DEPARTAMENTO DE MARKETING. ( Aplicação do Marketing na Estrutura de uma Empresa )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPARTAMENTO DE MARKETING. ( Aplicação do Marketing na Estrutura de uma Empresa )"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE DEPARTAMENTO DE MARKETING ( Aplicação do Marketing na Estrutura de uma Empresa ) Por: Gilson Carlos Ramos do Amaral Orientador: Prof. Marco Antônio Chaves Rio de Janeiro, RJ, dezembro/2001

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE DEPARTAMENTO DE MARKETING ( Aplicação do Marketing na Estrutura de uma Empresa ) Por: Gilson Carlos Ramos do Amaral Trabalho Monográfico apresentado Como requisito parcial para obtenção Do Grau de Especialista em Marketing no Mercado Globalizado Rio de Janeiro, RJ, dezembro/2001

3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA O MARKETING A EVOLUÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MARKETING Os estágios da evolução PROPOSTA PARA TORNAR UMA EMPRESA ORIENTADA PARA O MARKETING A importância da departamentalização em marketing ORGANIZAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MARKETING PREENCHIMENTO DE CARGOS Descrição de cargos O organograma de marketing Relação funcional do pessoal do marketing RELAÇÕES DO MARKETING COM OUTROS DEPARTAMENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÕES E PESQUISA DE MERCADO Sistema de informação de marketing Pesquisa de mercado CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 43

4 Agradeço a todas as pessoas que direta ou indiretamente contribuiram para realização desse trabalho monográfico.

5 INTRODUÇÃO É de fundamental importância o tema abordado, pois apresenta questões de como uma empresa e seus determinados setores vêem o departamento de marketing e sua real utilização para o bom funcionamento da mesma. Os tópicos que compõem este trabalho vão desde o surgimento do departamento de marketing no Brasil até os mais modernos recursos de pesquisa de mercado, passando, evidentemente por sua estruturação, com descrição de cargos e relação com outros departamentos. O método utilizado foi o de pesquisa à autores altamente conceituados no que se refere à conceito de marketing para empresas. Foi feita uma análise de cada texto pesquisado para assim destacar o que de mais importante seria para a montagem do trabalho. Como objetivo foi o de ressaltar a importância de um departamento ainda em crescimento, que, por isso é visto por muitos como um desafio. Acredita-se que o departamento de marketing para muitas empresas é algo recente e que precisa de muito trabalho para ser estruturado, mas que em breve poderá contribuir para o sucesso da empresa. A elaboração deste trabalho monográfico parte do seguinte princípio: acreditando ser o marketing peça fundamental para uma boa relação da empresa com o mercado/cliente o administrador passa a ter de manter uma ligação direta com este conceito. Com isso, o marketing passa a ser uma importante área de estudo para os futuros administradores de empresa.

6 1 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA O MARKETING

7 Para operar eficientemente toda a empresa deve organizar-se. A organização é muito importante, principalmente quando as empresas começam a crescer no mercado em que atuam. Com novas contratações e a criação de funções, se não houver planejamento na organização, as atividades e os níveis de relacionamento serão certamente afetados, dificultando a obtenção dos objetivos que devem ser alcançados. A estrutura organizacional permite o estabelecimento das relações entre os vários profissionais e também define quem deverá tomar decisões em diferentes áreas. A empresa ideal é aquela que determina claramente o que é esperado de cada um de seus colaboradores e a quem cada um deles deve reportar-se. Alem disso, deve orientar seus executivos sobre as decisões que poderão ser tomadas independentemente de consulta a outros. Dessa forma será possível a criação de uma harmonia organizacional, que contribuirá para melhor desempenho da empresa. As etapas de crescimento de uma empresa são: criação, direção, delegação, coordenação e colaboração. Na fase de criação, os fundadores da empresa dão atenção maiores às atividades-fins da empresa, enquanto as atividades administrativas não são muito enfatizadas. Na fase de direção, o administrador profissional traz para a empresa novas técnicas administrativas. Na fase de delegação os administradores procuram delegar a outros as decisões e transferir certas responsabilidades à níveis mais baixos. Com isso aparece o problema da coordenação. Nesta fase, processos formais são implantados e existe maior controle sobre investimentos, controles burocráticos mais rígidos e, consequentemente, diminuição da eficiência. Finalmente, na fase de colaboração, o esforço concentra-se na busca de métodos mais eficientes que reduzam a burocracia, surgindo novos procedimentos administrativos. O sucesso do empreendimento de uma organização bem estruturada, entretanto, está condicionado às pessoas que dela participam. Todo empresário ou executivo deve conhecer algumas características básicas para montar uma estrutura organizacional.

8 Em uma empresa do setor industrial, por exemplo, é básico o conhecimento da produção. Para produzir, ele comprará materiais e tomará decisões relacionadas com a obtenção de capital de giro, analisará relatórios de contabilidade etc. Preocupar-se-á com finanças, além de estabelecer procedimentos que facilitem o desempenho da empresa. Deverá preocupar-se também com a comercialização dos produtos e, para isto, tomará decisões sobre como e onde vender, qual o tamanho ideal da equipe de vendas, entre outras. Portanto, pode-se concluir que as funções administrativas de uma empresa industrial são basicamente: produção, administração, finanças e vendas. Existem várias formas para organização de uma empresa. Entretanto, o interesse focado aqui está na estrutura de uma empresa voltada para o Marketing. A empresa orientada para o marketing é aquela que procura adaptar-se para proporcionar a satisfação dos desejos e necessidades dos consumidores. Em outras palavras, é a empresa que adota o conceito de marketing. A adoção do conceito de marketing é uma questão de mentalidade. Como se trata de um conceito de orientação para o consumidor, com todos os departamentos da empresa voltados para a satisfação do cliente, sua adoção dependerá da disposição dos principais executivos para passarem para os níveis inferiores suas determinações com este objetivo. Se houver esta disposição, a empresa estará orientada para o marketing. Neste caso, além do departamento de marketing, todos os outros departamentos, de produção, de finanças e administrativos deverão perseguir estes mesmos objetivos de atendimento aos desejos e necessidades dos consumidores. Exatamente por esta necessidade de integração as decisões de marketing que necessitam da cooperação de outros departamentos devem ser tomadas em níveis superiores da estrutura organizacional. Alguns autores não acreditam que a localização da tomada de decisão seja fator determinante de sucesso, pois, uma vez que a empresa como um todo tenha assimilado o conceito de marketing, todos os departamentos deverão cooperar para o alcance desse objetivo.

9 O número de atividades também caracteriza o nível em que uma empresa é orientada para o marketing. O grau de implementação e planejamento da administração de marketing depende da forma como a empresa é organizada. O departamento de marketing de uma empresa que atua no setor de bens de consumo pode ter maior número de gerentes responsáveis por áreas do que o departamento de marketing de uma empresa industrial. As atividades do marketing são estabelecidas a partir da determinação das principais funções para as atividades mercadológicas. 2 A EVOLUÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MARKETING

10 Como em outros países, o departamento de marketing no Brasil, é decorrência de uma evolução do departamento de vendas. Inicialmente, as empresas enfatizavam o trabalho de vendas. Neste período, algumas atribuições de marketing eram delegadas aos principais executivos da área. Atividades como pesquisa e propaganda eram responsabilidades do departamento. Com o crescimento dos negócios, surgiu a tendência para a criação de áreas específicas, inicialmente subordinadas ainda aos executivos de vendas. Em etapa posterior, as funções de marketing passaram a ter profissionais responsáveis para cada atividade, posicionados horizontalmente. Logo após este estágio, surgiu o departamento de marketing específico, passando a englobar também as atividades de vendas. Ainda hoje se observa este tipo de evolução em algumas empresas, e geralmente ocorrem atritos entre os executivos dessas áreas. O gerente de vendas poderá não admitir a sua subordinação a um novo departamento se ele não for designado para tal posto. Portanto, deverá existir sensibilidade por parte da alta administração para implantar estas mudanças. A implantação de uma estrutura de marketing na empresa é feita de várias formas. É possível estruturar este departamento por funções, por mercados, por região ou por divisão. Na realidade, a decisão a respeito de que estrutura de marketing adotar deve ser baseada em grande parte no bom senso do administrador principal ou dos principais responsáveis que coordenarão esta estrutura para atingir os objetivos de organização. Não existe uma forma rígida que possa ser usada pela maioria das empresas. A melhor será aquela que coordena todas as atividades e que pode proporcionar melhores resultados em conseqüência deste esforço integrado. 2.1 Os estágios da evolução.

11 O moderno departamento de marketing é o produto de uma longa evolução, desde os primórdios mais modestos. Pode-se distinguir cinco estágios nessa evolução. Os exemplos de empresas com esses departamentos podem ser facilmente encontrados em cada um desses estágios. Simples Departamento de Vendas Todas as empresas começam com três funções simples. Alguém precisa levantar e administrar o capital (finanças), produzir o produto ou serviço (operações) e vendê-lo (vendas). A função de vendas é encabeçada por um vice-presidente que, basicamente, gerencia uma força de vendas e realiza, ele próprio, algumas vendas. Quando a empresa precisa de alguma pesquisa de marketing ou propaganda, o vice-presidente de vendas também trata disso, pois pertence à sua área. No entanto, ele se dedica mais à força de vendas do que a essas outras tarefas. Departamento de Vendas com funções auxiliares À medida que a empresa se expande, descobre que precisa de pesquisa de marketing, de propaganda e de prestar serviço ao cliente, numa base mais regular. O vice-presidente de vendas emprega, agora, alguns especialistas que poderão desempenhar esse trabalho sob sua direção. Ele continua a dedicar a maior parte de seu tempo à administração da força de vendas e poderá nomear um diretor de marketing para administrar as outras atividades de marketing. Departamento de Marketing distinto O crescimento continuado da empresa, inevitavelmente aumenta a importância das outras funções de marketing: pesquisa de marketing, desenvolvimento de novo produto, propaganda e promoção, serviço ao cliente (relativas à atividades da força de vendas). Já que o vice-presidente de vendas tende a negligenciar ou a não se preocupar com essas outras atividades, o presidente da empresa geralmente toma a iniciativa de criar um Departamento de Marketing. A empresa agora possui um vice-presidente de vendas e um vice-presidente de marketing. Moderno Departamento de Marketing Embora se suponha que o vice-presidente de vendas e o vice-presidente de marketing trabalhem em harmonia, suas relações são geralmente caracterizadas por rivalidades e desconfianças. O vice-presidente de vendas vê uma conspiração ao se tornar a força de vendas menos importante no composto de marketing; por outro lado, o vice-presidente de marketing visa estender seu poder para todas as funções de influência a clientes. O vice-presidente de vendas

12 tende a tomar atitudes a curto prazo e preocupar-se com a obtenção de vendas atuais. O vice-presidente de marketing tende a tomar atitudes a longo prazo e preocupar-se com o planejamento de certos produtos e estratégias de marketing, a fim de preencher as necessidades dos clientes a longo prazo. Moderna empresa orientada para o marketing Uma empresa poderá ter um moderno Departamento de Marketing e, no entanto, não operar como uma moderna empresa orientada para o marketing. Para que isso ocorra, como nesse último caso, dependerá de como os executivos da empresa visualizam a função de marketing. Se encararem o marketing apenas como uma entre as diversas funções administrativas da empresa, provavelmente essa não será uma moderna empresa orientada para marketing. Se considerarem o marketing como o centro de empreendimento e não apenas como uma de suas ramificações, então, a empresa terá conseguido o desenvolvimento de um marketing moderno. O vice-presidente de marketing independentemente do grua de eficiência com que dirija o seu departamento, encontra freqüente resistência por parte dos outros vice-presidentes, sobre o que ele considera como imperativos de marketing. O vicepresidente de produção prende-se à lógica da minimização dos custos e ressente-se da interrupção dos programas de produção para satisfazer os clientes. Ele age como se os recursos da empresa estivessem centrados na fábrica, em vez de estarem no mercado. O vice-presidente de finanças está orientado para os retornos de investimentos visíveis e mensuráveis. Ele não tem certeza sobre os dispêndios de investimento para as pesquisas de marketing, comunicações, propaganda e promoção. Protesta contra os declínios nas vendas, recomendando cortes nas despesas de desenvolvimento de mercado. Somente algumas empresas alcançaram a estatura de uma genuína empresa de marketing: algumas empresas de bens de consumo e empresas industriais, por exemplo. Há forte oposição à idéia de adaptar todas as funções da empresa à tarefa de produzir clientes satisfeitos. A resposta, por fim, deve residir no aumento do poder e da autoridade do vice-presidente de marketing sobre todas as outras funções administrativas.

13 3 PROPOSTA PARA TORNAR UMA EMPRESA ORIENTADA PARA O MARKETING Uma das condições essenciais é que o principal administrador e proprietário acredite na necessidade de implantação do marketing e acredite também que a melhor forma de se obter resultados positivos é através de satisfação de desejos e necessidades dos consumidores. A alta administração deve ser a primeira a assumir a filosofia, para depois, então, passá-la a seus subordinados. Portanto, a disseminação da idéia de marketing deve ser feita inicialmente entre os elementos-chaves numa empresa.

14 Para que ocorra essa comunhão de idéias, o ideal é montar um programa de treinamento de marketing. Reuniões periódicas, enfatizando as vantagens e implantando as diretrizes básicas, também auxiliam este propósito. Além da filosofia, o desenho organizacional facilita o alcance destes objetivos. Uma empresa bem estruturada, adequada ao ambiente em que atua, permite este trabalho. Nesta estrutura, departamentos que demonstram a preocupação com os consumidores são importantes, podendo ser centrais de atendimento, telefones diretos para eventuais reclamações, ou outro esforço deste tipo. A prática de contratação, recrutamento e seleção deve visar indivíduos que tendem a aceitar o conceito como filosofia de trabalho, estas tendências podem ser identificadas em entrevistas de emprego. Para as empresas que adotam o conceito de marketing, as vantagens são muitas. Somente para citar algumas: monitora as alterações do mercado; ajuda na prestação de serviços mais adaptados às reais necessidades dos clientes; permite uma concorrência melhor, com alocações de recursos de forma mais eficiente. Apenas algumas empresas norte-americanas como P&G, Marriott, McDonald s são verdadeiramente orientadas para o mercado e para o consumidor. Elas vêem marketing não como uma função do Departamento de Marketing, mas de todos os departamentos. O melhor Departamento de Marketing do mundo não pode compensar a falta de orientação para o cliente de outros departamentos da empresa. Infelizmente, muitas empresas são orientadas para vendas, produto ou tecnologia. Mais cedo ou mais tarde, essas empresas experimentarão algum choque de mercado. Podem perder um mercado importante, experimentar crescimento ou rentabilidade lentos ou encontrar-se frente a concorrentes mais bem preparados. 3.1 A importância da departamentalização em marketing. Quando se fala de estrutura de marketing de uma empresa, é surpreendente o número de vezes em que essa noção é entendida de um modo negativo,

15 isto é, como se confunde estruturação com burocratização. Por trás do reconhecimento esteriotipado do valor de uma estrutura efetiva e a complacência com a qual muitos falam da estrutura da própria empresa, detecta-se uma ansiedade que se tem de sua concepção e realização. A existência de uma estrutura de marketing é associada habitualmente com a presença de três fatores ligados à empresa: o tamanho da empresa, a rigidez nos procedimentos que governam suas operações e a excessiva redução de deveres quando há uma superabundância de gerentes e diretores muitos chefes e poucos subordinados. O chefe executiva de marketing tem medo de perder seus poderes e a flexibilidade de operação ao delegar esses poderes a outros, o que reduz o seu campo de atuação, pois ele se considera eficaz e teme perder o controle da situação. Ao instituir uma estrutura, ele suspeita que essa própria organização acabe por rebaixá-lo, tornando os outros mais poderosos que ele. Nesse clima emocional, não é surpreendente ver a estrutura ser censurada por: - Ser um instrumento para direcionar o poder da empresa. - Definir poderes na hierarquia e panelas, em vez de deveres e responsabilidades. A idéia é organizar, da melhor maneira, os recursos humanos da empresa concentrados na área de marketing. Assim, todos os deveres devem ser executados sem que haja duplicidade de atividades. Vista dessa maneira, a análise da estrutura, longe de ser um monstro para o chefe-executivo, é uma estrutura que permite uma compreensão maior da empresa e assegura uma direção efetiva. 4 ORGANIZAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MARKETING

16 Os departamentos de marketing modernos são estruturados de várias maneiras. Todas as organizações de marketing devem conter quatro dimensões de atividades: funções, áreas geográficas, produtos e mercados consumidores. Organização por função A forma mais comum de organização de marketing consiste em especialistas funcionais reportando-se a um vice-presidente de marketing que coordena suas atividades. A principal vantagem da organização por função de marketing é sua simplicidade administrativa. Por outro lado, esta forma torna-se ineficiente à medida que os produtos e os mercados da empresa aumentam. Primeiro, o planejamento é inadequado para produtos e mercados específicos, desde que uma pessoa exerça responsabilidade plena por qualquer produto ou mercado. Os produtos favorecidos por alguém podem ser negligenciados por outra pessoa. Segundo, cada grupo funcional o concorre por maior parcela do orçamento e status, vis-à-vis as outras funções. O vice-presidente de marketing tem que ponderar constantemente as reivindicações de especialistas funcionais concorrentes, enfrentando um difícil problema de coordenação. Organização por área geográfica Freqüentemente, uma empresa que vende em um mercado nacional organiza sua força de venda (e, às vezes outras funções) adotando o critério de divisão geográfica. O gerente nacional de vendas pode supervisionar quatro gerentes regionais, que supervisionam seis gerentes distritais, que, por sua vez, supervisionam oito gerentes territoriais, que supervisionam dez vendedores. A amplitude de controle aumenta à medida que movesse do gerente nacional para os gerentes territoriais. Amplitudes de controles menores permitem ao gerente dedicar mais tempo aos subordinados e eles têm maior segurança quando a tarefa de vendas é mais complexa, os vendedores são muito bem pagos e o impacto dos seus custos sobre o lucro é substancial. Organização por produto e/ou marca Freqüentemente, as empresas que produzem uma variedade de produtos e marcas estabelecem uma organização por produtos e/ou marca. Esta organização não substitui a organização por função, mas a complementa com mais um nível de administração. Ela é dirigida por um gerente geral de produtos que supervisiona vários gerentes de linhas de produtos, que, por sua vez, supervisionam gerentes de produtos responsáveis por produtos e marcas específicos. Uma organização por produto faz sentindo se os produtos forem bem diferentes e/ou se o número deles está além da capacidade administrativa da

17 organização funcional. Muitas empresas vêm sendo organizadas por produto. Por exemplo, a General Foods usa uma organização por produto em sua divisão Post. Há gerentes separados por categoria de produtos encarregados pela venda de cereais, comida para cães e bebidas. Dentro do grupo de cereais há gerentes de produtos separados para cereais nutritivos, cereais pré-adoçados para crianças, cereais para a família e cereais diversos. Por sua vez, o gerente de produto de cereais nutritivos supervisiona os gerentes de marcas. O papel do gerente de produto é desenvolver planos de produtos, providenciar para que eles sejam implementados, monitorar os resultados e adotar ações corretivas. Organização por mercado Muitas empresas vendem seus produtos a diversos mercados. Por exemplo, a Canon vende seu aparelho de fax a consumidores, empresas e órgãos governamentais. Quando os consumidores são classificados em diferentes grupos de usuários, com preferências e práticas de compra distintas, uma organização por mercado é desejável. Um gerente geral de mercados supervisiona diversos gerentes de mercado. Os gerentes de mercado assumem os serviços funcionais à medida que forem necessários. Aqueles responsáveis por mercados importantes possuem especialistas funcionais subordinados a eles. Os gerentes de mercado são profissionais de assessoria, não de linha, com atribuições similares àquelas dos gerentes de produtos. Os gerentes de mercado desenvolvem planos anuais e a longo prazo para seus mercados. Devem analisar onde seu mercado está indo e qual novo produto sua empresa deve oferecer ao mercado. Freqüentemente, seu desempenho é julgado por sua contribuição para o crescimento de participação de mercado, em vez de em função da rentabilidade de seu mercado. Este sistema oferece muitas das mesmas vantagens e desvantagens do sistema de organização por produto. Sua vantagem mais forte é organizada para atender às necessidades de grupos de consumidores distintos, em vez de focar sobre as funções de marketing, regiões ou produtos. Organização por produto/mercado As empresas que fabricam muitos produtos e que vendem em muitos mercados enfrentam um dilema. Podem usar um sistema de organização por produto, que exige gerentes de produtos familiarizados com mercados altamente divergentes. Ou podem adotar um sistema de organização por mercado, que requer gerentes de mercados familiarizados com produtos altamente divergentes. Elas têm também a opção de adotar uma organização por produto e por mercado, isto é, uma organização matricial. Uma organização matricial seria

18 desejável numa empresa de multi produtos e de multi mercados. O problema é que este sistema custa caro e gera conflitos. Há o custo de manter-se uma organização tridimensional, isto é, dois níveis de administração de programas somados à um nível de administração de recursos. Há também questões sobre onde a autoridade e a responsabilidade devem se situar. A maioria dos gerentes acha que apenas os produtos e mercados mais importantes justificam gerências separadas. Alguns deles não estão preocupados com os conflitos e custos envolvidos e acreditam que os benefícios da especialização por produto e mercado superam os custos. Organização divisional corporativa À medida que as empresas de multiprodutos e multimercados crescem em tamanho, freqüentemente convertem seus maiores grupos de produtos e/ou mercados em divisões separadas. As divisões estabelecem seus próprios departamentos e serviços. Isto levanta a questão de que atividades e serviços devem ser mantidos na administração central. As empresas divisionalizadas têm obtido respostas diferentes para esta questão. Geralmente, uma equipe de marketing cooperativo tem três justificativas. A primeira é servir como foco para analisar e liderar todas as atividades e oportunidades de marketing da empresa. A Segunda é oferecer certos serviços de marketing que podem ser fornecidos mais economicamente com base na centralização. A terceira é responsabilizar-se pela educação de gerentes divisionais, gerentes de vendas e outros gerentes da empresa, que devem ser preparados sobre a necessidade e a implementação do conceito de marketing. 5 PREENCHIMENTO DE CARGOS

19 A organização é apenas um meio para a obtenção de resultados. O sucesso das estruturas organizacionais depende, conforme mencionado, dos indivíduos contratados para ocupar os diversos cargos. Por isso, é recomendável que, inicialmente, seja estabelecido o perfil dos profissionais, procedimento que facilitará encontrar os indivíduos mais adequados para cada posição. O nível de responsabilidade exigido e as características das funções são estabelecidos a partir da necessidade de organização, sendo o produto um dos principais fatores determinantes. Uma empresa do ramo industrial pode exigir um executivo com qualificações técnicas, às vezes com formação em engenharia, ao passo que uma empresa de bens de consumo em geral poderá escolher um profissional por suas qualidades e experiência em propaganda. Uma vez selecionados, algumas empresas estabelecem políticas para o comportamento de seus executivos e, não obstante sejam guiados pelo bom senso, algumas orientações éticas são importantes para a proteção da própria organização. Apesar das diferenças culturais do objeto de estudo, os resultados despertam a atenção para a necessidade de orientação de certos administradores que muitas vezes erram inconscientemente, sem saber como agir em determinados casos. Quanto mais distante ficar cada um dos executivos principais nos escalões da empresa, mais urgente se torna uma política de padronização de certos comportamentos, principalmente daqueles de maior impacto social.

20 5.1 Descrição de cargos Um cargo pode ser exercido satisfatoriamente com características bem diferentes. Um diretor de marketing, por exemplo, pode alcançar um sucesso espetacular na empresa X graças ao seu dinamismo, sua criatividade e sua habilidade em estimular seu grupo. Outro, na mesma empresa, pode ser bem-sucedido, apesar de ter dificuldade no contato humano, graças a sua organização técnica perfeita e sua habilidade em analisar situações bastante pormenorizadamente. Por essa razão, qualquer mudança dos ocupantes de um cargo deve requerer um ajustamento na descrição de cargo. A descrição de cargos define as tarefas que cada pessoa deve executar. Essa descrição deve mostrar qual seu âmbito de responsabilidade, com relação a quem, e por que meios. Consideram-se três maneiras de descrição de cargos, sendo que todas têm praticamente o mesmo conteúdo, com poucas exceções, conforme se pode observar a seguir. - Descrição teórica de cargo: a descrição teórica enfatiza particularmente as áreas de responsabilidade e relações hierárquicas. É freqüentemente usada para um trabalho subsequente que deve ser ajustado e adaptado. - Descrição de cargo para recrutamento: deve conter uma quantidade de informação que descreva a empresa e discuta as características desejáveis de um indivíduo em via de ocupar um cargo. - Descrição prática de cargo: diz respeito às pessoas que já ocupam uma posição. É necessário unir a descrição de cargo à capacidade de trabalho do ocupante,

21 submetendo-a à aprovação de seus superiores. A realização dessa tarefa pode contar com a ajuda de especialistas internos ou externos da empresa. 5.2 Organograma de marketing O organograma é uma representação gráfica. É um display de todas as descrições de cargos dados a cada executivo e o que diz respeito a cada um. É importante que cada um tenha as descrições de cargos de seu departamento, para se saber exatamente quem é responsável pelo quê, de quem pode obter informação, e assim por diante. 5.3 Relação funcional do pessoal do marketing Diretor de Marketing É de pouca importância a origem dos conhecimentos do diretor de marketing; o essencial é que ele tenha habilidade em estatística, pesquisa de mercado, processamento de dados, pesquisa operacional, psicologia e psicologia social. É necessário conhecimento de economia e certa versatilidade em seu conhecimento básico. O melhor ponto de partida é uma experiência adequada em prática mercadológica como diretor de vendas, gerente de marketing ou gerente de produtos. É importante que tenha um bom conhecimento prático de marketing e de métodos de trabalho; essencial que tenha experiência em planejamento de investimentos, sendo responsável por diversos produtos de linhas diferentes. O diretor de marketing deve ser treinado não apenas em análise de dados para propor

22 diversas soluções, mas deve assumir plena responsabilidade pelas opções e ações que instigou. Algumas funções: definir a política comercial da empresa; perseguir a lucratividade dos produtos; cobrar as metas de vendas quantitativa e qualitativamente; avaliar o orçamento para cada evento e projeto; checar as fontes de informações da empresa, no sentido de obter as informações necessárias e relevantes; avaliar o portfólio de produtos e propor planos para o seu equilíbrio; levantar o portfólio de informações mercadológicas da empresa; examinar o inventário de estoques, produção e compra estimada ao longo do ano para cada produto; delegar o controle da execução das políticas comerciais aos gerentes de produto e de marketing, orientando-os e estar atento para fatores que influenciem na atividade da empresa e nos vários segmentos. Gerente de vendas Algumas funções: melhorar os métodos de trabalho e reduzir custos, estabelecendo controles que possam verificar o desempenho da empresa, com a aplicação das devidas correções; selecionar, treinar, desenvolver, motivar, avaliar e integrar os recursos humanos dentro de sua área de atuação; analisar e controlar a política de preços da empresa; planejar e coordenar programas de integração interdepartamental da área de vendas com as demais áreas da empresa; propor o aperfeiçoamento dos métodos administrativos da área de vendas; formular o plano anual de vendas; acompanhar e revisar, periodicamente, a operacionalização do plano anual de vendas; propor, desenvolver e controlar uma política anual de vendas; supervisionar ou propor uma política de concessão de crédito e controlar a cobrança; fiscalizar as atividades da concorrência; apresentar à diretoria uma proposta de delegações de autoridade e responsabilidade da área de vendas; propor a criação de novos produtos; propor a manutenção ou extinção de produtos de linha; discutir e

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS Djair Picchiai Revisado em 05/04/2010 1 MODELOS DE ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS As organizações têm sido estruturadas de acordo com as funções exercidas pelos seus respectivos

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Ambiente Organizacional voltado a inovação As 6 chaves para o Sucesso Foco Flexibilidade

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais Módulo 4.Estruturas Organizacionais Como vimos anteriormente, a Abordagem Contingencial afirma que a forma de atuar da organização deve levar em conta o ambiente onde está inserida. Sua estrutura, igualmente,

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada.

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada. INTRODUÇÃO Todas as empresas, com ou sem fins lucrativos, estabelecem um preço para seus produtos. Mas como estabelecer este preço? Quais os fatores que influenciam no estabelecimento do preço?. De forma

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO 01. Assinale nas questões abaixo com falso (F) ou verdadeiro (V): ( ) A administração reconhece a importância do estudo do

Leia mais

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas Conceitos Fundamentais de Engenharia 1 Ano Profª Fernanda Cristina Vianna Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas 1. O Que é Estrutura Organizacional? É a estrutura formal na qual ocorrem as

Leia mais

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Documento técnico Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Embora a transição para o software CAD 3D aumente significativamente o desempenho dos negócios, o investimento levanta questões

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

O&M Organizações e Métodos I

O&M Organizações e Métodos I UFF Universidade Federal Fluminense O&M Organizações e Métodos I UNIDADE I INTERODUÇÃO À O&M Fabio Siqueira 1. Apresentação do professor 2. Teste de sondagem (reconhecimento da turma) 3. Apresentação dos

Leia mais

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Manual Administrativo A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Teresina 07/10/2009 SUMÁRIO Empresa Júnior ICF 03 Áreas de atuação da A.D.M Consultoria Jr. 04 Organograma 08 Competências 09 Das Atribuições do

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Março/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 05 Organização da produção e do trabalho Pessoas e sua Organização em Produção e Operações

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Manual de orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP)

Manual de orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP) Manual de orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP) Manual de orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA (PIP) Itu/SP 2013 SUMÁRIO 1) INTRODUÇÃO...04 A) Etapa 1: Proposta...05 B) Etapa

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI SUMÁRIO Apresentação... IX Prefácio... XI 1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE FROTAS... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Considerações sobre a Estrutura do Transporte Rodoviário no Brasil... 2 1.3. A Estrutura Organizacional

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

1º de outubro de 2007 A métrica de CRM correta para a sua organização MÉTRICAS REQUEREM DISCIPLINA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE CRM BEM-SUCEDIDA

1º de outubro de 2007 A métrica de CRM correta para a sua organização MÉTRICAS REQUEREM DISCIPLINA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE CRM BEM-SUCEDIDA 1º de outubro de 2007 A métrica de CRM correta para a sua organização por William Band com Sharyn C. Leaver e Mary Ann Rogan SUMÁRIO EXECUTIVO A Forrester entrevistou 58 executivos sobre as melhores práticas

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Apartir da identificação das falhas poderão ser processadas modificações racionalizantes em todo o sistema.

Apartir da identificação das falhas poderão ser processadas modificações racionalizantes em todo o sistema. Gráficos Os gráficos podem ser divididos em dois grupos: Gráficos Informacionais Gráfico é a representação de dados sobre uma superfície plana, através de diferentes formas, de modo a facilitar a visualização

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE CURITIBA ABRIL - 2000 ODILIO SEPULCRI TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Classificação dos Sistemas de Informação

Classificação dos Sistemas de Informação Sistemas de Informação Classificação dos Sistemas de Informação O que veremos? Estaremos examinando o tipo de sistema de informação Gerencial. Veremos também, outras classificações dos sistemas de informação.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas:

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas: Administração da equipe de vendas (Neste texto de apoio: Conceitos e técnicas e Plano de ação de vendas) Conceitos e técnicas A correta administração da equipe de vendas é fundamental para o bom desempenho

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Planejamento de Marketing.

Planejamento de Marketing. Planejamento de Marketing. Análise de Mercado Identificação de Riscos e Oportunidades Segmentação de mercado; Seleção de mercado alvo Objetivos de Marketing Estratégia de diferenciação de produto Estratégia

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Aula N : 09 Tema:

Leia mais

Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage

Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage Tendências, desenvolvimentos e dicas para tornar o seu ambiente de storage mais eficiente Smart decisions are built on Storage é muito mais do que

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

GERÊNCIA DA PROMOÇÃO NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

GERÊNCIA DA PROMOÇÃO NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA GERÊNCIA DA PROMOÇÃO NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Sueli Angelica do Amaral, CRB 1-1044 * Tatiara Paranhos Guimarães ** Maira Murrieta Costa *** RESUMO: A promoção em unidades de informação

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007 FACULDADE DE CUIABÁ Curso GESTÃO PÚBLICA Disciplina GESTÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Dr. RUBEM JOSÉ BOFF, Ph.D. rubemboff@yahoo.com.br Aulas: 4 e 5/5/2007 Dr. Rubem José Boff, Ph.D. Cuiabá-MT,

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto INTRODUÇÃO Cenário político e econômico da Globalização Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento Viçosa Novembro de 2012 Ceres Mattos Della Lucia ceresnut@yahoo.com.br

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Aula 04 Modelos Organizacionais

Aula 04 Modelos Organizacionais Aula 04 Modelos Organizacionais Objetivos da aula: Compreender os modelos organizacionais, e os estudos referentes às suas questões como: Especialização do trabalho; Departamentalização; Cadeia de comando;

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG GSI I Profa. Msc. Rosa Hoffmann 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG O SIG é um sistema integrado de apoio à tomada de decisões, proposto como uma ferramenta essencial para implementar a modernização

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

Perfis Profissionais e Modelo de Carreira da Informática em Saúde. Versão 1.0 para CONSULTA PÚBLICA

Perfis Profissionais e Modelo de Carreira da Informática em Saúde. Versão 1.0 para CONSULTA PÚBLICA Perfis Profissionais e Modelo de Carreira da Informática em Saúde Versão 1.0 para CONSULTA PÚBLICA Janeiro de 2012 SUMÁRIO 1. Estrutura dos Perfis Funcionais... 5 2. Perfis Funcionais por Área de Domínio...

Leia mais