Relatório da Aplicação da Reserva Técnica Institucional da Fapesp FMVA -

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório da Aplicação da Reserva Técnica Institucional da Fapesp - 2012- FMVA -"

Transcrição

1 Campus de Araçatuba FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA Relatório da Aplicação da Reserva Técnica Institucional da Fapesp FMVA - Implantação do Datacenter e do Biobanco da Faculdade de Medicina Veterinária como forma de garantir a segurança e estabilidade das amostras biológicas e a rede de informática. PROCESSO : 2012/ Prof. Dr. Francisco Leydson Formiga Feitosa Relatório do projeto apresentado à FAPESP para utilização dos recursos da Reserva Técnica Institucional - Faculdade de Medicina Veterinária/UNESP, Campus de Araçatuba. ARAÇATUBA - SP Dez

2 PARTE I DATACENTER SUMÁRIO 1. Introdução e Justificativa 3 2. Histórico da Instituição 5 3. Proposta Inicial para Instalação do Datacenter na FMVA 6 4. Implementação do Datacenter na FMVA 8 5. Investimento Ganhos Consolidados com o Datacenter 12 2

3 1. INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA A Faculdade de Medicina Veterinária/UNESP, campus de Araçatuba, conta com 51 docentes em regime de dedicação integral à docência e à pesquisa (RDIDP), sendo dois professores titulares, 25 professores com livre-docência e 24 doutores, além de um pesquisador nível III com titulação de doutor, distribuídos em dois departamentos, a saber : Departamento de Apoio, Produção e Saúde Animal, e o Departamento de Clínica e Cirurgia e Reprodução Animal. Seu curso de graduação foi classificado em 2 lugar, entre 161 cursos de medicina veterinária avaliados pelo INEP, além de ser considerado cinco estrelas pelo Guia do Estudante. Conta, também, com Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Animal (mestrado e doutorado) recomendado pela CAPES (nota 4), que abrange as áreas de concentração em Fisiopatologia Médica e Cirúrgica e em Medicina Veterinária Preventiva e Produção Animal. Completam o quadro, na formação de recursos humanos, o curso de Pós- Graduação Lato Sensu em Gestão de Sistemas de Produção Animal e o Programa de Residência em Medicina Veterinária. A Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba (FMVA) dispõe de cinco laboratórios multiusuários, para aplicação no ensino de graduação e de pós-graduação, e de 31 laboratórios destinados às atividades de pesquisa, distribuídos em seus dois departamentos e no Hospital Veterinário Luiz Quintiliano de Oliveira, cujo funcionamento depende, em grande parte, da captação de recursos junto às agências de fomento. Neste contexto, de janeiro a agosto de 2012, a captação de recursos, junto à FAPESP, somou R$ ,66, obtidos por meio de 16 Auxílios à Pesquisa. Também, foram concedidas, pela FAPESP, 11 bolsas de Iniciação Científica, cinco bolsas de Mestrado- 1, seis bolsas de Mestrado-2, quatro bolsas de Doutorado-1, duas bolsas de Treinamento Técnico 3 e cinco bolsas de Estágio de Pesquisa (DR) no exterior, além de auxílios para participação em eventos, cujos valores somados alcançam um total de R$ ,39. Assim, o aporte de recursos à FMVA, por meio de concessões da FAPESP, no período, foi de R$ ,05. Ainda, em 2011, foram 13 Auxílios à Pesquisa outorgados pela FAPESP, com valor total de R$ ,65, além de 10 bolsas de iniciação científica, 06 bolsas de mestrado, 02 bolsas de doutorado e 02 bolsas de treinamento técnico. 3

4 O apoio da FAPESP tem exercido um papel fundamental na estruturação e, mesmo, no funcionamento dos laboratórios da Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba, possibilitando a realização de atividades de pesquisa de qualidade, com reflexo positivo na formação de recursos humanos. Todavia, a Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba (FMVA) apresenta grande fragilidade em seu sistema de informática, no que se refere à segurança e estabilidade de sua conexão com a rede, por não apresentar um Datacenter próprio. Atualmente, os mínimos recursos disponíveis, que possibilitam a conectividade na Unidade, encontram-se no Datacenter da Faculdade de Odontologia de Araçatuba (FOA)/UNESP, situada a quatro quilômetros de distância, com acesso por meio de fibra óptica. Somente durante o ano de 2012, ocorreram dois incidentes de rompimento da fibra óptica, em pontos críticos de seu trajeto pela cidade de Araçatuba, entre a FOA e a FMVA, que causaram, em cada um dos episódios, a paralisação da Unidade por quatro dias até que os reparos se processassem. Os sistemas institucionais ficaram inoperantes, o servidor de s ficou fora do ar, a telefonia VoIP permaneceu desativada e a conexão com a internet foi interrompida, ou seja, a Faculdade de Medicina Veterinária permaneceu sem qualquer comunicação durante estas ocorrências. Se a FMVA dispusesse de um Datacenter próprio, certamente, 80% do impacto deste tipo de sinistro seriam minimizados. É sabida a importância da Tecnologia da Informação nas atividades acadêmicas, no que se refere à consulta e divulgação dos resultados de pesquisa, bem como na prática do ensino. Assim, com o intuito de minimizar a vulnerabilidade do sistema de informática da Faculdade de Medicina Veterinária e de seu impacto negativo sobre as atividades acadêmicas realizadas na instituição, sobretudo, naquelas diretamente relacionadas à pesquisa, pretende-se a criação de um Datacenter, que se constitui no escopo do presente projeto. 4

5 2. HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO Em janeiro de 1984, a Reitoria da UNESP iniciou estudos para criação de um curso de medicina veterinária na região de Araçatuba, então, um dos maiores centros de pecuária bovina do país. O curso foi efetivamente implantado em 23 de fevereiro de 1990, iniciando suas atividades nas dependências da Faculdade de Odontologia de Araçatuba/UNESP. Com o seu crescimento e necessidade de espaço físico, o Curso de Medicina Veterinária passou a ocupar as instalações do Instituto Noroestino de Trabalho, Educação e Cultura (INTEC), mas permaneceu vinculado à Faculdade de Odontologia. Foi reconhecido através da Portaria do Ministério da Educação e do Desporto n.º 162, de 24/02/1995, publicada no Diário Oficial da União de 1.º/03/1995, e renovado através da Portaria CEE/GP- 200/2003, publicada no DOE de 23/05/2003. O Programa da Pós-Graduação em Ciência Animal, em nível de mestrado, foi criado em agosto de 2004 e já na primeira avaliação da CAPES, referente ao triênio , obteve melhora em seu conceito, de 3 para 4. Em 2009, o Programa obteve autorização da CAPES para a implantação do nível de Doutorado, já reconhecido pelo MEC em Em 17 de dezembro de 2010, o Curso de Medicina Veterinária recebeu o status de unidade universitária, constituindo a Faculdade de Medicina Veterinária/UNESP Câmpus de Araçatuba, desvinculando-se, administrativa e academicamente, da Faculdade de Odontologia, conforme a Resolução UNESP Nº 57/

6 3. PROPOSTA INICIAL PARA INSTALAÇÃO DO DATACENTER O projeto inicialmente proposto teve por objetivo a criação de um Datacenter, de forma a possibilitar infraestrutura básica para atendimento de critérios de desempenho e segurança dos equipamentos, otimização do serviço de comunicação, estabilidade do serviço de rede, melhoria do desempenho e confiabilidade na utilização dos serviços on-line e de rede sem fio, bem como, melhoria do acesso à informação e processamento de dados. Foi proposto a aquisição e instalação de 04 (quatro) servidores de rede e um rack de servidor específico para acomodação destes equipamentos. Estes servidores de rede foram destinados a suportar os diversos sistemas e serviços de informática da FMVA (serviços de s e website, sistemas locais e banco de dados, telefonia VoIP e serviços de backup), acomodados nos compartimentos do rack de chão vertical (Figura 4). Assim, seria possível conectar os servidores em outros componentes da rede. O equipamento Console KVM para rack, também foi necessário para a conexão, integração e gerenciamento dos servidores de rede, de modo que os mesmos pudessem ser acessados e administrados por meio do terminal dentro do Datacenter, além do modo remoto. Ainda, com a finalidade de potencializar a capacidade dos servidores de rede, foi proposto a aquisição e instalação de 12 (doze) discos rígidos com capacidade de um terabyte cada, o que possibilitaria manter uma excelente capacidade de armazenamento de dados e mídias diversas, de forma confiável. Para garantir a segurança dos servidores de rede e demais equipamentos, em caso de instabilidade elétrica, bem como garantir o serviço de comunicação emergencial por meio da internet e da telefonia VoIP já existente na unidade, no caso de interrupção no fornecimento de energia elétrica, foi proposto a aquisição e instalação de um No-Break de 10 KVA. Foi proposta a aquisição e instalação de dois aparelhos condicionadores de ar, com capacidade de BTU/h cada, necessários para adequada climatização do Datacenter, uma vez que os equipamentos de servidores e switches funcionarão durante todo o dia, sem interrupções. Para assegurar a adequada refrigeração, um dos condicionadores de ar 6

7 permanecerá em funcionamento contínuo, enquanto o outro operará como reserva, em caso de falha do primeiro. Por fim, foi proposta a obtenção e instalação de controle de acesso ao Datacenter por meio do leitor biométrico e fechadura eletromagnética, com o a finalidade de garantir segurança do local, de acordo com as normas técnicas estabelecidas pela UNESP. Uma vez instalados os servidores de rede e demais recursos no Datacenter da FMVA, seria realizada a migração dos dados dos serviços de rede e acessibilidade, do serviço de s, dos sistemas institucionais, do banco de dados, do servidor de impressão, do website, de telefonia VoIP, da intranet, de backup, serviços estes que, atualmente, estão em funcionamento utilizando os equipamentos emprestados e localizados na sede da Faculdade de Odontologia de Araçatuba. O espaço físico, destinado ao futuro Datacenter, tem aproximadamente 12m 2, porém, foi ampliado e reformado para atender aos padrões exigidos pelas normas técnicas. Os recursos financeiros necessários para a expansão e adequação da referida área foram de responsabilidade da Unidade Universitária e não estavam contabilizados nesta proposta. Na Figura 1 está ilustrado como os recursos adquiridos estariam distribuídos no Datacenter. Figura 1. Distribuição de Recursos e ilustração do Datacenter proposto 7

8 4. IMPLEMENTAÇÃO DO DATACENTER NA FMVA Dando continuidade a Parte I do projeto proposto, foi objetivo deste a implementação a curto e médio prazo de todos os recursos adquiridos para implantação do Datacenter na Faculdade de Medicina Veterinária, situada à Rua Clóvis Pestana, nº 793, potencializando, assim, a infraestrutura de rede local na unidade. No prédio escolhido para implementação do Datacenter foi montado toda infraestrutura necessária para receber os equipamentos adquiridos. Assim, conforme mostram as figuras 2 e 3, foram instalados cinco servidores de rede dentro de um rack de servidor específico também adquirido para acomodação destes equipamentos. Estes servidores de rede atualmente estão destinados a suportar os diversos sistemas e serviços de informática da FMVA (serviços de s e website, sistemas locais e banco de dados, telefonia VoIP e serviços de backup). Assim, foi possível conectar os servidores em outros componentes da rede. Figura 2. Rack de servidores instalado no Datacenter Figura 3. Cinco servidores instalados no Rack central 8

9 Ainda, com a finalidade de potencializar a capacidade dos servidores de rede, dos discos rígidos com capacidade de um TB adquiridos, mais 10 foram instalados, conforme mostra a figura 3, e dois ficaram de backup para serem substituídos conforme necessidade. As figuras 4 e 5 mostram o equipamento Console KVM para rack adquirido conforme o projeto, o qual também foi necessário para a conexão, integração e gerenciamento dos servidores de rede, de modo que os mesmos pudessem ser acessados e administrados por meio do terminal dentro do Datacenter, além do modo remoto. Figura 4. Console KVM para servidores Figura 5. Servidores integrados pelo console KVM Foi proposto, ainda, a aquisição e instalação de dois aparelhos condicionadores de ar, com capacidade de BTU/h cada, conforme mostram as figuras 6 e 7, necessários para a climatização do Datacenter e sala do Nobreak, uma vez que os equipamentos de servidores e switches funcionarão ao longo do dia, sem interrupções. Figura 6. Aparelho de Ar condicionado I Figura 7. Aparelho de Ar condicionado II 9

10 Para garantir a segurança dos servidores de rede e demais equipamentos, em caso de instabilidade elétrica, bem como garantir o serviço de comunicação emergencial por meio da internet e da telefonia VoIP já existente na unidade, no caso de interrupção no fornecimento de energia elétrica, foi adquirido e instalado um No-Break de 10 KVA, o qual está integrado à rede elétrica dos servidores do datacenter garantindo, assim, sua estabilidade, conforme mostram as figuras 8 e 9. Figura 8. No Break 10 KVA instalado Figura 9. No Break 10 KVA instalado Por fim, foi proposta a aquisição e instalação de controle de acesso ao Datacenter por meio do leitor biométrico e fechadura eletromagnética, conforme mostra a figura 10, com o a finalidade de garantir segurança do local, de acordo com as normas técnicas estabelecidas pela UNESP. 10

11 Figura 10. Controle de Acesso Biométrico Uma vez instalados os servidores de rede e demais recursos no Datacenter da FMVA, foi realizada a migração dos dados, dos serviços de rede e acessibilidade, do serviço de s, dos sistemas institucionais, do banco de dados, do servidor de impressão, do website, de telefonia VoIP, da intranet, de backup, serviços estes que, atualmente, encontramse em pleno funcionamento na unidade da FMVA. 5. INVESTIMENTO A descrição dos equipamentos adquiridos e acessórios, bem como seus quantitativos, preços unitários e custo total, necessários para a instalação do Datacenter e para a melhoria da infraestrutura de informática da Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba são apresentados no Quadro 1. Quadro 1. Descrição, quantitativos, preços unitários e custo total dos equipamentos e acessórios necessários para a implantação do Datacenter da Faculdade de Medicina Veterinária/UNESP, Campus de Araçatuba. 11

12 Item Descrição Unid Qtde 1 Servidor de Rede 2U, 02 processador Intel Xeon Quad Core, 16Gb de memória, 02 HDs de 300Gb, Placa Controladora RAID SAS; 01 interface padrão Ethernet 10/ 100/ 1000 Mbps, 02 conectores RJ45, 04 interfaces padrão USB, 02 Slots PCI-Express Custo Unitário R$ Custo Total R$ Unid , ,00 2 Gabinete de chão vertical para servidores rack Unid , ,00 3 Disco Rígido - HD de 1 Tb, padrão SATA Unid , ,00 RPM - interface ATA (padrão Dell) 4 No-break KVA Bivolt 220/115V saída 115V Unid , ,00 5 Console KVM para Rack Unid , ,00 6 Condicionador de ar, tipo Split, BTU/hora Unid , ,00 7 Sistema de Controle de Acesso Biometria CJ , ,00 TOTAL ,00 6. GANHOS CONSOLIDADOS COM O DATACENTER A infraestrutura de informática conquistada com Datacenter próprio garante as condições ideais para a realização de estudos e pesquisas avançados e, ainda, mantendo a rede de informática funcional, de modo a possibilitar o acesso de todos os seus usuários às diversas bases de dados nacionais e internacionais, além do acesso aos sistemas institucionais e serviços de informática. Os projetos de pesquisa futuros, a serem desenvolvidos e suportados por meio das melhorias propostas com o Datacenter, possibilitarão a exploração de uma considerável infraestrutura, formada por instalações bem equipadas, voltada para o desenvolvimento de experimentos científicos e formação de recursos humanos, contemplando as diversas áreas da medicina veterinária e da produção animal. Assim, a concretização deste projeto permitiu ganhos consideráveis no desenvolvimento das atividades de ensino e pesquisa e, ainda, no desempenho organizacional dos processos desenvolvidos na Faculdade de Medicina Veterinária, dentre os quais, pode-se destacar: A possibilidade de expansão dos pontos de acesso à rede interna; 12

13 Melhor proteção dos equipamentos do Serviço Técnico de Informática (STI) ligados à rede elétrica; Instalação local de Bancos de Dados mais potentes; Instalação local dos Sistemas Administrativos e Institucionais; Implementação e gerenciamento do Servidor de s da Unidade Universitária; Implementação e gerenciamento do Servidor de Impressão da Unidade Universitária; Rotina de Criação de Backups na Unidade Universitária; Administração dos recursos técnicos da rede com acesso à internet e intranet; Virtualização de servidores e melhoria no processamento de dados; Implementação e melhoria do Website da unidade; Implementação e melhoria da Intranet da unidade; Criação de regras para melhor aproveitamento do link de internet; Ações pró-ativas na prevenção de vírus e malwares; Operacionalização de terminais a partir de sistemas operacionais dos servidores; Administração dos recursos de rede; Suporte Técnico aos usuários da Unidade na utilização de softwares aplicativos; Administração remota dos Laboratórios de Informática; Maior suporte aos usuários da rede wireless; Suporte e atualização dos Sistemas desenvolvidos na Unidade Universitária; Continuidade na implementação de sistemas institucionais para a Unidade Universitária; 13

14 PARTE II BIOBANCO SUMÁRIO 1. Proposta Inicial para Instalação do Biobanco na FMVA Implementação do Biobanco na FMVA Investimento Considerações Finais 22 14

15 1. PROPOSTA INICIAL PARA INSTALAÇÃO DO BIOBANCO NA FMVA Os materiais biológicos representam um novo insumo no cenário mundial, e sua utilização vai desde o ambiente de pesquisa e desenvolvimento tecnológico até os processos produtivos. O conhecimento e a preservação dos acervos de coleções biológicas constituem um recurso valioso para sua segura aplicação1. A questão da preservação dos recursos naturais biológicos vem ganhando destaque no cenário internacional desde a década de No relatório da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, realizada em Estocolmo em 1972, já constava a preocupação com o uso indiscriminado desses recursos e um alerta para o necessário estabelecimento de um padrão de desenvolvimento sustentável. Essa questão viria a ser consolidada em 1992, na Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento e ratificada, posteriormente, na Convenção sobre a Diversidade Biológica (CDB). No Brasil, País detentor de 20% da biodiversidade mundial, as diretrizes da Política Nacional de Biodiversidade (PNB), implementadas em 2002, tiveram como base as principais cláusulas da CDB. A promoção e implementação dos compromissos assumidos pelo país na CDB são coordenadas pela Comissão Nacional de Biodiversidade (CONABio), instância vinculada ao Ministério do Meio Ambiente e constituída por representantes de vários ministérios e da sociedade civil. Dentre as iniciativas para execução da PNB merecem destaque a criação do Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio) e a elaboração do documento intitulado Plano de Diretrizes e Estratégias para Modernização de Coleções e Consolidação de Sistemas Integrados de Informação sobre Biodiversidade, ambos coordenados pelo Ministério da Ciência e Tecnologia. Um dos eixos do PPBio é o apoio à manutenção, ampliação e informatização dos acervos biológicos. O programa vem incentivando e intensificando ações de modernização e fortalecimento das coleções biológicas brasileiras. Variações nos resultados de testes laboratoriais podem ocorrer devido às diferentes técnicas utilizadas, hora de coleta, manejo do animal, idade, condições físicas, estado nutricional, estado psicológico, estação do ano, tipo de contenção, anestesia e tipo de anestésico e condições ambientais. Além disso, o transporte e o armazenamento das amostras biológicas são variáveis determinantes na obtenção e validade destes resultados. 15

16 Vários problemas ocorreram em decorrência da falta de local adequado para os pesquisadores da FMVA armazenarem e preservarem as amostras obtidas em suas pesquisas. Dentre os quais, destaca-se a inviabilidade das amostras mantidas sob refrigeração não adequada, por não possuírem equipamentos apropriados (freezeres -80º C ou botijões de nitrogênio líquido), o que ocasionou a obtenção de resultados incompatíveis com os referenciados na literatura. Não menos grave e impactante, a nosso ver, foi a perda de várias ou de todas as amostras de experimentos que estavam em andamento, em virtude do descongelamento das mesmas por falta de energia elétrica em alguns finais de semana na FMVA. O principal objetivo da criação do biobanco é servir de suporte para estudos de investigação molecular, clínica e epidemiológica em doenças que afetam as diferentes espécies, como, por exemplo, doenças reprodutivas, neurodegenerativas, parasitárias (leishmaniose visceral) oncológicas e reumáticas, e/ou que visem o melhoramento genético e da produção de animais pecuários (projeto genoma). Desta forma, pretendeu-se criar uma infraestrutura segura, que reforçasse a ligação entre a investigação básica e clínica, destinada à promoção da prevenção, diagnóstico e terapêutica de várias doenças, visando assim, à promoção da saúde animal e, consequentemente, da saúde pública. A sala que foi adaptada para abrigar o BioBanco apresenta 3,17 metros de largura e 6,60 metros de comprimento, e encontrava-se destinada ao armazenamento de produtos de limpeza. Contudo, foi esvaziada antes do início das adaptações necessárias para o seu funcionamento (rede elétrica, principalmente). A área é adequada, sendo totalmente azulejada e com piso em granilite, forro de PVC, necessitando, portanto, de pequenas modificações (troca da porta de acesso por uma maior, para permitir a passagem dos freezeres e prover maior segurança). Já possui bancadas de granito para separação ou seleção das amostras, bem como iluminação adequada e pias para higienização das mãos. Encontra-se em localização privilegiada e de fácil acesso, sendo, geograficamente, ponto central para os pesquisadores de ambos os Departamentos da FMVA, a saber : Departamento de Apoio e Produção Animal e Departamento de Clínica, Cirurgia e Reprodução de Grandes Animais. Para o BioBanco foi proposto a aquisição e instalação dos seguintes equipamentos: 16

17 01 Freezer vertical 80º C, com capacidade para 728 litros. 02 Freezer vertical -20º C, com capacidade de 500 litros. Sistema back-up de CO2 para freezer -80º C. 03 botijões de nitrogênio líquido com capacidade de 60 litros/cada. 01 Nobreak de 10 KVA, com entrada e saída bifásica. 01 gerador de energia, para eventuais problemas na rede elétrica e manutenção do funcionamento dos equipamentos (Freezeres). 01 fechadura digital com senha para controle de entrada (permitir acesso apenas de pessoas credenciadas). 02 ares-condicionados Split, BTUS. O Biobanco dará dinâmica especial aos vários pesquisadores que não possuem sala apropriada, ou seja, dotada de segurança e estrutura para armazenamento de suas amostras biológicas (gerador de energia, alarmes, controle de entrada e saída de pessoas), bem como de equipamentos mais sofisticados e caros (freezer 80º C, geradores) para adequado acondicionamento de seu material de pesquisa. 17

18 2. IMPLANTAÇÃO DO BIOBANCO NA FMVA Dando continuidade a Parte II do projeto proposto, foi objetivo deste a implementação a curto e médio prazo de todos os recursos adquiridos para implantação do Biobanco na Faculdade de Medicina Veterinária, situada à Rua Clóvis Pestana, nº 793, potencializando a infraestrutura laboratorial local na unidade. No prédio escolhido para implementação do Biobanco foi montado toda infraestrutura necessária para receber os equipamentos adquiridos. Assim, conforme mostra a figura 11, foram adquiridos e instalados um Freezer vertical -80º C, com capacidade para 728 litros, além de um sistema backup de CO2 para freezer -80º C. A figura 12, mostra 02 Freezers verticais -20º C, com capacidade de 500 litros, instalados ao lado em uma sala de apoio do Biobanco. Figura 11. Freezer vertical -80ºC e Sistema de backup Figura 12. Freezers vertical -20ºC instalados Ainda, com a finalidade de potencializar a capacidade de armazenamento de amostras mantidas sob refrigeração adequada, foram adquiridos e instalados no Biobanco, três (3) botijões de nitrogênio líquido com capacidade de 60 litros/cada, conforme mostra a figura

19 Figura 13. Botijões de nitrogênio líquido Foi realizada a aquisição e instalação de dois aparelhos condicionadores de ar, com capacidade de BTU/h cada, conforme mostram as figuras 14 e 15, necessários para a climatização do Biobanco, uma vez que os equipamentos ali instalados funcionarão durante todos os dias e noites, sem interrupções. Figura 14. Aparelho de Ar condicionado I Figura 15. Aparelho de Ar condicionado II Para garantir a segurança dos computadores a serem instalados futuramente e demais equipamentos do Biobanco, em caso de instabilidade elétrica, bem como garantir o funcionamento dos Freezeres no caso de interrupção no fornecimento de energia elétrica, foram adquiridos e instalados um No-Break de 10 KVA e também um sistema de gerador de energia, o qual está integrado à rede elétrica para prevenir eventuais quedas de energia e manutenção do funcionamento dos equipamentos, conforme mostra as figuras 16 e

20 Figura 16. No Break 10 KVA do Biobanco Figura 17. Gerador de energia integrado a rede Por fim, foi proposto a aquisição e instalação de uma fechadura eletrônica com senha para controle de entrada (permitindo acesso apenas de pessoas credenciadas), conforme mostra a figura 18, com a finalidade de garantir segurança do local. Figura 18. Controle de Acesso com Fechadura eletrônica 20

21 3. INVESTIMENTO A descrição dos equipamentos adquiridos, bem como seus quantitativos, preços unitários e custo total, necessários para a instalação do Biobanco da Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba são apresentados no Quadro 2. Quadro 2. Descrição, quantitativos, preços unitários e custo total dos equipamentos e acessórios necessários para a implantação do Biobanco na FMVA/UNESP, Campus de Araçatuba. EQUIPAMENTOS NECESSÁRIOS PARA O BIOBANCO Item Descrição Qtd. Vr. Unit. Vr. Total Freezer vertical 80º C, com capacidade para 728 litros, com racks para caixas de 2 com 24 divisões e sistema backup de CO2 para freezer -80º C. 1 R$ ,00 R$ ,00 Freezer vertical -20º C, com capacidade para 500 a 570 litros. 2 R$ 3.000,00 R$ 6.000,00 Botijões de nitrogênio líquido com capacidade para 60 litros/cada. 3 R$ 6.000,00 R$ ,00 No-break 10.0 KVA. 1 R$ ,00 R$12.544,00 Grupo gerador, linha diesel, montado em contêiner, com potência de 40 / 37 / 35 kva - 32 / 30 / 28 kwe (Emergência / Principal / Contínua), trifásico, com 1 fator de potência 0,8, na tensão de 220 / 127 Vca, em 60 Hz, para funcionamento automático. R$ ,00 R$ ,00 Ar-condicionado Split, R$ 4.350,00 R$ 8.700,00 BTU/hora. 7. Fechadura digital. 1 R$ 428,00 R$ 428,00 MATERIAL DE CONSUMO NECESSÁRIO PARA O BIOBANCO Item Descrição Qtd. Vr. Unit. Vr. Total 1. Central de alarmes c/ 18 zonas 1 R$ 360,00 R$ 360,00 2. Teclado para centrais 1 R$ 160,00 R$ 160,00 3. Bateria selada recarregável 1 R$ 69,00 R$ 69,00 4. Sirene Eletrônica 1 R$ 80,00 R$ 80,00 5. Infravermelho passivo 2 R$ 70,00 R$ 140,00 6. Mini-câmera 2 R$ 287,00 R$ 574,00 21

22 7. Conectores 5 R$ 2,80 R$ 11,20 8. Fontes de alimentação 2 R$ 38,00 R$ 76,00 9. Protetores de câmeras 2 R$ 58,00 R$ 116, Placa de captura 1 R$ 360,00 R$ 360,00 TOTAL DO INVESTIMENTO Total de Material Permanente R$ ,00 Total de Material de Consumo R$ 1.946,00 Total Serviços de Terceiros R$ ,09 TOTAL DO PROJETO R$ ,29 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS O volume das atividades de ensino e pesquisa na Faculdade de Medicina Veterinária explica a grande demanda por tecnologia em laboratórios e recursos de informática diversos. Conforme havia sido apresentado, a infraestrutura laboratorial e de informática existente atendia apenas parcialmente as necessidades da Unidade e requeria adequações significativas, por meio da implantação de um Datacenter e um Biobanco. A partir da implementação deste projeto, por meio da reserva técnica Fapesp, foi possível uma melhoria significativa em toda esta infraestrutura. Portanto, o funcionamento adequado da estrutura atual, constituída por recursos de redes cabeada, rede wireless, computadores, monitores, periféricos, impressoras, scanners, TVs, projetores multimídia, notebooks, netbooks, racks, switches, roteadores, telefonia VoIP, câmeras e alarmes, entre outros, dependiam da instalação de um Datacenter próprio, de forma a assegurar o gerenciamento eficiente e independente destes recursos, além resolver as deficiências de segurança e fragilidade da rede. Da mesma forma, o Biobanco proporcionou dinâmica especial aos vários pesquisadores que não possuíam recursos apropriados, ou seja, dotados de segurança e estrutura para armazenamento de suas amostras biológicas (gerador de energia, alarmes, controle de entrada e saída de pessoas), bem como de equipamentos mais sofisticados e caros (freezer - 80º C, geradores) para o adequado acondicionamento de seu material de pesquisa. 22

23 A partir do relatório aqui apresentado, entende-se que os objetivos do projeto foram cumpridos e muitos benefícios já são perceptíveis a partir da nova estrutura instalada. Acredita-se, portanto, que este projeto já demonstra sua fundamental importância na modernização laboratorial e de informatização em nossa unidade de ensino. 23

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO Atualmente a FIBRA encontra-se em novas instalações contando com 33 salas de aula climatizadas, com instalações de equipamentos de multimídia, auditório climatizado com

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA

PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) JUNHO/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO CENTRAIS DE ALARMES O presente memorial tem por objetivo descrever as instalações do sistema de proteção

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ESTUDO TÉCNICO PRELIMINAR DA CONTRATAÇÃO 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Aquisição de equipamentos para infraestrutura de redes de todo o IFRO 2. DEFINIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA

GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA GERENCIAMENTO DE PROJETOS PRONIM, IMPLANTAÇÃO SQL SERVER GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA Cliente GOVBR, UEM-MARINGA / Prefeitura Municipal de PEROLA Data 10/09/2015 Versão 1.0 Objeto:

Leia mais

Estimativa. Unioeste 30809/2010 Cod. Fornecedor ClassificaçãoVlr.Un. Total. Setor Processo Item edital

Estimativa. Unioeste 30809/2010 Cod. Fornecedor ClassificaçãoVlr.Un. Total. Setor Processo Item edital Filtrado por ( : = '' ) E ( em haver: >= 1 ) E (Imprimir quantidades por setor de consumo = Sim) 06/05/2014:17:06 Página 1 de 1 Fornecedor ClassificaçãoVlr.Un. 23 7023 Backup - Agente Aplicação Exchange

Leia mais

PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO

PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" FACULDADE DE ENGENHARIA - CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO APLICAÇÃO DA PARCELA PARA CUSTOS DE INFRA- ESTRUTURA INSTITUCIONAL PARA

Leia mais

WORKSHOP DOS ADMINISTRADORES DE REDES DE COMPUTADORES DA UNESP - 2014

WORKSHOP DOS ADMINISTRADORES DE REDES DE COMPUTADORES DA UNESP - 2014 Comitê Superior de Tecnologia da Informação CSTI Assessoria de Informática AI Grupo de Redes de Computadores GRC Diretoria Técnicas de Informática DTI Administradores de rede das DTIs 08h00 08h30: Abertura

Leia mais

Superintendência de Tecnologia da Informação e Comunicação. Planejamento 2015. Nichollas Rennah

Superintendência de Tecnologia da Informação e Comunicação. Planejamento 2015. Nichollas Rennah Superintendência de Tecnologia da Informação e Comunicação Planejamento 2015 Nichollas Rennah Resultados 2014 Implantação da Telefonia VOIP Expansão do link principal para 1Gb Reforma na infraestrutura

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO

PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" FACULDADE DE ENGENHARIA - CÂMPUS DE ILHA SOLTEIRA PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO APLICAÇÃO DA PARCELA PARA CUSTOS DE INFRAESTRUTURA INSTITUCIONAL PARA

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 004/2012 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PÁGINA 1 DE 6 ITEM 01 SERVIDOR DE RACK COM AS SEGUINTES CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS MÍNIMAS: INFORMAR OBRIGATORIAMENTE O FABRICANTE

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO FOLHAS DE DADOS Todas as folhas de dados para os equipamentos mencionados deverão ser devidamente preenchidas conforme determinado a seguir. Deverá ser preenchida uma folha de dados para cada tipo de equipamento

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR GERENCIA DE REDES DE COMPUTADORES 4º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Alunos: Erik de Oliveira, Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João

Leia mais

Projeto: Atualização da Infra-estrutura de Comunicação por Videoconferência, para promover as Atividades de Pesquisa multicampus.

Projeto: Atualização da Infra-estrutura de Comunicação por Videoconferência, para promover as Atividades de Pesquisa multicampus. FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO (FAPESP) AUXÍLIO À PESQUISA: Reserva Técnica Institucional Faculdade de Engenharia Unesp Campus de Bauru Relatório Científico Processo 2013/24395-4

Leia mais

Plano de Utilização do Acervo e Acessos

Plano de Utilização do Acervo e Acessos FACULDADE DE RONDÔNIA INSTITUTO JOÃO NEÓRICO Plano de Utilização do Acervo e Acessos SUMÁRIO 1 OBJETIVO GERAL...2 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS...2 3. ABRANGÊNCIA...2 4. BIBLIOTECA...2 4.1 Espaço Físico...4

Leia mais

Aprovar Regulamento de Gestão de Utilização de Recursos de TI junto ao COUNI Março 2012

Aprovar Regulamento de Gestão de Utilização de Recursos de TI junto ao COUNI Março 2012 Planejamento 2012 Diretoria de TI DIMENSÃO 01: GESTÃO UNIVERSITÁRIA Objetivo Estratégico 1.3: Aprimorar os mecanismos de gestão da tecnologia de informação Aprovar o Regimento do Comitê Gestor de TI Março

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU CAMPUS ITAPERUNA CURSO DE DIREITO LABORATÓRIOS

UNIVERSIDADE IGUAÇU CAMPUS ITAPERUNA CURSO DE DIREITO LABORATÓRIOS LABORATÓRIOS ITAPERUNA, Julho/2015 ESTRUTURA DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA ASSOCIADOS AO 1 INTRODUÇÃO Os laboratórios que servem ao curso de Direito têm como objetivo oferecer treinamento prático, auxílio

Leia mais

INFORMÁTIC INFORMÁ TIC INFORMÁTICA

INFORMÁTIC INFORMÁ TIC INFORMÁTICA NFORM Infra-estrutura Administrativa e Operacional da Área de Informática da UESB 9.2 A UINFOR está organizada em quatro áreas de trabalho: 9.2.1 Desenvolvimento de Sistemas: Esta área é a responsável

Leia mais

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Ligia Scrivano Paixão Diretora do Sistema de Bibliotecas e coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Santa

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac-RS FATEC Senac Pelotas Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática

Faculdade de Tecnologia Senac-RS FATEC Senac Pelotas Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática Faculdade de Tecnologia Senac-RS FATEC Senac Pelotas Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática EMILENE RIBEIRO CARDOSO SILVEIRA, SABRINE IEPSEN WESTPHAL, GUILHERME

Leia mais

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 232/2013 Aprova a Norma Complementar de Procedimentos para Inventariar Ativos de Tecnologia da Informação. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Servidor de OpenLAB Data Store A.02.01 Lista de Preparação do Local. Objetivo do Procedimento. Responsabilidades do cliente

Servidor de OpenLAB Data Store A.02.01 Lista de Preparação do Local. Objetivo do Procedimento. Responsabilidades do cliente Servidor Lista de Preparação de OpenLAB do Data Local Store A.02.01 Objetivo do Procedimento Assegurar que a instalação do Servidor de OpenLAB Data Store pode ser concluída com sucesso por meio de preparação

Leia mais

RESOLUÇÃO POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SOFTWARES.

RESOLUÇÃO POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SOFTWARES. RESOLUÇÃO CAS Nº 39 /2010, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2010 POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SOFTWARES. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR, face ao disposto no Artigo 5º do Regimento Unificado das

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry REDES DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Fundamentos em Informática Mundo Globalizado Acelerado desenvolvimento tecnológico

Leia mais

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc Sumário: 1. Pré-requisitos de instalação física e lógica do Sisloc... 3 Servidores de Dados... 3 Servidores de Aplicação (Terminal Service)... 3

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

ONDE LEIA SE: LOTE 01

ONDE LEIA SE: LOTE 01 Divinolândia, 21 de Setembro de 2011 Prezados senhores interessados, Esta comissão de Julgamento de Licitação do Conderg Hospital Regional de Divinolândia, esclarece através deste, alteração feita no Edital

Leia mais

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS IBAITI/PR 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 3 ATUALIZAÇÃO DO PARQUE TECNOLÓGICO... 3 3.1 Laboratório de Informática, Departamentos Acadêmicos

Leia mais

PADRÃO DE INFRAESTRUTURA DE TECNOLOGIA PARA PRESTADORES DA UNIMED RIO VERDE

PADRÃO DE INFRAESTRUTURA DE TECNOLOGIA PARA PRESTADORES DA UNIMED RIO VERDE PADRÃO DE INFRAESTRUTURA DE TECNOLOGIA PARA PRESTADORES DA UNIMED RIO VERDE Versão 1.0 Data: 09/12/2013 Desenvolvido por: - TI Unimed Rio Verde 1 ÍNDICE 1. Objetivo... 4 2. Requsitos de Infraestrutura

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

- SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ENXOVAL HOSPITALAR - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS

- SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ENXOVAL HOSPITALAR - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS - SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ENXOVAL HOSPITALAR - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS I - Aspectos gerais: 1. Sistema eletrônico para gestão e rastreamento do enxoval hospitalar, composto por etiquetas dotadas

Leia mais

Experiência da UFSC com Projetos Apoiados pela Lei 8248

Experiência da UFSC com Projetos Apoiados pela Lei 8248 Experiência da UFSC com Projetos Apoiados pela Lei 8248 Prof. Raul Sidnei Wazlawick Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Uso Institucional de Recursos da Lei 8248 Cooperação

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PGFN Departamento de Gestão Corporativa - DGC Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação - CTI CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA Infraestrutura

Leia mais

1.2) PROJETO DE VIRTUALIZAÇÃO DE COMPUTADORES DE MESA

1.2) PROJETO DE VIRTUALIZAÇÃO DE COMPUTADORES DE MESA 1.1) PLANO DE APLICAÇÃO DE RECURSOS (EM ANEXO) 1.2) PROJETO DE VIRTUALIZAÇÃO DE COMPUTADORES DE MESA INTRODUÇÃO O curso de engenharia florestal possui 4395 horas de aulas em disciplinas obrigatórias e

Leia mais

INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E CIÊNCIAS EXATAS UNESP CÂMPUS DE RIO CLARO

INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E CIÊNCIAS EXATAS UNESP CÂMPUS DE RIO CLARO 1 INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E CIÊNCIAS EXATAS UNESP CÂMPUS DE RIO CLARO RELATÓRIO CIENTÍFICO DE APLICAÇÃO DE R$ 176.287,00 DA PARCELA DA RESERVA TÉCNICA DA FAPESP - INFRAESTRUTURA INSTITUCIONAL DE PESQUISA

Leia mais

O relacionamento direto com o cliente, respeito mútuo, responsabilidade, flexibilidade e adaptabilidade são os principais valores da Infolux.

O relacionamento direto com o cliente, respeito mútuo, responsabilidade, flexibilidade e adaptabilidade são os principais valores da Infolux. A NOSSA HISTÓRIA A Infolux Informática possui seu foco de atuação voltado para o mercado corporativo, auxiliando micro, pequenas e médias empresas na tarefa de extrair o máximo de benefícios com investimentos

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA FÍSICA Introdução Recomendações para o controle do acesso físico Política de segurança

Leia mais

Cláusula 1.º Objecto. Cláusula 2.º Especificação da prestação

Cláusula 1.º Objecto. Cláusula 2.º Especificação da prestação CADERNO DE ENCARGOS CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJECTO DE ARQUIVO DIGITAL DE INFRA-ESTRUTURAS DE IT O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas a incluir no contrato

Leia mais

FACULDADE ERNESTO RISCALI

FACULDADE ERNESTO RISCALI PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS OLÍMPIA 2015 Rua Bruno Riscali Vila Hípica Olímpia (SP) - (17) 3281-1231 CEP: 15400-000 2 PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS. 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 ORGANOGRAMA DA EDUCAÇÃO PROCESSOS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR PARA QUE AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO TENHAM SEUS CURSOS APROVADOS E REGULAMENTADOS, É NECESSÁRIO

Leia mais

Empresa GÊNIO INFORMÁTICA

Empresa GÊNIO INFORMÁTICA 0 Empresa Com mais de 15 anos de experiência no mercado, GÊNIO INFORMÁTICA é líder em seu segmento e se destaca na prestação de serviços em redes de computadores e instalação de CFTV (Câmeras de segurança).

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

Anexo 6 Demandas oriundas das propostas do CT-INFRA PROINFRA nos editais de 01/2009 e 02/2010 CT-INFRA PROINFRA 01/2009

Anexo 6 Demandas oriundas das propostas do CT-INFRA PROINFRA nos editais de 01/2009 e 02/2010 CT-INFRA PROINFRA 01/2009 Plano de Desenvolvimento Institucional 2011-2015 UFSM 138 Anexo 6 Demandas oriundas das propostas do CT-INFRA PROINFRA nos editais de 01/2009 e 02/2010 CT-INFRA PROINFRA 01/2009 Alta disponibilidade de

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Redes de Computadores 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Redes de Computadores 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Redes de Computadores 2011-2 EXPANSÃO E MELHORIA NA REDE DE COMPUTADORES DO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 SERVIÇOS BÁSICOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

PDI GERAL DO CEFET/RJ

PDI GERAL DO CEFET/RJ PDI GERAL DO CEFET/RJ Princípios que devem nortear o estabelecimento de políticas e ações no CEFET/RJ e que devem constar do PDI: Institucionalidade/identidade de UT (estabelecimento de um modelo diferenciado

Leia mais

ASSISTÊNCIA. AUFLA foi uma das instituições mapeadas ESTUDANTIL

ASSISTÊNCIA. AUFLA foi uma das instituições mapeadas ESTUDANTIL ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL AUFLA foi uma das instituições mapeadas por uma pesquisa realizada em 2010 pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), que resultou

Leia mais

2 computadores de mesa (desktop):

2 computadores de mesa (desktop): Levantamento dos ativos de infraestrutura de TI utilizados em uma empresa. Especificação técnica e localização dos equipamentos que podem ser patrimoniados. As empresas dependem da infraestrutura de TI

Leia mais

ASSESSORIA DE INFORMÁTICA

ASSESSORIA DE INFORMÁTICA ASSESSORIA DE INFORMÁTICA BALANÇO DE E PERSPECTIVAS PARA 2015 A Assessoria de Informática (AI) é responsável pela coordenação executiva das atividades de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) da

Leia mais

RELATÓRIO. Raimundo Gadelha Fontes Filho (Assessor de Suporte e Informática) Josinécia de Cássia Oliveira (Informática Web designer)

RELATÓRIO. Raimundo Gadelha Fontes Filho (Assessor de Suporte e Informática) Josinécia de Cássia Oliveira (Informática Web designer) RELATÓRIO Relatório das atividades realizadas período 2014 do Setor de Suporte e Informática. Equipe de Edição: Raimundo Gadelha Fontes Filho (Assessor de Suporte e Informática) Josinécia de Cássia Oliveira

Leia mais

ANEXO 3 FOLHA DE DADOS

ANEXO 3 FOLHA DE DADOS PROJETO BÁSICO DOF 001 / 2010 ANEXO 3 FOLHA DE DADOS EQUIPAMENTO: Medidores de Faturamento SE ABUNÃ - FOLHA DE DADOS Quantidade: 8 (oito) Fabricante Modelo FUNCIONAIS Compatibilidade com IEC 687 Classe

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO BRA/K57

Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO BRA/K57 Contrata 1. Perfil: Contratação na modalidade produto de 01 (um) profissional objetivando implementação de sistemas de informação do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites

Leia mais

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do SISLOC

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do SISLOC Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do SISLOC Sumário Pré-Requisitos de Instalação Física e Lógica do SISLOC...3 Servidores de Dados...3 Servidores de Aplicação (Terminal Service)...3 Estações

Leia mais

ANEXO II EDITAL 002/2015 - PROEX/IFMS DAS ATRIBUIÇÕES DO ESTAGIÁRIO

ANEXO II EDITAL 002/2015 - PROEX/IFMS DAS ATRIBUIÇÕES DO ESTAGIÁRIO ANEXO II EDITAL 002/2015 - PROEX/IFMS DAS ATRIBUIÇÕES DO ESTAGIÁRIO CÂMPUS AQUIDAUANA CURSO Informática Edificações ATRIBUIÇÕES - Prestar serviço de suporte na área de tecnologia da informação; - Prestar

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ÊNFASE EM ENGENHARIA DE SOFTWARE ARTHUR HENRIQUE DO PRADO FRANQUELO ALLAN ESTEVAM DE SOUZA CARLOS

Leia mais

SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO. 1.2 Para efeito de cálculo do volume total em TB deverá ser considerado que 1KB = 1024 bytes.

SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO. 1.2 Para efeito de cálculo do volume total em TB deverá ser considerado que 1KB = 1024 bytes. SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO Características Técnicas: 1.1 Deverá ser ofertada Solução de Storage com capacidade mínima de 100 TB (cem Terabyte) líquido, sendo 80TB (oitenta Terabytes)

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA DE INFORMÁTICA PARA O ARQUIVAMENTO DE DOCUMENTOS EM AMBIENTE DE REDE NA FCM

INFRA-ESTRUTURA DE INFORMÁTICA PARA O ARQUIVAMENTO DE DOCUMENTOS EM AMBIENTE DE REDE NA FCM INFRA-ESTRUTURA DE INFORMÁTICA PARA O ARQUIVAMENTO DE DOCUMENTOS EM AMBIENTE DE REDE NA FCM Wagner J. Silva Núcleo de Tecnologia da Informação CADCC - FCM - UNICAMP AGENDA Arquivos corporativos Locais

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 1. INTRODUÇÃO As Faculdades mantidas pelo Instituto Educacional de Assis IEDA (Escola de Educação Física de Assis, Faculdade de Administração de Assis,

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Resumo da solução Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Você deseja uma solução de computação unificada para a sua empresa de médio ou pequeno porte ou para o padrão avançado do seu

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular.

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular Relatório Final João Pedro Cavasin Estagiário André Luis Schwerz Orientador

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

Sistemas de Armazenamento

Sistemas de Armazenamento M. Sc. isacfernando@gmail.com Especialização em Administração de Banco de Dados ESTÁCIO FIR Tipo de Não importa quanta memória seu smartphone tenha, ele nunca terá o bastante para guardar todas as suas

Leia mais

NIESC/VR NÚCLEO DE INFORMAÇÃO E ESTUDOS DE CONJUNTURA

NIESC/VR NÚCLEO DE INFORMAÇÃO E ESTUDOS DE CONJUNTURA NIESC/VR NÚCLEO DE INFORMAÇÃO E ESTUDOS DE CONJUNTURA MISSÃO DA UNIDADE O NIESC/VR é o órgão destinado à coleta, sistematização e interpretação de dados organizacionais e sociais, de modo a fornecer às

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

PARECER TÉCNICO Diretoria de Tecnologia e Infra-Estrutura - DT Superintendência de Tecnologia STT

PARECER TÉCNICO Diretoria de Tecnologia e Infra-Estrutura - DT Superintendência de Tecnologia STT I. Objetivo Este documento esclarece dúvidas, define uma classificação dos itens indicados como equipamentos de informática ou equipamentos de tecnologia da informação previstos no Decreto 10.710, Artigo

Leia mais

Soluções em Segurança

Soluções em Segurança Desafios das empresas no que se refere a segurança da infraestrutura de TI Dificuldade de entender os riscos aos quais a empresa está exposta na internet Risco de problemas gerados por ameaças externas

Leia mais

SM Dispatch Workstation Categoria Item Mínimo Recomendado

SM Dispatch Workstation Categoria Item Mínimo Recomendado SM Dispatch Workstation Processador Processador Intel Core i5-4590s (Qual Core, 6MB, 3.00GHz Processador Intel Core i7-4770 (3.4GHz até 3.9GHz com c/ Gráficos HD4600) Intel Turbo Boost 2.0, 8 Threads,

Leia mais

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz 1 Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz Prezado Usuário, A partir de agora você estará utilizando um sistema que integra Dados, Voz e Imagem em uma rede de alta confiabilidade, com equipamentos

Leia mais

PDTI - Definição. Instrumento de diagnóstico, planejamento e

PDTI - Definição. Instrumento de diagnóstico, planejamento e PDTI - Definição Instrumento de diagnóstico, planejamento e gestão dos recursos e processos de Tecnologia da Informação que visa atender às necessidades tecnológicas e de informação de um órgão ou entidade

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Ata Parcial. Item 0001

Ata Parcial. Item 0001 Ata Parcial Às 09:00 horas do dia 19 de junho de 2012, reuniu-se o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Palmas e respectivos membros da Equipe de apoio, designados pela portaria 027/2012-GAB/SEFIN

Leia mais

Ata Final. Item 0001

Ata Final. Item 0001 Ata Final Às 09:00 horas do dia 19 de junho de 2012, reuniu-se o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Palmas e respectivos membros da Equipe de apoio, designados pela portaria 027/2012-GAB/SEFIN

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FÓRUM TÉCNICO CONSULTIVO TELEFONIA IP Carlos José Rosa Coletti AI Reitoria Lazaro Geraldo Calestini Rio Claro Tatiana Pinheiro de Brito IA São Paulo Valmir Dotta FCLAr - CSTI Walter Matheos Junior IFT

Leia mais

2º TRIMESTRE 01/04/2014 a 30/06/2014 RELATÓRIO

2º TRIMESTRE 01/04/2014 a 30/06/2014 RELATÓRIO 2º TRIMESTRE 01/04/2014 a 30/06/2014 RELATÓRIO Relatório das atividades realizadas no primeiro trimestre do Setor de Suporte e Informática. EQUIPE: Raimundo Gadelha Fontes Filho (Assessor de Suporte e

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 10/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO PRESENCIAL Nº 10/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL Nº 10/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. JUSTIFICATIVA DA AQUISIÇÃO: para atender as necessidades da Câmara Municipal de Canoas/RS. 2. OBJETO: O objeto da presente licitação, na modalidade

Leia mais

Inventário de Necessidades de TI - PDTI 2016 2017

Inventário de Necessidades de TI - PDTI 2016 2017 Inventário de Necessidades de TI - PDTI 2016 2017 1. Comunicação Institucional a. Portal UFABC b. Aplicativos para Smartfone c. Eventos d. WEB TV e. Portal do Aluno f. Portal do Professor g. Páginas de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS NO BREAKS 1. Nobreak 600VA Bivolt -115v/220v VALOR ESTIMADO: R$: 302,00 Capacidade de Potência de 300 Watts / 600 VA Tensão nominal de saída 115V Eficiência em carga total 90.0%

Leia mais

RELATÓRIO DE REALIZAÇÕES E ATIVIDADES DA EQUIPE DA DIREÇÃO-GERAL DO CAMPUS CEDETEG GESTÃO 2012-2016

RELATÓRIO DE REALIZAÇÕES E ATIVIDADES DA EQUIPE DA DIREÇÃO-GERAL DO CAMPUS CEDETEG GESTÃO 2012-2016 RELATÓRIO DE REALIZAÇÕES E ATIVIDADES DA EQUIPE DA DIREÇÃO-GERAL DO CAMPUS CEDETEG GESTÃO 2012-2016 Apresentamos neste relatório resumido as realizações e atividades da Equipe da Direção-Geral do Campus

Leia mais

1. Biblioteca. 2. Infra-Estrutura. 2.1 Espaço físico

1. Biblioteca. 2. Infra-Estrutura. 2.1 Espaço físico Biblioteca UPIS 1 SUMÁRIO 1. Biblioteca... 3 2. Infra-Estrutura... 3 2.1 Espaço físico... 3 Campus I... 3 Instalações para estudos individuais... 3 Instalações para estudos em grupo... 3 3. Acervo Bibliográfico...

Leia mais

Comunicação via interface SNMP

Comunicação via interface SNMP Comunicação via interface SNMP 1 - FUNCIONAMENTO: Os No-breaks PROTEC possuem 3 interfaces de comunicação: Interface RS232, interface USB e interface SNMP. Todas elas permitem o controle e o monitoramento

Leia mais

Transformação do data center do Ministério do Meio Ambiente moderniza infraestrutura e reduz riscos

Transformação do data center do Ministério do Meio Ambiente moderniza infraestrutura e reduz riscos Transformação do data center do Ministério do Meio Ambiente moderniza infraestrutura e reduz riscos Perfil O Ministério do Meio Ambiente (MMA), criado em novembro de 1992, tem como missão promover a adoção

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

Catálogo de Serviços Coordenação Técnica CTE Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

Catálogo de Serviços Coordenação Técnica CTE Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Catálogo de Serviços Coordenação Técnica CTE Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Pág. 1/10 1. ATENDIMENTO TÉCNICO O objetivo do setor de atendimento técnico é atender solicitações de usuários

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS AEJ - ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE JAÚ CNPJ 05.311.136/0001-36 FACULDADE JAUENSE PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS JAÚ/2012 MANUTENÇÃO E ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DA FAJAU

Leia mais

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS A Biblioteca possui atenção especial dos dirigentes da UCSal, por constituirse em um instrumento de apoio valioso aos programas de ensino, pesquisa e extensão. O foco

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais