Todas as informações fornecidas serão tratadas com a mais estrita confidencialidade.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Todas as informações fornecidas serão tratadas com a mais estrita confidencialidade."

Transcrição

1

2 2 BENCHMARKING Todas as informações fornecidas serão tratadas com a mais estrita confidencialidade. Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data INTRODUÇÃO O presente questionário, concebido pelo CITEVE Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal, abrange um determinado número de medidas de desempenho quantitativas e qualitativas e pretende apoiar as organizações na avaliação a sua posição competitiva, referente à Inovação Empresarial O questionário deve ser utilizado em complemento com os Questionários de Avaliação Financeira, de Gestão e de Excelência de Negócio Módulos Base do Índice de Benchmarking Português (IBP). NOTAS DE REFERÊNCIA: Ao preencher o questionário é importante ser honesto e objectivo. Respostas imprecisas irão conduzir a resultados erróneos e irão limitar o seu valor. A finalidade deste estudo não é fazer com que a sua empresa pareça ser melhor que aquilo é na realidade, mas sim obter um registo objectivo e uma visão desapaixonada, que possa ser apoiada em provas tangíveis, caso seja solicitado. Preencha o questionário com os dados adequados. Se não tem a certeza sobre a informação que está a ser solicitada, por favor, consulte as definições que são apresentadas. No caso de necessitar de ajuda contacte, por favor, o seu Consultor Nacional de Benchmarking. Nos casos em que não existam dados disponíveis, ou seja desconhecidos, por favor escreva ND ( Disponível) no espaço adequado. O Questionário de Avaliação de Desempenho em Inovação foi criado utilizando as seguintes referências bibliográficas: - Manual de Oslo Manual de Frascati (6.ª edição) - European Sector Innovation Scoreboards, CIS Community Innovation Survey 2003

3 3 DEFINIÇÕES Secção I - RECURSOS HUMANOS AFECTOS À INOVAÇÃO 1. Núcleo / Departamento de Investigação, Inovação e Desenvolvimento Indique se a sua empresa tem formalmente definido um núcleo/departamento responsável pelas actividades de Investigação, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico na empresa. 2. Quadro de Colaboradores N.º de colaboradores afectos a actividades de inovação: É todo o pessoal que, no ano de referência, exerce actividades de inovação a tempo parcial ou integral, durante o período normal de trabalho. ETI (Equivalente a Tempo Integral) em actividades de inovação: Somatório do total de colaboradores afectos a actividades de inovação, integral ou parcialmente. Os colaboradores dedicados a tempo integral contabilizam-se como sendo 1 unidade, e os colaboradores a tempo parcial contabilizam-se em função da fracção do dia normal de trabalho. O termo de referência para o tempo integral, contudo, é sempre a pessoa/ano. Exemplo de cálculo de ETI: As actividades de inovação na organização foram desenvolvidas por pessoal a tempo parcial e integral. Como proceder ao cálculo do ETI? - Um indivíduo A ocupa-se a 100% em actividades de Inovação durante todo o ano - Um indivíduo B ocupa-se a 100% em actividades de Inovação durante 6 meses - Um indivíduo C ocupa-se a 25% em actividades de Inovação durante todo o ano - Um indivíduo D ocupa-se a 30% em actividades de Inovação durante 4 meses Indivíduo Percentagem de Percentagem de tempo N.º colaboradores ETI tempo em em inovação no ano afectos a actividade inovação de inovação A 100% 100% * 1 ano = 100% 1 1 B 100% 100% * 1/2 ano = 50% 1 0,5 C 25% 25% * 1 ano = 25% 1 0,25 D 30% 30% * 1/3 ano = 10% 1 0,1 4 1,85

4 4 Secção II - INOVAÇÃO DO PRODUTO 1. Produtos Novos ou significativamente melhorados para a empresa mas não para o mercado: Introdução de um bem ou serviço novo ou significativamente melhorado no que respeita às suas características ou usuabilidade. Estas melhorias incluem melhorias significativas nas especificações técnicas, componentes e materiais, incorporação de software, e outras características funcionais. A inovação refere-se a um produto novo ou substancialmente melhorado para a empresa, não sendo, necessariamente, novo para o mercado. (para mais esclarecimentos p.f. consultar Manual do Consultor). 2. Produtos Novos ou significativamente melhorados para a empresa e para o mercado: Introdução de um bem ou serviço novo ou significativamente melhorado no que respeita às suas características ou usuabilidade. Estas melhorias incluem melhorias significativas nas especificações técnicas, componentes e materiais, incorporação de software, e outras características funcionais. A inovação refere-se a um produto novo ou substancialmente melhorado para o mercado. (para mais esclarecimentos p.f. consultar Manual do Consultor). 3. Quem desenvolveu a inovação no produto? Assinale quem efectivamente desenvolveu as inovações no produto. No caso de ser mais que uma hipótese assinalar as opções correspondentes.

5 5 Secção III - INOVAÇÃO DO PROCESSO 1. Processos tecnologicamente novos ou significativamente melhorados, mas que já existem no mercado Implementação de um método de produção novo ou significativamente melhorado para a empresa. Inclui mudanças nas técnicas de produção, aquisição de novos equipamentos ou alteração de software. A Inovação no Processo deve ser significativa em termos do nível e da qualidade do produto ou dos custos de produção e entrega. 2. Processos tecnologicamente novos ou significativamente melhorados para a empresa e mercado Implementação de um método de produção novo, desenvolvido pela empresa, e que não existe no mercado. Inclui mudanças nas técnicas de produção, aquisição de novos equipamentos ou alteração de software. A Inovação no Processo deve ser significativa em termos do nível e da qualidade do produto ou dos custos de produção e entrega. 3. Quem desenvolveu a inovação no processo? Assinale quem efectivamente desenvolveu as inovações no processo. No caso de ser mais que uma hipótese.

6 6 Secção IV - INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL A Inovação Organizacional refere-se a todo e qualquer método implementado na empresa que implique alterações na área de negócio, na estrutura de trabalho e nas relações institucionais externas, desde que seja usado/implementado pela primeira vez. 1.1 Considera-se que houve inovação no Sistemas de Gestão do Conhecimento quando são introduzidas novas ferramentas que permitem referenciar, relacionar e partilhar, informação de diferentes formatos e origens de forma a tirar partido da memória e know-how colectivo das organizações para que a informação existente possa ser utilizada na tomada de decisão. Ex: Instalação da Intranet pela 1.ª vez. 1.2 Consideram-se inovação na organização do trabalho dentro da empresa, mudanças que impliquem restruturação na estrutura de gestão, alterações no organigrama da empresa, ou restruturação da estrutura produtiva, com impacto significativo na estrutura anterior. 1.3 Considera-se inovação na relação da empresa com a envolvente, quando são introduzidas alterações que implicam modificação do statu quo nas relações institucionais com o exterior. Ex: Definição de Parcerias, ou políticas de subcontratação, pela 1.ª vez. 2. Quem desenvolveu a inovação na organização? Assinale quem efectivamente desenvolveu as inovações na organização. No caso de ser mais que uma hipótese assinalar as opções correspondentes. 3. Considera-se Software Aplicacional programas de computador que têm por objectivo o desempenho de tarefas específicas, de índole prática, geralmente ligadas ao processamento de dados. Ex: software de apoio à contabilidade.

7 7 Secção V - INOVAÇÃO EM MARKETING 1. A inovação em marketing é a implementação de novas técnicas de promoção, expansão de áreas distribuição, novas políticas de preços e imagem. Ex: Utilização (pela 1.ª vez) de e-business para venda de produtos; Alterações significativas no design do produto para atingir novos nichos de mercado. 2. Quem desenvolveu a inovação em Marketing? Assinale quem efectivamente implementou as inovações na área de marketing. No caso de ser mais que uma hipótese assinalar as opções correspondentes. 3. E-Business: Negócios que têm a sua realização intercedida pela Internet através de contactos com clientes e fornecedores, gestão de encomendas através de , pesquisas de mercados, pesquisa de novos clientes e fornecedores e análise dos concorrentes. Assinalar tanto para as Vendas como para as Compras o grau de utilização de e- business ao nível da Procura/Divulgação; Encomendas; Pagamentos/Recebimentos. 3.1 Considerar o Volume de Negócios cuja realização foi intercedida pela internet através de contactos com clientes e fornecedores, gestão de encomendas através de , pesquisas de mercados, pesquisa de novos clientes e fornecedores e análise dos concorrentes.

8 Secção VI - ACTIVIDADES E DESPESAS EM INOVAÇÃO 1. Despesas em Actividades de Inovação Realização de Actividades de I&D (Intramuros): Despesas com actividades de Investigação e Desenvolvimento prosseguidas de forma sistemática, com vista a ampliar o conjunto de conhecimentos em novas aplicações, no domínio da produção, da concepção, da comercialização e da prestação de serviços. Nestas despesas estão incluídas remunerações e encargos com o pessoal técnico, despesas de consumíveis, equipamento e software de apoio a actividades de I&D, livros técnicos, terrenos e construção, e outras despesas de capital efectuadas no âmbito de actividades de I&D. Aquisição Externa de I&D (Extramuros): Despesas de Subcontratação e Prestação de Serviços de terceiros, relativo a actividades de I&D prestadas por entidades externas à organização. Aquisição de Maquinaria, equipamento e Software: Despesas com aquisição de máquinas, equipamentos e hardware especificamente comprados para a implementação de produtos ou processos novos ou tecnologicamente aperfeiçoados. Aquisição de conhecimentos externos: Despesas com a aquisição externa de tecnologia na forma de: patentes, invenções não patenteadas, Licenças de exploração, know-how, marcas registradas, serviços de consultoria e assistência técnica, software, acordos de transferencia de tecnologia, etc. A diferença entre aquisição externa de I&D e aquisição de outros conhecimentos externos é que, no primeiro, uma pessoa/instituição é contratada para desenvolver I&D ou uma parte deste e, no segundo, a empresa adquire um conhecimento previamente desenvolvido. Formação: Despesas com formação directamente relacionado com as inovações tecnológicas de produto e de processo, organizacional ou em marketing. Esta definição exclui a formação empresarial direccionada para a formação de novos trabalhadores em métodos produtivos já existentes e formação generalizada que promova a reciclagem dos conhecimentos dos colaboradores. Actividades de Marketing: Despesas efectuadas com actividades de comercialização e de marketing, directamente ligadas ao lançamento de um produto onde se incluem os gastos com análises de mercado, publicidade e divulgação. Excluem-se a construção de redes de distribuição e honorários com representantes e agentes comerciais. Outros procedimentos: Despesas com procedimentos e preparações técnicas que possam influenciar a implementação de inovações de produto ou processo. Inclui mudanças nos procedimentos de produção e controle de qualidade, métodos e padrões de trabalho e software requeridos para a implementação de produtos ou processos tecnologicamente novos ou aperfeiçoados, assim como as actividades de industriais comuns (metrologia, normalização e avaliação de conformidade), ensaios e testes, etc Financiamento Publico para Actividades de Inovação Formação: Despesas com formação financiada por contrapartidas nacionais e/ou comunitárias directamente relacionado com as inovações tecnológicas de produto e de processo, organizacional ou em marketing. Ex: Programa Formação Profissional Incentivos Fiscais: Concessão de incentivos fiscais às actividades de I&D empresarial como forma de apoio às empresas que intensificam os seus investimentos em investigação e desenvolvimento. Ex: SIFIDE

9 9 Financiamento de Imobilizado Corpóreo: Financiamento público para aquisição de máquinas, equipamentos e hardware que sejam directamente utilizados em actividades de inovação. Ex: SIME; SIPIE;... Financiamento Nacional de Projectos de I&D: Financiamento público de programas nacionais para projectos de Investigação e Desenvolvimento. Ex: IDEIA; FCT; NITEC; SIME IDT,... Financiamento Comunitário de Projectos de I&D: Financiamento público de programas comunitários para projectos de Investigação e Desenvolvimento. Ex: Programa Quadro; CYTED; ESA; EUREKA; LIFE; LEONARDO Da VINCI;... Financiamento Nacional para Protecção de PI: Financiamento público destinado ao registo ou manutenção de sinais distintivos de produtos e serviços (marcas), pedidos de patente, de modelos de utilidade e de desenhos ou modelos, com recurso à utilização do Sistema Nacional de Propriedade Industrial. Ex: SIUPI Capital de Risco, Empréstimos Bonificados: Financiamento publico para apoio a projectos com forte conteúdo inovador. Ex: FINICIA Outra: Outros financiamentos públicos destinados a catalisarem actividades inovadoras nas empresas para além dos acima mencionados. Ex: DEMTEC; SICE; SIED; NEST; MAPE;...

10 10 Secção VII - FONTES DE INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO 1. Indique a importância das diversas fontes de informação que a empresa utilizou para ao desenvolvimento de produtos e/ou processos novos ou significativamente melhorados, ou seja, de onde vieram as ideias para o desenvolvimento de novos produtos e/ou processos. Secção VIII PATENTES E OUTROS MÉTODOS DE PROTECÇÃO 1. Indique o número de patentes que a sua empresa tinha em vigor no final do ano a que o exercício respeita. deve ser contabilizado o deposito de patentes que ainda não foram efectivamente concedidas. 2. Indique quais as modalidades de protecção que a sua empresa utilizou no ultimo ano e quais os custos associados. Patente de Invenção: é o título jurídico atribuído ao inventor e que confere ao seu titular um direito exclusivo de explorar a invenção, impedir um terceiro de explorar, fabricar e utilizar sem consentimento a invenção durante um determinado período de tempo e num determinado território onde foi solicitada a protecção, de acordo com a respectiva legislação. Modelo de Utilidade: visam a protecção das invenções por um procedimento administrativo mais simplificado e acelerado do que o das patentes, mas que garantem o direito exclusivo de explorar a invenção durante um determinado período de tempo. pode incidir sobre matéria biológica e substâncias ou processos químicos ou farmacêuticos. Desenhos ou Modelos: destina-se à protecção da aparência da totalidade, ou de parte, de um produto através das suas características de linhas, contornos, cores, forma, textura e materiais do próprio produto e da sua ornamentação. Marcas: é a concessão jurídica feita a um sinal ou conjunto de sinais susceptíveis de representação gráfica, nomeadamente palavras, incluindo nomes de pessoas, desenhos, letras, números, sons, a forma do produto ou da respectiva embalagem, com a finalidade de distinguir produtos ou serviços de uma empresa das outras empresas. Direitos de Autor: protecção jurídica concedida ao autor de criações do domínio literário, científico e artístico. 3. Assinale se a sua empresa concedeu a exploração de uma invenção através de um contrato de transferência de tecnologia, e qual o montante associado para o ano referência. 4. Assinale se a sua empresa adquiriu alguma licença de exploração de patentes ou contratos de transferência de tecnologia como usuário, e qual o montante associado para o ano referência. Transferência de Tecnologia: é o processo de transmissão de tecnologia e sua absorção, adaptação, difusão e reprodução por uma empresa que não a empresa que criou o produto ou processo.

11 11 MÓDULO DE INOVAÇÃO Preencha o maior número de respostas possíveis das questões que se apresentam de seguida. Nos casos em que não existam dados disponíveis, ou seja desconhecidos, por favor escreva ND ( Disponível) no espaço adequado. Por favor indique valores negativos com um sinal de -. Por ex.: -234 Secção I Recursos Humanos Afectos à Inovação 1. A sua empresa possui um núcleo/departamento de Investigação, Inovação e Desenvolvimento? Sim 2. Preencha o n.º de colaboradores da sua empresa de acordo com o nível de escolaridade indicado no quadro abaixo N.º de colaboradores nº de colaboradores afectos a actividades de Inovação ETI (Equivalente a Tempo Integral) em activ. inovação Mestres e Doutorados Ensino Superior 3.º e 4.º Ciclo 1.º e 2.º Ciclo Total Secção II - Inovação do Produto 1. No último ano, quantos produtos tecnologicamente novos ou significativamente melhorados, mas que já existiam no mercado, foram introduzidos/produzidos pela sua empresa? 1.1 Contribuição da venda desse (s) produto (s) para o VN (volume de negócios) da empresa: ( ) 2. No último ano, quantos produtos tecnologicamente, foram introduzidos/produzidos pela sua empresa no mercado? 2.1 Contribuição da venda desse (s) produto (s) para o VN (volume de negócios) da empresa: ( ) 2.2 Número total de novos produtos

12 12 3. Quem desenvolveu a inovação no produto? (responda caso tenha incluído valores iguais ou superiores a 1 nas respostas anteriores). Somente a empresa Principalmente outra empresa do grupo A empresa em cooperação com outra organização (empresas, universidades, centros tecnológicos...) Outra empresa ou organização Secção III - Inovação do Processo 1. No último ano, quantos processos tecnologicamente novos ou significativamente melhorados, mas que já existiam no mercado, foram introduzidos na empresa? 2. No último ano, quantos processos tecnologicamente novos foram introduzidos na sua empresa? 3. Quem desenvolveu a inovação no processo? (responda caso tenha incluído valores iguais ou superiores a 1 nas respostas anteriores). Somente a empresa Principalmente outra empresa do grupo A empresa em cooperação com outra organização (empresas, universidades, centros tecnológicos...) Outra empresa ou organização Secção IV - Inovação Organizacional 1. Inovação Organizacional - No último ano a sua empresa introduziu: 1.1 Sistemas de Gestão do Conhecimento novos ou significativamente alterados para melhorar o uso ou troca de informação, os conhecimentos e as competências dentro da empresa. Sim 1.2 Alterações fundamentais na organização do trabalho dentro da empresa, tais como mudanças na estrutura de gestão ou a integração de novos departamentos ou actividades Sim 1.3 Alterações novas ou significativas nas relações com outras empresas ou instituições públicas, tais como, alianças, parcerias, outsourcing ou subcontratação. Sim

13 13 2. Caso tenha respondido Sim na Questão 1, 2 ou 3, quem desenvolveu a inovação Organizacional? Somente a empresa Principalmente outra empresa do grupo A empresa em cooperação com outra organização (empresas, universidades, centros tecnológicos...) Outra empresa ou organização 3. Quais as áreas da empresa que utilizaram software aplicacional durante o último ano? Software Aplicacional Nenhum Uso (1) (2) Uso regular (3) (4) Muito uso (5) Produção Transportes e Armazenamento Gestão Recursos Humanos Gestão Financeira (contabilidade, facturação...) Comercial e Marketing Inovação e Desenvolvimento do Produto/Serviço 4. A sua empresa dispõe de Intranet? Sim Secção V Inovação em Marketing 1. Inovação Marketing - No último ano a sua empresa introduziu: 1.1 Alterações significativas no design ou na embalagem de um bem ou serviço (deve excluir mudanças sazonais). Sim 1.2 Métodos de venda ou de distribuição novos ou significativamente alterados, tais como vendas pela Internet, franchising, vendas directas ou licenças da distribuição? Sim 1.3 Criação ou aquisição de marcas? Sim

14 14 2. Caso tenha respondido Sim na Questão 1,2 ou 3, quem desenvolveu a inovação em Marketing? Somente a empresa Principalmente outra empresa do grupo A empresa em cooperação com outra organização (empresas, universidades, centros tecnológicos...) Outra empresa ou organização 3. Indique as situações em que a empresa se serviu do e-business. Compras Vendas utiliza Utiliza regularmente Utiliza muito utiliza Utiliza regularmente Utiliza muito Procura / Divulgação Encomendas Pagamentos / Recebimentos 3.1 Indique o volume de negócios efectuado através de e-business: Secção VI Actividades e Despesa em Inovação 1. Durante o último ano qual o montante de despesa em actividades relevantes para a componente Inovação na empresa? euros Realização de Actividades de I&D (Intramuros) Aquisição externa de I&D (Extramuros) Aquisição de Maquinaria, equipamento e software Aquisição de conhecimentos externos Formação Actividades de Marketing Outros procedimentos DESPESA TOTAL EM INOVAÇÃO 2. Durante o último ano a sua empresa recebeu apoio financeiro público para realizar actividades de Inovação? Sim

15 Caso tenha respondido Sim, assinale o tipo de apoio e montantes: Formação Incentivos Fiscais Financiamento de imobilizado corpóreo Financiamento nacional de Projectos de I&D Financiamento comunitário de Projectos de I&D Financiamento nacional para protecção de propriedade industrial (ex: marcas, patentes...) Apoio de Capital de Risco, Empréstimos bonificados... Outra Secção VII Fontes de Informação e Tecnologias de Comunicação 1. Qual a importância das seguintes fontes de informação, para as actividades orientadas para a inovação da empresa? Importância Fontes de Informação Irrelevante (1) (2) Relevante (3) (4) Muito relevante (5) Fontes Internas Dentro da empresa ou do grupo a que pertence Fontes de Mercado Fornecedores Clientes e Consumidores Concorrentes Consultores Fontes Institucionais Universidades e Institutos Laboratórios do Estado e outros organismos públicos Centros Tecnológicos Associações Profissionais ou Empresariais

16 16 Outras Fontes Conferencias, feiras e exposições Revistas científicas e livros técnicos/profissionais Meios electrónicos de informação e comunicação (Internet, intranet... ) 76 Secção VIII Patentes e Outros Métodos de Protecção 1. Quantas patentes tinha a sua empresa em vigor até ao final do último ano? 2. Durante o último ano a sua empresa recorreu a alguma das seguintes modalidades para proteger as inovações desenvolvidas? Sim Se sim, quais os custos associados? Patente de Invenção Modelo de Utilidade Desenhos e Modelos Marcas Direitos de Autor 3. Durante o último ano a sua empresa deu à exploração algum contrato de transferência de tecnologia? Sim Se sim, qual o(s) montante(s)? 4. Durante o último ano a sua empresa efectuou a aquisição ou licença de exploração de patentes e/ou transferência de tecnologia? Sim Se sim, qual o(s) montante(s)?

17 17 CRITÉRIOS DE BENCHMARKING Por favor seleccione os critérios relativamente aos quais deseja comparar o desempenho da sua organização. Identifique que categorias deseja incluir. Para efectuar selecções regionais pode escolher mais que uma região. No entanto, para as outras categorias apenas pode escolher um critério. Pode escolher um código CAE ou uma Área de Actividade, mas não ambos. Regiões Nacionais: Todas Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve Madeira Açores CAE Classificação das Actividades Económicas Código CAE

18 18 (CRITÉRIOS DE BENCHMARKING CONT.) Áreas de Actividade: Agricultura, Silvicultura e Pescas Minas e Extracção de Minérios Alimentação, Bebidas e Tabaco Têxteis e Vestuário Madeira e Papel Química, Plásticos e Cerâmica Fabrico de Produtos Metálicos Indústria de Transportes Produção de Máquinas em Geral Serviços Públicos, Energia, Correios e Telecomunicações Indústria Eléctrica e Electrónica Comércio por Grosso e de Retalho Turismo Serviços de Transporte Serviços Financeiros/ Imobiliários Serviços Sociais/ Governamentais Outras Indústrias Outros Serviços Educação Construção Civil/ Obras Públicas Volume de Negócios: Mais de 0m 1m 5m 10m 50m Menos de 1m 5m 10m 50m Número de Trabalhadores: Mais de Menos de

19 O Índice Português de Benchmarking é um serviço: IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação R. Rodrigo da Fonseca, nº Lisboa Nº azul: Tel Fax web: 19

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Ideia Empresarial/Protecção da Ideia José Paulo Rainho Coordenador do UAtec Universidade de Aveiro Curso de Empreendedorismo e Valorização

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data

Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data 01 Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data O presente questionário deve ser utilizado em complemento dos Questionários de Avaliação Financeira, de Gestão e Excelência Módulos Base dos Índices

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA. Preâmbulo

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA. Preâmbulo REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Preâmbulo Tendo em conta que a UFP: É titulada pela Fundação Ensino e Cultura Fernando Pessoa, sua entidade Instituidora e a quem

Leia mais

ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade

ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade A A protecção das invenções ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade 1 A protecção das invenções Sumário rio: 1. Modalidades de protecção 2. O que

Leia mais

Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT

Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT Victor Francisco Responsável Unidade Gestão e Promoção da Inovação [victor.francisco@ctcv.pt] Seminário Gestão da Inovação - ACIB 25 de Março 2010 1 Sumário

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DAS PME DA REGIÃO CENTRO NOS PROGRAMAS VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NERGA, 23 DE JULHO

PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DAS PME DA REGIÃO CENTRO NOS PROGRAMAS VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NERGA, 23 DE JULHO Workshop Vale Mais Centro PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DAS PME DA REGIÃO CENTRO NOS PROGRAMAS VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NERGA, 23 DE JULHO ÍNDICE 1. O PROGRAMA VALE I&DT 2. O PROGRAMA VALE INOVAÇÃO 3. AS ENTIDADES

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Apoios ao Investimento em Portugal

Apoios ao Investimento em Portugal Apoios ao Investimento em Portugal AICEP Abril 2015 FINANÇAS Índice Investimento Produtivo Auxílios Estatais Máximos Incentivos Financeiros Incentivos Fiscais Investimento em I&D Empresarial Incentivos

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15 IAPMEI/DGAE (www.iapmei.pt / www.dgae.pt) PME Invest (Linha de Crédito com juro bonificado) Linha de Crédito PME Investe III Condições e processo de candidatura A Condições 1. Condições a observar pelas

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 02/SI/2012 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 25.04.2001 SG (2001) D/ 288171 Assunto: Auxílio estatal N 563/2000 Portugal Sistema de incentivos para o desenvolvimento regional dos Açores (SIDER). Excelência: I. Por carta

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 07 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO Nos termos do Regulamento do SI Qualificação

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

http://www.iapmei.pt/iapmei-leg-03p.php?lei=7886

http://www.iapmei.pt/iapmei-leg-03p.php?lei=7886 IAPMEI - Legislação - Legislação Nacional - Incentivos-Portaria 1102/2010 de 25 de... Page 1 of 24 Portaria nº 1102/2010 de 25 de Outubro de 2010 DR 207 - SÉRIE I Emitido Por Ministério da Economia, da

Leia mais

Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa. PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço

Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa. PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço Departamento de Informação e Promoção da Inovação Lisboa 9 Maio 2012 O que é a Propriedade Industrial?

Leia mais

PROTECÇÃO DAS MARCAS, PARA DEFESA DAS EMPRESAS ÍNDICE. Introdução. Terminologia e informações úteis

PROTECÇÃO DAS MARCAS, PARA DEFESA DAS EMPRESAS ÍNDICE. Introdução. Terminologia e informações úteis ÍNDICE Introdução Terminologia e informações úteis Recomendações para ajudar a prevenir a prática de actos ilegais Contactos úteis Diplomas legais mais relevantes 1/7 Introdução A protecção da propriedade

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Apoios para PME na colaboração com entidades do SCT Lurdes Pinho (Secretária Técnica Sistemas de Incentivos ON.2) 1 Enquadramento 2 Estrutura ON.2 Eixo Prioritário FEDER % PO I -

Leia mais

Desenvolvimento Rural. Capital Humano. Mar e Pescas

Desenvolvimento Rural. Capital Humano. Mar e Pescas ROADSHOW 2015 4 Grandes Grupos de Apoios Desenvolvimento Rural Competitividade e Internacionalização Capital Humano Mar e Pescas Beneficiários: Entidades Privadas Como Concorrer?? PRINCIPAIS LINHAS DE

Leia mais

ANÚNCIO DE ADJUDICAÇÃO DO CONTRATO

ANÚNCIO DE ADJUDICAÇÃO DO CONTRATO 1/ 11 ENOTICES_CCE-AML 07/12/2009- ID:2009-142749 Formulário-tipo 3 - PT UNIÃO EUROPEIA Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, L-2985 Luxemburgo Fax: (352) 29 29-42670

Leia mais

Anúncio voluntário de transparência ex ante

Anúncio voluntário de transparência ex ante União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, 2985 Luxembourg, Luxemburgo Fax: +352 29 29 42 670 Correio electrónico: ojs@publications.europa.eu Informação

Leia mais

Regime Fiscal de Apoio ao Investimento

Regime Fiscal de Apoio ao Investimento RFAI Regime Fiscal de Apoio ao Investimento Elaboração de dossier fiscal possível em permanência Porto Rua Dr. Ernesto Soares dos Reis Nº 208, 1º Andar, Sala P 3720 256 Oliveira de Azeméis - Portugal Lisboa

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO 1 PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO Destinatários: Empresários do sector do comércio enquadrados nas CAEs definidas na medida Comércio Investe. Projecto: Comércio Investe. Prazo de execução: Candidatura

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SI À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO SI À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Data: 13 de Outubro

Leia mais

PSZ CONSULTING Dez 2014

PSZ CONSULTING Dez 2014 Incentivos Fiscais PSZ CONSULTING Dez 2014 Índice Índice... 1 1 Introdução... 3 2 RFAI... 3 2.1 O Que é?... 3 2.2 Beneficiários... 3 2.3 Condições de Acesso... 4 2.4 Despesas Elegíveis... 4 2.5 Taxas de

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Sistemas de Incentivos Portugal 2020

Sistemas de Incentivos Portugal 2020 Sistemas de Incentivos Portugal 2020 Portugal 2020 Acordo de parceria entre Portugal e a Comissão Europeia no qual se consagra a política de desenvolvimento económico, social e territorial a promover entre

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO E APOIO EMPRESAS DOS AÇORES. 2011- Junho

LINHAS DE CRÉDITO E APOIO EMPRESAS DOS AÇORES. 2011- Junho LINHAS DE CRÉDITO E APOIO ÀS EMPRESAS DOS AÇORES 2011- Junho CONJUNTURA INTERNACIONAL ADVERSA No final do ano de 2008 dá-se o colapso de algumas das principais instituições financeiras dos EUA Rápida contaminação

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Plano de Negócios Maria José Aguilar Madeira Silva Professora Auxiliar do DGE UBI 1 Objectivos Programa Conteúdo Lista de Questões

Leia mais

É um sistema específico de incentivos fiscais ao investimento realizado pelo sujeito passivo de IRC.

É um sistema específico de incentivos fiscais ao investimento realizado pelo sujeito passivo de IRC. O presente resumo não dispensa a consulta dos respectivos diplomas legais, referentes a cada um dos programas. A sua leitura e análise é essencial para o devido enquadramento de cada caso específico. RFAI

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data

Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data 01 Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data O presente questionário deve ser utilizado em complemento dos Módulos Base (Questionários de Avaliação Financeira de Gestão e da Excelência) dos

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 05/SI/2010 1 Índice Destinatários... 3 Condições de Elegibilidade do

Leia mais

inovar Ajudamos http://www.adi.pt

inovar Ajudamos http://www.adi.pt Ajudamos a inovar http://www.adi.pt Promover a inovação e o desenvolvimento tecnológico facilitando o aprofundamento das relações entre o mundo da investigação e o tecido empresarial português A Agência

Leia mais

... ... Exemplos de inovações de produto...3 Bens...3 Serviços...4

... ... Exemplos de inovações de produto...3 Bens...3 Serviços...4 E X E M P L O S D E I N O V A Ç Ã O 2 0 0 8 2 Exemplos de Inovação Apresentação de alguns exemplos relacionados com os vários tipos de inovação para ajuda no preenchimento das questões relacionadas com

Leia mais

Anúncio de adjudicação de contratos no domínio da defesa e da segurança

Anúncio de adjudicação de contratos no domínio da defesa e da segurança União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, 2985 Luxembourg, Luxemburgo +352 29 29 42 670 ojs@publications.europa.eu Informação e formulários em linha: http://simap.europa.eu

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Subsistemas Fomento da Base Económica de Exportação Desenvolvimento Local Empreendedorismo

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um Grupo Financeiro de âmbito nacional, integrado por um vasto número de bancos locais Caixas Agrícolas

Leia mais

Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura

Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura Com o propósito de ajudar no preenchimento do formulário de candidatura online, em letra Arial, tamanho 11, a informação necessária está resumida

Leia mais

Anúncio de adjudicação de contrato

Anúncio de adjudicação de contrato União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, 2985 Luxembourg, Luxemburgo +352 29 29 42 670 ojs@publications.europa.eu Informação e formulários em linha: http://simap.europa.eu

Leia mais

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa INOVAÇÃO e I&DT Lisboa Prioridades, Impactos, Próximo Quadro MIGUEL CRUZ Aumentar a capacidade competitiva no mercado internacional Reforçar as competências estratégicas Apoiar as PME no reforço das suas

Leia mais

Identificação do questionário. 02 - Data da coleta: / / Identificação da empresa. Informações adicionais. 04 - E-mail do entrevistado:

Identificação do questionário. 02 - Data da coleta: / / Identificação da empresa. Informações adicionais. 04 - E-mail do entrevistado: IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PESQUISA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 005 PROPÓSITO DA PESQUISA - As informações fornecidas por sua empresa

Leia mais

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Incentivos às empresas Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Os Incentivos na estratégia do IAPMEI para as PME Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias de

Leia mais

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Diário da República, 1.ª série N.º 147 31 de Julho de 2008 5159 d) Manter organizado o registo contabilístico das mediações efectuadas por mediador; e) Manter organizado o inventário; f) Manter organizado

Leia mais

Normas de Execução Financeira

Normas de Execução Financeira PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 1. Âmbito do financiamento POCI e POS_C Normas de Execução Financeira 1.1. As verbas atribuídas destinam-se a financiar as despesas do

Leia mais

Oportunidades de Financiamento PROJETOS EMPRESARIAIS E OS SISTEMAS DE INCENTIVO

Oportunidades de Financiamento PROJETOS EMPRESARIAIS E OS SISTEMAS DE INCENTIVO Oportunidades de Financiamento PROJETOS EMPRESARIAIS E OS SISTEMAS DE INCENTIVO Hugo Barros UALG Universidade do Algarve Albufeira, 12 de Março 2015 INOVAÇÃO PAPEL CRUCIAL NO CRESCIMENTO ECONÓMICO DOS

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Piedade Valente Comissão Diretiva do COMPETE Sintra, 9 de outubro de 2014 Agenda da Competitividade (2007-2013): instrumentos de apoio eficiência

Leia mais

A DGAE e a Política de Inovação

A DGAE e a Política de Inovação A DGAE e a Política de Inovação Seminário A Criatividade e a Inovação como Factores de Competitividade e Desenvolvimento Sustentável APOCEEP, 9 de Julho de 2009 José António Feu Director do Serviço para

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

Projectos de I&DT Empresas Individuais

Projectos de I&DT Empresas Individuais 1 Projectos de I&DT Empresas Individuais Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT) Projectos de I&DT Empresas Dezembro de 2011 2 s Enquadramento Aviso n.º 17/SI/2011

Leia mais

Domínio Competitividade e Internacionalização. Sistemas de incentivos às empresas

Domínio Competitividade e Internacionalização. Sistemas de incentivos às empresas Sistemas de incentivos às empresas ACIBTM/In.Cubo 6 de julho 2015 P. O. financiadores Domínio Competitividade e OBJETIVO: Criação de riqueza e de emprego através da melhoria da competitividade das empresas

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha Específica PME Investe III do Sector do Turismo, visa

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) - INOVAÇÃO PRODUTIVA Objectivos e Prioridades O presente concurso destina-se a apoiar investimentos

Leia mais

Programas de Incentivos e a Certificação. IX FORUM APCER Centro de Congressos de Lisboa, 15 de Março

Programas de Incentivos e a Certificação. IX FORUM APCER Centro de Congressos de Lisboa, 15 de Março e a Certificação IX FORUM APCER Centro de Congressos de Lisboa, 15 de Março QUALIDADE - motor do sucesso de qualquer empresa. Factor de distinçã ção o e escolha de produtos e serviços QUALIDADE e INOVAÇÃ

Leia mais

B-Bruxelas: Estudo sobre a situação do mercado de encomendas da UE, com especial ênfase no comércio electrónico 2012/S 99-163950. Anúncio de concurso

B-Bruxelas: Estudo sobre a situação do mercado de encomendas da UE, com especial ênfase no comércio electrónico 2012/S 99-163950. Anúncio de concurso 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:163950-2012:text:pt:html B-Bruxelas: Estudo sobre a situação do mercado de encomendas da UE, com especial ênfase no comércio

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

Questionário ao Potencial Inovador, Científico e Tecnológico no âmbito dos Sistemas de Informação

Questionário ao Potencial Inovador, Científico e Tecnológico no âmbito dos Sistemas de Informação Questionário ao Potencial Inovador, Científico e Tecnológico no âmbito dos Sistemas de Informação Departamento da Qualidade na Saúde - Principais Resultados Globais - Ficha Técnica Título: Questionário

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 13.REV1/2011 SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT LIMITES À ELEGIBILIDADE DE DESPESAS, CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DE APLICAÇÃO DAS DESPESAS ELEGÍVEIS E METODOLOGIA DE CÁLCULO DAS DESPESAS COM

Leia mais

AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 04 AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Como aceder aos principais apoios financeiros disponíveis. 1 Ficha Técnica Título: Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Como aceder aos principais apoios financeiros

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de Julho, que aprovou o PPCE - Programa

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Centro Internacional de Negócios da Madeira Um Instrumento de Política de Desenvolvimento e Sustentabilidade

Leia mais

Innovation at your service

Innovation at your service Innovation at your service TecMinho Interface da Universidade do Minho Azurém Campus - Guimarães Gualtar Campus - Braga A rede GAPI: Gabinetes de Apoio à Promoção da Propriedade Industrial O que são os

Leia mais

DNP Documento Normativo Português TS

DNP Documento Normativo Português TS Documento Normativo Português TS Especificação Técnica DNP Determinação do valor da incorporação nacional em serviços Détermination de la valeur de l incorporation nationale dans des services Determination

Leia mais

JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15

JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15 JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15 2º Painel Incentivos à Indústria O papel do IAPMEI na Competitividade do setor Miguel Cruz 26 Novembro de 2015 Apoiar as PME nas suas estratégias de crescimento inovador

Leia mais

Incentivos às Empresas

Incentivos às Empresas Incentivos às Empresas Qualificação, Inovação e I&DT Pedro Cilínio (pedro.cilinio@iapmei.pt) Direcção de Gestão de Incentivos e de Créditos Perspectiva da Empresa 1º Definir a Missão, Visão e Valores 2º

Leia mais

Investimento em Portugal

Investimento em Portugal Investimento em Portugal O investimento em Portugal é regulado pelo Código Fiscal do Investimento, que prevê um conjunto de incentivos para projectos de investimento produtivo em determinadas actividades

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Seminário OEP/INPI. Marcas Suas características e importância para o comércio

Seminário OEP/INPI. Marcas Suas características e importância para o comércio Seminário OEP/INPI Apresentado por José Maria Maurício Director de Marcas e Patentes Marcas Suas características e importância para o comércio Em cooperação com: Bissau, 22 de Dezembro de 2006 1 Marca

Leia mais

União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia. Anúncio de adjudicação de contrato (Directiva 2004/18/CE)

União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia. Anúncio de adjudicação de contrato (Directiva 2004/18/CE) União Europeia Publicação no suplento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, 2985 Luxbourg, Luxburgo Fax: +352 29 29 42 670 Correio electrónico: ojs@publications.europa.eu Informação e formulários

Leia mais

Nome oficial: Comunidade Intermunicipal do Baixo Mondego Endereço postal: Rua Dr. Francisco Luiz Coutinho - Solar dos Pinas

Nome oficial: Comunidade Intermunicipal do Baixo Mondego Endereço postal: Rua Dr. Francisco Luiz Coutinho - Solar dos Pinas União Europeia Publicação no suplento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, 2985 Luxbourg, Luxburgo Fax: +352 29 29 42 670 Correio electrónico: ojs@publications.europa.eu Informação e formulários

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments O Centro Internacional de Negócios da Madeira Lisboa, 20 de Abril de 2010 Índice 1. Fundamentos do CINM 2.

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio.

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio. Missão Empresarial Moçambique 28 agosto 3 setembro 2014 Moçambique: porta de entrada na África Austral Moçambique é hoje um mercado em expansão com mais de 24 milhões de consumidores, que tem vindo a registar

Leia mais

Bruxelas, 25-VIII-2005 C(2005) 3288

Bruxelas, 25-VIII-2005 C(2005) 3288 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 25-VIII-2005 C(2005) 3288 Assunto: Auxílio estatal N 360/2005 Portugal Alteração do regime de auxílios existente Auxílios estatais a favor do desenvolvimento regional dos Açores

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html Polónia-Varsóvia: Contrato-quadro para desenvolvimento de Intranet com base em SharePoint, sistema

Leia mais

L-Luxemburgo: PE-ITEC-DIT-ITIM-2012/03-CLAVIS Software de gestão de documentos 2013/S 015-020052. Anúncio de concurso.

L-Luxemburgo: PE-ITEC-DIT-ITIM-2012/03-CLAVIS Software de gestão de documentos 2013/S 015-020052. Anúncio de concurso. 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:20052-2013:text:pt:html L-Luxemburgo: PE-ITEC-DIT-ITIM-2012/03-CLAVIS Software de gestão de documentos 2013/S 015-020052

Leia mais

Este guia é dirigido a todos os que pretendem internacionalizar a sua actividade e exportar os seus produtos ou serviços.

Este guia é dirigido a todos os que pretendem internacionalizar a sua actividade e exportar os seus produtos ou serviços. Este guia é dirigido a todos os que pretendem internacionalizar a sua actividade e exportar os seus produtos ou serviços. Se está nestas condições, leia atentamente este guia. Através deste guia ficará

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

Empreendedorismo de Base Tecnológica

Empreendedorismo de Base Tecnológica Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores (LEIC) Alameda 2005-2006 1º Semestre Empreendedorismo de Base Tecnológica Rui Baptista http://in3.dem.ist.utl.pt/pp/rbaptista/0506ebt/

Leia mais