Internet: um novo espaço de socialização política.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Internet: um novo espaço de socialização política."

Transcrição

1 XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, Internet: um nv espaç de scializaçã plítica. Jsé Henrique M. Rball y Amanda S. Machad. Cita: Jsé Henrique M. Rball y Amanda S. Machad (2009). Internet: um nv espaç de scializaçã plítica. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires. Dirección estable: Acta Académica es un pryect académic sin fines de lucr enmarcad en la iniciativa de acces abiert. Acta Académica fue cread para facilitar a investigadres de td el mund el cmpartir su prducción académica. Para crear un perfil gratuitamente acceder a trs trabajs visite:

2 Internet: um nv espaç de scializaçã plítica Autr: Jsé Henrique M. Rball 1 C-autr: Amanda S. Machad 2 INTRODUÇÃO O presente artig busca analisar a questã da juventude, a partir d enfque da Ciência Plítica centrand fc d debate na temática da Scializaçã e da Cultura Plítica. Analisar tal tema para cas latin-american, apresentu-ns a pssibilidade de travarms cntat cm nvs espaçs de scializaçã para s jvens na faixa etária de 16 a 29 ans. O espaç esclhid para a discussã fi a Internet. Uma vez que, cada dia mais, ela vem a se cnstituir cm um pnt estratégic na sciedade, cristalizand um papel de agência scializadra. A matriz de cleta de dads para este trabalh fi Infrme Latinbarmetr de Esse material é um ds primeirs a apresentar uma discussã sbre a Internet e sua imprtância nã smente para s jvens, bem cm para s demais crtes etáris estabelecids n dcument acima mencinad. 1 Alun de mestrad d Prgrama de Pós-graduaçã em Ciência Plítica da Universidade Federal d Ri Grande d Sul (UFRGS). 2 Aluna de mestrad d Prgrama de Pós-graduaçã em Ciência Plítica da Universidade Federal d Ri Grande d Sul (UFRGS). E- mail: - 1 -

3 Durante desenvlviment deste tema, irems ns defrntar cm s cnceits de cultura plítica, scializaçã plítica e Internet. Para tant, na próxima parte segue uma apresentaçã desses pnts, nde buscams manipular tais cnceits, discutind mais adiante seus impacts sbre a ppulaçã esclhida. Quand pssível, serã realizadas cmparações entre s jvens e as demais gerações, n intuit de captar rupturas e cntinuidades de cmprtament entre elas. A imprtância de se trabalhar cm as duas perspectivas tant de juventude cm da Internet justifica-se pr serem realidades puc cmpreendidas pela análise plítica. Vale destacar que estrat juvenil cnstitui-se cm secundári dentr das discussões quant à participaçã scial e a envlviment plític, refletind a falta de recnheciment d seu ptencial para a transmissã da cultura plítica de uma sciedade. N que tange à Internet, ela se caracteriza pr ser um espaç de us recente na América Latina, caracterizand-se pr ser um tema incipiente dentr da abrdagem scilógica, bem cm a partir de um crte que a trate cm uma agência scializadra u cm espaç de disputa e debate plític. O trabalh é de natureza quantitativa, desenvlvend-se a partir da análise ds dads secundáris e agregads riunds d Latinbarmetr. Buscams verificar, na bservaçã das tabelas dispníveis n infrme, pnts que tratam sbre interesse da juventude pela plítica, bem cm a sua expsiçã à Internet cm uma mídia que passa a ter um papel relevante cm agência scializadra secundária na internalizaçã de valres mais u mens afeits à cultura plítica demcrática. A pçã pr tal tip de análise justifica-se devid à dificuldade em cnseguir dads crrets sbre essa ppulaçã. Cnfrme Jussara Prá (2004), a divergência na definiçã da cleta ds dads agregads e primáris, bem cm a definiçã nebulsa das faixas etárias que crrespndem à juventude cntribui para a pçã pr dads de caráter secundári. Cm hipóteses para este artig, parte-se de tais entendiments bases: 1) a Internet nã é utilizada na sua ptencialidade cm um espaç efetiv para debates e transmissã de valres demcrátics para a mairia ds jvens; 2) a influência da Internet sbre as rientações ds jvens segue mesm padrã ds demais meis de cmunicaçã de massa; 3) as páginas mais acessadas ferecem estímuls puc evidentes à reflexã, a debate e à participaçã plítica, send assim um - 2 -

4 espaç de aprendizad fragmentad e incidental. Ante expst, cabe-ns agra uma revisã ds cnceits que tratam sbre scializaçã plítica, cultura plítica e Internet. CULTURA E SOCIALIZAÇÃO POLÍTICA O cnceit de cultura plítica é instrumental para pensar crenças, atitudes, nrmas e valres partilhads pels cidadãs em relaçã as seus sistemas demcrátics. N entant, é necessári fazer uma bservaçã de seus autres seminais, cm Gabriel Almnd e Sidney Verba. É clar que nã pde ser descnsiderada a existência de estuds anterires que trabalham desenvlviment da cultura plítica em Platã, Aristóteles, Mntesquieu e Tcqueville. N entant, é cm Almnd e Verba em The Civic Culture a primeira sistematizaçã e aplicaçã d cnceit de cultura plítica. Sua análise parte ds valres, sentiments, crenças e cnheciments eram relevantes para explicar s padrões de cmprtaments plítics adtads pels indivídus, bservand a realidade de cinc países (Estads Unids, Inglaterra, Itália, Alemanha e Méxic). Para s autres, prtant, cnceit de cultura plítica está calcad em um cnjunt de rientações plíticas que pderiam explicar a mtivaçã subjacente às ações praticadas pel atres. Almnd e Verba avançam em utr tema imprtante que vem a tratar desenvlviment d cnceit de cultura cívica e demcracia. Para s autres, há três tips purs de cultura cívica: a parquial (cm valres tradicinais, descentralizada e cm indivídus vltads para a esfera particular); a súdita (nde impera uma estrutura autritária, centralizada e cm indivídus a mei caminh da participaçã e da plena alienaçã da esfera pública); e a participativa (nde há uma plena participaçã ds indivídus na esfera de discussã). A prpsta de análise de Almnd e Verba sfreu frtes críticas pel seu psicinament etncêntric cidentalizante (Carle Pateman, 1989). A tmada de psiçã pr uma demcracia minimalista e pressupst de que a cultura plítica é hmgênea em cada sciedade, frçu uma revisã ds seus escrits. Outr autr que vem a prblematizar as questões a partir das mudanças sciais, ecnômicas e plíticas que se deram n decrrer das últimas décadas fi Rnald Inglehart. O autr se cnstitui cm principal debatedr das mudanças culturais e da sua relaçã cm a ecnmia e bem estar - 3 -

5 scial. Segund Castr e Capistran (2008), Inglehart tem uma precupaçã cm a mudança intergeracinal de valres nas sciedades avançadas. Há um frtaleciment de valres pósmaterialistas (participaçã, qualidade de vida e aut-expressã), seguids de um decréscim de valres materialistas (segurança física e ecnômica). O câmbi na visã de mund pde levar a mudanças de perspectivas ds sujeits. Um psicinament que parte de pressupsts pós-materialistas vem apiad em uma nva cnfrmaçã da sciedade, nde s prcesss de mdernizaçã sã substituíds pr prcesss de pós-mdernizaçã. A partir desse quadr instaurad, utras esferas sfrem alterações imprtantes, cnstituind-se assim utrs meis transmissres dessa nva cultura plítica, frmatand um psicinament mais u mens afeit as valres, crenças, atitudes e nrmas demcráticas. Para iss, faz-se necessári verificar caráter da scializaçã plítica. A scializaçã plítica é um pnt que vem a discutir a capacidade, bem cm s espaçs em que a cultura plítica é transmitida. Segund Schmidt (2001), term pde ser pensad cm a dimensã cultural relacinada cm a frmaçã de atitudes plítica e cm um prcess de interirizaçã da cultura plítica existente em um mei scial pr parte das gerações. Esse prcess de frmaçã é cnstruíd de diversas frmas, mas a principal divisã que é verificada está nas agências scializadras. A partir das frmulações de Peter Berger e Thmas Luckmann (1995), essas agências pdem ser d tip primári e secundári. N entant, nã smente elas explicam tud, segund Gabriel Almnd e James Cleman (1969) é imprtante ressaltar a existência de mais utrs dis tips de scializaçã tã influentes quant as anterires, sã estas as de caráter latente e a manifesta. Essa diferenciaçã prpsta pels autres estabelece-se a partir da natureza da transmissã das atitudes plíticas, seja elas vluntárias seja difusas. A scializaçã de caráter primári crre na família, durante a infância e tem grande influência n desenvlviment plític d indivídu. As primeiras nções de plítica partidária e participaçã plítica se estabelecem nessa esfera de atuaçã. Já a scializaçã secundária caracterizase pr ser um prcess subseqüente que se dá a partir da circulaçã d indivídu em utrs setres da sciedade. Nessa fase sã cmuns as transfrmações das atitudes de caráter parcial, cnstituind-se em mecanism de adaptaçã. Imprta também mencinar uma terceira frma de scializaçã, a chamada resscializaçã. Ela se caracteriza pr trazer as transfrmações prfundas, cnduzidas pr prcesss de rupturas

6 Sã semelhantes às scializações primárias, uma vez que levam a reinterpretar s fats a partir d aniquilament das vivências anterires. Observand esse debate de categrias de scializaçã, verifica-se que tal fenômen nã é sinônim de uma transmissã intencinal de rientações plíticas, mas, sim, riginad a partir da infinidade de circunstâncias e experiências interagem neste prcess de scializaçã plítica. Para tant, é necessári verificar as utras duas frmas de transmissã de atitudes plíticas citadas pr Almnd e Cleman. A scializaçã latente é a transmissã de rientações plíticas de caráter difus e nã prgramad. Pdem crrer na família, durante a infância, bem cm em utras instituições e grups sciais. A scializaçã manifesta, em cntrapartida, caracteriza-se pr ser a transmissã explícita de rientações plíticas, desempenhada pelas diversas agências de scializaçã presentes na sciedade. Essa categrizaçã em agências scializadras primárias e secundárias demnstra um pressupst de cntinuidade d prcess de transmissã de valres, nde nã há um padrã universal de influências exercidas pelas diversas agências, variand de um cntext scial para utra. As principais instituições se cnstituem cm transmissras da cultura plítica sã família, escla, grups de pares, igreja, ambiente de trabalh, partids, mviments sciais e mídia. Dentre tdas a família é a de mair destaque, seguida da escla e, na década de itenta, a mídia vem despntand cm um papel imprtante. Na cnstituiçã desse espaç para s veículs de infrmaçã e cmunicaçã pdems admitir que a Internet pde assumir um papel de agência de scializaçã. INTERNET A Internet se cnstitui em uma nva tecnlgia de infrmaçã e cmunicaçã encntrandse um déficit em questões que venham a tratar d seu papel cm um agente plític de scializaçã. Segund dads d Infrme Latinbarmetr, esse mei de cmunicaçã se cnstitui cm uma das diferenças entre s jvens e s adults. Apesar de seu aspect universalizante, ela se - 5 -

7 cnstitui cm uma ferramenta prpriamente usada pela juventude, cnstituind-se cm um suprte indispensável para esse estrat ppulacinal. Latina: Segund a tabela 1, verifica-se um crescente us da Internet em diverss países da América O crte geracinal é muit imprtante nas análises que buscam entender a Internet. O seu us pr parte ds jvens é muit mais acentuad, se lharms em cmparaçã cm as pessas de utras faixas etárias. Independente da situaçã sóci-ecnômica, a juventude é apntada cm a principal usuária deste mei de cmunicaçã e infrmaçã. Segund s infrmes dads pel Latinbarmetr de 2008, a média de usuáris entre s jvens de 18 a 25 ans é de 60%, em cntrapsiçã as 39% entre as pessas de 26 a 40 ans, 23% entre s que têm de 41 a 60 ans e 8% as que tem mais de 61 ans. A velcidade de penetraçã da Internet é utr fenômen interessante de ser visualizad. Desde seu advent pr vlta da década de sessenta e setenta, é crescente a sua disseminaçã mundial. Verificand a América Latina, pdems ver que tal event se repete, send majritariamente s jvens que assumem a pnta nvamente cm s usuáris d referid veícul. Cnfrme a tabela de númer 2, pdems verificar us da Internet pr faixas etárias: Depis de verificar us tã impressinante da Internet pr parte ds jvens, cabe uma pergunta, quais seriam s fins para us da Internet e seus impacts neles? Nvamente, retrnand a Latinbarmetr, pdems ver que há cinc grandes áreas em que s usuáris utilizam esta mídia, cnfrme a tabela 3: - 6 -

8 Tabela 1: Vcê já fez us da internet alguma vez na vida? Países Venezuela Chile Argentina Clômbia Brasil Peru Méxic Uruguai Csta Rica Rep. Dminicana América Latina Blívia Equadr Panamá El Salvadr Paraguai Hnduras Nicarágua Guatemala Fnte: Infrme Latinbarmetr de

9 Tabela 2: Média de us da internet pr idade a mens uma vez na vida. Países mais Ttal Venezuela Chile Argentina Clômbia Brasil Peru Méxic Uruguai Csta Rica Rep. Dminicana Blívia Panamá Equadr El Salvadr Paraguai Hnduras Nicarágua Guatemala América Latina Fnte: Infrme Latinbarmetr de

10 Tabela 3: Finalidade de us da internet pels seus usuáris. Países Cmunicaçã Sciabilidade Vida Educaçã Desenvlviment entre a sexual e trabalh d país família Panamá 8,6 8,3 3,9 9,3 9,3 Hnduras 8,2 7,8 4,6 8,8 9,0 Paraguai 8,4 8,3 4,8 9,1 9,0 El Salvadr 8,2 8,3 6,2 8,8 8,9 Nicarágua 8,4 8,4 5,2 9,2 8,8 Csta Rica 7,8 7,8 5,0 8,5 8,7 Chile 6,3 7,2 3,9 8,9 8,7 Venezuela 8,4 8,2 5,5 9,0 8,6 Rep. 8,2 8,4 5,3 9,1 8,6 Dminicana Brasil 7,9 8,1 4,5 8,7 8,5 Uruguai 7,4 7,5 4,3 8,5 8,5 Guatemala 7,7 7,4 3,6 8,8 8,4 Méxic 7,7 7,8 5,0 8,7 8,4 Clômbia 7,6 7,7 3,7 8,7 8,3 Equadr 7,5 7,5 3,8 8,6 8,3 Peru 7,8 7,3 4,1 8,3 8,1 Blívia 7,4 7,3 4,6 8,3 7,9 Argentina 7,0 7,4 4,4 8,3 7,8 América 7,7 7,7 4,5 8,7 8,5 Latina Fnte: Infrme Latinbarmetr de

11 CONCLUSÕES Ante expst acima, pdems tirar algumas cnclusões sbre as nssas hipóteses iniciais. Cnsiderand que desenvlviment d país e a sciabilidade pdem servir para explicar a transmissã de valres demcrátics e s debates sbre tais valres, pdems dizer que a Internet cumpre um papel imprtante, n entant, nã se cnstitui cm um espaç em que há um salt qualitativ na mudança de piniã ds jvens nesse quesit. Quant à segunda hipótese aventada n trabalh, nã tems cm mensurá-la a partir ds dads dispníveis. Entretant, rebuscand na teria algumas respstas, pdems ver que Schmidt (2001) destaca que a Internet se cnstitui cm mais um espaç; nã send, necessariamente, grande veícul de influência sbre a cnstituiçã ds valres plítics da juventude. Segund autr: N tcante à infrmaçã plítica específica, s telenticiáris cstumam ser referids cm a principal fnte utilizada pr jvens e adults, vind após nticiáris de rádi e jrnais (SCHMIDT, 2001, p. 86). Verifica-se a partir d trech d text que a Internet ainda nã figura entre s meis de cmunicaçã mais utilizads para a busca de infrmações plíticas. N que tange à terceira hipótese levantada na intrduçã. Pensand analgicamente cm parágraf acima, pdems dizer que se espaç nã se cnstitui necessariamente em espaç de debate e transmissã ds valres, há uma grande pssibilidade das páginas nã se apresentarem de frma atrativa para s usuáris. N entant, cabe um questinament retóric, é pssível que a scializaçã de caráter geral nã seja afeita a discutir a plítica, u tã afeita a valres, crenças e nrmas demcráticas, a partir dist, será pssível que a Internet nã cumpre papel de espaç de scializaçã plítica u será que sã s própris usuáris que nã estã send scializads pelas utras agências para se clcarem na arena de discussã sbre temas cm plítica, cultura cívica e demcracia? Fica esta questã em abert para ser slucinada a psteriri

12 Bibligrafia ALMOND, Gabriel Abrahan; COLEMAN, James Smt (Crd.). A plítica das áreas em desenvlviment. Ri de Janeir: F. Basts, p ALMOND, G.; VERBA, S.The Civic Culture: plitical attitudes and demcracy in five natins. Nva Yrk: Sage, BERGER, Peter L.; LUCKMANN, Thmas. A cnstruçã scial da realidade: tratad de scilgia d cnheciment. 12. ed. Petróplis: Vzes, CASTRO, Henrique Carls de Oliveira de; CAPISTRANO, Daniel. Cultura Plítica pós-cnsens de Washingtn: cnceit de cultura cívica e a mudança plítica na América Latina. Revista Debates, Prt Alegre, v. 2, nº 1, p , jan-jun Crpración Latinbarmetr. Infrme Santiag de Chile. Nvembr de PATEMAN, Carle. The civic culture: a philsphic critique. In: ALMOND, G. e VERBA, S. The civic culture revisited. Lndn. Sage PRÁ, J.R. (Re)scializar é precis: aprtes para uma releitura sbre gêner e juventude n Brasil. In: BAQUERO, Marcel (ORG). Ops. Cit. p SCHMIDT, Jã Pedr. Juventude e Plítica n Brasil: a scializaçã plítica ns jvens na virada d milêni. EDUNISC. Santa Cruz d Sul

Uma leitura sobre a propriedade do conhecimento no software livre e copyleft a partir de conceitos da filosofia grega.

Uma leitura sobre a propriedade do conhecimento no software livre e copyleft a partir de conceitos da filosofia grega. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Uma leitura sbre a prpriedade d

Leia mais

Sociedade e melancolia: identidades e representações sociais do trabalho.

Sociedade e melancolia: identidades e representações sociais do trabalho. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Sciedade e melanclia: identidades

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL INFORME EPIDEMIOLÓGICO Nº 05/2015 SEMANA EPIDEMIOLÓGICA 50 (13 A 19/12/2015) MONITORAMENTO DOS CASOS DE MICROCEFALIAS NO BRASIL Este infrme d COES Micrcefalias visa dcumentar e divulgar infrmações atualizadas

Leia mais

Participação da sociedade civil na arena decisória. Consensos e ambiguidades.

Participação da sociedade civil na arena decisória. Consensos e ambiguidades. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Participaçã da sciedade civil na

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

A lei Maria Da Penha e a violência contra a mulher. No município de Ilhéus, Bahia.

A lei Maria Da Penha e a violência contra a mulher. No município de Ilhéus, Bahia. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. A lei Maria Da Penha e a vilência cntra a mulher. N municípi de

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 1,0 para cada bimestre) 4º bimestre / 2º semestre A - Intrduçã Neste semestre, sua

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO Encntr de Alt Dirigentes - Viseu 2/3 Dez 2013 Cm Invar para Ser Mais Cmpetitiv ENCONTRO de ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), 2-3 DEZEMBRO 2013 Apresentaçã Crprativa Cnfidencial Cnclusões finais Página

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisba, Prtugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Psiçã CELPA Assciaçã da Indústria Papeleira Para: De: Estatut:

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

A Internet como possibilidade para articulações micropolíticas.

A Internet como possibilidade para articulações micropolíticas. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. A Internet cm pssibilidade para

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS A SUPERINFLAÇÃ BRASILEIRA EM 1989: NTAS E MENTÁRIS Gentil Crazza* "A inflaçã é uma frma de distribuir s ganhs e as perdas através das frças impessais d mercad." Charles Kindieberger Intrduçã A ecnmia e

Leia mais

A identidade masculina contemporânea. Uma análise da revista Men s Health.

A identidade masculina contemporânea. Uma análise da revista Men s Health. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. A identidade masculina cntemprânea.

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Ceres Grehs Beck Universidade Federal d Ri Grande d Sul UFRGS. Escla de Administraçã - Rua Washingtn Luís, 855 - Prt Alegre - RS CEP 90.010-460

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO IMPRESSO PARA PROGRAMAS DE FORMAÇÃO A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÕES AOS AUTORES

ELABORAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO IMPRESSO PARA PROGRAMAS DE FORMAÇÃO A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÕES AOS AUTORES Ministéri da Saúde Fundaçã Oswald Cruz Escla Nacinal de Saúde Pública Prgrama de Educaçã a Distância EAD/ENSP/FIOCRUZ ELABORAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO IMPRESSO PARA PROGRAMAS DE FORMAÇÃO A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÕES

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Atividades corporais para idosos.

Atividades corporais para idosos. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Atividades crprais para idss. Rsecler Vendruscl. Cita: Rsecler Vendruscl

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

.Edson Benedito Rondon Filho.

.Edson Benedito Rondon Filho. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Taxa de atrit na sluçã ds crimes

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS.

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Ntas de Aula Ecnmia Industrial Nta_aula_4_Preç-Oligpli TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Bibligrafia: KON, Anita. Ecnmia Industrial. Sã Paul: Nbel, 2001. (CAPÍTULO 2) PINDYCK, RS e RUBINFELD,

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais

Palavras-chave: Violência contra a Mulher; Psicologia; Núcleo de Estudos. 1 O Núcleo de Estudos da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher

Palavras-chave: Violência contra a Mulher; Psicologia; Núcleo de Estudos. 1 O Núcleo de Estudos da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher Inserçã da Psiclgia em um Núcle de Estuds da Vilência Dméstica e Familiar Cntra a Mulher na Cidade de Pnta Grssa PR Geórgia Grube Marcinik * Gisah Cristine Salum** Resum: O presente artig tem cm tema principal

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

Colégio Integrado EXATO

Colégio Integrado EXATO Clégi Integrad EXATO Rua: Ri de Janeir, 47 Jardim Bela Vista Mgi Guaçu SP CEP 13840-210 Telefne (19) Prpsta Plític-pedagógica d Clégi Integrad EXATO S/S Ltda. O Clégi Integrad EXATO cntextualiza sua açã

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 27/10/2014 a 21/11/2014 Carg: Auxiliar de Sala: Educaçã Infantil Taxa de Inscriçã: R$ 48,00 Salári/Remuneraçã: R$ 1.146,27 Nº Vagas: Cadastr de

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Pipa: da cidade de pescadores à cidade do turismo global.

Pipa: da cidade de pescadores à cidade do turismo global. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Pipa: da cidade de pescadres à

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 Este frmulári deve ser preenchid pr tds s aluns matriculads n Mestrad em Atençã à Saúde n an de 2013. Os dads servirã para atualizar, n Cleta Capes, as atividades

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Projeto. O Índio e suas influências na cultura brasileira

Projeto. O Índio e suas influências na cultura brasileira Prjet O Índi e suas influências na cultura brasileira 6 a 9 ANO 2014 ESCOLA ESTADUAL TUBAL VILELA DA SILVA PROFESSORA: GEANE F. BALIEIRO ENSINO RELIGIOSO. Escla Estadual Tubal Vilela da Silva Prfessra

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso

O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso O SIMPLES Nacinal, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estud de cas Otávi Gmes Cabell Maur Fernand Gall Carls Albert Pereira Resum: O Brasil pssui atualmente uma das maires cargas tributárias

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

Capital social e governança. Elementos da participação social no programa de saúde da familia (psf).

Capital social e governança. Elementos da participação social no programa de saúde da familia (psf). XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Capital scial e gvernança. Elements

Leia mais

Dados sobre investimento da FAPESP revelam articulação entre geração do conhecimento e sua aplicação

Dados sobre investimento da FAPESP revelam articulação entre geração do conhecimento e sua aplicação POLÍTICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Dads sbre investiment da FAPESP revelam articulaçã entre geraçã d cnheciment e sua aplicaçã A ESP investiu, n an 2000, R$ 550,7 milhões fment à atividade científica e

Leia mais

AS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTAS DE INTEGRAÇÃO ENTRE O ESTADO E A SOCIEDADE

AS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTAS DE INTEGRAÇÃO ENTRE O ESTADO E A SOCIEDADE AS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTAS DE INTEGRAÇÃO ENTRE O ESTADO E A SOCIEDADE Dieg Jacb Mestre em Desenvlviment Reginal, Especialista em Gestã Executiva e Inteligência de Mercad, Especialista em Marketing

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos Labratóri Iber American de Invaçã Cidadã Cnvcatória de Prjets Cnvcatória aberta para prjets de invaçã cidadã A iniciativa da Secretaria Geral Iber Americana (SEGIB) Cidadania 2.0, a Agencia Espanhla de

Leia mais

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre:

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre: Circular / (CA) nº 18 / 2015 Unaí-(MG), 03 de agst de 2015. ASSUNTO: Faculdade CNEC Unaí Prcediments necessáris para iníci d 2º Semestre de 2015. Prezads (as) Prfessres (as), Apresentams abaix, s prcediments

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

III-076 - AVALIAÇÃO DO COMÉRCIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM VISTAS PARA A RECICLAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ - SC

III-076 - AVALIAÇÃO DO COMÉRCIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM VISTAS PARA A RECICLAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ - SC III-076 - AVALIAÇÃO DO COMÉRCIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM VISTAS PARA A RECICLAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ - SC Marlva Chaves Intini (1) Graduaçã em Oceanlgia pela Fundaçã Universidade d Ri Grande, FURG.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

Os dois lados da fronteira. As questões sociais do comércio formal e informal da fronteira da Paz.

Os dois lados da fronteira. As questões sociais do comércio formal e informal da fronteira da Paz. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Os dis lads da frnteira. As questões

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Ensin Fundamental e Médi Rua Estáci de Sá, 667, Bairr Pacaembu, Cascavel, PR Fnes: (45) 3229-5260/3229-1043 Site: www.cscpacaembu.seed.pr.gv.br e-mail: cscpacaembu@seed.pr.gv.br PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

Guerra fiscal no Brasil. E alterações nas estruturas produtivas estaduais: um estudo do Estado do Ceará.

Guerra fiscal no Brasil. E alterações nas estruturas produtivas estaduais: um estudo do Estado do Ceará. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Guerra fiscal n Brasil. E alterações

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 01/09/2014 a 07/10/2014 Carg: Analista Financeir Cntábil Taxa de Inscriçã: R$ 75,00 Salári/Remuneraçã: R$ 7.491,32 Nº Vagas: 01 Data da Prva: 30/11/2014

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Latha Soorya Jessica Kiarashi Eric Hollander

Latha Soorya Jessica Kiarashi Eric Hollander Intervenções Psicfarmaclógicas para Cmprtaments Repetitivs ns Transtrns d Espectr Autista Psychfarmaclgic Interventins fr Repetitive Behavirs in Autism Spectrum Disrders Child and Adlescent Psychiatric

Leia mais

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS An 2-B Frmulári de preenchiment brigatóri,

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO

SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS Palestrante: Mauríci Laur de Oliveira Junir PRESCRIÇÃO E OS EVENTOS ADIVERSOS A ANVISA define err de medicaçã cm qualquer event

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 23/11/2014 a 18/12/2014 Carg: Técnic de Nível Superir: Administraçã Taxa de Inscriçã: R$ 60,00 Salári/Remuneraçã: R$ 4.232,00 Nº Vagas: 02 Data

Leia mais

Análise das tecnologias sociais no Brasil contemporâneo.

Análise das tecnologias sociais no Brasil contemporâneo. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Análise das tecnlgias sciais n

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Semana 3: Distribuição em Serviços

Semana 3: Distribuição em Serviços 1 Semana 3: Distribuiçã em Serviçs 1. Distribuiçã O prcess de distribuiçã da ferta da empresa insere-se n cntext d cmpst de marketing cm a funçã respnsável pr trnar prdut acessível a cnsumidr. Em serviçs

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 23/11/2014 a 18/12/2014 Carg: Técnic de Nível Superir: Ciências Cntábeis Taxa de Inscriçã: R$ 60,00 Salári/Remuneraçã: R$ 4.232,00 Nº Vagas: 01

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE Prject Rede de Unidades de Prmçä da Invaçä para desenvlviment da terceira missä das Universidades e a cperaçä institucinal através da Invaçän Aberta, prgrama

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 027/ DE 19 DE NOVEMBRO DE VESTIBULAR 16/01 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505,

Leia mais

MOBILIZANDO OS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA O PENSAMENTO ESTOCÁSTICO

MOBILIZANDO OS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA O PENSAMENTO ESTOCÁSTICO MOBILIZANDO OS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA O PENSAMENTO ESTOCÁSTICO EMIDIO HENRIQUE DE TOLEDO NETO (UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO), PAULO CÉSAR DA PENHA (PREFEITURA MUNICIPAL DE ITATIBA). Resum A inserçã

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

E.B. 2,3 VISCONDE DE CHANCELEIROS

E.B. 2,3 VISCONDE DE CHANCELEIROS DISCIPLINA: Educaçã Musical ANO LETIVO: 2015/2016 Critéris de Avaliaçã Avaliar nã é apenas examinar e classificar. A avaliaçã cnstitui um prcess reguladr das aprendizagens, rientadr d percurs esclar e

Leia mais

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS PROJETO DE REFORÇO DAS CAPACIDADES E COMPETÊNCIAS RELATIVAS A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS ILHAS Crdenadr: Parceirs: SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS Intercâmbi

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre.

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre. Códig: MAP-SERPU-001 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Secretaria de Relações Públicas e Cerimnial Aprvad pr: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padrnizar s prcediments para planejament e

Leia mais