Segmentação de Imagens Médicas Baseada no Uso das Bibliotecas ITK e VTK

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segmentação de Imagens Médicas Baseada no Uso das Bibliotecas ITK e VTK"

Transcrição

1 Segmentação de Imagens Médicas Baseada no Uso das Bibliotecas ITK e VTK Diego R. Medaglia (FAPERGS), Isabel Harb Manssour (Orientadora) Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Faculdade de Informática Av. Ipiranga, Prédio 30 - Bloco C Porto Alegre/RS - Brasil Resumo Com o aperfeiçoamento das técnicas de aquisição de imagens médicas, tais como a Tomografia Computadorizada e a Ressonância Magnética, a capacidade e a fidelidade do diagnóstico por imagens foram ampliadas.um banco de imagens médicas pode se beneficiar de técnicas de processamento de imagens para classificar as imagens e permitir o reconhecimento de padrões. A segmentação é uma técnica usada neste tipo de aplicação, pois permite isolar regiões da imagem que possuem características em comum, ajudando a classificá-las de acordo com as estruturas que a compõem. O principal objetivo deste trabalho é apresentar o projeto e o desenvolvimento de uma ferramenta para segmentação interativa de imagens médicas. Esta aplicação permite a leitura de imagens DICOM e foi implementada usando o VTK e o ITK, ajudando no projeto de um sistema que gerencie um banco de imagens médicas. 1. Introdução Com a evolução das técnicas de aquisição de imagens médicas, tais como a tomografia computadorizada (CT) e a ressonância magnética (MRI), que fornecem informações mais detalhadas do ponto de vista de resolução e de distinção de tecidos, a capacidade e a fidelidade do diagnóstico por imagens foram ampliadas. Nos últimos anos os pesquisadores da área de Computação Gráfica, Processamento de Imagens e Visão Computacional vêm desenvolvendo técnicas de visualização, processamento e análise destas imagens. Tais técnicas permitem que os médicos visualizem, classifiquem, analisem e manipulem tanto as imagens bidimensionais como as representações tridimensionais dos órgãos em estudo [20,21]. Aplicações deste tipo visam facilitar o diagnóstico médico que pode ser feito também à distância. A criação de bancos de imagens, que possam ser consultados pelas características das imagens auxiliaria ainda mais o diagnóstico. Os bancos de imagens se beneficiam do uso de técnicas de processamento de imagem para reconhecimento de padrões e classificação de imagens. Uma das técnicas utilizadas é a segmentação, pois permite isolar uma região da imagem que possua características comuns, ajudando, assim, a classificar imagens de acordo com as estruturas presentes nas mesmas, tais como órgãos ou estruturas patológicas. O banco de imagens propiciaria, dessa maneira, uma pesquisa baseada em padrões e estruturas presentes nas imagens. O objetivo deste trabalho é apresentar o projeto e o desenvolvimento de uma ferramenta que disponibiliza um filtro de segmentação interativo. Foi implementado para este fim um leitor de séries DICOM [2], um visualizador de fatias desse mesmo formato e a funcionalidade de segmentar imagem usando como base a técnica de Region-Growing. Esta ferramenta de segmentação foi desenvolvida no âmbito do projeto PROAVIM - Processamento, Análise e Visualização de Imagens Médicas - da Faculdade de Informática da PUCRS. O projeto visa à criação de um framework para as citadas funcionalidades para atender a demanda do Hospital São Lucas da PUCRS, em Porto Alegre. O trabalho resultante deste projeto será utilizado para a criação de um banco de imagens, propiciando ao usuário uma interface amigável que permita visualização, análise e processamento das imagens. A Seção 2 apresenta alguns trabalhos relacionados. A ferramentas desenvolvida, incluindo sua modelagem e funcionalidades é descrita na Seção 3. A Seção 4 contém as conclusões e trabalhos futuros.

2 2. Fundamentos e Trabalhos Relacionados Nesta seção são apresentadas algumas técnicas de segmentação (Seção 2.1) e algumas ferramentas descritas na literatura que já implementam estas técnicas (Seção 2.2) Técnicas de Segmentação Segmentação pode ser definida como uma técnica que separa os elementos de uma imagem em regiões que apresentam a mesma propriedade ou característica [8,9]. Essas regiões podem ser caracterizadas por pixels, contorno ou textura, definindo assim três principais classes de técnicas de segmentação: baseada em região, contorno e textura. Na segmentação baseada em regiões, é considerado o conteúdo dos pixels da imagem, definindo regiões por inclusão dos pixels que contenham certas características. Já na segmentação baseada em contorno, a característica levada em conta é a definição geométrica dos elementos da imagem. Finalmente, a segmentação por textura considera regularidades e repetição de características como critério de caracterização de uma região. A segmentação pode também ser dividida quanto ao papel do usuário no processo, definindo assim três grupos: automática, manual e interativa. Como os algoritmos de segmentação automática tendem a apresentar resultados diferentes daqueles que seriam apresentados pela segmentação manual feita por um usuário experiente, a técnica mais usada é a segmentação interativa, automatizando parte do processo e deixando que o usuário ajude com sua experiência e bom senso. Uma técnica de segmentação bastante conhecida é a segmentação por crescimento de região (Region- Growing) através da conexão de limiares (connected threshold). Nesse método semi-automático de segmentação, a região é segmentada a partir de um ponto de partida (seed) informado pelo usuário, visitando os pixels vizinhos e verificando se estes se incluem numa faixa de valores de intensidade também informados pelo usuário. Enquanto houver novos pixels que pertençam à região, o algoritmo continua. A presença de ruído pode prejudicar o funcionamento deste algoritmo. Também existem técnicas de segmentação que se baseiam na detecção dos contornos dos objetos que fazem parte da imagem. Neste caso, podem ser usados algoritmos de detecção de bordas. Um problema que pode ocorrer nesta técnica é a existência de descontinuidades. Morfologia matemática também é usada para extrair componentes da imagem. Neste caso, operadores morfológicos auxiliam na detecção de componentes da imagem, facilitando a descrição dos objetos [6] Ferramentas de Segmentação Algumas ferramentas que dão suporte ao processo de segmentação já foram desenvolvidas e descritas na literatura. Um exemplo é o VolView [3], uma ferramenta comercial implementada com o VTK e ITK. O VolView permite ler vários formatos de dados, incluindo o DICOM, e disponibiliza segmentação. O Dual-T-Snakes é uma metodologia para segmentação de imagens 2D bastante poderosa, mas não eficiente para imagens com ruído. Um aperfeiçoamento desta técnica foi desenvolvido por Giraldi et. al. [4]. Apesar dos resultados positivos alcançados, aparentemente não foi desenvolvida uma interface para a fácil aplicação deste algoritmo. Uma técnica de segmentação específica para imagens de mamografia foi desenvolvida por Santos [6]. A segmentação neste caso foi implementada tomando como base a técnica da transformada Watershed. O CTMRedit é um exemplo de ferramenta para visualização, segmentação e interpolação de imagens de CT e MRI [7]. Pode ser usado gratuitamente, mas para sua utilização é necessário ter instalado o Matlab versão 5.0 ou superior. 3. Ferramenta Desenvolvida Nesta seção o protótipo implementado é apresentado. Inicialmente, na Seção 3.1, é brevemente descrito o projeto dentro do qual este trabalho foi elaborado. Na Seção 3.2 é apresentado o ambiente de desenvolvimento, incluindo todos os toolkits utilizados. A modelagem e a interface da aplicação são descritas, respectivamente, nas seções 3.3 e 3.4. Uma comparação com alguns sistemas existentes é realizada na Seção Contexto dentro do Projeto Atualmente está sendo desenvolvido um projeto de pesquisa na Faculdade de Informática da PUCRS com o objetivo de desenvolver novas ferramentas para dar suporte à análise, processamento e visualização de

3 imagens médicas. O objetivo principal é implementar técnicas de processamento e análise de imagens para a construção de uma aplicação que dê suporte à classificação de imagens e reconhecimento de padrões para a criação de um banco de imagens médicas. O presente trabalho consiste na primeira ferramenta que foi implementada para este projeto com o auxílio de uma bolsa de iniciação científica. O seu objetivo é auxiliar na extração de características das imagens para permitir a classificação das mesmas Ambiente de Desenvolvimento A ferramenta foi implementada usando a linguagem de programação C++, seguindo o paradigma orientado a objetos [10]. Para auxiliar no seu desenvolvimento foram utilizados três toolkits open-source: o VTK (Visualization Toolkit), o ITK (Insight Toolkit) e o FLTK (Fast Light Toolkit). O VTK [1,11] é um toolkit desenvolvido e disponibilizado gratuitamente pela Kitware Inc., possuindo código fonte aberto e é totalmente portável. Ele consiste em uma biblioteca de classes implementadas em C++ e utilizada para o processamento de imagens e visualização científica, que possui diversos níveis de interface para linguagens interpretadas, incluindo Tcl/Tk, Java e Phyton. O ITK [12,13] disponibiliza uma série de algoritmos para processamento de imagens n- dimensionais, e foi criado pela National Library of Medicine (NLM) como referência de coleção de algoritmos para o processamento das imagens do Projeto do Humano Visível (Visible Human Project) e de imagens médicas em geral. Integra-se bem com o VTK, e usa programação genérica para prover mais flexibilidade ao programa. O uso do ITK foi necessário porque ele disponibiliza os filtros adequados para implementar a segmentação de imagens médicas O FLTK [14] é um toolkit para rápida criação de interfaces gráficas para Windows/XWindow. Foi usado por ser código aberto e de fácil aprendizado. Além disso, é portável, foi desenvolvido sob a Licença Pública Geral GNU e é otimizado, tanto em tamanho de código como em desempenho. O ambiente de desenvolvimento Microsoft Visual Studio.NET 2003 foi utilizado juntamente com o gerente de configuração CMake [15], desenvolvido pela própria Kitware para depuração e implementação Modelagem Como a ferramenta de segmentação implementada consiste numa primeira etapa do projeto que começou a ser desenvolvido na nossa instituição em agosto de 2005 (Seção 3.1), suas funcionalidades são simples e podem ser resumidas através do diagrama de casos de uso apresentado na Figura 1. Este diagrama, bem como o diagrama de classes da Figura 2, é descrito utilizando a Unified Modeling Language (UML) [17,18] Figura 1: Diagrama de casos de uso. O diagrama de classes da aplicação apresentado na Figura 2 inclui algumas classes do VTK, apesar de também terem sido utilizadas classes do ITK. Durante a sua modelagem, procurou-se tomar como base o padrão Model-View-Controller (MVC) [18]. MVC consiste em uma tríade de classes extremamente usadas em sistemas interativos para construção de interfaces com o usuário A implementação do padrão MVC mantém o núcleo funcional do sistema independente da interface, facilitando tanto a extensão do sistema como a alteração da interface. De acordo com o padrão MVC, o modelo corresponde a algumas classes do VTK e do ITK em conjunto com outras desenvolvidas especificamente para a aplicação em questão. Objetos FLTK são usados nas classes responsáveis pela interface do sistema. A janela principal da aplicação consiste em uma instância da classe UserInterface, que contém objetos do FLTK. A classe GeradorDeImagens auxilia a UserInterface para a geração das miniaturas (thumbnails), enquanto que a classe GeradorDeNomes provê as funcionalidades de descobrir os nomes dos

4 arquivos que pertencem à mesma série DICOM na pasta especificada pelo usuário. A classe Segmenter, responsável pela funcionalidade de segmentação, possui objetos ITK e conta com a ajuda de um objeto SegmenterInterface, para que o usuário forneça parâmetros para o algoritmo. Esta classe se relaciona com a classe Viewer que contém os objetos VTK que são responsáveis pela visualização da imagem. Objetos vtkimageviewer, vtkrenderwindowinteractor e vtkrenderwindowinteractor controlam a interação com o usuário, possibilitando que este escolha pixels na imagem através de clique do mouse. A classe PickerCallback, que estende a classe vtkcommand do VTK, é responsável pela transmissão das coordenadas dos pixels para a interface da ferramenta de segmentação (SegmenterInterface) cada vez que o usuário clica na imagem. Isso é feito sobrescrevendo a rotina de picking implementada pelo VTK Interface e Funcionalidades A ferramenta de segmentação possui uma interface simples, desenvolvida com o FLTK, que permite ao usuário carregar uma pasta com uma série DICOM através de um selecionador de pastas provido pelo FLTK. O processo de carregar a série DICOM é feito por objetos do ITK: indicando uma pasta, o ITK irá identificar quais arquivos pertencem à série, gerando uma lista de nomes de arquivos. A seguir, através do uso da biblioteca GDCM [16], é feita a leitura seqüencial dos arquivos da série, montando miniaturas das fatias através de conversão de cada um dos arquivos para uma imagem JPEG. Posteriormente, essas são exibidas em um painel como botões, como mostra a Figura 3. Adicionalmente, pode-se observar que o nome do paciente, idade, data do estudo e instituição onde foi realizado o mesmo são exibidos na parte inferior da janela. Figura 3: Interface do sistema. Selecionando uma das fatias por um clique de mouse, uma janela de visualização, juntamente com uma janela de controle para segmentação (intitulada Segmentador ) são abertas, como mostra a Figura 4. Figura 2: Diagrama de classes. Figura 4: Janela de controle da segmentação.

5 A janela de visualização exibe, através de objetos VTK, a fatia selecionada. A imagem é obtida pela conexão entre esses objetos VTK e os objetos leitores do ITK. Na janela de visualização é possível selecionar um pixel (picking) com um clique do mouse de maneira que suas coordenadas, bem como sua intensidade, sejam listadas na janela de controle. Isto é feito para escolher um ponto de partida (ou seed) para o algoritmo de segmentação. Os sliders na janela de controle para segmentação são utilizados para escolher os critérios de inclusão do pixel na imagem resultante através da definição dos limiares de intensidade máximos e mínimos, e para escolher o valor de substituição dos pixels na nova imagem. Clicando no botão Segmentar é acionado o procedimento para a segmentação, no qual é utilizado o algoritmo de crescimento de região já explicado na Seção 2.1. Essa escolha foi feita por ser uma técnica simples de ser implementada com a ajuda do ITK e por envolver interação com o usuário. A partir do resultado da segmentação é criada uma nova imagem contendo apenas os pixels que foram incluídos na região segmentada, cuja intensidade foi provida pelo usuário. Um exemplo de segmentação é apresentado na Figura 5. Para gerar esta imagem foi selecionado um pixel de intensidade 95 nas coordenadas 255,187 da imagem original, e foram usados com parâmetro os valores mínimo e máximo de 81 e 269, respectivamente, e 269 como valor de substituição. A Figura 6 exibe uma fatia axial de tomografia computadorizada. Sobre esta imagem foi aplicado o filtro de segmentação, selecionando o pixel de intensidade 479 na posição 262, 299. Usando valores mínimo e máximo de 87 e 2542, respectivamente, se obteve o resultado é exibido na Figura 7. Figura 6: Fatia de tomografia computadorizada. Figura 5: Resultado da segmentação aplicada a uma imagem do encéfalo. Figura 7: Resultado da segmentação aplicada à imagem de tomografia da Figura 6.

6 Para efeito de comparação, uma outra segmentação foi feita sobre o mesmo ponto de partida mas com um valor mínimo mais alto, no caso, 353. O resultado está apresentado na Figura 8. Figura 8: Resultado da segmentação aplicada à imagem da Figura 6 com valor de mínimo mais alto se comparado à Figura Comparação com Outras Aplicações A aplicação desenvolvida é um protótipo de uma ferramenta de segmentação baseada nos toolkits VTK e ITK. Porém, pretende-se, através da integração com os próximos trabalhos do projeto PROAVIM, que esta ferramenta seja útil para os profissionais da saúde. Portanto, por enquanto, é difícil fazer uma comparação com as funcionalidades disponíveis em aplicações comerciais ou até mesmo de código aberto desenvolvidas por grandes organizações. No entanto, algumas vantagens comentadas a seguir já se tornam aparentes. Como é baseada em toolkits de código aberto, pode ser distribuída gratuitamente, diferentemente do VolView, que é uma ferramenta comercial. Além disso, sua independência de outros programas pesados (e pagos), como o Matlab, também a torna mais acessível. Como o projeto PROAVIM tem como um dos objetivos o desenvolvimento de uma interface gráfica amigável, futuramente espera-se que às vantagens apontadas anteriormente some-se a uma interface que facilite a interação dos usuários finais com funcionalidades desenvolvidas no presente trabalho. 4. Conclusões e Trabalhos Futuros A ferramenta desenvolvida pode ser considerada como uma primeira experiência na nossa instituição de uso do ITK e seus algoritmos, bem como de sua integração com o VTK, que já estava sendo usado dentro desta linha de pesquisa [5]. A leitura de arquivos DICOM foi investigada e implementada e foram integradas as bibliotecas VTK, ITK e FLTK. Desta forma, a inclusão de novos filtros (tal como para redução de ruído), torna-se mais fácil, facilitando também a inclusão de novas funcionalidades. Através do que está disponível atualmente é possível verificar uma série de imagens DICOM e facilmente realizar uma segmentação semi-interativa em qualquer uma destas imagens. Futuramente, esta ferramenta de segmentação será integrada com outras ferramentas desenvolvidas anteriormente, que incluem a visualização de volumes, a elaboração de diferentes cortes e a extração de medidas [5]. Além disso, pretende-se usar a sobreposição de imagens para exibir os resultados da segmentação em relação à imagem original e validar os resultados obtidos junto a profissionais da área da saúde. 5. Agradecimentos Este trabalho foi financiado pela FAPERGS e PUCRS. 6. Referências [1] Avila, Lisa S. et al. The VTK user's guide: updated for VTK version 4.2. Upper Saddle River, NJ: Kitware, p. [2] National Electrical Manufacturers Association - Digital Imaging and Communications in Medicine (DICOM) Part 1: Introduction and Overview. Disponível em (Julho, 2006) [3] Kitware Inc. VolView Interactive and Intuitive Volume Visualization. Disponível em (Julho, 2006).

7 [4] Giraldi, G., Strauss, E., and Oliveira, A Dual-tsnakes model for medical imaging segmentation. Pattern Recognition Letter. v. 24, n. 7. Apr p [5] Iglezias, Leandro M.; Czekster, Ricardo M.; Manssour, Isabel H. Uma Ferramenta Interativa para Visualização e Exploração de Imagens Médicas. In: CLEI XXXI Conferencia Latinoamericana de Informática, 2005, Cali, Colombia [6] Vivian Toledo Santos. Segmentação de Imagens Mamográficas para Detecção de Nódulos em Mamas Densas. Dissertação de Mestrado, USP [7] Mark Hasegawa-Johnson; Jul Cha. CTMRedit: a matlab GUI for viewing, segmenting, and interpolating CT and MRI Images. Disponível em (Julho, 2006) [8] Nedel, C.; Manssour, I.;Freitas, C. Image Acquisition and Processing. In: SIBGRAPI 99-XII Brazilian Symposium on Computer Graphics and Image Processing, 1999, Campinas, Brasil. [9] Russ, John C. The Image Processing Handbook. 3. ed. Raleigh : CRC, c p. [10] Deitel, Harvey M. C++: How to Program. 4. ed. Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall, c p. [11] Schroeder, Will. The Visualization Toolkit: an objectoriented approach to 3D graphics. Upper Saddle River, NJ: Prentice-Hall, p [12] Insight into Images: principles and practice for segmentation, registration, and image analysis. Wellesley, MA: A. K. Peters, c p. [13] The ITK Software Guide Second Edition Updated for ITK version 2.4. Disponível em: (Julho 2006). [14] FLTK Programing Manual. Disponível em: (Julho 2006). [15] CMake-Cross platform make. Disponível em: (Julho 2006). [16] Gdcm Home Page. Disponível em: (Julho 2006). [17] Larman, Craig. Utilizando UML e padrões. 2. ed. Porto Alegre:Bookman, p. [18] Booch, Grady. The unified modeling language user guide. Reading, MA: Addison-Wesley, c p. [19] Buschmann, F., Meunier, R., Rohnert, H., Sommerlad, P., And Stal, M Pattern-Oriented Software Architecture, A System of Patterns. John Wiley & Sons. [20] Sonka, Milan; Fitzpatrick, Michael (eds). Handbook of medical imaging. Bellingham, WA: SPIE, [21] Sonka, Milan; Hlavac, Vaclac; Boyle, Roger. Image processing, analysis, and machine vision. 2. ed. Pacific Grove: PWS, p.

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA Gabriel Jara

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone 2004 142 ARQTEXTO 5 A REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone O uso do projeto auxiliado por computador (CAD) em arquitetura é cada vez mais corrente, através do projeto 2D e 3D de

Leia mais

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Vágner Nepumuceno Guimarães Orient.: Paulo Eduardo Ambrósio Introdução O avanço tecnológico vem influenciando cada vez mais na área médica.

Leia mais

Segmentação de imagens tridimensionais utilizando o sensor Microsoft Kinect

Segmentação de imagens tridimensionais utilizando o sensor Microsoft Kinect Segmentação de imagens tridimensionais utilizando o sensor Microsoft Kinect Lucas Viana Barbosa 1 ; Wanderson Rigo 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Os sistemas de visão artificial vêm auxiliando o ser

Leia mais

III Seminário da Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Unesp - Bauru

III Seminário da Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Unesp - Bauru RECONSTRUÇÃO E GERAÇÃO DE MALHAS BIDIMENSIONAIS NÃO ESTRUTURADAS UTILIZANDO A TRIANGULAÇÃO DE DELAUNAY Leide Daiane Caires Aluna do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Unesp Bauru Prof. Dr.

Leia mais

Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de. Imagens de Teste do Sistema DTCOURO

Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de. Imagens de Teste do Sistema DTCOURO Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de Teste do Sistema DTCOURO Willian Paraguassu Amorim 27 de julho de 2005 1 Título Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Aula 03 PowerPoint 2007

Aula 03 PowerPoint 2007 Aula 03 PowerPoint 2007 Professor: Bruno Gomes Disciplina: Informática Básica Curso: Gestão de Turismo Sumário da aula: 1. Abrindo o PowerPoint; 2. Conhecendo a Tela do PowerPoint; 3. Criando uma Nova

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica Mapeamento não-linear Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital 1 Professor Paulo Christakis 1 2 Sistema CAD Diagnóstico auxiliado por computador ( computer-aided

Leia mais

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Luiz Cláudio Hogrefe Orientador: Prof. Roberto Heinzle, Doutor Roteiro Introdução Fundamentação teórica

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Utilização das bibliotecas livres VTK e ITK no processamento de imagens médicas

Utilização das bibliotecas livres VTK e ITK no processamento de imagens médicas Utilização das bibliotecas livres VTK e ITK no processamento de imagens médicas Lucas Ferrari de Oliveira 1, Bruno Atrib Zanchet 1, Rodrigo Coelho Barros 1, Vinícius Vieira Gomes 1, Sérgio Yoshimitsu Fujii

Leia mais

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais

SOFTWARE PARA IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CÉLULAS DO ENDOTÉLIO CORNEANO DESENVOLVIDO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

SOFTWARE PARA IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CÉLULAS DO ENDOTÉLIO CORNEANO DESENVOLVIDO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS 221 SOFTWARE PARA IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CÉLULAS DO ENDOTÉLIO CORNEANO DESENVOLVIDO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Jean-Jacques S. De Groote - Prof. Dr. do Centro Universitário Uniseb de Ribeirão Preto.

Leia mais

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Nota Técnica Aplicação de Física Médica em imagens de Tomografia de Crânio e Tórax Autores: Dário Oliveira - dario@cbpf.br Marcelo Albuquerque - marcelo@cbpf.br

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron.

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron. 1024 UMA ABORDAGEM BASEADA EM REDES PERCEPTRON MULTICAMADAS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE MASSAS NODULARES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS Luan de Oliveira Moreira¹; Matheus Giovanni Pires² 1. Bolsista PROBIC, Graduando

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Introdução ao Veridis Biometrics SDK VERIDIS

Introdução ao Veridis Biometrics SDK VERIDIS Introdução ao Veridis Biometrics SDK Versão do SDK: 5.0 2013 Veridis Biometrics VERIDIS BIOMETRICS Versão do Documento Versão Data Modificações 1 2 3 4 5 23/mar/2011 17/mai/2011 29/jul/2011 3/out/2011

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

Universidade Federal do ABC Rua Santa Adélia, 166 - Bairro Bangu - Santo André - SP - Brasil CEP 09.210-170 - Telefone/Fax: +55 11 4996-3166

Universidade Federal do ABC Rua Santa Adélia, 166 - Bairro Bangu - Santo André - SP - Brasil CEP 09.210-170 - Telefone/Fax: +55 11 4996-3166 Universidade Federal do ABC Rua Santa Adélia, 166 - Bairro Bangu - Santo André - SP - Brasil CEP 09.210-170 - Telefone/Fax: +55 11 4996-3166 1. CÓDIGO E NOME DA DISCIPLINA BC1508 - ENGENHARIA DE SOFTWARE

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka 1 Introdução A mineração de dados (data mining) pode ser definida como o processo automático de descoberta de conhecimento em bases de

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

Correção de cartões de respostas utilizando análise e processamento de imagens digitais

Correção de cartões de respostas utilizando análise e processamento de imagens digitais Correção de cartões de respostas utilizando análise e processamento de imagens digitais Vantuil José de OLIVEIRA NETO¹, Caroline Julliê de Freitas RIBEIRO¹, Samuel Pereira DIAS² ¹ Tecnólogos em Análise

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS Motivado por duas principais aplicações: Melhorar a informação da imagem para interpretação humana Processamento de cenas para percepção de máquinas (Visão Computacional)

Leia mais

PROGRAMAÇÃO MVC E ZEND FRAMEWORK

PROGRAMAÇÃO MVC E ZEND FRAMEWORK PROGRAMAÇÃO MVC E ZEND FRAMEWORK MVC PROGRAMMING AND ZEND FRAMEWORK Rodolfo Vinícius Moimas Dias Centro Universitário Filadélfia de Londrina UniFil Rafael Francovig Cavicchioli Centro Universitário Filadélfia

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 CURITIBA 2015 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007... 3 JANELA PRINCIPAL... 3 1 - BOTÃO OFFICE... 4 2 - FERRAMENTAS DE ACESSO

Leia mais

O que há de novo no PaperPort 11? O PaperPort 11 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O que há de novo no PaperPort 11? O PaperPort 11 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O ScanSoft PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos que ajuda o usuário a organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos em papel e digitais no computador

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS Obter uma imagem temática a partir de métodos de classificação de imagens multi- espectrais 1. CLASSIFICAÇÃO POR PIXEL é o processo de extração

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada SO Windows Aula 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO Todo computador precisa de um sistema operacional. O Windows

Leia mais

TRIANGULAÇÃO DE DELAUNAY COM RESTRIÇÃO EM IMAGENS BIDIMENSIONAIS

TRIANGULAÇÃO DE DELAUNAY COM RESTRIÇÃO EM IMAGENS BIDIMENSIONAIS TRIANGULAÇÃO DE DELAUNAY COM RESTRIÇÃO EM IMAGENS BIDIMENSIONAIS Leide Daiane Caires 1, Edson A. Capello Sousa 2 1 Depto Eng. Mecânica Universidade Estadual Paulista, Bauru, Brasil, ladycaires@gmail.com

Leia mais

Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente

Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente Fabiane Bizinella Nardon 1, Sérgio Furuie 2, Umberto Tachinardi 3 Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina

Leia mais

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft.

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Introdução ao Microsoft Windows 7 O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Visualmente o Windows 7 possui uma interface muito intuitiva, facilitando a experiência individual do

Leia mais

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft.

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Introdução ao Microsoft Windows 7 O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Visualmente o Windows 7 possui uma interface muito intuitiva, facilitando a experiência individual do

Leia mais

GEADA. Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos. para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa

GEADA. Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos. para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa GEADA Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa 1 1 Introdução O GEADA (Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos)

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Word 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Barra de Ferramentas de Acesso Rápido

Leia mais

InVesalius 3.0a Pré-Manual pelo Usuário

InVesalius 3.0a Pré-Manual pelo Usuário InVesalius 3.0a Pré-Manual pelo Usuário Versão 1.0 (26/01/2009) 1 Sobre o InVesalius InVesalius é um software público para área de saúde que realiza análise e segmentação de modelos anatômicos virtuais,

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

TRBOnet MDC Console. Manual de Operação

TRBOnet MDC Console. Manual de Operação TRBOnet MDC Console Manual de Operação Versão 1.8 ÍNDICE NEOCOM Ltd 1. VISÃO GERAL DA CONSOLE...3 2. TELA DE RÁDIO...4 2.1 COMANDOS AVANÇADOS...5 2.2 BARRA DE FERRAMENTAS...5 3. TELA DE LOCALIZAÇÃO GPS...6

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

Controle de robôs industriais via Labview

Controle de robôs industriais via Labview Leonel Lopes Lima Neto Instituto Tecnológico de Aeronáutica Rua H20B, casa, nº 114, Campus do CTA São José dos Campos São Paulo 12.228-460 Bolsista PIBIC-CNPq leonel@aluno.ita.br Emilia Villani Instituto

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes 01 - Apresentação do SiteMaster - News Edition O SiteMaster foi desenvolvido para ser um sistema simples de gerenciamento de notícias, instalado em seu próprio computador e com configuração simplificada,

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

Manual do Cantor. Alexander Rieder Tradução: Marcus Gama

Manual do Cantor. Alexander Rieder Tradução: Marcus Gama Alexander Rieder Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Usando o Cantor 6 2.1 Recursos do Cantor..................................... 6 2.2 As infraestruturas do Cantor...............................

Leia mais

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010.

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010. 1 Publisher 2010 O Publisher 2010 é uma versão atualizada para o desenvolvimento e manipulação de publicações. Juntamente com ele você irá criar desde cartões de convite, de mensagens, cartazes e calendários.

Leia mais

AVISO DE SEGURANÇA EM CAMPO/NOTIFICAÇÃO DE PRODUTO

AVISO DE SEGURANÇA EM CAMPO/NOTIFICAÇÃO DE PRODUTO AVISO DE SEGURANÇA EM CAMPO/NOTIFICAÇÃO DE PRODUTO Assunto: Software de Planejamento de Tratamento por Radiação da Brainlab: Para uso em software Brainlab, sequências de imagens (excluindo tomografias)

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Isac Velozo Aguiar Orientador: Eduardo Manuel de Freitas Jorge 19/06/2007

Isac Velozo Aguiar Orientador: Eduardo Manuel de Freitas Jorge 19/06/2007 MAX-FLOW UM ESTUDO DE INTERFACE E USABILIDADE DE UMA FERRAMENTA DE EDITORAÇÃO DE PROCESSOS Isac Velozo Aguiar Orientador: Eduardo Manuel de Freitas Jorge 19/06/2007 Agenda» Contexto;» Problemas;» Objetivos;»

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Este tutorial está publicado originalmente em http://www.baboo.com.br/absolutenm/anmviewer.asp?a=30405&z=300

Este tutorial está publicado originalmente em http://www.baboo.com.br/absolutenm/anmviewer.asp?a=30405&z=300 WinRAR: Conheça este excelente compactador de arquivos Introdução: É fato que a Internet está mais rápida com a popularização da banda larga, mas os compactadores de arquivos ainda apresentam muita utilidade

Leia mais

Bem-vindo! O que há de novo no PaperPort 10?

Bem-vindo! O que há de novo no PaperPort 10? Bem-vindo! O ScanSoft PaperPort é um pacote de softwares para gerenciamento de documentos que ajuda o usuário a organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos em papel e digitais no computador

Leia mais

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 FileMaker Pro 13 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 2007-2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO Aprender a utilizar mapas, colocar filtros em tabelas e a criar tabelas e gráficos dinâmicos no MS-Excel. Esse roteiro foi escrito inicialmente para o Excel

Leia mais

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados:

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados: Relatório do GPES Relatório referente à instalação dos programas e plugins que estarão sendo utilizados durante o desenvolvimento dos exemplos e exercícios, sendo esses demonstrados nos próximos relatórios.

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

Manual de Instalação Gerenciador de Nota Fiscal Eletrônica

Manual de Instalação Gerenciador de Nota Fiscal Eletrônica Observações: Verifique sempre as configurações de firewall ou bloqueadores de conexão de rede quando utilizar o sistema em mais de um computador. A configuração inadequada de programas desse tipo pode

Leia mais

Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional

Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional Elaboração: Prof. Éverton Loreto everton@uffs.edu.br 2010 Objetivo Conhecer as características e recursos do Sistema Operacional

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Identificação de Nódulos Pulmonares Utilizando a Construção de Mapas de Conexidade Fuzzy Partindo da Escolha de uma Semente Ideal

Identificação de Nódulos Pulmonares Utilizando a Construção de Mapas de Conexidade Fuzzy Partindo da Escolha de uma Semente Ideal Identificação de Nódulos Pulmonares Utilizando a Construção de Mapas de Conexidade Fuzzy Partindo da Escolha de uma Semente Ideal Tiago Emmanuel Praxedes Silva 1, Marcelo Costa Oliveira 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

Aula Au 3 la 7 Windows-Internet

Aula Au 3 la 7 Windows-Internet Aula 37 Aula Ferramenta de Captura 2 Você pode usar a Ferramenta de Captura para obter um recorte de qualquer objeto na tela e, em seguida, anotar, salvar ou compartilhar a imagem. 3 Vamos fazer o seguinte:

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 FileMaker Pro 14 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 2007-2015 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8

CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8 CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8 1) No sistema operacional Microsoft Windows 8, uma forma rápida de acessar o botão liga/desliga é através do atalho: a) Windows + A. b) ALT + C. c) Windows + I. d) CTRL +

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Barra de Títulos. Barra de Menu. Barra de Ferramentas. Barra de Formatação. Painel de Tarefas. Seleção de Modo. Área de Trabalho.

Barra de Títulos. Barra de Menu. Barra de Ferramentas. Barra de Formatação. Painel de Tarefas. Seleção de Modo. Área de Trabalho. Conceitos básicos e modos de utilização das ferramentas, aplicativos e procedimentos do Sistema Operacional Windows XP; Classificação de softwares; Principais operações no Windows Explorer: criação e organização

Leia mais

1 UNIT Universidade do Trabalhador Dr. Abel dos Santos Nunes

1 UNIT Universidade do Trabalhador Dr. Abel dos Santos Nunes 1 UNIT Universidade do Trabalhador Dr. Abel dos Santos Nunes Janelas são estruturas do software que guardam todo o conteúdo exibido de um programa, cada vez que um aplicativo é solicitado à janela do sistema

Leia mais

Ferramenta de Testes de Programas para Auxílio na Aprendizagem de Programação

Ferramenta de Testes de Programas para Auxílio na Aprendizagem de Programação Ferramenta de Testes de Programas para Auxílio na Aprendizagem de Programação Denise Santiago (FURB) denise@senior.com.br Maurício Capobianco Lopes (FURB) mclopes@furb.br Resumo. Este artigo apresenta

Leia mais

Usar FTK Imager para gerar evidências, exportar arquivos de evidências, criar imagens forenses e converter imagens existentes.

Usar FTK Imager para gerar evidências, exportar arquivos de evidências, criar imagens forenses e converter imagens existentes. AccessData BootCamp Forensic Toolkit, FTK Imager, Password Recovery Toolkit and Registry Viewer O curso AccessData BootCamp fornece conhecimento e habilidade necessária para instalar, configurar e o uso

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C#

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# 1.1 - Apresentação Quando fazemos nossas compras em um supermercado, é comum encontrarmos um código de barras impresso nos produtos expostos

Leia mais

Introdução ao Tableau Server 7.0

Introdução ao Tableau Server 7.0 Introdução ao Tableau Server 7.0 Bem-vindo ao Tableau Server; Este guia orientará você pelas etapas básicas de instalação e configuração do Tableau Server. Em seguida, usará alguns dados de exemplo para

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS 1/38 DOCUMENTO DE REQUISITOS GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Versão 1.1 Identificação do Projeto CLIENTE: NOME DO CLIENTE TIPO DO SISTEMA OU PROJETO Participantes Função Email Abilio Patrocinador

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DA APLICAÇÃO DO ALGORITMO WATERSHED PARA A SEGMENTAÇÃO DE GALÁXIAS BASEADO EM DADOS ESPECTROGRÁFICOS.

PROGRAMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DA APLICAÇÃO DO ALGORITMO WATERSHED PARA A SEGMENTAÇÃO DE GALÁXIAS BASEADO EM DADOS ESPECTROGRÁFICOS. PROGRAMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DA APLICAÇÃO DO ALGORITMO WATERSHED PARA A SEGMENTAÇÃO DE GALÁXIAS BASEADO EM DADOS ESPECTROGRÁFICOS. Murilo Moritz Parize 1 - Marcelo Massocco Cendron 2 INTRODUÇÃO A necessidade

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS Janderson Fernandes Barros ¹, Igor dos Passos Granado¹, Jaime William Dias ¹, ² ¹ Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí

Leia mais

Programação Orientada a Objetos. Padrões de Criação

Programação Orientada a Objetos. Padrões de Criação Programação Orientada a Objetos Padrões de Criação Cristiano Lehrer, M.Sc. Objetivos Apresentar cada um dos 23 padrões clássicos descrevendo: O problema que solucionam. A solução. Diagramas UML (Unified

Leia mais

Tutorial de Instalação do OpenCV 2.3

Tutorial de Instalação do OpenCV 2.3 Tutorial de Instalação do OpenCV 2.3 Escrito por: Lucas Grassano Lattari (llattari@ic.uff.br) O OpenCV (Open Computer Vision) é uma biblioteca multiplataforma, totalmente livre para o uso acadêmico e comercial,

Leia mais

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário Smart Laudos 1.9 A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos Manual do Usuário Conteúdo 1. O que é o Smart Laudos?... 3 2. Características... 3 3. Instalação... 3 4. Menu do Sistema... 4 5. Configurando

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

CMS Cyclops Medical Station. Manual de Instalação

CMS Cyclops Medical Station. Manual de Instalação CMS Cyclops Medical Station Manual de Instalação CMS Cyclops Medical Station Manual de Instalação http://www.telemedicina.ufsc.br/cms/ mailto: cms@telemedicina.ufsc.br INE (telefone) +55 048 3331 9498

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Guia de Instalação e Atualização do Sistema Podológico

Guia de Instalação e Atualização do Sistema Podológico Guia de Instalação e Atualização do Sistema Podológico Verifique sempre as configurações de firewall ou bloqueadores de conexão de rede quando utilizar o sistema em mais de um computador. A má configuração

Leia mais

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4.

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. 1 Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. Interface do sistema... 4 1.4.1. Janela Principal... 4 1.5.

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais

Aplicação Informática para o Ensino de Processamento Digital de Imagem

Aplicação Informática para o Ensino de Processamento Digital de Imagem Aplicação Informática para o Ensino de Processamento Digital de Imagem Sandra Jardim * e Paulo Sequeira Gonçalves ** * Departamento de Engenharia Informática e Tecnologias da Informação ** Departamento

Leia mais