A d e u s C o n f l i t o, Bem-vindo Desenvolvimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A d e u s C o n f l i t o, Bem-vindo Desenvolvimento"

Transcrição

1 IV GOVERNO CONSTITUCIONAL A d e u s C n f l i t, Bem-vind Desenvlviment Retrat da Gvernaçã d Mandat da AMP ( )

2

3 INDICE Intrduçã Cnslidar a Paz e a Estabilidade Nacinal Garantind a Paz e a Segurança Interna Cnslidand a Defesa Nacinal Frtalecend Sectr da Justiça Refrmar a Gestã d Estad Prmvend a Ba Gvernaçã e Refrmand a Administraçã Pública Cnslidand a Demcracia Investir nas Infra-estruturas Cnstruind Obras Públicas Frnecend Energia, Água e Saneament Básic Refrmand Sectr das Telecmunicações Cnstruir a Ecnmia Prmvend Cresciment Ecnómic Investind ns Recurss Naturais Desenvlvend a Agricultura Estimuland Turism Preservand Mei Ambiente Prestar Serviçs de Qualidade Investind na Educaçã de Qualidade Qualificand s Recurss Humans Nacinais Prmvend Acess Generalizad à Saúde Prtegend s mais Pbres e Vulneráveis Fmentand a Cultura e Desprt Planear Futur: O Plan Estratégic de Desenvlviment Desenvlviment d Capital Scial Desenvlviment de Infra-estruturas Desenvlviment Ecnómic Desenvlviment d Quadr Institucinal

4 Intrduçã O IV Gvern Cnstitucinal tmu psse a 8 de Agst de 2007 e cumpriu um mandat de cinc ans utrgad pel Pv timrense. As realizações alcançadas pr este Gvern fram resultad de uma cnjugaçã de esfrçs de cinc partids, unids numa Aliança para uma Mairia Parlamentar, que só pr si cnstituiu um desafi e uma prva de maturidade demcrática d jvem Estad de Timr-Leste. O elenc gvernamental, cmpst pr diferentes backgrunds plítics e prfissinais, assumiu cmprmiss de transfrmar Timr-Leste numa sciedade estável, slidária, unida e virada para futur. A vntade expressa ds timrenses, nas eleições legislativas de 2007, fi a vntade de mudança e a vntade de um prject plític refrmadr. Enquant Primeir-Ministr, sint-me particularmente satisfeit pr nã terms defraudad as expectativas d nss Pv. Passads cinc ans de gvernaçã da AMP, cncretizáms principal desej d Pv timrense, ist é, viver em ssseg, livre de perseguições plíticas, livre de insegurança, livre da ameaça u vilaçã ds direits humans e recnhecid pels sacrifícis prestads à Pátria. O Pv de Timr-Leste vive agra em paz e tem, em cnjunt cm s Órgãs de Sberania e cm a Sciedade Civil, vind a cnstruir Estad, cm base ns princípis demcrátics plasmads na Cnstituiçã. E se, actualmente, pdems prjectar a nível internacinal nss mte Adeus Cnflit, Bem-vind Desenvlviment, quand tmáms psse, em 2007, clima que se vivia n País era de grande instabilidade, insegurança e, sbretud, falta de cnfiança pr parte ds timrenses e da cmunidade internacinal nas Instituições d Estad e na liderança d País. Nessa altura, a nssa Naçã Independente só tinha 5 ans e, pr iss, era evidentemente jvem e, pr cnsequência, frágil. Para além diss, a independência fi cnquistada num cntext de risc para a estabilidade nacinal. Refir-me às cnsequências da guerra cntra a cupaçã estrangeira, evidentemente traumáticas para nss Pv, e à caracterizaçã ecnómica e scial d País: rendiments baixs, inexistência de infra-estruturas básicas, inexistência de uma Administraçã Pública, escassez de capital human preparad e qualificad, dependência extrema de imprtaçã de bens essenciais, e, também, a própria inexperiência plítica de gvernaçã demcrática. As I, II e II Gverns nã pdems retirar mérit de terem iniciad a edificaçã das Instituições demcráticas e desenvlviment de algumas áreas essenciais para País, mas, em apenas cinc ans de gvernaçã, é natural que muitas necessidades imprtantes tenham ficad pr abrdar, algumas fundamentais para desenvlviment nacinal. A IV Gvern Cnstitucinal cube nã só clmatar este vazi cm, também, restaurar a segurança e estabilidade interna que fram gravemente abaladas cm a crise de 2006.

5 Quand tmáms psse, tínhams: 150 mil deslcads interns a viver em camps imprvisads para efeit. A Cmunidade Internacinal estimu que levaria décadas a reslver esta situaçã de emergência humanitária, de acrd cm a experiência de utrs Países. Cnseguims, em apenas dis ans, encerrar tds s camps de deslcads e reintegrar cerca de famílias nas suas cmunidades. Um grup de ex-f-fdtl (um terç das Frças Armadas), frustrads cm as tmadas de decisã d Estad, que se clcaram à margem da sciedade pr nã terem tid respsta para as suas petições. Encerráms cm dignidade este prcess, reintegrand s ex-militares na sua vida civil. Uma situaçã inadmissível de nã-alinhament e descnfiança entre duas Instituições fundamentais para a segurança e estabilidades nacinal, a PNTL e as F-FDTL. Refrmáms sectr da defesa e da segurança e, neste mment, a nssa Plícia e as nssas Frças Armadas estã mais capacitadas, mais prfissinais, mais sólidas e a trabalhar em cnjunt para bem cmum. Um grup rebelde armad que chegu a ameaçar a sberania nacinal cm dramátic cas d atentad dupl a Presidente da República e a Primeir- Ministr. O grup rebelde entregu-se vluntariamente à Justiça e s trâmites judiciais fram cumprids na sua ttalidade. Os nsss heróis nacinais, Cmbatentes da Libertaçã da Pátria, a viver em cndições de extrema pbreza. Iniciáms um prgrama arrjad de recnheciment destes heróis, incluíd a transferência de subsídis para minimizar seu sfriment. Cntinuáms a hmenagear s Cmbatentes da Libertaçã Nacinal e iniciáms a cnstruçã de Mnuments as Heróis Nacinais e Ossuáris e realizáms, n passad dia 20 de Agst de 2011, a Cerimónia de Desmbilizaçã ds Cmbatentes da Libertaçã Nacinal. Idss, inválids, viúvas e órfãs que se sacrificaram pela cnquista da nssa Independência, também em situaçã de pbreza e sem prtecçã scial pr parte d Estad. Iniciáms medidas de justiça scial, nmeadamente pagament de pensões para estes e utrs grups vulneráveis cm as mulheres, crianças e jvens que cntribuem frtemente para a estabilidade e desenvlviment de um País. A partir destas iniciativas, cm impact direct na vida das ppulações, sentims uma mair participaçã e cnfiança de td Pv timrense na resluçã ds cnflits e na cnslidaçã da Unidade e da Estabilidade Nacinal. Fi entã pssível implementar a agenda refrmista deste Gvern, através de medidas imprtantes, destacand as seguintes: Lançáms a Refrma da Gestã d Estad e desde entã tems vind a trabalhar n sentid de desenvlver um sectr públic mais prfissinal, cmpetente e apartidári, capaz de servir qualquer Gvern. Prmvems a transparência e a ba gvernaçã, através da criaçã da Cmissã da Funçã Pública, da Cmissã Anti-Crrupçã e d refrç d Gabinete d Inspectr-Geral. Refrmáms a Gestã das Finanças Públicas, cm uma mair descentralizaçã, aument da eficiência e melhr prestaçã de serviçs a Pv. Lançáms Mdel de Transparência em Timr-Leste, incluind Prtal da Transparência, d Aprvisinament, da Ajuda e de Resultads, para mair

6 aprximaçã ds serviçs públics à ppulaçã, permitind também uma mair participaçã, send pssível mnitrizar pr tds, a execuçã da despesa pública, a ajuda ds Parceirs de Desenvlviment e ONGs, s prcesss de aprvisinament d Estad e s resultads quer da execuçã financeira quer ds cntracts assinads. Estabelecems a Câmara de Cntas d futur Tribunal Superir, Administrativ, Fiscal e de Cntas. Refrmáms Sistema Tributári da Naçã, cm taxas mais atractivas as investidres nacinais e estrangeirs, ferecend ainda um ptencial de investiment em praticamente tds s sectres de desenvlviment. Alcançáms taxas de execuçã rçamental bastante satisfatórias, que aumentaram extrardinariamente desde 2007, send que a execuçã rçamental só na categria de capital de desenvlviment, entre 2006/7 e 2011, teve um aument de 3.413%. A taxa de execuçã rçamental em 2009 fi de 89%, em 2010 de 91% e em 2011, 83,8%. Criáms uma dinâmica de cresciment prgressiv, capaz de cmbater desempreg nã só na capital d País cm também n interir, e aumentáms investiment públic, fazend cm que Timr-Leste tivesse, em 2008 e 2009, as taxas de cresciment ecnómicas mais elevadas nã só da regiã mas d mund, apesar da grave crise financeira glbal. Arrancáms cm um Plan de Infra-estruturas Básicas Integradas, para permitir desenvlviment ds sectres prdutivs d País, que incluem frneciment de electricidade para td País, através da utilizaçã de fntes de energia alternativas, a melhria das telecmunicações, desenvlviment ds prts, aerprts, estradas, pntes, sistemas de esgts e distribuiçã de água ptável. O frneciment regular de electricidade através da Rede Eléctrica Nacinal é uma das principais cncretizações deste Gvern, send mair prgrama de sempre de infra-estruturas para País. Estabelecems um Sistema Fiável de Prduçã, Transmissã e Distribuiçã de Energia Eléctrica, cnstruind Cmplex de Prduçã de Hera e Cmplex de Prduçã de Betan e as linhas de transmissã que irã frmar um anel em trn de Timr-Leste para pssibilitar que tds s timrenses, mesm s que residem nas áreas mais remtas, passem a ter acess à tã necessária electricidade, até as finais de Iniciáms refrmas prfundas n nss Sectr Privad, embrinári e reduzid, prmvend s critéris da cmpetência, hnestidade prfissinal, e capacidade técnica na sua relaçã cm valr ds prjects. Implementáms Pacte d Referend, um prgrama invadr, para a capacitaçã e descentralizaçã d sectr privad, especialmente das áreas rurais, cm a execuçã de mais de 800 prjects de infra-estruturas, envlvend cerca de 720 cmpanhias Iniciáms s Prgramas de Desenvlviment Descentralizads I e II, na sequência d Pacte d Referend, para frtalecer a ecnmia ns distrits e para incentiv a apareciment e desenvlviment das empresas lcais, para a cnstruçã e reabilitaçã de infra-estruturas ns distrits, que estã a prmver a criaçã de empreg para jvens que residem ns distrits, subdistrits, sucs e aldeias d País, através de mais de prjects. Encetáms Prgrama de Desenvlviment Lcal para desenvlviment ds sucs e aldeias em td País nas suas necessidades básicas, nmeadamente de pequenas bras públicas, segund s seus própris plans apresentads.

7 Cmeçáms prjects-pilts de cnstruçã de habitações d Prgrama MDG- Sucs, de acrd cm s Objectivs d Miléni, que cnsideram casa decente, água, saneament, luz, acess à saúde, à educaçã e a mercad. Criáms Fund das Infra-estruturas para desenvlviment de prjects plurianuais de capital de desenvlviment, de frma segura, transparente e respnsável que, pela sua dimensã e cust, nã pdem ser executads apenas durante um an financeir, iniciand mais de 70 grandes prjects em áreas fundamentais cm agricultura, educaçã, bras públicas, electricidade, edifícis públics e desenvlviment da csta sul. Criáms a Agência de Desenvlviment Nacinal, criand uma estrutura que permite a mnitrizaçã e fiscalizaçã eficaz e eficiente da qualidade ds prjects de capital de desenvlviment e respectiva implementaçã e execuçã. Criáms a Cmissã Nacinal de Aprvisinament de frma a garantir um sistema de aprvisinament mais eficaz e eficiente em grandes prjects de infra-estruturas que passu, em 2012, a ser apiad pela firma internacinal de aprvisinament Charles Kendall & Partners que cntribui cm recurss humans qualificads e ajudará a garantir que s principais prjects de infra-estruturas sã de ba qualidade, utilizam bem dinheir gast e sã gerids segund s níveis mais elevads de transparência, prfissinalism e integridade. Iniciáms Desenvlviment da Csta Sul d País, estabelecend uma Base de Frneciments, uma Refinaria e um Gasdut, incluind as infra-estruturas básicas necessárias cm prt, aerprt e estradas. Investims em prjects estruturantes na área da agricultura para aumentar a prduçã e prdutividade deste sectr, sbretud n que diz respeit a arrz e a milh, duplicáms a prduçã de batata e vegetais e distribuíms centenas de tneladas de sementes e centenas de tractres pels agricultres. Desenvlvems medidas cncretas para garantir a segurança alimentar nas cmunidades, em td País, nmeadamente desenvlviment de uma base de dads sbre Segurança Alimentar, api e frmaçã a agricultres. Descentralizáms s serviçs agríclas através da cnstituiçã de 8 nvs Centrs Reginais ns distrits. Inauguráms Sistemas de Irrigaçã em váris distrits e canais de irrigaçã das áreas agríclas ns 13 distrits tend-se prcedid igualmente à manutençã ds esquemas de irrigaçã existentes. Através das nvas plíticas para acess à educaçã, elabráms e implementáms Currícul Nacinal ds Dze Ans d Ensin Básic e Secundári Geral e cnseguims uma taxa de matrículas de 88%. Em 2011 númer de matrículas n ensin básic atingiu 91% das crianças em idade esclar matriculadas, uma melhria significativa face à taxa de 67% em Intervims em 573 Estabeleciments de Ensin (que incluíram a distribuiçã de carteiras nas esclas) que representa 1/3 das infra-estruturas esclares existentes e criáms as Esclas de Referência para desenvlviment d Sistema de Educaçã Pré-Esclar, Ensin Básic e Secundári, estand actualmente em funcinament cinc póls: Baucau, Maliana, Same, Oecússi e Glen. Erradicáms analfabetism ns distrits de Ataúr, Oecússi, Manatut, Manufahi, Lautém, Aileu e Viqueque. Até Setembr de 2012 analfabetism será eliminad ns distrits de Ainar, Baucau, Bbnar, Díli, Ermera e Liquiça.

8 Criáms, em 2011, Fund de Desenvlviment de Capital Human para desenvlver s nsss recurss humans, em áreas estratégicas cm sejam a ds recurss naturais, agricultura, turism, infra-estruturas, educaçã e saúde, atribuind, nmeadamente, mais de blsas de estud para fra d País e mais de blsas de estud n País. Capacitáms as instituições e s agentes d Sectr da Justiça e elabráms uma série de diplmas legislativs fundamentais a desenvlviment de Timr- Leste. O Relatóri sbre Direits Humans em Timr-Leste, das Nações Unidas, demnstru avançs n sectr da justiça cm ptencial para Timr-Leste trnar-se um líder reginal e glbal a nível ds direits humans. Alcançáms s Objectivs d Desenvlviment d Miléni n que diz respeit às taxas de mrtalidade infantil e de crianças abaix ds cinc ans. Implementáms uma unidade de Hemdiálise e utra de Cuidads Cardíacs n Hspital Nacinal Guid Valadares, cujs serviçs especializads reflectem desenvlviment e expansã ds serviçs hspitalares pr frma a respnder às demandas da ppulaçã, e minimizand, a mesm temp, s custs de tratament n estrangeir. Cnstruíms 46 Maternidades junt as Centrs de Saúde pr frma a melhrar acess e a qualidade da saúde materna e reprdutiva. Cnstruíms a Casa Mrtuária n Hspital Nacinal Guid Valadares e reabilitams 4 unidades hspitalares. Reabilitáms antig Hspital de Referência de Baucau e cnstruíms um ttal de 41 de Centrs e/u Psts de Saúde disperss pels 13 distrits. Frtalecems Serviç Integrad de Saúde Cmunitária (SISCa), send que mais de pessas tiveram acess integral as serviçs. Integráms s 668 estudantes de medicina que regressaram de Cuba n Sistema Nacinal de Saúde e realizáms a cerimónia de declaraçã da Eliminaçã da Lepra em Timr-Leste. Realizáms s Censs de 2010 e dissemináms s seus resultads através ds Sensus F Fila Fali a nível cmunitári. Transfrmáms a Autridade Bancária de Pagaments em Banc Central, cm respnsabilidades específicas n desenvlviment d sectr financeir, que vem cmprvar mais um pass imprtante na cnslidaçã das Instituições d Estad. Através da aprvaçã da Lei d Investiment Privad, estabelecems enquadrament legal que ns permite a peracinalizaçã d cnceit de ne stp shp junt d tecid empresarial. Criáms Banc Cmercial de Timr-Leste, antig Institut de Micrfinanças de Timr-Leste, apstand na cmpnente de api as micr e pequens empréstims. Cnstituíms a Câmara de Cmérci e Indústria e desenvlvems a criaçã d Banc de Desenvlviment Nacinal. Aprváms Quadr Jurídic da Dívida Pública, que estabelece pela primeira vez em Timr-Leste quadr jurídic para empréstims d Estad. A Dívida Pública d Estad é mtivada pr necessidades para financiar as priridades d

9 Estad relacinadas cm a cnstruçã de infra-estruturas estratégicas para desenvlviment de Timr-Leste. Fi negciad cm sucess Empréstim cm a ADB e cm a JICA para a execuçã de bras estruturantes para País. Aprvaçã da plítica e legislaçã que estabelecem s prcediments, directivas e regime de cntrataçã especial para s prjects financiads através de Parceria Públic-Privad, estand a ser prcessads neste mment três prjects imprtantes para iniciar a implementaçã ds PPPs: a reabilitaçã e melhria d aerprt de Díli; desenvlviment d Prt da Baía de Tíbar e s serviçs de peraçã e manutençã de Hera e Betan. Investims frtemente n Desenvlviment Rural cm refrmas e prgramas transversais a tdas as áreas de gvernaçã, tend sid a descentralizaçã de prestaçã de serviçs e de prtunidades uma das principais realizações deste Gvern. Implementáms plíticas de igualdade de géner que reduzem a distância entre papel atribuíd às mulheres n desenvlviment d País e a efectiva pssibilidade que lhes é dada para fazerem parte das decisões que afectam a sciedade, permitind-lhes participar n cresciment da ecnmia. Lançáms Plan Estratégic de Desenvlviment , que abrange três áreas cruciais para desenvlviment da Naçã: capital scial, as infraestruturas e desenvlviment ecnómic, cndições necessárias para alavancar uma ecnmia frte e crescente. Frmalizáms nss pedid de adesã à ASEAN e esperams aceder em breve a este imprtante Fórum Reginal. Lideráms a institucinalizaçã d g7+ e c-presidims a Diálg Internacinal sbre a Cnstruçã da Paz e a Cnstruçã d Estad, que representa 19 Países de td mund, cntribuind para a cnslidaçã da paz e demcracia n mund. Estas realizações, entre utras, fazem parte d legad deste Gvern. Sabems que ainda muit há pr fazer e, pr iss mesm, auscultand nss Pv, durante an de 2010, através de uma cnsulta pública em tds s distrits e subdistrits d País, desenvlvems Plan Estratégic de Desenvlviment, aprvad pel Parlament Nacinal em Julh de Tdas as estratégias e acções cnsideradas neste Plan visam, até 2030, transfrmar Timr-Leste de um País cm baixs rendiments para um País cm rendiments médisalts, intrinsecamente assciad a uma ppulaçã saudável, instruída e segura e a uma sciedade próspera e aut-suficiente em terms alimentares. Este fi apel d nss Pv a qual pretendems dar respsta. Estams cnfiantes que, a par da cnslidaçã da paz, estabilidade e segurança interna, desenvlvems as bases necessárias para arranque sciecnómic de Timr-Leste, send que a vitória cntra a pbreza n nss País é apenas uma questã de temp! Kay Rala Xanana Gusmã Mai de 2012

10 Cnslidar a Paz e a Estabilidade Nacinal

11 Garantind a Paz e a Segurança Interna A nssa independência fi cnquistada num cntext que apresenta grandes riscs para a estabilidade nacinal, quer devid às cnsequências deixadas pela guerra cntra a cupaçã, quer devid à caracterizaçã ecnómica d País, u seja, baixs rendiments, lent cresciment ecnómic e extrema dependência da imprtaçã de bens essenciais. Desta frma, desenvlviment estratégic d sectr de Segurança, dtand s seus agentes de uma eficiente e eficaz actuaçã, vai permitir às ppulações gzarem de uma paz, tranquilidade e cnfiança, fundamentais para desenvlviment das actividades necessárias para cresciment ecnómic, scial e plític d País. A Segurança e Desenvlviment ecnómic estã, assim, intimamente interligads e investir na Segurança, é investir n Futur. É neste cntext e pr estes bjectivs gerais que se pauta a actuaçã das instituições de segurança interna. Aprváms: A nva Lei Orgânica da PNTL Decret-Lei d Regime de Prmções da PNTL A criaçã da Cmissã de Prmções e a Cmissã de Acmpanhament d Prcess de Prmções da PNTL Decret-Lei de Prmções Extrardinárias Decret-Lei d Regime Salarial da PNTL Lei Orgânica ds Serviçs de Migraçã Lei da Segurança Nacinal Lei da Segurança Interna Lei d Sistema de Infrmações da RDTL Cnstruíms: O Cmand Distrital da PNTL de Cvalima O Cmand da Unidade Especial de Plícia em Díli (2011) 38 Esquadras da PNTL pr váris distrits e subdistrits (2009) Cmpanhias da Unidade de Patrulhament de Frnteira (UPF) em Bbnar, Cvalima e Oe-cusse Canalizaçã e perfuraçã de água ptável em 18 psts frnteiriçs da UPF Unidades de Patrulhament de Frnteiras de Badutmean, Derkren, Lehitu, Mem, Nunura, Aikakar, Fatululik, Fatumean, Lela, Walalama, Wenu, Citrana, Cruz, Lelbata e Nipane (2009).

12 Trres de vigilância para a UPF pr tda a zna frnteiriça Clínica de Saúde para a PNTL n Centr de Frmaçã da Plícia em Díli (cm bjectiv de alargar s serviçs de saúde da PNTL para s distrits) Armazém da Lgística Nacinal da PNTL Bairrs da Plícia ns distrits de Díli, Lautem e Baucau (este última ainda em cnclusã) Sedes Distritais da DNSEP em Baucau, Ermera, Lautem, Liquiça e Oe-cusse Reabilitáms: O Quartel-Geral da PNTL O Edifíci d cmand de Plícia Cmunitária Nacinal da PNTL 13 Psts cmunitáris da PNTL pr td país. O Edifíci Principal d Centr de Frmaçã de Plícia O Centr de Instruçã da PNTL de Rairb em Atabae O Edifíci da Secretaria de Estad da Segurança (td edifíci) Edifícis d Quartel de Bmbeirs de Díli e Aileu Edifícis da DNSEP pr tds s distrits Cmpráms: 2 Lanchas de Patrulha para a Unidade Marítima da Plícia Mais de 100 veículs (mtrizadas e carrs) para a PNTL Renvaçã da frta de veículs e mtrizadas da PNTL e Serviçs de Migraçã, bem cm das utras direcções peracinais da SES. Recrutáms: 510 Plícias (recrutament em 2011, a acrescer as 3136 actuais efectivs) 77 Bmbeirs (actuais 207) 25 Funcináris ds Serviçs de Migraçã (actuais 75) Estabelecems: A reactivaçã d Cnselh Superir de Plícia O Gabinete de Inspecçã Geral da PNTL O Patrulhament Cnjunt da PNTL e F-FDTL, cm desenvlviment de nvas acções de crdenaçã e cperaçã para a segurança e defesa nacinal Centrs Reginais de Prtecçã Civil em Díli, Baucau, Maliana, Same e Oecusse Os Crps de Bmbeirs em Same e Manufahi O Centr Integrad de Gestã de Crises O Sistema Integrad de Segurança Nacinal Implementáms: A reactivaçã d Cnselh Superir de Plícia A Campanha de Reclha de Armas A Lei de Segurança Interna O Regime de Carreira e Prmções da PNTL A nva plítica de prevençã de cnflits cmunitáris pr tds s distrits A re-certificaçã e reintegraçã ds membrs da PNTL, em clabraçã cm a UNPOL

13 Nmeáms: O Nv Cmandante-Geral da PNTL e, pela primeira vez, um 2º Cmandante- Geral, cm a missã de recnstruírem a Plícia e garantirem a manutençã d Estad de Direit O Nv Inspectr-Geral da PNTL, cm a missã de elevar a transparência, respnsabilidade e disciplina da PNTL A Cmissã de Acmpanhament das Prmções da PNTL (membrs representantes d Gvern - incluind SES, PNTL, Igreja e UNMIT) Entregáms: O Pder Executiv da UNPOL para a PNTL em tds s Distrits d País (Març 2011) Frmáms: Mais de 200 Bmbeirs 12 Bmbeirs em Língua Prtuguesa e Inglesa Mais de 80 ficiais de imigraçã em Língua Prtuguesa e Inglesa Mais de 50 Funcináris Públics em Língua Inglesa e Prtuguesa Mais de 80 Funcináris Públics em Tecnlgias da Infrmaçã Mais de 50 Funcináris Públics nas áreas de Gestã e Finanças Mais de 20 Funcináris Públics em curss de váris curss de requalificaçã Mais de 10 Funcináris em Mestrad na Indnésia Mais de 30 Funcináris n curs de Gestã Administrativ 1 Pnt Fcal da DNPCC em Prevençã de Cnflits e Edificaçã da Paz, nas Filipinas, bem cm mais de 20 funcináris em Prevençã de Cnflits n Japã 6 Funcináris da DNPC em línguas, tecnlgias da infrmaçã e cmunicaçã n Institut Empresarial, em Díli Váris funcináris DNPC em curss internacinais na Malásia, Brasil, China, Singapura e Tailândia em gestã de desastres naturais, técnicas de primeirs scrrs e salvament e scrr marítim Mais de 3000 agentes e ficiais da PNTL em direits humans, disciplina, serviçs de cmunicaçã e infrmaçã, investigaçã, gestã administrativa e de

14 recurss humans, manutençã lgística, perações especiais, investigaçã, entre várias utras áreas de imprtância estratégica para desenvlviment da instituiçã, cm api da UNMIT, TLPDP e utras parcerias Prmvems: Wrkshps sbre a Prevençã de Cnflits, ns 13 Distrits, cm a participaçã de cerca de 750 mulheres e hmens Wrkshps sbre a Lei Cntra a Vilência Dméstica, ns 13 Distrits, cm a participaçã de cerca de 650 mulheres e hmens A Rede Nacinal para a Prevençã de Cnflits, em parceria cm várias instituições gvernamentais e de sciedade civil, incluind a BELUN Retir sb tema Significad d Valr da Vida, cm cerca de 100 participantes Relações bilaterais cm a Indnésia, através d estabeleciment de um Adid de Imigraçã em Kupang/NTLL e Bali/Denpasar Parcerias cm a UNDP, UNMIT e Prtugal na capacitaçã em prtecçã civil Parcerias cm a Austrália (TLPDP), Nva Zelândia, Prtugal, Estads Unids, Japã e UNMIT na capacitaçã da PNTL Parcerias cm a Austrália França, Filipinas, Malásia e Nações Unidas (PNUD) na capacitaçã da Direcçã Nacinal de Segurança de Edifícis Públics Parcerias cm Japã, PNUD e UN-Wmen para refrç da prevençã de cnflits cmunitáris Parcerias cm a OIM, ACNUR, UNMIT, JICA (Japã), Prtugal e Austrália n refrç das capacidades ds serviçs de migraçã

15 Cnslidand a Defesa Nacinal As FALINTIL e Pv de Timr-Leste lutaram cntra a cupaçã estrangeira durante 24 ans. Manter Timr-Leste cm um País independente e defender a sberania nacinal, é um ds bjectivs fundamentais d nss Estad, hnrand tds aqueles que lutaram pela independência e garantind a liberdade e a segurança ds cidadãs timrenses. As Frças Armadas sã, neste sentid, um pilar fundamental d Estad, que precisa de ser capacitad de frma a cntribuir para a cnstruçã da Naçã, a prteger as fntes de riqueza d País e, ainda, a respnder às nvas exigências da glbalizaçã, cnsubstanciadas em ameaças de carácter transnacinal. A refrma d Sectr da Defesa visa a cnslidaçã de umas Frças Armadas que nã devem estar smente preparadas para defender as frnteiras de uma invasã externa mas, também, para permitir a segurança das nssas ppulações e ds nsss bens. Para tal desenvlvems a Cmpnente Naval, pensand na nssa segurança marítima e evitand us inaprpriad das águas nacinais em actividades ilícitas. Ainda cm frma de participar activamente n desenvlviment da paz na regiã e n mund, prmvems a nssa participaçã em Missões Internacinais para a Paz n âmbit das Nações Unidas. Aprváms: Lei Orgânica da Secretaria de Estad da Defesa Nva Lei Orgânica das F-FDTL Nva Lei d Serviç Militar, incluind recrutament vluntári para as F-FDTL Prmçã ds Oficiais Superires Lei da Defesa Nacinal Lei de Segurança Nacinal (tem implicações na Defesa Nacinal) Lei Orgânica da Plícia Militar Estrutura das F-FDTL Cnceit de Empreg das F-FDTL Regulamentaçã da Lei d Serviç Militar Regulament de Disciplina Militar Diplmas em fase de elabraçã: Estatut ds Militares das F-FDTL Decret-Lei sbre a Autridade Marítima Regime de Aprvisinament Militar Cnstruíms: Armazéns das F-FDTL em Metinar e Baucau Prisã Militar em Tasi Tlu Pst de Cmand em Hera Centr de Trein Militar em Metinar em 2001, cm a cperaçã australiana Centr de Trein Especializad em Metinar, cm a cperaçã australiana Quartel da Plícia Militar, em Caicli, Quintal Bt (nã cncluíd)

16 Depósit de Armas, em Metinar Obstácul para treinament físic em Metinar Clínica Médica para militares em Uamri, em cperaçã trilateral cm Estads Unids e Austrália, para api à ppulaçã 100 Casas para militares casads das F-FDTL, em Metinar, cperaçã cm a China Ministéri da Defesa e Quartel-General das F-FDTL, cperaçã cm a China Institut Nacinal de Defesa, n edifíci d Gvern, 3º pis das instalações ande se encntrava a SED Caserna Cmpnente Naval em Hera Reabilitáms: A Residência Oficial d Chefe Estad Majr General das F-FDTL, n Farl Camaratas em Baucau (em execuçã) Adquirims: 2 Navis Patrulha, Classe Xangai Três Navis Patrulha, daçã da República da Creia d Sul Veículs Operacinais da Administraçã e Táctica Recrutáms: 40 Funcináris Públics para a Secretaria de Estad da Defesa Em 2009, 579 militares (númer inicial de candidats fi de , passand à fase de classificaçã e selecçã 1.798) Em 2011, 672 militares (selecçã inicial entre cerca de candidats, passuse para candidats, executand prvas médicas e psictécnicas, tend sid recrutads 672, ds quais 88 elements d sex feminin) Os dis prcesss de recrutament fram implementads cm auxíli da cperaçã técnic-militar prtuguesa Desenvlvems: Prgrama de cmpensaçã ecnómica para apiar s peticináris, que ptaram pr ingressar na vida civil Prgramas de Acçã Médica Civil, juntamente cm Ministéri da Saúde, prvidenciand tratament médic às áreas remtas de Timr-Leste, tratand centenas de timrenses através destas clínicas Prgramas de Acçã de Engenharia Civil, nde s engenheirs militares das F-FDTL trabalharam em cnjunt cm as cmunidades lcais na cnstruçã de infra-estruturas n País, pr exempl Escla Primária em Fatubessi, Ermera, Hspital em Liquiça, Clinica em Baguia, Baucau, Clinica em Laularan, Aileu Estabelecems: Grup de Estud Frça 2020, para a edificaçã da capacidade institucinal das F-FDTL A Operaçã Halibur, peraçã cmbinada entre a Plícia e as Frças de Defesa, na sequência d grave atentad à rdem cnstitucinal, em Fevereir de O Prgrama de Desenvlviment das F-FDTL chamad Frça 2020, lançad ficialmente a públic, em Outubr de 2010 Iniciáms a participaçã em Missões de Paz, cm a integraçã de 11 militares de engenharia n cntingente prtuguês na UNIFIL (United Natins Interim Frce in Lebann) e um militar na Missã de Observadres de Paz n Sudã d Sul, UNMISS (United Natins Missin in Suth Sudan) A expansã territrial das F-FDTL, de frma a cbrir td País, para Tunubibi, Tilmar na parte Oeste e em Glen, Same e Ainar na parte Central. A leste, instaláms trpas em Viqueque e Uatlari. O patrulhament ds 2 Barcs de Patrulha, classe Jac, para refrçar a prtecçã marítima O Institut de Defesa Nacinal (em fase embrinária) Cm a clabraçã da cperaçã prtuguesa e australiana, estabelecems uma sala de perações n QG das F-FDTL em Tási-Tl

17 Frmáms: 165 Oficiais, 232 Sargents e 827 Praças (sldads), cm a cperaçã técnicmilitar (CTM) de Prtugal 120 Plícias Militares na Área de Direits Humans 36 Militares da Cmpnente Naval para a manutençã ds Navis Patrulha, na China em 2010 Cerca de 80 pessas das F-FDTL e da SED receberam frmaçã na Austrália Na sequência da frmaçã em Inglês em Metinar, 10 membrs das F-FDTL receberam, em cada an, frmaçã em educaçã avançada em Darwin Tds s ans, participaram dis cadetes ns treins básics para ficiais na Ryal Military Cllege, na Austrália 8 Militares em Aviaçã, nas Filipinas, para assegurar a cmpnente aérea das F-FDTL 5 Cadetes das F-FDTL e um funcinári públic empreenderam estuds na Academia da Defesa Nacinal de Japã, desde de 2010 Membrs das F-FDTL e Plícias Militares em Direits Humans Funcináris da Secretaria de Estad da Defesa em Diplmacia e Defesa 1 Oficial das F-FDTL, Curs de Prmçã a Oficial General n Institut de Estuds Superires Militares (IESM), em Prtugal Frmáms Oficiais e Sargents, através de Curss de Qualificaçã e Prmçã, pela CTM prtuguesa em Metinar Iniciu-se trein peracinal da Cmpnente Terrestre em Baucau, através da CTM de Prtugal. Frmaram-se prfessres de prtuguês, timrenses, a abrig da CTM prtuguesa em Metinar Cm a clabraçã da CTM de Prtugal, frmáms militares timrenses em Operações de Api à Paz, em Cmbate em Áreas Edificadas e Métds de Instruçã Pessal da Cmpnente Naval das F-FDTL, cm a CTM prtuguesa A Plícia Militar, através de Trein Intensiv, cm a cperaçã brasileira Curs Oficiais Superir em Lemhanas, Jakarta Iniciáms trein de peradres de manutençã (mecânics de viaturas) cm a cperaçã japnesa Organizáms: 10ª Reuniã de Ministrs da Defesa da CPLP, em Mai de 2008, cm a aprvaçã da Declaraçã de Díli Seminári sbre Gestã de Frnteiras, a 18 de Mai de 2008 Seminári em Assistência da Engenharia Militar na Cnstruçã de Prjects Nacinais, Desastres Naturais e na Recnstruçã Pós-Cnflit. A Situaçã em Timr-Leste, a 25 de Setembr de 2009 Cnferência Internacinal sbre Segurança Marítima, em Junh de 2010 Um Fórum Plític sbre Igualdade de Géner, para as famílias ds militares e militares d sex feminin, em Agst de 2008 Mudança de liderança d Chefe Estad-Majr General das F-FDTL d Taur Matan Ruak a Lere Anan Timur Assináms: Acrd de Cperaçã Militar cm Canadá em Nvembr de 2008 Acrd cm a Tecnlgia da Defesa da Malásia (Malaysian Defence Technlgy), em 2007 Acrd de Cperaçã entre a RDTL e Prtugal n Dmíni da Defesa Acrd Técnic de Cperaçã sbre a Participaçã das F-FDTL em Cntingentes Prtugueses de Operações de Paz da ONU e da EU Prgrama-Quadr de Cperaçã Técnic-Militar para Triéni , cm Prtugal Acrd cm a UNMIT/UNDP cm api financiament da UE para estabeleciment d Institut de Defesa Nacinal. Acrds cm Brasil e Prtugal (Nvembr de 2010)

18 Acrd cm a Nva Zelândia, em Setembr de 2011 Acrd cm a República da Indnésia, em 19 de Agst de 2011 Acrd e prtcl cm Ministéri da Defesa Nacinal da República Ppular da China em China s Prvisin f Military Aid Gratis t Timr-Leste, em Outubr de Participáms: Exercíci militar da CPLP em Prtugal, FELINO, primeira vez em 2008, cntinuand a participar anualmente, segund a rdem alfabética ds Países Membrs da Cmunidade 11º Reuniã de Ministrs de Defesa da CPLP, em Luanda, em Mai de ª Reuniã de Ministrs de Defesa da CPLP, em Brasília, Nvembr de ª Reuniã de Ministrs de Defesa da CPLP, em Cab Verde, Nvembr de 2011 Reuniões anuais (cincidind cm as Reuniões de Ministrs da Defesa/CPLP) de Directres de Plitica de Defesa Nacinal da CPLP Reuniões de SPAD/CPLP (Secretariad Permanente para s Assunts da Defesa da CPLP), em Lisba Reuniões anuais cm Austrália (Defence Cperatin Talks) Reuniões anuais cm Estads Unids da América (Bilateral Defence Talks) Reuniões anuais cm Nva Zelândia (Military Assistance Prgram) Exercíci CROCODILO, exercíci cnjunt cm mais de militares, cm as ISF e Estads Unids da América Exercíci PARCERIA DO PACÍFICO, juntamente cm navi ds Estads Unids da América, USS Mercy e cm as ISF, para prvidenciar tratament médic em Díli, Oecussi, Laclubar e Remexi, durante este exercíci mais de pacientes fram tratads e 175 perações cirúrgicas fram realizadas Operaçã PSICO SOCIAL, juntamente cm a PNTL, para repr a rdem pública n Suai e Bbnar, em 2010 Diálg anual da Defesa da ARF (Asean Reginal Frum) Diálg anual de Shangri-la em Singapura Diálg anual de Jakarta Internatinal Defense Dialgue Fórum Anual da Defesa de Tóqui (Tky Defense Frum) Cnferência de Chefes de Estad-Mair General ds países da CPLP em Maput Reuniões Bilaterais na área da Defesa cm países parceirs, nmeadamente: Prtugal, Austrália, Brasil, Nva Zelândia e Estads Unids da América Relações bilaterais cm a Indnésia, através d estabeleciment de um Adid de Defesa em Jacarta

19 Frtalecend Sectr da Justiça O desenvlviment d sectr da Justiça é fundamental para garantir uma cultura de gvernaçã demcrática e a estabilidade e desenvlviment de Timr-Leste. Prmver melhr funcinament das instituições da Justiça e prestar melhres serviçs às ppulações nesta área é uma das primeiras brigações d Estad. A melhria d sistema judiciári de Timr-Leste e acess generalizad à justiça, a tds s timrenses, incluind a reabilitaçã de infra-estruturas e refrç d quadr legal, fram realizações imprtantes que marcaram a refrma d sectr da Justiça. Aprváms: Plan Estratégic d Sectr da Justiça de Timr-Leste Regime Jurídic da Advcacia Privada e da Frmaçã de Advgads Lei de Autrizaçã Legislativa em matéria Penal Lei de Prtecçã de Testemunhas Estatut Remuneratóri ds Magistrads Judiciais, ds Magistrads d Ministéri Públic e ds Agentes da Defensria Pública Lei Orgânica da Câmara de Cntas d Tribunal Superir Administrativ, Fiscal e de Cntas de Timr-Leste Códig Civil Primeira Alteraçã a Estatut d Ministéri Públic Estatut Orgânic d Ministéri da Justiça Estatut da Defensria Pública Regime Jurídic ds Passaprtes Códig Penal Primeira Alteraçã a Regime Jurídic d Ntariad Regulament Ntarial Regime jurídic ds funcináris de justiça e ds serviçs das secretarias ds Tribunais, d Ministéri Públic e da Defensria Pública Serviçs de api técnic e administrativ da PGR Regime Especial de Cnstituiçã Imediata de Sciedades Regime de Cmpensações pr Descupaçã ds Imóveis d Estad Códig das Custas Judiciais Regime de regularizaçã da titularidade de bens imóveis em cass nã disputads Regime de Emluments ds Regists e Ntariad

20 Estatut da carreira especial de Cnservadres e Ntáris Regulament de frmaçã para ingress na carreira de Cnservadres e Ntáris Estatut ds Guardas Prisinais Regime das Férias Judiciais Estatut d Oficiais de Justiça Despach que cria a Cmissã Nacinal ds Direits da Criança Aprvaçã ds Mdels de impresss de Passaprtes e d Títul de Viagem Única Revisã das Taxas de Emissã de Passaprtes Estrutura Orgânica d Centr de Frmaçã Jurídica Estrutura Orgânica da Direcçã Nacinal de Direits Humans e Cidadania Estrutura Orgânica da Direcçã Nacinal de Assessria Jurídica e Legislaçã Estrutura Orgânica da Direcçã Nacinal de Serviçs Prisinais e de Reinserçã Scial Estrutura Orgânica da Direcçã Nacinal ds Regists e Ntariad Estrutura Orgânica da Direcçã Nacinal de Terras, Prpriedades e Serviçs Cadastrais Estrutura Orgânica da Direcçã Nacinal de Administraçã e Finanças Diplma Ministerial que aprvu s mdels de estatuts referentes às sciedades submetidas a prcediment de cnstituiçã imediata de sciedades cmerciais Subsídi de risc ds Guardas Prisinais Resluçã que atribui a MJ a cmpetência para recrutament, a frmaçã e capacitaçã prfissinais ds licenciads que irã integrar futur quadr de auditres da Câmara de Cntas d Tribunal Superir Administrativ, Fiscal e de Cntas de Timr-Leste Resluçã que atribui a MJ a cmpetência para recrutament e frmaçã de investigadres para a carreira de investigaçã criminal Resluçã que atribui a MJ a cmpetência para recrutament e frmaçã d pessal de infrmática d sectr da Justiça Diplma sbre Levantament Cadastral Diplma que regula a cnversã de declarações sbre bens imóveis em regist de prpriedade Resluçã que criu Grup de Trabalh para a implementaçã d Serviç de Regist e Verificaçã Empresarial (SERVE), que cnsiste n balcã únic para regist cmercial, impsts e licenciament de empresas Lei que aprva Regime Especial para a definiçã da titularidade de bens imóveis (a chamada Lei de Terras) Lei das Exprpriações (aguarda cnfirmaçã pel Parlament Nacinal) Lei que cria Fund Financeir Imbiliári Decret-Lei que cria a Plícia de Investigaçã Criminal Prpsta de Lei que visa aprvar Códig d Regist Civil Decret-Lei sbre a Representaçã d Estad em Juíz Decret-Lei que aprva a rgânica ds Serviçs de Api ds Tribunais 1.ª Alteraçã à Lei que regula exercíci da Advcacia Privada Decret-Lei sbre Passes de Frnteira Diplmas em fase final de aprvaçã: Estatut da Carreira Especial de Auditr da Câmara de Cntas d Tribunal Superir, Administrativ, Fiscal e de Cntas

21 Lei de Execuçã de Penas e Medidas Privativas da Liberdade Prpsta de Lei de Autrizaçã Legislativa em Matéria de Regime Penal Especial ds Jvens ds 16 as 21 ans Regime Penal Especial ds Jvens ds 16 as 21 ans Decret-Lei sbre mecanism transitóri para a transacçã de bens imóveis registads Decret-Lei que altera Códig das Sciedades Cmerciais Decret-Lei que aprva Regime de Firmas Diplma Ministerial que regulamenta regime emlumentar ds regists e ntariad Diplma Ministerial que aprva s nvs mdels d Regist Civil Nv Códig d Regist de Pessas Clectivas e Entidades Equiparadas (denminad anterirmente Códig d Regist Cmercial) Decret-lei d Nv Sistema de Regist Cmercial e que estabelece SERVE Resluçã que cria a Cmissã Interministerial d SERVE Nv Códig das Pessas Clectivas e Entidades Equiparadas Alteraçã a Estatut d Ministéri da Justiça Diplmas em fase de elabraçã, discussã pública u revisã: Lei da Organizaçã Judiciária Regime Jurídic de Acess as tribunais (api judiciári) Prject de lei de mediaçã de cnflits Lei da Justiça Tradicinal (lei sbre recnheciment d Direit Cstumeir) Códig ds Direits da Criança Lei da Justiça Juvenil Manual de prcediments de padrões para funcinament das prisões Lei da Drga Lei d Tráfic de Pessas Decret-Lei sbre mecanism de Cmpensaçã e Reembls. Regulament da Cmissã Cadastral Tabela de Valres para Cmpensaçã Lei de Terras Regime Jurídic d Dmíni públic d Estad Regime Jurídic d Dmíni privad d Estad Diplma relativ a impsts sbre a terra Lei sbre as Znas de Prtecçã Cmunitária e as Terras Cmunitárias Decret-Lei sbre as áreas Urbanas e Rurais Decret de lei sbre a regulamentaçã ds sls. Códig d Regist Predial Lei das Cperativas e das Pessas Clectivas sem fins lucrativs Diplma Ministerial que regulamenta Códig d Regist de Pessas Clectivas e Entidades Equiparadas Alteraçã da Estrutura Orgânica da Direcçã Nacinal ds Serviçs Prisinais e de Reinserçã Scial Cnstruíms e Reabilitáms: Reabilitaçã da Prisã de Glen, Ermera Reabilitaçã da Prisã de Becra, incluind murs de segurança interir e exterir, Díli Reabilitaçã d Centr de Frmaçã da Prisã de Becra Reabilitaçã de 22 casas para Guardas Prisinais em Becra e 7 casas para Guardas Prisinais em Glen

22 Cnclusã d edifíci da Direcçã Nacinal de Terras e Prpriedades e Serviçs Cadastrais, Díli (transitu d anterir Gvern) Cnstruçã d Edifíci Nacinal de Direcçã Nacinal ds Regists e Ntariads em Díli e Edifícis Distritais ds Regists e Ntariad de Ainar, Baucau, Manatut, Suai, Aileu, Ermera, Ls Pals, Oecusse, Manufahi/Same, Bbnar, Liquiça, Viqueque e Díli Reabilitaçã d edifíci da Defensria Pública em Baucau, Oecusse e Suai Residências da Defensria Pública de Baucau, Suai e Oecusse Ampliaçã d Centr de Frmaçã Jurídica Cnclusã d edifíci da Prcuradria-Geral da República, Díli (transitu d anterir Gvern) Cnclusã da Reabilitaçã d Tribunal Distrital de Díli (transitu d anterir Gvern) Reabilitaçã d Tribunal de Recurs e d Tribunal de Baucau Reabilitaçã e cnstruçã de Residências para s Juízes d Suai, Oecusse e Baucau Reabilitaçã de Residência ficial d Presidente d Tribunal de Recurs Prjects físics em curs: Nv edifíci d Ministéri da Justiça Nv edifíci da Plícia de Investigaçã Criminal, incluind Labratóri de Plícia Científica Nv edifíci para Suprem Tribunal de Justiça e Tribunal Superir Administrativ, Fiscal e de Cntas Reabilitaçã da Prisã Distrital d Suai e celas de detençã e aljament para guardas prisinais ns distrits de Oecusse e Suai Prject de adaptaçã d estabeleciment Prisinal de Glen, para atendiment ds recluss d sex feminin e dentes mentais Cnstruçã de uma lja junt d estabeleciment prisinal de Becra, cm intuit de viabilizar a venda ds prduts prduzids pels recluss Edifícis distritais da DNTPSC Instalaçã d Balcã únic de atendiment para a cnstituiçã de empresas (SERVE), n edifíci ACAIT Nvs edifícis para a Defensria Pública e futura Ordem ds Advgads Recrutáms: 78 Funcináris Públics para Ministéri da Justiça 15 Auditres nacinais (Câmara de Cntas) 47 Investigadres (Plícia de Investigaçã Criminal) 31 Especialistas de Labratóri (Plícia de Investigaçã Criminal) 30 Oficiais de Justiça 15 Magistrads 30 Técnics de IT para sectr da Justiça (recrutament a decrrer) Actualmente cntams cm: 691 Funcináris n Ministéri da Justiça 50 Actres Judiciáris nacinais (17 juízes, 17 prcuradres e 16 defensres públics)

23 Reduzims: O temp de regist de empresas de 65 dias (em Janeir de 2011) para apenas 13 dias (em Fevereir de 2012), ttalizand empresas registadas em Timr- Leste até 31 de Dezembr de Prduzims: Regists de nasciment Regists de casament Regists de óbit Bilhetes de identidade Certificads de regist criminal Passaprtes 8146 Regists de empresas e pessas clectivas sem fins lucrativs 2952 Certificads de prpriedade Estabelecems: Cmissã Nacinal ds Direits da Criança Instituiçã Superir de Cntrl de Timr-Leste (Câmara de Cntas) Defensria Pública, ns 4 distrits judiciais, para garantir ampl acess de tds s cidadãs as tribunais e à justiça Serviçs para a prática de acts d regist civil, criminal, sciedades cmerciais, pessas clectivas sem fins lucrativs e ntariad Infrmatizaçã da emissã d bilhete de identidade Suprte infrmátic para a emissã de passaprtes e passes de frnteira, garantid a segurança da emissã e a celeridade d prcess Psts de Regist de Nasciment Hspitalar em Díli, Maliana, Baucau e Oecusse Prgrama de acess à justiça n Suai Casas de abrig para as vítimas, a funcinar n Suai, Saleli e Díli, pr intervençã directa de rganizações religisas e da sciedade civil Prgrama de Subsídis às rganizações da sciedade civil, tend em vista apiar as actividades de acess à justiça, nmeadamente api às vítimas, api legal, reduçã da vilência cntra as mulheres e jvens, melhria d acess à infrmaçã sbre direits humans e justiça Api à AATL Assciaçã ds Advgads de Timr-Leste, para efeits de elabraçã d plan estratégic, aut-regulaçã e administraçã Tribunais móveis: tribunal d Suai deslca-se a Ainar, Same e Maliana; tribunal de Baucau deslca-se a Manatut. Fi também realizad um julgament em Ls Pals e, n futur, espera vir a realizar-se em Viqueque. Prject Ita Nia Rai, cuja gestã transitu em Nvembr de 2011 da USAid para MJ, que permitiu criar um sistema nacinal de levantament cadastral tend em vista a reclha de dads para a identificaçã de bens imóveis (terras) e seus titulares O prcess de reclha de dads decrre ns 13 distrits: Aileu, Ainar, Baucau, Bbnar, Cvalima, Díli, Ermera, Lautem, Liquiça, Manatut, Manufahi, Oecussi e Viqueque, tend sid reclhidas reclamações crrespndentes a parcelas de terras identificadas

24 De acrd cm s dads até agra alcançads, apenas 9% das parcelas sã disputadas pr mais d que um declarante Os dads reclhids antes da entrada em vigr d Decret-Lei 27/2011 sã sujeits a republicaçã ficial para validaçã ds mesms. Fram já feitas publicações u republicações de dads em tds s distrits, cm excepçã d distrit de Viqueque (a iniciar brevemente). Desde Dezembr de 2011 até à data já fram atribuíds certificads de regist de prpriedade a cidadãs timrenses Frmáms: 15 Auditres nacinais n Tribunal de Cntas, em Prtugal 47 Investigadres licenciads para integrar a Plícia de Investigaçã Criminal, em parceria cm a Plícia Judiciária prtuguesa 3 Médics n curs de especializaçã em Medicina Legal de Cimbra 7 Advgads privads estagiaram em Sciedades de Advgads, em Lisba 24 Magistrads e defensres (II e III Curss de Magistrads) 78 Oficiais de justiça 18 Funcináris em Gestã de Cadastr 12 Funcináris n Us de Glbal Psitining System (GPS) 3 Funcináris em Gestã de Terras e Infrmática, Austrália, 3 Funcináris cm mestrad em Gemática e Gestã d Patrimóni d Estad, Universidade Gajah Mada, Indnésia 40 Funcináris frmads cm Curs de Survey e Mapping (Diplma I), Gajah Mada, Indnésia 60 Participantes n Trein de Mediadres de Cnflits de Terras, realizad em 3 distrits (Liquiçá, Aileu e Manatut), para s líderes cmunitáris Sistema de Regist de Títuls, 14 participantes, Prtugal Glbal Mapping, 1 participante, Singapura e GIS 1 participante Japã 6 Guardas prisinais n curs de Frmaçã de Frmadres 48 Guardas prisinais n Curs de Técnicas especiais para lidar cm prisineirs de alt risc 18 Funcináris (gestres) das prisões de Becra e Glen em Frmaçã em Liderança 244 Funcináris e guardas prisinais participaram n Curs de Segurança Geral nas Prisões e Respsta de Emergência 4 Gestres das prisões efectuaram uma visita de estud sbre Gestã Prisinal, Austrália 10 Funcináris n Curs de Frmaçã de Lideranças n Sistema Prisinal, em Adelaide, pel Departament de Crrecçã Prisinal da Austrália 113 Frmands participaram em curss de Língua Prtuguesa 9 Funcináris d MJ frmads em Aprvisinament 13 Funcináris d Ministéri da Justiça frequentaram Mestrads e Licenciaturas nas Universidades da Indnésia em áreas de Gestã e Administraçã Pública Actualmente 83 funcináris d MJ frequentam curss de mestrad e de licenciatura na UNTL, UNPAZ, UNDIL e IB. 25 Técnics de infrmática d MJ e instituições de justiça frmads em TI 20 Chefes de repartiçã e funcináris d regist civil ds 13 distrits frmands em regist de nasciment 150 Parceirs d regist de nasciment frmads ns 13 distrits (chefes de suc, parteiras, enfermeiras, membrs das cnfissões religisas, jrnalistas, funcináris d regist civil)

25 Realizáms: II Curs de Frmaçã de ingress nas carreiras da Magistratura e Defensres Públics, cncluíd em Nvembr de 2007 (10 magistrads e defensres) III Curs de Frmaçã de ingress nas carreiras de Magistratura e Defensres Públics, cncluíd em Mai de 2011 (14 magistrads e defensres) IV Curs de Frmaçã de ingress nas carreiras de Magistratura e Defensres Públics (15 frmands) Frmaçã cmplementar de 12 magistrads judiciais, em Prtugal Curs sbre Códig Penal para 20 juízes, prcuradres e defensres públics Prgrama de intercâmbi cm a Defensria Pública da Uniã d Brasil - 9 Defensres públics I Curs de Frmaçã para Advgads Privads cm 14 frmands (a decrrer) II Curs de Frmaçã para Advgads Privads cm 35 candidats (a decrrer) I, II e III Curss de Frmaçã para Oficiais de Justiça - n ttal 35 ficiais de justiça frmads IV Curs de frmaçã de ficiais de Justiça d Ministéri Públic - 28 cncluíram cm sucess a frmaçã I e II Curss de Frmaçã de ficiais de justiça para a Defensria Pública - 15 cncluíram cm sucess I Curs de frmaçã para ingress na carreira de ficial de justiça - a decrrer cm 30 frmands. Curs de Criminalidade Cmplexa ecnómic-financeira em matéria penal e técnicas de investigaçã criminal em clabraçã cm a Prcuradria-Geral da República e a Plícia Judiciária de Prtugal - participaram 19 frmands Primeir Curs de Frmaçã para ingress na carreira de Cnservadres e Ntáris (a decrrer) cm 11 frmands. I Curs de frmaçã para assessres jurídics nacinais - 11 juristas cncluíram curs e estã a exercer funções II Curs de frmaçã de assessres jurídics (a decrrer) cm 28 licenciads riunds d PN, PR, PDHJ e MJ. Curs de Frmaçã de Tradutres e Intérpretes para 14 frmands que já iniciaram funções, em regime de estági 1º, 2º e 3º Semináris sbre Regist Cmercial, intitulads Regist Públic em Timr-Leste, Imprtância e Prcediments d Regist Públic e Refrma d Regist Cmercial - Serviç de Regist e Verificaçã Empresarial (SERVE). Frmaçã sbre s Princípis Básics d Códig de Regist Cmercial Frmaçã n lcal de trabalh para s funcináris d Departament d Regist Públic Frmaçã e visita de Estuds à Malásia sbre Regist Cmercial Cnferência O bjectiv d Cntrl Extern das Cntas d Estad e s mdels de Instituições Superires de Cntrl, cm a participaçã d Tribunal de Cntas de Prtugal e d ANAO (Australian Natinal Audit Office) 15º Aniversári da Organizaçã das Instituições Superires de Cntrl (ISC) da CPLP e II Seminári O papel das ISC num Estad de Direit e A imprtância da Cperaçã entre as ISC n desenvlviment institucinal e capacitaçã técnica Trein de mais de 100 Organizações da Sciedade Civil, em Díli e ns distrits, sbre gvernaçã e gestã Inquérit à Cmunidade sbre a percepçã da Justiça Preparaçã de uma plítica de justiça d géner

26 Frmaçã em Leis, Justiça e Direits Humans ds membrs da PNTL, em 4 distrits: Díli, Manatut, Liquiça e Oecusse Acções de sensibilizaçã sbre as questões da Igualdade e Géner, Centr Juvenil Padre Antóni Vieira, Díli Semináris e wrkshps para prmver respeit pels direits humans e direits da criança Disseminaçã da Cnvençã ds Direits da Criança, ns distrits de Aileu, Viqueque, Ermera, Manatut e Oecusse Prgramas de infrmaçã e debates na rádi e na televisã sbre leis, sistema de Justiça e direits humans Prgrama de Disseminaçã de Infrmaçã Legal na Cmunidade Wrskshps sbre papel da Defensria Pública Cnsultas públicas sbre as leis de Justiça Juvenil, Códig Penal, Códig Civil, Justiça Tradicinal, Lei de Terras e Códig da Criança Actividades cntinuadas de alfabetizaçã e frmaçã vcacinal de recluss (rta, tais, carpintaria, alfaiataria, cstur, pedreir, lavandaria, infrmática) Acções de frmaçã e de sensibilizaçã ds guardas prisinais para s direits humans ds recluss Api legal, médic e psiquiátric as recluss Apresentaçã, em Genebra, d Relatóri UPR - Universal Peridic Review - sbre a situaçã ds Direits Humans em TL Apresentaçã, em Genebra, d Relatóri CRC (Child Rights Cnventin) sbre s Direits das Crianças em Timr-Leste

27 Refrmar a Gestã d Estad

28 P r m v e n d a B a G v e r n a ç ã e R e f r m a n d a Administraçã Pública A ba gvernaçã e um sectr públic prfissinal, imparcial e eficiente, sã essenciais para a prvisã de serviçs de qualidade a Pv de Timr-Leste e para cmbater eficazmente a crrupçã. A Funçã Pública representa um factr determinante para gerar cnfiança nas instituições d Estad, que é crucial para cnstruir a Naçã. A refrma da gestã d Estad teve, pr iss, cm bjectivs principais prmver a transparência e a respnsabilizaçã, garantind assim uma gvernaçã mais aberta a escrutíni independente, rigrs e públic, de acrd cm s interesses d Pv. Os princípis base da ba gvernaçã que rientaram Gvern sã s seguintes: Transparência Respnsabilizaçã Integridade Liderança Estes princípis cnduzem a uma mair respnsabilizaçã pels resultads, permitem a públic fazer queixas que pdem ajudar a identificar e a abrdar áreas prblemáticas e garantem us adequad de dinheirs públics. A transparência é a melhr prtecçã cntra cmprtaments puc étics e a frma mais eficaz de prmver a respnsabilizaçã pessal. As refrmas mais marcantes nesta área incluem: Estabeleciment da Cmissã da Funçã Pública Estabeleciment da Cmissã Anti-Crrupçã Autnmizaçã d Gabinete d Inspectr-Geral para cnduzir inspecções e auditrias independentes Estabeleciment de uma Câmara de Cntas para cnduzir auditrias externas independentes Desenvlviment de sistemas altamente transparentes de gestã das finanças públicas Cmissã Anti-Crrupçã: Cm parte de um nv quadr de refrmas em prl da ba gvernaçã, Primeir- Ministr anunciu em 2007 que Timr-Leste iria estabelecer uma Cmissã Anti-Crrupçã independente cm pderes frtes para cmbater a crrupçã. Em 2009 Parlament Nacinal aprvu a lei para criar a Cmissã Anti-Crrupçã. A lei prevê que esta Cmissã cmbata a crrupçã através de acções de prevençã, educaçã e investigaçã. A Cmissã

29 tem pderes de plícia frtes para investigar acts de crrupçã e para transmitir cass a Prcuradr-Geral a fim de serem alv de acusaçã. A Cmissã Anti-Crrupçã tem vind a aumentar gradualmente as suas capacidades e já investigu muits cass de alegada crrupçã. A Cmissã é actualmente a principal instituiçã na luta cntra a crrupçã em Timr-Leste. A Cmissã Anti-Crrupçã cpera também cm instituições internacinais n cmbate glbal cntra a crrupçã. A Cmissã apresentu recentemente relatóri de autavaliaçã a respeit da implementaçã da Cnvençã das Nações Unidas cntra a Crrupçã em Timr-Leste, a qual infrmará as medidas que tmams e a estratégia nacinal para cmbater a crrupçã. Cmissã da Funçã Pública: Em 2007 Primeir-Ministr anunciu também estabeleciment de uma Cmissã da Funçã Pública para assegurar ba gvernaçã na Funçã Pública. A Cmissã da Funçã Pública fi estabelecida em 2009 e pssui pderes ampls para garantir que a Funçã Pública é efectiva, presta serviçs públics de ba qualidade e é gerida de frma adequada e ética. Uma das principais funções da Cmissã da Funçã Pública cnsiste em aplicar princípi d mérit n empreg, assegurand que s funcináris públics sã cntratads cm base nas suas qualificações, experiência e capacidade para executar devidamente as suas funções. A Cmissã da Funçã Pública irá cnduzir alterações e desenvlver uma cultura de desempenh e de ba gvernaçã. O seu papel passa pr garantir que a Funçã Pública: Adere as seus valres e códig de ética Baseia n mérit as suas decisões relativas a empreg É prfissinal, hnesta e dá uma ba respsta a Gvern vigente e a Pv de Timr-Leste É pliticamente imparcial e neutra Melhra a prestaçã de serviçs públics e a cnduçã de avaliações de desempenh A Cmissã fiscaliza igualmente prcesss de disciplina cntra funcináris públics pr alegadas más cndutas, de md a garantir que a Funçã Pública mantém s padrões de cnduta mais elevads. A Cmissã gere ainda um prcess de reclamações a nível da Funçã Pública, cm intuit de prmver bm cmprtament e de identificar áreas que precisem ser melhradas. A Cmissã da Funçã Pública tem igualmente um papel imprtante n planeament da frça de trabalh, prcurand garantir que a Funçã Pública de Timr-Leste cnta cm númer crrect de pessas e cm a cmbinaçã certa de qualificações para satisfazer as necessidades actuais e futuras. Cm parte d seu papel, durante mandat a Cmissã da Funçã Pública desenvlveu uma nva estrutura de carreira para reflectir as necessidades em terms de prestaçã de serviçs, estabeleceu uma idade de refrma para prmver a renvaçã da frça de trabalh e transfrmu s empregads tempráris em permanentes, de md a prmver prfissinalism e a permitir as funcináris públics melhrar as suas carreiras e aumentar a sua experiência. Gabinete d Inspectr-Geral: Outra refrma imprtante a nível de gvernaçã anunciada pel Primeir-Ministr em 2007 fi refrç ds pderes d Inspectr-Geral para permitir a este agir pr iniciativa própria e cnduzir investigações e inspecções independentes. O Gabinete d Inspectr-Geral pssui actualmente pder para cnduzir inspecções na Funçã Pública, realizar auditrias internas rigrsas e investigar alegads cass de errs e de gestã indevida. O Inspectr-Geral age independentemente e pde trabalhar cm inspectres envlvids em Ministéris gvernamentais.

30 Câmara de Cntas: Fi criada uma Câmara de Cntas para cnduzir auditrias independentes d Estad. A Câmara de Cntas é um órgã judicial estabelecid segund Tribunal de Recurs. A sua frmaçã é primeir pass rum a estabeleciment plen de um Tribunal Superir Administrativ, Fiscal e de Cntas. Os funcináris da Câmara de Cntas têm vind a receber frmaçã rigrsa a fim de serem capazes de desempenhar devidamente seu papel n que se refere à análise d Orçament d Estad. Prtal de Transparência de Timr-Leste: O Gvern desenvlveu um Prtal de Transparência de Timr-Leste que inclui prtais electrónics que permitem a públic cnsultar as perações d Estad. Desta frma as perações d Estad sã transparentes e abertas. Pde-se assim incidir um fc sbre ptenciais cass de gestã indevida e prmver padrões elevads de cnduta e de efectividade pr parte d Gvern. O Gvern criu: O Prtal de Transparência Orçamental, que reprta sbre as despesas gvernamentais e sbre a execuçã rçamental até a nível de prjects O Prtal de Aprvisinament Electrónic, que permite a públic cnsultar cncurss de cntrats, detalhes sbre quem ganha um cncurs e detalhes sbre prjects e custs O Prtal da Transparência da Ajuda, que permite cnhecer as cntribuições e detalhes de prjects de Parceirs de Desenvlviment e ONGs O Prtal de Resultads d Gvern, que permite a públic acmpanhar prgress ds principais prjects d País e prgress da implementaçã ds grandes investiments d Plan Estratégic de Desenvlviment para 2011 a 2030 Estes prtais trnam funcinament d Estad abert e transparente a públic e prmvem a ba gvernaçã e cmbate à crrupçã. Iniciativa de Transparência das Indústrias Extractivas (ITIE): Timr-Leste, um País cm apenas uma década após a Independência, desenvlveu um sistema a nível mundial de gestã de receitas, send primeir País na Ásia-Pacífic e terceir n mund inteir a receber estatut de cnfrmidade cm a Iniciativa de Transparência nas Indústrias Extractivas, em Julh de Timr-Leste, a cumprir s critéris da ITIE, é um líder glbal na divulgaçã e transparência das receitas d petróle e d gás. Os requisits da Iniciativa de Transparência das Indústrias Extractivas incluem: Publicaçã regular de tdas as receitas e pagaments referentes a petróle e gás pr parte de empresas a gvern e a uma vasta audiência, de um md acessível, abrangente e fácil de entender Sujeiçã de pagaments e receitas a auditrias independentes e credíveis, aplicand padrões de auditria internacinais Envlviment da sciedade civil, cntribuind para a cncepçã, mnitrizaçã e avaliaçã ds prcesss anterires e cntribuind para debate públic O quadr de transparência de Timr-Leste significa que é pssível saber, de frma fácil e pública, que acntece a cada dólar de receita resultante das reservas de petróle e gás da naçã. N âmbit da Ba Gvernaçã e Cmbate à Crrupçã, destacams ainda: O recnheciment, n primeir índice inaugural d Revenue Watch de 2011, cm um Gvern cm Transparência Abrangente a nível de Receitas A subida em 19 psições na classificaçã mundial de transparência internacinal medida pel Índice de Percepções de Crrupçã, entre 2009 e 2010

31 A realizaçã de auditrias externas, pela empresa Delitte, incluind a realizaçã de auditrias especiais as Ministéris e instituições seleccinadas pel auditr extern. Até mment um ttal de 42 auditrias fi realizad cm parte da agenda de refrma d Gvern, bem cm pr slicitações especiais d Parlament Nacinal. Neste mment estã a ser efectuadas auditrias a aprvisinament de 14 ministéris e instituições A nível da administraçã pública e na gestã das finanças públicas, cm vista a melhrar a peraçã, eficiência e efectividade d Estad, juntamente cm as alterações n que tca à ba gvernaçã e descentralizaçã, Gvern implementu refrmas imprtantes na administraçã pública: Estabeleciment da Cmissã de Aprvisinament Nacinal, respnsável pel aprvisinament ds principais prjects, cbrind a ttalidade d cicl de aprvisinament, desde a emissã de um avis de aprvisinament e da avaliaçã de prpstas de diferentes empresas até à recmendaçã da empresa à qual deve ser adjudicad cntrat. Na realizaçã desta tarefa Gvern prvidenciu melhr api dispnível, tend sid cntratada uma firma internacinal de aprvisinament para ajudar a Cmissã a garantir que s principais prjects de infra-estruturas têm uma ba qualidade, gastaram dinheir de frma eficaz e sã gerids segund s níveis mais elevads de transparência, prfissinalism e integridade Estabeleciment de uma Agência de Desenvlviment Nacinal, respnsável pela avaliaçã das principais prpstas em terms de infra-estruturas e pela mnitrizaçã e reprte da execuçã d desenvlviment de infra-estruturas. A ADN garante que s principais prjects de infra-estruturas sã cncluíds atempadamente e cm qualidade, dentr d rçament e de acrd cm âmbit e especificações cntratuais Operacinalizaçã de um sistema financeir FreeBalance para gerir, cntrlar e acmpanhar rçament, as finanças gvernamentais e as cmpras e s pagaments. Melhria das funções d Tesur, cnseguind, pela primeira vez, a Plena Recnciliaçã de Cntas, que significa que pela primeira vez tdas as cntas d Gvern n Tesur fram ttalmente recnciliadas cm a cnta de Gvern mantid n Banc Central de Timr-Leste Estabeleciment de um Sistema de Tesur de Cnta Única n Gvern, permitind uma mair vigilância sbre as perações de tdas as cntas bancárias pr parte d Tesur Melhria das taxas de execuçã rçamental, pr via da melhr gestã das finanças públicas e capacitaçã ds funcináris públics, que têm vind a aumentar extrardinariamente desde 2007, send que a execuçã rçamental só na categria de capital de desenvlviment, entre 2006/7 e 2011, teve um aument de 3.413%. A taxa de execuçã rçamental em 2009 fi de 89% e em 2010 de 91%. A taxa de execuçã rçamental em 2011 fi de 83,8% Estabeleciment de um Fund de Infra-estruturas e de um Fund de Desenvlviment de Capital Human, admitind prjects plurianuais, garantind assim a cntinuidade ds grandes prgramas de investiments em infra-estruturas e em prgramas de desenvlviment de capacidades de recurss humans timrenses em sectres estratégics cm justiça, educaçã, infra-estruturas, agricultura, turism, petróle e gestã financeira, de frma transparente e equilibrada Descentralizaçã das funções d aprvisinament através das seguintes medidas: Descentralizaçã da autridade de aprvisinament pelas linhas ministeriais Alteraçã ds diplmas legislativs que regulam as funções de aprvisinament Desenvlviment de um Manual de Bas Práticas sbre áreas-chave d cicl d aprvisinament Frmaçã e capacitaçã ds funcináris d aprvisinament, sbretud

32 Frmaçã e capacitaçã ds funcináris d aprvisinament, sbretud nas áreas ds cntracts estratégics e gestã de prjects Frmaçã e capacitaçã ds funcináris das linhas ministeriais Prduçã de dcuments standard e desenvlviment de ctações padrã, assim cm dcuments de api para s cncurss públics e cntratuais para categrias de prestaçã de bens e serviçs e cnsultrias Desenvlvems s móduls de aprvisinament d sistema integrad de gestã financeira fr (Integrated Financial Management Infrmatin Systems/FMIS) Estabeleciment de um sistema de reprte trimestral a Parlament Nacinal, cm as principais actividades desenvlvidas pr cada linha ministerial de acrd cm a execuçã rçamental. Estabeleciment de quadrs legais e quadrs de regulaments para a criaçã de Municípis incluind a sua necessária scializaçã: Lei d Gvern Lcal, Lei da Divisã Administrativa e Territrial, e Lei Eleitral Municipal: Prpsta de Lei da Divisã Administrativa e Territrial, que estabelece as unidades de Pder Lcal s municípis cm base na prmçã de prtunidades para a participaçã lcal demcrática de tds s cidadãs bem cm na ferta de serviçs mais efectiva, eficiente e equitativa para desenvlviment scial e ecnómic d País. Na actual divisã territrial, distrits e sub-distrits, serã fundids para frmarem nvas unidades administrativas (cuja área crrespnderá à ds actuais distrits), cm assembleias de representantes, que pdem prestar serviçs adequads as cidadãs e cm capacidade para desempenhar as suas funções. Prpsta de Lei d Gvern Lcal, que visa definir Pder Lcal cm base n princípi da descentralizaçã. Na legislaçã d Gvern Lcal estã cntempladas a estrutura, as psições de gvernaçã, as atribuições de funções, s pderes das receitas e a sua ligaçã a Gvern. Prpsta de Lei Eleitral Municipal uma vez que s órgãs de sberania e pder lcal sã esclhids através de eleições, após cnstituídas as municipalidades, estas deverã crrer em tds s municípis de Timr-Leste. Reabilitaçã de 47 sedes de sucs e cnstruçã de 161 nvas sedes de suc Cnstruçã ds edifícis das Câmaras Municipais de Díli, Baucau, Bbnar e Oecusse Distribuiçã ds Livrs da Administraçã d Suc para api à administraçã ds sucs (livr da Administraçã Pública, livr da Administraçã da Ppulaçã, Livr da Administraçã d Desenvlviment, etc) pels 442 Sucs Elabraçã da Listagem ds Chefes de Suc e Membrs d Cnselh de Suc incluind recrutament de pessal de api à administraçã ds sucs e levantament das actuais cndições ds sucs, tend as próprias cmunidades sid beneficiadas d melhr funcinament e atendiment ns seus respectivs sucs Elabraçã d Plan de Desenvlviment ds Sucs (PDS), cm a identificaçã das principais priridades para 5 ans para cada um ds 442 Sucs. Algumas destas priridades já fram implementadas através d Prgrama de Desenvlviment Lcal e Prgrama de Desenvlviment Descentralizad I e II Estabeleciment d Prgrama de Desenvlviment Lcal (PDL) e disseminaçã ds quadrs legais e estratégics para prcess de Descentralizaçã junt das Autridades Lcais e Liderança Cmunitária, tend mesm cntad cm a participaçã activa da cmunidade n prcess de tmada de decisã, gestã de finanças e aprvisinament lcal Estabeleciment d Prgrama de Desenvlviment Descentralizad (PDD), cm descncentraçã da administraçã a nível distrital e enquant preparaçã para a transfrmaçã ds Distrits em Municípis

33 Criáms Planeament de Desenvlviment Distrital (PDID) que define e regula as regras aplicáveis sbre a cmpetência, planeament, implementaçã e financiament para a execuçã de prjects d Estad a nível d Distrit d subdistrit (Decret-lei n.º4/2012). Este diplma vem também estabelecer prcess para a elabraçã d Plan de Investiment Distrital (PID) que é um plan anual cncretizad em harmnizaçã cm Plan de Desenvlviment ds Sucs (PDS), Prgrama de Desenvlviment Lcal (PDL) e Prgrama de Desenvlviment Descentralizad (PDD) a nível d distrit e sub-distrit Desenvlviment d curs de requalificaçã ds funcináris públics e definiçã ds respectivs critéris de prmçã Atribuiçã de Blsas de Estud n País e n Estrangeir, para frmaçã de funcináris públics que estã, assim, melhr preparads para respnder cm prfissinalism às necessidades ds serviçs das instituições d Estad Preparaçã da Transiçã Gvernamental - pela primeira vez irá ser feita uma transiçã alargada e abrangente para nv Gvern, a fim de assegurar uma transiçã suave para a nva administraçã. A incutir esta refrma ns prcesss de gvern n final de cada mandat, Gvern asseguru que Estad e a Funçã Pública cntinuarã a perar de frma efectiva independentemente de quem frmar gvern. Os Relatóris de Transiçã frnecerã infrmações sbre a estrutura rganizacinal e de pessal de Ministéris, prgramas e prjects que estã a realizar, aspects rçamentais, quadrs legais relevantes e capacidade para apiar prgrama d próxim gvern. Deste md a Funçã Pública nã terá de cmeçar d zer cm cada nva administraçã, pdend, a invés, apiar cada nv Gvern a partir d primeir dia, cm tdas as infrmações e pareceres necessáris para garantir a transiçã efectiva de um Gvern para utr

34 C n s l i d a n d a D e m c r a c i a Timr-Leste reclama um Estad frte, cm instituições plíticas demcráticas e estáveis, cm cndições para unir s timrenses e clmatar a pluralidade ds seus interesses. Uma sciedade culturalmente demcrática é aquela que prmve discussões, é aquela que facilita diálg para a sluçã ds prblemas, fmenta sentid de uniã em bjectivs maires e clectivs e é, também, uma sciedade que estabelece bas relações de vizinhança cm s países vizinhs, cntribuind para a paz e estabilidade na regiã e n mund. Em demcracia espera-se que existam instruments de interacçã cm a Sciedade Civil, espera-se que Pv esteja infrmad e que pssa infrmar as instituições públicas e plíticas. Pretendems, assim, que cm uma gvernaçã mais aberta e dinâmica cnsigams alcançar s principais bjectivs de desenvlviment sustentável e reduçã de pbreza, permitind também que a Sciedade Civil, Sectr Privad e utrs actres de desenvlviment, participem mais efectivamente neste prcess. O desenvlviment da Cmunicaçã Scial é fundamental para este desígni, já que é um instrument que vem clcar a infrmaçã cada vez mais acessível às ppulações e que vem valrizar s meis de cmunicaçã sciais nacinais, assim cm a prfissinalizaçã e a frmaçã ds jrnalistas. Uma sciedade demcrática é ainda uma sciedade que recnhece s direits da mulher de acrd cm exercíci ds valres fundamentais cnsagrads na Cnstituiçã da República e na Declaraçã Universal ds Direits d Hmem. Trata-se de uma questã de demcracia e de Direits Humans e a participaçã feminina na vida pública, cívica, plítica e scial é um indicadr de uma demcracia cnslidada. Prmvems a igualdade entre hmens e mulheres, que é um factr de cmpetitividade e desenvlviment, e a transversalidade d géner, que é um requisit para a ba gvernaçã e permite um empreg e cresciment sustentável e inclusiv. Para cnslidar a demcracia em Timr-Leste implementáms plíticas de igualdade de géner, que reduzem a distância entre papel atribuíd às mulheres n desenvlviment d país e a efectiva pssibilidade que lhes é dada para fazerem parte das decisões que afectam a sciedade, permitind-lhes participar n cresciment da ecnmia d país. Destacams as seguintes medidas: Aprváms: Lei Orgânica da SEPI Lei cntra a Vilência Dméstica Alteraçã da Resluçã d Mecanism d Pnt Fcal d Géner para Mecanism de Grups de Trabalh a nível nacinal e distrital

35 Revisã da Lei Orgânica da SEPI para ter um inspectr e auditr e um pnt fcal em cada distrit Inclusã d Géner nas priridades nacinais Elabráms: Plan de Acçã Nacinal sbre Vilência baseada n Géner Plan Estratégic da SEPI para Relatóri Inicial d Cmité para a Eliminaçã da Discriminaçã cntra as Mulheres (CEDAW) Relatóri Específic d CEDAW nas áreas da educaçã e saúde Apiáms: Nmeaçã para membr da Cmissã d CEDAW 169 Grups de mulheres, em tds s distrits, para iniciar pequens negócis Desenvlvems: Prgramas em Estatísticas de Géner, Orçament sensível a Géner, Mulheres na vida plítica, Vilência cm base n Géner e Resluçã 1325 d Cnselh de Segurança das Nações Unidas sbre mulher, paz e segurança Prgrama de sensibilizaçã semanal nas rádis cmunitárias ( Mulheres em Desenvlviment ) Debates mensais na TVTL sbre igualdade d géner Facilitáms uma Cmunicaçã Scial livre, independente e pluralista, para fmentar espírit crític na sciedade timrense, enquant factr caracterizadr de um Estad demcrátic, e criáms canais privilegiads para trnar as instituições, sbretud as gvernamentais, mais próximas ds cidadãs e da sciedade, nmeadamente através das seguintes acções: Aprváms: Estatuts da RTTL, E.P Plítica Nacinal para a Cmunicaçã Scial Criáms: Direcçã Nacinal de Disseminaçã de Infrmaçã (DNDI). Prtal d Gvern Prgrama de rádi d Gvern Adeus Cnflit, Bem-vind Desenvlviment, na Rádi de Timr-Leste, em Prtuguês e Tétum Prgrama de televisã Página d Gvern para esclareciment da piniã pública sbre s prjects d Gvern Prtal d Prgrama de Rádi d Gvern Adeus Cnflit, Bem-vind Desenvlviment Klega Sira, clcand, deste md, a Rádi ACBD em cntact permanente cm s cidadãs através das redes sciais (twiter, facebk e flick) Reabilitáms: Centr de Frmaçã em Relações Públicas d Gvern (CFRPG) que passu a chamar-se Centr de Frmaçã Técnica em Cmunicaçã (Ceftec), primeir a ser certificad em Cmunicaçã, em Timr-Leste Desenvlvems: Wrkshp sbre Códig de Ética para Jrnalistas Wrkshp: Exempl de Regulaçã da Cmunicaçã Scial n Mund Wrkshp An 2012, an da prfissinalizaçã ds serviçs de cmunicaçã scial em Timr-Leste Três acções de frmaçã sbre cmunicaçã scial, mais especificamente, gestã e rganizaçã ds meis de cmunicaçã scial cmunitária, gestã e sustentabilidade de rádis cmunitárias e cbertura de eleições Estabelecems: Memrand de Entendiment para a cnstituiçã de uma bibliteca especializada nas instalações d curs de Cmunicaçã Scial da UNTL

36 Um curs de Cmunicaçã cm cinc móduls de frmaçã, nmeadamente, imprensa, rádi, televisã, intrduçã à multimédia e multimédia, cm uma frte cmpnente prática Frmáms: 93 Oficiais de media em Cmunicaçã e Relações Públicas 21 Funcináris Públics em Cmunicaçã Assináms: Acrd de Cperaçã cm a Universidade Nacinal de Timr Lrsa e (UNTL) para as áreas d Direit e Cmunicaçã Scial Acrd cm Press Club (d qual fazem parte s principais jrnais nacinais) para publicaçã de infrmaçã, esclarecend a piniã pública sbre s prjects d Gvern Cntrat de Cncessã cm a RTTL, E.P Prmvems: A criaçã da Imagem Crprativa d Gvern. Neste âmbit, é dad api à realizaçã de events, através da elabraçã de cnvites, prgramas, merchandising, api na prmçã ds events, rganizaçã ds media, entre utrs. Sã, ainda, elabrads e distribuíds anualmente, em td territóri, calendáris, agendas e blcs de ntas A distribuiçã de jrnais pels distrits Restruturaçã das Rádis Cmunitárias, d Centr das Rádis Cmunitárias, cm api financeir, através de subsídi mensal, e técnic (instalaçã de trre e antenas de transmissã, acess a cmbustível, prgramas de rádi, aquisiçã de equipament para reabilitaçã de estúdis Nmeaçã ds quatr membrs d Cnselh de Administraçã e ds membrs d Cnselh Fiscal e Cnselh de Opiniã, e prpsta d nme d presidente d Cnselh de Administraçã da RTTL, E.P Reuniões entre s jrnalistas para a redacçã da Prpsta de Lei Geral ds Meis de Cmunicaçã Scial Reuniões entre s jrnalistas para a adpçã e disseminaçã de um Códig de Cnduta para Jrnalistas Publicáms: Clectânea (reprduz três diplmas relevantes na estrutura gvernativa e prduçã nrmativa em Timr-Leste e respectiv glssári) Crnlgia histórica sbre Timr-Leste Os últims passs da Libertaçã Nacinal Brchura sbre as Rádis Cmunitárias Brchura sbre funcinament da Secretaria de Estad d Cnselh de Ministrs Cnstituiçã antada da República de Timr-Leste Manuais de Jrnalism, entregues as aluns d 1. An d Curs de Jrnalism da UNTL Relatóri da participaçã de Timr-Leste na 2010 Shangai Wrld Exp Plítica Nacinal para a Cmunicaçã Scial Dcument para Cnsulta Pública O Aid Memire, uma publicaçã trimestral cm tdas as decisões d Cnselh de Ministrs e de suprte à acçã gvernativa na articulaçã d trabalh ds Membrs d Gvern Prmvems exercíci da Demcracia através da rganizaçã e realizaçã de eleições nacinais e lcais: Aprváms: A Lei de liderança Cmunitária Reestruturaçã d STAE e aprvaçã d Regulament Intern

37 Realizáms: A actualizaçã da base de dads eleitral e a emissã d cartã eleitral cm lg da RDTL actualizad Actualizaçã da base de dads em articulaçã cm Ministéri da Slidariedade Scial, para apurar númer de idss e deficientes Estuds cmparativs sbre mdels de liderança cmunitária A preparaçã das eleições da liderança cmunitária que teve lugar em 2009, cm a participaçã de 70% da ppulaçã Preparativs das eleições gerais de 2012, incluind recenseament eleitral, actualizand a base de dads a 100% Plan Operacinal para as eleições de 2012 As eleições presidenciais (1 e 2ª vlta) cm sucess Criáms: A Cmissã de Revisã da Lei Eleitral, que preparu a lei de liderança cmunitária implementada ns 13 distrits Frmáms: 13 Crdenadres distritais na Austrália Funcináris d STAE ns distrits Funcináris d STAE n estrangeir, nmeadamente através da participaçã em semináris e visitas de estud n estrangeir Prmvems uma plítica externa de cperaçã e de lhs psts n futur, encrajand Pv timrense a ter rgulh n seu Estad de Direit demcrátic e atraind investidres internacinais, prprcinand mais prtunidades de cresciment ecnómic. A plítica externa prsseguida pel Estad timrense tem em cnta a sua peculiaridade histórica e psiçã gegráfica. Privilegiad pr se encntrar entre dis ceans, Índic e Pacífic, e duas regiões, Sudeste Asiátic e Pacífic, também está presente as suas limitações enquant pequen país em desenvlviment, rdead de grandes ptências reginais cm a Austrália e Indnésia. Assumids estes pressupsts, Timr-Leste prssegue nas suas relações externas s princípis cmummente assumids pela Cmunidade internacinal, n respeit pela Carta ds Direits Humans e Direit Internacinal e estabelece relações de amizade cm tds s pvs. Neste sentid, destacam-se as seguintes actividades implementadas: Estabeleciment d Gabinete de Frnteiras, dependente da Direcçã ds Assunts Bilaterais d Ministéri ds Negócis Estrangeirs, de frma a facilitar as discussões sbre a delimitaçã de frnteiras (terrestre e marítima) Estabeleciment de Embaixadas em Genebra (Suíça), Hanói (Vietname), Luanda (Angla), Pretória (África d Sul), Santa Sé (Vatican), Seul (República da Creia), e Escritóri Cnsular n Cnsulad Geral de Prtugal em Manchester (Rein Unid), e ainda as nvas instalações das Embaixadas de Timr-Leste em Brasília, Lisba, Camberra (cnstruída de raiz), Genebra, Havana, Maput e Pequim. Fi pssível também alargament de instalações na Embaixada de Jacarta, Nva Irque e Washingtn. Recnhecend a slidariedade e a afinidade cultural cm s Países de Língua Prtuguesa, fi estabelecid, em 2009, uma Representaçã Permanente junt da Cmunidade ds Países de Língua Prtuguesa (CPLP) Reiterand desej de Timr-Leste à adesã plena da ASEAN, cntinuáms a plítica de aprximaçã diplmática gradual junt ds Estads parte da rganizaçã e frmalizáms, em 2011, pedid de adesã. Para tal, estabelecems Escritóri de Ligaçã da ASEAN em Jacarta e d Secretariad Nacinal para acmpanhament da pasta, em Díli Lançáms a diplmacia ecnómica, em 2009, dada a imprtância da vertente ecnómica nas relações diplmáticas, recnhecid pr este Gvern. Sabend urgente desenvlviment ecnómic e scial de Timr-Leste, Ministéri ds Negócis Estrangeirs, enquant principal executr da plítica externa nacinal, actuu de frma a acelerar a cperaçã internacinal e prmveu investiment extern

38 cm s Parceirs de Desenvlviment de Timr-Leste, cm também investind em nvs cntacts Através das platafrmas multilaterais, Timr-Leste pde cngratular-se pel sucess na eleiçã das suas candidaturas nacinais a Cmité para a Eliminaçã da Discriminaçã cntra as Mulheres (CEDAW) e à United Natins Wmen, a entidade das Nações Unidas para a Igualdade d Géner e Capacitaçã das Mulheres A prmçã da abertura da delegaçã da Cmissã Eurpeia em Díli é utr marc alcançad pr esta gvernaçã, traduzind aprfundament das relações entre Timr e a Uniã Eurpeia Na busca de um papel cada vez mais activ e prepnderante na área da diplmacia, manteve-se a crdenaçã entre s sectres interns, para a rganizaçã de events internacinais, tais cm Cnferências, s Encntrs cm s Parceirs de Desenvlviment e utras platafrmas de diálg das quais destacams as seguintes realizadas em Díli: VII Reuniã ds Ministrs de Trabalh ds Assunts Sciais da CPLP e X Reuniã ds Ministrs da Defesa, em 2008 Diálg Internacinal de Díli, em 2010 Cnferência Reginal sbre a Iniciativa de Transparência nas Indústrias Extractivas (ITIE), em 2011 Cnferência Internacinal sbre Paz e Recnciliaçã na Ásia, 2012 C-presidims a Diálg Internacinal sbre a Cnstruçã da Paz e a Cnstruçã d Estad, cuj primeir encntr fi realizad em Díli em 2010, e II, em Mnróvia, na Libéria, em 2011 Lideráms a institucinalizaçã d fórum g7+, que representa 19 países de td mund cnsiderads Estads frágeis, cm uma ppulaçã de mais de 350 milhões de pessas, desde a África à Ásia e a Pacífic, send um espaç de diálg que tem permitid que este grup seja uvid, a uma só vz, pela Cmunidade internacinal, na tentativa cnjunta de cnstruir s Estads, cnstruir as Demcracias e cnstruir a Paz n mund Ainda cm frma de cnslidar a demcracia destacams lançament d: Sensus F Fila Fali Devlver s Censs à Cmunidade, para partilhar s principais resultads ds Censs de 2010 que fram realizads pel Gvern, junt ds líderes cmunitáris ds 442 sucs d territóri. N âmbit deste prgrama, fram prduzids relatóris cntend infrmações estatísticas sbre s sucs, e uma análise cmparativa destes sucs dentr de cada distrit e n país cm um td, n que cncerne as Objectivs de Desenvlviment d Miléni Plan Estratégic de Desenvlviment , que teve em cnta a realizaçã de uma cnsulta pública alargada, realizada as 65 sub-distrits, incluind aldeias e sucs de td territóri nacinal. Tdas as estratégias e acções cnsideradas neste Plan visam, até 2030, transfrmar Timr-Leste de um País cm baixs rendiments para um País cm rendiments médis-alts, intrinsecamente assciad a uma ppulaçã saudável, instruída e segura e a uma sciedade próspera e aut-suficiente em terms alimentares. Este fi apel d nss Pv a qual pretendems dar respsta

39 Investir nas Infra-Estruturas

40 Cntruind Obras Públicas O investiment em infra-estruturas é essencial para que Timr-Leste se desenvlva ecnmicamente e scialmente. N entant, esta é uma necessidade que acarreta grandes custs, a existência de knw-hw n País e, também, dada a cmplexidade ds prjects, é alg que nã se cnsegue num curt espaç de temp. O desenvlviment das infra-estruturas é ainda mais imprtante prque para além de apiar cresciment da Naçã é, também, cndiçã essencial para aumentar a prdutividade d País, criar empreg e permitir desenvlviment d sectr privad nacinal. O Gvern desenvlveu um ambicis plan de investiment de infra-estruturas integradas, incluind a utilizaçã de fntes de energia alternativas, a melhria das telecmunicações, desenvlviment ds prts, aerprts, estradas, pntes, sistemas de esgts e distribuiçã de água ptável. O Gvern investiu ainda n mair prgrama de sempre de infra-estruturas para País, u seja, a criaçã de um sistema fiável de prduçã, transmissã e distribuiçã de energia eléctrica que está em fase avançada de cnstruçã. Este prject inclui Cmplex de Prduçã de Hera, cm uma capacidade de 119,5 MW e Cmplex de Prduçã de Betan, que terá uma capacidade de cerca de 137 MW. Subjacentes a estes prjects estã as linhas de transmissã que irã frmar um anel em trn de Timr-Leste para pssibilitar que tds s timrenses, mesm s que residem nas áreas mais remtas, passem a ter acess à tã necessária electricidade. Tda esta Rede Eléctrica Nacinal vai ser ttalmente terminada n final d an. Entretant, Hera já abastece Díli, Aileu, Manatut, Liquiçá, Glen, Baucau, Lspals e Viqueque. O cmplex de Prduçã de Betan, assim cm as sub-estações de Bbnar, Suai e Cassa, estimam-se que estejam a perar antes ds finais de É indiscutível a imprtância deste prject, pis para além de criar empreg direct e indirect, abrirá uma série de prtunidades de negóci e atrairá investiment estrangeir. O frneciment regular de electricidade, através da Rede Eléctrica Nacinal, é uma das principais cncretizações deste Gvern e s seus impacts cmeçam já ser sentids n País. As principais bras públicas realizadas fram as seguintes: Reabilitaçã das estradas nacinais, distritais e rurais cm uma distância ttal de km, que empregaram cerca de trabalhadres Manutençã de rtina e periódica das estradas cm uma distância ttal de 2,635 km, que empregaram cerca de 10,793 trabalhadres

41 Obras de emergência das estradas, pntes bem cm prtecçã das ribeiras em td territóri d País, nmeadamente em 404 sítis mais crítics, que empregaram cerca de 30,623 trabalhadres Aquisiçã de equipaments pesads para prjects de alargament de estradas ns distrits de Manatut, Baucau e Viqueque, designadamente três retrescavadras, seis camiões d lix e três tanques de água Cnstruçã de 15 pntes que empregaram 26,492 trabalhadres Implementáms Pacte d Referend, em 2009, um prgrama invadr, para a capacitaçã e descentralizaçã d sectr privad, especialmente das áreas rurais, cm a execuçã de mais de 800 prjects de infra-estruturas, envlvend cerca de 720 cmpanhias Iniciáms s Prgramas de Desenvlviment Descentralizads I e II, na sequência d Pacte d Referend, para frtalecer a ecnmia ns distrits e para incentiv a apareciment e desenvlviment das empresas lcais, para a cnstruçã e reabilitaçã de infra-estruturas ns distrits, que estã a prmver a criaçã de empreg para jvens que residem ns distrits, subdistrits, sucs e aldeias d País, através de mais de prjects Encetáms Prgrama de Desenvlviment Lcal para desenvlviment ds sucs e aldeias em td País nas suas necessidades básicas, nmeadamente de pequenas bras públicas, segund s seus própris plans apresentads. Cmeçáms prjects-pilts de cnstruçã de habitações d Prgrama MDG- Sucs, de acrd cm s Objectivs d Miléni, que cnsideram casa decente, água, saneament, luz, acess à saúde, à educaçã e a mercad (Habitações sciais/cmunitárias (5 casas pr aldeia, num ttal de ) O Gvern criu, em 2011, Fund de Desenvlviment das Infra-estruturas para prjects plurianuais e estruturantes, que visa apiar um País mdern e prdutiv, capaz de gerar prtunidades de empreg. A implementaçã destes prjects fi feita pels Ministéris e Instituições relevantes sb a rientaçã e decisã plítica d Cnselh de Administraçã d Fund de Infra-estruturas (CAFI), tend recebid api d Secretariad ds Grandes Prjects e da Agência de Desenvlviment Nacinal que cnduziu inspecções regulares e a mnitrizaçã n terren. Alguns ds prjects já iniciads e que estã a decrrer, n âmbit d Fund das Infra-estruturas, sã s seguintes: Reabilitaçã de 17 estradas nacinais e cnstruçã de 2 estradas nacinais e 9 pntes Cnstruçã ds Prts de Díli e Ataúr Reabilitaçã das Pistas d Aerprt Cnstruçã de estradas e pntes (aut-estrada Suai-Betan-Beac) e desenvlviment das infra-estruturas na Csta Sul, Suai (Base de Frneciments), incluind levantaments, estuds ambientais, análises da rta d gasdut e utrs prjects de api a desenvlviment da Csta Sul (prject Tasi Mane) Cnstruçã de edifícis públics e canais de irrigaçã para a agricultura

42 Frnecend Energia, Água e Saneament Básic O acess a frneciment regular de electricidade é vital para melhrar a qualidade de vida em Timr-Leste e apiar cresciment e desenvlviment de empregs em znas urbanas e rurais. Pr cnstruíms: Duas Centrais Eléctricas, uma em Hera e utra em Betan, incluind as linhas de transmissã que irã frnecer energia eléctrica em td territóri de Timr-Leste, 24 hras pr dia As actividades de cnstruçã da central eléctrica de Hera e Betan estã em prcess de finalizaçã da seguinte frma: Cnstruçã das Linhas de Transmissã: 82.78% Tanque Óle em Hera: 100% Linhas para 20KV: 71.12% Cnstruçã das Sub-estações: 84.05% Sub-estações Eléctricas já cncluídas e peracinais: Díli/Kamea, Manatut, Liquiça, Baucau e Lspals Sub-estações de Viqueque, Maliana e Cassa irã ser cncluídas em Mai de 2012 Instalaçã de 6 nvs transfrmadres ns distrits de Bbnar, Suai, Viqueque, Manatut, Ainar e Baucau, para assegurar abasteciment fiável de electricidade Elabraçã d Esbç da Plítica Energética Nacinal, após realizaçã de um estud de dis ans cuj resultad demnstra que Timr-Leste está em cndições de apstar nas energias alternativas e renváveis Elabraçã d Plan de Electrificaçã de Timr-Leste, cm base nas Energias Renváveis, que identifica grande ptencial d País nas áreas da energia eólica, slar, hídrica, getérmica, bimassa, bidiesel, ds ceans e bigás

43 Realizaçã de prjects-pilt n âmbit d Prgrama de Bigás, nmeadamente: Melhria d sistema para a prduçã de energia de 15 Kw, em Ermera- Pnilala, 142 m3, beneficiand cerca de 169 famílias Implementaçã de um digestr de 145 m3 n Suc Pnilala-Ermera que beneficiu 165 famílias e um sistema 85m3 n Suc Bec-Cvalima Cnstruçã de cerca de 10 unidades de bigás em váris sucs d País, beneficiand cerca de 214 famílias Cnstruçã de digestres e gás hlders, melhria de sistemas existentes e utrs serviçs cmplementares à prduçã de energia a bigás, beneficiand 265 famílias em váris sucs d País Realizaçã d Prgrama de Unidades Slares, incluind a instalaçã de unidades slares, beneficiand igual númer de famílias em td País Realizaçã d Prgrama de Agrenergia e prduçã de bidiesel, através da preparaçã de viveirs e cultiv de jatrphas, em td País, abrangend cerca de 209 ha, beneficiand cerca de 1500 pessas, e preparaçã de viveirs e terren para plantaçã de agrenergia, abrangend 44 hac e beneficiand 32 agregads familiares. Fi ainda instalad um geradr a bidiesel em Metinar Benunuk para 20 agregads familiares e uma mini-refinaria em Díli-Metinar para 40 beneficiáris Reabilitaçã da míni-hidríca de Lihun e cnstruçã de utras três míni e micrhídricas em Gariuai, Lihun e Mul Actualmente, de acrd cm s dads estatístics, as áreas rurais que têm acess à água ptável sã 42% da ppulaçã nas áreas urbanas e 30% da ppulaçã nas áreas rurais Extensã da rede de distribuiçã de água e substituiçã de cans antigs em 145 aldeias ns 36 Sucs de 13 distrits, para benefici de aprximadamente cerca de 97 mil pessas Implementaçã de um ttal de 85 prjects de abasteciment e frneciment de água ptável nas áreas rurais e urbanas para benefíci de aprximadamente 61 mil pessas Estabeleciment d sistema de latrinas nas áreas rurais que beneficia mais de 9 mil famílias, incluind a reparaçã das facilidades de tratament de águas residuais em Díli, Cvalima e Oecusse Estabeleciment da Plítica Nacinal de Saneament Básic que esclarece as respnsabilidades públicas e privadas relativamente a saneament Aprvaçã da implementaçã d Regulament Sanitári Internacinal, d qual Timr-Leste é signatári, e que prevê a adpçã de uma série de medidas de manutençã da segurança sanitária a nível mundial

44 Refrmand Sectr das Telecmunicações Uma rede de telecmunicações eficaz une s cidadãs timrenses e permite cresciment das empresas e melhres prestações de serviçs d Estad. As telecmunicações sã essenciais para futur desenvlviment de Timr-Leste, incluind a criaçã de empreg, aument d vlume de negócis, desenvlviment d sectr privad e a melhr prestaçã de serviçs fundamentais cm a saúde, educaçã e segurança. Em 2002 Gvern cncedeu mnpóli das telecmunicações a um únic peradr, pr um períd de 15 ans, que terminaria em Um cntrat de cncessã exclusiv, através de um prcess de cncurs, fi realizad para garantir uma rápida restauraçã ds serviçs de telecmunicações em Timr-Leste, assim que este alcançu a Independência N entant, desde entã, a prcura de serviçs tem aumentad substancialmente, inclusivamente nas áreas rurais, e agra a Naçã precisa de um mercad cmpetitiv para frnecer melhres serviçs de telecmunicações. Neste sentid fi implementada a refrma das telecmunicações, incluind: A aprvaçã da Plítica Nacinal das Telecmunicações para intrduzir a cncrrência de nvs peradres, que inclui: Liberalizaçã d mercad e intrduçã da cncrrência através da participaçã d sectr privad Estabeleciment de um nv órgã reguladr pel sectr das telecmunicações Intrduçã de uma Plítica de Serviç Universal para garantir acess a cbertura de telefne móvel e aumentar acess à Internet de banda larga para td País, cm preçs mais reduzids Cnectar Timr-Leste a mund através de uma rede de fibra óptica submarina capaz de prvidenciar internet de banda larga de alta velcidade Fram encetadas negciações cm a Timr Telecm e, a 27 de Març de 2012, chegu-se a um acrd, terminand a cncessã exclusiva da Timr Telecm enquant únic frnecedr de serviçs de telecmunicações n País.

45 Publicaçã d Decret-Lei das Telecmunicações que regulamenta sectr e incentiva as melhrias n acess as serviçs de telecmunicações, incluind chamadas de vz e internet, para áreas que actualmente nã estã cbertas. A legislaçã prevê um períd inicial para ver até nde s incentivs da prcura de negóci das peradras s levarã a cnstruir nvas infra-estruturas nessas áreas. Após dis ans pderá ser-lhes pedid que financiem um esquema para subsidiar uma mair cbertura de rede a essas cmunidades Abertura de um cncurs públic para a adjudicaçã ds direits, durante 15 ans, de utilizaçã das bandas de frequência de rádi que permitem serviçs de telecmunicações móveis de vz e dads. Prcess de recrutament para Cnselh da Administraçã da Autridade Nacinal das Telecmunicações Fi ainda implementad Prject de Cnectividade Nacinal, cncluíd em 2011, que criu uma rede integrada e segura d Gvern, nde a Internet pde funcinar independentemente de utras redes existentes. Através da linha fibra óptica, instalada em Díli, e da tecnlgia wimax versã 16d, ns dze distrits, pde-se frnecer serviç em td País

46 Cnstruir a Ecnmia

47 N curt espaç de temp desde que se trnu um Estad independente, Timr-Leste tem vind a assentar s alicerces de uma Naçã estável e segura e de uma ecnmia frte. A fim de criar empreg para Pv, e de garantir que td País beneficia da riqueza prveniente ds recurss naturais, é necessári desenvlver uma ecnmia de mercad pujante, cm um sectr privad frte e diversificad. A lng d seu mandat, Gvern tem vind a recnstruir as instituições públicas, a melhrar a prestaçã de serviçs em áreas cm s cuidads de saúde, a educaçã e a segurança, e a cnstruir infra-estruturas vitais. Em resultad deste trabalh, Timr-Leste atingiu níveis de cresciment ecnómic muit elevads, que significa que há mais empreg e mais prtunidades para Pv. A partir de 2007 as taxas de cresciment aumentaram para uma média de dis dígits, tend Timr- Leste registad um ds cresciments ecnómics mais rápids n mund inteir. Estas taxas de cresciment sã ainda mais ntáveis, se cnsiderarms que crreram numa altura em que Gvern estava também a gerir impact da Crise Glbal ds Preçs de Aliments (2008 a 2010) e da crise Financeira Glbal (2008 a 2012). A tabela seguinte mstra cresciment da ecnmia desde iníci d mandat. Mstra que a ecnmia n final de 2011 tem quase dbr da dimensã d que tinha em 2006 e que cntinua a crescer. Uma ecnmia crescente significa que sã criads mais empregs e que existem mais prtunidades ecnómicas para Pv timrense. O us de electricidade é uma ba indicaçã de que a ecnmia está a crescer. O gráfic seguinte mstra s valres mais recentes d us de energia em Díli. Mstra que us de energia tem vind a crescer substancialmente tds s ans a partir de 2007 e deverá crescer ainda mais em 2011 e 2012, à medida que se gera mais electricidade em resultad de grandes investiments em infra-estruturas eléctricas durante mandat.

48 Tdavia cresciment ecnómic nã se tem limitad a Díli. A ecnmia cntinua a crescer pr tda a Naçã. O gráfic seguinte cnstitui uma ba indicaçã deste cresciment, uma vez que mstra aument significativ na prduçã agrícla desde iníci d mandat. Este gráfic mstra que n geral a prduçã nã aumentu entre 2005 e 2007 e que cmeçu a aumentar em 2008.

49 A linha n gráfic seguinte mstra aument percentual na dimensã da ecnmia. O gráfic anterir mstra também que de an para an a ecnmia tem vind a crescer a uma média de dis dígits durante mandat. A cntrári d que acnteceu em 2006, quand a ecnmia chegu mesm a cntrair-se, desde 2007 que a ecnmia vem a crescer a taxas muit elevadas. Para efeits de cmparaçã, enquant a ecnmia de Timr-Leste deverá ter crescid acima ds 10% em 2011, uma das ecnmias cm melhr desempenh n mund inteir, a da China, deverá ter crescid mens de 9%. Durante 2011 estima-se que a Ecnmia Mundial tenha crescid quase 5%, que significa que a ecnmia de Timr-Leste cresceu a uma velcidade duas vezes superir à d rest d mund. Em 2009, quand a ecnmia mundial se cntraiu em quase 1%, a ecnmia de Timr-Leste cresceu mais de 12%. Taxas de Pbreza A incidência da pbreza extrema é demasiad alta n nss País. Muitas pessas sfrem tds s dias devid a cndições de vida difíceis u de miséria. Até a iníci d mandat, a pbreza extrema vinha a aumentar na nssa Naçã. Os timrenses a viver abaix da linha de pbreza n que tca a necessidades básicas tinham aumentad ds 36% da ppulaçã em 2011 para 49% em Tdavia surt de cresciment ecnómic desde 2007 cmeçu a reduzir a pbreza. Uma análise da pbreza realizada pel Banc Mundial em 2009 cnstatu que a pbreza havia descid para cerca de 41%, send esperad que estes dads sejam refrçads pr uma análise abrangente da pbreza a ser lançada em Receitas Petrlíferas Timr-Leste está altamente dependente das receitas petrlíferas. Felizmente as receitas petrlíferas têm vind a crescer gradualmente, que resulta em salds cada vez maires n Fund Petrlífer. A Cnstituiçã de Timr-Leste exige que s recurss petrlífers sejam

50 cada vez maires n Fund Petrlífer. A Cnstituiçã de Timr-Leste exige que s recurss petrlífers sejam utilizads de frma justa e equitativa, de acrd cm interesse nacinal, e que estes recurss cnduzam a estabeleciment de reservas financeiras brigatórias. O Fund Petrlífer fi estabelecid em 2005 para dar respsta a este requisit cnstitucinal e para garantir que s recurss de petróle e gás sã gerids de frma sensata e em benefíci das gerações actuais e futuras. O Fund Petrlífer ferece uma frma de criar uma fnte estável e cnsistente de recurss que pdem ser usads para cnstruir a Naçã. O Fund Petrlífer adptu uma estratégia de investiment cnservadra que anterirmente cnsistia sbretud n investiment em títuls d Tesur ds EUA. Esta estratégia revelu-se muit eficaz durante a Crise Financeira Glbal, cm Fund Petrlífer de Timr-Leste a ser um ds funds de riqueza sberana cm melhr desempenh n mund. A actual estratégia de investiment cnsiste em adptar uma carteira mais equilibrada e diversificada, incluind uma gama de títuls e acções internacinais, a fim de garantir a diversificaçã e a prtecçã da riqueza e de pssibilitar cresciment. Quand Banc Central cmeçu a peraçã d Fund Petrlífer, em Setembr de 2005, tinha um sald inicial de 205 milhões de dólares. Actualmente, Fund Petrlífer tem investids mais de 10 mil milhões de dólares, send que ttal cresce a cada dia. O gráfic anterir mstra cm sald d Fund Petrlífer tem vind a crescer gradualmente. Tdavia as nssas reservas petrlíferas nã durarã para sempre, send que pr esta razã Plan Estratégic de Desenvlviment d Gvern para 2011 a 2030 prevê um quadr para transfrmar a ecnmia de Timr-Leste passand da actual dependência da agricultura e d sectr públic para uma situaçã em que haverá um sectr privad cada vez mais frte e um sectr terciári em cresciment. O gráfic seguinte mstra as receitas futuras esperadas a partir ds nsss dis camps petrlífers actuais (nã incluind prém receitas futuras a partir d camp de grande dimensã d Sunrise) e deixa clar que s nsss recurss nã irã durar para sempre.

51 As estratégias e acções ecnómicas n Plan Estratégic de Desenvlviment, pretendem cnseguir uma alteraçã estrutural na nssa ecnmia. Ist inclui acções para desenvlver s nsss recurss humans pr via de educaçã e frmaçã, prvidenciar capital a sectr privad através d Banc Nacinal de Desenvlviment, melhrar cenári empresarial pr via de refrmas reguladras e incidir n desenvlviment de indústrias estratégicas. Em resum, IV Gvern Cnstitucinal herdu uma ecnmia estagnada e uma grande incidência de pbreza extrema. Desde 2007 a ecnmia tem vind a crescer a grande velcidade e teve frça para suprtar s chques da Crise Financeira Glbal. Prevê-se que a ecnmia em cresciment de Timr-Leste cntinue frte n futur, que ajudará a criar mais empreg e a reduzir a pbreza. O Relatóri d Fund Mnetári Internacinal sbre Timr-Leste, datad de 2012, disse seguinte: Panrama. O panrama em terms de cresciment e de reduçã da pbreza é animadr, uma vez que Timr-Leste deverá beneficiar em muit da sua riqueza petrlífera a lng ds próxims ans. O Gvern reslveu acelerar desenvlviment fazend us desta riqueza. Cm aument das despesas pr parte d Gvern prevê-se que cresciment cntinue frte, na rdem ds 10% em 2012 e a médi praz. Relatóri d Fund Mnetári Internacinal sbre Timr-Leste, datad de 2012, página 5. Cm planeament nacinal d Plan Estratégic de Desenvlviment para 2011 a 2030 e cm a cntinuaçã da actual rientaçã de plítica ecnómica, Timr-Leste pde antever um cenári ecnómic muit mais sólid que resultará numa Naçã frte e próspera.

52 Prmvend Cresciment Ecnómic O desenvlviment ecnómic de Timr-Leste assentará em trn de três indústrias essenciais: agricultura, turism e petróle. O País pssui vantagens cnsideráveis a nível destas indústrias devid as seus recurss naturais, lcalizaçã gegráfica e perfil ecnómic. Para além de terem sid criadas as bases para arranque ds sectres acima mencinads, Gvern investiu ainda em medidas que criam empreg, frtalecem sectr privad e desenvlvem as áreas rurais, cndições fundamentais para prmver cresciment ecnómic de uma frma equilibrada e justa. Neste sentid, imprtantes refrmas fram implementadas tais cm: Aprvaçã da Lei Tributária cm parte de três fases distintas da refrma fiscal d Estad. Esta lei cnslida e substituí a legislaçã da UNTAET sbre as actividades de impsts resultand a mesm temp na reduçã da carga fiscal que fi cnsiderad cm nã ajustada à realidade d país. As utras duas etapas (Lei de impsts e deveres) já fram igualmente preparadas e cmprimem as lacunas fiscais, garantind um sistema mais just para tds s interessads Aprvaçã d estabeleciment da Empresa de Investiment de Timr-Leste (EITL). Esta empresa é capitalizada cm recurss públics, mas rege-se pel quadr jurídic das empresas cmerciais e fi criada cm bjectiv de prmver desenvlviment de prtunidades de investiment e aument da riqueza nacinal, assim cm a realizaçã de imprtantes prjects estratégics cm relevância cmercial Aprvaçã da plítica e legislaçã que estabelecem s prcediments, directivas e regime de cntrataçã especial para s prjects financiads através de Parceria Públic-Privad. O Decret-Lei define as cmpetências e s prcesss de identificaçã, avaliaçã, aquisiçã e cnstruçã de infra-estruturas pr mei de acrds de parceria Públic-Privad, bem cm s princípis e instruments para estabeleciment de parcerias de infra-estrutura entre Gvern e utrs rganisms. As Parcerias Públic-Privadas têm ainda cm bjectiv cntribuir para desenvlviment d sectr privad

53 Aprvaçã d Quadr Jurídic da Dívida Pública, que estabelece pela primeira vez em Timr-Leste quadr jurídic para empréstims d Estad. A Dívida Pública d Estad deve ser mtivada pr necessidades para financiar as priridades d Estad relacinadas cm a cnstruçã de infra-estruturas estratégicas para desenvlviment de Timr-Leste. Esta Lei dá pder a Gvern para entrar em cntrats de empréstim, após aprvaçã pel Parlament Nacinal na Lei d Orçament, e a Ministr das Finanças, quand autrizad pel Cnselh de Ministrs, pder de negciar e assinar cntrats de empréstim Criaçã da Câmara de Cmérci e Indústria, que representa sectr privad timrense e defende s seus interesses, trabalhand em parceria cm Gvern de frma a ultrapassar s bstáculs a desenvlviment. Serve igualmente para prestar api, serviçs e pareceres às empresas, de frma a permitir que estas se trnem mais prdutivas e que cresçam Aprvaçã da Lei d Investiment Privad, estabelecend quadr legal que permite cnceit de ne stp shp junt d tecid empresarial Criaçã d Banc de Desenvlviment e Investiment de Timr-Leste, incluind a assinatura d Memrand de Entendiment cm a Gecapital e redacçã de edital para publicaçã ns jrnais de tiragem nacinal sbre a intençã d Gvern em abrir as privads nacinais, a pssibilidade de participaçã n capital scial d Banc Criaçã d Banc Nacinal de Cmérci de Timr-Leste, que transfrma IMfTL- Institut de Micrfinanças de Timr-Leste numa entidade bancária de plen direit. O Banc Cmercial cnta já cm balcões em tds s distrits e estende a sua acçã cmercial bancária até as subdistrits através ds veículs de banca móvel (6 unidades que irã estar em Baucau, Cvalima, Díli, Aileu, Viqueque e Lautem) Implementaçã d Pacte d Referend em 1999 e d Prgrama de Desenvlviment Descentralizad I e II em 2010 que prpiciaram a rápida inclusã e autnmizaçã das empresas timrenses n desenvlviment de infra-estruturas d País Intrduçã d Fund de Estabilizaçã Ecnómica, em 2008, que permitiu regularizar s preçs d arrz, ciment e utrs bens essenciais e, desta frma, prteger s pder de cmpra das famílias e d sectr privad, face a aument generalizad das mercadrias imprtadas Transfrmaçã d Centr de Bambu de Timr-Leste numa empresa pública. Este Centr tem realizad actividades de prduçã experimental de diferentes tips de mbiliáris utilizand materiais derivads de bambu e está na fase de prduçã cmercial. Tem desenvlvid viveirs para a extensã da plantaçã de bambus de qualidade junt ds agricultres, para garantir a sustentabilidade de frneciment de matérias-primas para CBTL, nmeadamente em Tíbar, Maushi, Fatumassi, Metagu, Suku-Liurai e Maurussa Criaçã de 200 centrs de infrmaçã cmunitáris equipads cm meis audivisuais Prestaçã de frmaçã empresarial a micr e pequens empresáris nacinais ns Centrs de Desenvlviment Empresarial

54 Api à criaçã de 95 Cperativas e suprte cntínu à frmaçã, gestã e fiscalizaçã e, em algumas situações, api cm frneciment de materiais e equipaments, para refrçar a prduçã nas áreas de agricultura, pescas indústria, artesanat, pecuária e crédit. N âmbit das cperativas é clcada a ênfase na frmaçã ds recurss humans envlvids cm vista à criaçã de empreg, reduçã da pbreza e cnsequente cresciment ecnómic. Cm s apis frnecids s cperantes iniciam as suas actividades de prduçã aumentand vlume de prduts transaccinads e s seus rendiments, dinamizand a ecnmia e a cmunidade em geral. Destacams aument da qualidade ds prduts transaccinads e um alinhament de preçs cada vez mais cmpetitiv cmparand cm utrs sectres de prduçã Criaçã d Pst Integrad e Mercad Tradicinal de Batugade para facilitar as transacções cmerciais e a circulaçã de pessas n crredr entre Díli e Kupang Prduçã d Relatóri d estad da Naçã, pr uma equipa multidisciplinar de técnics e cientistas timrenses Assinatura d Prject de cperaçã Hera cm a OMT e Cmissã Eurpeia para permitir a cnstruçã de uma estrada rural Assinatura d Prject de cperaçã cm PNUD para acelerar desenvlviment empresarial Cnstruçã de 67 mercads rurais para a prmçã d desenvlviment ecnómic rural através d fment d cmérci lcal Adesã à Organizaçã das Cperativas ds Países de Língua Prtuguesa Frmaçã de 166 Funcináris d Ministéri da Ecnmia, em curss realizads lcalmente u em instituições especializadas n estrangeir, através de prjects de cperaçã bilateral cm s países dessas instituições, nmeadamente na Indnésia (41), Quénia (1), Malásia (2), Méxic (1), Myanmar (1), Nepal (2), Nruega (5), Filipinas (1), Sama (2), China (7), Austrália (7), Canadá (1) e Japã (5) - estes curss de frmaçã e capacitaçã abarcaram áreas tã diversas cm a Linguística (Prtuguês e Inglês), Infrmática, Administraçã e Finanças, Recurss Humans, Leis e Decrets-Lei específics da Administraçã Pública, Gestã e Auditria, Gestã de Pesquisa e Planeament, Ecnmia Rural, Cperativism, Ambientais e Empresariais Na área d Cmérci e Indústria fram implementadas as seguintes principais actividades. Aprváms: Lei sbre Crimes de Açambarcament e Especulaçã Decret-Lei sbre s Princípis, Limites e Critéris de Intervençã n Mercad e Criaçã d Fund de Reserva Decret-Lei sbre a Qualidade, Regulamentaçã e Licenciament de Água Engarrafada Decret-Lei sbre Jgs Recreativs e Sciais Decret-Lei Regulament ds Restaurantes e Similares Decret-Lei sbre Infracções Ecnómicas e Alimentares

55 Decret-Lei sbre Regime d Licenciament Cmercial Decret-Lei sbre Prduçã e Cmercializaçã ds Géners Alimentares e Regulament da Indústria e Cmercializaçã ds Géners Alimentares Decret-Lei que Estabelece s Regimes a que pdem ser Submetids s Preçs ds Bens u Serviçs n mercad nacinal Preç Just e Medidas Sancinatórias Decret-Lei sbre Classificaçã das Actividades Ecnómicas Decret-Lei sbre Regime Jurídic das Actividades Publicitárias Decret d Gvern que Cria a Inspecçã-Geral ds Jgs Decret d Gvern que Cria a Inspecçã-Geral Alimentar e Ecnómica Decret d Gvern Regulament de Prcediments n Abasteciment Públic de Bens Alimentares e Materiais de Cnstruçã Pública Decret d Gvern que Cria a Agência de Gestã das Receitas d Jg (Ltarias) Resluçã d Gvern Plítica de Intervençã n Mercad para Bens Essenciais a Abasteciment Públic Diplma Ministerial sbre Licenciament Cmercial Simplificad Diplma Ministerial sbre Custs de Transprte de Arrz Diplma Ministerial sbre Medidas de Estabilizaçã de Preçs de Cmbate à Inflaçã e de Prevençã Especulativa Diplma Ministerial sbre a Cmercializaçã de Bebidas Alcólicas e de Cmbustíveis Diplma Ministerial Certificad da Origem d Café de Timr-Leste Diplma Ministerial Avis para Cncurs de Cncessã d Jg de Ltarias Diplma Ministerial Lgótip d MTCI Diplma Ministerial Regularizaçã ds Jgs Bla Guling, Kuru-Kuru e Futu-Man Diplma Ministerial Ltaria Instantânea Raspadinha Diplma Ministerial sbre Abasteciment de Arrz Diplma Ministerial sbre Cmpra de Milh de Prduçã Nacinal Diplma Ministerial sbre Mdel de Cntrat Blseirs Diplma Ministerial sbre Cncessã Ltarias

56 Publicáms: Livr sbre Dads ds Preçs ds Prduts Lcais, Prduts de Necessidade Básica, Materiais de Cnstruçã e Cmbustível ns 13 Distrits Livrs sbre Padrã de Preç Unitári para Aprvisinament d Estad, em 5 Vlumes: Vl. I Materiais de Cnstruçã Civil Vl. II e III Equipaments de Escritóri e para Habitações Vl. IV Equipaments de Estúdi e Cmunicaçã Vl. V Equipaments de Tecnlgia de Infrmaçã Livr 2010 Estatística MTCI Assináms: Prtcl de Cperaçã entre a Santa Casa da Misericórdia de Lisba e Departament de Jg e Inspecçã-Geral ds Jgs em Timr-Leste Memrand de Entendiment entre Ministéri d Cmérci e Indústria da República Scialista d Vietname e Ministéri d Turism, Cmérci e Indústria, para a imprtaçã de arrz, materiais de suprte à prduçã de aliments e cperaçã na assistência de frmaçã de recurss humans Prtcl cm a Câmara de Cmérci Prtugal (AIP-JRC), para fmentar encntrs entre empresáris de ambs s países Memrand de Entendiment entre Serviç Central de Estatística Indnésia e MTCI, desenvlviment de prgramas de sistemas estatístics específics para a área d turism, cmérci e indústria e aclhiment de estudantes timrenses na Academia Estatística Indnésia, durante 3 ans Prtcl cm Centr Tecnlógic Aprveitament e Valrizaçã de Rchas Ornamentais e Industriais CEVALOR, cm intuit de avaliar ptencial de extracçã de rchas e mármres em Timr-Leste Participáms: 14a Feira Internacinal em Cab Verde, cm tema O negóci nas tuas mãs Cnstruíms: Edifícis destinads a serviçs de htelaria (restaurantes, cafés, etc) e respectivas infra-estruturas de api, em Metiaut, Díli 7 Mercads Nacinais e de Frnteira, ns distrits Díli, Baucau, Bbnar, Manatut, Suai, Oe-Cusse Amben (Oe-Sil), Batugadé (Mta-ain) 1 Armazém, em Bbnar, para Prduts Agríclas, riunds ds 13 distrits, n âmbit da segurança alimentar

57 N âmbit da Prevençã da Segurança Alimentar: Imprtáms 209,770 tneladas de arrz Adquirims: Prduts lcais para s armazéns d Gvern e psterirmente: Vendems 138, Tneladas de prduts agríclas Frnecems para a ajuda humanitária 170, Tneladas de prduts agríclas e marmelada e 8,595 Litrs de óle de cc Distribuíms: 29, Tneladas de arrz, a públic, MSS, ME, MAEOT e ajuda humanitária: Frmáms: Curs Técnic de Cnfecçã de Dces e Geleias, a 20 Mulheres e, psterirmente, frnecems equipaments de prduçã a grups beneficiáris Curs Técnic de Mecânica de Mts, a 100 mecânics, riunds ds distrits de Díli, Baucau, Bbnar, Cvalima, Manufahi, e Oe-Cusse Amben Curs Técnic de Prcessament de Óle de Cc Virgem: n distrit de Baucau e Laútem, a 20 participantes e, psterirmente, frnecems equipaments de prduçã as participantes 2010 n distrit de Baucau, a 10 frmands Curs Técnic de Carpintaria: n distrit de Oe-Cusse Amben, participaram 20 frmands pertencentes a 2 grups, n final da frmaçã fram dadas máquinas e equipaments de carpintaria a cada grup, para desenvlverem a actividade 2011 n distrit de Viqueque, a 10 participantes e entrega de equipament de carpintaria 2 Curss Técnics de Cstura e Alfaiate: Grups de mulheres, um ttal de 20 frmandas, n sub-distrit de Vera Cruz, distrit de Díli. N final da frmaçã atribuíms equipaments a cada grup Grups de mulheres, um ttal de 50 participantes, n distrit de Bbnar, Aileu e Ainar 2010 a 30 frmandas, n distrit de Laútem, Liquiça e Ermera Curs Técnic de Prduçã de Rebuçads e Gmas, a 20 mulheres n distrit de Cvalima

58 Curs Técnic de Tuku Besi (ferr para cnstruçã de edifícis), a grups cm pequenas indústrias, n sub-distrit de Fatuberliu, distrit de Manufahi. Participaram 15 frmands Curs Técnic de Descasque de Arrz, dirigid a grups de agricultres ds distrits de Manatut e Manufahi. Participaram 20 frmands Curs Técnic de Diversificaçã de Prduts Tais, a pequenas indústrias, n distrit de Laútem (suc de Cm) e n distrit de Liquiça (suc Lauhata) Curs Técnic de Prduçã de Mbiliáris de Bambu, n distrit de Laútem, participaram 10 frmands Curs Técnic de Tingiment de Tais: N distrit de Ermera, sub-distrit de Atsabe e n distrit de Oe-Cusse, a 15 frmands Curs Técnic de Prduçã de Etanl: Distrit de Liquiça, sub-distrit de Maubara, 10 beneficiáris 2010 Distrit de Manatut, sub-distrit de Laclubar, 10 beneficiáris Curs Técnic de Prduçã de Frutas e Vegetais Secs (Kripik), n distrit Díli a 15 participantes riunds ds distrits de Aileu, Ainar, Bbnar, Manatut, Manufahi e Viqueque 10 Frmands frequentaram Estági de Prduçã de Tais, Linhas de Cstura e Bambu, em Ygyakarta, Indnésia Curs Técnic de Prduçã de Sabã, ns distrits de Baucau, Laútem e Díli, a 10 frmands Curs Técnic de Prduçã de Mina Atsirih, n distrit de Díli, a 10 participantes riunds d distrit de Díli e Manatut Curs Técnic em Prcessament de Fibra de Cc, a 10 funcináris d MTCI Curs Técnic em Makina Bubut, a 5 funcináris d MTCI, em Surabaya, Indnésia Curs Técnic de Sldadura, 10 beneficiáris, em Díli Curs Técnic de Mecânica, a 10 frmands, em Díli Curs Técnic de Prduçã de Sal Inizad, a 116 famílias prdutras de sal tradicinal, n distrit de Bbnar e, psterirmente, entrega de equipament para prduçã de sal a cada família

59 Investind ns Recurss Naturais O sectr ds recurss naturais nã renváveis é um pilar fundamental para desenvlviment futur de Timr-Leste. Este sectr é essencial nã só para cresciment ecnómic, cm também para prgress scial d País, enquant Naçã que se quer realizar em plen e de frma estável. Para desenvlver sectr é, assim, precis garantir que a riqueza em recurss naturais nã renváveis seja utilizada para apiar as necessidades d pv e permita cntribuir para a cnstruçã da Naçã. Actualmente Timr-Leste ainda nã pssui as infra-estruturas, indústrias de api e recurss humans fundamentais para fazer funcinar e gerir sectr, fact que resulta na perda de grandes prtunidades para País. N entant fi dada priridade, pel Gvern, a aprveitament destas prtunidades através da expansã d sectr para criar as bases sólidas para desenvlviment sustentad de uma indústria bem-sucedida, de exprtaçã e de prestaçã de serviçs, cm um sectr privad dinâmic e em cntínu cresciment. Um ds aspects fundamentais n sectr ds recurss naturais, tmad em cnsideraçã pel Gvern, fi assegurar s mecanisms de ba gvernaçã sb a tónica da regulaçã d sectr se trnar cada vez mais transparente e autónm (ist é, sem interferência plítica), embra sb sign clar de princípis de intervençã crrectiva, de carácter preferencial, pr frma a se fazerem cumprir três bjectivs: Participaçã nacinal frte: s nacinais, trabalhadres u empresas, terã participaçã frte e insubstituível em tdas as áreas ecnómicas relacinadas cm sectr, send essa uma das priridades da SERN em terms de criaçã de empreg e de retençã de negóci em sl nacinal a partir da cadeia de valr d petróle e ds minerais. Obtençã e retençã d máxim benefíci (a cnstituiçã de externalidades que beneficiem a generalidade da ppulaçã): a maximizaçã d benefíci ecnómic retirad pels timrenses, medida predminante em terms de mnetizaçã directa ds recurss, é estendida à ptencializaçã de actividades ecnómicas fra d âmbit específic embra a ele assciad - ds prjects minerais e petrlífers desenvlvids, u seja, dinamizaçã de prjects, cnstruçã de mais infra-estrutura, ecnómica e scialmente relevante, e dinamizaçã d sectr privad nacinal.

60 Mtr de arranque da ecnmia e incubadr de nvs saberes e prtunidades: Sectr de arranque d desenvlviment ecnómic geral, naturalmente lad a lad cm a cnstruçã civil, tirand partid d fact de a actividade ecnómica neste sectr ser já uma realidade, que imediatamente viabiliza a prmçã e incrpraçã de mais valr nacinal, permitind, via qualificaçã de quadrs e certificaçã de empresas lcais, a sua prpagaçã a utrs sectres. Elabráms e Aprváms: Decret-Lei de criaçã da Empresa Pública ds Petróles (TimrGap) Decret-Lei de criaçã da Autridade Nacinal d Petróle (ANP) Decret-Lei de criaçã d Institut d Petróle e Gelgia (IPG) Cnstituiçã d cnsórci Gap MHS (peradr da pnte aérea de, e para ffshre/rtaçã de pessal embarcad) Resluções d Cnselh de Ministrs de integraçã ds crps sciais Diplma Ministerial N.1/2008, de 30 de Julh, sbre licenciament da actividade extractiva (areais e massas minerais) Regulaments de aut-rganizaçã e funcinament de tdas estas instituições Diplmas em fase final de aprvaçã: Lei de Minas (explraçã de minerais) prject cncluíd Lei rgânica da SERN prject cncluíd Realizáms: Estud prévi sbre a viabilidade d pipeline Timr-Leste estud desenvlvid em clabraçã cm a Cmpanhia PETRONAS, Malásia O levantament Batimétric e a análise d fund d Mar de Timr, prmvid em cnjunt cm Cnsórci crean liderad pela Kgas Estud de viabilidade em Beac,da fábrica de liquefacçã de Gás Natural estud realizad em clabraçã cm a Kgas Estud prévi sbre a viabilidade técnica e cmercial da infra-estrutura prtuária estud realizad cm a participaçã da cmpanhia HR Wallingfrd Prject preliminar de cncepçã, layut e engenharia dessa infra-estrutura ( Frnt End Engineering & Design) estud realizad cm a participaçã da cmpanhia HR Wallingfrd Prject preliminar, e prject detalhad, d pipeline Greater Sunrisea Beac estud realizad em cnjunt cm a Kgas, cm a participaçã da cmpanhia JP Jenny ( segund ainda em fase de cnclusã) Desenh cnceptual da infra-estrutura de suprte a sectr d Petróle, Csta Sul um estud desenvlvid em cnjunt cm a Dalan Prjet e Engenharia O Plan Cnceptual d desenvlviment integrad da infra-estrutura de suprte a sectr d Petróle na csta sul de Timr-Leste estud desenvlvid em cnjunt cm a cmpanhia CCCC Secnd Harbr Investigaçã getécnica e gefísica da csta e rla marítima de Timr-Leste (Suai - Beac) em cnjunt cm as cmpanhias EGS e Tke Oil & Gas Technical Cmmercial Feasibility Study and frnt End engineering design f Suai Supply Base um estud desenvlvid em cnjunt cm a empresa Eastlg Scializaçã, cnsulta pública e identificaçã da prpriedade das terras para Suai Supply base e Nva Suai em crdenaçã cm s relevantes Ministrs. O Frnt End Engineering & Design (FEED), para a infra-estrutura prtuária de Beac, Viqueque (em curs) O Frnt End Engineering & Design (FEED) da refinaria em Betan (em curs) O cntrat de EPC (Engineering, Prcurement & Cnstructin) da base lgística d Suai (em curs) Estud de recnheciment d territóri (reclha de amstras) e análise em Labratóri. Identificaçã da distribuiçã gegráfica ds depósits minerais e finalizaçã d relatóri geral sbre a gelgia d País Cnclusã, à escala de 1:25.000, de 50% da carta gelógica nacinal levantament e análise de dads e pltagem de resultads. Estud realizad pela SERN, em cnjunt cm a Agência Nacinal da Creia (KOICA)

61 Cnclusã, à escala de 1:12.500, da Carta gelógica da área d Suai levantament e análise de dads e pltagem de resultads. Estud realizad pela SERN, em cnjunt cm a Agência Nacinal da Indnésia (AGP) Diverss trabalhs de natureza geral - cartgrafia gelógica e específica - cartgrafia de recurss minerais, cartgrafia de mviments de vertente Cartgrafia de base d territóri, tend sid elabrad mapa à escala 1: de Manatut. Este mapa serve de base - e de referência - para a ediçã ds restantes mapas gelógics d territóri nacinal, servind também esta cartgrafia para se pder retirar ilações acerca da génese e acumulaçã de hidrcarbnets Levantaments de indícis de recurss minerais metálics na csta nrte, ns distrits de Liquiça, Dili, Manatut e Baucau, através de estuds de sediments de linha de água. Estes estuds permitiram cnfirmar alguns ds indícis já anterirmente cnhecids (pr exempl: Hili Manu, Virac) e apntar para a existência de nvs indícis, nas áreas de Dili e de Hera Mapa de susceptibilidade para a crrência de escrregaments n distrit de Baucau, tend sid efectuada a mnitrizaçã cm recurs a GPS diferencial de alguns escrregaments cm impact sbre as vidas da ppulaçã, ist é, estradas, equipaments de saúde, esclas (cm frma de recnhecer as frmações gelógicas cm mair susceptibilidade para a crrência de deslizaments de terra) Base de dads sbre a infrmaçã cartgráfica existente, sb frmat de SIG Cnjunt de critéris cartgráfics desenvlvids para definir as diversas unidades gelógicas existentes em Timr-Leste Análise e estuds sbre as pssibilidades de desenvlver Sunrise e representaçã ds interesses de Timr-Leste nas Cmissões: Cmissã Cnjunta e Cmissã Sunrise/Tratads Cnstruíms: Labratóri de Gelgia n Campus da UNTL, em Hera Escritóris ds serviçs da TaskFrce pipeline Escritóris da Unidade de Gestã e Acmpanhament de Prjects Especiais Linha eléctrica n labratóri de Gelgia, em Hera Instalações da Timr-Gap Reabilitáms: Escritóris da EITI, Timr-Leste (Xanana Reading Rm) Escritóris da ANP (a Paláci d Gvern) Glbalmente, a área ds serviçs centrais da SERN 3 Casas n Distrit de Cvalima para apiar as actividades d Mapa de Gelgia Adquirims (equipaments cm relevância científica): 2 Micrscópis de Petrgrafia e Palentlgia, 12 termómetrs, Máquina para Crtar Rchas, 8 Martels, Capacetes de prtecçã (em clabraçã cm a USAID) 2 Micrscópis LEICA, 2 X RF PISTOL, 10 Martels de precisã, 10 Bússlas, 10 GPS, 10 Laptp (em clabraçã cm a agência KOICA-Creia) 6 GPS, Martels da especialidade, 7 Bússlas de precisã, Câmaras Digitais 1 Lgitech 5 Cntentres de grandes dimensões para guardar amstras de rchas (em clabraçã cm a UWA Austrália) 1 Pltter de impressã em grandes frmats 1 Micrscópi Nikn (em clabraçã cm a Universidade de Évra) Recrutáms: 35 Nvs funcináris para a Secretaria de Estad 14 Funcináris para a Direcçã Nacinal de Minerais (DNM/SERN) 10 Geólgs para Institut d Petróle e Gelgia (IPG) 1 Gestr geral de prject (Gelgical Mapping Survey Timr-Leste) 8 Geólgs junires (Prject TLGS) 1 Gestr geral de prject (prject SERN/KOICA - Creia)

62 7 Geólgs junires (prject SERN/KOICA - Creia) Frmáms: Técnics especialistas na utilizaçã ds equipaments labratriais d nv Labratóri Nacinal de Gelgia 2 Funcináris n prgrama interdata (gestã de lgística) 2 Funcináris em gestã de armazéns (warehuse management) 2 Funcináris em gestã de aprvisinament (ferramenta freebalance) 2 Funcináris em gestã rçamental (perfrmance budgeting) 2 Funcináris em gestã de prcesss. N âmbit das nssas Blsas de Estud estratégic: University f Herrit Watt-Inglaterra (em Engenharia ambiental, 1 dutrament) Liverpl University, Rein Unid (em Gestã petrlífera, 1 mestrad) University f Stavanger, Nruega (em Engenharia petrlífera, 1 mestrad); Asia Institute f Technlgy, Tailândia (em gestã de tecnlgias Offshre, 1 mestrad) Liverpl University, Rein Unid (em Gestã de Sistemas de infrmaçã, 1 mestrad) Dundee University, Escócia (em Gestã na área d petróle, 1 mestrad) University UPN, Indnésia (em estuds ecnómics, uma licenciatura); Ast University, Rein Unid (em Gestã, 1 mestrad) MacGrath Institute f Australia, Austrália (em Gestã, 1 mestrad) Liverpl University, Rein Unid (em Gestã de recurss humans, 1 mestrad) Rbert Grdn University, Rein Unid (em Gestã, 1 Mestrad) UNPAD, Indnésia (em Gelgia, uma licenciatura). Celebráms: Acrd de cperaçã cm a Curtin University f Technlgy (frmaçã em curs a 9 frmands, na áreas da gelgia, ciências da terra, engenharia petrlífera, mecânica, química, etc) Acrd de cperaçã cm a University f Western Australia (frmaçã em curs a 2 frmands, nas áreas da engenharia mecânica e petrlífera) Acrd de cperaçã cm a University f Adelaide (frmaçã em curs a 8 frmands, nas áreas da Engenharia petrlífera, da gestã de empresas, da Engenharia gefísica e petrlífera) Acrd de cperaçã cm a University f New Suth Wales (UNSW) (frmaçã em curs a 5 frmands, nas áreas da engenharia petrlífera e ambiental) Acrd de cperaçã cm a University f Newcastle (Sydney) (frmaçã em curs a 2 frmands, ciência geral e ambiental) Acrd de cperaçã cm University f Technlgy, Sarawak (Malásia) (frmaçã em curs a 1 frmand, gelgia) Acrd de cperaçã cm a empresa de trein civil em aviaçã cmercial - frmaçã de pilts de helicópters - Becker Helicpter Services PTY LTD (Austrália) (frmaçã em curs a 6 frmands) Acrd de cperaçã cm St. Jseph Engineering Cllege, Mangalre (Índia) (diversas áreas tecnlógicas) (frmaçã em curs a 21 frmands) Acrd de cperaçã cm a Universitas Padjadjaran (Bandung), Indnésia (áreas de engenharia e gelgia) frmaçã em curs a 4 frmands, utrs 3 já cncluiram a sua licenciatura (2 ds recentemente licenciads iniciaram já curs de mestrad) Acrd de cperaçã cm a Universitas Pembangunan Nasinal veteran Ygyakarta, Indnésia (engenharia petrlífera, ambiental, gefísica e gelógica) (frmaçã em curs a 36 frmands, cm licenciatura já cncluída nutrs 13 cass) Acrd de cperaçã cm a Universitas Gadjah Mada, Ygyakarta (Indnésia) (áreas da engenharia gefísica, química, gelógica e das ciências gegráficas) (frmaçã em curs a 41 frmands)

63 Acrd de cperaçã cm a Universidade de Évra, Prtugal (Ciências da Terra e Cartgrafia) (frmaram-se 10 nvs Mestres nas áreas referidas) Participáms: Na frmaçã sbre Gelgical Sample Prcessing and Thin Sectin Preparatin, Perth-Australia N Prjet CCOP GSJ/AIST Grundwater Phase II Na frmaçã sbre Technical Basin Analysis Na frmaçã sbre Mineral Resurces Explratin and GIS/Remte Sensing Na frmaçã sbre Lgitech Operatr Training Na frmaçã sbre Gvernance and Management f Extractive Industries, Sydney-Austrália Frmaçã sbre Mapa de Gelgia, em Bandung-Indnésia N Prgram GIS Quantum Na frmaçã sbre Impact Assesment and Respnsible Develpment f Infrastructure Business and Industry (IAIA) Frmaçã sbre Ecnmic Gelgy and Target Mapping Trein sbre Utilizaçã de Micrscópi Organizáms: Acçã/Wrkshp - debate e cnsulta pública sbre prject de Lei de Minas, realizad n Distrit de Díli, Baucau e Maliana Actividade/Wrkshp de scializaçã d Decret-Lei sbre a criaçã da cmpanhia nacinal ds petróles e Institut de Petróle e Gelgia, ns 13 Distrits Wrkshp sbre Diplma Ministerial N.1/2008, de 30 de Julh, sbre a actividade Extractiva (areias e mármres) - Disseminaçã de infrmaçã sbre licenciament da actividade extractiva (minas e pedreiras) - aprveitament e explraçã de massas minerais Primeir Cngress Internacinal de Gelgia de Timr-Leste Os dis prcesss de validaçã internacinal da transparência d sectr em Timr- Leste (EITI) Acçã de infrmaçã/scializaçã junts ds peradres da extracçã de areias n Mta Cmr (sensibilizaçã para Risc Públic d desmrnament de estruturas) - A segurança da ppulaçã e a minimizaçã de impacts negativs Assináms: Declaraçã de participaçã n Crdinating Cmmittie fr Gescience prgrames in East and Sutheast Asia (CCOP), 2009 clabraçã cm utrs países membrs ns prgramas de trein e frmaçã na área de geciências Acrd de Cperaçã cm Pliteknik Gelgy dan Pertambangan (AGP), Bandung, de estabeleciment da clabraçã n prgrama de levantament gelógic de Timr-Leste - representada pr 24 geólgs Acrd de Cperaçã cm a Krea Internatinal Cperatin Agency (KOICA), par apiar prgrama de mapeament d distrit d Suai - acrd de Cperaçã para a realizaçã d Prgrama de Mapa de Gelgia n distrit de Cvalima Acrd de Cperaçã cm a UNTL, para a utilizaçã d campus de Hera para a cnstruçã d Institut de Petróle e Gelgia Acrds de Parceria u Cperaçã cm: Cmpanhia Petrnas (Malásia) Cnsórci crean liderad pela Kgás (Creia) Grup East Lg (Singapura) Cmpanhia Delta Oil (Estads Unids) Grup PTT (Tailândia) Cmpanhia MHS Aviatin (Malásia)

64 Galp energia (Prtugal) Katar Natinal Petrleum Cmpany (Qatar) Gvern e a Agência nacinal d petróle de Sã Tmé e Príncipe Gvern de Angla e a sua cmpanhia nacinal ds petróles (Snangl) Gvern de Fiji Prmvems: Inspecções relacinadas cm s aspects d cntrl da cnfrmidade da actuaçã ds peradres às nrmas em vigr sbre saúde pública Verificações da segurança de instalações petrlíferas e acções de prevençã ambiental a tdas as unidades ligadas à prduçã d petróle. Sistema Bayu- Undan e unidade flutuante KITAN - de prduçã, armazenament e trânsfuga de petróle brut, incluind a inspecçã às instalações que a partir de terra também apiam as perações n mar Inúmers exercícis de análise e de verificaçã (inspecçã metrlógica) a tdas as unidades e sistemas de mediçã de fluxs, n pnt de prduçã e exprtaçã, para eventuais acções de calibraçã u mitigaçã (Bayu-Undan), tant n mar, cm em terra, incluind na unidade industrial que prduz Gás Natural Líquid (GNL), em Darwin, Austrália Verificaçã d funcinament de sistemas e prcesss, nã apenas cntrl de utputs, incluind, mediçã da eficiência d interface entre as suas diferentes subcmpnentes Prcesss de cnsultas frmais cm s departaments e instituições públicas relevantes, em vista à frmulaçã d Blue Print relativ a estabeleciment de uma Unidade Nacinal de Respsta a situações de Emergência Análise técnica de tds s dcuments e submissões relacinads cm Plan de Desenvlviment d camp de Kitan, cm epílg feliz da primeira prduçã de petróle ter acntecid em Outubr de Destaca-se a capacidade de ter sid pssível fazer incluir n Plan aprvad um extens prgrama para a inclusã de quadrs nacinais na estrutura humana envlvida, e a brigatriedade de terem de recrrer a empresas nacinais Análise, aprvaçã e mnitrizaçã de tds s trabalhs preliminares que cnduziram à luz verde a desenvlviment mais recente da segunda fase de explraçã d camp de Bayu-Undan (segunda fase de explraçã d petróle líquid, após surgiment crescente, e em quantidade mair d que esperad, de água). N td, 5 furs executads durante este períd Análise a 5 prpstas - cm plan discriminad - de realizaçã de levantament de dads sísmics em ambiente ffshre (JPDA), em 3D e 2D Análise técnica das prpstas para 10 unidades/platafrmas de perfuraçã prspectiva, tant na área exclusiva, cm na área cnjunta Negciaçã ds terms e a aprvaçã da venda d gás de Bayu-Undan à cmpanhia PWC (Pwer and Water Crpratin/Utilities), de Darwin, para cbrir situações de emergência, u situações em que camp perad pela Eni, n Mar de Timr Blacktip durante a sua manutençã periódica, se encntre temprariamente encerrad à prduçã, estand pr iss impssibilitad de prceder as nrmais frneciments à referida cmpanhia

65 Desenvlvend a Agricultura O desenvlviment d sectr agrícla é fundamental para reduzir a pbreza e garantir a segurança alimentar das ppulações, para além de cntribuir frtemente para cresciment ecnómic nas znais rurais. Neste sentid, Gvern investiu cnsideravelmente em infra-estruturas, maquinaria agrícla e n frneciment de sementes e fertilizantes. Existem actualmente Agentes de Extensã Rural ns Sucs, tend igualmente sid estabelecids Centrs de Serviçs Agríclas em Bbnar, Aileu e Viqueque. Existem três esclas secundárias agríclas para frmar jvens agricultres em agricultura empresarial. Estã a ser desenvlvidas plíticas e regulaments sbre água e irrigaçã e us de sementes, fertilizantes e pesticidas tem-se generalizad. Entre 2007 e 2009 númer de tractres manuais aumentu de 100 para e númer de tractres de 13 para 315. Durante mesm períd, fram frnecidas 133 unidades de descasque de arrz para agricultres e fram reabilitads 31 sistemas de irrigaçã. Fram igualmente instalads sils em Timr-Leste e fram estabelecids 32 minimercads ns distrits, a fim de facilitar a cmercializaçã de prduts agríclas. Pr utr lad, cnsiderand que Timr-Leste tem uma linha csteira cm cerca de 735 km e uma Zna Ecnómica Exclusiva cm km2, cm recurss marítims rics e grande ptencial para desenvlviment das pescas, fi também dada especial imprtância a desenvlviment deste sectr. O sectr das pescas está bem regulad e cmeçu a investir-se mais frtemente na distribuiçã de equipament de pesca e na scializaçã cm as cmunidades piscatórias para desenvlviment de centrs de pesca e explraçã cmercial. Aprváms: Orgânica d Ministéri da Agricultura e Pescas Plan de Cntingência para qualquer surt de gripe das aves Regulaments da quarentena de animais e da quarentena de plantas Decret-Lei sbre implementaçã d sistema de satélite para mnitrizaçã de embarcações de pesca

66 Elabráms: Decret-Lei sbre gestã flrestal Decret-Lei sbre fertilizantes Decret-Lei sbre pesticidas Decret-Lei sbre sementes Decret-Lei sbre identificaçã, regist e circulaçã de animais Decret-Lei sbre restriçã de animais nas znas urbanas Decret-Lei sbre licenciament de matadurs Refrmáms: Os Serviçs de Agricultura Reginal em Direcçã ds Serviçs de Agricultura Distrital e cnsequentemente Crdenadr ds Serviçs de Agricultura Reginal em Directr da Agricultura Distrital refrçand a crdenaçã e implementaçã a nível distrital Recrutáms: 386 Extensinistas e 12 Extensinistas sénires que fram destacads para s sucs (em 12 distrits, excluind Díli que tem assistência ds serviçs centrais) 65 Técnics de vacinaçã para cuparam cargs de assistente de pecuária a nível ds sub-distrits 421 Agentes de pecuária para s Sucs Cmpráms e Distribuíms: 2,591 Tractres manuais para s agricultres ds 13 distrits 373 Máquinas descascadras de café 150 Máquinas descascadras de milh 99 Máquinas de ralar cc 133 Máquinas descascadras de arrz (Sama Hare) 21 Máquinas descascadras de arrz (Dulas Hare) 91 Máquinas de magem de arrz 157 Pwer thrasher 13 Máquinas APO, para a prduçã de adubs rgânics 1,752 Tneladas de sementes (arrz, arrz híbrid, milh, feijã mungu e keli, batata e vegetais)

67 39,230 pés de árvres de frut 315 Tractres de tamanh grande e médi (para as brigadas de api em tds s distrits) Vacinas para gad Equipament de destruiçã de prduts vinds da Quarentena, instalad em Díli Gad para beneficiáris ds 13 distrits Equipament destinad à pesca, (mtres para barcs de pesca, milhares de redes de pesca, milhares de canas de pesca, centenas de barcs Fiberglass e dezenas barcs de madeira) Equipament ceangráfic e de mergulh para efectuar estuds e pesquisas sbre recurss marinhs Adquirims: 1,373 Tneladas de fertilizantes 900 Litrs de fertilizantes rgânics líquids para cresciment das plantas 53,692 Litrs de pesticidas 13,854 Unidades de material agrícla (incluind pulverizadres manuais, btas de brracha, prtecçã cntra químics, luvas, óculs de prtecçã, máscaras de prtecçã e enxadas, etc) Cnstruíms: 3 Tanques reservatóri para águas pluviais cm capacidade para 75 ha 3 Tanques de Irrigaçã, Zumalai-Cvalima, Pante Makasar-Oecusse, Oesil- Oecusse 1 Labratóri de Agricultura Integrad, Díli 1 Labratóri de Cultura de Tecids (clnar plantas em escala cmercial), em Díli Hera 6 Centrs de Viveirs Permanente para Café, Maubisse-Ainar, Llte-Bbnar, Atsabe-Ermera, Hatlia-Ermera, Letefóh-Ermera, Bazartete-Liquiça 5 Centrs de Viveirs Permanente para Flrestas, Bbnar, Lautém, Manufahi, Oecusse, Viqueque 1 Centr de Viveirs Permanente para Cc e Cacau, Lautém 2 Centrs de Prcessament de Cc, Serelau-Lautém, Uatulari-Viqueque 1 Centr de Viveirs Permanente para Cáju, Natarbra-Manatut 7 Edifícis, Ainar (e sala para encntrs), SIMOCEP em Cmr-Díli, Cperativa em Cmr-Díli, MAP em Glen-Ermera, MAP Lspals-Lautém, MAP Aiteas- Manatut, Centr de Prduçã Animal em Taibc-Oecusse, Centr Prduçã Animal em Pante Makasar-Oecusse

68 7 Centrs de Extensã Agrícla, Cailac-Bbnar, Zumalai-Cvalima, Saré- Ermera, Lur-Lautém, Natarbra-Manatut, Betan-Manufahi, Ossú-Viqueque 5 Canais de Irrigaçã, Zumalai-Cvalima, Mavelen-Lacló-Manatut, Labanuai- Lacló-Manatut, Pante Makasar-Oecusse, Uta Fó-Oecusse 1 Pst de Segurança Agrícla Integrad, Ilimar-Lautém 2 Psts de Trânsit Animal, em Tibar (Liquiça) e Zumalai (Cvalima) 2 Centrs de Prduçã Animal, em Dtic (Manufahi) e Pante Makasar (Oecusse) 1 Centr de Frmaçã n Centr de Prduçã Animal em Taibc (Oecusse) 9 Clínicas de Saúde Animal, em Ainar, Baucau, Cvalima, Liquiça, Manufahi, Viqueque, Nakrman (Lautem), Cribas (Manatut) e Oesil (Oecusse) 2 Psts de Quarentena, em Batugadé (Bbnar) e Sakat (Oecusse) 1 Mercad para Animais, em Tibar 4 Currais para Frangs, Suíns, Caprins e Gad Bvin, em Dtik-Manufahi 1 Mercad de Peixe, em Taibessi 4 Edifícis para a Lta de Pesca, em Liquiça, Manatut, Manufahi e Viqueque a funcinar 5 Edifícis para a Lta de Pesca, em Ataur-Díli, Vemasse-Baucau, Maubke- Liquiça, Beaku-Bbnar e Wesn-Oecusse faltam equipaments 4 Centrs de Viveirs de Peixes, Lihun-Viqueque; Glen-Ermera; Same- Manufahi; e Mugis-Bbnar, na ttalidade fram criads peixes Reabilitáms: 13 Sistemas de Irrigaçã Cmunitária cm capacidade para 3,320 ha n ttal 63 Sistemas de Irrigaçã, capacidade para irrigar um ttal de 18,829 ha 1 Sistema de Irrigaçã em Bebui-Uatlari cm capacidade de irrigaçã para 775 ha 5 Sistemas de Reclha de Água cm capacidade para irrigar um ttal de 20 ha 9 Estradas de Acess, um ttal de 32 km 11 Prtecções ns Canais de Irrigaçã, Lacló (extensã 500 m), Aisirimu-Aileu 1 Cekdam, Seli Ktaik Aileu, Hae Nau(Ossú)-Viqueque, Fatud(Ossú)-Viqueque, Haetala-Uma Tlu(Lacluta)-Viqueque, Wereca-Viqueque, Viqueque-Viqueque, Irabere (Uatucarbau)-Viqueque, Baidubu (Uatucarbau)-Viqueque, Outgu (Uatlari)-Viqueque 1 Edifíci da Agricultura, em Baucau;

69 6 Centrs Prcessament de Café e Casa de Secagem, em Ermera Vila-Ermera, Railac-Ermera, Hatlia-Ermera, Letefóh-Ermera, Atsabe-Ermera, Liquiça, 1 Drmitóri para Estudantes, Escla Técnica Agrícla Maliana 1 Sala de Aulas, Escla Agrícla de Natarbra 2 Armazéns para Flrestas, Clmera-Díli, Lspals-Lautém 1 Sala para Reuniões, Escla Agrícla de Natarbra 2 Viveirs de Peixes, em Tibar 1 Armazém para Pesca, em Lspals Prduzims: Prduçã vs Prdutividade de Arrz: 239,422 ha de área cultivada em 5 ans 226,710 ha de área clhida em 5 ans tn/ha em média de prdutividade 528,092 tn de prduçã de casca de arrz 316,855 tn de prduçã de arrz (milled rice) Prdutividade de Prduts Hrtíclas ( ) 2,087 tn cenura 428 tn tmate 682 tn alface 2,221 tn cebla vermelha 1,964 tn cebla branca 8,480 tn replh 666 tn malagueta 16,528 tn Ttal da prduçã hrtícula Prdutividade de Prduts Frutíclas ( ) 10,430 tn abacate 18,851 tn manga 7,668 tn jaca 5,064 tn tangerinas 279 tn jambu be

70 279 tn jambu be 5,901 tn papaia 2,127 tn banana 54.6 tn anna 350 tn guava 709 tn fruta-pã 51, tn Ttal da prduçã frutícla Prduts agríclas ( ) 472,678 tn arrz 485,971 tn milh 8,262 tn feijã mung 5,274 tn feijã keli 14,268 tn feijã rai 164,099 tn mandica 48,621 tn batata dce 9,184 tn batata Eurpa Ttal de prduçã 1.208,357 tn Plantas industriais 58,121 tn café 47,900 tn cc 4,475 tn kami 1,209 tn caju Mudas de café e de árvres madre-café para serem distribuídas pels agricultres Mudas de cc, caju, cacau e kami para serem distribuídas as agricultres cm bjectiv especific de aumentar a prduçã e melhrar a qualidade d café 929,591 nvs pés de árvres (Nitas, Mahni, Saria e Gmelina) n Centr Viveir de Maubara Frmáms: Implementáms: 3,904 Aluns frequentaram a Escla Técnica Agrícla 596 aluns na Escla Dm Bsc Fuilr 1,241 aluns na Escla de Nartabra 1,591 aluns na escla de Maliana 476 aluns na Filial de Oecusse 216 Prjects a abrig d Plan de Desenvlviment Descentralizad I e II, Fund das Infra-estruturas e Linhas Ministeriais, ns 13 distrits: 11 Prjects em Aileu 17 Prjects em Ainar 14 Prjects em Baucau 11 Prjects em Bbnar

71 26 Prjects em Cvalima 8 Prjects em Díli 10 Prjects em Ermera 19 Prjects em Laútem 15 Prjects em Liquiça 15 Prjects em Manatut 15 Prjects em Manufahi 28 Prjects em Oecusse 27 Prjects em Viqueque Estabelecems: 3 Brigadas de Tractres (zna Leste, zna centr/sul e zna Oeste) cm bjectiv de rganizar as máquinas agríclas e atender s agricultres sbre preparaçã ds terrens para plantaçã Sistema de Infrmaçã de Segurança Alimentar, a nível ds sucs, que reprta às autridades de alt nível Cperativa KOMAP para prestar serviçs de cantina as funcináris, de md a cntrlar despesas e a permitir uma mair rentabilizaçã d temp n serviç Frmatura ds funcináris d MAP, prmvend a pntualidade ds funcináris 8 Centrs de Mecanizaçã e Extensã (Lspals-Lautém, Cassameta-Baucau, Betan-Manufahi, Ratahu-Viqueque, Sau-Manatut, Sanfuk-Manatut, Tunibibi- Maliana e Naktuka-Oecusse) 6 Serviçs de Extensã Agrícla (Cailac-Bbnar, Sare-Ermera, Zumalai- Cvalima, Ossu-Viqueque, Natarbra-Manatut, e Lur Lautém) 2 Psts de Quarentena (Batugadé-Bbnar e Sakat-Oecusse) 4 Reservatóris de Água (Klan) (Mugis-Bbnar, Lihun-Viqueque, Glen- Ermera e Same-Manufahi Sistema de Api para dar assistência técnica a 420 tractres manuais Prgrama Fila Rai Gratuita, prmver regress e fixaçã ds agricultres à terra, ajudand na aquisiçã de sementes, máquinas agríclas, fertilizantes, adubs e dand assitência técnica, cm recurs à mecanizaçã: 105,880 ha de terren identificad para prgrama 92,263 ha de terren atríibuíd (62,209 ha para pastagem para animais e 30,053 ha para terren para cultiv); beneficiand 82,211 agricultres; 49,582 ha de terren cultivad cm recurs a técnicas de cultiv intensiv tn. de sementes prduzidas (arrz, milh e feijã) e 1350,000 pés prduzids (batata e tapica) O Plan Mestre para agr-cmérci prmvend estabeleciment de pequenas e médias indústrias

72 Flrestas Cmunitárias, em 6 distrits (Aileu, Ermera, Liquiça, Cvalima, Manatut e Díli (suc Vila Verde)), um ttal de 26.5 ha, cm um ttal de 9,705 nvs pés de árvres (Mahni, Acácia, Mangium, Ai Kakeu, Caliandra, Albizia, Jambu Mente, Kulu) A plantaçã de 2,00 nvs pés de árvres (Mahni e Kakeu) nas nascentes e fz das ribeiras de md a prteger e refrçar as bacias hidrgráficas Guardas Flrestais Cmunitáris, para patrulharem as áreas prtegidas, AP Preserva Tilimar-Cvalima e Parque Nacinal Nin Knis Santana em Laútem, e efectuarem perações cnjuntas de fiscalizaçã de md a prevenir abate ilegal de árvres, a caça de animais pertencentes as espécies prtegidas O Estud Nacinal pr Amstragem sbre Clheitas de Crte (Natinal Crp Cutting Sample Survey - NCCSS), em td territóri nacinal de 2007 a 2008 A Estaçã Agr Meterlógica que clecta s dads meterlógics de 20 estações: Dare, Aileu, Maubisse, Betan, Ainar, Suai, Fóhórem, Natarbra, Manatut, Fatumaca, Viqueque, Fuilr, Hera, Liquiça, Balibó, Maliana, Atsábe, Ermera, Glen e Oecusse Mnitrizaçã e avaliaçã periódica, das actividades e prjects d Pacte Referend, a nível de sub-distrits, sucs e aldeias O Jrnal Agrícla Panflets sbre agricultura Rede de serviçs, cm as rádis cmunitárias, em tds s distrits Prgrama sbre Agricultura na RTTL Filme sbre espécies híbridas, ICM, SRI e peixes de água dce Frmuláris para Certificads Sanitáris e Fitsanitáris, para certificar prduts vegetais e animais para exprtaçã 2 Estações de Quarentena nas znas de frnteira em Oecusse e Batugadé 1 Talh n mercad de Taibessi Prject de Cperaçã em Bidiversidade, cm a FAO, para vigilância da saúde animal e capacitaçã de veterináris e técnics de labratóri Cperaçã cm a UNTL para abertura d Curs médi em Saúde Animal Prmvems: Nvas técnicas agríclas Nvas técnicas de plantaçã e preparaçã da terra (intensificaçã, extençã e diversificaçã da prdutividade agrícla) Intrduçã de máquinas para melhrar prcess de clheita A mudança de uma agricultura de subsistência para uma agricultura rientada para s mercads A transfrmaçã de trabalhar a terra cm técnicas tradicinais para um sistema mecanizad, cm intrduçã d tractres e técnicas de prcessament pós clheita Cnsciencializaçã ds agricultres para mudança de mentalidades para que nã dependam de utrs e agrikultr hit rasik n tane e rasik A intrduçã de nvas técnicas e tecnlgia simples para ajudar s agricultres a reabilitarem e rejuvenescer as plantações de café ns distrits de Aileu, Manufahi, Liquiça, Ermera, Ainar e Bbnar A ajuda as agricultres na reabilitaçã e expansã das áreas ds cafezais num ttal de 3,000 há

73 A intrduçã de técnicas de inter-clheita entre plantaçã de cc e cacau em Lspals, Lautém e Viqueque Api as agricultres em estabelecer 40 indústrias de agr-cmérci, de pequena dimensã, extracçã de óle de cc, prcessament de mel, prduçã de banana seca, talas e peixe sec O Prgrama de agr-cmérci Suku Ida Prdutu Ida 1 Suc 1 Prdut SIPI A reflrestaçã de um ttal de 10 ha em 3 distrits (Ainar, Aileu e Manufahi), fram plantads 8,250 pés cm 70% de espécies endémicas O Mviment Nacinal de Plantaçã de Árvres Mvimentu Nasinal kuda aihris em 5 distrits (Oecusse, Manatut, Baucau e Ermera), plantaçã de 29,950 pés de Mahni, Saria, Gmelina e Ai-kameli numa área de 27 ha Acções de Pesquisa: Cnjuntamente cm a Universidade Nacinal de Kyungpk, em 2007 um Pesquisadr Timrense faz lançament de uma variedade de milh (NAI) Cnjuntamente cm Prgrama Sl (de ) sbre recmendações sbre a intrduçã de nvas variedades de legumes e vegetais Actividades de vacinaçã de gad, suíns e aves ns 13 distrits A criaçã de um Labratóri para Saúde Animal para diagnóstic da saúde animal Prject de cperaçã MAP, FAO e AusAid A abertura, em 2011, d Curs de Veterinária, em clabraçã cm a UNTL Estuds sbre Desenvlviment de Pastagens em Timr-Leste e sbre Sistema de Criaçã de Bvin em Pequena Escala Lucrativ e Sustentável, em clabraçã cm UNRAM e ACIAR (Australian Center fr Internatinal Agriculture Research) Treinament sbre Manutençã de Pastagens para Animais Ruminantes, ns Distrits de Matut, Díli, Viqueque, Ainar e Bbnar Wrkshp sbre Técnicas para Pastagens para Cavals, ns Centrs de Demnstraçã e Treinament Pecuária, em Taibc (sub-distrit Pante Makasar, distrit Oecusse); Fuilr (RSS Pat, sub-distrit Lspals, distrit Laútem); e Dtic (sub-distrit Alas, distrit Manufahi) Wrkshp sbre Técnicas de Manutençã para Pastagens para Gad, ns Centrs de Demnstraçã e Treinament Pecuária, em Taibc-Makelab (distrit Oecusse); Fuilr (RSS Pat, sub-distrit Lspals, distrit Laútem); e Dtic (sub-distrit Alas, distrit Manufahi), prefazend um ttal de 24 ha de terren para pastagens Frmaçã sbre Alimentaçã de Frangs Lcais, n Centr de Demnstraçã e Treinament Pecuária, em Dtic (sub-distrit Alas, distrit Manufahi) Frmaçã sbre Criaçã Intensiva de Frangs Lcais, n suc Dtic (sub-distrit Alas, distrit Manufahi), suc Crluli (sub-distrit Maliana, distrit Bbnar), suc Dare (sub-distrit Vera Cruz, distrit Díli) e suc Vat Br (sub-distrit Maubara, distrit Liquiça) Frmaçã sbre Criaçã de Minhcas (base prteica para alimentaçã para Aves (frangs)), n Centr de Demnstraçã e Treinament Pecuária, em Dtic (subdistrit Alas, distrit Manufahi), Assistência técnica a grups de agricultres em Pastagens para Cavals, n suc Baricafa (sub-distrit Lur, distrit Laútem) e Lacts (sub-distrit Fóhrém, distrit Cvalima) Frmaçã sbre Desenvlviment de Pastagens ns Centrs de Demnstraçã e Treinament Pecuária, n suc Dtic (sub-distrit Alas, Distrit Manufahi), suc Ladiki (sub-distrit Letefóh, distrit Manufahi) e suc Ostic (sub-distrit Vemass,

74 distrit Baucau) Assistência técnica em Criaçã de Gad Caprin em Sistema Intensiv, n suc Ostic, sub-distrit Vemasse, distrit Baucau Vacinaçã de 80% ds animais existentes em Timr-Leste (gad bvin, gad bubalin (búfal), suíns e galináces (frangs)) Acções de Sensibilizaçã, para a ppulaçã nas znas de frnteira, sbre a Imprtância d Serviç da Quarentena Prduçã de Algas Marinhas, prject que envlveu 1200 pessas na criaçã de algas marinhas para cnsum human, de 2007 a 2012 fram prduzidas 120 tneladas (pes depis de secas) Treinament sbre Criaçã de Peixes, participaram 198 pessas Estabeleciment de 90 unidades de Viveirs de Peixes, participaram 380 agricultres Acções de Sensibilizaçã sbre Regulaments de Pesca, participaram 3499 pessas Actividades de Pesca de Barc, participaram 3 grups de pescadres (30 pessas) Actividade de Cperaçã cm a Tailândia para 5 barcs pescarem n mar de Timr-Leste, fram pescads 868,022 kg de peixe Actividade de Cperaçã cm a Indnésia para 2 barcs pescarem n mar de Timr-Leste, fram pescads 2,313 kg de peixe Identificaçã de cmunidades para receberem 456 barcs de pesca, Fábrica de barcs de madeira para pescadres Identificáms: E desenvlvems a variedade de trig, Tutba e Tarbessa, em Fleixa, Maubisse, distrit de Ainar, nde estava extint. Exprtáms: 4313 cabeças de Gad Bvin 760 cabeças de Gad Bubalin - Búfals (Karau Timr) 5810 Cur (pele) de Gad Bvin e Bubalin

75 Prmvend Turism Timr-Leste pssui uma história e cultura únicas, para além de uma paisagem natural privilegiada cm flrestas trpicais, mntanhas sumptusas, praias paradisíacas e grande riqueza de fauna e flra marítima. O turism é, pr iss, um ds principais sectres que pderá assegurar desenvlviment ecnómic d País. O turism é um factr imprtante de cresciment ecnómic, nã só pelas receitas que gera e pela criaçã de empreg, mas prque cntribui para desenvlviment de utras infra-estruturas que lhe estã assciadas, nmeadamente: restauraçã, htelaria, equipaments de lazer e entreteniment, e pequenas e médias indústrias. O Gvern acredita que turism deve ser desenvlvid de frma equilibrada, capitalizand também as áreas inexplradas de Timr-Leste, trabalhand em estreita clabraçã cm as cmunidades lcais, assegurand que Pv timrense seja parceir e beneficiári d mesm prcess. Aprváms: Orgânica d Ministéri d Turism, Cmérci e Indústria Decret-Lei Nva Estrutura Orgânica d MTCI Assináms: Prtcl cm a Escla Superir de Htelaria d Estril, Prtugal, para frmaçã de recurss humans nacinais em htelaria 6 jvens frequentam actualmente curs de licenciatura na área d turism Participáms: Expsiçã Mundial 2010 em Xangai (2010 Shangai Wrld Exp), a primeira expsiçã universal em que Timr-Leste participu enquant país sberan e independente, cuj pavilhã fi dedicad a tema Esteja cnnsc, esteja cm a natureza e registu cerca de 4,5 milhões de pessas XVIII Assembleia Geral da Organizaçã Mundial d Turism, n Cazaquistã, c-presidind event

76 Cnferência Internacinal de Turism na Malásia, Sabah, cm especial enfque n desenvlviment de prduts invadres e estratégias para mercad d turism Mega Tendências e Invações Reuniã Bilateral entre MTCI e Ministr d Turism da Malásia, sbre desenvlviment de recurss humans, assistência técnica e investiment n sectr d turism em Timr-Leste 60º Aniversári PATA ( The Pacific Asia Travel Assciatin) e na Cnferência Anual da Organizaçã, em Pequim, China, sb tema Cnstruçã d Turism, Passad, Presente e Prgress, para partilha de experiências e divulgaçã d País cm destin turístic Expsiçã Internacinal Pacific Asia Travel Assciatin, em Denpasar, Indnésia, prmçã d País cm destin turístic junt ds peradres turístics e ptenciais investidres, fram recebids 350 visitantes n pavilhã de Timr-Leste Expsiçã Internacinal Pacific Asia Travel Assciatin, em Hyderabad, Índia, prmçã d País cm destin turístic junt ds peradres turístics e ptenciais investidres, fram recebids 360 visitantes n pavilhã de Timr-Leste Expsiçã Internacinal Pacific Asia Travel Assciatin, em Macau, China, prmçã d País cm destin turístic junt ds peradres turístics e ptenciais investidres, fram recebids 386 visitantes n pavilhã de Timr-Leste Abertura d Centr de Infrmaçã Turístic de Timr-Leste em Darwin, Austrália e realizáms uma expsiçã de prduts artesanais na Hme Maker Village, também em Darwin Asia Diving Exp-Adex, em Singapura, prmçã das cndições para mergulh em Timr-Leste Preparáms: Participaçã de Timr-Leste na Exp 2012 na Creia d Sul, cuj pavilhã tem tema de Águas Cristalinas e Areias Brancas Reabilitáms: Área Recreativa na Areia Branca, em Díli Área Recreativa na Praia de Fatumeta, em Liquiça e respectivs equipaments básics: casa de banh e gazebs O antig Mercad Municipal que fi transfrmad n Centr de Cnvenções de Díli e dtám-l de infra-estruturas de api, mbiliári, instalaçã de equipament televisiva para prgramas em direct, mesas, cadeiras, aparelhs de ar cndicinad para cnferências de nível internacinal e estacinament 4 Pusadas em Hatubiliku (distrit de Ainar), Tutuala (distrit de Laútem) e Ataur (distrit de Díli)

77 Cnstruíms: Estruturas de Api na Praia d Crist Rei: gazebs, casa de banh, estacinament e tanques de água, em Díli Edifícis destinads a serviçs de htelaria (restaurantes, cafés, etc) e respectivas infra-estruturas de api, em Metiaut, Díli Passei Marítim ( Jgging track), na praia de Metiaut, Díli Extensã da área da Estátua d Papa Jã Paul II, nmeadamente: jardim, parque de estacinament e instalaçã de equipaments de ar cndicinad na capela e tanque de armazenament de água Jardim junt a Edifíci da Plícia Marítima na Praia de Bidau Lecidere, em Díli Estabelecems: Pst de Turism n Aerprt Niclau Lbat em Cmr, cm recurs às tecnlgias de multimédia dá-se api as turistas que visitam Timr-Leste. O pst de turism pssibilita a cnsulta das infrmações em duas línguas: prtuguês e inglês Prgrama de Turism Cmunitári, 82 beneficiáris tiveram api financeir Api Financeir para Frmaçã e Desenvlviment de Recurss Humans na área d Turism, através da frequência, de jvens, em curss tais cm: htelaria, guia turístic, culinária, inglês e infrmática. Beneficiaram deste api 9 instituições, rganizações nã-gvernamentais e esclas Prmvems: As Celebrações Anuais d Carnaval, de acrd cm a tradiçã e cultura de Timr- Leste, envlvend a participaçã de jvens, em 5 ans, ds 13 distrits Em clabraçã cm a Presidência da República s events: Tur de Timr, Dili Marathn e Internatinal Underwater Pht Cmpetitin, prmvend a cidade Díli cm Cidade da Paz A crrida de barcs, Kurida R, entre Darwin, Austrália e Díli, Timr-Leste, prmvend turism marítim. Participaram, em barcs e em barcs Event Tur Mtr Bt, cm mtas Harley Davidsn de Díli a Bacau, cm bjectiv de prmver turism aventura. Em 2011 participaram 38 mtas Event anual de Crridas de Cavals, Kurida Kuda, na zna de frnteira de Batugadé, sub-distrit de Balibó, Distrit de Bbnar Filme de Prmçã d Turism ns Distrits, cm bjectiv de explrar as ptencialidades turísticas de Timr-Leste e prmver a cnsciencializaçã das ppulações para a preservaçã d mei ambiente e para bm aclhiment ds visitantes

78 DVD de Prmçã d Turism Marítim e Segurança nas Praias Prduts de Prmçã Turística, tais cm brchuras, para prmçã ds diverss ptenciais turístics: cultural, históric, desprt, ambiental e marítim, entre utrs Feira Pôr-d-Sl Feira Lrkraik Sunset Fair, anualmente, na zna d Crist Rei tdas as Sextas-feiras, durante 6 meses, para prmçã de prduts artesanais Recebems: 87,812 Visitantes: 36,643 vists de turista; 29,475 vists de trabalh, 14 vists de educaçã, 851 vists de trânsit e 20,829 utrs vists Registáms: 104 Htéis, pusadas, pensões e guest huses em 12 distrits (Díli 39, Cvalima 5, Bbnar 4, Baucau 12, Ainar 11, Aileu 0, Viqueque 5, Oe-Cusse Amben 6, Manufahi 5, Manatut 2, Liquiça 1, Laútem 12 e Ermera 2) 184 Restaurantes ns 13 distrits (Díli 111, Cvalima 3, Bbnar 6, Baucau 15, Ainar 12, Aileu 4, Viqueque 3, Oe-Cusse Amben 6, Manufahi 6, Manatut 6, Liquiça 2, Laútem 9 e Ermera 3)

79 Preservand Mei Ambiente O cmprmiss de desenvlver uma plítica ambiental, rientada pels princípis d desenvlviment sustentável, integrand de frma harmnisa a cmpnente ambiental, ecnómica e sóci-cultural, fi uma priridade deste Gvern. Este cmprmiss é ainda mais imprtante prque Pv de Timr-Leste sempre teve uma relaçã muit frte cm ambiente natural. Aprváms: Plan Estratégic Nacinal sbre Bidiversidade O quart Relatóri Nacinal sbre Bidiversidade Decret-Lei que Aprva Regime de Licenciament Ambiental Decret-Lei que Aprva a Lei de Bases d Ambiente Decret d Gvern que Cria a Autridade Nacinal Designada para a Implementaçã ds Prjects d Mecanism de Desenvlviment Limp Resluçã d Gvern que Aprva a Plítica Ambiental Nacinal Resluçã d Gvern que Aprva Prgrama de Acçã Nacinal de Adaptaçã às Alterações Climáticas O relatóri Ecnmia Verde para Desenvlviment Sustentável de Timr- Leste, resultad da cnsulta pública nacinal e d wrkshp sbre mesm, que fi apresentad a Cnselh de Ministrs e será apresentad na Cnferência Ri +20 Assináms e Ratificáms: Cnvençã de Viena e Prtcl de Mntreal, sbre a prtecçã da Camada d Ozn Prtcl de Quit, debaix da UNFCCC Cnvençã Quadr das Nações

80 O cmprmiss de desenvlver uma plítica ambiental, rientada pels princípis d desenvlviment sustentável, integrand de frma harmnisa a cmpnente ambiental, ecnómica e sóci-cultural, fi uma priridade deste Gvern. Este cmprmiss é ainda mais imprtante prque Pv de Timr-Leste sempre teve uma relaçã muit frte cm ambiente natural. Aprváms: Plan Estratégic Nacinal sbre Bidiversidade O quart Relatóri Nacinal sbre Bidiversidade Decret-Lei que Aprva Regime de Licenciament Ambiental Decret-Lei que Aprva a Lei de Bases d Ambiente Decret d Gvern que Cria a Autridade Nacinal Designada para a Implementaçã ds Prjects d Mecanism de Desenvlviment Limp Resluçã d Gvern que Aprva a Plítica Ambiental Nacinal Resluçã d Gvern que Aprva Prgrama de Acçã Nacinal de Adaptaçã às Alterações Climáticas O relatóri Ecnmia Verde para Desenvlviment Sustentável de Timr-Leste, resultad da cnsulta pública nacinal e d wrkshp sbre mesm, que fi apresentad a Cnselh de Ministrs e será apresentad na Cnferência Ri +20 Assináms e Ratificáms: Cnvençã de Viena e Prtcl de Mntreal, sbre a prtecçã da Camada d Ozn Prtcl de Quit, debaix da UNFCCC Cnvençã Quadr das Nações Unidas para as Alterações Climáticas Estabelecems: Direcçã Nacinal para Assunts Ambientais Internacinais para respnder perante as Cnvenções Ambientais Internacinais CHM (Clearing Huse Mechanism) - Prtal da Internet d Mecanism de Intercâmbi sbre dads da Bidiversidade Unidade Nacinal d Ozn Autridade Nacinal Designada para Mecanism de Desenvlviment Limp (CDM) Prtal d Ambiente na internet, para divulgaçã de questões ambientais, até 2009 cm endereç: devid a razões técnicas este prtal fi desligad, estand a actualmente um nv prtal em cnstruçã

81 Rede de Quadrs de Avis sbre Bidiversidade, 37 quadrs distribuíds pel territóri nacinal: 10 quadrs de perig sbre a presença de crcdils, s restantes sbre pribiçã de caça em áreas prtegidas u de espécies em perig de extinçã 7 Prpstas e Plans n âmbit das Cnvenções, das quais se salienta: Plan de Acçã Nacinal da Estratégia para a Bidiversidade, Prgrama de Trabalh para as Áreas Prtegidas, Iniciativa d Triângul d Cral, Parcerias de Gestã Ambiental para s Mares d Leste da Ásia Cnstruíms: 11 Delegações Ambientais distritais cm 43 técnics (Aileu, Ainar, Baucau, Bbnar, Cvalima, Ermera, Lautém, Liquiça, Manatut, Manufahi e Oecusse) cm bjectiv de prmver a sensibilizaçã ambiental e api direct às cmunidades e uma sede nacinal em Díli, cm 6 técnics Parque de Armazenament de Óles Usads de Tibar (PAOUT), para armazenament temprári de óles usads, 5 tanques em aç, independentes, cm capacidade para reclher 600,000 litrs de óles usads. Actualmente metade da capacidade já fi usada Prmvems: As Acções de Mitigaçã Nacinal Adequadas, medidas vluntárias de reduçã de Emissões Gassas pr parte de países em desenvlviment Prduçã de um filme sbre bidiversidade e sensibilizaçã sbre áreas prtegidas abragend s 13 distrits 8 Brchuras de Sensibilizaçã Ambiental, destacand-se: Prtecçã e Pribiçã de Venda de Cral, Prtecçã e Pribiçã de Caça de Aves em geral, Prtecçã e Pribiçã de Caça de Tartarugas Marinhas, Prtecçã e Cnservaçã de Flrestas e Áreas Prtegidas, Prblema ds Lixs, A Imprtância d Cntrl da Pluiçã e Perig ds Fgs Flrestais O iníci d prcess de Reclha e actualizaçã da Base de Dads Ambientais, sbre actividades que decrrem e sã implementadas n País, cntribuind para cntrl de pluiçã, para a avaliaçã de prjects cm impact ambiental e mnitrizaçã da bidiversidade, em tds s distrits Realizáms: 30 Wrkshps / Acções de Sensibilizaçã sbre Prteccã e Gestã Ambiental, em tds s distrits, participaram n ttal 2034 pessas Prgrama de Infrmaçã sbre Gestã Ambiental, dirigid a públic em geral, em 10 distrits: Manufahi, Ainar, Suai, Cvalima, Manatut, Lspals, Aileu, Viqueque, Ermera e Oe-Cusse

82 Semináris sbre Prcess de Avaliaçã d Impact Ambiental (AIA), ns 13 distrits Um Prgrama de Planeament para Análise da Qualidade da Água, para cnsum human, agricultura e pesca, n Distrit de Lautem, em lcais cm imprtantes recurss hídrics, abrangend um ttal de 5 sub-distrits (Mehara, Prs, Baur, Maupitine, Irasiquir, Lata u, Fuilr, Ilimar, Capr, Iracau, Iraira, Caerenira e Lur) 7208 Inspecções Ambientais, a actividades cmerciais e industriais, entre as quais: imprtaçã de viaturas, restauraçã, ficinas, lavagem carrs, depsiçã ilegal de resídus sólids urbans, centrs hspitalares, instalações de saneament (lixeiras, ETAR s), estações de cmbustível, lcais de remçã de areias e EDTL 4 actividades anuais de celebraçã d Dia Mundial d Ambiente, envlvend mais de 31 esclas, Universidades, ONG s, PNTL, F-FDTL e cmunidade em geral Prgramas de Rádi semanais, sbre temas de sensibilizaçã ambiental em parceria cm a Rádi Timr Kmanek e a Rádi Timr-Leste Campanha de Limpeza de Grafittis ds Murs de Díli, cm 4 das cmunidades mais afectadas, limpeza, pintura ds murs e clcaçã de aviss de pribiçã. Psterirmente fram desenvlvidas acções de sensibilizaçã, dirigidas as jvens, em clabraçã cm s chefes de suc e aldeia e fi lançada uma campanha na RTL e TVTL Estabelecems: Prject de Sensibilizaçã Ambiental para Reflrestaçã, para prevençã da ersã ds sls e cnservaçã da bidiversidade, em que participaram 5 grups (envlvend mais de 50 pessas) e fram plantadas árvres Prject de Reflrestaçã, Desenvlviment Rural e Sensibilizaçã Ambiental, para a prevençã da degradaçã da qualidade d sl e reduçã da pbreza em áreas rurais, n distrit de Manatut, em que participaram 7 aldeias num ttal de 223 familias (cerca de 1000 pessas), fram instalads 7 viveirs e fram plantadas 2524 plantas, entre as quais, árvres de frut, árvres flrestais, milh e sja. Prgrama de Cncessões Públicas de Grups Ambientais / ONGA s, cm bjectiv de fmentar prjects cmunitáris, de utilidade pública, para a prtecçã d ambiente. 30 prjects de viveirs para reflrestaçã e 2 prjects de infrmaçã ambiental Grup Interministerial sbre Mei Ambiente e ds Recurss Naturais Participáms: Cerimónia Tradicinal Tara Bandu, em Cmr, cm bjectiv de disseminar infrmaçã e implementar regras sbre as actividades de escavaçã de areias nas ribeiras

83 N Relatóri de Análise Ambiental de Timr-Leste, prmvid pel Banc Mundial Em 85 sessões, curss de frmaçã e reuniões de trabalh, relativs a mei ambiente e em 42 sessões de frmaçã, wrkshps e semináris, relativs as assunts ambientais internacinais 15 Cnferências Internacinais Anuais para as três Cnvenções d Ri (UNFCCC, UNCBD e UNCCD) 5 Reuniões internacinais n âmbit da Cnvençã de Viena e Prtcl de Mntreal Na rganizaçã da Cnferência Nacinal para a Juventude Vams Cuidar d Planeta - que serviu de preparaçã para a participaçã na cnferência internacinal, sbre mesm tema, n Brasil Em 3 reuniões internacinais n âmbit da CPLP Frmáms: 72% ds funcináris tiveram acess a frmaçã técnica ambiental, das quais se salienta: Frmaçã sbre análise de impacts e gestã da actividade de Petróle e Gás (23 funcináris); Frmaçã em Avaliaçã de Impact Ambiental (28 funcináris); Especializaçã em Plítica Ambiental (14 funcináris) Avaliaçã d Impacte Ambiental e Avaliaçã Estratégica d Mei Ambiente (2 funcináris) Classificáms: Classificaçã Ambiental 440 prjects: 16 grandes prjects (categria A), 51 médis prjects (categria B), 316 pequens prjects (categria C) e 54 utrs prjects, n ttal ds 13 distrits. Salienta-se, nas categrias A e B, s seguites prjects: Central Hidreléctrica de Iralalar (29MW); Cmpanhia ENI: Perfuraçã de pçs n Mar de Timr; Cmpanhia Reliance: Perfuraçã de pçs n Mar de Timr; Cmpanhia Pelican Paradise: Cmplex Hteleir em Tasi Tlu, Díli; JICA: Prt de Oecusse; JICA, Banc Mundial e ADB: Reabilitaçã e Cnstruçã de Estradas Nacinais

84 Prestar Serviçs de Qualidade

85 Investind na Educaçã de Qualidade A educaçã é fundamental para melhrar as cndições de vida d pv timrense. Sem acess à educaçã, nã é pssível cncretizar bjectiv de desenvlviment nacinal. O Gvern assumiu cmprmiss de garantir que tdas as crianças timrenses tenham uma educaçã de qualidade que lhes dê s cnheciments e qualificações necessárias para terem uma vida adulta saudável e prdutiva, cntribuind de frma activa para desenvlviment ecnómic e scial d país em geral, e para seu própri desenvlviment pessal, já que a educaçã é uma ferramenta fundamental para multiplicar prtunidades de realizaçã pessal e prfissinal. Aprváms: Plítica Nacinal de Educaçã para Lei de Bases da Educaçã Plan Estratégic Nacinal de Educaçã Nva Lei rgânica d Ministéri da Educaçã Decret-Lei d Regime Jurídic da Administraçã e Gestã d Ensin Básic Resluçã d Gvern sbre Plan Curricular d 3 Cicl d Ensin Básic Decret-Lei sbre Regime Jurídic da Administraçã e Gestã d Ensin Secundári Decret-Lei sbre Plan Curricular e Regime de Implementaçã d Ensin Secundári Geral Decret-Lei sbre Plan Curricular e Regime de Implementaçã d Ensin Secundári Técnic-Vcacinal Decret-Lei sbre Regulament Jurídic ds Estabeleciments de Ensin Superir Decret-Lei sbre Regime Jurídic de Acess a Ensin Superir Decret-Lei sbre Estatut da Universidade Nacinal de Timr Lrsa e (UNTL) Decret-Lei sbre Regime Geral de Avaliaçã d Ensin Superir e Criaçã da Agência Nacinal para a Avaliaçã e Acreditaçã Académica (ANAAA) Decret-Lei sbre Estatut da Carreira Dcente Universitária Decret-Lei sbre Regime de Atribuiçã de Blsas de Estud n Estrangeir Decret-Lei sbre Estatut da Carreira ds Educadres de Infância e ds Prfessres d Ensin Básic e Secundári (Estatut da Carreira Dcente) Decret-Lei sbre Estatut d Institut Nacinal de Frmaçã de Dcentes e Prfissinais da Educaçã INFORDEPE Decret-Lei sbre Sistema de Qualificações ds Dcentes Timrenses para Integraçã na Carreira Dcente Decret-Lei sbre Sistema Nacinal de Qualificações (SNQ-TL) Decret-Lei sbre s Estatuts ds Serviçs da Inspecçã Geral da Educaçã Decret-Lei sbre Regime de Acreditaçã e Avaliaçã ds Estabeleciments de Ensin nã Superir

86 Plítica Nacinal para a Cultura Prject da Academia de Arte e Indústrias Criativas Culturais de Timr-Leste Plítica de Prtecçã d Patrimóni Cultural de Timr-Leste Definims: 202 Agrupaments, de entre as esclas públicas de ensin básic, e recrutáms 202 directres, directres-adjunts e gabinetes de api técnic, beneficiand 15 Agrupaments, das 64 esclas públicas de ensin secundári geral, beneficiand Iniciáms: Descentralizaçã de cmpetências, para s Directres ds agrupaments de esclas, a nível da administraçã esclar, das cncessões e d prgrama da merenda esclar Bacharelat Mdular, para integrar cerca de dcentes n nv regime de carreira Frmaçã Inicial de Prfessres (Licenciatura) d 1º e 2º cicls d ensin básic, para 325 estudantes de tds s distrits Curs de Mestrad em Frmaçã de Frmadres, para 60 prfessres que cnstituirã futur crp dcente d INFORDEPE Plan de desenvlviment d nv pól de ensin superir em Hera Cnstruçã e cncepçã de dis Instituts Plitécnics, nas áreas de Serviçs (Turism/Htelaria/Gestã), em Lspals, e Engenharia direccinada à explraçã petrlífera, n Suai Cnstruíms: 5 Esclas de Referência cm mdel de implementaçã das melhres práticas curriculares, pedagógicas e administrativas ns distrits de Baucau, Maliana, Same, Oe-cusse e Glen e que abrangem aluns Acreditáms: 2 Universidades e 7 instituts d ensin superir, beneficiand aluns Desenvlvems: Prcess de acreditaçã institucinal de 14 instituições de ensin superir Prgrama de equivalências que permitem cntinuar a campanha de alfabetizaçã Prgramas curriculares e respectivs manuais esclares d 3º Cicl d Ensin Básic Geral, Secundári Geral e Secundári Técnic-vcacinal Prgrama de integraçã para prfessres, tend sid integrads prfessres e mais de encntram-se na carreira transitória Campanha nacinal de alfabetizaçã tend sid 173 mil analfabets, em 7 distrits, declarads livres de analfabetism Prject de Bibliteca e Centr Cultural de Timr-Leste Prgrama de recnversã de funcináris cntratads para regime de permanentes, send que 90% sã prfessres Acções de frmaçã para mais de prfessres Campanha Nacinal de Alfabetizaçã, tend alfabetizad pessas ns distrits de Oe-cusse, Lautém, Manatut, Manufahi, Aileu, Cvalima, Baucau, Liquiçá e Ataúr

87 Reabilitáms: 573 Estabeleciments de ensin apetrechads cm mbiliári e equipaments pedagógics Implementáms: Currícul Nacinal ds dze ans d Ensin Básic e Ensin Secundári Aumentáms: Para 91% númer de matrículas n ensin básic Para cerca de 22% númer de matrículas n ensin secundári A distribuiçã das merendas esclares a tds s distrits, pssibilitand a alimentaçã diária a cerca de crianças d ensin básic Frmáms: Prfessres cm Curs de Bacharelat para integrarem a Carreira Dcente 905 Dcentes d 1º e 2º Cicls d Ensin Básic

88 Qualificand s Recurss Humans Nacinais A frmaçã de qualidade e a capacitaçã ds recurss humans nacinais assumem uma grande imprtância na medida em que capacita capital human, e lhes dá cnfiança, para assumirem nvs desafis e respnsabilidades, qualificand-s para melhr cntribuírem para a cnstruçã da Naçã de frma e cm cndições dignas. Frmar Pv, qualificá-l para respnderem às necessidades labrais, sbretud nas áreas mais priritárias, e trnáls cmpetitivs é uma frte apsta que permite as timrenses aprveitarem prtunidades de empreg. Uma apsta que só pde ser ganha cm um investiment nas qualificações d sistema, cm frmadres qualificads, cm instalações de frmaçã adequadas, gerand empreg e abrangend mair númer de áreas pssível. A frmaçã ds recurss humans d Estad reflecte-se em várias áreas e tem sid uma apsta transversal a tdas. Quand faláms em qualificar s recurss humans nacinais espelhams as prtunidades que sã dadas à ppulaçã, sbretud à camada mais jvem. Criad em 2011, Fund de Desenvlviment d Capital Human cbre prgramas de blsas de estud, frmaçã prfissinal, técnica e utrs tips de frmaçã e permitiu a uma grande parte ds recurss humans d País bterem uma frmaçã específica nas suas diversas áreas. Aprváms: Decret-Lei para Timr-Leste Nacinal de Qualificações Prpsta de Lei que aprva Códig d Trabalh Prpsta de Resluçã que Ratifica, para Adesã, a Cnvençã Internacinal d Trabalh (CIT) n.87 sbre a Liberdade Sindical e a Prtecçã d Direit Sindical Prpsta de Resluçã que Ratifica, para Adesã, a Cnvençã Internacinal d Trabalh (CIT) n.98 sbre a Aplicaçã ds Princípis d Direit de Sindicalizaçã e de Negciaçã Clectivas Prpsta de Resluçã que Ratifica, para Adesã, a Cnvençã Internacinal d Trabalh (CIT) n.29 sbre Trabalh Frçad u Obrigatóri Prpsta de Resluçã que Ratifica, para Adesã,a Cnvençã Internacinal d Trabalh (CIT) n Interdiçã das Pires Frmas de Trabalh das Crianças e à Acçã Imediata cm vista à Sua Eliminaçã Decret-Lei que aprva a Inspecçã-Geral d Trabalh Decret-Lei que cria Centr Nacinal de Empreg e Frmaçã Prfissinal Decret-Lei que cria Fund d Empreg e da Frmaçã Prfissinal (FEFOP) Decret-Lei que cria Institut Nacinal de Desenvlviment de Mã-de-Obra (INDMO) Elabráms: Esbç d Estatut de Inspecçã d Trabalh e Lei de Segurança e Saúde n Trabalh Esbç d Decret-Lei de Salári Mínim depis de efectuar 16 reuniões cm empregadres, trabalhadres, instituições, autridades lcais, ONG S e sciedade civil em cinc distrits: Díli, Manatut, Liquiçá, Aileu e Ermera

89 Estabelecems: Mecanisms para frmaçã n lcal de trabalh, identificand 200 empresas e instituições para receberem frmands Cmissã Executiva d INDMO Plan para estabeleciment ds padrões de cmpetências da frmaçã prfissinal e d sistema de certificaçã Plítica de Estratégia Nacinal de Empreg Fund de Api as Frnecedres de Frmaçã Prfissinal (FAFFOP) Plítica da Frmaçã Prfissinal Quadr Nacinal de Qualificações Centr de Frmaçã Brasil Timr-Leste (SENAI) Centr Nacinal de Empreg e Frmaçã Prfissinal de Tibar Sistema de Infrmaçã d Mercad de Trabalh para reclha de dads das pessas que prcuram empreg e que está peracinal nas regiões de Díli, Baucau, Maliana e Oe-cusse 4 subcmissões d INDMO nas áreas de frmaçã e avaliaçã, cnstruçã civil e turism e hspitalidade e tecnlgias de infrmaçã e educaçã Certificáms: 16 Centrs de Frmaçã 51 Frnecedres de frmaçã prfissinal e 20 avaliadres de frmaçã prfissinal em tds s distrits para melhrament glbal ds centrs 13 prpstas de frnecedres de frmaçã aprvadas e apiadas pel FEFOP 15 Qualificações Nacinais e 4 Certificads Nacinais n âmbit d INDMO Realizáms: Scializaçã da Plítica e Estratégia d sistema ETFP (Educaçã Técnica e Frmaçã Prfissinal) para pessas em tds s distrits Semináris sbre s direits e deveres n lcal de trabalh em 5 distrits (Díli, Oecusse, Bbnar, Viqueque e Manufahi) nde participaram 375 pessas Campanha de prevençã de disputas de trabalh para 1972 trabalhadres e 124 empresas Mediaçã d prcess de cntrat de trabalh para cass, cm um ttal de trabalhadres Cnsultas para trabalhadres, empresáris e pessas à prcura de infrmaçã detalhada sbre a relaçã de trabalh, num ttal de 629 cnsultas efectuadas Inspecções as lcais de trabalh ds diverss sectres, englband trabalhadres ns 13 distrits Semináris sbre a Lei d Trabalh, as regras da inspecçã d trabalh e segurança e saúde n lcal de trabalh em 4 distrits (Viqueque, Baucau, Aileu, Bbnar), cm um ttal de 226 participantes (empresáris, trabalhadres e sciedade civil) Semináris sbre relaçã industrial junt de 359 participantes em Laclubar, Manatut, Hatubuilic, Ainar, Cvalima, Metinar, Díli e Manufahi Scializaçã das regras da inspecçã d trabalh, nrmas de higiene e segurança n trabalh para 229 participantes em Bbnar, Balib, Oe-cusse, Oesil, Laulara e Remexi Semináris sbre Códig d Trabalh para 79 empresas e 744 trabalhadres ns 13 distrits Pagament da 1ª fase d Subsídi de Velhice/THT a ex-funcináris da Indnésia, civis e militares (6.701 funcináris civis e ex-militares) Seminári cm fc na área de segurança e saúde realizad ns distrits de Manatut-Laleia, Baucau-Vemasse, Lautém-Lspals, Ainar-Hatubilic e Manufahi-Fatuberlihu, tend um ttal de 285 participantes Scializaçã da legislaçã d trabalh realizada em 624 empresas distribuídas ns 13 distrits de Timr-Leste, n sentid de prmver a harmnizaçã das relações entre empregads e empregadres e suas respectivas rganizações Registáms: Pessas ns centrs de frmaçã prfissinal, send que receberam frmaçã e tiveram prtunidade de frmaçã n lcal de trabalh

90 Dads de empresas cm um ttal de trabalhadres, n âmbit da relaçã d trabalh 12 Assciações empresariais e 13 Sindicats de trabalhadres em cnfrmidade cm s requisits da lei 6 Centrs de frmaçã registads, fiscalizads e mnitrizads 668 Prcesss de disputas d trabalh ds quais 392 fram reslvids, 125 cancelads, 49 reslvids em negciações bipartidas e 96 cass encaminhads para arbitragem e 6 transitaram ainda em prcess Jvens inscrits ns centrs de rientaçã prfissinal, send que tiveram acess a frmaçã prfissinal e 985 encntraram empreg pareceres favráveis para vists de trabalh de trabalhadres e empregadres estrangeirs, num ttal de pedids registads Apiáms: Centr Nacinal de Empreg e Frmaçã Prfissinal de Tibar, nde 70 frmands tiveram frmaçã nas áreas de alvenaria, pedreir, electricidade, carpintaria, canalizaçã, cnstruçã civil assim cm num prgrama-pilt de agricultura Centr de Frmaçã Dm Bsc que prestu frmaçã a 250 estudantes que nã ingressaram na UNTL 128 Centrs de frmaçã, beneficiand frmands nas áreas de prduts lcais, administraçã e finanças, curss de línguas, mecânica, panificaçã e actividades de aut-empreg, tecnlgias de infrmaçã, jrnalism, turism e hspitalidade, agricultura, artesanat, cstura, carpintaria/marcenaria, sldadura, electricidade 260 estudantes, através d FEFOP, em tds s distrits, cm estágis prfissinais 53 prpstas feitas a FEFOP e aprvadas, que beneficiaram pessas em tds s distrits 360 pequens negócis de aut-empreg através d Centr de Desenvlviment Empresarial em Díli Frmaçã de frmadres em jardinagem e pequens negócis (17), autmaçã (10), petróle e gás (5), agricultura e hrticultura (12), hspitalidade e turism (10) e frmaçã de frmadres (10) Estágis u frmaçã n lcal de trabalh para 519 jvens ds quais 50% fram cntratads pelas empresas n términ d estági u da frmaçã Estágis u frmaçã n lcal de trabalh cm remuneraçã para beneficiáris 16 jvens na btençã de experiência prfissinal na Austrália 7 frnecedres de frmaçã (Centru Aut Picina, Frmasaun Eduka Juventude, CTID, Inflim Muki, Grup Airira, ADM Lspals, Grup Uatumisa e Uatulari) que fram mnitrizads e avaliads beneficiand 790 pessas ns distrits de Baucau, Lspals e Viqueque Financeiramente 15 frnecedres de frmaçã ns distrits de Viqueque, Maliana, Lspals e Díli 41 acções de frmaçã para s recurss humans da SEFOPE Prmvems: Capacitaçã de 300 membrs de sindicats e assciações empresariais ns distrits de Liquiçá, Suai e Díli de frma a harmnizar a relaçã labral entre trabalhadres e entidade patrnal Aut-empreg através da frmaçã empresarial que atingiu beneficiáris ns distrits de Díli, Tibar, Ainar, Baucau, Bbnar, Liquiçá e Oe-cusse; através da Sensibilizaçã Empresarial para esclas técnicas e esclas agríclas, implementada em tds s distrits cm um ttal de aluns e 36 prfessres; através da parceria cm instituições de micrfinanças e FEFOP cm actividades realizadas em 11 distrits e beneficiand pessas e através da frmaçã prfissinal, cm 130 beneficiáris Feira FIAR (Fet iha Empreg ba An Rasik), que reuniu em em Díli, 133 grups de mulheres das znas rurais para apresentar e prmver s prduts lcais prduzids em tds s distrits

91 Prgrama Cash fr wrk, empreg temprári, através d Prject de Demliçã de Prédis Públics destruíds (412 prédis ns 13 distrits) e Prject de Mãde-Obra Intensiva,que trata da manutençã e reabilitaçã de estradas terciárias (506.4Km em 13 distrits) e que teve beneficiáris Divulgaçã de infrmaçã referente as prgramas de frmaçã prfissinal e vcacinal a pessas registadas Empreg n estrangeir, através de um Memrand de Entendiment cm a Creia d Sul que deu empreg a 940 trabalhadres ns sectres da pesca, indústria e agricultura Orientaçã prfissinal para pessas registadas Oprtunidades cncretas de empreg através de actividades de mediaçã entre empresas e pessas à prcura de empreg Cnstruíms: 5 Centrs de Empreg e Orientaçã Prfissinal em Baucau, Oe-cusse, Maliana, Ermera e Manufahi N âmbit d Fund de Desenvlviment d Capital Human, s principais indicadres sã: Blseirs a estudar actualmente n exterir Blseirs a estudar n País 118 Blsas atribuídas em Blseirs de nível Bacharel 498 Blseirs de nível Licenciatura 242 Blseirs de nível Mestrad 34 Blseirs de nível Dutrament 108 Blseirs que já cmpletaram curs e regressaram a País Subsídis atribuíds as estudantes finalistas n País em Subsídis atribuíds as estudantes finalistas na Indnésia em 2011 As áreas definidas cm priritárias para a atribuiçã de blsas de estud sã: flrestas, planeament urban e rural, telecmunicações, farmácia, labratóri, medicina veterinária, Direit Internacinal, cntabilidade, finanças e gestã bancária, frmaçã de prfessres, medicina dentária, cmérci, navegaçã aérea e marítima, gestã (MBA) e inspecçã d trabalh. O Fund de Desenvlviment de Capital Human financia 4 tips de prgramas: Prgramas de blsas de estud para públic, funcináris públics e blsas de estud para s filhs ds veterans Prgrama de Frmaçã Prfissinal para criminalistas, agentes de cadastr, auditres, magistrads, ntáris, advgads privads, tradutres e inspectres, frmaçã prfissinal de mã-de-bra a trabalhar n exterir, cnstruçã civil, frmaçã de frmadres, Centr de Tibar e utrs centrs, frmaçã básica em línguas e cmpetências matemáticas Prgrama de Frmaçã Técnica em administraçã pública e frmaçã técnica relativa a ensin superir e plitécnicas de Suai e Lspals Prgrama de utrs tips de frmaçã para jvens, prfessres d ensin superir e plitécnic, frmaçã em saúde e medicina, frmaçã inicial, frmaçã de agentes da PNTL e frmaçã de ficiais das F FDTL

92 Prmvend Acess Genralizad à Saúde A ba saúde é fundamental para prprcinar qualidade de vida. A definiçã de plíticas, regulaments e parâmetrs de cnfiguraçã d sistema nacinal da saúde, assim cm assegurar recrutament de prfissinais de saúde e prmver infra-estruturas e prestaçã de serviçs de saúde em tds s distrits d país, sã priridades deste Gvern. Durante s primeirs ans de recnstruçã d País este viu-se privad da grande mairia ds prfissinais de saúde que asseguravam sistema durante períd de cupaçã indnésia, pel que, para fazer face às necessidades básicas de atençã médica e medicamentsa n país, fram recrutads prfissinais de saúde estrangeira enquant s enfermeirs e parteiras mairitariamente existentes fram clcadas em tds s estabeleciments de saúde. O Ministéri da Saúde encetu entã um prcess de frmaçã de prfissinais de saúde, incluind médics, n exterir, através de blsas de estuds inicialmente ferecids pels dadres e cujs encargs fram gradualmente send integrads a Orçament Geral d Estad. Pr utr lad, n âmbit das infra-estruturas físicas, iniciu-se igualmente prcess de desenvlviment integrad de infra-estruturas de saúde, que culminu cm a cnstruçã e reabilitaçã de estabeleciments assistenciais tais cm psts e centrs de saúde, hspitais de referência, e ainda de delegacias e escritóris de gestã da saúde, para além de póls de frmaçã cntínua. O apetrechament destas mesmas infra-estruturas mereceu igual atençã, cm equipaments básics, aprvisinament de ambulâncias e veículs peracinais e multifuncinais, acess a frneciment de água e electricidade. Aprváms: Restruturaçã da Orgânica d Ministéri da Saúde, destacand a necessidade da melhria da gestã e desenvlviment ds recurss humans da saúde e prcess de crdenaçã e gestã ds parceirs da saúde Plan Estratégic Nacinal de Saúde A alteraçã d diplma que cria Institut de Ciências de Saúde para um nv Institut Nacinal de Saúde Subsídis remuneratóris a tds s prfissinais de saúde A alteraçã a diplma sbre s Prfissinais de Saúde Nv decret-lei que cria Cnselh Nacinal de Saúde Regime das Carreiras Especiais para s Prfissinais de Saúde Implementáms: A restruturaçã d Ministéri da Saúde, de acrd cm nv estatut rgânic, descentralizand a prestaçã de saúde, através da transferência de respnsabilidades de gestã ds recurss essenciais de suprte as serviçs distritais e persnalizads u autónms

93 O Serviç Integrad de Saúde Cmunitária u SISCA, cm estratégia para melhria da qualidade e d acess as cuidads de saúde primáris a cerca de 602 Aldeias, send que em actualmente ds cerca de 477 Psts de SISCa activs funcinam de acrd cm s padrões estabelecids para regist de saúde familiar, intervenções n camp da nutriçã e saúde materna-infantil, saúde ambiental, assistência médica e medicamentsa directa, e ainda acções de prmçã e educaçã para a saúde O prgrama de Regist de Saúde Familiar, pr frma a institucinalizar s dads estatístics da saúde Prgrama de Assistência Médica n Estrangeir, permitind a extensã d tratament médic n exterir a cass excepcinais de difícil u limitadas cndições para tratament n país Nva plítica de expansã ds Centrs de Saúde para incrprem as maternidades e/u salas de part Plítica sbre a cmpra de veículs multifuncinais para melhrar acess e a qualidade ds serviçs de saúde a nível ds Subdistrits Prcess descentralizad e transparente de planeament e gestã rçamental d Ministéri da Saúde (u Pasta Mutin) Auditrias e Inspecções realizadas a diversas instituições de saúde Estabelecems: A Cmissã de Emergência para Surts, respnsável pel cntrl e vigilância epidemilógica d virus H1N1, surt de Saramp e de Dengue O Gabinete de Pesquisa e Desenvlviment da Saúde, sb a alçada directa d Gabinete d Ministr da Saúde, cuj principal bjectiv é a de prmver a pesquisa cm base à definiçã de plíticas de saúde crrespndentes à realidade d país Prgrama de Saúde ds Idss e Aleijads, cm parte integrante d Pacte Básic ds Serviçs de Saúde Uma Escla de Enfermagem e Parteiras, integrada à Faculdade de Medicina e Ciências de Saúde da Universidade Nacinal de Timr Lrsa e, n quadr de cperaçã cm a UNTL Uma unidade de Hemdiálise e utra de Cuidads Cardíacs n Hspital Nacinal Guid Valadares, cujs serviçs especializads reflectem desenvlviment e expansã ds serviçs hspitalares pr frma a respnder às demandas da ppulaçã, e minimizand, a mesm temp, s custs de tratament n estrangeir. Acrds de cperaçã cm hspitais Indnésis e cm a Ryal Darwin Hspital para a melhria d acess à atençã médica especializada, a meis de diagnóstic e terapêutica. Grups de Trabalh Temátics para acnselhament a prcess de planificaçã, mnitrizaçã e avaliaçã ds prgramas de saúde, incluind s parceirs de desenvlviment d sectr da saúde. Cnstruíms: 46 Maternidades junt as Centrs de Saúde pr frma a melhrar acess e a qualidade da saúde materna e reprdutiva. Reabilitáms Paláci das Cinzas para futura instalaçã d Ministéri da Saúde e respectivs serviçs centrais. Cnstruíms a Casa Mrtuária n Hspital Nacinal Guid Valadares e reabilitams 4 unidades hspitalares. Cnstruíms e reabilitams Hspital de Referência de Baucau e um ttal de 41 de Centrs e/u Psts de Saúde disperss pels 13 distrits. Reabilitams 11 Residências médicas e cntruíms 12 residências para s Estudantes de Medicina regressads de Cuba para internat médic ns hspitais e centrs de saúde espalhads pels distrits. Desenvlvems: Os Cuidads de Saúde Primáris

94 Através da estrutura de Serviçs Distritais de Saúde, cm s Centrs de Saúde Cmunitária, s Psts de Saúde e as actividades de assistências as desfavrecids a servirem ppulações gegraficamente definidas n quadr de um Pacte de Serviçs Básics, incrprand a mesm temp Serviç Integrad de Saúde Cmunitária (SISCa) em tdas as aldeias, em serviçs móveis realizads nutrs lugares cm, pr exempl, esclas, mercads, estruturas cmunitárias e serviçs de mp up regularmente cnduzids de acrd cm as necessidades prgramáticas. O SISCa cntribuiu para assegurar acess integral a cerca de pessas em 2010, através das seguintes acções básicas: Regist de Saúde Familiar Intervençã Nutricinal Saúde Materna e Infantil Saúde ambiental Assistência Médica e Medicamentsa Prmçã e Educaçã para a Saúde Os serviçs institucinais mais próxims das cmunidades sã prestads através de uma rede de psts de saúde dtads de uma equipa cm um enfermeir e uma parteira, capazes de ferecer um pacte mínim de cuidads de cura e prevençã. A nível ds sub-distrits, s Centrs de Saúde Cmunitária prestam um nível mais elevad de serviçs d que s psts de saúde, pssuem um leque mais vast de pessal, ferecend também serviçs clínics móveis e api técnic e de gestã as psts de saúde. O tip de Centrs de Saúde Cmunitária nã é mesm em tds s sub-distrits, vist que s mesms cntemplam serviçs de ambulatóri e até à presente data tip de serviçs prestads está de acrd cm vlume da ppulaçã servida e a distância até estabeleciments de referência de mair nível. Os centrs de saúde cmunitária ds distrits prestam serviçs a dentes internads e externs, cm um númer de efectivs de 10-14, incluind um médic ( Directr Distrital de Saúde) e cmunicações pr rádi que têm acess direct as serviçs de ambulâncias. Dependend da prximidade ds hspitais de referência, s dentes internads sã clcads numa unidade de bservaçã cm duas a quatr camas para estabilizaçã préencaminhament em cass graves, u numa enfermaria de camas cm um cnjunt de equipament de api a diagnóstic, incluind um labratóri cm capacidade para análises essenciais. Onde nã há pst de saúde dispnível em cmunidades remtas, s centrs de saúde cmunitária prestam cm regularidade serviçs clínics básics móveis pr mtrizada u veículs multifuncinais pel mens duas vezes pr semana. Os serviçs prestads em estabeleciments de cuidads de saúde primáris diferem de acrd cm as suas áreas de cbertura e ferecem um pacte de serviçs básics que cmpreende serviçs curativs de base, prmçã da saúde, actividades de infrmaçã, educaçã e cmunicaçã, prgramas de imunizaçã, cuidads de saúde materna e infantil, execuçã de prgramas de nutriçã, acmpanhament de tratament directamente bservável cntra a TB e api a cuidads de saúde mental. Alguns centrs de saúde cmunitária frnecem também serviçs de estmatlgia e análises labratriais para cuidads ante-natais, malária e TB. Os Cuidads de Saúde Hspitalar Existem dis níveis de hspitais que prestam cuidads de secundáris e terciáris de saúde em Timr-Leste. Os cuidads de terciáris mais cmplexs sã actualmente referids a estrangeir em cass de limitações tecnlógicas e recurss humans necessáris. O Hspital Nacinal é estabeleciment de referência d escalã mais alt para serviçs especializads e pssui vínculs cm estabeleciments d estrangeir para cuidads terciáris. Os hspitais, tant nacinal cm s de referência, ferecem recurss de frmaçã para membrs d quadr de pessal de saúde que funcinam a nível ds cuidads primáris.

95 Os Hspitais de Referência estã lcalizads em cinc regiões estratégicas, tais cm Hspital de Baucau, Dili, Maliana, Maubisse, Oecusse e Hspital de Suai. Esses hspitais pssuem departaments ambulatóris, bancs de urgência e cndições de internament. Em terms de pessal, s hspitais sã dtads de clínics gerais e especialistas em quatr áreas clínicas, tal cm a cirurgia, pediatria, gineclgia-bstetra e medicina interna. Presidims: Durante s últims dis ans à Vice-Presidência d Cnselh Executiv da prestigisa Organizaçã Mundial de Saúde Eleváms: O nss Índice de Desenvlviment Human para 22%, entre , de acrd cm Relatóri de Desenvlviment Human de 2011 d Prgrama das Nações Unidas para Desenvlviment (PNUD), cm destaque para aument da esperança média de vida ds timrenses. Reduzims: As taxas de mrtalidade infantil e de crianças abaix ds cinc ans, de 115/1000 em 2003 para 64/1000 em 2010, assim cm um melhrament da taxa de mrtalidade de bebés de 88/1000 para 44/1000 A taxa de mrtalidade materna ds 660/ cass cmunicads em 2003 para 557/ em A incidência da malária de 200/1000 em 2006 para 30/1000 em 2011 A prevalência de Tuberculse de 450/ em 2006 para 124/ em A taxa de prevalência da lepra e realizáms a cerimónia de declaraçã da Eliminaçã da Lepra em Timr-Leste. Aumentáms: A cbertura da imunizaçã cntra saramp de 61% em 2006 para 70.3% em 2011, cm s Distrits de Baucau, Manatut e Viqueque a atingirem uma cbertura superir a 80%. A cbertura de BCG para 72,4%. A cbertura da imunizaçã cm DPT-HepB3 em 2010 (72,4%) fi ligeiramente inferir à cbertura cm OPV3 (72,2%). Dis distrits (Aileu e Liquiça) btiveram uma cbertura de DPT-HepB3 inferir a 60%, e quatr ds 13 distrits (Manatut, Manufahi, Oecussi e Viqueque) alcançaram uma imunizaçã cm essa vacina superir a 80%. O índice de sucess de tratament da tuberculse, para grup registad em 2010, fi de 86%, cmparad cm a meta mundial de 85%. N an de 2010, a mrtalidade devida à Tuberculse apresentu uma ntificaçã de 47 em cada pessas. Cntinuáms: O Prgrama de Cperaçã entre s Gverns de Cuba e Timr-Leste para frmaçã de cerca de 1000 médics Timrenses, através d qual se iniciu prcess cmplex de integraçã ds cerca de 668 estudantes de medicina regressads de Cuba a Sistema Nacinal de Saúde, ds quais 30 já iniciaram a carreira médica em 2010, e 139 em Recrutáms e Frmáms: Prfissinais de saúde, incluind médics especialistas, técnics de labratóri e farmácia, parteiras, enfermeirs e utrs técnics especializads, send que em 2007 cntávams cm prfissinais de saúde e actualmente tems

96 Prtegend s mais Pbres e Vulneráveis Na prssecuçã da missã de desenvlviment nacinal, Gvern encara as plíticas de prtecçã scial cm uma priridade. À medida que tems vind a crescer ecnmicamente, tems que distribuir a riqueza pr aqueles que mais necessitam e prteger as famílias timrenses que ainda vivem n limiar da pbreza. Os prgramas de prtecçã scial implementads pel Ministéri da Slidariedade Scial têm sid fundamentais para alcançar estes bjectivs. Os prgramas sciais têm, nesta fase ainda inicial de cnstruçã d País, aliviad a pbreza extrema de um sectr frac da nssa ppulaçã e prtegid s mais vulneráveis. Têm também, ainda que de frma muit mdesta, cntribuíd para dinamizar a ecnmia, já que a apiar as redes familiares, estams a criar prtunidades de empreendrism que têm levad à abertura de pequens negócis pr td País. Pr utr lad, recnheciment e a valrizaçã de tds aqueles que lutaram pela liberdade e autdeterminaçã d Pv timrense, send que s antigs cmbatentes da libertaçã nacinal, suas famílias e filhs de mártires estã abrangids pr uma prtecçã especial que cntempla regime de atribuiçã de pensões, tribut, regime de atribuiçã da prestaçã pecuniária única, regime de atribuiçã de blsas de estud, sã uma brigaçã d Estad timrense. Aprváms: Pensões ds Cmbatentes e Mártires da Libertaçã Nacinal Distinçã cm valr de pensã a figuras preminentes na luta de libertaçã e independência de Timr-Leste Regime de Atribuiçã de Blsas de Estud as filhs ds Cmbatentes da Libertaçã Nacinal Cerimónias de desmbilizaçã e recnheciment ds Cmbatentes da Libertaçã Nacinal da Frente Armada Prestaçã Pecuniária Única para Cmbatentes e Familiares ds Mártires da Libertaçã Nacinal, a CLN cm 4 a 7 ans de participaçã na luta Assistência Médica n estrangeir Serviçs de Transprte Funerári

97 Subsídi de api cndicinal Blsa de Mãe Plítica Nacinal para a Deficiência Subsídi de api a idss e inválids Criaçã de um grup de trabalh para estud e cncepçã d Sistema de Segurança Scial Grandes pções para Sistema de Segurança Scial Estratégia Nacinal para a recuperaçã ds efeits da crise que instituiu prgrama Hamutuk Hari i Futuru Declaraçã de Díli, n âmbit da VIII reuniã ds Ministrs d Trabalh e ds Assunts Sciais da CPLP Plítica Nacinal de Gestã de Riscs de Desastres Estabelecems: Centrs Reginais em Ermera, Same e Manatut Atendiment gratuit ds Serviçs de Transprtes Funeráris e descentralizáms s prgramas para a alcaçã ds carrs funeráris as 13 distrits, incluind estabeleciment da rede de cmunicaçã de rádi em nível nacinal Centr de Operações de Transprtes funeráris para atendiment a públic durante 24 hras Departament de Paz e Cesã Scial Plítica de Prtecçã de Crianças de Risc e Abuss Sciais, envlvend tds s prblemas e assunts referentes à vilaçã de abuss sciais e prtecçã de menres Oficiais de Prtecçã de Labariks (crianças) e Animadres Sciais em tds s distrits Realizáms: Em 2007, Assistência humanitária as deslcads interns em 65 camps u centrs de deslcads em Díli e disperss em alguns distrits (cnsequência da crise de 2006). Em 2008, implementáms a Plitica Estratégica da Recuperaçã Nacinal para a reintegraçã ds deslcads em retrn às suas casas, habitações e distrits de rigem Em 2010, prgrama fi encerrad cm retrn ds deslcads as seus lares Api à Reinserçã Scial ds membrs das ex - F-FDTL (peticináris)

98 Implementáms: Dis regimes de segurança scial, u seja, regime nã cntributiv e regime cntributiv. O Decret-lei nº 19/2008 de 19 de Junh vem instituir Subsídi de Api a Idss e Inválids/SAII (regime nã cntributiv) visand garantir a subsistência e prtecçã scial ds cidadãs idss e inválids. A Lei 6/2012 de 29 de Fevereir vem aprvar Regime Transitóri de Segurança Scial/RTSS (regime cntributiv) na velhice, invalidez e mrte ds trabalhadres d Estad Prgramas de Assistência Scial para dar uma respsta as cidadãs/grups sciais que se encntram em situaçã de mair vulnerabilidade scial e u em situações de emergência scial/ desastres naturais u prvcads pela intervençã humana. O trabalh desenvlvid traduz-se na implementaçã de prgramas de assistência alimentar e/u em géners a pessas, grups vulneráveis e instituições; assistência humanitária e transprte funerári; assistência a pessas cm deficiência; Prgrama Uma Scial (2009); institucinalizaçã de prgrama Hari Paz e Ceshaun Scial Transferência de Renda Cndicinal Blsa de Mãe, cuj bjectiv principal cnsiste em assegurar a prtunidade/acess à educaçã e saúde pública para as crianças de famílias vulneráveis de frma a quebrar cm cicl intergeracinal da pbreza. O númer de beneficiáris deste iníci d prgrama até 2012 fi de pessas Plítica Nacinal para a Inclusã e Prmçã ds Direits das Pessas cm Deficiência para recnheciment d Estad e da sciedade civil na respnsabilidade de defesa ds direits das pessas cm deficiência Serviçs de Atendiment Scial realizads em 6 Centrs Reginais, através de uma rede de serviçs de atendiment scial a nível distrital e de subdistrit, pel que prcedeu à selecçã, recrutament e frmaçã de 65 animadres sciais e 13 ficiais de prtecçã de crianças e jvens. Pagament das pensões ds Cmbatentes da Libertaçã Nacinal, entre 2008 e 2012, da seguinte frma: Pensões para beneficiáris Pensões para beneficiáris Pensões para beneficiáris Pensões para beneficiáris 2012 Estimativa para pensões Institucinalizaçã d Cnselh Cnsultiv ds Cmbatentes enquant platafrma permanente de cnsulta na implementaçã de plíticas a favr ds Cmbatentes Desmbilizaçã de 236 membrs das FALINTIL Pesquisa sbre a História da Luta de Libertaçã Nacinal Cerimónias de cndecraçã ds Cmbatentes da Libertaçã Nacinal, tend já sid atribuídas, desde 2006 até à data, cndecrações (D. Baventura: 64; Niclau Lbat: ; Guerrilha: 398; FALINTIL: 6.643; Funu Nain: 7.275; D. Martinh: 5; e, Lric Aswain: 1.911)

99 Pagament de Tribut d Estad a CLN cm 15 u mais ans de participaçã na Frente Armada, a 277 veterans Atribuiçã de 266 Blsas de Estud as filhs ds Mártires e CLN Subsidi mensal de Api as Idss e Inválids, cm idade mínima de 60 ans e crescente, e as inválids cm idade mínima de 18 ans que demnstram incapacidade para trabalhar. Este prgrama já beneficiu pessas. Api a grups vulneráveis nmeadamente: Mulheres vítimas de abuss sexuais e vilência dméstica Reinserçã scial para viúvas, mães slteiras e mães chefes de família Orfanats e crianças em risc Prisineirs e ex-prisineirs Famílias de dentes e hspitalizads Cnstruíms: Cemitéri de Metinar Jardim ds Heróis de Metinar Armazéns e Edifícis ns Centrs reginais de Baucau e Oecusse Uma Scial em Díli, Aileu, Ainar, Manufahai, Ermera, Bbnar, Liquiça, Cvalima, Baucau, Manatut, Viqueque, Lautem e Oecusse Pst de carrs funeráris Nv edifíci d Ministéri da Slidariedade Scial (em desenvlviment) Habitações sciais Edifíci d Centr Familiar de aclhiment temprári de crianças em Maliana 20 Mnuments e 12 Ossuáris para s Heróis Nacinais, espalhads pel País

100 Fmentand a Cultura e Desprt Timr-Leste é uma Naçã jvem e sã s jvens s futurs líderes da Naçã. É crucial prprcinar-lhes prtunidades para cncretizarem seu ptencial. Prmver a cultura e desprt de frma a fmentar s valres da demcracia, cperaçã, diálg, tlerância e prprcinar-lhes bem-estar sempre fi a intençã d Gvern. A base desprtiva e cultural encraja e fmenta a diversidade e enriqueciment cultural e permite levar além-frnteiras a frte identidade nacinal que ns identifica a tds cm únics, cm timrenses. Aprváms: Plítica Nacinal da Juventude Resluçã d Gvern que cria Parlament Finsa e Nian (Parlament ds Jvens) Lei de Bases d Desprt Decret-Lei que cria a Cmissã Nacinal d Desprt Decret-Lei que aprva Regime Jurídic Aplicável à Cnfederaçã d Desprt de Timr-Leste Decret-Lei que regulamenta s Clubes Desprtivs e as Sciedades Desprtivas em Timr-Leste Lei das Artes Marciais Decret d Gvern que cnstitui a Cmissã Reguladra das Artes Marciais e aprva s seus Estatuts O Decret que estabelece funcinament, funções e cmpetências das subcmissões distritais da CRAM Plítica Nacinal para a Cultura Plan Estratégic para a Cultura Resluçã que cnfere Prtecçã a Patrimóni Cultural Resluçã d Gvern que aprva a criaçã da Academia de Artes e Indústrias Criativas Culturais de Timr-Leste Elabráms: Estatuts da Bibliteca Nacinal de Timr-Leste Nva Lei de Bases d Patrimóni Cultural Estatuts d Museu e Centr Cultural de Timr-Leste Desenvlvems: Prject da Bibliteca e Centr Cultural Prject da Academia de Artes e Indústrias Criativas Culturais Centrs Distritais de Cultura

101 Realizáms: Acções de Frmaçã e preparaçã ds materiais da Clecçã Nacinal que fram enviads em 2008 para a expsiçã internacinal n MAGNT, em Darwin, Austrália Acções de Frmaçã as funcináris ds váris departaments Cncert musical pr casiã das celebrações d Dia Nacinal da Juventude e d Massacre de Santa Cruz (12 de Nvembr de 1991), n Cemitéri de Santa Cruz Expsiçã da Clecçã Nacinal de Timr-Leste e Feira de Artesanat, n âmbit das cmemrações d Aniversári da Prclamaçã da 1ª Independência (28 de Nvembr de 1975), n Ginási de Díli Identificaçã e preparaçã de bjects etngráfics para prduçã de brchuras, psters e calendáris sbre temáticas culturais (em clabraçã cm a UNESCO) Acções de sensibilizaçã sbre museus para estudantes ds níveis esclares présecundári e secundári Expsiçã internacinal Husi Bei Ala Timr Sira Nia Liman em Darwin Grup de Trabalh e de uma Cmissã de Gestã da futura Bibliteca Nacinal de Timr-Leste Clóqui Internacinal intitulad Patrimóni e Cultura de Timr-Leste Expsiçã A Arte Rupestre de Timr-Leste, inaugurada n âmbit d Clóqui Internacinal Patrimóni e Cultura de Timr-Leste Escavações arquelógicas na aldeia de Dair, subdistrit de Maubara Curs de frmaçã para s funcináris d Departament de Biblitecas da DNC, ministrad pela ABITL; Aquisiçã de livrs para a clecçã da futura Bibliteca Nacinal de Timr-Leste, adquirids junt de instituições nacinais e internacinais; Expsiçã Clecçã Antulas, na Casa Eurpa Festival Nacinal da Cultura, ns jardins d Paláci Presidencial Niclau Lbat Levantaments de músicas, danças e actividades culturais em alguns distrits d país, em clabraçã cm Clégi de Artes de Queensland, da Universidade de Griffith, na Austrália Lançament d dcumentári Uma Lulik, realizad pr um cineasta timrense Cnferência Internacinal, Expsiçã de Design e Cncert para lançament da futura Academia de Artes e Indústrias Criativas Culturais de Timr-Leste, em Díli Acções de frmaçã sbre biblitecas Base de Dads d Patrimóni Cultural Frmaçã sbre levantaments d patrimóni cultural para s Chefes da Cultura ds distrits Acções de sensibilizaçã sbre a imprtância das pinturas rupestres existentes n distrit de Lautém Acções de frmaçã em liderança de rganizações de juventude e desprt, música, gestã rganizacinal, educaçã cívica e resluções de cnflit Frmaçã na área d desprt para 194 prfessres de educaçã física de 25 federações desprtivas de td territóri nacinal Frmaçã na área de música para 519 jvens ds 12 distrits Frmaçã na área de jrnalism para 135 de tds s distrits Distribuiçã de instruments musicais em td territóri nacinal Cmemraçã d Dia Nacinal da Juventude a nível ds sucs, subdistrits e distrits 13 Prgramas de rádi sbre a participaçã ds jvens n prcess de desenvlviment cmunitári Distribuiçã de equipaments de desprt nas esclas, cmunidades e instituições d Gvern Apiáms: Organizaçã d Festival de Artes Tradicinais, em Díli Grups e diverss tips de actividades e prgramas culturais ns distrits, incluind a aquisiçã de instruments musicais tradicinais e mderns

102 IV Expsiçã Internacinal de Arte para Crianças, sb lema Um Mund em Harmnia e Transmitir Amr A Caminh de 2008, na China Cncurs internacinal de ftgrafia rganizad pel Centr Cultural para a Ásia- Pacífic da UNESCO Festa Enikki das Crianças da Ásia da Mitsubishi, n Japã Prject apresentad pel IICT, em Prtugal, intitulad Cnheciment e Recnheciment em espaçs de influência prtuguesa: regists, expedições científicas, saberes tradicinais e bidiversidade na África Subsariana e Insulíndia DOCTV CPLP, um cncurs internacinal de dcumentáris para jvens cineastas da CPLP Festival da Cançã em Prtuguês, em Díli Semana das Artes e d Desprt, celebrand Dia Mundial da Criança Mês Cultural d Brasil em Timr-Leste Pavilhã de Timr-Leste na Exp Shanghai 2010 e Dia Nacinal de Timr-Leste na Exp 1º Clóqui de Línguas Nacinais de Timr-Leste Festival Ramelau Participaçã de dis artistas timrenses na VI Bienal de Arte e Cultura de Sã Tmé e Príncipe Frmaçã sbre Hin Nacinal de Timr-Leste, tend sid prduzids 1000 DVDs cm Hin e utras músicas histricamente relevantes de Timr-Leste, distribuíds pr esclas, instituições d Gvern e ONGs 2º Clóqui de Línguas Nacinais de Timr-Leste, em Díli Cnselh Nacinal da Juventude Prgrama Atletas de Elite para seleccinar s atletas para as cmpetições internacinais Intercâmbi de jvens ds 13 distrits num ttal de 949 jvens 4 Jvens para realizar s estuds na área d desprt, em Cuba Festival nacinal de desprt, desprt esclar e cmunitári (jgs esclares, tradicinais, cmunitáris) em td territóri nacinal Participáms: Segunda Semana de Incentiv à Leitura, sb lema Prtuguês e Tétum: Minhas Línguas, Minha Pátria Feira d Livr Festival da Lusfnia de Macau, que juntu participantes ds países da CPLP e da regiã d Sudeste Asiátic Segunda Semana Cultural da CPLP Cnferência Internacinal Sbre Futur da Língua Prtuguesa n Sistema Mundial, rganizada pela CPLP n Brasil Patrimóni Imaterial Sem Frnteiras: Salvaguarda através de Cperaçã Internacinal, em Bangkk Reuniã das Autridades Cinematgráficas da CPLP II Encntr Internacinal sbre Patrimóni Mundial de Origem Prtuguesa, em Prtugal Semana Cultural da China e ds Países de Língua Prtuguesa, que decrreu em Macau Festival cultural Timrnesia, um event rganizad anualmente entre a RDTL e a República da Indnésia, em Atambua Timr-Sea Cup, em Darwin Arafura Games, em Darwin Sea Games (2009, 2011), na Indnésia e Cambja Wrld Summer Special Olympic Games, em Atenas Jrnada Mundial da Juventude em Madrid Cnquistáms: 1º Lugar n Timr-Sea Cup 2 Medalhas de ur, 1 de prata e 11 de brnze ns Arafura Games 1 Medalha de ur, 1 de prata e 4 de brnze ns Sea Games

103 3 Medalhas de ur ns Wrld Summer Special Olympic Games Reabilitáms: Sala da Clecçã Nacinal 4 Casas Sagradas ns distrits de Lspals, Ainar, Bbnar e Oe-cusse Edifíci da SEJD juntamente cm jardim, camp de futebl salã, basquetebl, vleibl Ginási GMT e Estádi Municipal de Díli para apiar a prática de futebl, atletism, vleibl, badmingtn e artes marciais 4 Centrs de Juventude em Bbnar, Ermera, Manufahi e Oe-cusse Cnstruíms: 58 Camps de vleibl e basquetebl em 58 esclas secundárias a nível nacinal Implementáms: Curs de Bacharelat em Educaçã Física e Desprt, que beneficia a mais de 70 estudantes Parlament Finsa e Nian cnstituíd pr 130 membrs, riunds ds 65 subdistrits Cmissã Reguladra de Artes Marciais e regist ficial das respectivas rganizações Inauguráms: 3 Centrs d Centr de Treinament de Futebl Juvenil (CTFJ) em Díli, Lspals e Maliana, nde cerca de 700 crianças, cm idades entre s 9 e s 15 ans, estã a receber trein e frmaçã pr uma equipa cmpsta pr 6 treinadres timrenses Publicáms: Estátuas de Timr-Leste. Catálg das estátuas da Clecçã Nacinal de Timr- Leste, publicad cm api da UNESCO (tétum, prtuguês e inglês) As Prtas da Clecçã Nacinal. Catálg das prtas de Casas Sagradas da Clecçã Nacinal de Timr-Leste (tétum, prtuguês e inglês) Guia de Gestã da Bibliteca Esclar. Manual para prfessres e respnsáveis de biblitecas esclares (tétum e prtuguês) Pintura Sira iha Fatuk Lln Arte Rupestre Rck Art Timr-Leste (Brchura de acmpanhament da expsiçã cm mesm nme, patente na Casa Eurpa, Dili, entre 14 e de 30 Març. Ediçã em tétum, prtuguês e inglês) Pátria. Hin Nacinal da República Demcrática de Timr-Leste (DVD)

104 Planear Futur: O Plan Estratégic de Desenvlviment Em Julh de 2011 Parlament Nacinal aprvu Plan de Desenvlviment Estratégic de Timr-Leste para 2011 a Este Plan fi submetid a um prcess de cnsulta pública, durante cinc meses, através ds 65 subdistrits d País. Estabelece que precisa ser feit para cncretizar a visã clectiva d Pv Timrense, n sentid de alcançar uma Naçã pacífica e próspera em O Plan indica um caminh para transfrmar Timr-Leste numa Naçã cm uma ppulaçã instruída e qualificada, cm cuidads universais de saúde, bas infraestruturas, um sectr privad frte, uma ecnmia diversificada e uma sciedade próspera, cm rendiments, alimentaçã e aljament adequads para tds s cidadãs. O Plan identifica e avalia priridades e frnece um guia para a implementaçã de estratégias e acções recmendadas a curt praz (um a cinc ans), a médi praz (cinc a dez ans) e a lng praz (dez a vinte ans). As principais iniciativas n PED para garantir nss futur incluem: Desenvlviment d Capital Scial Educaçã: Melhria da qualidade e da equidade da educaçã em prl de resultads de aprendizagem recnhecids e mensuráveis Um currícul esclar pré-primári a nível nacinal, prgramas de frmaçã de prfessres e guias de aprendizagem aprvads Um sistema nacinal de frmaçã vcacinal Alargament da UNTL para sete faculdades Saúde: Desenvlviment de serviçs de saúde abrangentes e de qualidade elevada para tdas as famílias timrenses através de investiment na prestaçã de serviçs de saúde, recurss humans para a saúde e infraestruturas de saúde Vacinaçã de crianças cntra a plimielite, saramp, tuberculse, difteria e hepatite B Prvisã de parteiras u prfissinais de saúde cmunitária em aldeias remtas Serviçs de cuidads cardíacs, renais e de saúde paliativa n Hspital Nacinal

105 Inclusã Scial: Um pacte de rede de segurança scial para apiar s nsss cidadãs mais vulneráveis e garantir que estes atingem seu ptencial Um sistema universal e cntributiv de segurança scial para atribuir uma pensã a cada trabalhadr timrense Um prgrama abrangente de assistência estatal a veterans Currículs cm atençã à questã ds géners em tds s níveis d sistema de educaçã Ambiente: Um Fund para Jvens cm vista a apiar prjets destinads as jvens e a seu desenvlviment Plantaçã de um milhã de árvres a nível nacinal tds s ans Nrmas sbre pluiçã aérea, snra e ds sls, bem cm nrmas sbre emissões de veículs Renvaçã da ligaçã frte entre s timrenses e ambiente pr via da implementaçã de prgramas cm intuit de melhrar a saúde das nssas flrestas, ris, vida marítima e vida animal Cultura e patrimóni: Desenvlviment de um Museu e Centr Cultural de Timr-Leste, uma Bibliteca Nacinal e Arquivs de Timr-Leste, Centrs Culturais Reginais em tds s 13 distrits e uma Academia Nacinal de Artes e Indústrias Criativas Desenvlviment de práticas culturais antigas e nvas tais cm tecelagem, entalhe, desenh e pintura, música, representaçã e narraçã de histórias em indústrias criativas capazes de geram rendiments, empreg e exprtações Desenvlviment de Infra-Estruturas Estradas e pntes: Um prgrama abrangente de manutençã rdviária para reabilitar tdas as estradas existentes Cnstruçã de nvas pntes para prestar acess nas principais rtas em tdas as cndições atmsféricas Cnstruçã da infra-estrutura rdviária necessária para apiar desenvlviment da csta sul Estabeleciment de uma estrada à vlta de Timr-Leste até 2030 Água e saneament: Cnstruçã de um sistema de reclha de resídus em Díli, garantind água canalizada segura 24 hras pr dia a famílias ns 12 centrs de distrit e instaland sistemas de água e latrinas cmunitárias em áreas rurais, cm parte d Prgrama de Abasteciment de Água e Saneament Rural

106 Melhria das instalações de saneament em áreas urbanas de distrit Melhria d funcinament e da manutençã ds sistemas de esgts em Díli e em tds s distrits Electricidade: Tds s cidadãs de Timr-Leste cm eletricidade fiável 24 hras pr dia, através de investiment em nvas centrais elétricas e da melhria ds sistemas de transmissã e distribuiçã, juntamente cm a expansã rápida de sistemas de energia renvável Prts, aerprts e telecmunicações: Nvs prts marítims em Tibar na csta nrte e em Suai na csta sul, de md a apiar a nssa ecnmia crescente e a dar respsta às necessidades futuras da indústria e em terms de fretes Alargament d Aerprt Internacinal Presidente Niclau Lbat em Díli e cnstruçã e reabilitaçã de pistas para estabelecer capacidade de aviaçã ns distrits Melhria acentuada d acess a serviçs de telecmunicações acessíveis, fiáveis e mderns, pr via da abertura d nss mercad de telecmunicações à cncrrência, d estabeleciment de um nv órgã reguladr independente e da intrduçã de uma Plítica de Serviç Universal Desenvlviment Ecnómic Desenvlviment rural: Prmçã d cresciment d sectr privad em áreas rurais através d encrajament de micr e pequenas empresas e da intrduçã de um Quadr Nacinal de Planeament para identificar e apiar prtunidades a nível de desenvlviment rural Cnstruçã de nvas habitações para ajudar famílias espalhadas pel país, segund Prgrama ds Objetivs de Desenvlviment d Miléni destinad as Sucs Api a cperativas na cnduçã de atividades d sectr privad em diversas áreas, incluind plantações de bambu, criaçã de galinhas, pescas e tecelagem Agricultura: Melhria das nssas práticas agríclas para dinamizar a prduçã de arrz e milh e para cncretizar a nssa meta primária de segurança alimentar até 2020, assim cm para apiar cresciment de utras clheitas fundamentais cm sejam café, baunilha, nz mlucana e óle de palma Garantia de água para a agricultura através de investiment em infraestruturas de irrigaçã e barragens Api a actividades de aquacultura e a cresciment d setr das pescas

107 Petróle: Estabeleciment de uma Cmpanhia Nacinal de Petróle, desenvlviment d prjet d Tasi Mane na csta sul e dtaçã d nss pv cm as qualificações e experiência necessárias para liderar e gerir desenvlviment da nssa indústria petrlífera Cntinuaçã d nss cmprmiss em terms de transparência relativamente às receitas d setr petrlífer Turism: Psicinament de Timr-Leste para ferecer uma gama de experiências turísticas que aprveitem a nssa beleza natural, cultura e patrimóni, permitind a Timr- Leste diferenciar-se de utras atrações turísticas internacinais e apeland a crescente segment d mercad de lux que prcura experiências e lcais únics e requintads Estabeleciment de um centr de frmaçã em turism e htelaria em Díli Investiment d sectr privad: Aprvaçã de um Códig Civil para apiar cumpriment de cntrats; de uma Lei de Terras para dar segurança em terms de psse e de desenvlviments; e de uma Lei Labral para definir de frma clara s direits e brigações legais de empregadres e empregads Intrduçã de prcesss eficientes para regist e licenciament de empresas Implementaçã de um cnjunt especial de leis e nrmas empresariais em Znas Ecnómicas Especiais Desenvlviment d Quadr Institucinal Segurança, Defesa e Negócis Estrangeirs: Implementaçã de uma refrma a sectr da segurança para pssibilitar melhr prevençã e investigaçã de crimes, segurança pública e cntrl frnteiriç Estabeleciment de uma Unidade de Tráfeg e Segurança Rdviária prfissinal para garantir a segurança das nssas estradas e cumpriment das leis rdviárias Implementaçã de um quadr legal para estabelecer cntrl demcrátic das F-FDTL Definiçã clara ds papéis e das respnsabilidades das F-FDTL e da PNTL, de md a assegurar crdenaçã e cperaçã mais próximas Adesã plena à ASEAN

108 Justiça: Prvisã de serviçs d sectr de justiça em tds s distrits para que tds s cidadãs timrenses pssam ter acess a serviçs legais efectivs e eficientes Criaçã de um órgã autónm e independente para gerir cadastr de terrens e de bens imóveis d Estad, bem cm para implementar legislaçã que reja prpriedades e us de terrens em Timr-Leste Regulaçã d direit cnsuetudinári e ds mecanisms de justiça cmunitária para garantir a cnfrmidade cm s direits humans Gestã d Sectr Públic e Ba Gvernaçã: Instituiçã de um sistema abrangente e de uma cultura de gestã de desempenh através da funçã pública de Timr-Leste Intrduçã de um Códig de Cnduta para Membrs d Gvern e de legislaçã para prteger quem denuncie irregularidades Gestã de prgramas e prjets gvernamentais grandes e cmplexs através da Plítica Ecnómica e da Agência de Investiments

109

110

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP A Cperaçã para a Saúde n Espaç da CPLP Ainda antes da I Reuniã de Ministrs da Saúde da CPLP, realizada em Abril de 2008, em Cab Verde, fram adptads s seguintes instruments que, n quadr da saúde, pretenderam

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Març 2015 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT MORADA Estrada de Benfica, nº 372 - Lisba Tel./Fax. 217780073 Email funda_champagnat@maristascmpstela.rg Índice I. Intrduçã.1

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado PROGRAMAS/PROJECTOS Prgrama /Prject Objectiv Resultad Indicadr de 1. Prgrama - Inserçã de Jvens na Vida Activa em particular s Candidats a Primeir Empreg Prmçã da inserçã de jvens n mercad de trabalh e

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2013

PLANO DE ACTIVIDADES 2013 PLANO DE ACTIVIDADES 2013 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Desafi Estratégic 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

III Jornadas de Cooperação no Sector de Saúde em Moçambique. Planificação no Sector da Saude em Moçambique

III Jornadas de Cooperação no Sector de Saúde em Moçambique. Planificação no Sector da Saude em Moçambique III Jrnadas de Cperaçã n Sectr de Saúde em Mçambique Planificaçã n Sectr da Saude em Mçambique Maput, Març de 2013 INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO # Jrnadas de Cperaçã d Sectr da Saúde cnstituem um event anual:

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

As eleições europeias

As eleições europeias As eleições eurpeias Significads e implicações para futur da Eurpa Priridades para Futur da Eurpa Partid Ppular Eurpeu [PPE] Criar prsperidade para tds Criar nvs empregs (priridade central) refrma e investiment

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Plano de Formação 2012

Plano de Formação 2012 1 INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, IP DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALGARVE Plan de Frmaçã 2012 Centr de Empreg e Frmaçã Prfissinal de Prtimã 2 APRENDIZAGEM nível IV SAÍDA PROFISSIONAL INICIO FINAL

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS 6/16/2005 HSM/SSIT-07062005/CA Carls Ferreira Hspital de Santa Maria Serviç de Sistemas de Infrmaçã e Telecmunicações Av. Prf. Egas Mniz 1649-035 Lisba Tel.: (+351) 217805327

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes: DOC. CA/N/15/08 PROGRAMA OPERACIONAL ALENTEJO EIXO 2 DESENVOLVIMENTO URBANO E EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL INSTRUMENTO: MOBILIDADE TERRITORIAL O presente dcument suprta a apreciaçã d

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Enquadrament 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3. Frmaçā

Leia mais

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2011 Autrizações: ACT nº 697 07 1 01 11 DGS nº 065/2011 easymed Av. Clumban Brdal Pinheir, nº61c, 1º - Esc. 13 Tel: +351 21 301 01 00 1070-061 LISBOA

Leia mais

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos As ferramentas SIG na análise e planeament da inclusã Jã Pereira Sants 1 Agenda Apresentaçã Intergraph Evluçã SIGs Prjects SIGs Exempls Questões 2 Apresentaçã Intergraph Fundada em 1969, cm nme de M&S

Leia mais

Situação Atual da EFTP no Afeganistão

Situação Atual da EFTP no Afeganistão Data: 8 de mai de 2015 Situaçã Atual da EFTP n Afeganistã Dr. Enayatullah Mayel Diretr Executiv d Prgrama Prgrama Nacinal de Desenvlviment de Cmpetências Ministéri d Trabalh, Assunts Sciais, Mártires e

Leia mais

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2009 easymed Rua Jrge Barradas, nº 34 Lj 4/5 Tel: +351 21 301 01 00 1400-319 LISBOA Fax: +351 21 301 11 16 PORTUGAL http://www.easymed.pt A Easymed A

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

Estratégias de Conservação da Biodiversidade

Estratégias de Conservação da Biodiversidade Estratégias de Cnservaçã da Bidiversidade Estratégia Glbal De entre tds esses prcesss internacinais desenvlvids será de destacar decrrid após a Cnferência de Estclm, de 1972, que daria lugar à criaçã d

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Carla Cristina Martins Pica

Carla Cristina Martins Pica Carla Cristina Martins Pica Telemóvel: 91 712 29 69 Crrei electrónic: carla.pica@marinha.pt u carlapica@me.cm Habilitações Literárias e Académicas Mestre em Ciências Jurídic-Plíticas, pela Faculdade de

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prjects Individuais e de Cperaçã Avis nº 7/SI/2011 Prmçã da cmpetitividade das empresas através d aument da prdutividade, da flexibilidade e

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL AEPSA Audiçã sbre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL 13 de Març de 2013 AGENDA 1. Apresentaçã da AEPSA a) A AEPSA em Prtugal b) Estratégia

Leia mais

CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO

CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO Intrduçã Os prjects sciais nascem d desej de transfrmar uma determinada realidade. O prject deve sempre cnter um cnjunt de acções planeadas e articuladas,

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social Capítul 17 Sistema de Gestã Ambiental e Scial e Plan de Gestã Ambiental e Scial ÍNDICE 17 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL E PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL 17-1 17.1 INTRODUÇÃO 17-1 17.2 VISÃO

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

FÓRUM ECONÓMICO PORTUGAL - CHINA

FÓRUM ECONÓMICO PORTUGAL - CHINA PORTUGAL - CHINA 一 届 中 国 葡 萄 牙 商 务 论 坛 UMA PARCERIA PARA O FUTURO 锻 造 未 来 合 作 CONFERÊNCIAS DE NEGÓCIOS FEIRA DE COMÉRCIO E INVESTIMENTO III GALA : PRÉMIOS DE MÉRITO EMPRESARIAL 商 务 会 议 投 资 与 贸 易 会 务 三

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Resultados Consolidados 1º Semestre de 2015

Resultados Consolidados 1º Semestre de 2015 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs sb númer únic de matrícula e de pessa clectiva 503 219 886 COMUNICADO Resultads

Leia mais

Rio + 20 O papel das cidades a 20 anos da Cúpula da Terra do Rio de Janeiro

Rio + 20 O papel das cidades a 20 anos da Cúpula da Terra do Rio de Janeiro Ri + 20 O papel das cidades a 20 ans da Cúpula da Terra d Ri de Janeir DOCUMENTO DE COLABORAÇÃO DE MERCOCIDADES "O Desenvlviment Sustentável é aquele que satisfaz as necessidades atuais sem pôr em perig

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING)

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui FUNCHAL CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) ÂMBITO A atividade de venda autmática deve bedecer à legislaçã aplicável à venda

Leia mais

DE LÉS-A-LÉS, PELA CIDADANIA GLOBAL COM A EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

DE LÉS-A-LÉS, PELA CIDADANIA GLOBAL COM A EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE LÉS-A-LÉS, PELA CIDADANIA GLOBAL COM A EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO 1. INTRODUÇÃO, OU COMO SURGE A ED O cnceit de Educaçã para Desenvlviment surge n cntext ds prcesss de desclnizaçã d pós-guerra

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105)

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Prject de Dinamizaçã ds Sistemas de Prduçã Pecuáris ns Sectres de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (cntrat DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Terms de referência para a selecçã de um Perit para a realizaçã d Estud:

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES Tribunal de Cntas da Uniã Marcel Pachec ds Guaranys Brasília, 22.11.2011 ROTEIRO Dads d setr Infraestrutura aeprtuária: desafis Definiçã da mdalidade

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução... 3. 2. Objectivos... 3. 3. Metodologia... 4. 3.1 Estudo de Painel... 4. 3.2. Definição e selecção da amostra...

ÍNDICE. 1. Introdução... 3. 2. Objectivos... 3. 3. Metodologia... 4. 3.1 Estudo de Painel... 4. 3.2. Definição e selecção da amostra... BARÓMETRO * * * * Observatóri de Luta Cntra a Pbreza na Cidade de Lisba REAPN Rede Eurpeia Anti-Pbreza / Prtugal Núcle Distrital de Lisba Rua Seir Pereira Gmes, n.º 7 Apartament 311 1600-196 Lisba Tel:

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS O Prgrama Ciência sem Frnteiras, lançad n dia 26 de julh de 2011, é um prgrama d Gvern Federal que busca prmver a cnslidaçã, a expansã e a internacinalizaçã

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

Governação Corporativa e Mercado de Capitais

Governação Corporativa e Mercado de Capitais Gvernaçã Crprativa e Mercad de Capitais A Realidade Anglana Luanda, 4 de Dezembr de 2014 Cnferência da ABANC Assciaçã Anglana de Bancs Gvernaçã Crprativa A Realidade Anglana A Gvernaçã Crprativa diz respeit

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

CHIPRE Unido na Diversidade A UNIÃO EUROPEIA E OS DESAFIOS DO SÉCULO XX

CHIPRE Unido na Diversidade A UNIÃO EUROPEIA E OS DESAFIOS DO SÉCULO XX CHIPRE Unid na Diversidade A UNIÃO EUROPEIA E OS DESAFIOS DO SÉCULO XX CHIPRE Um país, duas bandeiras CHIPRE Um país dividid CHIPRE- Um país dividid REPUBLICA DE CHIPRE Capital: Nicósia Territóri: 5.895

Leia mais

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Intrduçã A Faculdade Santa Marcelina é recnhecida nacinalmente pel seu pineirism pr lançar a primeira graduaçã de mda

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Enquadramento do PDM no Sistema de Gestão Territorial Nacional

Enquadramento do PDM no Sistema de Gestão Territorial Nacional Plan 1- prcess 2-territóri e plan 3- cidadania Gabinete de Planeament e Urbanism AGENDA PARA O PLANEAMENTO PARTICIPATIVO PROGRAMA1: informar para a CIDADANIA Planeament Enquadrament d PDM n Sistema de

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MAIO 2009 2 RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA, EPE Prject encmendad pela Títul: Autres: Ediçã: Mnitrizaçã da satisfaçã

Leia mais

Global Knowledge Portugal

Global Knowledge Portugal Glbal Knwledge Prtugal Quem é a Glbal Knwledge? A Glbal Knwledge é a empresa líder a nível mundial em frmaçã IT & Business Skills Adaptam-ns às necessidades ds nsss clientes ministrams curriculum cmplet

Leia mais

Ministério da Educação. Gabinete de Avaliação Educacional PLANO DE ACTIVIDADES. Janeiro 2011

Ministério da Educação. Gabinete de Avaliação Educacional PLANO DE ACTIVIDADES. Janeiro 2011 Ministéri da Educaçã Gabinete de Avaliaçã Educacinal PLANO DE ACTIVIDADES 2011 Janeir 2011 ÍNDICE Pág. 1. NOTA INTRODUTÓRIA 3 2. OBJECTIVOS 4 3. PROJECTOS E ACTIVIDADES 6 3.1. Elabraçã de instruments de

Leia mais

Turismo Sénior. Outono / Inverno 2011-12. Benalmadena Benidorm Maiorca

Turismo Sénior. Outono / Inverno 2011-12. Benalmadena Benidorm Maiorca Turism Sénir Outn / Invern 2011-12 Benalmadena Benidrm Mairca Entidades envlvidas Oriznia é descbrir e desfrutar. É fazer cm a cnfiança que smente uma rganizaçã líder n sectr turístic ibéric pde ferecer.

Leia mais

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF)

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) Wrkshp Nva Legislaçã que regula a aplicaçã de Prduts Fitfarmacêutics (PF) Quinta d Vallad, Vilarinh ds Freires Branca Teixeira 23 de mai de 2013 Nva Legislaçã Lei nº26/2013 de 11 de abril Regula as actividades

Leia mais

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual Manual O que é capital de risc Índice Intrduçã Pass 1 - Cnhecer s cnceits-base Pass 2 - Cnhecer as frmas de atuaçã Pass 3 - Elabrar um plan de negócis Pass 4 - Apresentar plan de negócis a ptenciais SCR

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

Emenda às Regras Gerais 2012

Emenda às Regras Gerais 2012 Emenda às Regras Gerais 2012 Intrduçã Tds s dcuments estatutáris requerem revisã e atualizaçã casinal. A última emenda às Regras Gerais das Olimpíadas Especiais ( Special Olympics ) fi feita em 2004, cm

Leia mais

Programa de Rádio. Ritmo Económico. Angola!Open!Policy!Initiative

Programa de Rádio. Ritmo Económico. Angola!Open!Policy!Initiative Prgrama de Rádi Ritm Ecnómic AnglaOpenPlicyInitiative 1 Rádi: Kairós da Igreja Metdista de Angla Nme d Prgrama: Ritm Ecnómic Géner: Talk shw Educativ Data da primeira ediçã: (pr definir) Apresentadres:

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais