Engenharia de Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engenharia de Software"

Transcrição

1 Engenharia de Software 21 Engenharia de Software 22.1 Enquadramento O software é conhecimento incorporado e, como esse conhecimento está inicialmente disperso, tácito, latente e, em larga medida, incompleto, o desenvolvimento de software é um processo de aprendizagem social [Baetjer, 1998], um diálogo em que o conhecimento que se deve transformar em software é reunido e incorporado no sistema. O processo fornece interacção entre utilizadores e engenheiros de sistemas, entre utilizadores e tecnologia (ferramentas evolutivas), e entre engenheiros de sistemas e tecnologia. Na realidade, desenvolver software é um processo de aprendizagem iterativo e o resultado é uma corporização de conhecimento recolhido, destilado e organizado à medida que o processo é conduzido. Um projecto de software apresenta duas dimensões fundamentais: engenharia de software e gestão do projecto. A dimensão da engenharia trata da construção de software e centra-se nas questões técnicas como desenhar, codificar, testar, etc. A dimensão da gestão do projecto trata do modo de planear e controlar adequadamente, não apenas as actividades de engenharia, como igualmente as interacções com todos os stakeholders clientes, fornecedores, equipa, sponsors, gestores funcionais, etc., de modo a cumprir os objectivos do projecto em termos de âmbito, custo, prazo e qualidade. Se um projecto for pequeno digamos, uma equipa de 1 ou 2 pessoas a trabalhar durante 2 ou 3 semanas, poderá ser executado de um modo algo informal. O plano do projecto poderá ser um correio electrónico ( ) especificando a data de entrega e, eventualmente, alguns marcos (milestones) intermédios. Os requisitos poderão ser comunicados através de uma nota, ou mesmo verbalmente, e os produtos intermédios por exemplo, documentos do desenho poderão ser elaborados em computadores portáteis pessoais. No entanto, estas técnicas informais não são aplicáveis a projectos de maior dimensão, em que podem trabalhar muitas pessoas por um período de vários meses a situação mais comum na maioria dos projectos de software comercial. Nesses projectos, cada tarefa de engenharia deve ser cuidadosamente elaborada seguindo metodologias bem testadas e os produtos intermédios devem ser adequadamente documentados, de modo a poderem ser revistos por outras pessoas. As tarefas do projecto devem ser cuidadosamente planeadas e distribuídas, e depois monitorizadas à medida que o projecto é executado. Por outras palavras, para executar com sucesso projectos maiores é importante aumentar a formalidade e o rigor ao longo destas duas dimensões. A formalidade exige o uso de processos bem definidos para a realização das várias tarefas, de modo a que o resultado se torne mais dependente da aptidão do processo FCA Editora de Informática 321

2 Gestão de Projectos de Software (process capability). O emprego de abordagens quantitativas no processo, através do uso de métricas adequadas, permite melhorar a formalidade. Mas o que é um processo? Tecnicamente, um processo para uma tarefa compreende uma sequência de passos, que deverão ser seguidos para executar essa tarefa. Quando trabalhamos para construir um produto, ou sistema, é importante seguir uma série de passos previsíveis um roteiro que nos ajude a criar um resultado oportuno e de elevada qualidade. Deste modo, na engenharia de software, um processo é mais do que uma sequência de passos ele encapsula aquilo que engenheiros e gestores de projecto aprenderam acerca da execução de projectos de sucesso. Através do processo, os benefícios da experiência são conferidos a todos os indivíduos, incluindo os recém- -chegados à organização. No contexto deste livro, a expressão processo designa uma estrutura ou modelo para as tarefas exigidas na construção de um sistema de software de elevada qualidade 90. O processo é adaptado pelo gestor de projecto e pelos engenheiros de software, de acordo com as suas necessidades. Quem pediu o software tem igualmente um papel a desempenhar no processo de desenvolvimento. Ao nível de detalhe, o processo adoptado depende do tipo de software que se está a construir. Um dado processo poderá ser adequado para a criação de software para um sistema de pilotagem de uma aeronave, ao passo que se exige um processo totalmente diferente para o desenvolvimento de um website. Como é que podemos saber que fizemos a escolha certa? Existe um certo número de mecanismos de avaliação do processo, que habilitam as organizações a determinar a maturidade do seu processo de software. No entanto, os melhores indicadores da eficácia do processo utilizado são a qualidade, oportunidade e viabilidade de longo prazo do produto construído Visão Global do Desenvolvimento de Software A engenharia consiste na análise, desenho, construção, verificação e gestão de entidades técnicas (ou sociais). Independentemente da entidade alvo do processo de engenharia, é necessário colocar um conjunto de questões e obter respostas para elas [Pressman, 2000]: Qual é o problema a ser resolvido? Quais são as características da entidade que é usada para resolver o problema? Como é que a entidade (e a solução) vai ser conhecida? Como é que a entidade vai ser construída? Que abordagem será usada para descobrir os erros cometidos no desenho e construção da entidade? 90 Ver Glossário. 322 FCA Editora de Informática

3 Engenharia de Software Como é que a entidade irá ser suportada no longo prazo, quando forem solicitadas correcções, adaptações e melhorias pelos utilizadores da entidade? Neste livro concentramo-nos numa única entidade o software. Para desenvolver software de forma adequada, é necessário definir um processo de engenharia. Neste ponto, vamos considerar as características genéricas de qualquer processo de desenvolvimento. Mais adiante neste capítulo, falar-se-á de modelos de processo específicos Fases do Desenvolvimento O trabalho associado à engenharia do software pode ser dividido em três fases genéricas, independentemente do domínio aplicacional, da dimensão e da complexidade do projecto. Cada uma dessas fases trata uma, ou mais, das questões enunciadas atrás. A fase de definição concentra-se em o quê. Isto é, durante a fase de definição o engenheiro de sistemas procura identificar a informação a ser processada, as funções e desempenho pretendidos, o comportamento expectável para o sistema, as interfaces a estabelecer, as restrições ao desenho e os critérios de validação exigidos para definir um sistema de sucesso. São identificados os requisitos chave e do software. Embora os métodos aplicados durante a fase de definição variem de acordo com o paradigma (ou combinação de paradigmas) da engenharia de software aplicado, três grandes tarefas ocorrem do mesmo modo: A engenharia de sistemas ou de informação; O planeamento do projecto de software; A análise de requisitos. A fase de desenvolvimento concentra-se no como. Isto é, durante o desenvolvimento o engenheiro de software procura definir o modo como os dados estão estruturados; as funções vão ser implementadas numa arquitectura de software; as interfaces irão ser caracterizadas; o desenho irá ser traduzido numa linguagem de programação (ou numa linguagem não procedimental) e os testes irão ser realizados. Os métodos aplicados durante a fase de desenvolvimento variam, embora devam ocorrer sempre três tarefas de cariz técnico: O desenho do software; A codificação; Os testes do software. A fase de suporte concentra-se na correcção de erros e nas adaptações necessárias para acompanhar a evolução do software e do negócio do cliente. Durante a fase de suporte é possível encontrar quatro tipos de alterações [Pressman, 2000]: Correcções mesmo que se implementem as melhores actividades de garantia da qualidade, há sempre uma possibilidade de o cliente/utilizador descobrir defeitos no software. A correcção desses defeitos é efectuada durante a actividade de manutenção correctiva; FCA Editora de Informática 323

4 Gestão de Projectos de Software Adaptações o ambiente original para o qual o software foi desenvolvido (processador, sistema operativo, regras do negócio, características externas do produto, etc.) é passível de alterações, ao longo do tempo. A modificação do software para acomodar alterações no ambiente externo é realizada pela actividade de manutenção adaptativa; Melhorias à medida que o software é utilizado, o cliente/utilizador reconhece funções adicionais que lhe irão fornecer benefícios. A manutenção evolutiva estende as funcionalidades do software para além dos requisitos funcionais originais; Prevenção como o software se deteriora com as alterações que lhe vão sendo introduzidas, é necessário efectuar uma manutenção preventiva que permita ao software servir as necessidades dos seus utilizadores finais. Em essência, a manutenção preventiva efectua alterações aos programas, de modo a que eles sejam mais facilmente alterados, adaptados e melhorados. Para além destas actividades de suporte, os utilizadores de software exigem um suporte continuado. É frequente a implementação de assistentes técnicos, help desks telefónicos e websites específicos da aplicação, como parte desta base de suporte. É igualmente frequente a realização entre 6 e 9 meses após a o início da operação de uma auditoria pós-implementação, para verificar se o sistema de software satisfaz todos os requisitos e expectativas que presidiram à sua concepção e desenvolvimento. A Figura 22.1 mostra como as várias fases genéricas enunciadas se sucedem, do ponto de vista da engenharia do software. Actualmente, uma crescente população de sistemas administrativos herdados pelas empresas denominados, na literatura anglo-saxónica, de legacy systems 91 está a forçar muitas companhias a empreenderem estratégias de reengenharia de software. A reengenharia de software, num sentido global, é considerada, muitas vezes, como parte da reengenharia de processos empresariais [Dickinson, 1995]. As fases e tarefas associadas, descritas na visão global do processo de desenvolvimento de software, são complementadas por um conjunto de actividades envolventes, que incluem: Gestão do risco; Gestão da qualidade; Gestão da configuração; Monitorização e controlo do projecto; Revisões formais; Preparação e produção da documentação. 91 Ver Glossário. 324 FCA Editora de Informática

5 Engenharia de Software Definição Engenharia Preparar dados de teste Análise de requisitos Desenvolvimento Preparar instalação do software Codificação Testes Instalação Auditoria pós- -implementação Suporte Operação Figura 22.1 Fases genéricas do desenvolvimento de software Modelo Genérico do Processo de Desenvolvimento Um processo de desenvolvimento de software pode ser caracterizado como se mostra na Figura Estrutura comum do processo de desenvolvimento Actividades envolventes Actividades de estrutura Conjuntos de tarefas Tarefas de engenharia de software Marcos e produtos Pontos de garantia da qualidade Figura 22.2 O processo de desenvolvimento de software Adaptado de: [Pressman, 2000]. FCA Editora de Informática 325

6 Gestão de Projectos de Software Ao definir-se um pequeno número de actividades que são aplicáveis a todos os projectos de software, independentemente da respectiva dimensão e complexidade, estabelece-se uma estrutura comum do processo de desenvolvimento: Conjuntos de tarefas (task sets) cada conjunto é composto por tarefas de engenharia de software, milestones do projecto, produtos intermédios e pontos de garantia da qualidade, que permitem a adaptação das actividades de estrutura às características do projecto de software e aos requisitos da equipa de projecto; Actividades envolventes, como a garantia da qualidade do software, a gestão da configuração do software e as medidas envolvem o modelo de processo. Estas actividades são independentes de qualquer das actividades da estrutura e ocorrem ao longo de todo o processo. Deve seleccionar-se uma estrutura de processo comum que esteja sintonizada com o produto, com as pessoas e com o projecto. Nos anos mais recentes, tem havido uma ênfase significativa na maturidade do processo. O SEI desenvolveu um modelo abrangente baseado num conjunto de capacidades de engenharia do software que devem estar presentes à medida que as organizações atingem diferentes níveis de maturidade do processo do software. Para determinar o estado actual de maturidade do processo de qualquer organização, o SEI usa um mecanismo de avaliação que resulta num esquema de graduação com cinco pontos. Este esquema determina o ajustamento com o CMMI. No Capítulo 2 este assunto foi tratado com o necessário detalhe Modelos de Desenvolvimento Clássicos O objectivo de um modelo do processo de desenvolvimento é proporcionar, ao projecto, uma estrutura que reduza os riscos [Miguel, 2002b]. Um projecto sem estrutura é impossível de gerir não pode ser planeado, não pode ser estimado, não pode ter marcos definidos, o seu progresso não pode ser monitorizado e não podem ser feitas quaisquer promessas, ao cliente, sobre o seu custo, ou a sua qualidade. Um modelo do processo fornece uma estrutura, desenhada com o objectivo de reduzir o risco e a incerteza, e de aumentar a governabilidade do processo de desenvolvimento. Projectos diferentes possuem requisitos distintos. Se estivermos a desenvolver um pacote de software, o processo a seguir será distinto do usado para desenvolver um produto específico destinado a um cliente concreto. Existirão, evidentemente, similaridades subjacentes nos dois processos, mas as diferenças são suficientemente grandes para justificar uma distinção entre os dois tipos de desenvolvimento. Todos os riscos ultrapassar o orçamento, produzir o sistema errado, produzir um sistema que nunca funcione advêm da incerteza, ou da falta de conhecimento, sobre o sistema a ser desenvolvido. No entanto, quando empreendemos um projecto de desenvolvimento de software, queremos garantir que a exposição aos vários tipos de riscos é mantida a um nível considerado aceitável. O paradigma seguido para o desenvolvimento de software o modelo do processo de desenvolvimento deve, por 326 FCA Editora de Informática

7 Engenharia de Software isso, ter em consideração o grau de incerteza presente no início e dar ao projecto uma estrutura que reduza os riscos ou custos de possíveis falhas. Um modelo do processo de desenvolvimento a adoptar engloba os processos, métodos, ferramentas e fases genéricas descritos no início deste capítulo. A escolha de um modelo é baseada na natureza do projecto e da aplicação, nos métodos e ferramentas a serem utilizados e nos produtos e controlos exigidos. É possível caracterizar qualquer desenvolvimento de software como um anel de resolução de problemas (Figura 22.3), constituído por quatro fases: Descrição da situação actual; Definição do problema (identificação do problema concreto a resolver); Desenvolvimento da solução (aplicação de uma dada tecnologia para resolver o problema); Implementação da solução (entrega da solução a quem a solicitou). Definição do problema Situação actual Desenvolvimento da solução Implementação da solução Figura 22.3 Anel de resolução de um problema As fases genéricas do desenvolvimento de software enunciadas no ponto ajustam- -se facilmente a estas fases da resolução de problemas. Nos pontos seguintes deste capítulo irão descrever-se resumidamente os principais modelos do processo de desenvolvimento Modelo em Cascata A primeira abordagem ao desenvolvimento de software foi apresentada, em Agosto de 1970, por Winston Royce, na conferência do WESCON 93 [Royce, 1970]. 93 Convenção anual, de carácter científico, patrocinada pela IEEE. FCA Editora de Informática 327

8 Gestão de Projectos de Software Este modelo de processo, conhecido vulgarmente por modelo em cascata (Figura 22.4), propõe uma abordagem sistemática, linear e sequencial ao desenvolvimento de software. Embora neste modelo estivessem previstos feedback loops, representados pelas setas a tracejado da Figura 22.4, a grande maioria das organizações que o aplicam tratam-no de forma estritamente linear. Requisitos do utilizador Requisitos do software dos programas Codificação Testes Operação Figura 22.4 Modelo de processo em cascata Segundo este modelo, o desenvolvimento de software é constituído por um conjunto de actividades executadas de forma sequencial e sistemática, que se iniciam ao nível do sistema de informação (requisitos do utilizador) e prosseguem com as fases de requisitos do software, desenho, desenho dos programas, codificação, testes e operação (onde se processa o suporte). Vamos analisar cada uma das fases propostas pelo modelo: Requisitos do utilizador Requisitos do software Trata-se de uma fase fundamentalmente de engenharia e modelação do sistema de informação empresarial. O software é sempre um subconjunto de um conjunto (sistema) maior; por isso, o trabalho inicial consiste no estabelecimento das necessidades e requisitos globais de informação da organização e na subsequente atribuição de um subconjunto ao software. Estamos a falar de planeamento estratégico de sistemas de informação. O processo de determinação dos requisitos é, de seguida, intensificado, concentrando-se especificamente no software a construir. É necessário que os engenheiros de sistemas (analistas) compreendam bem o domínio aplicacional nas suas diversas vertentes informação, funções, comportamento, desempenho e interfaces. Esta fase, denominada igualmente de desenho lógico, visa modelar uma solução de um modo independente da tecnologia, isto é, baseada nas funções a informatizar e não na tecnologia em que o sistema será implementado. Inclui os modelos dos processos e dos dados. 328 FCA Editora de Informática

9 Engenharia de Software dos programas Codificação Testes Operação Esta fase, designada também por desenho físico, visa modelar a solução tecnológica para o problema e é um processo com múltiplos passos, que se concentra em quatro atributos de um programa de software estrutura dos dados, arquitectura do software, interfaces e algoritmos. O desenho dos programas traduz os requisitos num modelo de software cuja qualidade pode ser avaliada antes de se proceder à codificação. O desenho físico tem de ser traduzido para uma linguagem própria da máquina. Se o desenho dos programas for suficientemente detalhado e for usada uma ferramenta I-CASE 94, é possível gerar o código de uma forma automática (mediante geradores de código). Os testes iniciam-se após o código ter sido escrito. Os testes concentram-se na lógica interna do software (programas bem feitos?) e nas funções externas (satisfazem os requisitos do utilizador?). Após ser aceite pelo utilizador, o software tem de ser instalado no ambiente operacional para que foi construído. No entanto, após a instalação haverá sempre lugar a alterações ao software, devido quer a erros que passaram na malha dos testes, quer a alterações ao ambiente de negócio que o software visa servir, quer a alterações no ambiente tecnológico subjacente (hardware, sistema operativo, etc.). Essas alterações são efectuadas no âmbito do suporte e manutenção ao sistema, após a instalação. Este modelo é o mais amplamente utilizado na engenharia do software 95. No entanto, é alvo de algumas críticas: Não reconhece explicitamente a necessidade de revisão, isto é, retornar a fases anteriores e refazer coisas, à luz da informação obtida durante o desenvolvimento informação acerca daquilo que o utilizador quer, como o desenho se deve comportar, como o Sistema de Gestão de Bases de Dados (SGBD) deve ser usado, etc.; Durante o desenvolvimento, têm de ser tomadas muitas decisões, que podem conduzir a um certo número de caminhos e resultados possíveis. O modelo simples não reconhece isto. Por exemplo, dependendo da análise dos requisitos do cliente, pode decidir-se por uma de três alternativas: Desenvolver o sistema, de raiz; Refazer um sistema existente; Adquirir um pacote de software que forneça a maioria das funcionalidades exigidas Ver Glossário. Algumas metodologias de desenvolvimento de sistemas, como a reputada Structured Systems Analysis and Design (SSADM) desenvolvida para o governo britânico, têm subjacente este modelo de processo. FCA Editora de Informática 329

10 Gestão de Projectos de Software Esta simples decisão pode ter três resultados substancialmente diferentes; É muitas vezes difícil ao cliente/utilizador expressar, de forma explícita, todos os seus requisitos. O modelo em cascata, por ser sequencial e linear, tem dificuldade em acomodar a incerteza existente no início da maioria dos projectos; O utilizador tem de esperar, por vezes bastante tempo, até lhe ser entregue uma versão operacional de software. O actual ritmo de mudança dos negócios não é compatível com esse compasso de espera (quando o sistema é disponibilizado, há o sério risco de os requisitos iniciais se terem alterado substancialmente). Embora cada um destes argumentos seja bem real, este modelo de processo constituiu um feito notável para a época e ajudou a dar uma estrutura ao desenvolvimento do software, servindo ainda hoje o seu objectivo, em muitos aspectos Modelo em V O modelo em V do processo de desenvolvimento foi desenvolvido originalmente na Alemanha, em 1989, pela empresa tecnológica alemã IABG 96, por encomenda do Departamento Federal de Tecnologia e Aquisições para a Defesa da Alemanha. Actualmente, está consubstanciado num modelo de processo de desenvolvimento de software ao nível da Comissão Europeia denominado Euromethod 97. À semelhança do paradigma anterior, este modelo encara o desenvolvimento de software como um processo sequencial, constituído por duas grandes etapas (ou duas pernas, como num V) a etapa de especificação e a etapa de verificação e validação. A Figura 22.5 mostra esquematicamente este modelo 98. Etapa de especificação Especificação de requisitos Especificação detalhado Plano de testes de aceitação Plano de testes de integração Plano de testes de integração de subsistemas Codificação e testes de módulos e unidades Sistema operacional Testes de aceitação Testes de integração Testes de integração de subsistemas Etapa de verificação e validação Figura 22.5 Modelo em V do processo de desenvolvimento de software Em [Miguel, 2002b] pode ver-se uma descrição mais detalhada deste modelo. 330 FCA Editora de Informática

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Modelo Cascata ou Clássico

Modelo Cascata ou Clássico Modelo Cascata ou Clássico INTRODUÇÃO O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem top-down, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral Tópicos 2 3 Engenharia de Software: Uma Visão Geral SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 A importância do Software Software Aplicações

Leia mais

Um Modelo de Gestão de Projectos

Um Modelo de Gestão de Projectos 3 Um Modelo de Gestão de Projectos 3.1 Fases do Modelo de Gestão de Projectos Dois reputados consultores e investigadores em gestão de projectos de software Joseph Weiss e Robert Wysocki descobriram que

Leia mais

Características do Software

Características do Software Questionamentos Por que tanta demora para entregar? Por que os prazos se atrasam? Por que os custos são altos? Por que não achar todos os erros antes de entregar? Por que dificuldade em medir o progresso

Leia mais

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues Modelo De Desenvolvimento De Software É uma representação abstrata do processo de desenvolvimento que define como as etapas relativas ao desenvolvimento de software serão conduzidas e interrelacionadas

Leia mais

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1 r Indice Introdução.......................................... 1 Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos 1- Características da Gestão de Projectos 11 1.1 Definição de Projecto 11 1.2 Projectos e Estratégia

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processos de software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Processo Um processo é uma série de etapas envolvendo actividades, restrições e

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processos de software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Processo Um processo é uma série de etapas envolvendo actividades, restrições e

Leia mais

PROFESSOR: CRISTIANO MARIOTTI

PROFESSOR: CRISTIANO MARIOTTI PROFESSOR: CRISTIANO MARIOTTI Conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto de software; Considerado um dos principais mecanismos para se obter software de qualidade

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É UM ALGORITMO? É qualquer procedimento computacional bem definido que informa algum valor ou conjunto de valores como entrada

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento Desenvolvimento Iterativo Esta abordagem ao desenvolvimento assegura que o sistema cresce de forma incremental assegura que a complexidade se mantém controlada permite ainda obter rápido feedback de várias

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 8 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 8-17/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software (Caps. 13 e 14 do

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas Sumário Introdução Joaquim Filipe João Ascenso Engenharia de Software 2005/06 EST, Setúbal Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas 2

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

SI Sistema de Informação Anexo 4

SI Sistema de Informação Anexo 4 onselho oordenador omo implementar? No actual quadro da dministração Pública torna-se necessário avaliar o desempenho dos serviços, o que implica, para os gestores públicos, desenvolver (os seus) sistemas

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 2

Processos de Desenvolvimento de Software. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 2 Processos de Desenvolvimento de Software Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 2 A Engenharia de Software Uma Tecnologia em Camadas ferramentas métodos processo foco na qualidade

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 2 Semana - Paradigmas e Processo de Software : Abrangência possui 3 elementos fundamentais: métodos: como fazer ferramentas:

Leia mais

Introdução 1 1. Enquadramento 5

Introdução 1 1. Enquadramento 5 r Indice Introdução 1 1. Enquadramento 5 l.1. Velhos e Novos Paradigmas na Gestão de Projectos 5 1.1.1. Novo Ambiente de Negócios 6 l.l.2. Problemas da Gestão de Projectos Tradicional.. 10 1.1.3. A Moderna

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão,qwurgxomrj(qj GH5HTXLVLWRV. Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville

Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão,qwurgxomrj(qj GH5HTXLVLWRV. Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão,qwurgxomrj(qj GH5HTXLVLWRV Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville 1 Objectivos Introduzir as noções requisitos de sistema e processo

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Software Evolução do Software Engenharia de Software Modelo Espiral Software Software Definição Conjunto de instruções que manipulam estruturas de dados (informação) Composição

Leia mais

Modelo Cascata. Alunos: Bruno Nocera Zanette Pedro Taques

Modelo Cascata. Alunos: Bruno Nocera Zanette Pedro Taques Modelo Cascata Alunos: Bruno Nocera Zanette Pedro Taques Principais Características Gerenciamento Simples das etapas Também conhecido como "Ciclo de Vida Clássico", sugere uma abordagem sistemática e sequencial

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais

Análise e Concepção de Sistemas de Informação

Análise e Concepção de Sistemas de Informação Análise e Concepção de Sistemas de Informação Projecto Versão 2.0 amazon.com 2005-2006 1. Introdução O presente documento tem como objectivo apresentar o enunciado do projecto de ACSI 2005-2006. O projecto

Leia mais

Engenharia de Software LEIC/LERC, 3 o Ano, 2 o Semestre, Ano lectivo de 2009/2010

Engenharia de Software LEIC/LERC, 3 o Ano, 2 o Semestre, Ano lectivo de 2009/2010 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Engenharia de Software LEIC/LERC, 3 o Ano, 2 o Semestre, Ano lectivo de 2009/2010 Segundo Exame 16 de Julho de 2010, 9:00H 11:30H (Versão A) Nome:

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Slide 05 Modelos de Processos Maurício Archanjo Nunes Coelho mauricio.coelho@ifsudestemg.edu.br Instituto Federal Análise de Sistemas Por que surgiu a Engenharia de Software? Resposta

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Processo de software I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + O que é Engenharia de Software n Definição dada pela IEEE [IEE93]: n Aplicação de uma abordagem sistemática,

Leia mais

Engenharia de Software-2003

Engenharia de Software-2003 Engenharia de Software-2003 Mestrado em Ciência da Computação Departamento de Informática - UEM Profa. Dra. Elisa H. M. Huzita eng. de software-2003 Elisa Huzita Produto de Software Conceitos Software

Leia mais

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Verificação x validação Verificação prova que o produto vai ao encontro dos requerimentos especificados no desenvolvimento

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 3 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 3-29/04/2006 1 Monitoria Marina Albuquerque E-mail: monitoriaes2@yahoo.com.br Horário de Atendimento: Terça e quinta de 09:00

Leia mais

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Prof. Edison A. M. Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br Objetivo (1/1) Conceituar PROCESSO E CICLO DE VIDA, identificar e conceituar

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Engenharia de Software Parte I Introdução Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Mitos do Desenvolvimento de Software A declaração de objetivos é suficiente para se construir um software.

Leia mais

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico. " Crise do Software

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico.  Crise do Software Agenda Introdução a Engenharia de Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br http://www.ufpa.br/cdesouza! e Engenharia de! Engenharia de e Programação! Histórico " Crise do! No Silver Bullet! Fases Genéricas do

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

Informática II Cap. 3

Informática II Cap. 3 Cap. 3 1 Tradicionalmente, programar significava apenas a escrita de um programa, que resolvesse o problema pretendido de uma forma aparentemente correcta. Problema Problema Programa Programa Desvantagens:

Leia mais

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com Engenharia de Software: conceitos e aplicações Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com 1 Objetivos da aula Apresentar os conceitos de Engenharia de Software e explicar a sua importância.

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de VISEU. Escola Superior de Tecnologia

Instituto Superior Politécnico de VISEU. Escola Superior de Tecnologia 1 Tradicionalmente, programar significava apenas a escrita de um programa, que resolvesse o problema pretendido de uma forma aparentemente correcta. Problema Problema Programa Programa Desvantagens: Programas

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

SEMINÁRIOS AVANÇADOS GESTÃO DE PROJECTOS

SEMINÁRIOS AVANÇADOS GESTÃO DE PROJECTOS SEMINÁRIOS AVANÇADOS DE GESTÃO DE PROJECTOS 2007 Victor Ávila & Associados - Victor Ávila & Associados Centro Empresarial PORTUGAL GLOBAL, Rua do Passeio Alegre, nº 20 4150- Seminários Avançados de Gestão

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Mudanças das organizações e os SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n A mudança nos sistemas de informação das organizações é, ou deve ser, considerada

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes Soluções Web Centradas no Utilizador Ivo Gomes 1 Soluções Web Centradas no Utilizador Os interfaces gráficos foram desenvolvidos para dar controlo às pessoas sobre os seus computadores. Colmatar as necessidades

Leia mais

Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação

Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação 070112=SINFIC HM Processo Manutencao MSI.doc, Página 1 Ex.mo(s) Senhor(es): A SINFIC agradece a possibilidade de poder apresentar uma proposta

Leia mais

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 12 OBJETIVOS OBJETIVOS REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processo de Software Thiago P. da Silva thiagosilva.inf@gmail.com Agenda Revisando Engenharia de Software Engenharia de Sistemas Processo de software Fases Genéricas de Modelos de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Engenharia de Requisitos 2 - Conceitos Básicos da Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos 2 - Conceitos Básicos da Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos 2 - Conceitos Básicos da Engenharia de Requisitos Pedro Campos Professor Auxiliar, Universidade da Madeira http://dme.uma.pt/pcampos - pcampos@uma.pt 1 O que é a engenharia? A

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Parte I Requirement Engineering. Gestão de Projectos Informáticos. Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering.

Parte I Requirement Engineering. Gestão de Projectos Informáticos. Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering. Parte I Requirement Engineering Gestão de Projectos Informáticos Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering Introduzir as noções requisitos de sistema e processo de engª de requisitos

Leia mais

Projectos de Software

Projectos de Software Projectos de Software Patrícia Macedo Engenharia de Software 2005/2006 EST, Setúbal Gestão de Projecto Engenharia de Software 2 1 Estrutura de Conceitos Engenharia de Software 3 Estruturas das Equipas

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE Síntese de tópicos importantes PRESSMAN, Roger S. Conteúdo Componentes e tipos de software Problemas com o software e suas causas Mitologia que envolve o software Configuração de

Leia mais

Livraria dos Mestres

Livraria dos Mestres Gestão de Projectos Informáticos Livraria dos Mestres 3ª Entrega Empresa B Grupo nº 11 João Maurício nº 53919 Ricardo Carapeto nº 53942 Nuno Almeida nº 53946 Page 1 of 28 Índice 1. Sumário para a Gestão

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Engenharia de software A economia de todos os países desenvolvidos depende do software. O

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES A nova norma ISO 9001, na versão de 2008, não incorpora novos requisitos, mas apenas alterações para esclarecer os requisitos

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) 1 Sumário 1Introdução... 5 1.1 Objetivo...

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico. " Crise do Software

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico.  Crise do Software Agenda Introdução a Engenharia de Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br http://www.ufpa.br/cdesouza! e! e Programação! Histórico " Crise do! No Silver Bullet! Fases Genéricas do Processo de Desenvolvimento

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais