1. INTRODUÇÃO PES FORMAÇÃO DE UTILIZADORES DAS APLICAÇÕES DO MICROSOFT OFFICE EXPANSÃO DA GOVNET AOS DISTRITOS...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. INTRODUÇÃO... 4 2. PES... 6 2.1. FORMAÇÃO DE UTILIZADORES DAS APLICAÇÕES DO MICROSOFT OFFICE... 6 2.2. EXPANSÃO DA GOVNET AOS DISTRITOS..."

Transcrição

1 1. INTRODUÇÃO PES FORMAÇÃO DE UTILIZADORES DAS APLICAÇÕES DO MICROSOFT OFFICE EXPANSÃO DA GOVNET AOS DISTRITOS CONSTRUÇÃO DO CENTRO PROVINCIAL DE RECURSOS DIGITAIS (CPRD) DE MANICA POA CAPACITAÇÃO EM TICS FORMAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS E AGENTES DO ESTADO FORMAÇÃO DE FORMADORES E GESTORES DE CONTEÚDOS DOS PORTAIS DISTRITAIS INFRA-ESTRUTURA E ACESSO AUMENTO DA CAPACIDADE DE PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E COMUTAÇÃO DA GOVNET IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE AUMENTO DE LARGURA DE BANDA RESTRUTURAÇÃO E AUMENTO DA CAPACIDADE DO COG HARMONIZAÇÃO DAS REDES GOVNET E E-SISTAFE MELHORIA DE GESTÃO E DESEMPENHO DA GOVNET CONVERSÃO DE CABOS DE COBRE EM FIBRA ÓPTICA A NÍVEL CENTRAL IMPLEMENTAÇÃO DE FILTROS DE CONTEÚDOS EXPANSÃO DA GOVNET GOVERNO ELECTRÓNICO SISTEMA DE CORREIO ELECTRÓNICO NOS DISTRITOS SOLUÇÃO DE BASE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO GOVERNO ELECTRÓNICO COMPONENTE (A) IMPLEMENTAÇÃO DO MODELO PARA A INTEGRAÇÃO HORIZONTAL DOS GOVERNOS LOCAIS COMPONENTE (B) REVISÃO E MODELO DE IMPLEMENTAÇÃO DO QUADRO DE INTEROPERABILIDADE DO GOVERNO ELECTRÓNICO COMPONENTE (C) - IMPLEMENTAÇÃO DO COG NO CNDG COMPONENTE (D) - DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS PRIORITÁRIOS AO CIDADÃO E MODELO E PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DE SERVIÇOS PARTILHADOS COMPONENTE (E) - ESTABELECIMENTO DO CENTRO DE OPERAÇÕES DE GOVERNO ELECTRÓNICO MECANISMO DE SUPERVISÃO E MONITORIA DE SISTEMAS/SERVIÇOS DE GOVERNO ELECTRÓNICO 29 1

2 ALOJAMENTO DE APLICAÇÕES DE GRANDE PORTE (TURISMO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO E TERRAS) NA GOVNET CERTIFICAÇÃO DIGITAL ASSISTÊNCIA TÉCNICA AO MITUR, MIC E MINAG PADRONIZAÇÃO DE SOFTWARE DA MICROSOFT PADRONIZAÇÃO PLANO DE DISTRIBUIÇÃO DE LICENÇAS APOIO À IMPLEMENTAÇÃO E DE PÁGINAS WEB INSTITUCIONAIS IMPLEMENTAÇÃO DA NOVA ESTRUTURA DE GESTÃO DO PORTAL DO GOVERNO IMPLEMENTAÇÃO DA NOVA ESTRUTURA DO SERVIÇO DE DIRECTÓRIOS DO GOVERNO, EM WINDOWS SERVER REGULAÇÃO E ESTUDOS MOBILIZAÇÃO DE FUNDOS PARA AQUISIÇÃO DE UNIDADES MÓVEIS DE TICS PROJECTO DE SALA DE INFORMÁTICA/ MODELO CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL CONTINUAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DOS SISTEMAS INFORMÁTICOS DO INTIC INVENTÁRIO DO EQUIPAMENTO DO INTIC INSTALAÇÃO DE ACADEMIAS CISCO NOS CPRDS SISTEMAS INFORMÁTICOS DO INTIC E CPRDS PLANO TECNOLÓGICO DOS CPRDS INTRANET DO INTIC PROCESSO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO DO INTIC NOMEAÇÃO DA DIRECÇÃO GERAL DO INTIC ENQUADRAMENTO DOS FUNCIONÁRIOS DO INTIC REPRESENTAÇÕES DO INTIC NAS PROVÍNCIAS CONSELHO CONSULTIVO E I RETIRO DO INTIC CONSELHO CONSULTIVO I RETIRO DO INTIC BENS E SERVIÇOS PROCUREMENT DE BENS PROCUREMENT DE SERVIÇOS PROCUREMENT DE EMPREITADAS VISITAS ÀS PROVÍNCIAS CURSOS E WORKSHOPS FORMAÇÃO TÉCNICO-PROFISSIONAL DOS QUADROS DO INTIC

3 FORMAÇÃO EM ENTERPRISE ARCHITECTURE FORMAÇÃO EM WINDOWS SERVER FORMAÇÃO EM ITIL FORMAÇÃO EM COBIT CAPACITAÇÃO NO ÂMBITO DO SISTEMA E-BAU CURSO SOBRE WINDOWS 2008 SERVER FORMAÇÃO EM PROGRAMAÇÃO EM RUBY FORMAÇÃO EM ENGENHARIA E SEGURANÇA DE REDES (CCNP) FORMAÇÃO EM ENGENHARIA E SEGURANÇA DE REDES (IMPLEMENTING MPLS) FORMAÇÃO EM ENGENHARIA E SEGURANÇA DE REDES (CCNA) FORMAÇÃO EM PROCEDIMENTOS DE PROCUREMENT DISSEMINAÇÃO DE TICS PARTICIPAÇÃO NA FACIM I OFICINA DE CONHECIMENTO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E AUTÁRQUICA XI AMOSTRA MOÇAMBICANA DE INOVAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS PUBLICAÇÕES DO INTIC (PÁGINA WEB, REVISTA MOZTICS E NEWSLETER) PRODUÇÃO DE PANFLETOS E POSTERS REALIZAÇÃO DE PROGRAMAS DE E PROMOÇÃO DAS TICS ACTIVIDADES PROGRAMADAS MAS NÃO REALIZADAS REDUNDÂNCIA DE COMUNICAÇÕES COM A OPERADORA MOVITEL LIGAÇÃO DE 100 INSTITUIÇÕES DISTRITAIS À GOVNET APROVAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO TECNOLÓGICO DOS CPRDS ORÇAMENTO GLOBAL DO INTIC FUNDOS DO ORÇAMENTO DO ESTADO FUNDOS DE PROJECTOS FINANCIADOS POR PARCEIROS INTERNACIONAIS PROJECTO GOVNET PROJECTO MEGCIP GRAU DE REALIZAÇÃO DO PROGRAMA, CONSTRANGIMENTOS E PERSPECTIVAS

4 1. Intrduçã O balanç de implementaçã d Prgrama de Actividades de 2013 é psitiv, tend para iss cntribuíd nv dinamism que se criu cm a nmeaçã da nva Direcçã-Geral em Julh de Entre s factres que cntribuíram para dinamism, destacam-se espírit de trabalh em equipa, da crdenaçã, interacçã e respnsabilizaçã a tds s níveis da cadeia funcinal, induzind melhrias bastante assinaláveis n desempenh da Rede Electrónica d Gvern (GvNET) e cnfiança ds usuáris da rede, resultads que vale a pena destacar, sem prém deixar de recnhecer que apesar desta evluçã é ainda muit lng percurs em frente. A realizaçã d Cnsultiv Directiv e d I Retir d INTIC n mês de Setembr fi utr acnteciment imprtante, pis serviu para a planificar, crdenar e cntrlar as actividades, desde nível central até a prvincial, tend também debatid Plan Directr de Tecnlgias de Infrmaçã e Cmunicaçã (TICs) e sua estratégia de implementaçã n sectr públic. Neste dcument, fram destacadas as actividades de grande impact, cuj grau de implementaçã fi satisfatóri n glbal, exempl a área de cnectividade cuj sucess está muit dependente de cncurs de terceirs. Os resultads mens animadres na área de cnectividade fram prém cmpensads pel cmpriment para além das metas registad nutras áreas cm as de Capacitaçã em TICs e de Gvern Electrónic. O prgrama de actividades de 2013 fcalizu também ns distrits, dand cntinuidade da tradiçã ds ans anterires. Esta fcalizaçã é um aspect psitiv d prgrama prque agra sã mais de 50 s distrits cm prtais ds gverns distritais, incluind mais de cntas de crrei electrónic já criadas e 40 gestres de cnteúds. Cm iníci d prject de Sluçã de Base para a Implementaçã d Gvern Electrónic em Mçambique, deu-se também este an um pass decisiv visand clcar s serviçs públics mais pert d cidadã, cm recurs às TICs, tend neste mment sid identificads quatr serviçs priritáris que vã ser prvids via web, dentre eles serviç de cncessã de Direit de Us e Aprveitament de Terra (DUAT), esclhid para ser implementad na fase pilt. Este prgrama teve ainda cm fc: Cnclusã d prcess de institucinalizaçã e rganizaçã d INTIC, incluind s Centrs Prvinciais de Recurss Digitais (CPRDs); Cnslidaçã de expansã de cnectividade n âmbit da Rede Electrónica d Gvern (GvNET); Cntinuaçã ds esfrçs de mdernizaçã e ptimizaçã da administraçã pública, através da explraçã d ptencial de TICs cm parte d prcess da refrma d sectr públic; Reestruturaçã, reequipament e refrçad d Centr de Operações da Rede Electrónica d Gvern (GvNET) para melhr respnder às necessidades d Gvern 4

5 Electrónic em terms de prcessament, armazenament e segurança de infrmaçã; Reestruturaçã de gestã de cnteúds n âmbit d Prtal d Gvern para garantir a sua mair fiabilidade e actualidade e incentivar envlviment ds demais parceirs a nível d sectr públic na administraçã da infrmaçã da página web d Gvern; Capacitaçã interna ds gverns prvinciais e distritais para refrç de gestã de cnteúds electrónics a nível lcal; e Capacitaçã interna d INTIC n âmbit da platafrma integrada de prestaçã de serviçs públics. 5

6 2. PES Em 20013, fram aprvadas as seguintes actividades para Plan Ecnómic e Scial (PES) d Gvern: 1. Frmaçã de Utilizadres das Aplicações d Micrsft Office 2. Expansã da GvNET as distrits 3. Cnstruçã d Centr Prvincial de Recurss Digitais (CPRD) de Manica N glbal, nível de execuçã destas actividades fi psitiv, cm um sbre cumpriment da meta de frmaçã pels CPRDs em mais 100 pr cent e um incumpriment nas duas últimas actividades devid a fraca respsta pr parte das empresas envlvidas ns trabalhs Frmaçã de Utilizadres das Aplicações d Micrsft Office Para a área de frmaçã em TICs, fi estabelecida a meta de frmands em aplicações da Micrsft e, embra cientes de que a meta está a quem de satisfazer as necessidades d país em terms de défice de cnheciment e us de TICs, ela está ajustada cm as capacidades de frmaçã que INTIC pde dar. A frmaçã é realizada nas prvíncias pels Centrs Prvinciais de Recurss Digitais (CPRDs), que sã representações d INTIC àquele nível, apesar de ainda nã terem sid ficializads, nã pssuind, pr iss, nã pssuind rçament lcal para suprtar as despesas decrrentes d exercíci das suas actividades. A meta de frmaçã está repartida pels it Centrs Prvinciais de Recurss Digitais (CPRDs), nas prvíncias de Cab Delgad, Niassa, Nampula, Zambézia, Tete, Sfala, Inhambane e Gaza, incluind a Unidade Móvel, uma sala de frmaçã móvel, incrprada num camiã cntentr, que tem circulad pels distrits, a realizar acções de capacitaçã em TICs. O sbre cumpriment huve sbre cumpriment da meta de frmaçã fi de 135 pr cent, u seja utilizadres de aplicações d Micrsft Office frmads, send Funcináris e Agentes d estad, 553 Prfessres, estudantes e membrs da sciedade civil. D ttal de frmands, pessas sã de distrits das prvíncias de Cab Delgad, Nampula, Zambézia, Tete e Manica. A tabela abaix mstra a repartiçã ds resultads de frmaçã pr estatut scial e pr lcalizaçã gegráfica: 6

7 Prvíncias Funcináris Públics Prfessres Estudantes Sciedade Civil H M H M H M H M Ttais Prvinciais Niassa Cab Delgad Nampula Zambézia Tete Sfala Inhambane Gaza Unidade Móvel Ttais pr sex Grande parte de frmaçã ns distrits tem sid realizada pela Unidade Móvel, que está equipad cm 10 cmputadres e pde albergar 20 frmands duma única vez. Esta unidade, tem circulad pels distrits, tend em 2013 percrrid s distrits arrlad na tabela e frmad 985 pessas, dentre as quais 500 funcináris públics, 158 prfessres, 279 estudantes e 48 membrs da sciedade civil. 7

8 Distrits Funcináris Públics Prfessres Sciedade civil Estudantes H M H M H M H M Changara Chitima Ttal Glbal Mage Cidade de Tete Chiuta Angónia Zbue Matize Guru Bárue Vanduzi Manica Gndla Mrrumbala Ncadala Namacurra Maganja da Csta Maput Ttal pr Sex Expansã da GvNET as distrits O plan de ligaçã de 25 distrits à Rede Electrónica d Gvern (GvNET), fi inicialmente cncebid e aprvad em crdenaçã a TDM para iníci de instalaçã n mês de Julh, e depis Outubr e Nvembr. Cntud, iníci nã acnteceu nas datas previstas pr falta de dispnibilizaçã de cndições técnicas pr parte de TDM ns lcais inicialmente prpsts. Assim, huve necessidade de a empresa rever plan em funçã das dispnibilidades técnicas em cada lcal, que implicu n adiament e atras de implementaçã para mês de Dezembr, tend mesm assim se cnseguid ligar apenas 11 de lista de 25 inicialmente planificads, que se segue: Tabela1: Nível de execuçã d plan de ligaçã de 25 distrits à GvNET em 2013 # Distrits já ligads à GvNET Distrits pr ligar à GvNET Prvíncia Distrit Prvíncia Distrit 1 C. Delgad Meda, Macmia, Mntepuez, C. Delgad Muidumbe Quissanga 2 Niassa Sanga, Muembe Niassa Maúa Nipepe 3 Nampula Rapale, Muecate, Nacala à Nampula Velha e Eráti 4 Zambézia Zambézia Milange, Mulumbe 5 Sfala Sfala Chemba, Marrmeu 8

9 6 Manica Sussundenga Manica Vanduzi 7 Gaza Gaza Mabalane, Guijá Ttal 11 Ttal Cnstruçã d Centr Prvincial de Recurss Digitais (CPRD) de Manica O Prject de CPRD de Manica fi aprvad cm funds d prject STIFIMO, adstrit a Ministéri da Ciência e Tecnlgia e cmparticipaçã d Gvern da Prvíncia de Manica, tend as bras de cnstruçã iniciad em 2013 sb tutela da Delegaçã Prvincial de Ciência e Tecnlgia (DPCT), cabend a INTIC a respnsabilidade de prestar api técnic. Cntud, esse api nã fi suficiente para garantir que a bra fsse cncluída em 2013 cnfrme planificad, tend a bra sfrid uma paralisaçã temprária desde Outubr quand estava executada em 53 pr cent. 9

10 3. POA 3.1. Capacitaçã em TICs O Desenvlviment da Capacidade Humana é a primeira das áreas priritárias da Plítica de Infrmática e sua Estratégia de Implementaçã, pr ser cnsiderada de grande imprtância na implementaçã bem-sucedida de tdas as restantes actividades e iniciativas previstas, que cncrrem para estabeleciment d Gvern Electrónic em Mçambique e para a criaçã duma sciedade de cnheciment, infrmada e capaz de dirigir seu própri destin, bem cm de prmver um desenvlviment sustentável d país cncrrend deste md na reduçã da pbreza absluta. Recnhecend a grande imprtância d desenvlviment d capital human, INTIC tem integrad as acções de frmaçã e de desenvlviment de capacidades em tds s prjects e prgramas que tem desenvlvid. Para além da frmaçã de utilizadres de aplicações da Micrsft, fram realizadas as actividades cnstantes da tabela que se segue: # Actividades planificadas Meta 1 Frmaçã Tecnic prfissinal de 500 funcináris e Agentes d Estad em: 1.1 Administraçã de Redes de Cmputadres Desenh de páginas electrónicas Gestã de Cnteúds ds Prtais ds Gverns Prvinciais e Distritais Desenh de aplicações Realizaçã de 12 campanhas, semináris e utrs events de sensibilizaçã sbre as ptencialidades das TICs n ensin, saúde, funçã pública, sectr privad, sciedade civil e cidadã 3 Assinatura e implementaçã de dis (2) Memrands de Entendiment entre INTIC e CIUEM e ISAP 4 Capacitaçã de técnics d INTIC em áreas de frmaçã de interesse para a instituiçã A fixaçã destas metas pressupunha a criaçã de cndições técnicas e materiais através d recrutament e frmaçã de técnics n âmbit da institucinalizaçã e capacitaçã interna d INTIC. Apesar d prcess de institucinalizaçã ter terminad, preenchiment d quadr de pessal ainda está em curs, pel que só depis da sua cnclusã é que se pderá cntar cm efectivs que vã levar a cab s bjectivs definids para a área de Capacitaçã em TICs. Neste mment, apenas se está a funcinar cm um técnic, que dificulta bastante cumpriment de metas. N entant, fi pssível, neste an, realizar as seguintes catividades: Frmaçã de Funcináris e Agentes d Estad Para cumpriment desta meta, fram efectuads cntacts cm Centr de Infrmática da Universidade Eduard Mndlane (CIUEM), cm bjectiv de viabilizar a administraçã ds curss mais avançads em administraçã de redes, cm é cas d curs CISCO Certified Netwrk Assciate (CCNA), para frmaçã de frmadres que também vã administrar esta 10

11 frmaçã ns lcais de prcedência, e gerar capacidades internas para a administraçã da Rede Electrónica d Gvern (GvNET) e das redes lcais. A parceria cm a CIUEM, que nã chegu a cncretizar-se, visar frmar funcináris e agentes d Estad a nível das capitais prvinciais para desenvlviment de aplicações e desenh de páginas electrónicas institucinais. Designaçã das Acções de Frmaçã Planificad Realizad % Administraçã de Redes % Desenh de Paginas web % Desenvlviment de Aplicações % Gestres de Cnteúds % Frmaçã de Frmadres e Gestres de Cnteúds ds Prtais Distritais N prsseguiment da agenda de capacitaçã de gestres de cnteúds ds prtais ds gverns distritais, decrreram sessões de frmaçã em TICs em diverss distrits d país, cm incidência para aqueles ligads à Rede electrónica d Gvern (GvNET). A iniciativa de prtais ds gverns distritais visam cntribuir para a visibilidade ds distrits, através da dispnibilizaçã de cnteúds lcais de interesse para cidadã, investidres nacinais e estrangeirs, turistas, entre utrs. N geral, a frmaçã decrreu sem grandes sbressalts, exceptuand num e utr cass em que, pr falta de uma preparaçã prévia das cndições [técnicas] mínimas exigíveis para que as frmações tenham lugar, estas iniciaram tardiamente. Os prtais ds gverns distritais pdem ser acedids através de nde distrit deverá ser substituíd pel seu nme, mesm acntecend cm a prvíncia. Se, pr exempl, distrit fr Cuamba e sabend-se que mesm se encntra na prvíncia d Niassa, bastará aceder a prtal pel Nesta frmaçã, fram ministradas as seguintes matérias: Imprtância de páginas Web; Cnteúds para as páginas Web; Linguagens para páginas Web (HTML, CSS, XML); Métds de reclha de infrmaçã e estabeleciment de Wrkflw; HTML Básic e HTML Avançad; Estrutura de cnteúds de prtal; Ediçã de cnteúds para página Web; Classificaçã de cnteúds; Tratament de imagens; CMS de prtal de gvern de distrit; 11

12 Gestã e actualizaçã de cnteúds; e Administraçã e manutençã d prtal. Relaçã de pessas frmadas ns distrits Distrit N de Frmands Masculins Feminins Nacala-Prt Cuamba Changara Matize Chitima Mcuba Maganja da csta Alt-Mlócue Subttal OUTRAS FORMAÇÕES Gvern da cidade de 05 Maput Gvern da Prvíncia de 02 Manica GABINFO 06 Subttal 13 Ttal Geral 53 N geral, huve ba apreensã das matérias leccinadas, pr se ter privilegiad exercícis prátics. Prém, grau de actualizaçã ds prtais n períd pós-frmaçã tem sid muit baix Infra-estrutura e Acess A área de infra-estrutura é a que assegura desenvlviment, implementaçã e peraçã de platafrmas electrónicas de cmunicaçã a nível d sectr públic, permitind a trca eficiente de infrmaçã e de dads entre s diverss órgãs estatais e facilita a satisfaçã das necessidades d públic em geral. Cnstituem exempls de platafrmas em implementaçã/peraçã a Rede Electrónica d Gvern e s prtais d Gvern, desde gvern central as distritais. 12

13 Nas cmunidades rurais, para além das redes da GvNET e d esistafe, estã em expansã as platafrmas de cmunicaçã de vz através da implantaçã de Rádis Cmunitárias e Centrs Multimédia Cmunitáris (CMCs), perspectivand-se igualmente a dispnibilizaçã nestes centrs de acess à infrmaçã e à cmunicaçã de dads através da Internet. N entant, a GvNET é que cnstitui a principal actividade d INTIC a nível das platafrmas de cmunicaçã electrónicas, cuj centr peracinal (COG), para além das actividades de expansã, tem sid fc das atenções ns últims ans, em que se desenvlveram as seguintes actividades: Expansã da rede as distrits e nvas ligações à rede a nível central e prvincial; Aument da capacidade de armazenament, prcessament e cmutaçã de dads; Melhrament d centr de dads da rede; Realizaçã d plan de aument de largura de banda; Implementaçã de sluções cm vista à ptimizaçã de utilizaçã da largura de banda; e Implementaçã de sluções para melhrar desempenh da rede. A realizaçã destas actividades cntu cm a clabraçã de parceirs nacinais, nmeadamente as empresas Telecmunicações de Mçambique (TDM) e Televisa de Mçambique, bem cm frnecedres de equipaments infrmátics e de cmunicaçã. De referir que huve parceirs que nã cnseguiram estar à altura de implementaçã da rede, em temp útil, tal cm estava definid n plan de actividades, resultand n incumpriment das metas inicialmente definidas. 13

14 Nta negativa vai igualmente para frnecedres de equipament infrmátic que nã suberam hnrar cm s seus cmprmisss, cntribuind negativamente para alcance ds bjectivs traçads. Apesar ds transtrns acima relatads, nível de execuçã d prgrama de actividades planificadas para a área de infra-estruturas é psitiv, tend em cnta impact das referidas mesmas. As principais actividades realizadas na área de Infra-estruturas e Acess sã: Aument de capacidade de prcessament, armazenament e cmutaçã na central da GvNET; Implementaçã d plan de aument de largura de banda na GvNET; Restruturaçã e aument da capacidade d COG para aljament de aplicações sectriais de alt débit; Api à implementaçã d Centr de Dads de Maluana; Harmnizaçã das redes GvNET e E-SISTAFE; Melhria de gestã e desempenh da GvNET; e Expansã da GvNET Aument da capacidade de prcessament, armazenament e cmutaçã da GvNET O Centr Operacinal da GvNET (COG) beneficiu de bras de ampliaçã de capacidade de prcessament, armazenament e cmutaçã de infrmaçã e de dads. Assim, n que se refere à capacidade de prcessament e de cmutaçã, fram substituíds s rteadres da série 2800 pr utrs da série 3945, a nível central, e de ruters da série 2911, a nível prvincial, mantend-se, a nível distrital, em funcinament s da série A nível de armazenament, fram iniciadas bras de melhrament d COG em três vertentes: Ampliaçã d centr de dads, que crrespnde a bras de alvenaria praticamente cncluídas; Instalaçã de uma sluçã de DataCenter APC que abarca s sistemas de fri, de segurança e de incêndis; e Instalaçã de UPS. O prject de melhrament d DataCenter tem duas etapas: A de realizaçã de bras de alvenaria; e A de instalaçã da sluçã APC Implementaçã d plan de aument de largura de banda O aument de largura de banda fcalizu s links interprvinciais, nde se verificu um increment de 4Mbps para 20Mbps, à excepçã de Maput-prvíncia, que ficu depende de um trabalh cnjunt INTIC/TDM para a criaçã de cndições técnicas. Fi também acrdad aument de largura de banda a nível prvincial, mas a sua efectivaçã ficu 14

15 dependente de um crngrama de implementaçã e de dispnibilizaçã de recurss técnics entre as partes. A nível central, nã fi lgrad nenhum aument, tend apenas iniciad s preparativs. De salientar que nas redes internas fi feita a substituiçã de cabs de cbre pr de fibra óptica. Ns lcais nde aument fi cnsumad, nta-se uma melhria substancial de transprte d sinal e, cnsequentemente, d desempenh da rede, inclusive a eliminaçã ds factres de instabilidade e intermitências d sinal. Tabela 4: Aument de Largura de Banda nas ligações interprvinciais # Ligaçã interprvincial Largura de Banda Observaçã 1 Maput Gaza Cncluid 2 Maput - Inhambane Cncluid 3 Maput Sfala Cncluid 4 Maput - Manica Cncluid De 4 5 Maput Tete Cncluid para 6 Maput - Zambézia Cncluid 20Mbps 7 Maput - Nampula Cncluid 8 Maput Cab Delgad Cncluid 9 Maput - Niassa Cncluid 10 Maput Maput Prvíncia Em curs Restruturaçã e aument da capacidade d COG Dada a necessidade de assegurar a cncretizaçã ds grandes cmprmisss d INTIC em 2014 n âmbit da implementaçã d Gvern Electrónic, fi lançad um cncurs públic, ganh pela TRIANA, que cbria duas grandes cmpnentes, a saber: Obras de alvenaria: Cm bjectiv principal de reabilitar tda a estrutura física d centr de dads e prepará-la para actividades subsequentes; Implementaçã de sluçã APC - Data Center: cm bjectiv principal de apetrechar datacenter cm sluções de fri, energia, segurança n cntrle de acesss, bem cm de hardware aprpriad e cmpatível cm uma sluçã que lhe cnferir nível II. A TRIANA fi também vencedra de um segund cncurs para cmpra e implementaçã de uma UPS n COG, que vai garantir a autnmia e capacidade ds sistemas infrmátics ns períds em que se verifica interrupçã da crrente eléctrica. Fram também instalads rteadres de mair capacidade a nível central e a nível prvincial Ruter CISCO 3945 e Ruter CISCO 2911, respectivamente, em substituiçã ds ruters CISCO, cm bjectiv de dtar centr de dads cm mair capacidade de cmutaçã e prcessament, e fazer face à demanda de nvas ligações na rede. 15

16 Harmnizaçã das redes GvNET e E-SISTAFE Os trabalhs de harmnizaçã das redes GvNET e e-sistafe iniciaram, visand: Reduçã de custs assciads à sua implementaçã e manutençã; Eliminaçã de duplicaçã de esfrçs em recurss materiais, humans e financeirs durante a sua implementaçã e gestã; e Pssibilidade de melhrar cada vez mais intercâmbi entre as duas instituições, cm bjectiv principal de melhrar s serviçs públics. Fi neste cntext que INTIC prduziu um dcument de base de harmnizaçã das redes, que deverá ser validad pel CEDSIF, cm pnt de partida para a assinatura de um Memrand de Entendiment e iníci de actividades em Melhria de gestã e desempenh da GvNET Cnversã de cabs de cbre em fibra óptica a nível central Em parceria cm a TDM, INTIC empreendeu a substituiçã ds cabs de cbre pr Fibra Óptica nas redes internas das instituições, cm meu bjectiv de melhrar meu desempenh da GvNET, que se manifestava através de dificuldades de acess à internet e da instabilidade d sinal, que riginavam grandes dificuldades de acess à infrmaçã e de funcinament de aplicações, cm tdas cnsequências daí resultantes para s gestres e peradres de sistemas que crrem na rede. 16

17 A substituiçã de cbre pr fibra óptica vai cbrir tds ministéris, num ttal de 23, e tdas as instituições cm aplicações na rede, num ttal de 13, cnfrme a tabela abaix, send neste mment apenas 13 as que já beneficiaram de substituiçã, a saber: 1 Ministéri ds Transprtes e Cmunicações 2 Ministéri d Interir 3 Ministéri de Indústria e Cmérci 4 Ministéri da Defesa Nacinal 5 Ministéri da Administraçã Estatal 6 Ministéri da Saúde 7 Ministéri d Plan e Desenvlviment 8 Ministéri ds Cmbatentes 9 Ministéri d Turism 10 Ministéri da Cultura 11 Ministéri da Funçã Pública 12 Ministéri da Juventude e Desprts 13 Gabinete Central de Cmbate a Crrupçã Implementaçã de filtrs de cnteúds A gestã eficiente de largura de banda é um aspect crucial da GvNET prque resulta em largas vantagens sb pnt de vista financeir e funcinal da administraçã pública, permitind que a infrmaçã em circulaçã na rede seja de ttal utilidade. Fi assim que, em 2013, iniciu um plan de implementaçã de filtrs nas instituições de nível central, cm mair incidência ns ministéris e utras instituições detentras de aplicações, tend sid pssível cbrir it instituições, cm mstra a tabela abaix: Tabela 5 : Implementaçã de filtrs de cnteúds na GvNET # Instituiçã 1 Ministéri da Indústria e Cmérci 2 Ministéri ds Recurss Minerais 3 Ministéri das Pescas 4 Ministéri da Crdenaçã da Acçã Ambiental - Sede 5 Ministéri da Crdenaçã da Acçã Ambiental - Direcções 6 Ministéri da Administraçã Estatal 7 Gabinete Central de Cmbate a Crrupçã GCCC 8 Direcçã Nacinal de Terras e Flrestas DNTF Expansã da GvNET Um ds grandes desafis que se clcam actualmente a INTIC é sem dúvida a massificaçã d us de TICs a nível da administraçã pública, através de cresciment d númer de pnts de acess à rede, cm respsta à crescente demanda de serviçs. Fi neste cntext que fram ligads 61instituições, cnfrme a tabela que se segue: 17

18 Tabela: Instituições ligadas em 2013 # Instituiçã Largura de Banda 1 Tribunal ds Menres 1Mbps 2 Gabinete de Atendiment a Mulher e Criança 1Mbps 3 Direcçã da Justiça da Cidade de Maput 2Mbps 4 GABINFO 4Mbps 5 Direcçã Prv. de Recurss Minerais Gaza 512 Kbps 6 Direcçã Prv. de Recurss Minerais Ibane 512 Kbps 7 Direcçã Prv. ncial de Recurss Minerais Sfala 512 Kbps 8 Inspecçã de Administraçã Lcal (IAL) 2Mbps 9 Delegaçã Prv. de Pescas (C. Delgad) 256 Kbps 10 Direcçã Prv. de Recurss Minerais C.Delgad 512 Kbps 11 Serviçs Prv. de Gegrafia e Cadastr Zambézia 512 Kbps 12 Serviçs Prv. de Gegrafia e Cadastr Nampula 512 Kbps 13 Serviçs Prv. de Gegrafia e Cadastr C. Delgad 512 Kbps 14 Serviçs Prv. de Gegrafia e Cadastr Niassa 512 Kbps 15 Serviçs Munic. de Gegrafia e Cadastr Quelimane 512 Kbps 16 Serviçs Munic. de Gegrafia e Cadastr Nampula 512 Kbps 17 Serviçs Munic. de Gegrafia e Cadastr Pemba 512 Kbps 18 Serviçs Munic. de Gegrafia e Cadastr Lichinga 512 Kbps 19 Serviçs Distr. de Gegrafia e Cadastr Mnap 512 Kbps 20 Serviçs Distr. de Gegrafia e Cadastr Mcuba 512 Kbps 21 Serviçs Distr. de Gegrafia e Cadastr Cuamba 512 Kbps 22 SETSAN 2Mbps 23 Hspital Militar de Maput 4Mbps 24 Hspital Militar de Sfala 1Mbps 25 Hspital Militar de Nampula 1Mbps 26 Institut Nacinal de Inspecçã de Pescad 2Mbps 27 Inspecçã-geral de Finanças (IGF) - Sede 4Mbps 28 IGF Delegaçã Reginal Centr 512 Kbps 29 IGF Delegaçã Reginal Nrte 512 Kbps 30 Cnselh Superir de Cmunicaçã Scial 2Mbps 31 Institut de Investigaçã de Águas 2Mbps 32 Serviç de Migraçã da Prvíncia de Maput (RG) 2Mbps 33 Direcçã Nacin. de Migraçã (Aerprt) 2Mbps 34 Serviç Prv. de Migraçã de Gaza 256 Kbps 35 Serviç Prv. de Migraçã de Gaza 256 Kbps 36 Serviç Prv. de Migraçã de Ibane 256 Kbps 37 Serviç Prv. de Migraçã de Sfala 256 Kbps 38 Serviç Prv. de Migraçã de Manica 256 Kbps 39 Serviç Prv. de Migraçã de Tete 256 Kbps 40 Serviç Prv. de Migraçã de Zambézia 256 Kbps 41 Serviç Prv. de Migraçã de Nampula 256 Kbps 42 Serviç Prv. de Migraçã de Niassa 256 Kbps 43 Serviç Prv. de Migraçã de C. Delgad 256 Kbps 44 ACIPOL 4 Mbps 45 Institut Médi de Planeament Físic e Ambiente 2Mbps 46 Direcçã Nacin. de Patrimóni de Estad 2Mbps 47 Direcçã de Planificaçã e Cperaçã- (Minist. Cm) 2 Mbps 48 Ipaj Sede 2 Mbps 18

19 49 Delegaçã Prv. de Ciência e Tec. (Pemba) 256 Kbps 50 Delegaçã Prv. de A. Cmbatentes (Pemba) 256Kbps 51 Distrit de Mueda (C. Delgad) 256Kbps 52 Distrit de Macmia (C. Delgad) 256Kbps 53 Distrit de Mntepuez (C. Delgad) 256Kbps 54 Distrit de Quissanga (C. Delgad) 256Kbps 55 Distrit de Sanga (Niassa) 256Kbps 56 Distrit de Muembe (Niassa) 256Kbps 57 Distrit de Rapale (Nampula) 256Kbps 58 Distrit de Muecate (Nampula) 256Kbps 59 Distrit de Nacala Velha (Nampula) 256Kbps 60 Distrit de Erati (Nampula) 256Kbps 61 Distrit de Sussundenga (Manica) 256Kbps Obs: 18 de nível Central, 25 de nível Prvincial, 14 de nível Distrital, 4 de nível Municipal 3.3. Gvern Electrónic Cm a implementaçã de prjects estruturantes iniciads em 2012, que se prlngarã até a final de 2014, a área d Gvern Electrónic teve um desempenh de destaque em 2013 prque deu muits passs psitivs a nível central. A seguir se apresentam a prmenr as principais actividades desenvlvidas na área d Gvern Electrónic: Sistema de Crrei Electrónic ns Distrits O Sistema Centralizad de Crrei Electrónic (SCCE) é um sistema de cmunicaçã através de mensagens electrónicas ( ), que pssibilita a tds s funcináris públics, incluind s membrs d Gvern a mais alt nível, dirigentes e utrs titulares de cargs públics usufruírem de um mei segur e fiável nas suas cmunicações. Em 2013 INTIC prsseguiu cm a expansã de cbertura d Serviç Centralizad de Crrei Electrónic n sectr públic, cm mair enfque ns Funcináris e Agentes d Estad ns gverns distritais. Se em finais de 2012 estavam registads utilizadres deste sistema, em 2013 fram registads mais cntas a nível nacinal, ds quais ns distrits, cnfrme ilustra a tabela abaix: Prvíncia Distrit # Cntas Criadas 1 Chimbnila 64 NIASSA Marrupa 11 2 CABO DELGADO Cuamba 17 Chiurre 285 Mntepuez 22 19

20 3 4 5 NAMPULA ZAMBÉZIA Mecuburi 5 Nacala-Prt 30 Inhassunge 78 Mrrumbala 15 Mcuma 14 Namacura 40 Machanga 32 Changara SOFALA INHAMBANE GAZA MAPUTO Grngsa 80 Buzi 38 Chibabava 15 Chemba 101 Inhassr 43 Gvur 53 Panda 61 Hmine 25 Bilene 57 Massingir 70 Chibut 12 Bane 48 Namaacha 53 Marracuene 112 Manhiça 122 TOAL

21 A criaçã destas cntas, tant a níveis central cm prvincial e distrital, tem um impact na frma cm as cmunicações na funçã pública sã realizadas, de frma célere e flexível. O d Gvern permite igualmente que nã se gastem tneladas de papel, pis cada utilizadr pde receber um relatóri e trabalhar cmputadr e depis enviar de vlta, pr , evitand a utilizaçã de papel. Table 1-Cntas de crrei eletrónic acumuladas até Dezembr de 2013 Períd N de Cntas Fevereir Dezembr Julh Dezembr Fevereir Julh Dezembr Dezembr Dezembr Dezembr gráfic 1- Gráfic da evluçã das cntas criadas n SCCE 21

22 Table 2 Cntas de crrei eletrónic pr divisã gegráfica administrativa Perid Numer de cntas a Nível Central Prvincial Distrital Geral Sluçã de Base para a Implementaçã d Gvern Electrónic A Sluçã de Base para a Implementaçã d Gvern Electrónic é uma iniciativa d Ministéri de Ciência e Tecnlgia (MCT) n âmbit d Prject de Gvern Electrónic e Infra-estruturas de Cmunicaçã (MEGCIP), financiad pel Banc Mundial, send INTIC uma das instituições beneficiárias. Esta iniciativa, igualmente designada egvernment Fundamentals, fi inicialmente desenhada cm quatr grandes cmpnentes, mas, n desenrlar das actividades, nvs requisits fram surgind, ditand alterações ds Terms de Referência e a inclusã de um serviç de Gvern Electrónic cm três grandes vectres, a saber: Visibilidade para cidadã Interperabilidade e Carácter nacinal. Deste md, a iniciativa passu a ter as seguintes cmpnentes, cuj estad de implementaçã será apresentad mais adiante: A: Implementaçã d Mdel para a Integraçã Hrizntal ds Gverns Lcais B: Revisã e Mdel de Implementaçã d Quadr de Interperabilidade de Gvern Electrónic (egif4m) C: Implementaçã d Centr de Operações da Rede Electrónica d Gvern, n Centr Nacinal de Dads d Gvern, na Maluana D: Plan de Divulgaçã ds Resultads da Cnsultria e Plan de Frmaçã E: Desenvlviment da Platafrma de Frmuláris Electrónics e d Serviç Online de Pedid d Direit de Uss e aprveitament da Terra (DUAT) 22

23 Cmpnente (A) Implementaçã d Mdel para a Integraçã Hrizntal ds Gverns Lcais Nesta cmpnente, fram estudads e identificads quatr serviçs priritáris a cidadã, incluind um nv mdel para Prtal d Gvern e páginas Web das instituições da Administraçã Publica, cuja prpsta final só será discutida em Nv mdel d Prtal d Gvern Cm este mdel, pretende-se frnecer um cnjunt de sugestões a ter cnta em futuras iniciativas de prtais e utras frmas de dispnibilizaçã de infrmaçã e serviçs da Administraçã Pública. As sugestões incluem a lcalizaçã de dcuments, a árvre de navegaçã e utrs requisits indispensáveis. A nva abrdagem tem bjectivs clars a cumprir para que Gvern de Mçambique pssa maximizar sucess ds prtais, ds quais se destacam: Manter uma estrutura de prtal actualizada cm s acnteciments d Gvern. Prmver a cmunicaçã (mais simples e fácil): Infrmaçã segmentada pr públic-alv; Cmunicaçã entre s clabradres através de hmepage e espaçs própris; Simplificaçã de utilizaçã d prtal, cmpreendend: Facilidade na actualizaçã e gestã de cnteúds; 23

24 Acess rápid, lógic e estruturad à infrmaçã; e Acess rápid a frmuláris em frmat digital e PDF Cmpnente (B) Revisã e Mdel de Implementaçã d Quadr de Interperabilidade d Gvern Electrónic Em primeir lugar, imprta frisar que a interperabilidade é um mecanism que permite que duas u mais aplicações, desenvlvidas cm ferramentas e tecnlgias diferentes, pssam trcar dads entre si através de um cnjunt de regras pré-definids. Esta actividade respnde à Parte B d egvernment Fundamentals e visa essencialmente: Rever e actualizar Quadr de Interperabilidade de Gvern Electrónic (egif4m), aprvad em 2009 pel Gvern; Estudar e prpr uma Platafrma de Interperabilidade para Mçambique. Cm a definiçã ds serviçs priritáris e estud sbre s cass de sucesss na implementaçã de interperabilidade, fram registads avançs significativs que resultaram na elabraçã da prpsta de Platafrma de Interperabilidade d Gvern Electrónic para nss país. Cnceptualmente, pretende-se que, num futur próxim, esta platafrma venha a servir a tds s canais de cmunicaçã cm cidadã, que venham a surgir em Mçambique. A ilustraçã que se segue pretende demnstrar quant a platafrma se enquadra n plan de interperabilidade: Canais On-Line Internet Prtal d Balcã de Prtal d Gvern Atendiment Únic SMS Interperabilidade Platafrma de Interperabilidade Cidadã Call-Center Extranet/Intranet Sistemas da Administraçã Pública Sistema Case Management (para entidades sem sistemas de infrmaçã) Presencial Figura X Visã cnceptual de interperabilidade em Mçambique De acrd cm a demnstraçã da figura anterir, cidadã vai dispr de váris canais para cmunicar, a saber: On-Line: A dispnibilizaçã de prtais gvernamentais e de administraçã pública, cm que utilizadr final pssa interagir cm intuit de bter infrmaçã e dispr de serviçs; SMS: O SMS pderá também ser um mecanism privilegiad para a prestaçã serviçs; 24

25 Call-Center: A linha de api as utilizadres, que para além de ajudar utilizadr pssa também apiar na subscriçã de serviçs; Presencial: Que implica a deslcaçã ds utilizadres a pnts de atendiment (pr exempl a um Balcã de Atendiment Únic). Para suprte destes canais, Estad vai dispr de tr^s grandes cmpnentes, a saber: Internet: Onde se enquadram prtais destinads a cidadã, empresas e etc.; Interperabilidade: O mecanism que assegura a integraçã entre s váris sistemas de negóci, e apia as necessidades de Internet e Extranet/Intranet; Extranet/Intranet: Os sistemas de infrmaçã que suprtam negóci e serviçs. Tend em cnta este cntext, é imprtante que, na sua fase embrinária, mecanism de integraçã crie as cndições necessárias para suprtar diferentes níveis de interperabilidade, cnfrme diagrama abaix. Uma das cnclusões d tema é que desafi de interperabilidade seja um catalisadr de td univers da administraçã pública Cmpnente (C) - Implementaçã d COG n CNDG N âmbit d Prject MEGCIP, está em implementaçã Centr de Operações de Serviçs de Gvern Electrónic, n Pst Administrativ da Maluana, Distrit da Manhiça, que visa reduzir custs e ptimizar prcesss sbre serviçs de atendiment e suprte técnic para s gestres de TI e respnsáveis pels Sistemas de Infrmaçã de Gvern Electrónic, utilizadres da Rede Electrónica d Gvern (GvNET) e cidadã. Na figura abaix, está explicitad cnceit de Centr de Operações de Serviçs de Gvern Electrónic. egovcentre e-gvernment Services Operatins Center 25

26 GvServiçsCentre GvDadsCentre GvRedeCentre Infra-estrutura de redes de cmputadres e de telecmunicações para peradras de serviçs de vz Infra-estrutura de bases de dads, sluções para segurança de infrmaçã e sluções para a salvaguarda segura de dads Infra-estrutura de redes de cmputadres e de serviçs de telecmunicações para dads e Internet O estabeleciment d Centr de Operações de Gvern Electrónic está alinhad cm prject de Cnstruçã d Centr Nacinal de Dads d Gvern (CNDG) para uma ba utilizaçã ds recurss dispníveis, A figura abaix espelha as respnsabilidades e cmplementaridades n âmbit ds dis prjects: A cntribuiçã d INTIC na cnstruçã d CNDG cnsistiu essencialmente: N desenvlviment d prject arquitectónic d CNDG; Na elabraçã das especificações das funcinalidades d CNDG; N mdel de gestã d centr de perações n CNDG; e N mdel de cópias de segurança (backup) para CNDG. De referir que huve também acções de frmaçã n quadr de especificaçã das funcinalidades d CNDG e ds mdels de peraçã, para técnics d INTIC e MCT. 26

27 Cmpnente (D) - Definiçã de Serviçs Priritáris a Cidadã e Mdel e Plan de Implementaçã de Serviçs Partilhads Inicialmente, egvernment Fundamentals estava dividid em quatr, a saber: PARTE A. Desenvlviment d Mdel para a Integraçã Hrizntal ds Gverns Lcais PARTE B. Implementaçã d Quadr de Interperabilidade (egif4m) PARTE C. Definiçã d Prject Técnic para Centr de Operações de e- Gvernment PARTE D. Definiçã d Plan de Frmaçã para a Cmunicaçã Institucinal Tdavia, huve necessidade de se fazer alterações ds terms de referência para acmdar nvs requisits, que reduziram númer de serviçs de cinc para quatr, a saber: Platafrma de frmuláris electrónics e pedids de DUAT Online Descriçã Platafrma nacinal que permitirá às entidades da administraçã pública: Cnfigurar, gerir e dispnibilizar frmuláris n-line para cidadãs e empresas Unifrmizar e estandardizar preenchiment ds frmuláris Este serviç visa: Eliminar a replicaçã de frmuláris ns diverss prtais da administraçã pública Prmver uma melhr usabilidade e experiência a cidadã Âmbit A platafrma tem cm âmbit: Criaçã de um prtal para a dispnibilizaçã de frmuláris para cidadã e empresas, permitind ainda que s rganisms públics pssam gerir s respectivs frmuláris Distribuiçã ds frmuláris preenchids pels diferentes rganisms através de canais cm e Webservices Platafrma de pagaments electrónics de serviçs d Estad Descriçã Serviç de emissã de dcuments únics de cbrança, cm instrument base 27

28 para s pagaments a realizar n âmbit ds serviçs públics e pssibilidade de cbrança ns serviçs presenciais (públics u privads) através de: Apresentaçã de cmprvativs de depósit u transferência bancária Numerári Âmbit Serviç de emissã de dcuments únics de cbrança (interperável cm s sistemas de negóci da administraçã pública) BackOffice para regist de cbranças e gestã de cntas crrentes ds parceirs envlvids (e respectivs mecanisms de distribuiçã das receitas) Prtal para cnsulta da situaçã de cbrança de DUC Prject-pilt de integraçã cm um parceir Dcumentaçã técnica cm carácter eminentemente prátic que permita integraçã na platafrma de pagaments Wrkshps técnics de transferência de knw-hw para diferentes ministéris Identidade electrónica d cidadã Descriçã Serviç transversal de identificaçã e autenticaçã digital d cidadã de Mçambique através de username/passwrd e certificads digitais Âmbit Prcess de identificaçã e regist d cidadã para autenticaçã cm username e passwrd Prcess para a adesã de autridades de certificaçã a um sistema de identificaçã d cidadã através de certificads digitais Autenticaçã para perações sensíveis através d telemóvel Frnecedr de autenticaçã para a autenticaçã d cidadã (single sign-n) pr username/passwrd e pr certificad digital Prject-pilt de integraçã cm frnecedr de autenticaçã Dcumentaçã técnica cm um carácter eminentemente prátic que permita a integraçã n frnecedr de autenticaçã Wrkshps técnics de transferência de knw-hw para diferentes ministéris Platafrma de Pedid de Certidões Online Descriçã Platafrma nacinal destinada a cidadã para pedid e cnsulta de certidões de frma n-line. A materializaçã de certidões irá permitir: A dispnibilizaçã d serviç em diverss lcais: Balcões de Atendiment Únic, Centrs Multimédia, cnservatórias, embaixadas, cnsulads u em regime self-service a partir da Internet A gestã da afluência às cnservatóris d regist civil, ptimizand prcesss inerentes (prazs e níveis de serviç) Âmbit Prtal em regime de self-service para cidadã, igualmente destinad a suprtar canal presencial e telefónic através d qual s funcináris de atendiment pssam apiar cidadã n regist ds pedids BackOffice de Case Management para gestã de pedids de certidã, encaminhand-s para as cnservatórias para respectiv tratament 28

29 Ntificaçã d requerente pr canal de u SMS n mment de dispnibilizaçã de certidã e dispnibilizaçã de códig de acess n-line para a certidã O Primeir destes serviçs será implementad na sua ttalidade e cncluíd até Junh de 2014, tend levantament de requisits funcinais sid feit na Direcçã Nacinal de Terras e Flrestas (DNTF), INTIC, Municípi da Matla, e Serviçs Distritais de Actividades Ecnómicas (SDAE) de Bane. Os restantes serviçs vã também ter s seus requisits de funcinalidade especificads até Març, para serem submetids a cncurs públic Cmpnente (E) - Estabeleciment d Centr de Operações de Gvern Electrónic Esta actividade fazia parte d egvernment Fundamentals, mas sfreu alterações para integrar CNDG, tend sid eliminada a mair parte das actividades referentes as prjects técnics d Centr de Operações de Gvern Electrónic (prject de cnstruçã civil, de electricidade, de hidráulica, etc). N âmbit desta actividade, tds s prduts já fram entregues, faltand apenas um Wrkshp de transferência de cnheciment, cnfrme a tabela que se segue: C1: Prject Técnic e Funcinalidades d Centr Operacinal C2: Ferramentas de Operaçã Diária d Centr Operacinal C3: Especificaçã d Mecanism de Cópias de Segurança (backup) C4: Mdels de Gestã d Centr de Operacinal C5: Wrkshps de Transferência de Cnheciment (faltand C2 e C3) Mecanism de supervisã e mnitria de sistemas/serviçs de Gvern Electrónic Fram realizads encntrs cm instituições que pssuem sistemas e serviçs de Gvern Electrónic e visitas de supervisã e mnitria ds Pnts de Entrega, que visavam essencialmente levantament de infrmações cnsideradas fundamentais para padrnizaçã/unifrmizaçã de prcediments de cntrataçã, implementaçã, peraçã e manutençã de serviçs e sistemas de Gvern Electrónic, e a btençã de infrmaçã sbre tip de interacçã de actres envlvids nesta actividade (implementadr, peradr e supervisr), bem cm a segurança e a qualidade da prestaçã de serviçs. A figura abaix ilustra mdel de supervisã ds Pnts de Entrega de Serviçs d Gvern Electrónic. 29

30 Ds dads btids a partir d levantament efectuad, fi pssível bter as seguintes cnstatações Existência de serviçs de atendiment; Salas de servidres bem equipads, mas que nã bedecem a tds padrões definids; Sistemas centralizads; Falta de backup lcal; Relatóris a nível central; Nã existem serviçs nline; Operadres sã frmads mas dentam deficiências n manuseament d cmputadr Aljament de aplicações de grande prte (Turism, Indústria e Cmérci e Terras) na GvNET Estava previst que fssem hspedads n Centr de Dads da GvNET Sistema de Infrmaçã e Licenciament de Actividades Turísticas (SiLTUR) e Sistema de Infrmaçã e Gestã de Terras (SiGT), mas só fi pssível hspedar últim pr falta de cndições técnicas Certificaçã Digital A certificaçã digital é um ds serviçs priritáris n âmbit da Sluçã de Base para a Implementaçã d Gvern Electrónic que, cm é sabid, cnta cm um financiament d Banc Mundial n âmbit d Prject MEGCIP. O debate à vlta da questã iniciu em 2012 e prsseguiu em 2013, tend-se neste últim se avançad cm uma prpsta de text de diplma de criaçã, que n entant nã fi para além d nível de grup técnic. 30

31 A certificaçã digital u identidade electrónica d cidadã é um prject estruturante e transversal à administraçã pública e a cidadã. Este serviç visa frnecer uma frte autenticaçã para cidadã e empresas, através de single sign-n pr username /passwrd e pr certificad digital, e se espera venha a cnhecer avançs n quadr da Lei das Transacções Electrónicas. Figura X: Estrutura Macr d Sistema de Certificaçã Digital d Estad Assistência técnica a MITUR, MIC e MINAG Os Ministéris d Turism (MITUR) e da Agricultura (MINAG) implementaram s sistemas de Infrmaçã de Gestã das Actividades Turísticas (SiLTUR) e de Gestã da Terras e Títuls de Prpriedade (SiGT), enquant da Indústria e Cmérci (MIC) está a implementar sistema de Platafrma Integrada de Prestaçã de Serviçs a Cidadã, igualmente cnhecid pr e- BAU. O INTIC fez devid acmpanhament e prestu a devida assistência técnica à implementaçã destas iniciativas, cm destaque a SiGT, em que participu nas auditrias de pré-instalaçã e garantiu a ligaçã de tds s pnts de atendiment cm a GvNET, estand preparad para albergar a infra-estrutura tecnlógica das cópias de segurança d prject, n quadr de um acrd de nível de serviçs, a assinar entre as partes. Em relaçã a MITUR e a MIC, api d INTIC circunscreveu-se à actuaçã e participaçã na implementaçã da Platafrma Integrada de Prestaçã de Serviçs a Cidadã u e-bau, que se resume às seguintes actividades: Envi de técnics d INTIC para frmaçã em Cab Verde; Lançament d cncurs para a aquisiçã de equipaments de centrs de dads para hspedagem d sistema d e-bau e serviçs cmplementares; 31

32 Preparaçã e participaçã n Wrkshp sbre prject e-bau em Maput; Elabraçã de infrmes e participaçã nas sessões d Cnselh de Ministrs; Participaçã na visita de trabalh a Cab-Verde; Participaçã nas sessões de trabalh cm as áreas rgânicas em que prject e-bau (DNTF, INSS, AT, MJ, CEDSIF, Migraçã) tem impact Padrnizaçã de Sftware da Micrsft Padrnizaçã O Gvern e a Micrsft Crpratin têm um Acrd de Parceria Estratégica para Frneciment de Licenças de Sftware, a abrig d qual tdas as instituições públicas devem beneficiar de licenças de prduts e sluções da empresa nrte-americana, assim cm de frmaçã técnica especializada, para técnics e respnsáveis ds sectres de infrmática. Os valres negciads e acrdads cm a Micrsft dividem-se da seguinte frma: O valr referente a An 1 fi pag, em Març de 2012, através d Prject de Gvern Electrónic e Infra-estruturas de Cmunicaçã (MEGCIP), financiad pel Banc Mundial. O pagament d 2º e 3º an ficaram sb a respnsabilidade d Gvern, através d Orçament de Estad, tend referente a An 2 sid pag em Junh de Plan de distribuiçã de licenças Ciente de que as licenças adquiridas tinham que ser distribuídas às instituições beneficiárias em td país, INTIC, baseand-se n númer de funcinárias de cada prvíncia, fez uma divisã equitativa destas, da qual a Cidade de Maput ficu cm mair númer pr razões óbvias, nmeadamente seu ptencial digital, cm se pde ver na tabela: Territóri Ttal de Vinculações % Nº de Licenças Central 30, Niassa 11, Cab Delgad 11, Nampula 20, Zambézia 21, Tete 12, Manica 11, Sfala 14, Inhambane 15, Gaza 14, Maput Prvíncia 14,

33 Maput Cidade 13, Ttal 193, Para a implementaçã d 2º APE ficu acrdad que Gvern teria acess às seguintes quantidades de licenças: An 1 [Abril de 2012 a Març de 2013]: cmputadres An 2 [Abril de 2013 a Març de 2014]: cmputadres An 3 [Abril de 2014 a Març de 2015]: cmputadres Até Març de 2013, ist é, decrrid primeir an de implementaçã d 2º APE, tdas as licenças tinham sid distribuídas nas instituições beneficiárias. De Abril a Dezembr de 2013 fram distribuídas mais licenças, mair parte das quais para sftwares de cmputadres de mesa. O gráfic acima demnstra pes financeir da distribuiçã de licenças e respectiv cust, cas Estad nã tivesse estabelecid Acrd cm a Micrsft. Se cada uma destas instituições pagasse individualmente, preç médi de US$187,75 (cent e itenta e sete dólares americans e setenta e cinc cêntims), cust d licenciament seria 33

34 de US$2.564,278,75, ist é, dbr d que fi pag n acrd, US$ ,37, para períd Para facilitar a intersecçã entre INTIC e s beneficiáris das licenças, fi criad Sistema Online de Gestã de Licenças, que n primeir an d seu funcinament registu 33 instituições, que nã precisaram de enviar pedids de atribuiçã de licenças através de fícis/ cartas Api à implementaçã e de páginas web institucinais Estava planificada a hspedagem de 10 nvas páginas web sectriais, tend sid cnseguidas na ttalidade, que se seguem: # Instituiçã URL da Página Observações 1 Presidência da Reública Nva página 2 Ministéri ds Cmbatentes Nva página 3 Institut para Desenvlviment da Pesca de Pequena Escala 4 Secretariad Técnic de Segurança Alimentar 5 Institut de Prmçã de Exprtações 6 Ministéri da Juventude e Desprts 7 Direcçã Nacinal de Terras e Flresas 8 Ministéri da Indústria e Cmérci 9 Prcuradria-Geral da República 10 Administraçã de Infraestruturas de Água e Saneament Atltasdesprtiv.gv.mz Nva página Nva página Nva página Atlas sbre Desprt em Mçambique Nva página Página de infrmações sbre Negócis, mantida pela MIC/ DASP Nva página Nva página Até a mment, estã hspedads n COG um ttal de 155 páginas web e 30 aplicações de instituições públicas Implementaçã da nva estrutura de gestã d Prtal d Gvern O Prtal d Gvern fi primeir pass rum à materializaçã d Gvern Electrónic em Mçambique, estand neste mment dispnibilizada uma variada gama de infrmações 34

35 sbre Gvern e sectr públic em geral, incluind serviçs e lcais nde sã prestads, e serviçs de cmunicaçã interna, nmeadamente serviç d Sistema Centralizad d Crrei Electrónic e a Intranet. Desde que fi lançad em 2006, Prtal d Gvern esteve sempre sb a respnsabilidade d INTIC, em tds s aspects, n que se refere à tecnlgia (actualizações, nvas versões, segurança, entre utrs) e cnteúd (ntícias, fntes, etc), a partir de 2013, pr recnhecer as respnsabilidades d Gabinete de Infrmaçã (GABINFO) em matéria de infrmaçã e imagem d Gvern, decidiu-se transferir uma parte de cnteúds para este órgã, cuj memrand de entendiment fi assinad n mês de Nvembr. N quadr d memrand, as partes acrdaram um plan de acçã, que estabeleceu a ligaçã d GABINFO à Rede Electrónica d Gvern (GvNET), frneciment de equipament infrmátic a GABINFO e capacitaçã interna em TICs Implementaçã da nva estrutura d serviç de directóris d Gvern, em Windws Server 2012 Fi implementad um serviç de directóri d Gvern basead em Active Directry, em substituiçã d Open LDAP, que vinha funcinand desde 2004, tend em vista s seguintes benefícis: Uma infra-estrutura cmum à escala d Gvern de Mçambique; Reduçã de custs de gestã; Uma platafrma que significa valr acrescentad para s serviçs d Gvern Electrónic. Gestã centralizada de máquinas e utilizadres na base de critéris de cnfrmidade e unifrmizaçã. 35

36 3.4. Regulaçã e Estuds Mbilizaçã de funds para aquisiçã de Unidades Móveis de TICs Em 2013, a direcçã d INTIC decidiu empreender um prject de aquisiçã de mais duas UMTICs na perspectiva de dar a melhr respsta a bjectiv d Gvern, de massificar a frmaçã d funcinári públic em TICs, especialmente ns distrits, definids cm a para a base de planificaçã e desenvlviment nacinal. Pretende-se que as futuras UMTICs estejam baseadas nas prvíncias de Manica e de Cab Delgad, para cbrir as regiões centr e nrte d país, respectivamente Prject de sala de Infrmática/ mdel Outra iniciativa imprtante d INTIC em 2013 fi a elabraçã de um prject de salas de infrmática/mdel ns distrits e ns centrs de frmaçã técnic-prfissinal, equipadas cm cmputadres e aplicações de frmaçã em TICs, para dcentes, estudantes, membrs ds Cnselhs Cnsultivs Distritais, sciedade civil e peradres privads. Trata-se de uma sala de aulas para 30 aluns e igual númer de cmputadres, incluind uma sala de servidres e um pequen armazém e um geradr de energia alternativ Capacitaçã institucinal Cntinuaçã da implementaçã ds sistemas infrmátics d INTIC O prgrama de actividades da área de infrmática d INTIC fcalizu as seguintes actividades: Levantament d equipament Infrmátic d INTIC Instalaçã de Academias CISCO ns CPRDs Aprvaçã e iníci de implementaçã d Plan tecnlógic ds CPRDs Aquisiçã de Sftware Infrmátic para Recurss Humans e Cntabilidade Inventári d equipament d INTIC Esta actividade tinha cm bjectiv fundamental criar uma base de dads de equipament Infrmátic d INTIC. N patrimóni d INTIC figuram Cmputadres de mesa, mnitres, Laptps, Tablets, ipads, Servidres, Impressras, Ftcpiadras, UPS, Scanners, Swithes, Ruters, acessóris para Rede Sem Fis, entre utrs. A mair parte deste equipament encntra-se em funcinament. O Inventári estabelece mapeament d equipament pr funcináris u pr Direcções/Departaments. Esta actividade embra tenha tid um grau de implementaçã estimad em 80%, principal cnstrangiment fi a nã existência de nenhum dcument que pudesse ser tmad cm base. Outr cnstrangiment cnsiderável é fact de ser difícil destingir equipament adquirid n âmbit de prjects e ds funds d Estad prque nã existe nenhum regist feit. 36

37 Instalaçã de Academias CISCO ns CPRDs Fi feit levantament preliminar, que cnsistia na identificaçã d espaç físic (salas) nas instalações ds CPRDs, tend-se cnstatad que Sfala, Nampula, Tete e Cab Delgad pssuem espaç físic para instalaçã de CISCO LABs, except Gaza. Sfala já tem uma sala para Labratóri CISCO reabilitada; Em Tete, espaç prpst para Labratóri CISCO é uma parte da actual sala de frmaçã; Em Cab Delgad, prpõe-se us de uma sala d edifíci principal d CPRD cas númer de frmands pr turma nã ultrapasse 8; Em Nampula, a futura sala vai resultar de clcaçã de uma divisória na actual sala técnica; Em Gaza, nã fi pssível identificar espaç em cndições para um Labratóri CISCO vist que nã existe uma sala livre cm cndições, send a actual pequena. Em relaçã as CPRDs de Niassa, Zambézia e Inhambane, imprta referir que através de um cncurs públic, fram seleccinadas empresas para instalaçã ds labratóris das Academias CISCO, frneciment de equipament e d material cmplementar. N geral, imprta referir que fram prduzids s Terms de Referencia Padrã para a próxima fase que vai cnsistir na instalaçã de Academias CISCO ns restantes CPRDs Sistemas Infrmátics d INTIC e CPRDs A nível d equipament d INTIC, é imprtante referir que fi iniciada a unifrmizaçã ds Sftwares em us, cm mair enfque n Upgrade ds sistemas peracinais para Windws 7/8 e pactes d Micrsft Office para 2013, pdend-se assumir que esta actividade tenha um grau de implementaçã estimad em 90% Plan Tecnlógic ds CPRDs O Plan Tecnlógic ds CPRDs tem cm bjectiv criar uma padrnizaçã de equipaments e Sftwares usads ns CPRDs para facilitar a gestã ds recurss envlvids. N âmbit deste plan, fram realizadas as seguintes actividades: Aquisiçã e distribuiçã de equipament de cmunicaçã Skype entre INTIC e CPRDs para a reduçã de custs de cmunicaçã; Instalaçã de Switch, Patch panels, Rteadres, Firewalls, Servidres de Mnitria em alguns CPRDs, faltand apenas Racks na sua mairia; Iníci d prcess de Unifrmizaçã de Sftwares (Upgrade para Windws7/8 e Office 2013) especialmente para cmputadres usads pels funcináris ds CPRDs, faltand apenas cmputadres de frmaçã devid à limitaçã de Hardware Intranet d INTIC A nível da Intranet d INTIC, fram registads s seguintes avançs: Aquisiçã de um rteadr e dis pnts de acess sem fi para garantir cbertura em tds gabinetes e salas d INTIC; Aquisiçã de um LED TV para sessões de apresentaçã, um servidr de mnitrizaçã de rede; um servidr de segurança; Rede Sem Fi; um LCD TV; uma impressra e um cmputadr transparente, entre utrs. 37

38 Prcess de institucinalizaçã d INTIC Nmeaçã da Direcçã Geral d INTIC N quadr da institucinalizaçã d INTIC, a Direcçã Geral d INTIC fi nmeada em Julh de 2013 para dinamizar a implementaçã das actividades d INTIC Enquadrament ds Funcináris d INTIC O INTIC pssuía funcináris que ingressaram na instituiçã, na perspectiva de fazer carreira na Administraçã Pública, sem a bservância ds critéris estabelecids pel Estad para recrutament de pessal na funçã pública, mas víncul nã teve vist d Tribunal Administrativ, inclusive tds s funcináris d INTIC nã efectuavam s descnts de refrma e nem beneficiaram de direits de carreira. Cntud, cm a aprvaçã d Decret N. 31/2013 de 12 de Julh, pel Cnselh de Ministrs, cncernente a absrçã ds agentes d Estad em situaçã regular e irregular, há cndições para a regularizaçã da situaçã ds referids funcináris Representações d INTIC nas Prvíncias Nas prvíncias, fram estabelecids s CPRDs cm extensões d INTIC, que ainda nã estã ficializads e, pr esta razã, nã têm rçament, nem se quer para saláris, send estes garantids através d rçament d INTIC. O funcinament é garantid cm receitas próprias. Em face desta situaçã, trna-se urgente prceder: À institucinalizaçã ds CPRDs, criand-se as Delegações Prvinciais d INTIC, tal cm está precnizad ns Estatuts d INTIC; e A enquadrament de Pessal d INTIC e das Delegações Prvinciais Cnselh Cnsultiv e I Retir d INTIC Cnselh Cnsultiv O INTIC realizu seu I Cnselh Cnsultiv desde a sua criaçã, de 17 a 18 de Setembr n Chiuta Guest Huse, Bairr de Tchumane 1, Cidade da Matla, que fi seguid de um retir, realizad de 19 a 20 d mesm mês e lcal. De acrd cm Estatut Orgânic d INTIC, Cnselh Cnsultiv d INTIC é um órgã através d qual se faz a planificaçã, a crdenaçã e cntrle das actividades, cm a participaçã ds CPRDs, fcalizand ns seguintes aspects: Apreciaçã cnjunta de bjectivs e metas a alcançar; Balanç de execuçã das actividades e ds rçaments; e 38

39 Aplicaçã unifrme, a nível central e lcal, das estratégias, metdlgias e técnicas para a melhr prssecuçã ds bjectivs crprativs. Cm resultad d event, fram aprvadas as seguintes decisões: Áreas Capacitaçã Infra-estruturas e Gvern Electrónic Decisões Identificar frmas Melhrar a de dar frmaçã actualizaçã Prtais nas prvíncias d Gvern a nível sem CPRDs prvincial e distrital Frmar 70 mil através da pessas em 2014 sensibilizaçã e Frmar média de articulaçã cm s 50 mil pessas órgãs lcais pr an, a partir Retmar cm de 2015 urgência a frmaçã Melhrar de gestres de prcess de cnteúds em Sfala, emissã de Zambézia, certificads sem Inhambane, Cab descentralizar Delgad e Niassa. Juntar sinergias Implementar redes para alcance ds wireless ns distrits Objectivs d para serviçs da Miléni e GvNet e ferecer Prgrama sinal a públic Quinquenal d Capacitar s CPRDs Gvern para descentralizar a manutençã da rede da GvNET CPRDs Os CPRDs devem melhrar a crdenaçã cm as delegações prvinciais d MCT Cm braç d INTIC nas prvíncias, s CPRDs devem reslver prblemas lcalmente, em crdenaçã cm as delegações d MCT e CMCs; Os CPRDs devem angariar funds e dinamizar as TICS a nível lcal. Os CPRDs devem ter papel prepnderante na implementaçã d Gvern Electrónic nas prvíncias Os CPRDs devem preparar-se para a actividade regulatória de TICs nas prvíncias Os CPRDs devem preparar espaçs para instalações póprias; Os CPRDs devem fazer-se sentir ns distrits através de visitas regulares de trabalh; Os CPRDs devem fazer levantament d equipament para a repsiçã Os CPRDs devem prmver marketing, a exempl d de Niassa; Os CPRDs devem prmver visitas de inspecçã ns sites e medir nível de satisfaçã ds clientes; Os CPRDs devem precupar-se cm a qualidade ds serviçs que prestam; Os CPRDs devem reunir-se mensalmente cm s clabradres para prestaçã de cntas e apresentar infrmes 39

40 Os CPRDs devem estar infrmads sbre s assunts de TICs discutids nas sessões ds Gverns prvinciais; I Retir d INTIC N I Retir d INTIC participaram, para além da Direcçã Geral de quadrs d INTIC, representantes d Ministéri de Ciência e Tecnlgia (MCT), Institut Nacinal de Cmunicações de Mçambique (INCM), Ministéri de Planificaçã e Desenvlviment (MPD), Ministéri da justiça (MINJUST), Centr de Desenvlviment de Sistema Financeir d Estad (CEDSIF), Ministéri da Funçã Pública (MFP), e utrs cnvidads. O encntr fi caracterizad pr debates aberts visand clher subsídis que rientem INTIC na elabraçã ds Plans Directr e Estratégic, incluind debate sbre papel d INTIC a médi e lng praz; reclha de piniões sbre as TICs e sbre plíticas cm impact na gvernaçã electrónica em Mçambique, nesta era de cnvergência digital e de cntribuições n quadr da regulaçã de TICs, partind da experiência de cass de sucess na regiã e n mund, cm enfque na situaçã actual de Mçambique. Cm resultads d event, fram definids s seguintes bjectivs para a prpsta d Plan Directr de TICs para s próxims 10 ans na administraçã pública: Áreas Capacitaçã Infra-estrutura G. Electrónic Regulaçã Objectivs Criaçã da capacidade humana Api à criaçã e expansã ds Melhria de eficiência e Prmçã de partilha e transferência de cnheciment n sectr públic pnts de acess públic às TICs (n âmbit da Plítica de Infrmática) eficácia na prestaçã de serviçs públics Criaçã de habilidades para melhria de prestaçã ds serviçs públics Acreditaçã de instituições de frmaçã técnicprfissinal Exercíci de gvernaçã de TICs em Mçambique, n cntext da cnvergência tecnlógica Racinalizaçã e Garantia de transparência e respnsabilidade ds servidres públics Acess à infrmaçã para melhria de actividades d Cnfrmaçã d Quadr de Interperabilidade, entre instituições públicas e privadas Infrmatizaçã ds serviçs nas instituições públicas. Fiscalizaçã d cumpriment das nrmas das TICs. Estabeleciment de nrmas de segurança de 40

41 Prmçã de inserçã de TICs ns subsistemas de ensin Capacitaçã d INTIC para mnitrar, avaliar, supervisinar e apiar as instituições públicas Prmçã da inclusã digital e reduçã de assimetrias reginais Garantia de adequaçã ds qualificadres e das carreiras prfissinais Prmçã e incentiv de talents em TICS; Crdenaçã da capacitaçã em TICs na Funçã Pública rentabilizaçã de TICs, e ptenciaçã de qualidade de serviçs Pririzaçã de investiments em infra-estruturas de TICs Cnslidaçã de Infra-estrutura de TI e seus Serviçs (Data Center e serviçs de clud) Garantia de ambiente segur de Transacções Electrónicas (PKI) Racinalizaçã de cust de equipament sectr privad e simplificaçã da vida ds cidadãs integridade de sistemas infrmátics. Estabeleciment de nrmas de prvisã de serviçs de Internet Licenciament e acreditaçã de instituições de ensin técnicprfissinal na área de TICs Cntrle de qualidade de bens e serviçs infrmátics Capacitaçã de prfissinais para análise frense as sistemas de infrmática Bens e serviçs A UGEA realizu váris prcesss de prcurement para a cntrataçã de serviçs, bens e bras de empreitada. Grande parte destes cncurss fi executada cm base ns funds d Orçament d Estad e alguns cm funds da Cperaçã Italiana e d Banc Mundial, respectivamente n âmbit ds prjects GvNet e MEGCIP Prcurement de Bens Fi adquirid equipament infrmátic e de cmunicações para a GvNET, especialmente para lacais prpenss à crrência de descargas atmsféricas. Fram também adquiridas duas viaturas para api à implementaçã das actividades diárias d INTIC Prcurement de Serviçs Fram cntratads serviçs de segur para equipament d centr de perações da GvNET, frneciment de cmbustíveis e lubrificantes, passagens aéreas, serviçs de catering, prduçã de um víde institucinal d INTIC, prduçã de materiais a serem dispnibilizads pr via electrónica e usads em campanhas de sensibilizaçã sbre váris aspects relacinads cm as TICs para cidadã. Fram também lançads cncurss para a prduçã gráfica, ediçã e impressã de materiais infrmativs n âmbit ds events em que INTIC participu, para a manutençã e reparaçã de ares cndicinads, equipament infrmátic e tipgráfic, e para aquisiçã de sistemas de cntabilidade e de recurss humans. 41

42 Prcurement de Empreitadas N âmbit de empreitadas, prcedeu-se à restauraçã e adequaçã d centr de perações da GvNET e d CPRD de Sfala. Fram igualmente lançads cncurss para afagament d chã d INTIC e vedaçã d espaç d futur CPRD de Maput Visitas às prvíncias N âmbit de rerganizaçã d sectr de administraçã e finanças ds CPRDs, a Direcçã Geral visitu as prvíncias de Sfala, Tete, Zambézia e Cab delgad em missões específicas de acmpanhament e mnitria das actividades e tmar medidas para garantir alcance ds bjectivs planificads. Durante as referidas visitas, fram realizadas auditrias internas às cntas ds CPRDs, referentes a exercíci fiscal de 1 de Janeir a 31 de Dezembr de 2012, que incidiram sbre s seguintes aspects: Receitas arrecadadas durante exercíci de 2012, Despesas realizadas cm as receitas e transferências efectuadas pel INTIC e pels parceirs a favr de CPRD, Se s cmprvativs de despesas realizadas estã de acrd cm as nrmas e prcediments aprvads na administraçã pública; Se as autrizações para adiantaments estã devidamente preenchidas e aprvadas e se estã send cumprids s prazs estabelecids para prestaçã de cntas; Se as cntratações d pessal a nível lcal estã send realizadas de acrd cm as nrmas e prcediments instituíds; Se a assiduidade está send cntrlada de acrd cm as nrmas vigentes e se as justificações de faltas e atrass estã aprvadas em níveis adequads; Se as faltas cmetidas estã send encaminhads à cntabilidade para se efectuarem s devids descnts ns respectivs saláris; Existência de estagiáris, cas psitiv, analisar se as actividades desenvlvidas pels mesms atendem as Nrmas e Legislaçã vigente. De um md geral, as auditrias permitiram as seguintes cnstatações: Falta de bservaçã na íntegras das recmendações cnstantes d Manual de Prcediments n tange à utilizaçã das receitas ds CPRDs. Nalguns CPRDs há falta de uma rganizaçã adequada ds dcuments de suprte das despesas realizadas que nã permitir a sua rápida cnsulta em cas de necessidade. Há uma inquietaçã generalizada de tds s trabalhadres ds CPRD s, devid a atras que se verifica na regularizaçã da sua situaçã cm funcináris d Estad. Os CPRDs nunca se beneficiaram de um fund d rçament d Estad para apiar a execuçã das suas actividades, criand destes md alguns embaraçs na cntrataçã d pessal para nrmal funcinament. Nalguns CPRDs, devid à insegurança que reina n sei ds trabalhadres, quand sã admitids passad puc temp abandnam serviç a favr de utras instituições mais rganizadas. 42

43 A demra que tem-se verificad na emissã ds Certificads de Curss tem cmprmetid de cert md as actividades de frmaçã, ptand alguns frmands pr abandnar a favr de utras instituições Curss e wrkshps Frmaçã Técnic-Prfissinal ds Quadrs d INTIC Para 2013, fram identificadas 10 acções de frmaçã e de elevaçã das capacidades ds quadrs d INTIC, seis das quais decrreriam dentr d país e as restantes n exterir, cm a participaçã de 26 técnics, cnfrme a tabela que se segue: # Actividades a Realizar N. Lcal Duraçã Part 1 Enterprise Architecture 1 RSA 5 Dias 2 Engenharia e Segurança de Redes (CCNP) Implementing Cisc IP ruting (Cde: CI-Rute) Implementing Cisc IP Switched Netwrk (Cde: CI- Switch) 2 RSA 13 Dias Trubleshting and maintaining Cisc IP Netwrk (Cde: CI-TSHOOT) 3 NE Installing and Cnfiguring Windws Server Maput 5 Dias 4 ITIL 3 Maput 5 Dias 5 COBIT 3 Maput 5 Dias 6 Capacitaçã n âmbit d Sistema e-bau 6 Cab 3 Meses Verde 7 Windws Server Maput 5 Dias 8 Curs sbre Prgramaçã em Ruby 1 Maput 1 Mês 9 Engenharia e Segurança de Redes (CCNA) Securing Netwrk with CISCO Ruter and Switches (Cde: CI-Secure) 2 RSA 5 Dias Deplying Cisc ASA slutins (Cde: CI-Firewall) 10 Prcediments de Prcurement 2 Bilene 2 Dias Frmaçã em Enterprise Architecture Esta frmaçã decrreu na Africa d Sul, cm a participaçã de um técnic. A Enterprise Architectura, u seja Arquitectura Empresarial, é um tema bastante actual e crucial, e visa dtar prfissinais da área de TICs cm ferramentas analíticas para desenh e desenvlviment de sistemas de infrmaçã, adequadas às necessidades reais de instituições. 43

44 Frmaçã em Windws Server 2012 A frmaçã prática em Windws Server 12, participaram cinc técnics, cm duraçã de cinc dias e teve cm base s seguintes cnteúds: Revisã d desenh inicial d Active Directry; Entrevistas cm diferentes áreas de TI; Ajustes n desenh d AD baseads em entrevistas; Avaliaçã de pções migratórias; e Intrduçã a Windws Server 2012; Cm resultad, huve cnslidaçã de cnheciments sbre Windws Server 2012 e estã melhr preparads para a sua implementaçã, tant em ambiente de teste cm de prduçã Frmaçã em ITIL Esta frmaçã decrreu em Julh de 2013 e participaram três técnics. O bjectiv principal da frmaçã fi definir bas práticas para gestã de serviçs de TICs e dtar s frmand de ferramentas necessárias para implementarem as matérias administradas nas suas rganizações para melhr e mair eficiência e eficácia de serviçs Frmaçã em COBIT Esta frmaçã decrreu Julh, cm a participaçã de três técnics, tend adquirid cnheciments básics sbre a Gvernaçã de TICs, incluind uma cmpnente de auditria de sistemas. O COBIT, que significa Cntrl Objectives fr Infrmatin and related Technlgy, é um guia de bas práticas apresentad cm um framewrk teste, dirigid para a gestã de TICs. O prgrama pssui uma série de recurss que pdem servir cm mdel de referência de gestã de TICs, incluind um sumári executiv, um framewrk, bjectivs de cntrl, mapas de auditria, ferramentas para a sua implementaçã e, principalmente, um guia cm técnicas de gestã. Esta ferramenta é recmendada pr larga mairia de especialistas em gestã e instituts independentes, cm mei para ptimizar s investiments em TICs, melhrand retrn d investiment (ROI) e frnecend métricas para avaliaçã de resultads (Key Perfrmance Indicatrs - KPI, Key Gal Indicatrs - KGI e Critical Success Factrs - CSF). N final da frmaçã, s participantes fram submetids a exame de certificaçã e tds respnderam. A imprtância destas certificações prvêm d fact de cnferirem mair credibilidade às actividades d INTIC, uma vez permitem mnitrar e respnder atempadamente as prblemas que surgirem. 44

45 Capacitaçã n âmbit d Sistema e-bau Três técnics participaram numa frmaçã em Cab Verde, de Janeir a Marc, cm bjectiv de preparar pessal para a administraçã d Sistema e-bau, que visa infrmatizar s serviçs ds Balcões de Atendiment Únic. Numa primeira faze, sistema abarca serviçs de Licenciament Industrial, Cmercial e Simplificad, bem cm pedids de NUIT e abertura de empresa. O sistema será implementad nas Prvíncias de Maput, Gaza, Sfala, Tete, Nampula, Cab Delgad. Para desenvlviment d sistema cnta-se cm a parceria d Núcle Operacinal para a Sciedade de Infrmaçã (NOSi), de Cab Verde, e espera-se que até finais de Junh de 2014 entre em funcinament, estand-se neste mment na fase de adquisiçã de equipament para Centr de Dads da GvNET, nde será aljad e administrad Curs sbre Windws 2008 Server Esta frmaçã fi realizada n âmbit d Acrd de Parceria Estratégica (APE) entre Gvern e a Micrsft Crpratin. O Windws 2008 Server é um Sistema Operativ de servidres da Micrsft, prjectad para ferecer serviçs e recurss para utrs sistemas e cmputadres em rede Frmaçã em Prgramaçã em Ruby Ruby é uma linguagem de alt nível para a prgramaçã de sistemas e, para esta frmaçã, um técnic d INTIC participu n Summer Schl f Ruby n Rails 2013 (SSRR13), que se realizu em Maput. Cm este curs técnic pde elevar as suas capacidades de 45

46 desenvlver aplicações e sistemas nesta linguagem de prgramaçã prque serã de grande utilidade n futur Frmaçã em Engenharia e Segurança de Redes (CCNP) A CCNP, uma frmaçã que teve lugar em Jhannesburg, na África d Sul, cm a duraçã de 13 dias, fi ministrada pela Trque-IT, tend participad dis técnics d INTIC. O bjectiv desta frmaçã fi dtar s técnics da área de administraçã e segurança de redes de cmputadres cm cnheciments e habilidades necessárias para rteament e endereçament IP na implementaçã de redes LAN e WAN, seguras e escaláveis, baseadas em equipament CISCO Frmaçã em Engenharia e Segurança de Redes (Implementing MPLS) Um técnic participu em Dezembr na África d Sul numa frmaçã em MPLS (Multiprtcl Label Switching), que é uma tecnlgia de cmutaçã de pactes utilizada para transprtar pactes de um pnt para utr, de uma frma rápida, cm recurs a engenharia de tráfeg, permitind implementar a manipulaçã de tráfeg que se adeqúe as recurss de rede dispnibilizads e minimizar situações de cngestinament. Cm esta tecnlgia, pde-se aumentar a cnfiabilidade da peraçã da rede cm recurs a QOS (quality f Service) Frmaçã em Engenharia e Segurança de Redes (CCNA) Um técnic participu em Dezembr na África d Sul num curs que capacita para instalar, perar, cnfigurar e administrar as redes LAN e WAN, baseadas em IPv4 eipv6 n equipament de Ruting e switching da CISCO, bem cm entender as tiplgias de redundância e reslver prblemas cmuns relacinads cm a rede IP, cm rteament estátic e dinâmic (EIGRP e OSPF) Frmaçã em Prcediments de Prcurement Quatr técnics participaram num curs rganizad pel Ministéri da Ciência e Tecnlgia (MCT) cm bjectiv de harmnizar s prcediments de prcurement e de tramitaçã de prcesss administrativs e financeirs em tdas instituições subrdinadas e tuteladas, para que tds s prcesss sejam executads de frma unifrme e bedeçam as nrmas de gestã e aquisiçã de bens e serviçs d Estad Disseminaçã de TICs N âmbit da prmçã e disseminaçã das TICs, INTIC participu na FACIM e em utrs events rganizads pel Ministéri da Ciência e Tecnlgia (MCT), Ministéri da Funçã Pública (MFP) pel Institut de Frmaçã em Administraçã Pública e Autárquica (IFAPA). 46

47 Participaçã na FACIM 2013 O INTIC participu na 49ª Ediçã da FACIM 2013, realizada de 26 de Agst a 01 de Setembr, em Marracuene, nde fez a exibiçã das ptencialidades e d papel das TICs n desenvlviment nacinal, através de demnstraçã de utilidade destas nas cmunicações e serviçs públics. Antig primeir-ministr, Dutr Pascal Mucumbi, que fi um grande impulsinadr das TICs n seu mandat, visitand stand d INTIC Para além da tecnlgia e serviçs electrónics, fram exibids a revista MzTIC, panflets de serviçs ferecids pel INTIC n âmbit d Gvern Electrónic, Unidade Móvel e CPRDs, entre utrs. 47

48 I Oficina de Cnheciment em Administraçã Pública e Autárquica O INTIC participu também na expsiçã rganizada pel Institut de Frmaçã em Administraçã Pública e Autárquica (IFAPA), em Outubr na Machava, designada I Oficina de Cnheciment em Administraçã Pública e Autárquica, tend exibid as ptencialidades de TICs e d gvern electrónic. Na expsiçã, INTIC destacu a imprtância das TICs cm instrument imprtante para facilitar e melhrar ambiente de prestaçã de serviçs públics a cidadã na gvernaçã. Neste âmbit, fram apresentadas algumas sluções de Gvernaçã electrónica dispníveis, dentre as quais teve mair destaque Prtal d Gvern. Fram feitas demnstrações de cm aceder a prtal, cm aceder as seus cnteúds (nas categrias de: Gvern, Dcuments, Legislaçã, Infrmaçã, acess a cntas de entre utrs) e a imprtância destes cnteúds n dia-a-dia d trabalh de um funcinári públic e d cidadã n Geral. A Ministra da Funçã Pública, Dra. Victória Dias Dig, visitu Stand d INTIC e elgiu a participaçã d INTIC na expsiçã. Em relaçã à GvNET, a MFP ficu feliz em saber que já estã ligads à rede electrónica d Gvern 66 distrits e que, até a final d an, ter-se-á ligad mais 25 distrits XI Amstra Mçambicana de Invaçã, Ciência e Tecnlgias A participaçã d INTIC na XI Amstra Mçambicana de Ciência e Tecnlgias, que teve lugar n recint d Centr Internacinal de Cnferencias Jaquim Chissan, em Nvembr, baseuse na demnstraçã de ptencialidades de TICs. Neste event, fram expsts s cnteúds habituais das expsições d INTIC, destacand-se a Unidade Móvel de TICs, que durante a amstra deu uma acçã de frmaçã a 59 jvens, ds quais 3 funcináris públics, 24 membrs da sciedade civil, 32 estudantes Publicações d INTIC (página web, revista MzTICs e Newsleter) O INTIC tem duas publicações regulares, a página web e a revista MzTICs, mas em 2013 ensaiu uma newsletter mensal, que pr razões técnicas mrreu a terceir númer, prque a GvNET nã está preparada para distribuir tal géner de dcument. Neste mment, as duas publicações (a página web e a revista MzTICs) sã as que marcam a presença d INTIC n mercad. Ambs prduts apresentam prblemas específics: a página ainda em cnstruçã e a revista em acert de regularidade. A página, para além d arranj a nível d layut que a trnu mais atractiva, é mais infrmativa em terms de ntícias e actividades d INTIC, enquant a revista prcura explrar a atracçã d grafism e a análise infrmativa. A média de actualizaçã nticisa da página fi de duas ntícias pr mês, um ráci bastante razável se tiverms em cnta que 2013 fi caracterizad pr muit indeterminaçã, um an fcad na rganizaçã interna. Esta actualizaçã nticisa fi, mesm assim, psitiva se 48

49 cmparada cm a das actividades em geral que cuj tratament requer maires habilidades técnicas. A revista MzTICs nã era publicada desde 2008 pr mtivs rganizacinais, tend seu reiníci nesta segunda metade d an sid crad de sucess, nã só pel fact de aquela ediçã ter esgtad, mas sbretud pr ter cincidid cm amadurecer d prcess de implementaçã d INTIC. Para além de cbertura regular de events e actividades d INTIC, fi feita publicidade redigida sbre as iniciativas em curs cm vista a intrduçã de serviçs públics electrónics a serem prestads via web. O INTIC mantém anúnci publicitári sbre grau de satisfaçã ds utentes ds BAUs através de mecanism electrónic n jrnal de distribuiçã electrónica chamad Mercads a trc de uma assinatura anual Prduçã de panflets e psters Fram prduzids panflets e psters ds seguintes prjects de áreas de actividades: Rede Electrónica d Gvern (GvNET) Prtal d Gvern Frmaçã em TICs CPRDs Unidade Móvel INTIC Tds estes materiais já vinham send prduzids em ans anterires, cm a excepçã d panflet d INTIC que fi pela primeira vez. Juntamente cm a revista MzTICs, s panflets fram usads cm materiais de expsiçã em quatr events em que INTIC participu, nmeadamente a FACIM, a Cnferência Nacinal da Funçã Pública, IFAPA e a Mstra da Ciência e Invaçã. Até agra, 2013 fi an em que INTIC bateu recrde em terms de participaçã em events Realizaçã de prgramas de e prmçã das TICs Para além d prgrama tecnlgia, que tem um carácter regular vai a ar às Terças-Feiras, cm repetiçã às Quintas-Feiras e as Sábads na TVM, fi iniciad um prgrama igual, também cm carácter regular, na Rádi Mçambique. De realçar que prgrama tecnlgia resulta de parcerias entre a TVM, INTIC e Ministéri da Ciência e Tecnlgia (MCT) Actividades prgramadas mas nã realizadas Redundância de cmunicações cm a peradra Mvitel Pr causa da instabilidade d serviç de cnectividade da TDM ferecid n âmbit d prject GvNET, INTIC viu-se brigad a prcurar sluções alternativas de serviçs de cmunicaçã, de md a salvaguardar funcinament da rede e a dispnibilidade ds referids serviçs. Fi assim que se realizaram várias pesquisas de cmunicações e se avançu 49

50 cm uma prpsta de sluçã alternativa, que entretant nã prduziu efeits prque a empresa apareceu cm nvas ideias sbre cm vai ultrapassar prblema Ligaçã de 100 instituições distritais à GvNET Esta actividade nã fi executada prque, quand tud indicava que se ia realizar, chegu-se à cnclusã de que nã havia cndições técnicas Aprvaçã e implementaçã d Plan Tecnlógic ds CPRDs O Plan Tecnlógic ds CPRDs tem cm bjectiv principal a intrduçã de um mdel padrã da infra-estrutura tecnlógica e de recurss infrmátics ns CPRDs, a fim de cnferir uma mair capacidade técnica as centrs, facilitar a gestã d parque tecnlógic e a manutençã ds sistemas infrmátics lcais. O iníci de implementaçã d plan nã só pressupunha a sua aprvaçã mas também desencadeament de váris prcesss de aquisiçã de recurss a nível prvincial. Tais prcesss nã fram desencadeads pr razões de vária índle, cm destaque para a falta de capacidade lcal de cnduzir prcesss de aquisiçã de bens e serviçs. Nã fram também realizadas as seguintes actividades da área de Gvern Electrónic: Implementaçã de uma platafrma Web para prmver a interacçã entre Gvern e cidadã (inquérits, debates e piniões); e Reclha de dads junt das instituições públicas para alimentar Observatóri de TICs. 4. Orçament glbal d INTIC Em 2013, INTIC teve um rçament ttal de ,64 MT (quatrcents e sessenta e um milhões e duzents e itenta e nve mil e trezents e dze quatr meticais e sessenta e quatr centavs) para a execuçã das suas actividades, que se segue: Tabela: Fntes de financiament das actividades d INTIC em 2013 N. Agregads Orçamentais Dólares (USD) Eurs ( ) Ttais (MT) 1. Orçament d Estad ,00 2. Gvern da Itália para prject GvNet( Sald de 2012) , ,92 3. [ Prject MEGCIP , ,72 p [ p 50

51 Ttais , , ,64 9% Prject GvNet- (Sald de 2013) Prject MEGCIP 51% 40% Orçament d Estad Gráfic 1: Fntes de financiament glbal das actividades d INTICT Para 2013, INTIC tinha inscrit, na cmpnente externa, um valr de ,00, referente à terceira tranche d prject GvNET, que nã chegu a ser dispnibilizad. Nve pr cent deste valr crrespnde a sald transitad de A tabela que se segue mstra a cmpsiçã d Orçament d Estad alcad a INTIC: Tabela 1: Distribuiçã d OE N. Agregads Orçamentais Ttais (MT) 1. Orçament Funcinament ,00 2. Cmunicaçã Banda Larga ,00 3. Investiment Intern ,00 4. Licenças da Micrsft ,00 Ttais ,00 51

52 Licenças Micrsft 21% [CATEGORY NAME] 16% Investiment Intern - 26% Cmunicaçã Banda Larga 38% Gráfic 2: Distribuiçã d financiament pel OE O valr de ,00 MT (duzents e trinta e sete milhões e duzents e cinc mil e trezents e nventa meticais), d OE alcad a INTIC, teve a seguinte distribuiçã: ,00MT, cerca de 38 prcent, fi para funcinament; ,43MT, 17 pr cent, fi para a Banda Larga da TDM, gerid a partir d INTIC n quadr d Sistema Centralizad d Crrei Electrónic d Gvern e da Internet da GONET, uma medida que resultu na melhria de qualidade de serviçs e numa grande pupança ns gasts públics; e ,00 MT, crrespndentes a 21 pr cent, fram para licenças de Micrsft Crpratin, n âmbit d us unifrmizad de sftware de desktp e servidres d Estad Funds d rçament d Estad Item Designaçã da despesa Imprtância MZM I Despesas cm Pessal 11,632, Saláris e utras despesas d Pessal 9,859, Ajudas de Cust dentr d Pais 1,291, Ajudas de cust fra d País 450, Outras Despesas Cm Pessal 29, II Bens 6,812, Cmbustíveis e Lubrificantes 1,075, Material de Reparaçã de Imveis 143, Material nã Duradir de Escritóri e Cnsumíveis 616, Outrs bens duradirs 567, Maquinaria Equipament e Mbiliári 3,375, Material de Cnsum para Infrmática 135, Material de Reparaçã de Equipament 899, Outrs Bens de Cnsum 1,324, III Serviçs 190,453,

53 Cmunicações (banda Larga) 128,615, Cmunicações (Micrsft) 49,121, Manutençã e Reparaçã de Instalações 1,659, Manutençã e Reparaçã de Equipament 468, Manutençã e Reparaçã de Veículs 117, Passagens dentr d país 1,659, Passagens para fra d país 350, Renda de Instalações 1,239, Transprte de Carga 107, Segurs 291, Representaçã 153, Outras Despesas 6,669, Ttal 208,898, De ferir que uma parte de cativ brigatóri, ,00MT, fi usad para refrçar a verba de pagament das licenças da Micrsft, tend transitad, para 2014, um sald devedr de ,36MT a favr da TDM, para aluguer de circuits de banda larga. Esta dívida deverá ser paga pel fund de 2014, cm tdas as implicações que daí prvirã na gestã d rçament d INTIC, pis a estimativa ds custs acumulads deste serviç em 2014 sbem para cerca de ,00MT. Em resum, segue-se grau de execuçã rçamental d OE em 2013, aprximadamente de 88 pr cent, cnfrme demnstra gráfic abaix: 6% 3% 91% Despesas cm pessal Bens Servics Gráfic 3: Distribuiçã das despesas d Orçament d Estad em

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS 6/16/2005 HSM/SSIT-07062005/CA Carls Ferreira Hspital de Santa Maria Serviç de Sistemas de Infrmaçã e Telecmunicações Av. Prf. Egas Mniz 1649-035 Lisba Tel.: (+351) 217805327

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

III Jornadas de Cooperação no Sector de Saúde em Moçambique. Planificação no Sector da Saude em Moçambique

III Jornadas de Cooperação no Sector de Saúde em Moçambique. Planificação no Sector da Saude em Moçambique III Jrnadas de Cperaçã n Sectr de Saúde em Mçambique Planificaçã n Sectr da Saude em Mçambique Maput, Març de 2013 INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO # Jrnadas de Cperaçã d Sectr da Saúde cnstituem um event anual:

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Març 2015 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT MORADA Estrada de Benfica, nº 372 - Lisba Tel./Fax. 217780073 Email funda_champagnat@maristascmpstela.rg Índice I. Intrduçã.1

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos As ferramentas SIG na análise e planeament da inclusã Jã Pereira Sants 1 Agenda Apresentaçã Intergraph Evluçã SIGs Prjects SIGs Exempls Questões 2 Apresentaçã Intergraph Fundada em 1969, cm nme de M&S

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prjects Individuais e de Cperaçã Avis nº 7/SI/2011 Prmçã da cmpetitividade das empresas através d aument da prdutividade, da flexibilidade e

Leia mais

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado PROGRAMAS/PROJECTOS Prgrama /Prject Objectiv Resultad Indicadr de 1. Prgrama - Inserçã de Jvens na Vida Activa em particular s Candidats a Primeir Empreg Prmçã da inserçã de jvens n mercad de trabalh e

Leia mais

Notas sobre Jornadas de Cooperação no Sector da Saúde

Notas sobre Jornadas de Cooperação no Sector da Saúde Ntas sbre Jrnadas de Cperaçã n Sectr da Saúde Arséni Paul Relatóri para a: Maput, Outubr 2011 Índice Índice... 1 Intrduçã:... 3 Sbre a Temática I: Planificaçã e Orçamentaçã... 4 Sbre Temática II: Recurss

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social Capítul 17 Sistema de Gestã Ambiental e Scial e Plan de Gestã Ambiental e Scial ÍNDICE 17 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL E PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL 17-1 17.1 INTRODUÇÃO 17-1 17.2 VISÃO

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I As decisões sbre a implementaçã de ações de cnvivência cm a seca exigem cnheciment básic sbre a lcalizaçã, caracterizaçã e dispnibilidade das fntes de água superficiais e subterrâneas.

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP A Cperaçã para a Saúde n Espaç da CPLP Ainda antes da I Reuniã de Ministrs da Saúde da CPLP, realizada em Abril de 2008, em Cab Verde, fram adptads s seguintes instruments que, n quadr da saúde, pretenderam

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2010/2011, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS An 2-B Frmulári de preenchiment brigatóri,

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito 0 Aplicações Clinicas Patlgia Clínica Luís Lit 1 Evluçã 1. 1993 - Infrmatizaçã parcial d Lab. de Química Clinica 2. 1996 - Inici da infrmatizaçã d Serviç de Patlgia Clínica Clinidata (sistema UNIX/COBOL

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE Prject Rede de Unidades de Prmçä da Invaçä para desenvlviment da terceira missä das Universidades e a cperaçä institucinal através da Invaçän Aberta, prgrama

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 Inserir data e Hra 08/10/2012 N.º PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnic De Turism 2010/2013 DISCIPLINA: Operações Técnicas em Empresas Turísticas An: 3º N.º TOTAL

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade Frmaçã integrada em Cntabilidade, Finanças e Fiscalidade Objetivs Gerais Este Curs pretende dtar e cnslidar ns participantes s cnheciments avançads para desempenh das suas atividades prfissinais ns dmínis

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO REGULAMENTO 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O PRÊMIO NA CATEGORIA DE JORNALISMO tem cm bjetiv premiar matérias veiculadas na imprensa nacinal relativas a temas ligads

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã SIDC-Sistema Infrmaçã Descentralizad Cntabilidade Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema de Infrmaçã Descentralizad

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

Assessoria Urbanística para Implementação do Plano de Urbanização da Meia Praia

Assessoria Urbanística para Implementação do Plano de Urbanização da Meia Praia Excert Planta Plan de Urbanizaçã da Meia Praia - PUMP A área de intervençã d Plan de Urbanizaçã crrespnde a uma faixa da rla csteira d Barlavent Algarvi que se situa a Nascente da Cidade de Lags e se estende

Leia mais

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF)

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) Wrkshp Nva Legislaçã que regula a aplicaçã de Prduts Fitfarmacêutics (PF) Quinta d Vallad, Vilarinh ds Freires Branca Teixeira 23 de mai de 2013 Nva Legislaçã Lei nº26/2013 de 11 de abril Regula as actividades

Leia mais