco europeu um arquivo de imagens gravadas pelo circuito interno de vigilância de caixas eletrônicos. Essas imagens deram início ao percurso criativo da artista que configurou, em parceria com Fabio Balducci, o vídeo Unfinished (2005), testemunho metalingüístico de um processo de criação específico que revela no próprio nome sua natureza inconclusa. A despeito das singularidades que marcam cada um dos trabalhos acima mencionados, pode-se inferir a existência de um ponto de confluência entre eles: a ideia de um processo de criação pautado na tentativa de organizar e ressignificar um conjunto de signos abandonados. No intuito de promover uma reflexão acerca da forma como as noções de arquivo, banco de dados e coleção contribuem para a construção de percursos criativos específicos, elegeu-se a obra Unfinished de Sophie Calle e Fabio Balducci como objeto de análise. A escolha dessa obra se justifica por sua natureza ensaística, capaz de desvelar o seu próprio processo de constituição, o que oferece bases para a reflexão proposta. 2 Vale dizer que Rosângela Rennó possui diversos trabalhos que, de modos singulares, lidam com o universo das coleções. A artista é, assumidamente, uma colecionadora. 2

3 Este texto teve seu percurso elaborado em quatro etapas, ou melhor, em quatro camadas, uma vez que as discussões se sobrepõem com freqüência: O arquivo, A busca, Rotas e Os deslimites da memória. O leitor mais atento verá que as três primeiras partes fazem analogia com diferentes momentos de um processo de criação, ao tempo que o quarto e último tópico do texto apresenta as considerações finais. 1. O arquivo Levanta-se então infinita, fora de proporção, sempre em curso, em mal de arquivo, a espera sem horizonte acessível, a impaciência absoluta de um desejo de memória (DERRIDA, 2001, p.9). A relação entre o arquivo e a manutenção da memória é tema de várias discussões, as quais se acentuam diante do atual contexto sociotécnico. Fausto Colombo, em sintonia com Jacques Derrida, atenta para a mania arquivística que permeia conjuntamente a cultura e a evolução tecnológica, sinalizando o que chama de autêntica vocação para a memória (COLOMBO, 1991, p.17). O autor propõe ainda quatro categorias iniciais a partir das quais as práticas arquivísticas se revelariam: a gravação, o arquivamento, o arquivamento da gravação e a gravação do arquivamento. Enquanto a gravação diz do modo de fixar um acontecimento na condição de signo através de um suporte, o arquivamento se refere a uma tradução do acontecimento, o qual passa a pertencer a um sistema específico, conformando-se segundo suas leis e códigos e sendo ali localizável. As duas últimas categorias de Colombo são originadas do intercâmbio das duas primeiras e têm central importância para a compreensão da obra aqui analisada: 3

4 Em terceiro lugar, o arquivamento da gravação, que é a tradução de uma imagem-recordação, de um ícone mnemônico em um signo arquivístico e localizável no sistema. E por fim, a gravação do arquivamento, isto é, a produção de cópias dos signos já arquivados a fim de evitar-se um possível esquecimento (COLOMBO, 1991, p.18). As imagens gravadas em circuitos internos de vigilância carregam consigo as lógicas da gravação e do arquivamento, bem como de seus desdobramentos. Elas são produzidas sob uma lógica do poder da vigilância, articulando uma polêmica publicização de vidas privadas que circulam em ambientes públicos. São também frutos de uma inflação simbólica que produz aglomerados de imagens impotentes 3, as quais transformam o sujeito em objeto. Vilém Flusser, ao discutir as imagens dos meios digitais, em sua capacidade de produção, armazenamento e circulação diz: [...] os novos meios, da maneira como funcionam hoje, transformam as imagens em verdadeiros modelos de comportamento e fazem dos homens meros objetos. Mas os meios podem funcionar de maneira diferente, a fim de transformar as imagens em portadoras e os homens em designers de significados (FLUSSER, 2007, p. 159). Sophie Calle, em Unfinished, anuncia-se portadora de um conjunto de imagens silenciosas, observadoras de flagrantes, testemunhos e cúmplices dos fluxos nas cabines dos caixas eletrônicos, vigilantes. Eu não sabia o que fazer com essas imagens. Elas diziam algo, mas o que?, denuncia Calle em voz off. Ao receber as imagens do banco, a artista torna-se uma espécie de arconte, referência aos primeiros guardiões do arquivo. Sobre os arcontes, Derrida (2001, p.12-13), esclarece que, mais do que guardar e proteger o lugar do depósito, Cabiam-lhes também o direito e a competência hermenêuticos. Tinham o poder de 3 O termo impotente é aqui utilizado na perspectiva trabalhada por Paul Virilio, o qual toma o acelerado fluxo das imagens como emblema da midiatização da experiência. Grosso modo, tais imagens são vazias, não proporcionando ao homem o sentido pleno da experiência com o mundo. Cf. VIRILIO, Paul. A imagem virtual mental e instrumental. In.: PARENTE, André (org.) Imagem máquina: a era das tecnologias do virtual. Rio de Janeiro: Ed. 34, p

5 interpretar os arquivos. Eis o desafio posto a Calle e Balducci o qual dialoga com o desafio que Flusser propõe no âmbito das imagens técnicas, a tarefa de projetar significados. A noção contemporânea de banco de dados está apta a ser contextualizada na perspectiva da lógica arquivística, tal como sinaliza Colombo (1991, p.18): [...] a tecnologia informática e telemática, ao menos enquanto utilizada para a constituição de banco de dados, parece basear-se no arquivamento: não só porque este traduz cada fragmento em unidade de linguagem binária, mas também porque literaliza cada possível aspecto do mundo em informação legível em caracteres alfanuméricos. Lev Manovich (2001) aborda os bancos de dados como complexos de armazenamentos de formas culturais. No entanto, o autor estabelece uma importante relação entre o banco de dados e a narrativa. Para o autor, enquanto o banco de dados opera por uma lógica paradigmática, as narrativas operam com uma organização sintagmática. Nesse momento, é válido estabelecermos uma aproximação com Unfinished: as imagens gravadas pelas câmeras de vigilância e arquivadas são componentes de um banco de dados o qual foi disponibilizado para a artista; a atividade de Calle em seu processo criativo seria, então, construir um percurso expressivo para os elementos desse banco de dados, interpretando-os, ressignificando-os. Trata-se do papel de arconte que a artista assume. 2 - A busca: a memória desfigurada Em Unfinished, Calle e Balducci assumem a busca pela memória das imagens. Calle chega a afirmar no vídeo que tais imagens eram imagens sem 5

6 memória. O que revela a memória? Como encontrar a memória desse arquivo de imagens? A memória, em um primeiro momento, diz de uma conservação do passado, aspecto que está na gênesis da lógica arquivística. No entanto, a atividade da memória só se singulariza na condição do presente que traz e recontextualiza um aspecto passado. Qual é o passado que essas imagens revelam? Um processo criativo engloba atividades intuitivas e intelectuais. Um processo criativo tem origem, grosso modo, por um estímulo à criação (PLAZA e TAVARES, 1998). Trata-se do princípio catalisador de um percurso, o qual é marcado, em Unfinished, pela série de indagações que o conjunto de imagens suscitou. Uma vez que a tarefa da criação é posta, instaura-se um trajeto de pesquisas, experiências, levantamento de possibilidades, registros, referências etc que, normalmente, se encontram materializados nos dossiês e diários de criação. Essa fase exploratória é indispensável para que o insight criativo aconteça, uma vez que o insight é a fase de iluminação que surge como fruto de uma intensa atividade mental e material (PLAZA e TAVARES, 1998; OSTROWER, 2007). O vídeo de Calle e Balducci, ao tempo em que se apresenta como obra, apresenta-se também como registro de processo. O que os diários e dossiês de criação fazem é materializar parte das conexões geradas no percurso criativo, dentre as quais muitas são abandonadas. Nesse âmbito, as naturezas ensaística e metalinguística de Unfinished nos permitem acessar a multiplicidade e a heterogeneidade do pensamento criador na própria obra-processo. É exatamente nesse ponto que a memória se revela, uma vez que ter acesso ao processo significa recuperar/inaugurar, a(s) história(s) dessas imagens. 3 - Rotas: tentativas de organização sintagmática 6

7 Em momento anterior, foi dito que um banco de dados tende a dar centralidade ao eixo paradigmático, ao tempo que as articulações narrativas operam com o eixo sintagmático. Baudrillard (1989, p. 99), ao se referir ao contexto das coleções, diz que o paradigma é o emblema de uma série. Para o autor, a coleção implica uma organização peculiar, pessoal. Tal organização, no entanto, trabalha em torno de paradigmas, os quais são motivados por instâncias sensíveis e intelectuais, capazes de conectar elementos singulares na formação de um todo. Tanto a lógica arquivística dos bancos de dados quanto a coleção, portanto, são organizados na perspectiva de paradigmas estabelecidos para conduzir essas séries. No entanto, apesar de o paradigma do arquivo ser também fruto de um trabalho de interpretação do arconte, há uma funcionalidade coletiva que o perpassa. Já a coleção se sustenta em paradigmas cujo valor e poder se organizam em torno da paixão e da motivação do sujeito colecionador. Ao transportar singulares histórias, a coleção parece gerar um amálgama entre as noções de paradigma e o sintagma. Só uma organização mais ou menos complexa de objetos que se relacionem uns com os outros constitui cada objeto em uma abstração suficiente para que ele possa ser recuperado pelo indivíduo na abstração vivida que é o sentimento de posse. Esta organização é a coleção. (BAUDRILLARD, 1989, p.95). Há, portanto, uma atitude poética na atividade de colecionar. O sentimento de posse despertado em Calle e sua busca em personalizar um conjunto de signos fazem com que a atividade da artista oscile entre o ser arconte e o ser colecionador. Esse entrelugar ainda em configuração hipotética, visto que demandaria uma investigação mais rigorosa parece ser cativo aos artistas que têm seus processos de criação iniciados por um grupo de objetos. 7

8 Pode-se dizer que o sintagma (a série) é construído pela articulação de paradigmas, propondo um modo de organização para eles. Nas experimentações artísticas, tal organização, a qual podemos chamar de narratividade, se apresenta de forma autônoma, marcada por certa singularidade estética. Em todos os contextos, organizar implica estabelecer associações. Sobre esse aspecto, vale mencionar a idéia de consignação, trabalhada por Derrida (2001, p ) a respeito da função arcôntica: Não requer somente que o arquivo seja depositado em algum lugar sobre um suporte estável e à disposição de uma autoridade hermenêutica legítima. É preciso que o poder arcôntico, que concentra também as funções de unificação, identificação, classificação caminhe junto com o que chamaremos o poder de consignação. Nesse sentido, para a lógica arquivística funcionar, é necessário que haja por parte do arconte a habilidade da reunião, aspecto que dialoga com a noção de associação, a qual é trabalhada no contexto dos processos de criação por Fayga Ostrower. Vale dizer que tal perspectiva também se mostra coerente com as formulações de Baudrillard a respeito da atividade do colecionador. [...] as associações compõem a essência do nosso mundo imaginativo. São correspondências, conjeturas evocadas à base de semelhanças, ressonâncias íntimas em cada um de nós com experiências anteriores e com todo um sentimento de vida. [...] Apesar de espontâneo, há mais do que certa coincidência no associar. Há coerência (OSTROWER, 2001, p. 20). Durante quase quinze anos, as imagens recebidas por Calle catalisaram sucessivas tentativas de organização. As experiências da artista para tentar atribuir novos sentidos às imagens envolveram uma série de ações, muitas das quais foram 8

9 abandonadas no processo do trabalho. Em um primeiro momento, a artista buscou trabalhar com associações que tinham como paradigma a relação mão/dinheiro. Em momento seguinte, buscou a abordagem de pessoas que utilizavam os caixas eletrônicos, em uma tentativa de capturar a relação das pessoas com o dinheiro. Entre as tentativas de oferecer mundos para as imagens apresentadas em Unfinished, ganha destaque o pedido que Calle fez a Jean Baudrillard para que escrevesse textos para essas imagens. Baudrillard a respondeu com uma lista de elementos que, na sua opinião, se associavam aos caixas eletrônicos: uma urna, um urinol, um confessionário etc. Baudrillard cria um inventário de ambientes em torno dessas imagens e do comportamento dessas imagens. No entanto, Calle ainda não estava satisfeita. Havia um incômodo confesso pelo fato de serem as imagens de uma máquina e o texto de outra pessoa. 4 - Os deslimites da memória: as linhas de fuga O desfecho de Unfinished, em um olhar superficial, parece retornar ao ponto de partida, o banco de dados. Desistindo de todas as tentativas realizadas de associações em torno do conjunto de imagens, os autores optam por organizar a nova série, tendo como paradigma a própria condição das imagens, silenciosas e, ao mesmo tempo, reveladoras de um amplo contexto de relações. O paradigma organizador se torna então a imagem e seus corpos (os corpos devem ser considerados em sentido amplo: corpo como subjetividade, corpo como objeto, como encarnação, corpo anônimo, corpo/imagem como signo, imagem como processo). Prioriza-se, pois, um regime de visibilidade que tende a reinventar a potência dessas imagens como articuladoras de conexões. Unfinished é, então, um ensaio 9

10 videográfico que incentiva a existência de um confronto entre o pensar sobre as imagens e o pensar com as imagens. O esforço de Calle e Balducci, explicitado no vídeo, é realizado na zona fronteiriça entre um universo de imagens marcado pelo domínio das instituições financeiras e maquínicas; e a tentativa de humanização dessas imagens. As poéticas artísticas tendem a operar essas passagens, viabilizando o trânsito de um sistema para outro, pela via da subjetivação. Se a lógica arquivística impõe a consideração da memória; no percurso criativo de Calle e Balducci, a memória é inventada e reinventada. A atividade da ressignificação está intimamente ligada ao ato de dar memória às imagens. No espaço da arte, na perspectiva da qual estamos tratando, é possível dizer que o arquivo é um ponto de partida; trata-se de um arquivo abandonado, que se oferece a um novo contexto. Ele não carrega mais do que uma potência de memória, a qual se abre à fabulação de seu arconte. Recontextualizando a fala de Derrida, É outra maneira de dizer que o arquivo, como impressão, escritura, prótese ou técnica hipomnésica em geral, não é somente o local de estocagem e de conservação de um conteúdo arquivável passado, que existiria de qualquer jeito e de tal maneira que, sem o arquivo, acreditaríamos ainda que aquilo aconteceu ou teria acontecido. Não, a estrutura técnica do arquivo arquivante determina também a estrutura do conteúdo arquivável em seu próprio surgimento e em sua relação com o futuro. O arquivamento tanto produz quanto registra o evento (DERRIDA, 2001, p.28-29). Referências bibliográficas BAUDRILLARD, Jean. O sistema dos objetos. SP. Perspectiva, DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Felix. Mil Platôs capitalismo e esquizofrenia. Vol.1. Rio de Janeiro: Editora 34,

11 FLUSSER, Vilém. Imagens nos novos meios. In.: O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. SP: Coisac Naify, p MANOVICH, Lev. The language of new media. Massachusetts Institute of Technology, NEUENSCHWANDER, Rivane. Ici lá-bas aqui acolá. Belo Horizonte: Lei Municipal de Incentivo à Cultura, OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. 21 ed. Petrópolis: Vozes, p. PLAZA, Júlio e TAVARES, Mônica. Processos Criativos com os Meios Eletrônicos: Poéticas Digitais. São Paulo: Hucitec, VIRILIO, Paul. A imagem virtual mental e instrumental. In.: PARENTE, André (org.) Imagem máquina: a era das tecnologias do virtual. Rio de Janeiro: Ed. 34, p

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

Documento Arquivístico Eletrônico. Produção de Documentos Eletrônicos

Documento Arquivístico Eletrônico. Produção de Documentos Eletrônicos Documento Arquivístico Eletrônico Produção de Documentos Eletrônicos Características do Documento. Arquivístico Autenticidade, São autênticos quando criados e conservados de acordo com procedimentos regulares

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...452 RELATOS DE EXPERIÊNCIAS...454 RESUMOS DE PROJETOS...456

RESUMOS SIMPLES...452 RELATOS DE EXPERIÊNCIAS...454 RESUMOS DE PROJETOS...456 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 451 RESUMOS SIMPLES...452 RELATOS DE EXPERIÊNCIAS...454 RESUMOS DE PROJETOS...456 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A prática da Educação Patrimonial:

A prática da Educação Patrimonial: A prática da Educação Patrimonial: uma experiência no município de Restinga Sêca / RS HELIANA DE MORAES ALVES E LAURO CÉSAR FIGUEIREDO Introdução O presente trabalho é um breve relato sobre uma prática

Leia mais

Teorias de Media e Comunicação

Teorias de Media e Comunicação Teorias de Media e Comunicação (4) Teóricos Contemporâneos Rita Espanha Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação 1º Semestre 2012/2013 terça-feira, 20 de Novembro de 2012 Página 2 Jürgen

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

EdUECE- Livro 2 02178

EdUECE- Livro 2 02178 1 CRIAÇÕES E REINVENÇÕES NA PRODUÇÃO COTIDIANA DO PROJETO REINVENTANDO O ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE CARTOGRÁFICA DA REALIDADE CRIADA PELOS SUJEITOS DA ESCOLA Cíntia Castro Monteiro Heloisa Raimunda Herneck

Leia mais

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação Considerando a importância de estudos que abordem dimensões

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o

Leia mais

ACORDAR SUAVE : AÇÃO DO DESIGN E SUSTENTABILIDADE CULTURAL

ACORDAR SUAVE : AÇÃO DO DESIGN E SUSTENTABILIDADE CULTURAL ACORDAR SUAVE : AÇÃO DO DESIGN E SUSTENTABILIDADE CULTURAL Geni Pereira dos Santos Mestre em Comunicação, genipereira2000@yahoo.combr Universidade Federal de Pernambuco Resumo: Este artigo discorre sobre

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 Índice 1. Semiótica...3 1.1. Conceito... 3 1.2. Objetivos da Semiótica... 4 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Signo... 4 1.3.2. Índices... 4 1.3.3. Símbolo... 4 1.4. Conceito...

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO Capítulo 1 INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO 1.1 Histórico de Linguagens de Programação Para um computador executar uma dada tarefa é necessário que se informe a ele, de uma maneira clara, como ele

Leia mais

Pinhal Digital 2: a caminho de uma atividade transdisciplinar.

Pinhal Digital 2: a caminho de uma atividade transdisciplinar. TEXTO 05 Pinhal Digital 2: a caminho de uma atividade transdisciplinar. Clarissa Ribeiro Pesquisadora do Nomads.USP Núcleo de Estudos sobre Habitação e Modos de Vida, Escola de Engenharia de São Carlos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

Fraturas e dissonâncias das imagens no regime estético das artes

Fraturas e dissonâncias das imagens no regime estético das artes Fraturas e dissonâncias das imagens no regime estético das artes Raquel do Monte 1 RESENHA RANCIÈRE, Jacques. O destino das imagens. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012. 1. Doutoranda em Comunicação, PPGCOM-UFPE.

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

Anuários de Criação. Imagens da intimidade em propaganda impressa

Anuários de Criação. Imagens da intimidade em propaganda impressa USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PESQUISAS ACADÊMICAS Anuários de Criação Imagens da intimidade em propaganda impressa Docente Responsável:

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO

ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO HOFFMANN, Mara Lúcia Schuster Bolsista do Capes - PIBID/UNIFRA Acadêmica do Curso de Filosofia UNIFRA Email: maraluciahoffmann@yahoo.com.br

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o mais recente? E por que um simples retrato, mais que você, me comove, se

Leia mais

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA PAULO, João Pedro Antunes de Universidade Estadual de Goiás UnU de Iporá jpadepaula@hotmail.com RESUMO Esta pesquisa foi feita

Leia mais

Pós-Graduação em Marketing de Moda

Pós-Graduação em Marketing de Moda Pós-Graduação em Marketing de Moda Público alvo Indicado para profissionais com formação em Moda, Design, Marketing, Comunicação, Arquitetura, dentre outros, e que atuem ou desejem atuar na área de Moda,

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Donald Hugh de Barros Kerr Júnior 1 Como pensar em ensino de arte e contemporaneidade, sem perceber as transformações que

Leia mais

REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE

REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE CHAMADA PÚBLICA 1ª EDIÇÃO DA REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE JUVENTUDE SECRETARIA NACIONAL DE JUVENTUDE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE 1. Apresentação da Chamada: A Revista Juventude

Leia mais

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Kelly Gonçalves da Silva gsilva.kelly@gmail.com Instituto de Psicologia 12º período Clara Castilho Barcellos

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí A produção literária referente à arquitetura e urbanismo sempre foi caracterizada pela publicação de poucos títulos, baixa diversidade

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Tainah Schuindt Ferrari Veras Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru/SP e-mail: tainah.veras@gmail.com

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Jéssica Goulart da Silva Universidade Federal do Pampa

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

2. Diálogo com a Literatura

2. Diálogo com a Literatura A DISCIPLINA BIOLOGIA APLICADA: UM ESTUDO SOBRE A SUA CONSTRUÇÃO E AS RELAÇÕES CTS LA ASIGNATURA DE BIOLOGÍA APLICADA: UN ESTUDIO DE SU CONSTRUCCIÓN Y DE SUS RELACIONES CTS Denise de Freitas * (Departamento

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NA UFPEL: INVENTÁRIO DE AÇÕES

FORMAÇÃO CONTINUADA DE DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NA UFPEL: INVENTÁRIO DE AÇÕES FORMAÇÃO CONTINUADA DE DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NA UFPEL: INVENTÁRIO DE AÇÕES Resumo Lígia Cardoso Carlos 1 - UFPel Helenara Plaszewski Facin2 - UFPel Grupo de Trabalho - Formação de professores e profissionalização

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

CAIXAS DE MEMÓRIAS. O que guarda o Centro de Arte Moderna? Quem pensa e faz obras de arte? escultor. Sobre o que nos fala uma obra de arte?

CAIXAS DE MEMÓRIAS. O que guarda o Centro de Arte Moderna? Quem pensa e faz obras de arte? escultor. Sobre o que nos fala uma obra de arte? CAIXAS DE MEMÓRIAS No CAM existem muitas obras de arte, cheias de ideias e histórias para nos contar, tantas que nem sempre nos conseguimos lembrar de todas... a não ser que elas se transformem em memórias!

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. INTRODUÇÃO

PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. INTRODUÇÃO PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. Priscilla Gaiba INTRODUÇÃO Se em algumas áreas do conhecimento o corpo tem sido o principal instrumento de

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59 Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br Graduada em pedagogia e fonoaudiologia, Pós-graduada em linguagem, Professora da Creche-Escola

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS Francieli Regina Garlet (UFSM) Resumo: A escrita a que se refere o presente texto, diz respeito à proposta desenvolvida

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA Yrismara Pereira da Cruz 3, Ana Raquel Holanda Barros¹, Indira Siebra Feitosa¹. Correspondência para: yrismaracruz@hotmail.com

Leia mais

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil 1 Introdução: A matemática é uma disciplina de fundamental importância na vida de todo mundo. Desde tempos antigos o ensino dessa matéria vem fazendo cada vez mais parte da vida dos seres humanos. Basta

Leia mais

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações. ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO Cidinéia da Costa Luvison SME Bragança Paulista/SP; SEE - Morungaba/SP E-mail: cidineiadacosta.luvison@gmail.com Cleane Aparecida dos Santos

Leia mais

MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA

MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA Neste tópico, o monitor do PJ receberá informações básicas sobre a organização do Estado, o Poder e o Processo Legislativos, política e participação, necessárias ao desenvolvimento

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais