RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE NASCENTES: IMPLEMENTANDO AÇÕES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE NASCENTES: IMPLEMENTANDO AÇÕES"

Transcrição

1 RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE NASCENTES: IMPLEMENTANDO AÇÕES PRÁTICAS E DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA AGRICULTORES DA BACIA DO RIO TURVO SUJO EM COIMBRA/ MG Adriane Oliveira Santos Barbosa (1) Pós-graduanda em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis pela Universidade Federal de Lavras; Pós Graduada em psicopedagogia Pela Faculdade Evata Vale do Piranga. Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Viçosa. Atualmente coordena os Projetos de Trabalho Técnico Social em Educação Ambiental do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Viçosa-MG. Endereço (1) : Rua R nº 50, Santo Antônio, CEP: Viçosa/MG-Brasil. Contato (31) RESUMO Idealizado pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Viçosa (SAAE - Viçosa, MG), com o apoio financeiro da Caixa Econômica Federal, este projeto tem como proposta revitalizar as microbacias do São Lourenço, Moinhos e Latão, localizadas na cabeceira de afluentes do Rio Turvo Sujo, cabeceira do Rio Doce. As ações são realizadas de forma participativa e integrada e envolvendo os produtores rurais locais. O Projeto de Trabalho de Campo (PTC) visa desenvolver atividades de reflorestamento, recuperação/vegetação de solo degradado, construção de cercas, construção de caixas e barraginhas para captação de enxurradas, implantação de bebedouros, aquisição de equipamentos meteorológicos para monitoramento de infiltrações e vazões. Tais ações são desenvolvidas com o intuito de melhorar a qualidade e a quantidade de água, através de incentivos á adoção de práticas que promovam o melhoramento das questões ambientais das propriedades. Já o Projeto de Trabalho Técnico Social (PTTS) são ações de extrema importância para incentivar e capacitar os produtores a para dar continuidade e manutenção às práticas do PTC. As ações estão sendo desenvolvidas por meio da metodologia participativa por considerar que essa prática possibilita a participação dos sujeitos na elaboração conjunto dos conhecimentos. Os resultados já alcançados são as melhorias ambientais nas propriedades e a conscientização dos produtores e consumidores de água da importância da gestão integrada de bacias hidrográficas. ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1

2 PALAVRA-CHAVE: Micro Bacias; Educação Ambiental; Nascentes; Matas Ciliares. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS A água é um dos assuntos de maior interesse e preocupação em todo o mundo, sendo o recurso mais importante de uma bacia hidrográfica. Como toda comunidade está dentro de uma bacia hidrográfica, todos os fatores (recursos, acontecimentos, cultura, etc.), relacionados com as águas, afetam a vida das pessoas que convivem na respectiva bacia. Segundo Scolforo e Oliveira (2005), todas as populações estão sujeitas aos efeitos do comportamento das águas, seja por escassez, ou por excesso, desde o ponto mais geográfico alto ao mais baixo das comunidades rurais e urbanas. Isso tem nos levado a diversas indagações: Como resolver ou reduzir os problemas relativos à água e aos fatores a ela associados, transformando-os em oportunidades, soluções e benefícios em favor das pessoas de cada comunidade envolvida? Buscando soluções adequadas para reduzir os problemas relativos à água para o abastecimento da população viçosense, o Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Viçosa (SAAE de Viçosa-MG), com o apoio financeiro da Caixa Econômica Federal, esta desenvolvendo o Projeto Recuperação de matas ciliares protetoras de nascentes e cursos d água da bacia hidrográfica do rio Turvo Sujo cabeceiras do Rio Doce, Viçosa MG. As atividades do projeto iniciaram em primeiro de novembro de 2013 com previsão de término em novembro de 2015, envolvendo 28 propriedades rual localizadas nas comuindades do Latão, São Lourenço e Moinhos. O referido Projeto contempla atividades de reflorestamento, recuperação/vegetação de solo degradado, construção de cercas, construção de caixas e barraginhas para captação de enxurradas, implantação de bebedouros, aquisição de equipamentos meteorológicos e para monitoramento de infiltrações e vazões. Além das atividades de trabalho de campo também é realizado o Projeto de Trabalho Técnico Social que desenvolve eventos voltados para a capacitação e educação ambiental como cursos, oficinas, palestras, entre outros, cujas ações são de extrema importância para a capacitação dos produtores estarem preparados para dar continuidade às ações ambientais desenvolvidas nas propriedades, fazendo parte dessa iniciativa, capacitar e treinar os produtores rurais em ações de educação ambiental. Esse projeto tem como objetivo Geral a revitalização de três microbacias hidrográficas de cabeceira de afluentes do Rio Turvo Sujo, de forma participativa e integrada, idealizado pelo SAAE e com o apoio financeiro da Caixa Econômica Federal, com envolvimento efetivo dos produtores rurais locais e o apoio da Prefeitura Municipal de Coimbra, MG. Já os objetivos específicos visam assegurar que as famílias das comunidades beneficiadas pelo Projeto de Trabalho de Campo se comprometam, de forma sustentável, com a efetivação e ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 2

3 consolidação das ações implantadas com manutenções adequadas; visando o aumento de produção de água nos dois mananciais durante os períodos de seca e melhor qualidade ao longo de todo o ano; capacitar os produtores para a difusão de tecnologias relacionadas com as atividades (metas) implantadas e capacitação ambiental para os envolvidos no processo demonstrando às comunidades os benefícios que as ações práticas do projeto (mecânicas e vegetativas), proporcionarão na área ambiental, sanitária e de saúde pública. O Rio Turvo Sujo é um importante manancial para o abastecimento de água na cidade de viçosa, o que justifica as ações implantadas pelo SAAE nas microbacias do município de Coimbra. Em suma, as ações do projeto permitem avaliar em campo, resultados de modelos de práticas integradas de recuperação e conservação de solo, aumentando a perenidade do reservatório de água, visando melhoria de vida e de renda das comunidades rurais, bem como garantir o abastecimento de água nas propriedades rurais e na cidade. Outro ponto importante para o projeto é promover e divulgar as práticas conservacionistas. METODOLOGIA A escolha metodológica para o desenvolvimento desta pesquisa é por uma abordagem qualitativoquantitativa, apresentada por Lüdke e André (1986), que analisando as ideias de Bogdan e Biklen, elencam as características desse tipo de estudo, segundo estes autores: A pesquisa qualitativa tem o ambiente natural como sua fonte direta de dados e o pesquisador como seu instrumento; Os dados coletados são predominantemente descritos; a preocupação com o processo é muito maior do que com o produto; o significado que as pessoas dão às coisas e a sua vida são focos de atenção especial pelo pesquisador e a análise dos dados tende a seguir um processo indutivo (LÜDKE e ANDRÉ, 1986, p. 11). Nesta modalidade de pesquisa acontece o contato direto do pesquisador com o ambiente em investigação. No processo de investigação de caráter qualitativo o pesquisador deve estar atento ao processo dos acontecimentos, valorizando a perspectiva dos sujeitos participantes, considerando os diferentes pontos de vista. Por considerar a Educação Ambiental em uma perspectiva crítica, de transformação, emancipação, processo coletivo, dinâmico, complexo e contínuo de conscientização e participação social (TOZONI-REIS, 2005, p.271), utilizará o método da pesquisa-açãoparticipativa. ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 3

4 A Pesquisa-ação-participativa promove a valorização de experiência e a incorporação de novos conceitos e comportamentos. Para Cano apud Marconi e Lakatos (2003) por ser mais que uma atividade investigativa, é um processo eminentemente educativo de auto formatação e autoconhecimento da realidade na qual a pessoa, que pertence à comunidade ou ao grupo, sobre os quais recai o estudo, tenha uma participação direta na produção do conhecimento sobre a realidade. Neste processo metodológico de pesquisa qualitativa há uma articulação entre produção de conhecimentos e solução de problemas. Segundo Tozoni-Reis (2005), a investigação caracterizada como pesquisa-ação-participativa coloca a ciência a serviço da emancipação social, realizando a articulação entre teoria e prática. Nesta perspectiva de investigação na educação ambiental os saberes produzidos são compartilhados. Em consonância com estes princípios os programas operacionalizados pela Caixa Econômica Federal, a participação da comunidade é entendida como um processo pedagógico de construção da cidadania, um direito do cidadão; e para assegurar que a sociedade, em especial, as famílias diretamente beneficiadas sejam envolvidas e ouvidas, é desenvolvido o Trabalho Técnico Social (COTS, 2012). O Trabalho Técnico Social é o conjunto de ações que visam promover a autonomia e o protagonismo social, por meio da participação dos beneficiários nos processos de decisão, implantação e manutenção dos bens/serviços, adequando-os às necessidades e à realidade dos grupos sociais atendidos, além de incentivar a gestão participativa para a sustentabilidade do empreendimento (COTS, 2012). Para estabelecer uma relação de comunicação eficaz e de fácil linguagem, entre todas as partes (proponente, parceiros e beneficiários), aplicou-se um questionário no início da implantação do Projeto de trabalho Técnico Social, envolvendo os moradores das microbacias, visando colher dados sobre a realidade local e o que os mesmos esperavam com a implantação do PTC. No final das atividades do projeto será aplicado novamente um segundo questionário que envolverá a participação de todos os envolvidos, incluído as pessoas que atuaram nos projetos (PTTS e PTC), com o intuito de levantar dados de satisfação sobre as práticas vegetativas e mecânicas e as atividades do PTTS alcançaram os objetivos propostos, ou seja, possibilitar que os envolvidos expressem suas conclusões sobre as ações em relação às expectativas iniciais e os resultados obtidos. Está sendo elaborados cartilhas e 500 folders que serão distribuídos na comunidade, em três escolas municipais de Coimbra e nos escritórios dos parceiros e também durante eventos do PTTS. ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 4

5 Já as oficinas envolve um público alvo diversificado (produtores, professores, estudantes, técnicos, operadores de máquinas e outros), onde os materiais técnicos e didáticos serão discutidos e distribuídos. Os temas abordados nos treinamentos teóricos e práticos estão sendo definidos ao longo do diagnóstico do PTTS, visitas e reuniões com as famílias envolvidas e parceiros de acordo com a execução das atividades do PTC. Entretanto, com base no diagnóstico inicial do PTC, foram apontados cinco temas que estão norteando as ações das atividades de educação ambiental: a) Destinação de resíduos sólidos orgânicos e inorgânicos; b) Qualidade e quantidade de água para os diversos usos nas microbacias;c) Solo: consequências socioambientais e econômicos do manejo e gestão inadequados; d) Valores socioculturais locais e regionais: como e por que resgatá-los?; e) Importância da relação entre vegetação, solo, água, animais e ser humano para garantia da sustentabilidade atual e futura. As atividades do PTTS também estão sendo desenvolvidas para a conscientização a respeito das questões socioambientais locais, capacitando e treinando pelo menos 20% dos alunos das escolas onde estudam moradores das três microbacias, formando pelo menos 1 grupo de monitores com 4 a 6 alunos, do 1º a 3º ano (faixa etária de 9 a 14 anos), para desenvolverem o efeito multiplicador. As atividades de práticas vegetativas e mecânicas, estão previstas o plantio em 24 hectares com espécies nativas e frutíferas em algumas propriedades localizadas nas microbacias dos rios Latão e São Lourenço, no município de Coimbra, em Minas Gerais. As espécies escolhidas são encontradas no bioma Mata Atlântica e as mudas serão distribuídas em quincôncio, 40% de espécies pioneiras, 15% espécies clímax e 30% de espécies frutíferas. Além do plantio de mudas arbóreas nativas e frutíferas, haverá a recuperação dos solos em 10 hectares de pastagens e solos afetados pela agricultura. Essas áreas são geralmente locais com baixa produtividade, acima dos 15% de declividade para que sedimentos não sejam carregados aos corpos d água. Haverá também o cercamento das áreas, fundamental para a recuperação ambiental, para manter afastados os animais de criação, que podem afetar a regeneração do local. Como alguns locais estarão cercados para a conservação do local da nascente, ou curso d água, será realizada a implantação de bebedouros para animais de criação, para mantê-los afastados das Áreas de Preservação Permanente (APP). Outra atividade é a de construção de caixas e barraginhas para a captação de água. Serão construídas em áreas de pastagens, às margens da estrada, na base de morros e margens de cursos d água. Em cada local de intervenção, barraginhas, caixas, por exemplo, serão dispostos equipamentos meteorológicos para o monitoramento dos índices de chuvas, da captação de enxurradas e da infiltração da água no solo. Espera-se quantificar os resultados das práticas mecânicas e vegetativas. ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 5

6 Para conscientizar a população local dos benefícios das atividades, são promovidos cursos de conservação de nascentes e matas ciliares, para apresentar técnicas e procedimentos corretos de proteção e recuperação desses ambientes. Além desse curso, há o de reciclagem e, compostagem de resíduos agropecuários e domésticos, mostrando-se a importância da retirada desses resíduos que estiverem próximos aos cursos d água e nascentes. Dentro do programa, há ainda o curso sobre gestão e manejo de solo, e água, indicando os melhores procedimentos para o uso racional, além de instruções de uso dos equipamentos metereológicos. Espera-se com isso o controle da erosão, redução dos impactos causados pelas fortes enxurradas, a captação e infiltração da água no solo e a melhoria da sua qualidade. RESULTADOS E DISCUSSÕES Para DAKER (1884) o diagnóstico situacional e atual de uma área de intervenção acontece a partir do momento em que a conhecemos, descrevemos e a analisamos, tudo amarrado a um tema comum: O desenvolvimento rural e social da comunidade, com suas demandas, potencialidades e parcerias, tudo adequado à realidade local, visando identificar as intervenções do projeto nas regiões de nascentes, bem como identificar a importância da bacia e atividades econômicas desenvolvidas nestas áreas de intervenções. Embora o projeto esteja em andamento já temos resultados parciais das atividades do PTC e do PTTS. Durante os meses (julho/12 a setembro/13), foram realizados diagnósticos de campo na região do projeto (Latão, São Lourenço e Moinhos), por meio de visitas, entrevistas, fotos e coordenadas geográficas, e contatos informais. De acordo com critérios numéricos e de observações adotados, foram constatadas algumas referências sobre a opinião e expectativa dos moradores e usuários das 3 comunidades envolvidas, dentre elas: 1ª) Em relação ao tamanho das propriedades predominam pequenas propriedades com aproximadamente 60 % delas com menos de 10 há; 2ª) Em relação à ocupação e uso das terras, a média de mata por propriedade é inferior a 20 %, e a área de pastagem acima de 50 %; 3ª) Em relação à situação ambiental, na análise do entrevistador, as pessoas entrevistadas demonstraram mais interesse na conservação das estradas, lixo, fossa séptica, e conservação dos recursos naturais de forma geral; demonstrando pouca percepção sobre as reais gravidades dos impactos dos dejetos de animais, humanos e outros resíduos, principalmente sobre os recursos hídricos; 4ª) Quando perguntados sobre as práticas prioritárias, os entrevistados afirmaram que as práticas vegetativas e as mecânicas são importantes, mas no momento de decidirem sobre transformar parte de suas pastagens em reflorestamentos, apresentam resistência; 5ª) Quanto às pastagens, a grande maioria é de baixa produtividade com ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 6

7 média inferior a 1 UA (Unidade Animal) por hectare; possuem pouco conhecimento sobre alternativas tecnológicas para melhorar as produtividades, como reforma de pastagem ou irrigação. As práticas mecâmicas e vegetativas estão sendo implantadas e já foram execultada 14,08 ha de reflorestamento com espécies nativas e frutíferas, principalmente em Áreas de Preservação Permanentes (APP`s) e áreas degradadas (encostas e topos de morros), priorizando a interligação de ilhas de matas, para formação de corredores ecológicos próximos aos corpos d`água, conforme a Tabela 1, sendo que as área reflorestadas foram isoladas com arame farpado, consituido 3702 m de cerca distribuídos em 1239 mourões (Figuras 2a e 2b). Tabela 1 número de mmudas prevista no projeto e evolução de reflorestamento. Nº de Propriedade Nº de mudas prevista no projeto Nº de mudas plantadas Área de reflorestamento prevista no projeto (ha) Área de reflorestamento (ha) ,5 1,12 (a) (b) Figura 1 Mudas plantadas nas áreas. (a) Tibouchina granulosa e (b) Syagrus coronata. (a) (b) Figura 2 - Propriedades contempladas com as atividades de construção de cercas ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 7

8 Buscando quantificar dados da vazão de água, foi construído um vertedouro nas margens da calha principal do Córrego do Latão (Figuras 3a e 3b). A atividade foi realizada em uma propriedade, situada na comunidade dos Moinhos. (a) (b) Figura 3 Construção do vertedouro (a) e o vertedouro em funcionamento (b). Esta parcela servirá para monitorar a infiltração de água pluvial no solo. A importância desta atividade está no entendimento e possibilidade de mensrurar a recarga hídrica da região. Foram implantados caixas e barraginhas com o objetivo de controle da erosão e assoreamento (Tabela 2 e Figuras 4a e 4c), melhoria da qualidade da água, redução dos impactos ocasionados pelas chuvas torrenciais, devido a melhor infiltração da água no solo e conservação das estradas. Tabela 2 Benfeitorias realizadas durante o projeto. Nº Propriedades Quantidade de caixas Quantidade de barraginhas Quantidade total de benfeitorias (a) (b) Figura 4 - Máquina escavando, para iniciar a construção da barraginha (a) e a baraginha pronta (b). ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 8

9 Buscando melhorias nas pastagens e as áreas agrícolas serão corrigidas, reformadas e recuperadas, através de práticas mecânicas, com cultivo mínimo, calagem, adubação e revegetação, com o intuito de alcançar resultados de recuperação e manutenção da fertilidade do solo, ou seja, a melhoria da qualidade do solo e água possibilitando o aumento de produtividade dessas áreas, com a melhoria de renda para o produtor beneficiado. Figura 5 Vista parcial de áreas de uma área de pastagem. Para medir a quantidade da água infiltrada foram instalados tambores para captação da água proveniente das parcelas de infiltração. Este processo permite a captação da água infiltrada na parcela e medição do volume de água infiltrado no solo. As parcelas foram instaladas em áreas de pastagem em duas propriedades conforme Figuras 6a e 6b. (a) (b) Figura 6 - Parcela de infiltração e tambor (a e b) MONITORAMENTO METEOROLÓGICO Acompanhamento da precipitação mensal (mm) - novembro/13 em diante - Pluviógrafo Córrego São Lourenço, conforme Taleba 3. ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 9

10 Tabela 3 Precipitação no período de novembro de 2013 a dezembro de nov/13 150,00 dez/13 279,74 jan/14 16,65 fev/14 1,60 mar/14 130,00 abr/14 76,60 mai/14 4,20 jun/14 0,00 jul/14 31,10 ago/14 7,40 set/14 21,20 out/14 37,40 nov/14 126,90 dez/14 186,43 Na Figura 7 são apresentados os dados obtidos no monitoramento de recursos hídricos, com o acompanhamento e monitoramento da precipitação mensal (mm) referente ao período de Janeiro/2015 e Fevereiro/2015, de acordo com as medições coletadas do pluviógrafo se encontra em uma das propriedade, no Córrego São Lourenço Coimbra, MG. As medições de vazão local do Vertedouro - Córrego Latão (L/s) são apresentadas na Figura 8. Figura 7 - Pluviometria, nos períodos de janeiro e fevereiro. Figura 8 - Vazões do vertedouro, nos períodos de janeiro e fevereiro. ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 10

11 O dados pertinentes às parcelas de infiltração em uma das propriedade do Córrego dos Moinhos, estão apresentados na Tabela 4, em que se considerou o efeito da última chuva forte, em relação ao escoamento tamanho da parcela: 28,5 m². Tabela 4 Dados às parcelas de infiltração em uma das propriedades. Alt. Do nível Chuva forte Vol. Vol. Escoado % de água Data da da água na que antecedeu Chovido na para o tambor escoada de 0 a 15 leitura Régua (m) a leitura (mm) parcela (L) (L) cm de prof.(mm) 0, ,00 5,46% 03/01/15 0, ,00 4,68% 17/01/15 0, ,00 4,76% 07/02/15 0, ,00 4,39% 10/02/15 2, ,28% Total 0,52 26,25 748,13 36,25 4,82% Média OBS. Chuva de aprox. 27 mm dia 02/01/15. Chuva de aprox. 50 mm do dia 14 ao dia 16/01/15. Chuva de aprox. 28 mm dia 06/02/15. Chuva de 20,0 mm dia 10/02/15. Os resultados esperados da utilização desses equipamentos são: monitoramento dos índices de chuva, captação de enxurradas, infiltração de água nos solos e escoamento superficial. Quantificar os benefícios advindos das práticas mecânicas e vegetativas, bem como auxiliar na verificação da necessidade de manutenção após o termino do financiamento e na criação de outros indicadores. RESULTADOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL PTTS As ações de educação ambiental vêm sendo aplicadas com êxodo. sendo realizada oficina reciclagem e compostagem de resíduos agropecuários e domésticos, sendo ofertado um ciclo de palestras para todos os cadastrados no projeto e também para a comunidade. Assim no período de 10 de fevereiro a 10 de março foi realizada a primeira oficina de capacitação e educação ambiental com o tema Reciclagem e compostagem de resíduos agropecuários e domésticos, como demonstrado nas Figuras 9a e 9b. ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 11

12 (a) (b) Figura 9 Destaque para os participantes da oficina (a) e o palestrante (b). Em setembro de 2014 foi realizado o primeiro curso de campo com o tema (Gestão e manejo de solo e água) foi apresentado na forma de Giro de campo conforme Figura 10. Figura 10 Atividade de visita em campo. Os resultados esperados com os curso e suas respectivas unidades demonstrativas foram: Apresentação e demonstração de técnicas e práticas de manejo e uso dos solos e da água; apresentação e demonstração dos riscos de contaminação da água de uso doméstico, provenientes do mau manejo dos animais e das lavouras; Demonstração da importância de melhorar a capacidade de infiltração de água de chuva no solo, pela redução de assoreamentos e eutrofização de corpos d`água garantindo a sustentabilidade dos solos e a melhoria da qualidade da água; Consolidação dos conhecimentos adquiridos sobre a utilização racional dos recursos naturais; Comprometimento efetivo dos beneficiados para manutenção, após o termino do projeto, das ações implantadas;melhoria de bem estar e alternativas de renda para as famílias, com menor impacto negativo as recursos ambientais;demonstração de indicadores socioambientais e econômicos, através das ações e Unidades Demonstrativas desenvolvidas. A equipe técnica do projeto vem participando de eventos realizados pelos parceiros, com o intuito de demonstração das práticas vegetativas e mecânicas, bem como ampliar o uso das práticas de revitalização das bacias hidrográfica como a participação em 2014 na 84º Exposição da Semana do Fazendeiro, organizada pela Universidade Federal de Viçosa. ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 12

13 Outro foco das atividades de educação ambiental são as instituições educativas com apresentações de palestras, capacitando agentes multiplicadores, além de proporcionar aos estudantes a aprendizagem na prática por meio de visitas a campo, demostradas nas Figuras 11a e 11b. (a) (b) Figura 11 Palestrantes e alunos nas escolas (a) e visita de estudantes as propriedades do PTC (b). A essência do sucesso desse trabalho é a implantação simultânea e integrada das ações práticas e educativas, que demonstram aos produtores rurais e demais usuários dos recursos hídricos, como uma prática tem sinergia com as demais e vice versa. Vale ressaltar que, cada bacia possui suas especificidades, sendo assim, a proposta sempre deve ser analisada e adequada a cada realidade. O acesso a essas informações permite o planejamento de projetos técnicos científicos que, por sua vez, possibilitam ações de intervenção que buscam a manutenção e melhoria de nossos mananciais, garantindo água em quantidade e qualidade para toda a população. CONCLUSÕES Os resultados tem garantido um impacto positivo na qualidade da água e na regularização de vazão, em nível local, tornando as práticas desenvolvidas nesta bacia escola possíveis de serem reaplicado. É totalmente viável, com retorno garantido e rápido, pois cria alternativas de renda com baixo custo como a compostagem, biodigestão e sistemas de cultivos diversificados, entre outros. Os resultados já alcançados no projeto estão influenciando a vida das pessoas da microbacia, os quais estão sendo monitorados e avaliados periodicamente, de forma que as ações das próximas etapas sejam aprimoradas, tendo em vista que os resultados são efetivos a curto e médio prazo (1 a 4 anos), e a sustentabilidade depende basicamente das manutenções anuais. Por fim, deve-se estar ciente de que a adequada conservação de uma nascente envolve diferentes áreas do conhecimento, tais como hidrologia, conservação do solo, reflorestamento, ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 13

14 entre outros conhecimentos que estão sendo ofertados aos produtores objetivando o a maunutenção das práticas implantadas. Entretanto as ações serão monitoradas junto a população beneficida, buscando construir confiança, entende-se que é preciso conviver com as famílias pelo menos durante uma estiagem e um período de chuvas para colher dados concretos pós intervenção. Espera-se com isto o controle da erosão, redução dos impactos causados pelas fortes enxurradas, a captação e infiltração da água no solo e a melhoria da sua qualidade e quantidade. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANA Agência Nacional de Águas. Manual operativo do Programa Produtor de Água. Brasília DF: Superintendência de Usos Múltiplos, p. CAIXA ECONOMICA FEDERAL. Caderno de Orientação Técnico Social (COTS). Brasília, Agosto CASTRO, P. S. Recuperação e conservação de nascentes. Viçosa: CPT, p DAKER, Alberto, Captação, Elevação e Melhoramento da água: A água na Agricultura. Vol2. Rio de Janeiro: Freitas Bastos. LÜDKE, M; ANDRE, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, MARCONI, Marina de Andrade. LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragem e técnicas de pesquisa, elaboração,análise e interpretação de dados. 7 ed.-3. Reimpr. Atlas. São Paulo, SCOLFORO, J. R.; OLIVEIRA, A. D. Modelo fitogeográfico para áreas de preservação permanente: um estudo da bacia hidrográfica do rio São Francisco, MG. Lavras: editora UFLA, SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO. Coimbra/MG, Setembro SECRETÁRIA DE SAÚDE. Coimbra/MG, Setembro SECRETÁRIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Coimbra/MG, Setembro SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO- SAAE [www.saaevicosa.com.br]. Prefeitura Municipal de Viçosa.[www.vicosa.mg.gov.br. TOZONI-REIS, M. F. de C. Pesquisa-Ação: Compartilhando saberes; Pesquisa e Ação educativa ambiental. In: FERRARO JUNIOR, L. A. (org.). Encontros e caminhos: formação de educadoras (es) ambientais e coletivos educadores. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente dos Recursos Hídricos Renováveis. Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, p. VALENTE, Osvaldo F; GOMES, Marcos A. Conservação de nascentes: hidrologia e manejo de bacias hidrográficas de cabeceira. Viçosa, MG, ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 14

O Programa Produtor de Água

O Programa Produtor de Água O Programa Produtor de Água Arcabouço Legal e Institucional Lei nº 9.433 de 8.01.97 Titulo I - Da Política Nacional de Recursos Hídricos Capitulo II Dos Objetivos Artigo 2º - São objetivos da Política

Leia mais

PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP

PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP Simone Neiva Rodella (1) Bióloga especializada em administração e educação ambiental é atualmente, diretora da divisão de meio

Leia mais

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Autores: Emílio Rodrigues Versiani Junior 1 Geraldo Aristides Rabelo Nuzzi Andréa Rodrigues Fróes Resumo O Projeto

Leia mais

Security Level Initials/YYYY-MM-DD

Security Level Initials/YYYY-MM-DD Security Level Initials/YYYY-MM-DD Projeto Nascentes Protegendo um Recurso Limitado Água: Escassez no Mundo Água: Escassez no Mundo Água: Um recurso limitado 70% da Terra é coberta por água; Apenas 3%

Leia mais

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Fortaleza, 16 de Abril de 2013 1. CONCEITUAÇÃO As Ações de Convivência com o Semiárido são compostas por um conjunto de práticas alternativas definidas,

Leia mais

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Áreas Agrícolas Diferentes situações Aspectos que devem ser vistos em

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL Eduardo S. Quartim. João C. S. Nagamura. Roberto Bretzel Martins. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

Leia mais

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF José Bento da Rocha Farmacêutico graduado pela Universidade Estadual de Goiás UEG,

Leia mais

PROJETO RESUMO EXECUTIVO

PROJETO RESUMO EXECUTIVO PROJETO RESUMO EXECUTIVO Submetido e aprovado pelo Edital FEHIDRO/2011 Proponente: Associação Águas do Nordeste (ANE) Parceiros: Sociedade Nordestina de Ecologia (SNE); Universidade Federal de Pernambuco/Grupo

Leia mais

O Pacto das Águas é uma ferramenta de:

O Pacto das Águas é uma ferramenta de: O Pacto das Águas é uma ferramenta de: Construção de visão estratégica e consensual sobre os recursos hídricos no Ceará Envolvimento dos diversos atores (públicos e privados) na elaboração de um Plano

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

A Suzano e o Fomento na Bahia

A Suzano e o Fomento na Bahia A Suzano e o Fomento na Bahia Como é a atuação da Suzano na região? Fundada há 85 anos, a Suzano começou a produzir papel em 1940 e celulose em 1950 sempre abastecendo o mercado brasileiro e os de diversos

Leia mais

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário 171 9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Com a finalidade de alcançar os objetivos e metas estabelecidas no PMSB de Rio Pardo sugerem-se algumas ações,

Leia mais

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA Tema: Reserva Legal Norma atual Proposta 1 Proposta Agricultura Proposta Movimento MAPA/ruralistas Familiar/MMA Socioambientalista Recuperação de RL: exige a Reconhecimento de Não aceitar anistia para

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP 188 AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP Camila Dias Pinaffi¹; Maira Braghin Christovam¹; Nayara Coelho Silva¹; Décio

Leia mais

Recuperação de Bacias Hidrográficas

Recuperação de Bacias Hidrográficas Recuperação de Bacias Hidrográficas Professor Marcos Koiti Kondo Unimontes Departamento de Ciências Agrárias Campus Janaúba APPs desmatadas Erosão nas áreas agrícolas, topos de morros e encostas Cultivo

Leia mais

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO A Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC) foi criada pela Lei estadual 14.028 de março de 2010 e tem como uma de suas finalidades executar a Política

Leia mais

EM BUSCA DA SUSTENTABILIDADE: UM PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM ÊNFASE EM MICRO BACIAS HIDROGRÁFICAS.

EM BUSCA DA SUSTENTABILIDADE: UM PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM ÊNFASE EM MICRO BACIAS HIDROGRÁFICAS. EM BUSCA DA SUSTENTABILIDADE: UM PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM ÊNFASE EM MICRO BACIAS HIDROGRÁFICAS. Laila da Silva Vieira Graduanda em Geografia - Bolsista de IC FAPEMIG, Faculdade Católica de Uberlândia

Leia mais

2ª etapa. Discussão aprofundada de cada uma das propostas aprovadas para o Plano no 7º Fórum de Saneamento. Grupos de Trabalho

2ª etapa. Discussão aprofundada de cada uma das propostas aprovadas para o Plano no 7º Fórum de Saneamento. Grupos de Trabalho 7º Fórum de Saneamento e Meio Ambiente Grupos de Trabalho As propostas aprovadas são entendidas como desejos dos usuários que devem ser transformadas em diretrizes de gestão. Grupos de Trabalho 2ª etapa

Leia mais

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP Fernanda Longhini Ferreira 1 O município de Santo André,

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos POLÍCIA Projeto Estruturador Revitalização do Rio das Velhas Meta 2010/2014 Palestrante: Wanderlene Ferreira Nacif Gerência de Monitoramento

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL LABORATÓRIO DE HIDROLOGIA FLORESTAL Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Vereador ELIAS EMANUEL

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Vereador ELIAS EMANUEL PROJETO LEI Nº. 044/2015. Institui a criação da Política Municipal de Captação, Armazenamento e Aproveitamento da Água da Chuva no Município de Manaus, e dá outras providências. Art. 1º Fica instituída

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

Projeto Quintais Amazônicos

Projeto Quintais Amazônicos Projeto Quintais Amazônicos BOLETIM INFORMATIVO DO PROJETO QUINTAIS AMAZÔNICOS - MAIO - Nº.01 CONHEÇA 0 PROJETO QUE IRÁ GERAR NOVAS OPORTUNIDADES ECONÔMICAS, INCLUSÃO SOCIAL E CONSERVAÇÃO AMBIENTAL PARA

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO DEZEMBRO/2014 Rodrigo Hermeto Corrêa Dolabella Consultor Legislativo da Área

Leia mais

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Judith Kaspersma - RUAF Foto: Kranjac-Berisavljevic - dreno principal na cidade de Tamale, Gana Entre 24

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO QUE CELEBRAM ENTRE SI, O GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA ESTADUAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO QUE CELEBRAM ENTRE SI, O GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA ESTADUAL PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO QUE CELEBRAM ENTRE SI, O GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E DA SECRETARIA ESTADUAL DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO, O MUNICÍPIO

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016. (Do Sr. SARNEY FILHO) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016. (Do Sr. SARNEY FILHO) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2016 (Do Sr. SARNEY FILHO) Altera dispositivos da Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, passa a vigorar

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO [27] TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO 1. Nos últimos anos a maioria dos países enfrentou grave crise econômica, que gerou um grande

Leia mais

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste No Brasil as políticas afirmativas tiveram inicio com a Constituição de 1988. A Legislação de Recursos Hídricos avançou em mecanismos de gestão e governança

Leia mais

QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO

QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO Aluna do Programa de Pós-Graduação do Mestrado em Geografia

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2015

PROJETO DE LEI N O, DE 2015 PROJETO DE LEI N O, DE 2015 (Do Sr. Ronaldo Carletto) Cria o Fundo Nacional de Recuperação de Nascentes de Rios (FUNAREN), define os recursos para seu financiamento e estabelece os critérios para sua utilização.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES Este modelo foi desenvolvido visando à recuperação de Áreas de Preservação Permanente de Nascentes

Leia mais

Programa Ambiental: 1º Ciclo de Palestras Uso sustentável dos recursos naturais

Programa Ambiental: 1º Ciclo de Palestras Uso sustentável dos recursos naturais EXTENSO 2013 Eje 4: Ambiente, Educación Ambiental y Desarrollo Programa Ambiental: 1º Ciclo de Palestras Uso sustentável dos recursos naturais Letícia Fernanda Assis¹; Márcio Viera²; Juliana Ferrari³;

Leia mais

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS AUTORES: Marcos Antonio Gomes - Engenheiro Florestal; Coordenador Técnico do Programa de Gestão de Recursos Hídricos

Leia mais

TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE

TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE 1. TURNO: Noturno MODALIDADE: Saneamento ÁREA: Meio Ambiente e Tecnologia da Saúde GRAU ACADÊMICO: Tecnólogo em Meio Ambiente PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 3 anos Máximo =

Leia mais

O senso comum brasileiro sobre a água

O senso comum brasileiro sobre a água O senso comum brasileiro sobre a água As catástrofes da água vivenciadas com a crise do sistema Cantareira, com a seca da nascente do rio São Francisco e a calamidade em Itu 1, entre outras, ressaltam

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome apresentação do programa Brasília, maio 2007 PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome ONAUR RUANO Secretário Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CRISPIM

Leia mais

COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS DA AMPLIAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO DE SANTO ANDRÉ-SP

COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS DA AMPLIAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO DE SANTO ANDRÉ-SP COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS DA AMPLIAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO DE SANTO ANDRÉ-SP Robson da Silva Moreno Arquiteto e urbanista formado pela PUC-Campinas (1990), mestre em estruturas ambientais urbanas pela Faculdade

Leia mais

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Fórum sobre Área de Preservação Permanente e Reserva Legal na Paisagem e Propriedade Rural Piracicaba,

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management) PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO Proposta para obtenção de recursos do GEF (doação sem encargos de US$7,05 milhões) Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

Leia mais

www.institutoproterra.org.br

www.institutoproterra.org.br APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Missão O Instituto Pró Terra é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1997 sob o CNPJ: 04728488/0001-29, que reúne amigos, educadores, técnicos e pesquisadores com a missão

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROGRAMA Nº - 034 Recuperação Geológica de Áreas de Risco Contenção de Encostas SUB-FUNÇÃO: 543 RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADAS Identificar áreas de risco; desenvolver projetos

Leia mais

SÃO FRANCISCO 2010 R$ 3.800.000,00. OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010

SÃO FRANCISCO 2010 R$ 3.800.000,00. OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 SÃO FRANCISCO OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 2010 R$ 3.800.000,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 86.830 litros de leite, no período de Jan/2007 a Jul/2009 Custo: R$ 108 mil, beneficiando

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN)

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) Dispõe sobre a criação do Sistema de Identificação, Cadastramento e Preservação de Nascentes de Água no Distrito Federal e dá outras

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES Rafael José Navas da Silva. CEETEPS ETEC. Prof. Edson Galvão Itapetininga/SP. Resumo O conceito de desenvolvimento sustentável

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável

Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Implementação e avaliação 4 4 Planos de ação 5 5 Cronogramas 28 6 Inventário de materiais 46 7 Referências

Leia mais

Hidrologia Bacias hidrográficas

Hidrologia Bacias hidrográficas Hidrologia Bacias hidrográficas 1. Introdução 2. Bacia hidrográfica 2.1. Definição e conceitos 2.2. Caracterização de bacias hidrográficas 3. Comportamento hidrológico da bacia hidrográfica 3.1. Enxurrada

Leia mais

Informações Gerais. Informações complementares

Informações Gerais. Informações complementares ANEXO III Nome da Prática (iniciativa): Resumo (ementa): (até 120 palavras) Palavras-chave: Informações Gerais Projeto Ser Natureza Revitalização do manancial de abastecimento público de água do Município

Leia mais

Professora Dra.Jussara dos Santos Rosendo Orientadora e Professora -Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: jussara@facip.ufu.

Professora Dra.Jussara dos Santos Rosendo Orientadora e Professora -Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: jussara@facip.ufu. O Programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC) no Município de Ituiutaba MG Laíza Castro Brumano Viçoso Bolsista de IC/ FAPEMIG - Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: laizabrumano@hotmail.com

Leia mais

Código Florestal contexto.problemas.propostas

Código Florestal contexto.problemas.propostas Código Florestal contexto.problemas.propostas tasso.azevedo@gmail.com 1. Contexto 2. Problemas 3. Propostas 1 Regulamentação sobre florestas Constituição Federal (1988) Código Florestal (1965) Lei de Crimes

Leia mais

APPA Associação de Proteção e Preservação Ambiental de Araras A natureza, quando agredida, não se defende; porém,ela se vinga.

APPA Associação de Proteção e Preservação Ambiental de Araras A natureza, quando agredida, não se defende; porém,ela se vinga. O desmatamento, ao longo dos anos, no município de Araras, contribuiu para a redução no suprimento de água potável, devido à formação geológica local, que resulta nos aqüíferos do grupo Passa Dois e Basalto

Leia mais

Plano de Educação Ambiental. 2º Biênio 2014/2016

Plano de Educação Ambiental. 2º Biênio 2014/2016 Plano de Educação Ambiental 2º Biênio 2014/2016 PROJETO JUNTOS PELO AMBIENTE Ações: Levantamento ambiental das áreas a atuar dos municípios envolvidos; Análise e discussão de resultados para os municípios

Leia mais

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Mostra Local de: Rio Branco do Sul (Municípios de Rio Branco do Sul, Almirante Tamandaré e Itaperuçu) Categoria do

Leia mais

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO.

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO. EFEITO DE MODIFICAÇÕES NO PLANO CULTURAL E NO SISTEMA DE IRRIGAÇÃO COMO FORMA DE MELHOR APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA CENÁRIOS CLIMÁTICOS NORMAL E SECO Rosires Catão Curi, Profa.do Dept. de Eng.

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 Resumo Indira Aparecida Santana Aragão 1 - FCT/UNESP Grupo de Trabalho Educação da Infância Agência Financiadora:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SOCIEDADE HUMANA DESPERTAR LABORATÓRIO DE ECOLOGIA E RESTAURAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato) Dispõe sobre a recuperação e conservação de mananciais por empresas nacionais ou estrangeiras especializadas em recursos hídricos ou que oferecem serviços

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

FICHA PROJETO - nº383-mapp

FICHA PROJETO - nº383-mapp FICHA PROJETO - nº383-mapp Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Restauração da Região Serrana RJ: assistência técnica para consolidar uma rede de produtores rurais e viveiros comunitários. 2) MUNICÍPIOS

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Histórico 1989 - Plataforma Ambiental Mínima para Candidatos à Presidência 1990 - Plataforma Ambiental Mínima para os Candidatos ao Governo do Estado de São Paulo 1998 - Plataforma Ambiental Mínima para

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Altera a Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007, que estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico, para incentivar a dessalinização da água do mar e das

Leia mais

Karyna D Onofre Neves Universidade Federal de São Carlos UFSCar, Bacharelado em Gestão e Análise Ambiental Wagner Sousa, Marcilene Dantas Ferreira

Karyna D Onofre Neves Universidade Federal de São Carlos UFSCar, Bacharelado em Gestão e Análise Ambiental Wagner Sousa, Marcilene Dantas Ferreira Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 PERCEPÇÃO AMBIENTAL NA MICRO BACIA DO CÓRREGO DA ÁGUA QUENTE, SÃO CARLOS SP: ÁREAS DEGRADADAS COMO FATORES DE INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO Karyna D Onofre Neves

Leia mais

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS 1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS A sustentabilidade e a integração prática das diferentes modalidades do saneamento: água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos Porto Alegre, 01 de dezembro

Leia mais

PROJETO NOVOS TALENTOS/REPLANTIO DE MUDAS: REFLORESTAMENTO NA MATA CILIAR DO RIO SÃO LOURENZO NO MUNICIPIO DE BRASÍLIA DE MINAS MG

PROJETO NOVOS TALENTOS/REPLANTIO DE MUDAS: REFLORESTAMENTO NA MATA CILIAR DO RIO SÃO LOURENZO NO MUNICIPIO DE BRASÍLIA DE MINAS MG PROJETO NOVOS TALENTOS/REPLANTIO DE MUDAS: REFLORESTAMENTO NA MATA CILIAR DO RIO SÃO LOURENZO NO MUNICIPIO DE BRASÍLIA DE MINAS MG SOUZA, Vanessa Tamires Ramos- UNIMONTES. vanessatamires2014@hotmail.com

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

COMPANHIA DE HABITAÇÃO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ABC E FNSHDU S E LO D E M É R I TO 2 0 1 3 PROGRAMA GESTÃO

COMPANHIA DE HABITAÇÃO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ABC E FNSHDU S E LO D E M É R I TO 2 0 1 3 PROGRAMA GESTÃO COMPANHIA DE HABITAÇÃO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ABC E FNSHDU S E LO D E M É R I TO 2 0 1 3 PROGRAMA GESTÃO pós-morar Apresentação Geral Em 2011 o Governo de Minas, por meio da Companhia de Habitação do

Leia mais

1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS VITÓRIA Avenida Vitória, 1729 Bairro Jucutuquara 29040-780 Vitória ES 27 3331-2110 EDITAL PARA SELEÇÃO DE PARTICIPANTES DO CURSO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

APRESENTACAO SUB-PROJETOS CONTEXTO SÓCIO-AMBIENTAL DO PROJETO SUB-PROJETO REFLORESTAMENTO SUB-PROJETO EDUCACAO SOCIO-MBIENTAL

APRESENTACAO SUB-PROJETOS CONTEXTO SÓCIO-AMBIENTAL DO PROJETO SUB-PROJETO REFLORESTAMENTO SUB-PROJETO EDUCACAO SOCIO-MBIENTAL "Palestra apresentada no Seminário Nacional Restauração de APPs, Brasilia DF, julho de 2006 Mauricio Lobo, M.Sc engª ambiental - UERJ, presidente do IEF/RJ e da Câmara Técnica de UCs e Demais Áreas Protegidas

Leia mais

Verificação da sustentabilidade das ações do Programa LIXO NOSSO DE CADA DIA, realizado pelo Ministério Público do Estado de Santa Catarina.

Verificação da sustentabilidade das ações do Programa LIXO NOSSO DE CADA DIA, realizado pelo Ministério Público do Estado de Santa Catarina. PROPOSTA DE PROJETO DE COOPERAÇÃO TECNICO-CIENTIFÍCA ENTRE O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE E A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL SEÇÃO SANTA CATARINA Verificação da sustentabilidade

Leia mais

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Indução de reflorestamento no Rio de Janeiro: Das compensações ambientais ao desafio olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21

ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21 ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21 Cuidar da Água: Desafio para sociedade Combater: Desmatamento Poluição Desperdício Investir Refloretamento Saneamento Tecnologia e Gestão Integrada 8,5 145 72 70 20

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

Kimura, Adriana S. B; Tarsitano, Maria A. A.; Pelozo, Luis A.

Kimura, Adriana S. B; Tarsitano, Maria A. A.; Pelozo, Luis A. A UTILIZAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO NA ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO A SER DESENVOLVIDO PELO PROGRAMA ESTADUAL DE MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS EM JUNQUEIRÓPOLIS (SP) Kimura, Adriana S. B; Tarsitano,

Leia mais

Fernanda Amaral Dantas Sobral. Geóloga - CETESB/IPT

Fernanda Amaral Dantas Sobral. Geóloga - CETESB/IPT Análise do desenvolvimento do Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno de Reservatórios Artificiais e contribuições para a elaboração de Termos de Referência Fernanda Amaral Dantas Sobral Geóloga

Leia mais

VERDADES E MENTIRAS SOBRE O PROJETO DE LEI QUE ALTERA O CÓDIGO FLORESTAL

VERDADES E MENTIRAS SOBRE O PROJETO DE LEI QUE ALTERA O CÓDIGO FLORESTAL VERDADES E MENTIRAS SOBRE O PROJETO DE LEI QUE ALTERA O CÓDIGO FLORESTAL 1. Por que o código florestal precisa ser mudado? O Código Florestal de 1965 é uma boa legislação. Aliás, caso fosse exigido o cumprimento

Leia mais

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG Nome do Painel: Manejo Ambiental no Combate à Dengue Eixo 3. Direitos justiça ambiental e

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS SIPAM

SISTEMA INTEGRADO DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS SIPAM SISTEMA INTEGRADO DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS SIPAM Glaycon de Brito Cordeiro (1) Engenheiro Civil da Divisão de Meio Ambiente - DVME - Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA MG - Coordenador

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

Fundo de Apoio a Projetos do Escravo, nem pensar!

Fundo de Apoio a Projetos do Escravo, nem pensar! Fundo de Apoio a Projetos do Escravo, nem pensar! Caros(as) participantes, O programa Escravo, nem pensar! da ONG Repórter Brasil abre as inscrições para a 8ª edição do Fundo de Apoio a Projetos do Escravo,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL UTILIZADOS EM PLANOS DIRETORES DE LIMPEZA URBANA EM TRÊS CIDADES DA BAHIA

ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL UTILIZADOS EM PLANOS DIRETORES DE LIMPEZA URBANA EM TRÊS CIDADES DA BAHIA ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL UTILIZADOS EM PLANOS DIRETORES DE LIMPEZA URBANA EM TRÊS CIDADES DA BAHIA Waleska Garcia Mendes Luiz Roberto Santos Moraes INTRODUÇÃO A Partir

Leia mais

Superintendência Estadual de Mato Grosso

Superintendência Estadual de Mato Grosso Superintendência Estadual de Mato Grosso Programa ABC Conceito Crédito Fixo orientado com o objetivo de: - reduzir das emissões de Gases de Efeito Estufa; - reduzir o desmatamento; - aumentar a produção

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria do Meio Ambiente Secretaria da Agricultura e Abastecimento Dezembro de 2005 COBERTURA FLORESTAL (Inventário Florestal,

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto SECRETÁRIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE Luciana Barbosa de

Leia mais