Sistemas de Gerência de Bancos de Dados. 6 - Controle de Integridade Método baseado em Imagens Transientes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Gerência de Bancos de Dados. 6 - Controle de Integridade 6.1 - Método baseado em Imagens Transientes"

Transcrição

1 Sistemas de Gerência de Bancos de Dados 6 - Controle de Integridade Método baseado em Imagens Transientes 1

2 Controle de Integridade Subsistema para controle de integridade: mantém a integridade do BD, tipicamente através de redundância nos dados garante as seguintes propriedades das transações: Atomicidade: ou todas as operações da transação são refletidas no BD ou nenhuma o será Durabilidade: após terminar, o efeito da transação deve persistir no BD, mesmo em caso de falhas 2

3 Controle de Integridade Métodos para controle de integridade: logs (audit trails) 1,2,3 dumps (completos) 3,4 programas restauradores 4,5 arquivos diferenciais 2,3 imagens transientes 2 1. estado consistente e completo mais recente 2. estado consistente e completo passado 3. estado que possivelmente existiu no passado 4. como em (1), apenas não completo 5. como em (4), acrescido de consistência 3

4 Duplexação de Arquivos: Imagens Transientes implementação sem acesso concorrente: memória secundária ARQUIVO-0 SWITCH 1 ARQUIVO-1 implementação com acesso concorrente (?) 4

5 Resumo do Método: Imagens Transientes Para cada página P modificada por uma transação T, mantenha a imagem certificada (original) de P e a versão transiente, criada por T Quando T terminar, troque simultanemente todas as imagens certificadas pelas imagens transientes Problemas: como garantir a troca simultânea das imagens como gerenciar as imagens em presença de transações executando concorrentemente 5

6 Implementação Básica Organização lógica: segmentos S1,..., Sm de igual tamanho segmentos divididos em N páginas Operações S -- conjunto de segmentos T -- transação ABRA(S,T) FECHE(S,T) -- torna S disponível para T -- grava todas as páginas em S modificadas por T -- torna S indisponível para T LEIA(Si,p,F,T) -- lê página p de Si para T -- retorna o endereço do buffer que contém p -- F = 0 (ou 1) -- página acessada para leitura (ou atualização) GRAVE(Si,p,b,T) -- regrava página p de Si em memória secundária -- b é o endereço do buffer que contém p 6

7 Implementação Básica Estruturas em memória secundária: L setores de tamanho igual ao das páginas Vi é um vetor de ponteiros definindo a alocação das pág. de Si Vi(p) = s sse s é setor que contém a página p de Si Vi(p) = 0 sse página p de Si não está alocada Vi está dividido em blocos de tamanho fixo Estrutura auxiliar em memória principal: MAP é um bitmap definindo o uso dos setores MAP(s) = 1 sse setor s contém uma página MAP(s) = 0 sse setor s está livre 7

8 Implementação Básica Vi N N L Vk memória secundária SETORES S L memória principal MAP 8

9 Implementação Básica Implementação das Operações: ABRA(S,T) localize onde estão os blocos de cada Si em S LEIA(Si,p,F,T) leia o bloco de Vi contendo Vi(p) obtenha um buffer livre b se Vi(p)=s, leia o setor s para b e retorne o endereço de b se Vi(p)=0, apenas retorne o endereço de b 9

10 Implementação Básica Implementação das Operações: GRAVE(Si,p,b,T) leia o bloco de Vi contendo Vi(p) se Vi(p)=0, obtenha um setor livre s de MAP faça MAP(s)=1 e Vi(p)=s se Vi(p)=s, apenas registre que s contém p grave o conteúdo de b em s FECHE(S, T) Para cada Si em S, regrave os blocos e páginas de Si que foram modificados (um bloco foi modificado se uma página que a ele corresponde foi alocada ou desalocada) Para gravar uma página modificada, use a operação GRAVE 10

11 Suposições: Proteção contra Falhas Primárias transações processadas seqüencialmente (suposição que será relaxada em seguida) transações receberão senhas monotonicamente crescentes para efeitos de recuperação Objetivos: retornar o banco ao último estado consistente desfazer os efeitos de uma transação parcialmente executada 11

12 (Conceito de Transação) Modelo de execução de uma transação: (estado interno) pré-confirme Préconfirmada confirme Em Corfimação Confirmada inicie Ativa cancele cancele Em Cancelamento Cancelada (estado interno) 12

13 Classificação das Imagens: imagem certificada imagem criada pela última transação que terminou corretamente imagem em certificação imagem criada por uma transação que está no estado PRÉ-CONFIRMADA imagem transiente imagem criada por uma transação que está no estado ATIVA 13

14 Objetivos da Implementação: estado transiente estará sempre disponível estado certificado estará sempre acessível, de forma incorruptível Técnica de Implementação: duplexação de Vi 14

15 Estruturas em memória secundária: Vi é um vetor de ponteiros definindo a alocação das pág. de Si Vi(p) = (0,0) sse a página p de Si não está alocada Vi(p) = (s,t) sse s contém a última imagem de p e t é a senha da transação que criou p VCi vetor duplexando Vi 15

16 Estruturas em memória principal: MAP Li é uma lista de setores ocupados por páginas de Si que devem ser liberados quando Si for fechado Bi lista de blocos de Vi que foram alterados pela transação Estruturas em memória secundária com cópia na principal: CONTROLE=(C,A,D) C = t sse t é a senha da última transação terminada corretamente A = d sse d é a senha da transação em execução D = X sse a transação em execução está no estado X Suposição: a gravação de CONTROLE é incorruptível 16

17 VCi Vi VC define o estado certificado L N N L V define o estado transiente VCk Vk memória secundária SETORES S L memória principal blocos estruturas auxiliares para acelerar o processamento Bi setores Li blocos Bk setores Lk MAP C A D CONTROLE estrutura essencial para tornar o estado transiente o novo estado certificado 17

18 Sejam Vi(p)=(s,t) e VCi(p)=(s',t') e d = senha da transação T em execução D=ativa então s' contém a imagem certificada de p s contém a imagem transiente de p D=pré-confirmada então s' contém a imagem certificada de p s contém a imagem em certificação de p D=em-cancelamento então s' contém a imagem certificada de p se t=t' s contém a imagem certificada de p se t>t' s ainda contém a imagem transiente de p, que deve ser substituída por VCi(p), e que resultou em falha de CANCELE ou RESTAURE D=em-confirmação então s contém a imagem certificada de p se t=t' s' contém a imagem certificada de p se t>t' s' contém uma imagem obsoleta, que deve ser substituída por Vi(p), e que resultou de falha em CONFIRME ou RESTAURE 18 D=confirmada ou cancelada então s contém a imagem certificada de p

19 Novas Operações: INICIE(T) Passa a transação T para o estado ATIVA PRÉ-CONFIRME(T) Salva para mem. secundária as versões criadas por T Passa a transação T para o estado PRÉ-CONFIRMADA CANCELE(T) Passa a transação T para o estado EM-CANCELAMENTO Descarta as versões criadas por T Passa a transação T para o estado CANCELADA CONFIRME(T) Passa a transação para o estado EM-CONFIRMAÇÃO Descarta as versões tornadas obsoletas por T Passa a transação T para o estado CONFIRMADA RECUPERE Recupera o estado certificado do BD 19

20 Implementação das Operações: INICIE(T) /* Sinalize que T passou para o estado ATIVA */ Seja d a senha de T leia CONTROLE faça A = d e D = ativa regrave CONTROLE 20

21 Implementação das Operações: ABRA(S,T) Localize onde estão os blocos de cada Si em S Inicialize listas Li para T como vazias LEIA(Si,p,F,T) Leia o bloco de Vi contendo Vi(p) Obtenha um buffer livre b se Vi(p)=(t,s) leia o setor s para b e retorne o endereço de b se Vi(p)=(0,0) apenas retorne o endereço de b 21

22 Implementação das Operações: GRAVE(Si,p,b,T) Uma página, ao ser modificada, não é regravada no mesmo lugar. O setor que ocupa continuará contendo a imagem certificada. Um novo setor é escolhido para conter a imagem transiente da página. Estas duas imagens coexistirão até que o segmento seja fechado O vetor VCi em memória secundária é mantido intacto até que T termine 22

23 Implementação das Operações: GRAVE(Si,p,b,T) Seja d a senha de T Leia o bloco de Vi que contém a página p Suponha que Vi(p) = (s,t) Se T já leu p, então t=d. apenas copie p para o setor s Caso contrário, t<>d. obtenha novo setor s' fazendo MAP(s') = 1 copie p para s' faça Vi(p) = (s',d) acrescente o bloco de Vi que contém Vi(p) à lista Bi dos blocos alterados acrescente s à lista Li de T para ser liberado quando T terminar 23

24 Implementação das Operações: FECHE(S, T) Salve para memória secundária as páginas atualizadas, através de GRAVE Salve os blocos modificados de Vi que se encontram em memória principal Acrescente estes blocos a Bi 24

25 Implementação das Operações: PRÉ-CONFIRME(T) /* Salve as modificações feitas por T */ Seja S o conjunto dos segmentos modificados por T que ainda estão abertos. Execute FECHE(S,T) /* Sinalize que T entrou no estado PRÉ-CONFIRMADA */ Leia CONTROLE Faça D = pré-confirmada Regrave CONTROLE 25

26 Implementação das Operações: CONFIRME(T) Leia CONTROLE Faça C=A e D = em-confirmação Regrave CONTROLE /* Libere as versões tornadas obsoletas por T */ Seja d a senha de T Para cada bloco b de Vi na lista Bi de T para cada página p de Si no intervalo correspondente a b faça VCi(p) := Vi(p) Modifique MAP, liberando os setores que continham imagens certificadas que ficaram obsoletas, mantidas na lista L /* Sinalize que a transação foi confirmada */ Faça D= confirmada Regrave CONTROLE 26

27 Implementação das Operações: CANCELE(T) /* Sinalize que T entrou no estado CANCELADA */ leia CONTROLE faça D = em-cancelamento regrave CONTROLE /* Descarte as versões criadas por T */ Seja d a senha de T Para cada bloco b de Vi na lista Bi de T para cada página p de Si no intervalo correspondente a b seja Vi(p)=(s,d) faça MAP(s)=0 liberando s faça Vi(p) := VCi(p) /* Sinalize que T foi cancelada */ faça D = cancelada regrave CONTROLE 27

28 Implementação das Operações: RECUPERE /* O estado de T no momento da falha é indicado por D em CONTROLE */ Leia CONTROLE D = ativa /* T foi interrompida e deve ser cancelada */ faça D = em-cancelamento regrave CONTROLE /* Descarte as versões criadas por T (sem as listas de blocos, que foram perdidas) */ Para cada página p de Si, faça Vi(p) = VCi(p) Reconstrua MAP a partir de VCi /* Sinalize que T foi cancelada */ faça D = cancelada regrave CONTROLE 28

29 Implementação das Operações: RECUPERE D = pré-confirmada /* PRÉ-CONFIRME terminou e CONFIRME não começou. PRÉ-CONFIRME já salvou o estado transiente no momento da falha pois só atualiza CONTROLE depois de atualizar VCi e MAP */ Reconstrua MAP a partir de VCi 29

30 Implementação das Operações: RECUPERE D = em-confirmação /* CONFIRME foi interrompida. Continue a liberar as versões tornadas obsoletas por T (sem o auxílio das listas de blocos, que foram perdidas) */ Para cada página p de Si, faça VCi(p) = Vi(p) Reconstrua MAP a partir de VCi /* Sinalize que a transação foi confirmada */ Faça D= confirmada Regrave CONTROLE 30

31 Implementação das Operações: RECUPERE D = em-cancelamento /* CANCELE foi interrompida. Continue a desfazer os efeitos de T (sem o auxílio das listas de blocos, que foram perdidas) */ Para cada página p de Si, faça Vi(p) = VCi(p) Reconstrua MAP a partir de VCi /* Sinalize que T foi cancelada */ faça D = cancelada regrave CONTROLE 31

32 Implementação das Operações: RECUPERE D = cancelada ou confirmada /* Nenhum processamento é necessário */ 32

33 Incorporação de Controle de Concorrência Preliminares: nível do controle de concorrência: intervalos de páginas correspondentes ao blocos de Vi (alternativas: estruturas de dados --- Vi, VCi, etc... segmentos páginas ) CONTROLE é substituída por um log armazenando, de forma robusta, o estado corrente de todas as transações em andamento 33

34 Incorporação de Controle de Concorrência Implementação do 2PL: LEIA(Si,p,b,T) bloqueia o intervalo de páginas determinado pelo bloco de Vi que contém p CONFIRME ou CANCELE libera todos os intervalos bloqueados pela transação ABRA, GRAVE, FECHE não altera os bloqueios RECUPERE analisa o log para desfazer ou refazer os efeitos das transações abertas na hora da falha 34

Recuperação de Falhas

Recuperação de Falhas Recuperação de Falhas Prof. Márcio Bueno {bd2tarde,bd2noited}@marciobueno.com Material do Prof. Paulo Pires Recuperação de Falhas Garantia de atomicidade e durabilidade de Transações requer um SGBD tolerante

Leia mais

Sumário. Recuperação de Falhas

Sumário. Recuperação de Falhas Sumário 1 Processamento de Consultas 2 Introdução a Transações 3 Recuperação de Falhas 4 Controle de Concorrência 5 Banco de Dados Distribuído Recuperação de Falhas Garantia de atomicidade e durabilidade

Leia mais

Gerenciamento de Transações

Gerenciamento de Transações Gerenciamento de Transações Outros tipos de recuperação: Além das falhas causadas por transações incorretas, conforme vimos anteriormente, podem ocorrer outros tipos de falhas, que ocorrem por fatores

Leia mais

Crash recovery é similar ao instance recovery, onde o primeiro referencia ambientes de instância exclusiva e o segundo ambientes parallel server.

Crash recovery é similar ao instance recovery, onde o primeiro referencia ambientes de instância exclusiva e o segundo ambientes parallel server. Recover no Oracle O backup e recuperação de dados em um SGBD é de grande importância para a manutenção dos dados. Dando continuidade a nossos artigos, apresentamos abaixo formas diferentes de se fazer

Leia mais

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase. ? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.? Desde de 1994, a Microsoft lança versões do SQL SERVER

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

Técnica UNDO/REDO. detectar que X é atualizado mais de uma vez e realizar apenas a última atualização técnica UNDO/REDO com REDO único para cada dado

Técnica UNDO/REDO. detectar que X é atualizado mais de uma vez e realizar apenas a última atualização técnica UNDO/REDO com REDO único para cada dado Técnica UNDO/REDO Quando se percorre o Log forward para fazer REDO, é possível que um dado X tenha sido atualizado por mais de uma transação committed Variante da técnica UNDO/REDO detectar que X é atualizado

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III 4 ADMINISTRAÇÃO DE SGBDs As pessoas que trabalham com um banco de dados podem ser categorizadas como usuários de banco de dados ou administradores de banco de dados. 1 Entre os usuários, existem

Leia mais

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional.

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional. Arquitetura Oracle e seus componentes Hoje irei explicar de uma forma geral a arquitetura oracle e seus componentes. Algo que todos os DBA s, obrigatoriamente, devem saber de cabo a rabo. Vamos lá, e boa

Leia mais

Procedimentos para Instalação do SISLOC

Procedimentos para Instalação do SISLOC Procedimentos para Instalação do SISLOC Sumário 1. Informações Gerais...3 2. Instalação do SISLOC...3 Passo a passo...3 3. Instalação da Base de Dados SISLOC... 11 Passo a passo... 11 4. Instalação de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos - II Prof. Galvez Implementação de Arquivos Arquivos são implementados através da criação, para cada arquivo no sistema, de uma estrutura de dados

Leia mais

ESTRUTURA DE SERVER 2008. Lílian Simão Oliveira

ESTRUTURA DE SERVER 2008. Lílian Simão Oliveira ESTRUTURA DE ARMAZENAMENTO SQL SERVER 2008 Lílian Simão Oliveira O Banco de Dados SQL Server mapeia um banco em um conjunto de arquivos do sistema operacional As informações de log e de dados nunca ficam

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Estruturas de Armazenamento e Indexação. Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217

Estruturas de Armazenamento e Indexação. Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217 Estruturas de Armazenamento e Indexação Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217 Estruturas de Armazenamento Banco de Dados são armazenados fisicamente como arquivos de registro, que em geral ficam em discos

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

Banco de Dados Oracle. Faculdade Pernambucana - FAPE

Banco de Dados Oracle. Faculdade Pernambucana - FAPE Faculdade Pernambucana - FAPE Visão Geral dos Componentes Principais da Arquitetura Oracle Servidor Oracle É o nome que a Oracle deu ao seu SGBD. Ele consiste de uma Instância e um Banco de Dados Oracle.

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO

MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO Diretoria de Vigilância Epidemiológica/SES/SC 2006 1 Módulo 04 - Exportação e Importação de Dados Manual do SINASC Módulo Exportador Importador Introdução O Sistema SINASC

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Sistema de Arquivos Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Gerência de Arquivos É um dos serviços mais visíveis do SO. Arquivos são normalmente

Leia mais

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress. Sistemas Operacionais Aula 3 Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.com Nunca cone em um computador que você não pode jogar pela janela.

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos Sistema de Arquivos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Objetivos Facilitar o acesso dos usuários ao conteúdo dos arquivos; Prover uma forma uniforme de manipulação de arquivos, independente dos

Leia mais

Procedimentos para Instalação do Sisloc

Procedimentos para Instalação do Sisloc Procedimentos para Instalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Instalação do Sisloc... 3 Passo a passo... 3 3. Instalação da base de dados Sisloc... 16 Passo a passo... 16 4. Instalação

Leia mais

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande região de armazenamento formada por bytes ou palavras, cada

Leia mais

BlackBerry Desktop Software. Versão: 7.1. Guia do usuário

BlackBerry Desktop Software. Versão: 7.1. Guia do usuário BlackBerry Desktop Software Versão: 7.1 Guia do usuário Publicado: 2012-06-05 SWD-20120605130141061 Conteúdo Aspectos básicos... 7 Sobre o BlackBerry Desktop Software... 7 Configurar seu smartphone com

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS 1 Objetivos do Capítulo Descrever a seqüência e a importância da inicialização do IOS nos roteadores

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Sistema de arquivos Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Sistema de Arquivos Gerenciamento de E/S

Leia mais

Sumário. Administração de Banco de dados Módulo 12. Ilustração Backup-Recovery. Recuperação (Recovery) - Definição

Sumário. Administração de Banco de dados Módulo 12. Ilustração Backup-Recovery. Recuperação (Recovery) - Definição Sumário Administração de Banco de dados Módulo 12 1. Administração de SGBDs - Continuação 1.1. Recuperação (Recovery) 1.1.1. Recuperação de sistema 1.1.2. Recuperação da mídia M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com

Leia mais

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação 1 ROM-BIOS ROM-BIOS Basic Input/Output System (Sistema Básico de Entrada/Saída). O termo é incorretamente conhecido como: Basic Integrated Operating

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

Nota de Aplicação. Utilizando os recursos de segurança dos controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Nota de Aplicação. Utilizando os recursos de segurança dos controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público Nota de Aplicação Utilizando os recursos de segurança dos controladores HI HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00050 Versão 1.01 outubro-2013 HI Tecnologia Utilizando os recursos de segurança

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

NOVIDADES DA VERSÃO 2.10 DO SANKHYA-W. Atividade Descrição Versão Abrangência

NOVIDADES DA VERSÃO 2.10 DO SANKHYA-W. Atividade Descrição Versão Abrangência NOVIDADES DA VERSÃO 2.10 DO SANKHYA-W Atividade Descrição Versão Abrangência Nota de complemento Geração de nota de complemento através do Sankhya-W. Informações da Sankhya/Jiva no Os e-mails de NF-e enviados

Leia mais

Prof. Luiz Fernando. Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE

Prof. Luiz Fernando. Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE Prof. Luiz Fernando Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS Administração de SGBDs De todo o tipo de pessoal envolvido com desenvolvimento, manutenção, e utilização de bancos de dados há dois tipo

Leia mais

Estruturas do Sistema de Computação

Estruturas do Sistema de Computação Estruturas do Sistema de Computação Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Estruturas do Sistema de

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Capítulo 6 Sistemas de Arquivos

Capítulo 6 Sistemas de Arquivos Capítulo 6 Sistemas de Arquivos 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação do sistema de arquivos 6.4 Exemplos de sistemas de arquivos 1 Armazenamento da Informação a Longo Prazo 1. Deve ser possível

Leia mais

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna O que é uma planilha eletrônica? É um aplicativo que oferece recursos para manipular dados organizados em tabelas. A partir deles pode-se gerar gráficos facilitando a análise e interpretação dos dados

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Arquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado / Luiz Paulo Maia Processo Profº Antonio Carlos dos S. Souza Estrutura do Processo Contexto de Software Contexto de Hardware Programa Espaço

Leia mais

Organização de Arquivos

Organização de Arquivos Classificação e Pesquisa de Dados Aula 2 Organização de s: s Sequenciais e s Sequenciais Indexados UFRGS INF01124 Organização de s Propósito Estudo de técnicas de armazenamento e recuperação de dados em

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Ping do Internet Control Message Protocol. icmp série 1.1

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Ping do Internet Control Message Protocol. icmp série 1.1 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Ping do Internet Control Message Protocol icmp série 1.1 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para fins

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas.

Sistemas de Arquivos. Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas. Sistemas de Arquivos Um sistema de arquivos implica: Conceituação de arquivos e diretórios

Leia mais

Revisão: Introdução. - Integração com o AutoManager; 1 Atualização de versão do banco de dados PostgreSQL

Revisão: Introdução. - Integração com o AutoManager; 1 Atualização de versão do banco de dados PostgreSQL Urano Indústria de Balanças e Equipamentos Eletrônicos Ltda. Rua Irmão Pedro 709 Vila Rosa Canoas RS Fone: (51) 3462.8700 Fax: (51) 3477.4441 Características do Software Urano Integra 2.2 Data: 12/05/2014

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

RESTAURAÇÃO NO WINDOWS 8

RESTAURAÇÃO NO WINDOWS 8 RESTAURAÇÃO NO WINDOWS 8 Este documento se aplica aos computadores HP e Compaq com Windows 8, mas a lógica de funcionamento é a mesma para os demais computadores. Este documento explica como usar e solucionar

Leia mais

Processos. Adão de Melo Neto

Processos. Adão de Melo Neto Processos Adão de Melo Neto 1 EXECUTE O SEGUINTE Baixa a aula dos dias 20 MAR 15 e 08 MAI 15 e salve no computador. Feche o browser Inicialize o vmware player e inicialize a máquina virtual ubuntu Inicialize

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO POSEAD. Curso Banco de Dados. Resenha Crítica: Backup e Recovery Aluno: Wilker Dias Maia

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO POSEAD. Curso Banco de Dados. Resenha Crítica: Backup e Recovery Aluno: Wilker Dias Maia PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO POSEAD Curso Banco de Dados Resenha Crítica: Backup e Recovery Aluno: Wilker Dias Maia Brasília 2012 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO... 3 2- DESCRIÇÃO DO ASSUNTO... 4 2.1- Estrutura fisica

Leia mais

Controle de transações em SQL

Controle de transações em SQL Transações Controle de transações em SQL Uma transação é implicitamente iniciada quando ocorre uma operação que modifica o banco de dados (INSERT, UPDATE ou DELETE). Uma transação pode terminar normalmente

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Informática. Rodrigo Schaeffer

Informática. Rodrigo Schaeffer Informática Rodrigo Schaeffer PREFEITURA DE PORTO ALEGRE- INFORMÁTICA Conceitos básicos de Word 2007; formatar, salvar e visualizar arquivos e documentos; alinhar, configurar página e abrir arquivos; copiar,

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Gateway de email emailgtw série 2.7 Avisos legais Copyright 2013, CA. Todos os direitos reservados. Garantia O material contido neste documento é fornecido

Leia mais

2.0.0.X. Storage Client. TecnoSpeed. Tecnologia da Informação. Manual do Storage Client

2.0.0.X. Storage Client. TecnoSpeed. Tecnologia da Informação. Manual do Storage Client 2.0.0.X TecnoSpeed Tecnologia da Informação Storage Client Manual do Storage Client 1 Conteúdo 1. Apresentação... 3 1.1. Apresentação do Produto... 3 1.2. Sobre este Manual... 3 2. Sobre o Storage Client...

Leia mais

MULTIACERVO - VERSÃO 17.*

MULTIACERVO - VERSÃO 17.* MULTIACERVO - VERSÃO 17.* MANUAL PARA CONVERSÃO DA VERSÃO 16.* PARA 17.* CONTEÚDO: A) Procedimentos comuns para todas as arquiteturas B) Procedimentos exclusivos arquitetura Cliente/Servidor MS-SQL-SERVER

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Microsoft Windows XP William S. Rodrigues APRESENTAÇÃO WINDOWS XP PROFISSIONAL O Windows XP, desenvolvido pela Microsoft, é o Sistema Operacional mais conhecido e utilizado

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento do Jboss do Nimsoft jboss série 1.3 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Snap Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente

Leia mais

MANUAL BACKUP XDENTAL 2012

MANUAL BACKUP XDENTAL 2012 MANUAL BACKUP XDENTAL 2012 Sumário CONFIGURANDO BACKUP... 2 ESCOLHENDO O TAMANHO DO ARQUIVO DE BACKUP... 4 CONFIGURANDO HORÁRIO DE INÍCIO DO BACKUP... 5 CONFIGURANDO BACKUP AO INICIAR O SISTEMA XDENTAL...

Leia mais

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS Prof. Msc. Hélio Esperidião BANCO DE DADOS Podemos entender por banco de dados qualquer sistema que reúna e mantenha organizada uma série de informações relacionadas a um determinado

Leia mais

Atenção! Não está autorizada a reprodução deste material. Direitos reservados a Multilaser.

Atenção! Não está autorizada a reprodução deste material. Direitos reservados a Multilaser. 1 INTRODUÇÃO O sistema Multisync de GPS tem como finalidade atualizar os mapas para a última versão e resolver problemas relacionados a localização e navegação de endereços. Para isso selecione a opção

Leia mais

Guia de início rápido do Powersuite

Guia de início rápido do Powersuite 2013 Ajuste e cuide do desempenho de seu computador com um aplicativo poderoso e ágil. Baixando e instalando o Powersuite É fácil baixar e instalar o Powersuite geralmente, demora menos de um minuto. Para

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250 Recomendações Iniciais SOFTWARE HCS 2005 - VERSÃO 4.2 (Compatível com Guarita Vr4.03 e Vr4.04) Para

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO DO BACKUP

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO DO BACKUP SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL MANUAL DE CONFIGURAÇÃO DO BACKUP Apresentação Após o término da instalação você deverá configurar o Backup para que você tenha sempre uma cópia de segurança dos seus dados

Leia mais

Como atender a Lei 12.741 que obriga a mostrar no cupom o total de impostos pagos em um item.

Como atender a Lei 12.741 que obriga a mostrar no cupom o total de impostos pagos em um item. Como atender a Lei 12.741 que obriga a mostrar no cupom o total de impostos pagos em um item. Antes de iniciar, baixar do site o Arquivo contendo a tabela dos impostos, este arquivo chama-se deolhonoimposto.zip.

Leia mais

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Criação de backups importantes... 3 3. Reinstalação do Sisloc... 4 Passo a passo... 4 4. Instalação da base de dados Sisloc...

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 2 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Revisão sobre Banco de Dados e SGBDs Aprender as principais

Leia mais

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento 1 Gerência de espaço em disco Cópia de segurança do sistema de arquivo Roteiro Confiabilidade Desempenho

Leia mais