Dez Boas Práticas para Execução Bem- Sucedida de um Programa de Gestão de Garantias Bancárias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dez Boas Práticas para Execução Bem- Sucedida de um Programa de Gestão de Garantias Bancárias"

Transcrição

1 Dez Boas Práticas para Execução Bem- Sucedida de um Programa de Gestão de Garantias Bancárias Youssef Bouguerra e Alex Panato (Newstart Consultoria) Abril de 2013

2 Dez Boas Práticas para Execução Bem- Sucedida de um Programa de Gestão de Garantias Bancárias Youssef Bouguerra e Alex Panato (Newstart Consultoria) Introdução Com os recentes acontecimentos, o setor financeiro global aprendeu, pagando um alto preço, que não se brinca com risco de crédito. Os acordos de Basiléia, em todos seus sabores, pareciam ser a panaceia que impediriam o colapso dos bancos, pelo menos os maiores. Hoje estes acordos mostraram seus limites. E agora? Resta ao banqueiro cuidar do seu jardim e controlar, com precisão matemática, o que sempre foi o carro chefe dos mitigadores de risco de crédito: a garantia bancária. No Brasil, dado o papel importante do agronegócio na economia do país, o leque de ativos que podem ser dados como garantias bancárias é amplo, tornando o universo de possibilidades amplo e flexível, tanto para o banco, quanto para o tomador de crédito. Veja, por exemplo, todas as variantes possíveis de penhor: agrícola, pecuário, mercantil, agrícola de bens acondicionados, CDA/WA, CPR física, CPR financeira, etc. O outro lado da moeda é o aumento da complexidade nas políticas e nos processos necessários para suportar todos os tipos de garantias possíveis, sem contar a dificuldade técnica para desenvolver e implantar sistemas robustos para que os processos possam fluir. E agora? Resta ao banqueiro cuidar do seu jardim e controlar, com precisão matemática, o que sempre foi o carro chefe dos mitigadores de risco de crédito: a garantia bancária. A Newstart Consultoria tem experiência de primeira mão no assunto, tendo auxiliado o Rabobank Brasil, o banco número 1 no agronegócio, no seu programa de gestão de garantias bancárias. Neste artigo compartilhamos algumas lições que aprendemos ao longo do caminho. Introdução 1

3 Boa Prática #1: Tenha os Objetivos Estratégicos do Programa Claros para Todos Os bancos implementam programas de gestão de garantias para atender a um, ou a vários, dos seguintes objetivos: Reduzir o risco de crédito; Reduzir o capital regulatório e o capital econômico necessários para poder operar; Obter maior credibilidade junto ao Banco Central; Obter uma maior agilidade para atender os clientes; Ter um maior nível de transparência nas auditorias internas e externas; Obter maior segurança de que os processos do banco são executados conforme as políticas definidas; Atingir uma maior eficiência operacional através da automatização dos processos, da redução do custo de controle manual das garantias e do aumento de produtividade resultante (controle de um volume maior de garantias com a mão-de-obra existente, por exemplo); Ter acesso a informações confiáveis e atualizadas, em particular no que diz respeito à suficiência das garantias. É importante que os objetivos estratégicos do programa sejam claramente identificados por todos os envolvidos, especialmente a equipe executora que, em posse da informação, poderá tomar as decisões de priorização certas. Se, por exemplo, a redução de capital regulatório for colocada como objetivo primário do programa, seu plano de execução deverá prever um esforço adequado para a análise da contabilização das garantias, assim como a integração do sistema de garantias com a ferramenta de cálculo de capital regulatório. Se a questão da credibilidade junto ao Banco Central for, por sua vez, mais crítica, a especificação e o desenvolvimento dos relatórios para o Banco Central deverão ser considerados no escopo do programa. Já se a maior preocupação do banco for a precisão das informações disponíveis, em tempo real, sobre a suficiência das garantias, a seleção da tecnologia a ser usada na solução para o cálculo e a alocação das garantias deverá ser tratada cedo no programa e com a devida atenção. Boa Prática #2: Defina uma Política Abrangente, mas Sem Complexidades Desnecessárias A primeira pergunta, em termos de política, é: quais tipos de garantias devem ser aceitos pelo banco? A lista deve ser definida com cautela, em conformidade com a nomenclatura do Banco Central, levando em consideração as diretrizes estratégicas do banco, bem como sua capacidade operacional. Incluir, por exemplo, o penhor agrícola na lista faz todo sentido para instituições financeiras que atuam no segmento rural contudo, estas garantias só poderão ser controladas com o devido rigor nas regiões onde o banco tenha analistas de campo em operação, ou acordos de parceria com empresas vistoriadoras. Uma vez definida a lista de garantias, o banco deverá se preocupar com a qualidade esperada das garantias de seus clientes. Neste quesito, o desafio é de encontrar o ponto de equilíbrio entre uma política favorável à ampliação dos negócios, e uma visão estritamente focada na gestão do risco de Boa Prática #1: Tenha os Objetivos Estratégicos do Programa Claros para Todos 2

4 crédito. O apetite do banco por risco determinará o ponto certo. É importante que o escopo do programa contemple relatórios gerenciais que permitam o monitoramento da qualidade das garantias como, por exemplo, um relatório de qualidade das hipotecas que permitirá apontar qualquer concentração problemática de hipotecas de grau alto no portfólio de crédito do banco. A política deve ser detalhada o suficiente de maneira a fornecer subsídios para o controle efetivo das garantias a seguir listamos algumas questões-chave a serem consideradas na elaboração da política: Quais tipos de garantias devem ser aceitos pelo banco? Quais restrições quanto à qualidade das garantias devem ser observadas? Exemplos: Hipotecas podem ser formalizadas através de instrumento particular? O banco deve aceitar hipotecas de grau alto? Alienações de máquinas e equipamentos, sem apólice de seguro vigente, podem ser aceitas? Em quais termos (absolutos ou relativos) e em qual moeda as exigências em garantias devem ser definidas? Qual nível de flexibilidade deve ser dado na composição das garantias (por exemplo, a possibilidade do cliente atender uma exigência através de um mix de garantias de tipos diferentes)? Quais restrições devem ser impostas na composição das garantias (por exemplo, se o banco aceitar um conjunto de hipoteca e alienações fiduciárias de máquinas ou equipamentos para satisfazer uma determinada exigência, pode ser desejável impor que o valor da hipoteca represente pelo menos 50% do valor total da garantia composta)? Para cada tipo de garantia, quais fórmulas devem ser aplicadas para calcular seu valor? Quais parâmetros de cálculo devem fazer parte da política? Exemplos a serem considerados: produtividade das mercadorias agrícolas por região, fontes para as cotações das mercadorias para cada região e/ou safra, referência de valor para os bens imóveis: valor de mercado, de liquidação ou de liquidação forçada. Boa Prática #3: Desenhe uma Arquitetura Organizacional Compatível com Seu Ambiente e Sua Cultura Ao desenhar as estruturas organizacionais a serem montadas para suportar os processos de controle das garantias, as questões tradicionais de diferenciação e integração das atividades devem ser consideradas como prega qualquer tratado de teoria organizacional, observando-se também as interdependências entre as áreas e os conflitos potenciais. No caso de um programa de gestão de garantias bancárias, algumas análises específicas adicionais podem ajudar a desenhar estruturas mais adequadas para o ambiente organizacional em questão: Quais são os prós e os contras de ter uma área centralizada de controle das garantias, versus equipes dedicadas para cada unidade de negócio ou produto financeiro? Devo considerar posições dedicadas para o controle das garantias, ou a responsabilidade pelo controle das garantias pode ser diluída em algum outro papel (o do analista de crédito, por exemplo)? Qual mix de competências faz a equipe ideal? Como dimensionar a equipe, considerando o volume de garantias a serem controladas e a produtividade projetada para a equipe? Boa Prática #3: Desenhe uma Arquitetura Organizacional Compatível com Seu Ambiente e Sua Cultura 3

5 Como promover a inovação dentro das equipes responsáveis pelo controle das garantias? Como devem ser encorajadas a pensar permanentemente na melhoria dos processos? Na prática, existem vários modelos organizacionais para as equipes de controle das garantias, desde o modelo centralizado reportando à área jurídica do banco até o modelo de equipes especializadas por unidade de negócio ou produto financeiro operando no mesmo nível hierárquico que os analistas de crédito, compartilhando ou não a mesma chefia. Em termos de competências, vemos que as habilidades analíticas e o gosto pelos números é um denominador comum. É extremamente útil ter alguns elementos na equipe com formação jurídica; se o portfólio de garantias do banco tiver uma forte concentração de mercadorias agrícolas, profissionais da área agrônoma farão muita diferença na equipe. O quadro abaixo é uma descrição de cargo simplificada e ilustrativa para analista de controle de garantias. Observe que os indicadores usados para avaliar o profissional incluem sua participação ativa na melhoria contínua dos processos. Responsabilidades Cadastro e atualização das garantias constituídas no sistema de controle das garantias; Acompanhamento diário da suficiência das garantias da carteira de clientes; Relacionamento com os clientes do banco no que diz respeito às garantias constituídas (documentação, pedidos de top-up, etc.); Preparação de relatórios gerenciais e analíticos para outras áreas do banco (envolvidas nos processos de gestão das garantias) e para as agências; Acompanhamento das avaliações e vistorias junto aos analistas de campo ou às empresas terceirizadas, assegurando que aconteçam dentro dos prazos previstos e com o nível de qualidade esperado. Competências Conhecimentos do ciclo de vida da operação de crédito e risco associado; Entendimento dos processos bancários de concessão de crédito, formalização e gestão das garantias; Conhecimentos dos aspectos legais envolvidos; Competências analíticas; Atenção aos detalhes. Indicadores de Desempenho Produtividade (volume de garantias controladas por período); Qualidade do relacionamento com os clientes (nível de satisfação); Qualidade do relacionamento com clientes internos de outras áreas; Inovação (participação ativa na melhoria de processo). Figura 1 Descrição de cargo simplificada e ilustrativa: Analista de Controle de Garantias 4

6 Boa Prática #4: Mapeie o Ciclo de Vida das Garantias Fim-a- Fim O ciclo de vida das garantias começa bem antes da concessão do crédito ele começa já na agência, nas primeiras discussões do Front Office com o (potencial) cliente, passa pelas etapas de análise de crédito e formalização e termina com a baixa da garantia ou sua execução em caso de inadimplência. O diagrama abaixo ilustra esta sucessão de etapas Destacamos na sequência os pontos-chave a serem abordados para cada etapa em um programa de gestão de garantias bem-sucedido. Análise de Crédito Formalização Operação Liquidação/ Execução Figura 2 - O ciclo de vida da operação de crédito sob a perspectiva das garantias Análise de Crédito: Os limites são definidos nesta etapa, juntamente com as garantias exigidas e de acordo com a política do banco. A questão-chave a ser abordada nesta etapa é a relação entre os limites de crédito e as garantias exigidas, e como ela deve ser formulada. A exigência será definida em valores monetários (em qual moeda?) ou em termos relativos como percentual de algum parâmetro (por exemplo: 150% do valor de outstanding acrescido dos juros)? Nesta etapa deve-se considerar também se avaliações ou vistorias de pré-desembolso são necessárias. Formalização: Estamos falando agora da constituição das garantias e da formalização jurídica do ato. Deve-se tomar cuidado ao não assumir que o mesmo tipo de garantia seguirá sempre o mesmo fluxo de formalização por exemplo, as hipotecas podem ser formalizadas através de escritura pública ou através de instrumento particular. É interessante, do ponto de vista da produtividade da equipe de formalização, considerar um sistema eletrônico de gestão de documentos para apoiar os processos. Operação: O acompanhamento que deve ser realizado durante a vida útil da operação de crédito é o de suficiência das garantias. A frequência desejada para a atualização do valor das garantias terá um impacto direto sobre a solução e seu custo. Outras questões-chave a serem abordadas nesta etapa incluem as regras de negócio referentes às avaliações (de terra ou de máquinas e equipamentos) e vistorias (de lavoura, por exemplo), o processo de recomposição das garantias, os pedidos de reforço (top-up) e como as garantias devem ser contabilizadas. Liquidação/Execução: É do interesse do banco dar baixa com agilidade nas garantias das operações liquidadas, pois podem ser aproveitadas em outras operações de crédito, alavancando os negócios. O processo de execução das garantias, por sua vez, deve ser pensado para cada tipo de garantia aceito pelo banco. Boa Prática #5: Procure Uniformizar os Processos e as Regras de Negócio Entre as Unidades Organizacionais É mais fácil definir processos e regras unificadas entre as unidades de negócio quando a função de gestão das garantias é nova no banco, tratando-se da criação de novos procedimentos. Quando o cenário é de automatização de processos existentes, a ideia de mudança deve ser bem vendida para os usuários. Independentemente da situação, os argumentos para a uniformização dos procedimentos caem em duas categorias: Boa Prática #4: Mapeie o Ciclo de Vida das Garantias Fim-a-Fim 5

7 Ganhos em eficiência operacional possibilitados pelas potenciais sinergias entre unidades organizacionais compartilhando procedimentos comuns; Reduções nos custos de implementação e manutenção do programa de gestão das garantias, obtidas através da simplificação dos requisitos. Como exemplo de potencial sinergia entre unidades de negocio, citamos a possibilidade de alavancar o mesmo pool de analistas de campo para realização das vistorias. Para o banco que optar por terceirizar as avaliações e as vistorias, nas discussões de contratos que visam atender múltiplas unidades de negócio, haverá maior poder de negociação. A unificação da linguagem entre unidades de negócio é também importante para evitar confusões e, de maneira ainda mais crítica, erros na interpretação das informações. Para a unidade de negócio A de um cliente da Newstart Consultoria, o termo operação referia-se à Cédula de Crédito Bancário (CCB) que pode ser consumida em múltiplos desembolsos, enquanto a unidade de negócio B chamava de operação o desembolso individual. Em outro caso, o percentual de garantia constituída tinha definições divergentes: para a unidade A, era expresso com base no valor do desembolso coberto pela garantia. Já para a unidade B, era expresso com base no valor de garantia exigida. Supondo que o valor do desembolso seja de R$ ,00 e a garantia exigida de R$ ,00, uma garantia constituída de R$ ,00 seria representada por 150% nos relatórios da unidade A e por 75% nos relatórios da unidade B. Além da maior clareza na comunicação, a unificação da linguagem permitiu evitar, neste caso, a necessidade de serem desenvolvidos e mantidos dois relatórios de suficiência. Nem sempre é possível é claro uniformizar todos os procedimentos entre unidades organizacionais. Alguns processos de negócio específicos fazem parte dos diferenciais das unidades de negócio a equipe executora do programa de gestão das garantias deve saber identificar tais situações e tratá-las de forma apropriada. Boa Prática #6: Envolva Todos os Stakeholders na Definição das Regras de Negócio Mais Complexas O tema da valoração e alocação das garantias de bens imóveis (hipotecas e alienações fiduciárias de imóveis) é ilustrativo da complexidade das discussões que ocorrem nas fases de planejamento e especificação dos programas de gestão de garantias bancárias. Usaremos este exemplo para mostrar a importância do envolvimento de várias áreas do banco. Cabe enfatizar que os bens imóveis são frequentemente usados em situações de cross-collateral, onde a mesma garantia (um terreno com quaisquer benfeitorias, averbadas ou não ao registro da matrícula) cobre múltiplas operações do mesmo cliente, ou de clientes diferentes (geralmente dentro de um mesmo grupo econômico). Neste contexto, selecionamos algumas questões a serem debatidas durante as fases de planejamento e especificação do programa de gestão das garantias. Boa Prática #6: Envolva Todos os Stakeholders na Definição das Regras de Negócio Mais Complexas 6

8 a. Quais instrumentos (escritura pública, instrumento particular) são aceitáveis para formalização das hipotecas? b. Com qual frequência o valor das hipotecas (matrículas hipotecadas) deve ser reavaliado? Quais parâmetros devem ser levados em consideração (ratings internos, externos, etc.)? c. Qual o processo para levantar os ônus existentes das matrículas e seu grau de hipoteca, junto a outras instituições financeiras? d. Qual valor bruto deve ser considerado para a hipoteca (valor de mercado, valor de liquidação, valor de liquidação forçada, outro valor)? e. Como avaliar e tratar o valor das benfeitorias, máquinas e equipamentos averbados ou não ao registro da matrícula? f. Se uma mesma matrícula cobrir múltiplas operações, como seu valor deve ser distribuído entre elas? g. Se múltiplas matrículas cobrirem a mesma operação, qual ordem de precedência deve ser seguida? h. Uma vez alocadas às operações, como as garantias de bens imóveis devem ser contabilizadas? i. Qual o processo de baixa da garantia, uma vez a operação liquidada? Figura 3 - Algumas questões acerca do tratamento das garantias de bens imóveis Relacionamos na tabela abaixo essas questões com as áreas do banco que precisam ser envolvidas para tomada de decisão. Análise de Crédito Risco Analistas de Campo Formalização Contabilidade Jurídico a. b. c. d. e. f. g. h. i. TI Figura 4 - Áreas do banco a serem envolvidas para tomada de decisão Boa Prática #7: Exija um Modelo Flexível para o Relatório de Suficiência Para aqueles bancos que estiverem preocupados com a precisão das informações disponíveis, em tempo real, sobre a suficiência das garantias (veja a Boa Prática #1), o relatório de suficiência das garantias será um dos principais entregáveis do programa, senão o principal. Como tal, deverá ser desenhado com os cuidados necessários para que apresente as informações certas, no nível de detalhe certo (menor ou maior), para as áreas que irão o consultar. No mais alto nível, a relação de suficiência das garantias deve ser apresentada em agrupamentos de clientes que façam sentido para Boa Prática #7: Exija um Modelo Flexível para o Relatório de Suficiência 7

9 o banco, como portfólios ou grupos econômicos. E, para cada cliente, deve ser possível visualizar a suficiência das garantias (excesso ou deficiência) nos mesmos níveis de detalhe nos quais as garantias exigidas são definidas: estamos falando, tipicamente, de agrupamento por linha de crédito, contrato e desembolso. É importante enfatizar que a apresentação do nível de suficiência das garantias ao nível do desembolso não basta as áreas usuárias precisam de informações consolidadas também. No caso das garantias exigidas referenciadas ao valor da dívida (como, por exemplo, um penhor agrícola composto de múltiplas safras, cada uma cobrindo uma determinada parcela de reembolso), a informação de suficiência deverá aparecer no relatório detalhado ao nível da parcela de reembolso. Vemos que uma grande flexibilidade é necessária no layout escolhido para o relatório. Tecnologias igualmente flexíveis deverão ser selecionadas para implementá-lo e mantê-lo. Seguem alguns pontos adicionais a serem ponderados durante a especificação do layout do relatório de suficiência das garantias: Em qual (quais) moeda(s) os dados monetários devem ser apresentados? Como apresentar exigências opcionais de garantias (por exemplo: penhor agrícola ou penhor pecuário)? Como apresentar exigências compostas de garantias (por exemplo: valor exigido de 150% do outstanding podendo ser constituído por uma mistura de hipoteca e alienação fiduciária de máquinas e equipamentos, sendo que a hipoteca deve compor pelo menos 120% do valor da garantia)? Relembramos, como vimos na Boa Prática #5, que o uso de convenções e de uma linguagem unificada entre as áreas de negócio é crucial para a correta interpretação das informações apresentadas no relatório de suficiência das garantias. Boa Prática #8: Considere Desde Cedo os Motores de Simulação Que Irá Precisar O sistema de gestão das garantias não deve apenas permitir acompanhar a suficiência das garantias constituídas ao longo do tempo, mas deve servir também como referência para responder às perguntas como o que acontece se...?, que as diversas áreas envolvidas na gestão das garantias ao longo do seu ciclo de vida enfrentam no seu dia-a-dia. A exclusão, ou a omissão, da capacidade de simulação do escopo do trabalho irá enfraquecer os benefícios do sistema e gerar frustração do lado dos usuários. Seguem algumas ideias de simuladores que possa querer considerar no seu programa de gestão de garantias bancárias: Simulador de Desembolso: Considerando as garantias atualmente constituídas pelo cliente, qual valor adicional pode ser desembolsado? Simulador de Garantia: Qual garantia adicional o cliente precisa constituir para poder desembolsar um determinado valor? Boa Prática #8: Considere Desde Cedo os Motores de Simulação Que Irá Precisar 8

10 Simulador de Vistoria: Considerando os dados coletados no campo, quais conclusões o analista vistoriador pode tirar sobre a suficiência da garantia em questão (extremamente útil para escrever o laudo de vistoria)? Boa Prática #9: Selecione Seu Parceiro Tecnológico com Carinho Após o levantamento das necessidades do banco, invariavelmente será confrontado com o mesmo dilema que ocorre em todos os programas de mudança: o sistema de gestão das garantias deve ser adquirido ou desenvolvido a partir do zero? Uma solução totalmente customizada se impõe quando os processos de negócio a serem suportados pelo sistema são, por assim dizer, exóticos. Mesmo assim, recomendamos que os pacotes de software existentes no mercado sejam criteriosamente avaliados, talvez usando como referência para comparação frente a uma solução personalizada. A avaliação técnica das diversas alternativas irá apontar o seu grau de aderência às necessidades do banco. Para obter todos os insumos necessários a tomada de decisão, será necessário avaliar outras dimensões não técnicas: a própria empresa fornecedora, sua base de clientes; a equipe dedicada ao produto de gestão do risco de crédito/garantias bancárias; o custo da solução; as modalidades de suporte oferecidas, entre outras. Cada dimensão deve ser desdobrada em critérios de avaliação mais granulares, de forma a atribuir notas objetivas para cada alternativa considerada. A tabela abaixo é um exemplo simplificado de matriz de avaliação: Dimensões de Avaliação Empresa Fornecedora 10% Base de Clientes 10% Equipe de Produto 10% Aderência às Necessidades do Banco (Avaliação Técnica) Peso Total Critérios de Avaliação Peso 40% Custo da Solução 20% Modalidades de Suporte 10% Robustez financeira Investimentos em P&D Parcerias estratégicas Foco no cliente Cases e referências Clientes no mesmo segmento Headcount Estabilidade Capacitação Necessidade #1 Necessidade #2 Necessidade #3 Necessidade #4 Custo de licença Custo de manutenção Custo de implantação Equipe de suporte Níveis de serviço Horários de suporte Figura 5 - Exemplo simplificado de matriz de avaliação de fornecedor Baixo Baixo Boa Prática #9: Selecione Seu Parceiro Tecnológico com Carinho 9

11 Os pesos das dimensões e dos critérios de avaliação deverão ser determinados em comum acordo entre os stakeholders envolvidos, refletindo os imperativos estratégicos do programa. Boa Prática #10: Dicas de Implementação Terminamos este artigo com duas dicas relacionadas à execução propriamente dita do programa: O esforço de testes deve ser dimensionado adequadamente e planejado com antecedência. Considerando a complexidade dos processos e sistemas de gestão de garantias, o risco de desvio na entrega é grande, tenha o banco optado por um pacote do mercado ou por um desenvolvimento a partir do zero. Um esforço estruturado e bem planejado de testes irá mitigar este risco, evitando o desperdício do tempo dos usuários com a homologação de entregas deficientes. Avalie o mais cedo possível a qualidade de seus dados existentes. Contar com a possibilidade de usar os dados cadastrais de matrículas, por exemplo, nos modelos das hipotecas pode gerar frustração mais adiante se esses dados não estiverem estruturados com o nível de atomicidade necessário para aproveitá-los (campos separados para o número da matrícula, o município, a área de reserva legal, o beneficiário e o valor de quaisquer ônus externos, etc.). Muitas vezes os dados vêm em um gigantesco campo de Observações, o que impossibilita seu uso pelo sistema de garantias. Se tiver necessidade de contratar recursos para digitar as informações, em campos estruturados no sistema de gestão das garantias, o valor correspondente deve ser previsto no orçamento do programa. Sobre a Newstart Consultoria A Newstart Consultoria ajuda seus clientes a gerenciar melhor seu risco de crédito, especificamente através da implementação de melhores práticas de gestão das garantias bancárias. Engajamos junto aos nossos clientes em iniciativas de gestão dos riscos e projetos de transformação, combinando uma abordagem estruturada de consultoria e conhecimentos especializados e comprovados na área de garantias bancárias. Nossos serviços abrangem o ciclo de vida inteiro das garantias, desde a análise de crédito até a baixa ou a execução da garantia. Trabalhamos na implementação de melhores práticas, na definição do modelo operacional alvo e na implantação de políticas, processos e tecnologias. Desenvolvemos ferramentas que visam acelerar os projetos e prover os clientes com insumos racionais para tomada rápida de decisão. O leque de tipos de garantias nos quais temos expertise é amplo e inclui hipotecas, alienações fiduciárias de imóveis, penhores e alienações fiduciárias de máquinas e equipamentos, avais, fianças, fianças bancárias, penhores agrícolas, pecuários e mercantis, CPR, CDA/WA, contratos de exportação, penhores e alienações de títulos, cessões de contratos, cessões de recebíveis, etc. Para solicitar maiores informações, favor entrar em contato com o Youssef Bouguerra através do endereço de Boa Prática #10: Dicas de Implementação 10

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 2010 Conteúdo Introdução 2 Perfil do Banco 2 Princípios da Gestão de Riscos 2 Tipos de Riscos 3 Gerenciamento de Riscos 3 Risco de Crédito 4 Risco

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3 3º Trimestre de 2013 Conteúdo Introdução... 3 Perfil do Banco... 3 Princípios da Gestão de Riscos... 4 Tipos de Riscos...

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Introdução 3 Perfil do Banco 3 Princípios da Gestão de Riscos 3 Tipos de Riscos 4 Gerenciamento de Riscos 4 Risco

Leia mais

O valor de um motor de precificação autônomo para Seguradoras

O valor de um motor de precificação autônomo para Seguradoras O valor de um motor de precificação autônomo para Seguradoras Escolhas importantes devem ser feitas à medida em que aumenta o número de Seguradoras migrando seus sistemas de administração de apólice pré-existentes

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

O FUTURO DA SUA EMPRESA PASSA POR AQUI OMNES TECNOLOGIA

O FUTURO DA SUA EMPRESA PASSA POR AQUI OMNES TECNOLOGIA O FUTURO DA SUA EMPRESA PASSA POR AQUI OMNES TECNOLOGIA Como tudo começou GIDEONI SILVA CONSULTOR BI & CRM Analista de Sistemas e Green Belt Six Sigma Experiência de 15 anos em projetos executados de Business

Leia mais

Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA. Renda Fixa. Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA

Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA. Renda Fixa. Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio Viabiliza o financiamento da cadeia do agronegócio com recursos privados O produto

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr Projetos na área de TI Prof. Hélio Engholm Jr Projetos de Software Ciclo de Vida do Projeto Concepção Iniciação Encerramento Planejamento Execução e Controle Revisão Ciclo de Vida do Produto Processos

Leia mais

QUESTIONAMENTO 02. 2. Por favor detalhar os tipos de garantias e outros mitigadores de risco de crédito utilizados.

QUESTIONAMENTO 02. 2. Por favor detalhar os tipos de garantias e outros mitigadores de risco de crédito utilizados. QUESTIONAMENTO 02 1. O anexo 3 apresenta volumes de contratos, mas não de exposições. Qual é o volume em estoque de exposições e mitigadores de risco em um determinado mês? Resposta: O volume em estoque

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

Risco de Crédito. Risco de Crédito. 1. Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Risco de Crédito. Risco de Crédito. 1. Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito 1. Estrutura de Gerenciamento de Em observância à resolução 3.721/2009 do Banco Central do Brasil, o Banco GMAC S.A, doravante denominado Chevrolet Serviços Financeiros, instituiu sua estrutura de gerenciamento

Leia mais

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr Projetos na área de TI Prof. Hélio Engholm Jr Projetos de Software Ciclo de Vida do Projeto Concepção Iniciação Encerramento Planejamento Execução e Controle Revisão Ciclo de Vida do Produto Processos

Leia mais

Solução Accenture RiskControl

Solução Accenture RiskControl Solução Accenture RiskControl As rápidas transformações econômicas e sociais que marcaram a primeira década do século XXI trouxeram novos paradigmas para a gestão empresarial. As organizações ficaram frente

Leia mais

O acordo da Basiléia:

O acordo da Basiléia: Soluções e serviços Serasa Experian e a Resolução CMN/BACEN 3.721/09 1 O acordo da Basiléia: Conjunto de recomendações visando melhoramento das práticas de supervisão bancária e aperfeiçoamento de ferramentas

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS O que é PROJETO Um empreendimento com começo e fim definidos, dirigido por pessoas, para cumprir objetivos estabelecidos dentro de parâmetros de custo, tempo e especificações.

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Comitê de Financiamento do Agronegócio

Comitê de Financiamento do Agronegócio Comitê de Financiamento do Agronegócio SUB-COMITÊ CRÉDITO Propostas para aumentar irrigação de crédito à agricultura empresarial Circulação Restrita Há fundos, há bancos e há instrumentos. Só precisa melhorar

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DATA-BASE: JANEIRO/2014 PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GESTÃO DO RISCO OPERACIONAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão de Risco Operacional; 3. Estrutura

Leia mais

GSAN. Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento. Versão Atual do GSAN. Módulos

GSAN. Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento. Versão Atual do GSAN. Módulos GSAN Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento Versão Atual do GSAN A PROCENGE é líder nacional no fornecimento de softwares de gestão para companhias de Água e Saneamento, com base na sua

Leia mais

Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições

Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições Supply Chain Finance 2011 3 Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições Autores: Vanessa Saavedra/ Manuela Dantas/ Maurício Cavalieri/ Rafael Pinheiro

Leia mais

INFORMAÇÕES CONECTADAS

INFORMAÇÕES CONECTADAS INFORMAÇÕES CONECTADAS Soluções de Negócios para o Setor de Serviços Públicos Primavera Project Portfolio Management Solutions ORACLE É A EMPRESA Alcance excelência operacional com fortes soluções de gerenciamento

Leia mais

COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES. Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro

COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES. Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro Fusão e aquisição (F&A) são termos, por vezes, tratados como sinônimos. Entretanto,

Leia mais

ABDE Seminário Como Inovar em garantias? Garantias de Crédito ABRIL 2014

ABDE Seminário Como Inovar em garantias? Garantias de Crédito ABRIL 2014 ABDE Seminário Como Inovar em garantias? Garantias de Crédito ABRIL 2014 Garantias Evolução e Ponderações Garantias Evolução Tradicionais: Fidejussórias (pessoais): Aval Fiança Reais (bens necessitam registro):

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

ORIGEM DATA DE EMISSÃO ENTRADA EM VIGOR PÁGINA DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5

ORIGEM DATA DE EMISSÃO ENTRADA EM VIGOR PÁGINA DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5 DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5 Assunto: ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DIVERSOS RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Estabelece diretrizes socioambientais relativas ao processo de crédito do Banco

Leia mais

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade?

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? RESUMO DA SOLUÇÃO CA SERVICE MANAGEMENT - GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? O CA Service Management

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública.

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública. Pág.1 de 11 1. O QUE SÃ O PPPs? São modalidades especiais de concessão por meio da qual a Administração Pública delega a um particular a prestação de um serviço público, com ou sem construção de obra,

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Apoio ao Setor de Armazenagem e Irrigação Moderinfra

Apoio ao Setor de Armazenagem e Irrigação Moderinfra Apoio ao Setor de Armazenagem e Irrigação Moderinfra O BNDES, como banco de fomento à economia, entende que um dos itens de grande importância para a sustentação do crescimento do país é o apoio ao armazenamento

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO IMÓVEL NA PLANTA ALOCAÇÃO DE RECURSOS

FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO IMÓVEL NA PLANTA ALOCAÇÃO DE RECURSOS CAIXA ECONÔMICA FEDERAL FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO IMÓVEL NA PLANTA ALOCAÇÃO DE RECURSOS Modalidades IMÓVEL NA PLANTA Produção de empreendimentos habitacionais Financiamento direto às pessoas físicas Organizadas

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

Agência Bradesco Praça Panamericana

Agência Bradesco Praça Panamericana Agência Bradesco Praça Panamericana Presença em todos os municípios brasileiros A B C D E 03 Crescimento Orgânico dos Canais de Distribuição 4.634 4.650 3.160 3.359 3.454 3.628 2007 2008 2009 2010 2011

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL Conhecimento em Tecnologia da Informação Gestão de Processos Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL 2011 Bridge Consulting Apresentação É comum que as

Leia mais

FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO.

FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO. FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO. Um dos principais pilares da economia, o agronegócio é marcado pela competitividade. Com 15 anos de experiência, a SIAGRI é uma das mais completas empresas

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas?

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? RESUMO DA SOLUÇÃO Pacote CA Clarity PPM on Demand Essentials for 50 Users qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? agility made possible Agora a CA Technologies oferece

Leia mais

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015 Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural Produtor, a, atenta a diversos relatos de produtores quanto a insistência de agentes bancários

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS OPERACIONAIS DIRETORIA

GESTÃO DE RISCOS OPERACIONAIS DIRETORIA 1.Apresentação GESTÃO DE RISCOS OPERACIONAIS O Banco Tricury tem seu foco de atuação voltado ao financiamento de pequenas e médias empresas. Os principais produtos oferecidos são: Depósito a prazo com

Leia mais

FACULDADE DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EMPRESA: SANTOS CONTAINER LTDA - EPP EDISANDRA ANDRADE DE OLIVEIRA

FACULDADE DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EMPRESA: SANTOS CONTAINER LTDA - EPP EDISANDRA ANDRADE DE OLIVEIRA FACULDADE DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EMPRESA: SANTOS CONTAINER LTDA - EPP EDISANDRA ANDRADE DE OLIVEIRA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO Prof.ª ORIENTADORA:

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução - 1 - RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Introdução A Administração acredita que a gestão efetiva de riscos é vital para o sucesso da Instituição e conseqüentemente mantém um ambiente de gerenciamento de riscos

Leia mais

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Comunicação Carlos Alberto

Leia mais

Informações sobre os Sistemas Internos de Classificação do Risco de Crédito (abordagens IRB) I INSTRUÇÕES

Informações sobre os Sistemas Internos de Classificação do Risco de Crédito (abordagens IRB) I INSTRUÇÕES Informações sobre os Sistemas Internos de Classificação do Risco de Crédito (abordagens IRB) I INSTRUÇÕES As informações a seguir devem compor relatório a ser fornecido pelas instituições financeiras que

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Março de 2011 Gerência de Risco de Crédito Diretoria de Economia e Riscos Diretoria Executiva de Administração e Finanças Banco Cooperativo Sicredi 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control RISCO OPERACIONAL INTRODUÇÃO Este documento formaliza a estrutura organizacional e as principais atividades da área de Permanent Control and Operational Risk, responsável pela detecção, monitoramento,

Leia mais

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento Aumente a eficiência de seu negócio O Versa é um poderoso software de gestão de negócios para editoras, distribuidoras e livrarias. Acessível e amigável, o sistema foi desenvolvido especificamente para

Leia mais

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Índice CAPÍTULO 1 INICIAÇÃO DE PROJETOS... 4 CAPÍTULO 2 PLANEJAMENTO DE PROJETOS... 5 CAPÍTULO 3 CONTROLE DE PROJETOS...

Leia mais

Gerenciamento de Aquisições em Projetos. Parte 11. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza CSE-325 / Parte 11

Gerenciamento de Aquisições em Projetos. Parte 11. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza CSE-325 / Parte 11 Gerenciamento de Aquisições em Projetos Parte 11 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

ENCERRAMENTO DE MANDATO. Heraldo da Costa Reis Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ.

ENCERRAMENTO DE MANDATO. Heraldo da Costa Reis Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ. ENCERRAMENTO DE MANDATO Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ. No ano em curso de 2008, dois fatos ocuparão as nossas atenções: O encerramento dos mandatos dos atuais prefeitos,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO 1. INTRODUÇÃO Este documento objetiva esclarecer as normas, políticas e procedimentos de controle utilizados pelo Banco Tricury S/A no processo de gestão de Risco de Crédito das operações, consoante a

Leia mais

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A 2009 DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A [ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS] O presente documento apresenta a Estrutura de Gestão de Riscos da DREBES

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Mercado Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Mercado do CRÉDIT AGRICOLE BRASIL e descreve as suas principais responsabilidades

Leia mais

Avenida Paulista, 949 22º andar

Avenida Paulista, 949 22º andar Avenida Paulista, 949 22º andar São Paulo, 30 de novembro de 2012 1 I n t r o d u ç ã o 140 CRÉDITO PRODUÇÃO BRASIL Fase de ouro Fase de crise Fase da agricultura de mercado 133 127 162 120 114 117 105

Leia mais

Instrumentos financeiros - A norma completa

Instrumentos financeiros - A norma completa Instrumentos financeiros - A norma completa Mudanças nos fundamentos requerem planejamento cuidadoso Setembro de 2014, Edição 04/2014 IFRS EM DESTAQUE kpmg.com/br A nova norma irá ter um impacto significativo

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3 1º Trimestre de 2013 Conteúdo Introdução... 3 Perfil do Banco... 3 Princípios da Gestão de Riscos... 4 Tipos de Riscos...

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Estabelece diretrizes socioambientais relativas ao processo de crédito do Itaú Unibanco para empresas.

Estabelece diretrizes socioambientais relativas ao processo de crédito do Itaú Unibanco para empresas. RISCO SOCIOAMBIENTAL Estabelece diretrizes socioambientais relativas ao processo de crédito do Itaú Unibanco para empresas. 1. OBJETIVO Formalizar os critérios socioambientais que são adotados pelo Itaú

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários -CRI- vem caminhando

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Fórum de Crédito no Agronegócio

Fórum de Crédito no Agronegócio Fórum de Crédito no Agronegócio Único Evento a Trazer Soluções para os Grandes Desafios de Crédito no Agronegócio: Ferramentas Estratégicas para Profissionais de Agroindústrias e Bancos Venderem Mais Palestrantes

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 2.999, DE 2 DE ABRIL DE 2002

CARTA-CIRCULAR Nº 2.999, DE 2 DE ABRIL DE 2002 BANCO CENTRAL DO BRASIL Diretoria de Normas e Organização do Sistema Financeiro Departamento de Normas do Sistema Financeiro CARTA-CIRCULAR Nº 2.999, DE 2 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX PROJECT BX PROJECT. Software de Gestão para Empresas Orientadas à Projetos. Brochura

Soluções baseadas no SAP Business One BX PROJECT BX PROJECT. Software de Gestão para Empresas Orientadas à Projetos. Brochura Brochura BX PROJECT Soluções baseadas no SAP Business One BX PROJECT Software de Gestão para Empresas Orientadas à Projetos SAP Business One para Empresas de Projetos Esta combinação de SAP Business One

Leia mais

A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS

A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS INTEGRADOS PARA ASSEGURAR O CONTROLE COMPLETO DO PROCESSO DE VENDAS, COM ACESSO COMPARTILHADO POR TODAS AS PARTES ENVOLVIDAS. NOSSA PLATAFORMA WEB

Leia mais

AGÊNCIAS DE FOMENTO. Tudo para que a sua instituição financeira tenha uma gestão de qualidade, com abrangência, eficiência e confiabilidade.

AGÊNCIAS DE FOMENTO. Tudo para que a sua instituição financeira tenha uma gestão de qualidade, com abrangência, eficiência e confiabilidade. Segmento FINANCIAL SERVICES AGÊNCIAS DE FOMENTO As soluções de software de gestão para o segmento financial services da TOTVS oferecem controle, planejamento, execução e gestão para as atividades finais

Leia mais