ANAIS REVISÃO DO PROCESSO DE NEGÓCIO PARA APOIAR A GESTÃO ESTRATÉGICA DE CLIENTES: UM ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS REVISÃO DO PROCESSO DE NEGÓCIO PARA APOIAR A GESTÃO ESTRATÉGICA DE CLIENTES: UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 REVISÃO DO PROCESSO DE NEGÓCIO PARA APOIAR A GESTÃO ESTRATÉGICA DE CLIENTES: UM ESTUDO DE CASO ROBERTO AURES A. MOURA ( ) UNIVERSIDADE PAULISTA IVANIR COSTA ( ) UNIVERSIDADE PAULISTA ANDRÉA MARTINS CRISTÓVÃO ( ) UNIVERSIDADE PAULISTA Resumo: A competitividade das lojas de automóveis e as concessionárias está cada vez mais acirrada e isto obriga a cadeia produtiva reduzir custos e buscar um diferencial competitivo. Este problema motivou uma concessionária revisar seus processos de negócios para implantar a gestão estratégica de clientes. O objetivo deste artigo é destacar a importância da revisão dos processos de negócios, para orientar a escolha de uma solução de software, visando maior aderência às necessidades específicas da organização. Com as entrevistas, documentos multimídias disponibilizados e o embasamento teórico, buscou-se reforçar a aplicabilidade dos conceitos no contexto deste estudo de caso. Palavras-chave: Processos de negócios; Concorrência; Diferencial competitivo, gestão estratégica de clientes. 1. Introdução O mercado local e global cada vez mais competitivo mobiliza as empresas a buscar formas de reduzir custos e aumentar suas ações através de melhorias e mudanças em seus processos (ALBERTIN & ALBERTIN, 2005). Entretanto, reduzir custos tem limites, além disso, atender uma demanda de clientes com facilidade de mudança de fornecedor, devido à competição de mercado, também é outro importante desafio. Com esses desafios e para se manterem competitivas, as empresas têm que administrar com eficiência e eficácia as diversas tecnologias aplicadas na gestão das atividades de compras, vendas, faturamento, contabilidade, entre outras. Todavia, tudo isso é irrelevante para os clientes que buscam menores preços e melhores serviços. Neste cenário e como mostra a proposta de ALBERTIN (2005), apresentado na figura 1, a resposta para estes desafios deve ser o foco no cliente com serviços diferenciados. Dentro desta visão uma empresa do setor automobilístico sob concessão de uma montadora, enfrentou a concorrência, num momento crítico e decisivo para o futuro da organização. Além da necessidade de mudança cultural, promovida pela alta direção, com a colaboração dos funcionários, a contribuição dos líderes e a revisão dos processos de negócios, esta empresa transformou-se num modelo de gestão estratégica eficiente e eficaz voltada para o cliente e, desta forma, a empresa se manteve diferenciada através da satisfação de seus clientes e dos resultados obtidos. 1/12

2 Pressões de Negócio Regulamentação governamental Respostas Organizacionais Comércio eletrônico Aspectos éticos Sistemas estratégicos Foco e serviços a clientes Esforços de melhoria contínua Competição global por mercado de trabalho Necessidade de operações em tempo real Responsabilidade social Excesso de informação Alianças de negócio Inovação e obsolescência tecnológica Estruturas de equipes Mudanças de processos de negócio Orientação a cliente Mudanças na força de trabalho Figura 1: Pressões de negócio e respostas organizacionais. Fonte: adaptado de ALBERTI N (2005). Este artigo tem como objetivo destacar a importância da revisão dos processos de negócios, através do estudo de caso de uma concessionária que tem como concorrentes outras concessionárias da mesma marca; concessionárias de outras marcas; agências de automóveis multimarcas e o mercado de automóveis informal, que oriente a escolha de uma solução de software, obtendo como um dos benefícios a definição prévia de algumas funcionalidade que contribuíram com maior aderência as necessidades específicas da organização, visando prepará-la para as oscilações e desafios do mercado (FREITAS & LESCA, 1992). Na primeira parte do artigo serão apresentados os conceitos de tecnologia da informação (TI) e seus benefícios; processos e gestão estratégica de clientes, na segunda parte será apresentado um estudo de um caso real desenvolvido com a parceria entre a concessionária e a montadora. Os resultados serão apresentados ao longo de cada tópico e como terceiros parte do artigo será apresentada a conclusão e os estudos futuros. O estudo foi realizado em parceria com uma empresa do segmento de serviços automobilísticos. Por questões institucionais corporativas e de políticas internas vigentes esta empresa simplesmente será denominada Concessionária. Esta Concessionária pertence a uma das principais montadoras de automóveis do país, que identificaremos como Montadora, e contribuiu significativamente com o desenvolvimento deste artigo. Localizada no interior paulista esta Concessionária também atua em 5 cidades que juntas compõem um total de 220 mil habitantes aproximadamente. O trabalho foi iniciado pela área de pós-vendas da empresa, pois é a área de maior impacto na satisfação dos clientes. Nessa área foram trabalhados os processos focados nos pontos que são mais significantes para a melhoria da imagem da Concessionária. 2. Tecnologia da informação Ao longo dos anos a TI tem evoluído dentro das empresas e se tornam cada vez mais essenciais para a competitividade. No entanto, há a necessidade de alinhamento estratégico das áreas de negócio da empresa e a TI, para que as informações estratégicas permitam a TI aplicar seus conhecimentos e viabilizar da melhor forma a solução eficiente e eficaz para o problema, conforme apresentado na figura 2. 2/12

3 Perspectiva Organizacional Requisitos Estrutura Organizacional Tecnologia de Informação Perspectiva Tecnológica Tecnologia de Informação Diretrizes Organizacionais Perspectiva Atual Diretrizes Organizacional Objetivo de TI Introdução de TI Aspectos Sociais Tecnologia de Informação Figura 2: Perspectiva de tecnologia de informação e organização. Fonte: adaptado de ALBERTI N (2002) apud Sampler (1998). Na figura 2 são apresentadas resumidamente às três principais perspectivas de TI ao longo das últimas décadas, com seus respectivos e diferentes objetivos e aplicabilidades (ALBERTIN, 2002). No esforço conjunto entre as áreas de negócio e a TI (parte integrante da empresa), criam-se visões estratégicas que geram benefícios, maior produtividade e alcance dos resultados desejados, conforme apresentado na figura 3. Posicionamento Nível hierárquico Proximidade gerencial Comitês Especialização Processos Educação Espírito de equipe Parcerias Eventos Responsabilidade Filosofia Valor de TI Temas e carteiras Terceirização Visão Influência Pessoas Qualificação Regras Características pessoais Consultoria Credibilidade Procedimentos Formalidade Controle Metodologia Políticas Conhecimento Figura 3: Estratégicas de tecnologia de informação. Fonte: ALBERTI N (2002) apud adaptado de Earl (1998). Autoridade 3/12

4 Conforme (ALBERTIN & ALBERTIN, 2005), os benefícios alcançados através desta parceria empresa e TI contribuem com o alcance dos objetivos estratégicos, e devem ser medidos pelas áreas solicitantes para utilização nos negócios, visando avaliar o desempenho empresarial Benefícios oferecidos pelo uso de tecnologia da informação A seguir serão apresentados os benefícios definidos e medidos pelo cliente, conforme representado na figura 4. Proporção em cada projeto/infra-estrutura Inovação Flexibilidade Qualidade Produtividade Custo Benefício Para/no Negócio Medidos pelo usuário/cliente Benchmark { Impactos na receita e mercado Viabilização de processos Tempo e custo de mudanças { Grau de independência Capacidade de mudança de escopo Satisfação do cliente { Índices de qualidade/conformidade Índices de desvios Tempo anterior X novo tempo { Recurso/produto anterior X novo { Custo anterior X novo custo Definidos pelo usuário/cliente Figura 4: Benefícios oferecidos pelo uso de tecnologia de informação. Fonte: ALBERTI N & ALBERTIN (2005). a) Custo: Para muitas empresas o custo não é o único fator crítico de sucesso, mas é importante e útil analisar as causas. Esta análise pode ocorrer através da revisão dos processos de negócios com o objetivo de eliminar ou reduzir atividades que não agregam valor ao cliente (ALBERTIN & ALBERTIN, 2005). b) Produtividade: Considerando o foco no cliente, para definir a produtividade é relevante identificar os clientes e suas necessidades, desta forma, a empresa deve definir claramente os objetivos e estratégias para que todos os funcionários ou colaboradores tenham o mesmo entendimento, visão e canalizem seus esforços para o negócio (KAYDOS,1991). c) Qualidade: Em serviços, temos como principais fatores relevantes para avaliar a qualidade: tangibilidade, confiabilidade, segurança, empatia e prontidão e em produtos temos: desempenho, características, confiabilidade, conformidade, durabilidade, aparência e percepção (ALBERTIN & ALBERTIN, 2005). A qualidade nos serviços é diretamente afetada pela expectativa dos clientes e esta expectativa varia em cada cliente, o que torna mais sensível e preocupante a obtenção deste benefício pelo uso da TI. No entanto, a qualidade é considerada estratégica para as empresas e, por isso, deve ter o envolvimento da alta direção. d) Flexibilidade: A flexibilidade pode ser dividida em flexibilidade do sistema que contribui para a competitividade da empresa no mercado e a flexibilidade de recursos, que diz respeito à habilidade de mudança relacionada à tecnologia dos processos de operação, pessoas e cadeia de fornecimento (ALBERTIN & ALBERTIN, 2005). A flexibilidade está diretamente 4/12

5 relacionada com a variedade de tipos de produtos e a possibilidade de customização desses produtos aos clientes. e) Inovação: A inovação é um fator importante que deve ter o envolvimento da alta direção, pois contribui para as empresas alcançarem suas metas estratégicas e financeiras. Os dois principais benefícios da inovação são: proteção da vantagem competitiva e a satisfação de clientes, empregados e acionistas. A proteção da vantagem competitiva permite inovação de produtos, benefícios de diferenciação, simulação de participação de mercado, adição de valor e busca por redução de custo. A satisfação de clientes, empregados e acionistas pode ser obtida por meio de produtos que atendam às necessidades e agreguem valor aos clientes, necessitando de capacitação dos empregados e gerando melhores dividendos aos acionistas (ALBERTIN, 2005) 2.2 Processos Processo é um conjunto de atividades seqüenciais ou paralelas com a finalidade de atender a uma determinada demanda (CRUZ, 2001) & (DAVENPORT, 1994). A missão e a visão das empresas fornecem subsídios para definir os objetivos. Por sua vez, estes objetivos contribuem para definir as estratégias que servirão para dar forma aos processos de negócios (KOTLER, 1993) & (BETHLEM, 1998). Os processos de negócios tornam os objetivos transparentes, claros e definidos para os colaboradores ou funcionários da empresa, aumentando a produtividade. Desta forma, quando buscamos alcançar os objetivos estratégicos, é relevante revisar os processos de negócios. Os processos de negócios ou business process são processos administrativos, este termo é utilizado para diferenciar dos processos de manufatura ou processos industriais (CRUZ, 2001). BPM (Business Process Management) é traduzido como o gerenciamento dos processos de negócios. E o que isso pode significar para uma empresa? Há pesquisas que revelam que o investimento de uma empresa em BPM pode significar um dos maiores retornos de investimentos (ROI - Returns Of Investments) em iniciativas de TI, sendo que 78% dos projetos têm retorno maior que 15%; 67% são implantados em menos de seis meses; 50% são implantados em menos de quatro meses (PEREIRA, 2007). Conhecer e gerenciar os processos de negócios da empresa é conhecer de que forma cada funcionário ou colaborador contribui com a organização. Na figura 5, a missão, visão e os objetivos são as bases para a elaboração da estratégia. A estratégia afeta diretamente os processos primários e as operações. Os processos de apoio e de gestão são menos sensíveis a mudanças estratégicas. BPMS (Business Process Management System), traduzido como sistema de gerenciamento dos processos de negócios pode servir como o ponto de contato entre movimentos estratégicos e práticas operacionais, pois, aumenta a capacidade da organização em mudar os processos sob demanda (PEREIRA, 2007). Missão Visão Objetivos Estratégia Primários BPMS ERP CRM SCM SFA P R O C E S S O s Apoio Gestão Operações 5/12

6 Figura 5: Missão, visão e os objetivos. Fonte: Pereira (2007). Revista Portal BPM, edição No Gestão estratégica de clientes Segundo ROCHA (1999) Apud CHANDLER JUNIOR (1962: 13), estratégia pode ser definida como a determinação das metas e objetivos básicos de longo prazo de uma empresa, e a adoção de cursos de ação e alocação de recursos necessários para pôr em prática essas metas. Ainda segundo ROCHA (1999) Apud MARCOVITCH (1978: 98-9) define estratégia como uma série de diretrizes administrativas que especificam a posição da organização no seu ambiente; as direções em que esta procura crescer e mudar; os instrumentos competitivos que emprega; os meios pelos quais penetrará nos novos mercados; a maneira pela qual levantará os recursos de que necessitar; os pontos fortes que procurará explorar e, inversamente, as fraquezas que procurará evitar. Note-se que a estratégia adotada por uma organização decorre da análise do seu ecossistema. ROCHA (1999) Apud SHARPLIN (1985) também define gestão estratégica como sendo o processo de conduzir a organização ao cumprimento da sua missão através da gestão da sua relação com o ambiente, assim como, a formulação e a implementação de planos e a prática de atividades relacionadas a assuntos que são de importância vital, geral ou contínua para a organização como um todo. De acordo com a definição apresentada por FERREIRA (2008), cliente é aquele que compra. Um cliente pode ser uma pessoa física ou jurídica que utiliza, com certa regularidade, os serviços de profissional ou empresa. A gestão estratégica de clientes está relacionada com a forma com que a empresa se relaciona com os clientes, reconhecendo seus valores frente aos negócios, buscando fazer parte de suas necessidades e promovendo a melhor satisfação no relacionamento. O CRM (Customer Relationship Management) é a interação entre o marketing e a TI que tem como missão criar ferramentas eficazes para a empresa, visando cultivar o cliente para gerar registros e transformar estes dados em informações com o objetivo de disseminar o conhecimento sobre o cliente a todos os colaboradores e funcionários da organização (BRETZKE, 2007). A gestão estratégica de clientes pode auxiliar as empresas no alcance dos objetivos estratégicos, e pode fazer a diferença na posição competitiva e nos lucros para as empresas que estiverem aptas a utilizá-la ativamente no processo de atendimento, comercial e comunicação com o mercado (BRETZKE, 2007). 3. Estudo de Caso 3.1 Oportunidade de parceria O cenário pessimista apresentado pela Concessionária, motivou-a a reduzir custos, melhorar a rentabilidade, resolver problemas de espaço físico no pátio para os veículos, solucionar problemas de ineficiência nos processos e melhorar o atendimento ao cliente. A Concessionária, buscou continuamente uma solução para este cenário, quando recebeu o convite para participar de um programa com foco no cliente. Este programa criado pela Montadora convergiu com os interesses e necessidades da Concessionária, que originou em uma parceria para um projeto-piloto unindo os objetivos das duas partes, ou seja, a Concessionária identificou a oportunidade de implantar um projeto que viabilizasse a solução dos problemas apresentados anteriormente e a Montadora identificou uma concessionária para implantar um programa de atendimento ao cliente para avaliar na prática o comportamento deste programa. 6/12

7 3.2 Projeto-piloto O programa de atendimento ao cliente revisou os processos internos da Concessionária com o objetivo de direcionar as ações e captar informações de qualquer ponto de contato junto ao cliente para centralizar em um único local, conforme apresentado na figura 6. Balcão de Peças Oficina Ligações Telefônicas para Oficina Central de Relacionamento Entrega Técnica Listas Compradas Site da Concessionária Figura 6: Central de Relacionamento Fonte: Adaptado da documentação da Concessionária O programa também tornou menos burocráticos os processos de atendimento ao cliente. Essa mudança alterou o atendimento do cliente pelo próprio técnico. Através do processo de agendamento, o atendimento tornou-se personalizado e grande parte do trabalho burocrático foi eliminado ou foi realizado antes da chegada do cliente na Concessionária. Com esse processo também houve a transformação dos técnicos, passando de especialistas para generalistas. Com isso, um técnico cuja especialidade inicial era mecânica, atualmente, possui conhecimentos na área elétrica e eletrônica. 3.3 Resultados obtidos As mudanças trouxeram importantes ganhos, através da melhor qualificação e a valorização do capital humano da Concessionária, além da motivação pessoal de cada colaborador. Na visão estratégica, outro ganho significativo proporcionado pela Concessionária foi à redução ou eliminação do turn-over, que possibilitou o crescimento e o aprimoramento profissional dos técnicos. 3.4 Novos paradigmas da concessionária Ressaltamos que o programa de atendimento ao cliente foi totalmente voltado para a satisfação do cliente. Segundo REICHHELD (1999), o aumento do faturamento e a rentabilidade advêm da fidelização de clientes tornando possível com esse programa e, como o cliente visita mais vezes a Concessionária, os gastos em cada visita são sensivelmente menores. Desta forma, a Concessionária trabalhou no sentido de mudar o conceito de que 7/12

8 concessionária é cara. Deve-se observar que a estratégia foi um processo de trabalho para fidelização de clientes. A necessidade do processo foi motivada pelo baixo desempenho financeiro da organização. A Concessionária implantou processos automatizados de gerenciamento de clientes porque foi objetivo estratégico fazer com que esse programa tivesse o desempenho cada vez maior maximizando os lucros. 3.5 Estratégia da concessionária Estrategicamente foi importante que a Concessionária tivesse um bom desempenho nas áreas de pós-vendas, pois, os recursos financeiros gerados fazem frente às despesas da organização. Tendo a área de pós-vendas assumindo o pagamento de uma fração maior das despesas, a dependência da organização quanto à rentabilidade do departamento de veículos foi menor. Com a dependência menor, a Concessionária teve condições de ser mais competitiva na venda de veículos e, sendo mais competitivos, a área de pós-vendas não estiveram ociosos. Esse ciclo evolutivo levou a Concessionária a permanecer no mercado numa condição de grande vantagem, se comparado com organizações do mesmo ramo de atividades que não adotaram essa estratégia. Outra questão estratégica é que o suporte de um sistema de gestão de clientes permitiu que as estratégias de vendas tivessem um tempo de efetividade maior se comparado com outros tipos de divulgação (anúncios em jornal, televisão, e outros meios de comunicação em massa). A Concessionária estabelecia contato com cada cliente de forma personalizada e desta forma, a concorrência demorava mais tempo para perceber esse movimento. Esse processo também possibilitou contatar o cliente sem a intenção de vender coisa alguma, por exemplo, nas datas de aniversários, vencimento da carteira de motorista, no dia do profissional (dia do advogado, dia do professor, entre outros.). 3.6 Novas ações Em continuidade as mudanças, a Concessionária contratou uma empresa de consultoria homologada pela Montadora, com o objetivo de aumentar a rentabilidade e o faturamento da oficina. Para esta empresa de consultoria daremos o nome de Programa 85. O papel da Programa 85 foi garantir uma cobertura fixa de 85% das despesas referentes aos departamentos fixos da Concessionária: vendas de serviços de funilaria; serviços de mecânica; serviços de peças e serviços de acessórios. A estratégia apresentada pela Programa 85, idealizada pela Montadora, não foi impositiva e visava garantir que os demais 15% das despesas tivessem a cobertura pela venda de veículos novos e usados. Os indicadores (PARMENTER, 1991) & (ATKINSON, 1998) apresentados pela execução do Programa 85 foram em torno de 35% dos departamentos fixos da Concessionária, que representou um importante número de crescimento da cobertura. Devido ao cenário da Concessionária, ter-se apresentado pouco otimista, ou seja, pouca exploração do potencial do mercado, se estabeleceu então, um marco na história da Concessionária com a implantação de um programa de gestão estratégica de clientes. Os objetivos estratégicos de serviços definidos pela Concessionária foram: aumento do market share; aumento do índice de satisfação do cliente; inversão das responsabilidades, isto é, a Concessionária passou a ser a responsável pelos acompanhamentos aos clientes sobre as respectivas manutenções preventivas e criou um processo de agendamento. Para isso, houve a preocupação em definir uma central de relacionamento como centro dos processos. 8/12

9 Com a definição dessa central de relacionamento como centro dos processos, criou-se um ciclo de relacionamento com o cliente pós-venda, com o objetivo de atender a inversão das responsabilidades, conforme citado anteriormente. Na pesquisa de satisfação, a Concessionária contata o cliente para obter através de um questionário, o nível de satisfação com a compra do veículo, além de informar ao cliente algumas dicas de utilização e manutenção do veículo (CASTRO, 2002). 3.7 Análise de retenção de clientes O Índice de Retenção de Clientes (IRC) foi um indicador desenvolvido pela Montadora, com o objetivo de medir a retenção de clientes nas Concessionárias, a partir do período de garantia. Isto é, considerou-se a venda de veículos novos versus o número médio de passagens desses veículos pelas concessionárias. O IRC da Concessionária foi de 73%, enquanto que o IRC das demais concessionárias da mesma marca foi em torno de 35%, o que representa uma performance de retenção elevada. A revisão dos processos de negócios foi um dos principais fatores que contribuíram com o IRC. Também contribuíram com este índice: o envolvimento das pessoas, a liderança, a mudança de cultura, o treinamento e a tecnologia de informação. 3.8 Definição de funcionalidades a partir da revisão de processos Com a revisão de processos de negócios, a Concessionária pôde captar informações relevantes que permitiram criar funcionalidades específicas para a definição e implantação de um software de gestão estratégica de clientes. Algumas dessas funcionalidades especificadas e acrescentadas no software foram: permitir a segmentação por cliente da quilometragem e tempo, por exemplo, um cliente que rodava pouco com o veículo pôde ser avisado para fazer a manutenção preventiva, antes que seu veículo alcance a quilometragem necessária para a manutenção. Neste caso o tempo foi considerado mais importante do que a quilometragem do veículo e com isso, a Concessionária evitou que o cliente efetuasse gastos elevados com a manutenção do veículo. Da mesma forma, um usuário que utilizou o veículo com maior freqüência pôde ser avisado para efetuar a manutenção preventiva num intervalo de tempo menor do que o previsto, devido à quilometragem ter alcançado o limite para a manutenção. Outro exemplo de funcionalidade especificada e acrescentada no software foram às campanhas em que o próprio software de gestão definiu qual a premiação apropriada de acordo com o tipo de serviço executado pela Concessionária. 4. Resultados Os resultados apresentados de acordo com a implantação do programa de atendimento ao cliente possibilitaram estreito relacionamento e maior abertura no canal de comunicação entre a Concessionária e a Montadora, além disso, apontaram os seguintes fatores relevantes na revisão de processos de negócios: contribuiu com a organização e estruturação das informações; permitiu definir uma seqüência nas atividades; materializou os processos tornando-os claros e bem definidos para todos os funcionários; permitiu uma visão comum e única dos processos de trabalho e permitiu preparar o ambiente e as pessoas para uma mudança de cultura significativa no dia-a-dia de cada colaborador da empresa. Do ponto de vista do software, os fatores relevantes foram: otimização dos investimentos no relacionamento com o cliente; agilidade na extração das informações; apoio ou suporte na segmentação do público alvo; visão única e consolidada do cliente para todas as áreas internas da Concessionária; otimização das campanhas tornando-as mais direcionadas e permitindo maior sustentabilidade junto ao mercado. 9/12

10 5. Conclusões Nas mudanças de paradigmas apresentadas neste estudo de caso, a Concessionária dependeu cada vez menos das margens de vendas dos veículos novos e passou a depender cada vez mais da qualidade dos serviços do pós-venda. Para a Concessionária os fatores motivadores que definiram a escolha por uma solução de gestão estratégica de clientes foram questões estratégicas que se refletiram diretamente na continuidade da organização e campanhas direcionadas por segmento que permitiram maior competitividade por um tempo maior de liderança num mercado competitivo. Através dos números obtidos e fornecidos pela consultoria Programa 85, pode-se verificar que os números são consideráveis, o que viabilizou todo o projeto e justificou os investimentos realizados. Além disso, o sucesso do projeto foi tão significativo, que o número de departamentos atendidos inicialmente pela Consultoria cresceram cerca de 40% e isso se tornou um marco na história, tanto da Concessionária como da montadora. Com base nessas informações, foi possível traçar uma paralelo e dizer que, se o programa fosse estendido as demais concessionárias da Montadora em questão, os lucros da montadora e das respectivas concessionárias que adotassem a revisão de processos de negócios para a gestão do cliente e da informação, também poderiam aumentar. O projeto-piloto criado através da parceria entre a Consultoria homologada pela Montadora e a Concessionária trouxe benefícios tangíveis, todavia, hoje qualquer Concessionária que tenha interesse em implantar um programa como o que foi implantado, deverá ter um investimento financeiro, o que não ocorreu na época. A Concessionária traçou uma estratégia para recuperação financeira e foco total na satisfação dos seus clientes, entretanto, também houve redução da burocracia; agregou valor ao trabalho desenvolvido; otimizou os gastos dos clientes com seus veículos; produziu serviços de alta qualidade; incentivou o contato do cliente com a Concessionária; otimizou o fluxo de informações sobre os clientes e seu histórico (o software passa a ser fundamental neste aspecto) e os profissionais da organização obtiveram uma crescimento significativo de conhecimento e de importância de seu papel na empresa. Este estudo justificou-se pela contribuição acadêmica, através da aplicabilidade dos conceitos apresentados na fundamentação teórica e empírica que proporcionará aos empresários a possibilidade de avaliar os aspectos culturais, organizacionais, tecnológicos e de processos da empresa, assim como, analisar os impactos que devem ser considerados na implantação de um software de gestão para obter êxito no alcance dos objetivos estratégicos. Como se tratou de um estudo de um caso real, este artigo buscou incentivar outros autores a investigar e evidenciar, através de outros estudos de casos, a importância de revisar os processos para apoiar a gestão estratégica de clientes. Este documento também teve o foco em sugerir e apresentar o como resolver problemas, por isso, descreveu os fatos relatados nas entrevistas, visando contribuir com sugestões práticas baseadas em estudos bibliográficos para outras empresas que buscam se manter num mercado competitivo com dificuldades semelhantes e que procuram alternativas de soluções para estes cenários. O trabalho também apresentou uma preocupação em medir a satisfação do cliente com os serviços da Concessionária, como forma de medir o relacionamento, e não somente em apresentar os resultados finais. E, por fim, este artigo limitou-se a evidenciar a importância de revisar os processos de negócios neste caso estudado, sendo, necessário outros estudos para uma análise mais ampla e detalhada. 10/12

11 6. Estudos Futuros Propõem-se analisar a aplicabilidade das práticas apresentadas neste artigo em outras empresas do setor e que possuam o mesmo perfil, visando comparar os resultados. Identificar em que cenário de competitividade é mais importante avaliar os processos de negócios. Identificar um perfil de empresas onde se aplica com maior aderência a revisão de processos de negócios, dentro da cadeia de fornecimento do setor automobilístico. Analisar por que a maioria das empresas não investe na revisão de processos de negócios para apoiar a gestão estratégica de clientes? Avaliar quais os ganhos de uma empresa que investe na revisão de processos versus uma empresa que não prioriza esta prática? Identificar quais os fatores que determinam a tomada de decisão na empresa, quando está em evidência a revisão de processos? Cabe salientar que este estudo só foi possível realizá-lo, graças às parcerias entre a Universidade Paulista UNIP e empresas que vivem ou vivenciaram problemas relacionados aos processos, pois, estas empresas acreditam em estudos embasados na pesquisa como suporte para a tomada de decisão. Referências ALBERTIN, Alberto Luiz; ALBERTIN, Rosa Maria de Moura, Tecnologia da Informação e Desempenho Empresarial As Dimensões de seu Uso e sua Relação com os Benefícios de Negócios, São Paulo, Ed. Atlas, p.4, 28-33, ALBERTIN, Alberto Luiz; colaboração de Moura, Rosa Maria de. Administração de Informática: funções e fatores críticos de sucesso. 4. ed., São Paulo, Ed. Atlas, p.37, ATKINSON, Anthony. Strategic performance measurement and incentive compensation, European Management Journal, Vol. 16, Nº 5, pp , Oct. 1998, BETHLEM, Agriola. Estratégia Empresarial: Conceitos, Processo e Administração Estratégica. São Paulo: Atlas, BRETZKE, Miriam. Artigo: CRM como diferencial Competitivo, site: Acessado em 13/out./2007. BRETZKE, Miriam. Artigo: O conceito de CRM viabilizando o Marketing de Relacionamento para Competir em Tempo Real, site: Acessado em 13/out./2007. CASTRO, Carlos José Barretos Viégas de. Dissertação: Avaliação das Condições para a Adoção do Marketing de Relacionamento em uma Concessionária de Veículos. Esta dissertação foi julgada e aprovada para a obtenção do título de Mestre em Engenharia de Produção no programa de pós-graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, p. 33, CRUZ, Tadeu. e-workflow como implantar e aumentar a produtividade de qualquer processo. Editora Cenadem. São Paulo, Ed. Atlas, p.85, , DAVENPORT, T.H. Reengenharia de Processos, Ed. Campus, FERREIRA, A. B. H., Minidicionário da língua portuguesa; coordenação de edição Margarida dos Anjos, Marina Baird Ferreira; equipe de lexicografia Margarida dos Anjos...[et al.]; 6a. Ed. Revisada atualizada; 13a. impressão Curitiba, Ed. Positivo, FREITAS, H. & LESCA, H. Competitividade Empresarial na Era da Informação. São Paulo, Revista de Administração da USP, v. 27, n. 3, Julho-setembro de 1992, p KAYDOS, W. Measuring, managing, and maximizing performance. Cambridge: Productivity Press, /12

12 KOTLER, P. Administração de Marketing: análise, planejamento, implementação e controle. 2ed. São Paulo, Ed. Atlas, PARMENTER, David. Key performance indicators, Chartered Accountants Journal of New Zealand, pp60-71, Oct PEREIRA, Hélio. Artigo: O lado B de BPM: não deixe a estratégia atrapalhar a gestão por processo. Revista Portal BPM. Edição No. 2, p.17, 18, REICHHELD, Frederick F., MANAGEMENT: IDEAS INTO ACTION/FRED ANDREWS; A Man of Words Is Still Partial to One: Loyalty, The New York Times, Site: 0 acessado em 19/outubro/2008. ROCHA, W., Tese apresentada à Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo como parte dos requisitos para obtenção do título de Doutor em Ciências Contábeis, São Paulo, /12

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios

Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios Relatório de pesquisa Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios Via Consulting Maio de 2009 1 Caro leitor, Gostaria de convidá-lo a conhecer o resultado de uma pesquisa patrocinada pela Via Consulting

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Projeto de governança automatiza e agiliza processos na Ouro Verde

Projeto de governança automatiza e agiliza processos na Ouro Verde Projeto de governança automatiza e agiliza processos na Ouro Verde Perfil A Ouro Verde Locação e Serviço S.A. é uma empresa paranaense com mais de 40 anos de mercado, trabalhando com gestão e terceirização

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Conquistamos ao longo de nossa trajetória mais de 30.000 licenças em operação em 6.500 clientes ativos.

Conquistamos ao longo de nossa trajetória mais de 30.000 licenças em operação em 6.500 clientes ativos. Institucional Perfil A ARTSOFT SISTEMAS é uma empresa brasileira, fundada em 1986, especializada no desenvolvimento de soluções em sistemas integrados de gestão empresarial ERP, customizáveis de acordo

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

BPM E SOA MODELO PARA O DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO

BPM E SOA MODELO PARA O DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO BPM E SOA MODELO PARA O DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO João Felipe D Assenção Faria Arquiteto JEE Especialista SOA/BPM JOÃO FELIPE D ASSENÇÃO FARIA Arquiteto JEE (12 anos) Especialista SOA/BPM (aprox. 4 anos)

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

Soluções em Tecnologia e Sistemas para Gestão de Negócios

Soluções em Tecnologia e Sistemas para Gestão de Negócios Soluções em Tecnologia e Sistemas para Gestão de Negócios Criamos informação e conhecimento, através de nossa suíte de soluções em Tecnologia e Sistemas para Gestão de Negócios, ajudando as pessoas a tomarem

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Perfil. Nossa estratégia de crescimento reside na excelência operacional, na inovação, no desenvolvimento do produto e no foco no cliente.

Perfil. Nossa estratégia de crescimento reside na excelência operacional, na inovação, no desenvolvimento do produto e no foco no cliente. Institucional Perfil A ARTSOFT SISTEMAS é uma empresa Brasileira, fundada em 1986, especializada no desenvolvimento de soluções em sistemas integrados de gestão empresarial ERP, customizáveis de acordo

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

BUSINESS PROCESS MAGANENT (BPMS): PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS CORPORATIVOS.

BUSINESS PROCESS MAGANENT (BPMS): PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS CORPORATIVOS. BUSINESS PROCESS MAGANENT (BPMS): PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS CORPORATIVOS. CASTRO, Gabriela Jorge; REIS, Luciana de Cássia; GIROTTO, Márcia; MARTINS, Murilo Mello; TAMAE,Rodrigo Yoshio RESUMO O artigo analisa

Leia mais

INOVAÇÃO como DIFERENCIAL ESTRATÉGICO

INOVAÇÃO como DIFERENCIAL ESTRATÉGICO INOVAÇÃO como DIFERENCIAL ESTRATÉGICO Março/2010 A empresa A Empresa nasceu em março de 1977, como uma farmácia de manipulação, no centro de Curitiba. Durante seus 32 anos, evoluiu por diferentes cenários,

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de

Leia mais

Gestão do Valor Tecnológico

Gestão do Valor Tecnológico Maison do Conhecimento Grupo ECC Gestão do Valor Tecnológico A Tecnologia Gerenciada como Ativo CONFIDENCIAL Sobre o Grupo ECC www.grupoecc.com.br O grupo é formado por empresas de consultoria, tecnologia,

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLEX 2016

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLEX 2016 CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLE 2016 CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLE 2016 ÁREAS DE NEGÓCIOS E ENGENHARIA O Programa Pós-Flex da Universidade Positivo possui 15 cursos voltados para

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

O FUTURO DA SUA EMPRESA PASSA POR AQUI OMNES TECNOLOGIA

O FUTURO DA SUA EMPRESA PASSA POR AQUI OMNES TECNOLOGIA O FUTURO DA SUA EMPRESA PASSA POR AQUI OMNES TECNOLOGIA Como tudo começou GIDEONI SILVA CONSULTOR BI & CRM Analista de Sistemas e Green Belt Six Sigma Experiência de 15 anos em projetos executados de Business

Leia mais

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Professor Wagner Luiz Aula - Como obter sucesso em uma implementação de CRM e o Processo da Comunicação. Março de 2014 São Paulo -SP Call Center & CRM 2007 CRM: do

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna A estratégia do PGQP frente aos novos desafios 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MACROFLUXO ENTRADAS PARA O PROCESSO - Análise de cenários e conteúdos

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

Gestão de relacionamento com clientes no mercado industrial: um estudo de caso na Novelis do Brasil

Gestão de relacionamento com clientes no mercado industrial: um estudo de caso na Novelis do Brasil Gestão de relacionamento com clientes no mercado industrial: um estudo de caso na Novelis do Brasil Carlos José Gomes (UFOP) carlosjgomes@yahoo.com.br Silvana Prata Camargos (UFOP/FEAD-MG) silcamargos@uol.com.br

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura Daniel Reis Armond de Melo armond@ufam.edu.br Universidade Federal do Amazonas Universidade

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES MARKETING Mercado Atual Competitivo Produtos / Serviços equivalentes Globalizado Conseqüências Infidelidade dos clientes Consumidores mais exigentes Desafio Conquistar clientes fiéis MARKETING TRADICIONAL

Leia mais

Por que escolher a Oplay Logística?

Por que escolher a Oplay Logística? Por que escolher a Oplay Logística? Porque a Oplay Logística tem soluções completas e inovadoras que a sua empresa precisa. Porque a Oplay Logística oferece serviços diferenciados desenhados de acordo

Leia mais

17 de setembro de 2007. SYSPHERA NO ANGELONI Análise do Projeto, Benefícios e Particularidades

17 de setembro de 2007. SYSPHERA NO ANGELONI Análise do Projeto, Benefícios e Particularidades BUSINESS CASE VAREJO 17 de setembro de 2007 A SYSPHERA é uma empresa brasileira de tecnologia que se dedica ao desenvolvimento de soluções estratégicas para clientes que buscam a melhoria contínua de sua

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

I WORKSHOP FNCC. Governança da TI. Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396

I WORKSHOP FNCC. Governança da TI. Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396 I WORKSHOP FNCC Governança da TI Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396 São Paulo, 22 de setembro de 2015 1 OBJETIVO Apresentar a Enigma

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em BD Suporte de Apoio à Decisão Aula 05 Database Marketing Agenda O que é Database Marketing? Estratégias e Sistemas Os dois usos do Database Marketing Case Referências 2

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais