Arquivo Histórico e Institucional da FCRB Data: março de 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arquivo Histórico e Institucional da FCRB Data: março de 2012"

Transcrição

1 CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Documentos arquivísticos iconográficos na Web: representação e acesso Coordenador do Projeto: Lucia Maria Velloso de Oliveira Endereços para contato: Telef: Setor: Arquivo Histórico e Institucional da FCRB Data: março de

2 1. Justificativa/Caracterização do Problema O Serviço de Arquivo Histórico e Institucional (SAHI) da Fundação Casa de Rui Barbosa destina-se à guarda, organização, preservação e divulgação de documentos relativos à História do Brasil, à historiografia, bem como a à gestão e preservação dos documentos produzidos e acumulados pela própria Fundação. Nos arquivos e coleções sob a custódia do Serviço encontramos conjuntos de documentos iconográficos de grande importância, tanto para a história do processo fotográfico quanto para o estudo da sociedade. A série iconografia do fundo arquivístico Rui Barbosa foi objeto de projeto pioneiro na conservação de imagens fotográficas no decorrer da década de 80. O projeto assegurou a produção de negativos de acetato, e a conservação de negativos de vidro e de ampliações fotográficas, que receberam acondicionamento especial e individualizado. As fotografias foram identificadas e indexadas à luz das questões de pesquisa do período e foram elaborados instrumentos de recuperação da informação para o usuário. Além do conjunto iconográfico do arquivo de Rui Barbosa outros conjuntos iconográficos foram adquiridos a partir de novas aquisições de acervos, como da Família Barbosa de Oliveira, da própria Casa de Rui Barbosa, do arquivo de Américo Jacobina Lacombe, entre outros. Os processos de captura das imagens que dão origem à fotografia como a conhecemos hoje surgem no século I. Inicialmente, um processo caro e restrito às classes com maior poder aquisitivo é utilizado como mecanismo de captura da memória e como instrumento de conhecimento do mundo. No século com a crescente inovação tecnológica, a fotografia alcança outros segmentos da sociedade e se populariza. Se no inicio da história da fotografia ocorre um predomínio de imagens posadas no âmbito da vida privada, a portabilidade do equipamento e seu baixo custo propiciam a compreensão da fotografia como mecanismo não só de registros formais, mas também de momentos do cotidiano, naturais e diversificados. A fotografia passa a ocupar um outro lugar na sociedade e também, passa a ser reconhecida como rica fonte de pesquisa e em especial para a história social. Na vida privada são registrados os eventos marcantes como os casamentos, os batizados, as viagens, os encontros, os eventos políticos, populares, culturais etc.. São eventos e momentos pertinentes à trajetória do titular do arquivo e daqueles que constituem sua rede de relacionamentos. Nas instituições, o universo não é muito diferente, as imagens registram as cerimônias, os eventos institucionais, os projetos, entre outras atividades da instituição. O registro fotográfico é exemplo perfeito de testemunho de um ato ou atividade, e promove uma produção de sentido imediata. A perspectiva do fotógrafo que dá a origem ao documento é uma das perspectivas disponíveis para o usuário. A linguagem visual é impactante. Muitas vezes resultado de uma necessidade de captura da memória, a imagem estabelece a ponte entre o universo individual e o coletivo. A imagem transpõe 2

3 o olhar de um para os olhares de muitos. A linguagem da imagem é sedutora, desperta a curiosidade, e sana a demanda de memória de modo incontestável. Segundo Mauad, Desde a sua descoberta até os dias de hoje a fotografia vem acompanhando o mundo contemporâneo, registrando sua história numa linguagem de imagens. Uma história múltipla, constituída por grandes e pequenos eventos, por personalidades mundiais e por gente anônima, por lugares distantes e exóticos e pela intimidade doméstica, pelas sensibilidades coletivas e pelas ideologias oficiais. (MAUD, 1996, p.5) O acervo iconográfico do fundo arquivístico de Rui Barbosa com cerca de imagens é muito procurado e por distintas categorias de usuários. Nas categorias de usuários mais frequentes podemos citar o pesquisador acadêmico que faz uso das imagens para ilustrar sua produção de conhecimento ou utiliza a imagem como objeto de pesquisa; o produtor cultural que busca nas imagens subsídios para exposições, cenários; e o profissional de editoração que busca imagens para produção de peças gráficas. Na série iconografia de Rui Barbosa encontramos imagens sobre a Campanha Civilista, de obras, do período de seu exílio, do Rio antigo (por Augusto Malta), da Conferência de Haia II, de seus contemporâneos, de sua vida em família e em sociedade. O acervo iconográfico do fundo arquivístico institucional conta com cerca de imagens. Esse conjunto já é objeto de interesse das mesmas categorias de usuários que anteriormente apenas faziam uso do acervo iconográfico de Rui Barbosa. Nestas imagens encontramos os registros de objetos museológicos, da arquitetura da Casa de Rui Barbosa, e dos eventos institucionais. Na coleção da Família Barbosa de Oliveira as imagens retratam os membros da família e os seus interesses como o ensino e as fazendas. Como já mencionamos anteriormente, com o ingresso de outros arquivos para a custódia do Serviço de Arquivo, mais documentos iconográficos foram recolhidos. Hoje contamos inclusive com daguerreótipos e ambrótipos no acervo. Diante do aumento da demanda pelas imagens por parte do usuário, ocorreu um investimento institucional no sentido de facilitar a pesquisa. O Serviço se dedicou à implantação do projeto de produção de um banco de iconografia visando sua disponibilização na Web. O banco foi lançado em novembro de 2010 com cerca de imagens do acervo de Rui Barbosa, da Coleção Família Barbosa de Oliveira e do arquivo institucional. 3

4 Entre os pressupostos do projeto do banco de imagem consideramos importante ressaltar quatro (4), a saber: 1- Cada vez mais o usuário recorre às imagens e para diversos fins: para ilustração de publicações; para utilização em produções culturais; para ilustração de trabalhos acadêmicos; para utilização na mídia; e inclusive para fins particulares. 2-Cada vez mais o usuário solicita as imagens em mídia digital, principalmente devido à possibilidade de atendimento remoto. 3-O processo de digitalização possibilita a divulgação das imagens em ambiente WEB, ampliando o acesso ao usuário e ampliando os usos das imagens. 4-O processo de digitalização ao evitar o manuseio constante das matrizes permite uma maior conservação do acervo em formato e suporte tradicionais. A disponiblização de documentos em ambiente Web produz uma discussão importante quanto à problemática do processo de recuperação da informação destas imagens. A questão da rapidez no processo de busca, para o usuário, quando se trata de tecnologia de comunicação e informação é considerada como dada. A expectativa do usuário, já habituado com as ferramentas de pesquisa on-line traduz uma demanda por resultados imediatos. No entanto, este processo não é simples. O ambiente Web e a possibilidade de acesso online aos documentos iconográficos representam um avanço para a pesquisa em um país continental, mas não resolve todo o problema. Os documentos estão à disposição, mas o processo do encontro entre usuário e os documentos deve ser construído pelo arquivista. A etapa de definição dos pontos de acesso, ou seja, os termos que permitem a recuperação de um item de descrição, que inicialmente representam os elementos considerados pelo arquivista como pontos chave para o acesso aos documentos exige estudo para a promoção do encontro entre a perspectiva do arquivista com a perspectiva do usuário. Outro aspecto importante se refere ao crescente interesse do usuário em fazer uso do atendimento à distância. Nesta situação o usuário não pode recorrer ao arquivista de referência. A partir de pesquisas realizadas na área da arquivologia já podemos considerar consenso que as ferramentas para acesso online, seja para documentos ou para informações sobre os documentos, devem ser fáceis e promover a autonomia do usuário. Nesse cenário, o processo de definição dos pontos de acesso são mecanismos fundamentais para que o usuário possa atingir seus objetivos e executar sua pesquisa em uma base de dados. Mas apenas a definição dos pontos, mesmo dentro de critérios técnico científicos, não assegura uma ampliação do uso dos arquivos e nem resolve o problema da agilidade no processo de recuperação da informação. É necessário harmonizar a linguagem que possibilita o encontro entre o usuário e seu objetivo de pesquisa. Em minha pesquisa considero o processo de definição dos pontos de acesso como eixo relevante de todo o escopo da descrição arquivística. O uso da linguagem e de um vocabulário próprio, pertinente ao conjunto de documentos objeto do estudo oferece o meio de se evitar questões de ordem terminológica que podem levar ao equívoco ou a resultados de buscas inconsistentes para o usuário. 4

5 2. Objetivos GERAL: Desenvolver e aplicar metodologia para padronização de pontos de acesso para base iconografia, considerando a natureza do documento de arquivo, os elementos da imagem em si, o contexto arquivístico e as demandas dos ususários. ESPECÍFICOS: Produzir conhecimento sobre a questão da indexação de imagens em arquivos; Capacitar recursos humanos para atuar dentro da temática dos arquivos de imagem, sua descrição e acesso; Padronizar os pontos de acesso utilizados no banco de iconografia segundo o padrão metodológico definido pela coordenação da pesquisa; Organizar o vocabulário controlado para o banco iconografia. 3. Metodologia e Estratégias de Ação Os estudos que venho desenvolvendo desde 2004 sobre a questão do usuário e dos usos dos arquivos acompanham as reflexões de outros arquivistas que atuam em países como o Canadá e os Estados Unidos. Ao final do trabalho de dissertação de mestrado em Ciência da Informação cuja discussão central era essa deparei-me com o processo de construção da descrição arquivistica e seus métodos. Assim, durante a pesquisa de doutorado que conclui em 2011 foi possível identificar a relevância dos mecanismos de comunicação para a potencialização dos usos dos acervos. Atualmente, venho analisando a forma como os usuários de bases de dados sobre informações arquivísticas realizam suas buscas. De 2006 a 2010 foi possível desenvolver uma pesquisa para definir uma metodologia para o arranjo e descrição de uma coleção familiar, que fosse centrada na problemática do contexto arquivístico, entendido não só como o contexto de proveniência e de manutenção do arquivo, mas que também se insere no contexto histórico e social. A proposta metodológica se fundamenta na abordagem defendida por Thomassen (2006) que considera que o contexto arquivístico se constitui por todos os fatores ambientais que definem a produção, estruturação, gerenciamento e interpretação dos arquivos. Dando prosseguimento à pesquisa venho utilizando essa metodologia e seus métodos para analisar um arquivo pessoal, e verificar a necessidade ou não de mudanças metodológicas. A discussão dos documentos iconográficos como documentos de arquivo proposta no meu trabalho utiliza a abordagem do contexto arquivístico. O documento iconográfico faz parte de um determinado contexto de produção e possui igualmente vínculos arquivísticos que precisam ser identificados e analisados. Assim a organização destes documentos 5

6 priorizando seu formato, técnica ou processo não potencializa seu uso pela sociedade, na medida que não prioriza sua vinculação com o arquivo ou coleção a qual pertence. Atualmente as imagens disponíveis na base de dados iconografia estão identificadas e possuem pontos de acesso definidos essencialmente pelos elementos autoria, assunto e palavra-chave. É possível recuperar palavras no texto de identificação da imagem. As normas utilizadas para a padronização de termos nas bases descritivas dos acervos são obedecidas. Mas considerando que o acervo é crescente, a pesquisa pretende estudar o processo até o momento utilizado para elaborar uma linguagem que propicie o refinamento e a rapidez da busca. No projeto será adotada a linha de representação temática fundamentada nos princípios que regem a Teoria da Classificação Facetada de Shiyali Ramamrita Ranganathan (1963), a Teoria da Terminologia de Eugene Wuester (1981) e a Teoria do Conceito de Ingrid Dalhberg (1978). Será objeto de estudo o processo de indexação das imagens inseridas na base de iconografia até o mês de agosto de O presente trabalho de pesquisa será desenvolvido por um bolsista e coordenado por mim. A seguir apresentamos as principais etapas do trabalho: 1.1. Treinamento. Nesta fase o bolsista receberá as instruções necessárias de acordo com a metodologia da pesquisa, visando o cumprimento homogêneo das etapas subseqüentes e a padronização das informações geradas. Também deverá se familiarizar com os softwares de imagens utilizados para alimentação e acesso ao banco iconografia Levantamento de termos. Esta fase consiste na identificação e análise dos termos utilizados como pontos de acesso às imagens Levantamento de problemas. Etapa em que o bolsista deverá identificar e criticar os problemas decorrentes do processo de definição de pontos de acesso Análise comparativa com as Bases Autoridades (FCRB). Fase em que o bolsista deverá identificar os termos que já são padronizados nas Bases Autoridades (Nome e Assunto) e adotar as formas já validadas para o banco iconografia Elaboração do Vocabulário Controlado. Etapa de análise e pesquisa para definição dos termos que farão parte do Vocabulário Controlado. Durante o trabalho serão identificadas as sinonímias e os termos que serão cancelados Elaboração de relatórios. Nesta fase serão produzidos relatórios e listagens dos termos autorizados (em.txt inclusive), dos termos cancelados, e das remissivas. Alem disso, será produzido um dicionário de sinônimos Atualização dos pontos de acesso. Etapa em que os pontos de acesso utilizados no Banco inconografia serão atualizados à luz do processo de padronização e a lista de sinônimos será inserida na ferramenta. 6

7 1.8. Disseminação do conhecimento. Fase em que os produtos produzidos no decorrer da pesquisa serão estudados pela equipo do Serviço de Arquivo e o coordenador e bolsista do projeto de pesquisa apresentarão a metodologia e métodos adotados Produção de relatórios da pesquisa. A elaboração de relatórios é de fundamental importância para a sistematização das decisões metodológicas e os desdobramentos do trabalho. 4. Resultados e os impactos esperados 1- Avaliação e aperfeiçoamento da metodologia e métodos aplicados ao acervo de imagens disponível para acesso no ambiente Web. 2- Representação da informação sobre as imagens afinadas com a questão do usuário remoto. 3- Registros atualizados correspondentes aos pontos de acesso definidos no decorrer do processo de descrição. 4- Produção do Vocabulário Controlado. 5- Recuperação mais ágil da imagem iconográfica no Banco iconografia. 6- Ampliação do uso do acervo que é altamente relevante para a produção do conhecimento sobre a História do país. 5. Cronograma Estratégias e Ações 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º Treinamento e leitura Levantamento termos de Levantamento problemas de Análise comparativa com as Bases Autoridades (FCRB). Elaboração Vocabulário do 7

8 Controlado Elaboração de relatórios. Atualização dos pontos de acesso. Disseminação do conhecimento Produção de relatórios da pesquisa 6. Referências Bibliográficas ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivísica. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, p. BASTOS, Dilza Ramos; CAMPOS, Maria Luiza de Almeida. Análise documentária de crônicas jornalísticas. Arquivo&Administração. Rio de Janeiro, v.6,n.1, p jan/jun, BRUEBACH, Nils. Acesso Eletrônico à Informação Arquivística: vantagens e potenciais das normas de descrição. Acervo, Rio de Janeiro, v.20, nº 1-2, p.39-46, jan/dez CAMPOS, Maria Luisa Almeida. Indexação e descrição em arquivos: a questão da representação e recuperação de informações. Arquivo & Administração, Rio de Janeiro, v. 5, n.1, p , jan/jun Linguagem documentária: teorias que fundamentam sua elaboração. Niterói: EDUFF, p. CÓDIGO de catalogação anglo-americano. 2.ed. Revisão Preparado por The American Library Association et alii. Tradução para a língua portuguesa sob a responsabilidade da FEBAB. São Paulo: FEBAB, Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, COOK, Terry. What is past is prologue: a History of Archival ideas since 1898, and the future paradigm shift. Archivaria, v.43, Spring, p.17-68,1997. DAHLBERG, I. (1978). A referent-oriented analytical concept theory of interconcept. International Classification, v. 5, n. 3, p ,

9 DOOLEY, Jackie M. Subject Indexing in context. The American Archivist. vol. 55 (Spring 1992): p DUCHEIN, M. O respeito aos fundos em arquivística: Princípios teóricos e problemas práticos. Arquivo & Administração, Rio de janeiro, v.10-14, n.1, abr.1982/ago.1986, p FILIPI, Patrícia de; LIMA, Solange Ferraz de e CARVALHO, Vânia Carneiro de. Como tratar as coleções de fotografias. Projeto Como Fazer, 4. São Paulo Arquivo do Estado: Imprensa Oficial do Estado. 100p. LACERDA, Aline Lopes de. Os Sentidos das Imagens. Fotografia em arquivos pessoais. Acervo: Revista do Arquivo Nacional. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1993, p. 52. MARC Standards. Washington: Library of Congress, Disponível em: Acesso em: 10 jun MAUD, Ana Maria. Através da imagem:fotografia e História Interfaces. Revista Tempo. Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, OLIVEIRA, Lucia Maria Velloso de. Descrição arquivística: seu papel no processo de comunicação dos conteúdos informacionais dos acervos arquivísticos. In: Encontro de Bases sobre Informações Arquivísticas, 2., 2007, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Associação dos Arquivistas Brasileiros, 2007, p Gerenciando os documentos arquivísticos digitais: Quem os arquiva, aonde e por quanto tempo? In: Conferência da Seção de Arquivos de Universidades e Instituições de Pesquisa do Conselho Internacional de Arquivos (SUV) e IV Encontro de Arquivos Científicos, IV., 2009, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa;Museu de Astronomia e Ciências Afins, p O que mudou em relação ao usuário e ao uso da informação após a página da web: o cenário de uma instituição de pesquisa e cultura brasileira. In: Encontro de Arquivos Científicos, Anais... Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins, 2008, p O usuário como agente no processo de transferência dos conteúdos informacionais arquivísticos. Orientador: José Maria Jardim. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação)-UFF/IBICT, Rio de Janeiro, Disponível em:http://biblioteca.ibict.br/phl8/anexos/luciavelloso2006.pdf RANGANATHAN, S. R. Prolegomena to library classification. Bombay: Asia Publishing House, p. SANTOS CANALEJO, Elisa Carolina de. La indización en la recuperación de la información. Janus. International Council on Archives, p ,

10 SANTOS, Maria José Veloso da Costa. A representação da informação em arquivos: viabilidade de uso dos padrões utilizados na biblioteconomia. Acervo, Rio de Janeiro, v.20, nº 1-2, p.57-66, jan/dez, SOWA, John F. Knowledge representation: logical, philosophical and computacional foundations. Pacific Grove: Brooks/Cole, p. THOMASSEN, Theo. A New Language to be Spoken: a paradigm shift in Archival Science. In: Congresso Brasileiro de Arquivologia, 14., 2006, Rio de Janeiro. Anais: Rio de Janeiro: Associação dos Arquivistas Brasileiros, UNESCO. Guidelines for the establishment and development of monolingual thesauri. Paris: The Organization, [1973]. 37 p. WUESTER, E. L étude scientifique générale de la terminologie, zone frontalière entre la Linguistique, la Logique, l Ontologie, l Informatique et les Sciences des Choses. In: RONDEAU, G.; FELBER, F. (Org.). Textes choisis de terminologie: fondéments théoriques de la terminologi O bolsista seguirá o seguinte Plano de trabalho ao longo dos dois anos: 10

11 Plano de trabalho do bolsista 1- Participar do treinamento; 2- Efetuar leituras de embasamento teórico ao desenvolvimento do trabalho de pesquisa proposto; 3- Compreender o contexto arquivístico de produção das imagens; 4- Identificar e listar todos os termos utilizados como pontos de acesso nos elementos autoria; assunto e palavra-chave; 5- Analisar criticamente o processo de definição dos pontos de acesso, identificar e sistematizar os problemas encontrados; 6- Pesquisar nas Bases Autoridades da FCRB (Nome e Assunto) os termos já padronizados que atendem às representações propostas no decorrer do processo de indexação das imagens, e adotá-los quando for o caso; 7- Aplicar a metodologia da FCRB baseada na teoria do conceito para definir os termos não padronizados e propor uma padronização; 8- Identificar e listar as sinonímias; 9- Elaborar remissivas; 10- Identificar os termos cancelados; 11- Listar os sinônimos, termos cancelados e termos autorizados em:.doc e.txt ; 12- Acompanhar a implantação da lista de sinônimos na base iconografia; 13- Produzir um dicionário de sinônimos; 14- Inserir os termos padronizados na base Iconografia; 15- Participar das atividades internas propostas pelo coordenador para disseminação do conhecimento produzido e do trabalho; 16- Elaborar relatórios periódicos. 11

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Coordenador do Projeto: Setor: Imagem na web: reflexões sobre a representação escrita dos documentos

Leia mais

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Arquivos pessoais de valor histórico Coordenador do Projeto: Lucia Maria Velloso de Oliveira Endereços

Leia mais

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Biblioteca Digital da Fundação Casa de Rui Barbosa Coordenador do Projeto: Ana Lígia Silva Medeiros

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES Disciplinas obrigatórias: ICIA39 Administração de Unidades de Básica EMENTA: Conceitos de informação e gestão de organizações. Qualidade e competitividade (noções). Estudo de serviços de informação em

Leia mais

Gestão e preservação de documentos digitais

Gestão e preservação de documentos digitais Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004 Contexto Internacional Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros

Leia mais

BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas

BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas 2da. Jornada sobre la Biblioteca Digital Universitaria JBD2004 Buenos Aires, 17-18 de junio de 2004 BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação

Leia mais

Informação no OAIS. Ambiente. Escopo e Objetivos. Aplicabilidade. Responsabilidades do OAIS. Funcional OAIS OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM OAIS

Informação no OAIS. Ambiente. Escopo e Objetivos. Aplicabilidade. Responsabilidades do OAIS. Funcional OAIS OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM OAIS do no OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM do no < ESCOPO objetivos origem > :: O modelo de referência Open Archival rmation System é um esquema conceitual que disciplina e

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 25/07/2012-16:17:54 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR

Leia mais

Informatização do acesso aos acervos, arquivístico, bibliográfico e museológico da Fundação casa de Rui Barbosa

Informatização do acesso aos acervos, arquivístico, bibliográfico e museológico da Fundação casa de Rui Barbosa Informatização do acesso aos acervos, arquivístico, bibliográfico e museológico da Fundação casa de Rui Barbosa Maria Irene Brasil Chefe da Biblioteca da FCRB, Mestre em Ciência da Informação (CNPq/IBICT-UFRJ/ECO)

Leia mais

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e d(a) Coordenador do Projeto

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e d(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e d(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Graça Aranha e sua participação no cenário literário brasileiro Coordenador do Projeto: Eliane Vasconcellos

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012

ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012 Institui a Política de Preservação Digital da Câmara dos Deputados. A MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, usando de suas

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 6 4 Princípios... 7 5 Diretrizes... 9 6 Responsabilidades...12 7 Disposições Gerais...15 2 1 Objetivo

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

O USO DE INDICADORES DE PRODUÇÃO INTELECTUAL NO PROCESSO DE GESTÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

O USO DE INDICADORES DE PRODUÇÃO INTELECTUAL NO PROCESSO DE GESTÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL O USO DE INDICADORES DE PRODUÇÃO INTELECTUAL NO PROCESSO DE GESTÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Janise Silva Borges da Costa, Beatriz Helena de Souza Cestari, Carla Metzler

Leia mais

PALESTRANTES. TÍTULO DA PALESTRA: Organização da informação à luz da Ciência da Informação: impactos na circulação do saber em Unidades de Informação.

PALESTRANTES. TÍTULO DA PALESTRA: Organização da informação à luz da Ciência da Informação: impactos na circulação do saber em Unidades de Informação. DIA: 16 de novembro (segunda feira). PALESTRANTES TÍTULO DA PALESTRA: Organização da informação à luz da Ciência da Informação: impactos na circulação do saber em Unidades de Informação. PROFESSOR(A):

Leia mais

Repositórios Digitais Confiáveis

Repositórios Digitais Confiáveis Rápida introdução aos Repositórios Digitais Confiáveis Luis Fernando Sayão Comissão Nacional de Energia Nuclear Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos CTDE/CONARQ lsayao@cnen.gov.br REPOSITÓRIOS DIGITAIS

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.: Lillian Alvares Aspectos Gerais O uso da tecnologia digital traz grandes perspectivas de trabalho para os arquivos

Leia mais

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO Liliana Giusti Serra INFORMAÇÃO - NOVA ECONOMIA Ciência da Informação Ciência da Computação CONTEÚDO Tecnologia de Rede BIBLIOTECAS DIGITAIS Interoperabilidade

Leia mais

DECLARAÇÃO DO MÉXICO

DECLARAÇÃO DO MÉXICO DECLARAÇÃO DO MÉXICO No encerramento IV FÓRUM IBERO-AMERICANO DA AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS, realizado na cidade de México D.F., no período de 23 a 25 de maio de 2012, os membros do Grupo da Reflexão do Projeto

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: Programa História e Memória Regional 1.2. CURSO: Interdisciplinar 1.3. IDENTIFICAÇÃO DO(A) PROFESSOR(A) /PROPONENTE 1.3.1.

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS ACERVO - Documentos de uma entidade produtora ou de uma entidade que possui sua guarda. ACESSIBILIDADE - Condição ou possibilidade de acesso a serviços de referência,

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública. Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1.

BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública. Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1. BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para atualização

Leia mais

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 552 A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP Marília) Bárbara Fadel (UNESP Marília / Uni-FACEF Franca) 1. Introdução O papel surgiu como um dos principais suportes

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Entre que a casa é sua! (Reconstituição virtual dos interiores do Museu Casa de Rui Barbosa) Coordenador

Leia mais

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas A Coordenação de Bibliotecas e a informatização do sistema: onde estamos e o que queremos 1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

Leia mais

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Museu Casa de Rui Barbosa: estabelecendo relações com os turistas nacionais e internacionais Coordenador

Leia mais

FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO

FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO 1 FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * Lena Vania Ribeiro Pinheiro, IBICT 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO Alguns termos técnicos de Ciência da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Proposta de Implantação do Software MULTIACERVO no Arquivo do DEINFRA

Proposta de Implantação do Software MULTIACERVO no Arquivo do DEINFRA Proposta de Implantação do Software MULTIACERVO no Arquivo do DEINFRA Acadêmicos: CÁSSIA REGINA BATISTA - cassiareginabatista@grad.ufsc.br CLARISSA KELLERMANN clarissakel@gmail.com IVAN MÁRIO DA SILVEIRA

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL DO INPE: DESAFIOS E SOLUÇÕES ENCONTRADAS

PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL DO INPE: DESAFIOS E SOLUÇÕES ENCONTRADAS PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL DO INPE: DESAFIOS E SOLUÇÕES ENCONTRADAS Marciana Leite Ribeiro Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais SubSIGA/INPE I Ciclo de Palestras sobre Gestão Arquivística

Leia mais

QUEM SOMOS? www.imagelh.com.br Rua José Bonifácio, 466 Vila Planalto. Campo Grande/MS CEP 79009-010 Fone/Fax: (67)3324-6500

QUEM SOMOS? www.imagelh.com.br Rua José Bonifácio, 466 Vila Planalto. Campo Grande/MS CEP 79009-010 Fone/Fax: (67)3324-6500 QUEM SOMOS? "A Image LH é uma empresa prestadora de serviços com mais de quinze anos no mercado atendendo instituições financeiras, com sede em Campo Grande MS e filial em Porto Alegre RS. Atua no ramo

Leia mais

Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG.

Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG. Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG. Alex Soares André Ogando Karime Marcenes Márcia Bolina Wallace Carvalho RESUMO No contexto

Leia mais

Preservando documentos arquivísticos digitais autênticos

Preservando documentos arquivísticos digitais autênticos Projeto InterPARES Preservando documentos arquivísticos digitais autênticos Cláudia Lacombe Rocha Audiência Pública sobre Gestão Eletrônica de Documentos desafios e perspectivas 5 de julho de 2011 - Brasília

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas:

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas: CÂMARA DOS DEPUTADOS DIRETORIA-GERAL DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO FORMAÇÃO DOS GRUPOS DE PESQUISA E EXTENSÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 14,

Leia mais

Direitos Autorais nas Bibliotecas Virtuais

Direitos Autorais nas Bibliotecas Virtuais Direitos Autorais nas Bibliotecas Virtuais 1 Prof. Omer Pohlmann Filho Prof.. Marco Gonzalez Edicarsia Barbiero José Mauricio Maciel Karen Borges Profª ª Elisa Corrêa dos Santos Jiani Cardoso Convênio

Leia mais

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE Eliane Apolinário Vieira Priscila Marylin de Almeida Arlete Inocencia Menezes Roni

Leia mais

SocialDB Social Digital Library

SocialDB Social Digital Library Social Digital Library Laboratório L3P NARRATIVA DO PROJETO SOCIALDB 06/2015 Gestor de uma coleção "Sou produtor cultural (ou fotógrafo) e quero criar um lugar na internet com uma seleção de obras artísticas

Leia mais

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com 1. A comunicação científica e sua importância Qualquer

Leia mais

Atualização 2014. Universidade Federal do Paraná Sistema de Bibliotecas Biblioteca de Ciências da Saúde

Atualização 2014. Universidade Federal do Paraná Sistema de Bibliotecas Biblioteca de Ciências da Saúde MANUAL DO CURRÍCULO LATTES Atualização 2014 Universidade Federal do Paraná Sistema de Bibliotecas Biblioteca de Ciências da Saúde 1 Equipe: Este tutorial faz parte da programação de treinamentos da Biblioteca

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO: O ARQUIVISTA FRENTE AOS DESAFIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO: O ARQUIVISTA FRENTE AOS DESAFIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO: O ARQUIVISTA FRENTE AOS DESAFIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Andresa Léia de Andrade 1 e Daniela Pereira dos Reis de Almeida 2 1 Aluna do Curso de Arquivologia

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social - 2013 Regulamento

Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social - 2013 Regulamento 1. Do Conceito de Tecnologia Social 1.1 Tecnologia Social compreende produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade e que representem efetivas soluções de

Leia mais

Orientações práticas para arquivistas auxiliarem os doadores na preparação de seu arquivo pessoal digital para doação

Orientações práticas para arquivistas auxiliarem os doadores na preparação de seu arquivo pessoal digital para doação 1 Orientações práticas para arquivistas auxiliarem os doadores na preparação de seu arquivo pessoal digital para doação Rosely Curi Rondinelli Jorge Phelipe Lira de Abreu Setembro de 2015 2 Orientações

Leia mais

Título I. Das Finalidades

Título I. Das Finalidades REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA VISCONDE DE SÃO LEOPOLDO Título I Das Finalidades Art. 1º - A biblioteca foi criada em 13 de maio de 1961. A missão é contribuir para a melhoria do ensino, da pesquisa e

Leia mais

Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação

Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação Encontro Internacional de Arquivos Universidade de Évora 3-4 de Outubro

Leia mais

A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO 22 a 24 de julho de 205 A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO INTRODUÇÃO Eva Dayane Jesus dos Santos Bibliotecária da Universidade do Estado da Bahia eva@uneb.br Marivaldina

Leia mais

Programa Museu na Escola PREMISSAS INTRODUÇÃO

Programa Museu na Escola PREMISSAS INTRODUÇÃO O Programa Museu na Escola é uma iniciativa do Museu da Família no sentido de promover processos museológicos em escolas e outras instituições de ensino visando à preservação da memória e a educação patrimonial.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

Relatório de Gestão Setorial 2010

Relatório de Gestão Setorial 2010 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial 2010 Cruz das Almas BA 2010 ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO RELATÓRIO DE ATIVIDADES Período: Janeiro

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos.

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos. Idade dos arquivos Fabrício Mariano A classificação das idades dos arquivos varia de autor para autor, pois cada uma tem origem em um país diferente ou é influenciada em maior ou menor grau por uma cultura

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

Contexto Planejamento Estrutura Política de funcionamento

Contexto Planejamento Estrutura Política de funcionamento Contexto Planejamento Estrutura Política de funcionamento Promoção do acesso universal Informação atualizada Facilidade de pesquisa Compartilhamento de informação Facilidade de manutenção da informação

Leia mais

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores 1. INTRODUÇÃO As corretoras de valores devem armazenar todos os documentos cadastrais de seus clientes para ter acesso a esse material quando necessário.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA Cássia Regina Batista Clarissa Kellermann de Moraes Ivan Mário da Silveira Márcia Dietrich Santiago Proposta

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD

FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD Luciane Meire Ribeiro STRAUD Biblioteca FCAV (Seção Técnica de Referência, Atendimento ao Usuário e Documentação) 1. Introdução: Definição de FI (em

Leia mais

Razões que contribuíram para o processo de automação das bibliotecas, citado por Cardoso (2003):

Razões que contribuíram para o processo de automação das bibliotecas, citado por Cardoso (2003): No que diz respeito ao mundo do trabalho, profundas transformações aconteceram (e acontecem!) tanto no nível estrutural transformação de postos de trabalho, surgimento, extinção e transformação de profissões,

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu

Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu Alessandro Mueller alessandro@univali.br UNIVALI Luiz Gonzaga Ferreira

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

Sistema de Informação Integrado

Sistema de Informação Integrado Sistema de Informação Integrado Relatório de Atividades Centro de Referência em Informação Ambiental, CRIA Março, 2006 Trabalho Realizado O seguinte cronograma de execução foi aprovado quando da contratação

Leia mais

2.1 A duração do programa de residência será de até dois meses para o desenvolvimento de cada projeto selecionado.

2.1 A duração do programa de residência será de até dois meses para o desenvolvimento de cada projeto selecionado. Convocatória Residência Internacional LABMIS 2013 O Museu da Imagem e do Som abre inscrições para o programa Residência Internacional LABMIS 2013, abrangendo projetos artísticos nas áreas de fotografia

Leia mais

NIESC/VR NÚCLEO DE INFORMAÇÃO E ESTUDOS DE CONJUNTURA

NIESC/VR NÚCLEO DE INFORMAÇÃO E ESTUDOS DE CONJUNTURA NIESC/VR NÚCLEO DE INFORMAÇÃO E ESTUDOS DE CONJUNTURA MISSÃO DA UNIDADE O NIESC/VR é o órgão destinado à coleta, sistematização e interpretação de dados organizacionais e sociais, de modo a fornecer às

Leia mais

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Coordenador do Projeto: Endereços para contato: Setor: Data: Gestão de suprimento em instituições

Leia mais

Repositórios digitais para documentos arquivísticos

Repositórios digitais para documentos arquivísticos Repositórios digitais para documentos arquivísticos Fundação Casa de Rui Barbosa Memória & Informação 4 de abril de 2012 Claudia Lacombe Rocha Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Roteiro Repositório

Leia mais

O Arquivo de Ciência e Tecnologia

O Arquivo de Ciência e Tecnologia Encontro Arquivos Científicos 3 e 4 de julho de 2014 FCSH, Lisboa O Arquivo de Ciência e Tecnologia Paula Meireles Madalena Ribeiro O Arquivo de Ciência e Tecnologia 1. Projeto de tratamento e divulgação

Leia mais

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO Tutorial de Pesquisa do Portal de Periódicos da CAPES Manaus 2014 ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO A Biblioteca Aderson Dutra da Universidade Nilton Lins disponibiliza um moderno conjunto

Leia mais

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Zeny Duarte Professora e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - Ufba

Zeny Duarte Professora e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - Ufba DA GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA AO MESTRADO E DOUTORADO Zeny Duarte Professora e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - Ufba Refletir sobre a preparação de um profissional arquivista

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

Capacitações em Gestão Documental

Capacitações em Gestão Documental Capacitações em Gestão Documental Responde por este documento: Blenda de Campos Rodrigues, Dra. Sócia diretora da Anima Ensino Mídia e Conhecimento blenda.campos@animaensino.com.br 48.2107.2722 Conteúdo

Leia mais

O Projeto de Preservação e Disponibilização Eletrônica do Acervo Contemporâneo da Fundação Bienal Mercosul

O Projeto de Preservação e Disponibilização Eletrônica do Acervo Contemporâneo da Fundação Bienal Mercosul O Projeto de Preservação e Disponibilização Eletrônica do Acervo Contemporâneo da Fundação Bienal Mercosul O NDP Núcleo de Documentação e Pesquisa é um setor institucional e permanente da Fundação Bienal

Leia mais

FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL

FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL Endereço http://www.bn.br Órgão vinculado ao Ministério da Cultura, cuida do Livro, da Leitura, e da Biblioteca. Atendimento à distância. A Divisão de Informação Documental

Leia mais

Mensagens de correio eletrônico identificadas como documento arquivístico e Preservação Digital

Mensagens de correio eletrônico identificadas como documento arquivístico e Preservação Digital Mensagens de correio eletrônico identificadas como documento arquivístico e Preservação Digital Sérgio R. da S. Rodrigues - UFSM - Santa Maria, RS, Brasil Prof. Dr. Daniel Flores - UFSM - Santa Maria,

Leia mais

cartilha noções básicas de arquivo

cartilha noções básicas de arquivo cartilha noções básicas de arquivo 1 cartilha noções básicas de arquivo Organização: Ana Lúcia da Silva do Carmo Júnia Terezinha Morais Ramos 2015 Você sabia que a Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA II SEMINÁRIO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO 2007

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA II SEMINÁRIO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO 2007 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA II SEMINÁRIO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO 2007 1 CURSO Indexação da Informação Imagética de Documentos Fotográficos 2 Prof.a Dr.a Miriam Paula Manini Curso de Arquivologia

Leia mais

A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA

A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA Renato Tarciso Barbosa de Sousa Universidade de Brasília renasou@unb.br A organização 1. Os fatos 2. O Discurso 3. As considerações

Leia mais

A CLASSIFICAÇÃO E O VOCABULÁRIO CONTROLADO COMO INSTRUMENTOS EFETIVOS PARA A RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO ARQUIVÍSTICA

A CLASSIFICAÇÃO E O VOCABULÁRIO CONTROLADO COMO INSTRUMENTOS EFETIVOS PARA A RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO ARQUIVÍSTICA A CLASSIFICAÇÃO E O VOCABULÁRIO CONTROLADO COMO INSTRUMENTOS EFETIVOS PARA A RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO ARQUIVÍSTICA por Renato Tarciso Barbosa de Sousa renasou@unb.br Rogério Henrique de Araújo Júnior

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados. Iza Saldanha

Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados. Iza Saldanha Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados Iza Saldanha Abordagem Conceitos Procedimentos/Ferramentas Benefícios esperados Estudo de caso Planave

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

FUNDAÇÃO CASA DE RUI BARBOSA CENTRO DE MEMÓRIA E INFORMAÇÃO SERVIÇO DE ARQUIVO HISTÓRICO E INSTITUCIONAL PROJETO

FUNDAÇÃO CASA DE RUI BARBOSA CENTRO DE MEMÓRIA E INFORMAÇÃO SERVIÇO DE ARQUIVO HISTÓRICO E INSTITUCIONAL PROJETO FUNDAÇÃO CASA DE RUI BARBOSA CENTRO DE MEMÓRIA E INFORMAÇÃO SERVIÇO DE ARQUIVO HISTÓRICO E INSTITUCIONAL PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC) 2011/12 PROJETO Os Oliveira Castro e os Pontes Câmara: as

Leia mais

Prêmio Socioambiental CHICO MENDES. PROCERT Programa de Certificação do Compromisso da Responsabilidade Socioambiental. Edição 2013 SELO VERDE

Prêmio Socioambiental CHICO MENDES. PROCERT Programa de Certificação do Compromisso da Responsabilidade Socioambiental. Edição 2013 SELO VERDE Prêmio Socioambiental CHICO MENDES PROCERT Programa de Certificação do Compromisso da Responsabilidade Socioambiental. Edição 2013 SELO VERDE REGULAMENTO 1 DO PROMOTOR E OBJETIVOS 1.1 - A realização da

Leia mais

CHAMADA PARA SELEÇÃO DE TRABALHOS COMUNICAÇÕES

CHAMADA PARA SELEÇÃO DE TRABALHOS COMUNICAÇÕES CHAMADA PARA SELEÇÃO DE TRABALHOS COMUNICAÇÕES Convidamos a comunidade acadêmica e profissionais na área de paisagem, patrimônio paisagístico e jardins a participarem das sessões de comunicações temáticas

Leia mais