GOVERNADOR Cid Ferreira Gomes VICE-GOVERNADOR Domingos Gomes de Aguiar Filho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNADOR Cid Ferreira Gomes VICE-GOVERNADOR Domingos Gomes de Aguiar Filho"

Transcrição

1

2

3 GOVERNADOR Cid Ferreira Gomes VICE-GOVERNADOR Domingos Gomes de Aguiar Filho Gabinete do Governador Casa Civil Casa Militar Procuradoria Geral do Estado Conselho Estadual do Desenvolvimento Econômico Conselho Estadual de Educação Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Controladoria e Ouvidoria Geral do Estado Defensoria Pública Geral Secretaria das Cidades Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior Secretaria Especial da Copa 2014 Secretaria da Cultura Secretaria do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Educação Secretaria do Esporte Secretaria da Fazenda Secretaria da Infraestrutura Secretaria da Justiça e Cidadania Secretaria da Pesca e Aquicultura Secretaria do Planejamento e Gestão Secretaria dos Recursos Hídricos Secretaria da Saúde Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social Secretaria do Turismo Ivo Ferreira Gomes Arialdo de Mello Pinho Joel Costa Brasil Fernando Antonio Costa Oliveira Ivan Rodrigues Bezerra Edgar Linhares Lima Paulo Henrique Ellery Lustosa da Costa João Alves de Melo Francilene Gomes de Brito Bessa Camilo Sobreira de Santana René Teixeira Barreira Ferruccio Petri Feitosa Francisco José Pinheiro José Nelson Martins de Souza Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Esmerino Oliveira Arruda Coelho Júnior Carlos Mauro Benevides Filho Francisco Adail de Carvalho Fontenele Mariana Lobo Albuquerque Botelho Flávio Bezerra da Silva Antônio Eduardo Diogo de Siqueira Filho Cesar Augusto Pinheiro Raimundo José Arruda Bastos Francisco José Bezerra Rodrigues Evandro Sá Barreto Leitão Bismark Costa Lima Pinheiro Maia

4

5 Mensagem à Assembleia Legislativa 2011 Abertura da 1ª Sessão Legislativa da 28ª Legislatura Fortaleza, 2011

6

7 SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO Secretário Assessoria de Desenvolvimento Institucional Assessoria Jurídica Coordenadoria de Planejamento, Orçamento e Gestão Coordenadoria de Cooperação Técnica-Financeira Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenadoria de Gestão Previdenciária Coordenadoria de Perícia Médica Coordenadoria de Modernização da Gestão do Estado Coordenadoria de Gestão de Compras Coordenadoria de Recursos Logísticos e de Patrimônio Coordenadoria de Estratégias de Tecnologia da Informação Coordenadoria da Infraestrutura de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenadoria Administrativo-Financeira Programa de Ação Integrada para o Aposentado Empresa de Tecnologia da Informação do Ceará - Etice Escola de Gestão Pública do Estado do Ceará Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - Ipece Instituto de Saúde dos Servidores do Estado do Ceará - Issec Antônio Eduardo Diogo de Siqueira Filho Silvia Kataoca de Oliveira Gerardo Marcio Maia Malveira Carlos Eduardo Pires Sobreira Philipe Theóphilo Nottingham Fátima Coelho Benevides Falcão Mário Fracalossi Júnior Silvana Mary Lima da Silva Ângela Márcia Fernandes Araújo Sérgio Lage Rocha Francisco de Assis Barreto de Carvalho Maria Lucia Rabelo de Andrade Carmen Silvia de Castro Cavalcante André Teophilo Lima Lícia Maria Viana Bezerra João Alcides de Oliveira Guerra Lúcia Maria Facundo Guirlanda de Fátima Távora Ponte Fernando Antônio de Carvalho Gomes Filomena Maria Lobo Neiva Santos Eveline Barbosa Silva Carvalho Flávio Barbosa Moreira Rocha

8 EQUIPE TÉCNICA Coordenação Técnica Elaboração Técnica Equipes Setoriais Colaboradores Revisão Vernacular Ana Lúcia Lima Gadelha Fátima Coelho Benevides Falcão Ana Lúcia Lima Gadelha Antenor Barbosa Filho Maria Eloísa Bezerra da Rocha Coordenadores, Assessores e Técnicos de Planejamento e Desenvolvimento Institucional das Secretarias e Vinculadas Annuzia Pontes M. Gosson Arnaldo Araújo Lima Eliane Barbosa Hissa Francisco José Mendes Gifoni João Milton Cunha de Miranda José Iran de Paula Melo Mércia Maria de Melo Ponte Lima Naiana Corrêa Lima Nelson de Matos Brito Vera Marluce Teixeira Wilmar Bezerra dos Santos Zirlânea da Silva Gonçalves João Adjemir de Mesquita Paiva Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Diagramação Julian Marlos Carneiro Lima

9

10

11 PRONUNCIAMENTO DO EXCELENTÍSSIMO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ, QUANDO DA ABERTURA DOS TRABALHOS DA SESSÃO LEGISLATIVA EM EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ, EXCELENTÍSSIMOS SENHORES DEPUTADOS, DEMAIS AUTORIDADES AQUI PRESENTES, MINHAS SENHORAS E MEUS SENHORES Em cumprimento à determinação Constitucional do nosso Estado, tenho a honra de apresentar a essa augusta Casa a Mensagem de Governo referente aos 4 anos de minha primeira Gestão como Governador do Estado do Ceará, apresentando ao povo cearense a prestação de contas dos atos e realizações de um governo que se propôs e continua a ser ético, transparente e eficiente. Antes de tudo, porém, neste momento de renovação desta Casa, gostaria de felicitar os Senhores e Senhoras Deputados que iniciam mais uma legislatura, traduzindo-se em nova jornada de desafios e compromissos que se concretizarão, tenho certeza, da forma mais correta, justa e benéfica perante os cearenses que empenharam, por meio do seu voto, a confiança nos Senhores. A mim, também, mais uma vez, o povo cearense delegou votos de confiança e esperança para a concretização e realização de dias melhores, o que farei com grande disposição e empenho para enfrentar todos os desafios que se apresentam no difícil, porém atraente labor de governar esse Estado. E para isso estou certo de continuar contando com a sólida aliança com este Parlamento, fato que já marcou a minha primeira gestão. Pronunciamento do Governador 2011 Encerro a gestão com a sensação de termos trabalhado arduamente, com ousadia e coragem, iniciando uma longa jornada que culminará em fazer do Ceará um Estado próspero, desenvolvido e mais justo. Evidentemente não chegamos lá ainda. Há muito por fazer. A sensação de dever cumprido quanto à primeira gestão do meu governo, não me recomenda, porém, tranquilidade. Tudo o que foi construído até aqui, não é suficiente para diminuirmos o ritmo de trabalho, ao contrário, exige-se ainda maior rigor do compromisso, do empenho e da dedicação extrema para alcançarmos o que se estabeleceu para o futuro do Ceará. Nessa caminhada conseguimos grandes realizações como construir as bases para uma gestão que marcará a trajetória da Administração Pública Estadual. Firmamos parcerias, estabelecemos alvos e metas, vencemos obstáculos, consolidando uma estrutura institucional e aperfeiçoando um ambiente de boa governança, necessários ao pleno desenvolvimento do nosso Estado. Esse esforço nos permitiu, embora nem tudo sejam flores, alcançar bons resultados na condução das políticas públicas. O resultado deste trabalho faz-se refletir em todas as esferas de atuação do meu governo. Mensagem à Assembleia Legislativa

12 Em 2007, quando assumimos o Governo, realizamos uma ampla reforma administrativa, com a perspectiva de racionalização da estrutura do Estado e de promover um incremento das receitas, quer fossem as diretamente arrecadadas pelo Estado, quer fossem as oriundas de transferências da União, para dar vazão aos investimentos pretendidos. Pronunciamento do Governador 2011 Na área de gestão, para a racionalização dos gastos e potencialização dos serviços da máquina administrativa, o Governo promoveu a alteração nas estruturas organizacionais, extinguindo órgãos, fundindo e dinamizando outros, e criando aqueles absolutamente necessários para o cumprimento da missão governamental. A economia do Ceará apresenta perspectivas favoráveis para crescer com avanços significativos nos indicadores sociais, tendo em vista os investimentos em implementação. Neste sentido, tanto os projetos de infraestrutura logística quanto os de apoio a empresas contribuíram para o desenvolvimento econômico do nosso Estado. O PIB do Ceará, confirmando tendência dos últimos anos, acumulou, de janeiro a setembro, um crescimento de 8,67%, em 2010, superando a média de crescimento do PIB brasileiro que foi de 8,4%. Na comparação da economia cearense e brasileira, pelo valor adicionado a preços básicos, ou seja, sem a inclusão dos impostos, a taxa de crescimento do Ceará foi 7,63%, também maior que a do Brasil (7,5%). No contexto desse cenário de crescimento da economia do Estado vale ressaltar que houve uma expansão do mercado de trabalho de 2007 a novembro de 2010, alcançando-se o saldo líquido acumulado de empregos formais. Esse resultado, além dos múltiplos fatores que concorrem para esse alcance, tem sem dúvida uma participação determinada do meu governo em fomentar setores importantes da economia como o turismo, serviços, artesanato e outros projetos estruturantes do Estado, além dos investimentos viabilizados na esfera pública e privada em setores econômicos com maior potencial de geração de trabalho. Considerando a receita própria, o Estado conseguiu alcançar o crescimento de 65,27% na arrecadação, em termos nominais, composta de ICMS, IPVA, ITCD, taxas e outras receitas, saltando do patamar de R$ 3,96 bilhões no exercício de 2006 para R$ 6,55 bilhões em 2010, correspondendo a uma elevação da arrecadação superior a R$ 2,5 bilhões nos últimos 4 anos. Quanto ao orçamento do Estado, foram estimadas, para o período 2007/2010, despesas do orçamento fiscal e seguridade social no montante de R$ 56,1 bilhões, financiadas com recursos da fonte do tesouro e de outras fontes, as quais contemplam as operações de crédito e os convênios. Do total desses recursos, foram executados mais de R$ 44,3 bilhões no período, ou seja, quase 80% do total orçado. Embora expressivo, precisamos aumentar esse percentual em função do portfólio de projetos que temos em carteira. Na perspectiva de inserção do Ceará no projeto nacional de desenvolvimento, destaca-se o crescimento nominal dos investimentos, que vem apresentando expansão em relação aos exercícios anteriores. Esses investimentos referem-se a recursos aplicados principalmente na construção de Hospitais Regionais, Policlínicas, Escolas Estaduais de Educação Profissional, Penitenciárias, Centro de Eventos, na implantação do Metrô de Fortaleza e no Programa Luz para Todos, na construção do Complexo Portuário do Pecém, 10 Mensagem à Assembleia Legislativa 2011

13 na duplicação de rodovias, entre outros projetos estruturantes importantes para o desenvolvimento sustentado do Estado do Ceará. O Governo do Estado, tendo em conta os desafios inerentes ao controle das despesas e das demandas da sociedade em geral, conseguiu, de forma responsável, manter as despesas de pessoal em níveis aceitáveis, abaixo do limite prudencial estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal que é de 57%. Na área de pessoal, os últimos quatro anos também foram anos de conquistas e valorização do servidor público estadual. As despesas orçadas para esse segmento se justificam pela política de recursos humanos adotada, com base na reposição salarial, aumentos diferenciados para algumas categorias e reestruturação de diversas carreiras. O grande volume de recursos destinados à educação viabilizaram a formulação e implementação de políticas que contribuíram para a melhoria do sistema educacional, permitindo um crescimento mais equânime e de qualidade das escolas públicas, visando à formação cidadã do cearense. Os gastos com educação, que no início do governo eram de 27,2% em relação a receita líquida de impostos e superior ao mínimo exigido constitucionalmente (25%), atingiram 30,2% em Os avanços em Educação, a partir da implantação de grandes programas estruturantes como o PAIC Programa de Educação na Idade Certa, registram a alfabetização de 56% das crianças do 2º ano do Ensino Fundamental da Rede Pública nos 184 municípios cearenses, tendo sido investidos recursos da ordem de R$ 101,6 milhões, com a participação financeira da União, o que impactou positivamente no desempenho dos alunos de todos os municípios do Estado. Ressalte-se ainda o benefício gerado para 20,5 mil alunos por meio das Escolas Estaduais de Educação Profissional, em 42 municípios, distribuídos em todas as regiões do Estado, com a implementação do ensino médio integrado à educação profissional, em 59 Escolas Estaduais de Educação Profissional, tendo sido investidos recursos da ordem R$ 258 milhões. Pronunciamento do Governador 2011 No que se refere aos gastos com a saúde, no decorrer do quadriênio 2007/2010, o Governo do Estado vem superando o limite obrigatório de 12% da Receita Líquida de Impostos. De fato, em 2007 totalizavam 13,4%, chegando a 18,7%, em Os avanços na área da saúde, conforme dados ainda parciais, contabilizam importantes registros como a redução da mortalidade infantil de 18 por 100 mil nascidos vivos em 2006 para 13 por 100 mil nascidos vivos em 2010 apresentando-se também como avanço a redução da mortalidade materna cuja razão saltou de 66 em 2006 para 48,3 em Cumpre ressaltar os grandes investimentos realizados em saúde com a implantação de hospitais regionais, policlínicas e centros de especialidades odontológicas, geridos por consórcios públicos em saúde, e ainda os investimentos realizados nos 33 hospitais-polo e de referência secundária nos sistemas microrregionais de saúde, que impulsionaram o atendimento com resolutividade nos serviços de média e alta complexidade. Com conquistas significativas na área de infraestrutura do Estado, importante vetor de desenvolvimento, o Governo avançou substancialmente nas ações direcionadas ao complexo do transporte metro-ferroviário, Mensagem à Assembleia Legislativa

14 dando continuidade as obras das Linhas Sul e Oeste da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) e com a implantação do Metrô do Cariri, cuja linha liga Crato a Juazeiro do Norte e conta com 9 estações distribuídas ao longo de 13,6 km de extensão, investindo-se recursos da ordem de R$ 23,0 milhões. Pronunciamento do Governador 2011 Além disso, com a diversificação e ampliação da matriz energética do Estado, foi possível beneficiar, por exemplo, aproximadamente 106 mil famílias com acesso a energia elétrica, elevando-se o índice de cobertura de domicílios rurais de 89% em 2007, para 97% em 2010, com investimento de R$ 762,3 milhões. Ainda na área da infraestrutura o Estado vem ampliando a sua capacidade de transferência hídrica com a conclusão da construção dos três primeiros trechos do Eixão das Águas, que após a conclusão dos dois últimos trechos em 2011, permitirá, em toda a sua dimensão, que várias comunidades urbanas e rurais sejam beneficiadas com água transferida do Castanhão. O Turismo do Ceará, outro importante vetor de desenvolvimento, será incrementado com a construção do Centro de Eventos do Ceará, grande projeto estruturador para o turismo de eventos que acomodará 30 mil pessoas, numa área de 154 mil metros quadrados. O governo ainda protagonizou a realização de importantes projetos visando estimular e desenvolver o setor turístico do Estado. Para isso fortaleceu a infraestrutura turística por meio da duplicação de rodovias, construções de aeroportos, como os de Aracati e Jericoacoara, construção e duplicação da CE-040 e alargamento da CE-453, implantação de infraestrutura de energia elétrica e esgotamento sanitário, que viabilizarão a construção de grandes complexos turísticos, tipos resorts. O setor de Desenvolvimento Econômico do Estado será alavancado com grandes investimentos já iniciados no quadriênio 2007/2010. Quero ressaltar a importância do processo de implantação da Companhia Siderúrgica do Pecém CSP, englobando investimento da ordem de US$ 4 bilhões, com capacidade de produção nominal de cerca de 3 a 6 milhões de toneladas/ano de produtos siderúrgicos, devendo gerar 3 mil empregos diretos e perspectiva de 10 mil empregos indiretos, e a criação da Zona de Processamento de Exportações do Ceará ZPE, no Complexo Industrial e Portuário do Pecém CIPP, que atrairá empresas industriais com produção destinada à exportação. O investimento de infraestrutura da 1ª fase será da ordem de R$ 26 milhões. Na área social, além dos avanços já mencionados anteriormente em saúde e educação, cumpre relatar os esforços despendidos pelo Governo em prol da Segurança Pública. Os índices de criminalidade ainda preocupam e não retratam com fidelidade todo o empenho do meu governo em tentar debelá-los. Há conquistas e resultados, porém eles ainda não são suficientes para nos deixar em zona de conforto. Reconhecemos que a questão que envolve a criminalidade é complexa, histórica, cultural e principalmente educacional. Resultados benéficos em Segurança Pública, sabemos, depende da integração de políticas, principalmente a educacional, e devem ser fruto de um labor incansável, firme e constante do Gestor Público. Com base nessa premissa, meu Governo não se renderá e continuará persistindo em realizar ações que de algum modo enfraqueçam as ações criminosas. Destaco aqui, dentre outros, a implantação Programa 12 Mensagem à Assembleia Legislativa 2011

15 Ronda, que se pronuncia como uma política de cultura de paz e não de violência, estando mais próximo da comunidade, atualmente presente na Capital, RMF e em 27 cidades do interior com mais de 50 mil habitantes, e do Programa de Proteção à Cidadania (Pró-Cidadania), realizado com os governos municipais de cidades com menos de 50 mil habitantes, já estando contemplados 111 municípios do Estado. No âmbito da Justiça do Poder Executivo, estamos alinhando a Política Defesa Social do nosso Estado levando em conta as ações desenvolvidas no Sistema Penal Carcerário. Meu governo, na primeira gestão passada, desenvolveu diversas ações que visam à melhoria de vida e integração do preso e egresso à sociedade. Mostra disso são as várias conquistas alcançadas, como a melhoria da taxa de ocupação de vagas no Sistema Penitenciário, que passou de 1,51 em 2007 para 1,47 em 2010, graças à construção de 3 penitenciárias e 12 cadeias públicas, totalizando a criação de novas vagas, e à recuperação de 27 cadeias públicas e 7 penitenciárias. Além disso, criamos a Escola de Gestão Penitenciária e Ressocialização EGPR, melhorando a média de servidores capacitados anualmente, passando de 400 para colaboradores; alcançamos a melhoria da taxa de presos e egressos, beneficiados com qualificação profissional, que passou de 0,98 para 7,12 no período, e promovemos a capacitação de presos e egressos, com cursos profissionalizantes e cursos para o aumento de escolaridade. O Estado vem cumprindo o seu dever constitucional de assistência jurídica aos mais carentes, tendo a gestão do meu governo ampliado as ações da Defensoria Pública, priorizando as regiões com maiores índices de exclusão social e densidades populacionais, assegurando-se assim, às populações beneficiadas, um dos principais instrumentos de concretização da real cidadania. Destaco como cerne destas ações a ampliação no número de defensores públicos, passando de 175 defensores existentes em 2007, para 282 defensores em 2010, propiciando a ampliação dos serviços prestados junto a um maior número de comarcas interioranas, que ampliou em 30% a presença da Defensoria Pública no interior do Estado, no período de 2007/2010. Pronunciamento do Governador 2011 Outras ações que se ligam à problemática do tecido social de nosso Estado também foram desenvolvidas, no período do quadriênio findo, visando à inclusão social, cultural e redução dos níveis de pobreza. Nesse aspecto, destacam-se importantes programas na área do Esporte como a construção de 294 obras públicas em todas as Regiões, nas comunidades urbanas que não têm equipamentos públicos de esporte e lazer, tendo sido investidos mais de 55 milhões. Além disso, permitiu-se que mais de 70 mil alunos da rede pública de ensino fossem beneficiados com o Programa Segundo Tempo, tendo sido aplicados R$ 25,1 milhões, com fornecimento de material esportivo, reforço escolar e alimentar, e implantados 233 núcleos esportivos nos 184 municípios do Estado. Não se deve esquecer de mencionar também o benefício trazido pelo Programa Bolsa Esporte que apoiou mais de 6 mil atletas, assegurando recursos da ordem de R$ 8,8 milhões, no período 2007/2010. Os ganhos de inclusão social se verificam também por meio das ações culturais de democratização do livro e da leitura promovidas pelo meu Governo, que no período de 2007/2010 contabilizam investimentos, da ordem de R$ 22 milhões, tendo sido modernizadas 194 bibliotecas públicas municipais, ampliando a média de usuários de 2,08 milhões em 2009, para 4,16 milhões em 2010, o que representa Mensagem à Assembleia Legislativa

16 99,75%, além da ampliação do Projeto Agentes da Leitura, beneficiando famílias, em 32 municípios do Estado com baixo IDH. Pronunciamento do Governador 2011 A juventude do Estado teve especial atenção no meu governo. Prosseguimos consolidando e fortalecendo as políticas para este segmento, inserido quase 15 mil jovens de 18 a 29 anos, em 71 municípios, em todas as regiões do Estado, os quais, através dos projetos ProJovem Urbano, ProJovem Campo Saberes da Terra e ProJovem Urbano Ampliação, estão tendo a oportunidade de concluir o ensino fundamental e a formação profissionalizante inicial nas áreas de Construção e Reparos, Turismo e Hospitalidade, Saúde, Administração e Serviços Pessoais. A consolidação da política de assistência social em nosso Estado vem permitindo o fortalecimento do Sistema Único da Assistência Social - SUAS, com a implantação do cofinanciamento de benefícios eventuais em 67 municípios e de Centros de Referência da Assistência Social - CRAS/Programa de Atenção Integral às Famílias - PAIF em 103 municípios; além do fortalecimento da rede de atendimento de proteção e garantia de direitos a segmentos vulnerabilizados, com destaque para a criança e o adolescente. Destaco como relevante para as atividades produtivas da Agricultura do Estado o fortalecimento da agricultura familiar, que conferiu benefícios a 289,4 mil agricultores familiares, com financiamentos de recursos do PRONAF, no valor de R$ 903,2 milhões, e ainda o atendimento a agricultores familiares, nos 13 territórios rurais do Estado, com investimentos de R$ 8,0 milhões em infraestrutura para geração de emprego e renda. Ressalto também a cobertura de 54% da área rural do Estado, com sistemas de abastecimento de água, implantados com recursos exclusivos do Projeto São José e os relevantes investimentos do meu governo na regularização fundiária que possibilitou, somente em 2010, a entrega de títulos de propriedade para agricultores familiares, em 44 municípios. No âmbito da Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação Superior tivemos resultados significativos marcados pela ação de modernização da infraestrutura física das Universidades Públicas Estaduais, envolvendo construção/ampliação/reforma, bem como aquisição de equipamentos, mobiliário e acervo bibliográfico, assegurando a expansão da oferta de vagas e contribuindo para elevar a qualidade da formação oferecida, com ampliação das oportunidades de pesquisas. Resultados que se traduzem no aumento aproximado de 8,9% no número de matrículas nos cursos gratuitos de graduação, nas Universidades Públicas Estaduais, passando de em 2007, para em 2010, ressaltandose que as unidades descentralizadas da URCA, Iguatu e Campos Sales, a partir de 2008 e 2009, passaram a ter a gratuidade assegurada com recursos do tesouro. A proposta do meu governo para o desenvolvimento urbano das cidades e integração regional iniciada em 2007 vem se firmando como uma política de boa intervenção no âmbito da problemática urbana e do ordenamento socioespacial do Estado. Nesse sentido, o Governo trabalhou no quadriênio 2007/2010 para a melhoria das condições de habitabilidade da população do Estado, a formação de cidades e regiões com estrutura urbana adequada e a contribuição para o fortalecimento das gestões municipais. 14 Mensagem à Assembleia Legislativa 2011

17 No esforço de reduzir o déficit habitacional quantitativo merece destaque a construção e entrega de unidades habitacionais, de interesse social em 71 municípios do Estado, sendo unidades localizadas na RMF e unidades localizadas no Interior (CE exceto RMF), beneficiando pessoas. Em termos de resultados, na área do abastecimento, foram beneficiados 974,3 mil habitantes, com a realização de 237,6 mil ligações domiciliares de água, no período 2007 a 2010, chegando-se, em 2010, à marca da cobertura da população atendida com esse serviço de 98,25%, em Fortaleza, e nos municípios do interior de 96,94%. No que se refere ao esgotamento sanitário, foram beneficiados habitantes, com a realização de ligações domiciliares de esgoto, no intervalo de 2007 a 2010, evoluindo esse serviço, em Fortaleza, de 50,56%, em 2007, para 53,54%, em 2010, e, nos municípios do interior, de 19,56%, em 2007, para 22,96%, em outubro de Não descuidamos do nosso Meio Ambiente. Estivemos vigilantes na implementação de políticas voltadas à sustentabilidade ambiental, implicando na formulação e execução de programas e projetos com foco em ações voltadas ao estímulo e à adoção de práticas conservacionistas, criação de áreas protegidas, certificação ambiental de municípios, repartição do ICMS ecológico, proteção dos recursos ambientais, mitigação de impactos climáticos e de desertificação, com redução de queimadas e incêndios florestais. Por último, gostaria de evidenciar todas as ações que meu governo lançou mão em prol de uma máquina administrativa moderna e eficiente e do uso adequado das ferramentas de gestão que orientam a correta e excelente utilização e potencialização dos recursos públicos, usados com responsabilidade, seriedade e transparência, porém com ousadia de quem quer avançar, rumo a uma sociedade mais igualitária para todos os cearenses. Pronunciamento do Governador 2011 Prova dessa intenção foram as inúmeras melhorias adotadas no âmbito do sistema previdenciário, aprimoramento do controle de gastos e sistemas de compras do governo, aperfeiçoamento da política de incentivos fiscais, estipulação de parcerias público-privadas para alavancar os grandes investimentos, fortalecimento da governança, adoção de novos métodos e técnicas de gestão, ampliação de parcerias com os municípios, inovações tecnológicas no âmbito da administração pública, dentre outras realizações, cujo fim foram tornar as políticas de governo mais eficientes e eficazes para todos os cearenses. Por fim, visto não ser possível ater-me, neste breve relato, a todos os resultados significativos alcançados ao longo da gestão 2007/2010, convido aos Senhores e Senhoras Deputados, legítimos representantes do Povo, e a toda sociedade cearense a buscarem essas e outras informações neste Documento, da qual este discurso é parte integrante, o qual tenho a honra de entregar nesta Casa Legislativa. Enfatizo, todavia, que as informações apresentadas até aqui são uma mostra dos inúmeros resultados alcançados, e que fazem do Estado do Ceará, um estado melhor para se viver. Tenho a convicção que tudo o que alcançamos é fruto de uma ação conjunta de todos os atores que compõem o meu governo, de todas as parcerias e integrações que realizamos ao longo do quadriênio , do esforço e dedicação de agentes públicos, comprometidos com a causa pública, fosse no âmbito dos diferentes poderes, fosse no âmbito dos diversos níveis governamentais. Mensagem à Assembleia Legislativa

18 Reafirmo que o alcance de grande parte desses resultados só se tornou possível, após o apoio dado pelo Legislativo Cearense, respeitadas a autonomia e independência dos poderes, porém reconhecendo que nossos alvos e objetivos eram comuns aos interesses da sociedade cearense. Pronunciamento do Governador 2011 Portanto senhores, estar aqui, neste momento, prestando contas da atuação do meu Governo, mais do que uma honra, é um dever. Um dever que se mostra para a contribuição de melhoria de vida no nosso Estado, um dever com a história e com a mudança da história, visando dias melhores. Sou consciente que temos muito ainda por fazer. Não me dou por satisfeito. Trabalharemos, todo o meu governo, com unidade, determinação, respeito às leis e ao Estado de Direito, alianças e parcerias para consolidarmos uma trajetória que se iniciou em 2007 e que será capaz de transpor o Estado atual para um outro patamar de desenvolvimento. Congratulo-me com todos os parceiros e agentes públicos. Meus agradecimentos a todos os servidores públicos, empresários, lideranças políticas e a toda sociedade cearense pelos avanços conquistados até aqui. Meu compromisso é continuar trabalhando por dias melhores para o Ceará. Obrigado CID FERREIRA GOMES Governador 16 Mensagem à Assembleia Legislativa 2011

19 SUMÁRIO Panorama Econômico 19 Economia para uma vida melhor 35 Desenvolvimento Econômico (Indústria, Mineração, Comércio e Serviços) 37 Desenvolvimento Rural e Agricultura Familiar 47 Logística de Transporte, Comunicação e Energia 71 Infraestrutura Hídrica 91 Turismo Sustentável 101 Desenvolvimento Urbano e Regional 111 Educação Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação 133 Meio Ambiente 159 Sociedade justa e solidária 169 Educação Básica 172 Saúde 193 Segurança Pública 215 Justiça e Cidadania 229 Trabalho e Assistência Social e Segurança Alimentar 237 Cultura 253 Esporte 269 Defensoria Pública 287 Gestão ética, eficiente e participativa 291 Planejamento e Gestão 293 Gestão Fiscal e Financeira 327 Controladoria e Ouvidoria 345 Procuradoria Geral 355 Governadoria 367

20

21

22

23 Economia Cearense em 2010 e Perspectivas para 2011 ECONOMIA CEARENSE EM 2010 E PERSPECTIVAS PARA 2011 Economia Mundial A economia mundial deverá crescer 4,6%, em 2010 Panorama Mundial: Produto Interno Bruto Após a crise de 2008/2009, as principais economias do mundo ainda não se recuperaram inteiramente. Percebe-se uma lentidão no ritmo das atividades econômicas, sobretudo nos Estados Unidos, Espanha e Portugal, que, ao longo de 2010, mostram-se ainda com dificuldades quanto ao alcance de melhor performance em seus principais indicadores macroeconômicos. Por isso, a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) prevê um crescimento de 4,6% para a economia mundial, em De acordo com essa expectativa, é previsto um crescimento de 2,7% para os Estados Unidos, e apenas 1,7% na Zona do Euro para A baixa taxa de evolução do Produto Interno Bruto (PIB) da Zona do Euro é consequência do desempenho ainda negativo de alguns países como: Grécia (-3,9%), Irlanda (-0,3%) e Espanha (-0,2%). Segundo aquela Instituição, é fundamental para um fechamento positivo da economia mundial, em 2010, o comportamento das economias dos países emergentes, como o Brasil, que deverá crescer e manter a posição de oitava economia mundial e a primeira da América Latina, com taxa de crescimento de 7,5%, segundo o Banco Central. Por outro lado, países como China e Japão, que estão disputando a segunda colocação no ranking da economia mundial, deverão crescer, respectivamente, 10,5% e 2,5%, como evidenciado na Tabela 1. Panorama Econômico 2011 Tabela 1: Taxa de crescimento (%) do Produto Interno Bruto (PIB) Mundo Regiões/Países Mundo 4,6 4,2 4,6 Países Desenvolvidos 2,3 2,4 2,4 Estados Unidos 2,7 2,3 2,3 Zona do Euro 1,7 2,0 2,0 Países Emergentes 6,3 6,5 6,5 China 10,5 9,7 9,7 Japão 2,5 1,8 1,8 América Latina e Caribe 6,0 4,2 4,2 Brasil (*) 7,5 5,5 5,5 Argentina 8,4 4,8 4,8 México 4,9 3,0 3,0 Fonte: Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE)/outubro de (*) Estimativa do Banco Central. Perspectivas de crescimento da economia mundial em 2011 Para os próximos anos, a OCDE prevê um crescimento moderado para a economia mundial, mas de forma sustentável, com taxas previstas de expansão de 4,2%, em 2011/2012. Para a Zona do Euro, as previsões são de 1,7%, em 2011, e 2%, em Quanto aos crescimentos do PIB dos Mensagem à Assembleia Legislativa

DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO SÉRIE 3 ANO IV Nº049 FORTALEZA, 12 DE MARÇO DE

DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO SÉRIE 3 ANO IV Nº049 FORTALEZA, 12 DE MARÇO DE 1 PODER EXECUTIVO DECRETO Nº30.841 de 07 de março de 2012. DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL, A DISTRI- BUIÇÃO E A DENOMINAÇÃO DOS CARGOS DE DIREÇÃO SUPERIOR E DE DIREÇÃO E ASSESSORAMENTO DA SUPE-

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Ceará: Resultados do Produto 9 Interno Bruto (PIB) 2008

Ceará: Resultados do Produto 9 Interno Bruto (PIB) 2008 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) Ceará: Resultados do Produto 9 Interno Bruto (PIB) 2008 1. ECONOMIA

Leia mais

Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013

Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013 Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador SECRETARIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 23/01/15 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged),

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Abril de 2015 O Comércio em Números é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO SÉRIE 3 ANO III Nº200 FORTALEZA, 19 DE OUTUBRO DE

DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO SÉRIE 3 ANO III Nº200 FORTALEZA, 19 DE OUTUBRO DE DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO SÉRIE 3 ANO III Nº200 FORTALEZA, 19 DE OUTUBRO DE 2011 1 PODER EXECUTIVO LEI Nº15.016, 04 de outubro de 2011. (Autoria: Deputado Ferreira Aragão) INSTITUI A SEMANA DE COM- BATE

Leia mais

SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO

SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO PÁGINA 1 Página 1 SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO I N F O R M A T I V O B I M E S T R A L

Leia mais

COMENTÁRIOS Comércio Varejista Comércio Varejista ampliado

COMENTÁRIOS Comércio Varejista Comércio Varejista ampliado COMENTÁRIOS Em maio, o Comércio Varejista do País apresentou variações em relação ao mês anterior ajustadas sazonalmente, de 0,5% para o volume de vendas e de 1,0% para a receita nominal. Quanto à média

Leia mais

Indústria de Transformação Cearense em 2013: Algumas Evidências para os Resultados Acumulados até o Terceiro Trimestre

Indústria de Transformação Cearense em 2013: Algumas Evidências para os Resultados Acumulados até o Terceiro Trimestre Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

março de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores A DINÂMICA RECENTE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO: O EMPREGO

março de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores A DINÂMICA RECENTE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO: O EMPREGO 12 março de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores A DINÂMICA RECENTE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO: O EMPREGO Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo. Diretoria

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 19/03/2015 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Pesquisa Anual da Indústria da Construção - PAIC levanta informações sobre o segmento empresarial da indústria da construção em A todo o Território Nacional. A presente análise visa

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho O cenárioeconômicoe as MPE Brasília, 1º de setembro de 2010 Luciano Coutinho O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira pode crescer acima de 5% a.a. nos próximos cinco

Leia mais

Dimensão econômica. Quadro econômico

Dimensão econômica. Quadro econômico Dimensão econômica Quadro econômico Dimensão econômica 42 Produto interno bruto per capita O Produto Interno Bruto per capita indica a renda média da população em um país ou território e sua variação é

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/215 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Produção Industrial Cearense Cresce 2,5% em Fevereiro como o 4º Melhor Desempenho do País

Produção Industrial Cearense Cresce 2,5% em Fevereiro como o 4º Melhor Desempenho do País Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Agosto de 2014

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Agosto de 2014 Associação Brasileira de Supermercados Nº43 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Agosto de 2014 Com crescimento em julho, setor acumula 1,48% no ano Em julho, as vendas

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

Informe Econômico N 3

Informe Econômico N 3 Conjuntura Econômica Gerente Legislativa: Sheila Tussi da Cunha Barbosa Analista Legislativa: Cláudia Fernanda Silva Almeida Assistente Administrativa: Quênia Adriana Camargo Ferreira Estagiário: Tharlen

Leia mais

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 2014, ano base 2013 Dimensão Estratégica (vol. 1) e Programas Temáticos (vol. 2) Resumo do preenchimento Esther Bemerguy de Albuquerque Secretária de Planejamento

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Associação Brasileira de Supermercados Nº51 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Abril de 2015 Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Crescimento moderado

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total 100 Fortalecimento da Atuação Legislativa 8.475.000 8.475.000 101 Fortalecimento do Controle Externo Estadual 80.649.880 80.649.880 102 Fortalecimento do Controle Externo Municipal 3.245.000 3.245.000

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Associação Brasileira de Supermercados Nº48 tou ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Vendas dos supermercados crescem 2,24% em 2014 Em dezembro, as

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços?

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? Nº 19 Novembro de 2011 A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 28 JUNHO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 28 JUNHO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO NÚMERO 28 JUNHO DE 21 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS A divulgação do crescimento do PIB no primeiro trimestre desse ano, além de revelar uma taxa

Leia mais

Análise Setorial de Emprego

Análise Setorial de Emprego Análise Setorial de Emprego Abril de 2015 Ficha Técnica Governador do Estado de Minas Gerais Fernando Pimentel Secretário de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social André Quintão Secretária Adjunta

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria A evolução dos principais indicadores econômicos conjunturais sugere a paulatina dissipação dos efeitos da intensificação da crise financeira

Leia mais

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM)

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Boletim n.º 05 1º trimestre de O AMBIENTE ECONÔMICO Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Atividade econômica A economia brasileira, medida pelo desempenho do Produto Interno

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

1. Evolução do Emprego Celetista

1. Evolução do Emprego Celetista Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E 2012 Camila Cristina Farinhaki Henrique Alves dos Santos Lucas Fruet Fialla Patricia Uille Gomes Introdução Este artigo tem como objetivo

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2010 Valores definitivos

A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2010 Valores definitivos Nº 46 Novembro 2012 A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2010 Valores definitivos 1 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho

Leia mais

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 PER DA IND PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto

Leia mais

Considerações Iniciais

Considerações Iniciais ANO 2 NÚMERO 6 ABRIL 212 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO RABELO Considerações Iniciais Neste primeiro trimestre de 212 a economia brasileira apresenta índices econômicos preocupantes

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 XVIIIª Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 Recife, 18 de dezembro de 2014 Temas que serão discutidos na XVIII Análise Ceplan: 1. A economia em 2014: Mundo Brasil Nordeste, com ênfase em Pernambuco

Leia mais

Análise Setorial de Emprego

Análise Setorial de Emprego Análise Setorial de Emprego Maio de 2015 Ficha Técnica Governador do Estado de Minas Gerais Fernando Pimentel Secretário de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social André Quintão Secretária Adjunta

Leia mais

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE Cenários Macroeconômicos para 2014 Wellington Santos Damasceno ETENE Fortaleza CE 28/11/2013 Cenário Internacional Regiões e Países Selecionados Variação do PIB real (%) Fonte: World Economic Outlook Database,

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA

MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA 2015 MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Presidente Nacional José Roberto Bernasconi Diretor Executivo

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

Qualidade dos Serviços Situação Atual e Perspectivas COELCE 30/06/2011

Qualidade dos Serviços Situação Atual e Perspectivas COELCE 30/06/2011 Qualidade dos Serviços Situação Atual e Perspectivas COELCE 30/06/2011 Agenda O grupo Endesa 1 Características da COELCE e do estado do Ceará 2 Qualidade dos Serviços Técnicos e Comerciais 3 Investimentos

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

Governo do Estado do Pará. Simão Robison Oliveira Jatene Governador

Governo do Estado do Pará. Simão Robison Oliveira Jatene Governador JANEIRO/2013 1 Governo do Estado do Pará Simão Robison Oliveira Jatene Governador Helenilson Cunha Pontes Vice-Governador do Estado do Pará / Secretário Especial de Estado de Gestão Seges Instituto do

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Alexsandre Lira Cavalcante *

Alexsandre Lira Cavalcante * 1. Volume de vendas do comércio varejista Alexsandre Lira Cavalcante * Segundo dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) do mês de dezembro de 2010, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR (INPC) E A CESTA BÁSICA JANEIRO/2011

ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR (INPC) E A CESTA BÁSICA JANEIRO/2011 1. INTRODUÇÃO O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) apresenta os resultados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor e a Cesta Básica para a Região Metropolitana de Fortaleza.

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro)

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro) INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL Outubro/2012 (dados até setembro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nas MPE brasileiras

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 A saúde suplementar no Brasil cresceu consistentemente nos últimos anos e o país ocupa lugar de destaque no cenário mundial.

Leia mais

ANO 2 NÚMERO 08 AGOSTO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 2 NÚMERO 08 AGOSTO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 2 NÚMERO 08 AGOSTO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS As recentes divulgações dos principais indicadores de desempenho da economia brasileira mostram

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB Superintendência de Estatísticas, GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Marconi Ferreira

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 79 DESEMPENHO ECONÔMICO DO ESTADO DO CEARÁ EM ANOS RECENTES

TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 79 DESEMPENHO ECONÔMICO DO ESTADO DO CEARÁ EM ANOS RECENTES GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 79 DESEMPENHO ECONÔMICO DO ESTADO DO CEARÁ

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES Nº 72 Fevereiro 2014 Análise da Distribuição Espacial das Instituições de Ensino Superior Brasileiras a partir dos Dados do Censo da Educação Superior de 2011 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes

Leia mais

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015.

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na abertura do X Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária.

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

Produção Industrial Março de 2015

Produção Industrial Março de 2015 Produção Industrial Março de 201 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - MARÇO/1 Em março, a indústria de Santa Catarina produziu 4,0% menos na comparação com o mesmo mês do ano anterior, sexto resultado

Leia mais

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

Boletim Regional Florianópolis

Boletim Regional Florianópolis Boletim Regional Florianópolis Carlos Hamilton Araújo Novembro de 2014 Índice I. Introdução II. Inferências Nacionais III. Região Sul IV. Santa Catarina V. Mercado de Crédito 2 I. Introdução 3 Missão do

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL APRESENTA RETRAÇÃO NAS VENDAS EM FEVEREIRO A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro

Leia mais

Nível de atividade. 1.1 Comércio

Nível de atividade. 1.1 Comércio Nível de atividade 1 Tabela 1.1 Índice de volume de vendas Variação percentual Discriminação Jan Fev Mar No mês 1/ Comércio varejista 0,3-0,4-1,0-0,4 Combustíveis e lubrificantes -0,9-4,9 2,7-0,1 Hiper,

Leia mais