Dez Boas Práticas para Execução Bem- Sucedida de um Programa de Gestão de Garantias Bancárias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dez Boas Práticas para Execução Bem- Sucedida de um Programa de Gestão de Garantias Bancárias"

Transcrição

1 Dez Boas Práticas para Execução Bem- Sucedida de um Programa de Gestão de Garantias Bancárias Youssef Bouguerra e Alex Panato (Newstart Consultoria) Abril de 2013

2 Dez Boas Práticas para Execução Bem- Sucedida de um Programa de Gestão de Garantias Bancárias Youssef Bouguerra e Alex Panato (Newstart Consultoria) Introdução Com os recentes acontecimentos, o setor financeiro global aprendeu, pagando um alto preço, que não se brinca com risco de crédito. Os acordos de Basiléia, em todos seus sabores, pareciam ser a panaceia que impediriam o colapso dos bancos, pelo menos os maiores. Hoje estes acordos mostraram seus limites. E agora? Resta ao banqueiro cuidar do seu jardim e controlar, com precisão matemática, o que sempre foi o carro chefe dos mitigadores de risco de crédito: a garantia bancária. No Brasil, dado o papel importante do agronegócio na economia do país, o leque de ativos que podem ser dados como garantias bancárias é amplo, tornando o universo de possibilidades amplo e flexível, tanto para o banco, quanto para o tomador de crédito. Veja, por exemplo, todas as variantes possíveis de penhor: agrícola, pecuário, mercantil, agrícola de bens acondicionados, CDA/WA, CPR física, CPR financeira, etc. O outro lado da moeda é o aumento da complexidade nas políticas e nos processos necessários para suportar todos os tipos de garantias possíveis, sem contar a dificuldade técnica para desenvolver e implantar sistemas robustos para que os processos possam fluir. E agora? Resta ao banqueiro cuidar do seu jardim e controlar, com precisão matemática, o que sempre foi o carro chefe dos mitigadores de risco de crédito: a garantia bancária. A Newstart Consultoria tem experiência de primeira mão no assunto, tendo auxiliado o Rabobank Brasil, o banco número 1 no agronegócio, no seu programa de gestão de garantias bancárias. Neste artigo compartilhamos algumas lições que aprendemos ao longo do caminho. Introdução 1

3 Boa Prática #1: Tenha os Objetivos Estratégicos do Programa Claros para Todos Os bancos implementam programas de gestão de garantias para atender a um, ou a vários, dos seguintes objetivos: Reduzir o risco de crédito; Reduzir o capital regulatório e o capital econômico necessários para poder operar; Obter maior credibilidade junto ao Banco Central; Obter uma maior agilidade para atender os clientes; Ter um maior nível de transparência nas auditorias internas e externas; Obter maior segurança de que os processos do banco são executados conforme as políticas definidas; Atingir uma maior eficiência operacional através da automatização dos processos, da redução do custo de controle manual das garantias e do aumento de produtividade resultante (controle de um volume maior de garantias com a mão-de-obra existente, por exemplo); Ter acesso a informações confiáveis e atualizadas, em particular no que diz respeito à suficiência das garantias. É importante que os objetivos estratégicos do programa sejam claramente identificados por todos os envolvidos, especialmente a equipe executora que, em posse da informação, poderá tomar as decisões de priorização certas. Se, por exemplo, a redução de capital regulatório for colocada como objetivo primário do programa, seu plano de execução deverá prever um esforço adequado para a análise da contabilização das garantias, assim como a integração do sistema de garantias com a ferramenta de cálculo de capital regulatório. Se a questão da credibilidade junto ao Banco Central for, por sua vez, mais crítica, a especificação e o desenvolvimento dos relatórios para o Banco Central deverão ser considerados no escopo do programa. Já se a maior preocupação do banco for a precisão das informações disponíveis, em tempo real, sobre a suficiência das garantias, a seleção da tecnologia a ser usada na solução para o cálculo e a alocação das garantias deverá ser tratada cedo no programa e com a devida atenção. Boa Prática #2: Defina uma Política Abrangente, mas Sem Complexidades Desnecessárias A primeira pergunta, em termos de política, é: quais tipos de garantias devem ser aceitos pelo banco? A lista deve ser definida com cautela, em conformidade com a nomenclatura do Banco Central, levando em consideração as diretrizes estratégicas do banco, bem como sua capacidade operacional. Incluir, por exemplo, o penhor agrícola na lista faz todo sentido para instituições financeiras que atuam no segmento rural contudo, estas garantias só poderão ser controladas com o devido rigor nas regiões onde o banco tenha analistas de campo em operação, ou acordos de parceria com empresas vistoriadoras. Uma vez definida a lista de garantias, o banco deverá se preocupar com a qualidade esperada das garantias de seus clientes. Neste quesito, o desafio é de encontrar o ponto de equilíbrio entre uma política favorável à ampliação dos negócios, e uma visão estritamente focada na gestão do risco de Boa Prática #1: Tenha os Objetivos Estratégicos do Programa Claros para Todos 2

4 crédito. O apetite do banco por risco determinará o ponto certo. É importante que o escopo do programa contemple relatórios gerenciais que permitam o monitoramento da qualidade das garantias como, por exemplo, um relatório de qualidade das hipotecas que permitirá apontar qualquer concentração problemática de hipotecas de grau alto no portfólio de crédito do banco. A política deve ser detalhada o suficiente de maneira a fornecer subsídios para o controle efetivo das garantias a seguir listamos algumas questões-chave a serem consideradas na elaboração da política: Quais tipos de garantias devem ser aceitos pelo banco? Quais restrições quanto à qualidade das garantias devem ser observadas? Exemplos: Hipotecas podem ser formalizadas através de instrumento particular? O banco deve aceitar hipotecas de grau alto? Alienações de máquinas e equipamentos, sem apólice de seguro vigente, podem ser aceitas? Em quais termos (absolutos ou relativos) e em qual moeda as exigências em garantias devem ser definidas? Qual nível de flexibilidade deve ser dado na composição das garantias (por exemplo, a possibilidade do cliente atender uma exigência através de um mix de garantias de tipos diferentes)? Quais restrições devem ser impostas na composição das garantias (por exemplo, se o banco aceitar um conjunto de hipoteca e alienações fiduciárias de máquinas ou equipamentos para satisfazer uma determinada exigência, pode ser desejável impor que o valor da hipoteca represente pelo menos 50% do valor total da garantia composta)? Para cada tipo de garantia, quais fórmulas devem ser aplicadas para calcular seu valor? Quais parâmetros de cálculo devem fazer parte da política? Exemplos a serem considerados: produtividade das mercadorias agrícolas por região, fontes para as cotações das mercadorias para cada região e/ou safra, referência de valor para os bens imóveis: valor de mercado, de liquidação ou de liquidação forçada. Boa Prática #3: Desenhe uma Arquitetura Organizacional Compatível com Seu Ambiente e Sua Cultura Ao desenhar as estruturas organizacionais a serem montadas para suportar os processos de controle das garantias, as questões tradicionais de diferenciação e integração das atividades devem ser consideradas como prega qualquer tratado de teoria organizacional, observando-se também as interdependências entre as áreas e os conflitos potenciais. No caso de um programa de gestão de garantias bancárias, algumas análises específicas adicionais podem ajudar a desenhar estruturas mais adequadas para o ambiente organizacional em questão: Quais são os prós e os contras de ter uma área centralizada de controle das garantias, versus equipes dedicadas para cada unidade de negócio ou produto financeiro? Devo considerar posições dedicadas para o controle das garantias, ou a responsabilidade pelo controle das garantias pode ser diluída em algum outro papel (o do analista de crédito, por exemplo)? Qual mix de competências faz a equipe ideal? Como dimensionar a equipe, considerando o volume de garantias a serem controladas e a produtividade projetada para a equipe? Boa Prática #3: Desenhe uma Arquitetura Organizacional Compatível com Seu Ambiente e Sua Cultura 3

5 Como promover a inovação dentro das equipes responsáveis pelo controle das garantias? Como devem ser encorajadas a pensar permanentemente na melhoria dos processos? Na prática, existem vários modelos organizacionais para as equipes de controle das garantias, desde o modelo centralizado reportando à área jurídica do banco até o modelo de equipes especializadas por unidade de negócio ou produto financeiro operando no mesmo nível hierárquico que os analistas de crédito, compartilhando ou não a mesma chefia. Em termos de competências, vemos que as habilidades analíticas e o gosto pelos números é um denominador comum. É extremamente útil ter alguns elementos na equipe com formação jurídica; se o portfólio de garantias do banco tiver uma forte concentração de mercadorias agrícolas, profissionais da área agrônoma farão muita diferença na equipe. O quadro abaixo é uma descrição de cargo simplificada e ilustrativa para analista de controle de garantias. Observe que os indicadores usados para avaliar o profissional incluem sua participação ativa na melhoria contínua dos processos. Responsabilidades Cadastro e atualização das garantias constituídas no sistema de controle das garantias; Acompanhamento diário da suficiência das garantias da carteira de clientes; Relacionamento com os clientes do banco no que diz respeito às garantias constituídas (documentação, pedidos de top-up, etc.); Preparação de relatórios gerenciais e analíticos para outras áreas do banco (envolvidas nos processos de gestão das garantias) e para as agências; Acompanhamento das avaliações e vistorias junto aos analistas de campo ou às empresas terceirizadas, assegurando que aconteçam dentro dos prazos previstos e com o nível de qualidade esperado. Competências Conhecimentos do ciclo de vida da operação de crédito e risco associado; Entendimento dos processos bancários de concessão de crédito, formalização e gestão das garantias; Conhecimentos dos aspectos legais envolvidos; Competências analíticas; Atenção aos detalhes. Indicadores de Desempenho Produtividade (volume de garantias controladas por período); Qualidade do relacionamento com os clientes (nível de satisfação); Qualidade do relacionamento com clientes internos de outras áreas; Inovação (participação ativa na melhoria de processo). Figura 1 Descrição de cargo simplificada e ilustrativa: Analista de Controle de Garantias 4

6 Boa Prática #4: Mapeie o Ciclo de Vida das Garantias Fim-a- Fim O ciclo de vida das garantias começa bem antes da concessão do crédito ele começa já na agência, nas primeiras discussões do Front Office com o (potencial) cliente, passa pelas etapas de análise de crédito e formalização e termina com a baixa da garantia ou sua execução em caso de inadimplência. O diagrama abaixo ilustra esta sucessão de etapas Destacamos na sequência os pontos-chave a serem abordados para cada etapa em um programa de gestão de garantias bem-sucedido. Análise de Crédito Formalização Operação Liquidação/ Execução Figura 2 - O ciclo de vida da operação de crédito sob a perspectiva das garantias Análise de Crédito: Os limites são definidos nesta etapa, juntamente com as garantias exigidas e de acordo com a política do banco. A questão-chave a ser abordada nesta etapa é a relação entre os limites de crédito e as garantias exigidas, e como ela deve ser formulada. A exigência será definida em valores monetários (em qual moeda?) ou em termos relativos como percentual de algum parâmetro (por exemplo: 150% do valor de outstanding acrescido dos juros)? Nesta etapa deve-se considerar também se avaliações ou vistorias de pré-desembolso são necessárias. Formalização: Estamos falando agora da constituição das garantias e da formalização jurídica do ato. Deve-se tomar cuidado ao não assumir que o mesmo tipo de garantia seguirá sempre o mesmo fluxo de formalização por exemplo, as hipotecas podem ser formalizadas através de escritura pública ou através de instrumento particular. É interessante, do ponto de vista da produtividade da equipe de formalização, considerar um sistema eletrônico de gestão de documentos para apoiar os processos. Operação: O acompanhamento que deve ser realizado durante a vida útil da operação de crédito é o de suficiência das garantias. A frequência desejada para a atualização do valor das garantias terá um impacto direto sobre a solução e seu custo. Outras questões-chave a serem abordadas nesta etapa incluem as regras de negócio referentes às avaliações (de terra ou de máquinas e equipamentos) e vistorias (de lavoura, por exemplo), o processo de recomposição das garantias, os pedidos de reforço (top-up) e como as garantias devem ser contabilizadas. Liquidação/Execução: É do interesse do banco dar baixa com agilidade nas garantias das operações liquidadas, pois podem ser aproveitadas em outras operações de crédito, alavancando os negócios. O processo de execução das garantias, por sua vez, deve ser pensado para cada tipo de garantia aceito pelo banco. Boa Prática #5: Procure Uniformizar os Processos e as Regras de Negócio Entre as Unidades Organizacionais É mais fácil definir processos e regras unificadas entre as unidades de negócio quando a função de gestão das garantias é nova no banco, tratando-se da criação de novos procedimentos. Quando o cenário é de automatização de processos existentes, a ideia de mudança deve ser bem vendida para os usuários. Independentemente da situação, os argumentos para a uniformização dos procedimentos caem em duas categorias: Boa Prática #4: Mapeie o Ciclo de Vida das Garantias Fim-a-Fim 5

7 Ganhos em eficiência operacional possibilitados pelas potenciais sinergias entre unidades organizacionais compartilhando procedimentos comuns; Reduções nos custos de implementação e manutenção do programa de gestão das garantias, obtidas através da simplificação dos requisitos. Como exemplo de potencial sinergia entre unidades de negocio, citamos a possibilidade de alavancar o mesmo pool de analistas de campo para realização das vistorias. Para o banco que optar por terceirizar as avaliações e as vistorias, nas discussões de contratos que visam atender múltiplas unidades de negócio, haverá maior poder de negociação. A unificação da linguagem entre unidades de negócio é também importante para evitar confusões e, de maneira ainda mais crítica, erros na interpretação das informações. Para a unidade de negócio A de um cliente da Newstart Consultoria, o termo operação referia-se à Cédula de Crédito Bancário (CCB) que pode ser consumida em múltiplos desembolsos, enquanto a unidade de negócio B chamava de operação o desembolso individual. Em outro caso, o percentual de garantia constituída tinha definições divergentes: para a unidade A, era expresso com base no valor do desembolso coberto pela garantia. Já para a unidade B, era expresso com base no valor de garantia exigida. Supondo que o valor do desembolso seja de R$ ,00 e a garantia exigida de R$ ,00, uma garantia constituída de R$ ,00 seria representada por 150% nos relatórios da unidade A e por 75% nos relatórios da unidade B. Além da maior clareza na comunicação, a unificação da linguagem permitiu evitar, neste caso, a necessidade de serem desenvolvidos e mantidos dois relatórios de suficiência. Nem sempre é possível é claro uniformizar todos os procedimentos entre unidades organizacionais. Alguns processos de negócio específicos fazem parte dos diferenciais das unidades de negócio a equipe executora do programa de gestão das garantias deve saber identificar tais situações e tratá-las de forma apropriada. Boa Prática #6: Envolva Todos os Stakeholders na Definição das Regras de Negócio Mais Complexas O tema da valoração e alocação das garantias de bens imóveis (hipotecas e alienações fiduciárias de imóveis) é ilustrativo da complexidade das discussões que ocorrem nas fases de planejamento e especificação dos programas de gestão de garantias bancárias. Usaremos este exemplo para mostrar a importância do envolvimento de várias áreas do banco. Cabe enfatizar que os bens imóveis são frequentemente usados em situações de cross-collateral, onde a mesma garantia (um terreno com quaisquer benfeitorias, averbadas ou não ao registro da matrícula) cobre múltiplas operações do mesmo cliente, ou de clientes diferentes (geralmente dentro de um mesmo grupo econômico). Neste contexto, selecionamos algumas questões a serem debatidas durante as fases de planejamento e especificação do programa de gestão das garantias. Boa Prática #6: Envolva Todos os Stakeholders na Definição das Regras de Negócio Mais Complexas 6

8 a. Quais instrumentos (escritura pública, instrumento particular) são aceitáveis para formalização das hipotecas? b. Com qual frequência o valor das hipotecas (matrículas hipotecadas) deve ser reavaliado? Quais parâmetros devem ser levados em consideração (ratings internos, externos, etc.)? c. Qual o processo para levantar os ônus existentes das matrículas e seu grau de hipoteca, junto a outras instituições financeiras? d. Qual valor bruto deve ser considerado para a hipoteca (valor de mercado, valor de liquidação, valor de liquidação forçada, outro valor)? e. Como avaliar e tratar o valor das benfeitorias, máquinas e equipamentos averbados ou não ao registro da matrícula? f. Se uma mesma matrícula cobrir múltiplas operações, como seu valor deve ser distribuído entre elas? g. Se múltiplas matrículas cobrirem a mesma operação, qual ordem de precedência deve ser seguida? h. Uma vez alocadas às operações, como as garantias de bens imóveis devem ser contabilizadas? i. Qual o processo de baixa da garantia, uma vez a operação liquidada? Figura 3 - Algumas questões acerca do tratamento das garantias de bens imóveis Relacionamos na tabela abaixo essas questões com as áreas do banco que precisam ser envolvidas para tomada de decisão. Análise de Crédito Risco Analistas de Campo Formalização Contabilidade Jurídico a. b. c. d. e. f. g. h. i. TI Figura 4 - Áreas do banco a serem envolvidas para tomada de decisão Boa Prática #7: Exija um Modelo Flexível para o Relatório de Suficiência Para aqueles bancos que estiverem preocupados com a precisão das informações disponíveis, em tempo real, sobre a suficiência das garantias (veja a Boa Prática #1), o relatório de suficiência das garantias será um dos principais entregáveis do programa, senão o principal. Como tal, deverá ser desenhado com os cuidados necessários para que apresente as informações certas, no nível de detalhe certo (menor ou maior), para as áreas que irão o consultar. No mais alto nível, a relação de suficiência das garantias deve ser apresentada em agrupamentos de clientes que façam sentido para Boa Prática #7: Exija um Modelo Flexível para o Relatório de Suficiência 7

9 o banco, como portfólios ou grupos econômicos. E, para cada cliente, deve ser possível visualizar a suficiência das garantias (excesso ou deficiência) nos mesmos níveis de detalhe nos quais as garantias exigidas são definidas: estamos falando, tipicamente, de agrupamento por linha de crédito, contrato e desembolso. É importante enfatizar que a apresentação do nível de suficiência das garantias ao nível do desembolso não basta as áreas usuárias precisam de informações consolidadas também. No caso das garantias exigidas referenciadas ao valor da dívida (como, por exemplo, um penhor agrícola composto de múltiplas safras, cada uma cobrindo uma determinada parcela de reembolso), a informação de suficiência deverá aparecer no relatório detalhado ao nível da parcela de reembolso. Vemos que uma grande flexibilidade é necessária no layout escolhido para o relatório. Tecnologias igualmente flexíveis deverão ser selecionadas para implementá-lo e mantê-lo. Seguem alguns pontos adicionais a serem ponderados durante a especificação do layout do relatório de suficiência das garantias: Em qual (quais) moeda(s) os dados monetários devem ser apresentados? Como apresentar exigências opcionais de garantias (por exemplo: penhor agrícola ou penhor pecuário)? Como apresentar exigências compostas de garantias (por exemplo: valor exigido de 150% do outstanding podendo ser constituído por uma mistura de hipoteca e alienação fiduciária de máquinas e equipamentos, sendo que a hipoteca deve compor pelo menos 120% do valor da garantia)? Relembramos, como vimos na Boa Prática #5, que o uso de convenções e de uma linguagem unificada entre as áreas de negócio é crucial para a correta interpretação das informações apresentadas no relatório de suficiência das garantias. Boa Prática #8: Considere Desde Cedo os Motores de Simulação Que Irá Precisar O sistema de gestão das garantias não deve apenas permitir acompanhar a suficiência das garantias constituídas ao longo do tempo, mas deve servir também como referência para responder às perguntas como o que acontece se...?, que as diversas áreas envolvidas na gestão das garantias ao longo do seu ciclo de vida enfrentam no seu dia-a-dia. A exclusão, ou a omissão, da capacidade de simulação do escopo do trabalho irá enfraquecer os benefícios do sistema e gerar frustração do lado dos usuários. Seguem algumas ideias de simuladores que possa querer considerar no seu programa de gestão de garantias bancárias: Simulador de Desembolso: Considerando as garantias atualmente constituídas pelo cliente, qual valor adicional pode ser desembolsado? Simulador de Garantia: Qual garantia adicional o cliente precisa constituir para poder desembolsar um determinado valor? Boa Prática #8: Considere Desde Cedo os Motores de Simulação Que Irá Precisar 8

10 Simulador de Vistoria: Considerando os dados coletados no campo, quais conclusões o analista vistoriador pode tirar sobre a suficiência da garantia em questão (extremamente útil para escrever o laudo de vistoria)? Boa Prática #9: Selecione Seu Parceiro Tecnológico com Carinho Após o levantamento das necessidades do banco, invariavelmente será confrontado com o mesmo dilema que ocorre em todos os programas de mudança: o sistema de gestão das garantias deve ser adquirido ou desenvolvido a partir do zero? Uma solução totalmente customizada se impõe quando os processos de negócio a serem suportados pelo sistema são, por assim dizer, exóticos. Mesmo assim, recomendamos que os pacotes de software existentes no mercado sejam criteriosamente avaliados, talvez usando como referência para comparação frente a uma solução personalizada. A avaliação técnica das diversas alternativas irá apontar o seu grau de aderência às necessidades do banco. Para obter todos os insumos necessários a tomada de decisão, será necessário avaliar outras dimensões não técnicas: a própria empresa fornecedora, sua base de clientes; a equipe dedicada ao produto de gestão do risco de crédito/garantias bancárias; o custo da solução; as modalidades de suporte oferecidas, entre outras. Cada dimensão deve ser desdobrada em critérios de avaliação mais granulares, de forma a atribuir notas objetivas para cada alternativa considerada. A tabela abaixo é um exemplo simplificado de matriz de avaliação: Dimensões de Avaliação Empresa Fornecedora 10% Base de Clientes 10% Equipe de Produto 10% Aderência às Necessidades do Banco (Avaliação Técnica) Peso Total Critérios de Avaliação Peso 40% Custo da Solução 20% Modalidades de Suporte 10% Robustez financeira Investimentos em P&D Parcerias estratégicas Foco no cliente Cases e referências Clientes no mesmo segmento Headcount Estabilidade Capacitação Necessidade #1 Necessidade #2 Necessidade #3 Necessidade #4 Custo de licença Custo de manutenção Custo de implantação Equipe de suporte Níveis de serviço Horários de suporte Figura 5 - Exemplo simplificado de matriz de avaliação de fornecedor Baixo Baixo Boa Prática #9: Selecione Seu Parceiro Tecnológico com Carinho 9

11 Os pesos das dimensões e dos critérios de avaliação deverão ser determinados em comum acordo entre os stakeholders envolvidos, refletindo os imperativos estratégicos do programa. Boa Prática #10: Dicas de Implementação Terminamos este artigo com duas dicas relacionadas à execução propriamente dita do programa: O esforço de testes deve ser dimensionado adequadamente e planejado com antecedência. Considerando a complexidade dos processos e sistemas de gestão de garantias, o risco de desvio na entrega é grande, tenha o banco optado por um pacote do mercado ou por um desenvolvimento a partir do zero. Um esforço estruturado e bem planejado de testes irá mitigar este risco, evitando o desperdício do tempo dos usuários com a homologação de entregas deficientes. Avalie o mais cedo possível a qualidade de seus dados existentes. Contar com a possibilidade de usar os dados cadastrais de matrículas, por exemplo, nos modelos das hipotecas pode gerar frustração mais adiante se esses dados não estiverem estruturados com o nível de atomicidade necessário para aproveitá-los (campos separados para o número da matrícula, o município, a área de reserva legal, o beneficiário e o valor de quaisquer ônus externos, etc.). Muitas vezes os dados vêm em um gigantesco campo de Observações, o que impossibilita seu uso pelo sistema de garantias. Se tiver necessidade de contratar recursos para digitar as informações, em campos estruturados no sistema de gestão das garantias, o valor correspondente deve ser previsto no orçamento do programa. Sobre a Newstart Consultoria A Newstart Consultoria ajuda seus clientes a gerenciar melhor seu risco de crédito, especificamente através da implementação de melhores práticas de gestão das garantias bancárias. Engajamos junto aos nossos clientes em iniciativas de gestão dos riscos e projetos de transformação, combinando uma abordagem estruturada de consultoria e conhecimentos especializados e comprovados na área de garantias bancárias. Nossos serviços abrangem o ciclo de vida inteiro das garantias, desde a análise de crédito até a baixa ou a execução da garantia. Trabalhamos na implementação de melhores práticas, na definição do modelo operacional alvo e na implantação de políticas, processos e tecnologias. Desenvolvemos ferramentas que visam acelerar os projetos e prover os clientes com insumos racionais para tomada rápida de decisão. O leque de tipos de garantias nos quais temos expertise é amplo e inclui hipotecas, alienações fiduciárias de imóveis, penhores e alienações fiduciárias de máquinas e equipamentos, avais, fianças, fianças bancárias, penhores agrícolas, pecuários e mercantis, CPR, CDA/WA, contratos de exportação, penhores e alienações de títulos, cessões de contratos, cessões de recebíveis, etc. Para solicitar maiores informações, favor entrar em contato com o Youssef Bouguerra através do endereço de Boa Prática #10: Dicas de Implementação 10

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Risco de Crédito. Risco de Crédito. 1. Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Risco de Crédito. Risco de Crédito. 1. Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito 1. Estrutura de Gerenciamento de Em observância à resolução 3.721/2009 do Banco Central do Brasil, o Banco GMAC S.A, doravante denominado Chevrolet Serviços Financeiros, instituiu sua estrutura de gerenciamento

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de Aula 02 1 2 O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de alcançar melhor desempenho, melhores resultados

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013 Gerenciamento de riscos na implantação de empreendimentos imobiliários residenciais no atual cenário de desvios de prazos e

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA. Renda Fixa. Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA

Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA. Renda Fixa. Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio Viabiliza o financiamento da cadeia do agronegócio com recursos privados O produto

Leia mais

MBA: Master in Project Management

MBA: Master in Project Management Desde 1968 MBA: Master in Project Management Projetos e Tecnologia da Informação FMU Professor: Marcos A.Cabral Projetos e Tecnologia da Informação Professor Marcos A. Cabral 2 Conceito É um conjunto de

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO PROVA DE CONHECIMENTO SOBRE O MR-MPS-SV 10/12/2012 4 HORAS DE DURAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO PROVA DE CONHECIMENTO SOBRE O MR-MPS-SV 10/12/2012 4 HORAS DE DURAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO PROVA DE CONHECIMENTO SOBRE O MR-MPS-SV 10/12/2012 4 HORAS DE DURAÇÃO EMAIL: (DEIXAR EM BRANCO) RESULTADO Q1 (0,5) Q2 (0,5) Q3 (1,0) Q4 (1,0) Q5 (1,0) TOTAL (10,0) Q6 (1,0) Q7 (2,0) Q8 (1,0) Q9 (1,0) Q10

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Índice. Empresa Soluções Parceiros Porque SEVEN? Contatos. Rua Artur Saboia, 367 Cj 61 São Paulo (Brasil)

Índice. Empresa Soluções Parceiros Porque SEVEN? Contatos. Rua Artur Saboia, 367 Cj 61 São Paulo (Brasil) Company Profile Índice Empresa Soluções Parceiros Porque SEVEN? Contatos Rua Artur Saboia, 367 Cj 61 São Paulo (Brasil) Missão A SEVEN Consultoria Tecnologia è uma empresa na área da Tecnologia e Informação

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor 1. Em relação ao módulo para Atribuição de Limites, entendemos que Banco do Brasil busca uma solução para o processo de originação/concessão de crédito. Frente a essa necessidade, o Banco do Brasil busca

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento Aumente a eficiência de seu negócio O Versa é um poderoso software de gestão de negócios para editoras, distribuidoras e livrarias. Acessível e amigável, o sistema foi desenvolvido especificamente para

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem Professional Folheto Professional A HP oferece um portfólio abrangente de serviços profissionais em nuvem para aconselhar, transformar e gerenciar sua jornada rumo

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO João Souza Neto, Dr. joaon@ucb.br Diana L. N. dos Santos, MSc. dianas@mpdft.mp.br www.twitter.com/govtiapf http://govtiapf.com.br/blog/ Agenda Relacionamento

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS CICLO DE VIDA DE PROJETOS (viabilidade até a entrega / iniciação ao encerramento) RELEVÂNCIA SOBRE AS AREAS DE CONHECIMENTO FATORES IMPACTANTES EM PROJETOS

Leia mais

PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0

PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0 PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0 Banco Central do Brasil, 2015 Página 1 de 14 Índice 1. FLUXO DO PEN - PROCESSO DE ENTENDIMENTO DAS NECESSIDADES DE NEGÓCIO... 3 2.

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Liquidez

Gerenciamento de Riscos Risco de Liquidez Gerenciamento de Riscos Risco de Liquidez 5. Risco de Liquidez O Risco de Liquidez assume duas formas distintas, porém intimamente relacionadas: risco de liquidez de ativos ou de mercado e risco de liquidez

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

QUESTIONAMENTO 02. 2. Por favor detalhar os tipos de garantias e outros mitigadores de risco de crédito utilizados.

QUESTIONAMENTO 02. 2. Por favor detalhar os tipos de garantias e outros mitigadores de risco de crédito utilizados. QUESTIONAMENTO 02 1. O anexo 3 apresenta volumes de contratos, mas não de exposições. Qual é o volume em estoque de exposições e mitigadores de risco em um determinado mês? Resposta: O volume em estoque

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais