Elementos para Gestão de Projetos de Software sob o Enfoque Sociotécnico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Elementos para Gestão de Projetos de Software sob o Enfoque Sociotécnico"

Transcrição

1 Elementos para Gestão de Projetos de Software sob o Enfoque Sociotécnico Felipe Yukio Obata, Elisa Hatsue Moriya Huzita, Tania Fatima Calvi Tait Grupo de Pesquisa em Gestão de Projetos de Software Departamento de Informática - Universidade Estadual de Maringá Av. Colombo, 5790 Maringá-Paraná CEP: {ehmhuzita, Abstract. The Software Project Management (SPM) uses models with the aim of developing quality software to market. However, the use of tools, methodologies and techniques practiced has not been enough to overcome the problems of the area. Allied to this, the SPM needs models that contribute to better project management. Thus, the sociotechnical approach puts elements that involve issues relating to the project manager such as selection, staffing, communication between staff and coordination of activities. Within this context, this paper presents evidence that could contribute to the SPM in sociotechnical approach: skills relevant to requirements analysts, motivating factors in a environment for software development, factors that influence professional software maintenance and the need for committees of ethics to usability evaluation, requirements elicitation and customer support. Resumo. A Gestão de Projetos de Software (GPS) utiliza modelos com a finalidade de desenvolver softwares de qualidade para o mercado. Entretanto, a utilização das ferramentas, metodologias e técnicas praticadas não tem sido o suficiente para superar os problemas da área. Aliado a isso, a GPS necessita de modelos que contribuam para o melhor gerenciamento de projetos. Assim, o enfoque sociotécnico coloca elementos que envolvem as preocupações inerentes ao gerente de projetos tais como: seleção, alocação de pessoal, a comunicação entre equipe e a coordenação das atividades. Dentro desse contexto, o presente artigo apresenta elementos que podem contribuir para a GPS sob enfoque sociotécnico: habilidades relevantes para analistas de requisitos; fatores de motivação preferidos em um ambiente de desenvolvimento de software; fatores que influenciam profissionais de manutenção de software e a necessidade de comitês de ética para acompanhar a avaliação de usabilidade, elicitação de requisitos e suporte ao cliente. Palavras-chave: Gestão de Projetos de Software, Enfoque Sociotécnico, Olhar Sociotécnico 1 Introdução Ao trazer conceitos oriundos da área de Administração de Empresas tais como o papel do gerente e suas funções tradicionais (organizar, coordenar, liderar e controlar), a GPS contribui para o controle e monitoramento de projetos de software, de forma a alcançar

2 a qualidade dos produtos de software desenvolvidos. Aliado a isso, a integração entre aspectos técnicos e organizacionais para o desenvolvimento de projetos, nos moldes tratados em Tait (2006) bem como a incorporação do papel do gerente de projetos de software como liderança possibilitaram criar uma abordagem diferenciada no planejamento e acompanhamento de projetos de software. Essa abordagem inclui aspectos de perfil gerencial, o aspecto organizacional e as ferramentas de apoio ao gerenciamento como elementos relevantes para o desenvolvimento de projetos de software. Como base dos estudos em GPS, portanto, tomou-se como referência a integração entre os aspectos técnicos e organizacionais nas atividades gerenciais que engloba as tarefas de organizar, coordenar, liderar e controlar. Por aspectos organizacionais compreendem-se aqueles relativos à estrutura organizacional tais como a missão da empresa, o planejamento, os recursos humanos envolvidos, entre outros. Os aspectos técnicos, por sua vez, envolvem elementos como a infra-estrutura tecnológica, o tipo de ferramenta de apoio adotada e assim por diante. Pesquisas na área (Maqsood et al, 2007; Pino et al, 2008; Richardson e Wangenheim, 2007; Sethuraman et al, 2008; Suzuki et al, 2006; Tonini et al, 2008) ressaltam a relevância da gestão de projetos de software para a melhoria de processo de software. Na área de engenharia de software a abordagem sócio-técnica tem sido discutida na busca de melhorar a qualidade dos produtos de software desenvolvidos (Cuckierman et al, 2007). Especificamente, na área de gestão de projetos de software, verifica-se que elementos como seleção e alocação de pessoal, comunicação e coordenação de atividades desenvolvidas pelas equipes possuem necessidades que são tanto de nível social como técnica. Dentro desse contexto, o presente artigo discute a abordagem sociotécnica na gestão de projetos de software, a partir de aspectos específicos desde a visão tradicional de gerenciamento até a própria integração entre aspectos sociais, organizacionais e técnicos. A metodologia adotada para a realização desse estudo pautou-se pelos trabalhos sobre a visão sociotécnica em engenharia de software e as peculiaridades da GPS, o que culminou com a indicação de alguns elementos que podem contribuir para uma GPS sob o olhar sociotécnico. Inicialmente, discutiu-se o significado da abordagem sociotécnica para relacionar os itens que podem compor essa abordagem no GPS relacionados com a postura gerencial e os recursos humanos envolvidos no desenvolvimento e manutenção de software. Para tanto, é tratada na seção 2, a gestão de projetos de software; na seção 3, o enfoque sociotécnico na engenharia de software; na seção 4 a GPS é tratada sob o enfoque sociotécnico, na seção 5 são apresentados elementos que contribuem para a visão sociotécnica na gestão de projetos de software e, por fim, na seção 6, são apresentadas as considerações finais. 2. Gestão de projetos de software Devido ao fato da construção de software ser um empreendimento complexo com o envolvimento do trabalho de muitas pessoas, a gestão de projetos de software (GPS) é intrinsecamente necessária. Segundo Pressman (2006), o planejamento, a monitoração e o controle do pessoal, processos e eventos que ocorrem quando o software progride de

3 um conceito preliminar para uma implementação são envolvidos na gestão de projetos de software. Laudon e Laudon (2004) identificam as funções que o gerente de projeto deve exercer nos três seguintes papéis gerenciais. Os papéis interpessoais são marcados pela representação externa que o gerente realiza, pelo contato com funcionários, na motivação e apoio. Atua como um canal de ligação na organização. No papel informativo, o gerente é disseminador de informação e porta-voz da organização. No papel decisório, toma decisões, aloca pessoal, distribui recursos, negocia e faz a mediação nos conflitos. Para gestão efetiva de projetos de software, Pressman (2006) focaliza os quatro 4Ps: pessoal, produto, processo e projeto. O fator pessoal é o elemento-chave para a GPS, pelo fato de que a competência e a capacidade do pessoal estão intimamente ligados ao sucesso do projeto de software, ou seja, um software bem-sucedido apresenta uma dependência maior em relação ao pessoal do que aos demais fatores. Todo projeto de software é constituído por interessados, sendo gerentes seniores, gerentes de projeto, profissionais, clientes e usuários finais, que pelo esforço de todos solidifica-se o software requisitado. Parte dos interessados forma a equipe de software, que é estruturada com a finalidade de desenvolvimento do software. Além disso, o gerente deve assumir o papel de líder do projeto, se preocupando não apenas com questões técnicas e imediatas, mas também com a abrangência e com todos os interessados do projeto, de forma a vivenciá-lo (Huzita et Tait, 2006). Weinberg (1986) sugere que o líder deve desenvolver a habilidade de encorajar o pessoal técnico a produzir no melhor de sua capacidade, a habilidade de moldar processos existentes ou inventar novos processos, permitindo que o conceito inicial seja traduzido em um produto final e a habilidade de encorajar o pessoal a criar e a se sentir criativo. Mesmo que a equipe seja liderada corretamente, para que ela apresente alto desempenho segundo Pressman (2006), os integrantes da equipe devem confiar uns nos outros, a distribuição de aptidões deve ser compatível ao problema e pessoas-estrelas podem ser excluídas da equipe se comprometerem a sua coesão. Para DeMarco e Lister (1998), os membros de equipes que compartilham um objetivo comum e uma cultura comum são mais produtivos e motivados do que a média das equipes. Quando o planejamento do projeto tem inicio, segundo Pressman (2006), é feita a decomposição do problema, na qual um problema complexo é dividido em problemas menores que são melhor gerenciáveis. À medida que a declaração do escopo evolui, a decomposição do problema irá facilitar o planejamento do gerente do projeto e fornecer mais detalhes para as estimativas. Faz parte, também, da função do gerente do projeto escolher o modelo de processo que melhor se adequa ao pessoal que executará o trabalho, ao cliente, às características do produto e ao ambiente em que será executado o trabalho. Segundo Pressman (2006), estabelecido o modelo de processo, a sua decomposição tem início. Cada atividade do processo é dividida em tarefas que serão realizadas para seu cumprimento. Assim, com o processo e o problema decompostos, é feita a fusão de ambos, para que o gerente, com o auxilio de outros profissionais, estime

4 a necessidade de recursos e tempo para cada tarefa, das atividades do processo, relacionada às subfunções. O projeto é o todo relacionado à construção do software, e ele deve ser bem gerido. Para fazer um gerenciamento com sucesso é bom entender o que pode dar errado em um projeto de software, evitando e prevenindo-se de futuros problemas. Reel (1999) relata alguns sinais de um projeto de sistema de informação comprometido: o pessoal do software não entende as necessidades de seus clientes, o escopo está mal definido, a equipe de projeto não tem pessoal com as aptidões adequadas, as modificações são mal gerenciadas e os prazos são irreais. O gerente do projeto não deve perder o foco da sua gestão e deve estar atento aos objetivos do projeto, marcos e cronogramas, responsabilidades e recursos necessários. De modo geral, a GPS se pauta por duas grandes funcionalidades: planejamento e acompanhamento ou monitoramento e controle de projetos. No planejamento são estabelecidos os recursos humanos, os riscos do projeto, a estimativa de custos, entre outras atividades para dar início ao projeto. No acompanhamento são estabelecidos: a forma de controle das atividades, controle dos prazos, riscos, entre outros. 3. Enfoque sócio-técnico na engenharia de software No âmbito organizacional, o sub-sistema social é formado pelos indivíduos, as relações pessoais, inter e intra-grupais, as relações sociais no trabalho e a cultura e o sub-sistema técnico é composto pela tecnologia, máquinas e equipamentos, procedimentos e tarefas. Segundo Biazzi (1994), a abordagem sócio-técnica segue tais princípios: a organização tem a capacidade de auto-regulação e, é um sistema aberto que interage com o meio ambiente, ou seja, a empresa como tal sistema deve, na melhor combinação entre os sistemas técnico e social, considerar a inter-relação entre a empresa e o seu ambiente. Essa abordagem apresenta, ainda, algumas características importantes, são elas: Foco na inter-relação entre o sub-sistemas social e técnico, e as relações entre a organização como absoluto e o ambiente em que ela opera. A organização desempenhará, de forma otimizada, somente se os sub-sistemas social e técnico forem projetados para se adaptar às demandas mútuas e ambientais. Para as organizações atingirem determinados objetivos, existem vários caminhos para projetá-las, para atingirem um fim específico existem mais de um meio. Desenvolvimento de trabalho através de grupos semi-autônomos de produção, os quais controlam as suas próprias atividades e mantêm certo grau de autonomia em relação às suas tarefas. Preocupação com a evolução e o aprendizado contínuo dos projetistas e membros da organização. Segundo Laudon e Laudon (2004), na área de sistema de informação, os sistemas sócio-técnicos envolvem a coordenação de tecnologia, organizações e pessoas, que devem cooperar e ajustar-se mutuamente para aperfeiçoar o desempenho do sistema completo. A tecnologia, por mais avançada que seja, é essencialmente sem valor a menos que as empresas possam fazer uso adequado e os indivíduos se sintam à vontade ao usá-la. Os sistemas de informação são sempre um esforço em conjunto, envolvendo

5 pessoas diferentes com habilidades técnicas, administrativas e analíticas diferentes. Dessa forma, a visão sociotécnica implica que ninguém tem, sozinho, conhecimento suficiente para criar sistemas de informação bem-sucedidos que possam resolver problemas de empresas. No âmbito da engenharia de software (ES), as questões sociais, culturais, políticas e organizacionais são importantes, porém elas não recebem a atenção devida e o reconhecimento de suas importâncias nem na literatura, nem em eventos de ES e, principalmente, na prática (Cukierman et al, 2007). Essas questões são comumente denominadas como não-técnicas pela comunidade de ES, dessa maneira é provável que a maior parte dela acredite que é possível dividir os problemas em técnicos e não-técnicos. Assim, essa divisão faz com que os problemas técnicos pareçam mais importantes que problemas não-técnicos, devido ao sentido negativo, de exclusão, que o segundo tipo de problema remete. Entretanto, o esforço necessário para o desenvolvimento de sistemas de software apresenta problemas e desafios de complexidade muito além da técnica. Como prova disso, Motta e Cukierman (2009) relatam a situação de uma grande empresa brasileira, que tentou implantar o modelo CMMI. Preliminarmente, o insucesso se deu razões técnicas. Na busca do melhor entendimento do fracasso, entrevistas foram realizadas com os funcionários e, ficou claro que a cultura da empresa foi a grande responsável pelo insucesso. A divisão, entre os aspectos técnicos e os aspectos não-técnicos na engenharia de software, não tem ajudado a enfrentar os desafios crescentes. Segundo Fuggetta (2000) os pesquisadores e praticantes tem percebido que o desenvolvimento de software é um empreendimento baseado no esforço coletivo, complexo e criativo, assim a qualidade do software depende fortemente das pessoas, organizações e dos procedimentos utilizados. Para Sommerville (2004), os gerentes de projetos devem resolver, de maneira mais efetiva possível através das pessoas de suas equipes, problemas de aspectos técnicos e não-técnicos. Portanto, para enfrentar os desafios crescentes da engenharia de software é preciso quebrar a barreira entre os aspectos técnicos e não-técnicos, é preciso tratála sob uma nova concepção, sob um novo enquadramento, sob um olhar sociotécnico, um olhar concomitantemente social e técnico (Cukierman et al, 2007). Ainda para Cukierman et al (2007), um dos grandes desafios para que a ES admita o enfoque sócio-técnico, é abrir mão das suas obsessões por modelos/planos universalizantes, que de forma prescritos visam resolver todos os problemas da engenharia, para buscar a tarefa bem mais desafiadora de enfrentar as especificidades do esforço rumo ao objetivo. Cockburn (2002) faz crítica aos modelos prescritivos de processos, ele argumenta que esses modelos têm uma deficiência: eles esquecem as fragilidades das pessoas que constroem softwares de computador. Os engenheiros de softwares não são robôs, eles exibem grande variedade de estilos de trabalho e diferenças em habilidade, criatividade, regularidade, consistência e espontaneidade, assim metodologias de alta disciplina são frágeis.

6 4. A GPS sob o olhar sociotécnico A GPS, dentro do contexto sociotécnico, deve receber intervenção e apoio de outras áreas que podem contribuir para o sucesso dos projetos. Preliminarmente, parte da posição da GPS na engenharia de software. Assim, a figura 1, abaixo, apresenta a visão tradicional da GPS como uma subdisciplina dentro da ciência da computação enquanto que a figura 3 apresenta um olhar sociotécnico pautado pela integração da GPS com outras disciplinas. O desdobramento da GPS dentro da engenharia de software deu-se a partir das discussões trazidas por Cukierman et al (2007) sobre a divisão entre técnico e não técnico na área de engenharia de software. Figura 1 Localização do GPS, segundo o olhar técnico. Fonte: adaptação de Cukierman et al. ( 2007, p. 205). Na figura 2, observa-se a integração da GPS com as demais áreas de atuação, com destaque para as áreas de administração, educação, psicologia e sociologia. Outras áreas como Direito, também, podem ser incluídas. Figura 2 Localização do GPS, segundo o olhar sociotécnico. Fonte: adaptação de Cukierman et al. (2007, p. 205).

7 A visão sociotécnica sobre a GPS levou, também, a destacar as diferenças que podem ocorrer quando se abandona a visão tradicional que considera apenas as atribuições gerenciais de controle e coordenação. Para ilustrar as diferenças, tomou-se, inicialmente, como base três aspectos relevantes para a GPS tais como: recursos humanos, riscos e os usuários, como pode ser observado no quadro 01. Quadro 01. GPS Tradicional X GPS sob o olhar sociotécnico. Elementos GPS Tradicional GPS sob o olhar sociotécnico Recursos Humanos Hierarquia Divisão de tarefas rígida Procura organizar a equipe, considerando: Integração entre a equipe; Motivação; Ambiente de trabalho; Habilidades Riscos Usuários Priorização dos riscos ligados ao Tratamento para os riscos sem priorizar técnico o técnico em detrimento ao social, considerando no mesmo nível tanto os riscos técnicos como os não técnicos. Considera os usuários como Procura dar atenção aos usuários desde fornecedores de informações e a elicitação de requisitos ao suporte. Problemáticos 5. Elementos para a Gestão de Projetos de Software A partir dos estudos sobre gerência de projetos de software (Pressman, 2006; Huzita et al., 2006) e enfoque sócio-técnico sobre a engenharia de software (Biazzi, 1994; Laudon et al., 1998; Cukierman et al., 2007; Vale et al., 2010; França et al., 2009; Oliveira et al., 2009; Silva e Filgueiras., 2008), são indicados elementos relevantes que possam auxiliar na composição de um modelo de gestão de projetos de software. Esses elementos são abordados a partir da necessidade de tratamento adequado dos recursos humanos envolvidos na atividade de desenvolvimento de software, os quais, se gerenciados adequadamente, contribuem para o sucesso dos projetos. Também, é incluída, nesse processo, a necessidade de tratamento diferenciado aos usuários vistos como parte integrante do processo de desenvolvimento de software. Dessa forma, os elementos indicados são: habilidades relevantes para Analistas de Requisitos; fatores de motivação preferidos em um ambiente de desenvolvimento de software; fatores que caracterizam e influenciam os profissionais da área de manutenção do software e a necessidade de posturas éticas Habilidades relevantes para Analistas de Requisitos O analista de requisitos é o elo entre o usuário/cliente e a equipe de desenvolvimento de software, por isso a sua função é extremamente importante em um projeto de software

8 visto a responsabilidade pelo levantamento das necessidades do usuário, modelando as funcionalidades do sistema junto às considerações técnicas, sociais e organizacionais. Vale et al (2010) apresentam habilidades necessárias para o analista de requisitos: orientação para a necessidade do cliente; postura ética; facilidade de comunicação oral e escrita e facilidade de se relacionar com as pessoas. A orientação para as necessidades dos clientes é a habilidade para identificar e atender s necessidades de seus clientes; ética é a habilidade de seguir um conjunto de regras e preceitos de ordem valorativa e moral; facilidade de comunicação oral é comunicar-se oralmente de maneira simples, concisa, não ambígua e de maneira que facilmente se entenda; facilidade de comunicação escrita é escrever de maneira simples, concisa, não ambígua e que facilmente seja entendida; facilidade em se relacionar é a habilidade para se relacionar com outras pessoas. A partir dessa classificação, o gerente de projeto de software tem o auxílio para selecionar um analista de requisitos competente e mais adequado para tal papel, tornando o planejamento do projeto mais confiável e diminuindo os riscos quanto aos escopos mal definidos, bem como oferecer cursos e treinamento para desenvolver essas habilidades consideradas as mais relevantes por Vale et al. (2010). 5.2.Fatores de motivação preferidos em um ambiente de desenvolvimento de software Equipes de alto desempenho, para o desenvolvimento de software, é um elemento diferencial para que o gerente consiga cumprir, de forma efetiva, o cronograma do seu projeto e facilitar a coordenação das atividades. Essas equipes têm a motivação como característica intrínseca e necessária, assim, a partir de uma pesquisa qualitativa, identificaram-se fatores de motivação para os diferentes papeis que são exercidos no ambiente de desenvolvimento de software. Esses fatores poderão ajudar o gerente de projeto motivar o pessoal que se envolve no projeto, de forma que equipes mais produtivas sejam estruturadas. Dentre eles, podem ser citados: envolvimento do pessoal na tomada de decisões; incentivo às trocas de idéias; expansão de canais de comunicação; comemoração das conquistas; plano de carreira; condições adequadas de trabalhos; treinamentos, entre outros Fatores que caracterizam e influenciam os profissionais da área de manutenção do software A manutenção de software é uma área abrangente que consome muito dos custos de um sistema e absorve muitos profissionais, porém ela ainda é vista de maneira negativa, como se fosse um problema. Pelo fato da manutenção de software garantir um software de qualidade e permitir que o software evolua para que se torne adequado aos tempos atuais ou não se torne ultrapassado, Oliveira et al. (2009), por meio de suas pesquisas encontrou os seguintes fatores e sentidos, que marcam essa imagem negativa em relação a manutenção de software: A manutenção tem forte ligação com a correção de erro.

9 A correção de erros é identificada como um problema pelos mantenedores de software. E ela é tratada como crítica, urgente e prioritária na organização, pelo fato de que qualquer outra atividade, que esteja sendo feita, precisa ser parada até que os problemas causados por erros sejam corrigidos. Por isso, a manutenção se torna muito mais notada pela concepção de correção de erros. Os profissionais acreditam que investimentos em testes minimizam todas as manutenções que precisam ser feitas no sistema. Isso fortalece impressão da manutenção entendida primeiramente como correção de erro, já que testes são voltadas somente para correção de erros. Profissionais, que trabalham com tecnologia de ponta, se sentem valorizados pelo mercado de trabalho e isso faz sentirem-se relevantes profissionalmente. No entanto, é difícil a manutenção utilizar tecnologias de ponta, fazendo que os mantenedores sintamse inferiores, ou seja, excluído da classificação social de profissionais valorizados. A manutenção é designada para profissionais inexperientes. Ela é vista como um aprendizado, por gerar satisfação ao corrigir os erros, bem como motivação por ganhar experiência aprendendo com esses erros. Dessa maneira, reforça a associação da manutenção à correção de erros. Ainda, por esse fato, ela é vista como uma atividade de inicio de carreira profissional, inferindo-se que o crescimento está fora dela e isso implica que bons profissionais não permanecem na área de manutenção. Através desses fatores e sentidos, é possível o gerente de projeto utilizá-los, a seu favor, para tomar decisões, como selecionar, alocar, coordenar e lidar, em relação ao profissional de manutenção de software, de maneira que possa estimular mais qualidade em seu trabalho Posturas éticas Aqui são trazidas duas discussões sobre ética na engenharia de software: a ética no envolvimento com seres humanos e as posturas éticas por parte do gerente de projetos de software. Na primeira discussão é indicado que a área de engenharia de software abrange três situações em que há o envolvimento de seres humanos em seu processo (Silva e Filgueiras, 2008): elicitação de requisitos, avaliação de usabilidade e suporte ao cliente. Na primeira situação, pessoas são observadas enquanto desempenham suas atividades ou são entrevistadas com o propósito de se compreender suas necessidades. Na segunda situação, os protótipos da interface de usuário ou mesmo o sistema em sua versão final são usados por pessoas com o perfil de usuários reais, para conhecer a qualidade do projeto de interfaces e seu impacto sobre a experiência de uso. Na terceira situação, questionários on-line e presenciais são apresentados a pessoas para que dêem sua opinião, ou ainda recurso de monitoramento remoto do uso são instalados para se registrar e relatar o uso real. A indicação de comitês de ética para avaliação de usabilidade e, possivelmente, para elicitação de requisitos e suporte ao cliente torna-se premente na medida em que os projetos envolvem muitas pessoas com participação, inclusive, nas pesquisas nos moldes apresentados por Silva e Filgueiras (2008). Os comitês de ética têm a finalidade de impedir que excessos sejam cometidos quando há o envolvimento de pessoas em pesquisas. A consideração dos aspectos éticos auxiliará os profissionais, que atuam com

10 envolvimento de pessoas no projeto de software, tornando a comunicação de desenvolvedor cliente mais confiável. Na discussão sobre posturas éticas por parte de gerentes, para Tait et al (2008) existem, desafios para a GPS tais como: o respeito à propriedade intelectual; a adequada alocação de pessoal sem discriminação; o uso de ferramentas e metodologias para o desenvolvimento de software; a preservação da qualidade dos dados e dos sistemas; a utilização de recursos e o respeito ao cumprimento dos prazos. A principal barreira em ambas as discussões é o não reconhecimento da necessidade de posturas éticas cuja ausência pode causar constrangimento, sofrimento, traumas e danos não só aos usuários, mas também aos profissionais envolvidos e à imagem das empresas. Nesse sentido, são recomendadas: a criação de comitê de ética para as situações que envolvam pessoas tanto na elicitação de requisitos, avaliação de usabilidade e suporte ao cliente e a inclusão de posturas éticas como parte das atividades gerenciais. Essas medidas poderão contribuir desde a melhoria do desenvolvimento dos projetos até a motivação do pessoal envolvido. 6. Considerações Finais A gestão de projetos de software é uma tarefa complexa de tomar decisões que envolvem tanto questões técnicas quanto sociais, além de recursos materiais e humanos para realizar atividades temporárias, com a finalidade de desenvolver softwares de alta qualidade. Por isso, aspectos e questões das áreas de ciências humanas e sociais, que registram sua extrema importância e essência nas organizações e na sociedade, devem intervir de maneira profunda na GPS. Para apoiar essa intervenção, foram indicados elementos que possam auxiliar o gerente de projeto de software a realizar a sua função e contribuir para um modelo de gestão de projetos de software e a conseqüente melhoria dos processos de desenvolvimento de software. Esses elementos têm a intenção de auxiliar o gerente de projeto de software a selecionar analista de requisitos com habilidades adequadas para exercer a sua função, motivar o pessoal e a conseqüente formação de equipes de alto desempenho por meio dos fatores de motivação que influenciam os profissionais do desenvolvimento de software, tomar decisões em relação ao profissional de manutenção de software, coordenar profissionais, que atuam com envolvimento de pessoas no projeto de software, e tornar a comunicação entre o desenvolvedor e o cliente mais confiável por meio dos princípios estabelecidos pelos comitês de ética. Como trabalho futuro, além da elaboração de um modelo de gestão de projetos de software sob o enfoque sociotécnico, sugere-se, especificamente, o tratamento de estimativas de custos ressaltando suas peculiaridades quando é modificada a visão tradicional sobre essa atividade, também, relevante para a busca do sucesso dos projetos. Além disso, torna-se premente a GPS a partir desse enfoque em aplicações específicas como desenvolvimento distribuído de software, web e dispositivos móveis

11 (Andrade et al, 2012), as quais mostram a necessidade de integrar os aspectos sociais, organizacionais e técnicos para o alcance do sucesso dos projetos. Agradecimentos: ao CNPq pela bolsa PIBIC para o projeto de pesquisa. 7.Referências Andrade, S. C.; Tait, T.F.C.; Oliveira, F.M.; Blois, M. Caracterização do gerenciamento de projetos de software para m-business.viii Simpósio Brasileiro de Sistemas de Informação (SBSI). São Paulo: Biazzi, F. O Trabalho e as Organizações na Perspectiva sócio-técnica, mimeo ERA, n.34, v.1, p , janeiro/fevereiro, Cockburn, A. Agile Software Development, Addison-Wesley, Cukierman, H.; Teixeira, C. Prikladnicki, R. Um Olhar Sócio-técnico sobre a Engenharia de Software. Revista RITA,Vol. XIV, Nr. 2, 2007, p DeMarco, T. e Lister, T. Peopleware, 2. ed., Dorset House, França, C. C.; Silva, F. Q. B. da. Motivational Strategies for Software Project Team Management: an explory study. In: Workshop Um Olhar Sociotécnico sobre a Engenharia de Software, 5., 2009, Ouro Preto. Anais: WOSES, p Fuggetta, A Software Process: A Roadmap. In Finkelstein, A (ed), The Future of Software Engineering Huzita, E. H. M. e Tait T. F. C. Gerência de Projetos de Software. Bandeirantes, Escola Regional de Informática- SBC Laudon, K. C.; Laudon, J. P. Sistema de Informações Gerenciais Administrando a empresa digital. Tradução: Arlete S. Marques, São Paulo: Prentice Hall, Maqsood, M; Javed, T. Practium in Software Project Management An endeavor to effective and pragmatic software project management education. ECSEC/FSE, sete/2007. Motta, M. S.; Cukierman H. L. As resistências à implantação de um modelo de desenvolvimento de software em uma empresa pública. In: Workshop Um Olhar Sociotécnico sobre a Engenharia de Software, 5., 2009, Ouro Preto. Anais...Ouro Preto: WOSES, p Oliveira, T. M.; Anquetil, N.; Alonso, L. Os sentidos atribuídos à manutenção de software segundo a teoria das representações sociais. In: Workshop Um Olhar Sociotécnico sobre a Engenharia de Software, 5., 2009, Ouro Preto. Anais...Ouro Preto: WOSES, p Pino, Francisco J.; Garcia, F.; Paittini, M. Software Process Improvement in small and médium software enterprises: a systematic view. Software Quality. P Springer: 2008.

12 Pressman, R. S. Engenharia de Software. 6.ed. McGraw-Hill, Reel, J. S., Critical Success Factors in Software Projects, IEEE Software, maio 1999, p Richardson, Ita; Wangenheim, C. G. von. Why are the small software organizations different? IEEE Software, jan/feb/2007. Sethuraman, A. Yalla, K. K.; Sarin, A. Agents Assisted Software Project Management. Computer, Bagalore, India. ACM, Silva, B. D.; Filgueiras, L. V. L. Ética no envolvimento de seres humanos em avaliações de usabilidade. In: Workshop Um Olhar Sociotécnico sobre a Engenharia de Software, 4., 2008, Florianópolis. Anais...Florianópolis: WOSES, p Sommerville, I. Engenharia de Software. São Paulo: Addison Wesley, Suzuki, E.; Abreu, A. F.; Abreu, P. F. Alinhamento estratégico da tecnologia da informação aos negócios de uma pequena empresa de software. Revista Produção On Line., vol 6, nr. 2, agosto ISSN Tait, T. F. C. Arquitetura de Sistemas de Informação. Maringá, EDUEM: Tait, T.F.C; Couto, G.; Huzita. E. H.M. Uma visão ético-social no gerenciamento de projetos de software. In: Workshop Um Olhar Sociotécnico sobre a Engenharia de Software,,2008, Florianópolis. Tonini, A. C.; Carvalho, M. M. & Spinola, M.M. Contribuição dos modelos de qualidade e maturidades na melhoria dos processos de software. Revista Produção, vol. 18, nr. 2, maio/agosto/2008. Vale, L.; Beserra, P.; Bessa, A. Habilidades Relevantes para Analistas de Requisitos de Acordo com a Literatura e com as Perspectivas dos Gerentes de Projetos. In: Workshop Um Olhar Sociotécnico sobre a Engenharia de Software,,2010, Belém. Weinberg, G., On Becoming a Technical Leader, Dorset House, 1998.

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Engenharia de Requisitos- como Previnir e Reduzir Riscos

Engenharia de Requisitos- como Previnir e Reduzir Riscos Engenharia de Requisitos- como Previnir e Reduzir Riscos Natasha de Souza Arruda natasha.arruda@ig.com.br FGS Resumo:Engenharia de Requisitos é um dos processos fundamentais para o desenvolvimento de software.

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Modelos de Processo Pessoal e de Equipe na Melhoria da Qualidade em Produção de Software Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Agenda Importância das Pessoas / Constatações Compromisso

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 18 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 18-23/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

Gestão de Projetos de Software. Fabrício Sousa

Gestão de Projetos de Software. Fabrício Sousa Gestão de Projetos de Software Fabrício Sousa Problemática Projetos atrasados Orçamento estourado Equipe grande Difícil gerenciamento Solução: Gerenciamento Princípios básicos de gestão de projetos Métricas

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0 O que é BABok? O BABok 2.0, Corpo de Conhecimento de Análise de Negócios, é considerado como um Guia Referência de Práticas de Análise de Negócio. Este guia é publicado e mantido pelo IIBA. O guia BABok

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL Versão 2.0 Setembro de 2014 Agosto de 2008 Índice ÍNDICE...2 1. CONTEXTO...3 2. VISÃO, ESCOPO E ATIVIDADES DESTE PROJETO...5

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: SISTEMAS DA INFORMAÇÃO MISSÃO DO CURSO Os avanços da ciência, a melhoria dos processos produtivos e a abertura de mercado, são exemplos de fatores que contribuíram

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 IV Workshop de Implementadores W2-MPS.BR 2008 Marcello Thiry marcello.thiry@gmail.com Christiane von

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social.

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social. PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNICENTRO, PROVARS: COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS PARA A EFETIVAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. RESUMO: O presente trabalho pretendeu verificar

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Análise de Pontos por Função

Análise de Pontos por Função Análise de Pontos por Função Uma Aplicação na Gerência de Subcontratação de Software Claudia Hazan, MSc. Certified Function Point Specialist Agenda! Introdução à Gerência de Subcontratação! Melhores Práticas:!

Leia mais

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP Por que projetos falham? Gestão Moderna (anos 90 em diante):

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Conteúdo Definição Questionamentos Típicos Visão Geral Ciclo de Vida dos Requisitos Síntese dos Objetivos Gerência de Mudança Identificação de Requisitos Classificação de Requisitos

Leia mais

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NORMA INTERNA TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NÚMERO VERSÃO DATA DA PUBLICAÇÃO SINOPSE Dispõe sobre

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Data de Lançamento do RFP: 23/05/2005

Data de Lançamento do RFP: 23/05/2005 REQUEST FOR PROPOSAL Data de Lançamento do RFP: 23/05/2005 Data Limite para Submissão de Propostas: 26/05/2005 Conteúdo 1. Overview da Empresa 2. Objetivo da RFP 3. Escopo do Projeto 4. Diretrizes para

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais